Manual de Normas e Procedimentos Administrativos. Versão 1.1 /2011 Aprovada através da ARD nº 08 de

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Normas e Procedimentos Administrativos. Versão 1.1 /2011 Aprovada através da ARD nº 08 de 14.03.2011."

Transcrição

1 Manual de Normas e Procedimentos Administrativos. Versão 1.1 /2011 Aprovada através da ARD nº 08 de

2 Manual de Normas e Procedimentos Administrativos. ÍNDICE Relatório de Auditoria com solicitação das normas Organograma Estatuto Social Manual de Organização Atribuições da Diretoria, Gestores e Corpo Técnico Matriz de Competência Dispêndios de Responsabilidade Exclusiva Prestações de Serviços ou compras de pequeno vulto Fundo Fixo de Caixa Contratações de Bens, Materiais, Obras e Serviços por Licitações Contratações por Inexigibilidade Compras Diversas por Dispensa de Licitação por Valor Viagens e Diárias no País Viagens ao Exterior Controle dos Orçamentos de Custeios e de Investimentos Tramitação de Correspondência Externa Administração de Bens Patrimoniais Auditoria Interna Educação Corporativa Ata de reunião de Diretoria com aprovação das Normas

3 Relatório de Auditoria solicitando a reformulação das normas

4 Organograma

5 Estatuto Social

6 ÍNDICE CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, ORGANIZAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO fl. 02 CAPÍTULO II DO CAPITAL SOCIAL E DAS AÇÕES fl. 02 CAPÍTULO III DA ADMINISTRAÇÃO fl. 04 CAPÍTULO IV DAS ATRIBUIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO fl. 06 CAPÍTULO V DAS ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DA DIRETORIA fl. 08 CAPÍTULO VI DO CONSELHO FISCAL fl. 09 CAPÍTULO VII DAS ASSEMBLÉIAS GERAIS fl. 10 CAPÍTULO VIII DO EXERCÍCIO SOCIAL E DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS fl. 11 CAPÍTULO IX DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS fl. 12 LEI QUE AUTORIZA A CONSTITUIÇÃO DA LIGHTPAR, ATUALMENTE DENOMINADA ELETROPAR (LEI nº 9.163/95) fl. 13

7 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Organização, Sede, Duração e Objeto Art. 1 o - A Eletrobrás Participações S.A. ELETROPAR, que usará a abreviatura ELETROPAR, é uma sociedade anônima de economia mista federal, cuja constituição foi autorizada pela Lei n o 9.163, de 15 de dezembro de Art. 2 o - A ELETROPAR tem sede na Cidade do Rio de Janeiro, sua duração é por tempo ilimitado, podendo manter empresas subsidiárias, associar-se a outras empresas e criar sucursais, filiais, agências e escritórios no País e no exterior. Art. 3 o - A ELETROPAR observará os princípios gerais da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e obedecerá às normas administrativas, técnicas, operacionais, financeiras e contábeis estabelecidas pela ELETROBRÁS. Art. 4 o - A ELETROPAR tem por objeto social principal a participação no capital social da ELETROPAULO - Eletricidade de São Paulo S.A., concessionária de serviços públicos de energia elétrica, e de outras sociedades. CAPÍTULO II Do Capital Social e das Ações Art. 5o - O capital social é de R$ ,48 (cento e dezoito milhões, cinqüenta e quatro mil, oitocentos e oitenta e sete reais e quarenta e oito centavos), dividido em (onze milhões, setecentas e sessenta e quatro mil, oitocentas e oitenta e nove) ações ordinárias nominativas, escriturais, sem valor nominal. 1 o - O capital social poderá ser representado por ações ordinárias ou preferenciais, podendo essas ser de classes diversas, respeitando-se o limite legal entre as espécies de ações. 2 o -- A ELETROPAR está autorizada a aumentar o capital social até o limite de R$ ,00 (um bilhão e quinhentos milhões de reais), por deliberação do Conselho de Administração, independentemente de

8 reforma estatutária, com emissão de ações ordinárias e/ou preferenciais, mantendo-se ou alterando-se a proporção existente entre elas. 3 o - As ações da ELETROPAR serão escriturais, independentemente de sua espécie e classe, permanecendo em contas de depósito em instituição autorizada, em nome de seus titulares, sem emissão de certificados, nos termos dos Artigos 34 e 35 da Lei n o 6.404, de 15 dezembro de 1976, cabendo a cada ação ordinária o direito a um voto nas deliberações da Assembléia Geral. 4 o - As ações preferenciais não terão direito a voto, mas terão prioridade na percepção do dividendo que lhes for assegurado e/ou no reembolso do capital sem prêmio, no caso de liquidação da Companhia e o direito de participar dos aumentos de capital decorrentes de correção monetária e da capitalização de reservas. 5 o - A ELETROPAR poderá, sem ensejar o direito de retirada, criar ações preferenciais, novas classes dessas ações, aumentar classe existente sem guardar proporção com as demais ou aumentar as ações preferenciais ou ordinárias sem guardar proporção entre elas. 6 o - A emissão de ações ou de valores mobiliários, cuja colocação seja feita conforme disposto nos incisos I e II, do Art. 172, da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, poderá excluir o direito de preferência dos acionistas. Art. 6 o - Os aumentos de capital da ELETROPAR serão realizados mediante subscrição pública ou particular, incorporação de reservas e versão de patrimônios líquidos, capitalizando-se os recursos por meio das modalidades admitidas em lei. Art. 7 o - A integralização das ações obedecerá às normas e condições estabelecidas pela Assembléia Geral ou pelo Conselho de Administração, conforme o caso. Parágrafo Único - O acionista que não fizer o pagamento de acordo com as normas e condições a que se refere o presente Artigo ficará de pleno direito constituído em mora, aplicando-se correção monetária, juros de 12 % (doze por cento) ao ano e a multa de 10 % (dez por cento) sobre o valor da prestação vencida. Art. 8 o - A instituição depositária poderá cobrar do acionista o custo do serviço de transferência da propriedade das ações escriturais. Art. 9 o - A ELETROPAR poderá emitir debêntures, mediante prévia e expressa aprovação do Conselho de Administração da ELETROBRÁS.

9 CAPÍTULO III Da Administração Art. 10 A ELETROPAR será administrada por um Conselho de Administração e por uma Diretoria. Art O Conselho de Administração será constituído de 4 (quatro) membros, todos eleitos pela Assembléia Geral, sendo um por indicação da Centrais Elétricas Brasileiras S.A. ELETROBRÁS, e os demais, conforme determinação contida no Decreto n o 757, de 19 de fevereiro de 1993, um indicado pelos acionistas minoritários, um pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão e um pelo Ministério de Minas e Energia, para um mandato de três anos, cabendo a um deles o exercício da Presidência do Conselho. 1 o - No caso de impedimento temporário, licença ou férias do Presidente, o seu substituto será um dos membros do Conselho, por este escolhido. 2 o - Dentre os membros do Conselho de Administração será escolhido o Diretor-Presidente da Sociedade. Art A investidura nos cargos do Conselho de Administração farse-á mediante termo lavrado em livro próprio, subscrito pelo Conselheiro empossado. Art O Conselho de Administração reunir-se-á, com a presença da maioria de seus membros, pelo menos uma vez em cada bimestre, ou quando necessário, sempre convocado por seu Presidente ou pela maioria de seus membros; as deliberações, consignadas em ata, no livro próprio, serão tomadas por maioria de votos, cabendo ao Presidente, em caso de empate, o voto de qualidade. Art No caso de vacância do cargo de membro do Conselho, o substituto será nomeado pelos Conselheiros remanescentes e servirá até a primeira Assembléia Geral. Art A Diretoria, eleita pelo Conselho de Administração para um mandato de 3 (três) anos, será constituída pelo Diretor-Presidente e por um Diretor-Superintendente. Art A investidura nos cargos da Diretoria far-se-á mediante termo lavrado em livro próprio, subscrito pelo Presidente do Conselho de Administração. Parágrafo Único - Cada membro da Diretoria deverá, antes de entrar no exercício das funções, apresentar declaração de bens, que será registrada em livro próprio.

10 Art A Diretoria reunir-se-á normalmente uma vez por mês, ou sempre que necessário, e deliberará com a presença, ou pelo menos, a manifestação escrita, de todos os seus membros. Parágrafo Único - De cada reunião lavrar-se-á ata que será assinada por todos os membros presentes. Art Os integrantes da Diretoria não poderão afastar-se do exercício do cargo por mais de 30 (trinta) dias consecutivos, salvo em caso de férias ou licença, sob pena de perda do cargo. 1º - A concessão de férias ou licença ao Diretor-Presidente será de competência do Conselho de Administração, e ao Diretor Superintendente, da Diretoria. 2º - No caso de impedimento temporário, licença ou férias do Diretor-Presidente, suas funções serão exercidas pelo Diretor Superintendente; no caso do Diretor Superintendente, suas funções serão exercidas por ocupante de cargo comissionado, a ser indicado em reunião de Diretoria. 3º - Vagando cargo na Diretoria, o Diretor remanescente será o substituto para exercê-lo até que o Conselho de Administração preencha o cargo vago pelo prazo que restava ao substituído. Art. 19 Os membros do Conselho de Administração e da Diretoria responderão, nos termos do art. 158 da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, individual e solidariamente, pelos atos que praticarem e pelos prejuízos que deles decorram para a Companhia. Parágrafo Único A ELETROPAR assegurará aos seus dirigentes e conselheiros, presentes e passados, nos casos em que não houver incompatibilidade com os interesses da sociedade e na forma definida pela Diretoria, a defesa em processos judiciais e administrativos contra eles instaurados pela prática de atos no exercício do cargo ou função, observadas as disposições da Lei n o 8.906, de 04 de julho de CAPÍTULO IV Das Atribuições da Administração Art No exercício das suas atribuições, compete ao Conselho de Administração: a) fixar a orientação geral dos negócios da ELETROPAR; b) fiscalizar a gestão dos Diretores e examinar, a qualquer tempo, os livros e papéis da ELETROPAR;

11 c) deliberar sobre o relatório da administração e as contas da Diretoria; d) deliberar sobre a emissão de ações ou de bônus de subscrição; e) autorizar a alienação de bens do ativo permanente, ressalvada a hipótese de que trata da alínea p do artigo 21, e a constituição de ônus reais, bem como, observada a prévia e expressa manifestação favorável do Conselho de Administração da ELETROBRÁS, nos casos de alienação ou aquisição de bens móveis e imóveis, diretamente relacionados ao objeto social da ELETROPAR, em valor superior a 0,5% (meio por cento) do Patrimônio Líquido, constante do último balanço da ELETROPAR; f) escolher e destituir os auditores independentes, segundo as normas aprovadas pela ELETROBRÁS, observada a legislação pertinente; g) zelar pela plena aplicação do artigo 3º deste Estatuto, verificando a utilização pela ELETROPAR das normas administrativas, técnicas, operacionais, financeiras e contábeis estabelecidas pela ELETROBRÁS; h) aprovar seu regimento interno; i) manifestar-se previamente sobre a celebração de contratos que envolvam obrigações de valor igual ou superior a 0,5% do patrimônio líquido, corrigido trimestralmente de acordo com o índice de correção do ativo, incluídas as hipóteses a que alude a alínea d do artigo 21, observado o limite previsto neste dispositivo; j) deliberar sobre a prestação de garantia a financiamentos, tomados no País ou no exterior, em valor superior a 0,5% (meio por cento) do capital social da ELETROPAR, mediante prévia e expressa manifestação favorável do Conselho de Administração da ELETROBRÁS; k) deliberar sobre a constituição de empresas subsidiárias, a associação a outras empresas e a criação de sucursais, filiais, agências e escritórios no País e no exterior, mediante o encaminhamento de proposta à Assembléia Geral, observada a prévia e expressa aprovação do Conselho de Administração da ELETROBRÁS; e l) deliberar sobre a realização do capital autorizado. Parágrafo Único - Os órgãos de auditoria interna da sociedade vincular-se-ão, funcionalmente, ao Presidente do Conselho de Administração. Art No exercício das suas atribuições, compete à Diretoria, especialmente: a) aprovar as diretrizes internas de organização administrativa da ELETROPAR;

12 b) estabelecer normas administrativas, técnicas, financeiras e contábeis para a ELETROPAR; c) aprovar a distribuição de encargos entre os seus integrantes; d) deliberar sobre empréstimos a contrair no País ou no exterior, observada a prévia e expressa manifestação favorável do Conselho de Administração da Controladora sempre que o valor for igual ou superior a 0,5% (meio por cento) do capital social da ELETROPAR; e) elaborar planos de emissão de debêntures para serem submetidos à Assembléia Geral, mediante prévia e expressa aprovação do Conselho de Administração da ELETROBRÁS; f) aprovar as estimativas da receita, dotações gerais da despesa e previsão de investimentos da ELETROPAR em cada exercício, efetuando o respectivo controle, bem como aprovar os planos anuais de negócios, obedecendo, neste caso, as diretrizes empresariais emitidas pela ELETROBRÁS; g) elaborar os orçamentos da ELETROPAR; h) aprovar planos que disponham sobre admissão, carreira, acesso, vantagens e regime disciplinar para os empregados da ELETROPAR, sem prejuízo do disposto no Art. 32; i) aprovar os nomes indicados pelos Diretores para preenchimento dos cargos que lhes são diretamente subordinados; j) pronunciar-se nos casos de admissão, elogio, punição, transferência e demissão dos empregados subordinados diretamente aos Diretores; l) conferir autoridade aos Diretores para decidirem isoladamente sobre questões incluídas nas atribuições da Diretoria; m) conferir poderes a Diretores e empregados para autorização de despesas, estabelecendo limites e condições; n) elaborar, em cada exercício, o balanço patrimonial da ELETROPAR, as demonstrações financeiras, a proposta de distribuição dos dividendos e de aplicação dos valores excedentes, em conformidade com a legislação vigente, para serem submetidos à apreciação do Conselho de Administração e do Conselho Fiscal, e ao exame e deliberação da Assembléia Geral; o) aprovar seu regimento interno; p) deliberar sobre a alienação de bens móveis e imóveis de valor inferior ao referido na alínea e do artigo 20; e q) encaminhar ao Conselho de Administração solicitações visando à captação de recursos, contratação de empréstimos e financiamentos, no

13 País ou no exterior, prestação de garantia e participação em parcerias, no país ou no exterior. CAPÍTULO V Das atribuições dos integrantes da Diretoria Art Cabe ao Diretor-Presidente a orientação da política administrativa e a representação da ELETROPAR, convocando e presidindo as reuniões da Diretoria. Parágrafo Único - Nas deliberações da Diretoria, o Diretor- Presidente, além do voto pessoal, terá o de desempate. Art Compete ao Diretor-Presidente: a) superintender os negócios da ELETROPAR; b) representar a ELETROPAR judicial ou extrajudicialmente, perante outras sociedades, os acionistas ou o público em geral, podendo, para esse fim, ser justificadamente substituído pelo outro Diretor; c) admitir e demitir empregados; d) formalizar as nomeações aprovadas pela Diretoria; e) fazer publicar o relatório anual das atividades da ELETROPAR; f) juntamente com outro Diretor, movimentar os dinheiros da ELETROPAR e assinar atos e contratos, podendo esta faculdade ser delegada aos demais Diretores e a procuradores ou empregados da ELETROPAR, com a aprovação da Diretoria; g) isoladamente, nomear representantes, prepostos, e procuradores "ad judicia da ELETROPAR e, conjuntamente com outro Diretor, com aprovação da Diretoria, constituir mandatários para a prática dos atos referidos na alínea "f" deste artigo. Art. 24 O Diretor-Presidente e o Diretor Superintendente, além dos deveres e responsabilidades próprias, serão os gestores nas áreas de atividades que lhes forem atribuídas pela Diretoria.

14 CAPÍTULO VI Do Conselho Fiscal Art O Conselho Fiscal é órgão não permanente e será constituído de 3 (três) membros efetivos e 3 (três) membros suplentes, com mandato de um ano, brasileiros, acionistas ou não, eleitos pela Assembléia Geral, sendo um membro efetivo e respectivo suplente representantes do Tesouro Nacional. CAPÍTULO VII Das Assembléias Gerais Art A Assembléia Geral Ordinária realizar-se-á dentro dos quatro primeiros meses seguintes ao término do exercício social, em dia e hora previamente fixados, para: tomar as contas dos administradores, examinar, discutir e votar as demonstrações financeiras, deliberar sobre a destinação do lucro líquido do exercício e a distribuição de dividendos; eleger os membros do Conselho Fiscal, quando for o caso, e os membros do Conselho de Administração; fixar os honorários dos membros do Conselho de Administração, da Diretoria e do Conselho Fiscal; aprovar a correção da expressão monetária do capital social. Art Além dos casos previstos em lei, a Assembléia Geral reunirse-á sempre que o Conselho de Administração achar conveniente, e, em especial, para deliberar sobre: I - Alienação, no todo ou em parte, de ações do seu capital social ou das sociedades controladas de que participar; abertura e aumento de capital social por subscrição de novas ações; renúncia a direitos de subscrição de ações ou debêntures conversíveis em ações de empresas controladas de que participar; emissão de debêntures conversíveis em ações ou venda desses valores mobiliários, se em tesouraria; venda de debêntures conversíveis em ações, de que seja titular; de empresas controladas de que participar e, ainda, sobre a emissão de quaisquer outros títulos ou valores mobiliários, no País ou no exterior; II - Operação de cisão, fusão ou incorporação de empresas públicas, sociedades de economia mista e suas subsidiárias, controladas direta ou indiretamente pela União; III - Permuta de ações ou de outros valores mobiliários, de emissão das empresas mencionadas no inciso anterior.

15 Art A mesa que dirigirá os trabalhos da Assembléia Geral será constituída pelo Presidente, ou seu substituto, e por um Secretário, escolhido dentre os presentes. Art A transferência de ações poderá ser suspensa pelo prazo de até 15 (quinze) dias antes da realização da Assembléia Geral. 1 o - O edital de convocação poderá condicionar a presença do acionista na Assembléia Geral, além dos requisitos previstos em lei, ao depósito na sede da Sociedade, com 72 (setenta e duas) horas de antecedência do dia marcado para a realização da Assembléia Geral, do comprovante expedido pela instituição depositária. 2 o - O edital de convocação também poderá condicionar a representação, por procurador, do acionista, na Assembléia Geral, a que o depósito do respectivo instrumento seja efetuado na sede da ELETROPAR, com pelo menos 72 (setenta e duas) horas de antecedência do dia marcado para a realização da Assembléia Geral. CAPÍTULO VIII Do Exercício Social e Demonstrações Financeiras Art O exercício social encerrar-se-á a 31 de dezembro de cada ano e obedecerá, quanto às demonstrações financeiras, aos preceitos da legislação sobre as sociedades por ações e ao presente Estatuto. 1 o Em cada exercício será obrigatória a distribuição de um dividendo não inferior a 25% (vinte e cinco por cento) do lucro líquido, ajustado nos termos da lei. 2 o - O valor dos juros, pagos ou creditados aos seus acionistas, a título de juros sobre o capital próprio nos termos do Art. 9º, 7º, da Lei n o 9.249, de 26 de dezembro de 1995, e legislação e regulamentação pertinentes, poderá ser imputado ao dividendo anual mínimo obrigatório, integrando tal valor o montante dos dividendos distribuídos pela Companhia para todos os efeitos legais. 3 o - Os valores dos dividendos e dos juros pagos ou creditados a título de remuneração sobre o capital próprio, devidos aos acionistas, sofrerão incidência de encargos financeiros, a partir do encerramento do exercício social até o dia do efetivo recolhimento ou pagamento, sem prejuízo da incidência de juros moratórios quando esse recolhimento não se verificar na data fixada pela Assembléia Geral. Art Prescreve em 3 (três) anos a ação para pleitear dividendos, os quais, não reclamados oportunamente, reverterão em benefício da ELETROPAR.

16 CAPÍTULO IX Das Disposições Gerais e Transitórias Art A Diretoria fará publicar no Diário Oficial, depois de aprovados pelo Acionista Controlador: I) O Regulamento de Licitações; II) O Regulamento de Pessoal, com os direitos e deveres dos empregados, o regime disciplinar e as normas sobre apuração de responsabilidade; III) O quadro de pessoal, com a indicação, em três colunas, do total de empregos e os números de empregos providos e vagas discriminados por carreira ou categoria, em 30 de junho e 31 de dezembro de cada ano; IV) O plano de salários, benefícios, vantagens e quaisquer outras parcelas que componham a retribuição de seus empregados. Alterações estatutárias: 1ª alteração (A.G.E. de 29/05/1998) Art. 5º; 2ª alteração (A.G.E. de 30/09/1998) Art. 29 (inclusão dos parágrafos 5º e 6º); 3ª alteração (A.G.E. de 03/12/1998) Art. 20 (exclusão da alínea n), Art. 29 (exclusão dos parágrafos 2º, 3º e 4º) e remuneração; 4ª alteração (A.G.E. de 10/03/2003) Art. 15, Art. 19 (nova redação) e remuneração; 5ª alteração (A.G.E. de 24/04/2006) Art. 11 e Art. 15 (nova redação); 6ª alteração (A.G.E. de 26/10/2007) Art. 1º, Art. 17, Art. 18, nos parágrafos 1º, 2º e 3º, Art. 21, alínea h, Art. 23, alínea b, Art. 24 e Art. 30, parágrafo 2º (nova redação); 7ª alteração (A.G.E. de 18/06/2008) Art. 5º (nova redação); 8ª. alteração (A.G.E. de 02/09/2008) Alteração da Razão social da LIGHTPAR, passando a ser Eletrobrás Participações S.A. ELETROPAR; 9ª. alteração (A.G.E de 18/06/2009) - Art. 9º. (nova redação), Art. 20, alíneas e, f, j e inclusão da alínea k, Art. 21, alíneas d, e, f, n, p e inclusão da alínea q. 10ª alteração (A.G.E de 26/08/2010 Art. 5º (nova redação)

17 Anexo: Lei 9.163/1995. LEI Nº 9.163, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1995 (DOU , rep. DOU , ret. DOU ) Autoriza a criação de subsidiária da Centrais Elétricas Brasileiras S/A - ELETROBRÁS, e dá outras providências. O VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA no exercício do cargo de PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º A Centrais Elétricas Brasileiras S/A. - ELETROBRÁS é autorizada a criar empresa subsidiária mediante cisão da LIGHT Serviços de Eletricidade S/A. Art. 2º O capital social da nova sociedade será integralizado, substancialmente, com os bens, créditos e outros direitos integrantes do patrimônio da sociedade cindida, titulados junto à ELETROPAULO - Eletricidade de São Paulo S/A., observando-se, a respeito, o disposto na Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de Art. 3º A sociedade resultante da cisão terá por objeto social principal a participação no capital social da ELETROPAULO - Eletricidade de São Paulo S/A. e de outras sociedades. Art. 4º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Brasília, 15 de dezembro de 1995; 174º da Independência República. e 107º da MARCO ANTONIO DE OLIVEIRA MACIEL Raimundo Brito

18 Manual de Organização Atribuições da Diretoria, Gestores e Corpo Técnico IDENTIFICAÇÃO Presidência ÁREA A QUAL SE SUBORDINA Conselho de Administração SIGLA DP SIGLA CA FINALIDADE Gerir a empresa e cumprir as diretrizes do Conselho de Administração da ELETROPAR Atribuições básicas: Coordenar o desenvolvimento, a gestão e o acompanhamento do Planejamento Estratégico Empresarial da ELETROPAR; Intermediar e facilitar o atendimento e a relação entre o cidadão, o empregado e a organização; Verificar o cumprimento das diretrizes e atos normativos internos e externos, através do exame dos procedimentos, registros, arquivos, documentos, dados, funções e atividades desenvolvidas pela Empresa; Superintender os negócios da ELETROPAR; Representar a ELETROPAR judicial ou extrajudicialmente, perante outras sociedades, os acionistas ou o público em geral, podendo, para esse fim, ser justificadamente substituído por outro Diretor; Admitir e demitir empregados; Formalizar as nomeações aprovadas pela Diretoria; Fazer publicar o relatório anual das atividades da ELETROPAR; Juntamente com outro Diretor, movimentar os recursos financeiros da ELETROPAR e assinar atos e contratos, podendo esta faculdade ser delegada aos demais Diretores e a procuradores ou empregados da ELETROPAR, com a aprovação da Diretoria; Nomear representantes, prepostos, e procuradores ad judicia da ELETROPAR.

19 Manual de Organização IDENTIFICAÇÃO Diretoria de Superintendência e Relação com Investidores ÁREA A QUAL SE SUBORDINA Conselho de Administração SIGLA DS SIGLA CA FINALIDADE Diretor Superintendente: Dirigir as Áreas Administrativa, Financeira, Contabilidade e Orçamento: Formular e avaliar o planejamento econômico e financeiro da ELETROPAR, bem como, as ações dos Departamentos vinculados a diretoria. Relação com Investidores: Administrar a relação da ELETROPAR com as partes interessadas (investidores, sociedade, governo, fornecedores, órgãos governamentais, entre outros). Atribuições básicas: coordenar os processos de desenvolvimento, gestão, divulgação e acompanhamento do planejamento estratégico da ELETROPAR; propor e acompanhar a implantação de medidas que permita promover a excelência empresarial e o alinhamento da ELETROPAR às melhores práticas de gestão, segundo uma visão sistêmica da empresa; acompanhar a evolução do patrimônio e os índices de desempenho econômico; propor diretrizes e plano de negócios para a ELETROPAR, de acordo com perfil de rentabilidade e risco da empresa, para aprovação do Colegiado; formular e executar a política de captação de recursos financeiros; controlar o cumprimento de direitos e deveres (subscrição, bonificações, dividendos, desdobramentos etc.) relativos às participações societárias da ELETROPAR; avaliar, administrar e renegociar, quando necessário, os acordos de acionistas e analisar revisões de estatutos; administrar o cadastro de acionistas da ELETROPAR, mantendo atualizada a composição do capital social e os direitos dos acionistas; controlar subscrição, decorrente de capitalizações; acompanhar e fazer cumprir regulamentação da Bolsa de Valores e CVM, assim como outros órgãos de mercado que se relacionem com a ELETROPAR; providenciar a publicação de fatos relevantes e informes ao mercado; preparar e prestar informações aos acionistas e aos órgãos governamentais representativos de acionistas; administrar a relação da ELETROPAR com a bolsa de valores, órgãos governamentais ou de regulação do mercado de capitais;

20 Manual de Organização administrar as Relações com Investidores; representar a empresa nas respostas a questionamentos e demandas externas; cumprir e manter atualizados os requisitos necessários para atendimento à legislação nacional que verse sobre o relacionamento com mercado de capitais (CVM)

21 Manual de Organização IDENTIFICAÇÃO Consultoria Jurídica e Secretaria Geral ÁREA A QUAL SE SUBORDINA Presidência SIGLA CJU / SGA SIGLA DP FINALIDADE Consultoria Jurídica: Assessorar e apoiar juridicamente a empresa em questões relacionadas à orientação jurídica, às contratações e licitações da empresa e representar judicialmente a ELETROPAR. Secretaria Geral: Apoiar administrativamente os órgãos da Administração Superior da ELETROPAR Atribuições básicas: Consultoria Jurídica: Representar a Companhia em assembléias gerais, na forma do art.126 1º da Lei das S/A, bem como analisar os respectivos editais; Examinar questões e emitir pareceres jurídicos de interesse da Companhia; Representar a ELETROPAR em juízo, mediante o desenvolvimento dos seguintes atos: (a) acompanhamento das ações judiciais em curso em todas as instâncias das Justiças Federal e Comum nas quais a ELETROPAR figurar como parte, até a extinção do processo com a respectiva baixa do feito; (b) elaboração e apresentação de quaisquer peças ou providências judiciais; (c) realização de sustentações orais perante os Tribunais e realização de audiências nas instâncias inferiores; (d) levantamento de depósitos judiciais; e (e) acompanhar a publicação dos despachos, das decisões, das sentenças e dos acórdãos dos processos em que figura a ELETROPAR e cumprir todos os prazos judiciais; Pagar, pela ELETROPAR, as custas judiciais necessárias ao ajuizamento de peças processuais cuja admissão em juízo dependa de preparo prévio; Supervisionar a atuação dos advogados e dos escritórios de advocacia contratados pela ELETROPAR; Atuar preventivamente, prestando consultoria em situações em que haja um potencial conflito, que possa resultar em demanda judicial; Elaborar o controle das ações em curso, para fins de provisionamento contábil dos potenciais passivos decorrentes de processos judiciais; Atender às solicitações e consultas da Diretoria pertinentes ao desenvolvimento dos processos em tramitação;

22 Manual de Organização Prestar suporte jurídico aos procedimentos licitatórios da ELETROPAR e os que lhe são análogos; Examinar e aprovar a minuta dos contratos e outros ajustes regidos pela Lei de Licitações e legislações especiais, sob o aspecto de sua legalidade; Elaborar e aprovar cláusulas padronizadas, adequações específicas a cláusulas ou disposições editalícias, em seus respectivos instrumentos contratuais e outras avenças, bem como em seus decorrentes aditivos, sobre o aspecto de sua legalidade; Examinar os pressupostos jurídicos necessários à recomposição do equilíbrio econômico-financeiro de contratos administrativos; Examinar questões jurídicas relacionadas com a inexecução e rescisão dos contratos administrativos; Manifestar-se quando solicitada, sobre questões decorrentes da interposição de recursos administrativos perante a empresa, o Tribunal de Contas da União e demais órgãos fiscalizadores; Manifestar-se sobre questões hermenêuticas relacionadas com a Lei de Licitações e Contratos Administrativos. Secretaria Geral: Atuar em conformidade com a Lei nº 6.404/76, com o Estatuto Social da ELETROPAR e os Regimentos Internos da Diretoria Executiva, do Conselho de Administração e do Conselho Fiscal; Agendar e participar das reuniões da Diretoria Executiva e do Conselho de Administração e Fiscal transcrevendo as deliberações tomadas e os pareceres fiscais em livros próprios de atas, em observância à Lei 6.404/76, Lei das Sociedades por Ações; Convocar profissionais de vários departamentos da Empresa para promoverem apresentações ao Conselho Fiscal sobre projetos novos e em andamento, demonstrações contábeis e orçamentárias, processos jurídicos e societários, entre outros esclarecimentos julgados necessários; Interagir com os Diretores e Conselheiros de modo a viabilizar a conclusão dos processos decisórios dos colegiados; Elaborar, montar e numerar a matriz do material a ser analisado pelo Conselho de Administração, bem como elaborar a sinopse das matérias; Publicar os Editais de Convocação das Assembléias Gerais de Acionistas, Ordinárias e Extraordinárias no Diário Oficial e em jornais de grande circulação; Interagir com a Holding Eletrobras, com o objetivo de formalizar o voto dos referidos órgãos nas Assembléias; Secretariar as Assembléias, colher a assinatura dos acionistas no Livro de Presença para verificar a existência de quorum e uma vez instaurada a sessão, inclusive os termos de posse dos Administradores e Conselheiros Fiscais, por ocasião de suas eleições, para posterior registro na Junta Comercial do Rio de Janeiro e publicação dos atos na imprensa oficial e em jornais de grande circulação;

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: Denominação Artigo 1º - Corrêa Ribeiro S/A Comércio e Indústria é uma sociedade

Leia mais

EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A.

EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 25-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 01-08-2002,

Leia mais

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração CEMIG TRADING S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 29-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 12-08-2002, sob o nº 3130001701-0, e pelas Assembléias

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO Artigo 1º Artigo 2º Artigo 3º I II COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO CET, é uma sociedade por ações, de economia mista, que se regerá

Leia mais

EDP ENERGIAS DO BRASIL S.A. ESTATUTO SOCIAL

EDP ENERGIAS DO BRASIL S.A. ESTATUTO SOCIAL EDP ENERGIAS DO BRASIL S.A. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Denominação, Sede, Prazo e Objeto Artigo 1º EDP ENERGIAS DO BRASIL S.A. é uma sociedade por ações regida pelo presente Estatuto Social e pelas disposições

Leia mais

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput).

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput). MODELO DE ESTATUTO DE FUNDAÇÃO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Fundação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos 1, com autonomia administrativa

Leia mais

Anexo III à Ata da Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária da Plascar Participações Industriais S.A., realizada em 14 de abril de 2011

Anexo III à Ata da Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária da Plascar Participações Industriais S.A., realizada em 14 de abril de 2011 Anexo III à Ata da Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária da Plascar Participações Industriais S.A., realizada em 14 de abril de 2011 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO

Leia mais

MRS LOGÍSTICA S.A. ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 4 DE OUTUBRO DE 2012 ANEXO I ESTATUTO SOCIAL

MRS LOGÍSTICA S.A. ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 4 DE OUTUBRO DE 2012 ANEXO I ESTATUTO SOCIAL MRS LOGÍSTICA S.A. ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 4 DE OUTUBRO DE 2012 ANEXO I ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, OBJETO, SEDE E DURAÇÃO Artigo 1 A MRS Logística S.A. ( Companhia ) reger-se-á

Leia mais

CLARO TELECOM PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ/MF n.º 07.043.628./0001-13 NIRE 35 3 003537 49

CLARO TELECOM PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ/MF n.º 07.043.628./0001-13 NIRE 35 3 003537 49 ESTATUTO SOCIAL DE CLARO TELECOM PARTICIPAÇÕES S.A. CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, OBJETO, SEDE E DURAÇÃO Artigo 1º - Claro Telecom Participações S.A. é uma sociedade anônima que se rege por este Estatuto Social

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO DOC IV Art. 1º: SOCIALCRED S/A SOCIEDADE DE CRÉDITO AO MICROEMPREENDEDOR E À EMPRESA DE PEQUENO PORTE rege-se pelo presente estatuto social

Leia mais

ANEXO I ESTATUTO SOCIAL DA EMBRATEL PARTICIPAÇÕES S.A. CAPÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS DA COMPANHIA

ANEXO I ESTATUTO SOCIAL DA EMBRATEL PARTICIPAÇÕES S.A. CAPÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS DA COMPANHIA ANEXO I ESTATUTO SOCIAL DA EMBRATEL PARTICIPAÇÕES S.A. CAPÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS DA COMPANHIA Art. 1º - EMBRATEL PARTICIPAÇÕES S.A. é uma sociedade por ações, controladora da Empresa Brasileira de

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA FINANCEIRA ALFA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS. TÍTULO I Da Denominação, Sede, Prazo de Duração e Objeto Social

ESTATUTO SOCIAL DA FINANCEIRA ALFA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS. TÍTULO I Da Denominação, Sede, Prazo de Duração e Objeto Social ESTATUTO SOCIAL DA FINANCEIRA ALFA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS TÍTULO I Da Denominação, Sede, Prazo de Duração e Objeto Social Art. 1º - A FINANCEIRA ALFA S.A. - CRÉDITO, FINANCIAMENTO

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL DOC I CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO Art. 1º: SOCIALCRED S/A SOCIEDADE DE CRÉDITO AO MICROEMPREENDEDOR E À EMPRESA DE PEQUENO PORTE rege-se pelo presente estatuto social

Leia mais

"Estatuto Social da ALFA HOLDINGS S.A. TÍTULO I Da denominação, sede, prazo de duração e objeto social

Estatuto Social da ALFA HOLDINGS S.A. TÍTULO I Da denominação, sede, prazo de duração e objeto social "Estatuto Social da ALFA HOLDINGS S.A. TÍTULO I Da denominação, sede, prazo de duração e objeto social Art. 1º - ALFA HOLDINGS S.A. é uma sociedade anônima, regida pelo presente estatuto e pelas disposições

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais)

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE, DURAÇÃO Art. 1.º A SOCIEDADE DE AMIGOS DA

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA. TÍTULO I Da denominação, sede, prazo de duração e objeto social

ESTATUTO SOCIAL DA. TÍTULO I Da denominação, sede, prazo de duração e objeto social ESTATUTO SOCIAL DA SUZANO HOLDING S.A. TÍTULO I Da denominação, sede, prazo de duração e objeto social Art. 1º - SUZANO HOLDING S.A. é uma sociedade anônima regida pelo presente estatuto e pelas disposições

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO BANCO ALFA DE INVESTIMENTO S.A. TÍTULO I Da denominação, sede, prazo de duração e objeto social

ESTATUTO SOCIAL DO BANCO ALFA DE INVESTIMENTO S.A. TÍTULO I Da denominação, sede, prazo de duração e objeto social ESTATUTO SOCIAL DO BANCO ALFA DE INVESTIMENTO S.A. TÍTULO I Da denominação, sede, prazo de duração e objeto social Art. 1º - O BANCO ALFA DE INVESTIMENTO S.A. é uma sociedade Anônima regida pelo presente

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I - CONCEITO E FINALIDADE Art. 1º O Conselho de Administração é o órgão de orientação geral dos negócios e serviços da Caixa Econômica Federal, responsável

Leia mais

FINANSINOS S/A. Crédito, Financiamento e Investimento SOCIEDADE DE CAPITAL ABERTO CNPJ N.º 91.669.747/0001-92

FINANSINOS S/A. Crédito, Financiamento e Investimento SOCIEDADE DE CAPITAL ABERTO CNPJ N.º 91.669.747/0001-92 1 FINANSINOS S/A Crédito, Financiamento e Investimento SOCIEDADE DE CAPITAL ABERTO CNPJ N.º 91.669.747/0001-92 ESTATUTO SOCIAL Consolidando as alterações havidas até a A.G.E. de 29.04.2013 (Inclusive)

Leia mais

Modelo de estatuto de Associação

Modelo de estatuto de Associação Modelo de estatuto de Associação CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com autonomia administrativa

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06 TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM N os 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06. Dispõe sobre a Constituição de funcionamento de Clubes

Leia mais

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 MANUAL DA ADMINISTRAÇÃO PARA A ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA VULCABRAS AZALEIA S. A. DE 31 DE JANEIRO DE 2011. O

Leia mais

ALPARGATAS S.A. Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO

ALPARGATAS S.A. Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO ALPARGATAS S.A. Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO Artigo 1º - A ALPARGATAS S.A., constituída em 3 de abril de 1907, é uma sociedade anônima que se rege pelo

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO BANCO VOTORANTIM S.A. CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E PRAZO

ESTATUTO SOCIAL DO BANCO VOTORANTIM S.A. CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E PRAZO ESTATUTO SOCIAL DO BANCO VOTORANTIM S.A. CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E PRAZO Artigo 1º O Banco Votorantim S.A. ( Sociedade ) é uma sociedade anônima que se rege por este Estatuto e pelas disposições

Leia mais

SÃO PAULO TURISMO S. A.

SÃO PAULO TURISMO S. A. ESTATUTO SOCIAL SÃO PAULO TURISMO S. A. TITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO, PRAZO DE DURAÇÃO E OBJETIVO SOCIAL. Artigo 1º - SÃO PAULO TURISMO S.A. é uma sociedade anônima de capital autorizado, regida

Leia mais

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Prazo E S T A T U T O Art. 1º - A Mercantil do Brasil

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA AMPLA ENERGIA E SERVIÇOS S.A. CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, ORGANIZAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO

ESTATUTO SOCIAL DA AMPLA ENERGIA E SERVIÇOS S.A. CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, ORGANIZAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO ESTATUTO SOCIAL DA AMPLA ENERGIA E SERVIÇOS S.A. CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, ORGANIZAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO ARTIGO PRIMEIRO - A Ampla Energia e Serviços S.A., que usará a abreviatura AMPLA, é uma

Leia mais

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e, DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013 Cria a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S/A RIOSAÚDE e aprova seu Estatuto. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA BAIANA DE ALIMENTOS S/A EBAL

ESTATUTO DA EMPRESA BAIANA DE ALIMENTOS S/A EBAL ESTATUTO DA EMPRESA BAIANA DE ALIMENTOS S/A EBAL CAPITULO I NATUREZA, SEDE, FORO E DURAÇÃO ART. 1º - A EMPRESA BAIANA DE ALIMENTOS S/A - EBAL, sociedade por ações de capital autorizado, com personalidade

Leia mais

MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS

MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º A FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS -

Leia mais

BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. ESTATUTO SOCIAL

BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. ESTATUTO SOCIAL BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração e Objeto Artigo 1º A BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. é uma sociedade anônima de capital autorizado, que se

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COPASA MG

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COPASA MG Companhia de Saneamento de Minas Gerais REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COPASA MG Adequado conforme Estatuto Social aprovado pela AGE de 28/03/2011 2 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COPASA

Leia mais

PROPOSTA DA DIRETORIA PARA AUMENTO DO CAPITAL SOCIAL DA FERROVIA CENTRO-ATLÂNTICA S.A.

PROPOSTA DA DIRETORIA PARA AUMENTO DO CAPITAL SOCIAL DA FERROVIA CENTRO-ATLÂNTICA S.A. PROPOSTA DA DIRETORIA PARA AUMENTO DO CAPITAL SOCIAL DA FERROVIA CENTRO-ATLÂNTICA S.A. Senhores Conselheiros, Esta Diretoria, visando a restabelecer a estrutura de capital da Ferrovia Centro-Atlântica

Leia mais

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P Legenda: Texto em negrito: cláusulas que devem necessariamente constar do estatuto, por força da Lei nº 9.790/99 Texto em

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA AUTOPISTA FLUMINENSE S.A.

ESTATUTO SOCIAL DA AUTOPISTA FLUMINENSE S.A. ESTATUTO SOCIAL DA AUTOPISTA FLUMINENSE S.A. CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E PRAZO Artigo 1º AUTOPISTA FLUMINENSE S.A., doravante denominada Concessionária ou Companhia, é uma sociedade por ações,

Leia mais

MINUTA DE ESTATUTO SOCIAL CONSOLIDADO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO

MINUTA DE ESTATUTO SOCIAL CONSOLIDADO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO MINUTA DE ESTATUTO SOCIAL CONSOLIDADO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO Artigo 1º - A Porto Seguro S.A. é uma sociedade anônima, regida pelo disposto neste Estatuto Social e pelas disposições

Leia mais

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009 Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. Autor: Poder Executivo O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que

Leia mais

ENERGISA BORBOREMA DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S/A CNPJ/MF: 08.826.596/0001-95 NIRE: 25.3.000.036-18

ENERGISA BORBOREMA DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S/A CNPJ/MF: 08.826.596/0001-95 NIRE: 25.3.000.036-18 ENERGISA BORBOREMA DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S/A CNPJ/MF: 08.826.596/0001-95 NIRE: 25.3.000.036-18 ESTATUTO SOCIAL DA ENERGISA BORBOREMA DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S/A CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO,

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ)

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO Art. 1 - A Associação Nacional de Pesquisa

Leia mais

Estatutos da Caixa Geral de Depósitos

Estatutos da Caixa Geral de Depósitos Estatutos da Caixa Geral de Depósitos Conforme aprovado em Assembleia Geral de 22 de julho de 2011 e posterior alteração pela Deliberação Unânime por Escrito de 27 de junho de 2012. CAPÍTULO I Natureza,

Leia mais

Anexo I à Ata da 20ª Assembleia Geral Extraordinária da SUBESTAÇÃO ELETROMETRÔ S.A. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO

Anexo I à Ata da 20ª Assembleia Geral Extraordinária da SUBESTAÇÃO ELETROMETRÔ S.A. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO Anexo I à da SUBESTAÇÃO ELETROMETRÔ S.A. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO Artigo 1º A SUBESTAÇÃO ELETROMETRÔ S.A. é uma sociedade anônima que se rege pelos usos do comércio,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA AMIL PARTICIPAÇÕES S.A. CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL DA AMIL PARTICIPAÇÕES S.A. CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL DA AMIL PARTICIPAÇÕES S.A. CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO Artigo 1º AMIL PARTICIPAÇÕES S.A. ( Companhia ) é uma sociedade por ações que se rege pelo presente Estatuto

Leia mais

Data da publicação: 02/07/03 no DOE e Folha de S Paulo Registro JUCESP: 126.460/03-6 em 27/06/03

Data da publicação: 02/07/03 no DOE e Folha de S Paulo Registro JUCESP: 126.460/03-6 em 27/06/03 Data da publicação: 02/07/03 no DOE e Folha de S Paulo Registro JUCESP: 126.460/03-6 em 27/06/03 BRAZIL REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES Companhia Aberta CNPJ/MF nº 73.178.600/0001-18 NIRE 35.300.137.728

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL (EMBRAPII) REGIMENTO INTERNO

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL (EMBRAPII) REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL (EMBRAPII) REGIMENTO INTERNO Aprovado na 3ª Reunião Ordinária do Conselho de Administração da EMBRAPII, realizada em 25 de fevereiro de 2014 ÍNDICE

Leia mais

MARISOL S.A. CNPJ Nº 84.429.752/0001-62 EMPRESA DE CAPITAL ABERTO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO, PRAZO DE DURAÇÃO

MARISOL S.A. CNPJ Nº 84.429.752/0001-62 EMPRESA DE CAPITAL ABERTO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO, PRAZO DE DURAÇÃO MARISOL S.A. CNPJ Nº 84.429.752/0001-62 EMPRESA DE CAPITAL ABERTO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO, PRAZO DE DURAÇÃO Artigo 1º: A MARISOL S.A. é uma Sociedade Anônima de capital aberto,

Leia mais

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências.

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. DESPACHO 2009 N O Projeto de Lei nº 2/2009 Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. Autor do Projeto: Poder Executivo SUBSTITUTIVO Nº 1 /2009 Estabelece

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o - A (o) também designada (o) pela sigla, (se usar sigla), fundada (o) em de de é uma associação, sem

Leia mais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais e dá outras providências O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. CAPÍTULO I Da denominação, constituição, objeto, sede e duração da Companhia

CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. CAPÍTULO I Da denominação, constituição, objeto, sede e duração da Companhia CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. O presente Estatuto Social é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 08-09-2004 arquivada na JUCEMG em 15-09-2004, sob o nº 3130002055-0,

Leia mais

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo.

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo. MERCADO DE CAPITAIS 01/12/2015 CVM ALTERA INSTRUÇÃO QUE DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO, A ADMINISTRAÇÃO, O FUNCIONAMENTO, A OFERTA PÚBLICA DE DISTRIBUIÇÃO E A DIVULGAÇÃO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

Leia mais

E S T A T U T O S O C I A L

E S T A T U T O S O C I A L Celesc Geração S. A. CNPJ: 08.336.804/0001-78 Inscr. Est.: 255267177 NIRE: 42300030767 Avenida Itamarati, 160 Itacorubi Bloco A2 Florianópolis Santa Catarina Brasil CEP: 88034-900 E-mail: celesc@celesc.com.br

Leia mais

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO Disciplina: Direito Empresarial II JUR 1022 Turma: C02 Prof.: Luiz Fernando Capítulo VI SOCIEDADES ANÔNIMAS 1. Evolução Legal: a) Decreto n. 575/49;

Leia mais

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL FUNDAMENTAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, PRAZO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS.

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL FUNDAMENTAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, PRAZO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS. ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL FUNDAMENTAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, PRAZO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS. Art. 1º - A Fundação Desenvolvimento Ambiental - Fundamental é pessoa jurídica de direito

Leia mais

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC 1 Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC Capítulo I Da Natureza, Finalidade e Composição Art. 1 - O Conselho Fiscal é o

Leia mais

ITAUTEC S.A. - GRUPO ITAUTEC CNPJ 54.526.082/0001-31 Companhia Aberta NIRE 35300109180

ITAUTEC S.A. - GRUPO ITAUTEC CNPJ 54.526.082/0001-31 Companhia Aberta NIRE 35300109180 ITAUTEC S.A. - GRUPO ITAUTEC CNPJ 54.526.082/0001-31 Companhia Aberta NIRE 35300109180 REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 14 DE ABRIL DE 2009 Em catorze de abril de dois mil e nove, às 16:00 horas,

Leia mais

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E FINS Art. 1 A União Garcense de Aeromodelismo (UGA) é uma pessoa jurídica de direito privado, entidade

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto Artigo 1º A UPTICK PARTICIPAÇÕES S.A. é uma sociedade anônima de capital autorizado, que se rege pelas leis e usos do comércio,

Leia mais

OI S.A. CNPJ/MF Nº 76.535.764/0001-43 NIRE 33.3.0029520-8 Companhia Aberta. Estatuto Social CAPÍTULO I REGIME JURÍDICO

OI S.A. CNPJ/MF Nº 76.535.764/0001-43 NIRE 33.3.0029520-8 Companhia Aberta. Estatuto Social CAPÍTULO I REGIME JURÍDICO OI S.A. CNPJ/MF Nº 76.535.764/0001-43 NIRE 33.3.0029520-8 Companhia Aberta Estatuto Social CAPÍTULO I REGIME JURÍDICO Art. 1º - A Oi S.A. é uma sociedade por ações, de capital aberto, que se rege pelo

Leia mais

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º A Associação Brasileira de Patchwork e Quilt, doravante designada ABPQ, é uma sociedade

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. Parágrafo 3 Poderão ser emitidas ações preferenciais até 2/3 (dois terços) do total de ações.

ESTATUTO SOCIAL. Parágrafo 3 Poderão ser emitidas ações preferenciais até 2/3 (dois terços) do total de ações. ESTATUTO SOCIAL Pettenati S/A Indústria Têxtil Atualizado até 29/10/2010 ESTATUTO SOCIAL I Denominação, sede, objeto e duração da sociedade Art. 1º - A sociedade terá por denominação social Pettenati S/A

Leia mais

CLARO TELECOM PARTICIPAÇÕES S.A.

CLARO TELECOM PARTICIPAÇÕES S.A. 01. DATA, HORA E LOCAL: Realizada em 13 de outubro de 2015, às 16:00, na sede social da Claro Telecom Participações S.A. ( Companhia ), localizada na Cidade e Estado de São Paulo, na Rua Flórida, n.º 1.970,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2211. Art. 1º Aprovar o estatuto e o regulamento anexos, pertinentes ao Fundo Garantidor de Créditos - FGC.

RESOLUÇÃO Nº 2211. Art. 1º Aprovar o estatuto e o regulamento anexos, pertinentes ao Fundo Garantidor de Créditos - FGC. RESOLUÇÃO Nº 2211 Aprova o estatuto e o regulamento do Fundo Garantidor de Créditos - FGC. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o Presidente do

Leia mais

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL I - DENOMINAÇÃO E OBJETIVO Artigo 1 - O IC Clube de Investimento é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA Art. 1º. O Comitê de Auditoria ( Comitê ) é órgão estatutário de assessoramento vinculado diretamente ao Conselho de Administração, de caráter permanente, regido

Leia mais

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO INSTITUTO DE RESSEGUROS DO BRASIL P R E V I R B

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO INSTITUTO DE RESSEGUROS DO BRASIL P R E V I R B ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO INSTITUTO DE RESSEGUROS DO BRASIL P R E V I R B (Aprovado pela Portaria PREVIC n o 372/2015, publicada no D.O.U. de 10/7/2015.) CAPÍTULO I DA CRIAÇÃO,

Leia mais

Código: ESGE Revisão: 03 Páginas: 08 ESTATUTO SOCIAL GRÊMIO ESTUDANTIL

Código: ESGE Revisão: 03 Páginas: 08 ESTATUTO SOCIAL GRÊMIO ESTUDANTIL GRÊMIO ESTUDANTIL Paulo Medeiros Prudêncio Júnior 0 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJETIVOS Art. 1º - O Grêmio Estudantil Paulo Medeiros Prudêncio Júnior, fundado no ano de 1997, com sede no

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DE BAURU FUNDEB

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DE BAURU FUNDEB REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DE BAURU FUNDEB Considerando que a FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DE BAURU FunDeB - é pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos; Considerando

Leia mais

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição Contratos 245 Conceito A A Lei de Licitações considera contrato todo e qualquer ajuste celebrado entre órgãos ou entidades da Administração Pública e particulares, por meio do qual se estabelece acordo

Leia mais

GAS NATURAL SERVIÇOS S.A. ESTATUTO SOCIAL APROVADO NA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA E EXTRAORDINÁRIA DE 27.04.2012

GAS NATURAL SERVIÇOS S.A. ESTATUTO SOCIAL APROVADO NA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA E EXTRAORDINÁRIA DE 27.04.2012 GAS NATURAL SERVIÇOS S.A. ESTATUTO SOCIAL APROVADO NA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA E EXTRAORDINÁRIA DE 27.04.2012 CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO E OBJETO SOCIAL. Artigo 1º - Sob a denominação

Leia mais

CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social

CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social ESTATUTOS DA PARPÚBLICA PARTICIPAÇÕES PÚBLICAS (SGPS), S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social Artigo 1.º (Denominação) A sociedade adota a denominação PARPÚBLICA Participações Públicas

Leia mais

ORIENTA E NORMATIZA A EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIO- FINANCEIRA E REGULA A UTILIZAÇÃO DO FUNDO FIXO DE CAIXA DO SESCOOP/PR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

ORIENTA E NORMATIZA A EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIO- FINANCEIRA E REGULA A UTILIZAÇÃO DO FUNDO FIXO DE CAIXA DO SESCOOP/PR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. ORIENTA E NORMATIZA A EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIO- FINANCEIRA E REGULA A UTILIZAÇÃO DO FUNDO FIXO DE CAIXA DO SESCOOP/PR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. RESOLUÇÃO Nº: 28 DO SESCOOP/PR 16/05/2005 Considerando que há

Leia mais

"DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta "DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO Este Regimento Interno dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DO PARÁ S.A. CELPA EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL CNPJ/MF nº 04.895.728/0001-80 NIRE 15.300.007.232 Companhia Aberta

CENTRAIS ELÉTRICAS DO PARÁ S.A. CELPA EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL CNPJ/MF nº 04.895.728/0001-80 NIRE 15.300.007.232 Companhia Aberta CENTRAIS ELÉTRICAS DO PARÁ S.A. CELPA EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL CNPJ/MF nº 04.895.728/0001-80 NIRE 15.300.007.232 Companhia Aberta ATA DA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 16 DE SETEMBRO DE 2013

Leia mais

ESTATUTO DO IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE

ESTATUTO DO IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE ESTATUTO DO IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Artigo 1º. O IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE, denominado IDBRASIL, é uma associação de direito privado,

Leia mais

Pelo presente instrumento particular e na melhor forma de direito, os administradores das companhias abaixo qualificadas,

Pelo presente instrumento particular e na melhor forma de direito, os administradores das companhias abaixo qualificadas, INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DO BANCO ABN AMRO REAL S.A. PELO BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A. (NOVA DENOMINAÇÃO SOCIAL DO BANCO SANTANDER S.A., EM FASE DE HOMOLOGAÇÃO

Leia mais

Previdenciária Du Pont do Brasil

Previdenciária Du Pont do Brasil Estatuto da Sociedade Previdenciária Du Pont do Brasil Julho de 2014 Estatuto Duprev 1 Julho 2014 Estatuto Duprev Estatuto da sociedade PrEvidEnciária du Pont do Brasil Julho de 2014 Estatuto duprev 3

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPITULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL CAPITULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL CAPITULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO Art. 1º - O Instituto Vital Brazil Sociedade Anônima (Centro de Pesquisas, Produtos Químicos e Biológicos) é uma Sociedade por Ações,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos Artigo 1º - O Comitê de Pessoas ( Comitê ) de Lojas Renner S.A. ( Companhia ), órgão estatutário, de caráter consultivo

Leia mais

faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N 663 DE 02 DE JULHO DE 1996. Cria o Programa Estadual de Desestatização, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA, faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DO PRODESU. Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Confea/Creas e Mútua

ANEXO I REGULAMENTO DO PRODESU. Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Confea/Creas e Mútua ANEXO I REGULAMENTO DO PRODESU Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Confea/Creas e Mútua CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Seção I Dos Objetivos Art. 1º O Programa de

Leia mais

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução PÁGINA 1 DE 7 DO PÁGINA 1 DE 7 DO CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87 Comitê de Auditoria Estatutário Regimento Interno Capítulo I Introdução Artigo 1º. O Comitê de Auditoria Estatutário ( Comitê ou CAE ) da

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.502. III - exercício de cargos em órgãos estatutários; V - cancelamento da autorização para funcionamento.

CIRCULAR Nº 3.502. III - exercício de cargos em órgãos estatutários; V - cancelamento da autorização para funcionamento. CIRCULAR Nº 3.502 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas cooperativas de crédito para instrução de processos referentes a pedidos de autorização e dá outras providências. A Diretoria Colegiada

Leia mais

Política de Divulgação de Ato ou Fato Relevante do BRB BANCO DE BRASÍLIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 00.000.208/0001-00 NIRE 5330001430 CVM 01420-6

Política de Divulgação de Ato ou Fato Relevante do BRB BANCO DE BRASÍLIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 00.000.208/0001-00 NIRE 5330001430 CVM 01420-6 Política de Divulgação de Ato ou Fato Relevante do BRB BANCO DE BRASÍLIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 00.000.208/0001-00 NIRE 5330001430 CVM 01420-6 FINALIDADE 1. - São regulados pelas disposições da presente

Leia mais

AMPLA ENERGIA E SERVIÇOS S.A. CNPJ/MF 33.050.071/0001-58 NIRE 3330005494-4. Companhia Aberta de Capital Autorizado

AMPLA ENERGIA E SERVIÇOS S.A. CNPJ/MF 33.050.071/0001-58 NIRE 3330005494-4. Companhia Aberta de Capital Autorizado AMPLA ENERGIA E SERVIÇOS S.A. CNPJ/MF 33.050.071/0001-58 NIRE 3330005494-4 Companhia Aberta de Capital Autorizado PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO PARA A ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINARIA A SER REALIZADA EM 26

Leia mais

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. DECRETO N.º 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AGRICULTORES... DA LOCALIDADE DE... CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objetivos

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AGRICULTORES... DA LOCALIDADE DE... CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objetivos ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AGRICULTORES... DA LOCALIDADE DE... CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objetivos Art. 1º - A Associação dos agricultores... é uma sociedade civil, sem fins lucrativos, com

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS I DENOMINAÇÃO E OBJETIVO ARTIGO 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO I Denominação e Objetivo Artigo 1º - O Clube de Investimento IMPACTO constituído por número limitado de membros que tem por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

U N I R P A R A F O R T A L E C E R REGIMENTO INTERNO

U N I R P A R A F O R T A L E C E R REGIMENTO INTERNO Artigo 1 - A Associação de Reflorestadores do Estado de Mato Grosso AREFLORESTA-MT, reger-se-á pelo seu ESTATUTO e por este REGIMENTO INTERNO. Finalidade Artigo 2 - O presente Regimento Interno tem por

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 381. Documento normativo revogado pela Resolução 1660, de 26/10/1989.

RESOLUÇÃO Nº 381. Documento normativo revogado pela Resolução 1660, de 26/10/1989. 1 RESOLUÇÃO Nº 381 Documento normativo revogado pela Resolução 1660, de 26/10/1989. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, e tendo em vista o disposto

Leia mais

Itabuna PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA

Itabuna PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA D E C R E T O Nº 11.028, de 10 de novembro de 2014 EMENTA: Dispõe sobre os procedimentos e prazos para o Encerramento do Exercício Financeiro de 2014, no âmbito da Administração Pública Municipal e, dá

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO II

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - AMMAR CAPÍTULO II ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃQ, SEDE, OBJETIVOS E DURAÇÃO Art.1 - Sob a denominação de AMMAR - Associação dos Moradores da Marina Porto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos Artigo 1º - Observadas as disposições estabelecidas no estatuto social ( Estatuto Social ) de Lojas Renner S.A.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983.

Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983. 1 RESOLUÇÃO Nº 519 Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL,

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 A PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA (CNRM), no uso de sua atribuições previstas no art. 5.º do Decreto n.º 80.281, de 05 de setembro de 1977, e considerando o

Leia mais