Análise Econômica Financeira com utilização de Índices

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise Econômica Financeira com utilização de Índices"

Transcrição

1 Análise Econômica Financeira com utilização de Índices Claudir Passaia Benedito A. da Silva Elisângela Maria da Silva Marluci demozzi Resumo Este trabalho faz uma análise econômica - financeira de uma indústria de alimentos de Nova Mutum - MT. O objetivo do estudo consiste em analisar e apresentar os indicadores financeiros que possa auxiliar o gestor na tomada de decisão, e demonstrar por meio dos índices de Liquidez, Endividamento, e Rentabilidade, a situação financeira da empresa, medindo a capacidade de pagamento a curto/longo prazo. Para realização do trabalho utilizou-se analise exploratória das principais demonstrações sendo, Demonstrativo de Resultado do Exercício e Balanço Patrimonial fornecida pela empresa, tendo como referência os exercícios de 2005 a Palavras chave: análise. índices de liquidez. rentabilidade. Abstract Economic Analysis using financial indexes -This work is a financial economic analysis of a food industry in Nova Mutum - MT. The aim of this study is to analyze and present the financial indicators that can assist the manager to make decision, and demonstrate through rates on liquidity, debt and profitability, the company s financial position, measuring the ability to pay in short/long term. To carry out the work it was used exploratory analysis of the key statements and, Statement of Net Income and Balance Sheet provided by the company, with reference to the years 2005 to Keywords: analysis.liquidity ratios. profitability.

2 1. Introdução A fundamentação de solidez e de sucesso financeiro de uma empresa é mensurada muitas vezes pelo nome que a empresa tem no mercado, pela aceitação do produto que ela vende, e até mesmo pela sua aparência. Via de regra, é muito comum medir o sucesso da empresa de forma emocional. A empresa tem que ter bons gestores sérios e bem intencionados, capazes de manter uma empresa que atenda as necessidades dos clientes alinhados aos objetivos, ou seja, que crie uma empresa competitiva, qualitativa e principalmente lucrativa, além das instalações e da qualidade de seus produtos. Nesse contexto são muitos os fatores que interferem nas tomadas de decisões, e pelos quais os gestores têm que estar atentos, como: fatores políticos, climáticos, tecnológicos, mercadológicos, independência financeira, ou dependência de capital de terceiros, entre outros fatores que interferem no sucesso da empresa. Diagnosticar a situação de uma empresa significa organizar, comparar e interpretar os componentes do patrimônio da mesma. É um processo técnico de decomposição de elementos e de levantamento de dados, onde cada analista abordará a empresa com determinado objetivo, e este determinará a profundidade e o enfoque da análise que possibilite melhor conhecer a real situação da empresa, ou de levantar os efeitos de uma gestão. A análise das demonstrações contábeis pode ser entendida, como um conjunto de técnicas que visa demonstrar a situação financeira da empresa em determinado momento. A correta interpretação dos indicadores proporciona ao gestor condições segura para tomada de decisão. De acordo com Silva: Podemos conceituar análise de demonstrações financeiras como sendo a análise das informações obtidas através das demonstrações financeiras, com o intuito de compreender e avaliar aspectos como: (1) a capacidade de pagamento da empresa através da geração de caixa, (2) capacidade de remunerar os investidores gerando lucro em níveis compatíveis com suas expectativas, (3) nível de endividamento, motivo e qualidade do endividamento, (4) políticas operacionais e seus impactos na necessidade de capital de giro da

3 empresa e (5) diversos outros fatores que atendam ao propósito do objetivo da análise. (SILVA, 1995, p.181). O trabalho abordará os indicadores de liquidez, rentabilidade, lucratividade e prazos médios, com vista a obter um panorama geral de toda a situação econômica, patrimonial e financeira da empresa. Utilizaram-se como base três dimensões fundamentais da análise financeira: Situação Financeira (liquidez), Estrutura de capital (endividamento) e Situação Econômica com indicadores de (rentabilidade), gerando um diagnóstico que poderá orientar os tomadores de decisões. Para atingir os objetivos gerais e específicos definidos na pesquisa, será utilizada a metodologia de pesquisa bibliográfica e estudo de caso, tendo como base as demonstrações contábeis de uma empresa industrial do ramo de alimentos situada na região médio norte do estado de Mato Grosso. 2. Referencial Teórico Neste tópico será abordado conceitos de autores sobre o processo de análise das demonstrações contábeis especificamente, demonstrativo de resultado de exercício e balanço patrimonial, visando obter informações que possa auxiliar no desenvolvimento da análise, com utilização de índices de liquidez, endividamento, rentabilidade e atividade. Conforme Iudícibus (2007, p. 5) a análise das demonstrações contábeis pode ser caracterizada como a arte de saber extrair relações úteis, para o objetivo econômico que tivermos em mente, dos relatórios contábeis tradicionais e de suas extensões e detalhamento, se for o caso. Assaf neto menciona que: A análise das demonstrações financeiras visa fundamentalmente ao estudo do desempenho econômico-financeiro de uma empresa em determinado período passado, para diagnosticar, em conseqüência, sua posição atual e produzir resultados que sirvam de base para previsão de tendências futuras. (ASSAF NETO 2003, p.98).

4 Iudícibus afirma que: A contabilidade, com os dois relatórios, o Balanço Patrimonial e a Demonstração de Resultado do Exercício, um complementando o outro, atinge a finalidade de mostrar a situação patrimonial e econômico financeira da empresa. Com os dois relatórios, qualquer pessoa interessada nos negócios da empresa tem condições de obter informações, fazer análise, estimar variações, tirar conclusões de ordem patrimonial e econômico-financeira e traçar novos rumos para futuras transações. (IUDÍCIOS 1998, p ) O Demonstrativo de Resultado do Exercício (D.R.E), visa fornecer de maneira ordenada, as (sobras ou perdas) auferidos pela empresa em determinado exercício, posteriormente transferida para conta do Patrimônio Líquido. Para Braga (1982, p. 61) Essa demonstração evidência a composição do resultado gerado em determinado período pelas operações da empresa, observando o princípio de competência, a formação das sobras ou prejuízos de exercício social. O Balanço Patrimonial é a peça contábil obrigatória que demonstra quantitativa e qualitativamente, em determinada data, o patrimônio da empresa. Na opinião de Crepaldi, O Balanço Patrimonial é um demonstrativo contábil, que em dado momento, apresenta de forma sintética e ordenada, as contas patrimoniais agrupadas de acordo com a natureza dos bens, direitos ou obrigações que representam e tem finalidade apresentar a situação patrimonial em dado momento. (Crepaldi, 1999, p.44 ). Conforme Silva (1999 p.71) reflete [...] a situação financeira em determinado momento, normalmente no fim do ano de um período prefixado. São as demonstrações que encerra a seqüência dos procedimentos contábeis, apresentada de forma ordenada os três elementos componentes, que de acordo com Marion (1998 p, 65): Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido. Quanto às demonstrações contábeis da empresa são apresentadas e elaboradas conforme normas de contabilidade aplicáveis às sociedades cooperativas, nos termos da lei nº 5764/71, as normas internacionais de contabilidade e das praticas contábeis adotadas no Brasil, desta forma atendem ás necessidades da análise.

5 2.1. Análise do Balanço Conforme Oliveira (2003), a análise do Balanço Patrimonial fornece uma visão geral, podendo até identificar o principal problema da empresa, bem como as perspectivas futuras e alternativas estratégicas. Para Matarazzo (1998 p.158) [...] uma boa análise sempre deveria começar com a do Balanço Patrimonial da empresa, pois seria extremamente desastroso para um gerente financeiro assumir as finanças de uma empresa que caminha para a insolvência. alerta: Sobre a questão de importância da análise, o professor Sérgio de Iudícios É muito mais útil calcular certo número selecionado de índices e quocientes, de forma consistente, de período para período, e compará-los com padrões preestabelecidos e tentar, a partir daí, tirar uma idéia de quais problemas merecem uma investigação maior, do que apurar dezenas e dezenas de índices, sem correlação entre si, sem comparações e, ainda, pretender dar um enfoque e uma significação absolutos a tais índices e quocientes. (IUDÍCIBUS, 1995, p.67) Análise Financeira As finanças de uma empresa podem afetar a estrutura da organização. Neste sentido a administração financeira deve ajudar a planejar e a nortear o futuro da empresa. E para que se possa acompanhar a evolução e identificar possíveis deficiências na gestão dos negócios, é de suma importância a análise das demonstrações financeiras através de índice de liquidez. A liquidez é a capacidade que a empresa tem em pagar os compromissos assumidos de curto prazo/longo prazo. Ela pode ser considerada como um processo de decomposição das partes que constitui o Balanço Patrimonial, a fim de melhor interpretar os seus componentes que deverão ser analisados e entendidos como decorrente de uma situação financeira da organização.

6 A análise de liquidez é obtida através de quocientes, e relacionam os bens e os direitos da empresa por intermédio de uma operação de divisão, ou seja, mede o quanto à empresa tem para cada unidade monetária que ela deve, e os dados para essa análise também são extraídos do Balanço Patrimonial. Os índices de liquidez empregados nesse trabalho são: imediata, corrente, seca e geral, dispostos a seguir: Liquidez Imediata Mede a capacidade da empresa em pagar as obrigações de curto prazo, com disponibilidades de caixa, bancos e aplicações financeiras de pronto resgate. Disponível LI = Indica Passivo Circulante Quanto à empresa possuí de disponível para cada R$ 1,00 do Passivo Circulante. Liquidez Corrente Mede a capacidade de a empresa fazer frente as suas obrigações no curto prazo (até um ano) as contas a receber, principalmente quando ocasionado por aumento de inadimplência, estoques absoletos, devem ser excluídos do cálculo desse índice. Ativo Circulante LC = Passivo Circulante Indica Quanto à empresa possuí de Ativo Circulante para cada R$ 1,00 do Passivo Circulante. Liquidez Seca Mede a capacidade de pagamento da empresa sem usar de seus estoques. Para Gitman: O índice de liquidez seca é semelhante ao índice de liquidez corrente, com a única diferença que exclui os estoques do ativo circulante da empresa, por ser o ativo de menor liquidez. A baixa liquidez dos estoques resulta normalmente de dois fatores básicos: (1) vários tipos de estoques não podem ser vendidos facilmente porque são itens parcialmente completados, itens obsoletos, itens para propósitos especiais e assim por diante; e (2) São itens tipicamente vendidos a crédito, o que significa que eles se tornam duplicatas a receber antes de ser convertidos em caixa. (GITMAN 2002, p. 110).

7 LS = Ativo Circulante - Estoques Passivo Circulante Indica Quanto à empresa possuí de seu Ativo Líquido para cada R$1,00 de Passivo Circulante. Liquidez Geral Mede a capacidade de a empresa fazer frente as suas dívidas, sem uso do Ativo Permanente. LG= A. Circulante + Realizável L. Prazo P. Circulante + Exigível L. Prazo Indica Indica quanto à empresa possui de Ativo Circulante mais Realizável em Longo Prazo para cada R$1,00 de dívida total. Parâmetros analíticos pré-estabelecidos para análise de desempenho financeira da empresa: Tabela 01 parâmetros Liquidez Corrente Liquidez Seca Liquidez Geral Índice Situação Índice Situação Índice Situação > 1,50 < 2,00 Excelente > 1,0 < 2,00 Excelente > 1,0 < 2,00 Excelente > 1,00 < 1,50 Boa > 0,8 < 1,00 Boa > 0,8 < 1,00 Boa > 0,50 < 1,00 Regular > 0,40 < 0,80 Regular > 0,40 < 0,80 Regular < 0,50 Ruim < 0,40 Ruim < 0,40 Ruim Fonte: Apostila Indicadores Financeiros (OCB, p. 20 ano 2007).

8 2.3. Análise Econômica Análise econômica é uma avaliação da rentabilidade e lucratividade do desempenho da empresa. O objetivo dessa análise é demonstrar através dos índices como a empresa vem utilizando o recurso investido. Quando se trabalha com análise de rentabilidade, é imprescindível que a verificação dos lucros esteja relacionada com valores que possam expressar a "dimensão" deste lucro dentro da atividade da empresa, ou seja, evidência o acréscimo adicional resultante sobre cada unidade monetária investida que retorna em determinado período. Como observa Iudícibus (1995, p.90) "O melhor conceito de dimensão poderá ser ora volume de vendas, ora valor do ativo total, ora valor do ativo operacional, ora valor do patrimônio líquido, ora valor do capital social etc. Todos têm suas vantagens e desvantagens". No caso dos índices de rentabilidade dizer que um indicador encontrado é bom ou ruim vai depender das características do negócio, tais como segmento de mercado, porte, tempo de existência, etc. Os principais indicadores econômicos para medir o desempenho da empresa evidenciado nesse trabalho são: Giro do Ativo, Margem Líquida, Rentabilidade do Ativo e Rentabilidade do Patrimônio Liquido: Giro do Ativo Mede a eficiência operacional da empresa e deve ser comparado com a margem de lucro sobre vendas. GA = Receita Bruta Ativo Total Indica Quanto à empresa vendeu para cada R$1,00 de investimento total Margem Liquida Mede a capacidade de realizar sobras líquidas em relação ao volume da atividade econômica. LL = Lucro Líquido Vendas Líquidas x100 Indica Quanto à empresa obtém de lucro para cada R$ 100 vendido.

9 Rentabilidade do ativo Mede a capacidade de resultado produzido pela empresa em suas atividades em relação ao ativo. Lucro Líquido RA= Ativo Total x 100 Indica Quanto à empresa obtém de lucro para cada R$ 100 de investimento total. Rentabilidade do Patrimônio Líquido Mede a capacidade da empresa remunerar o seu patrimônio (capital dos proprietários). Este indicador é importante para medir o custo/oportunidade da capitalização. Lucro Líquido RPL= Patrimônio Líquido X 100 Indica Indica quanto a empresas capital próprio investido. obtém de lucro para cada R$ 100,00 de 2.4. Índice de Estrutura de Capital A finalidade do índice de composição do endividamento é identificar que percentual das obrigações totais correspondente a dívidas de curto prazo. De forma geral, quanto menor for este índice, melhor; ou seja, é muito mais conveniente para a empresa que suas dívidas sejam de longo prazo, pois assim ela terá mais tempo para buscar ou gerar recursos para saldá-las. Porém se os recursos no curto prazo forem mais baratos a interpretação de quanto menor melhor pode inverter-se. Se a análise revelou qual é a participação dos capitais de terceiros no empreendimento, é preciso identificar o percentual de longo prazo e o percentual de curto prazo que a empresa será obrigada a restituir. A seguir demonstramos os principais quocientes, calculados na analise de Endividamento da empresa. Participação de Capitais de Terceiros Indica quanto à empresa tomou de capitais de terceiros em relação ao capital próprio, quanto menor dependência melhor.

10 PCT = Capitais de Terceiros x100 Patrimônio Líquido Composição do Endividamento Indica quanto à empresa esta comprometida com dívidas de curto prazo. É expressa em percentagem, em relação ao ativo total. Passivo Circulante x100 CE = Capitais de Terceiros Imobilização do Patrimônio Líquido Indica quanto à empresa aplicou no Ativo Permanente (Imobilizado) em relação ao patrimônio líquido IPL = Ativo Permanente (imobilizado) x 100 Patrimônio Líquido 2.5. Análise de Atividade A análise de atividade mede a eficiência com que os recursos financeiros são aplicados pela empresa no seu Ativo Circulante. A análise da atividade é feita através do cálculo dos índices de rotação ou prazos médios (recebimento, pagamentos e estoques), visa avaliar a capacidade da administração do capital de giro pela empresa. De acordo com zdanowicz: e analisados. Os índices de atividade são construídos a partir de dados extraídos do Balanço patrimonial, Demonstrativos do Resultado do Exercício e dos inventários. Eles são úteis quando deseja avaliar a segurança dos investimentos realizados em itens de curto prazo, a valores constantes, em termos de gestão financeira. (ZDANOWICZ 2003, p. 99). A seguir relacionamos os principais índices de atividade que foram calculados

11 Prazo Médio de Estoque - Este indicador auxilia a medida da eficiência comercial da empresa, avaliando as políticas de venda indica em média, quantos dias a empresa leva para vender seus estoques. Estoques x (360 dias) PMRE = Custo Mercadoria Vendida Prazo Médio de Recebimento das Vendas Indica quanto dias à empresa leva para receber suas vendas a prazo. PMRV = Duplicatas a receber médio x (360 dias) Ingresso/receitas Líquidas Prazo Médio de Pagamento Compras Este indicador revela quantos dias em média à empresa demorou a pagar as compras a prazo. Fornecedores valor médio x (360 dias) PMRV = Compras Líquidas Ciclo Operacional Este índice auxilia a medida da eficiência comercial, industrial, Indica quanto tempo à empresa leva entre transformação dos produtos até recebimento da vendas. : CO = Prazo M.Recebimento+ Prazo M. Estoques Prazo M. Pagamentos. 3. Apresentação Análise dos Resultados Com base no que foi exposto, o objetivo da análise é demonstrar a situação econômico-financeira da empresa, tendo como fonte dados das demonstrações contábeis divulgados em 31 e dezembro de cada exercício, entre 2005 e 2009, esses dados foram tabulados em planilha eletrônica (Excel) desenvolvida pelo Prof. Ms. Valnir Alberto Brant, tabela 02 (BP), Balanço Patrimonial e (DRE) Demonstração do Resultado do Exercício, em seguida calculado, analisados os índices financeiros e apresentados os resultados conforme segue.

12 Tabela 02 - Dados das Demonstrações Contábeis Empresa: INDUSTRIA DE ALIMENTOS BALANÇO PATRIMONIAL 31/12/05 31/12/06 31/12/07 31/12/08 31/12/09 VALOR VALOR VALOR VALOR VALOR Ativo Circulante , , , , , 27 Caixa/Bancos , , , , ,58 Aplic.Financeiras , , ,00 Outros Créditos Duplicatas a Receber , , , , ,56 Estoques , , , , ,39 Outros Valores Operacionais , , , , ,74 Ativo Não Circulante , , , , , 48 RLP , , , , ,71 Investimentos , , , , ,15 Imobilizado , , , , ,63 Intangivel , , , , ,99 Ativo Total , , , , , 75 Passivo Circulante , , , , , 23 Fornecedores , , , , ,69 Salários e Encargos , , , , ,27 Impostos a Pagar , , , , ,02 Outros Vltrs.Operacionais , , , , ,23 Empréstimos , , , , ,02 Duplicatas Descontadas Dividendos e IR a Pagar Outros Vlrs. Financeiros Passivo Não Circulante , , , , , 04 Patrimônio Líquido , , , , , 48 Capital Social , , , , ,74 Reserva de Lucros 1.851, , ,07 ( ,58) ,66 Outras Reservas , , , , , Passivo Total , , , , , 75 Empresa: INDUSTRIA DE ALIMENTOS DEMONSTRATIVO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO 31/12/05 31/12/06 31/12/07 31/12/08 31/12/09 D.R.E. VALOR VALOR VALOR VALOR VALOR Vendas Líquidas , , , , , 49 CMV/CPV ( ,73) ( ,28) ( ,26) ( ,96) ( ,79) Lucro Bruto , , , , ,70 Despesas Operacionais ( ,02) ( ,60) ( ,76) ( ,37) ( ,47) Desp.Administrativas ( ,28) ( ,84) ( ,03) ( ,70) ( ,28) Desp. C/Vendas ( ,55) ( ,94) ( ,83) ( ,48) ( ,35) Depreciações Outras desp.rec.operacionais , , , , ,16 Lucro Antes dos Juros e Impostos , , , , ,23 Resultado Financeiro ( ,67) ( ,48) ( ,02) ( ,64) ( ,56) Receitas Financeiras , , , , ,84 Desp. Financeiras ( ,60) ( ,60) ( ,70) ( ,79) ( ,63) Resultado Não Operacional , , , ,03 (1.786,77) REP Lucro Antes do IR e CS , , ,84 ( ,58) ,67 Prov.p/I.R. C.S. (11.778,91) ( ,43) Lucro Liquido , , ,84 ( ,58) ,24 (-) Dividendos distrib , Lucro Líquido do Período , , , 84 ( ,58) , 24 Fonte: Desenvolvida a partir das demonstrações contábeis da empresa.

13 a) Resultado da análise Financeira Tabela 03 - Análise dos Índices CÁLCULO DE ÍNDICES LIQUIDEZ 31/12/05 31/12/06 31/12/07 31/12/08 31/12/09 LIQUIDEZ IMEDIATA 0,00 0,01 0,04 0,05 0,11 LIQUIDEZ CORRENTE 0,63 0,52 0,54 0,59 0,54 LIQUIDEZ SECA 0,46 0,30 0,44 0,52 0,44 LIQUIDEZ GERAL 0,67 0,65 0,76 0,84 0,95 SITUAÇÃO LIQUIDEZ 31/12/05 31/12/06 31/12/07 31/12/08 31/12/09 LIQUIDEZ IMEDIATA RUIM RUIM RUIM RUIM RUIM LIQUIDEZ CORRENTE REGULAR REGULAR REGULAR REGULAR REGULAR LIQUIDEZ SECA REGULAR RUIM REGULAR REGULAR REGULAR LIQUIDEZ GERAL REGULAR REGULAR REGULAR BOA BOA Fonte: Resultado da análise dos balanços Gráfico 01 Indicadores de liquidez 1,00 0,90 0,80 0,70 0,60 0,50 0,40 0,30 0,20 0,10-0,95 0,84 0,76 0,63 0,67 0,65 0,59 0,54 0,52 0,54 0,52 0,46 0,44 0,44 0,30 0,11 0,04 0,05 0,00 0,01 LIQUIDEZ IMEDIATA LIQUIDEZ CORRENTE LIQUIDEZ SECA LIQUIDEZ GERAL 31/12/05 31/12/06 31/12/07 31/12/08 31/12/09 Fonte: Resultado calculado a partir do balanço patrimonial Liquidez Imediata Com o estudo de caso notou-se que o índice de disponibilidade da empresa manteve-se baixo em todos os anos, devido ao saldo disponível de bancos/caixa serem insatisfatório para pagamento das dividas de curto prazo. Liquidez Corrente Conforme demonstrado graficamente esse índice obteve variações negativas em todos os períodos onde possuía para cada R$1,00 de dívida em curto prazo, R$ 0,63 em 2005 e R$ 0,52 para ano 2006 R$ em seu ativo circulante. Nos exercícios seguintes verifica-se instabilidade nesse quociente, apresentando queda de 14,29 %

14 se comparado com 2005, passando a liquidez corrente para R$0,54 ano 2009, dificultando a empresa de saldar suas obrigações de curto prazo com os seus recursos disponíveis no mesmo período. Liquidez Seca Utiliza-se para avaliar a capacidade de pagamento das obrigações de curto prazo sem considerar os estoques. Geralmente utilizado para avaliar empresas que operam com estoques de difícil realização financeira em curto prazo. Neste indicador os disponíveis direitos em curto prazo, da empresa pesquisada são insuficientes para saldar as dívidas de curto prazo, agravado pela exclusão de estoques. Em 2005 a liquidez seca indicava cobertura de R$0,45 para cada R$1,00 do passivo circulante, com variação nos exercícios seguintes: em 2006 para R$0,30 para 2007 R$0,44 para 2008 R$0,52, e para 2009 R$0,44. Observa-se que o baixo realizável em curto prazo e o incremento do passivo circulante contribuiu para oscilação deste índice. Liquidez Geral Este indicador retrata a saúde financeira da empresa em longo prazo. Indica quanto possui em bens e diretos realizáveis a curto e longo prazo, comparado com as obrigações a serem pagas no mesmo período. Através do índice de liquidez acima, a empresa apresentou melhora nesse indicador nos últimos exercícios, variando ao longo do período positivamente de R$0,67 em 2005 para R$0,95 no ano 2009, porém insatisfatório para uma condição ideal que é acima de R$1,00 real. Estruturas de Capital Endividamento Segundo Iudícios: Os quocientes de endividamento relacionam as fontes de fundos entre si, procurando retratar a posição relativa do capital próprio com relação ao capital de terceiros. São quocientes de muita importância, pois indicam a relação de dependência da empresa com relação ao capital de terceiros. (IUDICIOS 1944, P. 104).

15 A empresa possui um endividamento bastante elevado, sendo mais de metade em curto prazo, da mesma forma a imobilização de seu patrimônio também é elevado, o que pode avaliar é que embora seja elevado, tem tendência de queda em longo prazo. Gráfico 02 - Indicadores de Endividamento 450% 400% 350% 300% 250% 200% 150% 100% 50% 77% 77% 75% 76% 66% 47% 54% 45% 60% 52% 214% 222% 172% 151% 110% 340% 344% 298% 316% 191% 31/12/05 31/12/06 31/12/07 31/12/08 31/12/09 0% QUANTIDADE (CT/PassivoTotal) QUALIDADE (PC/CT) IMOBILIZAÇÃO DO PL(AP/PL) GRAU (CT/PL) Fonte: Resultado calculado a partir do balanço patrimonial Participação de Capital de Terceiro Esses dados demonstram que a empresa é altamente dependente de capital de terceiro, o que prejudica a confiabilidade em relação a sua solidez, perante investidores, fornecedores e instituições financeiras. Em 2009 a participação capital de terceiro reflete 66% do montante do ativo, ou seja, para cada R$ 100 (cem reais) do capital, R$ 66,00 (sessenta e seis reais) encontra-se representado por dívidas. Composição do Endividamento A composição de endividamento demonstra o grau de comprometimento em curto prazo, que de acordo com gráfico 02 anterior, esse índice indica que empresa tinha 47% de suas dividas vencíveis em curto prazo em 2005, este percentual aumentou para 54% em 2006 caiu em 2007 para 46%, em 2008 aumentou para

16 60%, em 2009 teve melhora indicando 52%, ou seja, para cada R$ 1,00 (um real) devido, R$ 0,52 (cinqüenta e dois centavos) tem que ser pago em curto prazo. Imobilização do Patrimônio Líquido Nota-se que grau de imobilização em 2005 e 2006 sobre patrimônio foi elevado indica que empresa endividou em longo prazo possivelmente para fazer expansão do negocio. Em 2009, para cada R$ 1,00 (um real) constante no Patrimônio Líquido, R$ 1,10 (Um real e dez centavos) foi investido no Ativo Não Circulante. Grau de Endividamento Embora apresente melhora no decorrer dos últimos cinco anos, em 2009 os dados demonstram que os recursos externos estão comprometidos em relação ao Patrimônio Líquido em 191%. Esse índice alto é um indicador de responsabilidade da empresa junto aos credores, portanto, quanto menor for este índice, melhor. b) Resultado Análise Econômica Tabela 04 Análise de Rentabilidade RENTABILIDADE 31/12/05 31/12/06 31/12/07 31/12/08 31/12/09 Média GIRO DO ATIVO (V/Ativo) 1,81 1,45 1,47 1,67 1,73 1,63 MARGEM LÍQUIDA (LL/V) 0,36% 3,14% 0,31% -2,30% 3,56% 0,89% Empresa (TRI)-Pay Back (LL/Ativo) 0,65% 4,54% 0,46% -3,85% 6,16% 1,44% Empresário (TRPL)-Pay Back (LL/PL) 2,84% 20,13% 1,83% -16,04% 17,89% 5,56% Fonte: Resultado calculado a partir das demonstrações contábeis Giro do Ativo Esse indicador tem como objetivo medir a eficiência com que a empresa utiliza seus ativos para gerar vendas. A análise acima indica uma situação favorável de giro onde para cada R$1,00 de ativo produziu em média R$1,63. É importante

17 ressaltar que nem sempre um alto volume de vendas é sinônimo de lucratividade e vice e versa. Para saber se esse quociente é satisfatório analisamos a margem de Lucro Líquido. Margem Líquida Neste caso, embora as vendas tenham sido alta, o quociente médio acumulado de 0,89% indica que a empresa obteve R$ 0,0089 de lucro para cada R$1,00 real de venda. Portanto se analisarmos em conjunto com o indicador anterior, pode - se dizer que as vendas realizadas foram insuficiente para cobrir os custos, despesas restando ainda uma insignificante margem de lucro. Rentabilidade do Ativo Conforme Matarrazo (1998 p.189), é a lucratividade que a empresa propicia em relação aos investimentos totais. É uma medida de potencial de geração de lucro da empresa. Por esta análise o quociente médio de Rentabilidade do Ativo de 1,44%, revela que para cada R$1,00 de investimento no ativo houve lucro de R$ 0,014 centavos. Evidente quanto maior melhor. Rentabilidade do Patrimônio Líquido A rentabilidade do patrimônio líquido pode ser definida do ponto de vista dos proprietários como o poder de ganho sobre o capital que eles investiram. De acordo com cálculos verifica-se que os proprietários da empresa, obtiveram em média taxa de retorno sobre capital aplicado de 5,56 % a.a entre 2005 e O quociente indica que para cada R$ 1,00 investido há um ganho de R$ 0,05 centavos, quanto maior for esse retorno, maior é a satisfação dos proprietários. c) Resultado da Análise Administrativa

18 Tabela 05 Análise de Atividade ATIVIDADE 31/12/05 31/12/06 31/12/07 31/12/08 31/12/09 PMRE (E/CMVx360) 14,28 29,78 10,15 8,95 9,35 PMRV (DR/Vx360) 31,50 28,62 31,71 32,88 21,21 PMPC (F/Cx360) 30,00 64,19 24,64 26,14 17,81 Ciclo Operacional 45,78 58,41 41,86 41,83 30,57 Fonte: Resultado calculado a partir das demonstrações contábeis Gráfico 03 Indicadores de Atividade 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 - (10,00) PMRE (E/CMVx360) PMRV (DR/Vx360) PMPC (F/Cx360) Ciclo Operacional Ciclo de Caixa (6) 31/12/05 31/12/06 31/12/07 31/12/08 31/12/09 Fonte: Resultado calculado a partir das demonstrações contábeis Os Indicadores de atividade mensuram a duração de um ciclo operacional, conforme cálculos realizados indicam atualmente ciclo de 31dias, ou seja, tempo que empresa leva desde inicio da produção até o momento do recebimento das vendas. No quociente da atividade conforme tabela ano 2009 a empresa leva 21 dias para receber suas vendas a prazo e 18 dias para pagar suas compras a prazo, com renovação dos estoques de 9 dias em função de sua atividade. Isto é desfavorável e aumenta a dependência de capital de terceiros ou próprio. Considerações Finais Os resultados apresentado revelam que através da análise das demonstrações contábeis, é possível extrair importantes indicadores econômicos

19 financeiros, e dessa forma, seguramente venha a contribuir para tomada de decisão dentro da organização. Os índices de liquidez, mostram a situação financeira da empresa, procurando medir o quanto ela é solida ou não, Uma empresa com bons índices de liquidez tem condição de ter boa capacidade de pagar suas dívidas, nesse caso observa-se que a empresa ao longo dos anos vem melhorando o índice de Liquidez Geral (R$0,95 do ativo para cada 1,00 passivo), porém insatisfatório para uma condição ideal que é acima de R$1,00 real, Nesta pesquisa, entende-se não ser problema, por se tratar de uma empresa que movimenta milhões de reais, e tem crescimento econômico em média de 5,4% ao ano. No que tange a estrutura de capital a empresa deve tomar cuidado com o capital de terceiro, pois ele representa-se elevado. A composição de endividamento demonstra que 52% de capitais de terceiros são vencíveis em curto prazo, o que traz para empresa uma série de dificuldades por não ter tempo suficiente para gerar recursos e liquidar as obrigações. Para melhorar os seus resultados, a empresa precisa urgentemente de novas estratégias. Dentre algumas sugestões, girar mais rápido os seus estoques, equilibrar os prazos de recebimento com os de pagamentos, vender com menos prazo e comprar com mais prazos, conseqüentemente pagar menos juros, reduzir custos/despesas, e através de pesquisa e desenvolvimento agregar valor em seus produtos, buscar novos mercados, e otimizar estruturas. AUTOR Claudir Passaia Bacharel em Ciências Contábeis, pela UNINOVA MT. CO-AUTOR Benedito A. da Silva Professor Mestre em Custo Estratégia de Gestão da UNINOVA - União de Ensino Superior de Nova Mutum MT. CO-AUTOR Elisângela Maria da Silva Mestranda em Engenhara da Produção e Coordenadora do Curso de Administração da UNINOVA CO-AUTOR Marluci demozzi Professora de Pesquisa em Administração e Pesquisa aplicada em Ciências Contábeis da UNINOVA

20 Referências Bibliográficas GITMAM, Lawrence J. Princípios de Administração Financeira Essencial. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, IUDÍCIBUS, Sérgio de. Teoria da Contabilidade. São Paulo: Atlas, IUDÍCIBUS, Sérgio de. Contabilidade Gerencial. 6ª ed. São Paulo: Atlas, IUDÍCIBUS, Sérgio de; MARION, José Carlos. Introdução a Teoria da Contabilidade. São Paulo: Atlas, MATARAZZO, Dante Carmine. Análise Financeira de Balanços. 5ª ed. São Paulo: Atlas, MATARAZZO, Dante Carmine. Análise Financeira de Balanços: abordagem básica e gerencial. São Paulo: Atlas, MARION, José Carlos. Contabilidade Empresarial. 8ª ed. São Paulo: Atlas, NETO, Alexandre Assaf. Estrutura e Análise de Balanços: um enfoque econômico - financeiro. 6ª ed. São Paulo: Atlas, SILVA, José Pereira da. Análise Financeira das Empresas. 3ª. ed. São Paulo: Atlas, SILVA, José Pereira da. Análise financeira das empresas. 5ª ed. São Paulo : Atlas, 2001.

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES.

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

Balanço Patrimonial. Ativos e Passivos. Análise Financeira de Balanços 29/10/2012. Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini

Balanço Patrimonial. Ativos e Passivos. Análise Financeira de Balanços 29/10/2012. Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini Balanço Patrimonial Relembrando da ultima aula!!!! Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini Análise Financeira de Balanços O balanço Patrimonial de uma organização é uma peça contábil, em

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2 1 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1 Moisés Araújo Guarda 2 Sara Alexssandra Gusmão França 3 RESUMO Este artigo versa

Leia mais

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga CONTABILIDADE GERENCIAL ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA ATRAVÉS DE ÍNDICES Importância da Análise Através de Indicadores. Visa obter através

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS.

UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS. UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS. Resumo Este artigo faz uma análise de viabilidade econômico-financeira das empresas

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE EMPRESAS DA REGIÃO DO VALE DO TAQUARI - RS

ANÁLISE DO DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE EMPRESAS DA REGIÃO DO VALE DO TAQUARI - RS CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DO DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE EMPRESAS DA REGIÃO DO VALE DO TAQUARI - RS Geisibel Costa da Silva Lajeado, outubro de 2014 Geisibel

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO 1 A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO Esliane Carecho Borges da Silva (Orientadora- Docente dos cursos de Contabilidade e Tecnologia em Gestão Financeira-AEMS) Jose

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO

ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO ISSN 1807-6467 ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO O mercado muda a um ritmo acelerado. Com a globalização, tendências que antes eram

Leia mais

Analise Financeira ou de Balanço

Analise Financeira ou de Balanço ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS FASF- FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. EDENISE Analise Financeira ou de Balanço Avaliação da Situação da Empresa em seus

Leia mais

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE EXTENSÃO: CENTRO DE DESENVOLVIMENTO EM FINANÇAS PROJETO: CENTRO DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 Prefácio, xvii Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 1 Amplitude da análise financeira, 3 1.1 Visão estratégica da empresa, 3 1.2 Que é análise financeira de empresas, 6 1.3 Análise financeira e áreas

Leia mais

Índices econômico Financeiros

Índices econômico Financeiros Índices econômico Financeiros ADMNISTRAÇÃO Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Objetivos da aula Apresentar a importância de calcular os indicadores financeiros em uma empresa.

Leia mais

Análise Através dos Índices

Análise Através dos Índices PARTE II Avaliação do Desempenho Empresarial Análise Através dos Índices 1 RECORDANDO 1.1 INTRODUÇÃO Numa empresa, freqüentemente os responsáveis pela administração estão tomando decisões, quase todas

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 7 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Análise da Viabilidade Econômica O que é Economia? É a ciência que se preocupa em administrar escassos recursos disponíveis

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

UM ESTUDO HISTÓRICO DA ANÁLISE DE BALANÇO BEM COMO A SUAS APLICAÇÕES NO NOSSO TEMPO. Paola Guariso Crepaldi 1, Renato Nogueira Perez Avila 2,

UM ESTUDO HISTÓRICO DA ANÁLISE DE BALANÇO BEM COMO A SUAS APLICAÇÕES NO NOSSO TEMPO. Paola Guariso Crepaldi 1, Renato Nogueira Perez Avila 2, UM ESTUDO HISTÓRICO DA ANÁLISE DE BALANÇO BEM COMO A SUAS APLICAÇÕES NO NOSSO TEMPO Paola Guariso Crepaldi 1, Renato Nogueira Perez Avila 2, Elisangela Leme Antonio 3, Viviane Batista Mastelari 4 RESUMO

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II Professora: Alessandra Vieira Cunha Marques 1 AMBIENTE FINANCEIRO E CONCEITOS FINACEIROS Atividades

Leia mais

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões.

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. ANALISE DE BALANÇO 1.1 Objetivo da análise de Balanços UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. 1.2 Dados versus Informações Dados: São os números

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO EM EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES COMO UM ESTUDO DE CASO PARA TOMADA DE DECISÃO.

ANÁLISE DE BALANÇO EM EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES COMO UM ESTUDO DE CASO PARA TOMADA DE DECISÃO. 1 ANÁLISE DE BALANÇO EM EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES COMO 1; CREPLADI,Cláudio2 RESUMO UM ESTUDO DE CASO PARA TOMADA DE DECISÃO. SERPELONI,André Valério 1 ; CELESTINO, Débora Fernanda 2 ; CREPALDI, Claudio

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

A Importância da análise das demonstrações contábeis nas tomadas de decisões na Empresa Móveis Gazin Douradina-PR

A Importância da análise das demonstrações contábeis nas tomadas de decisões na Empresa Móveis Gazin Douradina-PR 10 A Importância da análise das demonstrações contábeis nas tomadas de decisões na Empresa Móveis Gazin Douradina-PR Olegário de Queiroz Muniz Bacharel em Ciências Contábeis Especialista em Recursos Humanos

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE 0 6. ÍNDICES DE RENTABILIDADE Caro aluno, você já sabe todo empresário ou investidor espera que o capital investido seja adequadamente

Leia mais

INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A

INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A AUTOR ANTONIA TASSILA FARIAS DE ARAÚJO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ RESUMO O presente

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 06: ANÁLISE E CONTROLE ECONÔMICO- FINANCEIRO TÓPICO 01: ANÁLISE POR ÍNDICES Fonte (HTTP://WWW.FEJAL.BR/IMAGES/CURS OS/CIENCIASCONTABEIS.JPG) ANÁLISE POR INTERMÉDIO

Leia mais

Análise dos Demonstrativos Contábeis Índices de Endividamento Cristhiane Carvalho Téles

Análise dos Demonstrativos Contábeis Índices de Endividamento Cristhiane Carvalho Téles Universidade Federal do Pará Centro Sócio Econômico Análise dos Demonstrativos Contábeis Professor: Heber Lavor Moreira Análise dos Demonstrativos Contábeis Índices de Endividamento Cristhiane Carvalho

Leia mais

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira.

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira. 1 Tatiana Melo da Gama RESUMO O presente artigo tem a proposta de apresentar uma breve abordagem sobre a Análise dos Índices de Prazos Médios, dando ênfase para a sua importância na gestão financeira de

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

Relatório da Gestão da Empresa Sadia S/A.

Relatório da Gestão da Empresa Sadia S/A. Relatório da Gestão da Empresa Sadia S/A. A política de gestão da Empresa Sadia S/A, está estruturada fortemente pelos seus índices financeiros, que se comportaram da seguinte maneira nos períodos analisados

Leia mais

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM Objetivos Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho A EMPRESA NO MODELO DO BALANÇO PATRIMONIAL: análise das demonstrações financeiras Compreender a importância da padronização

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A José Jonas Alves Correia 4, Jucilene da Silva Ferreira¹, Cícera Edna da

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA E ECONÔMICA POR MEIO DE INDICADORES DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA AMBIENTAL.

ANÁLISE FINANCEIRA E ECONÔMICA POR MEIO DE INDICADORES DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA AMBIENTAL. ANÁLISE FINANCEIRA E ECONÔMICA POR MEIO DE INDICADORES DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA AMBIENTAL. Rafaela Thaiane Lopes de Oliveira ¹ RESUMO Neste artigo elaborou-se

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE 1 ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE Giselle Damasceno da Silva Graduanda em Ciências Contábeis pela UFPA RESUMO Este estudo, parte da necessidade de utilização

Leia mais

I. Introdução. 1. Índices na Avaliação de Demonstrações Contábeis

I. Introdução. 1. Índices na Avaliação de Demonstrações Contábeis 1 I. Introdução Para efetuarmos uma análise profissional das demonstrações financeiras devemos inicialmente: a) simplificar os dados das demonstrações realizando arrendodamentos e/ou efetuando o corte

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO Os índices de liquidez visam fornecer um indicador da capacidade da empresa de pagar suas dívidas,

Leia mais

Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas)

Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas) Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas) Resumo Cátia Raquel Felden Bartz 1 Gisele Carolina Padoin 2 Juliana Horbach 3 Diego Antonio Saugo

Leia mais

ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Análise Através de Índices

ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Análise Através de Índices ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Análise Através de Índices PRINCIPAIS ASPECTOS REVELADOS PELOS ÍNDICES FINANCEIROS Situação Financeira ESTRUTURA LIQUIDEZ Situação Econômica RENTABILIDADE QUADRO RESUMO

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

A Importância da Análise das Demonstrações Contábeis na Concessão de Crédito

A Importância da Análise das Demonstrações Contábeis na Concessão de Crédito A Importância da Análise das Demonstrações Contábeis na Concessão de Crédito Kairo William de Carvalho kairo-william@hotmail.com IPTAN Milena de Paula Melo milenamelo15@hotmail.com IPTAN Carla Agostini

Leia mais

Análises de demonstrações financeiras

Análises de demonstrações financeiras Análises de demonstrações financeiras Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Análise da demonstrações financeiras Demonstrações: Importante veículo de comunicação entre empresa

Leia mais

ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR

ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR 0 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR Gabriela de Castro Gaudêncio Cassimiro 1 Thiago Moura de Carvalho 2 Rosália Gonçalves Costa Santos

Leia mais

Análise Horizontal. Consiste no estabelecimento de um ano-base, no qual cada item componente da demonstração

Análise Horizontal. Consiste no estabelecimento de um ano-base, no qual cada item componente da demonstração Análise Horizontal Consiste no estabelecimento de um ano-base, no qual cada item componente da demonstração será designado pelo número-índice 100. Será verificada a tendência do item a partir de sua variação,

Leia mais

Decisões Empresariais. Logística. Administração Financeira. Administração financeira (finanças corporativas) Investimento.

Decisões Empresariais. Logística. Administração Financeira. Administração financeira (finanças corporativas) Investimento. Logística Prof. Clóvis Luiz Galdino Administração Financeira Administração financeira (finanças corporativas) Administração: ato de reger, governar ou gerir negócios públicos ou particulares. Finanças:

Leia mais

Operadores definidos pela LMDQL para Análise Financeira

Operadores definidos pela LMDQL para Análise Financeira Operadores definidos pela LMDQL para Análise Financeira A seguir é apresentada a especificação de alguns operadores financeiros criados pela LMDQL para a realização de análise financeira em documentos

Leia mais

A visão dos administradores em utilizar a ferramenta contábil para tomada. de decisão

A visão dos administradores em utilizar a ferramenta contábil para tomada. de decisão A visão dos administradores em utilizar a ferramenta contábil para tomada *Solange Ribeiro dos Santos *Alessandra Cristina de Souza *Michel Regis Lopes de Lima *Júlio Cesar Siqueira de decisão birobiro21@hotmail.com

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO Rafael Martins Noriller (UFGD) rafael_mn1985@hotmail.com

Leia mais

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS 1. CONCEITOS A Demonstração do Fluxo de Caixa demonstra a origem e a aplicação de todo o dinheiro que transitou pelo Caixa em um determinado período e o resultado desse fluxo (Iudícibus e Marion, 1999).

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis Introdução As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem se revestir

Leia mais

Um estudo sobre Analise da Estrutura de Capitais e Solvência Disciplina Analise das Demonstrações Contábeis Prof.: Heber Lavor Moreira

Um estudo sobre Analise da Estrutura de Capitais e Solvência Disciplina Analise das Demonstrações Contábeis Prof.: Heber Lavor Moreira UM ESTUDO SOBRE ANALISE DA ESTRUTURA DE CAPITAIS E SOLVÊNCIA ÉRITON ELVIS DO NASCIMENTO BARRETO 1 Resumo: Este trabalho tem como escopo tratar dos índices que compõem a estrutura de capitais, fazendo uma

Leia mais

Contabilidade Gerencial 2. Contabilidade Gerencial. Projeção do orçamento. Administração. Prof: Marcelo dos Santos. Projeção Orçamento

Contabilidade Gerencial 2. Contabilidade Gerencial. Projeção do orçamento. Administração. Prof: Marcelo dos Santos. Projeção Orçamento Administração Prof: Marcelo dos Santos Contabilidade Gerencial 2 Contabilidade Gerencial Projeção Orçamento Análise de Desempenho Projeção do orçamento Uma projeção De orçamento deve Se iniciar pela vendas.

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS Centro Universitário de Brasília FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FASA CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS ÁREA: CONTABILIDADE GERENCIAL IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA TOMADA

Leia mais

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Resumo: UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Capital de giro refere-se aos recursos correntes (curto prazo) da empresa,

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais Sumário 1. A Importância Dos Índices Nas Demonstrações Financeiras 1.1 - Preparação e Reclassificação Das Contas 2. Grupos de Índices 3. Capital

Leia mais

OS INDICADORES DE ATIVIDADES COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL Um estudo do caso de uma empresa do setor madeireiro da Região Norte.

OS INDICADORES DE ATIVIDADES COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL Um estudo do caso de uma empresa do setor madeireiro da Região Norte. OS INDICADORES DE ATIVIDADES COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL Um estudo do caso de uma empresa do setor madeireiro da Região Norte. LUIZ PAULO FARIAS GUEDES Graduando do Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E CONTÁBEIS NUMA EMPRESA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS DE SEGURANÇA PRIVADA UM ESTUDO DE CASO

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E CONTÁBEIS NUMA EMPRESA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS DE SEGURANÇA PRIVADA UM ESTUDO DE CASO ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E CONTÁBEIS NUMA EMPRESA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS DE SEGURANÇA PRIVADA UM ESTUDO DE CASO RESUMO A presente investigação procurou examinar quais as contribuições que

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

1- Introdução. 1.1- Objetivos. 1.2- Justificativas

1- Introdução. 1.1- Objetivos. 1.2- Justificativas Alluno:: Karrllos Eduarrdo Souza Corrrrêa Mattrríículla:: 10657 Currso:: Engenharriia de Prrodução Prroffessorr:: Edson Pampllona Conttabiilliidade Gerrenciiall 1- Introdução 1.1- Objetivos Este trabalho

Leia mais

INDICES DE RENTABILIDADE - NECESSÁRIOS E VITAIS PARA A TOMADA DE DECISÃO

INDICES DE RENTABILIDADE - NECESSÁRIOS E VITAIS PARA A TOMADA DE DECISÃO 1 INDICES DE RENTABILIDADE - NECESSÁRIOS E VITAIS PARA A TOMADA DE DECISÃO RAFAEL SILVA DE ANDRADE Graduando do Curso de Ciências Contábeis da UFPA. Héber Lavor Moreira Professor Orientador heber@peritocontador.com.br

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá

Universidade Federal de Itajubá Universidade Federal de Itajubá Contabilidade e Custos Análise Financeira de Balanços 09-04-2012 Prof. José Arnaldo B. Montevechi 1 Planejamento de caixa Índices de prazos médios Prazo Médio de Recebimento

Leia mais

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Última Parte Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Última Parte Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA 15- A empresa Livre Comércio e Indústria S.A. apurou, em 31/12/2008, um lucro líquido de R$ 230.000,00, antes da provisão para o Imposto de Renda e Contribuição Social sobre

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE ÍNDICES DE LIQUIDEZ E RENTABILIDADE NA ANÁLISE E GESTÃO DO DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL

A UTILIZAÇÃO DE ÍNDICES DE LIQUIDEZ E RENTABILIDADE NA ANÁLISE E GESTÃO DO DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL A UTILIZAÇÃO DE ÍNDICES DE LIQUIDEZ E RENTABILIDADE NA ANÁLISE E GESTÃO DO DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL THE LIQUIDITY RATIOS OF USE AND PROFITABILITY IN ANALYSIS AND BUSINESS DEVELOPMENT MANAGEMENT Bianca

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO: UM ESTUDO DE CASO NA MRV ENGENHARIA

DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO: UM ESTUDO DE CASO NA MRV ENGENHARIA DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO: UM ESTUDO DE CASO NA MRV ENGENHARIA Franciane de Oliveira Alvarenga Especialista em Auditoria e Contabilidade Financeira/Faculdade Machado Sobrinho João Paulo de Brito

Leia mais

ANÁLISE DO EBITDA PARA TOMADA DE DECISÃO

ANÁLISE DO EBITDA PARA TOMADA DE DECISÃO ANÁLISE DO EBITDA PARA TOMADA DE DECISÃO Guilherme Pressi¹ RESUMO O processo de obtenção das informações financeiras visando à verificação dos efeitos das atividades operacionais, avaliação de empresas

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria UMA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE EMPRESAS DO SETOR DE FERTILIZANTES FRENTE Á CRISE ECONÔMICA MUNDIAL OCORRIDA

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM EMPRESAS DA ÁREA COMERCIAL DE EMBALAGENS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM EMPRESAS DA ÁREA COMERCIAL DE EMBALAGENS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM EMPRESAS DA ÁREA COMERCIAL DE EMBALAGENS Érika Patrícia de Sousa M. Camelo 1 Kátia Regina Bernabé 1 Sebastião Fagundes da Silva 1 Roberto Rivelino M. Ribeiro 2 RESUMO.

Leia mais

DECIFRANDO O CASH FLOW

DECIFRANDO O CASH FLOW Por: Theodoro Versolato Junior DECIFRANDO O CASH FLOW Para entender melhor o Cash Flow precisamos entender a sua origem: Demonstração do Resultado e Balanço Patrimonial. O Cash Flow é a Demonstração da

Leia mais

Um Estudo nos Demonstrativos Financeiros Utilizando Técnicas de Análise de Balanços Realizada em uma Empresa do Setor Agroindustrial

Um Estudo nos Demonstrativos Financeiros Utilizando Técnicas de Análise de Balanços Realizada em uma Empresa do Setor Agroindustrial Um Estudo nos Demonstrativos Financeiros Utilizando Técnicas de Análise de Balanços Realizada em uma Empresa do Setor Agroindustrial Vanessa Dalmolin vanessa-dalmolin@hotmail.com UNIFRA Juliana Andréia

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PROF. Msc. JOSÉ VICENTE CAMPINAS - SP 2009 2 ANÁLISE

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EMPRESA RENNER S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EMPRESA RENNER S.A. UFPA - Análise de Demonstrativos Contábeis I 1 ANA PAULA VIEITA CHARLES OLIVEIRA PIMENTEL ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EMPRESA RENNER S.A. UFPA BELÉM 2007 UFPA - Análise de Demonstrativos Contábeis

Leia mais

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008).

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 7 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). A administração

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É a técnica que consiste na decomposição, comparação e interpretação dos demonstrativos do estado patrimonial e do resultado econômico de uma entidade. Técnicas de análise

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

Leia mais

ÍNDICES DE LUCRATIVIDADE E DESEMPENHO: IMPORTANTES FERRAMENTAS PARA ANÁLISE FINANCEIRA DA EMPRESA

ÍNDICES DE LUCRATIVIDADE E DESEMPENHO: IMPORTANTES FERRAMENTAS PARA ANÁLISE FINANCEIRA DA EMPRESA ÍNDICES DE LUCRATIVIDADE E DESEMPENHO: IMPORTANTES FERRAMENTAS PARA ANÁLISE FINANCEIRA DA EMPRESA KELLY RIBEIRO DE SOUZA Graduanda do Curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal do Pará. kellysouza@oi.com.br

Leia mais

Capítulo 3 Projeções contábeis e financeiras 63

Capítulo 3 Projeções contábeis e financeiras 63 Sumário Capítulo 1 Conceitos de matemática financeira 1 1.1 Introdução 1 1.2 Taxa de juro nominal e taxa de juro real 3 1.2.1 Fórmula 3 1.3 Capitalização simples 4 1.3.1 Fórmulas 4 1.4 Capitalização composta

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DAS NECESSIDADES LÍQUIDAS DE CAPITAL DE GIRO: APLICAÇÃO DO MODELO DINÂMICO DE ANÁLISE FINACEIRA.

FONTES DE FINANCIAMENTO DAS NECESSIDADES LÍQUIDAS DE CAPITAL DE GIRO: APLICAÇÃO DO MODELO DINÂMICO DE ANÁLISE FINACEIRA. FONTES DE FINANCIAMENTO DAS NECESSIDADES LÍQUIDAS DE CAPITAL DE GIRO: APLICAÇÃO DO MODELO DINÂMICO DE ANÁLISE FINACEIRA. Cássio Roberto de Araújo Fernando de Sousa Santana Giani Claudia Setto Vieira Jussiara

Leia mais

ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS

ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS Prof. Herbert Kimura INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE BALANÇOS CONTEXTUALIZAÇÃO Prof. Herbert Kimura INFORMAÇÕES Interna Externa Armazenagem Contábil! Relatórios contábeis

Leia mais

AVALIAÇAO FINANCEIRA DA GRENDENE S/A

AVALIAÇAO FINANCEIRA DA GRENDENE S/A Universidade federal de Itajubá Instituto de Engenharia de Produção e Gestão IEPG AVALIAÇAO FINANCEIRA DA GRENDENE S/A EPR 30 Contabilidade Gerencial Prof: Edson de Oliveira Pamplona Equipe: - Bruno José

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

1-Introdução. 1.1-Objetivos. 1.2-Justificativa para a escolha da empresa. 1.3-Estrutura do trabalho

1-Introdução. 1.1-Objetivos. 1.2-Justificativa para a escolha da empresa. 1.3-Estrutura do trabalho 1-Introdução 1.1-Objetivos Este trabalho visa analisar os balanços de uma determinada empresa, no caso a construtora Método Engenharia S.A., para extrair informações das suas demonstrações financeiras,

Leia mais

Mayara de Oliveira Ribeiro 2 e Juliana Andréia Rüdell Boligon 3 RESUMO

Mayara de Oliveira Ribeiro 2 e Juliana Andréia Rüdell Boligon 3 RESUMO Disciplinarum Scientia. Série: Ciências Sociais Aplicadas, S. Maria, v. 5, n. 1, p. 15-34, 2009. 15 ISSN 1981-5778 ANÁLISE POR MEIO DE ÍNDICES FINANCEIROS E ECONÔMICOS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31 UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31 AVALIANDO A EVOLUÇÃO DO CICLO DE CAIXA DA EMPRESA Cálculo e interpretação dos prazos médios de recebimento de vendas, giro de estoques e prazo médio de pagamento de compras.

Leia mais

Análise das demonstrações financeiras como instrumento para tomada de decisões.

Análise das demonstrações financeiras como instrumento para tomada de decisões. Análise das demonstrações financeiras como instrumento para tomada de decisões. Kleiton Ribeiro da Silva Paulo Cesar de Souza Resumo: A tomada de decisões

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS NOTA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso: Administração de Empresas Turma: Disciplina: Administração Financeira Professor : Maxwell Lucena / Aluno(a): Maxwe R.A.: Assinatura: Data: / / 1ª. Questão

Leia mais

Departamento de Desenvolvimento Profissional ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Departamento de Desenvolvimento Profissional ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Departamento de Desenvolvimento Profissional ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Profª Adriana Valente e-mail: adrianatvalente@hotmail.com Rio de Janeiro, 2º semestre de 2015. Rua 1º de Março, 33 Centro

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços.

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. QUESTÕES COMENTADAS Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. 01. (FCC Analista Contabilidade TRT 24ª Região 2011) Considere: ATIVO CIRCULANTE Companhia X Companhia

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais