Projeto de Rede de Monitoramento de qualidade na UGRHI 11 Ribeira de Iguape e Litoral Sul.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto de Rede de Monitoramento de qualidade na UGRHI 11 Ribeira de Iguape e Litoral Sul."

Transcrição

1 Projeto de Rede de Monitoramento de qualidade na UGRHI 11 Ribeira de Iguape e Litoral Sul. Preparado pela seção de Qualidade de Águas Subterrâneas da CETESB programa total, do qual o nosso projeto é a primeira fase Introdução A água subterrânea no Estado de São Paulo tem importante papel no abastecimento público e cada vez mais tem sido utilizada para os usos preponderantes que incluem o uso agrícola, industrial, comercial e residencial por meio de captações em diferentes aqüíferos. As ações de proteção desse recurso ambiental exigem conhecê-lo, no que se refere à sua ocorrência, quantidade e qualidade, bem como efetuar o correto zoneamento do uso e ocupação do solo. Está é uma tarefa complexa e que envolve diferentes instituições do poder público e da sociedade civil organizada. A Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental - CETESB realiza desde 1990 o monitoramento da qualidade da água subterrânea por meio de coletas semestrais em pontos de monitoramento distribuídos nos principais aqüíferos do Estado, determinando mais de 40 parâmetros físicos químicos e microbiológicos, publicando um relatório técnico sobre a cada três anos. Entretanto, a rede de monitoramento da CETESB ainda não cobre a UGRHI 11 Ribeira de Iguape e Litoral Sul. A gestão do recurso hídrico subterrâneo prevê o monitoramento integrado da Qualidade e Quantidade. Assim, as redes de monitoramento devem ser operadas conjuntamente. Este projeto visa subsidiar a CETESB, selecionando poços existentes na UGRHI 11, dentro de critérios já definidos, visando ampliar a rede de monitoramento de qualidade de água subterrânea do Estado. Deverá ser viabilizada a utilização dos poços de monitoramento da qualidade da água também para medição de nível d água. Além disso, serão selecionados poços de abastecimento público para delimitação de áreas de proteção de qualidade, conforme disposto no Decreto Estadual de , bem como seleção de áreas para instalação, pelo CTH- DAEE, de poços freáticos de monitoramento de nível d água, considerando que esses poços rasos também fornecem informações mais precisas para subsidiar as ações de controle de poluição.

2 Etapas a serem executadas Cadastramento de poços tubulares existentes em complementação ao cadastro do DAEE. Avaliação de perfis construtivos e litológicos dos poços em função dos critérios definidos pela CETESB. Avaliação do uso e ocupação do entorno de poços pré-selecionados para avaliação de fontes pontenciais de poluição. Seleção dos poços a serem monitorados Delimitação de áreas de proteção de qualidade no entorno de poços de abastecimento público selecionados. Seleção de áreas sem influência de bombeamento para instalação de poços de monitoramento de nível d água, segundo critérios do CTH-DAEE. Critérios para implantação de rede de monitoramento de nível d água de águas subterrâneas Consultar processo SINFEHIDRO: CORHI-58, contrato Fehidro: 084/2005 Tomador: Departamento de Águas e Energia Elétrica - DAEE

3 Critérios para implantação de rede de monitoramento de qualidade de águas subterrâneas Quadro 1 - etapas, atividades e subatividades de um sistema de monitoramento ETAPAS ATIVIDADE CONCEITUAÇÃO SUBATIVIDADE Definição dos objetivos do monitoramento Suporte de Bases Legais Definição dos Órgãos coordenadores PROJETO DE REDE OPERAÇÃO VALIDAÇÃO IMPLANTAÇÃO REALIZAÇÃO DE COLETA DE AMOSTRAS ANÁLISES LABORATORIAIS COMPILAÇÃO DE INFORMAÇÕES INTERPRETAÇÃO ESTATÍSTICA DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS CONTROLE DE QUALIDADE UTILIZAÇÃO DAS INFORMAÇÕES GERADAS Definição do corpo hídrico a ser monitorado Logística (recursos financeiros e humanos) Definição do número de pontos de amostragem Seleção dos pontos de amostragem Definição da freqüência de amostragem Logística para amostragem Técnicas de amostragem, Preservação e Transporte de amostras Definição de metodologias analíticas Armazenamento de informações do monitoramento Inclusão de informações de outras origens Avaliação de resultados anômalos Tratamento de resultados <LQ Controle do erro analítico Regularização dos dados Estatística básica (máximos, mínimos, percentis, mediana) Avaliação de tendências Correlações e geoestatística Relatórios técnicos Mapas temáticos Disponibilização na Internet Necessário em todas as etapas do processo Avaliação quanto ao atendimento aos objetivos propostos Alteração, quando necessário, no projeto e/ou operação do monitoramento. Este termo se refere ao item Projeto de Rede, escopo desse projeto. 1 Definição dos objetivos gerais do plano de monitoramento de águas subterrâneas Caracterizar a qualidade natural das águas subterrâneas dos corpos hídricos subterrâneos prioritários por bacias hidrográficas. Caracterizar os parâmetros hidrogeológicos os corpos hídricos subterrâneos.

4 Caracterizar a condição de nível d água nos corpos hídricos subterrâneos prioritários por bacias hidrográficas. Determinar a interação da pluviometria com as variações de nível d água dos aqüíferos. Avaliar as tendências dos parâmetros monitorados, em períodos de 10 anos. Identificar áreas com alterações de qualidade e/ou quantidade. Avaliar influência de fontes de poluição na qualidade das águas, subsidiando o seu controle. Subsidiar a formulação de ações de proteção da qualidade e da quantidade das águas subterrâneas. Avaliar a eficácia dessas ações a longo termo. Além dos objetivos gerais, na efetivação do plano de monitoramento, devem ser estabelecidos objetivos específicos como, por exemplo, elaborar mapas potenciométricos para os corpos hídricos monitorados, refinar modelos conceituais de fluxo de águas subterrâneas e estabelecer valores de referência que qualidade para uma determinada bacia hidrográfica. 2 Definição dos Órgãos Coordenadores A coordenação das atividades de monitoramento deve ser de atribuição conjunta entre os órgãos estaduais que emitem licença de fontes pontuais de poluição (órgão ambiental) e os que outorgam a captação das águas subterrâneas (gestores da quantidade dos recursos hídricos). Entretanto, é fundamental a participação ativa dos órgãos de saúde, institutos de pesquisa em geologia, prefeituras, universidades, agências de bacia e companhias de abastecimento, integrando as ações que hoje são executadas isoladamente. Para o estado de São Paulo, em função da capacidade instalada para execução de ensaios laboratoriais e para suporte em informática, propõe-se que a Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (CETESB) seja a gerenciadora do sistema de informação, que deverá estar integrado às demais entidades participantes, sem prejuízo da manutenção de bancos de dados próprios pelas mesmas.

5 3 Definição do corpo hídrico a ser monitorado Um corpo hídrico subterrâneo representa um volume de água subterrânea hidrogeologicamente distinto e delimitado dentro de um aqüífero ou sistema aqüífero. Em cada UGRHI, devem ser identificados os corpos hídricos subterrâneos prioritários, em função: da delimitação tridimensional dos corpos hídricos subterrâneos; do modelo conceitual de regime de fluxo das águas subterrâneas; da vulnerabilidade natural dos aqüíferos ao risco de poluição; das fontes potenciais de poluição; da densidade de poços tubulares de abastecimento; do uso e ocupação do solo e seu histórico; e dos resultados prévios de alteração das condições naturais. O monitoramento, com objetivo de estabelecer referências de qualidade (concentrações) e de quantidade (vazões e nível d água), deve ser realizado em áreas distantes das fontes potenciais de poluição e de aglomeração de obras de captação de água, porém semelhantes hidrogeologicamente às áreas consideradas prioritárias em função de impactos potenciais ou reais. Para avaliação de alteração de qualidade ou tendências, devem ser priorizados os corpos hídricos subterrâneos sob pressão antrópica. 4 Logística geral A operação de uma rede de monitoramento, de forma a atender satisfatoriamente aos múltiplos objetivos estabelecidos, não pode ser executada por um único órgão, em função das especificidades e dos limitados recursos humanos e financeiros disponíveis. A integração entre órgãos públicos estaduais, municipais e privados é fundamental para viabilizar estes recursos. Sugere-se o estabelecimento de um convênio entre o Órgão Ambiental e as empresas de abastecimento público, no sentido que estas enviem dados semestrais de qualidade, segundo uma lista definida de parâmetros, bem como dados, no mínimo, mensais sobre o nível d água e vazões médias. Outra possibilidade de aquisição de informações hidrogeológicas e hidroquímicas seria a obrigatoriedade das empresas licenciadas pelo Órgão Ambiental que possuam poços tubulares, enviarem laudos anuais com os mesmos parâmetros da rede.

6 Os principais itens a serem considerados nas planilhas de custos são: Salários e encargos, deslocamentos (combustível e pedágios), diárias de viagens (refeição e hospedagem) para seleção de pontos e coleta de amostras, transporte de amostras (veículos especializados), análises laboratoriais e serviços gráficos (relatórios). Devem ser selecionados por região, os laboratórios acreditados para a determinação dos parâmetros de interesse, com os limites de detecção necessários. Além dos custos financeiros, a capacidade dos laboratórios em termos de número de amostras/mês e a disponibilidade de equipe técnica para a coleta das amostras são os fatores mais limitantes. Assim, pode ser necessária a contratação de laboratórios terceirizados e a disponibilização de coletores por parte das Agências de Bacia, das empresas de abastecimento e das prefeituras municipais. 5 Definição do número de pontos de amostragem Para início do plano de monitoramento, cada UGRHI deve ser subdividida em quadrículas. Em corpos hídricos priorizados em função da intensidade das atividades antrópicas e da vulnerabilidade, as quadrículas devem ter dimensões de 10 por 10 km. Nas outras áreas, as quadrículas podem ser de 20 x 20 km. Caso, no julgamento dos especialistas envolvidos, as pressões antrópicas sejam consideradas muito intensas, e havendo disponibilidade de recursos humanos e financeiros, a quadrícula deverá ter dimensões de 5 x 5 km. Deve ser selecionado pelo menos um ponto em cada quadrícula, no corpo hídrico subterrâneo que se deseja monitorar, se possível próximo de pontos de monitoramento de águas superficiais. Dependendo da disponibilidade de monitorar mais de um ponto por quadrícula, deve-se escolher pontos próximos com diferentes profundidades ou posições de montante e jusante em relação às áreas de recarga do aqüífero. Dentro da área de abrangência de uma UGRHI, recomenda-se que o numero de pontos de monitoramento deve ser no mínimo 20 e no máximo 60. Entretanto, o número máximo de pontos pode ser maior, dependendo da complexidade do corpo hídrico, das pressões antrópicas e dos recursos disponíveis. Para monitoramento do nível d água, que não tem a limitação dos custos e capacidades laboratoriais, o número de pontos de medição pode ser consideravelmente maior, dependendo da disponibilidade de mão de obra para realização desta tarefa.

7 Após três anos de monitoramento, deve-se reavaliar a distribuição dos pontos de monitoramento, por meio de análises geoestatísticas dos resultados obtidos, utilizando-se métodos de krigagem. 6 Seleção de pontos de amostragem. Os pontos de monitoramento podem ser poços tubulares de abastecimento público ou privado, nascentes ou poços perfurados exclusivamente para monitoramento. Em função dos custos, estes últimos são viáveis apenas para aqüíferos rasos. Poços cacimbas podem ser utilizados somente para medição de nível d água. A identificação de poços tubulares deve ser executada, consultando-se os cadastros de poços junto aos órgãos outorgantes e avaliando-se os perfis construtivos. Recomenda-se os seguintes critérios de seleção: os filtros devem captar água em uma única formação aqüífera, ou, no mínimo, em um único sistema aqüífero; o material de construção do poço deve ser de PVC ou aço inox; deve haver laje de proteção e tubo de boca; havendo restrição financeira para a seleção de vários poços próximos, deve ser dada preferência para os mais rasos; poços desativados e ainda não tamponados podem ser utilizados para monitoramento do nível d água; e Para avaliação da qualidade, poços de abastecimento público ou de mineração de água mineral devem ser preferidos em relação a outros usos. Na avaliação das condições de aqüíferos rasos, serão selecionados poços tubulares com nível estático da água a menos de 20 metros de profundidade e nascentes. Para cadastramento de nascentes, pode-se consultar os Serviços de Saúde que operam monitoramento de potabilidade nestas fontes. Recomenda-se os seguintes critérios de seleção: ter vazão o ano todo, com preferência para nascentes com vazões maiores; a nascente deve estar protegida contra enxurradas; devem estar equipadas com obras de captação, para facilitar a coleta; e estar em locais de fácil acesso. Poços de monitoramento podem ser especialmente instalados para o propósito do monitoramento e neste caso torna-se mais fácil determinar as características construtivas e locacionais desejáveis. Outros poços de monitoramento, instalados com diferentes propósitos também podem ser utilizados. Geralmente estes poços são parte integrante de algum outro monitoramento, como por exemplo, para

8 pesquisas, para acompanhamento de nível d água em grandes obras de engenharia ou ainda como parte integrante de processos de remediação da qualidade da água subterrânea em locais contaminados. Em casos de poços de monitoramento já existentes, recomenda-se os seguintes critérios de seleção: no perfil construtivo, o início da seção filtrante deve estar acima do nível d água no final da estação das cheias; devem estar instalados em locais de fácil acesso, porém protegidos contra vandalismo; e dar preferência a poços instalados a montante de fontes potenciais de poluição. A seleção efetiva dos pontos de monitoramento somente poderá ser efetuada após a vistoria em campo dos pontos pré-selecionados. Assim, devem ser planejados, nesta etapa, mais pontos do que os necessários para a rede de monitoramento. Esta vistoria deve avaliadar a existência de torneira no cavalete e de perímetro imediato de proteção devidamente cercado. Se houver sistema de tratamento da água, como cloração e fluoretação, a coleta de amostras deverá ser efetuada a montante deste sistema. As questões de acessibilidade, uso e ocupação do entorno e obtenção de autorização do proprietário também são considerados nesta vistoria. Como o monitoramento proposto não se destina a avaliar fontes pontuais de poluição, os poços não devem estar próximos das mesmas. Em caso da possibilidade de instalação de equipamentos de medição automática de nível d água e /ou condutividade elétrica, existem outros cuidados que devem ser avaliados como a proximidade de fontes de energia e a proteção contra furtos. 7 Definição dos parâmetros a serem monitorados Com base na Portaria 518/2004 do Minist[erio da Saúde, definiu-se 6 (seis) grupos de parâmetros a serem mensurados/determinados, conforme apresenta o Quadro Z. Os parâmetros dos Grupos 1 ao 4 são determinados em todos os pontos de monitoramento. Algumas substâncias do Grupo 4 podem ter sua freqüência de determinação diferenciada, dependendo da variabilidade demonstrada nos resultados analíticos ao logo do tempo. Os parâmetros dos Grupos 5 e 6 serão determinados por região amostrada, dependendo do histórico de uso e ocupação do solo.

9 Quadro Z Grupos de parâmetros a serem mensurados ou determinados no monitoramento da qualidade das águas subterrâneas Grupo 1 Grupo 2 Grupo 3 MEDIÇÕES EM IONS MAIORES E INDICADORES: NUTRIENTES: CAMPO ph Condutividade elétrica Nível d água Temperatura da água Vazão Tempo de bombeamento Coordenadas geográficas Cálcio Magnésio Sódio Potássio Sulfato Cloreto Alcalinidade Fluoreto Dureza total Grupo 4 ELEMENTOS TRAÇOS: Ferro (filtrado e não filtrado) Manganês (filtrado e não filtrado) Arsênio Chumbo Mercúrio Cobre Boro Bário Oxigênio Dissolvido Carbono Orgânico Total Sólidos Dissolvidos Totais (a 105 C) Sólid. Totais (105 C) Nitrato Nitrito Amônia Nitrogênio Kjeldhal Fósforo Grupo 5 COMPOSTOS ORGÂNICOS VOLÁTEIS : Benzeno Etilbenzeno Tolueno Xileno Tetracloroetileno Tricloroetileno 1,2 dicloroetano Cloreto de vinila Clorofórmio 1,2 dicloroeteno Grupo 6 Acetochlor Alachlor Ametryn Atrazina Bromacil Butachlor Vernolate Butylate Carboxin Cyanazine Cycloate Deethyl atrazina Deisopropyl atrazina PESTICIDAS: Diphenamid Hexazinone Metolachlor Metribuzin Prometon Prometryn Propachlor Propazina Simazina Simatryne Terbacil Trifluralina 8 Freqüência de amostragem Em aqüíferos livres, a freqüência de coleta de amostras para fins de qualidade deverá ser semestral. Em aqüíferos confinados, a freqüência de amostragem será anual. Dependendo da série histórica de 6 anos (dois ciclos) dos resultados analíticos e dos fatores de risco referentes ao uso e ocupação do solo, os pontos de monitoramento que não

10 apresentam variações significativas poderão ter a freqüência ampliada para bianual. A freqüência de medições de nível d água será mensal, independente do tipo de aqüífero. Quando da instalação dos poços dedicados para monitoramento de nível d água, a freqüência será diária. Havendo disponibilidade de recursos financeiros, alguns pontos de amostragem poderão ser equipados com registradores automáticos de nível d água. Neste caso, a freqüência de registro de dados dependerá do equipamento utilizado.

Redes de Monitoramento de Qualidade de Águas Subterrâneas do Estado de São Paulo

Redes de Monitoramento de Qualidade de Águas Subterrâneas do Estado de São Paulo Redes de Monitoramento de Qualidade de Águas Subterrâneas do Estado de São Paulo Geóg. Rosângela Pacini Modesto Companhia Ambiental do Estado de Paulo (CETESB/SMA) Jul 2014 USOS DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1 A1.2 Águas subterrâneas Os objetivos desta seção consistem em avaliar o potencial e as disponibilidades das águas subterrâneas, bem como determinar suas principais limitações e áreas mais favoráveis à

Leia mais

FONTES/NASCENTES. Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização

FONTES/NASCENTES. Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização FONTES/NASCENTES Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização O que é uma nascente? Nascentes, fontes ou olhos de água são os locais onde se verifica o aparecimento de água por

Leia mais

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Análises Físico-químicas e Bacteriológicas com parâmetros físico-químicos e bacteriológicos específicos,

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

Área de restrição e controle de capacitação e uso de águas subterrâneas PROJETO JURUBATUBA. INSTITUTO DE ENGENHARIA 29 Junho de 2011

Área de restrição e controle de capacitação e uso de águas subterrâneas PROJETO JURUBATUBA. INSTITUTO DE ENGENHARIA 29 Junho de 2011 Área de restrição e controle de capacitação e uso de águas subterrâneas PROJETO JURUBATUBA INSTITUTO DE ENGENHARIA 29 Junho de 2011 Câmara Técnica de Águas Subterrâneas do CRH Coordenador Gerôncio Rocha

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO ESTUDO TÉCNICO ATUALIZADO DO CASO MANSÕES SANTO ANTÔNIO INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL DETALHADA E AVALIAÇÃO DE RISCO À SAÚDE HUMANA

APRESENTAÇÃO DO ESTUDO TÉCNICO ATUALIZADO DO CASO MANSÕES SANTO ANTÔNIO INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL DETALHADA E AVALIAÇÃO DE RISCO À SAÚDE HUMANA APRESENTAÇÃO DO ESTUDO TÉCNICO ATUALIZADO DO CASO MANSÕES SANTO ANTÔNIO INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL DETALHADA E AVALIAÇÃO DE RISCO À SAÚDE HUMANA Histórico da Área A área alvo de estudo (Lotes 04 e 05) pertenceu

Leia mais

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA PROESC Introdução O Projeto Oeste de Santa Catarina (PROESC), é o resultado de um convênio firmado entre a CPRM-Serviço Geológico do Brasil e o Governo do Estado

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alumínio Total pelo método colorimétrico LQ: 0,008 mg/l

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alumínio Total pelo método colorimétrico LQ: 0,008 mg/l ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO ACQUA BOOM SANEAMENTO AMBIENTAL LTDA - EPP Determinação

Leia mais

REGULARIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS PARA TODAS AS FINALIDADES DE USO ATRAVÉS DE VEÍCULO TRANSPORTADOR (CARRO-PIPA)

REGULARIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS PARA TODAS AS FINALIDADES DE USO ATRAVÉS DE VEÍCULO TRANSPORTADOR (CARRO-PIPA) 1 OBJETIVO Normatizarprocedimentos pararegularização de Outorgade Direito de Uso de Recursos Hídricos do Estado do Rio de Janeiro relativoa documentação necessária para abertura de processo administrativo

Leia mais

XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; XIX ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS; VIII FENÁGUA FEIRA NACIONAL DA ÁGUA.

XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; XIX ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS; VIII FENÁGUA FEIRA NACIONAL DA ÁGUA. XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; XIX ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS; VIII FENÁGUA FEIRA NACIONAL DA ÁGUA. Águas Subterrâneas e a Legislação Mineira de Recursos Hídricos Breno

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ Triunfo, 11 de fevereiro de 2011 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. RELAÇÃO DOS POÇOS DE MONITORAMENTO... 3

Leia mais

Investigação Confirmatória

Investigação Confirmatória MODULO 3 Gestores e Técnicos Ambientais Procedimentos para postos e sistemas retalhistas Licenciamento Ambiental Recebimento de Denúncia ou Reclamação Medidas Emergenciais Nenhuma intervenção necessária

Leia mais

Implementação da Directiva Quadro da Água (DQA)

Implementação da Directiva Quadro da Água (DQA) WORKSHOP Análise e Monitorização Química do Estado da Água Perspectivas para os Laboratórios Implementação da Directiva Quadro da Água (DQA) Directiva das Águas Subterrâneas Decreto Lei nº 208/2008 Implementação

Leia mais

Mesa Redonda 5: Monitoramento de Águas Subterrâneas, Estratégias para Implantação de um Modelo Cooperativo

Mesa Redonda 5: Monitoramento de Águas Subterrâneas, Estratégias para Implantação de um Modelo Cooperativo Mesa Redonda 5: Monitoramento de Águas Subterrâneas, Estratégias para Implantação de um Modelo Cooperativo Adriana Niemeyer Pires Ferreira Gerência de Águas Subterrâneas Superintendência de Implementação

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 6.134, de 2 de junho de 1988 (*) Com retificação feita no Diário Oficial de 09/02/1991. CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

Regulamenta a Lei nº 6.134, de 2 de junho de 1988 (*) Com retificação feita no Diário Oficial de 09/02/1991. CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares 1 de 9 DECRETO nº 32.955, de 7 de fevereiro de 1991 (*) Regulamenta a Lei nº 6.134, de 2 de junho de 1988 (*) Com retificação feita no Diário Oficial de 09/02/1991 Orestes Quércia, Governador do Estado

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E DIRETRIZES AMBIENTAIS PARA ENQUARAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

CLASSIFICAÇÃO E DIRETRIZES AMBIENTAIS PARA ENQUARAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CLASSIFICAÇÃO E DIRETRIZES AMBIENTAIS PARA ENQUARAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS APROVADA NA CAMÂRA TÉCNICA DE CONTROLE E QUALIDADE AMBIENTAL DO CONAMA-CTCQA Dra. Dorothy Carmen Pinatti Casarini COORDENAÇÃO

Leia mais

ÁGUA SUBTERRÂNEA E MEIO AMBIENTE OUTORGAS E LICENCIAMENTO Palestrante: Maricene Paixão

ÁGUA SUBTERRÂNEA E MEIO AMBIENTE OUTORGAS E LICENCIAMENTO Palestrante: Maricene Paixão 2º SEMINARIO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CBH ARAGUARI ÁGUA SUBTERRÂNEA E MEIO AMBIENTE OUTORGAS E LICENCIAMENTO Palestrante: Maricene Paixão 22 de agosto de 2014 FUNDAMENTOS DA GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS I

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

TABELA DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS

TABELA DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS TABELA DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS 01 Consultas técnicas no escritório (por hora) 01.01 Com solução verbal R$ 400,00 01.02 Com solução por escrito R$ 600,00 01.03 Com consulta a arquivos, registros ou

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 INTRODUÇÃO: RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 O objetivo deste relatório é apresentar os resultados do ano de 2012 de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê Internacional pelo

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL.

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL. DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL. MAYAME MARTINS COSTA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia Campus Colorado

Leia mais

GERENCIAMENTO 12 DAS SUBTERRÂNEAS. Elcio Linhares Silveira 6 14

GERENCIAMENTO 12 DAS SUBTERRÂNEAS. Elcio Linhares Silveira 6 14 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO EXPERIÊNCIA E CASOS PRÁTICOS NO GERENCIAMENTO DAS ÁGUAS 15 8 18 GERENCIAMENTO 12 DAS 19 SUBTERRÂNEAS 4 16 20 21 22 17 X ÁREA CONTAMINADA 13 11 5 1 10 2 Elcio Linhares Silveira

Leia mais

Gerenciamento de Drenagem de Mina. Soluções e Tecnologias Avançadas. www.water.slb.com

Gerenciamento de Drenagem de Mina. Soluções e Tecnologias Avançadas. www.water.slb.com Gerenciamento de Drenagem de Mina Soluções e Tecnologias Avançadas www.water.slb.com Buscando sempre desenvolver solução inovadoras, eficientes e econômicas. A Schlumberger Water Services é um segmento

Leia mais

Caracterização geomecânica do maciço de resíduos, dos taludes e dos cortes PROPOSTA COMERCIAL Nº 065/2014. Revisão 00 Página 2 de 5

Caracterização geomecânica do maciço de resíduos, dos taludes e dos cortes PROPOSTA COMERCIAL Nº 065/2014. Revisão 00 Página 2 de 5 Página 1 de 5 DADOS DO CONTRATANTE Cliente: Contato: Prefeitura Municipal de Jerônimo Monteiro Daniela Fosse Valbão Venancio Endereço: Avenida Lourival Lougon Moulin Nº 300 Bairro: Centro Cidade: Jerônimo

Leia mais

Qualidade da água da rede de abastecimento

Qualidade da água da rede de abastecimento Qualidade da água da rede de abastecimento Relatório do 2º trimestre de 2011 1- Introdução O Decreto-lei nº 306/2007 de 27 de Agosto, estabelece o regime da qualidade da água destinada ao consumo humano,

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ 1 de 1 RELATÓRIO DE ENSAIO Nº MATT01 202073/13-14-A Versão 03 Alumínio dissolvido 0,02 mg Al/L Espectrofotométrico / 20/08/13 Inorg SMEWW - 3500-Al B Condutividade 95,3 µs/cm Condutimétrico / SMEWW - 20/08/13

Leia mais

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ 1 de 1 RELATÓRIO DE ENSAIO Nº MATU 44033/13-14-A Versão 02 Alumínio dissolvido 0,03 mg Al/L Espectrofotométrico / 03/07/13 Inorg SMEWW - 3500-Al B Clorofórmio 7,59 µg/l GC-MS/Headspace / EPA - 09/08/13

Leia mais

ANEXO I. Tabela de padrão microbiológico da água para consumo humano

ANEXO I. Tabela de padrão microbiológico da água para consumo humano ANEXO I Tabela de padrão microbiológico da água para consumo humano Água tratada Tipo de água Parâmetro VMP (1) Água para consumo humano Escherichia coli (2) Ausência em 100 ml Na saída do tratamento Coliformes

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA n o 396, de 3 de abril de 2008 Publicada no DOU nº 66, de 7 de abril de 2008, Seção 1, páginas 64-68

RESOLUÇÃO CONAMA n o 396, de 3 de abril de 2008 Publicada no DOU nº 66, de 7 de abril de 2008, Seção 1, páginas 64-68 RESOLUÇÃO CONAMA nº 396 de 2008 RESOLUÇÃO CONAMA n o 396, de 3 de abril de 2008 Publicada no DOU nº 66, de 7 de abril de 2008, Seção 1, páginas 64-68 Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO- ECONÔMICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (RMSP) PELO AQUÍFERO GUARANI

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO- ECONÔMICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (RMSP) PELO AQUÍFERO GUARANI ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO- ECONÔMICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (RMSP) PELO AQUÍFERO GUARANI LEBAC/IGCE/UNESP Janeiro-2004 ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA

Leia mais

4º ENCOVISAS 12 / ANR 19. TEMA: Condições 21 para 13 a Outorga de Poços. Tubulares Profundos

4º ENCOVISAS 12 / ANR 19. TEMA: Condições 21 para 13 a Outorga de Poços. Tubulares Profundos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 4 16 20 9 TEMA: Condições 21 para 13 a Outorga de Poços 22 15 8 18 8 18 4º ENCOVISAS 12 / ANR 19 Tubulares Profundos 17 5 1 14 11 10 Helio Koga 7 2 6 3 3 Geólogo da Diretoria

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 006 10 / 11 / 2011

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 006 10 / 11 / 2011 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 006 10 / 11 / 2011 SUMÁRIO: OBJETO, REFERÊNCIAS 1 DEFINIÇÃO DOS USOS SUJEITOS A ESTA INSTRUÇÃO TÉCNICA 2 CONDIÇÕES GERAIS 3 PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS PARA APRESENTAÇÃO DE ESTUDOS,

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM A Rede de Monitoramento de Águas Subterrâneas do Serviço Geológico do Brasil: Desafios e Estágio Atual de Implantação. Maria Antonieta Alcântara Mourão Frederico Cláudio

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU P.32818/99 LEI Nº 4553, DE 08 DE JUNHO DE 2000 Dispõe sobre Perfuração de Poços para Captação de Águas Subterrâneas no Município de Bauru e dá outras providências. NILSON COSTA, Prefeito Municipal de Bauru,

Leia mais

PRH Piranhas-Açu Disponibilidade Hídrica Subterrânea (RP-02)

PRH Piranhas-Açu Disponibilidade Hídrica Subterrânea (RP-02) PRH Piranhas-Açu Disponibilidade Hídrica Subterrânea (RP-02) José Luiz Gomes Zoby Patos/PB 14 de Março, 2013 Sumário Introdução Geologia Domínios Hidrogeológicos e Sistemas Aquíferos Conclusões Introdução

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 006

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 006 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 006 Atualizada em 03 / 08 / 2012 SUMÁRIO: OBJETO, REFERÊNCIAS 1 DEFINIÇÃO DOS USOS SUJEITOS A ESTA INSTRUÇÃO TÉCNICA 2 CONDIÇÕES GERAIS 3 PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS PARA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Química das Águas - parte 2

Química das Águas - parte 2 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 2 - Parâmetros de qualidade das águas Definições Importância Métodos analíticos Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF 1º período de 2015 Recapitulando...

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 07 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO LABORATÓRIO DE ANÁLISES AMBIENTAIS TECLAB LTDA HUMANO S QUÍMICOS Dureza Total Alcalinidade Cloretos LQ:0,5 mg/l NORMA

Leia mais

MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ

MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ Universidade Tecnológica Federal do Paraná Programa de Pós-Graduação em Tecnologias Ambientais Campus Medianeira MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 05, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 05, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 05, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011. Estabelece as diretrizes e critérios para concessão de outorgas de direito de uso de águas subterrâneas e define as disponibilidades hídricas dos aquíferos

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31770 de 11/10/2010

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31770 de 11/10/2010 Page 1 of 5 DIÁRIO OFICIAL Nº. 31770 de 11/10/2010 SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 55/2010 Número de Publicação: 166363 Instrução Normativa n o _55_/2010 Dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

CAPÍTULO 6 QUALIDADE DAS ÁGUAS

CAPÍTULO 6 QUALIDADE DAS ÁGUAS CAPÍTULO 6 QUALIDADE DAS ÁGUAS A análise de qualidade da água é baseada na comparação de suas características físicoquímicas com padrões estabelecidos para os diversos tipos de usos previstos, tais como

Leia mais

Enquadramento dos Corpos de Água em Classes segundo os Usos Preponderantes. Correlação com Plano de Bacia, Sistema de Informação e Monitoramento

Enquadramento dos Corpos de Água em Classes segundo os Usos Preponderantes. Correlação com Plano de Bacia, Sistema de Informação e Monitoramento Enquadramento dos Corpos de Água em Classes segundo os Usos Preponderantes Correlação com Plano de Bacia, Sistema de Informação e Monitoramento Plano de Recursos Hídricos Plano diretor de longo prazo que

Leia mais

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos 6 1. INTRODUÇÃO O presente relatório disponibiliza o resultado do monitoramento da qualidade das águas nas Bacias Hidrográficas Litorâneas e das captações para abastecimento, realizado pela Agência Estadual

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO BRASÁGUA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES DO BRASIL LTDA

Leia mais

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS Coliformes Fecais (E.Coli), Enterococos, Clostrídios Perfringens Os organismos pertencentes a este grupo estão presentes nas matérias fecais de todos os animais de sangue quente.

Leia mais

Mauro Medeiros Gerente de Licenciamento de Recursos Hídricos mauromedeiros.inea@gmail.com. Créditos: Geol. Elisa Fernandes Geol.

Mauro Medeiros Gerente de Licenciamento de Recursos Hídricos mauromedeiros.inea@gmail.com. Créditos: Geol. Elisa Fernandes Geol. Mauro Medeiros Gerente de Licenciamento de Recursos Hídricos mauromedeiros.inea@gmail.com Créditos: Geol. Elisa Fernandes Geol. Alexandre Cruz 1 Documentos Emitidos Autorização Ambiental para Perfuração

Leia mais

Palavras-chave: Aquífero Furnas, qualidade da água subterrânea, poços tubulares profundos.

Palavras-chave: Aquífero Furnas, qualidade da água subterrânea, poços tubulares profundos. 151 Anais Semana de Geografia. Volume 1, Número 1. Ponta Grossa: UEPG, 2014. ISSN 2317-9759 QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA REGIÃO DO GRÁBEN DE PONTA GROSSA (PR). PEREIRA Gabriela Kostrzewycz GOMES Ricardo

Leia mais

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA ÁGUAS ENVASADAS E GELO 1. ALCANCE Fixar a identidade e as características mínimas de qualidade a que devem obedecer a

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA ÁGUAS ENVASADAS E GELO 1. ALCANCE Fixar a identidade e as características mínimas de qualidade a que devem obedecer a AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA Resolução nº. 274, de 22 de setembro de 2005. Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO PARA ÁGUAS ENVASADAS E GELO" A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa

Leia mais

Cadastro do Sistema /Solução Alternativa de Abastecimento de Água para Consumo Humano

Cadastro do Sistema /Solução Alternativa de Abastecimento de Água para Consumo Humano ANEXO I da Resolução SS 65 de 12 de maio de 2005 Cadastro do Sistema /Solução Alternativa de Abastecimento de Água para Consumo Humano Nome do Sistema/Solução Alternativa: Regional de Saúde: Município/UF:

Leia mais

NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA.

NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA. NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA. R-A 124/2009 Rev. 1 São Paulo, 18 de Agosto de 2009. À FUND. APLICAÇÕES DE TECNOL. CRÍTICAS - ATECH Rua do Rócio, 313 11º andar Vila Olimpia SÃO PAULO SP At.: Sr. Abrahão

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Resolução SS 65, de 12 de Abril de 2005. ( Publicado no D.O.E de 13/04/2005, seção 1. pág. 18 ) Estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao Controle e Vigilância da Qualidade da Água para

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE - MG 25, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO ARSAE - MG 25, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 RESOLUÇÃO ARSAE MG 25, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 Homologa a Tabela de Preços e Prazos de Serviços não tarifados da Copasa Serviços de Saneamento Integrado do Norte e Nordeste de Minas Gerais S/A COPANOR

Leia mais

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Formulário de Entrada de Dados - PARTE A - IDENTIFICAÇÃO DO SISTEMA OU SOLUÇÃO ALTERNATIVA

Leia mais

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca Autores: OLIVEIRA, Bruno Peixoto de ; MESQUITA, Charles Jefferson Ferreira; SOUZA, Petronio Augusto Simão. Curso

Leia mais

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP Armando Perez Flores (1) Bacharel em Química pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras

Leia mais

PLANO BÁSICO AMBIENTAL DO AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO PROGRAMA DE MONITORAMENTO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA ADA

PLANO BÁSICO AMBIENTAL DO AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO PROGRAMA DE MONITORAMENTO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA ADA PLANO BÁSICO AMBIENTAL DO AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO PROGRAMA DE MONITORAMENTO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA ADA Licença Prévia 0112/2012 Condicionantes Específicas Nº 2.6. 2.6.1 e 2.9 Quanto à Área

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Rod. Campinas Mogi-Mirim, km 2,5 Campinas. SP. Brasil. 13088-900 cpfl@cpfl.com.br www.cpfl.com.br CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

RESOLUÇÃO ANVISA RDC nº. 274, de 22 de setembro de 2005. (Publicada no D.O.U. - Poder Executivo, de 23 de setembro de 2005)

RESOLUÇÃO ANVISA RDC nº. 274, de 22 de setembro de 2005. (Publicada no D.O.U. - Poder Executivo, de 23 de setembro de 2005) RESOLUÇÃO ANVISA RDC nº. 274, de 22 de setembro de 2005. (Publicada no D.O.U. - Poder Executivo, de 23 de setembro de 2005) ** Revoga a Resolução CNNPA (Comissão Nacional de Normas e Padrões para Alimentos)

Leia mais

LANÇAMENTO DE EFLUENTES

LANÇAMENTO DE EFLUENTES NORMA TÉCNICA T. 187/ 5 LANÇAMENTO DE EFLUENTES NÃO DOMÉSTICOS NO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA COPASA S I N O R T E Sistema de Normalização Técnica Copasa NORMA TÉCNICA LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Mesa Redonda Monitoramento de Águas Subterrâneas São Paulo 19 de junho de 2013 Serviço Geológico do Brasil CPRM A Rede Integrada de Monitoramento de Águas Subterrâneas RIMAS do Serviço Geológico do Brasil

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 7 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Leia mais

TABELA ANEXA AO DECRETO Nº.14.824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA

TABELA ANEXA AO DECRETO Nº.14.824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA TABELA ANEXA AO DECRETO Nº14824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA 11 Para execução de ligação de água em tubos de plásticos, com reenchimento da escavação e repavimentação da faixa de rolamento

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA.

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. Nilton de Paula da Silva 1 Ederaldo Godoy Junior 2 José Rui

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 75/2015, DE 9 DE SETEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 75/2015, DE 9 DE SETEMBRO DE 2015. RESOLUÇÃO ARSAE-MG 75/2015, DE 9 DE SETEMBRO DE 2015. Homologa a Tabela de Preços e Prazos de Serviços Não Tarifados da Copasa Serviços de Saneamento Integrado do Norte e Nordeste de Minas Gerais S/A COPANOR

Leia mais

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Jaraguá do Sul, 27 e 28 de agosto de 2012 Curso de Capacitação Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Gean P. Michel (UFSC) Masato Kobiyama (UFSC) Roberto

Leia mais

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. Reservas e Projetos de Abastecimento de Comunidades

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. Reservas e Projetos de Abastecimento de Comunidades HIDROGEOLOGIA AVANÇADA PARTE II Aula 05 Reservas e Projetos de Abastecimento de Comunidades Prof. Milton Matta 1- INTRODUÇÃO O Capítulo de Projetos e Análises de poços tem como principal objetivo transmitir

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG)

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG) Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental Sistema de Informações Geográficas Aplicado à Recursos Hídricos Sistema de Informações Geográficas Avaliação da

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE BI Aplicado à Gestão das Águas Subterrâneas. Frederico Cláudio Peixinho Flávio Luis de Mello 23 a 26 de Outubro de 2012

BUSINESS INTELLIGENCE BI Aplicado à Gestão das Águas Subterrâneas. Frederico Cláudio Peixinho Flávio Luis de Mello 23 a 26 de Outubro de 2012 XVII Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneas Bonito - MT Serviço Geológico do Brasil CPRM BUSINESS INTELLIGENCE BI Aplicado à Gestão das Águas Subterrâneas Frederico Cláudio Peixinho Flávio Luis de

Leia mais

Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ n o 048/06, de 28/09/2006

Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ n o 048/06, de 28/09/2006 Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ n o 048/06, de 28/09/2006 Aprova a proposta para implementação da cobrança pelo uso dos recursos hídricos de domínio do Estado de São Paulo, nas bacias hidrográficas

Leia mais

PORTARIA DAEE nº 2292 de 14 de dezembro de 2006. Reti-ratificada em 03/08/2012

PORTARIA DAEE nº 2292 de 14 de dezembro de 2006. Reti-ratificada em 03/08/2012 Ref.: Autos DAEE nº 49.559, prov. 1 PORTARIA DAEE nº 2292 de 14 de dezembro de 2006 Reti-ratificada em 03/08/2012 O Superintendente do Departamento de Águas e Energia Elétrica - DAEE, no uso de suas atribuições

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.440, DE 4 DE MAIO DE 2005. Estabelece definições e procedimentos sobre o controle de qualidade da água de sistemas de

Leia mais

Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossári

Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossári Legislação em Vigilância Sanitária Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossári título: Resolução RDC nº 274, de 22 de setembro de 2005 ementa

Leia mais

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Água, o princípio de todas as coisas Tales de Mileto, 625 a.c. Ideias são sementes Há 2.000 anos, a população mundial correspondia a 3% da população actual,

Leia mais

Tratamento de água para indústria de refrigerantes

Tratamento de água para indústria de refrigerantes Tratamento de água para indústria de refrigerantes Dra. Sonia Maria Costa Celestino Engenheira Química - Pesquisadora em Ciência e Tecnologia de Alimentos Embrapa Cerrados Tel.: (61) 3388-9957 email: sonia.costa@cpac.embrapa.br

Leia mais

Módulo 1 IDENTIFICAÇÃO

Módulo 1 IDENTIFICAÇÃO 1 POÇO MANUAL E CISTERNA Poço Manual - Poço escavado, com trado manual ou mecânico, de diâmetro inferior a 0,5 (meio) metro e profundidade máxima de 20 (vinte) metros, com revestimento protetor, geralmente

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA (PSA) DO AEROPORTO DE GOIÂNIA GO

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA (PSA) DO AEROPORTO DE GOIÂNIA GO PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA (PSA) DO AEROPORTO DE GOIÂNIA GO Autor: Silvio Fagundes de Sousa Júnior Eng. Ambiental da Infraero Aeroporto de Goiânia-GO Apoio Técnico (SEDE): Katia Rebouças Engenheira Civil;

Leia mais

A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL.

A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL. XII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL. Marcos Antonio Barbosa da Silva Junior (UPE)

Leia mais

SUBSÍDIOS À GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA BORDA NORDESTE DA BACIA SEDIMENTAR DO PARNAÍBA

SUBSÍDIOS À GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA BORDA NORDESTE DA BACIA SEDIMENTAR DO PARNAÍBA SUBSÍDIOS À GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA BORDA NORDESTE DA BACIA SEDIMENTAR DO PARNAÍBA Robério Bôto de Aguiar (REFO) Liano Silva Veríssimo (REFO) Sônia M. Silva Vasconcelos (UFC) Serviço

Leia mais

Conselho Regional de Química 4ª Região

Conselho Regional de Química 4ª Região PARECER TÉCNICO EMENTA: PARECER SOBRE OS EFEITOS DA PORTARIA Nº 518, DE 25/03/2004, DO MINISTÉRIO DA SAÚDE, BEM COMO AS AÇÕES QUE DEVERÃO SER TOMADAS PELOS ÓRGÃOS DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA E PELAS

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA

INFORME INFRA-ESTRUTURA INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/98 N 28 ÁGUAS SUBTERRÂNEAS APRESENTAÇÃO O tema águas subterrâneas ainda hoje é muito pouco conhecido, e por isso dissociado, das deliberações

Leia mais

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte IGARN Natal maio/2014 BASE LEGAL PARA A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS Art. 1º Fundamentos: LEI 9.433/1997 a água é bem de domínio

Leia mais

1. RESUMO DOS RESULTADOS OBTIDOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E SISTEMAS INDEPENDENTES DE ÁGUA DO CONCELHO DE VIMIOSO

1. RESUMO DOS RESULTADOS OBTIDOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E SISTEMAS INDEPENDENTES DE ÁGUA DO CONCELHO DE VIMIOSO 1. RESUMO DOS RESULTADOS OBTIDOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E SISTEMAS INDEPENDENTES DE ÁGUA DO CONCELHO DE VIMIOSO Nos quadros seguintes apresenta-se um resumo global dos resultados s para a água

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014. Homologa a Tabela de Preços de Serviços Não Tarifados e o Termo de Ocorrência de Irregularidade, ambos do Serviço Autônomo de Água e de Esgoto do Município de

Leia mais

Rede Automática de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais do Estado de São Paulo

Rede Automática de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais do Estado de São Paulo Rede Automática de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais do Estado de São Paulo O que é monitoramento automático da qualidade das águas? É o acompanhamento contínuo (em tempo real) da qualidade

Leia mais

Carga horária de 44 h/semana

Carga horária de 44 h/semana 1. Assessoria e Consultoria Técnica * Locação de área com GPS e mapeamento preliminar (GPS de navegação) 800,00 Locação de área com GPS e mapeamento preliminar (GPS geodésico) 1.500,00 Consultoria técnica

Leia mais

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes Anexo I Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED ET Análises de Água e Efluentes Página 1 de 8 Especificações Técnicas / Termos de Referências nº 219/11 e 317/11 A) DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Os serviços a serem executados

Leia mais

REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7)

REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7) REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7) Junho 2015 Índice Anexo III Fichas de massa de água subterrânea... 5 Código: PTA0x1RH7_C2... 1 Código: PTA0z1RH7_C2... 7 Código: PTA5... 13 Código: PTA9... 23 Código:

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007. Dispõe sobre a emissão de outorga de direito de uso dos recursos hídricos de domínio do Estado da Bahia, assim como a sua renovação, ampliação, alteração,

Leia mais

A experiência da gestão directa

A experiência da gestão directa Gestão da Água em meio urbano no quadro regional, caminho para o futuro? A experiência da gestão directa Modelos de Gestão atuais, as diferentes visões e os resultados atuais. Caracterização do Concelho

Leia mais