ATERRAMENTO TEMPORÁRIO EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATERRAMENTO TEMPORÁRIO EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO FELIX SÁVIO MICHELS JONES ALLEN GRESSLER DE OLIVEIRA ATERRAMENTO TEMPORÁRIO EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CRICIUMA, ABRIL DE 2007

2 1 FÉLIX SÁVIO MICHELS JONES ALLEN GRESSLER DE OLIVEIRA ATERRAMENTO TEMPORÁRIO EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Monografia apresentada à Diretoria de Pós- Graduação da Universidade do Extremo Sul Catarinense- UNESC, para a obtenção do título de especialista em Engenharia de Segurança do Trabalho. Orientador: Prof. MSc. Marcelo Webster CRICIUMA, ABRIL DE 2007

3 2 FÉLIX SÁVIO MICHELS JONES ALLEN GRESSLER DE OLIVEIRA ATERRAMENTO TEMPORÁRIO EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Criciúma, 27 de abril de BANCA EXAMINADORA Prof. MSc. Marcelo Webster - Orientador Prof. Ph.D. Hyppólito do Valle Pereira Filho Prof. Dr. Waldemar Pacheco Jr.

4 3 AGRADECIMENTO Agradecemos ao professores que proporcionaram a conclusão deste curso e em especial a nosso orientador professor Marcelo Webster.

5 4 O teu êxito depende muitas vezes do êxito das pessoas que te rodeiam (Benjamin Franklin)

6 5 RESUMO Baseado no fato de que o aterramento temporário é o equipamento de proteção mais utilizado pelas empresas de distribuição de energia elétrica que pode proteger o trabalhador contra energização acidental de redes de distribuição de energia, foram realizados testes em tensão de 8KV, em diversas condições de solo, para comprovar a real eficiência do equipamento de proteção coletiva. Palavras-chave: Aterramento Temporário. Choque Elétrico.

7 6 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Conjunto de aterramento e curtu-circuitamento temporário trifásico...22 Figura 2 Back Light em frente à CEJAMA...26 Figura 3 Diagrama Unifilar do Alimentador EMO 1 Jacinto Machado 13,8KV...29 Figura 4 Curva do Elo fusível tipo K...29 Figura 5 Instalação do aterramento temporário...31 Figura 6 Instalação do sensor de tensão limite em poste de madeira...32 Figura 7 Instalação do sensor de tensão limite em poste de concreto...32 Figura 8 Aterramento temporário instalado com o grampo de neutro conectado a rede...33 Figura 9 - Esquema do procedimento Figura 10 Posicionamento da escada para fechamento da chave fusível...34 Figura 11 - Esquema do procedimento Figura 12 Conjunto de aterramento temporário utilizado...36 Figura 13 - Esquema do procedimento Figura 14 Sinais de fusão dos metais do cartucho da chave fusível devido a corrente de curto...37 Figura 15 - Esquema do procedimento Figura 16 Terrômetro...38 Figura 17 Detector de tensão...39 Figura 18 Esquema de ligação do aterramento temporário...40 Figura 19 Curva tensão x vida útil da lâmpada...41 Figura 20 Lâmpada Utilizada como sensor (5007)...42 Figura 21 Elo fusível...42 Figura 22 Sensor queimado escurecimento do bulbo...47 Figura 23 Sensor instalado na base do poste de concreto...47

8 7 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Intensidade da corrente no corpo humano...20 Tabela 2 - Planilha do procedimento Tabela 3 - Planilha do procedimento Tabela 4 - Planilha do procedimento Tabela 5 - Planilha do procedimento

9 8 SUMÁRIO 1 BASE DA PESQUISA Introdução Tema Fenômeno Problemática Objetivos Objetivo geral Objetivo específico Identificação das variáveis Metodologia Bases filosóficas Caracterização da pesquisa Métodos Técnica de pesquisa Relevância à engenharia de segurança do trabalho Limitações Estrutura do trabalho REVISÃO DE LITERATURA Energia elétrica Corrente elétrica Tensão elétrica ou diferença de potencial Caminhos da energia elétrica Choque elétrico Aterramento elétrico Resistência de aterramento Aterramento elétrico temporário O Conjunto de aterramento e curto-circuitamento temporário como EPC Características mínimas Características construtivas e funcionais Configuração do conjunto de aterramento e curto-circuitamento temporário...23

10 Especificação do conjunto de aterramento e curto-circuitamento temporário Legislação PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Local dos trabalhos A CEJAMA Cooperativa de Eletricidade Jacinto Machado Delineamento da pesquisa Procedimentos Procedimento Procedimento Procedimento Procedimento Instrumentos de medida Terrômetro Detector de tensão Conjunto de aterramento temporário O sensor de tensão limite Elo fusível RESULTADOS ANÁLISE DOS RESULTADOS CONCLUSÕES...48 REFERÊNCIAS...50

11 10 1 BASE DA PESQUISA Esta pesquisa tem como objetivo comprovar a eficiência de aterramentos temporários em redes de distribuição de energia elétrica, e tem sua base didática fundamentada no trabalho de dados coletados através de experimentos realizados em campo. 1.1 Introdução Os trabalhos em redes de distribuição de energia desligadas, até pouco tempo atrás eram considerados trabalhos seguro pelos eletricistas. Porém com o aumento do número de circuitos e a maior complexidade das redes de distribuição, apenas o seu desligamento não oferecia mais segurança suficiente aos trabalhadores, principalmente pelo risco de uma energização acidental, onde os fatores mais comuns são; Erros de manobra, como a abertura da chave seccionadora errada por motivos de sujeira na identificação, desorientação do eletricista ou responsável, etc.; Contato acidental com outro circuito energizado, como um acidente automobilístico em poste ocasionando contato entre circuito desenergizado com circuito energizado; Tensão induzida, como a indução eletromagnética por circuitos duplos e longos (circuitos próximos); Descargas atmosféricas, com queda de raios nas redes de distribuição; Passagem em materiais isolantes através de uma falha no isolamento de chaves seccionadoras; Fontes de alimentação de terceiros, como ligação de geradores particulares em paralelo com a rede desenergizada. (MANUAL, 1996). O aterramento e curto-circuitamento das redes de distribuição é sem dúvida o mais utilizado sistema de proteção coletiva para proteger os trabalhadores em caso de energização acidental. Porém, em casos adversos, onde o solo possui resistividade alta, ou onde não é possível a instalação do grampo de neutro ou do

12 11 trado de aterramento, ou mesmo quando é necessária urgência nos serviços, os procedimentos de instalação devem ser rigorosamente seguidos para a proteção eficiente dos trabalhadores. Porém sabemos que mesmo engenheiros e técnicos nem sempre tem conhecimento total sobre as condições de solo ou mesmo sobre as condições dos equipamentos para decidir entre um procedimento ou outro no momento da implantação do aterramento temporário. 1.2 Tema Aterramento temporário em redes de distribuição de energia elétrica. 1.3 Fenômeno A segurança do trabalhador realizando trabalhos em redes de distribuição de energia elétrica com aterramento temporário. 1.4 Problemática Baseado no fato de que o aterramento temporário é o equipamento de proteção mais utilizado pelas empresas de distribuição de energia elétrica que pode proteger o trabalhador contra energização acidental de redes de distribuição de energia, vem a seguinte problemática. O aterramento temporário protege os trabalhadores do risco de choques elétricos que possam causar danos a eles em trabalhos em redes de distribuição de energia elétrica? 1.5 Objetivos Objetivo geral Verificar se o aterramento temporário protege os trabalhadores do risco de choques elétricos que possam causar danos a eles em trabalhos em redes de distribuição de energia elétrica.

13 Objetivo específico a) Caracterizar os riscos de choque elétrico em que os trabalhadores estão sujeitos. b) Caracterizar os procedimentos de aterramento temporário como fator de proteção; c) Relacionar o aterramento temporário com os riscos de choque elétrico em que os trabalhadores estão submetidos. 1.6 Identificação das variáveis Resistividade do solo: Variável Independente, cuja unidade é em ohm ( ), é definida como a res is tência elétrica entre o eletrodo de aterramento e o solo. Varia principalmente de acordo com o tipo de solo e sua umidade. Tempo de abertura do elo: Variável dependente, cuja unidade é segundo (s), é definida como o tempo em que o elo fusível leva para abrir o circuito. Varia de acordo com a corrente de curto e o tipo do elo utilizado. Tensão residual: Variável dependente, sua unidade é o Volt (V), é definida como a tensão entre o cabo aterrado e o solo. Varia principalmente com a resistividade do solo, e a distância entre o ponto de trabalho e o ponto de aterramento. Pode variar também de acordo com a forma de instalação do aterramento temporário. 1.7 Metodologia Bases filosóficas A base filosófica adotada para o presente estudo é caracterizada pelo estruturalismo, no qual se busca estudar o processo de aterramento como fator de proteção.

14 Caracterização da pesquisa Classifica-se a pesquisa como exploratória devido à investigação através de experimentos feitos onde os resultados poderão ser satisfatórios ou não Métodos A classificação da pesquisa é descritiva, por expor características claras do fenômeno, calcular e prever resultados e utilizar métodos e procedimentos já definidos Técnica de pesquisa A pesquisa levanta dados através de estudo do conhecimento técnico e experimental sobre a funcionalidade do sistema de aterramento temporário em redes de distribuição de energia. Consiste em comprovar através de levantamento de campo sua eficiência. Realizando o procedimento recomendado pelas concessionárias e permissionárias de energia elétrica para a implantação do aterramento temporário, procurou-se medir, através de sensores simples, o nível de tensão residual em que os trabalhadores estão submetidos em caso de acidentes. Como existem diferentes procedimentos para a instalação deste EPC, procura-se primeiramente comprovar sua eficiência, e em seguida classificá-los quanto às condições de terreno que são mais indicadas. Utiliza-se um sistema de aterramento temporário da marca Ritz do Brasil, Modificado pelos trabalhadores da equipe local, porém sem alterar suas características funcionais. Os ensaios realizados na cidade de Jacinto Machado SC. Devido à falta de diversidade de solo no local dos experimentos, procurou-se obter dados mais claros sobre a resistência de aterramento, dado de maior relevância e que tem a maior variação quando submetido a diferentes tipos de solo. 1.9 Relevância à engenharia de segurança do trabalho Devido aos acidentes em redes de distribuição serem normalmente traumáticos, e o fato de o aterramento temporário ser o EPC mais indicado para ser

15 14 utilizado em todos os tipos de trabalhos, dados importantes podem ser mostrados: O fato de podermos executar os procedimentos de instalação e classificá-los quanto a sua eficiência em diferentes terrenos pedem gerar dúvidas quanto ao mais eficiente. O fato de colocarmos o EPC em diferentes distâncias do ponto de trabalho pode definir qual é a mais indicada e até a que distância o aterramento poderá ser instalado, definindo assim uma área de abrangência. Mesmo tensões residuais pequenas podem causar formigamento ou mal estar nos trabalhadores que estão trabalhando em altura. Este incômodo poderá causar a queda do trabalhador. Quantificando estes valores, poderemos ajudar a evitar este problema. Dados precisos sobre o EPC disponível ao uso em um trabalho periculoso podem vir a ajudar na conscientização dos trabalhadores quanto à importância do uso e manuseio e assim prevenindo acidentes, objetivo principal da Engenharia de Segurança do Trabalho Limitações O estudo limita-se ao local de rede de energia elétrica cedido para a realização do estudo. A realização das simulações artesanais, porém, pode não caracterizar totalmente o ambiente que se tentou simular. Estudos mais profundos sobre tipos de solo e sua umidade poderão ser realizados para complemento, porém o objetivo do estudo é indicar de forma sucinta as condições do solo em questão (estudo de caso) Estrutura do trabalho A pesquisa esta estruturada conforme a disciplina de orientação à monografia e esta disposta da seguinte maneira: Capitulo 1 Base da Pesquisa: Descrição geral da pesquisa. Capitulo 2 Revisão da Literatura: Descrição dos métodos utilizados, dados calculados e procedimentos adotados relacionando-os com a literatura em questão. Capitulo 3 Procedimentos Metodológicos: Descreve os passos para a realização dos experimentos, relatando cálculos realizados pertinente à pesquisa,

16 15 objetivo dos sensores utilizados, método de analise de equipamentos e materiais utilizados. Capitulo 4 Resultados: Apresenta os resultados coletados para análise e comentários posteriores. Capitulo 5 Análise dos resultados: Comentários sobre os resultados obtidos e comparações com o esperado e com o permitido. Conclusões Parecer dos alunos sobre o trabalho realizado.

17 16 2 REVISÃO DE LITERATURA Toda a pesquisa tem como base estudos, publicações e experimentos realizados e publicados anteriormente sendo os conceitos encontrados na literatura utilizados a base para conclusões sobre os trabalhos realizados. A NBR Seccionador, chaves de terra e aterramento rápido comenta sobre as configurações de um bom aterramento temporário. Porém os estudos estão baseados nos procedimentos técnicos das concessionárias e permissionárias de energia elétrica, assim como no manual de construção de redes do comitê de distribuição da Eletrobrás. 2.1 Energia elétrica Visto que Energia é a capacidade de um sistema de realizar um trabalho, a energia elétrica é uma das várias formas de energia que existe. É a que se associa a um campo elétrico geralmente estacionário. É a energia necessária ao transporte de carga elétrica num campo elétrico. Quando este campo é oscilante, a energia elétrica se superpõe à magnética e transfere-se no espaço sob a forma de uma onda eletromagnética. É uma forma de energia baseada na geração de diferenças de potencial elétrico entre dois pontos, que permitem estabelecer uma corrente elétrica entre ambos. Mediante a transformação adequada é possível obter energias finais de uso direto, em forma de luz, movimento ou calor, segundo os elementos de transformação que se empreguem. (KINDERMANN; CAMPAGNOLO, 2005) Corrente elétrica É o deslocamento de cargas elétricas dentro de um condutor, quando existe uma diferença de potencial elétrico entre suas extremidades. Tal deslocamento procura restabelecer o equilíbrio desfeito pela ação de um campo elétrico ou outros meios como reação química, atrito, etc. Então a corrente elétrica é o fluxo de cargas que atravessa a seção reta de um condutor, na unidade de tempo. Sua unidade é Ampere (A). O equipamento que mede corrente elétrica é denominado de

18 17 Amperímetro. (KINDERMANN; CAMPAGNOLO, 2005) Tensão elétrica ou diferença de potencial Como vimos, para haver corrente elétrica deve-se ter uma diferença de potencial e um condutor em circuito fechado para restabelecer o equilíbrio perdido. Se o circuito estiver aberto, poderemos ter uma diferença de potencial, mas não corrente. Comumente, a tensão também é chamada de voltagem e tem como unidade o Volt (V). O equipamento que mede tensão elétrica é denominado de Voltímetro. (NISKIER; MACINTYRE, 2005) Caminhos da energia elétrica A energia elétrica que utilizamos em nossas casas percorre um caminho longo. A primeira etapa é a produção ou geração, onde pode ser térmica, hídrica ou nuclear. Ela é gerada em tensões que variam entre 220/380V até a ordem dos 1.000V. Em seguida a energia gerada entra em subestações elevadoras, onde as tensões são elevadas a níveis de transmissão. As tensão mais utilizadas são 69kV, 138kV, 256kV e 512kV. Estas tensões são utilizadas com dois propósitos, o de diminuir perdas de transmissão através da redução da corrente, e minimizar a proporcionalidade da queda de tensão nos longos cabos. As distâncias de transmissão são grandes, e por estes motivos estas quedas podem ser consideráveis. Desde a usina até a cidade, por exemplo, desde Itaipu até São Paulo, a energia percorre as redes de transmissão, porém, chegando nas cidade ela sofre, progressivamente, uma redução no nível de tensão, até chegar ao pondo de distribuição (com tensões menores que 68kV, a etapa passa a ser chamada de distribuição). Nessa etapa a energia sai da subestação rebaixadora e percorre as redes urbanas até os transformadores de distribuição (transformadores normalmente instalados em postes). Essa é a etapa de interesse em nossa pesquisa. Então o transformador rebaixa novamente a tensão de V por exemplo, para a tensão de consumo, 380/220V indo então até os medidores de nossas casas. Entrando em

19 18 nossas casas, a etapa passa a denominar-se consumo. 2.2 Choque elétrico O choque elétrico é a passagem de uma corrente elétrica através do corpo. Esta passagem de corrente em pequena intensidade, pode não causar nenhuma conseqüência mais grave além de um susto, porém em maior intensidade, pode causar queimaduras, fibrilação cardíaca ou até mesmo a morte. Podemos definir ainda o choque elétrico como uma perturbação de natureza e efeitos diversos que se manifesta no corpo humano, quando por ele circula uma Corrente Elétrica. O choque elétrico acontece porque o corpo humano comporta-se como um condutor elétrico, e para tanto com uma resistência elétrica. Ao fecharmos um circuito, anteriormente aberto, através do contato de duas partes de nosso corpo a uma diferença de potencial, circulará por ele uma corrente elétrica denominada corrente de choque. Costuma-se associar o "estrago" que o choque pode causar, com o nível de tensão, porém o correto é dizer que depende da intensidade da corrente elétrica que atravessa o corpo da pessoa durante o choque. Certamente que quanto maior for a tensão, maior é a probabilidade de ocorrer um dano físico à pessoa, tendo em vista que pela lei de ohm o aumento da corrente é diretamente proporcional ao da tensão e inversamente proporcional ao da resistência elétrica, ou seja, como a resistência do corpo humano é relativamente constante (entre 1300 e 3000 Ohms), se aumentarmos a tensão, conseqüentemente a corrente aumentará conforme mostra a equação 1. Até o limiar de sensação, a corrente que atravessa o corpo humano é praticamente inócua, qualquer que seja sua duração, a partir desse valor, à medida que a corrente cresce, a contração muscular vai se tornando mais desagradável. Para as freqüências industriais (50-60 Hz), desde que a intensidade não exceda o valor de 9 ma, o choque não produz alterações de conseqüências graves, quando a corrente ultrapassa 9 ma, as contrações musculares tornam se mais violentas e podem chegar ao ponto de impedir que a vítima se liberte do contato com o circuito, se a zona torácica for atingida poderão ocorrer asfixia e morte aparente, caso em que a vítima morre se não for socorrida a tempo. Correntes maiores que 20 ma são muito perigosas, mesmo quando atuam durante curto espaço de tempo, as correntes da ordem de 100 ma, quando atingem a zona do

20 19 coração, produzem fibrilação ventricular em apenas 2 ou 3 segundos, e a morte é praticamente certa. Correntes de alguns Ampéres, além de asfixia pela paralisação do sistema nervoso, produzem queimaduras extremamente graves, com necrose dos tecidos, nesta faixa de corrente não é possível o salvamento, a morte é instantânea. Equação 1 - Lei de Ohm V = I. R (V= tensão; I= Corrente; R= Resistência) O tempo de duração do choque é de grande efeito nas conseqüências geradas, as correntes de curta duração têm sido inócuas, razão pela qual não se considerou a eletricidade estática, por outro lado quanto maior a duração, mais danosos são os efeitos De acordo com a Norma Regulamentadora número 10 (NR 10 - Segurança em serviços com eletricidade) do Ministério do Trabalho do Brasil, tensões menores que 50 V em corrente alternada e 120 V em corrente contínua são inofensivas. Da mesma forma a NBR fala em seu Anexo A sobre tensões de segurança menores que 50VCA. Estas são chamadas de Extra Baixas Tensões (EBT). Tensões maiores que 50 V e menores que 1000 V em corrente alternada e entre 120 V e 1500 V em corrente contínua são chamadas de Baixa Tensão (BT), enquanto tensões de valores iguais ou maiores a 1000 V em corrente alternada e 1500 V em corrente contínua são chamadas de Alta Tensão (AT). Assim, pessoas que sofrem um choque em AT têm uma probabilidade maior de morrer ou ficar com seqüelas graves do que uma pessoa que sofreu um choque em BT (Tabela 01).

21 20 Tabela 1 Intensidade da corrente no corpo humano Intensidade (ma) Perturbações prováveis Estado após o choque Resultado Salvamento Final 1 Nenhuma Normal Normal Sensação cada vez mais 1-9 desagradável à medida que a intensidade aumenta. Normal Desnecessá rio Normal Contrações musculares Sensação dolorosa, contrações violentas, perturbações circulatórias. Morte aparente Respiração artificial Restabeleci mento Sensação insuportável, contrações violentas, asfixia, perturbações circulatórias graves inclusive fibrilação Morte aparente Respiração artificial Restabeleci mento ou morte ventricular. >100 asfixia imediata, fibrilação ventricular. Morte aparente Muito difícil Morte Fonte: ALCANTARA, Disponível em: <http://dalcantara.vilabol.uol.com.br/index4.html> 2.3 Aterramento elétrico Denomina - se aterramento a ligação do equipamento ou rede de energia com a massa condutora da terra através de cabos ou fios condutores. Ele deve assegurar de modo eficaz a fuga de corrente para a terra, propiciando as necessidades de segurança e de funcionamento de uma instalação elétrica. O valor da resistência de aterramento deve satisfazer às condições de proteção e funcionamento da instalação elétrica, de acordo com os esquemas de aterramento.

22 Resistência de aterramento É denominado como o valor da resistência da passagem da energia do elétrodo de aterramento para o solo. Quanto menor este valor, mais fácil a energia flui para a terra. O equipamento para medir resistência de aterramento denomina-se terrômetro. (KINDERMANN; CAMPAGNOLO, 2005) Aterramento elétrico temporário Ligação elétrica efetiva confiável e adequada intencional à terra, destinada a garantir a equipotencialidade e mantida continuamente durante a intervenção na instalação elétrica. (NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA, 2006) 2.4 O Conjunto de aterramento e curto-circuitamento temporário como EPC O Aterramento temporário mostrado na fig. 1, deve apresentar os preceitos mínimos necessários à especificação, utilização e conservação do conjunto de aterramento e curto-circuitamento temporário, visando garantir a segurança pessoal que executa trabalhos de manutenção e construção em instalações elétricas desenergizadas, especialmente em redes de distribuição (Figura 1). A NBR 6935 sobre aterramento rápido, determina o aterramento temporário para utilização em rede aéreas. (MANUAL, 1996).

23 22 Figura 1 Conjunto de aterramento e curtu-circuitamento temporário trifásico Fonte: MANUAL, 1996, p Características mínimas Capacidade para conduzir a máxima corrente de curto circuito pelo tempo necessário para a atuação do sistema de proteção por três vezes consecutivas, além de conduzir as correntes induzidas em estado permanente. Possuir grampos, conectores e cabos, dimensionados para suportar os esforços mecânicos gerados pelas correntes de curto circuito sem se desprenderem nas conexões ou se romperem. Manter por ocasião a corrente de curto circuito a terra uma queda de tensão, através do conjunto de aterramento não prejudicial ao homem em paralelo com o mesmo. Ser prático e funcional ao serviço de manutenção, porém observando-se antes de tudo as características acima. (MANUAL, 1996).

24 Características construtivas e funcionais Elementos do conjunto de aterramento e curto-circuitamento temporário: Vara ou bastão de manobra: Destinado a garantir o isolamento necessário as operações de colocação e retirada do conjunto na rede de energia elétrica. Grampos de condutores: Estabelece a conexão dos demais itens do conjunto com os pontos a serem aterrados. Grampo de terra: Estabelece a conexão dos demais itens do conjunto com o ponto de terra, trado, estrutura metálica, etc. Trapézio de suspensão: Permite a elevação simultânea à linha a ser aterrada e estabelece a conexão dos cabos de interligação das fases. Cabos de aterramento: É através dele que fluem as eventuais correntes que possam surgir acidentalmente no sistema. Trado de aterramento: É utilizado para estabelecer a ligação dos demais elementos do conjunto com o solo visando a obtenção de uma baixa resistência de terra. Estojo de acondicionamento: Para manter o conjunto de aterramento e curto-circuitamento temporário em perfeitas condições, pronto para ser utilizado com segurança quando for necessário, exige-se o mínimo de cuidado com seu manuseio e transporte. Desta forma, ele deve ser acondicionado em estojo adequado. (MANUAL, 1996) Configuração do conjunto de aterramento e curto-circuitamento temporário Ao longo de sua evolução o conjunto de aterramento e curto-circuitamento temporário sofreu uma série de modificações em sua configuração, visando logicamente o seu aperfeiçoamento, e conseqüentemente melhoria no seu grau de segurança no que se refere aos valores de fluxo de corrente. Ainda hoje são utilizados conjuntos de aterramento e curto-circuitamento temporário de configurações diferentes, as quais, além de resultar em maior ou menor grau de segurança, conforme exposto acima, poderão facilitar ou dificultar

25 24 seu manuseio e instalação. Hoje possuímos no mercado basicamente dois tipos de conjunto de aterramento e curto-circuitamento temporário os quais diferem-se basicamente em ter ou não o grampo de conexão ao neutro, ou em seu lugar, o trapézio tipo sela. As figuras abaixo ilustram suas configurações. (MANUAL, 1996) Especificação do conjunto de aterramento e curto-circuitamento temporário Para especificar-se o conjunto de aterramento e curto-circuitamento temporário, além da necessidade do conhecimento das características técnicas de seus componentes, temos que estar cientes de alguns detalhes fundamentais da instalação elétrica onde o mesmo será utilizado, a saber: Nível de tensão; Corrente máxima de curto circuito Bitola máxima dos condutores; Tipo de altura máxima das estruturas; Distância máxima entre fases e fase central ao neutro. (MANUAL, 1996) Legislação A Norma regulamentadora N 10 (NR 10): Que estabelece os requisitos e condições mínimas objetivando a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos, de forma a garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores que, direta ou indiretamente, interajam em instalações elétricas e serviços com eletricidade, sua última atualização aprovada em 7 de dezembro de 2004, especifica em seu item a instalação de aterramento temporário com equipotencialização dos condutores dos circuitos como item obrigatório para trabalhos em rede desenergizadas. (MINISTÉRIO DO TRABALHO, Disponível em: <http://www.mte.gov.br>) A NBR estabelece as condições a que devem satisfazer as instalações elétricas de baixa tensão, a fim de garantir a segurança de pessoas e animais, o funcionamento adequado da instalação e a conservação dos bens. Aplica-se principalmente às instalações elétricas de edificações, qualquer que seja seu uso (residencial, comercial, público, industrial, de serviços, agropecuário,

26 25 hortigranjeiro, etc.), incluindo as pré-fabricadas.em seu item 5 fala sobre proteção para garanti segurança, comentando sobre extra baixa tensão e sobre aterramento temporário de baixa tensão cujo principio é o mesmo do aterramento temporário de alta tensão do estudo. A NBR fixa condições exigíveis e ensaios referentes a seccionadores, chaves de terra e de aterramento rápido a serem utilizados em instalações internas e externas, para tensões acima de 1000 V e à freqüência industrial, bem como a seus dispositivos de operação e seus equipamentos auxiliares. A NBR Instalações elétricas em média tensão em seu item exige o uso de equipamentos de aterramento e curto circuitamento como medida de segurança. A NR 10 em sua integra está no Anexo I.

27 26 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS A forma como são feitos os experimento, e a capacitação assossiada ao interesse das pessoas envolvidas são fundamentais para o bom andamento dos trabalhos e uma perfeita conclusão dos resultados. Por isso que os procedimentos metodológicos devem ser claros. 3.1 Local dos trabalhos Todo o trabalho se desenvolveu no município de Jacinto Machado SC com o apoio da CEJAMA - Cooperativa de Eletricidade Jacinto Machado, responsável pela distribuição de energia elétrica local (Figura 2) A CEJAMA Cooperativa de Eletricidade Jacinto Machado Figura 2 Back Light em frente à CEJAMA Fonte: Dos autores. Desde 2002, iniciou-se na cooperativa um trabalho de conscientização quanto ao uso dos equipamentos de proteção, visto que os trabalhadores estavam além de desinformados, resistentes ao uso dos equipamento de segurança. O cenário no momento apresentava-se com dirigentes sem instrução, e funcionários resistentes, os quais possuíam pouca proteção e trabalhavam de forma displicente em relação ao uso dos equipamentos de proteção tanto individuais como coletivos. Era comum o uso de sandálias de dedo em serviço e o uso do capacete era apenas

28 27 usado para tirar fotos. O processo de conscientização iniciou-se após acidente evolvendo um funcionário, por energização acidental de um condutor com tensão fase-terra de aproximadamente 8.000V. Não houve óbito do funcionário, porém este ficou hospitalizado durante meses e traumatizou todos os trabalhadores da cooperativa. Com o trabalho de conscientização, veio a pergunta de todos, O aterramento temporário é realmente eficiente, ele realmente minimiza os riscos? Em que condições ele pode não dar total segurança?. Estas perguntas eram feitas pelos próprios trabalhadores e motivaram-nos a realizar esta monografia. O total apoio dos funcionários foi motivante e essencial ao bom andamento dos trabalhos. Isso demonstra que o trabalho de conscientização apesar de ser lento, ele tem uma validade muito grande, visto que hoje, na cooperativa, não é mais necessário solicitação para que usem os equipamentos, eles solicitam a eles mesmos e cobram deles mesmos o seu uso. Em casos de equipamentos de má qualidade ou de qualidade duvidosa, a mobilização é total e antes mesmo da CIPA intervir, o equipamento é totalmente rejeitado e solicitado a troca ao fornecedor pelos próprios funcionários. A mobilização quanto ao teste foi tão solicitada pelos funcionários que todos os testes foram feitos por eles mesmos, orientados e relatados pela dupla. 3.2 Delineamento da pesquisa A pesquisa realizada consiste em uma medição objetiva dos dados buscados, e através da quantificação e qualificação dos resultados buscar uma conclusão sobre a eficiência do EPC, e poder utilizar os resultados como uma forma de conscientização para os trabalhadores do sistema elétrico de distribuição. Todas as medidas devem ser feitas de forma precisa, para evitar a distorção dos resultados, e com isso uma distorção das análises. A pesquisa consiste em levantar os riscos de choques elétricos em que o trabalhador está submetido durante os trabalhos em redes de distribuição de energia elétrica desenergizadas, conforme o procedimento especificado pela NR 10 de instalação de aterramento temporário com equipotencialização dos condutores dos circuitos, analizando a instalação do aterramento temporário e os riscos que podem ser gerados por uma energização acidental. O item da NR 10 fala ainda em

É uma perturbação acidental que se manifesta no organismo humano, quando percorrido por uma corrente elétrica.

É uma perturbação acidental que se manifesta no organismo humano, quando percorrido por uma corrente elétrica. CHOQUE ELÉTRICO É uma perturbação acidental que se manifesta no organismo humano, quando percorrido por uma corrente elétrica. A RESISTÊNCIA DO CORPO HUMANO INTERNA Ri2 200 Ω Ri3 100 Ω Ri1 200 Ω Rit 500

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Transformadores Para Instrumentos Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Sumário 1. Tipos de Transformadores. 2. Transformadores de Corrente - TCs. 3. Transformadores de Potencial TPs. 4. Ligação

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO MOMENTÂNEO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO

LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO ELETRIFICADOR DE CERCA EC- rural MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO Esta página foi intencionalmente deixada em branco. CUIDADOS NA INSTALAÇÃO

Leia mais

Conceitos básicos sobre aterramentos

Conceitos básicos sobre aterramentos Conceitos básicos sobre aterramentos (Estudo Técnico 2: Aterramento de cercas e currais.) José Osvaldo S. Paulino 1 Aspecto físico de aterramento industrial PROGRAMA: Conceitos básicos sobre aterramento.

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito Instalações Elétricas Prediais -É a Ligação intencional de um condutor à terra. -Significa colocar instalações de estruturas metálicas e equipamentos elétricos

Leia mais

Choque Elétrico Efeitos da corrente elétrica. Medidas de Prevenção. O que é um choque elétrico? Choque elétrico é a perturbação que ocorre no organismo humano quando percorrido por uma corrente elétrica.

Leia mais

Ensaio de resistência de isolamento

Ensaio de resistência de isolamento 56 Capítulo VII Ensaios de resistência de isolamento e de rigidez dielétrica Por Marcelo Paulino* A avaliação do sistema isolante consiste em uma das principais ferramentas para determinar a condição operacional

Leia mais

- verificar a adequação de novos sistemas e a precisão dos seus projetos;. - detectar as alterações naturais ou provocadas em sistemas existentes;

- verificar a adequação de novos sistemas e a precisão dos seus projetos;. - detectar as alterações naturais ou provocadas em sistemas existentes; 1. OBJETIVO Estabelecer os procedimentos a serem seguidos nas medições das resistências de sistemas de aterramento instalados na rede de distribuição. Essas medições são necessárias para: - verificar a

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA DO CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS 1 INDICE 1 OBJETIVO 2 NORMAS APLICÁVEIS 3 GENERALIDADES 4 METODOLOGIA 5 MEDIÇÕES DE GRANDEZAS

Leia mais

NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE NR 10: Portaria n.º 598, de 07/12/2004 (D.O.U. de 08/12/2004 Seção 1) Ementas: Portaria n.º 126, de 03/06/2005 (D.O.U. de 06/06/2005 Seção 1) NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

Leia mais

Projeto de Instalações Elétricas e Telefônicas Prof. Dorival Rosa Brito 1

Projeto de Instalações Elétricas e Telefônicas Prof. Dorival Rosa Brito 1 ATERRAMENTO Por que aterrar? Liga-se à terra para proteger edificações e pessoas contra descargas atmosféricas e cargas eletrostáticas geradas em instalações de grande porte. Em instalações elétricas,

Leia mais

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA Página 1 de 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. ANEXOS 6. VIGÊNCIA. APROVAÇÃO Página 2 de 1. OBJETIVO Esta norma estabelece as condições exigíveis

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais

Instalações Elétricas Prediais Abril de 2010 Sumário Tópicos Sumário Corrente Elétrica Fundamentos da proteção 1 Contra Choques Elétricos A Corrente Elétrica no Corpo Humano Fundamentos da proteção contra choques elétricos. 2 Eletrodos

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO PERMANENTE SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO...

Leia mais

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br

Leia mais

MANUTENÇÃO EM CADEIAS DE ISOLADORES DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

MANUTENÇÃO EM CADEIAS DE ISOLADORES DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA MANUTENÇÃO EM CADEIAS DE ISOLADORES DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA RICARDO INFORZATO GREJO 1 JOSÉ JOÃO BARRICO 2 RESUMO O investimento em tecnologias modernas é fundamental para a melhoria

Leia mais

Dispositivos de Proteção

Dispositivos de Proteção 4 Dispositivos de Proteção Todos os circuitos deverão ser protegidos, a fim de garantir a integridade física das pessoas das instalações e equipamentos. Para isso, existem diversos dispositivos e equipamentos

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

NR-10 MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO

NR-10 MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO NR-10 MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO Prof. Pedro Armando da Silva Jr. Engenheiro Eletricista, Dr. pedroarmando@ifsc.edu.br DESENERGIZAÇÃO A desenergização é um conjunto de ações coordenadas, sequenciadas

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 02/02/2014

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 02/02/2014 Questão 1 Conhecimentos Específicos Técnico em Eletrotécnica Um forno elétrico industrial de 100 kw/440v trifásico é acionado diariamente por cerca de 5 horas e 12 minutos. O consumo mensal (30 dias) de

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

Lista de Exercícios de Física II Lei de Ohm - circuitos Prof: Tadeu Turma: 3 Ano do Ensino Médio Data: 16/07/2009

Lista de Exercícios de Física II Lei de Ohm - circuitos Prof: Tadeu Turma: 3 Ano do Ensino Médio Data: 16/07/2009 Lista de Exercícios de Física II Lei de Ohm - circuitos Prof: Tadeu Turma: 3 Ano do Ensino Médio Data: 16/07/2009 1ª Questão) Num circuito elétrico, dois resistores, cujas resistências são R 1 e R 2, com

Leia mais

Concurso Público Nível Médio

Concurso Público Nível Médio Concurso Público Nível Médio Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Código da Vaga: CRC-03 Caderno de Prova Aplicação: 10/02/2010 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Ao receber este caderno, confira

Leia mais

Segurança com a eletricidade

Segurança com a eletricidade Exper. 1 Segurança com a eletricidade Objetivo Levar o aluno a conhecer alguns riscos da eletricidade e a se preocupar com a prevenção de acidentes elétricos em seu ambiente de trabalho. Conscientizar

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 9. Sistema de Aterramento 02 9.1. Geral 02 9.2. Normas 02 9.3. Escopo de Fornecimento 02 T-9.1. Tabela 02 9.4. Características Elétricas 03 9.4.1. Gerais 03 9.4.2. Concepção Geral

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

ANEXO 1 ATERRAMENTO ESCOLAS. Realização: fdte@fdte.org.br

ANEXO 1 ATERRAMENTO ESCOLAS. Realização: fdte@fdte.org.br ANEXO 1 ATERRAMENTO ESCOLAS Realização: fdte@fdte.org.br ÍNDICE 1. Introdução................................................................... 3 2. Objetivos do aterramento.....................................................

Leia mais

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO OBRA: SUBESTAÇÃO 500KVA PROPRIETÁRIO: TRT TRIBUNAL REGIONALDO TRABALHO 12ºREGIÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. EMERSON CESAR PADOIN PADOIN ENGENHARIA E PROJETOS LTDA MEMORIAL

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo:

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo: ENGENHEIRO ELETRICISTA 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Um sistema de proteção contra descargas atmosféricas do tipo Franklin foi concebido para prover a segurança de uma edificação

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

EDI-34 Instalações Elétricas

EDI-34 Instalações Elétricas EDI-34 Instalações Elétricas Plano de Disciplina 2º semestre de 2015 1. Identificação Sigla e título: EDI-34 Instalações Elétricas Curso de Engenharia Civil-Aeronáutica Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA ENE095 Proteção de Sistemas Elétricos de Potência Prof. Luís Henrique Lopes Lima 1 TRANSFORMADORES DE MEDIDAS

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 0 NOTA TÉCNICA 6.005 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro 60 Capítulo V Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Os transformadores de aterramento são aplicados em muitas situações onde o arranjo do sistema elétrico exige que seja criado

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 9 Divisão da Instalação em Circuitos Porto Alegre - 2012 Tópicos Quadros de distribuição Disjuntores Divisão da instalação elétrica

Leia mais

Proteção contra. choques elétricos e incêndios. Proteção contra. choques elétricos e incêndios

Proteção contra. choques elétricos e incêndios. Proteção contra. choques elétricos e incêndios Proteção contra choques elétricos e incêndios Proteção contra choques elétricos e incêndios Fabricado no Brasil Dispositivos D Proteção contra correntes de fuga à terra em instalações elétricas de baixa

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PROVISÓRIAS SEGURAS EM CANTEIROS DE OBRAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PROVISÓRIAS SEGURAS EM CANTEIROS DE OBRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PROVISÓRIAS SEGURAS EM CANTEIROS DE OBRAS GONZALEZ CÁCERES, João Rafael Engenheiro Eletricista Centro Universitário de Lins (UNILINS) E-mail: eng_jrafael@yahoo.com.br Resumo: Um dos

Leia mais

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição com Processo Atividade Realizar Novas Ligações Executar Ligação AT Código Edição Data SM04.08-00.005 2ª Folha 1 DE 10 11/11/2010 HISTÓRICO

Leia mais

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento 30 Capítulo VIII Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Parte 3: Método da queda de potencial com injeção de alta corrente e ensaios em instalações energizadas Jobson Modena e

Leia mais

Professor João Luiz Cesarino Ferreira

Professor João Luiz Cesarino Ferreira Exercícios 1º Lei de Ohm e Potência elétrica 1º) 2º) 3º) Um fio com uma resistência de 6,0Ω é esticado de tal forma que seu comprimento se torna três vezes maior que o original. Determine a resistência

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 30 / 08 / 2012 1 de 19 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 4.1 Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT... 3 4.2 Agência Nacional de Energia

Leia mais

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822 LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA N O 21/2015 1. Informações gerais sobre o local da vistoria: Imóvel sito a rua Jornalista Irineu Marinho nº 441 Icaraí Niterói RJ Nome do Condomínio: Edifício Luanda CNPJ/MP:

Leia mais

Como reduzir sua conta de energia elétrica

Como reduzir sua conta de energia elétrica Como reduzir sua conta de energia elétrica Com REDULIGHT você tem energia de melhor qualidade e economiza até 25% na conta Saiba como O que é e como funciona o filtro REDULIGHT O Redulight é um Filtro

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 7 Simbologia de Projetos Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Projeto de instalações elétricas prediais Simbologia para instalações

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

Polaridade e relação em transformadores de potência

Polaridade e relação em transformadores de potência 68 Capítulo V Polaridade e relação em transformadores de potência Por Marcelo Paulino* O objetivo deste capítulo é apresentar os conceitos de polaridade e defasamento angular de transformadores e as metodologias

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Subestações

Leia mais

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO.

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. Introdução A energia elétrica que alimenta as indústrias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem

Leia mais

QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO CAPÍTULO 03

QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO CAPÍTULO 03 QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO CAPÍTULO 03 2 Capítulo 03 QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO Figura 01 Entrada de energia residencial Figura 02 Quadro de Distribuição Monofásico com DR (Disjuntor ou Interruptor) Geral 3 Figura

Leia mais

Primeira Lei de Ohm. Podemos dizer que a resistência elétrica deste circuito é de: a) 2,0 m b) 0,2 c) 0,5 d) 2,0 k e) 0,5 k

Primeira Lei de Ohm. Podemos dizer que a resistência elétrica deste circuito é de: a) 2,0 m b) 0,2 c) 0,5 d) 2,0 k e) 0,5 k Primeira Lei de Ohm 1. (Pucrj 2013) O gráfico abaixo apresenta a medida da variação de potencial em função da corrente que passa em um circuito elétrico. Podemos dizer que a resistência elétrica deste

Leia mais

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação 34 Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação Por Alan Rômulo e Eduardo Senger* No artigo anterior foram abordados os métodos previstos na NFPA

Leia mais

Exercícios de Física Lei de Ohm

Exercícios de Física Lei de Ohm Questão 01 - A intensidade da corrente i, e a resistência R do circuito abaixo valem: diminuindo o valor da resistência elétrica do corpo. A lei de Ohm afirma que: 5 A 1 A 250 Ω 100 Ω R i a) Mantida constante

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA NA GESTÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA

NORMAS DE SEGURANÇA NA GESTÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA NORMAS DE SEGURANÇA NA GESTÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA Eng. Edson Martinho Universolambda.com.br 1 Edson Martinho Engenheiro Eletricista (pós Mkt / Docência) Diretor executivo ABRACOPEL Diretor Técnico Portal

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 DETERMINAÇÃO DA CORRENTE DE CURTO - CIRCUITO FASE TERRA NO MEIO INDUSTRIAL Felipe Miquelino¹; Edilberto Teixeira² 1 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG 2 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG fmiquelinof@gmail.com;

Leia mais

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Prof. Eng. José Ferreira Neto ALLPAI Engenharia Out/14 Parte 1 -Conceitos O Sistema Elétrico e as Subestações Efeitos Elétricos

Leia mais

Instalações elétricas provisórias na construção civil

Instalações elétricas provisórias na construção civil Instalações elétricas provisórias na construção civil São Paulo, 12 de agosto de 2014 NBR-5410 NR-18 10.1. Objetivo e campo de aplicação 10.2. Medidas de controle 10.3. Segurança no projeto 10.4. Segurança

Leia mais

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Filippe Pereira Dolgoff Engenheiro de Aplicação Produtos e Sistema de Baixa Tensão ABB 1 INTRODUÇÃO Um sistema elétrico

Leia mais

LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA

LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA LIVRETO EXPLICATIVO LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA DEZEMBRO/2009 ELABORADO POR: CLÁUDIO F. DE ALBUQUERQUE ENG ELETRICISTA EDITADO POR: NELSON FUCHIKAMI LOPES ENG ELETRICISTA Índice 1 O que

Leia mais

Introdução ao Sistema Elétrico

Introdução ao Sistema Elétrico Fundação Universidade INTRODUÇÃO Federal de Mato AO Grosso SISTEMA do Sul ELÉTRICO 1 Princípios de Eletricidade e Eletrônica Introdução ao Sistema Elétrico Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG

Leia mais

1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410

1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410 1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410 A segurança sempre está em pauta em nossas vidas e com a eletricidade não deve ser diferente. Durante a utilização normal das instalações elétricas

Leia mais

DDS Efeitos do choque elétrico no organismo humano

DDS Efeitos do choque elétrico no organismo humano Choque Elétrico : É o conjunto de perturbações de natureza e efeitos diversos, que se manifesta no organismo humano ou animal, quando este é percorrido por corrente elétrica. A condição básica para se

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP CAMPUS DE FRANCA/SP

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP CAMPUS DE FRANCA/SP LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP CAMPUS DE FRANCA/SP 1 INDÍCE 1 - OBJETIVO 2 - NORMAS APLICÁVEIS 3 - GENERALIDADES

Leia mais

PREPARANDO VOCÊ!!! PARA O MERCADO DE TRABALHO

PREPARANDO VOCÊ!!! PARA O MERCADO DE TRABALHO PREPARANDO VOCÊ!!! PARA O MERCADO DE TRABALHO Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade EMENTA: Estabelecer os requisitos e condições mínimas objetivando a implementação de medidas de controle

Leia mais

Capítulo IV. Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração. Aterramento do neutro

Capítulo IV. Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração. Aterramento do neutro 60 Capítulo IV Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração Paulo Fernandes Costa* Nos três capítulos anteriores, foram discutidos os aspectos da escolha e

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC MEDIDAS ELÉTRIC AS MANUAL DO PROFESSOR Manual

Leia mais

Workshop. Proteção em redes de serviços via cabo coaxial

Workshop. Proteção em redes de serviços via cabo coaxial Workshop Proteção em redes de serviços via cabo coaxial Distúrbios em sistemas elétricos Surto Surtos elétricos Incidência de Descargas Atmosféricas na região sudeste, sul, Mato Grosso e Goiás (em milhões)

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

Proteção de Bancos de Capacitores Shunt

Proteção de Bancos de Capacitores Shunt 26 Capítulo XIII Proteção de Bancos de Capacitores Shunt Por Cláudio Mardegan* A utilização de bancos de capacitores em sistemas elétricos industriais tem crescido ultimamente devido ao fato de se constituir

Leia mais

NOVA NORMA REGULAMETADORA NR10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR-10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NOVA NORMA REGULAMETADORA NR10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR-10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR-10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NORMA REGULAMETADORA NR10 Dispõe sobre as diretrizes básicas para a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos, destinados

Leia mais

DESENERGIZAÇÃO. Seccionamento. Impedimento de reenergização. Constatação da ausência de tensão

DESENERGIZAÇÃO. Seccionamento. Impedimento de reenergização. Constatação da ausência de tensão DESENERGIZAÇÃO A desenergização é um conjunto de ações coordenadas, seqüenciadas e controladas, destinadas a garantir a efetiva ausência de tensão no circuito, trecho ou ponto de trabalho, durante todo

Leia mais

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO PLUG TERMINAL COM CAPA (PTC) 600 A 8,7 / 15 KV OPERAÇÃO SEM CARGA SUMÁRIO ITEM CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições

Leia mais

Mitos e verdades sobre a NR-10 na fabricação de painéis elétricos de baixa e média tensão

Mitos e verdades sobre a NR-10 na fabricação de painéis elétricos de baixa e média tensão Mitos e verdades sobre a NR-10 na fabricação de painéis elétricos de baixa e média tensão Por Nunziante Graziano A finalidade deste artigo é analisar se é possível responder a uma pergunta clássica: Esse

Leia mais

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE ITA - 006 Rev. 0 Setembro / 2003 Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com

Leia mais

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Eng. Joaquim Gomes Pereira ------------ Ministério do Trabalho e Emprego DRT/SP 1 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-021 ADENDO AS NORMAS DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADAS DO SISTEMA ENERGISA À NORMA REGULAMENTADORA Nº010 NR 010

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-021 ADENDO AS NORMAS DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADAS DO SISTEMA ENERGISA À NORMA REGULAMENTADORA Nº010 NR 010 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-021 ADENDO AS NORMAS DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADAS DO SISTEMA ENERGISA À NORMA REGULAMENTADORA Nº010 NR 010 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES...

Leia mais

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos:

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 5 Proteção e Coordenação de Instalações Industriais Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 1 Seletividade É a capacidade

Leia mais

eletroeletrônica I Uma máquina industrial apresentou defeito. Máquinas eletromecânicas

eletroeletrônica I Uma máquina industrial apresentou defeito. Máquinas eletromecânicas A U A UL LA Manutenção eletroeletrônica I Uma máquina industrial apresentou defeito. O operador chamou a manutenção mecânica, que solucionou o problema. Indagado sobre o tipo de defeito encontrado, o mecânico

Leia mais

Escolha do tipo de resistor de aterramento do neutro em sistemas elétricos industriais Paulo Fernandes Costa*

Escolha do tipo de resistor de aterramento do neutro em sistemas elétricos industriais Paulo Fernandes Costa* 62 Capítulo I Escolha do tipo de resistor de aterramento do neutro em sistemas elétricos industriais Paulo Fernandes Costa* Novo! A aplicação de resistores de aterramento do neutro em sistemas industriais,

Leia mais

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa.

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa. O SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO, COM OPERAÇÃO Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.05 1/9 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 3. EXCEÇÕES... 1 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CADASTRO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CD.DT.PDN.03.14.001 03 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

RESISTORES. 1.Resistencia elétrica e Resistores

RESISTORES. 1.Resistencia elétrica e Resistores RESISTORES 1.Resistencia elétrica e Resistores Vimos que, quando se estabelece uma ddp entre os terminais de um condutor,o mesmo é percorrido por uma corrente elétrica. Agora pense bem, o que acontece

Leia mais

SOBRETENSÃO. saiba como se proteger

SOBRETENSÃO. saiba como se proteger SOBRETENSÃO saiba como se proteger O QUE É UMA DESCARGA ELÉTRICA? Descargas atmosféricas são relâmpagos que produzem uma quantidade extremamente grande de energia elétrica pulsada de milhares de ampères

Leia mais

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva Com a linha Geafol, obteve-se um transformador com excelentes características elétricas, mecânicas e térmicas que, adicionalmente, ainda é ecológico. São produzidos sob certificação DQS, ISO 9001 e ISO

Leia mais