Universidade Federal de Itajubá EPR-30 Contabilidade. Análise financeira. Jéssica Mendonça Gastaldo Juliana Sene Baruffi 11461

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal de Itajubá EPR-30 Contabilidade. Análise financeira. Jéssica Mendonça Gastaldo 11460 Juliana Sene Baruffi 11461"

Transcrição

1 Universidade Federal de Itajubá EPR-30 Contabilidade Análise financeira Jéssica Mendonça Gastaldo Juliana Sene Baruffi Junho de 2005

2 Índice 1. Introdução Objetivo Justificativa Estrutura do trabalho Desenvolvimento teórico Demonstrações financeiras Balanço Patrimonial Demonstração do resultado Índices Índices de estrutura de capital Índices de liquidez Índices de rentabilidade Análise horizontal e vertical Avaliação setorial Previsão de falência Índices de Prazo médio EVA* (Economic Value Added) Ações Apresentação da empresa História Perfil da empresa Análise financeira Balanço Patrimonial Demonstração de Resultados Índices Índices de estrutura de capital Índices de liquidez Índices de rentabilidade Análise horizontal e vertical Avaliação setorial Previsão de falência Prazo médio EVA Ações Conclusão Referências bibliográficas

3 1. Introdução 1.1 Objetivo Este trabalho tem como objetivo analisar a situação financeira e econômica da empresa Döhler S/A. 1.2 Justificativa É de grande importância ter um conhecimento sobre as demonstrações financeiras de uma empresa. Todavia, não basta apenas entender o significado dessas demonstrações, é necessário fazer um estudo através de índices para obter maiores informações a respeito da situação financeira e econômica da mesma. Em vista disto, a empresa Döhler S/A foi escolhida como estudo de caso a fim de exemplificar e facilitar o entendimento de tais índices. 1.3 Estrutura do trabalho Primeiramente foi feita uma revisão bibliográfica. Em seguida foi feita uma apresentação da empresa, de modo a visualizar melhor o objeto de estudo. Posteriormente deu-se início a analise financeira da mesma no decorrer dos anos de 2001, 2002, 2003 e A análise foi feita baseando-se em índices e fórmulas citadas no desenvolvimento teórico auxiliados a recursos gráficos. Por fim, através da analise de todos os itens, foram feitas algumas considerações importantes sobre a empresa. 3

4 2. Desenvolvimento teórico 2.1 Demonstrações financeiras As demonstrações financeiras fornecem uma série de dados sobre a empresa, de acordo com regras contábeis. A Análise de Balanços transforma esses dados em informações e quanto melhores informações produzir mais eficiente é o processo de tomada de decisão. Desta forma, a análise de balanços é fundamental para quem pretende relacionar-se com a empresa, de modo que cada usuário possui interesse em um aspecto particular da empresa. As demonstrações financeiras devem ser padronizadas, ou seja, todas as contas de cada demonstrativo, devem ser transcritas para um modelo previamente definido. A padronização é feita pelos seguintes motivos: Simplificação (redução do número de contas); Comparabilidade (facilitar a comparação com outros balanços); Adequação aos objetivos da análise (para os casos de contas que devem ser reclassificadas); Precisão nas classificações de contas (correção de classificações feitas para embelezar os balanços); Descoberta de erros na classificação de contas; Intimidade do analista com as demonstrações financeiras da empresa para que este enxergue os detalhes que, de outra forma, não conseguiria Balanço Patrimonial O Balanço Patrimonial é a demonstração que apresenta todos os bens e direitos da empresa (Ativo), assim como as obrigações (Passivo) em determinada data. A diferença entre Ativo e Passivo é chamada Patrimônio líquido e representa a quantidade de capital investido pelos proprietários da empresa, seja através de recursos trazidos de fora da empresa ou seja gerados por esta em suas operações e retidos internamente. ATIVO Circulante: Valores disponíveis para a utilização imediata, direitos realizáveis no curso do exercício social seguinte e valores relativos a despesas já pagas. Realizável a longo prazo: Mesmas contas do ativo circulante mas com prazo de realização superior a um ano. Permanente: Recursos que não se deseja ou não se pode realizar, ou seja, vender e transformar em dinheiro. São os investimentos, imobilizado( relacionados a manutenção) e diferido. PASSIVO Circulante: Obrigações da empresa vencíveis no prazo de uma ano. Contas com fornecedores, duplicatas, tributos, salários e encragos sociais, empréstimos e financiamentos. Exigível a longo prazo: Obrigações da empresa vencíveis no prazo superior a um ano. 4

5 PATRIMÔNIO LÍQUIDO O que a empresa não tem intenção de pagar. Capital social, reservas, lucros ou prejuízos acumulados Demonstração do resultado A Demonstração do Resultado trata-se de uma demonstração dos aumentos e reduções causados no Patrimônio Líquido pelas operações da empresa, retratando o fluxo econômico de uma empresa e não o fluxo monetário. As receitas representam normalmente aumento do Ativo e conseqüentemente aumento do Patrimônio Líquido, através de ingresso de novos elementos. As despesas representam redução do Patrimônio Líquido, através de um entre dois caminhos possíveis: redução do Ativo ou aumento do Passivo. 2.2 Índices Índice é a relação entre contas ou grupo de contas das Demonstrações Financeiras, que visa evidenciar amplamente um determinado aspecto da situação econômica ou financeira de uma empresa. Os índices constituem a técnica de análise mais utilizada, e muitas vezes confunde se a Análise de Balanços com extração de índices, pois grande parte do tempo gasto numa análise de balanços, é exatamente nos cálculos e nas avaliações dos índices. O papel fundamental dos índices é fornecer visão ampla da situação econômica ou financeira da empresa. O importante para uma análise através dos índices, não é o calculo de grande número de índices, mas de um conjunto de índices que permita conhecer a situação da empresa, segundo o grau de profundidade desejada da análise. Portanto, a quantidade de índices que deve ser utilizada na análise é variável de acordo com o usuário. Porém, o aumento da quantidade de índices é também um aumento de custos. A análise de índices entra em rendimentos decrescentes a partir de um certo ponto. A análise de empresas e comerciais através de índices tradicionais dever ter, no mínimo, 4, e não é preciso estender-se além de 11 índices. Os índices se dividem em 3 grupos: Estrutura de Capitais; Liquidez; Rentabilidade. Os dois primeiros grupos evidenciam a situação financeira da empresa cuja preocupação está na obtenção e aplicação dos recursos. Os índices referentes à rentabilidade agrupam aqueles que estão preocupados com os resultados obtidos, ou seja, compõem o grupo que mostra a situação econômica da empresa. 5

6 2.2.1 Índices de estrutura de capital Os índices deste grupo mostram as grandes linhas de decisões financeiras, em ternos de obtenção e aplicação dos recursos. 1. Participação de capitais de terceiros Este índice relaciona as duas grandes fontes de recursos da empresa, ou seja, capitais próprios e capitais de terceiros. É um indicador de risco ou de dependência a terceiros, por parte da empresa já que mostra quanto a empresa tomou de capitais de terceiros para cada $ 100 de capital próprio. Quanto menor for este índice, melhor. Fórmula: CT/PL x 100 Onde: CT = Capitais de terceiros; PL = Patrimônio liquido. 2. Composição do endividamento Este índice indica o percentual de obrigações de curto prazo em relação as obrigações totais, ou seja, dividas vencíveis a curto prazo. Quanto menor for este índice, melhor. Fórmula: PC/CT x 100 Onde: PC = Passivo circulante; CT = Capitais de terceiros. 3. Imobilização do patrimônio liquido Este índice mostra o quanto a empresa aplicou no ativo permanente para cada $ 100 de patrimônio liquido. Quanto mais a empresa investir em ativo permanente, menos recursos próprios sobrarão para o ativo circulante e, em conseqüência, maior será a dependência a capitais de terceiros para o financiamento do ativo circulante. O ideal é a empresa dispor de patrimônio liquido suficiente para cobrir o ativo permanente e ainda sobrar uma parcela, chamada de capital circulante próprio (CCP) suficiente para a ativo circulante. Quanto menor for este índice, melhor. Fórmula: AP/PL x 100 Onde: AP = Ativo permanente; PL = Patrimônio liquido. 6

7 4. Imobilização de recursos não correntes Este índice indica o percentual de recursos não correntes que a empresa aplicou no ativo permanente. A empresa não precisa financiar todo o imobilizado com recursos próprios. É perfeitamente possível utilizar recursos de longo prazo desde que o prazo seja suficiente para a empresa gerar recursos capazes de resgatar as dividas de longo prazo. O capital circulante liquido (CCL) representa a folga financeira a curto prazo. A empresa que possui CCP goza da tranqüilidade de boa saúde financeira a curto e longo prazo já uma empresa que não tem precisa, a curto prazo, consertar a situação e não tem certeza de sua manutenção a longo prazo. Portanto o ideal é que este índice não seja superior que 100%. Quanto menor, melhor. Fórmula: AP/(PL + PELP) x 100 Onde: AP = Ativo permanente; PL = Patrimônio liquido; PELP = Passivo exigível a longo prazo Índices de liquidez Os três índices que compõe este grupo mostram a base da situação financeira da empresa. Uma empresa com bons índices de liquidez tem condições de ter uma boa capacidade de pagar suas dívidas, mas não estará obrigatoriamente pagando suas dividas em dia em função de outras variáveis como prazo, renovação de dividas, entre outras. 5. Liquidez geral Este índice mostra a porcentagem de patrimônio liquido que foi imobilizado e a que foi para o ativo circulante. É esta etapa que verifica se a porcentagem do ativo circulante será suficiente para proporcionar boa base financeira para a empresa. Portanto o ideal é que este índice seja sempre maior que 1 e quanto maior melhor pois assim a empresa não tem a necessidade de gerar recuros para pagar suas dividas. Fórmula: (AC + ARLP) / (PC + PELP) Onde: AC = Ativo circulante; ARLP = Ativo realizável a longo prazo; PC = Passivo circulante; PELP = Passivo exigível a longo prazo. 7

8 6. Liquidez Corrente Este índice Indica quanto a empresa possui no Ativo Circulante para cada $1,00 de Passivo Circulante, verificando assim a disponibilidade da empresa em vencer as obrigações de curto prazo. Quanto maior for esse índice, melhor para a empresa. Fórmula: AC/PC Onde: AC = Ativo circulante; PC = Passivo circulante. 7. Liquidez seca Indica quanto a empresa possui no Ativo Líquido para cada $1,00 de Passivo Circulante (dívidas em curto prazo), medindo assim o grau de excelência da sua situação financeira. Esse índice está intimamente ligado ao índice de Liquidez Corrente. Os estoques são colocados de lado pois é o item que contem maior risco no ativo circulante devido a roubo, deterioração e risco de não serem vendidos. Quanto maior for esse índice, melhor para a empresa. Fórmula: (AC Estoques) / PC Onde: AC = Ativo circulante; PC = Passivo circulante Índices de rentabilidade Os índices que se encontram neste grupo tem a capacidade de mostrar quanto os investimentos renderam, ou seja, qual o grau de êxito econômico da empresa. 8. Giro do ativo Este índice mede o volume de vendas da empresa em relação ao capital total investido. Quanto maior for este índice, melhor para a empresa. Uma empresa passa a vender menos por vários motivos. Entre eles está a retração do mercado como um todo e perda da participação de mercado para concorrentes. Entretanto este fato pode ser também uma estratégia da empresa, ou seja, a empresa vende menos mas aumenta seu preço para ter uma margem de lucro maior. Fórmula: VL / AT Onde: VL = Vendas líquidas; AT = Ativo total. 8

9 9. Margem liquida Este índice indica quanto a empresa obtém de lucro para $ 100 vendidos. Portanto este índice comprova se uma empresa está vendendo menos por uma questão de estratégia. Quanto maior for este valor, melhor. Fórmula: LL / VL x 100 Onde: LL = Lucro liquido; VL = Vendas líquidas. 10. Rentabilidade do ativo Este item não é exatamente uma medida de rentabilidade do capital mas uma medida da capacidade da empresa em gerar lucro liquido e assim poder capitalizar-se. Quanto maior for este índice, melhor para a empresa. Fórmula: LL / AT x 100 Onde: LL = Lucro liquido; AT = Ativo total. 11. Rentabilidade do patrimônio liquido Este índice mostra quanto a empresa obteve de lucro para cada $ 100 de capital próprio investido, ou melhor, mostra a taxa de rendimento do capital próprio. Esta taxa pode ser comparada com a de outros rendimentos alternativos no mercado. Portanto, quanto maior for o índice, melhores as condições da empresa. Fórmula: LL / PLM x 100 Onde: LL = Lucro liquido; PL = Patrimônio liquido médio. 2.3 Análise horizontal e vertical Na análise vertical calcula-se o percentual de cada conta em relação a um valor base nas demonstrações financeiras. É calculado o percentual de cada conta em relação ao total do ativo (no balanço patrimonial), ou é calculado o percentual em relação as vendas (na demonstração de resultados). Já na análise horizontal baseia-se na evolução de cada conta de uma série de demonstrações financeiras em relação a demonstração anterior e/ou em relação a uma demonstração financeira básica, geralmente a mais antiga da série. 9

10 A análise horizontal pode ser efetuada através do cálculo das variações em relação a um ano base (Análise Horizontal encadeada) ou em relação ao ano anterior (análise horizontal anual). Esses dois tipos de análise devem ser considerados em conjunto para se tirar conclusões, ou seja, uma complementa a outra. Pode-se dizer então, que os objetivos da análise vertical é de mostrar a importância através da composição detalhada de cada conta em relação à demonstração financeira a que pertence, e comparando-se com padrões do ramo ou com anos anteriores da própria empresa, permite inferir se há itens fora das proporções normais. E ainda permite saber qual porcentagem dos recursos foi destinada a cada item. A análise horizontal tem como objetivo mostrar a evolução de cada conta das demonstrações financeiras e, pela comparação entre si, permite tirar conclusões sobre a evolução da empresa, com esses dados, pode-se concluir a que itens a empresa está dando ênfase. 2.4 Avaliação setorial Na análise de balanços através de índices faz-se necessário comparar os índices com padrões. No caso, comparar com índices de outras empresas do setor. Usa-se a estatística para simplificar a análise. Recomenda-se o uso dos decis. Com o auxílio dessa medida estatística obtém-se nove medidas de posição de maneira que se pode dispor de informações que proporcionam uma ótima idéia de distribuição estatística dos índices tabulados. Com os decis distribui-se o universo em fatias, cada uma com 10% dos elementos do universo. Os índices-padrões são extremamente úteis para análises macroeconômicas. Após o cálculo dos índices da empresa e a comparação com padrões é possível fazer uma análise global da empresa através de atribuição de nota para cada índice e assim saber a importância relativa de cada um dos índices atribuindo-se pesos para os mesmos. 2.5 Previsão de falência Pode-se através de índices prever a insolvência de uma empresa. No Brasil diversos estudiosos efetuaram testes estatísticos sobre a previsão de insolvência com base na análise discriminante. Abaixo está descrito a formula descrita por Kanitz e em seguida por Pereira. KANITZ FI = 0,05x 1 + 1,65x 2 + 3,55x 3 1,06x 4 0,33x 5 Onde: FI = Fator de Insolvência = total de pontos obtidos x 1 = Lucro Líquido/Patrimônio Líquido x 2 = Ativo Circulante + Ativo Circulante + Realizável a Longo Prazo/Exigível Total x 3 = Ativo Circulante Estoques/Passivo Circulante x 4 = Ativo circulante/passivo Circulante 10

11 x 5 = Exigível Total/Patrimônio Líquido Segundo esse modelo a empresa será insolvente se FI for inferior a 3; A sua classificação estará indefinida entre 3 e 0 e acima de 0 estará na faixa de solvência. PEREIRA Z = 0,722 5,124E ,016L 19 0,342L 21 0,048L ,605R 13 0,004R 29 Onde: Z = total de pontos obtidos E 23 = Duplicatas Descontadas/Duplicatas a receber L 19 = Estoques(Final)/Custo das Mercadorias Vendidas L 21 =Fornecedores/Vendas L 26 =Estoque Médio/Custo das Mercadorias Vendidas R 13 =(Lucro Operacional + Despesas Financeiras)/(Ativo Total Investimento Médio) R 29 =Exigível Total/(Lucro Líquido+0,1 Imobilizado Médio + Saldo Devedor da Correção Monetária) Abaixo do 0 a empresa está insolvente acima, solvente. 2.6 Índices de Prazo médio Através das demonstrações financeiras é possível calcular por exemplo, quantos dias, em média, a empresa terá de esperar para receber suas duplicatas, ou o prazo médio de renovação de estoques ou o prazo médio de pagamento de compras. Esses índices devem ser analisados em conjunto. A conjugação dos três índices citados a cima possibilita à análise dos ciclos operacional e de caixa. Com essa análise pode-se determinar a estratégia da empresa, tanto comercial quanto financeira. Prazo médio de recebimento de vendas (PMRV): Expressa o tempo decorrido entre a venda e o recebimento. O volume de investimentos em Duplicatas a Receber é determinado pelo prazo médio de recebimento de vendas. Este, é obtido através da seguinte fórmula: PMRV = 360 DR V Sendo: DR= Duplicatas a Receber V = Vendas Anuais Prazo Médio de pagamento de compras (PMPC): PMPC =360 F C Sendo: F= Saldo de Fornecedores do Balanço 11

12 C= Compras Prazo Médio de Renovação de estoques Representa o tempo médio de estocagem de mercadorias (empresa comercial) ou o tempo de produção e estocagem (empresa industrial). A fórmula para a renovação de estoques é análoga as anteriores, porém relaciona-se com vendas futuras. O correto seria tomar as vendas dos próximos meses após o balanço. Como esse dado não é disponível ao analista externo, tomam-se as próprias vendas passadas a preço de custo, dadas pelo Custo de Mercadorias Vendidas. Assim, tem-se que o Prazo Médio de Renovação de Estoque é dado pelo seguinte fórmula: PMRE = 360 (E/CMV) Sendo: E = Estoques CMV = Custo das Mercadorias Vendidas 2.7 EVA* (Economic Value Added) O Valor Econômico agregado é utilizado para verificar se a empresa está agregando valor aos seus serviços desse modo é desejável que este seja o mais positivo possível.é a Estimativa do lucro econômico da empresa para o ano. Representa o lucro que excede ao custo de recuperação do capital (capital próprio e exigível a longo prazo) EVA = NOPAT WACC * capital EVA = Lucro operacional líquido depois dos impostos (custo médio ponderado de capital) * (patrimônio líquido + exigível a longo prazo) É aconselhável enfatizar algumas questões para se conseguir aumentar o EVA ou torna-lo positivo, são elas: Aumentar as vendas, reduzir os gastos, e se possível, reduzir o custo do capital próprio. (*)EVA é marca registrada por Stern Stewart & Co. 2.8 Ações A empresa deve comparar suas ações com a ibovespa a fim de se ter uma noção da sua situação no mercado. 3. Apresentação da empresa Missão: Fabricar produtos têxteis para o mercado global, conforme padrões de certificação e compromissos internacionais em qualidade, responsabilidade social, ética e meio ambiente, voltados ao atendimento das expectativas do consumidor e agregando valor para os funcionários, acionistas, fornecedores, clientes e a comunidade. 12

13 3.1 História 1881: O imigrante alemão Carl Göttlieb Döhler monta um rústico tear de madeira e, junto com a família, começa a fabricar tecidos para abastecer a operosa comunidade local (joinville). 1956: Nova razão social: Döhler S/A Comércio e Indústria. 1961: Inicio da modernização dos processos industriais 1969: Fecha o primeiro contrato de exportação. 1970: A nova fábrica entra em operação. É a grande virada na produção: por quase 90 anos dedicada ao tecimento de fios tintos, a empresa ingressa na estampagem de tecidos pré-alvejados ou tintos, elaborados em cru na Tecelagem. 1973: A Döhler constitui fiação própria, a Comfio, medida que verticaliza integralmente o processo fabril - do fio ao tecido pronto. 1996: Fornecimento de toalhas com a marca da Olimpíada de Atlanta. Roupões, toalhas de banho e praia, toalhas de mesa, panos de copa, tecidos para decoração e roupas de cama recebem o certificado alemão Öko- Tex : A Döhler comemora a certificação pela ISO 9002, atestando o alto padrão de seu sistema de gestão da qualidade. 1999: Entra para o Guiness - o livro dos recordes - a maior toalha de mesa estampada do mundo, com 560,40 metros. Empresa conquista a certificação ISO 14001, confirmando a adequação de seus procedimentos às normas de preservação ambiental. 2000: A Döhler fornece a toalha oficial da Copa Davis de Tênis, para os jogos realizados no Brasil. 2001: Lançamento da Service Line. Linha que concentra o foco em segmentos profissionais, como hotéis, motéis, clínicas e hospitais. 2003: Crescimento significativo das exportações sobre os negócios da empresa, com ênfase nos Estados Unidos, na Alemanha e na Argentina. Adequação do sistema de gestão da qualidade à nova norma ISO 9001: : Inaugurado escritório comercial em Nova York, para atender os clientes norte-americanos, que constituem seu principal mercado no exterior. 3.2 Perfil da empresa A Döhler está Instalada em Joinville, Santa Catarina, com um complexo de 200 mil metros quadrados de área construída. Embora só exista uma única fábrica, a empresa tem um escritório em Nova Iorque e possui representantes em todo território nacional e nos mais de 40 países para onde exporta. 13

14 Fig.1 Fábrica em Joinville Fig.2- Escritório em Nova Iorque A Döhler é uma das maiores fabricantes brasileiras de produtos têxteis para cama, mesa, banho, decoração e tecidos industriais. Seu foco é criar tendências nos diferentes segmentos em que atua, a fim de oferecer ao mercado o que há de mais avançado em cores, padrões, materiais e acabamentos. Atende tanto o consumidor doméstico - com toalhas de banho, rosto, mesa, panos de copa, cortinas etc. - quanto os clientes empresariais, fornecendo tecidos para colchão, almofadas, móveis, persianas, entre outros itens. A empresa possui processo verticalizado, que vai do fio ao acabamento, passando pelo tecimento, tingimento, estamparia e, quando é o caso, confecção, esta mantém domínio integral sobre o fluxo produtivo. O resultado são produtos cada vez mais sofisticados e com alto valor agregado, por conta do aprimoramento tecnológico constante. A empresa tem uma grande preocupação com a questão ambiental. Já na década de 80 a Döhler implantou sua Estação de Tratamento de Efluentes, que hoje permite a reutilização de quase um terço da água no processo produtivo. Anos depois, inaugurou o primeiro aterro industrial próprio do Sul do país. A questão ecológica é um dos eixos do balanço social da Döhler. Com diversas ações voltadas ao equilíbrio ambiental, a empresa acredita estar fazendo a sua parte na construção de um planeta saudável. 4. Análise financeira O diagnóstico de uma empresa deve sempre iniciar com uma rigorosa análise de Balanços, cuja finalidade é determinar quais são os pontos críticos e permitir, de imediato, tomadas de decisão tanto por parte da empresa quanto pelo usuário interessado. Por ser uma empresa de capital aberto, a Döhler tem obrigação de fornecer periodicamente as demonstrações financeiras para a Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Portanto os dados da demonstração financeira foram tirados do site da CVM, sendo que todos os dados são dados em milhares de reais. 14

15 4.1 Balanço Patrimonial Ativo Circulante 31/12/04 31/12/03 31/12/02 31/12/01 Financeiro Disponibilidades Aplicações Financeiras Subsoma Operacional Clientes Estoques Subsoma Total do Ativo Circulante Ativo Realizável a Longo Prazo Ativo Permanente Investimentos Imobilizado Diferido Total do Ativo Permanente Total do Ativo Passivo Circulante 31/12/04 31/12/03 31/12/02 31/12/01 Operacional Fornecedores Outras obrigações Subsoma Financeiro Empréstimos e Financiamentos Duplicatas descontadas Subsoma Total do Passivo Circulante Passivo Exigível a Longo Prazo Capitais de Terceiros Patrimônio Líquido Capital Social Realizado e reservas capital Lucros e Prejuízos acumulados Total do Patrimônio Líquido Total do Passivo Análise A empresa apresentou em todos os anos analisados maior porcentagem de ativo circulante e patrimônio liquido. O ativo realizável a longo prazo apresenta um crescimento, entretanto, comparando com o total de ativo circulante, possui valor muito baixo. De 2001 para 2002 a empresa aumentou seu ativo total devido a um aumento de ativo circulante, realizável a longo prazo e permanente, porém 15

16 estes dados não foram significantes. O total de passivo também aumentou entretanto o passivo circulante diminuiu pois a empresa deixou de fazer dívidas de curto prazo. Em 2003 a empresa passa a fazer aplicações financeira e apresenta um estoque com valor bastante alto o que eleva bastante seu ativo circulante e permanente e, conseqüentemente o ativo total. Para isto a empresa se endivida bastante com empréstimos e financiamentos e não gera muitas dividas de longo prazo. Já em 2004 a situação se inverte. A empresa deixa de investir em aplicações financeiras para investir no ativo permanente, já que nesta época o escritório em Nova Iorque foi aberto. Em vista disso, a empresa gera bastante dividas com fornecedores e as obrigações realizáveis a longo prazo voltam a aumentar. 4.2 Demonstração de Resultados Descrição da Conta 01/01/2004 a 31/12/ /01/2003 a 31/12/ /01/2002 a 31/12/ /01/2001 a 31/12/2001 Receita Líquida de Vendas e/ou Serviços Custo de Bens e/ou Serviços Vendidos Resultado Bruto Despesas/Receitas Operacionais Resultado Operacional antes resultados financeiros Receitas Financeiras Despesas Financeiras Resultado Operacional Resultado Não Operacional Resultado Antes Tributação/Participações Provisão para IR e Contribuição Social IR Diferido Participações/Contribuições Estatutárias Reversão Dos Juros Sobre Capital Próprio Lucro/Prejuízo do Exercício Análise De 2001 para 2004 a empresa aumentou suas vendas. Entretanto o custo de bens e serviços também se elevou bastante o que não acarretou no aumento do lucro durante esses anos. O ano de 2002 foi o período em que a empresa obteve maior lucro devido a baixa geração de dividas tanto de curto como de longo prazo. Contudo teve uma queda razoável em 2003 e em 2004 praticamente manteve a situação. 16

17 4.3 Índices Índices Estrutura de Capital Participação de Capitais de Terceiros 27% 37% 23% 28% Composição do endividamento 86% 92% 79% 82% Imobilização do Patrimônio Líquido 52% 41% 43% 46% Imobilização de recursos não correntes 50% 40% 41% 44% Liquidez Liquidez Geral 2,77 2,57 3,50 2,88 Liquidez Corrente (circulante) 3,07 2,70 4,25 3,42 Liquidez Seca 1,74 1,55 2,26 2,04 Rentabilidade Giro do Ativo 0,83 0,72 0,73 0,64 Margem líquida 6% 7% 10% 10% Rentabilidade do Ativo 5% 5% 7% 7% Rentabilidade do Patrimônio Líquido 7% 7% 9% 8% Índices de estrutura de capital Estrutura de capital 100% 80% 60% 40% 20% 0% Ano Capitais de terceiros Endividamento Imobilização do PL Recursos não correntes Análise Do ponto de vista financeiro, a empresa Döhler se encontra em boas condições. Nos quatro últimos anos, esta não apresentou problemas envolvendo dependência a capitais de terceiros. Pelo contrário, possui um endividamento entre 20 e 40 %, apresentando maior valor no ano de 2003, época em que fez muitos empréstimos e financiamentos. Embora a empresa não dependa muito de terceiros o perfil de sua divida não é dos melhores uma vez que possui a maioria dessas dividas vencíveis a 17

18 curto prazo. Com relação a este fato o ano de 2003 foi um dos piores pois além da empresa gerar dividas, praticamente quase todas venceram a curto prazo. Quanto as aplicações no ativo permanente, nota-se que a empresa possui capital circulante próprio, ou seja, nem todo patrimônio liquido é utilizado no ativo permanente. Em 2003 este valor foi ainda melhor pois a empresa estava preocupada em fazer empréstimos e não investiu no ativo permanente. Nota-se ainda que a empresa quase que financia todo o imobilizado com recursos próprios, ou seja, utiliza quantidade mínima de recursos a longo prazo para efetuar estes financiamentos. Desta forma a empresa goza da tranqüilidade de boa saúde financeira a curto e longo prazo Índices de liquidez Liquidez 5,00 4,00 3,00 2,00 1,00 0,00 Ano Liquidez geral Liquidez corrente Liquidez seca Análise Continuando a análise do ponto de vista financeiro, a Döhler possui bons índices de Liquidez. Todos estão acima de 1. Na Liquidez geral pode-se perceber que ao longo dos anos a empresa possui capacidade de quitar suas dívidas. Dando especial importância para o ano de 2002 onde esse índice chegou a 3,50 ou seja é capaz de pagar 100% de suas dívidas com grande folga, margem de 150%. Já o índice de liquidez corrente também possui bons resultados dando ênfase também ao ano de 2002, onde esse índice possui o valor de 4,25 provando que a empresa possui investimentos no Ativo Circulante capazes de honrar seus compromissos de curto prazo com grande folga. Esse excesso deve-se a existência do Capital circulante líquido. A liquidez seca juntamente com a liquidez corrente permite verificar o grau de excelência da empresa. A empresa possui um excedente desse índice em todos os anos analisados. Em todos os anos analisado deve-se ressaltar o ano de 2002 que apresentou índices muito bons, isso deve-se ao fato de que a empresa diminuiu muito os empréstimos e financiamentos. 18

19 4.3.3 Índices de rentabilidade Rentabilidade 0,90 0,80 0,70 0,60 0,50 0,40 0,30 0,20 0,10 0,00 Giro do ativo Margem liquida Rentabilidade do ativo Rentabilidade do PL Ano Este grupo de índices mostra a situação econômica da empresa. Mostra quanto renderam os investimentos. Não podemos dizer que a empresa possui bons índices de rentabilidade. O Giro do ativo mostra o volume de vendas em relação ao capital total investido. No caso da Döhler esse índice se apresenta constante com o tempo, mas apesar de ter um aumento em 2004 ainda apresenta um valor relativamente baixo de vendas em comparação com os investimentos totais. A margem líquida mede o lucro da empresa em relação às vendas totais. Houve queda desse índice nos dois últimos anos ou seja, a empresa teve menor lucro e ganhou menos por unidade vendida, apesar de ter aumentado suas vendas. A rentabilidade do ativo mostra quanto a empresa obteve de lucro líquido em relação ao ativo. É uma medida do desempenho comparativo da empresa ano a ano. A empresa obteve queda desse índice em 2003 e depois mantevese constante. A rentabilidade do patrimônio líquido apresentou valores baixos. Esse índice mostra a taxa de rendimento do capital próprio. Comparando-se com a TMA (12% ) encontramos valores inferiores, por volta dos 7%. 4.4 Análise horizontal e vertical 19

20 Balanço Patrimonial AV A A A AV A AV A Padronizado H V H H H Descrição da Conta 31/12/04 31/12/03 31/12/02 31/12/01 Ativo Total Ativo Circulante Financeiro Disponibilidades Aplicações Financeiras Subsoma Operacional Clientes Estoques Subsoma Total do Ativo Circulante Ativo Realizável a Longo Prazo Ativo Permanente Investimentos Imobilizado Diferido Total do Ativo Permanente Total do Ativo Descrição da Conta 31/12/ /12/ /12/02 31/12/01 Passivo Total Passivo Circulante Operacional Fornecedores Outras obrigações Subsoma Financeiro Empréstimos e Financiamentos Duplicatas descontadas Subsoma Total do Passivo Circulante Passivo Exigível a Longo Prazo Capitais de Terceiros Patrimônio Líquido Capital Social Realizado e reservas capital Lucros e Prejuizos acumulados Total do Patrimônio Líquido Total do Passivo

Análise Financeira de Balanço

Análise Financeira de Balanço UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Instituto de Engenharia de Produção e Gestão Contabilidade Gerencial EPR 30 Análise Financeira de Balanço Juliano Jun Tatsumi nº11462 Marina Carvalho Brandão nº11466 Itajubá,

Leia mais

AVALIAÇAO FINANCEIRA DA GRENDENE S/A

AVALIAÇAO FINANCEIRA DA GRENDENE S/A Universidade federal de Itajubá Instituto de Engenharia de Produção e Gestão IEPG AVALIAÇAO FINANCEIRA DA GRENDENE S/A EPR 30 Contabilidade Gerencial Prof: Edson de Oliveira Pamplona Equipe: - Bruno José

Leia mais

1- Introdução. 1.1- Objetivos. 1.2- Justificativas

1- Introdução. 1.1- Objetivos. 1.2- Justificativas Alluno:: Karrllos Eduarrdo Souza Corrrrêa Mattrríículla:: 10657 Currso:: Engenharriia de Prrodução Prroffessorr:: Edson Pampllona Conttabiilliidade Gerrenciiall 1- Introdução 1.1- Objetivos Este trabalho

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Objetivo

1. Introdução. 1.1 Objetivo 1. Introdução 1.1 Objetivo A Análise Financeira de Balanços visa verificar as condições financeiras e econômicas das empresas, para, desta forma, permitir outras pessoas ou até mesmo outras empresas tomar

Leia mais

1-Introdução. 1.1-Objetivos. 1.2-Justificativa para a escolha da empresa. 1.3-Estrutura do trabalho

1-Introdução. 1.1-Objetivos. 1.2-Justificativa para a escolha da empresa. 1.3-Estrutura do trabalho 1-Introdução 1.1-Objetivos Este trabalho visa analisar os balanços de uma determinada empresa, no caso a construtora Método Engenharia S.A., para extrair informações das suas demonstrações financeiras,

Leia mais

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga CONTABILIDADE GERENCIAL ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA ATRAVÉS DE ÍNDICES Importância da Análise Através de Indicadores. Visa obter através

Leia mais

1 - INTRODUÇÃO. 1.1 - Objetivo. 1.2 - Justificativa

1 - INTRODUÇÃO. 1.1 - Objetivo. 1.2 - Justificativa 1 - INTRODUÇÃO 1.1 - Objetivo O objetivo desta atividade é constatar que através da demonstração financeira de uma empresa, dado que as empresas de capital aberto devem disponibilizar ao público, se possa

Leia mais

Análise Através dos Índices

Análise Através dos Índices PARTE II Avaliação do Desempenho Empresarial Análise Através dos Índices 1 RECORDANDO 1.1 INTRODUÇÃO Numa empresa, freqüentemente os responsáveis pela administração estão tomando decisões, quase todas

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões.

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. ANALISE DE BALANÇO 1.1 Objetivo da análise de Balanços UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. 1.2 Dados versus Informações Dados: São os números

Leia mais

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 Prefácio, xvii Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 1 Amplitude da análise financeira, 3 1.1 Visão estratégica da empresa, 3 1.2 Que é análise financeira de empresas, 6 1.3 Análise financeira e áreas

Leia mais

Análise das. Financeiras

Análise das. Financeiras Análise das Demonstrações Financeiras Um método revolucionário para as empresas saírem do marasmo em que se encontram. A metodologia e o material contido nesta apostila foram desenvolvidos e criados pela

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá

Universidade Federal de Itajubá Universidade Federal de Itajubá Contabilidade e Custos Análise Financeira de Balanços 09-04-2012 Prof. José Arnaldo B. Montevechi 1 Planejamento de caixa Índices de prazos médios Prazo Médio de Recebimento

Leia mais

Análises de demonstrações financeiras

Análises de demonstrações financeiras Análises de demonstrações financeiras Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Análise da demonstrações financeiras Demonstrações: Importante veículo de comunicação entre empresa

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

Analise Financeira ou de Balanço

Analise Financeira ou de Balanço ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS FASF- FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. EDENISE Analise Financeira ou de Balanço Avaliação da Situação da Empresa em seus

Leia mais

Curso. Análise de Demonstrações Financeiras

Curso. Análise de Demonstrações Financeiras Seja Bem Vindo! Curso Análise de Demonstrações Financeiras Carga horária: 20hs Dicas importantes Nunca se esqueça de que o objetivo central é aprender o conteúdo, e não apenas terminar o curso. Qualquer

Leia mais

Prefácio à 3ª edição, xiii Apresentação, xv. Parte I - Introdução, 1

Prefácio à 3ª edição, xiii Apresentação, xv. Parte I - Introdução, 1 Prefácio à 3ª edição, xiii Apresentação, xv Parte I - Introdução, 1 1 Conceitos Introdutórios, 3 1.1 Conceitos, 3 1.2 Objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis, 5 1.3 Usuários da Análise das Demonstrações

Leia mais

Departamento de Desenvolvimento Profissional ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Departamento de Desenvolvimento Profissional ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Departamento de Desenvolvimento Profissional ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Profª Adriana Valente e-mail: adrianatvalente@hotmail.com Rio de Janeiro, 2º semestre de 2015. Rua 1º de Março, 33 Centro

Leia mais

Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas)

Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas) Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas) Resumo Cátia Raquel Felden Bartz 1 Gisele Carolina Padoin 2 Juliana Horbach 3 Diego Antonio Saugo

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais Sumário 1. A Importância Dos Índices Nas Demonstrações Financeiras 1.1 - Preparação e Reclassificação Das Contas 2. Grupos de Índices 3. Capital

Leia mais

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É a técnica que consiste na decomposição, comparação e interpretação dos demonstrativos do estado patrimonial e do resultado econômico de uma entidade. Técnicas de análise

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

Análise Financeira. Adriano Leal Bruni. Material extraído de http://www. ://www.infinitaweb.com.br

Análise Financeira. Adriano Leal Bruni. Material extraído de http://www. ://www.infinitaweb.com.br Análise Financeira Adriano Leal Bruni 1 Por que analisar? Mensurar riscos de crédito de correntes e potenciais clientes. Julgar o desempenho esperado das firmas. Monitorar o progresso da firma em alcançar

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços.

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. QUESTÕES COMENTADAS Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. 01. (FCC Analista Contabilidade TRT 24ª Região 2011) Considere: ATIVO CIRCULANTE Companhia X Companhia

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Fatos ou Eventos Econômico- Financeiros Processo ========> Contábil Demonstrações Financeiras = DADOS Técnicas de Análise ===========> de Balanço Informações Financeiras

Leia mais

Análise Financeira da Empresa Kepler Weber

Análise Financeira da Empresa Kepler Weber Análise Financeira da Empresa Kepler Weber Cátia R. F. Bartz (FAHOR) catia.fahor.com.br Glademir Jagnow (FAHOR) gb000937@fahor.com.br Mabel Bairros (FAHOR) mb000942@fahor.com.br Mariseia Schawinsky (FAHOR)

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS NOTA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso: Administração de Empresas Turma: Disciplina: Administração Financeira Professor : Maxwell Lucena / Aluno(a): Maxwe R.A.: Assinatura: Data: / / 1ª. Questão

Leia mais

Análise de Balanços e Demonstrações Tí da Varig Transportes Aéreos Rio Grandense S.A.

Análise de Balanços e Demonstrações Tí da Varig Transportes Aéreos Rio Grandense S.A. Análise de Balanços e Demonstrações Tí da Varig Transportes Aéreos Rio Grandense S.A. Aluno(s): Glauber Martins Legatti 10655 Professor: Edson Pamplona Itajubá, 10 de Junho de 2004 SUMÁRIO 1. Introdução

Leia mais

ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS

ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS Prof. Herbert Kimura INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE BALANÇOS CONTEXTUALIZAÇÃO Prof. Herbert Kimura INFORMAÇÕES Interna Externa Armazenagem Contábil! Relatórios contábeis

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 Índice Análise Vertical e Análise Horizontal...3 1. Introdução...3 2. Objetivos e técnicas de análise...4 3. Análise vertical...7 3.1 Cálculos da análise vertical do balanço

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

Análise Financeira e Econômica

Análise Financeira e Econômica Instituto de Engenharia de Produção e Gestão IEPG Contabilidade Gerencial EPR 30 Análise Financeira e Econômica Autores: José Henrique Freitas Gomes 12176 Silvio Francisco da Silva 12190 Professor: Edson

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 06: ANÁLISE E CONTROLE ECONÔMICO- FINANCEIRO TÓPICO 01: ANÁLISE POR ÍNDICES Fonte (HTTP://WWW.FEJAL.BR/IMAGES/CURS OS/CIENCIASCONTABEIS.JPG) ANÁLISE POR INTERMÉDIO

Leia mais

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES.

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO HUGO ISAMU SHINOMIYA JESSICA VALERIA LIMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO HUGO ISAMU SHINOMIYA JESSICA VALERIA LIMA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO HUGO ISAMU SHINOMIYA JESSICA VALERIA LIMA ANÁLISE DE BALANÇO - FIBAM CIA INDUSTRIAL Belém - PA 2011 2 HUGO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa

Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa 1 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A Necessidade de Capital de Giro é a chave para a administração financeira de uma empresa. Necessidade de

Leia mais

Relatório da Gestão da Empresa Sadia S/A.

Relatório da Gestão da Empresa Sadia S/A. Relatório da Gestão da Empresa Sadia S/A. A política de gestão da Empresa Sadia S/A, está estruturada fortemente pelos seus índices financeiros, que se comportaram da seguinte maneira nos períodos analisados

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 7 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Análise da Viabilidade Econômica O que é Economia? É a ciência que se preocupa em administrar escassos recursos disponíveis

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO 1 A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO Esliane Carecho Borges da Silva (Orientadora- Docente dos cursos de Contabilidade e Tecnologia em Gestão Financeira-AEMS) Jose

Leia mais

ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Análise Através de Índices

ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Análise Através de Índices ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Análise Através de Índices PRINCIPAIS ASPECTOS REVELADOS PELOS ÍNDICES FINANCEIROS Situação Financeira ESTRUTURA LIQUIDEZ Situação Econômica RENTABILIDADE QUADRO RESUMO

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Relatórios de Análise

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Relatórios de Análise ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Relatórios de Análise Relatórios de análise Relatório de Análise é um documento, elaborado pelo analista de Balanços, que contém as conclusões resultantes do desenvolvimento

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

Estrutura das Demonstrações Financeiras

Estrutura das Demonstrações Financeiras Estrutura das Demonstrações Financeiras 1 - ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS A Análise das demonstrações financeiras exige noções do seu conteúdo, significado, origens e limitações. Através de uma

Leia mais

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira.

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira. 1 Tatiana Melo da Gama RESUMO O presente artigo tem a proposta de apresentar uma breve abordagem sobre a Análise dos Índices de Prazos Médios, dando ênfase para a sua importância na gestão financeira de

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31 UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31 AVALIANDO A EVOLUÇÃO DO CICLO DE CAIXA DA EMPRESA Cálculo e interpretação dos prazos médios de recebimento de vendas, giro de estoques e prazo médio de pagamento de compras.

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE EMPRESAS DA REGIÃO DO VALE DO TAQUARI - RS

ANÁLISE DO DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE EMPRESAS DA REGIÃO DO VALE DO TAQUARI - RS CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DO DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE EMPRESAS DA REGIÃO DO VALE DO TAQUARI - RS Geisibel Costa da Silva Lajeado, outubro de 2014 Geisibel

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO Rafael Martins Noriller (UFGD) rafael_mn1985@hotmail.com

Leia mais

Balanço Patrimonial ( em R$ 000 )

Balanço Patrimonial ( em R$ 000 ) Demonstrações Financeiras Índice de Endividamento Professor: Roberto César Balanço Patrimonial ( em R$ 000 ) Circulante X X-1 Caixa... 363 288 Títulos Negociáveis... 68 51 Duplicatas a Receber... 503

Leia mais

Balanço Patrimonial. Ativos e Passivos. Análise Financeira de Balanços 29/10/2012. Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini

Balanço Patrimonial. Ativos e Passivos. Análise Financeira de Balanços 29/10/2012. Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini Balanço Patrimonial Relembrando da ultima aula!!!! Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini Análise Financeira de Balanços O balanço Patrimonial de uma organização é uma peça contábil, em

Leia mais

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos Pessoal, Hoje, disponibilizo a resolução da prova de Contabilidade Geral, de Análise das Demonstrações Contábeis e de Contabilidade de Custos do Concurso para o TCU realizado no último final de semana.

Leia mais

Este índice indica o percentual de Capital de Terceiros em relação ao Patrimônio Líquido. Retrata a dependência da empresa em relação aos recursos

Este índice indica o percentual de Capital de Terceiros em relação ao Patrimônio Líquido. Retrata a dependência da empresa em relação aos recursos Unidade 5 Análise de índices Índices de Estrutura de Capitais Professor: Renato Thiago Participação do capital de terceiros (endividamento) Participação do capital de terceiros (endividamento) Este índice

Leia mais

I. Introdução. 1. Índices na Avaliação de Demonstrações Contábeis

I. Introdução. 1. Índices na Avaliação de Demonstrações Contábeis 1 I. Introdução Para efetuarmos uma análise profissional das demonstrações financeiras devemos inicialmente: a) simplificar os dados das demonstrações realizando arrendodamentos e/ou efetuando o corte

Leia mais

Uma das marcas de uma empresa falida é o alto. (endividamento) A falência, entretanto, nunca se deve exclusivamente ao. endividamento.

Uma das marcas de uma empresa falida é o alto. (endividamento) A falência, entretanto, nunca se deve exclusivamente ao. endividamento. Unidade 5 Análise de índices Índices de Estrutura de Capitais Participação do capital de terceiros (endividamento) Professor: Renato Thiago Participação do capital de terceiros (endividamento) Este índice

Leia mais

Análise dos Demonstrativos Contábeis Índices de Endividamento Cristhiane Carvalho Téles

Análise dos Demonstrativos Contábeis Índices de Endividamento Cristhiane Carvalho Téles Universidade Federal do Pará Centro Sócio Econômico Análise dos Demonstrativos Contábeis Professor: Heber Lavor Moreira Análise dos Demonstrativos Contábeis Índices de Endividamento Cristhiane Carvalho

Leia mais

CONTRATO No. 337/2013 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ

CONTRATO No. 337/2013 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ CONTRATO No. 337/2013 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ ETAPA II RELATÓRIO 12 Relatório técnico de indicadores do setor de concessões

Leia mais

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008).

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 7 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). A administração

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis 3.1 Análise do

Leia mais

Capítulo 3 Projeções contábeis e financeiras 63

Capítulo 3 Projeções contábeis e financeiras 63 Sumário Capítulo 1 Conceitos de matemática financeira 1 1.1 Introdução 1 1.2 Taxa de juro nominal e taxa de juro real 3 1.2.1 Fórmula 3 1.3 Capitalização simples 4 1.3.1 Fórmulas 4 1.4 Capitalização composta

Leia mais

Guia Técnica Análise Financeira

Guia Técnica Análise Financeira Guia Técnica Análise Financeira Sertras Março 2015 Av. Paisagista José Silva de Azevedo Neto 200 bl. 4, sala 104, Barra da Tijuca, Rio de 1.- Índice 1.- Índice...2 2.- Introdução...3 3.- Procedimento Geral...4

Leia mais

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente ADMINISTRAR ----- NÃO É ABSOLUTO. SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... INTEGRAÇÃO = PESSOAS / EMPRESAS = ESSENCIAL SATISFAÇÃO FINANCEIRA RESULTANTE DA SINERGIA Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ADC M

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ADC M UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ADC M Aluna: Larissa de Souza Chaves

Leia mais

Decisões Empresariais. Logística. Administração Financeira. Administração financeira (finanças corporativas) Investimento.

Decisões Empresariais. Logística. Administração Financeira. Administração financeira (finanças corporativas) Investimento. Logística Prof. Clóvis Luiz Galdino Administração Financeira Administração financeira (finanças corporativas) Administração: ato de reger, governar ou gerir negócios públicos ou particulares. Finanças:

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. Contabilidade e Análise de Balanço EAC0110.

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. Contabilidade e Análise de Balanço EAC0110. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo Curso de Ciências Econômicas Contabilidade e Análise de Balanço EAC0110 Lucas Rockembach Apollaro Nº USP 8557531 Marcos

Leia mais

Reestruturação operacional reduz os custos e as despesas operacionais, proporcionando Ebitda de R$ 2,4 milhões.

Reestruturação operacional reduz os custos e as despesas operacionais, proporcionando Ebitda de R$ 2,4 milhões. Última Cotação em 30/09/2013 FBMC4 - R$ 43,90 por ação Total de Ações: 726.514 FBMC3: 265.160 FBMC4: 461.354 Valor de Mercado (30/09/2013): R$ 31.893,9 milhões US$ 14.431,7 milhões São Bernardo do Campo,

Leia mais

Operadores definidos pela LMDQL para Análise Financeira

Operadores definidos pela LMDQL para Análise Financeira Operadores definidos pela LMDQL para Análise Financeira A seguir é apresentada a especificação de alguns operadores financeiros criados pela LMDQL para a realização de análise financeira em documentos

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Contabilidade Gerencial

Contabilidade Gerencial Departamento de Produção Contabilidade Gerencial Prof. Edson Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson Slides baseados no livro do Matarazzo, em slides dos Profs J. Arnaldo, Marion e Fábio Fowler 1

Leia mais

Universidade Federal do Pará. Disciplina: Análise das Demonstrações Contábeis I. Professor: Héber Lavor Moreira. Aluna: Ivanete Silva Caldas

Universidade Federal do Pará. Disciplina: Análise das Demonstrações Contábeis I. Professor: Héber Lavor Moreira. Aluna: Ivanete Silva Caldas Universidade Federal do Pará Disciplina: Análise das Demonstrações Contábeis I Professor: Héber Lavor Moreira Aluna: Ivanete Silva Caldas Turma: 010 Turno: Manhã Semestre/ Ano: 7º Sem/ 2007 Análise Econômico-Financeira

Leia mais

INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A

INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A AUTOR ANTONIA TASSILA FARIAS DE ARAÚJO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ RESUMO O presente

Leia mais

Unidade I FINANÇAS EMPRESARIAIS. Prof. Me. Alexandre Saramelli

Unidade I FINANÇAS EMPRESARIAIS. Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade I FINANÇAS EMPRESARIAIS Prof. Me. Alexandre Saramelli Finanças empresariais Objetivos gerais Fazer com que os alunos possam adquirir e/ou produzir os conhecimentos necessários para o desenvolvimento

Leia mais

Análise demonstrações financeiras instrumento de grande utilidade; Previsão de insolvência; Análise de informação objetiva do desempenho.

Análise demonstrações financeiras instrumento de grande utilidade; Previsão de insolvência; Análise de informação objetiva do desempenho. 1. Histórico Análise de Balanço: ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Uérito Cruz Na década de 30, surgiu dentro da empresa Du Pont, de Nemours, um modelo de análise da rentabilidade de empresa que

Leia mais

Análise Dinâmica do.capital de Giro

Análise Dinâmica do.capital de Giro Análise Dinâmica do.capital de Giro Questões 12.1 O que são contas cíclicas do giro? Dê exemplos de contas ativas e passivas. 12.2 Desenvolva uma análise comparativa entre as medidas do capital circulante

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS II PROF. HEBER LAVOR MOREIRA DIAGNÓSTICO ECONÔMICO-FINANCEIRO DA EMPRESA RIPASA S.A.

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Unidade II ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Prof. Jean Cavaleiro Introdução Essa unidade tem como objetivo conhecer a padronização das demonstrações contábeis. Conhecer os Índices Padrões para análise;

Leia mais

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR CONTABILIDADE (CUSTOS, GERAL E AVANÇADA) MÓDULO 4: DOAR A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei 11.638/07, a

Leia mais

Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004.

Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004. Analista CNMP Contabilidade Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004. De maneira geral, foi uma prova

Leia mais

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSO PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSO PROJETO A VEZ DO MESTRE 1 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSO PROJETO A VEZ DO MESTRE ANÁLISE POR QUOCIENTES DE ESTRUTURA DE CAPITAIS PARA EMPRESAS DE MÉDIO PORTE Por: Marcelo da Fonseca Ribeiro Orientador Prof.

Leia mais

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE EXTENSÃO: CENTRO DE DESENVOLVIMENTO EM FINANÇAS PROJETO: CENTRO DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE 1 ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE Giselle Damasceno da Silva Graduanda em Ciências Contábeis pela UFPA RESUMO Este estudo, parte da necessidade de utilização

Leia mais

A Importância da análise das demonstrações contábeis nas tomadas de decisões na Empresa Móveis Gazin Douradina-PR

A Importância da análise das demonstrações contábeis nas tomadas de decisões na Empresa Móveis Gazin Douradina-PR 10 A Importância da análise das demonstrações contábeis nas tomadas de decisões na Empresa Móveis Gazin Douradina-PR Olegário de Queiroz Muniz Bacharel em Ciências Contábeis Especialista em Recursos Humanos

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis Introdução As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem se revestir

Leia mais

Índices econômico Financeiros

Índices econômico Financeiros Índices econômico Financeiros ADMNISTRAÇÃO Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Objetivos da aula Apresentar a importância de calcular os indicadores financeiros em uma empresa.

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais