UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS ERNO WELZEL NETO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS ERNO WELZEL NETO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS ERNO WELZEL NETO ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSO EM UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DE EMBALAGENS INDUSTRIAIS JOINVILLE SC 2010

2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS ERNO WELZEL NETO ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSO EM UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DE EMBALAGENS INDUSTRIAIS Trabalho de graduação apresentado ao curso de Engenharia de Produção e Sistemas da Universidade do Estado de Santa Catarina, como requisito parcial para a obtenção do título de Engenheiro de Produção e Sistemas. Orientador: Adalberto José Tavares Vieira JOINVILLE SC 2010

3 ERNO WELZEL NETO ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSO EM UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DE EMBALAGENS INDUSTRIAIS Trabalho de Graduação aprovado como requisito parcial para a obtenção do título de Engenheiro do curso de Engenharia de Produção e Sistemas da Universidade do Estado de Santa Catarina. Banca Examinadora: Orientador: Adalberto José Tavares Vieira Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Membro: Fernando Natal de Pretto Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Membro: Gerson Volney Lagemann Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Joinville, 16 de novembro de 2010.

4 "O pessimista se queixa do vento, o otimista espera que mude, o realista ajusta as velas" William Ward

5 AGRADECIMENTOS Agradeço ao apoio, incentivo e compreensão, durante o período de aulas de graduação e de trabalho de conclusão de curso, dos meus pais, Norberto Welzel e Silvia Terezinha Dutra Santos e à minha noiva Telma Maiara Riffel. Aos amigos que me apoiaram. Aos meus colegas de curso que fizeram com que esta etapa fosse mais prazerosa. Ao orientador Adalberto Tavares Vieira, pela contribuição e disponibilidade.

6 ERNO WELZEL NETO ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSO EM UMA EMRPESA DE DISTRIBUIÇÃO DE EMBALAGENS INDUSTRIAIS RESUMO Este estudo tem como objetivo analisar propostas de melhoria de processo, baseado no fluxo operacional, de uma empresa de distribuição de embalagens industriais. Atualmente a empresa sofre com diversos problemas de processo: atraso nas entregas devido a um fluxograma mal organizado, a eventual falta de produtos em seu depósito, ociosidade em parte de sua mão-de-obra e a falta de controle de nível de estoque de mercadorias. As análises de propostas de melhoria foram apoiadas em três aspectos: a reestruturação do fluxograma operacional da empresa, a implantação de um sistema ERP e a definição de uma política de gestão de estoques. Primeiramente foram analisadas as propostas de algumas alterações no fluxograma operacional, após essas alterações foi analisada a proposta de implantação de um sistema ERP visando a integração entra as áreas da empresa. Ainda buscando sanar os problemas que ocorrem na empresa foi analisada também a definição de uma política de gestão de estoques visando uma maior eficiência financeira dos estoques, usando o sistema ERP para definir pontos de pedido e calcular lotes econômicos. PALAVRAS-CHAVE: Melhoria de processo, Sistema ERP, Gestão de Estoques.

7 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Ciclo PDCA Figura 2 Trajetória da Melhoria Contínua Figura 3 Integração pelo ERP Figura 4 Demonstração Gráfica de Ponto de Pedido Figura 5 Organograma da empresa Figura 6 Fluxograma Operacional Atual da Empresa Figura 7 Rede PERT do Fluxo Operacional Atual da Empresa Figura 8 Modelo de Pedido Firme Gerado por sistema MRP do Cliente Figura 9 Primeira Proposta de Alteração do Fluxo Operacional Figura 10 Segunda Proposta de Alteração do Fluxo Operacional Figura 11 Rede PERT da Situação Futura do Fluxo Operacional da Empresa... 37

8 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Ações e Ferramentas do Ciclo PDCA Tabela 2 - Benefícios Tangíveis Tabela 3 - Benefícios Intangíveis Tabela 4 Etapas do Fluxo Operacional da Empresa Tabela 5 Atividades do Fluxo Operacional Atual da Empresa Tabela 6 Atividades da Situação Futura do Fluxo Operacional da Empresa... 37

9 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA MELHORIA DE PROCESSOS O PDCA O SDCA SISTEMA ERP Definição Módulos disponíveis na maioria dos ERPs Benefícios da implantação do ERP GESTÃO DOS ESTOQUES Lote de Reposição ou de Ressuprimento Custos relacionados ao tamanho dos lotes Controle de estoques por ponto de pedido Estoques de Segurança METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA Histórico e Perfil Organograma Etapas do Fluxo Operacional da Empresa Fluxograma Operacional Atual Rede PERT do Fluxo Operacional Atual ANÁLISE DA SITUAÇÃO ATUAL Identificação do Problema PROPOSTA DE MELHORIA O Processo A Implantação de um Sistema ERP Rede PERT da Situação Futura A Gestão dos Estoques DISCUSSÃO Resultados Esperados... 38

10 4.4.2 Oportunidades de Trabalhos Futuros CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 41

11 10 1. INTRODUÇÃO A crescente competitividade do mercado, independente do ramo em que focarmos nossos estudos, é evidente entre as organizações nos dias de hoje. Para a sobrevivência de nossas organizações é preciso sempre pensar em um diferencial competitivo. A busca pela excelência, baseada na melhoria contínua, é um dos pontos chave para a manutenção destas organizações no mercado globalizado. O problema da empresa estudada nesta pesquisa é a grande quantidade de empresas, do mesmo ramo, inseridas no mercado da região. O trabalho de pesquisa tem como objetivo geral propor melhorias que levem a empresa a ter um diferencial em relação às empresas concorrentes no mercado. Já os objetivos específicos são: Demonstrar a situação atual da empresa, através de fluxograma e rede PERT; Discutir a situação atual e propor melhorias; Analisar as vantagens da implantação de um sistema ERP na empresa, propondo uma integração; Analisar as vantagens de utilizar uma política de gestão de estoques. A melhoria do processo atual apoiada pela implantação de um sistema ERP e por uma nova estratégia de gestão de estoques fará com que os problemas internos atuais da empresa como atraso nas entregas, que ocorrem devido a um fluxo operacional mal planejado, freqüentes faltas de mercadorias em estoque, mão-de-obra ociosa, entre outros, sejam sanados. Este trabalho delimata-se a propor melhorias apenas do momento em que o cliente coloca seu pedido até o momento da expedição, deixando ainda para um estudo posterior propostas de melhorias na logística de distribuição e confiabilidade de fornecedores. Este trabalho também não definirá tamanhos de estoques, lotes de reposição, estoques de segurança e lotes econômicos pelo fato da empresa não dispor de dados suficientes para o calculo de definição destes itens. Será feita apenas a análise de utilização de uma estratégia de estoque após a implantação de um sistema ERP.

12 11 No primeiro capítulo deste trabalho serão apresentados a caracterização do tema, definição do problema, objetivos geral e específicos, justificativa, delimitação do tema e estrutura do trabalho. O segundo capítulo traz a fundamentação teórica dos assuntos abordados que serão a melhoria de processos usando o ciclo PDCA, a implantação de um sistema ERP e a definição de uma política de estoques apoiada em ponto de pedido e lotes econômicos. O terceiro capítulo demonstra a metodologia utilizada na pesquisa. O quarto capítulo trata da breve apresentação da empresa estudada, sua situação atual onde serão demonstrados os problemas que ocorrem devido ao atual fluxo operacional da empresa. Ainda neste capítulo, serão analisadas as propostas de situação futura após a melhoria de processo, implantação de um sistema ERP e definição de uma adequada política de gestão de estoques e os possíveis resultados obtidos. O quinto e último capítulo apresenta as considerações finais da pesquisa e algumas sugestões de melhorias futuras.

13 12 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 MELHORIA DE PROCESSOS Diante da grande concorrência existente no mercado, é crucial para a manutenção de nossas organizações, a melhoria continua de nossos processos e serviços prestados. Uma eficiente ferramenta de melhoria contínua, que pode ser usada independente da área de atuação da empresa é o ciclo PDCA que visa analisar, propor e executar melhorias em um processo. Depois de testada e comprovada a melhoria do processo é preciso manter, padronizar tal melhoria, para isso é utilizado o ciclo SDCA O PDCA Segundo Rodrigues (2010), o PDCA busca monitorar com eficácia a gestão dos processos produtivos, através do diagnóstico das situações indesejáveis e da conseqüente busca de soluções, que devem ser precedidas de uma definição e de um planejamento adequado do processo. Segundo Werkema, Aguiar (1996), o Ciclo PDCA é um método gerencial para agregar valor, ou seja, para atingir valor. Figura 1 Ciclo PDCA Fonte: Rodrigues, 2010

14 13 PDCA é uma sigla que significa: 1. P Plan Planejar Esta etapa consiste em: Estabelecer metas; Estabelecer o método para alcançar as metas propostas 2. D Do Executar Executar as tarefas exatamente como foi previsto na etapa de planejamento e coletar dados que serão utilizados na próxima etapa de verificação do processo. Na etapa de execução são essenciais a educação e o treinamento no trabalho. 3. C Check Verificação A partir dos dados coletados na execução, comparar o resultado alcançado com a meta planejada. 4. A Act Atuação Corretiva Etapa que consiste em atuar no processo em função dos resultados obtidos. Existem duas formas de atuação possíveis: Adotar como padrão o plano proposto, caso a meta tenha sido alcançada. Agir sobre as causas do não-atingimento da meta, caso o plano não tenha sido efetivo.

15 14 Tabela 1 Ações e Ferramentas do Ciclo PDCA Ciclo PDCA Ações para Otimização dos Processos Ferramentas P Selecionar a oportunidade de melhorias Criar uma lista de oportunidades. Garantir que não omitiu alguma relevante. Avaliar e escolher a mais importante. Identificar os requisitos dos clientes Identificar quem são os clientes desse processo. Conhecer e analisar suas exigências. Identificar o problema Verificar as causas. Identificar as causa prioritárias. Verificar qual o desvio entre a situação real e a desejada. Recolher dados Desenhar o fluxograma. Selecionar os indicadores. Recolher dados para análise. Identificar as causas Elaborar o diagrama causa-efeito. Selecionar as causa mais prováveis. Procurar soluções Identificar quem são os clientes desse processo. Procurar as soluções potenciais. Fluxograma Lista de Verificação Histograma Gráficos de Controle Diagrama de Pareto Matriz de Prioridade Brainstorming Diagrama de Causa e Efeito Diagrama de Concentração Diagrama Seta Diagrama Árvore Diagrama de Afinidades. Diagrama de Relações Diagrama Matriz D Prepara o plano de implementação Estabelecer objetivos de melhoria. Preparar o plano de ação. Identificar os pontos de controle. Capacitar Educar. Treinar. Lista de Verificação Histograma Gráficos de Controle C Implementar a solução Executar o plano e implementar a solução. Avaliar os resultados obtidos Medir o desvio entre os resultados obtidos e planejados. Identificar os benefícios. Fluxograma Carta de Controle Diagrama de Pareto Diagrama de Dispersão Identificar as causas dos desvios Onde falhou o planejamento? Por quê?

16 15 A Implementar as ações corretivas Introduzir as modificações ao plano. Aplicar a solução encontrada Mudar para o novo processo. Torná-lo permanente. Rever os procedimentos. Gráficos de Controle Reengenharia Benchmarking Programa 5S Refletir O que aprendeu? Qual o novo ponto de partida para a nova melhoria? Fonte: Adaptação de Werkema, Aguiar, O SDCA Segundo Werkema, Aguiar (1996), o SDCA representa como devemos trabalhar para manter o resultado desejado. Segundo Rodrigues (2010), quando o processo atingir o padrão esperado, deve-se manter este padrão nos próximos ciclos, ou seja, troca-se o P (Plan) pelo S (Standardize/Padrão/Padronizar). Figura 2 Trajetória da Melhoria Contínua Fonte: Adaptado de Rodrigues, 2010

17 16 Para uma efetiva melhoria de processo dentro das empresas, precisamos melhorar o processo como um todo, não apenas pontualmente. Precisamos fazer a integração destes processos de alguma forma. Uma boa sugestão para a integração de processos é a implantação de sistema ERP. 2.2 SISTEMA ERP ERP é uma abordagem estruturada para a otimização da cadeia de valor interna de uma empresa. O que o ERP realmente faz é organizar, codificar e padronizar os processos e dados de negócio de uma empresa. O software transforma dados transacionais em informação utilizável e agrupa esses dados de forma que possam ser analisados. Dessa forma, todos os dados transacionais coletados transformam-se em informação que pode ser empregada pelas empresas para apoiar decisões de negócio, (NORRIS et al., 2001) Definição Segundo Filho (2001), não há uma definição precisa e inquestionável do que seja um sistema ERP. Ele considera-o um software aplicativo que permite às empresas: Automatizar e integrar parcela substancial de seus processos de negócios, abrangendo finanças, controles, logística (suprimentos, fabricação e vendas) e recursos humanos; Compartilhar dados e uniformizar processos de negócios; Produzir e utilizar informações em tempo real. Segundo Corrêa (1997), um sistema dito ERP tem a pretensão de suportar todas as necessidades de informação para a tomada de decisão gerencial de um empreendimento como um todo. Em uma tradução livre, Enterprise Resource Planning poderia significar Planejamento de Recursos da Corporação. Para a eficiência do fluxo de informações, existem no sistema ERP vários módulos.

18 Módulos disponíveis na maioria dos ERPs Segundo Corrêa (1997), hoje, embora com diferenças de nomenclatura, os ERPs mais avançados possuem módulos integrados (o que significa integração e qual o grau de integração são as perguntas pertinentes) que abrangem o seguinte escopo: Previsões/Análises de Vendas. Auxilia a função de previsão de vendas da empresa. Em geral, esses módulos trazem alguns modelos matemáticos simples para correlações e extrapolações como médias móveis, amaciamento exponencial e correlações por mínimos quadrados. É necessário estar atento para o fato de que o uso de uma técnica inadequada de previsão de vendas pode trazer mais malefícios que benefícios para o bom funcionamento do sistema ERP. Compras. O módulo de compras visa apoiar informacionalmente o processo decisório da função de suprimentos dentro da empresa. Auxilio a cotações (guardando as condições das ultimas condições das ultimas condições, por fornecedor, por exemplo), emissão e gestão de pedidos de compra, follow-up de compras, manutenção de cadastro de fornecedores acompanhamento de desempenho de fornecedores, acompanhamento de desempenho de compradores. Controle de Estoque. O módulo de controle de estoque apóia a função de controle de inventários. Posições de níveis de estoque, transações de recebimento, transferências, baixas, alocações de materiais, entre outras são apoiadas por este módulo. Contabilidade Geral. Módulo que contempla todas as funções tradicionais necessárias para atender as necessidades da contabilidade geral. Custos. Módulo que apóia a apuração de custos operacionais integrado com os módulos que geram as transações físicas que originam as transações de custos. Contas a Pagar. Módulo que apóia o controle das obrigações e pagamentos devidos pela empresa, cadastro de fornecedores, entre outros. Contas a Receber. Controle de contas a receber, cadastro de clientes, controle de situação creditícia de clientes, prazos, entre outros. Faturamento. Módulo que apóia a emissão e controle de faturas e duplicatas emitidas e apóia também as receitas fiscais referentes à venda de produtos.

19 18 Recebimento Fiscal. Módulo que apóia as transações fiscais referentes ao recebimento de materiais. Contabilidade Fiscal. Módulo que apóia as transações da empresa em seus aspectos de necessidade de cumprimento de requisitos legais (manutenção de livros fiscais etc.). Gestão de Caixa. Módulo financeiro de apoio à gestão (planejamento e controle) dos encaixes e desencaixes da empresa. Gestão de Ativos. Módulo que apóia o controle de ativos (aquisição, manutenção, baixas) da empresa. Gestão de Pedidos. Módulo de apoio a administração dos pedidos dos clientes. Aprovação de crédito, controle de datas, entre outros. Pessoal. Controla o efetivo de pessoal da empresa, tratando aspectos como centros de custo no qual os funcionários, programação de férias, currículos, programação de treinamento, avaliações, entre outros. Folha de Pagamentos. Controla a folha de salários dos funcionários da empresa. Estes módulos trabalham de forma interligada pelo sistema ERP, integrando as diversas áreas da empresa. Figura 3 Integração pelo ERP Fonte: Adaptado de Norris, 2001

20 Benefícios da implantação do ERP De acordo com Filho (2001), benefícios são oportunidades exploradas. A natureza relativamente uniforme dos sistemas ERP permite estabelecer listas de oportunidades costumeiramente associadas à sua implantação. Tabela 2 - Benefícios Tangíveis Benefício Ocorrência Redução de estoques 32% Redução de pessoal 27% Aumento de produtividade 26% Redução de tempo de ciclo de ordens 20% Redução de tempo de ciclo de fechamento contábil/financeiro 19% Redução de custos em TI 14% Melhorias em processos de suprimentos 12% Melhorias na gestão de caixa 11% Aumentos em receitas/lucros 11% Melhorias em transportes/logísticas 9% Melhorias em processos de manutenção 7% Entrega no prazo 6% Fonte: Filho, 2001 Tabela 3 - Benefícios Intangíveis Benefício Ocorrência Informação/visibilidade 55% Melhorias em processos de negócios 24% Melhorias em atendimento ao cliente 22% Integração de processos 13% Padronização de processos 12% Flexibilidade 9% Globalização 9% Fonte: Filho, 2001 Podemos retirar dos sistemas ERP uma enorme quantidade de dados referentes aos processos de uma empresa. Dentre eles, dados relativos ao estoque: inventários, níveis de estoque, curvas ABC de vendas. Munidos destes dados, que o sistema dispõe em forma de relatórios, podemos então, definir uma adequada estratégia de gestão de estoques.

21 GESTÃO DOS ESTOQUES Um objetivo primário do gerenciamento de estoque é garantir que o produto esteja disponível no tempo e nas quantidades necessárias, (BALLOU, 2006) Lote de Reposição ou de Ressuprimento De acordo com Corrêa (1997), o modelo de ponto de reposição funciona da seguinte forma: todas as vezes que determinada quantidade do item é retirada do estoque, verificam-se a quantidade restante. Se esta quantidade restante é menor que a quantidade predeterminada (chamada de ponto de reposição ), compramos determinada quantidade chamada de lote de ressuprimento. O fornecedor leva determinado tempo (chamado tempo de ressuprimento ou lead time) até que possa entregar a quantidade pedida, ressuprindo o estoque. Segundo Tubino (2000), a determinação do tamanho dos lotes de compra é obtida através da análise dos custos que estão envolvidos no sistema de reposição e de armazenagem dos itens. O melhor lote de reposição, conhecido como lote econômico, é aquele que consegue minimizar os custos totais Custos relacionados ao tamanho dos lotes Segundo Tubino (2000), existem três componentes de custos associados ao processo de reposição e armazenagem dos itens: os custos diretos, os custos de manutenção de estoques e os custos de preparação para reposição. O comportamento destes custos irá definir qual o tamanho do lote econômico adequado ao processo de reposição e armazenagem do item. Custo direto: Segundo Tubino (2000), é aquele incorrido diretamente com a compra do item. É proporcional a demanda para o período e aos custos unitários do item. Já Ballou (2006), chama o custo direto de custo de aquisição de mercadorias para a reposição dos estoques. onde: CD = Custo direto do período; CD = D. C

22 21 D = Demanda do item para o período; C = Custo unitário de compra do item. Custo de Preparação: Segundo Arnold (1999), é o custo referente às tarefas de preparação e de execução de reposição. De acordo com Tubino (2000), são todos aqueles custos referentes ao processo de reposição do item pela compra do lote de itens. Fazem parte destes custos os seguintes elementos: mão-de-obra para emissão e processamento das ordens de compra, materiais e equipamentos utilizados para a confecção das ordens, custos indiretos do departamento de compras, como luz, telefone, aluguéis etc.. O custo de preparação é proporcional ao custo de uma preparação de compra ou de fabricação do item ao número de vezes em que este item foi requerido durante o período do planejamento. CP = N. A Como Tem-se que: N = D/Q CP = (D/Q). A onde: CP = Custo de preparação do período; N = Número de pedidos de compra durante o período; Q = Tamanho do lote de reposição A = Custo unitário de preparação Custo de manutenção dos estoques: Segundo Tubino (2000), são aqueles custos decorrentes do fato do sistema produtivo necessitar manter itens em estoque para o seu funcionamento. Isto implica numa série de custos, tais como: mão-de-obra para armazenagem e movimentação dos itens, aluguel, luz, seguro, telefone, sistemas computacionais e equipamentos de almoxarifado, custos de deterioração e obsolescência dos estoques, e, principalmente, o custo do capital investido. O custo de manutenção dos estoques é proporcional à quantidade de estoques médio do período de planejamento, ao custo unitário do item, e à taxa de encargos financeiros que incidem sobre os estoques.

23 22 De acordo com Ballou (2006), são aqueles resultantes do armazenamento, ou propriedade, de produtos durante um determinado período, proporcionais às medias das quantidades de mercadorias disponíveis. CM = Qm. C. I onde: CM = Custo de manutenção de estoques do período; Qm = Estoque médio durante o período; I = Taxa de encargos financeiros sobre os estoques. A taxa de encargos financeiros sobre os estoques é quantificada em termos de percentagem, e pode ser obtida dividindo-se os custos totais que incidem sobre a manutenção dos estoques no sistema produtivo pelo valor do estoque médio mantido no período de planejamento. A partir da definição destes três custos, podemos obter uma equação para o custo total do sistema: CT = CD + CP + CM CT = D. C + [(D/Q). A] + Qm. C. I Outra importante decisão importante na gestão de estoques é a definição dos pontos de pedido Controle de estoques por ponto de pedido Segundo Ballou (2006), o controle de estoques por ponto de pedido presume que a demanda é perpétua e age continuamente sobre o estoque para reduzir seu nível. Quando o estoque é reduzido ao ponto em que sua quantidade se mostra igual ou menor do que o nível chamado de ponto de pedido, uma quantidade econômica de pedido é lançada na fonte de suprimento para repor o estoque. Segundo Tubino (2000), o modelo de controle de estoques por ponto de pedido consiste em estabelecer uma quantidade de itens em estoque, chamada de ponto de pedido ou

24 23 de reposição, que, quando atingida, dá partida ao processo de reposição do item em uma quantidade preestabelecida. Conforme observado na Figura 4, o estoque fica separado em duas partes: uma parte é para ser usada totalmente até a data de encomenda de um lote de reposição, a outra parte é para ser usada entre a data da encomenda e a data de recebimento do lote. Figura 4 Demonstração Gráfica de Ponto de Pedido Fonte: Ballou, Estoques de Segurança Segundo Tubino (2000), estoques projetados para absorver as variações no próprio tempo de ressuprimento, dado que é apenas durante este período que os estoques podem acabar e causar problemas no fluxo produtivo. Quanto maiores forem estas variações, maiores deverão ser os estoques de segurança do sistema. Na realidade, os estoques de segurança agem como amortecedores para erros associados ao lead time interno ou externo dos itens. Estes erros fazem com que os tempos de ressuprimento das demandas sejam muito variáveis, impossibilitando o funcionamento do modelo de controle de estoques sem segurança. Grande parte das literaturas que tratam de gestão de estoques, fazem uma analogia à programação e controle da produção. Porém também podemos associar estas literaturas de gestão de estoques ao universo atacadista. Lotes de reposição são lotes calculados e predeterminados a repor parte de estoque faltante em um depósito. Podemos calcular estes lotes de modo que eles venham a consumir o mínimo possível de recursos financeiros da

25 24 empresa. O ponto de pedido dá início ao processo de compra do lote de reposição e os estoques de segurança agem de modo a absorver alguma possível variação brusca da demanda.

26 25 3. METODOLOGIA O universo desta pesquisa é o atacadista na área de embalagens industriais. Abrange nele todo o processo de um pedido de venda de mercadorias até a expedição do lote referente a este pedido. Para o desenvolvimento desta pesquisa, foi utilizada a empresa de distribuição de embalagens industriais onde o pesquisador já trabalha baseando-se nos seguintes critérios: Acesso às informações; Elevado número de mercadorias em seu portfólio; Elevado número de pedidos diários; A metodologia utilizada será a do tipo estudo de caso, onde serão coletados os dados do processo atual de atendimento às necessidades do cliente pela empresa estudada e serão analisadas propostas de alterações da situação atual para a melhoria do processo. Foram utilizadas duas formas de coleta de informações, através de documentação direta e indireta. A documentação direta foi feita através de entrevistas com o diretor, com os funcionários e também através da coleta de dados feita diretamente no fluxo operacional do processo. A documentação indireta foi obtida através de pesquisa bibliográfica, onde se buscou fundamentar teoricamente a proposta apresentadas nesta pesquisa. Após a coleta dos dados foram analisadas três propostas de melhorias da situação atual do processo operacional da empresa, cada proposta apoiada na fundamentação teórica através da pesquisa de documentação indireta, levando em consideração os seguintes aspectos. Melhoria de processo através do ciclo PDCA; Implantação de um sistema ERP; A gestão dos estoques.

27 26 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA Histórico e Perfil Fundada em 17 de setembro de 2003 a empresa surgiu decorrente da falta de concorrência no ramo de embalagens na região de Joinville, o que deixava uma janela no mercado. Apenas no segundo ano de sua existência já absorvia 25% da fatia do mercado da região. Hoje esta participação se encontra em torno de 35%. Atuante tanto no varejo quanto no atacado, a empresa tem em seu portfólio uma vasta linha de embalagens industriais e alimentícias. Como varejista possui loja e como atacadista, carros para a distribuição das mercadorias do seu portfólio Organograma Figura 5 Organograma da empresa Fonte: Primária, 2010

28 Etapas do Fluxo Operacional da Empresa Tabela 4 Etapas do Fluxo Operacional da Empresa Descrição Profissional Receber Pedido Vendedores Negociar Forma de Pagamento Vendedores Analisar Crédito Financeiro Verificar Nível de Estoque Estoquista Faturar Faturista Montar Lote Estoquista Expedir Estoquista Solicitar Fornecimento Comprador Fonte: Primária, 2010 Receber pedidos: etapa focada no atendimento aos clientes, primeira a entrar em contato com os mesmos. Negociar forma de pagamento: etapa onde o poder de barganha junto ao cliente é realizado, considerando que a negociação com a forma de pagamento é realizada neste estágio. Tem como objetivo alinhar as expectativas de pagamento do cliente com os desejos de lucro da empresa. Analisar crédito: levantamento sobre o risco do financiamento de mercadorias ao cliente, a fim de garantir o fluxo de caixa da empresa. Verificar Nível de Estoque: etapa onde se verifica a disponibilidade do produto requisitado pelo cliente no estoque. O estoquista faz uma análise in loco para verificar a disponibilidade do produto. Faturar: após receber a garantia da disponibilidade do produto em estoque pelo estoquista, o faturista emite uma nota fiscal referente ao pedido do cliente. Montar lote: com a nota fiscal em mãos, o estoquista separa as mercadorias e as disponibiliza montadas em lotes. Expedir: encaminhar as mercadorias solicitadas ao cliente.

29 Fluxograma Operacional Atual Fluxograma Operacional Atual da Empresa Vendas Financeiro Depósito Compras Início Receber pedido de Compra Analisar Crédito Negociar Forma de pagamento Aprovado? Sim Verificar Estoque Não Sim Possui Estoque? Não Solicitar Fornecimento Faturar Aguardar Reposição Montar Lote Expedir Fim Figura 6 Fluxograma Operacional Atual da Empresa Fonte: Primária, 2010

30 Rede PERT do Fluxo Operacional Atual Tabela 5 Atividades do Fluxo Operacional Atual da Empresa Atividade Descrição Dependência Duração (Min.) A Receber Pedido - 1 B Analisar Crédito A 5 C Negociar Forma Pagamento B 4 D Verificar Estoque B 10 E Solicitar Fornecimento D 5 F Aguardar Reposição E 1440 G Faturar D; F 2 H Montar Lote G 10 I Expedir H 5 Fonte: Primária, 2010 D A 1; B 5; D 10; E 5; G 2; H 10; I 5; F C 4: F 1440; Figura 7 Rede PERT do Fluxo Operacional Atual da Empresa Fonte: Primária, 2010 Como podemos observar, após traçarmos a Rede PERT do fluxo operacional atual da empresa. O tempo total, nos casos mais extremos, desde o processo Receber Pedido até o processo Expedir, pode chegar até a 1478 minutos (aproximadamente três dias). Baseado na demonstração destes dados, podemos agora relatar os problemas encontrados no fluxo operacional atual da empresa.

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

Gestão de Estoques. Leader Magazine

Gestão de Estoques. Leader Magazine Gestão de Estoques Leader Magazine Maio 2005 Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Objetivos Implementar e Controlar todos os processos de Compra

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Responda as questões. (Passe as respostas para o gabarito. Total de pontos no caso de

Responda as questões. (Passe as respostas para o gabarito. Total de pontos no caso de Campus Marquês - SP Atividades para NP2 Curso: Semestre: Turma: Disciplina: Tec. Aplicada a Segurança Professor: Fragoso Aluno (a): RA: GABARITO - 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 Responda

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E-

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E- 2014 ÍNDICE 1. Cadastros básicos 2. Módulos básicos (Incluso em todas as versões) CMC BASE 3. Agenda 4. Arquivos 5. Empresas ou Cadastros de empresas 6. Pessoas ou cadastro de pessoas 7. Módulos que compõem

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Sistemas de Indicadores de Desempenho

Sistemas de Indicadores de Desempenho Sistemas de Indicadores de Desempenho Aula 11 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Indicadores Indicadores são formas de representação quantificáveis das características de produtos

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO 1 ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO Solange de Fátima Machado 1 Renato Francisco Saldanha Silva 2 Valdecil de Souza 3 Resumo No presente estudo foi abordada a análise das ferramentas

Leia mais

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros.

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. 7 Conclusão O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. A presente dissertação, conforme exposto no Capítulo 1,

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro Módulo Financeiro Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre todos os itens do Módulo Financeiro. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no todo ou em partes do material

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Para que o trabalho no canteiro de obras flua, a conexão com a área de suprimentos é fundamental. Veja como é possível fazer gestão de suprimentos

Para que o trabalho no canteiro de obras flua, a conexão com a área de suprimentos é fundamental. Veja como é possível fazer gestão de suprimentos Para que o trabalho no canteiro de obras flua, a conexão com a área de suprimentos é fundamental. Veja como é possível fazer gestão de suprimentos estratégica e conectada ao canteiro na construção civil.

Leia mais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais A movimentação de materiais não necessita exatamente ser um setor dentro da organização, na maioria dos casos, é uma tarefa atrelada ao almoxarifado

Leia mais

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart Sistemas ERP Profa. Reane Franco Goulart Tópicos O que é um Sistema ERP? Como um sistema ERP pode ajudar nos meus negócios? Os benefícios de um Sistema ERP. Vantagens e desvantagens O que é um ERP? ERP

Leia mais

MARCA PRÓPRIA. Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria.

MARCA PRÓPRIA. Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria. MARCA PRÓPRIA Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria. Normalmente estas empresas iniciaram suas atividades com uma marca que se consolidou no mercado.

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

TREINAMENTO DTT EXERCÍCIO 2 IDENTIFICANDO RISCOS

TREINAMENTO DTT EXERCÍCIO 2 IDENTIFICANDO RISCOS TREINAMENTO DTT EXERCÍCIO 2 IDENTIFICANDO RISCOS Objetivo Identificar os riscos nos processos descritos No processo de revisão do processo de Compras, necessitamos identificar os principais riscos inerentes

Leia mais

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas 1 Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas Aumentos repentinos no consumo são absorvidos pelos estoques, até que o ritmo de produção seja ajustado para

Leia mais

ITIL V3 (aula 6) AGENDA: A VERSÃO 3 ESTRATÉGIA DO SERVIÇO DESENHO DO SERVIÇO TRANSIÇÃO DO SERVIÇO OPERAÇÃO DO SERVIÇO MELHORIA CONTÍNUA

ITIL V3 (aula 6) AGENDA: A VERSÃO 3 ESTRATÉGIA DO SERVIÇO DESENHO DO SERVIÇO TRANSIÇÃO DO SERVIÇO OPERAÇÃO DO SERVIÇO MELHORIA CONTÍNUA ITIL V3 (aula 6) AGENDA: A VERSÃO 3 ESTRATÉGIA DO SERVIÇO DESENHO DO SERVIÇO TRANSIÇÃO DO SERVIÇO OPERAÇÃO DO SERVIÇO MELHORIA CONTÍNUA ITIL - Livros Estratégia de Serviços (Service Strategy): Esse livro

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

Analista de Negócio 3.0

Analista de Negócio 3.0 Introdução: Você deverá demonstrar viabilidade financeira deste Business Case de uma solução para a melhoria na Gestão do Estoque de Produtos Acabados da empresa CELTA. Conteúdo: 1. Declaração do Problema

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN)

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) SISTEMAS COM ERP Profº Adalberto J. Tavares Vieira ERP

Leia mais

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. GESTÃO DE ESTOQUE 1.1 Conceito de Gestão de estoques Refere-se a decisões sobre quando e quanto ressuprir

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

E&L ERP Almoxarifado

E&L ERP Almoxarifado Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução: Prevendo todas as rotinas necessárias ao bom funcionamento da administração de materiais, o produz automaticamente as médias

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Marcus Fontes

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Marcus Fontes FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Marcus Fontes AULA PASSADA: GESTÃO DE COMPRAS: PROCESSOS DE FORNECIMENTO UMA REVISÃO

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Mastermaq Softwares Há quase 20 anos no mercado, a Mastermaq está entre as maiores software houses do país e é especialista em soluções para Gestão

Leia mais

3 a Lista de Exercícios

3 a Lista de Exercícios Engenharia de Requisitos 3 a Lista de Exercícios (1) Em relação ao levantamento e análise de requisitos, faz-se a seguinte afirmação: Os requisitos de sistema devem ser capturados, documentados e acordados

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil.

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01 PROMOVA A INTEGRAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DE SUA

Leia mais

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido Gestão de Estoques - Premissas Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido EQUILÍBRIO ENTRE ESTOQUE E CONSUMO Paulo Gadas JUNHO-14 1 Gestão de Estoques

Leia mais

TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS

TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS Hoje, mais do que nunca, o conhecimento é o maior diferencial de uma organização, mas somente quando administrado e integrado com eficácia. Para melhor atender os seus

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: obter materiais, agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e disponibilizar os produtos no local e

Leia mais

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015 Sistemas de Administração da Produção Segundo Giannesi & Correia (1993) A sobrevivência e o sucesso das organizações dependem da eficiência com a qual produz seus bens e serviços, sendo os custos determinante

Leia mais

Controle da Cadeia de Suprimentos/Logística. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT

Controle da Cadeia de Suprimentos/Logística. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Controle da Cadeia de Suprimentos/Logística Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Mensuração Auditoria Indicadores de desempenho Relatórios Padrões/ Objetivos Metas de desempenho Correção Ajuste fino Grande

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais