Municipais de Saúde de Mato Grosso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Municipais de Saúde de Mato Grosso"

Transcrição

1 PNAB Política Nacional XXI Encontro de Secretarias Municipais de Saúde de Mato Grosso SUS 30 anos- ATENÇÃO BÁSICA É O CAMINHO CUIABÁ 06/03/2018

2 PNAB - Novas Perspectivas da Política Nacional CONCEPÇÃO AB E APS Atenção Básica à Saúde é o conjunto de ações de saúde individuais, familiares e coletivas que envolvem promoção, prevenção, proteção, diagnóstico, tratamento, reabilitação, cuidados paliativos e vigilância à saúde, desenvolvidas por meio de práticas de cuidado integrado e gestão qualificadas realizadas em equipe multiprofissional e dirigidas a populações de territórios definidos, sobre as quais as equipes assumem responsabilidade sanitária. A Política Nacional considera os termos Atenção Básica (AB) e Atenção Primária a Saúde (APS), nas atuais concepções, como termos equivalentes, associando a ambos os termos, os princípios e as diretrizes.

3 Política Nacional de At PNAB - Novas Perspectivas da Política Nacional CONASEMS NA DISCUSSÃO DA REVISÃO DA PNAB CONSIDERANDO as principais demandas dos gestores frente às dificuldades na implementação da AB nos municípios: Gestão dos recursos da AB (programático) Diretrizes e normas sem flexibilidade para as diversidades brasileiras Avaliação sistemática da implementação da AB nos territórios, sem considerar suas diversidades Autonomia do ente federado GTAB: Grupo de Trabalho da Atenção Básica: instituído pelo CONARES de set/2015, com composição de indicação de representantes das 5 regiões do país (N, NE, CO, SE, S)

4 PNAB - Novas Perspectivas da Política Nacional de Atenção Básica CONASEMS NA DISCUSSÃO DA REVISÃO DA PNAB Saúde da Família é a estratégia prioritária de organização da Atenção Básica para o Brasil Agentes Comunitários de Saúde com os Agentes de Combate às Endemias: Território e ações integradas 40% da população brasileira, não cobertos pela Estratégia Saúde da Família, necessitam de ações e serviços na Atenção Básica que sigam os mesmos princípios e diretrizes População assistida pela Atenção Básica com atendimento multiprofissional na saúde - ampliação do Núcleo de Apoio à Saúde da Família Nasf, para Núcleo Ampliado da Atenção Básica Nasf-AB Escopo de atendimento ampliado Foco no cidadão - Resolutividade na Unidade Básica de Saúde Oferta de ações e serviços disponibilizados na Atenção Básica Atividades da Atenção Básica matriciadas - profissionais especialistas e profissionais AB: maior rapidez no atendimento à população Gerente / Territórios articulados / Regulação Profissionais que atuam na Atenção Básica: valorizados e com acesso aos meios de formação e conhecimento.

5 PNAB - Novas Perspectivas da Política Nacional Principais mudanças - PNAB: ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMILIA Composição da equipe - Enfermeiro, médico, técnico de enfermagem e ACS (EACS: 4 a 12) Podendo acrescentar: - Saúde bucal (Dentista e Técnico) Carga horária - Médico tinha flexibilidade (temos hoje 910 equipes) População Recomendação de e máximo de Território Composição da equipe - Enfermeiro, médico, técnico de enfermagem e ACS. ACS -- Em áreas de grande dispersão territorial, áreas de risco e vulnerabilidade social, recomenda-se a cobertura de 100% da população com número máximo de 750 pessoas por ACS. Podendo acrescentar: - Saúde bucal (Dentista e técnico) e Agente de Combate à Endemias Carga horária - ESF somente 40 horas/semanais. (acabaram as equipes com flexibilidade de carga horária médica (20 20x20 30x30)) - ESF, não tem mais a recomendação para uso de 8 horas/semanais para apoio matricial, especialização, etc. População adscrita Por equipe de Saúde da Família (esf) e de Atenção Básica (eab) é de a 3.500

6 PNAB - Novas Perspectivas da Política Nacional Principais mudanças - PNAB: EQUIPE DE ATENÇÃO BÁSICA: eab - EAB com financiamento federal apenas pelo PMAQ A composição da EAB PMAQ era mais restritiva, por exemplo: a carga horária - média mínima era de 70h/semanais e de enfermagem de 60h/semanais - EAB reconhecida na PNAB e no PMAQ Composição da equipe - Enfermeiro, médico, técnico de enfermagem Podendo acrescentar: - Saúde bucal (Dentista e técnico), Agente de Combate à Endemias e Agentes Comunitários de Saúde - A carga horária total da EAB é semelhante a ESF: carga horária mínima semanal (40h), porém a distribuição é bem distinta, ficou assim definida: composição das equipes (máximo 3 profissionais por categoria/ch mínima 10h) Financiamento da EAB, com valor inferior ao repassado às ESF, que continua prioritária (em financiamento e modelo de atenção)

7 PNAB - Novas Perspectivas da Política Nacional Principais mudanças - PNAB: EQUIPE DE SAÚDE BUCAL - ESB vinculada somente às equipes de saúde da família, ou equipes parametrizadas PMAQ - Apoio federal para estruturação Menção à confecção de prótese - Possibilidade de comporem as equipes de saúde da família e atenção básica; - Manutenção de apoio federal para estruturação (cadeira odontológica e/ou recurso proporcional) do funcionamento Ênfase na realização das etapas clínicas da confecção de próteses dentárias Principais mudanças - PNAB: NÚCLEO AMPLIADO DE SF NASF AB -NASF = Núcleo de Apoio à Saúde da Família -NASF (Núcleo de Apoio à Saúde da Família) podia se vincular apenas às ESF - NASF-AB = Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - NASF-AB pode se vincular às ESF e EAB - As modalidades, composição de equipes e parâmetros permanecem

8 PNAB - Novas Perspectivas da Política Nacional Principais mudanças - PNAB: Integração AB e Vigilância/ACE e Atividades ACS - ACE não compunha ESF/EAB - Processo de trabalho e território diferentes - ACS obrigatório na ESF (1 para cada 750 pessoas; na EACS no mínimo 4 e no máximo de 12 por equipe) e facultativo na EAB do PMAQ - Sem atribuições dos ACE e com 8 atribuições dos ACS Coordenação do trabalho do ACS apenas pelo enfermeiro - ACE pode ser membro da ESF/EAB - Território único e planejamento integrado das ações, e a coordenação do trabalho do ACS passa a ser responsabilidade de toda a equipe (nível superior) - ACS obrigatório na ESF (quantidade a depender da necessidade e perfil epidemiológico local / em áreas de vulnerabilidade, 1 para máximo de 750 pessoas, cobrindo 100% da pop. / excluído máximo por equipe) - ACS facultativo na EAB

9 PNAB - Novas Perspectivas da Política Nacional Principais mudanças - PNAB: Territorialização / Vínculo - Não deixava evidente essa possibilidade, apenas ficava subentendido na diretriz que recomendada adscrever os usuários as equipes - Usuário agora pode se vincular a mais de uma UBS, através de negociação entre gestão e equipes, e mantendo a informação com a equipe de referência Principais mudanças - PNAB: OFERTA NACIONAL DE SERVIÇOS E AÇÕES ESSENCIAIS E AMPLIADOS DA AB - O PMAQ iniciou esse processo de listar/definir uma oferta esperada de serviços nas UBS (padrões esperados de qualidade/instrumento de avaliação externa) Incorpora o debate em torno da formulação de uma oferta nacional de serviços e ações essenciais e ampliados da AB busca a resolutividade da AB no País

10 PNAB - Novas Perspectivas da Política Nacional Principais mudanças - PNAB: EDUCAÇÃO PERMANENTE EP distribuída ao longo do texto, não versava sobre formação em saúde (ensino na saúde); Não abordava espaço físico para tais ações; - EP distribuída ao longo do texto, versa sobre formação em saúde que deve ser incorporada no processo de trabalho das equipes; - Sinaliza a importância de estrutura física e ambiência que comporte os processos de EP e formação em saúde - Incorpora a temática do ensino na saúde integração ensino-serviço, destacando o papel da AB como lócus de formação na graduação e residência, de pesquisa e extensão. Principais mudanças - PNAB: REGULAÇÃO Mencionada, mas sem maior aprofundamento ou menção às ferramentas. - Acrescenta, nas atribuições dos membros da equipe, a função de participar e contribuir com os processos de regulação do acesso a partir da AB; - Sinaliza o Telessaúde e a utilização de protocolos como ferramentas de apoio e aperfeiçoamento do processo de regulação.

11 PNAB - Novas Perspectivas da Política Nacional Principais mudanças - PNAB: SEGURANÇA DO PACIENTE - Não possuía. - Incorpora o debate em torno da segurança do paciente no âmbito da AB, como atribuições de todos os membros da equipe. Principais mudanças - PNAB: GERENTE DE AB - Não recomendava - Reconhece o gerente de território AB, recomendando sua inserção a depender da necessidade local - Discutido tripartite recursos de incentivo para implantação esse profissional - Gerente de AB deve ser preferencialmente de nível superior

12 PNAB - Novas Perspectivas da Política Nacional Principais mudanças - PNAB: APOIO INSTITUCIONAL - Considerado apenas como ferramenta de gestão do trabalho; - Sinalizado nas competências dos entes - Reconhece o Apoio Institucional também como ferramenta de educação permanente; - Mantém-se nas competências dos entes. Principais mudanças - PNAB: CREDENCIAMENTO - Não constava sobre credenciamento das equipes - incluiu-se no regramento de credenciamento o prazo de 4 meses para implantação, após publicação no DOU, sob pena de descredenciamento.

13 PNAB - Novas Perspectivas da Política Nacional Principais mudanças - PNAB: FINANCIAMENTO -O financiamento federal desta política é composto por: A) Recursos per capita B) Recursos para projetos específicos: que inclui os recursos da Compensação das Especificidades Regionais (CER), o Programa de Requalificação das Unidades Básica de Saúde e Recurso de Estruturação CER Apesar de constar na, foi revogado e incorporado ao PAB fixo C) Recursos de investimento D) Recursos que estão condicionados à implantação de estratégias e programas prioritários E) Recursos condicionados a resultados e avaliação do acesso e da qualidade, tal como o PMAQ. - INICIALMENTE: Optou-se por manter o financiamento em diretrizes gerais, até definição dos Blocos de Financiamento, assim como manter modalidades e valores de financiamento em normativas específicas para facilitar revisão quando necessário. - A composição do financiamento segue a mesma da : - Recursos per capita, que levem em consideração aspectos sociodemográficos e epidemiológicos; - Recursos que estão condicionados à implantação de estratégias e programas da Atenção Básica; - Recursos condicionados à abrangência da oferta de ações e serviços; - Recursos condicionados ao desempenho dos serviços com parâmetros, aplicação e comparabilidade nacional, tal como o PMAQ; - Recursos de investimento (requalifica).

14 ENCAMINHAMENTOS Propostas e encaminhamentos pós publicação da Portaria 2436/2017: 1. Elaborar cronograma 2018 para a discussão 2. Vincular às discussões do GT da CIT GT CIT AB - CRONOGRAMA DATA AÇÃO PRIORIDADE 19/02 (TARDE) e 20/02/2018 FINANCIAMENTO 1 GERENTE e 13/03/ e 11/04/2018 Obs: caso a relação de serviços não esteja pronta, será apenas um dia) TERRITÓRIO ACE ACS VULNERABILIDADE: CONCEITO / PARÂMETRO OFERTA NACIONAL DE AÇÕES E SERVIÇOS /05 (tarde) e 22/05/2018 EP e PROCESSO de TRABALHO PMAQ NASF

15 PNAB - Novas Perspectivas da Política Nacional GT CIT AB 22 FEVEREIRO Pauta: FINANCIAMENTO (EAB / GERENTE DE AB EQUIPES EAB: Cumprir os mesmos princípios e diretrizes da ESF / 40h semanais e com 40h de profissionais. 65% do valor médio do incentivo da ESF modalidades 1 e 2, conforme quadro abaixo. Considerando o disposto na PNAB de que o financiamento é tripartite, o incentivo estadual será discutido oportunamente. Nº de % de Valor equipes EAB incentivo médio/equipe Valor mês Valor ano % R$ 5.793,13 R$ ,00 R$ ,00 Base de cálculo R$ 8.912,50 (média das modalidades 1 e 2 ESF) Critérios de elegibilidade: Serão utilizados os critérios abaixo, caso as solicitações ultrapassem as 1000 equipes previstas para IDH abaixo de 0,7; - Cobertura abaixo de 70%.

16 PNAB - Novas Perspectivas da Política Nacional GT CIT AB 22 FEVEREIRO Pauta: FINANCIAMENTO (EAB / GERENTE DE AB GERENTES DE ATENÇÃO BÁSICA: PROPOSTA: gerente por território AB ESTIMATIVA: gerentes PREVISÃO RECURSOS: um aporte financeiro de aproximadamente ,00/ano. A base de cálculo utilizada para o valor de incentivo para cada gerente foi: 12% do valor médio das modalidades 1 e 2. Critérios de elegibilidade: Prioritariamente os municípios com menos de habitantes; - 1 gerente para até 3 equipes - Acima de 3 equipes (3 equipes X gerente). Nº de equipes EAB % de incentivo Valor médio/incentivo/ gerente Valor mês Valor ano % R$ 1.069,50 R$ ,00 R$ ,00

17 PNAB - Novas Perspectivas da Política Nacional OBRIGADA!!!

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA. Hisham Mohamad Hamida Secretário Municipal de Saúde Goianésia-GO

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA. Hisham Mohamad Hamida Secretário Municipal de Saúde Goianésia-GO POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA Hisham Mohamad Hamida Secretário Municipal de Saúde Goianésia-GO Teresina-PI, 23/02/2018 MODELOS Reafirma a ESF como modelo prioritário e reconhece os demais modelos

Leia mais

ATRIBUTOS E PROCESSO DE TRABALHO PNAB 2017 TERRITORIALIZAÇÃO

ATRIBUTOS E PROCESSO DE TRABALHO PNAB 2017 TERRITORIALIZAÇÃO ATRIBUTOS E PROCESSO DE TRABALHO PNAB 2017 TERRITORIALIZAÇÃO A desconformidade entre as estruturas da demanda e da oferta na atenção primária à saúde ESTRUTURA DA DEMANDA Condições agudas Condições crônicas

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA. Hisham Mohamad Hamida Secretário Municipal de Saúde Goianésia-GO

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA. Hisham Mohamad Hamida Secretário Municipal de Saúde Goianésia-GO POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA Hisham Mohamad Hamida Secretário Municipal de Saúde Goianésia-GO Goiânia, 24/11/2017 ATUALIZAÇÃO Demanda do CONASEMS a partir da análise das várias portarias sobre a

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA Por que a Atenção Básica? Em todo o mundo já é consenso que os Sistemas Nacionais de Saúde devem ser baseados na Atenção Básica. A Atenção Básica é um

Leia mais

São José do Rio Preto - SP Julho/2018

São José do Rio Preto - SP Julho/2018 São José do Rio Preto - SP Julho/2018 Panorama Geral da Atenção Básica Por que a Atenção Básica? Em todo o mundo já é consenso que os Sistemas Nacionais de Saúde devem ser baseados na Atenção Básica. A

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA Por que a Atenção Básica? Em todo o mundo já é consenso que os Sistemas Nacionais de Saúde devem ser baseados na Atenção Básica. A Atenção Básica é um

Leia mais

Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde

Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde Contextualização da Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde 1999 - Fundação Nacional de Saúde inicia o processo de descentralização para os municípios

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA: Carlos Leonardo Cunha

POLÍTICA NACIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA: Carlos Leonardo Cunha POLÍTICA NACIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA: PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO Carlos Leonardo Cunha POLÍTICA NACIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA (PNAB)-PORTARIA/GM Nº 648 DE 28/03/06 Definição expressa do MS de revitalizar a

Leia mais

Política Nacional de Atenção Básica. Portaria nº 648/GM de 28 de Março de 2006

Política Nacional de Atenção Básica. Portaria nº 648/GM de 28 de Março de 2006 Política Nacional de Atenção Básica Portaria nº 648/GM de 28 de Março de 2006 ! A Atenção Básica caracteriza-se por um conjunto de ações de saúde no âmbito individual e coletivo que abrangem a promoção

Leia mais

Financiamento para Equipes de Atenção Básica

Financiamento para Equipes de Atenção Básica Financiamento para Equipes de Atenção Básica Reunião do GT de Atenção da CIT Brasília-DF Março 2018 Implantação de Equipe de Atenção Básica Equipe da Atenção Básica (eab): esta modalidade deve atender

Leia mais

Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde

Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde Questões para discussão No seu municipio como está organizada a gestão da AB e da vigilância? 1. São uma coordenação única ou coordenações diferentes? 2.

Leia mais

Linhas gerais e desafios da Política Nacional da Atenção Básica. Setembro, 2012

Linhas gerais e desafios da Política Nacional da Atenção Básica. Setembro, 2012 Linhas gerais e desafios da Política Nacional da Atenção Básica Portaria 2488 Setembro, 2012 Política Nacional de Atenção Básica Portaria n. 2488, de 21 de outubro de 2011. AAtençãoBásica é oprimeiropontodeatençãoàsaúde

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA Por que a Atenção Básica? Em todo o mundo já é consenso que os Sistemas Nacionais de Saúde devem ser baseados na Atenção Básica (OMS 2008). A Atenção

Leia mais

Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde. Priscilla Azevedo Souza DAB/SAS/MS

Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde. Priscilla Azevedo Souza DAB/SAS/MS Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde Priscilla Azevedo Souza DAB/SAS/MS Política Nacional de Atenção Básica - PNAB A Atenção Básica é o conjunto de ações de saúde individuais, familiares e coletivas

Leia mais

Política Nacional de Atenção Básica. Situação e Perspectivas

Política Nacional de Atenção Básica. Situação e Perspectivas Política Nacional de Atenção Básica Situação e Perspectivas Linhas Nacionais de Ação Ampliação do acesso à atenção básica Aumento do financiamento Ampliação e melhoria da infraestrutura das UBS Incentivo

Leia mais

Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde

Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde Política Nacional de Atenção Básica - PNAB A Atenção Básica é o conjunto de ações de saúde individuais, familiares e coletivas que envolvem promoção, prevenção,

Leia mais

Estratégia Saúde da Família e a agenda de fortalecimento da Atenção Básica. Profra Dra Rejane Queiroz

Estratégia Saúde da Família e a agenda de fortalecimento da Atenção Básica. Profra Dra Rejane Queiroz Estratégia Saúde da Família e a agenda de fortalecimento da Atenção Básica Profra Dra Rejane Queiroz Atenção Primária à Saúde: marco histórico Conferência Internacional de Cuidados Primários em Saúde,

Leia mais

Atenção Básica - Programas e Estratégias

Atenção Básica - Programas e Estratégias Atenção Básica - Programas e Estratégias Política Nacional de Atenção Básica - PNAB A Atenção Básica é o conjunto de ações de saúde individuais, familiares e coletivas que envolvem promoção, prevenção,

Leia mais

CELMÁRIO CASTRO BRANDÃO

CELMÁRIO CASTRO BRANDÃO CELMÁRIO CASTRO BRANDÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA Celmário Castro Brandão Por que a Atenção Básica?

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 35/2017

NOTA TÉCNICA Nº 35/2017 NOTA TÉCNICA Nº 35/2017 Brasília, 01º de dezembro de 2017. ÁREA: Saúde TÍTULO: Política Nacional de Atenção Básica PNAB, Portaria 2.436/ 2017. REFERÊNCIAS: Portaria MS nº 2.488/2011 Proposta da CIT, de

Leia mais

ATENÇÃO BÁSICA : Um olhar para a Saúde do Trabalhador

ATENÇÃO BÁSICA : Um olhar para a Saúde do Trabalhador ATENÇÃO BÁSICA : Um olhar para a Saúde do Trabalhador FUNDAMENTOS E DIRETRIZES DA Ter território adstrito; AB Acesso universal e contínuo; Serviços resolutivos e de qualidade; Porta aberta e preferencial

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 26/ /12/2013

PARECER CREMEC N.º 26/ /12/2013 PARECER CREMEC N.º 26/2013 06/12/2013 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC nº 10924/2013 ASSUNTO: ATRIBUIÇÕES DOS MÉDICOS QUE ATUAM NAS EQUIPES DE SAÚDE DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA (ESF) PARECERISTA:

Leia mais

Atenção Básica no Rio Grande do Sul

Atenção Básica no Rio Grande do Sul Atenção Básica no Rio Grande do Sul Raíssa Barbieri Ballejo Canto COORDENAÇÃO ESTADUAL DA ATENÇÃO BÁSICA SES/RS Encontro Nacional para Fortalecimento da Atenção Básica SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE População

Leia mais

PORTARIA Nº 2.027, DE 25 DE AGOSTO DE 2011

PORTARIA Nº 2.027, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 PORTARIA Nº 2.027, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 Altera a Portaria nº 648/GM/MS, de 28 de março de 2006, na parte que dispõe sobre a carga horária dos profissionais médicos que compõem as Equipes de Saúde da

Leia mais

3º Ciclo do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ) VI Fórum de Gestão da Atenção Básica

3º Ciclo do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ) VI Fórum de Gestão da Atenção Básica 3º Ciclo do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ) VI Fórum de Gestão da Atenção Básica Brasília, 23 de Outubro de 2015 PMAQ Objetivos e Características do Programa

Leia mais

Exemplos de integração socio -sanitárias em atenção básica: a experiência de São Paulo. Carmen L. A. de Santana

Exemplos de integração socio -sanitárias em atenção básica: a experiência de São Paulo. Carmen L. A. de Santana Exemplos de integração socio -sanitárias em atenção básica: a experiência de São Paulo Carmen L. A. de Santana 2014 Princípios do SUS 1) 1) 3) 4) 5) Acesso universal, Equidade da oferta de serviços, Descentralização,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA Natal/RN Abril/2018 MINISTÉRIO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA Por que a Atenção Básica? Em todo o mundo já é consenso que os Sistemas Nacionais de Saúde devem ser baseados na Atenção Básica (OMS

Leia mais

Atenção Básica - Programas e Estratégias

Atenção Básica - Programas e Estratégias Atenção Básica - Programas e Estratégias Política Nacional de Atenção Básica - PNAB A Atenção Básica é o conjunto de ações de saúde individuais, familiares e coletivas que envolvem promoção, prevenção,

Leia mais

Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - Nasf AB -

Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - Nasf AB - N A S F Trajetória da estratégia, organização do processo de trabalho e perspectivas do Ministério da Saúde Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - Nasf AB - TRAJETÓRIA DA ESTRATÉGIA, ORGANIZAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA BELÉM/PA MAIO/2018 MINISTÉRIO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA Por que a Atenção Básica? Em todo o mundo já é consenso que os Sistemas Nacionais de Saúde devem ser baseados na Atenção Básica (OMS

Leia mais

Teste Legislação do SUS Concurso Saúde Maceió Prof.: Rafael Azeredo

Teste Legislação do SUS Concurso Saúde Maceió Prof.: Rafael Azeredo Teste Legislação do SUS Concurso Saúde Maceió -2012 Prof.: Rafael Azeredo 1. Pode-se classificar com Região de Saúde segundo o decreto 7508/11 a alternativa: a) Acordo de colaboração firmado entre entes

Leia mais

Atenção Básica - Programas e Estratégias

Atenção Básica - Programas e Estratégias Atenção Básica - Programas e Estratégias Política Nacional de Atenção Básica - PNAB A Atenção Básica é o conjunto de ações de saúde individuais, familiares e coletivas que envolvem promoção, prevenção,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA Por que a Atenção Básica? Em todo o mundo já é consenso que os Sistemas Nacionais de Saúde devem ser baseados na Atenção Básica (OMS 2008). A Atenção

Leia mais

Saúde Mental: Interação entre o NASF e as equipes de Saúde da Família. Psic. Marcelo Richar Arua Piovanotti

Saúde Mental: Interação entre o NASF e as equipes de Saúde da Família. Psic. Marcelo Richar Arua Piovanotti Saúde Mental: Interação entre o NASF e as equipes de Saúde da Família Psic. Marcelo Richar Arua Piovanotti Uma breve contextualização... Psicólogo Clínico desde 2008 na SMS-PMF. Equipes de Saúde Mental:

Leia mais

ANEXO 2 TEMÁTICAS E CATEGORIAS DAS EXPERIÊNCIAS

ANEXO 2 TEMÁTICAS E CATEGORIAS DAS EXPERIÊNCIAS ANEXO 2 TEMÁTICAS E CATEGORIAS DAS EXPERIÊNCIAS TEMÁTICA CATEGORIA ESPECIFICAÇÃO DE RELATO Inclui relatos sobre práticas na elaboração e acompanhamento dos Instrumentos: 1.A FERRAMENTAS DO PLANEJAMENTO

Leia mais

Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - Nasf AB -

Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - Nasf AB - N A S F Trajetória da estratégia, organização do processo de trabalho e perspectivas do Ministério da Saúde Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - Nasf AB - TRAJETÓRIA DA ESTRATÉGIA, ORGANIZAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA Por que a Atenção Básica? Em todo o mundo já é consenso que os Sistemas Nacionais de Saúde devem ser baseados na Atenção Básica (OMS 2008). A Atenção

Leia mais

As atribuições dos profissionais das Equipes de Saúde da Família, de saúde bucal e de acs

As atribuições dos profissionais das Equipes de Saúde da Família, de saúde bucal e de acs Anexo I As atribuições dos profissionais das Equipes de Saúde da Família, de saúde bucal e de acs As atribuições globais abaixo descritas podem ser complementadas com diretrizes e normas da gestão local.

Leia mais

Política Nacional de Atenção Básica provimento de profissionais em AB: trajetória de Campo Grande Maio 2014

Política Nacional de Atenção Básica provimento de profissionais em AB: trajetória de Campo Grande Maio 2014 Oficina regional Provab e Mais médicos CENTRO OESTE Política Nacional de Atenção Básica provimento de profissionais em AB: trajetória de 2011-2014 Campo Grande Maio 2014 ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA A Política

Leia mais

ENFERMAGEM LEGISLAÇÃO EM SAÚDE

ENFERMAGEM LEGISLAÇÃO EM SAÚDE ENFERMAGEM LEGISLAÇÃO EM SAÚDE Sistema Único de Saúde - SUS: Constituição Federal, Lei Orgânica da Saúde - Lei nº 8.080 de 1990 e outras normas Parte 22 Profª. Tatiane da Silva Campos PORTARIA Nº 648,

Leia mais

Atenção Básica na Atenção Integral à Saúde da Criança. PMAQ Processo de trabalho ofertas para o cuidado

Atenção Básica na Atenção Integral à Saúde da Criança. PMAQ Processo de trabalho ofertas para o cuidado Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral de Gestão da Atenção Básica Atenção Básica na Atenção Integral à Saúde da Criança PMAQ Processo de trabalho

Leia mais

PIES. Portaria Federal nº 978 de 16 de maio de Equipe da Saúde da Famíia (ESF) Portaria Federal nº de 21 de outubro de 2011.

PIES. Portaria Federal nº 978 de 16 de maio de Equipe da Saúde da Famíia (ESF) Portaria Federal nº de 21 de outubro de 2011. PRINCIPAIS FINANCIAMENTOS DA ATENÇÃO BÁSICA * Dados até 2014 PAB FIXO De R$ 23,00 a R$ 28,00 per capita/mês Portaria Federal nº 1.409, de 10 de julho de 2013. PIES Equipe da Saúde da Famíia (ESF) Incentivo

Leia mais

MARINGÁ/PR MARÇO/2018

MARINGÁ/PR MARÇO/2018 MARINGÁ/PR MARÇO/2018 MINISTÉRIO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA Por que a Atenção Básica? Em todo o mundo já é consenso que os Sistemas Nacionais de Saúde devem ser baseados na Atenção Básica

Leia mais

Programa Mais médicos E Provab NORTE. Oficina Regional

Programa Mais médicos E Provab NORTE. Oficina Regional Programa Mais médicos E Provab NORTE Oficina Regional Belém PA Junho 2014 Política Nacional de Atenção Básica Construção Tripartite Federal Estadual Municipal Atenção Básica: trajetória de 2011-2014 Atenção

Leia mais

Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde

Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde Política Nacional de Atenção Básica - PNAB A Atenção Básica é o conjunto de ações de saúde individuais, familiares e coletivas que envolvem promoção, prevenção,

Leia mais

O papel da Secretaria de Estado da Saúde no apoio e na articulação dos municípios para qualificar a Atenção Básica no Estado de São Paulo

O papel da Secretaria de Estado da Saúde no apoio e na articulação dos municípios para qualificar a Atenção Básica no Estado de São Paulo O papel da Secretaria de Estado da Saúde no apoio e na articulação dos municípios para qualificar a Atenção Básica no Estado de São Paulo 31º Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São

Leia mais

Brasília, 20 de novembro de

Brasília, 20 de novembro de NOTA TÉCNICA /2012 Redefine as diretrizes e normas para a organização e o funcionamento dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) no âmbito da Atenção Básica, cria a Modalidade NASF 3, e dá outras

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE DE DIADEMA 20 Unidades Básicas de Saúde UBS: com 70 equipes de Saúde da Família com médico generalista; 20 equipes de Saúde da

REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE DE DIADEMA 20 Unidades Básicas de Saúde UBS: com 70 equipes de Saúde da Família com médico generalista; 20 equipes de Saúde da VI Seminário Internacional da Atenção Básica A construção de modelagens de AB em grandes centros urbanos Aparecida Linhares Pimenta SMS de Diadema Vice presidente do CONASEMS REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE DE

Leia mais

AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE REGULAMENTAÇÃO DA LEI DE JUNHO DE Natal, julho de 2015

AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE REGULAMENTAÇÃO DA LEI DE JUNHO DE Natal, julho de 2015 AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE REGULAMENTAÇÃO DA LEI 12.994 DE JUNHO DE 2014 Natal, julho de 2015 Histórico Normativo do Programa de Agentes Comunitários de Saúde no Brasil Portaria 1.886 1997 solução 25

Leia mais

Oficina Processo. de Trabalho na. Atenção Básica

Oficina Processo. de Trabalho na. Atenção Básica Oficina Processo de Trabalho na Atenção Básica Conceito Atenção Básica A Atenção Básica é o conjunto de ações de saúde individuais, familiares e coletivas que envolvem promoção, prevenção, proteção, diagnóstico,

Leia mais

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE AULA 5

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE AULA 5 AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE AULA 5 ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Atenção Primária à Saúde e/ou Atenção Básica No Brasil, observa-se mudanças na concepção de APS desde a NOB

Leia mais

EDUCAÇÃO INTERPROFISSIONAL EM SAÚDE: Melhorar a capacidade dos recursos humanos para alcançar a saúde universal

EDUCAÇÃO INTERPROFISSIONAL EM SAÚDE: Melhorar a capacidade dos recursos humanos para alcançar a saúde universal EDUCAÇÃO INTERPROFISSIONAL EM SAÚDE: Melhorar a capacidade dos recursos humanos para alcançar a saúde universal 2a. Reunião Técnica Regional sobre Educação Interprofissional Dezembro - 2017 Mais de 70%

Leia mais

O Programa Saúde da Família nasceu oficialmente no Brasil em1994, fundamentado em algumas experiências municipais que já estavam em andamento no

O Programa Saúde da Família nasceu oficialmente no Brasil em1994, fundamentado em algumas experiências municipais que já estavam em andamento no O Programa Saúde da Família nasceu oficialmente no Brasil em1994, fundamentado em algumas experiências municipais que já estavam em andamento no País. O PSF Surge como uma proposta ousada para a reestruturação

Leia mais

PAUTA PMAQ 3º CICLO MINUTA PORTARIA

PAUTA PMAQ 3º CICLO MINUTA PORTARIA PAUTA PMAQ 3º CICLO MINUTA PORTARIA REUNIÃO DIRETORIA BRASILIA, 26/08/2015 PMAQ É um programa de âmbito nacional que tem como objetivo promover a melhoria do acesso e da qualidade da atenção à saúde. Lançado

Leia mais

Oficina do Provab e PMM. São Paulo, abril de 2014

Oficina do Provab e PMM. São Paulo, abril de 2014 Oficina do Provab e PMM São Paulo, abril de 2014 1 Desafios que vinham condicionado o acesso Baixo financiamento Estrutura inadequada das UBS e a qualidade na AB Estagnação da expansão das esf (1,5% de

Leia mais

ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE DA FAMÍLIA. Parte 4. Profª. Lívia Bahia

ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE DA FAMÍLIA. Parte 4. Profª. Lívia Bahia ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE DA FAMÍLIA Parte 4 Profª. Lívia Bahia Atenção Básica e Saúde da Família Programa de Agentes Comunitários de Saúde PACS Existente desde o início da década de 1990, porém

Leia mais

rico-legal Reza a Constituição Federal do Brasil, de 1988:

rico-legal Reza a Constituição Federal do Brasil, de 1988: Políticas de saúde, Atenção Primária ria à Saúde e Estratégia Saúde da Família 13/4/2009 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 Arcabouço o teórico rico-legal Reza a Constituição Federal do Brasil, de 1988:

Leia mais

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida A atuação do Assistente Social na e a interface com os demais níveis de complexidade Inês Pellizzaro I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ-AB)

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ-AB) SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA EXECUTIVA DE ATENÇÃO À SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DA ATENÇÃO PRIMÁRIA GERÊNCIA DE EXPANSÃO E QUALIFICAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA

Leia mais

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA. Carlos Leonardo F. Cunha

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA. Carlos Leonardo F. Cunha ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Carlos Leonardo F. Cunha Reflexão Individual O que representa a Estratégia Saúde da Família para o SUS? Processo Histórico da Estratégia Saúde da Família Surgimento nos anos

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde Prefeitura Municipal de Porto Alegre

Secretaria Municipal de Saúde Prefeitura Municipal de Porto Alegre Coordenação de Atenção BásicaB Secretaria Municipal de Saúde Prefeitura Municipal de Porto Alegre Missão Garantir o acesso, coordenar o cuidado e ordenar a rede de atenção à saúde, mantendo unidades de

Leia mais

Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - NASF AB -

Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - NASF AB - N A S F Trajetória da estratégia, organização do processo de trabalho e perspectivas do Ministério da Saúde Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - NASF AB - TRAJETÓRIA DA ESTRATÉGIA, ORGANIZAÇÃO

Leia mais

CELMÁRIO CASTRO BRANDÃO

CELMÁRIO CASTRO BRANDÃO CELMÁRIO CASTRO BRANDÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA Celmário Castro Brandão Por que a Atenção Básica?

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE NOTA TÉCNICA Nº 405/2018-COGPAB/DAB/SAS/MS

MINISTÉRIO DA SAÚDE NOTA TÉCNICA Nº 405/2018-COGPAB/DAB/SAS/MS MINISTÉRIO DA SAÚDE NOTA TÉCNICA Nº 405/2018-COGPAB/DAB/SAS/MS 1. ASSUNTO 2. ANÁLISE Orientações sobre solicitação de credenciamento de equipes O Departamento de Atenção Básica (DAB/SAS/MS), no intuito

Leia mais

PORTARIA Nº DE 28 DE DEZEMBRO DE 2017 VINCULAÇÃO DAS AÇÕES ORÇAMENTÁRIA AOS BLOCOS DE FINANCIAMENTO

PORTARIA Nº DE 28 DE DEZEMBRO DE 2017 VINCULAÇÃO DAS AÇÕES ORÇAMENTÁRIA AOS BLOCOS DE FINANCIAMENTO PORTARIA Nº 3.992 DE 28 DE DEZEMBRO DE 2017 VINCULAÇÃO DAS AÇÕES ORÇAMENTÁRIA AOS BLOCOS DE FINANCIAMENTO FUNDO NACIONAL DE SAÚDE SUB SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO SECRETARIA EXECUTIVA MINISTÉRIO

Leia mais

PORTARIA Nº 1.007, DE 4 DE MAIO DE 2010

PORTARIA Nº 1.007, DE 4 DE MAIO DE 2010 PORTARIA Nº 1.007, DE 4 DE MAIO DE 2010 Define critérios para regulamentar a incorporação do Agente de Combate às Endemias - ACE, ou dos agentes que desempenham essas atividades, mas com outras denominações,

Leia mais

Indicadores de Desempenho para as Equipes AB e NASF do PMAQ - 3º ciclo. Janize L. Biella

Indicadores de Desempenho para as Equipes AB e NASF do PMAQ - 3º ciclo. Janize L. Biella apresentam Indicadores de Desempenho para as Equipes AB e NASF do PMAQ - 3º ciclo Janize L. Biella Como se mede a Saúde? Importância dos Indicadores Identificar pontos críticos e fragilidades Reorientar

Leia mais

3º Ciclo PMAQ Equipes de Atenção Básica. Padrões de Qualidade Essenciais e Estratégicos MARI ÂNGELA DE FREITAS

3º Ciclo PMAQ Equipes de Atenção Básica. Padrões de Qualidade Essenciais e Estratégicos MARI ÂNGELA DE FREITAS 3º Ciclo PMAQ Equipes de Atenção Básica Padrões de Qualidade Essenciais e Estratégicos MARI ÂNGELA DE FREITAS PMAQ É a principal estratégia indutora de mudanças nas condições e modos de funcionamento das

Leia mais

Atuação do CONASEMS na Conjuntura Nacional do SUS

Atuação do CONASEMS na Conjuntura Nacional do SUS Atuação do CONASEMS na Conjuntura Nacional do SUS Chapecó 2 de maio de 2018 1. Dar a continuidade as tratativas da Agenda da Política de Atenção Básica PNAB (CIT ago/17): - Competências ACS e ACE face

Leia mais

MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA

MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA INTRODUÇÃO Neste Caso Didático vamos relatar a experiência de organização dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) de um município de grande

Leia mais

Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica 3º CICLO Davllyn Santos Oliveira dos Anjos

Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica 3º CICLO Davllyn Santos Oliveira dos Anjos Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica 3º CICLO Davllyn Santos Oliveira dos Anjos Coordenação Geral de Acompanhamento e Avaliação CGAA Departamento de Atenção Básica DAB

Leia mais

PORTARIA Nº 18, DE 7 DE JANEIRO DE 2019

PORTARIA Nº 18, DE 7 DE JANEIRO DE 2019 PORTARIA Nº 18, DE 7 DE JANEIRO DE 2019 Estabelece regras para o cadastramento das equipes da Atenção Básica no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES), conforme diretrizes da Política Nacional

Leia mais

Responsabilidades e Diretrizes para execução e financiamento de ações de Vigilância em Saúde

Responsabilidades e Diretrizes para execução e financiamento de ações de Vigilância em Saúde Responsabilidades e Diretrizes para execução e financiamento de ações de Vigilância em Saúde Departamento de Gestão da Vigilância em Saúde-DEGEVS Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde dagvs@saude.gov.br

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DA REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS/EMERGÊNCIAS RUE

IMPLEMENTAÇÃO DA REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS/EMERGÊNCIAS RUE NOTA TÉCNICA 14 2011 IMPLEMENTAÇÃO DA REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS/EMERGÊNCIAS RUE Minuta de portaria que altera a Política Nacional de Atenção às Urgências e Institui a Rede de Atenção às Urgências no

Leia mais

Estratégia Saúde da Família e a agenda de fortalecimento da Atenção Básica

Estratégia Saúde da Família e a agenda de fortalecimento da Atenção Básica Estratégia Saúde da Família e a agenda de fortalecimento da Atenção Básica Rio Grande do Norte, abril de 2018 SUS: SISTEMA DE SAÚDE BRASILEIRO Um dos maiores do mundo; Abrange desde atendimento ambulatorial

Leia mais

Como organizar a Atenção Básica para cumprir com os compromissos assumidos e atender as necessidades da população?

Como organizar a Atenção Básica para cumprir com os compromissos assumidos e atender as necessidades da população? Como organizar a Atenção Básica para cumprir com os compromissos assumidos e atender as necessidades da população? Apresentação de experiência municipal Amparo Deolinda Marcia Pompeu Bueno Enfermeira,

Leia mais

NOTA SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA NACIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA (PNAB)

NOTA SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA NACIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA (PNAB) Rio de Janeiro, 07 de agosto de 2017 NOTA SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA NACIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA (PNAB) A Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC) vem por meio desta analisar criticamente

Leia mais

NOTA TÉCNICA 08/2011. Diretrizes para o Programa de Qualificação do Agente de Combate às Endemias. Brasília, 15de abril de 2011.

NOTA TÉCNICA 08/2011. Diretrizes para o Programa de Qualificação do Agente de Combate às Endemias. Brasília, 15de abril de 2011. NOTA TÉCNICA 08/2011 Diretrizes para o Programa de Qualificação do Agente de Combate às Endemias Brasília, 15de abril de 2011. DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DO AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS

Leia mais

Financiamento e transferência dos recursos federais para as ações e os serviços públicos de saúde.

Financiamento e transferência dos recursos federais para as ações e os serviços públicos de saúde. Financiamento e transferência dos recursos federais para as ações e os serviços públicos de saúde. Base legal Constituição Federal Lei Complementar n. 141/2012 Lei n. 8080/1990 Lei n. 8142 / 1990 Lei n.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL

SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL RESOLUÇÃO Nº 246/2012 Altera os anexos A, B e D da Resolução CIB nº 49 de 06 de março de 2008 e o anexo II da Resolução CIB nº 66, de 19 de março de 2010, que estabelecem os modelos de projetos para credenciamento

Leia mais

Situação, Perspectivas e Desafios da Atenção Básica no Brasil.

Situação, Perspectivas e Desafios da Atenção Básica no Brasil. Situação, Perspectivas e Desafios da Atenção Básica no Brasil. A Atenção Básica nas Redes de Atenção A Atenção Básica caracteriza-se por um conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e coletivo,

Leia mais

SUMÁRIO POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA...3

SUMÁRIO POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA...3 SUMÁRIO POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA...3 O Que São Políticas Públicas?... 3 Princípios Do Sistema Único De Saúde:... 3 Política Nacional De... 3 Atenção Básica... 3 Princípios Organizativos... 4

Leia mais

DOENÇA FALCIFORME Construindo a Linha de Cuidado no Município de Belo Horizonte. I Oficina de Gestão do PAE

DOENÇA FALCIFORME Construindo a Linha de Cuidado no Município de Belo Horizonte. I Oficina de Gestão do PAE DOENÇA FALCIFORME Construindo a Linha de Cuidado no Município de Belo Horizonte I Oficina de Gestão do PAE Academia da cidade APS População 2.375.444 habitantes (2010) Nasf Rede de Atenção Primária 147

Leia mais

CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DE SÃO PAULO. Implicações na prática da Assistência à Saúde no SUS. Mar/2012

CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DE SÃO PAULO. Implicações na prática da Assistência à Saúde no SUS. Mar/2012 CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DE SÃO PAULO Implicações na prática da Assistência à Saúde no SUS Mar/2012 O SUS HOJE IDSUS aponta problemas de acesso e de qualidade do sistema na maioria

Leia mais

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado XXX Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo 13/abril/2016 O SUS e a Atenção

Leia mais

Aracaju. Avanços e Desafios da Saúde da Família no município de Aracaju: a experiência do Modelo Saúde Todo Dia

Aracaju. Avanços e Desafios da Saúde da Família no município de Aracaju: a experiência do Modelo Saúde Todo Dia Avanços e Desafios da Saúde da Família no município de Aracaju: a experiência do Modelo Saúde Todo Dia Mônica Sampaio de Carvalho Rogério Carvalho Santos Leandro Dominguez Barretto Secretaria Municipal

Leia mais

Oficina Processo. de Trabalho na. Atenção Básica

Oficina Processo. de Trabalho na. Atenção Básica Oficina Processo de Trabalho na Atenção Básica O que esperamos? Proporcionar que gestores aprofundem o debate sobre alguns temas que são caros na qualidade da Atenção Básica, a partir do processo de trabalho

Leia mais

CARTEIRA DE SERVIÇO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE. Desafios e Potencialidades para Integralidade do Cuidado no Município de Rosário da Limeira-MG

CARTEIRA DE SERVIÇO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE. Desafios e Potencialidades para Integralidade do Cuidado no Município de Rosário da Limeira-MG CARTEIRA DE SERVIÇO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE Desafios e Potencialidades para Integralidade do Cuidado no Município de Rosário da Limeira-MG Miriam Ávila Bióloga Sanitarista- Diretora da APS R.Limeira

Leia mais

Equipes de Atenção Básica e o trabalho do NASF-AB

Equipes de Atenção Básica e o trabalho do NASF-AB Equipes de Atenção Básica e o trabalho do NASF-AB A Atenção Básica é o conjunto de ações de saúde individuais, familiares e coletivas que envolvem promoção, prevenção, proteção, diagnóstico, tratamento,

Leia mais

Oficina de Integração: Incorporação dos ACE nas ESF. Ceara -2010

Oficina de Integração: Incorporação dos ACE nas ESF. Ceara -2010 Oficina de Integração: Incorporação dos ACE nas ESF Ceara -2010 Integração VS AB CONDIÇÃO OBRIGATÓRIA PARA: Construção da integralidade na atenção Cumprimento dos objetivos do Pacto pela Saúde Alcance

Leia mais

Lei nº 8.005, de 09 de junho de Cria cargos públicos e vagas na SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE, para execução de atividades do Programa de Saúde

Lei nº 8.005, de 09 de junho de Cria cargos públicos e vagas na SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE, para execução de atividades do Programa de Saúde Lei nº 8.005, de 09 de junho de 2008. Cria cargos públicos e vagas na SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE, para execução de atividades do Programa de Saúde de Família (PSF), Programa de Agentes Comunitários

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE

POLÍTICAS PÚBLICAS ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE POLÍTICAS PÚBLICAS ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE CONCEITO DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE (APS) A APS é a atenção à saúde essencial baseada em - métodos e tecnologias, cientificamente fundamentados e socialmente

Leia mais

Prezados(as) gestores(as),

Prezados(as) gestores(as), Prezados(as) gestores(as), Este boletim tem como objetivo trazer informações atualizadas sobre os Núcleos de Apoio à Saúde da Família (Nasf). Apresenta o panorama nacional das equipes do Nasf, alguns dados

Leia mais

ENFERMAGEM LEGISLAÇÃO EM SAÚDE

ENFERMAGEM LEGISLAÇÃO EM SAÚDE ENFERMAGEM LEGISLAÇÃO EM SAÚDE Sistema Único de Saúde - SUS: Constituição Federal, Lei Orgânica da Saúde - Lei nº 8.080 de 1990 e outras normas Parte 19 Profª. Tatianeda Silva Campos Pacto de Gestão do

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE -MARINGÁ VIGILÂNCIA EM SAÚDE PROGRAMA MUNICIPAL DE CONTROLE DA DENGUE ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE -MARINGÁ VIGILÂNCIA EM SAÚDE PROGRAMA MUNICIPAL DE CONTROLE DA DENGUE ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE -MARINGÁ VIGILÂNCIA EM SAÚDE PROGRAMA MUNICIPAL DE CONTROLE DA DENGUE ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE Experiência Rompendo Paradigmas: A integração da Vigilância em Saúde e Atenção

Leia mais

Política Nacional de Alimentação e N u trição

Política Nacional de Alimentação e N u trição O PROCESSO DE RE EVISÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTR RIÇÃO X Encontro Nacional da Rede de Nutrição no SUS 29 de novembro a 01 de dezembro Brasíli ia, 2010 Política Nacional de Alimentação

Leia mais

Nadja Salgueiro da Silva Gerente do Núcleo de Ações Programáticas de Saúde da Família- NAPSF

Nadja Salgueiro da Silva Gerente do Núcleo de Ações Programáticas de Saúde da Família- NAPSF Secretaria de Estado da Saúde SESAU Coordenadoria Geral de Atenção Básica CGAB Departamento de Atenção Básica DAB Núcleo de Ações Programáticas Saúde da Família NAPSF Nadja Salgueiro da Silva Gerente do

Leia mais

SICA: Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) Prof. Walfrido K. Svoboda

SICA: Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) Prof. Walfrido K. Svoboda ATENÇÃO BÁSICAB SICA: Programa de Saúde da Família (PSF) ou Estratégia de Saúde da Família (ESF) Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) Disciplina: SAÚDE PÚBLICA P I (MS-052) Prof. Walfrido K.

Leia mais

Síntese das Discussões

Síntese das Discussões Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica à Saúde 20 de outubro de 2016 Síntese das Discussões Nota Metodológica: Todos os enunciados formulados no evento foram registrados,

Leia mais