POLÍTICA DE INVESTIMENTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLÍTICA DE INVESTIMENTO"

Transcrição

1 POLÍTICA DE INVESTIMENTO Aprovada pelo Conselho Deliberativo em dezembro de 2010 Vigência: 01/01/2011 a 31/12/2011 1

2 ÍNDICE GERAL 1 PROPÓSITO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO OBJETIVOS DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO 1.2 OBJETIVOS E FILOSOFIA DOS INVESTIMENTOS 1.3 VIGÊNCIA DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO 1.4 GOVERNANÇA 1.5 ADMINISTRADOR TECNICAMENTE QUALIFICADO 1.6 REQUISITOS DE GOVERNANÇA DOS DIRIGENTES DA SOCIEDADE 1.7 AGENTES FIDUCIÁRIOS DA SOCIEDADE 1.8 RESUMO DO CÓDIGO DE ÉTICA 2 DESCRIÇÃO DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS META ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS 2.2 ADEQUAÇÃO DO REGULAMENTO DOS PLANOS À LEGISLAÇÃO 2.3 ESTRUTURA ATUAL DOS VEÍCULOS DE INVESTIMENTOS 2.4 ANÁLISE DA ESTRUTURA DOS VEÍCULOS DE INVESTIMENTOS 2.5 MACRO-ALOCAÇÃO DE ATIVOS 2.6 AVALIAÇÃO DO CENÁRIO MACRO-ECONÔMICO DE CURTO, MÉDIO E LONGO PRAZOS 2.7 PERFIS DE INVESTIMENTOS 2.8 CRITÉRIOS PARA REBALANCEAMENTO DA CARTEIRA 3 ALOCAÇÃO TÁTICA DIRETRIZES PARA OS SEGMENTOS DE APLICAÇÃO 3.2 CRITÉRIOS DE MARCAÇÃO DE ATIVOS 3.3 ESTRATÉGIA DE PRECIFICAÇÃO DOS ATIVOS NO CARREGAMENTO DE POSIÇÃO EM INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS 3.4 LIMITES UTILIZADOS PARA INVESTIMENTOS EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO E/OU COOBRIGAÇÃO DE UMA MESMA PESSOA JURÍDICA 3.5 OPERAÇÕES COM DERIVATIVOS 3.6 PARTICIPAÇÃO EM ASSEMBLÉIAS DE ACIONISTAS 4 AVALIAÇÃO E CONTROLE DE RISCOS RISCO DE MERCADO 4.2 RISCO DE CRÉDITO 4.3 RISCO DE LIQUIDEZ 2

3 1. PROPOSITO DA POLITICA DE INVESTIMENTO Esse capitulo refere-se a utilizacao, por parte da Sociedade, das diretrizes presentes nesse documento. O capitulo trata de questoes ligadas aos objetivos da elaboracao desse documento, aos objetivos dos investimentos da Sociedade e a vigencia das recomendacoes aqui contidas. 1.1 OBJETIVOS DA POLITICA DE INVESTIMENTO Esta politica de investimento prove uma descricao da filosofia e das praticas de investimento da PREVIKODAK. Ela foi desenvolvida para servir como um plano para a gestao dos ativos confiados a Sociedade para investimento. A PREVIKODAK considera crucial adotar um plano de longo prazo que proveja diretrizes de preservacao e melhoria destes ativos por meio de um processo de investimento prudente. A Sociedade adotou esta politica de investimento como um plano de longo prazo para assegurar: O claro entendimento por parte dos gestores, empregados da PREVIKODAK, participantes, beneficiarios, provedores externos de servicos e orgao reguladores quanto aos objetivos e restricoes relativas ao investimento dos ativos da Sociedade; A existencia de um instrumento de planejamento que obrigue a PREVIKODAK a identificar e definir claramente suas necessidades e seus requisitos por meio de objetivos de retorno, tolerancias a risco (isto e, objetivos de investimento) e restricoes de investimento; A existencia de criterios objetivos e racionais para a avaliacao de classes de ativos, de gestores e de estrategias de investimentos empregados no processo de investimento da Sociedade; O estabelecimento de diretrizes aos gestores para que eles conduzam o processo de investimento em conformidade com os objetivos e restricoes de investimento; Independencia ao processo de investimento com relacao a um gestor especifico, isto e, qualquer gestor que venha a conduzir o processo de investimento tem diretrizes bem definidas que devem ser seguidas na construcao e no gerenciamento das carteiras. 1.2 OBJETIVOS E FILOSOFIA DOS INVESTIMENTOS A PREVIKODAK deve analisar criticamente e modificar, se necessario, os objetivos de investimento do plano de beneficios, a serem incorporados na Politica de Investimento aplicada a seus gestores, a fim de assegurar a seguranca financeira dos recursos da Sociedade, considerando o seguinte: (1) preservacao de capital; (2) diversificacao; (3) tolerancias a risco; (4) taxa esperada de retorno em relacao ao benchmark e; (5) liquidez. O objetivo da Sociedade e administrar os recursos do plano de beneficios de forma eficiente e economica, gerindo riscos e buscando taxas de retorno consistentes com seus objetivos de investimento. O objetivo principal da PREVIKODAK e prover beneficios a seus participantes e beneficiarios. Para isto, ela deve acumular e manter as reservas financeiras liquidas, o que pode ser feito de tres maneiras distintas: (1) contribuicoes dos participantes da PREVIKODAK; (2) contribuicoes das Patrocinadoras e; (3) retornos dos investimentos. Para o desenvolvimento desta Política de Investimento, a PREVIKODAK assume que o fluxo de contribuições dos participantes e das Patrocinadoras continuará no futuro e permanecerá uma importante fonte de recursos para a Sociedade. Igualmente importante às contribuições em termos de impacto financeiro na Sociedade é o retorno sobre o investimento dos seus ativos. Com base em princípios já bem conhecidos acerca do retorno de investimentos de longo prazo produzidos por carteiras construídas prudentemente e de forma diversificadas, a PREVIKODAK adotou um objetivo de investimento específico para o plano de benefícios. 3

4 A PREVIKODAK entende que, embora seus investimentos estejam sujeitos aos efeitos da volatilidade de curto prazo, é crítico que se mantenha um foco de investimento de longo prazo. Isto previne revisões ad hoc à filosofia e à Política de Investimento da Sociedade em virtude de movimentos especulativos ou flutuações de mercado de curto prazo. Para preservar esta visão de longo prazo, a PREVIKODAK adota as seguintes periodicidades para revisões formais: Item Acompanhamento do Resultado de Investimentos Relatório de Acompanhamento da Política de Investimento Micro-alocação de ativos Macro-alocação Política de Investimento Periodicidade Mensal Semestral Semestral Mensal Revisão Anual Neste quadro, o Relatório de Acompanhamento da Política de Investimento visa avaliar a consonância dos resultados apurados ao final de cada semestre com a Política de Investimento dos recursos da Sociedade. A macro-alocação de ativos corresponde à alocação dos recursos entre os segmentos de aplicação (segmentos de renda fixa, renda variável, investimentos estruturados, investimentos no exterior, imóveis e operações com participantes). A PREVIKODAK pode contratar gestores de investimentos externos para implementar seus planos e alcançar seus objetivos. Serão designadas a estes gestores atribuições específicas dentro do plano estratégico de investimento global. Dependendo das suas atribuições, estes gerentes podem ser avaliados segundo alguns ou todos os critérios a seguir: (1) consistência de filosofia, de estilo e de pessoal chave; (2) performance relativa a um determinado índice ou benchmark; (3) habilidade em adicionar valor aos ativos geridos após todos custos de administração. A PREVIKODAK monitorará a performance e supervisionará todos os gestores da Sociedade. Na determinação da filosofia da Sociedade com relação a risco, a PREVIKODAK considera, além de suas obrigações fiduciárias e requisitos estatutários, o propósito e características do plano de benefícios, sua condição financeira, sua necessidade de liquidez e fontes e níveis de contribuição. Com base nestes fatores e considerando o plano de benefícios, a PREVIKODAK identifica onde é requerido e apropriado uma abordagem de investimentos mais agressiva ou mais conservadora. 1.3 VIGÊNCIA DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO No restante desse documento, a PREVIKODAK detalha os principais pontos de sua Política de Investimento. De acordo com a Decisão do CGPC n 7, de 4 de dezembro de 2003, o horizonte de vigencia dessa Politica de Investimento e de, no minimo, 60 meses, com revisoes anuais. 1.4 GOVERNANCA Esse capitulo aborda a aplicacao do conceito de governanca dentro da Sociedade. Analisa-se, sobretudo, a normatizacao interna de diversos procedimentos, alem da estrutura dos orgaos que compoem a sociedade. O objetivo deste Capitulo e descrever os principios e as diretrizes gerais para a realizacao de investimentos mobiliarios (e, por ventura, imobiliarios), disciplinando os metodos e as acoes a serem observados no ambito dos procedimentos correspondentes a selecao de ativos (ou de fundos de investimentos) e a alocacao e manutencao de recursos e ao controle de riscos e do compliance institucional e legal. 4

5 1.5 ADMINISTRADOR TECNICAMENTE QUALIFICADO A PREVIKODAK, como responsavel pela administracao e investimento dos seus ativos, depende, para implementar suas estrategias de investimento, tanto dos seus proprios funcionarios, como de provedores de servicos externos (consultores, gestores de investimentos, custodiantes e auditores). Devido ao grande numero de partes envolvidas, os papeis de cada um destes agentes fiduciarios devem ser devidamente identificados para assegurar (1) eficiencia operacional; (2) clareza nas linhas de comunicacao e; (3) clareza nas definicoes de responsabilidades e atribuicoes. Conforme o Artigo 7 da Resolucao CMN no 3.792, e paragrafo 5o do Artigo 35 da Lei Complementar no 109, toda entidade fechada de previdencia complementar deve designar um administrador estatutario tecnicamente qualificado, responsavel pela gestao, alocacao, supervisao e acompanhamento de seus recursos, bem como pela prestacao de informacoes relativas a aplicacao dos mesmos, sem prejuizo da responsabilidade solidaria dos demais administradores da Sociedade. Deste modo, a Entidade nomeara em ata o administrador estatutario tecnicamente qualificado e informara aos orgaos competentes. 1.6 REQUISITOS DE GOVERNANCA DOS DIRIGENTES DA SOCIEDADE Desde a entrada em vigor das Leis Complementares de nos 108 e 109, ambas de 29 de maio de 2001 e publicadas no dia 30 do mesmo mes, muito se tem debatido sobre as responsabilidades dos diretores e conselheiros de uma Entidade Fechada de Previdencia Complementar (EFPC), agentes efetivamente responsaveis pela gestao, diretrizes administrativas e definicao das politicas e estrategias a serem implementadas nestas EFPCs. Neste contexto, os dirigentes (gestores) da PREVIKODAK devem: Atuar com zelo. Agir com diligencia. Ser leais para com a Sociedade. Evitar conflito de interesses. Nao agir de forma isolada, ou seja, buscar consenso. Cercar-se de uma equipe competente, com especialistas nas diversas areas de atuacao. Inteirar-se sobre os aspectos legais que envolvem a previdencia complementar. Ter vivencia profissional. Ser transparentes nas informacoes prestadas aos participantes. Pautar-se por elevado padrao de conduta etica, conforme codigo de etica da Sociedade. Buscar constante profissionalizacao e atualizacao tecnica e profissional. 1.7 AGENTES FIDUCIARIOS DA SOCIEDADE Nesse topico, apresentamos as atribuicoes de cada agente fiduciario da Sociedade, alem da definicao dos processos de selecao e avaliacao desses agentes CONSULTORES EXTERNOS DE INVESTIMENTOS ATRIBUICOES As atribuicoes do consultor externo sao: Trabalhar com a Diretoria orientando a conducao do processo de investimento. Executar reunioes regulares com a Diretoria para apresentar uma perspectiva independente 5

6 acerca das questoes que se apresentam a PREVIKODAK. Executar reunioes regulares com a Diretoria para apresentar, para os Planos participantes, uma perspectiva independente acerca: (1) dos seus objetivos; (2) das suas estruturas de investimento; (3) do desempenho dos seus investimentos; (4) do desempenho dos seus gestores. Analisar a performance dos investimentos em conjunto com a Sociedade, fazendo recomendacoes quando apropriado. Auxiliar na preparacao de relatorios de performance de investimentos e de avaliacao de todos os gestores de investimento. PROCESSO DE SELECAO Os consultores externos de investimento poderao ser selecionados pela Diretoria, sujeito a aprovacao do Conselho Deliberativo, e desempenharao atividades determinadas por ela. A contratacao dos servicos de consultoria deve levar em consideracao, no minimo, os seguintes aspectos: Especializacao da empresa de consultoria no segmento em que atua. Custos razoaveis perante a concorrencia. Numero de entidades fechadas de previdencia complementar (EFPC s) que utilizam (ou tenham utilizado) o mesmo servico. Cadastro na Comissao de Valores Mobiliarios como consultor de investimentos. Idoneidade da empresa de consultoria. PROCESSO DE AVALIACAO Apos o termino de cada projeto realizado pela empresa de consultoria, a gerencia da PREVIKODAK envolvida diretamente no projeto em questao, deve emitir um relatorio enderecado a Diretoria da PREVIKODAK, discriminando os pontos abordados pela consultoria, destacando os focos de atuacao e as sugestoes apresentadas e se as mesmas agregaram melhorias para a PREVIKODAK GESTORES EXTERNOS DE INVESTIMENTOS ATRIBUICOES Os gestores externos de investimento deverao selecionar, comprar e vender os instrumentos financeiros especificos que atendam as suas diretrizes Todo gestor externo de investimento contratado pela Sociedade deve comunicar a Diretoria, por escrito, qualquer intencao de acao que possa causar impacto as carteiras da Sociedade. Exemplos dessas intencoes de acoes incluem, mas nao se limitam a: Alteracao significativa na filosofia de investimento. Perda de um ou mais funcionarios chave para a gestao de recursos. Designacao de um novo gestor para a carteira da Sociedade. Alteracao na estrutura societaria da firma de gestao de recursos. Qualquer ocorrencia que possa potencialmente impactar a qualidade da gestao, o profissionalismo, a integridade ou a situacao financeira da firma de gestao de recursos. Delega-se discricionariedade aos gestores externos para que executem investimentos conforme diretrizes basicas da Diretoria e os gestores deverao, quando solicitados, prover a Sociedade relatorios de performance de investimentos em formato previamente estabelecido. 6

7 PROCESSO DE SELECAO A escolha das Instituicoes Financeiras para a administracao dos recursos da entidade e feita com base em parametros quantitativos e qualitativos. Na escolha dos gestores das carteiras, serao considerados os seguintes fatores: Experiencia em administracao de recursos de fundos de pensao no Brasil Qualificacao e experiencia dos profissionais responsaveis pelos servicos Estrutura organizacional e processos de gestao, incluindo: Recursos de pesquisa (research) para renda variavel e renda fixa Sistemas de comites e processos de decisao Sistemas de Compliance Resultados historicos (track record) relacionados a retorno/risco Qualidade dos relatorios enviados Custos envolvidos nos servicos, incluindo taxas de administracao, corretagem e outros Classificacao (Rating) da unidade administradora de recursos Credenciamento, perante a Comissao de Valores Mobiliarios e o Banco Central do Brasil, como administrador de recursos de investidores institucionais Os itens analisados serao avaliados a partir de uma matriz de comparacao que tera o objetivo de equalizar as propostas encaminhadas e identificar os pontos fortes de cada gestor PROCESSO DE AVALIACAO Alem da selecao de gestores, a PREVIKODAK adotara criterios para o acompanhamento do desempenho dos gestores escolhidos, resumidamente apresentado abaixo: A PREVIKODAK determinara, observado o mandato do gestor, medidas de aderencia dos fundos a seus mandatos. Os gestores serao monitorados mensalmente, visando sempre a filosofia de longo prazo. Serao declaradas, pela PREVIKODAK, quais devem ser as metas a serem cumpridas pelo gestor. Deste modo, o gestor tera um prazo para mostrar a qualidade e eficiencia de sua gestao AGENTE CUSTODIANTE ATRIBUICOES O custodiante e o responsavel pelos servicos de custodia dos ativos (guarda dos ativos), pela liquidacao fisica e financeira das operacoes, bem como pela administracao e informacao de eventos associados a esses ativos. PROCESSO DE SELECAO O agente custodiante podera ser selecionado por criterios definidos pela Diretoria. Alem disso, visando a evitar conflitos de interesses, a PREVIKODAK estabeleceu, como regra, que um administrador de recursos da Sociedade nao podera atuar como custodiante dos recursos da PREVIKODAK. 7

8 PROCESSO DE AVALIACAO Sao observadas informacoes sobre a qualidade e conteudo dos servicos prestados pelo agente custodiante vis-a-vis a concorrencia relevante, sendo que as informacoes sobre a concorrencia devem ser obtidas atraves de outras entidades fechadas de previdencia complementar (EFPC s) ou por empresas de consultoria financeira. 1.8 RESUMO DO CODIGO DE ETICA Todos os funcionarios e agentes fiduciarios da Sociedade devem conhecer e se submeter a toda legislacao e regras governamentais ou de agencias reguladoras aplicaveis ao seu funcionamento, jamais participando, ou apresentando conivencia, em quaisquer atos de violacao destas leis ou regras. 2 DESCRICAO DOS PLANOS DE BENEFICIOS A PREVIKODAK tem como finalidade primordial suplementar as prestacoes asseguradas pela Previdencia Social aos empregados das Patrocinadoras, da propria PREVIKODAK e seus respectivos beneficiarios, promovendo o bem estar social de seus destinatarios. A PREVIKODAK possui dois tipos de planos de beneficios: Plano de Beneficio Definido (BD) O Plano da PREVIKODAK com modelo conhecido por wbeneficio Definido ü (BD) se aplica apenas a alguns participantes assistidos da PREVIKODAK. A PREVIKODAK criou um novo Plano de Beneficios, do tipo wcontribuicao Definida ü, descrito no item abaixo, do qual todos os empregados das Patrocinadoras e da propria PREVIKODAK podem participar. Os participantes e os atuais aposentados pela PREVIKODAK tiveram a opcao de aderir ao novo Plano voluntariamente e, como resultado, uma parcela minima de participantes assistidos optaram por permanecer no Plano de Beneficio Definido, plano este que nao e oferecido a novos participantes. Plano de Contribuicao Definida (CD) O novo Plano da PREVIKODAK, com modelo conhecido por wcontribuicao Definida ü (CD), foi implantado com o objetivo de proporcionar aos participantes a possibilidade de escolher o nivel de risco a ser assumido e, ao mesmo tempo, permitir a PREVIKODAK uma gestao mais ativa dos recursos. Esse plano e regido por Regulamento que abrange todos os participantes de cada Patrocinadora e da propria PREVIKODAK admitidos a partir da data de entrada em vigor do referido Plano, e tambem aqueles que optaram por ele (alguns participantes optaram por permanecer no Plano de Beneficio Definido), observado no Regulamento do Plano da PREVIKODAK. O Regulamento para o Plano CD em vigor abrange os seguintes beneficios: Aposentadoria Normal. Aposentadoria Antecipada. Aposentadoria Postergada. Beneficio Temporario de Invalidez. Beneficio por Morte. 8

9 Peculio por Desligamento. Beneficio de Resgate. Os beneficios previstos no Regulamento serao custeados atraves: Contribuicoes dos participantes. Contribuicoes das Patrocinadoras. Receitas de aplicacoes do patrimonio. Doacoes, dotacoes, subvencoes, legados e rendas extraordinarias nao previstas. E importante ressaltar que o participante pode escolher o perfil de investimento do Plano de Contribuicao Definida, ou seja, o participante pode decidir sobre a aplicacao do seu saldo de conta de acordo com o seu perfil de investidor, podendo optar pelos seguintes perfis: Superconservador: 100% Pericles Conservador: 80% Pericles e 20% Fidias Moderado: 65% Pericles e 35% Fidias Agressivo: 50% Pericles e 50% Fidias 2.1 META ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFICIOS A meta atuarial dos planos de beneficios da PREVIKODAK e INPC+ 5% ao ano. Nos casos dos planos do tipo Contribuicao Definida, tal meta nao se configura como uma obrigacao. 2.2 ADEQUACAO DO REGULAMENTO DOS PLANOS A LEGISLACAO Os planos de beneficios mantidos pela Sociedade encontram-se plenamente de acordo com as regulamentacoes vigentes e aplicaveis as EFPCs. Estrutura dos veiculos de investimentos Nesse capitulo, analisaremos a atual estrutura de veiculos de investimentos da Sociedade. Alem disso, analisaremos se a gestao do ativo (em termos de estrutura de veiculos de investimento) se encontra de acordo com a estrutura do passivo da Sociedade. 2.3 ESTRUTURA ATUAL DOS VEICULOS DE INVESTIMENTOS Os recursos da PREVIKODAK estao investidos nos seguintes fundos ou segmentos: CREDIT SUISSE FIDIAS FIA (fundo de investimento em acoes) PERICLES FI RENDA FIXA (fundo de investimento multimercado com renda variavel) Emprestimos Conta Corrente 2.4 ANALISE DA ESTRUTURA DOS VEICULOS DE INVESTIMENTOS De acordo com a tabela acima, a totalidade dos Recursos Garantidores e Reservas Tecnicas da PREVIKODAK investidos no mercado financeiro estava sob gestao discricionaria de terceiros. O objetivo de terceirizar a totalidade dos investimentos em instituicoes que possuem experiencia na conducao de estrategias voltadas para promocao de resultados e protecao dos investimentos e estabelecer uma parceria que fortaleca o patrimonio da Sociedade. 9

10 A estrutura de veículos de investimentos da PREVIKODAK se constitui de uma carteira administrada que aplica nos fundos de investimentos Fundo de Renda Fixa Péricles e CSAM Fidias FIA. O fundo de renda fixa Péricles é um fundo de investimento multimercado com renda variável. Este tipo de fundo pode fazer uma gestão de renda fixa mais ativa com alocação em títulos pós-fixados, prefixados e indexados à inflação, além de também atuar no mercado de títulos privados. As operações de renda variável realizadas nesse fundo têm como objetivo superar o benchmark ao invés de seguir o comportamento do mercado de ações. O fundo CSAM Fidias FIA é um fundo de renda variável exclusivo, que tem uma estratégia ativa no mercado de ações com o objetivo de superar o índice de referência para a renda variável. A principal vantagem da manutenção desses fundos exclusivos é a possibilidade de a PREVIKODAK intervir nos regulamentos de tais fundos, adequando-os à sua Política de Investimento e aos seus objetivos de rentabilidade e limites de exposição a risco. A modelagem adotada possibilita a monitoração e o acompanhamento muito próximo dos eventos ocorridos no mercado, que se dá através de reuniões periódicas entre a Sociedade e seus gestores externos de investimento, onde são discutidos cenários macro-econômicos, opções de investimento, além de apresentados os resultados obtidos pelas carteiras administradas da Sociedade. Um outro aspecto relevante propiciado pela terceirização dos recursos é a abrangência atingida por esses gestores, cuja atuação nas várias opções de investimentos regulamentadas pela legislação vigente permite cumprir a necessidade da diversificação dos riscos inerentes as operações financeiras. Alocação estratégica Esse capítulo tem, por objetivo, apresentar as características da alocação estratégica da Sociedade. Essa alocação corresponde à decisão de investimento de longo prazo, que leva em conta a estrutura do passivo da Sociedade e visa a proporcionar rentabilidade compatível com a meta dos planos, sem incorrer em risco excessivo. Em suma, pode-se dizer que a alocação estratégica corresponde à gestão do ativo com a finalidade de cobertura dos benefícios. 2.5 MACRO-ALOCAÇÃO DE ATIVOS A macro-alocação de ativos da PREVIKODAK é definida por seus participantes, através da escolha do perfil do plano. A PREVIKODAK disponibilizou aos seus participantes 4 perfis para o plano CD, que diferem entre si pela alocação objetivo no segmento de renda variável. Dessa forma, cada participante obtém a rentabilidade proporcionada por seu perfil, assumindo o risco inerente a ele. Os participantes podem alterar seu perfil de investimentos semestralmente, obedecendo à alocação objetiva de cada perfil. Caso o participante não exerça essa opção na data prevista pelo regulamento do plano de benefícios da Sociedade, ele estará automaticamente autorizando a Sociedade a alocar o seu saldo de conta de acordo com sua idade, conforme descrito neste. Quanto ao plano BD, sua alocação é definida nos moldes do perfil moderado do plano CD. A PREVIKODAK, através dessa alocação, tem a expectativa de que, a longo prazo, o retorno proporcionado seja o maior possível, dado o nível de risco que pode ser assumido. 10

11 2.6 AVALIAÇÃO DO CENÁRIO MACRO-ECONÔMICO DE CURTO, MÉDIO E LONGO PRAZOS Sobre a definição dos cenários macroeconômicos, a PREVIKODAK entende que suas principais variáveis, tais como inflação, taxas de juros, crescimento do PIB, necessidades de financiamento externo e taxas de câmbio podem ser extremamente voláteis. Os gestores de recursos são responsáveis pelo acompanhamento das mudanças nos cenários e, periodicamente, serão realizadas reuniões de análise das expectativas de comportamento da economia, o que poderá resultar em uma mudança de direcionamento tático dos investimentos. 2.7 PERFIS DE INVESTIMENTOS Os perfis de investimento seguem os percentuais de alocação definidos no item 2, desta Política de Investimento. Todos os perfis também devem estar adequados aos limites de alocação e diversificação dos investimentos definidos na legislação vigente. 2.8 CRITÉRIOS PARA REBALANCEAMENTO DA CARTEIRA O rebalanceamento da carteira é feito mensalmente, de acordo com a alocação determinada para cada um dos perfis de investimentos. Tolera-se uma variação de 5%, para mais ou para menos, em relação à alocação determinada pelos perfis dos participantes. No caso de a alocação ultrapassar a variação tolerada, ocorre o rebalanceamento da carteira, ou seja, compra ou venda de renda fixa ou renda variável. 3 ALOCAÇÃO TÁTICA Esse capítulo discorre sobre a alocação tática da Sociedade, e dá as diretrizes a serem seguidas por essa alocação. Diferentemente da alocação estratégica, a alocação tática apresenta um caráter de curto a médio prazo, e seu objetivo é rentabilizar a carteira de investimentos, considerando as oportunidades de mercado. 3.1 DIRETRIZES PARA OS SEGMENTOS DE APLICAÇÃO A PREVIKODAK está predisposta a realizar investimentos em empresas com alto grau de governança corporativa e/ou socialmente responsáveis, respeitando os princípios de diversificação e liquidez e os limites da legislação vigente. Esses investimentos apenas serão realizados caso tragam ganhos de rentabilidade para a carteira em função do risco assumido SEGMENTO DE RENDA FIXA a. Benchmark Para o segmento de renda fixa, o benchmark a ser utilizado será a taxa CDI. Entretanto, a PREVIKODAK poderá rever o benchmark do segmento de renda fixa ao longo desta Política de Investimento. b. Critérios para alocação de recursos (ativos elegíveis) Detalhamos, a seguir, os ativos que poderão ser adquiridos ao longo do período de vigência dessa Política de Investimento. Gestão Externa a) títulos públicos federais, pré-fixados, pós-fixados e referenciados em moeda estrangeira e índices de preços; b) títulos de renda fixa de emissão ou coobrigação emitidos por instituições financeiras e não financeiras privadas; 11

12 c) posições compradas de renda variável, inclusive ações, opções de ações e de índice de ações e contratos futuros de ações, bem como posições compradas e vendidas em índice de ações; d) posições compradas ou vendidas de câmbio, inclusive contratos de swap cambial, opções de câmbio e contratos futuros de câmbio; e) posições abertas em mercados derivativos de taxas de juros, inclusive contratos de swap, contratos futuros de juros e opções de juros; f) posições compradas ou vendidas em contrato futuro de títulos da dívida externa brasileira; g) posições em contratos futuros e opções de mercadorias; h) operações compromissadas lastreadas em títulos de emissão do Banco Central do Brasil ou do Tesouro Nacional, de acordo com a regulamentação expedida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN); i) operações de empréstimo de ações, na forma regulada pela CVM; e j) quotas de fundos de investimento em direitos creditorios V FIDC, conforme regulamentados pela Instrucao CVM no 356, de 17 de dezembro de 2001 e alteracoes posteriores, ate o limite de 10% (dez por cento) do patrimonio liquido do Fundo. Fica vedada a aquisicao para a carteira do FUNDO dos seguintes ativos: titulos da divida agraria; moedas de privatizacao; titulos securitizados, ainda que pelo Tesouro Nacional; e titulos de emissao de estados e municipios. E vedado adquirir quotas de outros fundos de investimento de qualquer modalidade, com excecao do disposto no item wj ü, citado acima. E vedado a realizacao de operacoes de day-trade no FUNDO. c. Limites de Diversificacao Os limites de diversificacao para o segmento de renda fixa sao estabelecidos pela PREVIKODAK de acordo com a legislacao vigente, observando as restricoes desta Politica de Investimentos. d. Operacoes com Titulos de Renda Fixa Nas operacoes dos titulos de renda fixa os gestores deverao observar o determinado pela Resolucao CGPC no 21, de 25 de setembro de 2006, no que tange as negociacoes dos titulos de renda fixa da carteira administrada ou dos fundos exclusivos realizadas em mercado de balcao. Todas as informacoes requeridas por essa Resolucao deverao ser enviadas pelos gestores para a entidade, dentro dos prazos determinados SEGMENTO DE RENDA VARIAVEL a. Benchmark Para o segmento de renda variavel, o benchmark a ser utilizado sera o IBOVESPA, por sua maior tradicao no mercado financeiro e pela maior facilidade com que pode ser reproduzido pelo mercado. b. Criterios para alocacao de recursos (ativos elegiveis) Gestao Externa 12

13 Sera permitido o investimento em instrumentos autorizados pela legislacao considerados na carteira de acoes em mercado. Restricoes: Nao sera permitida operacoes de day-trade. E vedado a venda de opcoes a descoberto. Swaps sem garantia. c. Limites de Diversificacao Os limites de diversificacao para o segmento de renda variavel sao estabelecidos pela PREVIKODAK de acordo com a legislacao vigente, observando as restricoes desta Politica de Investimentos SEGMENTO DE INVESTIMENTOS ESTRUTURADOS a. Benchmark O benchmark para esse segmento sera definido de acordo com as estrategias dos investimentos a serem realizados. b. Criterios para alocacao de recursos (ativos elegiveis) As regras de investimento neste segmento devem seguir o estabelecido na legislacao vigente. Os investimentos em fundos de investimento e em fundos de investimento em cotas de fundos de investimento multimercado somente poderao ser realizados mediante autorizacao previa da PREVIKODAK. Quando realizada aplicacao em fundos de investimento e em fundos de investimento em cotas de fundos de investimento multimercado o gestor devera enviar a composicao da carteira do fundo, ainda que dispensado pela legislacao vigente. O prazo e a periodicidade do envio devera ser definido entre a PREVIKODAK e a instituicao administradora SEGMENTO DE INVESTIMENTOS NO EXTERIOR As quotas de fundos de investimento de divida externa administrados e geridos pelo ADMINISTRADOR estao limitadas a 10% do patrimonio liquido do fundo SEGMENTO DE OPERACOES COM PARTICIPANTES a. Benchmark A PREVIKODAK nao definiu nenhum benchmark para esse segmento, ja que a legislacao exige que o retorno dos investimentos nesse segmento seja, no minimo, equivalente a taxa minima atuarial. A concessao de emprestimos aos participantes e normatizada por regulamento interno, do qual constam valores e prazos permitidos, alem de outras caracteristicas pertinentes a esse segmento de aplicacao. 3.2 CRITERIOS DE MARCACAO DE ATIVOS A PREVIKODAK estabeleceu o criterio de marcacao a mercado de todos os seus ativos financeiros (titulos e valores mobiliarios), nao importando o tipo de veiculo de investimento (carteira administrada, fundos exclusivos etc). 13

14 3.3 ESTRATEGIA DE PRECIFICACAO DOS ATIVOS NO CARREGAMENTO DE POSICAO EM INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS Como toda a gestao de recursos e terceirizada, cabe aos gestores estabelecer os criterios a serem observados na precificacao dos ativos, respeitando as normas pre-estabelecidas pelo mercado e a legislacao vigente aplicavel as EFPC s. Cabe a PREVIKODAK, por sua vez, acompanhar as operacoes da gestao externa, por meio: Do monitoramento das carteiras da custodia; Do monitoramento dos riscos; Do acompanhamento da execucao da Politica de Investimento. 3.4 LIMITES UTILIZADOS PARA INVESTIMENTOS EM TITULOS E VALORES MOBILIARIOS DE EMISSAO E/OU COOBRIGACAO DE UMA MESMA PESSOA JURIDICA A PREVIKODAK estabelece que os limites utilizados para investimentos em titulos e valores mobiliarios de emissao e/ou coobrigacao de uma mesma pessoa juridica devem respeitar os limites legais estabelecidos pela legislacao vigente. Outros limites podem ser impostos pela PREVIKODAK em Regulamentos e Mandatos especificos de fundos exclusivos e/ou carteiras administradas. 3.5 OPERACOES COM DERIVATIVOS Todas as operacoes de derivativos ( wswap ü, Futuro, Termo e Opcoes) devem ser precedidas de uma avaliacao de risco pelos gestores e garantidas pela BM&FBOVESPA S.A. V Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros. Nao serao permitidas operacoes de derivativos para fins de alavancagem. A utilizacao de derivativos deve ser apenas com objetivo de hedge de exposicoes ou com o objetivo de se obter exposicoes ativas a instrumentos cuja liquidez nao permita exposicao no nivel desejado, como no caso de certos ativos de renda fixa. As operacoes de derivativos devem observar os requisitos e limites de exposicao definidos pela Resolucao CMN Para isso, os gestores deverao atestar que possuem procedimentos que garantam a avaliacao previa dos riscos envolvidos e sistemas de controles internos adequados as suas operacoes. Alem disso, deverao ser informadas as margens de garantias depositadas e os premios de opcao pagos. 3.6 PARTICIPACAO EM ASSEMBLEIAS DE ACIONISTAS A PREVIKODAK investe em acoes com o objetivo de rentabilizar seu patrimonio, e nao de participar de assembleias de acionistas. O criterio utilizado para definicao da participacao da Sociedade em assembleias de acionistas e dado da seguinte maneira: a PREVIKODAK participara das assembleias de acionistas de uma companhia da qual possui acoes ordinarias quando ocorrer necessariamente as duas situacoes abaixo: Quando uma acao do tipo Ordinaria (ON) investida pela Sociedade representar mais do que 10% do capital votante e/ou do capital total da Companhia. Quando o capital da PREVIKODAK aplicado em acoes ordinarias da companhia representar mais de 5% dos Recursos Garantidores das Reservas Tecnicas (RGRT) da Sociedade. No caso de acoes representativas de percentual igual ou superior a 3% do Ibovespa, IBX ou FGV-100, quando o capital da PREVIKODAK aplicado em acoes ordinarias da companhia representar mais de 10% dos Recursos Garantidores das Reservas Tecnicas (RGRT) da Sociedade. 14

15 Caso contrario, por entender que sua participacao nas assembleias e irrelevante, a PREVIKODAK se omitira dessas votacoes. 4 AVALIAÇÃO E CONTROLE DE RISCOS Nesse capítulo, apresentaremos a política de controle de riscos da Sociedade, no que concerne a risco de mercado, risco de crédito, risco sistêmico, risco operacional, risco legal e risco de liquidez. 4.1 RISCO DE MERCADO O sistema de gerenciamento de risco é o adotado pela empresa de consultoria que presta serviços à PREVIKODAK. Nesse sistema, o critério mais utilizado para dimensionar e controlar o risco de mercado, resultante da volatilidade nos preços dos ativos ou taxas, é o denominado Value-at-Risk. O processo de gerenciamento e de controle do risco de mercado das carteiras do plano de benefícios da Sociedade é feito através da definição e divulgação do limite de Value-at-Risk para as posições das carteiras como um todo. Também são estipulados procedimentos para gerenciamento e controle do risco de mercado, entre os quais: Monitoramento dos valores de mercado das carteiras da Sociedade e das unidades de investimento que as compõem. Monitoramento dos fatores de risco que causam impacto nas posições das carteiras. Monitoramento das volatilidades dos fatores de risco que causam impacto nas posições das carteiras. Monitoramento dos valores em risco das diferentes carteiras. Monitoramento de comportamentos correlacionados entre mercados distintos, buscando antecipar impactos nas posições das carteiras. Limites O risco de mercado dos investimentos deve ser gerenciado por cada Administrador de Recursos, separadamente, como se os portfólios fossem independentes. Levando-se em consideração os objetivos de retorno e os níveis de tolerância a risco da PREVIKODAK, os limites de risco para os segmentos de renda fixa e de renda variável são: Renda Fixa: o Gestor do Fundo deverá trabalhar com um limite de stress máximo de 3,0% e um limite de VaR (Value at Risk) de 1,01%, com intervalo de confiança de 95% para um período de 21 dias. Renda Variável: aceita-se um nível de benchmark VaR de 8% em relação ao IBOVESPA, para o período de 21 dias úteis e intervalo de confiança de 95%. O Conselho Deliberativo tem o poder de alterar esses limites, desde que haja mudanças bruscas nos mercados de juros e bolsa. A alteração, no entanto, deve ser sugerida mediante relatório técnico que deve constar os novos limites para os segmentos de renda fixa e de renda variável. 15

16 4.2 RISCO DE CREDITO O risco de credito caracteriza-se pela possibilidade de inadimplencia das contrapartes em operacoes realizadas com o veiculo de investimento considerado (fundos de investimento, carteira administrada, carteira propria etc) ou dos emissores de titulos e valores mobiliarios integrantes do veiculo de investimento, podendo ocorrer, conforme o caso, perdas financeiras ate o montante das operacoes contratadas e nao liquidadas, assim como dos rendimentos e/ ou do valor do principal dos titulos e valores mobiliarios. A PREVIKODAK controla o risco de credito nao-bancario e o risco de credito bancario (instituicoes financeiras) conforme apresentado a seguir, respeitando-se os limites da legislacao em vigor. A PREVIKODAK, com base em classificacao de risco de credito das emissoes nao-bancarias e bancarias dos seus gestores externos e em classificacao efetuada por agencia classificadora de risco em funcionamento no Pais, apresenta, na tabela abaixo, quais sao os niveis considerados como de baixo risco de credito pela Sociedade. Tabela: credito nao-bancario e bancario Agencia Classificadora de Risco Rating Standard & Poor s braaa, braaa-, braa+, braa, braa-, bra+, bra, brabrbbb+,brbbb, brbbb-, bra-1, bra-2, bra-3 Moody s Aaa1.br, Aaa2.br, Aaa3.br, Aa1.br, Aa2.br, Aa3.br, A1.br, A2.br, A3.Br, Baa1.br, Baa2.br, Baa3.br, BR-1, BR-2, BR-3 SR Rating sr AA, sr A, srb, br AAA, br AA+, br AA, br AA-, br A+, br A, br BBB+, br BBB, br BBB- Austin Asis AAA, AA, A, BBB FITCH Rating F1(bra), F2(bra), F3(bra), AAA(bra), AAA-(bra), AA+(bra), AA(bra), AA-(bra) A+(bra), A(bra), A-(bra) BBB+(bra), BBB(bra), BBB-(bra) E importante ressaltar que, se duas ou mais agencias classificarem o mesmo papel, a PREVIKODAK adotara, para fins de classificacao de risco de credito, aquela mais conservadora. Limites E vedada a aquisicao de titulos considerados de medio/alto risco de credito. Em caso de rebaixamento de um titulo que ja esta em carteira para ratings considerados de medio/alto risco de credito, o gestor deve envidar esforcos para reenquadrar o fundo na sua Politica de Investimentos. No caso de titulos ja existentes na carteira com rating abaixo de \A. (S&P: brbbb, Moody s: Baa.br, FITCH Rating: BBB (bra), SR Rating: brbbb, Austin Asis: BBB), sua quantidade em carteira deve ser limitada a 5% do patrimonio total do fundo. Para os titulos com classificacao para curto prazo (S&P bra-3, Moody s BR-3, Atlantic Rating AR-3, SR Rating srb e Fitch F3(bra)), alem do limite de participacao de 5% no Patrimonio do fundo, seu vencimento deve tambem ser limitado a 6 meses. A tabela abaixo ilustra os limites estabelecidos. 16

17 Agencia Classificadora de Risco Standard & Poor s Moody s SR Rating Austin Asis FITCH Rating Rating Mínimo BrBBB- ou bra-3 A3.br ou BR-2 brbbb- ou sra BBB BBB-(bra) ou F3(bra) 4.3 RISCO DE LIQUIDEZ O risco de liquidez caracteriza-se pela possibilidade de redução ou mesmo inexistência de demanda pelos títulos e valores mobiliários integrantes do veículo de investimento considerado (fundos de investimento, carteira administrada, carteira própria etc) nos respectivos mercados em que são negociados. Nesse caso, o gestor do veículo de investimento considerado pode encontrar dificuldades para negociar os referidos títulos e valores mobiliários pelo preço e no tempo desejados, e o custodiante, para liquidar as posições. O gerenciamento do risco de liquidez será preocupação constante para a PREVIKODAK e, como prudência, a mesma manterá um percentual mínimo de seus recursos totais em ativos de liquidez imediata. Com a adoção dessa política, a PREVIKODAK elimina a possibilidade de que haja qualquer dificuldade em honrar seus compromissos previdenciais no curto prazo. 4.4 RISCO DE OPERACIONAL O risco operacional decorre da falta de consistência e adequação dos sistemas de informação, processamento e operações, bem como de falhas nos controles internos, fraudes ou qualquer tipo de evento, não previsto, que torne impróprio o exercício das atividades da instituição, resultando em perdas inesperadas. A PREVIKODAK identifica, avalia, controla e monitora de forma contínua os riscos operacionais que possam ocorrer em seus processos internos e requer que seus prestadores de serviço também tenham processos que visem minimizar esse tipo de risco. 4.5 RISCO DE LEGAL O risco legal está associado ao cumprimento da legislação vigente e às regras determinadas por essa política. Os contratos de gestão devem conter cláusulas específicas para garantia desses compromissos. 4.6 RISCO DE SISTÊMICO O sistema financeiro está permeado por risco sistêmico, isto é, pela possibilidade de um choque localizado ser transmitido ao sistema financeiro como um todo e, eventualmente, levar a um colapso da própria economia. O contágio refere-se ao risco de que problemas em dada instituição venham a contagiar todo o mercado, mesmo que as demais instituições estejam tomando cuidados para manter a solidez de suas operações. Os valores dos ativos podem ser afetados por condições econômicas nacionais, internacionais e por fatores exógenos diversos, tais como interferências dos órgãos reguladores nos mercados, moratórias, alterações da política monetária ou da regulamentação aplicável aos ativos, entre outros, podendo, eventualmente, causar perdas nas carteiras/ fundos da PREVIKODAK. O gerenciamento do risco sistêmico deve ser realizado pelos gestores buscando sempre minimizar a exposição ao mesmo. 17

POLITICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO 2.011 SUMÁRIO

POLITICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO 2.011 SUMÁRIO SERVIÇO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL Rua Monsenhor Soares nº. 65 Centro Itapetininga SP Fones (015)3271-0728 e 3271-7389(telefax) E-mail: seprem@uol.com.br POLITICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO 2.011 SUMÁRIO

Leia mais

Política Anual de Investimentos (PAI)

Política Anual de Investimentos (PAI) Política Anual de Investimentos (PAI) 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 OBJETIVO GERAL... 3 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 3 VIGÊNCIA... 3 4 MODELO DE GESTÃO... 4 5 PROCESSO DE SELEÇÃO

Leia mais

Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Vitória INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2008

Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Vitória INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2008 Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Vitória INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2008 Institui a Política de Investimento para o exercício de 2008/2009. O Presidente do Instituto

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2009 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 OBJETIVOS... 2 2.1 OBJETIVO GERAL... 2 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 2 3 VIGÊNCIA... 3 3.1 MODELO DE GESTÃO... 3 3.2 PROCESSO

Leia mais

Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA

Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA Sociedade Previdenciária DuPont do Brasil Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA 1 Sociedade Previdenciária DuPont do Brasil 2 Regulamento do Plano Administrativo Duprev ÍNDICE

Leia mais

São Bernardo Previdência Privada

São Bernardo Previdência Privada POLÍTICA DE INVESTIMENTO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA São Bernardo Previdência Privada Vigência: 2015 a 2019 CONTEÚDO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS 3 1.1 Vigência da Política de Investimento 3 2 PROCEDIMENTOS

Leia mais

FUMPRESC FUNDO MULTIPATROCINADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR SANTA CATARINA

FUMPRESC FUNDO MULTIPATROCINADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR SANTA CATARINA POLÍTICA DE INVESTIMENTO FUMPRESC FUNDO MULTIPATROCINADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR SANTA CATARINA Vigência: 01/01/2008 a 31/12/2012 1 ÍNDICE GERAL 1 OBJETIVOS DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO...3 2 CRITÉRIOS

Leia mais

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50%

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50% III) Plano de Benefícios de Contribuição Definida (Plano CD) 1) Administracão dos Recursos: A administração dos recursos da Fundação Previdenciária IBM é terceirizada, sendo prerrogativa do Conselho Deliberativo

Leia mais

Fundação de Previdência dos Empregados da CEB

Fundação de Previdência dos Empregados da CEB Prezado(a) participante, Seguem informações referentes à Política de Investimento para o Plano Complementar de Benefícios da FACEB, Plano de Benefícios CEBPREV e Plano Administrativo PGA para o ano de

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2014 IPRESI SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 OBJETIVO GERAL... 3 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 3 VIGÊNCIA... 4 4 MODELO DE GESTÃO... 4 5

Leia mais

CAFBEP - CAIXA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA AOS FUNCIONÁRIOS DO BANPARÁ

CAFBEP - CAIXA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA AOS FUNCIONÁRIOS DO BANPARÁ Aprovada pelo Conselho Deliberativo em 26/12/20 /2013 Vigência: 01/01/201 2014 a 31/12/2019 1 1. Introdução Esta política de investimento refere-se à utilização por parte da CAFBEP, das diretrizes presentes

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - CD

PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - CD CAIXA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA AOS FUNCIONÁRIOS DO BANPARÁ PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - CD 1. Introdução Esta política de investimento refere-se à utilização, por parte da CAFBEP, das diretrizes

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PREVICOKE SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS PREVICOKE 2009 Classified - Internal use ÍNDICE Finalidade da Política de Investimentos... 3 PARTE I... 3 1. Objetivos

Leia mais

Política de Investimento 2013 a 2017

Política de Investimento 2013 a 2017 Política de Investimento 2013 a 2017 FUMPRESC Fundo Multipatrocinado de Previdência Complementar Santa Catarina APROVADA EM REUNIÃO DE CONSELHO DELIBERATIVO NO DIA 19/12/2012 Ata nº 91/2012. Índice 1.

Leia mais

Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras

Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras Anexo à Política de Investimento Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras 2014 a 2018 Novembro de 2013 1 ÍNDICE 1. PROCESSO DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008 INTRODUÇÃO Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do PERUIBEPREV, através da designação

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Politica de Investimentos tem como objetivo

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2012 Fortalecendo o Futuro! SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 OBJETIVO GERAL... 3 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 3 VIGÊNCIA... 4 4 MODELO

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA MAUÁ PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PARA O ANO DE 2010

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA MAUÁ PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PARA O ANO DE 2010 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA MAUÁ PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PARA O ANO DE 2010 1 Finalidade da Política de Investimentos: Este documento estabelece as maneiras pelas quais os ativos dos planos

Leia mais

Política Anual de Investimentos. Período : 01/2010 a 12/2010

Política Anual de Investimentos. Período : 01/2010 a 12/2010 Regime Próprio de Previdência Social de Varginha(MG) Política Anual de Investimentos Período : 01/2010 a 12/2010 Política de Investimentos do RPPS do Município de Varginha(MG), aprovada em30/12/2009. 1.

Leia mais

MSD PREV - Politica de Investimentos 2015-2019 ÍNDICE

MSD PREV - Politica de Investimentos 2015-2019 ÍNDICE POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2015-2019 Plano de Benefícios Plano de Gestão Administrativa ÍNDICE 1. A MSD PREV Sociedade de Previdência Privada... 3 2. Objetivos da Política de Investimentos... 3 3. Filosofia

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Segurança nos investimentos Gestão dos recursos financeiros Equilíbrio dos planos a escolha ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 A POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...4 SEGMENTOS DE APLICAÇÃO...7 CONTROLE

Leia mais

Fundo Especial de Previdência do Município de LEME - LEMEPREV

Fundo Especial de Previdência do Município de LEME - LEMEPREV Fundo Especial de Previdência do Município de LEME - LEMEPREV POLÍTICA ANUAL DE INVESTIMENTOS 2011 No presente documento encontram-se diretrizes para guiar o processo de investimentos do Fundo Especial

Leia mais

PSS - Seguridade Social

PSS - Seguridade Social POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2012 PLANO C 1. Objetivos Esta versão da Política de Investimentos, que estará em vigor durante o ano de 2012, tem como objetivo definir as diretrizes dos investimentos do

Leia mais

Política de Investimentos 2009 a 2013

Política de Investimentos 2009 a 2013 Política de Investimentos 2009 a 2013 SERPROS Fundos Multipatrocinado Índice 1. Objetivos e vigência da política de investimentos... 3 2. Princípios de governança... 3 2.1. Estrutura organizacional para

Leia mais

Fundos de Investimentos

Fundos de Investimentos Fundos de Investimentos 1 O que e um fundo de investimentos? Um fundo de investimentos concentra em uma unica entidade juridica, varios investidores com o mesmo objetivo e que compartilham a mesma estrategia

Leia mais

Política de Investimentos PGA. 2011 a 2015

Política de Investimentos PGA. 2011 a 2015 Política de Investimentos PGA 2011 a 2015 Fundação Saelpa de Seguridade Social Plano de Gestão Administrativa Índice 1. Introdução... 3 2. Plano de Gestão Administrativa... 3 3. Alocação de recursos e

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009 1- OBJETIVOS A Política de Investimentos dos Recursos Garantidores das Reservas Técnicas da OABPrev-PR, tem por objetivo a maximização

Leia mais

Política de Investimentos. 2011 a 2015. CELPOS Fundação Celpe de Seguridade Social Plano de Gestão Administrativa (PGA)

Política de Investimentos. 2011 a 2015. CELPOS Fundação Celpe de Seguridade Social Plano de Gestão Administrativa (PGA) Política de Investimentos 2011 a 2015 CELPOS Fundação Celpe de Seguridade Social Plano de Gestão Administrativa (PGA) Índice 1. Introdução... 3 2. Plano de benefícios... 3 3. Alocação de recursos e os

Leia mais

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL. Política de Investimentos Exercício de 2013

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL. Política de Investimentos Exercício de 2013 Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL Política de Investimentos Exercício de 2013 Política de Investimentos do RPPS do Município de Pelotas RS, aprovada pelo

Leia mais

Política de Investimentos. Plano de Benefícios

Política de Investimentos. Plano de Benefícios Política de Investimentos Plano de Benefícios 2012 Política de Investimentos 2012 Plano de Benefícios 1 1. Introdução A Futura - Entidade de Previdência Complementar por meio desta confirma a política

Leia mais

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA Plano de Gestão Administrativa - PGA Ano de Vigência - 2015 1/13 Introdução Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do, através da designação dos segmentos

Leia mais

RaizPrev Entidade de Previdência Privada. Política de Investimentos Plano de Benefícios Raiz

RaizPrev Entidade de Previdência Privada. Política de Investimentos Plano de Benefícios Raiz RaizPrev Entidade de Previdência Privada Política de Investimentos Plano de Benefícios Raiz 2012 2 1 Introdução A RaizPrev Entidade de Previdência Privada por meio desta confirma a política de investimentos

Leia mais

Fundação Celpe de Seguridade Social - CELPOS Rua João Fernandes Vieira, 190 - Boa Vista - Recife - PE - CEP: 50050-200 PABX (81) 2128-4000 - FAX:

Fundação Celpe de Seguridade Social - CELPOS Rua João Fernandes Vieira, 190 - Boa Vista - Recife - PE - CEP: 50050-200 PABX (81) 2128-4000 - FAX: 1 2 Índice 1. Finalidade da Política de Investimentos... 1 1.1. A Fundação CELPE de Seguridade Social... 1 1.2. Constituição da Política de Investimentos... 1 1.3. Funções da Política de Investimentos...

Leia mais

Fundação Celpe de Seguridade Social - CELPOS Rua João Fernandes Vieira, 190 - Boa Vista - Recife - PE - CEP: 50050-200 PABX (81) 2128-4000 - FAX:

Fundação Celpe de Seguridade Social - CELPOS Rua João Fernandes Vieira, 190 - Boa Vista - Recife - PE - CEP: 50050-200 PABX (81) 2128-4000 - FAX: 1 2 Índice 1. Finalidade da Política de Investimentos... 1 1.1. A Fundação CELPE de Seguridade Social... 1 1.2. Constituição da Política de Investimentos... 1 1.3. Funções da Política de Investimentos...

Leia mais

DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO-RS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO-RS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS RPPS Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor FAPS DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO-RS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 1. FINALIDADE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Este documento estabelece o modelo de investimentos

Leia mais

1 - FINALIDADE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

1 - FINALIDADE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 1 - FINALIDADE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 1.1. A Sociedade de Previdência Privada A Sociedade de Previdência Privada (Entidade), pessoa jurídica de direito privado, sem

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA 2012 A presente Política de Investimentos do Plano de Gestão Administrativa - PGA, da Caixa dos Empregados da Usiminas, foi aprovada pelo

Leia mais

Política de Investimentos. Plano de Benefícios

Política de Investimentos. Plano de Benefícios Política de Investimentos Plano de Benefícios 2014 Política de Investimentos 2014 1 1. Introdução A Futura II - Entidade de Previdência Complementar por meio desta confirma a política de investimentos

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JAGUARÃO-RS PARA O EXERCÍCIO DE 2014

POLÍTICA DE INVESTIMENTO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JAGUARÃO-RS PARA O EXERCÍCIO DE 2014 POLÍTICA DE INVESTIMENTO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JAGUARÃO-RS PARA O EXERCÍCIO DE 2014 1. Apresentação A presente Política de Investimentos visa atender as Portarias

Leia mais

Política de Investimentos Plano PBS Telemig

Política de Investimentos Plano PBS Telemig 1/16 Introdução Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do, através da designação dos segmentos de ativos a serem utilizados, dos ativos autorizados em

Leia mais

RESOLUÇÃO 3.922 -------------------------

RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O Banco Central

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2010 Tibagi Tibagiprev. - 1 - Índice pág. 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Diretrizes de Alocação dos Recursos 6 4 Diretrizes para Gestão dos Segmentos 8 Tibagi Tibagiprev. - 2

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

PREVI - ERICSSON Sociedade de Previdência Privada. Política de Investimentos 2011/2015

PREVI - ERICSSON Sociedade de Previdência Privada. Política de Investimentos 2011/2015 PREVI - ERICSSON Sociedade de Previdência Privada Política de Investimentos 2011/2015 Plano de Aposentadoria Suplementar Plano de Aposentadoria Básico Plano de Gestão Administrativa (PGA) Política de Investimentos

Leia mais

Política de Investimento. Plano de Benefício Definido (BD) 2015 a 2019

Política de Investimento. Plano de Benefício Definido (BD) 2015 a 2019 Política de Investimento Plano de Benefício Definido (BD) 2015 a 2019 Aprovado pelo Conselho Deliberativo Ata nº 70 de 15/12/2014 Sumário 1. Introdução... 3 2. Sobre os benefícios... 4 3. Informações cadastrais...

Leia mais

a) Prova da inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica; b) Certidão negativa de débitos junto à Seguridade social; 1

a) Prova da inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica; b) Certidão negativa de débitos junto à Seguridade social; 1 Regulamento para Cadastramento de Instituições Financeiras e similares, sociedade corretoras e Distribuidoras, Gestoras e Administradoras de Títulos e Valores Mobiliários junto à ORGANIZAÇÃO MUNICIPAL

Leia mais

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l R e s o l u ç ã o 3 7 9 0 B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l S u m á r i o SEÇÃO I: DA ALOCAÇÃO DOS RECURSOS E DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS... 1 Subseção I: Da Alocação dos Recursos... 1 Subseção

Leia mais

Política de Investimentos 2014 a 2018

Política de Investimentos 2014 a 2018 Política de Investimentos 2014 a 2018 Fundação de Previdência dos Servidores do Instituto de Resseguros do Brasil PREVIRB Plano de Gestão Administrativa 1 Introdução A presente política de investimento

Leia mais

Curso Preparatório CPA20

Curso Preparatório CPA20 Página 1 de 9 Você acessou como Flávio Pereira Lemos - (Sair) Curso Preparatório CPA20 Início Ambiente ) CPA20_130111_1_1 ) Questionários ) Passo 2: Simulado Módulo II ) Revisão da tentativa 1 Iniciado

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 1. INTRODUÇÃO Atendendo à legislação pertinente aos investimentos dos Regimes Próprios de Previdência Social RPPS, em especial à Resolução n 3.922 de 25 de novembro de 2010 do Conselho Monetário Nacional

Leia mais

perfis de investimento

perfis de investimento perfis de investimento Índice 3 Apresentação 3 Como funciona a gestão de investimentos da ELETROS? 5 Quais são os principais riscos associados aos investimentos? 6 Como são os investimentos em renda fixa?

Leia mais

Regulamento - Perfil de Investimentos

Regulamento - Perfil de Investimentos Regulamento - Perfil de Investimentos 1. Do Objeto Este documento estabelece as normas gerais aplicáveis ao Programa de Perfil de Investimentos (Multiportfólio) da CargillPrev. O programa constitui-se

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN n.º xx, de xx de xxxx de 2003.

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN n.º xx, de xx de xxxx de 2003. Página 1 de 9 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN n.º xx, de xx de xxxx de 2003. Dispõe sobre a diversificação dos ativos das Operadoras de Planos de Assistência à Saúde para aceitação como garantidores e altera

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

Plano de Contribuição Definida

Plano de Contribuição Definida Plano de Contribuição Definida Gerdau Previdência CONHEÇA A PREVIDÊNCIA REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Oferecido pelo setor privado, com adesão facultativa, tem a finalidade de proporcionar uma proteção

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2015

POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2015 POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2015 A presente Política de Investimento tem como objetivo principal estabelecer condições para que os recursos dos Planos de Benefícios desta Entidade sejam geridos visando

Leia mais

9) Política de Investimentos

9) Política de Investimentos 9) Política de Investimentos Política e Diretrizes de Investimentos 2010 Plano de Benefícios 1 Segmentos Macroalocação 2010 Renda Variável 60,2% 64,4% 28,7% 34,0% Imóveis 2,4% 3,0% Operações com Participantes

Leia mais

GESTOR DA CARTEIRA DE INVESTIMENTO

GESTOR DA CARTEIRA DE INVESTIMENTO O QUE É? No Brasil um fundo de investimento possui a sua organização jurídica na forma de um condomínio de investidores, portanto o fundo de investimento possui um registro na Receita Federal (CNPJ) pois

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES EFETIVOS DO MUNICÍPIO DE DOIS IRMÃOS RPPSMDI

REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES EFETIVOS DO MUNICÍPIO DE DOIS IRMÃOS RPPSMDI REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES EFETIVOS DO MUNICÍPIO DE DOIS IRMÃOS RPPSMDI FUNDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE DOIS IRMÃOS - FPSMDI POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 Aprovada

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Fundo de Investimento é uma comunhão de recursos, constituída sob a forma de condomínio que reúne recursos de vários investidores para aplicar em uma carteira diversificada de ativos financeiros. Ao aplicarem

Leia mais

1. Público-alvo. 2. Objetivos

1. Público-alvo. 2. Objetivos LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

Política de Investimento. Plano de Benefícios Sebraeprev

Política de Investimento. Plano de Benefícios Sebraeprev Política de Investimento Plano de Benefícios Sebraeprev 2014 a 2018 Sumário 1. Introdução... 4 2. Abrangência... 5 3. Sobre os Benefícios... 6 4. Investimentos... 7 4.1. Alocação Estratégica... 8 4.2.

Leia mais

Política de Investimento. Plano de Benefícios Sebraeprev

Política de Investimento. Plano de Benefícios Sebraeprev Política de Investimento Plano de Benefícios Sebraeprev 2015 a 2019 Sumário 1. Introdução... 3 2. Abrangência... 4 3. Investimentos... 5 3.1. Alocação Estratégica... 6 3.2. Mandatos... 9 3.3. Avaliação

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2013

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2013 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE ALMIRANTE TAMANDARÉ, pessoa jurídica de direito público interno, inscrito no CNPJ 05093137/000151 sediado à Rua Trav. Paulo Bini,27,

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX BENCHMARK 100.00%CDI Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética dos Ativos em 30/04/2015 Financeiro % PL FUNDOS

Leia mais

CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO BRB FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM RENDA FIXA DI LONGO PRAZO 500 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES Competência: 19/01/2016 CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA

Leia mais

Definição da Política de Investimentos e Objetivos

Definição da Política de Investimentos e Objetivos Definição da Política de Investimentos e Objetivos UNILEVERPREV- SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA Plano de Previdência Complementar UnileverPrev Programa de Assistência Médica para Aposentados UnileverPrev

Leia mais

ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO DO Fundo de Investimento Imobiliário Votorantim Securities CNPJ/MF: 10.347.505/0001-80

ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO DO Fundo de Investimento Imobiliário Votorantim Securities CNPJ/MF: 10.347.505/0001-80 ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO DO Fundo de Investimento Imobiliário Votorantim Securities CNPJ/MF: 10.347.505/0001-80 VOTORANTIM ASSET MANAGEMENT DTVM LTDA. ( Administrador ), comunica o início da distribuição

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20 BENCHMARK RF:80.00% ( 100.00%CDI ) + RV:20.00% ( 100.00%IBRX 100 ) Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética

Leia mais

Como funcionam os fundos de investimentos

Como funcionam os fundos de investimentos Como funcionam os fundos de investimentos Fundos de Investimentos: são como condomínios, que reúnem recursos financeiros de um grupo de investidores, chamados de cotistas, e realizam operações no mercado

Leia mais

CRITÉRIOS MÍNIMOS PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE INVESTIMENTO

CRITÉRIOS MÍNIMOS PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE INVESTIMENTO CRITÉRIOS MÍNIMOS PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE INVESTIMENTO JUNHO/2008 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 1. Debêntures... 3 2. Cédulas de Crédito Bancário (CCBs)... 3 3. Fundos de Direitos Creditórios (FIDCs)...

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria Colegiada

MINISTÉRIO DA SAÚDE. AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria Colegiada MINISTÉRIO DA SAÚDE 1 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria Colegiada RESOLUÇÃO NORMATIVA-RN Nº 67, DE 4 DE FEVEREIRO DE 2004 (*) Dispõe sobre a diversificação dos ativos das Operadoras de Planos

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA INSTITUTO GEIPREV DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do GEIPREV na 123ª reunião realizada em 27/11/2009. 1 SUMÁRIO

Leia mais

PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA COMPOSIÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO Mensal, até o dia 10 do mês subsequente ao de referência.

PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA COMPOSIÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO Mensal, até o dia 10 do mês subsequente ao de referência. NORTHVIEW FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO 11.806.097/0001-40 Mês de Referência: Março de 2016 Formulário de Informações Complementares O formulário

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO OABPREV-PR: PLANO PBPA. Aprovada pelo Conselho Deliberativo em 16/12/2013

POLÍTICA DE INVESTIMENTO OABPREV-PR: PLANO PBPA. Aprovada pelo Conselho Deliberativo em 16/12/2013 POLÍTICA DE INVESTIMENTO OABPREV-PR: PLANO PBPA Aprovada pelo Conselho Deliberativo em 16/12/2013 Vigência: 2014 a 2018 ÍNDICE 1. Sobre a Política de Investimento 2 2. Sobre o Plano e os seus Benefícios

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO TRAVESSIA INVESTIMENTO NO EXTERIOR 23.352.

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO TRAVESSIA INVESTIMENTO NO EXTERIOR 23.352. FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO TRAVESSIA INVESTIMENTO NO EXTERIOR 23.352.186/0001-43 Mês de Referência: Novembro de 2015 CLASSIFICAÇÃO ANBIMA:

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI.

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS 1. Público-alvo dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG VERDE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO.

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. Av. Gabriel de Lara, 1307 Leblon Paranaguá PR Cep 83.203-550 - (041) 3425-6969 - CNPJ - 08.542.

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. Av. Gabriel de Lara, 1307 Leblon Paranaguá PR Cep 83.203-550 - (041) 3425-6969 - CNPJ - 08.542. POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2008 ÍNDICE 1 Introdução 2 Objetivo 3 Estrutura Organizacional para Tomada de Decisões de Investimento 4 Diretrizes de Alocação dos Recursos 4.1. Segmentos de Aplicação 4.2. Objetivos

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

Políticas de Gerenciamento de Risco de Mercado

Políticas de Gerenciamento de Risco de Mercado Cooperativa de Crédito Mutuo dos Praças e Oficiais da Policia Militar do Estado de São Paulo Cooperacs - SP Políticas de Gerenciamento de Risco de Mercado Aprovados pela Diretoria Executiva em 02/08/2010

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

Política de Suitability

Política de Suitability Política de Suitability Outubro 2015 1. OBJETIVO O objetivo da Política de Suitability ( Política ) é estabelecer procedimentos formais que possibilitem verificar a adequação do investimento realizado

Leia mais

Princípios de Investimento

Princípios de Investimento Princípios de Investimento Rentabilidade Rentabilidade é o grau de rendimento proporcionado por um investimento pela valorização do capital ao longo do tempo. Liquidez Liquidez é a rapidez com que se consegue

Leia mais

PERFIS DE INVESTIMENTO

PERFIS DE INVESTIMENTO PERFIS DE INVESTIMENTO Índice 3 Apresentação 3 Como funciona a ELETROS? 4 Como são os investimentos em renda variável? 5 Como são os investimentos em renda fixa? 6 Como são os investimentos nos demais

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDENCIA DO MUNICIPIO DE ALMIRANTE TAMANDARÉ - IPMAT

INSTITUTO DE PREVIDENCIA DO MUNICIPIO DE ALMIRANTE TAMANDARÉ - IPMAT RESOLUÇÃO Nº. 01/2009 Em cumprimento a Resolução nº. 3790/2009 de 24 de Setembro de 2009, do Conselho Monetário Nacional, o CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO IPMAT, no uso de suas atribuições legais e de conformidade

Leia mais

DEMONSTRATIVO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

DEMONSTRATIVO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DEMONSTRATIVO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 1. ENTE Endereço: Bairro: Prefeitura Municipal de Itanhaém / SP AVENIDA WASHINGTON LUIS - 75 CENTRO (013) 3421-1600 Fax: (013) 3421-1600 CNPJ: Complemento: CEP:

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 531, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2013

INSTRUÇÃO CVM Nº 531, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2013 Altera dispositivos da Instrução CVM nº 356, de 17 de dezembro de 2001 e da Instrução CVM nº 400, de 29 de dezembro de 2003. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado,

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Crédito Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Crédito do conglomerado CRÉDIT AGRICOLE Brasil e estabelece as suas principais

Leia mais

Mensagem da Administradora

Mensagem da Administradora Mensagem da Administradora Prezados Cotistas: Submetemos à apreciação de V.S.as. a demonstração da composição e diversificação das aplicações da CSN Invest Fundo de Investimento em Ações, em 31 de dezembro

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010 Subordinada à Resolução CMN nº 3.792 de 24/09/09 1- INTRODUÇÃO Esta política tem como objetivo estabelecer as diretrizes a serem observadas na aplicação dos recursos

Leia mais

1. Finalidade da Política de Investimentos

1. Finalidade da Política de Investimentos Índice 1. Finalidade da Política de Investimentos... 1 1.1. A Fundação CELPE de Seguridade Social... 1 1.2. Constituição da Política de Investimentos... 1 1.3. Funções da Política de Investimentos... 1

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO DE 2013 REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO VOLTA REDONDA/RJ

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO DE 2013 REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO VOLTA REDONDA/RJ POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO DE 2013 REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO VOLTA REDONDA/RJ CONSELHO GESTOR FUNDO DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS

Leia mais

Política de Investimentos 2016 a 2020

Política de Investimentos 2016 a 2020 Política de Investimentos 2016 a 2020 Plano Fundamental ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 Empresas Patrocinadoras 3 2. POLÍTICA DE TERCEIRIZAÇÃO DE GESTÃO E CUSTÓDIA 4 i. Seleção de Gestores 4 3. PLANO DE BENEFÍCIOS

Leia mais