Informativo Econômico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Informativo Econômico"

Transcrição

1 Faculdade de Cie ncias Econo micas, Administrativas e Conta beis de Divino polis Instituto de Po s-graduaça o Pesquisa e Extensa o Nu cleo de Pesquisas Econo micas Informativo Econômico Ano VIII Sétima alta consecutiva da Selic e taxas de juros cobradas por instituições financeiras No u ltimo dia 15, o Comite de Política Moneta ria, Copom, divulgou nota dando prosseguimento ao processo de ajuste da taxa ba sica de juros, iniciado na reunia o de abril de 2013, o Copom decidiu por unanimidade, neste momento, elevar a taxa Selic (Sistema especial de liquidaça o e custo dia) em 0,50 p.p., para 10,50% a.a., sem vie s.. E a se tima vez seguida que ha elevaça o na Selic. O aumento da taxa ba sica de juros e desfavora vel para aqueles investidores acostumados a aplicar suas economias na poupança. Outros fundos de renda fixa se mostram mais favora veis no cena rio atual, mesmo a poupança sendo isenta de imposto, investimentos como CDB, Tesouro Direto e Fundos DI, mostram um desempenho mais favora vel na hora de optar por um investimento, conforme informado pela revista Exame. 16/1/2014 Nesta Ediça o Taxas de juros PF Taxas de juros PJ Juros Caso na o tenha economias para aplicar e, pelo contra rio, esteja precisando de dinheiro emprestado para comprar uma carro, uma casa, começar um nego cio, entre outros, fique atento com as taxas cobradas pelas instituiço es financeiras. Para pessoa física, taxas de juros pré-fixadas, apresentam variaço es impressionantes entre as maiores instituiço es financeiras de Divino polis. Quanto a aquisiça o de outros bens, as taxas variam 276,16%. Ja quando o assunto e cre dito pessoal na o consignado, a variaça o percentual atinge impressionantes 722,63%. Quanto a s taxas de juros pós-fixadas referenciadas em TR, a variaça o das taxas para financiamento imobilia rio com taxas reguladas e de 78,72% e, taxas para financiamento imobilia rio com taxas de mercado registra variaça o de 100%. Para pessoa jurídica, nas taxas pre -fixadas, destacam as variaço es dos juros cobradas entre as principais instituiço es financeiras, quanto a capital de giro com prazo superior a 365 dias, variaça o de 188,49%, e cheque especial, com variaça o de 112,55%. Ja a taxa po s-fixada referenciada em juros flutuantes, capital de giro com prazo até 365 dias, apresenta variaça o percentual de 116,67%. Para tanto e importante reservar um tempo para pesquisar quais instituiço es fornecem as melhores vantagens na hora de fazer um empre stimo, visando as melhores condiço es de tempo para pagamento e as menores taxas de mercado. Abaixo segue a relaça o completa das taxas de juros cobradas pelas principais instituiço es financeiras de Divino polis, pesquisa realizada pelo Nupec, com dados disponibilizados pelo Banco Central do Brasil. 1

2 Pessoa física Taxas de juros pré-fixadas Aquisição de outros bens BCO SANTANDER (BRASIL) S.A. 1,72 22,68 FIN. ITAÚ CBD CFI 2,15 29,44 CAIXA ECONOMICA FEDERAL 2,35 32,09 BCO DO BRASIL S.A. 2,40 32,86 BCO BRADESCO S.A. 2,94 41,61 HSBC BANK BRASIL SA BCO MULTIP 5,96 100,41 OMNI SA CFI 6,47 112,15 E um contrato entre o cliente e a instituiça o financeira, mas com destinaça o específica, nesse caso sobre aquisiça o de bens. Variação percentual de 276,16%. Aquisição de veículos BCO DO BRASIL S.A. 1,54 20,06 CAIXA ECONOMICA FEDERAL 1,41 18,25 HSBC BANK BRASIL SA BCO MULTIP 1,41 18,30 BCO BRADESCO FINANC. S.A. 1,57 20,59 ITAÚ UNIBANCO BM S.A. 1,58 20,68 BCO SANTANDER (BRASIL) S.A. 1,61 21,06 BCO ITAUCARD S.A. 1,65 21,68 BCO BRADESCO S.A. 1,69 22,31 BV FINANCEIRA S.A. CFI 1,98 26,48 MERCANTIL BRASIL FIN S.A. CFI 2,09 28,11 OMNI SA CFI 3,64 53,55 E um contrato entre o cliente e a instituiça o financeira, mas com destinaça o específica, como, por exemplo, a aquisiça o de veículo ou de bem imo vel. Variação percentual de 136,36%. 2

3 Cheque especial CAIXA ECONOMICA FEDERAL 4,42 67,96 BCO DO BRASIL S.A. 6,08 103,16 BCO BRADESCO S.A. 8,09 154,29 BCO MERCANTIL DO BRASIL S.A. 8,31 160,59 ITAÚ UNIBANCO BM S.A. 8,33 161,11 HSBC BANK BRASIL SA BCO MULTIP 9,89 209,92 BCO SANTANDER (BRASIL) S.A. 10,47 230,16 O chamado cheque especial e um produto que decorre de uma relaça o contratual em que e fornecida ao cliente uma linha de cre dito para cobrir cheques que ultrapassem o valor existente na conta. O banco cobra juros por esse empre stimo. Variação percentual de 136,88%. Crédito pessoal consignado INSS CAIXA ECONOMICA FEDERAL 1,71 22,40 BCO DO BRASIL S.A. 1,88 25,05 HSBC BANK BRASIL SA BCO MULTIP 2,06 27,64 BCO BRADESCO S.A. 2,07 27,88 BCO SANTANDER (BRASIL) S.A. 2,07 27,93 BCO BRADESCO FINANC. S.A. 2,10 28,38 BCO MERCANTIL DO BRASIL S.A. 2,12 28,61 ITAÚ UNIBANCO BM S.A. 2,12 28,61 BANCO ITAÚ BMG CONSIGNADO S.A. 2,14 28,92 MERCANTIL BRASIL FIN S.A. CFI 2,16 29,24 E uma modalidade de empre stimo em que o desconto da prestaça o e feito diretamente na folha de pagamento ou de benefício previdencia rio do contratante. A consignaça o em folha de pagamento ou de benefício depende de autorizaça o pre via e expressa do cliente para a instituiça o financeira. Variação percentual de 26,32%. 3

4 Crédito pessoal consignado privado CAIXA ECONOMICA FEDERAL 1,78 23,56 HSBC BANK BRASIL SA BCO MULTIP 2,16 29,18 BCO DO BRASIL S.A. 2,17 29,41 BCO SANTANDER (BRASIL) S.A. 2,18 29,58 BCO BRADESCO S.A. 2,21 29,91 ITAÚ UNIBANCO BM S.A. 2,41 33,10 MERCANTIL BRASIL FIN S.A. CFI 2,50 34,52 BCO BRADESCO FINANC. S.A. 2,51 34,65 BV FINANCEIRA S.A. CFI 3,41 49,47 E uma modalidade de empre stimo em que o desconto da prestaça o e feito diretamente na folha de pagamento ou de benefício previdencia rio do contratante. A consignaça o em folha de pagamento ou de benefício depende de autorizaça o pre via e expressa do cliente para a instituiça o financeira. Variação percentual de 91,57%. Crédito pessoal consignado público CAIXA ECONOMICA FEDERAL 1,51 19,68 BCO DO BRASIL S.A. 1,67 22,04 BCO SANTANDER (BRASIL) S.A. 1,69 22,29 HSBC BANK BRASIL SA BCO MULTIP 1,71 22,55 BCO BRADESCO S.A. 1,75 23,10 BCO MERCANTIL DO BRASIL S.A. 1,79 23,65 MERCANTIL BRASIL FIN S.A. CFI 1,85 24,62 BV FINANCEIRA S.A. CFI 1,90 25,39 BCO BRADESCO FINANC. S.A. 1,91 25,42 ITAÚ UNIBANCO BM S.A. 1,92 25,59 E uma modalidade de empre stimo em que o desconto da prestaça o e feito diretamente na folha de pagamento ou de benefício previdencia rio do contratante. A consignaça o em folha de pagamento ou de benefício depende de autorizaça o pre via e expressa do cliente para a instituiça o financeira. Variação percentual de 27,15%. 4

5 Crédito pessoal não consignado BCO ITAUCARD S.A. 2,43 33,35 CAIXA ECONOMICA FEDERAL 3,29 47,45 BCO DO BRASIL S.A. 3,61 53,03 OMNI SA CFI 3,96 59,28 BCO MERCANTIL DO BRASIL S.A. 4,27 65,14 BCO SANTANDER (BRASIL) S.A. 4,39 67,52 ITAÚ UNIBANCO BM S.A. 4,66 72,78 HSBC BANK BRASIL SA BCO MULTIP 4,77 75,00 BCO BRADESCO S.A. 5,49 89,93 BV FINANCEIRA S.A. CFI 7,14 128,84 BCO CACIQUE S.A. 9,22 188,10 CREFISA S.A. CFI 19,99 790,82 E uma modalidade de empre stimo em que o desconto da prestaça o e feito diretamente na folha de pagamento ou de benefício previdencia rio do contratante. A consignaça o em folha de pagamento ou de benefício depende de autorizaça o pre via e expressa do cliente para a instituiça o financeira. Variação percentual de 722,63%. Desconto de cheques BCO SANTANDER (BRASIL) S.A. 2,80 39,33 BCO DO BRASIL S.A. 2,93 41,38 BCO MERCANTIL DO BRASIL S.A. 3,23 46,48 BCO BRADESCO S.A. 4,07 61,37 O cheque é uma ordem de pagamento à vista e um título de crédito. A operação com cheque envolve três agentes: o emitente (emissor ou sacador), que é aquele que emite o cheque; o beneficiário, que é a pessoa a favor de quem o cheque é emitido; e o sacado, que é o banco onde está depositado o dinheiro do emitente. Variação percentual de 45,36%. 5

6 Financiamento imobiliário com taxas reguladas BCO SANTANDER (BRASIL) S.A. 0,73 9,11 BCO DO BRASIL S.A. 0,95 12,04 CAIXA ECONOMICA FEDERAL 0,96 12,17 E um contrato entre o cliente e a instituiça o financeira, mas com destinaça o específica, como, por exemplo, a aquisiça o de veículo ou de bem imo vel. Variação percentual de 31,51%. Financiamento imobiliário com taxas de mercado BCO SANTANDER (BRASIL) S.A. 0,83 10,43 HSBC BANK BRASIL SA BCO MULTIP 1,24 15,94 E um contrato entre o cliente e a instituiça o financeira, mas com destinaça o específica, como, por exemplo, a aquisiça o de veículo ou de bem imo vel. Variação percentual de 49,40%. Arrendamento mercantil de veículos BCO ITAUCARD S.A. 1,38 17,93 BRADESCO LEASING S.A. AM 1,43 18,61 O leasing e um contrato denominado na legislaça o brasileira como arrendamento mercantil. As partes desse contrato sa o denominadas arrendador e arrendata rio, conforme sejam, de um lado, um banco ou sociedade de arrendamento mercantil e, de outro, o cliente. O objeto do contrato e a aquisiça o, por parte do arrendador, de bem escolhido pelo arrendata rio para sua utilizaça o. O arrendador e, portanto, o proprieta rio do bem, sendo que a posse e o usufruto, durante a vige ncia do contrato, sa o do arrendata rio. O contrato de arrendamento mercantil pode prever ou na o a opça o de compra, pelo arrendata rio, do bem de propriedade do arrendador. Variação percentual de 3,62%. 6

7 Pessoa física Taxas pós-fixadas referenciada em TR Financiamento imobiliário com taxas reguladas CAIXA ECONOMICA FEDERAL 0,47 5,83 BCO DO BRASIL S.A. 0,57 7,00 BCO SANTANDER (BRASIL) S.A. 0,68 8,43 BCO BRADESCO S.A. 0,68 8,52 HSBC BANK BRASIL SA BCO 0,68 8,53 MULTIP ITAÚ UNIBANCO BM S.A. 0,84 10,60 E um contrato entre o cliente e a instituiça o financeira, mas com destinaça o específica, como, por exemplo, a aquisiça o de veículo ou de bem imo vel. Variação percentual de 78,72%. Financiamento imobiliário com taxas de mercado BCO SANTANDER (BRASIL) S.A. 0,68 8,51 BCO BRADESCO S.A. 0,71 8,88 CAIXA ECONOMICA FEDERAL 1,23 15,79 BCO BMG S.A. 1,36 17,66 E um contrato entre o cliente e a instituiça o financeira, mas com destinaça o específica, como, por exemplo, a aquisiça o de veículo ou de bem imo vel. Variação percentual de 100%. 7

8 Pessoa jurídica Taxas pré-fixadas Antecipação de faturas de cartão de crédito BCO SANTANDER (BRASIL) S.A. 2,01 26,95 BCO DO BRASIL S.A. 2,08 27,97 HSBC BANK BRASIL SA BCO MULTIP 2,63 36,58 BCO BRADESCO S.A. 2,81 39,39 ITAÚ UNIBANCO BM S.A. 3,31 47,73 Carta o de cre dito e um serviço de intermediaça o que permite ao consumidor adquirir bens e serviços em estabelecimentos comerciais previamente credenciados mediante a comprovaça o de sua condiça o de usua rio. Essa comprovaça o e geralmente realizada, no ato da aquisiça o, com a apresentaça o de carta o ao estabelecimento comercial. O carta o e emitido pelo prestador do serviço de intermediaça o, chamado genericamente de administradora de carta o de cre dito. Variação percentual de 64,68%. Capital de giro com prazo até 365 dias CAIXA ECONOMICA FEDERAL 1,30 16,74 HSBC BANK BRASIL SA BCO MULTIP 1,49 19,43 BCO DO BRASIL S.A. 1,67 22,00 BCO SANTANDER (BRASIL) S.A. 1,77 23,42 Capital de giro se refere ao ciclo de operaço es de uma empresa, englobando desde a aquisiça o de mate ria-prima ate a venda e o recebimento dos produtos vendidos. Variação percentual de 108,46%. OMNI SA CFI 1,95 26,10 BCO ITAÚ BBA S.A. 1,99 26,65 BCO BRADESCO S.A. 1,99 26,67 ITAÚ UNIBANCO BM S.A. 2,06 27,66 BCO MERCANTIL DO BRASIL S.A. 2,71 37,76 8

9 Capital de giro com prazo superior a 365 dias BCO ITAÚ BBA S.A. 1,16 14,79 CAIXA ECONOMICA FEDERAL 1,20 15,38 BCO SANTANDER (BRASIL) S.A. 1,60 20,97 HSBC BANK BRASIL SA BCO MULTIP 1,66 21,79 Capital de giro se refere ao ciclo de operaço es de uma empresa, englobando desde a aquisiça o de mate ria-prima ate a venda e o recebimento dos produtos vendidos. Variação percentual de 188,79%. BCO DO BRASIL S.A. 1,77 23,39 BCO BRADESCO S.A. 1,89 25,24 ITAÚ UNIBANCO BM S.A. 1,96 26,19 BCO MERCANTIL DO BRASIL S.A. 2,30 31,35 OMNI SA CFI 3,35 48,57 Cheque especial CAIXA ECONOMICA FEDERAL 4,94 78,30 BCO BRADESCO S.A. 6,62 115,87 BCO MERCANTIL DO BRASIL S.A. 6,90 122,76 ITAÚ UNIBANCO BM S.A. 8,07 153,74 BCO DO BRASIL S.A. 9,07 183,44 O chamado cheque especial e um produto que decorre de uma relaça o contratual em que e fornecida ao cliente uma linha de cre dito para cobrir cheques que ultrapassem o valor existente na conta. O banco cobra juros por esse empre stimo. Variação percentual de 112,55%. HSBC BANK BRASIL SA BCO MULTIP 10,11 217,78 BCO SANTANDER (BRASIL) S.A. 10,50 231,45 9

10 Conta garantida BCO DO BRASIL S.A. 1,96 26,18 HSBC BANK BRASIL SA BCO MULTIP 2,22 30,09 BCO SANTANDER (BRASIL) S.A. 2,48 34,24 BCO MERCANTIL DO BRASIL S.A. 2,57 35,56 E uma conta de empre stimo separada da conta corrente, com limite de cre dito implantado para utilizaça o de forma rotativa. E o cheque especial da empresa. Variação percentual de 110,71%. ITAÚ UNIBANCO BM S.A. 2,79 39,08 BCO BRADESCO S.A. 4,13 62,56 Desconto de duplicatas CAIXA ECONOMICA FEDERAL 1,69 22,32 BCO MERCANTIL DO BRASIL S.A. 2,02 27,18 HSBC BANK BRASIL SA BCO MULTIP 2,09 28,19 BCO DO BRASIL S.A. 2,12 28,64 Modalidade onde a empresa deixa junto ao banco duplicatas de cre dito como garantia de empre stimos levantados. Variação percentual de 66,27%. BCO SANTANDER (BRASIL) S.A. 2,22 30,21 ITAÚ UNIBANCO BM S.A. 2,51 34,65 BCO BRADESCO S.A. 2,81 39,46 10

11 Vendor BCO DO BRASIL S.A. 1,05 13,41 HSBC BANK BRASIL SA BCO MULTIP 1,08 13,70 ITAÚ UNIBANCO BM S.A. 1,10 14,04 BCO SANTANDER (BRASIL) S.A. 1,19 15,31 BCO ITAÚ BBA S.A. 1,24 15,94 A operaça o de vendor e uma cessa o de cre dito que permite a empresa vender seu produto a prazo e receber o pagamento a vista. A empresa vendedora transfere seu cre dito ao banco e recebe o pagamento a vista. Variação percentual de 22,86%. BCO BRADESCO S.A. 1,29 16,67 Desconto de cheques CAIXA ECONOMICA FEDERAL 1,84 24,49 BCO MERCANTIL DO BRASIL S.A. 2,17 29,32 BCO SANTANDER (BRASIL) S.A. 2,26 30,74 HSBC BANK BRASIL SA BCO MULTIP 2,38 32,56 ITAÚ UNIBANCO BM S.A. 2,58 35,75 BCO DO BRASIL S.A. 2,77 38,74 BCO BRADESCO S.A. 2,94 41,63 O cheque e uma ordem de pagamento a vista e um título de cre dito. A operaça o com cheque envolve tre s agentes: o emitente (emissor ou sacador), que e aquele que emite o cheque; o beneficia rio, que e a pessoa a favor de quem o cheque e emitido; e o sacado, que e o banco onde esta depositado o dinheiro do emitente. Variação percentual de 59,78%. 11

12 Pessoa Jurídica Taxas pós-fixadas referenciada em juros flutuantes Capital de giro com prazo até 365 dias Instituição % % a.a. a.m. BCO DO BRASIL S.A. 1,08 13,78 HSBC BANK BRASIL SA BCO MULTIP 1,33 17,12 BCO ITAÚ BBA S.A. 1,38 17,88 BCO SANTANDER (BRASIL) S.A. 1,41 18,31 ITAÚ UNIBANCO BM S.A. 1,63 21,47 BCO MERCANTIL DO BRASIL S.A. 1,85 24,67 BCO BRADESCO S.A. 2,34 32,04 Capital de giro se refere ao ciclo de operaço es de uma empresa, englobando desde a aquisiça o de mate ria-prima ate a venda e o recebimento dos produtos vendidos. Variação percentual de 116,67%. Capital de giro com prazo superior a 365 dias Instituição % a.m. % a.a. ITAÚ UNIBANCO BM S.A. 1,08 13,69 BCO BRADESCO S.A. 1,10 14,01 BCO DO BRASIL S.A. 1,15 14,70 BCO ITAÚ BBA S.A. 1,21 15,53 CAIXA ECONOMICA FEDERAL 1,30 16,83 BCO SANTANDER (BRASIL) S.A. 1,31 16,85 HSBC BANK BRASIL SA BCO MULTIP 1,35 17,44 BCO MERCANTIL DO BRASIL S.A. 2,00 26,76 Capital de giro se refere ao ciclo de operaço es de uma empresa, englobando desde a aquisiça o de mate ria-prima ate a venda e o recebimento dos produtos vendidos. Variação percentual de 85,19%. 12

13 Conta garantida ITAÚ UNIBANCO BM S.A. 1,39 17,97 BCO SANTANDER (BRASIL) S.A. 1,44 18,65 HSBC BANK BRASIL SA BCO 1,53 19,95 MULTIP BCO DO BRASIL S.A. 1,56 20,36 BCO BRADESCO S.A. 1,60 20,96 CAIXA ECONOMICA FEDERAL 1,62 21,22 BCO MERCANTIL DO BRASIL S.A. 2,17 29,34 A conta garantida e um cheque especial para empresas, ou seja, e um cre dito associado a conta corrente de pessoa jurídica, com determinado limite de recursos pre -disponibilizado pelo banco. Variação percentual de 56,12%. Pessoa Jurídica Taxas pós-fixadas referenciada em moeda estrangeira Adiantamento sobre contratos de câmbio (ACC) BCO DO BRASIL S.A. 0,15 1,78 BCO BRADESCO S.A. 0,15 1,85 HSBC BANK BRASIL SA BCO 0,30 3,60 MULTIP CAIXA ECONOMICA FEDERAL 0,33 4,07 BCO ITAÚ BBA S.A. 0,38 4,71 BCO SANTANDER (BRASIL) S.A. 0,47 5,77 ITAÚ UNIBANCO BM S.A. 0,51 6,32 Constitui a antecipaça o parcial ou total do contravalor em moeda nacional da moeda estrangeira comprada por instituiça o autorizada a operar no mercado de ca mbio, para entrega em momento futuro pelo cliente. A grande maioria desses adiantamentos e decorrente de contratos de ca mbio de exportaça o. O ACC e concedido antes do embarque da mercadoria ou da prestaça o do serviço. Variação percentual de 240%. 13

14 FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS, ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS DE DIVINÓPOLIS INSTITUTO DE PÓS-GRADUAÇÃO PESQUISA E EXTENSÃO NÚCLEO DE PESQUISAS ECONÔMICAS Ce lio Fraga da Fonseca Diretor Jurandir Marques Silva Junior Coordenador do IPPEX Leandro Maia Fernandes Coordenador da Pesquisa Larissa Nogueira Pesquisadora de Mercado Financeiro NÚCLEO DE PESQUISAS ECONÔMICAS PRAÇA DO MERCADO 191, CENTRO CEP: DIVINÓPOLIS, MG TELEFONE:

O cheque especial assinalou uma variação de 41% entre as taxas e para desconto de duplicatas houve uma diferença de 38,9% a.a até 54,3% a.a.

O cheque especial assinalou uma variação de 41% entre as taxas e para desconto de duplicatas houve uma diferença de 38,9% a.a até 54,3% a.a. BOLETIM ECONÔMICO 29/06/2016 ANO X Taxas de juros Nesta Edição: Taxas de juros para pessoa física Taxas de juros para pessoa jurídica Abaixo segue a relação das taxas de juros cobradas pelas principais

Leia mais

Análise de Custo do Crédito

Análise de Custo do Crédito Análise de Custo do Crédito 07 de Março de 2013 O Departamento de Economia (Depecon) da FIESP elaborou um estudo comparativo das taxas de juros aplicadas pelos grandes bancos de varejo no Brasil, com o

Leia mais

Junho de Taxas de juros

Junho de Taxas de juros Junho de 2016 Taxas de juros Abaixo, segue a relação das taxas de juros cobradas pelas principais instituições financeiras de Divinópolis. A pesquisa foi realizada pelo Nupec com dados disponibilizados

Leia mais

Análise de Custo do Crédito 30 de janeiro de 2014

Análise de Custo do Crédito 30 de janeiro de 2014 Análise de Custo do Crédito 30 de janeiro de 2014 O Departamento de Economia (Depecon) da FIESP desenvolve um estudo comparativo das taxas de juros aplicadas pelos grandes bancos de varejo no Brasil, com

Leia mais

Análise de Custo do Crédito 29 de Janeiro de 2015

Análise de Custo do Crédito 29 de Janeiro de 2015 Análise de Custo do Crédito 29 de Janeiro de 2015 O Departamento de Economia (Depecon) da FIESP desenvolve um estudo comparativo das taxas de juros aplicadas pelos grandes bancos de varejo no Brasil, com

Leia mais

Análise de Custo do Crédito 26 de Fevereiro de 2015

Análise de Custo do Crédito 26 de Fevereiro de 2015 Análise de Custo do Crédito 26 de Fevereiro de 2015 O Departamento de Economia (Depecon) da FIESP desenvolve um estudo comparativo das taxas de juros aplicadas pelos grandes bancos de varejo no Brasil,

Leia mais

Análise de Custo do Crédito 12 de Novembro de 2015

Análise de Custo do Crédito 12 de Novembro de 2015 Análise de Custo do Crédito 12 de Novembro de 2015 O Departamento de Economia (Depecon) da FIESP desenvolve um estudo comparativo das taxas de juros aplicadas pelos grandes bancos de varejo no Brasil,

Leia mais

Análise de Custo do Crédito 02 de Abril de 2015

Análise de Custo do Crédito 02 de Abril de 2015 Análise de Custo do Crédito 02 de Abril de 2015 O Departamento de Economia (Depecon) da FIESP desenvolve um estudo comparativo das taxas de juros aplicadas pelos grandes bancos de varejo no Brasil, com

Leia mais

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

Análise de Custo do Crédito 29 de Maio de 2014

Análise de Custo do Crédito 29 de Maio de 2014 Análise de Custo do Crédito 29 de Maio de 2014 O Departamento de Economia (Depecon) da FIESP desenvolve um estudo comparativo das taxas de juros aplicadas pelos grandes bancos de varejo no Brasil, com

Leia mais

Análise de Custo do Crédito 09 de Janeiro de 2014

Análise de Custo do Crédito 09 de Janeiro de 2014 Análise de Custo do Crédito 09 de Janeiro de 2014 O Departamento de Economia (Depecon) da FIESP desenvolve um estudo comparativo das taxas de juros aplicadas pelos grandes bancos de varejo no Brasil, com

Leia mais

Análise de Custo do Crédito 03 de Abril de 2014

Análise de Custo do Crédito 03 de Abril de 2014 Análise de Custo do Crédito 03 de Abril de 2014 O Departamento de Economia (Depecon) da FIESP desenvolve um estudo comparativo das taxas de juros aplicadas pelos grandes bancos de varejo no Brasil, com

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário Conhecimentos Bancários Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário Conhecimentos Bancários Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário Letra de Crédito Imobiliário (LCI) é um título de renda fixa emitido

Leia mais

TABELA DE CAPTAÇÃO DAS TAXAS DE JUROS PARA PESSOA FÍSICA PRATICADAS PELAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS EM 02/05/12

TABELA DE CAPTAÇÃO DAS TAXAS DE JUROS PARA PESSOA FÍSICA PRATICADAS PELAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS EM 02/05/12 TABELA DE CAPTAÇÃO DAS S DE JUROS PARA PESSOA FÍSICA EM 02/05/12 BANCO DO BRASIL BRADESCO CAIXA ECONÔMICA FEDERAL HSBC MODALIDADES DE CRÉDITO CARTÃO DE CRÉDITO 2,94* 13,56* 2,10* 14,99* 1,90* 2,85** 6,03*

Leia mais

Nova Estrutura de Dados de Crédito

Nova Estrutura de Dados de Crédito Nova Estrutura de Dados de Crédito Este boxe apresenta as principais alterações introduzidas recentemente nas estatísticas de crédito publicadas pelo Banco Central 1. A reformulação objetivou ampliar a

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 24-06-2008) Edição de 25 de junho de 2008 Operações de crédito à pessoa física apresentam

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 (dados junho de 2015) A SPE não é a fonte primária das informações disponibilizadas nesta apresentação. A SPE apenas consolida e organiza as informações

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 29-07-2008) Edição de 30 de julho de 2008 Crédito à pessoa jurídica permanece forte Em junho

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Resultados dos estudos sobre a redução de taxas de juros praticadas por bancos públicos e privados. Orientações aos consumidores. Face aos diversos anúncios de redução de juros veiculados na mídia a partir

Leia mais

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Em Abril de 2009, operações de crédito atingiram

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

Volume de crédito segue em expansão em 2008

Volume de crédito segue em expansão em 2008 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 25-03-2008) Edição de 25 de março de 2008 Volume de crédito segue em expansão em 2008 O ritmo

Leia mais

Unidade IV. Mercado Financeiro e de Capitais. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade IV. Mercado Financeiro e de Capitais. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade IV Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros - Resumo encontro anterior Sistema Financeiro Nacional Órgãos, entidades e operadoras Estrutura do Sistema

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas CAPTAÇÃO DE RECURSOS APLICAÇÃO DE RECURSOS INSTITUIÇÃO

Leia mais

Panorama do Mercado de Crédito

Panorama do Mercado de Crédito Panorama do Mercado de Crédito FEBRABAN Dezembro de 2011 Rubens Sardenberg Economista-chefe ÍNDICE I. Evolução do Crédito II. Pessoa Física III. Pessoa Jurídica IV. Inadimplência V. Spread VI. Projeções

Leia mais

Com tendência de alta do juro, renda fixa volta a brilhar nas carteiras

Com tendência de alta do juro, renda fixa volta a brilhar nas carteiras Veículo: Estadão Data: 26.11.13 Com tendência de alta do juro, renda fixa volta a brilhar nas carteiras Veja qual produto é mais adequado ao seu bolso: até R$ 10 mil, de R$ 10 mil a R$ 100 mil e acima

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Gestão Financeira Aula 2 Contextualização Prof. Esp. Roger Luciano Francisco Segmentos do Mercado Financeiro Mercado monetário Mercado de crédito Mercado de capitais Mercado de câmbio Mercado Monetário

Leia mais

Análise de Custo do Crédito 06 de Março de 2015

Análise de Custo do Crédito 06 de Março de 2015 Análise de Custo do Crédito 06 de Março de 2015 O Departamento de Economia (Depecon) da FIESP desenvolve um estudo comparativo das taxas de juros aplicadas pelos grandes bancos de varejo no Brasil, com

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO Agosto 2016 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO O Nupec-Faced pesquisou no mês de julho, na cidade de Divinópolis, dezesseis estabelecimentos que comercializam materiais básicos de construção. Os itens pesquisados

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail. UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.com Caderneta de Poupança A caderneta de poupança foi criada em

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

Análise de Custo do Crédito

Análise de Custo do Crédito Análise de Custo do Crédito 22 de Novembro de 2012 O Departamento de Economia (Depecon) da FIESP elaborou um estudo comparativo das taxas de juros aplicadas pelos grandes bancos de varejo no Brasil, com

Leia mais

Estudo sobre Investimentos World One Julho 2014

Estudo sobre Investimentos World One Julho 2014 Introdução, perguntas e respostas que vão te ajudar a conseguir dialogar com clientes que tenham dúvidas sobre os investimentos que estão fazendo, ou alguma outra pessoa que realmente entenda do mercado

Leia mais

Taxa de Juros de Capital de Giro - Média quadrissemanal (% a.a.) Início da queda dos spreads bancários dos Bancos Públicos

Taxa de Juros de Capital de Giro - Média quadrissemanal (% a.a.) Início da queda dos spreads bancários dos Bancos Públicos Análise de Custo do Crédito 18 de Janeiro de 2013 O Departamento de Economia (Depecon) da FIESP elaborou um estudo comparativo das taxas de juros aplicadas pelos grandes bancos de varejo no Brasil, com

Leia mais

E m p r é s t i m o E cartão consignado direcionados a aposentados E pensionistas

E m p r é s t i m o E cartão consignado direcionados a aposentados E pensionistas Empréstimo e ca rt ã o c o n s i g n a d o d irec io na do s a apos e nta do s e pe ns io nis ta s Todo aquele que recebe benefícios de aposentadoria ou pensão por morte pagos pela Previdência Social,

Leia mais

Análise de Custo do Crédito 02 de Outubro de 2015

Análise de Custo do Crédito 02 de Outubro de 2015 Análise de Custo do Crédito 02 de Outubro de 2015 O Departamento de Economia (Depecon) da FIESP desenvolve um estudo comparativo das taxas de juros aplicadas pelos grandes bancos de varejo no Brasil, com

Leia mais

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Tema Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Apresentação JOCELI DA SILVA SILVA Analista Administrativo/Gestão Pública Lotado na Assessoria de Coordenação 3ª CCR Especialização UNB Clube

Leia mais

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas.

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. Definição: Mercado de Câmbio Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. O mercado de Câmbio de TAXAS LIVRES opera com o dólar comercial. TAXAS FLUENTES opera com o dólar flutuante

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II COMO FUNCIONAM AS OPERAÇÕES EM MOEDA NACIONAL COM JUROS PÓS FIXADOS EM CDI? COMO FUNCIONAM AS OPERAÇÕES EM MOEDA ESTRANGEIRA? O QUE SÃO OPERAÇÕES DE ACC

Leia mais

captação de recursos empréstimos financiamento.

captação de recursos empréstimos financiamento. Instrumentos utilizados pelas instituições financeiras para captação de recursos (funding) que serão utilizados nas operações de empréstimos e financiamento. 1 O cliente entrega os recursos ao banco, sendo

Leia mais

RANKING NACIONAL DE CRÉDITO RURAL - MAIO/2009

RANKING NACIONAL DE CRÉDITO RURAL - MAIO/2009 Rural Mercantil do Brasil Banestes RANKING NACIONAL DE CRÉDITO RURAL - MAIO/2009 Saldo devedor do Crédito Rural em R$ mil 16.000.000 14.000.000 12.000.000 10.000.000 8.000.000 6.000.000 4.000.000 5,9 %

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Sociedades de Fomento Mercantil (Factoring); NÃO integram o SFN; As empresas de factoring se inserem na livre

Leia mais

Programa CAIXA Melhor Crédito

Programa CAIXA Melhor Crédito Programa CAIXA Melhor Crédito CAIXA REDUZ A PARTIR DE HOJE TAXAS DE JUROS EM ATÉ 88% O Caixa Melhor Crédito trará beneficio imediato para mais de 25 milhões de clientes A Caixa Econômica Federal anunciou

Leia mais

INVESTIMENTOS 1ª aula

INVESTIMENTOS 1ª aula INVESTIMENTOS 1ª aula Regis Klock - Graduação em Ciências Econômicas Pontifícia Universidade Católica - Pós-Graduação em Didática e Metodologia do Ensino Superior UMC - Universidade Mogi das Cruzes Experiência

Leia mais

Linhas de Crédito. Capital de Giro

Linhas de Crédito. Capital de Giro Linhas de Crédito Capital de Giro Apresentação FIESP Jul/2015 Operações mais utilizadas NOME CONTA GARANTIDA CAIXA CH.EMPRESA CAIXA CREDITO ESPECIAL EMPRESA - PRE/PRICE - GARANTIA FGO GIROCAIXA RECURSOS

Leia mais

4/2/2011 DIRETRIZES DA POLÍTICA MONETÁRIA TAXA BÁSICA DE JUROS 08 MEMBROS 08 REUNIÕES RELATÓRIO DA INFLAÇÃO ATAS DO COPOM TAXA SELIC

4/2/2011 DIRETRIZES DA POLÍTICA MONETÁRIA TAXA BÁSICA DE JUROS 08 MEMBROS 08 REUNIÕES RELATÓRIO DA INFLAÇÃO ATAS DO COPOM TAXA SELIC CMN ORGAO MAXIMO DELIBERATIVO MINISTÉRIO DA FAZENDA, MINISTERIO DO PLANEJAMENTO, BACEN COMOC RESOLUÇÕES COPOM DIRETRIZES DA POLÍTICA MONETÁRIA TAXA BÁSICA DE JUROS 08 MEMBROS 08 REUNIÕES RELATÓRIO DA INFLAÇÃO

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte:

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos: São condomínios, que reúnem aplicações de vários indivíduos para investimento

Leia mais

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 %

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 % ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA A partir de 2005 foi iniciado um processo de alongamento dos prazos das carteiras de renda fixa da PSS, que propiciou bons ganhos por oito anos seguidos até o final

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.3- CDB / RDB

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.3- CDB / RDB Conhecimentos Bancários Item 2.1.3- CDB / RDB Conhecimentos Bancários Item 2.1.3- CDB / RDB CDB Certificado de Depósito Bancário São títulos nominativos emitidos pelos bancos e vendidos ao público como

Leia mais

Empréstimo e cartão consignado

Empréstimo e cartão consignado outubro/2014 Empréstimo e cartão consignado direcionados a aposentados e pensionistas Todo aquele que recebe benefícios de aposentadoria ou pensão por morte pagos pela Previdência Social pode obter crédito

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários Instrumento de captação de recursos e de investimentos no mercado imobiliário O produto O Certificado

Leia mais

Fluxo de Caixa e Planejamento Financeiro

Fluxo de Caixa e Planejamento Financeiro Fluxo de Caixa e Planejamento Financeiro Um guia prático de como negociar e controlar as principais operações de empréstimo e aplicação financeira A moderna Tesouraria está cada vez mais comprometida com

Leia mais

Financiamento de automóveis: Investimento ou gasto dispendioso? *

Financiamento de automóveis: Investimento ou gasto dispendioso? * Financiamento de automóveis: Investimento ou gasto dispendioso? * Com a queda da taxa básica de juros, a economia brasileira observa uma aceleração do crédito como nunca antes vista. Os juros em baixa

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Instituto HSBC Solidariedade

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Instituto HSBC Solidariedade Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Instituto HSBC Solidariedade Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Spread. Operações passivas. Operações ativas. Operações acessórias. Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro

Prof. Cid Roberto. Spread. Operações passivas. Operações ativas. Operações acessórias. Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Mercado Financeiro Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 5ª aula Início da aula Instituições Operadoras Livro Como esticar seu dinheiro Ricardo

Leia mais

Conceitos básicos; Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco

Conceitos básicos; Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco QUEM SOMOS 2 Conceitos básicos; 3 Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco Liquidez: Capacidade de transformar um ativo em dinheiro. Ex. Se você tem um carro ou uma casa e precisa vendê-lo, quanto tempo

Leia mais

O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais de Atendimento ao público do Banco de Negócios Internacional ou em www.bni.

O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais de Atendimento ao público do Banco de Negócios Internacional ou em www.bni. Instituição Financeira Bancária Preçário das Operações ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 01 de Outubro de 2015 O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais

Leia mais

renda fixa Certificado de Depósito Bancário

renda fixa Certificado de Depósito Bancário renda fixa Certificado de Depósito Bancário Certificado de Depósito Bancário Rentabilidade e proteção em um único investimento O produto Certificado de Depósito Bancário (CDB) é um título de renda fixa,

Leia mais

Módulo 11 Corretora de Seguros

Módulo 11 Corretora de Seguros Módulo 11 Corretora de Seguros São pessoas físicas ou jurídicas, que se dedicam a angariar e promover contratos entre as Sociedades Seguradoras e seus clientes. A habilitação e o registro do corretor se

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

Cédula de Produto Rural -

Cédula de Produto Rural - Renda Fixa Cédula de Produto Rural - CPR Cédula do Produto Rural Comercialização de produtos do agronegócio com recebimento antecipado O produto A Cédula do Produtor Rural é um título de crédito lastreado

Leia mais

EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS

EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Um EMPRÉSTIMO é um contrato entre o cliente e a instituição financeira pelo qual ele recebe uma quantia que deverá ser devolvida ao banco em prazo determinado, acrescida dos

Leia mais

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar:

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar: EDITAL 2012 1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: Conselho Monetário Nacional; Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários; Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional; bancos

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC DI SOLIDARIEDADE 04.520.220/0001-05 Informações referentes a Abril de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC DI SOLIDARIEDADE 04.520.220/0001-05 Informações referentes a Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FICFI REFERENCIADO DI LONGO PRAZO. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander.

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander. ANÁLISE COMPARATIVA RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2013 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

Securitização De Créditos Imobiliários

Securitização De Créditos Imobiliários Securitização De Créditos Imobiliários Operações Imobiliárias A 1. O que é securitização de créditos imobiliários? Securitização é um processo estruturado, coordenado por uma instituição especializada

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 5 Empréstimos para Capital de Giro As modalidades

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O FIC FI CURTO PRAZO OVER 00.809.773/0001-13 Informações referentes a Abril de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O FIC FI CURTO PRAZO OVER 00.809.773/0001-13 Informações referentes a Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CURTO. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC CAMBIAL DOLAR 02.294.024/0001-26 Informações referentes a Abril de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC CAMBIAL DOLAR 02.294.024/0001-26 Informações referentes a Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO CAMBIAL LONGO PRAZO. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

CONTA INVESTIMENTO. (Apresentação Baseada no paper Contas Correntes de Investimento elaborado para a ANDIMA em outubro 2003) FEBRABAN Junho de 2004

CONTA INVESTIMENTO. (Apresentação Baseada no paper Contas Correntes de Investimento elaborado para a ANDIMA em outubro 2003) FEBRABAN Junho de 2004 CONTA INVESTIMENTO (Apresentação Baseada no paper Contas Correntes de Investimento elaborado para a ANDIMA em outubro 2003) FEBRABAN Junho de 2004 Apresentado por Prof. MBA FIPE/USP CPMF: PRÓS E CONTRAS

Leia mais

Banco do Brasil - Cartilha de CDB CDB

Banco do Brasil - Cartilha de CDB CDB CDB O que é?... 2 Pré ou pós-fixado... 2 CDI... 3 Indicação... 3 Taxa de administração... 3 Segurança... 3 Modalidades de CDB... 4 Valor mínimo... 5 Rentabilidade... 4 Prazos... 5 Vencimento... 6 Final

Leia mais

Como funcionam os fundos de investimentos

Como funcionam os fundos de investimentos Como funcionam os fundos de investimentos Fundos de Investimentos: são como condomínios, que reúnem recursos financeiros de um grupo de investidores, chamados de cotistas, e realizam operações no mercado

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

Introdução: Mercado Financeiro

Introdução: Mercado Financeiro Introdução: Mercado Financeiro Prof. Nilton TÓPICOS Sistema Financeiro Nacional Ativos Financeiros Mercado de Ações 1 Sistema Financeiro Brasileiro Intervém e distribui recursos no mercado Advindos de

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

opções de crédito para sua empresa

opções de crédito para sua empresa para sua empresa sumário introdução... 3 cartão bndes... 6 Introdução... 7 Custos operacionais... 8 Recebimentos... 9 Distribuidores... 9 Exemplos de operação...10 Revendedor compra com o Cartão BNDES

Leia mais

N A P NORMA DE APLICAÇÃO PERMANENTE

N A P NORMA DE APLICAÇÃO PERMANENTE D.S. 01/07/2004 05/07/2004 06/2004 1/5 Assunto: Regras funcionamento para os Bancos Investimento.- O BCSTP, no uso das competências e atribuições, que lhe são concedidas pelos artigos 8.º, alínea c) e

Leia mais

SUPER CURSO DE CONHECIMENTOS BANCÁRIOS E SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL SIMULADO 01 - BACEN e CMN Professor: Tiago Zanolla

SUPER CURSO DE CONHECIMENTOS BANCÁRIOS E SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL SIMULADO 01 - BACEN e CMN Professor: Tiago Zanolla SIMULADO Conhecimentos Bancários e SFN QUESTÃO 01 (INÉDITA TZ 2013) Considerando o Sistema Financeiro Nacional, assinale a única alternativa que traz a correta correlação de itens: 1. Funding 2. Spread

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito

Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito 25 de junho de 2010 Sobre este estudo Este estudo foi desenvolvido no início de 2009 e atualizado parcialmente em junho de 2010 2 A operação do cartão

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I O QUE SÃO OPERAÇÕES PRÉ E PÓS FIXADAS? OS PRINCIPAIS INDEXADORES E SUAS CARACTERÍSTICAS ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PRINCIPAIS OPERAÇÕES DE CURTO PRAZO Autores:

Leia mais

Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança. 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança?

Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança. 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança? Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança Novas regras 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança? Por ter parte de sua remuneração (chamada de adicional)

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 7.130, DE 2006 VOTO EM SEPARADO

PROJETO DE LEI N o 7.130, DE 2006 VOTO EM SEPARADO COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 7.130, DE 2006 Acrescenta o artigo 6-A à Lei n.º 10.820, de 17 de dezembro de 2003, que dispõe sobre a autorização para desconto de prestações

Leia mais

Análise de Concentrações no Sistema Financeiro Nacional

Análise de Concentrações no Sistema Financeiro Nacional IBRAC nov/2012 Análise de Concentrações no Sistema Financeiro Nacional Eduardo Frade Rodrigues Superintendente-Adjunto do CADE Agenda Breve análise de Atos de Concentração julgados pelo CADE relacionados

Leia mais

Para quem tem até R$ 30 mil para investir, poupança se mantém mais rentável que fundos DI

Para quem tem até R$ 30 mil para investir, poupança se mantém mais rentável que fundos DI Para quem tem até R$ 30 mil para investir, poupança se mantém mais rentável que fundos DI Vinicius Neder Publicado: 6/05/12-22h42 RIO - Acabou a vida fácil para o pequeno investidor. O governo mudou a

Leia mais

Mercado Secundário: o que está sendo feito no Brasil O papel do mercado secundário e as iniciativas para fortalecê-lo

Mercado Secundário: o que está sendo feito no Brasil O papel do mercado secundário e as iniciativas para fortalecê-lo 4ª Edição do Seminário de Renda Fixa e Derivativos de Balcão - ANBIMA Mercado Secundário: o que está sendo feito no Brasil O papel do mercado secundário e as iniciativas para fortalecê-lo Paulo Fontoura

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

Módulo 2 Pr T odít ut U os L e O S erx viços Financeiros

Módulo 2 Pr T odít ut U os L e O S erx viços Financeiros Módulo 2 Produtos TÍTULO e Serviços X Financeiros CRÉDITO PESSOAL Olá! Neste módulo, vamos aprofundar nossos conhecimentos sobre os produtos e serviços financeiros que podemos oferecer aos nossos clientes.

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do

Leia mais

MANUAL DE ESTATÍSTICAS AGREGADAS DE CRÉDITO E DE ARRENDAMENTO MERCANTIL

MANUAL DE ESTATÍSTICAS AGREGADAS DE CRÉDITO E DE ARRENDAMENTO MERCANTIL MANUAL DE ESTATÍSTICAS AGREGADAS DE CRÉDITO E DE ARRENDAMENTO MERCANTIL Regulamenta os procedimentos a serem adotados pelas instituições financeiras para apuração das informações agregadas sobre operações

Leia mais

Produtos Bancários. Prof. Luiz Antonio de Carvalho

Produtos Bancários. Prof. Luiz Antonio de Carvalho Professor Luiz Antonio de Carvalho Produtos Bancários PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS A intermediação financeira é o principal produto de um banco, pois capta o dinheiro excedente e empresta a quem precisa.

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br INTRODUÇÃO Trata-se da política utilizada pelo Governo para obter desenvolvimento

Leia mais