UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS ERNO WELZEL NETO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS ERNO WELZEL NETO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS ERNO WELZEL NETO ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSO EM UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DE EMBALAGENS INDUSTRIAIS JOINVILLE SC 2010

2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS ERNO WELZEL NETO ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSO EM UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DE EMBALAGENS INDUSTRIAIS Trabalho de graduação apresentado ao curso de Engenharia de Produção e Sistemas da Universidade do Estado de Santa Catarina, como requisito parcial para a obtenção do título de Engenheiro de Produção e Sistemas. Orientador: Adalberto José Tavares Vieira JOINVILLE SC 2010

3 ERNO WELZEL NETO ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSO EM UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DE EMBALAGENS INDUSTRIAIS Trabalho de Graduação aprovado como requisito parcial para a obtenção do título de Engenheiro do curso de Engenharia de Produção e Sistemas da Universidade do Estado de Santa Catarina. Banca Examinadora: Orientador: Adalberto José Tavares Vieira Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Membro: Fernando Natal de Pretto Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Membro: Gerson Volney Lagemann Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Joinville, 16 de novembro de 2010.

4 "O pessimista se queixa do vento, o otimista espera que mude, o realista ajusta as velas" William Ward

5 AGRADECIMENTOS Agradeço ao apoio, incentivo e compreensão, durante o período de aulas de graduação e de trabalho de conclusão de curso, dos meus pais, Norberto Welzel e Silvia Terezinha Dutra Santos e à minha noiva Telma Maiara Riffel. Aos amigos que me apoiaram. Aos meus colegas de curso que fizeram com que esta etapa fosse mais prazerosa. Ao orientador Adalberto Tavares Vieira, pela contribuição e disponibilidade.

6 ERNO WELZEL NETO ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSO EM UMA EMRPESA DE DISTRIBUIÇÃO DE EMBALAGENS INDUSTRIAIS RESUMO Este estudo tem como objetivo analisar propostas de melhoria de processo, baseado no fluxo operacional, de uma empresa de distribuição de embalagens industriais. Atualmente a empresa sofre com diversos problemas de processo: atraso nas entregas devido a um fluxograma mal organizado, a eventual falta de produtos em seu depósito, ociosidade em parte de sua mão-de-obra e a falta de controle de nível de estoque de mercadorias. As análises de propostas de melhoria foram apoiadas em três aspectos: a reestruturação do fluxograma operacional da empresa, a implantação de um sistema ERP e a definição de uma política de gestão de estoques. Primeiramente foram analisadas as propostas de algumas alterações no fluxograma operacional, após essas alterações foi analisada a proposta de implantação de um sistema ERP visando a integração entra as áreas da empresa. Ainda buscando sanar os problemas que ocorrem na empresa foi analisada também a definição de uma política de gestão de estoques visando uma maior eficiência financeira dos estoques, usando o sistema ERP para definir pontos de pedido e calcular lotes econômicos. PALAVRAS-CHAVE: Melhoria de processo, Sistema ERP, Gestão de Estoques.

7 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Ciclo PDCA Figura 2 Trajetória da Melhoria Contínua Figura 3 Integração pelo ERP Figura 4 Demonstração Gráfica de Ponto de Pedido Figura 5 Organograma da empresa Figura 6 Fluxograma Operacional Atual da Empresa Figura 7 Rede PERT do Fluxo Operacional Atual da Empresa Figura 8 Modelo de Pedido Firme Gerado por sistema MRP do Cliente Figura 9 Primeira Proposta de Alteração do Fluxo Operacional Figura 10 Segunda Proposta de Alteração do Fluxo Operacional Figura 11 Rede PERT da Situação Futura do Fluxo Operacional da Empresa... 37

8 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Ações e Ferramentas do Ciclo PDCA Tabela 2 - Benefícios Tangíveis Tabela 3 - Benefícios Intangíveis Tabela 4 Etapas do Fluxo Operacional da Empresa Tabela 5 Atividades do Fluxo Operacional Atual da Empresa Tabela 6 Atividades da Situação Futura do Fluxo Operacional da Empresa... 37

9 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA MELHORIA DE PROCESSOS O PDCA O SDCA SISTEMA ERP Definição Módulos disponíveis na maioria dos ERPs Benefícios da implantação do ERP GESTÃO DOS ESTOQUES Lote de Reposição ou de Ressuprimento Custos relacionados ao tamanho dos lotes Controle de estoques por ponto de pedido Estoques de Segurança METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA Histórico e Perfil Organograma Etapas do Fluxo Operacional da Empresa Fluxograma Operacional Atual Rede PERT do Fluxo Operacional Atual ANÁLISE DA SITUAÇÃO ATUAL Identificação do Problema PROPOSTA DE MELHORIA O Processo A Implantação de um Sistema ERP Rede PERT da Situação Futura A Gestão dos Estoques DISCUSSÃO Resultados Esperados... 38

10 4.4.2 Oportunidades de Trabalhos Futuros CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 41

11 10 1. INTRODUÇÃO A crescente competitividade do mercado, independente do ramo em que focarmos nossos estudos, é evidente entre as organizações nos dias de hoje. Para a sobrevivência de nossas organizações é preciso sempre pensar em um diferencial competitivo. A busca pela excelência, baseada na melhoria contínua, é um dos pontos chave para a manutenção destas organizações no mercado globalizado. O problema da empresa estudada nesta pesquisa é a grande quantidade de empresas, do mesmo ramo, inseridas no mercado da região. O trabalho de pesquisa tem como objetivo geral propor melhorias que levem a empresa a ter um diferencial em relação às empresas concorrentes no mercado. Já os objetivos específicos são: Demonstrar a situação atual da empresa, através de fluxograma e rede PERT; Discutir a situação atual e propor melhorias; Analisar as vantagens da implantação de um sistema ERP na empresa, propondo uma integração; Analisar as vantagens de utilizar uma política de gestão de estoques. A melhoria do processo atual apoiada pela implantação de um sistema ERP e por uma nova estratégia de gestão de estoques fará com que os problemas internos atuais da empresa como atraso nas entregas, que ocorrem devido a um fluxo operacional mal planejado, freqüentes faltas de mercadorias em estoque, mão-de-obra ociosa, entre outros, sejam sanados. Este trabalho delimata-se a propor melhorias apenas do momento em que o cliente coloca seu pedido até o momento da expedição, deixando ainda para um estudo posterior propostas de melhorias na logística de distribuição e confiabilidade de fornecedores. Este trabalho também não definirá tamanhos de estoques, lotes de reposição, estoques de segurança e lotes econômicos pelo fato da empresa não dispor de dados suficientes para o calculo de definição destes itens. Será feita apenas a análise de utilização de uma estratégia de estoque após a implantação de um sistema ERP.

12 11 No primeiro capítulo deste trabalho serão apresentados a caracterização do tema, definição do problema, objetivos geral e específicos, justificativa, delimitação do tema e estrutura do trabalho. O segundo capítulo traz a fundamentação teórica dos assuntos abordados que serão a melhoria de processos usando o ciclo PDCA, a implantação de um sistema ERP e a definição de uma política de estoques apoiada em ponto de pedido e lotes econômicos. O terceiro capítulo demonstra a metodologia utilizada na pesquisa. O quarto capítulo trata da breve apresentação da empresa estudada, sua situação atual onde serão demonstrados os problemas que ocorrem devido ao atual fluxo operacional da empresa. Ainda neste capítulo, serão analisadas as propostas de situação futura após a melhoria de processo, implantação de um sistema ERP e definição de uma adequada política de gestão de estoques e os possíveis resultados obtidos. O quinto e último capítulo apresenta as considerações finais da pesquisa e algumas sugestões de melhorias futuras.

13 12 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 MELHORIA DE PROCESSOS Diante da grande concorrência existente no mercado, é crucial para a manutenção de nossas organizações, a melhoria continua de nossos processos e serviços prestados. Uma eficiente ferramenta de melhoria contínua, que pode ser usada independente da área de atuação da empresa é o ciclo PDCA que visa analisar, propor e executar melhorias em um processo. Depois de testada e comprovada a melhoria do processo é preciso manter, padronizar tal melhoria, para isso é utilizado o ciclo SDCA O PDCA Segundo Rodrigues (2010), o PDCA busca monitorar com eficácia a gestão dos processos produtivos, através do diagnóstico das situações indesejáveis e da conseqüente busca de soluções, que devem ser precedidas de uma definição e de um planejamento adequado do processo. Segundo Werkema, Aguiar (1996), o Ciclo PDCA é um método gerencial para agregar valor, ou seja, para atingir valor. Figura 1 Ciclo PDCA Fonte: Rodrigues, 2010

14 13 PDCA é uma sigla que significa: 1. P Plan Planejar Esta etapa consiste em: Estabelecer metas; Estabelecer o método para alcançar as metas propostas 2. D Do Executar Executar as tarefas exatamente como foi previsto na etapa de planejamento e coletar dados que serão utilizados na próxima etapa de verificação do processo. Na etapa de execução são essenciais a educação e o treinamento no trabalho. 3. C Check Verificação A partir dos dados coletados na execução, comparar o resultado alcançado com a meta planejada. 4. A Act Atuação Corretiva Etapa que consiste em atuar no processo em função dos resultados obtidos. Existem duas formas de atuação possíveis: Adotar como padrão o plano proposto, caso a meta tenha sido alcançada. Agir sobre as causas do não-atingimento da meta, caso o plano não tenha sido efetivo.

15 14 Tabela 1 Ações e Ferramentas do Ciclo PDCA Ciclo PDCA Ações para Otimização dos Processos Ferramentas P Selecionar a oportunidade de melhorias Criar uma lista de oportunidades. Garantir que não omitiu alguma relevante. Avaliar e escolher a mais importante. Identificar os requisitos dos clientes Identificar quem são os clientes desse processo. Conhecer e analisar suas exigências. Identificar o problema Verificar as causas. Identificar as causa prioritárias. Verificar qual o desvio entre a situação real e a desejada. Recolher dados Desenhar o fluxograma. Selecionar os indicadores. Recolher dados para análise. Identificar as causas Elaborar o diagrama causa-efeito. Selecionar as causa mais prováveis. Procurar soluções Identificar quem são os clientes desse processo. Procurar as soluções potenciais. Fluxograma Lista de Verificação Histograma Gráficos de Controle Diagrama de Pareto Matriz de Prioridade Brainstorming Diagrama de Causa e Efeito Diagrama de Concentração Diagrama Seta Diagrama Árvore Diagrama de Afinidades. Diagrama de Relações Diagrama Matriz D Prepara o plano de implementação Estabelecer objetivos de melhoria. Preparar o plano de ação. Identificar os pontos de controle. Capacitar Educar. Treinar. Lista de Verificação Histograma Gráficos de Controle C Implementar a solução Executar o plano e implementar a solução. Avaliar os resultados obtidos Medir o desvio entre os resultados obtidos e planejados. Identificar os benefícios. Fluxograma Carta de Controle Diagrama de Pareto Diagrama de Dispersão Identificar as causas dos desvios Onde falhou o planejamento? Por quê?

16 15 A Implementar as ações corretivas Introduzir as modificações ao plano. Aplicar a solução encontrada Mudar para o novo processo. Torná-lo permanente. Rever os procedimentos. Gráficos de Controle Reengenharia Benchmarking Programa 5S Refletir O que aprendeu? Qual o novo ponto de partida para a nova melhoria? Fonte: Adaptação de Werkema, Aguiar, O SDCA Segundo Werkema, Aguiar (1996), o SDCA representa como devemos trabalhar para manter o resultado desejado. Segundo Rodrigues (2010), quando o processo atingir o padrão esperado, deve-se manter este padrão nos próximos ciclos, ou seja, troca-se o P (Plan) pelo S (Standardize/Padrão/Padronizar). Figura 2 Trajetória da Melhoria Contínua Fonte: Adaptado de Rodrigues, 2010

17 16 Para uma efetiva melhoria de processo dentro das empresas, precisamos melhorar o processo como um todo, não apenas pontualmente. Precisamos fazer a integração destes processos de alguma forma. Uma boa sugestão para a integração de processos é a implantação de sistema ERP. 2.2 SISTEMA ERP ERP é uma abordagem estruturada para a otimização da cadeia de valor interna de uma empresa. O que o ERP realmente faz é organizar, codificar e padronizar os processos e dados de negócio de uma empresa. O software transforma dados transacionais em informação utilizável e agrupa esses dados de forma que possam ser analisados. Dessa forma, todos os dados transacionais coletados transformam-se em informação que pode ser empregada pelas empresas para apoiar decisões de negócio, (NORRIS et al., 2001) Definição Segundo Filho (2001), não há uma definição precisa e inquestionável do que seja um sistema ERP. Ele considera-o um software aplicativo que permite às empresas: Automatizar e integrar parcela substancial de seus processos de negócios, abrangendo finanças, controles, logística (suprimentos, fabricação e vendas) e recursos humanos; Compartilhar dados e uniformizar processos de negócios; Produzir e utilizar informações em tempo real. Segundo Corrêa (1997), um sistema dito ERP tem a pretensão de suportar todas as necessidades de informação para a tomada de decisão gerencial de um empreendimento como um todo. Em uma tradução livre, Enterprise Resource Planning poderia significar Planejamento de Recursos da Corporação. Para a eficiência do fluxo de informações, existem no sistema ERP vários módulos.

18 Módulos disponíveis na maioria dos ERPs Segundo Corrêa (1997), hoje, embora com diferenças de nomenclatura, os ERPs mais avançados possuem módulos integrados (o que significa integração e qual o grau de integração são as perguntas pertinentes) que abrangem o seguinte escopo: Previsões/Análises de Vendas. Auxilia a função de previsão de vendas da empresa. Em geral, esses módulos trazem alguns modelos matemáticos simples para correlações e extrapolações como médias móveis, amaciamento exponencial e correlações por mínimos quadrados. É necessário estar atento para o fato de que o uso de uma técnica inadequada de previsão de vendas pode trazer mais malefícios que benefícios para o bom funcionamento do sistema ERP. Compras. O módulo de compras visa apoiar informacionalmente o processo decisório da função de suprimentos dentro da empresa. Auxilio a cotações (guardando as condições das ultimas condições das ultimas condições, por fornecedor, por exemplo), emissão e gestão de pedidos de compra, follow-up de compras, manutenção de cadastro de fornecedores acompanhamento de desempenho de fornecedores, acompanhamento de desempenho de compradores. Controle de Estoque. O módulo de controle de estoque apóia a função de controle de inventários. Posições de níveis de estoque, transações de recebimento, transferências, baixas, alocações de materiais, entre outras são apoiadas por este módulo. Contabilidade Geral. Módulo que contempla todas as funções tradicionais necessárias para atender as necessidades da contabilidade geral. Custos. Módulo que apóia a apuração de custos operacionais integrado com os módulos que geram as transações físicas que originam as transações de custos. Contas a Pagar. Módulo que apóia o controle das obrigações e pagamentos devidos pela empresa, cadastro de fornecedores, entre outros. Contas a Receber. Controle de contas a receber, cadastro de clientes, controle de situação creditícia de clientes, prazos, entre outros. Faturamento. Módulo que apóia a emissão e controle de faturas e duplicatas emitidas e apóia também as receitas fiscais referentes à venda de produtos.

19 18 Recebimento Fiscal. Módulo que apóia as transações fiscais referentes ao recebimento de materiais. Contabilidade Fiscal. Módulo que apóia as transações da empresa em seus aspectos de necessidade de cumprimento de requisitos legais (manutenção de livros fiscais etc.). Gestão de Caixa. Módulo financeiro de apoio à gestão (planejamento e controle) dos encaixes e desencaixes da empresa. Gestão de Ativos. Módulo que apóia o controle de ativos (aquisição, manutenção, baixas) da empresa. Gestão de Pedidos. Módulo de apoio a administração dos pedidos dos clientes. Aprovação de crédito, controle de datas, entre outros. Pessoal. Controla o efetivo de pessoal da empresa, tratando aspectos como centros de custo no qual os funcionários, programação de férias, currículos, programação de treinamento, avaliações, entre outros. Folha de Pagamentos. Controla a folha de salários dos funcionários da empresa. Estes módulos trabalham de forma interligada pelo sistema ERP, integrando as diversas áreas da empresa. Figura 3 Integração pelo ERP Fonte: Adaptado de Norris, 2001

20 Benefícios da implantação do ERP De acordo com Filho (2001), benefícios são oportunidades exploradas. A natureza relativamente uniforme dos sistemas ERP permite estabelecer listas de oportunidades costumeiramente associadas à sua implantação. Tabela 2 - Benefícios Tangíveis Benefício Ocorrência Redução de estoques 32% Redução de pessoal 27% Aumento de produtividade 26% Redução de tempo de ciclo de ordens 20% Redução de tempo de ciclo de fechamento contábil/financeiro 19% Redução de custos em TI 14% Melhorias em processos de suprimentos 12% Melhorias na gestão de caixa 11% Aumentos em receitas/lucros 11% Melhorias em transportes/logísticas 9% Melhorias em processos de manutenção 7% Entrega no prazo 6% Fonte: Filho, 2001 Tabela 3 - Benefícios Intangíveis Benefício Ocorrência Informação/visibilidade 55% Melhorias em processos de negócios 24% Melhorias em atendimento ao cliente 22% Integração de processos 13% Padronização de processos 12% Flexibilidade 9% Globalização 9% Fonte: Filho, 2001 Podemos retirar dos sistemas ERP uma enorme quantidade de dados referentes aos processos de uma empresa. Dentre eles, dados relativos ao estoque: inventários, níveis de estoque, curvas ABC de vendas. Munidos destes dados, que o sistema dispõe em forma de relatórios, podemos então, definir uma adequada estratégia de gestão de estoques.

21 GESTÃO DOS ESTOQUES Um objetivo primário do gerenciamento de estoque é garantir que o produto esteja disponível no tempo e nas quantidades necessárias, (BALLOU, 2006) Lote de Reposição ou de Ressuprimento De acordo com Corrêa (1997), o modelo de ponto de reposição funciona da seguinte forma: todas as vezes que determinada quantidade do item é retirada do estoque, verificam-se a quantidade restante. Se esta quantidade restante é menor que a quantidade predeterminada (chamada de ponto de reposição ), compramos determinada quantidade chamada de lote de ressuprimento. O fornecedor leva determinado tempo (chamado tempo de ressuprimento ou lead time) até que possa entregar a quantidade pedida, ressuprindo o estoque. Segundo Tubino (2000), a determinação do tamanho dos lotes de compra é obtida através da análise dos custos que estão envolvidos no sistema de reposição e de armazenagem dos itens. O melhor lote de reposição, conhecido como lote econômico, é aquele que consegue minimizar os custos totais Custos relacionados ao tamanho dos lotes Segundo Tubino (2000), existem três componentes de custos associados ao processo de reposição e armazenagem dos itens: os custos diretos, os custos de manutenção de estoques e os custos de preparação para reposição. O comportamento destes custos irá definir qual o tamanho do lote econômico adequado ao processo de reposição e armazenagem do item. Custo direto: Segundo Tubino (2000), é aquele incorrido diretamente com a compra do item. É proporcional a demanda para o período e aos custos unitários do item. Já Ballou (2006), chama o custo direto de custo de aquisição de mercadorias para a reposição dos estoques. onde: CD = Custo direto do período; CD = D. C

22 21 D = Demanda do item para o período; C = Custo unitário de compra do item. Custo de Preparação: Segundo Arnold (1999), é o custo referente às tarefas de preparação e de execução de reposição. De acordo com Tubino (2000), são todos aqueles custos referentes ao processo de reposição do item pela compra do lote de itens. Fazem parte destes custos os seguintes elementos: mão-de-obra para emissão e processamento das ordens de compra, materiais e equipamentos utilizados para a confecção das ordens, custos indiretos do departamento de compras, como luz, telefone, aluguéis etc.. O custo de preparação é proporcional ao custo de uma preparação de compra ou de fabricação do item ao número de vezes em que este item foi requerido durante o período do planejamento. CP = N. A Como Tem-se que: N = D/Q CP = (D/Q). A onde: CP = Custo de preparação do período; N = Número de pedidos de compra durante o período; Q = Tamanho do lote de reposição A = Custo unitário de preparação Custo de manutenção dos estoques: Segundo Tubino (2000), são aqueles custos decorrentes do fato do sistema produtivo necessitar manter itens em estoque para o seu funcionamento. Isto implica numa série de custos, tais como: mão-de-obra para armazenagem e movimentação dos itens, aluguel, luz, seguro, telefone, sistemas computacionais e equipamentos de almoxarifado, custos de deterioração e obsolescência dos estoques, e, principalmente, o custo do capital investido. O custo de manutenção dos estoques é proporcional à quantidade de estoques médio do período de planejamento, ao custo unitário do item, e à taxa de encargos financeiros que incidem sobre os estoques.

23 22 De acordo com Ballou (2006), são aqueles resultantes do armazenamento, ou propriedade, de produtos durante um determinado período, proporcionais às medias das quantidades de mercadorias disponíveis. CM = Qm. C. I onde: CM = Custo de manutenção de estoques do período; Qm = Estoque médio durante o período; I = Taxa de encargos financeiros sobre os estoques. A taxa de encargos financeiros sobre os estoques é quantificada em termos de percentagem, e pode ser obtida dividindo-se os custos totais que incidem sobre a manutenção dos estoques no sistema produtivo pelo valor do estoque médio mantido no período de planejamento. A partir da definição destes três custos, podemos obter uma equação para o custo total do sistema: CT = CD + CP + CM CT = D. C + [(D/Q). A] + Qm. C. I Outra importante decisão importante na gestão de estoques é a definição dos pontos de pedido Controle de estoques por ponto de pedido Segundo Ballou (2006), o controle de estoques por ponto de pedido presume que a demanda é perpétua e age continuamente sobre o estoque para reduzir seu nível. Quando o estoque é reduzido ao ponto em que sua quantidade se mostra igual ou menor do que o nível chamado de ponto de pedido, uma quantidade econômica de pedido é lançada na fonte de suprimento para repor o estoque. Segundo Tubino (2000), o modelo de controle de estoques por ponto de pedido consiste em estabelecer uma quantidade de itens em estoque, chamada de ponto de pedido ou

24 23 de reposição, que, quando atingida, dá partida ao processo de reposição do item em uma quantidade preestabelecida. Conforme observado na Figura 4, o estoque fica separado em duas partes: uma parte é para ser usada totalmente até a data de encomenda de um lote de reposição, a outra parte é para ser usada entre a data da encomenda e a data de recebimento do lote. Figura 4 Demonstração Gráfica de Ponto de Pedido Fonte: Ballou, Estoques de Segurança Segundo Tubino (2000), estoques projetados para absorver as variações no próprio tempo de ressuprimento, dado que é apenas durante este período que os estoques podem acabar e causar problemas no fluxo produtivo. Quanto maiores forem estas variações, maiores deverão ser os estoques de segurança do sistema. Na realidade, os estoques de segurança agem como amortecedores para erros associados ao lead time interno ou externo dos itens. Estes erros fazem com que os tempos de ressuprimento das demandas sejam muito variáveis, impossibilitando o funcionamento do modelo de controle de estoques sem segurança. Grande parte das literaturas que tratam de gestão de estoques, fazem uma analogia à programação e controle da produção. Porém também podemos associar estas literaturas de gestão de estoques ao universo atacadista. Lotes de reposição são lotes calculados e predeterminados a repor parte de estoque faltante em um depósito. Podemos calcular estes lotes de modo que eles venham a consumir o mínimo possível de recursos financeiros da

25 24 empresa. O ponto de pedido dá início ao processo de compra do lote de reposição e os estoques de segurança agem de modo a absorver alguma possível variação brusca da demanda.

26 25 3. METODOLOGIA O universo desta pesquisa é o atacadista na área de embalagens industriais. Abrange nele todo o processo de um pedido de venda de mercadorias até a expedição do lote referente a este pedido. Para o desenvolvimento desta pesquisa, foi utilizada a empresa de distribuição de embalagens industriais onde o pesquisador já trabalha baseando-se nos seguintes critérios: Acesso às informações; Elevado número de mercadorias em seu portfólio; Elevado número de pedidos diários; A metodologia utilizada será a do tipo estudo de caso, onde serão coletados os dados do processo atual de atendimento às necessidades do cliente pela empresa estudada e serão analisadas propostas de alterações da situação atual para a melhoria do processo. Foram utilizadas duas formas de coleta de informações, através de documentação direta e indireta. A documentação direta foi feita através de entrevistas com o diretor, com os funcionários e também através da coleta de dados feita diretamente no fluxo operacional do processo. A documentação indireta foi obtida através de pesquisa bibliográfica, onde se buscou fundamentar teoricamente a proposta apresentadas nesta pesquisa. Após a coleta dos dados foram analisadas três propostas de melhorias da situação atual do processo operacional da empresa, cada proposta apoiada na fundamentação teórica através da pesquisa de documentação indireta, levando em consideração os seguintes aspectos. Melhoria de processo através do ciclo PDCA; Implantação de um sistema ERP; A gestão dos estoques.

27 26 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA Histórico e Perfil Fundada em 17 de setembro de 2003 a empresa surgiu decorrente da falta de concorrência no ramo de embalagens na região de Joinville, o que deixava uma janela no mercado. Apenas no segundo ano de sua existência já absorvia 25% da fatia do mercado da região. Hoje esta participação se encontra em torno de 35%. Atuante tanto no varejo quanto no atacado, a empresa tem em seu portfólio uma vasta linha de embalagens industriais e alimentícias. Como varejista possui loja e como atacadista, carros para a distribuição das mercadorias do seu portfólio Organograma Figura 5 Organograma da empresa Fonte: Primária, 2010

28 Etapas do Fluxo Operacional da Empresa Tabela 4 Etapas do Fluxo Operacional da Empresa Descrição Profissional Receber Pedido Vendedores Negociar Forma de Pagamento Vendedores Analisar Crédito Financeiro Verificar Nível de Estoque Estoquista Faturar Faturista Montar Lote Estoquista Expedir Estoquista Solicitar Fornecimento Comprador Fonte: Primária, 2010 Receber pedidos: etapa focada no atendimento aos clientes, primeira a entrar em contato com os mesmos. Negociar forma de pagamento: etapa onde o poder de barganha junto ao cliente é realizado, considerando que a negociação com a forma de pagamento é realizada neste estágio. Tem como objetivo alinhar as expectativas de pagamento do cliente com os desejos de lucro da empresa. Analisar crédito: levantamento sobre o risco do financiamento de mercadorias ao cliente, a fim de garantir o fluxo de caixa da empresa. Verificar Nível de Estoque: etapa onde se verifica a disponibilidade do produto requisitado pelo cliente no estoque. O estoquista faz uma análise in loco para verificar a disponibilidade do produto. Faturar: após receber a garantia da disponibilidade do produto em estoque pelo estoquista, o faturista emite uma nota fiscal referente ao pedido do cliente. Montar lote: com a nota fiscal em mãos, o estoquista separa as mercadorias e as disponibiliza montadas em lotes. Expedir: encaminhar as mercadorias solicitadas ao cliente.

29 Fluxograma Operacional Atual Fluxograma Operacional Atual da Empresa Vendas Financeiro Depósito Compras Início Receber pedido de Compra Analisar Crédito Negociar Forma de pagamento Aprovado? Sim Verificar Estoque Não Sim Possui Estoque? Não Solicitar Fornecimento Faturar Aguardar Reposição Montar Lote Expedir Fim Figura 6 Fluxograma Operacional Atual da Empresa Fonte: Primária, 2010

30 Rede PERT do Fluxo Operacional Atual Tabela 5 Atividades do Fluxo Operacional Atual da Empresa Atividade Descrição Dependência Duração (Min.) A Receber Pedido - 1 B Analisar Crédito A 5 C Negociar Forma Pagamento B 4 D Verificar Estoque B 10 E Solicitar Fornecimento D 5 F Aguardar Reposição E 1440 G Faturar D; F 2 H Montar Lote G 10 I Expedir H 5 Fonte: Primária, 2010 D A 1; B 5; D 10; E 5; G 2; H 10; I 5; F C 4: F 1440; Figura 7 Rede PERT do Fluxo Operacional Atual da Empresa Fonte: Primária, 2010 Como podemos observar, após traçarmos a Rede PERT do fluxo operacional atual da empresa. O tempo total, nos casos mais extremos, desde o processo Receber Pedido até o processo Expedir, pode chegar até a 1478 minutos (aproximadamente três dias). Baseado na demonstração destes dados, podemos agora relatar os problemas encontrados no fluxo operacional atual da empresa.

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros.

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. 7 Conclusão O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. A presente dissertação, conforme exposto no Capítulo 1,

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS RONALDO RODRIGUES PEREIRA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS RONALDO RODRIGUES PEREIRA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS RONALDO RODRIGUES PEREIRA ANÁLISE E PROPOSTA DE REDUÇÃO DO LEAD TIME DE ATENDIMENTO

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

Observação: As caixas em vermelho representam módulos adicionais.

Observação: As caixas em vermelho representam módulos adicionais. Fenícia Gestão ERP Introdução O FENÍCIA GESTÃO ERP é uma solução integrada, personalizável, de gerenciamento corporativo, que se destaca pela sua robustez aliada ao alto grau de tecnologia e conhecimento

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO GESTÃO DE ESTOQUE - 1 - Jéssica Taiani do Amaral - jessicataiani@hotmail.com Laurinda Oliveira Dourado - RESUMO A gestão de estoques é um assunto vital e, freqüentemente, absorve parte substancial do orçamento

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP Módulo MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. COMERCIAL ADMINISTRATIVA FINANCEIRA PEDIDOS EXPORTAÇÃO CONTAS A RECEBER TELEMARKETING

Leia mais

FENICIA GESTÃO ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa)

FENICIA GESTÃO ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) FENICIA GESTÃO ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) O FENÍCIA GESTÃO ERP é uma solução integrada, personalizável, de gerenciamento corporativo, que se destaca pela sua

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais QUESTÕES DE CONCURSOS Acerca de planejamento e controle da produção, e gestão da cadeia de suprimentos, julgue os seguintes itens. 01. A importância do planejamento da produção decorre principalmente da

Leia mais

Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP

Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP Autores Adriana Gimenes Patreze Jose Roberto Soares Ribeiro 1. Introdução Esta pesquisa diagnosticou a gestão de estoques no

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a utilização da classificação ABC no gerenciamento do estoque

Leia mais

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística - TLO 2005/1 Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística 1 DADOS LEGAIS: Reconhecido pela Portaria MEC 134 de

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS Índice 1. Programação de materiais...3 2. Compras...4 2.1. Análise das OCs recebidas... 4 2.2. Pesquisa, identificação

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

Responda as questões. (Passe as respostas para o gabarito. Total de pontos no caso de

Responda as questões. (Passe as respostas para o gabarito. Total de pontos no caso de Campus Marquês - SP Atividades para NP2 Curso: Semestre: Turma: Disciplina: Tec. Aplicada a Segurança Professor: Fragoso Aluno (a): RA: GABARITO - 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 Responda

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br Maio -2013 Bibliografia básica LAUDON,

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR José Neto Aristides da Silva Graduando em Logística pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil jneto12@gmail.com José Claudio de Souza Lima Mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E CADEIA DE SUPRIMENTOS I Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Tomar contato com os tipos de informação relevantes na Cadeia de Suprimentos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Caso Big Box - 402 Norte. Processamento de Pedidos

Caso Big Box - 402 Norte. Processamento de Pedidos Universidade de Brasília UnB Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação FACE Departamento de Administração ADM Disciplina: Logística Empresarial Grupo: Marrom

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa

Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa mais ágil, com menos papel e mais resultados. 2 ÍNDICE

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Informação

Conceitos de Sistemas de Informação Conceitos de Sistemas de Informação Prof. Miguel Damasco AEDB 1 Objetivos da Unidade 1 Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar

Leia mais

E&L ERP Almoxarifado

E&L ERP Almoxarifado Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução: Prevendo todas as rotinas necessárias ao bom funcionamento da administração de materiais, o produz automaticamente as médias

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados.

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados. 17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo 1 A Missão da R-Dias Colaborar para que o varejo obtenha melhores resultados. 2 Conheça nossas Unidades de Negócios 3 17 Anos Gerando Soluções

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

Sistemas de Produção. Administração de Compras. José Roberto de Barros Filho

Sistemas de Produção. Administração de Compras. José Roberto de Barros Filho Sistemas de Produção Administração de Compras José Roberto de Barros Filho Compras e o Planejamento e Controle da Produção Planejamento da Produção nos 3 níveis Planejamento Estratégico da Produção Departamento

Leia mais

Objetivos da Produção

Objetivos da Produção Objetivos da Produção Aula 3 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Objetivos da aula 1. Apresentar os objetivos e estratégias da produção 2 Produção: É o processo de obtenção de qualquer

Leia mais

Indicadores de Desempenho Logístico

Indicadores de Desempenho Logístico Indicadores de Desempenho Logístico Lívia B. Ângelo, liviabangelo@hotmail.com 1. Estratégia X Indicadores de Desempenho As estratégias servem como guia para as empresas desenvolverem e utilizarem recursos

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque.

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque. IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA CONTROLE DE ESTOQUE Estudo de caso em uma Fábrica de Ração Wemerson de Freitas Borges 1 Prof. Ms. Jordânia Louse Silva Alves 2 RESUMO No Brasil, a gestão de estoques é um

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio 440mil pequenos negócios no Brasil, atualmente, não utilizam nenhuma ferramenta de gestão, segundo o Sebrae Varejo 2012 27% 67% de comerciantes que não possuíam computadores dos que possuíam utilizavam

Leia mais

Prezado empreendedor,

Prezado empreendedor, Prezado empreendedor, Caderno do Empreendedor Este é o Caderno do Empreendedor, criado para facilitar o dia-a-dia da sua empresa. Com ele você poderá controlar melhor suas despesas, saber quanto está vendendo

Leia mais

Gestão de Estoques. Leader Magazine

Gestão de Estoques. Leader Magazine Gestão de Estoques Leader Magazine Maio 2005 Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Objetivos Implementar e Controlar todos os processos de Compra

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

KANBAN (capítulo 13)

KANBAN (capítulo 13) KANBAN (capítulo 13) O sistema kanban foi desenvolvido na Toyota Motor Company por Taiichi Ohno e Sakichi Toyoda e ficou conhecido dentro do Sistema Toyota de Produção, como um sistema de combate ao desperdício.

Leia mais

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS PROVA DE EIXO - REGULAR CURSOS: ADMINISTRAÇÃO Disciplina: Gestão de Operações IV Duração: 1h30 90 minutos Professor: Número de questões: 20 Data: 12/06/2010 Nota: Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS 1. A prova

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM José Henrique Garrido de Lima 1 Ronaldo Ribeiro de Campos 2 Nas últimas

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

ERP ERP MRP. Page 1. Visão Funcional. Visão de Materiais: Compras Estoque

ERP ERP MRP. Page 1. Visão Funcional. Visão de Materiais: Compras Estoque ERP Visão Funcional ERP Visão de Materiais: Compras Estoque MRP Parâmetros: Estoque de Segurança Lead time Fornecedor Lead time Compras Ponto de Reabastecimento Previsão de Consumo Previsão de Vendas Planejamento

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING

SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCEES PLANNING O ERP (Planejamento de Recursos Empresariais) consiste num sistema interfuncional que tem por missão integrar e automatizar

Leia mais

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento Completem o DHF Melhoria Continua e Teste As Organizações como Sistemas Abertos As organizações estão em um constante estado de fluxo. AMBIENTE Estagio de

Leia mais

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas:

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas: e-ppcp / e-kanban 1 O que é e-ppcp? O e-ppcp é um aplicativo desenvolvido em ABAP/4 pela IntegrationSys para adicionar ao ERP SAP funcionalidades para suportar efetivamente o planejamento e operação de

Leia mais

6 Implantação do WMS na Empresa Alfa

6 Implantação do WMS na Empresa Alfa 6 Implantação do WMS na Empresa Alfa Dando continuidade ao estudo de caso sobre a implantação do WMS no CD da Empresa Alfa, este capítulo possui quatro objetivos: o primeiro é fazer uma breve descrição

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO NA LOGÍSTICA E O USO DE SOFTWARE DE CONTROLE LOGÍSTICO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO NA LOGÍSTICA E O USO DE SOFTWARE DE CONTROLE LOGÍSTICO 1 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO NA LOGÍSTICA E O USO DE SOFTWARE DE CONTROLE LOGÍSTICO Jéssica Weber * Letícia Muskopf ** Viviane Cristine Fries *** RESUMO Este artigo tem como objetivo mostrar como

Leia mais