Sistema Integrado Tropicana. Manual Tropicana de Manejo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema Integrado Tropicana. Manual Tropicana de Manejo"

Transcrição

1 Sistema Integrado Tropicana Manual Tropicana de Manejo

2 Manual Tropicana de Manejo INTRODUÇÃO Vantagens proporcionadas pela Estação de Monta No período de acasalamento No parto e nascimento Na desmama Na seleção dos animais MANEJO DO REBANHO ANEXOS 1.1. Animais de Reprodução Exames e Seleção Pré-Reprodutivos Estações de Montas Estações de Nascimentos Ocasião do Parto Classificação por Condição Corporal - CC Touros 1.2. Animais de Cria e Recria Nascimento dos Bezerros Desmama dos Bezerros Recria das Fêmeas Recria dos Machos

3 Histórico da Raça Tropicana Em busca de touro com bom desempenho reprodutivo em temperaturas elevadas e em condições agrestes, como as encontradas no Brasil Central, que tivesse 100% de sangue europeu (bos taurus), para proporcionar a máxima heterose no cruzamento com fêmeas zebuínas (já que 90% do rebanho brasileiro é composto de animais bos indicus da raça Nelore, ou Ongole, como é chamado em sua terra de origem, a India), verificamos, após estudos e largo tempo de observação, que o reprodutor que preenchia as condições era da raça Caracu (raça crioula brasileira). Trazidos da Europa pelos colonizadores portugueses, que os denominaram Caracu, esses animais foram criados nas condições naturais dos sertões brasileiros, sem a preocupação de uma seleção produtiva pelos criadores da época, adquirindo uma resistência muito grande às condições tropicais devido à seleção feita pela mãe natureza, que neste aspecto é cruel, deixando sobreviver somente aqueles que a ela resistem. O Caracu tomou-se, então, a única raça de origem européia tropicalizada. Esta raça, formada por condições naturais, seus animais apresenta pouca carne no traseiro, deixando a desejar uma melhor distribuição de carne em sua carcaça. Por outro lado alguns trabalhos zootécnicos mostram que a raça francesa Blonde D'Aquitaine tem a mesma origem da raça Caracu. A raça Blonde D'Aquitaine foi formada no sul da França por indivíduos talentosos e competentes, que utilizaram métodos científicos, técnicas modernas e equipamentos de última geração, proporcionando à raça grande precocidade, índices extraordinários de rendimento e excelente distribuição de carne em sua carcaça. Com a preocupação de fazer uma raça com as virtudes da tropicalização do Caracu, melhorando o rendimento e a distribuição de carne em sua carcaça, encontramos como solução o acasalamento de animais Blonde D'Aquitaine e Caracu. Desse acasalamento surgiu a raça TROPICANA, raça brasileira com sangue 100% europeu (5/8 de Caracu e 3/8 de Blonde D'Aquitaine). Os machos da raça TROPICANA têm as vantagens de tropicalização, pela resistência, rusticidade, longevidade e excelente desempenho reprodutivo, transmitindo aos seus filhos uma carcaça com alto rendimento e melhor distribuição de carne. Sendo taurinus (100% europeu), proporcionam ainda o máximo poder de heterose no cruzamento com fêmeas zebuínas. JOSÉ EDUARDO ROCHA CABRAL Pecuarista e idealizador da raça Tropicana

4 Introdução Com a intenção de levar a nossa colaboração na padronização e facilitar o manejo dos rebanhos que produzirão os animais da marca TROPICANA, para que estes tenham maior produtividade, podendo proporcionar aos seus proprietários menores custos e maior rentabilidade, tomamos a decisão de elaborar este manual com métodos que podem ser adotados e executados com muita facilidade, evitando investimentos, porquanto são métodos de tecnologia de custo zero. A adoção destes princípios nos dá conta de que não se pode negligenciar. É preciso ter determinação e persistência na sua utilização, pois os resultados do setor pecuário são a longo prazo e erros cometidos custam algum tempo para a sua reparação. Fazem parte deste manual, além das planilhas citadas, modelos de relações e relatórios, bem como comunicações de cobrição e de nascimento que são enviadas às Associações, com cópias aos criadores de TROPICANA, para ajuda-los no manejo e seleção do rebanho.

5 Vantagens proporcionadas pela Estação de Monta Por compreender a Estação de Monta períodos bem definidos, ela nos proporciona a vantagem de unirmos esforços para a programação e execução de tarefas em momentos pré-estabelecidos, conforme exemplificado à seguir: No período de acasalamento: Programação de mão-de-obra para a prática de inseminação artificial, aquisição antecipada de materiais, sêmen e reprodutores para repasse. Avaliação das fêmeas expostas e localização das que tem baixa fertilidade, uma vez que todas tiveram a mesma oportunidade, com o mesmo manejo e alimentação, em igual período. No parto e nascimento: Programação e execução das vacinações pré e pós parto com nascimento nas épocas mais convenientes (secas). Atenção e cuidados concentrados com nascimentos dos bezerros. Vacinações concentradas e em volumes maiores, proporcionando economia de escala. Na desmama: Concentração de número de animais contemporâneos para avaliação, proporcionando uma avaliação correta da habilidade materna de suas mães, uma vez que seus filhos receberam o mesmo manejo e a mesma alimentação, durante o mesmo período. Na seleção dos animais: Só é possível a comparação entre os mesmos indivíduos se estes forem contemporâneos, do mesmo sexo e receberem o mesmo manejo e a mesma alimentação. Portanto, quanto maior o número de animais no mesmo período, melhor o resultado da avaliação através dos seus pesos ajustados aos 365 e 550 dias.

6 Manejo do Rebanho 1.1. Animais em Reprodução Exames e seleção pré-reprodutivos Antes de expor as novilhas pela primeira vez à cobertura, estas devem passar por uma seleção que avaliará subjetivamente e objetivamente suas características fenotípicas. a) Avaliações Subjetivas: São aquelas baseadas na opinião do avaliador, e referem-se ao padrão racial, e avaliação econômica da carcaça (COMPRIDA e PROFUNDA; COM BOA DISTRIBUIÇÃO DE CARNE; MUSCULATURA PRONUNCIADA) e aparelho reprodutivo (BOM e APTO À REPRODUÇÃO), realizada por médico veterinário, antes das estações de monta. b) Avaliações Objetivas: São aquelas que se pode medir, tais como idade e peso, tendo como parâmetros mínimos (18 meses com peso de 300 kg) e se realizarão no mesmo momento da avaliação subjetiva. Os animais não aprovados serão descartados para fins reprodutivos, podendo ser destinados à venda para outros criadores, ou engorda e abate, o que será decidido em razão da melhor opção financeira. A primeira opção somente deverá ser adotada se o valor do quilo vivo vendido for superior ao valor obtido no abate. As fêmeas selecionadas para reprodução serão cadastradas e resenhadas para receber a indicação de sêmen ou reprodutor adequados, que serão utilizados em cada animal, com auxílio da planilha Indicação de Touros, conforme modelo constante nesta apostila. As informações da planilha indicação de touros darão origem à planilha Fêmeas à inseminar/cobrir (conforme modelo constante nesta apostila), para orientação dos serviços de inseminação artificial ou cobertura, que serão realizados no campo durante as estações de monta Estações de Monta ou Cobertura Serão duas as estações, bem definidas e assim denominadas: a) Estação de Outono: 61 dias, de 1º de maio a 31 de junho, com inseminação;

7 Manejo do Rebanho b) Estação de Verão: 92 dias, de 1º de outubro a 31 de dezembro, com inseminação, fazendo um posterior repasse (30 dias) com touro de 1º a 31 de janeiro. Para orientação e bom desempenho no acasalamento durante as estações de monta, os criadores de TROPICANA podem utilizar o modelo de planilha Fêmeas a inseminar/cobrir que consta nesta apostila. Na estação de Outono: Serão trabalhadas as novilhas (virgens, entrando em reprodução) que nasceram de agosto a novembro, estando com peso mínimo de 300 kg. Por serem estas após o parto, vacas primíparas e estando, portanto, ainda em crescimento, são mais exigentes em sua alimentação, necessitando de maiores cuidados, tais como: suplementação a campo e aos seus bezerros, oferecer a prática do creep feeding para que estes exijam menos de suas mães e possam ser desmamados com no máximo 160 dias (5 meses) Estas vacas terão de 30 a 90 dias para recuperação de sua condição corporal, para que possam ser incorporadas na estação de verão em 1º de novembro. Entrarão em trabalho também as vacas que não ficaram prenhas na estação de verão anterior e que por qualquer razão não foram descartadas. Na estação de Verão As novilhas virgens com peso acima de 300 kg, que terão aproximadamente 18 meses, serão expostas 61 dias em serviço de inseminação artificial com início em 1º de outubro e término em 30 de novembro. As vacas primíparas e vacas e mais crias serão expostas de 1º de novembro até 31 de dezembro para a prática da inseminação e de 1º a 31 de janeiro com touro em regime de pasto, para repasse. Os toque para diagnóstico de prenhez serão realizados a partir de 45 dias após o final das estações, portanto, no final de agosto e no final de março, utilizando para suas anotações a planilha Fêmeas a tocar, conforme modelo constante deste material.

8 Manejo do Rebanho As fêmeas que estiverem prenhes deverão ser assinaladas com a cola totalmente aparada, as que estiverem vazias e foram inseminadas ficarão com meia cola aparada, e as que não foram trabalhadas estarão com cola total. Recomendamos o descarte das fêmeas vazias após a desmama de seus bezerros Estações de Nascimento Teremos duas estações, bem definidas: 1ª. No período de março e abril, resultando na maioria dos partos das novilhas, que serão vacas primíparas, visto que nesse período ainda se encontra boa alimentação a campo para seu desenvolvimento e lactação. Estas deverão ter atenção e cuidados especiais para que ao desmamarem seus bezerros, estes estejam em boas condições corporais, podendo assim entrar na estação de monta do verão com fertilidade. Compensa economicamente, se necessário for, para que não percam a chance de prenhez na temporada próxima, suplementa-la a campo ou até a prática da desmama antecipada de seus bezerros. 2ª. (mais longa) iniciando na ocasião da seca, ou seja, no período que vai de julho a agosto, para os bezerros das novilhas de primeira cria (agora vacas primíparas), que foram acasaladas em outubro e que, portanto, com parto antecipado terão maior tempo para recuperar sua condição corporal para entrarem com fertilidade na próxima estação de monta (monta de verão). Nos meses de setembro, outubro e novembro, vão parir as demais fêmeas, já de segunda ou mais crias. Recomendamos que sejam vendidas as fêmeas que ficaram para o repasse no mês de janeiro. Com a seleção de fêmeas que ficam prenhes nos primeiros serviços, teremos um rebanho com mais alta fertilidade.

9 Manejo do Rebanho Ocasião do parto Junto ao presente material de apoio encontra-se a planilha-modelo Previsão de Parto (anexo 4), documento que deverá auxiliar os criadores de TROPICANA. Recomenda-se que de 30 a 60 dias antes e 30 dias após o parto, as fêmeas recebam alimentação com maior valor energético (pasto de boa qualidade ou suplemento) para que possam resistir ao desgaste do trabalho de parto e recuperar-se rapidamente, não prejudicando sua condição corporal. Atenção especial deve ser dada às vacas primíparas, as quais devem parir com condição corporal de 4 a 5, e para tanto devem ser manejadas em boas pastagens ou suplementadas durante a estação seca, como também de 30 a 60 dias após o parto. Ao serem expostas a serviço pela segunda vez, deverão ficar em lote separado, ou seja, não serem misturadas com vacas mais velhas, o que só deverá ocorrer depois de terem emprenhado pela Segunda vez. As vacas devem ser criteriosamente observadas quanto à sua condição corporal antes e após o parto e, se possível, separadas as de condição corporal inferior para receberem suplementação e/ou serem manejadas em pastos melhores. De acordo com o programado, elas entram na estação de cobertura paridas com bezerros de até 3 meses, e técnicas de baixíssimo custo deverão ser utilizadas, tais como Desmame Interrompido, Chang e Parada no Rodeio com Rufiões. Aproveitar a presença dos bezerros no curral, quando da vacinação, ou mesmo para o Chang para dosificá-los com vermicidas à base de Albendazole ou Oxibendazole Classificação por Condição Corporal - CC A condição corporal da vaca ao entrar na estação de cobertura deve estar acima de 3, caso contrário ela não emprenhará. Assim, um bom momento de tomar providência a este respeito é após estarem desmamadas, ou seja, no mês de maio, classificando-as para que as de condições inferior sejam manejadas em pastagens melhores ou suplementadas. (anexo 9)

10 Manejo do Rebanho Touros A relação de vacas / touro é de 30 / 1. Os touros serão submetidos a exames andrológicos e teste de libido no mês de setembro, quando então serão avaliados. Os touros deverão receber boa alimentação ou suplementação nos seus períodos de descanso. Na ocasião do exame andrológico, os touros são dosificados com vermicidas à base de Invermectina e com complexo vitamínico ADE. Ao final da estação de cobertura, quando da apartação dos touros das vacas, dosificá-los com vermicidas à base de Albendozale Animais de Cria e Recria Nascimento dos bezerros Estes devem nascer em pastos de fácil acesso, boa visibilidade e próximos da sede. A cura do umbigo dos bezerros deve ser feita dentro das primeiras 24 horas, no campo e não no curral, para evitar contaminação e manejo desnecessário, utilizando solução de alcool iodado a 5%, aplicando 1cc. de Invermectina subcutânea, para evitar aparecimento de bicheiras, e 5cc. de ferro intra-muscular, combatendo a anemia que é freqüente nos recém nascidos, uma vez que o leite materno não contém ferro. Após a desidratação total do cordão umbilical é que os bezerros deverão freqüentar o curral, haja vista que este pode conter maior concentração de sujeira e alto risco de contaminação. A amochação deve ser feita na primeira semana de vida, utilizando métodos apropriados Desmama dos bezerros Os criadores de TROPICANA poderão utilizar-se da planilha Pesagens e avaliação de desmama, presente no anexo 6 desta cartilha, preenchendo-a e através dela orientando-se.

11 Manejo do Rebanho O desmame é uma prática de manejo que visa mais a vaca do que o próprio bezerro. Para amenizar o estresse do desmame, é importante usar o creep feeding para bezerros a partir de 30 dias. Com isso será perfeitamente possível desmama-los já a partir de 5 meses, se necessário, ou com 6 meses, o que ocorrerá de fevereiro a maio para os bezerros das fêmeas acasaladas na estação de verão, e de agosto a setembro para os bezerros das novilhas acasaladas na estação de outono. Sempre dosificá-los com vermicida de 1ª linha por ocasião do desmame, marcando a fogo o mês e ano do nascimento. Este é o momento ideal para avaliar a habilidade materna de suas mães, através dos pesos e medidas dos bezerros. As datas, pesos, medidas de altura de garupas e outras avaliações, bem como o peso das mães, serão anotados na planilha Pesagens e avaliação de desmama, conforme o anexo Fêmeas em Recria Estas deverão ser recriadas com boa alimentação para que tenham um bom desenvolvimento e possam entrar na estação de monta conforme programado, com um mínimo de 300 kg aos 18 meses. Aos 365 dias (1ano) serão pesadas e anotações serão feitas na planilha Pesagens e avaliações aos 365 dias, conforme anexo 7. Aos 550 dias (18 meses) também serão pesadas e as anotações feitas na planilha Pesagens e avaliações aos 550 dias, conforme anexo 8. Após estes trabalhos, teremos de todas as fêmeas o peso ajustado aos 365 dias e o peso ajustado aos 550 dias, para que possamos avaliá-las. Os pesos ajustados entre contemporâneos nestas idades, são importantes para avaliação e comparação dos animais, uma vez que nestes momentos eles não sofrem influência das mães na sua alimentação, dando-nos assim a condição de avaliar verdadeiramente seu potencial genético e o de seu pai.

12 Manejo do Rebanho Machos em Recria Os animais que receberem a aprovação do técnico da marca TROPICANA serão marcados e encaminhados para unidades estrategicamente localizadas no Brasil Central, onde serão recriados e suplementados a campo, sendo totalmente avaliados para posterior comercialização como reprodutores, já adaptados às condições adversas e às temperaturas elevadas das regiões tropicais. Assim sendo, o criador de TROPICANA não terá que gastar energia e tempo com a venda de reprodutores e participará de uma escala econômica de comercialização, uma vez que estes serão agrupados com animais de outros criadores, participando de leilões em conjunto. Os demais machos que não se enquadram nos parâmetros para reprodutor e que, portanto, não comportam maiores despesas, serão recriados em sua origem, para posterior abate.

13 Anexos CRONOGRAMAS Cronograma de Manejo TROPICANA PLANILHAS Indicação de Touros...anexo 1 Fêmeas a Inseminar/Cobrir...anexos 2A, 2B e 2C Fêmeas a Tocar...anexo 3 Previsão de Parto...anexo 4 Fêmeas para vacinar de Brucelose...anexo 5 Animais a Desmamar...anexo 6 Animais a Pesar aos 365 dias...anexo 7 Animais a Pesar aos 550 dias...anexo 8 RELATÓRIOS 1º. Relação de Rebanho 2º. Índices de Produtividade de Vacas 3º. Fêmeas com Classificações e Ganhos genéticos COMUNICAÇÕES Comunicação de Cobrição - Tipo Controlada (CDC) Comunicação de Cobrição - Tipo a Pasto (CDC) Comunicação de Cobrição - Tipo IA (CDC IA) Comunicação de Nascimento (CDN) Autorização de Transferência de Proprietário (ADT) Comunicação de Morte (CDM)

14 Cronograma de Manejo para o Centro-Sul Indicação de Touros Seleção de descarte de fêmeas Preparação de Rufiões Seleção Aquisição Touros/Sêmen Estação de Monta Diagnóstico de Prenhez Nascimentos Aliment. Bez. (Creep Feeding) Desmama Suplem. à Campo (primíparas) Suplem. à Campo (vacas) JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

32

33

34

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de d e b e z e r r o d e c o r t e INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de produção. As técnicas utilizadas

Leia mais

O impacto do touro no rebanho de cria

O impacto do touro no rebanho de cria Algumas contas simples podem constatar que o touro de cria é um fator de produção de extrema relevância A realidade de mercado atual exige do pecuarista competência para se manter no negócio, e visão estratégica

Leia mais

estação de monta Escolha do Leitor

estação de monta Escolha do Leitor estação de monta Realmente existe importância na gestão da fazenda e benefício para o produtor que se utiliza do período reprodutivo? Luís Adriano Teixeira* 32 - ABRIL 2015 A Estação de monta (EM) período

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

Instruções e planilhas para o controle de produção visando o melhoramento genético na bovinocultura de corte de base familiar

Instruções e planilhas para o controle de produção visando o melhoramento genético na bovinocultura de corte de base familiar ISSN 0103-376X Setembro, 2006 Instruções e planilhas para o controle de produção visando o melhoramento genético na bovinocultura de corte de base familiar 57 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

Características dos Touros Senepol. Benefício ao Criador Invernista Confinador. Senepol SL

Características dos Touros Senepol. Benefício ao Criador Invernista Confinador. Senepol SL Senepol SL Programa SLde Melhoramento Estância Santa Luzia SENEPOL Benefícios dos Touros Senepol Santa Luzia Venda permanente Reprodutores & Doadoras Qualidade diferenciada a preço justo Na condução, Pedro

Leia mais

O cruzamento do charolês com o zebu (indubrasil, guzerá ou nelore) dá origem ao CANCHIM. Rústico e precoce, produz carne de boa qualidade.

O cruzamento do charolês com o zebu (indubrasil, guzerá ou nelore) dá origem ao CANCHIM. Rústico e precoce, produz carne de boa qualidade. OUTUBRO 2006 Para chegar ao novo animal, os criadores contaram com a ajuda do superintendente do laboratório de inseminação artificial Sersia Brasil, Adriano Rúbio, idealizador da composição genética

Leia mais

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES Rafael Herrera Alvarez Médico Veterinário, Doutor, Pesquisador Científico do Pólo Centro Sul/APTA

Leia mais

Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial

Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial Ronaldo Lazzarini Santiago 1 INTRODUÇÃO As fazendas Calciolândia e Colonial, de Gabriel Donato de Andrade, sempre foram a referência na seleção do

Leia mais

Manual. do Produtor. de bezerro de corte

Manual. do Produtor. de bezerro de corte Manual do Produtor de bezerro de corte INTRODUÇÃO 02 A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracterizase como um período fundamental no processo de produção. As técnicas

Leia mais

Recria de bovinos de corte

Recria de bovinos de corte Recria de bovinos de corte Professor: Fabiano Alvim Barbosa Disciplina: Bovinocultura de Corte Sistema de Recria Novilhos são recriados para engorda ou Touros (seleção genética) Novilhas são recriadas

Leia mais

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo 4º Workshop Precocidade Sexual. Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo José Luiz Moraes Vasconcelos DPA FMVZ UNESP Botucatu, SP vasconcelos@fca.unesp.br Precocidade em novilhas Nelore

Leia mais

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS Disciplina: Exterior e raças Prof. Mauricio van Tilburg

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht... Página 1 de 6 Pecuária Inseminação Artificial em Bovinos Nome Inseminação Artificial em Bovinos Produto Informação Tecnológica Data Agosto - 2000 Preço - Linha Pecuária Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena

Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena Área total: 354 ha Área pastoril: 330 ha Sistema de produção: Cria de Bovinos Histórico 1982 Início da propriedade

Leia mais

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br QUEM SOMOS Localizada em Montes Claros, norte de Minas Gerais, a BIOCAMPO Assistência Veterinária foi fundada em 2010 e atua na área de Reprodução Bovina.

Leia mais

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE 1 O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE Prof. Dr. Antonio Ferriani Branco PhD em Nutrição e Produção de Ruminantes afbranco@uem.br O SISTEMA VACA-BEZERRO Os fatores que afetam mais significativamente

Leia mais

INFORMATIVO. Cruzamento Industrial e suas vantagens Pág. 5

INFORMATIVO. Cruzamento Industrial e suas vantagens Pág. 5 INFORMATIVO Bauru, 21 de março 2008 nº 012 Saiba como aumentar a fertilidade em seu rebanho Pág. 2 O Informativo NOBRE desse mês, trás uma série de informações para seus leitores,sobretudo para quem deseja

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO

MELHORAMENTO GENÉTICO MELHORAMENTO GENÉTICO Mudança do material hereditário do rebanho de forma a capacitá-lo para produzir leite, mais economicamente em um determinado ambiente. Genética é a ciência que estuda a variação e

Leia mais

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot Sistemas de produção e Índices zootécnicos Profª.: Valdirene Zabot O que é uma CADEIA? É um conjunto de elos onde cada um depende dos demais. Na cadeia de produção da carne e do couro, o bovino é ó elo

Leia mais

1. Planilha: Indicadores de Desempenho da Propriedade Leiteira (IDPL)

1. Planilha: Indicadores de Desempenho da Propriedade Leiteira (IDPL) Uso de planilhas para controle e avaliação de indicadores técnicos na pequena propriedade leiteira José Ladeira da Costa 1 Embrapa Gado de Leite Introdução A metodologia proposta neste artigo para controle

Leia mais

Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br

Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br CLASSIFICAÇÃO NÍVEL DE TECNOLOGIA ADOTADO: extensivo, semi-extensivo, semi-intensivo e intensivo

Leia mais

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 Nutrição e alimentação de ovinos Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS PARA OVINOS Tabelas de Exigências Nutricionais: NRC 1985 Primeira tabela de exigências nutricionais para

Leia mais

Manejo reprodutivo. Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda.

Manejo reprodutivo. Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda. Manejo reprodutivo Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda. Para produzir é preciso reproduzir!!! Eficiência Reprodutiva Rebanho Bovino Brasileiro Vacas e novilhas > 24

Leia mais

Ciclo pecuário. Comportamento de preços

Ciclo pecuário. Comportamento de preços Comportamento de preços... Continuação da aula anterior 3 fenômenos de preço Sazonalidade: seca e águas / safra entre safra Ciclo da pecuária: Flutuação de preços que ocorre periodicamente na comercialização

Leia mais

PROGRAMA DE FOMENTO AO CRUZAMENTO ANGUS MANUAL

PROGRAMA DE FOMENTO AO CRUZAMENTO ANGUS MANUAL PROGRAMA DE FOMENTO AO CRUZAMENTO ANGUS MANUAL 1. A RAÇA ABERDEEN ANGUS Originária da Escócia, a raça foi selecionada em função de suas características superiores de precocidade, fertilidade, rusticidade,

Leia mais

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50 ASSOCIAÇÃO 1 DORPER BRASIL SEM FRONTEIRAS NEWS ANO IV N o 04 R$ 19,50 9 771414 620009 0 2 ORGÃO OFICIAL DA ASSOCIAÇÃO ABC & DORPER B R A S I L BRASILEIRA DOS CRIADORES DE DORPER BIOTECNOLOGIAS REPRODUTIVAS

Leia mais

primeiro índice de cruzamento industrial projetado para o brasil

primeiro índice de cruzamento industrial projetado para o brasil primeiro índice de cruzamento industrial projetado para o brasil o índice para guiar suas melhores decisões! O QUE É O BCBI? Desenvolvido com o suporte técnico do Geneticista Senior da L`Alliance Boviteq,

Leia mais

estratégias para melhorar seu rebanho

estratégias para melhorar seu rebanho Texto adaptado pela CRI Genética Brasil Fonte: Associação Americana de Angus CRI Genética Brasil estratégias para melhorar seu rebanho O que é Relatório de Avaliação de Touro? A Associação Americana de

Leia mais

financeira na ovinocultura de corte

financeira na ovinocultura de corte Gestão e análise financeira na ovinocultura de corte Djalma de Freitas Zootecnista Doutor em Produção Animal Diretor Técnico PlanGesPec ProOvinos SENAR/FAMASUL Campo Grande/MS junho/2012 Objetivos Pensar

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO DA PRECOCIDADE SEXUAL NA RAÇA NELORE

MELHORAMENTO GENÉTICO DA PRECOCIDADE SEXUAL NA RAÇA NELORE MELHORAMENTO GENÉTICO DA PRECOCIDADE SEXUAL NA RAÇA NELORE Fábio Dias 1 ; Joanir P. Eler 2 ; José Bento S. Ferraz 2 ; Josineudson A. II de V. Silva 3 1 Zootecnista, MSc. Agro Pecuária CFM Ltda, Av. Feliciano

Leia mais

Manual de Instruções DataCollection. Nome do Documento. Novas Funcionalidades DataCollection versão 2.80

Manual de Instruções DataCollection. Nome do Documento. Novas Funcionalidades DataCollection versão 2.80 Nome do Documento Novas Funcionalidades DataCollection versão 2.80 1. Carregar Observações O DataCollection permite que o usuário insira observações específicas aos animais. Estas observações serão exibidas

Leia mais

PROJETO PECUÁRIO A EQUIPE DEVERÁ DEFENDER SUA A PROPOSTA NA APRESENTAÇÃO!

PROJETO PECUÁRIO A EQUIPE DEVERÁ DEFENDER SUA A PROPOSTA NA APRESENTAÇÃO! PROJETO PECUÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE Nome: Sr. João das Rosas PROPOSTA DE FINANCIAMENTO (por ano) Finalidade : Custeio Pecuário - O cálculo do valor proposto deve ser com base no número de animais

Leia mais

DESEMPENHO REPRODUTIVO DE UM REBANHO OVINO DA RAÇA TEXEL NA REGIÃO DO ALTO URUGUAI CATARINENSE

DESEMPENHO REPRODUTIVO DE UM REBANHO OVINO DA RAÇA TEXEL NA REGIÃO DO ALTO URUGUAI CATARINENSE INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE-CAMPUS CONCÓRDIA DESEMPENHO REPRODUTIVO DE UM REBANHO OVINO DA RAÇA TEXEL NA REGIÃO DO ALTO URUGUAI CATARINENSE RODRIGO KRAMER RODRIGUES- Aluno do curso de M. Veterinária

Leia mais

Projeto NELOGIR. Cruzamento Nelore x Gir como matriz para F1. Resultados parciais. Dr. Ronaldo Lazzarini Santiago

Projeto NELOGIR. Cruzamento Nelore x Gir como matriz para F1. Resultados parciais. Dr. Ronaldo Lazzarini Santiago Projeto NELOGIR. Cruzamento Nelore x Gir como matriz para F1. Resultados parciais Dr. Ronaldo Lazzarini Santiago Colonial Agropecuária e Fazenda Calciolândia F-1, A MATRIZ MAIS ADEQUADA AO SISTEMA DE PRODUÇÃO

Leia mais

Pressão de Seleção. Touros Jovens CEIP (20%) Machos avaliados (100%)

Pressão de Seleção. Touros Jovens CEIP (20%) Machos avaliados (100%) O Qualitas Programa de melhoramento genético da raça Nelore Reconhecido, aprovado e auditado pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA) Autorizado a emitir o CEIP a partir de 2002 O

Leia mais

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO FAZENDA SANTA LUZIA Maurício Silveira Coelho Medico Veterinário CRMV MG 2352 Fazenda Santa Luzia PASSOS/MG E-mail mauricio@josecaboverde.com.br HISTÓRICO Proprietário: José Coelho Vítor e filhos Localização:

Leia mais

Coleta e Análise de Dados

Coleta e Análise de Dados Uma ferramenta para melhorar os resultados no campo Renato Pavan Anderlini Médico Veterinário Mestrado UNESP Botucatu Cel: (11) 986 770 089 renato.pavan@multbovinos.com.br BeefExpo 2015 O que são dados?

Leia mais

PADS 2013 PROVA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SENEPOL 2013

PADS 2013 PROVA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SENEPOL 2013 PADS 2013 PROVA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SENEPOL 2013 1. Introdução A PADS 2013, a ser promovida e organizada pelo Núcleo de Melhoramento da Raça Senepol sob supervisão técnica do GENEPLUS - Programa

Leia mais

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Parceria entre Alta Genetics, Pfizer e Sérgio Nadal promete acelerar os rebanhos comerciais do país. A carne

Leia mais

Programa Nelore Brasil e seu Impacto Econômico

Programa Nelore Brasil e seu Impacto Econômico Programa Nelore Brasil e seu Impacto Econômico II Congreso Ganadero Nacional CORFOGA 2008 Prof. Dr. Raysildo B. Lôbo ANCP, USP Crescimento da Pecuária de Corte Brasileira: produção de carne e abate 71,0%

Leia mais

ACONTE. Touros CV. Integração Lavoura/Pecuária Página 7. informativo carlos viacava nº - 8 Junho 2013

ACONTE. Touros CV. Integração Lavoura/Pecuária Página 7. informativo carlos viacava nº - 8 Junho 2013 ACONTE informativo carlos viacava nº - 8 Junho 2013 Grupo de novilhas super precoces que estarão à venda no Leilão Nelore Mocho CV do dia 28 de julho em Paulínia, SP. Prenhes aos 12 a 14 meses. Leilões

Leia mais

Projeto SIMGIR. 1 Introdução. 2 Escolha das Raças. 3 Parceria. 4 Produção. 5 Anexos: 5-1 Normas de Identificação de Animais. Receptoras.

Projeto SIMGIR. 1 Introdução. 2 Escolha das Raças. 3 Parceria. 4 Produção. 5 Anexos: 5-1 Normas de Identificação de Animais. Receptoras. Projeto SIMGIR 1 1 Introdução 2 Escolha das Raças 3 Parceria 4 Produção 5 Anexos: 5-1 Normas de Identificação de Animais Receptoras Bezerras F1 5-2 Calendário de Manejo 5-3 Projeto de Comercialização dos

Leia mais

Genética Aditiva melhorando o peso dos bezerros à desmama e ao sobreano - Benefício do Choque sanguíneo em Programas de Cruzamento Industrial

Genética Aditiva melhorando o peso dos bezerros à desmama e ao sobreano - Benefício do Choque sanguíneo em Programas de Cruzamento Industrial Genética Aditiva melhorando o peso dos bezerros à desmama e ao sobreano - Benefício do Choque sanguíneo em Programas de Cruzamento Industrial Agregar valor ao plantel de fêmeas bovinas este é o objetivo

Leia mais

NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES

NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES Acadêmicas: Caroline Wrague e Luiza P. Nunes INTRODUÇÃO: A produção ovina ocorre predominantemente em sistemas de criação extensiva no Sul do Brasil. A quantidade e qualidade

Leia mais

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi.

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. 0090_mar10 Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. Campinas/SP - 19. 3729 4477 Sales Oliveira/SP - 16. 3852 0011 Pará de Minas/MG - 37. 3231 7300 Além Paraíba/MG - 32. 3466 5555

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

SIMPOSIO DE GADO LEITEIRO RIBEIRÃO PRETO SP AGO/2013

SIMPOSIO DE GADO LEITEIRO RIBEIRÃO PRETO SP AGO/2013 SIMPOSIO DE GADO LEITEIRO RIBEIRÃO PRETO SP AGO/2013 MAURICIO SILVEIRA COELHO 35 9133 1825 mauricio@grupocaboverde.com.br WWW.GRUPOCABOVERDE.COM.BR FAZENDA SANTA LUZIA - HISTÓRICO Proprietário: José Coelho

Leia mais

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore THIAGO VINÍCIUS DE SOUZA GRADUANDO EM MEDICINA VETERINÁRIA UFMT/SINOP CONTATO: THIAGOV_SOUZA@HOTMAIL.COM Produtividade Cenário atual Nelore sistema

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

José Ferreira Pankowski

José Ferreira Pankowski José Ferreira Pankowski O conselheiro técnico da Associação dos Criadores de Nelore de Mato Grosso, José Ferreira Pankowski, é o entrevistado da semana do site da Nelore MT. Ele fala sobre o desenvolvimento

Leia mais

Associação de Criadores de Bovinos da Raça Preta

Associação de Criadores de Bovinos da Raça Preta Associação de Criadores de Bovinos da Raça Preta Benavente, 18 de Abril de 2013 1 - Resultados produtivos e reprodutivos 1.1 - Indicadores da evolução do efetivo 1.2 - Indicadores de produtividade 2 -

Leia mais

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Oficina Sustentabilidade do Bioetanol 25 e 26 de fevereiro de 2010 Brasília Miguel Taube Netto UniSoma Luis Franco de Campos Pinto UniSoma Estudo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é

A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é resultado de um estudo minucioso do ambiente onde se

Leia mais

5ª Prova de Desempenho Individual de Touros Nelore Vitrine Tecnológica da UFU

5ª Prova de Desempenho Individual de Touros Nelore Vitrine Tecnológica da UFU 5ª Prova de Desempenho Individual de Touros Nelore Vitrine Tecnológica da UFU 1. Apresentação Este documento tem por finalidade apresentar a 5ª Prova de Desempenho Individual de Touros Nelore a ser realizada

Leia mais

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Importância Produtividade do rebanho => obter sucesso

Leia mais

INSTRUÇÔES PARA PREENCHIMENTO

INSTRUÇÔES PARA PREENCHIMENTO INSTRUÇÔES PARA PREENCHIMENTO PROGRAMA GESTÃO DE PROPRIEDADES DE SUCESSO DE MA T O GROSSO Qual a finalidade da planilha? Hoje em dia, e no futuro cada vez mais, a realidade econômica irá exigir uma maior

Leia mais

FAZENDA EXEMPLO / PROPRIETÁRIO EXEMPLO Estação: ESTACAO 2014/2015

FAZENDA EXEMPLO / PROPRIETÁRIO EXEMPLO Estação: ESTACAO 2014/2015 Tabela 01 - Taxa de Gestação ao final da estação de monta Lote Qtd. Animais Diag. Prenhas (%) Gestação Sem DG LOTE 01 J MULTIPARAS 09 100 100 89 89.00 0 LOTE 02 J MULTIPARAS 09 132 130 116 89.23 2 LOTE

Leia mais

CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL

CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL Entrevistado: Marcelo Brandi Vieira Mestre em Reprodução Animal Diretor Técnico da Progen Inseminação Artificial BI: Qual a importância da Inseminação Artificial

Leia mais

A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON

A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON ASSOCON Associação Nacional dos Confinadores Entidade nacional com 85 membros 21% do volume confinado

Leia mais

A utilização da vaca F1: visão da EMATER-MG INTRODUÇÃO

A utilização da vaca F1: visão da EMATER-MG INTRODUÇÃO A utilização da vaca F1: visão da EMATER-MG 1Elmer Ferreira Luiz de Almeida; 2José Alberto de Àvila Pires 1 Coordenador Técnico Bovinocultura de Leite da EMATER-MG 2Coordenador Técnico Bovinocultura de

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Serviços em Pecuária de Leite Avaliação Ginecológica e Diagnóstico de Gestação com Aparelho de Ultrassonografia Exames Laboratoriais IATF Inseminação

Leia mais

DE CRIADOR PARA CRIADOR

DE CRIADOR PARA CRIADOR DE CRIADOR PARA CRIADOR No clima para a máxima produção com qualidade. Altitude e temperatura perfeitas. O resultado são rebanhos com máxima produção de sêmen com qualidade, para você vender sempre mais.

Leia mais

ÍNDICE: INTRODUÇÃO: No final são apresentados os níveis de garantia dos nossos produtos. Boa leitura!

ÍNDICE: INTRODUÇÃO: No final são apresentados os níveis de garantia dos nossos produtos. Boa leitura! ÍNDICE: INTRODUÇÃO: Este manual tem a finalidade de orientar os produtores, técnicos e vendedores a respeito da forma correta para a utilização de suplementos minerais, suplementos minerais protéicos,

Leia mais

(NUTROESTE URÉIA PLUS)

(NUTROESTE URÉIA PLUS) O SEU BOI DÁ LUCRO? No Brasil, a atividade pecuária existe há centenas de anos, alternando períodos de lucratividade alta com outros de baixa rentabilidade. Há neste momento uma crise gerada por vários

Leia mais

DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA

DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA Walter Miguel Ribeiro Engenheiro Agrônomo GERAR RENDA??? Como gerar renda Renda Resultado = Quantidade de leite + Quantidade de animais - CUSTO TOTAL x preço do leite x preço

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DAS PROVAS DE REPRODUTORES LEITEIROS

INTERPRETAÇÃO DAS PROVAS DE REPRODUTORES LEITEIROS AZ042 Bovinocultura de Leite Aula 14 INTERPRETAÇÃO DAS PROVAS DE REPRODUTORES LEITEIROS Prof. Rodrigo de Almeida Entendendo as Provas de Touros Canadenses Informações de Produção Provas de produção Baseado

Leia mais

FAZENDA PARENTE. Iguatu - CE

FAZENDA PARENTE. Iguatu - CE FAZENDA PARENTE Iguatu - CE Antônio Gracivan de Araújo Produtor de leite, Comerciante, Proprietário da Fazenda Parente; Está na atividade há aproximadamente 10 anos; Produz atualmente 850 litros de leite

Leia mais

Inovações nutricionais para incremento da produtividade na cria: A Suplementação Tecnológica

Inovações nutricionais para incremento da produtividade na cria: A Suplementação Tecnológica Beef Expo 15 de junho de 2016 São Paulo, SP Inovações nutricionais para incremento da produtividade na cria: A Suplementação Tecnológica João Marcos Beltrame Benatti Supervisor de Treinamento Técnico Trouw

Leia mais

ZAP Zambezia Agro Pecuaria Lda - Mozambique DESENVOLVIMENTO DE GADO LEITEIRO GIROLANDA FERTILIZACAO IN VITRO IVF

ZAP Zambezia Agro Pecuaria Lda - Mozambique DESENVOLVIMENTO DE GADO LEITEIRO GIROLANDA FERTILIZACAO IN VITRO IVF 1 ZAP Zambezia Agro Pecuaria Lda - Mozambique DESENVOLVIMENTO DE GADO LEITEIRO GIROLANDA FERTILIZACAO IN VITRO IVF 2 Capitulo 1 - Parceiros e Principal Fornecedor. Parceiros do projeto In Vitro Brasil

Leia mais

Sílvio Renato Oliveira Menegassi Júlio Otávio Jardim Barcellos Leonardo Canali Canellas Tamara Esteves de Oliveira Jean Carlos dos Reis Soares

Sílvio Renato Oliveira Menegassi Júlio Otávio Jardim Barcellos Leonardo Canali Canellas Tamara Esteves de Oliveira Jean Carlos dos Reis Soares Sílvio Renato Oliveira Menegassi Júlio Otávio Jardim Barcellos Leonardo Canali Canellas Tamara Esteves de Oliveira Jean Carlos dos Reis Soares UFRGS FACULDADE DE AGRONOMIA DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA NESPRO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO Ricardo Dias Signoretti 1 Na prática, o período seco e transição (pré-parto) constituem-se num desafio aos técnicos e produtores de leite, que devem ficar atentos

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORAMENTO GENÉTICO DE ZEBUÍNOS - PMGZ

PROGRAMA DE MELHORAMENTO GENÉTICO DE ZEBUÍNOS - PMGZ PROGRAMA DE MELHORAMENTO GENÉTICO DE ZEBUÍNOS - PMGZ Avaliação Genética - Gado de Corte As avaliações genéticas das Raças Zebuínas de Corte são desenvolvidas pela ABCZ em convênio com a Embrapa. Com base

Leia mais

Gabriel Mantelato Rogatto Graduando 3º ano Zootecnia

Gabriel Mantelato Rogatto Graduando 3º ano Zootecnia Gabriel Mantelato Rogatto Graduando 3º ano Zootecnia Introdução Brasil -> Nordeste Maior Produtor II)Canindé - Leite I)Boer - Carne III)Saanen - Leite Retirado de: www.caprilproduction.com Manejo Reprodutivo

Leia mais

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Marco Lubas Cuiabá 05-05-2010 Produtividade 1. Quanto está produzindo? 2. Quanto é o potencial de sua produção? 3. Quais os Limitantes? PRODUTIVIDADE X

Leia mais

Curso de inseminação artificial da Alta dá dicas de como aumentar a rentabilidade em sua fazenda

Curso de inseminação artificial da Alta dá dicas de como aumentar a rentabilidade em sua fazenda São Paulo, 12 março de 2014 Curso de inseminação artificial da Alta dá dicas de como aumentar a rentabilidade em sua fazenda Suprir a demanda de mercado com produtos de qualidade e sustentáveis. Este é

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Dr. José Luiz Viana Coutinho Código: 073 Município: Jales - SP EE: Eixo Tecnológico: Recursos Naturais Habilitação

Leia mais

Mateus J.R. Paranhos da Costa. mpcosta@fcav.unesp.br. Grupo de Estudos e Pesquisas em Etologia e Ecologia Animal

Mateus J.R. Paranhos da Costa. mpcosta@fcav.unesp.br. Grupo de Estudos e Pesquisas em Etologia e Ecologia Animal BEM-ESTAR ESTAR DE BOVINOS DE CORTE: BOAS PRÁTICAS DE MANEJO Mateus J.R. Paranhos da Costa Departamento de Zootecnia - FCAV/UNESP, Jaboticabal-SP mpcosta@fcav.unesp.br Grupo de Estudos e Pesquisas em Etologia

Leia mais

Nova Sistemática de Consultoria. Raysildo B. Lôbo Sabrina M. Trigo

Nova Sistemática de Consultoria. Raysildo B. Lôbo Sabrina M. Trigo Nova Sistemática de Consultoria Raysildo B. Lôbo Sabrina M. Trigo Conceitos Normas para Consultoria Tipos de Consultoria Módulo Consultores Conceitos Consultor Técnico Associado: profissional formado na

Leia mais

POR QUE USAR GUZERÁ? ACGB

POR QUE USAR GUZERÁ? ACGB POR QUE USAR GUZERÁ? ACGB PRODUÇÃO DE CARNE E LEITE: SUSTENTÁVEL POR NATUREZA O brasileiro elegeu a carne bovina como um dos seus alimentos preferidos nas refeições diárias. O consumo per capita é um dos

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES Mauro Sartori Bueno, Eduardo Antonio da Cunha, Luis Eduardo dos Santos Pesquisadores Científicos do Instituto de Zootecnia, IZ/Apta-SAA-SP CP 60, Nova Odessa-SP, CEP

Leia mais

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. "Seu resultado é o nosso compromisso." EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com.

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. Seu resultado é o nosso compromisso. EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com. PROGRAMA NUTRICIONAL "Seu resultado é o nosso compromisso." PARA SUÍNOS EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL www.guabi.com.br 0800 16 90 90 s para as fases de Maternidade e Creche A linha Nutriserviços para nutrição

Leia mais

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização RESULTADOS DO CONFINAMENTO DA COPLACANA EM 2.008 E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro

Leia mais

Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS Consultor Sênior

Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS Consultor Sênior BEZERROS: VENDER, RECRIAR OU ENGORDAR? Apesar de muitos pecuaristas não adotarem formalmente a estação de monta no Brasil há uma expressiva concentração do numero de animais desmamados no final do 1º semestre.

Leia mais

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal SISTEMA DE PRODUÇÃO X QUALIDADE DA CARNE OVINA Raquel Abdallah da Rocha

Leia mais

Selecionando para Melhorar as Carcaças do Gado de Corte:

Selecionando para Melhorar as Carcaças do Gado de Corte: Selecionando para Melhorar as Carcaças do Gado de Corte: Leonardo Campos 1 e Gabriel Campos 2 O professor e pesquisador norte-americano R.A. Bob Long, colunista da revista Angus Journal e autor do Sistema

Leia mais

Parâmetros Genéticos

Parâmetros Genéticos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL Parâmetros Genéticos 1. INTRODUÇÃO Os parâmetros genéticos são

Leia mais