Programas de Auditoria para Contas do Ativo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programas de Auditoria para Contas do Ativo"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Disciplina: Auditoria I Turma: B Professor: Wolney Resende de Oliveira Alunos: Alexandre Gomes 06/06821 Filipe Tolentino de Oliveira 08/49189 Hugo Lopes 05/84142 João Paulo 05/85033 Thiago Balduino Milhomens 05/93851 Programas de Auditoria para Contas do Ativo Brasília,13 de novembro de

2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. DESENVOLVIMENTO CONTAS DO ATIVO AUDITORIA DE CAIXA E BANCOS CONTAS A RECEBER AUDITORIA DE ESTOQUES AUDITORIA DO IMOBILIZADO AUDITORIA DE INVESTIMENTO CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA 24 2

3 1. INTRODUÇÃO Neste trabalho será apresentado o que o auditor faz diante das contas do ativo. Sempre seguindo o objetivo global de um exame de auditoria que é dar aos auditores provas suficientes para fundamentar seu parecer sobre as demonstrações financeiras, em sua totalidade. De modo geral veremos a necessidade da auditoria para as contas do ativo que podemos elencar a exatidão do estoque, confirmação da propriedade, avaliação, dentre outros que afetam substancialmente as demonstrações financeiras. 3

4 2. DESENVOLVIMENTO O Planejamento da Auditoria é muitas vezes denominado Plano de Auditoria, ou Programa de Auditoria. Este é o plano de trabalho a ser executado em campo. Neste serão efetuados procedimentos para a identificação de riscos, será também determinada à estratégia de auditoria e a abordagem de auditoria planejada. O objetivo global de um exame de auditoria é dar aos auditores provas suficientes para fundamentar seu parecer sobre as demonstrações financeiras, em sua totalidade. 2.1 CONTAS DO ATIVO Para a aplicação dos programas de auditoria para as contas do ativo alguns objetivos devem ser atingidos, como: Determinar se foram respeitados os princípios fundamentais de contabilidade; Determinar se as classificações nas demonstrações contábeis foram feitas corretamente e se as informações complementares foram expostas em notas explicativas; Assegurar de que todos os itens contabilizados realmente existem e de que não foi deixado de ser contabilizado nenhum item; Assegurar-se de que as contas a receber são autenticas e se tem origens legais; Apurar se os valores expressos são precisos e corretamente valorizados; Assegurar a existência física dos estoques e a propriedade dos mesmos; O trabalho de auditoria tem que ser planejado de modo que seja feito em diversas tarefas individuais que, uma vez concluídas, se enquadrem na estrutura de um exame abrangente das demonstrações. A organização de um trabalho deve levar em conta o relacionamento existente entre os diversos aspectos operacionais de determinada empresa, vejamos alguns exemplos: A auditoria dos estoques pode ser concatenada com a de compras, contas a pagar e custo de mercadorias vendidas; 4

5 O exame de contas a receber, muitas vezes, se faz em coordenação com a auditoria de vendas e recebimentos de Caixa e Bancos; A auditoria do capital deve ser feita juntamente com a dos dividendos. Objetivos e Procedimentos Integridade: Este objetivo tem como função a verificação de operações existentes e não registradas. Alguns procedimentos substantivos para cobrir este objetivo de auditoria são a Indagação e Observação e o Teste de Voucher. O Teste de Voucher: O teste de voucher tem como objetivos básicos: Verificar a existência da documentação suporte dos lançamentos contábeis, bem como a correta contabilização quanto a entidade, competência e precisão; Verificar a devida aprovação para os pagamentos das despesas, bem como a adequação da política de reembolsos e despesas da instituição; Verificar que o pagamento da despesa foi efetuado pela entidade. Existência: Verificar se houveram operações registradas e não existentes. Os procedimentos substantivos utilizados para cobrir este objetivo são a circularização, a Inspeção e o teste de Voucher. Propriedade: Operações registradas e não pertencentes à entidade. Procedimentos: Circularização, Inspeção e Voucher. Precisão: Operações registradas com dados errados. Procedimentos: Recálculo, Circularizações e Voucher. Recálculo. Valorização: Operações calculadas erroneamente. Procedimentos: Testes de Apresentação: Informações imprecisas nas Demonstrações Financeiras. Procedimentos: Revisão analítica. Revisão Analítica: O teste de revisão analítica tem como objetivo analisar a movimentação do saldo da conta, bem como as oscilações no período. As variações significativas entre um mês e outro devem ser analisadas, explicadas e formalizadas em 5

6 nossos papéis de trabalho. As diferenças de apropriação mensal em resultados devem ser analisadas, e explicadas e formalizadas nos papéis de trabalho. 2.2 AUDITORIA DE CAIXA E BANCOS Assim como no exame de todas as fases de um negocio, os procedimentos na auditoria de Caixa e Bancos devem ser definidos em função dos objetivos do auditor, para aquele setor. Uma vez que o Caixa é considerado um bem que envolve grande risco e relativamente difícil de ser controlado, os procedimentos de auditoria a ele destinados tendem a ser mais extensos e mais detalhados que as outras áreas. Como em todos os casos, a avaliação que o auditor faz do controle interno contábil do cliente sobre o Caixa e Bancos irá influenciar muito a extensão e a intensidade dos procedimentos de auditoria a serem empregados. Entre os objetivos específicos de auditoria, relacionados com o Caixa e Bancos, contam-se a verificação da existência, da propriedade, da exatidão dos valores, a descoberta de eventuais restrições e a determinação e a apresentação fidedigna nas demonstrações financeiras. Com base em tais objetivos, podem surgir procedimentos adequados de auditoria, para compor o programa de auditoria de Caixa e Bancos. O Valor de caixa e bancos normalmente apresentado no balanço de uma empresa é formado de dois componentes, encaixe e depósitos em bancos. Cada componente possui características próprias e, por isso, consideram-se separadamente os procedimentos de auditoria para cada um. Encaixe (numerário em mãos) O encaixe, normalmente, consiste no fundo fixo de Caixa e de recebimentos de clientes, antes de serem depositados. Os principais procedimentos de auditoria usados para ambos os tipos de encaixe são: Contagem feita pelo auditor; Conferência posterior dos totais obtidos na contagem com os constantes dos registros contábeis; 6

7 Exame de itens tais como cheques de clientes e comprovantes de Caixa pequena, para ver se são corretos e validos; Verificação de deposito, dos recebimentos de clientes de clientes, nas contas bancárias. Na contagem de Caixa, o auditor deve controlar todos os componentes desse setor, assim como outros itens de ativo negociáveis, para evitar substituição, porem sem nunca se apoderar do Caixa. A substituição é o ato de ocultar qualquer falta de dinheiro, fazendo transporte de fundos de um local para outro ou convertendo em dinheiro outros itens de ativo negociáveis, de modo que um mesmo fundo é contado duas vezes. O auditor deve ter o máximo cuidado com o caixa, fazendo verificação simultânea ou usando outros meios para evitar substituição de fundos. A verificação simultânea faz-se designando pessoal para cada local de atividade da empresa em que se mantenham Caixa e outros ativos negociáveis, de modo que se possa contar o Caixa a um só tempo. Os itens negociáveis, tais como titulo a receber e títulos negociáveis, devem ser controlados ao mesmo tempo em que se faz o controle de Caixa. Pode-se conseguir isso colocando-os sob a fiscalização do auditor durante a contagem; mais, melhor ainda, é assegurar-se de que ninguém tem acesso aos itens. Os títulos negociáveis, por exemplo, podem ficar no cofre de um banco, com instruções para que não seja permitida sua inspeção ou presença de qualquer pessoa nas dependências do cofre, sem que o auditor também esteja presente. Depois de se ter contado o numerário, os totais de Caixa pequeno devem ser confrontados com o razão geral, e os recebimentos não depositados conferidos com os registros de recebimentos de Caixa. Enquanto se processam as contagens, os detalhes de cheques, saques, comprovantes de desembolso ou outros itens que apresentarem duvida, devem ser anotados nos papeis de trabalho. Qualquer duvida deve ser averiguada e solucionada. Nos papeis de trabalho devem constar uma anotação sobre a evidencia ou uma explicação usada para esclarecer essas duvidas. Na data do balanço, não deve haver no fundo de Caixa pequena nenhum pagamento pendente, de modo que o limite esteja completamente coberto sem nenhum reembolso a ser feito. Para concluir a auditoria do dinheiro em mãos, o auditor precisa aplicar procedimentos que lhe assegurem que todos os cheques incluídos nesse montante estão depositados no banco. Isso lhe possibilitara certificar-se da validade desses itens, pois se 7

8 forem fraudulentos ou sem valor, o banco os devolverá e, na revisão do extrato bancário seguinte, o auditor poderá comprovar a devolução. Se os cheques não forem depositados enquanto o auditor controla o numerário, não poderá certificar-se da validade dos mesmos, havendo o risco de eles serem colocados entre o numerário, para ocultar uma fraude. A existência de cheques de transferência da empresa e de cheques de coligadas entre o numerário merece atenção especial. Se no encerramento do exercício houver cheques desse tipo entre o dinheiro em mãos (ou em transito para o banco), eles devem ser deduzidos como cheques em circulação, quando da reconciliação da conta contra a qual forem debitados; caso contrario, o caixa será apresentado a maior pelo valor desses cheques. Essa é, essencialmente, uma forma de desfalque. O elemento surpresa deve ser considerado em todas as auditorias de caixa visando evitar possíveis manipulações ou encobertas de falta de numerário. Ao empregá-lo, porém, o auditor enfrenta objetivos conflitantes. Primeiro, se achar que e necessário verificar o caixa na data do balanço, não haverá esse elemento surpresa. Para garantir que o terá, o auditor não pode fazer contagem de caixa, ano após ano, na data do encerramento do exercício. Caixa depositado Ao verificar o caixa depositado, o auditor lança mãos de procedimentos totalmente diferente dos utilizados da auditoria em mãos. Ele não trata com o dinheiro propriamente dito, mas, com documentos que comprovam a existência de dinheiro. Procedimentos preliminares Os procedimentos para verificação de caixa em deposito devem começar por ocasião da contagem de dinheiro em mãos, ou seja, na data da verificação. Aí é que se deve proceder à coleta de dados de caixa, necessários para a verificação do caixa depositado e que compreende um registro de todos os recebimentos e desembolso de caixa, imediatamente antes da data de verificação. Cabe ao auditor registrar nos papeis de trabalho os totais de recebimento de caixa dos últimos dias do período e a data, número e quantia dos últimos cheques emitidos antes da data de verificação. 8

9 Procedimentos finais Os procedimentos finais de auditoria de caixa depositado (ou seja, os procedimentos aplicados necessariamente algum tempo após a data da verificação) concentram-se nas conciliações bancarias. Deve-se solicitar ao banco uma reconciliação da data da verificação ou, se necessário, deve-se fazer uma. Uma modalidade de reconciliação bancaria particularmente útil para fins de auditoria é a prova de caixa. Nessa forma mais ampla de reconciliação, analisam-se as transações bancarias do período que precede a verificação e, também, o saldo bancário na data em que é feita essa verificação. A análise de transações durante o período revela qualquer movimentação da conta, que não conste dos livros, ou vice-versa. São os seguintes os itens mais comuns de reconciliação e os procedimentos de verificação mais freqüentemente usados pelos auditores: 1. Deposito em transito. Podem-se encobrir temporariamente certas faltas de dinheiro no caixa, simplesmente apresentado a maior os depósitos em trânsito. Na data da verificação, o auditor deve ter contato e, se necessário, controlado todo dinheiro em caixa, ate este ser depositado no banco. Portanto, todos os depósitos em transito, que ontem da reconciliação, devem conferir com os montantes registrados no s papeis de trabalho referentes à contagem de caixa, feita pelo auditor. O caixa não e verificado se todos os depósitos em transito não forem conferidos pelo auditor. 2. Cheques em circulação. Omitir da lista de cheques em circulação um item qualquer constitui outro meio de ocultar, temporariamente, qualquer falta de dinheiro no caixa. O extrato bancário é usado pelo auditor para garantir a exatidão da lista de cheques em circulação. Os cheques pagos, devolvidos com o extrato, devem ser comprados ao da referida lista. Qualquer cheque pago, datada do dia da verificação ou antes, e liberado pelo banco após essa data, deve, por definição, estar em circulação; se ele for omitido da lista é preciso explicar por quê. 3. A existência de cheques antigos, lançados como em circulação, assim permanecendo por longos períodos, propicia o encobrimento de desfalques. Se um empregado desonesto souber que determinado cheque em circulação dificilmente será 9

10 descontado, dentro de certo período, ele poderá facilmente omiti-lo da lista de cheques em circulação, ocultando, assim, uma falta do mesmo valor, no caixa. 4. Outros itens de reconciliação. A verificação de outros itens de reconciliação deve ser feita por meio de exame dos documentos comprobatórios desses itens. Para se chegar a uma apresentação correta nas demonstrações financeiras. Outros procedimentos a serem cumpridos, antes de se concluir a auditoria de caixa, são os seguintes: Coordenar todos os dados registrados no extrato bancário, na data da verificação (no caso de dados de recebimento de caixa) e na lista de cheques em circulação (no caso de dados de desembolso de caixa); Verificar se toda a informação bancaria confere com a dos registros do cliente e dos papéis de trabalho do auditor; Determinar, com base no extrato, ou em comunicação direta dos bancos, se necessário, se os itens constantes dos depósitos em transito foram devolvidos por insuficiência de fundos ou deixaram de ser descontados, por qualquer outro motivo. Se descobrir que houve devolução dos itens, são necessários lançamentos de ajuste; Os cheques que constam da lista dos itens em circulação, mas não devolvidos com o estrato de cutoff, podem exigir averiguação, para se comprar sua validade. É parte importante da auditoria de caixa o teste de transações de caixa durante o ano. Os registros de recebimento de desembolso de caixa devem ser testados matematicamente, pode-se fazer análise de provas de caixa de períodos de ínterim, e os documentos haveis devem ser examinados; O auditor deve determinar a melhor modalidade de apresentação das demonstrações financeiras. Em muitos casos, é conveniente o cliente fazer constar delas, sob o titulo caixa, os saldos conjuntos de caixa. Desfalques no Caixa Existem dois tipos de desfalques de caixa: os desfalques encobertos e o desfalque não coberto. Desfalques encobertos são normalmente aqueles feitos por meio de um lançamento de compensação nos registro contábeis, de modo que a falta do bem não seja notada. Normalmente, o ato de encobrir o desfalque só é possível com um mau controle interno, que permite ao individuo desonesto acesso ao caixa e autoridade para 10

11 fazer lançamentos no diário. O desfalque não encoberto é aquele que não se faz acompanhar de lançamento contábil em contrapartida. Portanto, as faltas resultantes de desfalques não encobertos podem ser escondidas por algum tempo apenas, ou não podem ser escondidas de forma nenhuma. Há dos tipos comuns de desfalques não encobertos, que são o lapping e o kiting. 1. O lapping geralmente se faz com cobranças de contas a receber e consiste em desviar os resultados de cobranças, substituindo-se o montante desviado por cobranças posteriores. 2. O kiting é um tipo de desfalque de caixa que envolve os desembolsos aí feitos. É, essencialmente, um sistema de encobrir faltas de dinheiro com transferências, em cheques não registrados. É mais fácil detectar kiting do que lapping, pois, com procedimentos adequados de auditoria de caixa, é possível descobrir essa fraude na data da verificação. Entre esses procedimentos, estão os seguintes: Coleta de dados de caixa e conferência posterior dos mesmos com a lista de cheques em circulação; Exame de recebimentos não depositados na data da verificação, para se certificar de que não há cheques da empresa entre esses recebimentos; Correto uso do extrato do banco; Preparação de uma cédula com todas as transferências bancárias ocorridas durante um período razoável, antes e após a data da verificação. 2.3 CONTAS A RECEBER As contas a receber representam um compromisso dos clientes de pagar alguma coisa, mas que apresentem aspectos subjetivos para não entrar em conflito entre Caixa e Bancos. O auditor tem que utilizar métodos quantitativos e qualitativos para auditar as contas a receber. Objetivos: Determinar sua existência e representatividade contra os devedores duvidosos; 11

12 Determinar se é de propriedade da companhia; Determinar se foram utilizados os princípios de contabilidade geralmente aceitos; Determinar a existência real e exatidão dos valores; Determinar que está corretamente classificada nas demonstrações financeiras; e Determinar a rentabilidade da cobrança. Aspectos Contábeis Data de reconhecimento das contas a receber Pelo regime de competência as contas a receber são contabilizadas no momento da venda do bem ou da prestação do serviço, mesmo que não haja fluxo de caixa no momento da transação, sendo uma variável que pode ter alguma influência no resultado da auditoria. Registro correto da conta No balanço patrimonial a conta contas a receber é incluída, em geral, no ativo circulante por ter um grau de liquidez relativamente grande, mas há suas exceções, quando é esperado que se pague em um período maior que um exercício contábil são classificadas no Realizável a Longo Prazo, sendo importante ressaltar que de acordo com a Lei 6404/76, as contas a receber derivadas de vendas, adiantamentos ou empréstimos a sociedades coligadas ou controladas, diretores, acionistas ou participantes no lucro da companhia, que não se constituírem negócios usuais na exploração do objeto, independente do prazo de vencimento serão classificados no ativo realizável a longo prazo. Exigindo que o auditor e a administração da empresa auditada tenha conhecimento de legislações específicas para que não implique em desconformidades contábeis. Provisão para Créditos de liquidação Duvidosa Para que a contas a receber não fique super-avaliada é preciso estimar uma quantidade de clientes que provavelmente não vão pagar, isso torna ainda mais subjetivo a mensuração e avaliação desta conta, mas para que se chegue a um número mais próximo possível desta estimativa é preciso seguir passos importantes, tais como 12

13 classificar todas as contas segundo a idade numa coluna destinada a este tipo de análise, tirando conclusões sobre quais clientes tem o potencial de não pagar, e fazer comparação entre empresas do mesmo ramo de negócios para que ache uma base confiável para a provisão. Duplicatas descontadas É uma forma das empresas captar recursos junto a redes bancárias. Tendo uma duplicata a receber e querendo de imediato uma verba em numerário para eventuais investimentos ou procedimentos operacionais, a empresa vende esta duplicata e recebe o seu valor tendo que se responsabilizar por um encargo embutido, vencendo o prazo de pagamento da duplicata descontada e a empresa não recebendo do cliente o ônus do pagamento passa imediatamente para a entidade. O fato de as duplicatas terem sido descontadas não lhes retira a característica de títulos a receber. Controle Interno Sobre Contas a Receber O controle interno é adaptado de formas distintas entre companhias, dependendo da materialidade, número de pessoas disponíveis, quantidade de contas a receber, entre outras. Mas procedimentos básicos devem ser tomados a fim de manter o controle das contas a receber, de acordo com CREPALDI (2004, p. 387), exemplos básicos são: Segregação de tarefas: as pessoas que registram detalhes de contas a receber não devem ser incumbidas de tarefas relacionadas com recebimentos de caixa e bancos, baixa de contas incobráveis, emissão de memorando de crédito, estoques ou faturamento. Autorizações: devem existir procedimentos formais para aprovação de baixas de contas incobráveis, devoluções de vendas de mercadorias, emissão de memorando de créditos ou qualquer outra transação que reduzem as contas a receber. Procedimentos de faturamento: em muitos casos, os desfalques encobertos seriam revelados se um cliente recebesse um extrato de conta errado. A prática de lapping, por exemplo, retarda o crédito à conta do cliente, causando assim uma apresentação a maior do saldo da conta. Para evitar que descubram suas manipulações, 13

14 o empregado desonesto pode querer suprimir ou interceptar o faturamento de determinadas contas, mas, para evitar que isso aconteça, o controle interno sobre o faturamento deve ser feito de modo que o encarregado dessa tarefa seja alguém alheio ao manuseio de numerário recebido ou que não tenha acesso aos estoques. Procedimentos de Auditoria Coleta e exame de evidências externas: É a confirmação direta do débito com o devedor. Para obter a informação o auditor pode fazer um pedido de confirmação positivo ou negativo: Segundo CREPALDI (2004): Os positivos pedem ao devedor que responda se a informação constante no pedido é correta ou incorreta. Se for incorreta, ele, o devedor, deverá apontar o erro; Os negativos são para solicitar ao devedor que responda apenas se informação está errada. É considerado de melhor qualidade a evidência obtida por meio dos pedidos de confirmação positivos, pois caso haja algum equivoco na conta, o devedor apresenta o erro ao auditor. Em geral os auditores utilizam os dois tipos simultaneamente. Selecionando uma amostra para confirmação positiva ( provavelmente as de maiores saldos) e o restante que incluir na amostra com valores menores são exigidas a confirmação negativa. Exame de evidências internas: denominados, comumente, de testes de transações, por se tratar da observação dos procedimentos operacionais. São analisados os registros contábeis e exame da documentação hábil, sendo testada os registros contábeis utilizados para escrituração de vendas recebimento de caixa, baixa de contas incobráveis e outros procedimentos que estão intimamente ligada a questão das contas a receber. De acordo com ATTIE (1994, p. 180), o resumo dos procedimentos de auditoria adotados em contas a receber é a seguinte: a) Exame físico: Contagem das duplicatas a receber; Contagem dos títulos a receber. 14

15 b) Confirmação: Confirmação das duplicatas a receber; Confirmação dos títulos a receber; Confirmação dos adiantamentos concedidos; Confirmação dos adiantamentos a funcionários. c) Documentos originais: Exame documental das vendas realizadas; Exame documental dos recebimentos das contas a receber; Exame de atas de assembléias e reuniões; Exame de contratos; Exame alternativo das respostas não obtidas. d) Cálculos: Soma das duplicatas a receber; Calculo dos juros a receber; Soma dos adiantamentos concedidos. e) Escrituração: Exame da conta de razão de duplicatas a receber; Exame da conta de razão de adiantamentos de empregados; Exame da conta de razão de títulos a receber; Exame da contabilização no período de competência. f) Investigação: Exame detalhado da documentação de venda; Exame detalhado dos contratos de venda; Exame detalhado das aprovações de venda; Exame detalhado das aprovações de baixas de duplicatas incobráveis. g) Inquérito: Variação do saldo de contas a receber; Explicação para as duplicatas incobráveis ou em atraso. h) Registros auxiliares: Exame do razão analítico de contas a receber; Exame do diário auxiliar das contas a receber; Exame do registro de recebimentos. i) Correlação: Relacionamento das contas a receber com as vendas; Relacionamento dos recebimentos com o disponível; Relacionamento das provisões constituídas para devedores duvidosos com o resultado; Relacionamento dos juros a receber com o resultado. 15

16 j) Observação; Classificação adequada das contas; Observação aos princípios de contabilidade; Observação do volume de contas a receber atrasadas. A auditoria efetuada na área contas a receber tem por finalidade atingir os objetivos previamente determinados. Exigindo ao auditor planejar uma forma de auditoria que não vai demandar muito tempo, mas que tenha amostra suficiente para que aqueles dados encontrados sejam relevantes, e suficientes para se tirar conclusões a respeito deste setor da empresa. 2.4 AUDITORIA DE ESTOQUES Na maioria das empresas, os estoques representam um dos principais ativos de sua companhia. Devido ao trabalho minucioso na conferência dos estoques, o trabalho da auditoria na verificação desses estoques leva um tempo considerável. Objetivos do exame de estoque Determinar se já existe um controle eficaz sobre os estoques; Verificar se o estoque é, de fato, propriedade da empresa auditada; Determinar a quantidade de estoque da empresa; Verificar a integridade do estoque; Verificar se a empresa atribui preço adequado aos estoques; Verificar se há ônus sobre o estoque; Determinar a melhor maneira de apresentar os estoques nas demonstrações financeiras. Observação do estoque A observação de estoque é importante para a auditoria, pois assim o auditor tem uma maior confiança em relação às quantidades, propriedade por parte das empresas em relação ao estoque, existência das mercadorias e suas características. 16

17 Procedimentos do cliente Antes da contagem física, deve-se: Dar instruções a todos os empregados sobre o que fazer durante a contagem; Interromper a produção durante a contagem, se possível; Separar e colocar em uma lista toda mercadoria que entrar e sair durante o processo, para que não haja possível dupla contagem ou omissão de produtos. Obs: Para que o auditor consiga projetar seus procedimentos de auditoria aos planos de levantamento físico do cliente, ele deve rever os planos feitos pelos clientes para ver se está de acordo. Caso exista algo que não esteja de acordo, o auditor pode sugerir mudanças no método de contagem. Esse procedimento de revisão deve ser feito antes da data de contagem, pois assim o cliente terá tempo de mudar seu método. Controle na contagem física: Para se obter um maior controle na contagem de estoques, são distribuídos etiquetas pré-numeradas aos empregados para serem usadas nas descrições e registro dos produtos. As etiquetas devem ser bem controladas para que não sejam usadas para outros fins ou de uma maneira errada. Apesar de o auditor ser responsável pelas etiquetas, não cabe a ele contar o estoque, e sim, certificar que a contagem está sendo feita corretamente. Para certificar a exatidão do trabalho, o auditor utiliza contagens de teste que servem para confrontar posteriormente com o resumo do levantamento feito. Avaliação do inventário físico Alguns auditores gostam de registrar comentários em seus papéis de trabalho sobre o levantamento do estoque. Essa avaliação é importante, pois o auditor pode verificar possíveis problemas. 17

18 Em alguns casos, o auditor pode não ter condições de determinar qualitativamente o estoque. Nesses casos, um especialista deve ser contratado pela auditoria para que possa ajudar na avaliação. Procedimentos que seguem à avaliação Em determinado momento, após a observação, o cliente fará uma listagem onde constará a enumeração dos itens, volume e seus preços. Uma cópia dessa listagem deve ser entregue ao auditor para que ele avalie se está de acordo com seus papéis de trabalho. Certificado de estoque O documento que representa por escrito a situação e todas as informações sobre o estoque, é o certificado de estoque. Esse certificado serve para ressaltar a fidedignidade e exatidão das demonstrações financeiras. Este certificado serve como evidência para a elaboração do parecer e somente pode ser emitido por um dirigente autorizado do cliente. Controle interno sobre estoques Se dá por meio de sistemas de controle no qual há segregação de tarefas onde o encarregado de controlar os estoques não seja o mesmo responsável pelo faturamento de vendas ou lançamento de compras. Essa segregação existe para evitar a fraude. Esse controle deve ser feito de modo que o fluxo de dados contábeis seja simultâneo ao fluxo físico de estoques para que haja uma maior precisão no controle de entrada e saídas de estoques, baixa de seus custos, entre outros. Estoque nas demonstrações: Os estoques devem ser classificados no ativo circulante. O seu valor deve ser registrado de acordo com o preço de custo ou de mercado, dos dois o menor. O motivo do valor dos estoques sempre serem registrados segundo o menor valor (preço de custo ou de mercado) se deve ao princípio do conservadorismo. Com isso, fica mais difícil que ocorra a superavaliação dos estoques, assim evitando que se engane os possíveis investidores. 18

19 2.5 AUDITORIA DO IMOBILIZADO Os bens do imobilizado representam, normalmente, uma parcela significativa dos ativos de uma empresa, principalmente, no caso da indústria. Por isso que o auditor tem que fazer um exame mais profundo do Ativo Imobilizado. O Campo de exame do Imobilizado compreende os direitos que tenham por objetivo bens destinados a manutenção das atividades de empresa, ou exercidos com essa finalidade, inclusive os de propriedade industrial ou comercial (Lei 6.404/76, art. 179 IV). Nesse conceito legal estão incluídos, exemplificadamente: Terrenos, Prédios, Construções, Instalações, Maquinas, Benfeitorias ou Melhoramentos, Equipamentos, Ferramentas, Veículos, Moveis e Utensílios, Embarcações, Aeronaves, Jazidas Minerais ou Direitos de Exploração, Florestamento e reflorestamento, Construções em Andamento (de Bens do Imobilizado), Bens Intangíveis (Marcas, Patentes, Direitos de Uso), Benfeitorias em Imóveis de Terceiros. Objetivos de Auditoria do Ativo Imobilizado Constatar a existência física e propriedade dos bens relacionados; Determinar se foram utilizados os princípios de contabilidade, em bases uniformes; Assegurar-se de que o custo corrigido desses bens não representa superavaliação e verificar se a depreciação acumulada não esta subavaliada; Determinar se os métodos de avaliação empregados são adequados; Determinar a existência de imobilizado penhorado, dado em garantia ou com restrição de uso; Julgar a adequação do programa de depreciação, em relação à vida útil do bem de acordo com as bases aceitáveis; Determinar se os cálculos da depreciação do período estão adequados; Determinar se os métodos e taxas de depreciação são razoáveis e consistentes com o período anterior; Estudar e avaliar o sistema de controle interno em uso; 19

20 Procedimentos Determinar se as adições do período estão classificadas corretamente como tal, e não como despesas, ou vice-versa; Determinar se as baixas do período foram adequadamente contabilizadas e aprovadas por pessoal competente para tal, ou seja, determinar se os bens abandonados ou retirados de uso, por exemplo, foram devidamente baixados. As contas de ativo imobilizado e a respectiva depreciação são importantíssimas para a auditoria, tendo em vista seu efeito sobre a determinação do lucro do exercício. As diversas práticas e as decisões que envolvem julgamento a esse respeito podem dar resultados bastante diferentes. As verificações devem abranger os seguintes itens: existência, localização, uso, ociosidade, manutenção, preservação, obsoletismo, reavaliações corretas, depreciações, amortizações, exaustões, vendas, valores residuais, contabilização, seguro e empréstimos. A auditoria das contas que representam fatores redutores do imobilizado e fatores de acréscimo do não exigível abrange o exame dos fundos de depreciação, amortização e exaustão, cada qual um alcançando uma natureza; as depreciações referem-se ao imobilizado técnico material, as amortizações ao imaterial e as exaustões aos bens cuja capacidade se esgotou sem oportunidade de reposição idêntica (reservas minerais e vegetais). De acordo com um dos objetivos é necessário revisar o sistema de controle interno em uso, isto porque o auditor tem que ter certeza das informações que serão registradas no parecer, para isto ele faz uma revisão do controle interno para determinar qual é a confiabilidade que ele vai depositar no controle interno da empresa. Procedimentos de Auditoria deverão estar voltados para: A avaliação dos bens, inclusive quanto à correção monetária; A existência, propriedade e posse; Eventual existência de ônus Os critérios e a extensão das depreciações ou amortizações. 20

Programas de Auditoria para Contas do Ativo

Programas de Auditoria para Contas do Ativo Programas de Auditoria para Contas do Ativo ATIVO CIRCULANTE Auditoria Contábil PASSIVO E PATRIMÔMIO LÍQUIDO CIRCULANTE Caixa, Bancos e Aplicações Financeiras Contas a Receber Estoques Impostos a Recuperar

Leia mais

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Ciências Contábeis e Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Auditoria Professor: Wolney Turma: A Programas de Auditoria para contas

Leia mais

Tópico: Procedimentos em áreas específicas das Demonstrações Contábeis

Tópico: Procedimentos em áreas específicas das Demonstrações Contábeis Tópico: Procedimentos em áreas específicas das Demonstrações Contábeis Professor Marcelo Aragao ÁREAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS A SEREM AUDITADAS Contas de Ativo Contas de Passivo Patrimônio Líquido

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UnB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS AUDITORIA 1

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UnB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS AUDITORIA 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UnB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS AUDITORIA 1 PROGRAMAS DE AUDITORIA E PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS PARA CONTAS DO PASSIVO DE DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO ALUNOS: DIOGO

Leia mais

Evidência de Auditoria

Evidência de Auditoria Evidência de Auditoria Compreende as informações utilizadas pelo auditor para chegar às conclusões em que se fundamentam a sua opinião. Inclui as informações contidas nos registros contábeis que suportam

Leia mais

PROFESSOR: Salomão Dantas Soares. Procedimentos de Auditoria

PROFESSOR: Salomão Dantas Soares. Procedimentos de Auditoria AUDITORIA PROFESSOR: Salomão Dantas Soares ASSUNTO Procedimentos de Auditoria TURMA: PECC 1 - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA ASPECTOS CONCEITUAIS Nesta aula, estudaremos os Procedimentos de Auditoria, abordando

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE AUDITORIA

NOÇÕES GERAIS DE AUDITORIA onilzo farias / onilzo@ig.com.br / onilzo.bangu@click21.com.br / 12/04/04 /1 FACULDADES MACHADO DE ASSIS FAMA DISCIPLINA: AUDITORIA PROFESSOR: ONILZO FARIAS* EXERCÍCIOS BIBLIOGRAFIA BÁSICA: CURSO BÁSICO

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS Mostra o fluxo de eventos ocorridos em um determinado período de tempo. Quanto a empresa lucrou no ano passado? BALANÇO PATRIMONIAL Fotografia

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Grupo de contas do Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Grupo de Contas do Ativo. Ativo Circulante Realizável a Longo Prazo Permanente Grupo de Contas do Passivo.

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia, com sede em Gravataí (RS) e unidade industrial em Glorinha (RS), tem por objeto a industrialização, comércio, importação, exportação e beneficiamento de aços e metais,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

ROTEIRO DE AUDITORIA FINANCEIRA

ROTEIRO DE AUDITORIA FINANCEIRA ROTEIRO DE AUDITORIA FINANCEIRA 1 - OBJETIVO Este programa tem por objetivo, propiciar o levantamento, a conferência e a comprovação das disponibilidades financeiras existentes em Caixa, Bancos e outras

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

Etapas para a elaboração do Balanço Patrimonial e consequentemente, das Demonstrações Financeiras.

Etapas para a elaboração do Balanço Patrimonial e consequentemente, das Demonstrações Financeiras. Etapas para a elaboração do Balanço Patrimonial e consequentemente, das Demonstrações Financeiras. Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog Resumo: Apresenta-se uma breve análise sobre as vinte etapas para

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Auditoria 1. Uma das diferenças entre o auditor independente e o auditor interno é que o primeiro

Maratona Fiscal ISS Auditoria 1. Uma das diferenças entre o auditor independente e o auditor interno é que o primeiro Maratona Fiscal ISS Auditoria 1. Uma das diferenças entre o auditor independente e o auditor interno é que o primeiro (A) necessita de registro no Conselho Regional de Contabilidade e o segundo, não. (B)

Leia mais

www.editoraatlas.com.br

www.editoraatlas.com.br www.editoraatlas.com.br 6278curva.indd 1 04/04/2011 11:11:12 Equipe de Professores da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP Contabilidade Introdutória Manual do Professor Coordenação

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 ATIVO CIRCULANTE Compreende contas que estão constantemente em giro, sua conversão em moeda corrente ocorrerá, no máximo, até o próximo exercício social. As contas devem

Leia mais

WRM Auditoria e Consultoria Ltda. - CNPJ (MF) 00.164.845/0001/12.

WRM Auditoria e Consultoria Ltda. - CNPJ (MF) 00.164.845/0001/12. Lins (SP), 12 de Março de 2.010. À SOCIEDADE DE PROMOÇÃO SOCIAL DO FISSURADO LÁBIO- PALATAL - PROFIS Rua Silvio Marchione 3-55 Bauru SP. ILMO.SR. Diretor - Presidente Encaminhando em anexo, o Relatório

Leia mais

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e Acionistas HTL

Leia mais

CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS

CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS Os números entre parênteses a seguir indicam o número do item que aparece no pronunciamento original do Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC. REGIME DE

Leia mais

Simulado Super Receita 2013 Contabilidade Simulado Alexandre Américo

Simulado Super Receita 2013 Contabilidade Simulado Alexandre Américo Simulado Super Receita 2013 Contabilidade Simulado Alexandre Américo 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. PROVA ANALISTA DE FINANÇAS E CONTROLE DA SECRETARIA DO

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

PLANEJAMENTO DOS TRABALHOS DE AUDITORIA PARTE II

PLANEJAMENTO DOS TRABALHOS DE AUDITORIA PARTE II Disciplina: Auditoria 1 Turma B Professor: Wolney Resende de Oliveira Alunos: Cláudia Raquel Leão Brizolla 06/17946 Diego Boaventura Soares 05/17402 Guilherme Cardoso Miranda 08/48701 Matheus Lara de Souza

Leia mais

NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO. Objetivo

NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO. Objetivo NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO Objetivo 1 O objetivo deste Pronunciamento é determinar o tratamento contábil para o ativo imobilizado. As principais questões na contabilização do ativo imobilizado são: a) a época

Leia mais

PROGRAMA DE AUDITORIA -CONTAS DO ATIVO

PROGRAMA DE AUDITORIA -CONTAS DO ATIVO CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ USJ Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: Auditoria Contábil PROGRAMA DE AUDITORIA CONTAS DO ATIVO - Disponibilidades - Investimentos temporários -Contas

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA NOS ESTOQUES

A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA NOS ESTOQUES A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA NOS ESTOQUES AUTORES: CRISTIANE BRAIDA GELATTI - ACADÊMICA DO 8º SEMESTRE DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM. END.: RUA 13, CASA 96.

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade II DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 3 INTRODUÇÃO 1 2 A demonstração dos fluxos de caixa (DFC), a partir de 01/01/08, passou a ser uma demonstração obrigatória, conforme estabeleceu a lei

Leia mais

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA SISTEMA ORÇAMENTÁRIO 1 - RECEITAS 1.1 - Orçamento da Receita 1.2 - Receita Prevista 1.3 - Execução Orçamentária da Receita ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA I - Verificar se os registros das

Leia mais

NBC TSP 2 - Demonstração dos Fluxos de Caixa. Objetivo

NBC TSP 2 - Demonstração dos Fluxos de Caixa. Objetivo NBC TSP 2 - Demonstração dos Fluxos de Caixa Objetivo A demonstração dos fluxos de caixa identifica (a) as fontes de geração dos fluxos de entrada de caixa, (b) os itens de utilização de caixa durante

Leia mais

9.2 Elenco de Contas. 9.1 Conceito

9.2 Elenco de Contas. 9.1 Conceito PLANO DE CONTAS NOTA: Nos capítulos 1 a 8, você estudou as noções básicas da Contabilidade; conheceu a estrutura do Patrimônio (ponto de partida para o entendimento desta Ciência); aprendeu a registrar

Leia mais

Universidade Regional de Blumenau

Universidade Regional de Blumenau Universidade Regional de Blumenau Centro de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Ciências Contábeis Curso de Graduação em Ciências Contábeis Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis Professor:

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB BV2010) Índice OBJETIVO Item ALCANCE

Leia mais

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis PROFESSOR : Salomão Dantas Soares TURMA 6º CCN AULA 02 Turno/Horário Noturno Apostila

Leia mais

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas Olá, pessoal! Desta vez, trago para vocês uma coletânea de questões resolvidas da Fundação Carlos Chagas (FCC). Achei apropriado inserir esta aula neste momento em razão da proximidade da prova de Fiscal

Leia mais

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações:

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: 1) Antecipação do pagamento de uma duplicata de $ 140.000 a um de seus fornecedores, com 2% de desconto. i 2) Efetuou os seguintes

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 Fevereiro/2011 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 04 NOVEMBRO / 2009 O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS (2 a FASE) LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material:

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Lista de Exercícios ENADE

Lista de Exercícios ENADE Curso: ADMINISTRAÇÃO Data: Goiânia 15/09/2012 Disciplina: Contabilidade Geral Turma: ADM 03 Turno: Noturno Carga Horária: 72 Professor: Esp. Erik Silva. Lista de Exercícios ENADE Exercício n.01 (IRB-2004-ESAF)

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 Fevereiro/2012 1 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 4 DOCUMENTAÇÃO DE AUDITORIA - PAPÉIS DE TRABALHO 1 Os papéis de trabalho constituem os documentos preparados pelo auditor e/ou obtidos diretamente da empresa para comprovar a evidência da transação

Leia mais

Fiscal Auditoria Procedimentos - Pós Materialidade e Normas de Auditoria

Fiscal Auditoria Procedimentos - Pós Materialidade e Normas de Auditoria Fiscal Auditoria Procedimentos - Pós Materialidade e Normas de Auditoria 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Auditoria Profº Guilherme Albuquerque. Profº guilherme

Leia mais

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS 1. CONCEITOS A Demonstração do Fluxo de Caixa demonstra a origem e a aplicação de todo o dinheiro que transitou pelo Caixa em um determinado período e o resultado desse fluxo (Iudícibus e Marion, 1999).

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01 Entidades de Incorporação Imobiliária Descrição Item Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesas

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova Conteúdo 1 Questões Propostas... 1 2 Comentários e Gabarito... 1 2.1 Questão 41 Depreciação/Amortização/Exaustão/Impairment... 1 2.2 Questão 42 fatos contábeis e regime de competência x caixa... 2 2.3

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL. 1. É permitido ao contador no exercício da auditoria independente:

QUESTÕES PARA A PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL. 1. É permitido ao contador no exercício da auditoria independente: QUESTÕES PARA A PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 1. É permitido ao contador no exercício da auditoria independente: a) Baseado no seu trabalho e julgamento, emitir Parecer de Auditoria sem ressalva,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS GERÊNCIAIS E ECONÔMICAS Ciências Contábeis Contabilidade em moeda constante e conversão de demonstrações contábeis para moeda estrangeira

Leia mais

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa Aplicação 1 - As instituições financeiras e demais instituições

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97. Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências.

RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97. Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências. RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97 Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas

Leia mais

Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito Conta Nome dado aos componentes patrimoniais (bens, direitos, obrigações e Patrimônio Líquido) e aos elementos de resultado

Leia mais

PROFESSOR: Salomão Dantas Soares

PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AUDITORIA PROFESSOR: Salomão Dantas Soares ASSUNTO Papéis de Trabalho TURMA: PECC Nesta aula, continuaremos o estudo dos aspectos técnicos concernentes à Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis,

Leia mais

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova ISS-SJC/SP ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE - ISS-SJC/SP Trago para vocês os comentários da prova do concurso de Auditor Tributário

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. Temática Contábil e Balanços. Auditoria. Contabilidade Geral. Contabilidade Internacional

Boletimj. Manual de Procedimentos. Temática Contábil e Balanços. Auditoria. Contabilidade Geral. Contabilidade Internacional Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 11/2014 // Auditoria Características intrínsecas das informações utilizadas como evidência de auditoria... 01 // Contabilidade Geral Vale-pedágio.... 02 //

Leia mais

Fones: 33829772/3383 1562 1 Av. Fernando Correa da Costa 1010, sala 22

Fones: 33829772/3383 1562 1 Av. Fernando Correa da Costa 1010, sala 22 I - APURAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (SIMPLIFICADA) 1 - CONCEITO A Apuração do Resultado do Exercício também chamado de Rédito - consiste em verificar o resultado econômico atingido pela empresa em determinado

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

Parque Eólico Assuruá VII. Relatório dos Auditores Independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014

Parque Eólico Assuruá VII. Relatório dos Auditores Independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 Parque Eólico Assuruá VII Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 Parque Eólico Assuruá VII Demonstrações contábeis Referentes aos exercícios findos em 31

Leia mais

AULA 8: FLUXO DE CAIXA

AULA 8: FLUXO DE CAIXA AULA 8: FLUXO DE CAIXA E os estudos, na reta final? A pedidos estou colocando a aula de Demonstração do Fluxo de Caixa. Como é uma matéria nova em Contabilidade Geral, estou fazendo uma introdução teórica

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

DVA Demonstração do Valor Adicionado

DVA Demonstração do Valor Adicionado DVA Demonstração do Valor Adicionado A DVA foi inserida pela Lei nº 11.638/2007, (artigo 176, inciso V), no conjunto de demonstrações financeiras que as companhias abertas devem apresentar ao final de

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB BV2010) Índice OBJETIVO Item ALCANCE

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Estrutura da Demonstração do Valor Adicionado 2.1 - Grupo de Receita Bruta - Outras Receitas 2.2 - Grupo de Insumos Adquiridos

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

Tópico 6: Testes e. Procedimentos básicos de auditoria. Testes de auditoria. Prof. Marcelo Aragão. Testes de auditoria

Tópico 6: Testes e. Procedimentos básicos de auditoria. Testes de auditoria. Prof. Marcelo Aragão. Testes de auditoria Tópico 6: Testes e Procedimentos básicos de auditoria Prof. Marcelo Aragão Testes de auditoria 1. TESTES DE OBSERVÂNCIA (DE CONTROLES, DE ADERÊNCIA OU DE PROCEDIMENTOS) Visam à obtenção de razoável segurança

Leia mais

IBRACON NPC VI - INVESTIMENTOS - PARTICIPAÇÕES EM OUTRAS SOCIEDADES

IBRACON NPC VI - INVESTIMENTOS - PARTICIPAÇÕES EM OUTRAS SOCIEDADES IBRACON NPC VI - INVESTIMENTOS - PARTICIPAÇÕES EM OUTRAS SOCIEDADES INTRODUÇÃO 1. Este pronunciamento abrange as participações em sociedades coligadas e controladas e as participações minoritárias de natureza

Leia mais

Yumara Vasconcelos. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Yumara Vasconcelos. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br Yumara Vasconcelos Doutora em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Mestre em Contabilidade pela Fundação Visconde de Cairu (FVC). Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Católica

Leia mais

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas.

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. 1 - Ativo (Saldo devedor, exceto as contas retificadoras) 1.1 Ativo Circulante Adiantamento

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Esperamos que os comentários abaixo ajudem na elaboração dos recursos e no aprendizado da matéria.

Esperamos que os comentários abaixo ajudem na elaboração dos recursos e no aprendizado da matéria. Caro Concursando, Analisamos as questões de Auditoria da prova para AFRFB/09. Em um primeiro momento, identificamos 5 possíveis recursos: 4 anulações (questões 22, 27, 32 e 40) e 1 alteração de gabarito

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010

DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010 PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010 Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03(R2) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC sobre

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, Julgue os itens subsequentes, relativos à correta classificação e julgue os itens a seguir. utilização de

Leia mais

FINANCEIROS FUNCIONALIDADES

FINANCEIROS FUNCIONALIDADES Os aplicativos financeiros da MPS - Contas a Receber, Contas a Pagar e Fluxo de Caixa - são utilizados por diversos clientes e possuem todas as funcionalidades operacionais necessárias, além de opções

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais