Documento de trabalho dos serviços da Comissão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Documento de trabalho dos serviços da Comissão"

Transcrição

1 COMMISSÃO EUROPEIA DG Mercado Interno e Serviços DG Saúde e Consumidores Documento de trabalho dos serviços da Comissão Consulta no domínio das contas bancárias A informação contida no presente documento destina-se apenas a fins de consulta, não pretende representar nem prejudica a posição final que a Comissão irá adotar em relação aos três temas abrangidos. Salvo indicação em contrário, (por exemplo, no que se refere às contas bancárias de base), o presente documento tem por objeto as contas correntes. As contas de poupança, as contas de valores mobiliários, os investimentos, o crédito e os seguros não são por conseguinte do âmbito da presente consulta. Commission européenne, B-1049 Bruxelles / Europese Commissie, B-1049 Brussel - Belgium. Telephone: (32-2)

2 INTRODUÇÃO Os mercados de serviços bancários de retalho estão estruturados de forma consideravelmente diferente entre os Estados-Membros e encontram-se ainda fragmentados pelas fronteiras nacionais. O inquérito de 2007 relativo ao setor da banca de retalho 1 veio evidenciar a existência de diversos obstáculos à liberdade de escolha e à mobilidade dos clientes. Trata-se nomeadamente da falta de transparência e comparabilidade das comissões bancárias e dos elevados custos que os consumidores suportam quando mudam de instituição bancária. Um terceiro problema, relacionado com estes últimos, diz respeito às dificuldades com que muitos cidadãos da UE se defrontam no acesso aos serviços bancários de base. Nos últimos anos, diversas iniciativas foram tomadas a nível nacional, para: a) aumentar a transparência das comissões associadas à operação de contas bancárias, b) ajudar os consumidores a mudarem, sem problemas, de instituição bancária, e c) facilitar o acesso dos consumidores às contas bancárias de base. Contudo, estas iniciativas seguiram abordagens diferentes e registaram graus de sucesso variáveis. Por conseguinte, os consumidores dos diferentes países beneficiam de diferentes níveis de proteção e a multiplicidade de regras e códigos de conduta que daí resulta torna mais difícil a mobilidade transfronteiras dos participantes no mercado. Os consumidores devem ter acesso aos serviços bancários em qualquer ponto da UE, independentemente do seu Estado-Membro de residência permanente, e devem poder mudar facilmente de instituição bancária, nomeadamente através das transfronteiras. Para este fim, é necessário que existam informações transparentes e comparáveis sobre as comissões associadas às contas bancárias. O relatório Monti 2 veio sublinhar a necessidade de melhorar a transparência das comissões bancárias para se poder dispor de informações normalizadas e comparáveis sobre os produtos financeiros de retalho, e para facilitar a mobilidade dos clientes dos bancos. Dando seguimento a esta recomendação, a Comissão anunciou, no Ato para o Mercado Único, a sua intenção de prosseguir os trabalhos em matéria de proteção dos consumidores no domínio dos serviços financeiros de retalho e mencionou, em particular, a questão da transparência das comissões bancárias. O presente documento de consulta tem por conseguinte por objeto analisar a necessidade de uma ação a nível da UE e, em caso afirmativo, quais as medidas que poderiam ser adotadas em relação a uma ou todas das três questões acima referidas. 1 2 Relatório sobre o inquérito ao setor da banca de retalho, Documento de trabalho dos serviços da Comissão, 2007, A New Strategy for the Single Market, , p. 42, 2

3 1. TRANSPARÊNCIA E COMPARABILIDADE DAS COMISSÕES BANCÁRIAS É essencial dispor-se de informações claras, facilmente acessíveis e comparáveis sobre as comissões bancárias, para que os consumidores possam fazer uma escolha informada entre as ofertas de contas de pagamento disponíveis no mercado. A Diretiva Serviços de Pagamento (2007/64/CE) introduziu certas obrigações de transparência para os prestadores de serviços de pagamento da UE. Antes de efetuar um serviço de pagamento, o prestador de serviços deve disponibilizar ao utilizador, entre outros elementos, as modalidades e condições pormenorizadas, incluindo informações sobre o próprio prestador de serviços, os diferentes aspetos do serviço de pagamento e os encargos a ele associados. Após cada pagamento, o utilizador deve ser informado do montante do pagamento, da sua data, e dos encargos associados. Todavia, a Diretiva Serviços de Pagamento (DSP) não contém requisitos específicos quanto à forma de apresentação ou à comparabilidade desses encargos. Os elementos factuais recolhidos pelos serviços da Comissão nos últimos anos identificam problemas persistentes no que diz respeito ao nível da informação que é disponibilizada sobre as comissões bancárias e ao modo como é apresentada pelos bancos, na UE. Diferentes estudos demonstram que os consumidores com frequência não sabem quanto pagam de encargos bancários 3. A utilização de estruturas de encargos opacas torna difícil para os consumidores compararem as diferentes ofertas 4. Os elementos apurados apontam para a existência de uma correlação entre encargos mais elevados e falta de clareza na apresentação de informações sobre as comissões bancárias 5. Os organismos de defesa do consumidor identificam a utilização de terminologias bancárias diferentes como uma das razões que explicam a complexidade e a falta de transparência no domínio das comissões bancárias 6. A dificuldade em compreender e comparar as comissões bancárias pode constituir um entrave à mobilidade dos consumidores - tanto a nível nacional como da UE. Um recente inquérito do Eurobarómetro constata que uma das principais razões invocadas pelos consumidores para não adquirirem produtos financeiros (como por exemplo contas correntes) noutro país da UE é a ausência de informações claras Por exemplo, Personal current accounts in the UK, Office of Fair Trading, julho de 2008, Data collection for prices of current accounts provided to consumers, Van Dijk Management Consultants, 2009, Ver nota 4. Cimeira Europeia dos Consumidores 2010, workshop sobre as taxas bancárias, observações da BEUC. Special Eurobarometer on Retail Financial Services, Comissão Europeia, fevereiro de 2012, 3

4 Em consequência, os consumidores podem encontrar-se como que «presos» numa relação com o respetivo banco, pagando preços que são demasiado elevados e «beneficiando» de serviços de que nem sempre necessitam. De acordo com um recente estudo de uma organização francesa de consumidores 8, os consumidores franceses, que recorrem pouco aos serviços bancários, poderiam chegar a pagar, por um pacote de serviços, 195 % mais caro do que se pudessem escolher «à la carte» os serviços que melhor lhes convêm. Para fazer face a este problema, a Comissão pediu em 2010 ao setor bancário europeu (EBIC) que estudasse soluções práticas e de fácil utilização para ajudar os consumidores a aceder às informações sobre as comissões bancárias, a compreendê-las e a compará-las. Diversas iniciativas, tanto na esfera privada como pública, tinham sido empreendidas a nível nacional, saldando-se em diferentes graus de sucesso, e o EBIC foi convidado a extrair ensinamentos destas experiências para apresentar soluções práticas concretas. Infelizmente, no final de 2011, o EBIC não pôde concluir com êxito esta iniciativa de autorregulação. Afigura-se que um certo número de medidas e instrumentos poderiam contribuir para ultrapassar os problemas identificados. Por exemplo, a elaboração de glossários de termos poderia resolver o problema da divergência/complexidade da terminologia utilizada pelos bancos para descrever os mesmos serviços de conta bancária. Foram redigidos glossários numa série de Estados-Membros, mas com formas e metodologias diferentes. Em alguns países são redigidos a nível dos bancos, em outros, por exemplo, na Bélgica, está a ser elaborado um glossário comum, incluindo termos normalizados para todo o setor financeiro. Todavia, os glossários existentes raramente são específicos para as contas correntes e geralmente não foram concebidos nem testados junto dos consumidores. A fim de facilitar a compreensão e a comparabilidade das comissões bancárias, foram também elaboradas listas normalizadas de comissões. Os bancos têm de utilizar o mesmo formato quando disponibilizam aos consumidores informações sobre as comissões bancárias. Em França, por exemplo, os bancos utilizam uma lista normalizada das dez comissões mais comuns. Está atualmente em estudo a extensão dessa lista. Os instrumentos de comparação, como por exemplo sítios Web, podem também ajudar o consumidor a avaliar a melhor oferta no mercado, facultando informações sobre as comissões aplicáveis às contas correntes pelos diferentes bancos. Esses instrumentos existem em quase todos os Estados-Membros. No entanto, alguns consumidores têm dificuldade em avaliar antecipadamente quais as funcionalidades de uma conta que necessitarão de utilizar com maior frequência. Outros podem não ter consciência do montante a que poderão elevar-se os custos ligados à ocorrência de eventos futuros, como por exemplo os descobertos não autorizados ou os cheques sem cobertura. 8 Tarification Bancaire: L'enquête annuelle, CLCV Mieux vivre votre argent,

5 Os exemplos representativos constituem um meio de apresentar estimativas indicativas do custo de detenção de uma conta bancária com base em perfis de utilização, que tentam representar o comportamento de clientes-tipo (por exemplo, utilizador ativo ou passivo. Os bancos, em geral, baseiam-se em diferentes critérios, por exemplo, deter um saldo de conta mínimo mensal, receber o seu salário através da conta, pagar um número mínimo de faturas por mês através de débito direto. Um outro meio de os bancos assegurarem a clareza e a comparabilidade das comissões consiste em fazer simulações de custo personalizadas. A simulação tem em conta as informações prestadas pelo cliente quanto aos seus hábitos bancários. Essas informações permitem estimar o custo provável da detenção de uma conta com base no tipo de serviços a ela associados e na frequência com que o cliente recorrerá a eles. Em alguns países, são prestadas informações ex post, ou seja, o detalhe das comissões taxas bancárias efetivamente pagas. No Reino Unido, por exemplo, os bancos comprometeram-se a introduzir declarações anuais que especificam os montantes pagos pelos clientes pelas suas contas bancárias nos 12 meses anteriores. Por último, as iniciativas de acompanhamento, como por exemplo o observatório das comissões bancárias criado em França ou as medidas de execução, completam o leque de medidas identificadas. Questão 1: Considera que as informações prestadas pelos bancos sobre as comissões bancárias são apresentadas aos consumidores de uma forma suficientemente clara e são fáceis de comparar entre bancos? Que boas práticas tem a assinalar? Que lacunas subsistem? Pensa que estas lacunas podem ser colmatadas através de uma alteração das obrigações de transparência contidas na Diretiva Serviços de Pagamento (2007/64/CE)? Questão 2: Considera que uma normalização da terminologia respeitante às comissões aplicadas às contas bancárias poderia contribuir para fornecer informações mais transparentes e comparáveis sobre essas comissões? A normalizar essa terminologia, entende que a normalização deve abranger todas as comissões ou apenas uma parte delas? Normalizando-se apenas uma parte, qual o critério para a sua seleção? A terminologia deve ser normalizada a nível nacional ou da UE? Questão 3: Considera que a existência de glossários de termos e listas normalizadas de comissões bancárias facilitaria a comparabilidade? Em caso afirmativo, que forma e teor devem ter essas informações? Que organismo/instância considera adequado para elaborar tal glossário/lista normalizada de comissões? Questão 4: A fim de aumentar ainda mais a transparência e a comparabilidade das comissões associadas às contas bancárias, quais dos seguintes instrumentos devem ser considerados: i) sítios Web de comparação, geridos por autoridades públicas ii) iii) simulações de custos normalizadas, a disponibilizar pelos bancos exemplos representativos normalizados, a disponibilizar pelos bancos 5

6 iv) inquéritos efetuados pelas organizações de consumidores/provedor financeiro (financial ombudsman) v) outros instrumentos que considere pertinentes? Algum desses instrumentos deve ser obrigatório? Qual o seu custo provável? Questão 5: Que nível de pormenor deveriam ter as informações sobre as comissões efetivamente pagas, e com que frequência deveriam ser fornecidas ao detentor da conta? Entende que o facto de se dispor de informações comparáveis sobre as comissões efetivamente pagas incentivaria a mobilidade dos consumidores, nomeadamente transfronteiras? Questão 6: Que outras medidas/instrumentos devem ser considerados, a fim de melhorar a transparência e a comparabilidade das comissões bancárias? Por favor descreva-as e indique a que nível (nacional ou da UE) entende que devem ser tomadas. 2. MUDANÇA DE INSTITUIÇÃO BANCÁRIA Em 2007, após o inquérito efetuado junto do setor da banca de retalho ter revelado certos entraves à mobilidade dos consumidores, a Comissão instou o setor bancário europeu (EBIC) a tornar mais fácil para os consumidores a mudança das suas contas de um banco para outro no mesmo país. Em resposta a essa incitação, o setor bancário europeu desenvolveu, em 2008, um «modelo» de mecanismo para processar essa transferência, definido por um conjunto de princípios comuns aplicáveis às mudanças de conta bancária 9, numa perspetiva de autorregulação. Esses princípios foram implementados pelas associações bancárias nacionais em finais de O mecanismo aplica-se às mudanças de conta corrente no interior de um Estado- Membro, ou seja, às mudanças internas, e diz respeito, em especial, à mudança de débitos diretos, de ordens permanentes para transferências de crédito e de transferências de crédito recorrentes. Tal como definido pelo setor bancário europeu, não se aplica a outros produtos ou serviços, como cartões, descobertos, poupança ou crédito. No entanto, algumas associações bancárias decidiram adotar uma cobertura mais vasta, incluindo, por exemplo, a mudança de cartão de débito. Os princípios comuns definem as funções dos dois bancos envolvidos no processo de transferência e fornecem informações sobre as tarefas e passos requeridos por este processo. Os consumidores que pretendem transferir a sua conta bancária podem escolher o novo banco como o ponto de contacto principal. Concretamente, o novo banco deverá obter a informação necessária sobre os pagamentos recorrentes do consumidor a partir do antigo banco e solicitar a este último que cesse esses pagamentos sobre a conta anterior. Reativa estes pagamentos recorrentes na nova conta e transmite às partes terceiras os dados da nova conta do consumidor, ou ajuda-o a fazê-lo. Ajuda também o consumidor a pedir ao banco anterior que feche a conta anterior e transfira o saldo remanescente. O consumidor pode, no entanto, optar por manter aberta a sua conta anterior. 9 6

7 São estabelecidos prazos claros tanto para o antigo como para o novo banco. O antigo banco tem de fornecer todas as informações disponíveis sobre os pagamentos recorrentes do consumidor, no prazo de sete dias úteis após a receção do pedido, quer do novo banco quer do consumidor. O novo banco tem de ativar os pagamentos recorrentes sobre a nova conta no prazo de sete dias a contar da receção das informações necessárias. No mesmo prazo de sete dias, o novo banco transmite às partes terceiras (por exemplo, os fornecedores de serviços de utilidade pública ou a entidade patronal do consumidor) os dados relativos à nova conta do consumidor, ou ajuda-o a fazê-lo fornecendo-lhe modelos de cartas para esse efeito. O fornecimento, por parte do antigo banco ao consumidor e ao novo banco, de informações sobre os pagamentos recorrentes, deve ser gratuito. O encerramento da conta anterior deve também ser gratuito, em conformidade com a Diretiva Serviços de Pagamento. Os eventuais encargos cobrados por outros serviços associados à mudança devem ser adequados e corresponder aos custos incorridos. Para avaliar a forma como os bancos prestam assistência aos consumidores quando estes mudam de conta bancária e em que medida oferecem o serviço de transferência tal como definido nos princípios comuns, a Comissão encomendou um estudo com «clientes mistério» 10 em No total, os «clientes-mistério» 11 efetuaram inquéritos nos 27 Estados-Membros: 945 desses inquéritos referiam-se à disponibilidade e à prestação de informações sobre o serviço de transferência de conta bancária, mas 405 clientesmistério foram mais longe e tentaram efetivamente transferir a sua conta bancária. Relativamente à disponibilidade e à prestação de informações sobre a transferência, o estudo constatou que 86 % dos clientes-mistério que solicitaram informações sobre uma eventual tranferência, quer numa dependência bancária, por via eletrónica ou por telefone, receberam informações de, pelo menos, uma fonte. No entanto, o nível de disponibilidade dessas informações era muito variável: 32 % dos clientes-mistério não conseguiram encontrar informações sobre a transferência no sítio Web do banco. 45 % dos clientes-mistério não obtiveram do pessoal do banco informações pormenorizadas. 80 % não receberam qualquer informação escrita sobre a transferência. 14 % não receberam nenhuma informação sobre o serviço de transferência Estudo de mercado dos consumidores sobre as experiências dos consumidores com a mudança de conta bancária, com referência aos princípios comuns aplicáveis ás mudanças de conta bancária, GfK, fevereiro de 2012, Os «clientes-mistério» são um instrumento utilizado em estudos de mercado para medir a qualidade de um serviço ou o cumprimento de um regulamento. Os clientes-mistério são convidados a realizar tarefas específicas e fornecer informações sobre essas experiências. No âmbito deste estudo, pediu-se aos clientes-mistério que solicitassem informações sobre a possibilidade de mudança, ou que solicitassem a mudança de contas bancárias, através de um contacto direto, on line ou por telefone. 7

8 De entre os clientes que tentaram mesmo transferir a sua conta bancária: 19 % conseguiram abrir uma nova conta bancária e transferir uma ordem permanente (alguns problemas diziam respeito à abertura de uma conta bancária e não ao serviço de transferência tal como definido nos princípios comuns). Em 71 % dos casos, o novo banco não fornecia o serviço de transferência e, por conseguinte, não seguia o procedimento previsto nos princípios comuns para a mudança. Outros problemas com que se depararam os clientes- mistério: Em 7 % dos casos, os bancos não abriram uma conta (e, por conseguinte, não efetuaram a mudança), no prazo de catorze dias úteis. Em 3 % dos casos, o novo banco recusou-se a abrir uma conta bancária normalizada, como solicitado, ou exigiu um pagamento para concluir a abertura da conta e a transferência. De um modo geral, o estudo concluía que 8 em cada 10 clientes enfrentavam dificuldades ao transferir a sua conta bancária. Questão 7: Os bancos, no Estado-Membro onde tem a sua conta bancária, oferecem um serviço de transferência de conta? Em caso afirmativo, esse serviço está em conformidade com os princípios comuns aplicáveis à mudança de conta bancária acima descritos? As informações sobre as condições de transferência são apresentadas de forma acessível aos consumidores? Questão 8: Caso seja oferecido um serviço de transferência conforme aos princípios comuns no Estado-Membro onde tem a sua conta bancária, tal serviço elimina todos os obstáculos à mudança de conta bancária? Em caso negativo, que obstáculos persistem? Apresente exemplos de boas práticas e de obstáculos que persistem. Questão 9: Deverão os princípios comuns continuar a ser de aplicação voluntária? Que vantagens ou desvantagens considera que resultariam de os tornar obrigatórios a nível da UE? Qual seria o custo provável de tal medida? Questão 10: Os princípios/medidas aplicáveis à transferência das contas bancárias deverão abranger também os casos transfronteiras? Questão 11: Na sua opinião, qual a amplitude do risco de os recibos, faturas e pagamentos serem extraviados em resultado da transferência de contas bancárias? Que medidas poderiam ser consideradas para tornar o processo de transferência mais seguro? Questão 12: Quais os eventuais obstáculos com que se defrontam ainda as instituições bancárias que têm menor dimensão ou que estão estabelecidas noutro Estado-Membro, para expandir a sua base de clientela ou para penetrar em novos mercados? Estarão ligados com os problemas associados aos processos de transferência de contas? Questão 13: Que outras medidas deverão ser consideradas com vista melhorar o processo de transferência de conta bancária? Por favor especifique. 8

9 3. ACESSO A UMA CONTA DE PAGAMENTO DE BASE O acesso aos serviços financeiros de base garante que os consumidores beneficiam de todas as vantagens do mercado interno e participam plenamente na vida económica e social da sociedade moderna de hoje. No entanto, um estudo de 2010 estima que mais de 30 milhões de cidadãos europeus com mais de 18 anos não dispõem de uma conta bancária 12. Entre estes cidadãos, é possível que alguns não disponham de uma conta bancária por não terem necessidade, ou por preferirem não a ter 13. De acordo com uma recente investigação da Task Force do Reino Unido para a inclusão financeira, 52% dos inquiridos que não dispunham de conta bancária desejariam tê-la 14. A ausência de conta bancária implica de um modo geral custos mais elevados devido à utilização de numerário, tanto para os consumidores como para as administrações (por exemplo, quando pagam salários ou outras prestações). Além disso, limita igualmente o acesso dos consumidores à maior variedade de bens e serviços disponíveis em linha e aos potenciais descontos, como os que são oferecidos pelos fornecedores de serviços de utilidade pública quando os pagamentos são efetuados por débito direto. Os consumidores podem também enfrentar dificuldades relativamente ao emprego ou arrendamento de propriedade. Embora de um modo geral sejam os chamados consumidores «vulneráveis» que têm mais problemas para aceder a uma conta bancária, as pessoas em mobilidade transfronteiras (por exemplo, estudantes, trabalhadores migrantes, etc.), também enfrentam essas dificuldades, quando lhes é recusado o acesso a uma conta bancária, por exemplo, por motivos de residência. Vê-se assim restringida tanto a liberdade de circulação dos cidadãos como a liberdade de prestação de bens e serviços no mercado interno. A fim de fazer face a esta situação, a Comissão adotou, em de julho de 2011, uma Recomendação 15 aos Estados-Membros, estabelecendo os princípios fundamentais que deverão ser implementados para garantir o acesso dos consumidores a contas bancárias de base em toda a UE. Esta conta de base deverá incluir a possibilidade de depositar e levantar numerário nessa e dessa conta. Deve permitir também ao consumidor efetuar operações de pagamento básicas, como por exemplo a receção de rendimentos ou prestações sociais, o pagamento de contas ou impostos e a compra de bens e serviços, nomeadamente por débito direto, a transferência de crédito e a utilização de um cartão de pagamento. De acordo com a Recomendação, devem também proporcionar ao consumidor a possibilidade de introduzir ordens de pagamento através do serviço em linha do prestador de serviços de pagamento, sempre que tal seja tecnicamente possível. Todavia, o acesso ao crédito bancário não era considerado uma componente automática ou um direito associado à detenção de uma conta bancária de base Study on the costs and benefits of policy actions in the field of ensuring access to a basic bank account, CSES, 2010, O mesmo estudo de 2010, estima que, dos 30 milhões de europeus que não têm uma conta bancária, apenas cerca de 18 milhões (ou seja, 60 %) estavam em risco de exclusão financeira. Banking services and poorer households, Task Force para a inclusão financeira, dezembro de 2010, p. 6, Recomendação 2011/442/EU da Comissão relativa ao acesso a uma conta bancária de base, , 9

10 A Recomendação reafirma o direito de qualquer consumidor residente na União, independentemente da sua situação financeira, a abrir e utilizar uma conta bancária de base, mesmo num Estado-Membro em que não reside de forma permanente. O prazo concedido aos Estados-Membros para tomarem as medidas necessárias era 21 de janeiro de Os serviços da Comissão estão a analisar as informações recebidas até à data sobre as medidas adotadas. No entanto, muitos Estados-Membros devem ainda fornecer informações a este respeito. Além disso, todos os Estados-Membros deverão apresentar, até de julho de 2012, dados estatísticos em relação às contas bancárias de base. Neste contexto, os serviços da Comissão consideram importante colocar as seguintes questões: Questão 14: Dispõe de informações sobre as dificuldades defrontadas pelos consumidores no acesso a uma conta bancária de base? Que tipos de obstáculos são referidos pelos consumidores como impedindo-os de ter acesso a uma conta bancária de base? Questão 15: Tem conhecimento de quaisquer medidas adotadas pelos bancos ou outras instituições no Estado-Membro onde reside para facilitar o acesso às contas bancárias de base? Essas iniciativas tiveram êxito? Questão 16: Essas medidas facilitam também o acesso dos não residentes a uma conta bancária de base? Questão 17: Se os consumidores ainda têm dificuldades em abrir uma conta bancária, quais os motivos? Questão 18: Se é necessário fazer algo mais, que medidas adicionais devem ser estudadas? Este problema deverá ser abordado a nível nacional ou da UE? 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS As partes interessadas podem enviar as suas respostas ao presente documento de consulta até 12 de junho de As contribuições devem ser enviadas para o seguinte endereço eletrónico: Na sua contribuição, as partes interessadas são também convidadas a dizer se entendem que existem outros aspetos que devem ser considerados para assegurar o bom funcionamento e a competitividade do mercado da banca de retalho. As respostas serão publicadas no sítio Web da Comissão Europeia. Pode solicitar-se que as contribuições sejam tratadas como confidenciais. Nesse caso, o autor deverá indicar expressamente, na primeira página da resposta, que não pretende que a sua contribuição seja publicada. Agradecemos-lhe desde já o tempo que consagrar a dar resposta à presente consulta. 10

relativas às listas provisórias nacionais dos serviços mais representativos associados a contas de pagamento e sujeitos a comissões

relativas às listas provisórias nacionais dos serviços mais representativos associados a contas de pagamento e sujeitos a comissões EBA/GL/2015/01 11.05.2015 Orientações da EBA relativas às listas provisórias nacionais dos serviços mais representativos associados a contas de pagamento e sujeitos a comissões 1 Obrigações em matéria

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 22.2.2014 Jornal Oficial da União Europeia C 51/3 III (Atos preparatórios) BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 19 de novembro de 2013 sobre uma proposta de diretiva do Parlamento

Leia mais

Fusões e cisões transfronteiras

Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Consulta organizada pela Comissão Europeia (DG MARKT) INTRODUÇÃO Observações preliminares O presente questionário tem por objetivo recolher

Leia mais

Índice. Introdução 3. Como devem ser efetuadas as cobranças das despesas relativas a transferências? 6. O que são transferências?

Índice. Introdução 3. Como devem ser efetuadas as cobranças das despesas relativas a transferências? 6. O que são transferências? Índice Introdução 3 O que são transferências? 3 O que distingue as transferências dos débitos diretos? 3 As transferências Multibanco são transferências? 3 Quais as formas utilizadas para ordenar uma transferência?

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação 1.2. Endereço

Leia mais

Formação. Serviços Mínimos Bancários

Formação. Serviços Mínimos Bancários Formação Serviços Mínimos Bancários AÇÃO DE FORMAÇÃO Serviços Mínimos Bancários 21 de março de 2013 CONTEÚDO FORMATIVO 3 HORAS I Gestão do orçamento familiar e poupança Identificar rendimentos e despesas

Leia mais

Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento de discussão)

Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento de discussão) COMISSÃO EUROPEIA DG Mercado Interno INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Seguros MARKT/2517/02 PT Orig. EN Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento

Leia mais

Guidelines. Orientações relativas a determinados aspetos dos requisitos da DMIF em matéria de adequação. 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387

Guidelines. Orientações relativas a determinados aspetos dos requisitos da DMIF em matéria de adequação. 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387 Guidelines Orientações relativas a determinados aspetos dos requisitos da DMIF em matéria de adequação 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387 Data: 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387 Índice I. Âmbito 3 II. Definições

Leia mais

GUIA LUXEMBURGUÊS DA MOBILIDADE BANCÁRIA

GUIA LUXEMBURGUÊS DA MOBILIDADE BANCÁRIA GUIA LUXEMBURGUÊS DA MOBILIDADE BANCÁRIA I. Objectivo do guia O presente guia explica-lhe as diligências a efectuar em caso de alteração da sua conta corrente no Luxemburgo. Descreve os serviços oferecidos

Leia mais

Comentários da Direção-Geral do Consumidor

Comentários da Direção-Geral do Consumidor Consulta Pública da ANACOM relativa às Opções no âmbito da revisão da deliberação relativa às linhas de orientação sobre o conteúdo mínimo a incluir nos contratos para a prestação dos serviços de comunicações

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 11.4.2007 COM(2007) 178 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Relatório final da Comissão Europeia sobre a continuação da adequação

Leia mais

Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo. Documento de consulta

Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo. Documento de consulta Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo 1. Introdução Documento de consulta Em alguns Estados-Membros, as agências oficiais de crédito

Leia mais

Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. sobre certos aspetos relativos aos contratos de fornecimento de conteúdos digitais

Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. sobre certos aspetos relativos aos contratos de fornecimento de conteúdos digitais COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 9.12.2015 COM(2015) 634 final 2015/0287 (COD) Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO sobre certos aspetos relativos aos contratos de fornecimento de conteúdos

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.6.2015 COM(2015) 314 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos PT PT RELATÓRIO

Leia mais

Auxílio estatal N 80/2010 Portugal Prorrogação do regime de recapitalização português

Auxílio estatal N 80/2010 Portugal Prorrogação do regime de recapitalização português COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.3.2010 C(2010)1733 final Assunto: Auxílio estatal N 80/2010 Portugal Prorrogação do regime de recapitalização português Excelência, I. ASPECTOS PROCESSUAIS 1. Em 20 de Maio

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 5910 Diário da República, 1.ª série N.º 201 17 de outubro de 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Decreto-Lei n.º 225/2012 de 17 de outubro O Decreto -Lei n.º 27 -C/2000, de 10 de março, que cria o

Leia mais

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal Ficha Técnica Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Fundos de Pensões Edição Instituto de Seguros de Portugal Coordenação editorial Direcção de Comunicação e Relações com os Consumidores

Leia mais

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário;

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário; ACORDO EUROPEU SOBRE UM CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO SOBRE AS INFORMAÇÕES A PRESTAR ANTES DA CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE EMPRÉSTIMO À HABITAÇÃO ( ACORDO ) O presente Acordo foi negociado e adoptado pelas

Leia mais

Declaração de Privacidade

Declaração de Privacidade Declaração de Privacidade A Kelly Services, Inc. e as suas subsidiárias ("Kelly Services" ou Kelly ) respeitam a sua privacidade e reconhecem que possui determinados direitos relacionados com quaisquer

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. Artigo 7.º, n.º 3, da Diretiva 2002/21/CE: Sem observações

COMISSÃO EUROPEIA. Artigo 7.º, n.º 3, da Diretiva 2002/21/CE: Sem observações COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.7.2015 C(2015) 5529 final Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) Avenida José Malhoa n.º 12 1099-017 Lisboa Portugal Ao cuidado da Sr.ª D.ª Fátima Barros Presidente

Leia mais

PROPOSTA DE SEGURO SEGURO DE CAPITALIZAÇÃO POUPANÇA AUTO PREENCHER A CANETA PRETA

PROPOSTA DE SEGURO SEGURO DE CAPITALIZAÇÃO POUPANÇA AUTO PREENCHER A CANETA PRETA POUPANÇA E INVESTIMENTO PROPOSTA DE SEGURO SEGURO DE CAPITALIZAÇÃO PREENCHER A CANETA PRETA SEGURO DE CAPITALIZAÇÃO 3 0 ALTERAÇÃO À APÓLICE Nº (*) AGÊNCIA/AGENTE Nº FM IB CONTA COBRANÇA Nº (*) PREENCHER

Leia mais

Serviços Mínimos Bancários

Serviços Mínimos Bancários Folha Informativa: AR/DSDIC/DILP/39 Serviços Mínimos Bancários Data: 18 de novembro de 2014 Última atualização: 18 de novembro de 2014 Autor: Alexandre Guerreiro, Dalila Maulide, Teresa Meneses Colaboradora:

Leia mais

Preçário BANIF - BANCO DE INVESTIMENTO, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANIF - BANCO DE INVESTIMENTO, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANIF BANCO DE INVESTIMENTO, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do Banif Banco de Investimento, SA contém o Folheto

Leia mais

Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 24.7.2013 COM(2013) 547 final 2013/0264 (COD) Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativa aos serviços de pagamento no mercado interno, que altera as Diretivas

Leia mais

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público Cláudio Correia Divisão da Mobilidade de Doentes MOBILIDADE DE DOENTES:

Leia mais

DIREITOS DOS TRABALHADORES À INFORMAÇÃO, CONSULTA E PARTICIPAÇÃO

DIREITOS DOS TRABALHADORES À INFORMAÇÃO, CONSULTA E PARTICIPAÇÃO DIREITOS DOS TRABALHADORES À INFORMAÇÃO, CONSULTA E PARTICIPAÇÃO A União Europeia complementa as atividades dos Estados-Membros em matéria dos direitos dos trabalhadores à informação e consulta através

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS L 115/12 Jornal Oficial da União Europeia 27.4.2012 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DELEGADO (UE) N. o 363/2012 DA COMISSÃO de 23 de fevereiro de 2012 respeitante às normas processuais

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS GUIA PARA A MOBILIDADE DE SERVIÇOS BANCÁRIOS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS GUIA PARA A MOBILIDADE DE SERVIÇOS BANCÁRIOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS GUIA PARA A MOBILIDADE DE SERVIÇOS BANCÁRIOS simplifica Como nasce este Guia O presente Guia baseia-se nos Princípios Comuns Para a Mobilidade de Serviços Bancários", adoptados

Leia mais

GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO

GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Prestações de Desemprego Montante Único

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 06.03.2013 C(2013) 1164 final. Auxílio estatal SA.32817 (2011/N) Portugal Aquiseguro. Excelência, 1.

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 06.03.2013 C(2013) 1164 final. Auxílio estatal SA.32817 (2011/N) Portugal Aquiseguro. Excelência, 1. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 06.03.2013 C(2013) 1164 final Assunto: Auxílio estatal SA.32817 (2011/N) Portugal Aquiseguro Excelência, 1. PROCEDIMENTO (1) Por ofício de 4 de abril de 2011, as autoridades

Leia mais

Preçário CAIXA ECONOMICA DO PORTO

Preçário CAIXA ECONOMICA DO PORTO Preçário CAIXA ECONOMICA DO PORTO CAIXAS ECONÓMICAS Consulte o COMISSÕES E SPESAS Consulte o TAXAS JURO Data de O Preçário completo contém o Folheto de Comissões e Despesas (que incorpora os valores máximos

Leia mais

D.4 RELATÓRIO FINAL, VERSÃO REVISTA CORRIGIDA

D.4 RELATÓRIO FINAL, VERSÃO REVISTA CORRIGIDA 1. RESUMO Existe um amplo reconhecimento da importância do desenvolvimento profissional contínuo (DPC) e da aprendizagem ao longo da vida (ALV) dos profissionais de saúde. O DPC e a ALV ajudam a assegurar

Leia mais

Descubra histórias de ambição em www.realizaassuasambicoes.pt

Descubra histórias de ambição em www.realizaassuasambicoes.pt Oferta de Cooperação Barclays at Work No Barclays acreditamos que é bom ter ambições e, por isso, queremos ajudá-lo a que realize as suas. Descubra histórias de ambição em www.realizaassuasambicoes.pt

Leia mais

JC 2014 43 27 May 2014. Joint Committee Orientações sobre tratamento de reclamações para os setores dos valores mobiliários (ESMA) e bancário (EBA)

JC 2014 43 27 May 2014. Joint Committee Orientações sobre tratamento de reclamações para os setores dos valores mobiliários (ESMA) e bancário (EBA) JC 2014 43 27 May 2014 Joint Committee Orientações sobre tratamento de reclamações para os setores dos valores mobiliários (ESMA) e bancário (EBA) 1 Índice Orientações sobre tratamento de reclamações para

Leia mais

Código de Conduta Voluntário

Código de Conduta Voluntário O Banif, SA, ao formalizar a sua adesão ao Código de Conduta Voluntário do crédito à habitação, no âmbito da Federação Hipotecária Europeia, e de acordo com as recomendações da Comissão Europeia e do Banco

Leia mais

Processo n COMP/M. 6773 - CANON/ IRIS. REGULAMENTO (CE) n. 139/2004 SOBRE AS FUSÕES. Artigo 22(3) data: 26.11.2013

Processo n COMP/M. 6773 - CANON/ IRIS. REGULAMENTO (CE) n. 139/2004 SOBRE AS FUSÕES. Artigo 22(3) data: 26.11.2013 PT Processo n COMP/M. 6773 - CANON/ IRIS O texto em língua portuguesa é o único disponível e que faz fé. REGULAMENTO (CE) n. 139/2004 SOBRE AS FUSÕES Artigo 22(3) data: 26.11.2013 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas,

Leia mais

UM NOVO DIREITO PARA OS CIDADÃOS EUROPEUS PARTICIPE NA DEFINIÇÃO DA AGENDA! Guia da iniciativa de. cidadania europeia.

UM NOVO DIREITO PARA OS CIDADÃOS EUROPEUS PARTICIPE NA DEFINIÇÃO DA AGENDA! Guia da iniciativa de. cidadania europeia. UM NOVO DIREITO PARA OS CIDADÃOS EUROPEUS PARTICIPE NA DEFINIÇÃO DA AGENDA! Guia da iniciativa de cidadania europeia Terceira edição Comissão Europeia Secretariado Geral B-1049 Bruxelas Manuscrito concluído

Leia mais

http://www.bportugal.pt

http://www.bportugal.pt Os cadernos do Banco de Portugal têm por finalidade exclusiva a informação do público em geral, não se destinando a ser utilizados para dirimir eventuais conflitos emergentes das relações estabelecidas

Leia mais

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO,

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO, C 172/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 27.5.2015 Conclusões do Conselho sobre a maximização do papel do desporto de base no desenvolvimento de competências transversais, especialmente entre os jovens

Leia mais

DIRETIVA 2014/17/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRETIVA 2014/17/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO L 60/34 Jornal Oficial da União Europeia 28.2.2014 DIRETIVAS DIRETIVA 2014/17/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 4 de fevereiro de 2014 relativa aos contratos de crédito aos consumidores para imóveis

Leia mais

O DIREITO DAS SOCIEDADES

O DIREITO DAS SOCIEDADES O DIREITO DAS SOCIEDADES Apesar de não existir um Direito das sociedades elaborado como tal, normas mínimas impostas pela legislação europeia são aplicáveis às empresas em toda a União Europeia. Dois importantes

Leia mais

Referência : 400010_EUR_20131116_001

Referência : 400010_EUR_20131116_001 CAIXACADERNETA Referência : 400010_EUR_20131116_001 Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Moeda CaixaCaderneta pessoas singulares Empresários em nome individual (ENI) que abram

Leia mais

# Confiança Planeamento e Gestão de Investimentos. segurança do seu património. Para isso contamos com o nosso trabalho, no

# Confiança Planeamento e Gestão de Investimentos. segurança do seu património. Para isso contamos com o nosso trabalho, no Caritas Dioces ana de Coim bra Condições válidas para Caritas Diocesana de Coimbra Oferta de Cooperação Barclays at Work Saiba mais em www.barclays.pt/compromissopremier # Confiança Planeamento e Gestão

Leia mais

Guia prático. Rede Judiciária Europeia em matéria civil e comercial

Guia prático. Rede Judiciária Europeia em matéria civil e comercial Utilização da videoconferência para obtenção de provas em matéria civil e comercial, ao abrigo do Regulamento (CE) n.º 1206/2001 do Conselho, de 28 de Maio de 2001 Guia prático Rede Judiciária Europeia

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

PROJETO DE PARECER. PT Unida na diversidade PT. Parlamento Europeu 2014/0094(COD) 24.6.2015. da Comissão dos Transportes e do Turismo

PROJETO DE PARECER. PT Unida na diversidade PT. Parlamento Europeu 2014/0094(COD) 24.6.2015. da Comissão dos Transportes e do Turismo Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão dos Transportes e do Turismo 2014/0094(COD) 24.6.2015 PROJETO DE PARECER da Comissão dos Transportes e do Turismo dirigido à Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 22 Dezembro 2014

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 22 Dezembro 2014 Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 22 Dezembro 2014 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento

Leia mais

Notas explicativas Regras de facturação do IVA

Notas explicativas Regras de facturação do IVA Notas explicativas Regras de facturação do IVA (Directiva 2010/45/UE do Conselho) Porquê notas explicativas? O objectivo das notas explicativas é permitir uma melhor compreensão da legislação adoptada

Leia mais

MERCADO DO SEGURO DE CRÉDITO À EXPORTAÇÃO DE OPERAÇÕES GARANTIDAS A CURTO PRAZO EM PORTUGAL

MERCADO DO SEGURO DE CRÉDITO À EXPORTAÇÃO DE OPERAÇÕES GARANTIDAS A CURTO PRAZO EM PORTUGAL COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 27.10.2010 C(2010)7275 final Na versão publicada da presente decisão foram omitidas algumas informações em conformidade com o disposto nos artigos 24.º e 25.º do Regulamento

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

Net24 Empresas. 1. O que é o Net24 Empresas?... 1. 2. Quais as funcionalidades disponíveis?... 1. 3. Níveis de Segurança... 2. 4. Segurança...

Net24 Empresas. 1. O que é o Net24 Empresas?... 1. 2. Quais as funcionalidades disponíveis?... 1. 3. Níveis de Segurança... 2. 4. Segurança... Net24 Empresas Índice 1. O que é o Net24 Empresas?... 1 2. Quais as funcionalidades disponíveis?... 1 3. Níveis de Segurança... 2 4. Segurança... 4 5. Como funciona o acesso ao Net24 Empresas?... 5 6.

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 19.06.2013 C(2013) 3546 final. Auxílio estatal SA.36197 (N/2013) Portugal Privatização da ANA Aeroportos de Portugal

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 19.06.2013 C(2013) 3546 final. Auxílio estatal SA.36197 (N/2013) Portugal Privatização da ANA Aeroportos de Portugal COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 19.06.2013 C(2013) 3546 final Na versão publicada da presente decisão foram omitidas algumas informações em conformidade com o disposto nos artigos 24.º e 25.º do Regulamento

Leia mais

DIREITOS DOS CONSUMIDORES. de energia europeus. O que cada consumidor de energia ganha com a legislação europeia. Energia

DIREITOS DOS CONSUMIDORES. de energia europeus. O que cada consumidor de energia ganha com a legislação europeia. Energia DIREITOS DOS CONSUMIDORES de energia europeus O que cada consumidor de energia ganha com a legislação europeia Energia Europe Direct é um serviço que responde às suas perguntas sobre a União Europeia Linha

Leia mais

ALTERAÇÕES DO PARLAMENTO EUROPEU * à proposta da Comissão REGULAMENTO (UE) N.º /2012 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

ALTERAÇÕES DO PARLAMENTO EUROPEU * à proposta da Comissão REGULAMENTO (UE) N.º /2012 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO P7_TA-PROV(2012)0346 Fundos de Capital de Risco Europeus ***I Alterações, aprovadas pelo Parlamento Europeu em 13 de setembro de 2012, a uma proposta de regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 529/XII/3.ª

PROJETO DE LEI N.º 529/XII/3.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 529/XII/3.ª ASSEGURA O ACESSO DOS CIDADÃOS AOS SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS GRATUITOS E LIMITA A COBRANÇA DE DESPESAS DE MANUTENÇÃO DE CONTA POR PARTE DAS INSTITUIÇÕES

Leia mais

Cláusulas Contratuais Gerais de Adesão ao Serviço MB WAY

Cláusulas Contratuais Gerais de Adesão ao Serviço MB WAY Cláusulas Contratuais Gerais de Adesão ao Serviço MB WAY Objeto a) Pelo presente contrato, a Caixa Económica Montepio Geral, entidade com capital aberto ao investimento do público, com sede na Rua Áurea,

Leia mais

ECONOMIA DIGITAL E DIREITO

ECONOMIA DIGITAL E DIREITO ECONOMIA DIGITAL E DIREITO Banca Online 20 de novembro de 2013 Carla Candeias Ferreira Banca Online 1. Serviços de E banking 2. Legislação e Regulamentação 3. Tendências atuais 4. Perspetivas futuras 1.

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 31.12.2005 PT C 336/109 BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 15 de Dezembro de 2005 sobre uma proposta de regulamento (CE) relativo às informações sobre o ordenante que acompanham

Leia mais

PROSPETO INFORMATIVO EUR NBA DUAL E-COMMERCE II 2015-2017 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PROSPETO INFORMATIVO EUR NBA DUAL E-COMMERCE II 2015-2017 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO PROSPETO INFORMATIVO EUR NBA DUAL E-COMMERCE II 2015-2017 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Designação EUR NBA DUAL E-COMMERCE II 2015-2017 Classificação Caracterização do produto Garantia de Capital Garantia

Leia mais

EIOPA(BoS(13/164 PT. Orientações relativas ao tratamento de reclamações por mediadores de seguros

EIOPA(BoS(13/164 PT. Orientações relativas ao tratamento de reclamações por mediadores de seguros EIOPA(BoS(13/164 PT Orientações relativas ao tratamento de reclamações por mediadores de seguros EIOPA WesthafenTower Westhafenplatz 1 60327 Frankfurt Germany Phone: +49 69 951119(20 Fax: +49 69 951119(19

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Moeda Conta Super Jovem Clientes Particulares, com idade entre os 18 e os 30 anos (inclusive). Depósito à Ordem. Esta conta pode ser movimentada

Leia mais

ANGOLA LEGISLAÇÃO CAMBIAL

ANGOLA LEGISLAÇÃO CAMBIAL ANGOLA LEGISLAÇÃO CAMBIAL 1 ANGOLA Processo de investimento em Angola Desenvolvimento da actividade Obriga a que se tenha presente a política cambial angolana Regulamentada por um conjunto de leis e regulamentos

Leia mais

2.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 319/117

2.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 319/117 2.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 319/117 DECISÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 16 de Novembro de 2011 que estabelece regras e procedimentos detalhados para implementação dos critérios de elegibilidade

Leia mais

O PRINCÍPIO DA SUBSIDIARIEDADE

O PRINCÍPIO DA SUBSIDIARIEDADE O PRINCÍPIO DA SUBSIDIARIEDADE No âmbito das competências não exclusivas da União, o princípio da subsidiariedade, inscrito no Tratado da União Europeia, define as condições em que esta última tem prioridade

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:256532-2013:text:pt:html Grécia-Tessalónica: Serviços de manutenção, apoio e desenvolvimento Web para o sítio Web oficial

Leia mais

2 TRANSFERÊNCIAS A CRÉDITO

2 TRANSFERÊNCIAS A CRÉDITO 2 TRANSFERÊNCIAS A CRÉDITO As transferências, enquanto instrumento de movimentação de fundos entre contas de depósito, a débito e a crédito, são hoje um dos mais usuais tipos de operações bancárias que

Leia mais

QUESTÕES MAIS FREQUENTES. Ref. 02.002.14017

QUESTÕES MAIS FREQUENTES. Ref. 02.002.14017 7 QUESTÕES MAIS FREQUENTES 1 DE ÂMBITO GENÉRICO (1/4) O que significa a SEPA para as Empresas e para os demais agentes económicos? Significa que estas poderão efetuar pagamentos em toda a área do euro,

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Conta Completa Clientes Particulares, maiores de 18 anos, que sejam trabalhadores por conta de outrem e que aceitem domiciliar ou transferir,

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: CDR/ARCH/41/2014 Aquisição, instalação e adaptação de software de gestão documental e de arquivo 2014/S 153-273985

Bélgica-Bruxelas: CDR/ARCH/41/2014 Aquisição, instalação e adaptação de software de gestão documental e de arquivo 2014/S 153-273985 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:273985-2014:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: CDR/ARCH/41/2014 Aquisição, instalação e adaptação de software de gestão documental

Leia mais

Índice. Introdução 3. O que são débitos diretos? 3. Que pagamentos podem ser efetuados por débito direto? 3

Índice. Introdução 3. O que são débitos diretos? 3. Que pagamentos podem ser efetuados por débito direto? 3 Índice Introdução 3 O que são débitos diretos? 3 Que pagamentos podem ser efetuados por débito direto? 3 Como é que se pode aceder a pagamentos através de débitos diretos? 4 O devedor pode ser obrigado

Leia mais

Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME)

Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME) COMISSÃO EUROPEIA Bruselas, 16.11.2011 C(2011)8317 final Assunto: Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME) Excelência, Procedimento

Leia mais

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Tipo de Propriedade 1ª Habitação Residência habitual do agregado familiar (habitação própria permanente). 2ª Habitação Residência não habitual do agregado familiar

Leia mais

FICHA NEGÓCIOS Vendas OnLine

FICHA NEGÓCIOS Vendas OnLine Vendas OnLine Nesta Ficha Negócios pretende-se reunir um conjunto de informação útil e pertinente para apoio do desenvolvimento desta atividade. GDEE Setembro 2015 Área de Negócio: Vendas On-line Índice

Leia mais

Cliente Nossa Caixa, o Banco do Brasil tem orgulho de receber você.

Cliente Nossa Caixa, o Banco do Brasil tem orgulho de receber você. Cliente Nossa Caixa, o Banco do Brasil tem orgulho de receber você. Conheça os benefícios e novidades do seu novo banco. Banco do Brasil. É de São Paulo. É do Brasil. É Todo Seu. Índice Introdução...3

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual A. Elementos de Identificação 1. Identificação da instituição de crédito Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral Informação pré-contratual

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO MENSAL VITALÍCIO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO MENSAL VITALÍCIO Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO MENSAL VITALÍCIO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio Mensal Vitalício (4004 v4.16) PROPRIEDADE

Leia mais

CONVENÇÃO DE SUBVENÇÃO NO ÂMBITO DO 7. PQ ANEXO VII - FORMULÁRIO D TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CERTIFICAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

CONVENÇÃO DE SUBVENÇÃO NO ÂMBITO DO 7. PQ ANEXO VII - FORMULÁRIO D TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CERTIFICAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONVENÇÃO DE SUBVENÇÃO NO ÂMBITO DO 7. PQ ANEXO VII - FORMULÁRIO D TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CERTIFICAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ÍNDICE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA UM RELATÓRIO INDEPENDENTE DAS

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:378236-2014:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:378236-2014:text:pt:html 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:378236-2014:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Concurso n.o 06B10/2014/M054 Centro de gestão da mobilidade no edifício Altiero

Leia mais

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico.

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.07.2002 C (2002) 2943 Assunto: Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. Excelência, PROCEDIMENTO Por carta n.º

Leia mais

UM NOVO DIREITO PARA OS CIDADÃOS EUROPEUS PARTICIPE NA DEFINIÇÃO DA AGENDA! Guia da iniciativa de. cidadania europeia

UM NOVO DIREITO PARA OS CIDADÃOS EUROPEUS PARTICIPE NA DEFINIÇÃO DA AGENDA! Guia da iniciativa de. cidadania europeia UM NOVO DIREITO PARA OS CIDADÃOS EUROPEUS PARTICIPE NA DEFINIÇÃO DA AGENDA! Guia da iniciativa de cidadania europeia Comissão Europeia Secretariado-Geral 1049 Bruxelles BÉLGICA Texto original concluído

Leia mais

Decreto-Lei nº 227/2012, de 25 de outubro

Decreto-Lei nº 227/2012, de 25 de outubro Decreto-Lei nº 227/2012, de 25 de outubro A concessão responsável de crédito constitui um dos importantes princípios de conduta para a atuação das instituições de crédito. A crise económica e financeira

Leia mais

Dos documentos que se seguem quais os necessários para abrir uma conta num banco?

Dos documentos que se seguem quais os necessários para abrir uma conta num banco? Quais as principais funções de um banco? A Captar depósitos e gerir a poupança dos seus clientes. B Conceder empréstimos a empresas, particulares e ao Estado. C Disponibilizar meios e formas de pagamento

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA Referência: 400001_EUR_20160701_001 CONTA EXTRACTO Designação Condições de acesso Modalidade Meios de movimentação Moeda Montante Taxa de remuneração Conta Extracto Clientes pessoas singulares, pessoas

Leia mais

PROJETO DE PARECER. PT Unida na diversidade PT 2012/0340(COD) 14.6.2013. da Comissão da Cultura e da Educação

PROJETO DE PARECER. PT Unida na diversidade PT 2012/0340(COD) 14.6.2013. da Comissão da Cultura e da Educação PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Cultura e da Educação 14.6.2013 2012/0340(COD) PROJETO DE PARECER da Comissão da Cultura e da Educação dirigido à Comissão do Mercado Interno e da Proteção dos

Leia mais

EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º

EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º EACEA 32/2014 : Projetos de cooperação europeia Execução das ações do subprograma «Cultura»: projetos de cooperação

Leia mais

0HUFDGR LQWHUQR D &RPLVVmR ODQoD VHUYLoRV JUDWXLWRV GH DFRQVHOKDPHQWR H UHVROXomR GH SUREOHPDVGHVWLQDGRVDRVFLGDGmRVHjVHPSUHVDV

0HUFDGR LQWHUQR D &RPLVVmR ODQoD VHUYLoRV JUDWXLWRV GH DFRQVHOKDPHQWR H UHVROXomR GH SUREOHPDVGHVWLQDGRVDRVFLGDGmRVHjVHPSUHVDV ,3 Bruxelas, 22 de Julho de 2002 0HUFDGR LQWHUQR D &RPLVVmR ODQoD VHUYLoRV JUDWXLWRV GH DFRQVHOKDPHQWR H UHVROXomR GH SUREOHPDVGHVWLQDGRVDRVFLGDGmRVHjVHPSUHVDV 'HIURQWDVH FRP SUREOHPDV SDUD ID]HU UHFRQKHFHU

Leia mais

CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL ITICCRD_20150701 Caixa ITIC CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS,

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:215101-2013:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:215101-2013:text:pt:html 1/8 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:215101-2013:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Apoio no âmbito do trabalho preparatório de medidas de conceção ecológica

Leia mais

DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993

DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993 DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993 SISTEMA DE EXERCÍCIO DO DIREITO DE VOTO E DE ELEGIBILIDADE NAS ELEIÇÕES PARA O PARLAMENTO EUROPEU DOS CIDADÃOS DA UNIÃO EUROPEIA RESIDENTES NUM ESTADO-MEMBRO DE QUE

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES?

12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES? Registo da prestação de contas 12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES? Uma das obrigações integradas na IES é o registo de prestação de contas. Isto significa que, as empresas

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1/9 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:213932-2013:text:pt:html B-Bruxelas: Serviços de especialização de médico-assistente e de dentista-assistente junto dos

Leia mais

Mercado Único Digital Conferência ANACOM "Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015

Mercado Único Digital Conferência ANACOM Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015 Mercado Único Digital Conferência ANACOM "Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015 Mário Campolargo Director, NET Futures European Commission

Leia mais

2. Posso aderir aos serviços da Nacacomunik se residir nos Açores ou na Madeira? Sim.

2. Posso aderir aos serviços da Nacacomunik se residir nos Açores ou na Madeira? Sim. Nacacomunik e pré-seleção de operador 1. Porque é que a ACN se chama Nacacomunik Serviços de Telecomunicações, Lda. em Portugal? Como em Portugal já existiam duas empresas com o nome ACN, registámos a

Leia mais

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO 13.3.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 68/3 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 11 de Março de 2009 que altera a Directiva 94/19/CE relativa aos sistemas de garantia

Leia mais

Regulamento da promoção Recomende e ganhe Termos e Condições

Regulamento da promoção Recomende e ganhe Termos e Condições Regulamento da promoção Recomende e ganhe Termos e Condições 1. VIGÊNCIA A presente campanha estará em vigor entre o dia 25 de março e o dia 30 de maio de 2014. 2. ELEGIBILIDADE São considerados elegíveis

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor

Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) 10651/16 EF 206 ECOFIN 654 DELACT 127 NOTA DE ENVIO de: data de receção: 24 de junho de 2016 para: n. doc. Com.: Secretário-Geral da Comissão

Leia mais