CAPÍTULO I A ORGANIZAÇÃO DA CONTABILIDADE ÍNDICE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO I A ORGANIZAÇÃO DA CONTABILIDADE ÍNDICE"

Transcrição

1 CAPÍTULO I A ORGANIZAÇÃO DA CONTABILIDADE ÍNDICE

2 A ORGANIZAÇÃO ÍNDICE DA CONTABILIDADE Capítulo I - A ORGANIZAÇÃO DA CONTABILIDADE 1. As necessidades de Informação nas empresas O ciclo contabilístico Os sistemas de escrituração O sistema clássico O sistema Diário-Razão O sistema centralizador O sistema de escrituração por decalque A Contabilidade por computador O Subsistema de Contabilidade Capítulo II - PROCEDIMENTOS TÉCNICO CONTABILÍSTICOS DE FIM DE PERÍODO 1. A Contabilização das Operações Os Balancetes As Demonstrações Financeiras A Demonstração dos Resultados por Funções A Demonstração dos Fluxos de Caixa Métodos de elaboração O Fecho e Abertura das Contas Capítulo III - O SNC SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA 1. Introdução Estrutura do SNC Bases para a apresentação das demonstrações financeiras Modelos de demonstrações financeiras Código de contas Normas contabilísticas e de relato financeiro (NCRF) A estrutura conceptual NCRF 7 - Activos fixos tangíveis NCRF 11 - Propriedades de investimento NCRF 8 - Activos não correntes detidos para venda e unidades operacionais descontinuadas NCRF 6 - Activos intangíveis NCRF 22 - Contabilização de subsídios do Governo e divulgação de apoios do Governo NCRF 19 - Contratos de construção EXEMPLO III NCRF 11 - Imparidades de activos EXEMPLO III NCRF 18 - Inventários NCRF 21 - Provisões, passivos contingentes e activos contingentes NCRF 28 - Benefícios dos empregados NCRF 10 - Custo dos empréstimos obtidos NCRF 14 - Concentração de actividades empresariais NCRF 13 - Interesses em empreendimentos conjuntos e investimentos em associadas NCRF 15 - Investimentos em subsidiárias e consolidação

3 RELATO FISCAL E FINANCEIRO ÍNDICE NO ENCERRAMENTO DE CONTAS NCRF 23 - Os efeitos das alterações em taxas de câmbio NCRF 27 - Instrumentos financeiros NCRF 25 - Impostos sobre o rendimento Norma contabilística e de relato financeiro para pequenas entidades (NRCF - PE) Normas Interpretativas (NI) Capítulo IV - O ENCERRAMENTO DE CONTAS 1. INTRODUÇÃO PROCEDIMENTOS DE GESTÃO DO ENCERRAMENTO DE CONTAS PROCESSO CONTABILÍSTICO DO ENCERRAMENTO DE CONTAS INVENTÁRIO GERAL E VERIFICAÇÃO DAS CONTAS Meios financeiros líquidos Caixa e Depósitos Bancários Contas a receber e a pagar Compras e dívidas a pagar Gastos com Pessoal Estado e Outros Entes Públicos Sócios e Accionistas Os Efeitos de Alterações em Taxas de Câmbio EXEMPLO IV.01 - Os efeitos de alterações em taxas de câmbio (I) EXEMPLO IV.02 - Os efeitos de alterações em taxas de câmbio (II) Vendas, prestações de serviços e dívidas a receber Acréscimos e Diferimentos EXEMPLO IV.03 - Subsídios destinados à exploração EXEMPLO IV.04 - Subsídios destinados ao investimento (I) EXEMPLO IV.05 - Subsídios destinados ao investimento (II) Provisões EXEMPLO IV.06 Provisões para garantias a clientes Inventários EXEMPLO IV.07 Imparidade em inventários (I) EXEMPLO IV.08 Imparidade em inventários (II) EXEMPLO IV.09 Contratos de construção Investimentos Activos fixos tangíveis EXEMPLO IV.10 Mensuração de Activos Fixos Tangíveis (modelo de revalorização) Propriedades de investimento Activos intangíveis Instrumentos financeiros Activos financeiros EXEMPLO IV.11 Equivalência patrimonial Passivos financeiros EXEMPLO IV.12 Capitalização de custos de empréstimos bancários EXEMPLO IV.13 Locação operacional e financeira Capital, reservas e resultados transitados REGULARIZAÇÃO E RECTIFICAÇÃO DAS CONTAS ESTIMATIVA DO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO EXEMPLO IV.14 Estimativa de IRC ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

4 A ORGANIZAÇÃO ÍNDICE DA CONTABILIDADE Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Conjunto Completo de Demonstrações Financeiras Apuramento dos resultados Elaboração do Balanço Elaboração da Demonstração das Alterações no Capital Próprio CAPITULO V RELATO FISCAL DAS SOCIEDADES COMERCIAIS EM SEDE DE IRC 1. INTRODUÇÃO APURAMENTO DO RESULTADO FISCAL Periodização do resultado fiscal Gastos ou rendimentos relativos a períodos anteriores EXEMPLO V Reconhecimento do rédito EXEMPLO V Explorações silvícolas plurianuais EXEMPLO V Método da equivalência patrimonial EXEMPLO V Aplicação do justo valor EXEMPLO V Pagamento com base em acções Benefícios aos empregados pós emprego EXEMPLO V Contratos de construção Rendimentos Subsídios destinados à exploração EXEMPLO V EXEMPLO V Instrumentos financeiros valorizados pelo custo amortizado EXEMPLO V Variações patrimoniais positivas Expressamente excluídas da formação do resultado fiscal EXEMPLO V Não excluídas da formação do resultado fiscal (exemplos) Subsídios relacionados com activos não correntes EXEMPLO V EXEMPLO V Gastos Despesas não documentadas EXEMPLO V Gastos suportados com a transmissão onerosa de partes de capital Variações patrimoniais negativas EXEMPLO V Inventários EXEMPLO V Depreciações e amortizações Principais alterações Regime transitório Regime fiscal a partir de

5 RELATO FISCAL E FINANCEIRO ÍNDICE NO ENCERRAMENTO DE CONTAS Condições gerais de aceitação das depreciações e amortizações EXEMPLO V Valorimetria dos elementos depreciáveis ou amortizáveis EXEMPLO V Período de vida útil Métodos de cálculo das depreciações Método das quotas constantes (método regra) EXEMPLO V Método das quotas decrescentes EXEMPLO V EXEMPLO V Outros métodos EXEMPLO V Regime intensivo de utilização dos elementos patrimoniais Regime de depreciações e amortizações por duodécimos EXEMPLO V Grandes reparações e beneficiações EXEMPLO V Bens adquiridos em estado de uso EXEMPLO V Quotas mínimas EXEMPLO V EXEMPLO V Activos intangíveis EXEMPLO V Elementos de reduzido valor Depreciações e amortizações não aceites como gastos EXEMPLO V EXEMPLO V EXEMPLO V Imparidades e provisões Perdas por imparidade fiscalmente dedutíveis Perdas por imparidade em créditos EXEMPLO V Desvalorizações excepcionais EXEMPLO V Provisões fiscalmente dedutíveis Processos judiciais em curso EXEMPLO V Garantias a clientes EXEMPLO V Reparação de danos de carácter ambiental Créditos incobráveis Realizações de utilidade social Realizações de utilidade social dedutíveis sem limite EXEMPLO V Realizações de utilidade social dedutíveis com limite EXEMPLO V EXEMPLO V EXEMPLO V Encargos não dedutíveis para efeitos fiscais

6 A ORGANIZAÇÃO ÍNDICE DA CONTABILIDADE IRC e quaisquer outros impostos sobre os lucros EXEMPLO V EXEMPLO V EXEMPLO V NIF inválido ou actividade cessada oficiosamente EXEMPLO V Impostos e quaisquer outros encargos que incidam sobre terceiros EXEMPLO V Encargos pela prática de infracções de qualquer natureza EXEMPLO V As indemnizações pela verificação de eventos cujo risco seja segurável EXEMPLO V EXEMPLO V Ajudas de custo e deslocação em viatura própria do trabalhador Encargos não devidamente documentados Encargos com o aluguer sem condutor de viaturas ligeiras de passageiros ou mistas EXEMPLO V Encargos com combustíveis Remuneração de suprimentos e empréstimos feitos pelos sócios Menos-valias realizadas relativas a barcos de recreio, aviões de turismo e viaturas ligeiras de passageiros ou mistas EXEMPLO V Participação nos lucros por membros de órgãos sociais e trabalhadores EXEMPLO V EXEMPLO V Diferença negativa entre as mais-valias e as menos-valias realizadas EXEMPLO V Regime das mais-valias e menos-valias realizadas Conceito e fórmula de cálculo EXEMPLO V EXEMPLO V Reinvestimento dos valores de realização Alienação de activos fixos tangíveis, activos biológicos que não sejam consumíveis e propriedade de investimento EXEMPLO V EXEMPLO V Alienação de partes de capital Comprovação da intenção de reinvestimento Verificação a posteriori da não concretização da intenção de reinvestimento EXEMPLO V Instrumentos financeiros derivados Enquadramento Contabilidade de cobertura EXEMPLO V Tratamento fiscal EXEMPLO V Eliminação da dupla tributação económica de lucros distribuídos Dedução de 100% dos lucros incluídos na base tributável

7 RELATO FISCAL E FINANCEIRO ÍNDICE NO ENCERRAMENTO DE CONTAS EXEMPLO V Dedução de 50% dos lucros incluídos na base tributável EXEMPLO V Preços de transferência Princípio da plena concorrência Factores de comparabilidade Ajustamentos ao resultado fiscal Relações especiais Métodos para a determinação dos preços de transferência Método do preço comparável de mercado (Comparable uncontrolled price method) Método do preço de revenda minorado (Resale price method) EXEMPLO V Método do custo majorado (Cost plus method) EXEMPLO V Método do fraccionamento do lucro (Profit split method) EXEMPLO V Método da margem líquida da operação (Transactional net margin method) Ajustamento Correlativo Intervenientes pertencem à mesma jurisdição fiscal Intervenientes não pertencem à mesma jurisdição fiscal Exercício do ajustamento e reembolso Acordos prévios Definição Tipos de APPT Fases de desenvolvimento do processo Duração do procedimento de avaliação do pedido de acordo Formalização, resolução, controlo do acordo e revisão do acordo Obrigações acessórias Prevalência do valor patrimonial tributário definitivo EXEMPLO V EXEMPLO V Pagamentos a entidades não residentes sujeitas a um regime fiscal privilegiado EXEMPLO V Transparência fiscal internacional Imputação automática Exclusão da imputação automática Eliminação da dupla tributação Subcapitalização Princípio Excesso de endividamento Afastamento do regime EXEMPLO V Correcções nos casos de crédito de imposto e retenção na fonte EXEMPLO V EXEMPLO V APURAMENTO DA MATÉRIA COLECTÁVEL Dedução de prejuízos fiscais EXEMPLO V EXEMPLO V

8 A ORGANIZAÇÃO ÍNDICE DA CONTABILIDADE Apuramento do lucro tributável com base em métodos indirectos Isenção parcial ou redução de taxa EXEMPLO V Extinção do direito à dedução de prejuízos EXEMPLO V EXEMPLO V COLECTA EXEMPLO V Regiões Autónomas EXEMPLO V Derrama Estadual EXEMPLO V Resultado da liquidação EXEMPLO V EXEMPLO V EXEMPLO V EXEMPLO V DEDUÇÕES À COLECTA Crédito de imposto por dupla tributação internacional EXEMPLO V Pagamento especial por conta Sujeição Forma de cálculo EXEMPLO V EXEMPLO V Data do pagamento Dispensa de pagamento Dedução e reembolso TRIBUTAÇÕES AUTÓNOMAS Despesas não documentadas EXEMPLO V Despesas de representação e viaturas ligeiras de passageiros EXEMPLO V EXEMPLO V EXEMPLO V Importâncias pagas ou devidas a offshores EXEMPLO V Encargos com ajudas de custo e compensação pela deslocação em viatura própria EXEMPLO V Lucros distribuídos Remunerações extraordinárias de gestores PAGAMENTO Regras de pagamento EXEMPLO V Retenções na fonte efectuadas por terceiros sobre os rendimentos do sujeito passivo EXEMPLO V Pagamentos por conta EXEMPLO V EXEMPLO V EXEMPLO V

9 RELATO FISCAL E FINANCEIRO ÍNDICE NO ENCERRAMENTO DE CONTAS 7.4. Pagamento adicional por conta (Derrama Estadual) EXEMPLO V Derrama EXEMPLO V EXEMPLO V IRC de exercícios anteriores REGIME TRANSITÓRIO EXEMPLO V EXEMPLO V EXEMPLO V BENEFÍCIOS FISCAIS Benefícios fiscais por dedução ao rendimento (RL do período) Quotizações empresariais EXEMPLO V Mecenato Estatuto dos Benefícios Fiscais EXEMPLO V EXEMPLO V EXEMPLO V EXEMPLO V Estatuto do Mecenato Científico Criação de emprego EXEMPLO V Incentivos fiscais à interioridade Vantagens fiscais face ao regime geral Benefícios fiscais por dedução à colecta (crédito de imposto) Investigação e desenvolvimento Conceitos Despesas elegíveis Âmbito da dedução Condições Obrigações acessórias Obrigações contabilísticas EXEMPLO V Benefícios fiscais contratuais Investimentos em Portugal Investimentos no estrangeiro Código Fiscal do Investimento Regulamentação comunitária EXEMPLO V OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS Declaração de inscrição, de alterações ou de cessação Declaração periódica de rendimentos EXEMPLO V Declaração anual de informação contabilística e fiscal Informação Empresarial Simplificada (IES) Estrutura da declaração anual de informação contabilística e fiscal Obrigações contabilísticas Ficheiro modelo de auditoria tributária Programas de facturação Processo de documentação fiscal

10 A ORGANIZAÇÃO ÍNDICE DA CONTABILIDADE Mapa de ajustamentos, imparidades e provisões EXEMPLO V Mapas de depreciações e amortizações EXEMPLO V EXEMPLO V EXEMPLO V Mapa de mais-valias e menos-valias CAPÍTULO VI O ESTUDO DE ALGUMAS SITUAÇÕES ESPECIAIS 1. O REGIME ESPECIAL DE TRIBUTAÇÃO DOS GRUPOS DE SOCIEDADES Âmbito EXEMPLO VI Requisitos Sociedades excluídas Comunicações a efectuar pela sociedade dominante Cessação do RETGS Matéria colectável consolidada EXEMPLO VI EXEMPLO VI Derramas Derrama municipal EXEMPLO VI Derrama estadual Pagamentos Pagamentos por conta Pagamento adicional por conta Pagamento especial por conta EXEMPLO VI Responsabilidade pelo pagamento Obrigações declarativas Aspectos práticos RESTRUTURAÇÕES EMPRESARIAIS Conceitos Regime de neutralidade fiscal EXEMPLO VI Cláusula anti-abuso EXEMPLO VI Regras a respeitar pela sociedade beneficiária Transmissibilidade de prejuízos Operações possíveis Despacho de autorização Regime especial de tributação dos grupos de sociedades Exemplos EXEMPLO VI EXEMPLO VI EXEMPLO VI Obrigações acessórias O artigo 60.º do EBF

11 RELATO FISCAL E FINANCEIRO ÍNDICE NO ENCERRAMENTO DE CONTAS 3. AS SOCIEDADES GESTORAS DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS Regime Jurídico Objecto social único Características societárias Regime fiscal EXEMPLO VI EXEMPLO VI Mais-valias EXEMPLO VI Os encargos financeiros Os rendimentos de capitais IMPOSTOS DIFERIDOS Normas contabilísticas versus normas fiscais Diferenças entre o lucro contabilístico e o lucro tributável Diferenças permanentes ou definitivas EXEMPLO VI EXEMPLO VI Diferenças temporárias Métodos de contabilização dos impostos sobre lucros Método do imposto a pagar Métodos de contabilização dos efeitos tributários EXEMPLO VI Reconhecimento e mensuração dos activos e passivos por impostos diferidos Exemplos práticos Diferenças temporárias tributáveis EXEMPLO VI Diferenças temporárias dedutíveis EXEMPLO VI EXEMPLO VI EXEMPLO VI Prejuízos fiscais e créditos fiscais não utilizados EXEMPLO VI CAPÍTULO VII DIVULGAÇÕES NO RELATO FINANCEIRO 1. Divulgações NCRF Nota 1. Identificação da Entidade Nota 2. Referencial Contabilístico de Preparação das Demonstrações Financeiras Nota 3. Principais Políticas Contabilísticas Nota 4. Fluxos de Caixa Nota 5. Políticas Contabilísticas, alterações nas Estimativas Contabilísticas e erros (Ncrf 4) Nota 6. Partes relacionadas (ncrf 5) Nota 7. Activos intangíveis (ncrf 6) Nota 8. Activos fixos tangíveis ( ncrf 7) Nota 9. Activos não correntes detidos para venda e unidades operacionais descontinuadas (ncrf 8) Nota10. Locações (ncrf 9) Nota 11. Custos de empréstimos obtidos ( ncrf 10 ) Nota 12. Propriedades de investimento ( ncrf 11 ) Nota 13. Imparidade de activos (ncrf 12)

12 A ORGANIZAÇÃO ÍNDICE DA CONTABILIDADE Nota 14. Interesses em empreendimentos conjuntos e investimentos em associadas (Ncrf Nota 15. Concentrações de actividades empresariais ( ncrf 14 ) Nota 16. Investimentos em subsidiárias e consolidação ( ncrf 15 ) Nota 17. Exploração e avaliação de recursos minerais ( ncrf 16 ) Nota 18. Agricultura ( ncrf 17 ) Nota 19. Inventários ( ncrf 18 ) Nota 20. Contratos de construção ( ncrf 19 ) Nota 21. Rédito ( ncrf 20 ) Nota 22. Provisões, passivos contingentes e activos contingentes ( ncrf 21 ) Nota 23. Subsídios do governo e apoios do governo ( ncrf 22 ) Nota 24. Efeitos de alterações em taxas de câmbio ( ncrf 23 ) Nota 25. Acontecimentos após a data do balanço ( ncrf 24 ) Nota 26. Impostos sobre o rendimento ( ncrf 25 ) Nota 27. Matérias ambientais ( ncrf 26 ) Nota 28. Instrumentos financeiros ( ncrf 27 ) Nota 29. Benefícios dos empregados ( ncrf 28 ) Nota 30. Divulgações exigidas por diplomas legais Nota 31. Outras informações Notas anexas às demonstrações financeiras melhores práticas Nota 1. Nota introdutória (identificação da identidade) Nota 2. Politicas contabilísticas Nota 3. Estimativas e julgamentos contabilísticos relevantes Nota 4. Propriedades de investimento Nota 5. Impostos sobre o rendimento Nota 6. Responsabilidades com benefícios de reforma e outros benefícios Nota 7. Segmentos de negócio Nota 8. Rédito Nota 9. Custo das vendas e dos serviços prestados Nota 10. Variação nos inventários da produção Nota 11. Gastos de distribuição e adminstrativos Nota 12. Fornecimento de serviços externos Nota 13. Gastos com pessoal Nota 14. Resultados financeiros Nota 15. Resultado por acção Nota 16. Dividendos Nota 17. Activos fixos tangíveis Nota 18. Goodwill Nota 19. Activos intangíveis Nota 20. Participações financeiras método da equivalência patrimonial Nota 21. Outras contas a receber Nota 22. Impostos a pagar e a recuperar Nota 23. Outros activos correntes e não correntes Nota 24. Activos financeiros detidos para negociação Nota 25. Impostos diferidos Nota 26. Inventários e activos biológicos Nota 27. Clientes Nota 28. Caixa e depósitos bancários Nota 29. Capital próprio Nota 29.1 Capital realizado

13 RELATO FISCAL E FINANCEIRO ÍNDICE NO ENCERRAMENTO DE CONTAS Nota 29.2 Acções próprias Nota 29.3 Reservas e resultados acumulados Nota 29.4 Interesses minoritários Nota 30. Financiamentos obtidos Nota 31. Imparidades Nota 32. Provisões Nota 33. Outros passivos não correntes Nota 34. Fornecedores Nota 35. Outros passivos correntes Nota 36. Licenças de emissão de co Nota 37. Partes relacionadas Nota 38. Obrigações decorrentes de contratos de locação Nota 39. Activos e responsabilidades contingentes Nota 40. Plano de incentivos Nota 41. Instrumentos financeiros por categorias Nota 42. Instrumentos financeiros derivados Nota 43. Subsídios Nota 44. Informação sobre matérias ambientais Nota 45. Resultado das operações em descontinuação Nota 46. Gestão de riscos Nota 47. Notas explicativas à demonstração dos fluxos de caixa consolidados Nota Recebimentos provenientes de investimentos financeiros Nota Recebimentos provenientes de empréstimos concedidos Nota Recebimentos provenientes de dividendos Nota Pagamentos respeitantes a investimentos financeiros Nota Pagamentos respeitantes a empréstimos concedidos Nota Recebimentos provenientes de empréstimos obtidos Nota 48. Eventos subsequentes Bibliografia

14 A ORGANIZAÇÃO ÍNDICE DA CONTABILIDADE ÍNDICE DE FIGURAS FIGURA IV.1: Processo de encerramento de contas FIGURA IV.2: Requisitos de reconhecimento de provisões e passivos contingentes FIGURA IV.3: Requisitos de reconhecimento de propriedades de investimento FIGURA IV.4: Intrumentos financeiros (Exemplos) FIGURA IV.5: Esquema de reconhecimento de um activo financeiro FIGURA IV.6: Esquema de reconhecimento de passivo financeiro FIGURA IV.7: Esquema do teste de imparidade dos activos FIGURA V. 1: Processo de apuramento do Resultado Fiscal FIGURA V. 2: Mapa de apuramento do resultado fiscal (MARF) FIGURA V. 3: Gastos e rendimentos de exercícios anteriores FIGURA V. 4: A relevância fiscal do justo valor dos instrumentos de capital próprio FIGURA V. 5: Aplicação do método das quotas decrescentes FIGURA V. 6: Desvalorizações excepcionais FIGURA V. 7: Realizações de utilidade social aceites como gasto fiscal na totalidade FIGURA V. 8: Realizações de utilidade social com limite de dedutibilidade fiscal FIGURA V. 9: Gastos relativos a participação nos lucros FIGURA V. 10: Reinvestimento dos valores de realização FIGURA V. 11: Reinvestimento dos valores de realização de partes de capital FIGURA V. 12: Princípio da plena concorrência FIGURA V. 13: Processo de apuramento da matéria colectável FIGURA VI. 1: Transmissibilidade de prejuízos fiscais FIGURA VI. 2: Aplicabilidade do regime do artigo 32.º do EBF FIGURA VI. 3: Relevância fiscal dos encargos financeiros FIGURA VI. 4: Reconhecimento de activos e passivos por impostos diferidos ÍNDICE DE TABELAS TABELA IV.1: Procedimentos de Gestão do Encerramento mernsal de Contas TABELA IV.2: Categorias de investimentos financeiros TABELA V. 1: Alteração da terminologia no novo CIRC TABELA V. 2: Exemplos de instrumentos financeiros TABELA V. 3: Categorias de instrumentos financeiros e respectiva mensuração TABELA V. 4: Valorimetria fiscal dos elementos do activo TABELA V. 5: Cálculo do período de utilidade esperada TABELA V. 6: Regime intensivo de utilização de activos fixos tangíveis TABELA V. 7: Mapa de antiguidade de saldos TABELA V. 8: Riscos a que estão expostos os instrumentos financeiros

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO 02 ÁREA DA SEDE, DIRECÇÃO EFECTIVA OU ESTAB. ESTÁVEL IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO SUJEITO PASSIVO TIPO DE SUJEITO PASSIVO

PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO 02 ÁREA DA SEDE, DIRECÇÃO EFECTIVA OU ESTAB. ESTÁVEL IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO SUJEITO PASSIVO TIPO DE SUJEITO PASSIVO MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 009 DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS DECLARAÇÃO D E RENDIMENTOS 0 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DESIGNAÇÃO Residente que exerce a título principal actividade comercial industrial

Leia mais

ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL. Nota prévia... 21. Capítulo I Introdução

ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL. Nota prévia... 21. Capítulo I Introdução ÍNDICE GERAL Nota prévia... 21 Capítulo I Introdução Breves considerações sobre a História da Contabilidade... 27 Definição e divisões da Contabilidade... 30 A Empresa, os mercados e os fluxos... 34 O

Leia mais

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011 BALANÇO INDIVIDUAL ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 5 52.063,72 63.250,06 Propriedades de investimento... Goodwill... Activos intangíveis. Activos biológicos.. Participações financeiras

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 1011/2009 de 9 de Setembro O Decreto -Lei n.º 158/2009, de 13 de Julho,

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

IRC Declaração modelo 22 Quadro 07 Manual de preenchimento IRC Declaração de Rendimentos MODELO 22 Quadro 07 Manual de preenchimento

IRC Declaração modelo 22 Quadro 07 Manual de preenchimento IRC Declaração de Rendimentos MODELO 22 Quadro 07 Manual de preenchimento IRC Declaração de Rendimentos MODELO 22 Quadro 07 Manual de preenchimento Elaborado em 2011 03 16 1 2 Quadro 07 Apuramento do lucro tributável Com a entrada em vigor do Sistema de Normalização Contabilística,

Leia mais

Balanço e demonstração de resultados Plus

Balanço e demonstração de resultados Plus Balanço e demonstração de resultados Plus Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira Introdução à Contabilidade 2014/2015 Financeira 2 Sumário 1. O papel da contabilidade nas organizações. 2. A contabilidade externa vs a contabilidade interna. 3. Os diversos utilizadores da contabilidade.

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2.

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2. MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL. Nota prévia... 21. Capítulo I Introdução

ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL. Nota prévia... 21. Capítulo I Introdução ÍNDICE GERAL Nota prévia... 21 Capítulo I Introdução Breves considerações sobre a História da Contabilidade... 27 Definição e divisões da Contabilidade... 30 A Empresa, os mercados e os fluxos... 34 O

Leia mais

ENCERRAMENTO DE CONTAS

ENCERRAMENTO DE CONTAS 1 13 Jan 2011 ENCERRAMENTO DE CONTAS ROCHA MARTINS 2010-2011: Informação Crítica para a Transição Fiscal Parceiros Institucionais Media Partner 2 ENCERRAMENTO DE CONTAS GENERALIDADES GENERALIDADES 1. Número

Leia mais

Adaptação do Código do IRC. aos. novos normativos contabilísticos

Adaptação do Código do IRC. aos. novos normativos contabilísticos Adaptação do Código do IRC aos novos normativos contabilísticos 2009-04-23 1 Lei n.º 64-A/2008, de 31/12 (OE para 2009) Art.º 74.º Autoriza o Governo a alterar o Código do IRC e legislação complementar

Leia mais

Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador. Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007

Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador. Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007 Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007 1 2 Plano da Apresentação 1. As IAS/IFRS no ordenamento contabilístico Comunitário

Leia mais

Balanço e análise setorial

Balanço e análise setorial Balanço e análise setorial Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º,

Leia mais

ANEXO 4 Tabela de Rubricas Orçamentais 1 NATUREZA DA DESPESA SUPORTE DESPESAS CORRENTES

ANEXO 4 Tabela de Rubricas Orçamentais 1 NATUREZA DA DESPESA SUPORTE DESPESAS CORRENTES ANEXO 4 Tabela de Rubricas Orçamentais 1 CODIGO DESPESAS CORRENTES 010101 TITULARES DE ORGÃOS DE SOBERANIA E MEMBROS DE ORGÃOS AUTÁRQUICOS Corrente DL 26/2002 010102 ORGÃOS SOCIAIS Corrente DL 26/2002

Leia mais

Sistema de Normalização Contabilística

Sistema de Normalização Contabilística Sistema de Normalização Contabilística A MUDANÇA PARA UM NOVO AMBIENTE CONTABILISTICO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO 2009 1 Sistema de Normalização Contabilística Trata-se de uma mudança de grande

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

Impostos Diferidos e o SNC

Impostos Diferidos e o SNC Impostos Diferidos e o SNC Na vigência do anterior Plano Oficial de Contabilidade (POC) a Directriz Contabilistica (DC) nº 28, da Comissão de Normalização Contabilística (CNC) veio, em tempo, estabelecer

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 1 IRC 2 Eliminação da Dupla Tributação Económica dos Lucros Distribuídos Na sociedade detentora Eliminação da Dupla Tributação nos Lucros auferidos

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2012 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA O FECHO DE EXERCÍCIO

RECOMENDAÇÕES PARA O FECHO DE EXERCÍCIO RECOMENDAÇÕES PARA O FECHO DE EXERCÍCIO Verificar passagem de ano Verificar aprovação de contas do exercício anterior Verificar apuramentos do IVA Verificar contas do balancete e fazer as devidas correcções

Leia mais

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt Fiscalidade pessoal e empresarial Jorge Figueiredo 18 de Fevereiro de 2011 Agenda 1. IRS 1.1 Alterações das taxas 1.2 Outros rendimentos 1.3 Dedução específica Categoria A 1.4 Reporte de

Leia mais

CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO

CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2014 Índice Balanço... 3 Demonstração dos Resultados por Naturezas... 4 Demonstração dos Fluxos de Caixa...

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435 Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435 quer sejam de sua propriedade, quer estejam em regime de locação financeira. Compreende os investimentos financeiros, as propriedades de investimento,

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL Balanço e Demonstração de Resultados Data 26-6-215 SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º, 125-44 LISBOA TEL.: 213 5 3 FAX: 214 276 41 ana.figueiredo@ama.pt

Leia mais

Trabalho de Grupo. Contabilidade Geral 1. Ano lectivo 2007/2008 1º Semestre

Trabalho de Grupo. Contabilidade Geral 1. Ano lectivo 2007/2008 1º Semestre Trabalho de Grupo Contabilidade Geral 1 Ano lectivo 2007/2008 1º Semestre 1 1 Objectivo Pretende-se com o presente trabalho que os alunos procedam a uma análise sintética do Novo Sistema de Normalização

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

O MEP nos Investimentos em Associadas e Subsidiárias

O MEP nos Investimentos em Associadas e Subsidiárias O MEP nos Investimentos em Associadas e Subsidiárias Enquadramento em SNC Influência e Controlo Controlo exclusivo a sociedade dominante tem mais de 50% dos direitos de voto da filial; Controlo conjunto

Leia mais

BALANÇO EM 31 de Dezembro de 2013. NOTAS 31 Dez 2013

BALANÇO EM 31 de Dezembro de 2013. NOTAS 31 Dez 2013 Entida:ANIPB - Associação Nacional s Industriais Prefabricação em Betão BALANÇO EM 31 Dezembro 2013 Nº Contribuinte: 0084421 RUBRICAS 31 Dez 2013 31 Dez 2012 ATIVO Ativo Não Corrente Ativos Fixos Tangíveis

Leia mais

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA PERSPECTIVA DOS UTILIZADORES (DGCI)

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA PERSPECTIVA DOS UTILIZADORES (DGCI) SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA PERSPECTIVA DOS UTILIZADORES (DGCI) ÍNDICE 1.A RELAÇÃO ENTRE A CONTABILIDADE E A FISCALIDADE 2. IMPLICAÇÕES FISCAIS DO SNC 2.1 - Determinação do lucro tributável

Leia mais

PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO 02 ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB. ESTÁVEL IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO SUJEITO PASSIVO TIPO DE SUJEITO PASSIVO

PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO 02 ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB. ESTÁVEL IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO SUJEITO PASSIVO TIPO DE SUJEITO PASSIVO MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2014 03 1 DESIGNAÇÃO R. P. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA DECLARAÇÃO D E RENDIMENTOS 01 PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO 1 2 De / / a / / 02 ÁREA

Leia mais

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO ANEXO IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE Designação ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Morada Rua Dona Filipa de Vilhena, Nº 9-2.º Direito Código postal 1000-134 Localidade LISBOA DADOS DA ENTIDADE

Leia mais

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2012 ÍNDICE 1. NOTA INTRODUTÓRIA... 3 2. PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS 2012-2014... 6 3. PLANO DE GESTÃO PREVISIONAL 2012... 7 3.1. PLANO DE TESOURARIA... 8 3.2.

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas O IRC é o imposto que tributa o rendimento obtido pelas empresas portuguesas ou por empresas estrangeiras com negócios em Portugal. O imposto a pagar é

Leia mais

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014 NOTA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1. Designação da entidade INSTITUTO PROFISSIONAL DO TERÇO 1.2. Sede PRAÇA MARQUÊS DO POMBAL, 103 4000 391 PORTO 1.3. NIPC 500836256 1.4. - Natureza da actividade CAE

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2012 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro AULA 10 Capital Próprio Aumentos de capital Demonstração de fluxos de caixa Construção da DFC - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL Por incorporação de Reservas Por

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2011 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/16 Índice Balanço individual Demonstração dos resultados individuais Demonstração das Alterações dos fundos patrimoniais Demonstração

Leia mais

31-Dez-2013 31-Dez-2012

31-Dez-2013 31-Dez-2012 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2013 E DE 2012 ACTIVO NÃO CORRENTE

Leia mais

Reforma em sede de IRC

Reforma em sede de IRC Reforma em sede de IRC Janeiro de 2014 Reforma Tributação Sociedades IRC REFORMA IRC IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS - Lei n.º 2/2014, de 16 de Janeiro Transparência Fiscal O regime da

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

7. A Soc. Z efectuou, pela 1ª vez, ajustamentos em dívidas a receber ( Provisões para créditos de cobrança duvidosa), conforme quadro abaixo:

7. A Soc. Z efectuou, pela 1ª vez, ajustamentos em dívidas a receber ( Provisões para créditos de cobrança duvidosa), conforme quadro abaixo: Considere os seguintes limites fixados para os funcionários públicos (P 30-A/2008): Subsídio de Refeição (4,11 ); Transporte em automóvel próprio ( 0,39 por quilómetro). O SP A está sujeito à seguinte

Leia mais

BOLETIM OFICIAL 3.º SUPLEMENTO. I Série SUMÁRIO. Número 48. Segunda-feira, 29 de Dezembro de 2008

BOLETIM OFICIAL 3.º SUPLEMENTO. I Série SUMÁRIO. Número 48. Segunda-feira, 29 de Dezembro de 2008 Segunda-feira, 29 de Dezembro de 2008 I Série Número 48 BOLETIM OFICIAL 3.º SUPLEMENTO MINISTÉRIO DA FINANÇAS: Portaria nº 49/2008: Aprova o Código de Contas do Sistema de Normalização Contabilístico e

Leia mais

Portaria n.º 92-A/2011, de 28 de Fevereiro - 41 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO

Portaria n.º 92-A/2011, de 28 de Fevereiro - 41 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO Define os elementos que integram o dossier fiscal, aprova novos mapas de modelo oficial e revoga a Portaria n.º 359/2000, de 20 de Junho A Nos termos do artigo 129.º do Código do Imposto sobre o Rendimento

Leia mais

Imposto sobre o rendimento das pessoas coletivas

Imposto sobre o rendimento das pessoas coletivas Patrício, Moreira & Valente Sociedade de Revisores Oficiais de Contas Imposto sobre o rendimento das pessoas coletivas Regime Geral IRC Não são dedutíveis para efeitos de IRC, designadamente, os seguintes

Leia mais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2008 3 A MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - IRS IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S) PASSIVO(S) Sujeito passivo A NIF 06 Sujeito

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Contabilidade Financeira I e principais demonstrações financeiras A Contabilidade Noção e objecto Relembremos a noção de contabilidade anteriormente apresentada: Reconhecimento ou Expressão Mensuração

Leia mais

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Principais medidas da Reforma 2 I. Redução da taxa do IRC - A redução das taxas de IRC é fundamental para a atração de investimento

Leia mais

CASA DO POVO DA ALAGOA. Demonstrações Financeiras e Anexo

CASA DO POVO DA ALAGOA. Demonstrações Financeiras e Anexo CASA DO POVO DA ALAGOA Demonstrações Financeiras e Anexo em 31 de Dezembro de 2014 BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 RUBRICAS ACTIVO Euros DATAS 31-12-2014 31-12-2013 Activo não corrente Activos fixos

Leia mais

Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro NCRF

Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro NCRF Sistema de Normalização Contabilística Após leitura e análise das Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro (NCRF), a entrarem em vigor já em Janeiro próximo, senti me na obrigação de escrever este

Leia mais

4384 Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009

4384 Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4384 Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 6.2 A NCRF -PE condensa os principais aspectos de reconhecimento, mensuração, e divulgação extraídos das NCRF, tidos como os requisitos mínimos

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

2011 ASPECTOS PARTICULARES ENCERRAMENTO CONTAS POLITICAS CONTABILISTICAS, ALTERAÇÕES NAS ESTIMATIVAS CONTABILISTICAS E ERROS

2011 ASPECTOS PARTICULARES ENCERRAMENTO CONTAS POLITICAS CONTABILISTICAS, ALTERAÇÕES NAS ESTIMATIVAS CONTABILISTICAS E ERROS 2011 ASPECTOS PARTICULARES ENCERRAMENTO DE CONTAS CRUZ MARTINS & PEGA MAGRO (SROC) SUMÁRIO POLITICAS CONTABILISTICAS, ALTERAÇÕES NAS ESTIMATIVAS CONTABILISTICAS E ERROS ACTIVOS FIXOS TANGÍVEIS (CIRCULAR

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA?

O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA? 18 de junho de 2014 O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA? IVA como gasto ou crédito fiscal? Afinal

Leia mais

INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA - IES DECLARAÇÃO ANUAL. PERGUNTAS & RESPOSTAS Anexo A. Formulários ANEXO A

INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA - IES DECLARAÇÃO ANUAL. PERGUNTAS & RESPOSTAS Anexo A. Formulários ANEXO A Formulários ANEXO A 90) QUAL É A UNIDADE MONETÁRIA A CONSIDERAR PARA PREENCHIMENTO DA IES? O preenchimento deve ser efetuado em euros, com duas casas decimais. 91) COMO DEVO PREENCHER O QUADRO 02-A? Este

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

AS ASSOCIAÇÕES, CLUBES, COLETIVIDADES

AS ASSOCIAÇÕES, CLUBES, COLETIVIDADES AS ASSOCIAÇÕES, CLUBES, COLETIVIDADES São sujeitos passivos de: - IRC; - IVA. Têm obrigações previstas no Código do IRS Têm obrigação de documentar as despesas e os pagamentos. Algumas poderão beneficiar

Leia mais

ENCERRAMENTO DE CONTAS PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO DE 2014

ENCERRAMENTO DE CONTAS PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO DE 2014 ENCERRAMENTO DE CONTAS PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO DE 2014 José Soares Roriz 03 de março de 2015 A DECLARAÇÃO MODELO 22 1 A DECLARAÇÃO MODELO 22 3 A declaração modelo 22, a submeter até 31/05/2015, pode integrar

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

DECLARAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÃO CONTABILÍSTICA E FISCAL

DECLARAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÃO CONTABILÍSTICA E FISCAL QUADRO 1 IDENTIFICAÇÃO DA DECLARAÇÃO (Q1.4) ANO DECLARAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÃO CONTABILÍSTICA E FISCAL PRIMEIRA (Q1.1) SUBSTITUIÇÃO (Q1.2) OUTRA (Q1.3) QUADRO 2- IDENTIFICAÇÃO DO SUJEITO PASSIVO (Q2.1)

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/09

Contabilidade Financeira II 2008/09 Contabilidade Financeira II 2008/09 Impostos Estado e Outros Entes Públicos Impostos: IRC - Imposto sobre o rendimento IRS - Retenção de impostos sobre rendimentos (já vimos) IVA - Imposto sobre o valor

Leia mais

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 1. Indicação e justificação das disposições do POC que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos efeitos nas demonstrações financeiras,

Leia mais

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar Fiscalidade em Portugal Um primeiro olhar ÍNDICE 01 IMPOSTOS PORTUGUESES A perspectiva global 02 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO Principais regras e taxas 03 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO Principais regras e taxas

Leia mais

Código de contas, declarações eletrónicas e informática

Código de contas, declarações eletrónicas e informática Código de contas, declarações eletrónicas e informática Conheça os dados mais relevantes para o correto preenchimento do quadro 07 da declaração modelo 22 do IRC. Por Mário Portugal * Artigo recebido em

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

DFR SOFT - EMPRESA DE DEMONSTRACAO Ref. : CONTP040 Data : 28/07/11 Listagem do Plano de Contas Pág. :

DFR SOFT - EMPRESA DE DEMONSTRACAO Ref. : CONTP040 Data : 28/07/11 Listagem do Plano de Contas Pág. : Listagem do Plano de Contas Pág. : 1 11 CAIXA 111 Caixa A 1111 Caixa A 112 Caixa Compras a Dinheiro 1121 Caixa Compras a Dinheiro 113 Caixa Vendas a Dinheiro 1131 Caixa Vendas a Dinheiro 114 Caixa Valores

Leia mais

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas Nome: Nº do BI/ Passaporte Duração: 2 horas Leia atentamente as questões. Depois, coloque no quadradinho que fica na parte superior direito de cada questão, a alínea correspondente à melhor resposta. Se

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA IES DECLARAÇÃO ANUAL IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (EMPRESAS DO SECTOR SEGURADOR -- DECRETO-LEI n o 94-B/98 de 17 de Abril) 01 N o DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIPC) 02 EXERCÍCIO 1 1 IRC ANEXO

Leia mais

ÍNDICE. 1. Introdução. 2. Principais Vantagens do Aluguer Operacional. Guia Contabilístico e Fiscal do Renting

ÍNDICE. 1. Introdução. 2. Principais Vantagens do Aluguer Operacional. Guia Contabilístico e Fiscal do Renting ÍNDICE 1. Introdução 2. Principais Vantagens do Aluguer Operacional 3. Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro 9 (NCRF 9) 4. Regime Contabilístico Locatário 5. Regime Fiscal - Locatário 6. Quadro

Leia mais

1. Activos Fixos Intangíveis (IAS 38) 2. Propriedades de Investimento (IAS 40)

1. Activos Fixos Intangíveis (IAS 38) 2. Propriedades de Investimento (IAS 40) AULA 08 1. Activos Fixos Intangíveis (IAS 38) 2. Propriedades de Investimento (IAS 40) 3. Capital Próprio - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 Activos Fixos Intangíveis Activo intangível:

Leia mais

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 1 - Apresentação de Demonstrações Financeiras,

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2014 Identificação da Declaração: Data da recepção: 29/06/2015 1. Identificação da Instituição Nome: ASSOCIAÇÃO SOCIAL CULTURAL ESPIRITUALISTA Morada:

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL OUTUBRO DE 2010 Ministério das Finanças e da Administração

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) Relatório Anual 2012 2 Relatório Anual 2012 3 Relatório Anual 2012 4 Relatório Anual 2012 5 Relatório

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC V Conferência Internacional OTOC/IDEFF/Direcção - Geral dos Impostos 8 e 9 de Outubro de 2010 Apresentado por: José Vieira dos Reis 1 1. Normalização Contabilística 2.

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4958 Diário da República, 1.ª série N.º 142 23 de julho de 2015 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 218/2015 de 23 de julho Na sequência da publicação do Decreto -Lei n.º 98/2015, de 2 de junho, que transpôs

Leia mais