Em trânsito com as famílias LGBT : sobre redes de suporte e proteção de adolescentes e jovens na cidade de São Paulo 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Em trânsito com as famílias LGBT : sobre redes de suporte e proteção de adolescentes e jovens na cidade de São Paulo 1"

Transcrição

1 Em trânsito com as famílias LGBT : sobre redes de suporte e proteção de adolescentes e jovens na cidade de São Paulo 1 Marcelo Perilo 2 PPGAS / IFCH / UNICAMP Bolsista FAPESP 3 Resumo: Esta apresentação advém de minha pesquisa de doutoramento por meio da qual discuto sobre mudanças nas convenções sociais sobre gênero e sexualidade no Brasil contemporâneo e transformações no entendimento da homossexualidade como um lugar social. A partir de uma etnografia em curso em São Paulo e região metropolitana, busco refletir sobre as famílias LGBT ou famílias da noite, grupos constituídos por adolescentes e jovens com condutas homo e bissexual que oferecem suporte a seus membros residentes em distintas regiões da cidade. Considerando a presença de meus interlocutores em espaços de encontro também frequentados por outros atores, sendo alguns avessos a suas condutas, as famílias emergem como oportunidade de proteção e também como possibilidade de ampliação dos trânsitos destes jovens pela cidade, sobretudo quando deslocam-se em grupo entre distintos lugares de encontro. As famílias têm ao menos um fundador, o pai, e podem também ter as mães, sendo que geralmente estes fundadores elaboram as regras ou orientações que regem a convivência de seus filhos. Há distintas famílias, algumas com dezenas, outras com centenas de integrantes, sendo também diversas as modalidades de organização e gestão das mesmas. Atenho-me à discussão sobre as redes conformadas por esses jovens e como estas interferem em seus trânsitos pelo espaço urbano; reflito sobre a relação entre pais e mães versus os genitores de meus interlocutores, como em casos em que as famílias oferecem suporte àqueles expulsos de casa após assunção da homossexualidade; e destaco também as mudanças que vêm ocorrendo em algumas famílias criadas no início da década de 2000, o que aponta para uma diversificação de seus objetivos, emergência de distintas gerações de pais e avós, bem como a articulação de alianças destes grupos junto a movimentos sociais, Estado e mercado. Palavras-chave: Família; gênero; sexualidade; juventude; mudança social Apresentação Neste texto, busco refletir sobre redes de suporte e proteção de adolescentes e jovens com condutas homo e bissexuais 4. As questões que apresento concernem à 1 Trabalho apresentado na 29ª Reunião Brasileira de Antropologia, realizada entre os dias 03 e 06 de agosto de 2014, Natal/RN 2 Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Estadual de Campinas. 3 Executo o projeto de pesquisa Sob o impacto da visibilidade: juventude, (homo)sexualidade e mudança social com orientação de Regina Facchini e bolsa de doutorado da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). 1

2 pesquisa de doutoramento que desenvolvo no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Estadual de Campinas. Nessa investigação busco colaborar para a compreensão acerca de mudanças nas convenções sociais sobre gênero e sexualidade no Brasil contemporâneo tendo em vista transformações no entendimento da homossexualidade como um lugar social 5. Em função da etnografia em curso, tenho convivido com adolescentes e jovens na cidade São Paulo a partir de alguns lugares para encontro e convivência 6. O contato com esses interlocutores possibilita uma análise sobre como novas gerações de jovens vêm experimentando em suas trajetórias de vida e em seus deslocamentos pela cidade os impactos de algumas transformações que se tornaram mais expressivas em grandes centros urbanos no Brasil a partir da década de 1990, como a crescente visibilidade da homossexualidade na esfera pública; a proposição de políticas governamentais destinadas a lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais; a ascensão e especificação de um mercado voltado a tal público; e a ampliação de espaços de sociabilidade (PERILO, 2012). Em sucessivas visitas a alguns lugares de encontro 7 eu me deparei com uma modalidade de aliança entre meus interlocutores que eles denominam como família da noite ou família LGBT 8. As famílias correspondem a grupos de jovens que se 4 Considero a acepção de conduta sexual formulada por John Gagnon (2006). Quando menciono condutas homo e bissexuais estou indicando que os interlocutores com quem convivi em geral vivenciaram esse tipo de relação ao menos em algum momento em suas vidas. 5 A reflexão sobre homossexualidade como um lugar social torna-se relevante em minha pesquisa considerando a proposição do antropólogo Sérgio Carrara quando afirma que a homossexualidade não é certa disposição orgânica ou psicológica, nem apenas um certo conjunto de práticas sexuais, nem somente um estilo de vida, nem talvez uma identidade social, mas sim um lugar simbólico, aberto a múltiplas incorporações, imagens e personificações. Um lugar que, se fala de estigma, de preconceito e de aprisionamento identitário, fala também de prazer, de potência, de irreverência, de transgressão, de mobilidade, de migração, de deriva, de uma contínua e árdua transformação de si e dos outros (CARRARA, 2005, p. 23). 6 Tenho realizado observação participante em São Paulo desde o segundo semestre de Esse procedimento inclui conversas informais e visitas periódicas aos espaços de sociabilidade de meus interlocutores principalmente em momentos em que têm tempo livre ou estão alheios a compromissos relativos a trabalho ou estudos. 7 A partir de um levantamento sobre lugares por onde eu poderia contatar interlocutores para a pesquisa, passei a comparecer ao Largo do Arouche, na região central da cidade de S. Paulo; à rua Peixoto Gomide também na região central; à praça Coronel Sandoval de Figueiredo, na zona leste da cidade; e ao parque Ibirapuera, região centro-sul. Mediante convívio junto a interlocutores na pesquisa, passei a receber convites para transitar por outras regiões e cidades vizinhas a São Paulo. 8 A sigla LGBT corresponde a lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. O termo família LGBT me parece utilizado de maneira recorrente por parte de interlocutores com alguma proximidade com o movimento de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. Quem não tem vínculo com redes de militância ou não tem alguma imersão em temas relacionados em geral utiliza o termo família GLS ou apenas família. 2

3 vinculam entre si mediante alguma afinidade. Tais grupos têm ao menos um fundador, o pai, e podem também ter as mães, sendo que geralmente estes fundadores elaboram as regras ou orientações que regem a convivência de seus filhos. Há distintas famílias, algumas com dezenas, outras com centenas de integrantes, sendo também diversas as modalidades de organização e gestão das mesmas. Antes da realização da pesquisa na cidade de São Paulo eu já soubera sobre as famílias quando estas são mencionadas em um artigo de Eros Sester e Maria Eugênia Calixto (2012) a partir de sua etnografia no Largo do Arouche 9. Como indicam os autores, tais grupos serviriam especialmente como garantia de proteção a possíveis agressões sofridas pelos membros das famílias (Guimarães; Calixto, 2012, p. 8). Eu pude ter acesso às famílias a partir de uma manifestação intitulada Ato por justiça no caso Kaique e pela criminalização da homofobia e transfobia. Essa atividade foi realizada em 17 de janeiro de 2014, sexta-feira, em função da morte de Kaique dos Santos, jovem de 16 anos cujo corpo foi encontrado severamente avariado embaixo de um viaduto após uma noite em que esteve em uma boate na região central de São Paulo 10. Minha presença no ato e as atividades posteriores relacionadas à morte de Kaique dos Santos me possibilitaram contato com a família Vallentyne Lawiny, da qual inclusive Kaique dos Santos era membro. Posteriormente pude também pude ter acesso às famílias Stronger e D' Matthah. Considerando essa breve apresentação e antes de seguir para a próxima seção, indico convenções que adotei quanto para a escrita deste artigo: a fim de oferecer sigilo a meus interlocutores, atribuo outros nomes em relação aos que eles utilizam; e quando eu menciono termos êmicos eles estão grafados simultaneamente entre aspas e itálico. Das famílias 9 Situado na região central de São Paulo, o Largo do Arouche é utilizado como lugar de passagem e encontro de diversas pessoas que por ali transitam. A proximidade com a estação de metrô República e inúmeras linhas de ônibus favorecem acesso a este logradouro público que está próximo a estabelecimentos que oferecem variados produtos e serviços. Dentre os frequentadores do Largo do Arouche também se encontram pessoas que são interlocutores em minha pesquisa. Em todos os dias da semana e em variados horários há adolescentes e jovens com condutas homo e bissexual que comparecem ao Arouche e suas imediações, que são notórias por conta da presença e também por ser região de moradia de pessoas que buscam relações afetivo-sexuais com outras do mesmo sexo (FACCHINI, 2008; FRANÇA e SIMÕES, 2005; PERLONGHER, 2008). 10 A causa da morte de Kaique dos Santos foi motivo de intensa especulação. Enquanto a Polícia Civil apresentava a hipótese de suicídio, manifestantes e demais atores defendiam que se tratava de um crime de ódio motivado por homofobia. O caso obteve ampla repercussão em função da cobertura de distintos veículos de comunicação, mas a partir do momento em que a mãe do jovem admitiu a hipótese de suicídio pouco continuou sendo noticiado com relação a sua morte. 3

4 Há distintas famílias, cada qual com suas orientações específicas, mas parece ser comum a todas elas que seus membros ofereçam suporte e proteção entre si. Quando alguém é adotado como membro de uma família logo conta com o auxílio das dezenas ou centenas de colegas, o que pode amenizar ou intensificar conflitos e tensões que ocorram em lugares de encontro entre jovens 11. Dentre as famílias com as quais pude estabelecer contato mais próximo, duas delas parecem sinalizar modalidades distintas de relacionamento entre seus membros. A primeira delas é a família Vallentyne Lawiny, com dez anos de existência e cujo fundador e pai, bem como seus filhos, estão em contato geralmente em eventos ou encontros, seja na Vieira 12 ou em boates e bares. As regras da Vallentyne Lawiny são transmitidas oralmente por seu pai, Samuel, e dentre outras coisas indicam que o consumo de drogas por seus membros é expressamente proibido. Outra regra indica que as pessoas dessa família em geral não podem ser filhos de outras famílias. A essas regras há exceções, e cabe necessariamente a Samuel avaliar o que fazer quando seus filhos infringem as referências para a convivência da família. Caso os filhos da Vallentyne Lawiny desejem formar outras famílias, também é Samuel quem chancela ou não tal iniciativa. Há uma mãe, a Fernanda, mas ela não comparece aos encontros na mesma frequência que Samuel. Ademais, há alguns tios, cuja função é substituir o pai em caso de ausência em algum evento ou atividade. A Vallentyne Lawiny tem um bonde, ou seja, um grupo de jovens que treinam e dançam funk, sendo que ocasionalmente fazem apresentações em estabelecimentos comerciais. Não é incomum que membros dessa família sejam expulsos das casas onde residem em função de sua sexualidade, principalmente em momentos de assunção da homossexualidade perante seus genitores ou responsáveis legais 13. A família D Matthah, por seu turno, com doze anos de existência e cerca de 230 membros localizados em distintos estados do país e alguns em outros países, tinha 11 A fim de identificarem-se como membros desses grupos os jovens inserem em seus sobrenomes os nomes das famílias às quais façam parte, seja em apresentações pessoais ou em redes sociais on line. Por exemplo, Samuel Vallentyne. 12 Meus interlocutores utilizam esse termo para indicar os encontros no Largo do Arouche. Vieira advém da rua Vieira de Carvalho, uma das vias públicas que se estendem a partir do largo. Ainda que esses jovens não necessariamente frequentem essa rua, eles utilizam tal nome para indicar os encontros em meio ao Largo do Arouche. Quando questionei um de meus interlocutores sobre o uso do termo Vieira ele me disse que apenas os playboys chamam esse lugar de Arouche. 13 Em relação a esse tema, Samuel certa vez me disse que deseja fundar uma espécie de casa abrigo para acolhimento de jovens que estejam nessa situação. 4

5 características próximas às da Vallentyne Lawiny no que se refere à ênfase aos encontros como forma de reforçar o vínculo entre seus membros. Contudo, há alguns anos houve uma mudança no caráter dessa família, o que fez com que esta não se fundamentasse em encontros necessariamente, senão pela oportunidade de acolhimento e formação a seus membros. O acolhimento está relacionado ao suporte que a família pode oferecer, como a observação da trajetória escolar de seus filhos ou ainda o diálogo com genitores desses adolescentes e jovens em situações como expulsão de casa por conta de sua sexualidade. Com relação à formação, a família se diferencia por conta de estimular que seus membros passem por capacitações relacionadas a temas como orientação sexual, identidade de gênero e doenças sexualmente transmissíveis. Também caracteriza a D Matthah a relação com a militância, visto o envolvimento de vários de seus membros junto a organizações não governamentais ou iniciativas que promovem relacionadas a combate a homofobia e promoção de direitos de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. Cabe mencionar que a D Matthah não é gerida apenas por Carlos, seu pai e fundador, pois há distintos conselhos que fazem gestão da família, sendo que conselhos são inclusive fundamentados em um código escrito por eles intitulado Regra D Matthah. Em trânsito com a família Vallentyne Lawiny A família Vallentyne Lawiny é uma das quais tenho maior aproximação, sendo um dos motivos para tal a presença de vários de seus membros a cada domingo na Vieira. Em janeiro de 2014 Samuel, o pai da família, chamou minha atenção para uma festa em que muitos da Vallentyne Lawiny estariam juntos e que ocorreria na boate Kosowo 14, em uma cidade vizinha a São Paulo. Eu então acompanhei a família nessa festa considerando as orientações para o encontro postadas no grupo da Vallentyne Lawiny no facebook 15. Com relação à festa, destaco aqui o caminho para a ida à boate e, ainda, o retorno de seus membros após encerramento da festa. A fim de seguir rumo ao 14 Zelando pelo sigilo a meus interlocutores, menciono neste relatório um nome que não corresponde àquele utilizado pelo estabelecimento comercial em questão. 15 Um site que oferece um serviço aos usuários a fim de que possam trocar mensagens mediante a realização de um cadastro. 5

6 estabelecimento comercial, compareci a uma estação de trem 16 para o encontro com o pai e um dos tios da família. A partir dali seguimos para outras estações onde alguns filhos de Samuel entravam no trem conforme a viagem seguia. Quando chegamos à estação mais próxima à boate, cerca de outros vinte filhos já aguardavam a chegada de Samuel a fim de seguirem juntos à boate. Assim como ocorrera no final da noite, os membros da Vallentyne Lawiny aguardaram o final da festa para então saírem juntos da boate. Por volta das 4:30 eu saí da boate junto a cerca de vinte membros da família rumo à estação de trem, sendo que ali estavam cerca de quatro jovens que perceberam nossa movimentação e nos chamou de viados. Artur, um dos tios da família respondeu a esses jovens de maneira a rebater o termo dito em tom ofensivo. Após troca de ofensas verbais não tardou muito para que todos os membros da Vallentyne Lawiny corressem atrás desses jovens que, por conseguinte, saíram em fuga. Quando os difamadores chegaram ao final de uma passarela, começaram a arremessar pedras em nossa direção, mas até onde pude ver nada alcançou nosso grupo. Ao mesmo tempo alguns membros da família também arremessaram pedras nesses jovens, que continuaram correndo. Após esse episódio entramos na estação e cada um tomou o trem correspondente a seu destino. Além da situação em destaque relativa à festa na boate, destaco outra questão importante que compete aos trânsitos com essa família. Com isso vêm à cena Rodrigo, jovem morador de uma cidade da região metropolitana, ele não se deslocava com frequência para lugares que não fossem relacionados ao seu próprio trabalho. Contudo, em 2013 o pai da Vallentyne Lawiny interpelou Rodrigo convidando-o para que entrasse na família. Ao responder positivamente ao convite, Rodrigo passou a encontrar os membros da Vallentyne Lawiny em distintos lugares, seja em estabelecimentos comerciais como algumas boates e também na Vieira. Ainda que entre sua casa e a região central de São Paulo lhe sejam demandadas ao menos duas horas de deslocamento por meio de metrô, trem e ônibus, Rodrigo passou a ser assíduo na Vieira, bem como presente em outros lugares nas imediações. O caso de Rodrigo e a festa na boate Kosowo sinalizam mudanças que as famílias ocasionam nos trânsitos de meus interlocutores pela região metropolitana de 16 Geralmente recorro a transporte público coletivo a fim de encontrar-me com os jovens com quem convivo e para comparecer aos lugares onde eles se encontram. Com isso compartilho de condições semelhantes àquelas que dispõem grande parcela de meus interlocutores para seus deslocamentos pela cidade, geralmente usufruindo metrô, ônibus e trem. 6

7 São Paulo. Um primeiro aspecto a ser destacado diz respeito à possibilidade de proteção que um grupo pode oferecer a membros que seriam potenciais alvos de represálias em função de suas performances de gênero e demonstração de afeto entre pessoas do mesmo sexo. Outro elemento diretamente relacionado a esse primeiro em destaque concerne à ampliação e diversificação dos itinerários de meus interlocutores pelo espaço, uma vez que as famílias não só comparecem à região central de São Paulo, senão a atividades em distintos lugares. Considerados esses casos e situações, na próxima seção destaco outros elementos que competem às famílias e estão implicados à relação com as famílias de origem 17 de adolescentes e jovens com os quais estou convivendo mediante a pesquisa. Festa e tragédia com os pais e os pais Em se tratando de uma das famílias LGBT com a qual tenho mais convívio, a Stronger se destaca por ser uma das mais antigas ainda em atividade e por conta de uma recente mudança de seus princípios e objetivos. Anteriormente essa família se organizava como a Vallentyne Lawiny, visto que seus membros em geral estavam em contato por conta de eventos, encontros e festas. Contudo, os pais da Stronger têm conduzido a família a um movimento que a aproxima da família D Mattah no que diz respeito a promoção de atividades relacionadas a militância e formação política de seus membros. Uma das atividades relacionadas a combate à homofobia em que a Stronger esteve envolvida foi um desfile junto à escola de samba Em cima da hora paulistana em 2014 durante o Carnaval 18. Antes do desfile alguns filhos da família se beijavam e também circulavam de mãos dadas pela concentração em meio aos carros alegóricos e inclusive integrantes de outras escolas de samba. Acompanhei a Stronger nesse momento e no desfile, quando a família se somou à escola de samba para trinta minutos de caminhada pela avenida enquanto alguns de seus membros seguravam juntos uma grande Bandeira do Orgulho. 17 Com o termo famílias de origem faço menção às famílias junto às quais meus interlocutores foram educados. As famílias LGBT corresponderiam então a uma família de escolha, sendo que concebo este último termo mediante acepção de Weston (1990). 18 Essa escola, também conhecida como Coruja do Samba, compõe o quarto grupo dentre aquelas que se apresentam na cidade e seu desfile ocorreu na Avenida Radial Leste no trecho que margeia uma estação de metrô na zona leste de São Paulo. O samba-enredo deste ano, intitulado Homofobia é crime, amai-vos uns aos outros como vos amei, alude à Parada do Orgulho LGBT e roga por respeito. 7

8 Em se tratando de uma atividade excepcional e que favoreceu visibilidade à família, vários de seus membros estiveram presentes principalmente aqueles que não comparecem a festas, boates ou encontros na Vieira junto à Stronger. A rede de pessoas vinculadas à família é consideravelmente maior que aquela que se acessa em atividades de lazer ou encontros semanais em espaços de sociabilidade, o que faz com que vários de seus filhos se façam presentes em situações em que a Stronger necessita demostrar seu potencial enquanto grupo ou quando está envolvida em suporte e acolhimento entre seus membros. Em contexto alheio a festas e celebrações, uma situação que mobilizou parte da família foi o falecimento do pai de um filho da Stronger. O velório e o sepultamento ocorreram em um cemitério para além das fronteiras da capital paulista, sendo que meu interlocutor era assistido tanto por sua mãe e irmãs de origem quanto por membros da família. Durante o velório, alguns pais e filhos da Stronger amparavam a família de origem do garoto, o que se manteve inclusive na ocasião do sepultamento. Após o lacre do caixão quem sustentou de pé o garoto que perdera seu pai foi justamente os dois pais da Stronger ali presentes, que o apoiavam pelos ombros na caminhada até o jazigo da família. Essa atuação da família corresponde a uma daquelas em que o contato com a família de origem é favorável e amistoso. Contudo, há situações em que as famílias podem entrar em conflito com os genitores de meus interlocutores. Uma dessas situações remete ao caso de Vitor, membro da Stronger, que após uma atividade da família passou horas sem responder a chamadas telefônicas ou informar sobre seu paradeiro. A mãe do garoto passou a pressionar os pais da Stronger não apenas porque ele teria desaparecido, senão por conta da impressão que ela tinha sobre possíveis problemas que a família estaria ocasionando a seu filho. Contudo, após horas de espera e inúmeras chamadas telefônicas, o garoto reapareceu alegando dificuldade em se locomover utilizando a rede do transporte metropolitano. Considerando as situações envolvendo a Stronger, é possível identificar diferentes acessos dos membros da família a atividades pela cidade. Algumas das atividades da Stronger não estão relacionadas a festas ou encontros em contexto de lazer, mas à promoção de ações de caráter militante e, ainda, suporte e acolhimento de seus membros. Ademais, as relações com a família de origem pode ser conflituosa ou não a depender de meus interlocutores em sua mediação seus pais e seus pais. 8

9 Famílias em meio a mudanças A partir da década de 1980, com o processo de abertura política no país, algumas transformações passaram a impactar mais intensamente o país, sobretudo seus grandes centros urbanos. Além do surgimento dos primeiros grupos do então intitulado Movimento Homossexual Brasileiro, o que ocorrera ainda na década anterior 19, as condutas homo e bissexuais recebem um amplo destaque nas pautas políticas e sociais do país em função da epidemia de aids. Esses processos convergiram a uma crescente visibilização da homossexualidade na esfera pública no Brasil pós-ditadura. Concomitantemente, passam a surgir distintos lugares para encontro e convivência entre pessoas com conduta homo ou bissexual. Além dos logradouros públicos, como ruas e praças no Centro de São Paulo, na década 1980 também surgem distintos estabelecimentos comerciais, como bares e boates, que constituíram o que Edward MacRae (2005) aponta como gueto gay paulistano. Néstor Perlongher (2008), por seu turno, identificou que os locais para sociabilidade entre aqueles e aquelas com condutas não-heterossexuais também passavam por transformações e extravasavam o gueto. Ainda na década de 1980 o autor identificou locais para encontro e convivência desses sujeitos para além do Centro, inclusive em bairros com público de estratos socioeconômicos médios e altos 20. Na década de 1990 surge uma crescente oferta de bens, produtos e serviços destinados especificamente a pessoas com condutas homo e bissexuais. Nesse âmbito, nota-se a criação de estabelecimentos comerciais, tais como saunas, boates, bares, clubes de sexo e cinemas pornôs, caracterizados pela especificação do público que neles consome e que consome os próprios lugares (SIMÕES, FACCHINI, 2009; FRANÇA, 2010; 2006). Ainda nessa década uma nova oportunidade para busca e compartilhamento de informações entre pessoas com condutas homo ou bissexual tornase viável com o advento da internet. A world wide web passou a ser utilizada tanto como instrumento pedagógico e difusor de estilos de vida relacionados à homossexualidade quanto âmbito para integração social (PISCITELLI, 2009). A partir 19 No final da década de 1970 surgiam os primeiros grupos do então intitulado Movimento Homossexual Brasileiro, sendo o Somos, criado em 1978 e sediado na cidade de São Paulo, uma das primeiras entidades a promover ações e reivindicar políticas relacionadas à aceitação social da homossexualidade (SIMÕES, FACCHINI, 2009; FACCHINI, 2005; MACRAE, 1990). 20 Ainda segundo Perlongher (2008), as constantes mudanças na distribuição territorial dos grupos de gays e travestis que se encontravam na região central de São Paulo eram ocasionadas por estímulos ou constrangimentos que sofriam por meio distintos atores sociais, inclusive a polícia. 9

10 de distintos sites difundiram-se informações e estratégias para encontros presenciais e, além disto, os próprios ambientes on line permitiram a interação entre usuários de redes sociais, blogs e salas de bate-papo. Essas inovações passam a ser acessíveis a amplo público em função de novas ferramentas de interação virtual e da massificação do acesso à internet a partir da década de 2000 (PARREIRAS, 2008). Considerando esses processos que se desenrolam a três décadas e se tornaram ainda mais intensos nos últimos anos, tenho verificado a partir de minha pesquisa que novas gerações de adolescentes e jovens com condutas homo e bissexual na cidade de São Paulo estão usufruindo do espaço urbano de maneira que lhes favorece deslocamentos entre distintas regiões da cidade e região metropolitana, além de ocupação de lugares de encontro em logradouros públicos ou estabelecimentos comerciais cada vez mais numerosos. A permanência desses jovens em espaços de sociabilidade lhes demanda atenção sobre outros atores que também compõem os territórios que frequentam, sendo que a presença (ou ausência) de agentes de segurança pública e a capacidade de articulação desses jovens junto a redes de proteção e suporte, tais como as famílias 21, interferem diretamente em suas oportunidades de circulação pela cidade e na possibilidade de ação que dispõem quando estão em lugares de encontro, sobretudo em contexto de lazer. Os constrangimentos e possibilidades no uso da cidade por parte de meus interlocutores estão relacionados à criação de lugares de encontro, à expansão e especificação do mercado voltado a público homossexual, à proposição de políticas e a crescente visibilidade da homossexualidade na esfera pública. Esses não são processos recentes, visto que se verificam há algumas décadas no país, mas o que talvez seja peculiar às novas gerações de adolescentes e jovens corresponde justamente à modalidade e intensidade com que esses processos ocorrem. As trajetórias de cada interlocutor e seus trânsitos por lugares de encontro em São Paulo favorecem a compreensão desses processos e suas implicações, além de como os próprios jovens são agentes que, por sua parte, também influenciam mudanças. A presença visível de adolescentes com condutas homossexuais em espaços pela cidade ou a articulação de famílias que promovem ações fim da reivindicação de direitos 21 As famílias em destaque neste texto foram criadas no início da década de Constam escassas as referências sobre famílias ou grupos correlatos que precederam a criação daquelas sobre as quais estou acompanhando por meio da pesquisa. Por ora estou realizando levantamento de informações junto a interlocutores, bem como a referências bibliográficas que remetam a tais redes de proteção e suporte similares na cidade de São Paulo. 10

11 civis e combate à homofobia são algumas das maneiras de identificar essas mudanças em curso e que têm impactos em distintos centros urbanos do país. Referências bibliográficas CARRARA, Sérgio. O Centro Latino Americano em Sexualidade e Direitos Humanos e o lugar da homossexualidade. In: GROSSI, Miriam Pillar [et al.] (orgs). Movimentos sociais, educação e sexualidades. Rio de Janeiro: Garamond, 2005, p FACCHINI, Regina. Entre umas e outras: mulheres, (homo)sexualidades e diferenças na cidade de São Paulo. Tese de doutorado: Universidade Estadual de Campinas, FACCHINI, Regina. Sopa de letrinhas?: movimento homossexual e produção de identidades coletivas nos anos 90. Rio de Janeiro: Garamond, FRANÇA, Isadora Lins. Cercas e pontes: movimento GLBT e mercado GLS na cidade de São Paulo. Universidade de São Paulo: Dissertação de mestrado, FRANÇA, Isadora Lins; SIMÕES, Júlio Assis. Do gueto ao mercado. In: GREEN, James & TRINDADE, Ronaldo. Homossexualismo em São Paulo e Outros Escritos. São Paulo. Editora UNESP, , FRANÇA, Isadora. Consumindo lugares, consumindo nos lugares: homossexualidade, consumo e subjetividades na cidade de São Paulo. Tese de Doutorado: Universidade Estadual de Campinas, GAGNON, John. Uma interpretação do desejo: ensaios sobre o estudo da sexualidade. Rio de Janeiro: Garamond, GUIMARÃES, Eros Sester Prado; CALIXTO, Maria Eugênia Perez. O que compra alguém no largo: identidades e homossociabilidades no Largo do Arouche domingo à noite. Anais do VI Congresso Internacional de Estudos sobre a Diversidade Sexual e de Gênero da Associação Brasileira de Estudos da Homocultura. Salvador, MACRAE, Edward. A construção da igualdade sexual e política no Brasil da abertura. PARREIRAS, Carolina. Sexualidade no ponto.com: espaços e homossexualidades a partir de uma comunidade on-line. Dissertação de mestrado: Universidade Estadual de Campinas, MACRAE, Edward. Em defesa do gueto. In GREEN, James N.; TRINDADE, Ronaldo. Homossexualismo em São Paulo e outros escritos. São Paulo: Unesp, 2005, p PERILO, Marcelo. Eles botam o bloco na rua! Uma etnografia em espaços de sociabilidades juvenis: Dissertação de Mestrado: Universidade Federal de Goiás, PERLONGHER, Néstor. O negócio do michê: prostituição viril em São Paulo. São Paulo: Fundação Editora Perseu Abramo, PISCITELLI, Adriana. Prefácio. In: DÍAZ-BENÍTEZ, María Elvira; FÍGARI, Carlos Eduardo (orgs.). Prazeres Dissidentes. Rio de Janeiro: Garamond, 2009, p SIMÕES, Júlio Assis e FACCHINI, Regina. Na trilha do arco-íris: do movimento homossexual ao LGBT. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, WESTON, Kate. Families We Choose: Lesbians, Gays, Kinship. Columbia University Press, New York,

GÊNERO, SEXUALIDADE E JUVENTUDE: SOBRE PRODUÇÃO DA DIFERENÇA E MUDANÇA SOCIAL EM SOCIABILIDADES DE ADOLESCENTES HOMOSSEXUAIS NO ESPAÇO URBANO

GÊNERO, SEXUALIDADE E JUVENTUDE: SOBRE PRODUÇÃO DA DIFERENÇA E MUDANÇA SOCIAL EM SOCIABILIDADES DE ADOLESCENTES HOMOSSEXUAIS NO ESPAÇO URBANO GÊNERO, SEXUALIDADE E JUVENTUDE: SOBRE PRODUÇÃO DA DIFERENÇA E MUDANÇA SOCIAL EM SOCIABILIDADES DE ADOLESCENTES HOMOSSEXUAIS NO ESPAÇO URBANO Marcelo Perilo 1 Bolsista FAPESP 2 Resumo: Nesta comunicação,

Leia mais

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo.

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo. PROJETO DE LEI Nº 173, DE 2015 Autoriza a criação do Programa Estadual de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO

Leia mais

Pesquisada Perseu Abramo mostra preconceito contra comunidade LGTB

Pesquisada Perseu Abramo mostra preconceito contra comunidade LGTB Pesquisada Perseu Abramo mostra preconceito contra comunidade LGTB Acaba de sair do forno a mais recente pesquisa social do Núcleo de Opinião Pública (NOP), intitulada Diversidade Sexual e Homofobia no

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 252, DE 2013. Artigo 1º - Fica o Poder Executivo autorizado a instituir o Programa de Incentivo às

PROJETO DE LEI Nº 252, DE 2013. Artigo 1º - Fica o Poder Executivo autorizado a instituir o Programa de Incentivo às PROJETO DE LEI Nº 252, DE 2013 Autoriza a criação Programa de Incentivo às Semanas Culturais do Orgulho LGBT e de Inclusão Social da Diversidade nos municípios do Estado de São Paulo, e dá providências

Leia mais

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS:

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS: O QUE É QUE FAZ A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES A Prefeitura de São Paulo, em maio de 2013, seguindo a política implementada nacionalmente e atendendo uma reivindicação histórica do movimento

Leia mais

participação do movimento LGBT nas políticas governamentais

participação do movimento LGBT nas políticas governamentais Projeto Movimentos Sociais e Esfera Pública Impactos e Desafios da Participação da Sociedade Civil na Formulação e Implementação de Políticas Governamentais Limites, espaços e estratégias de Limites, espaços

Leia mais

Qual o seu posicionamento com relação à criminalização da homofobia? Por quê?

Qual o seu posicionamento com relação à criminalização da homofobia? Por quê? Entrevista com Cláudio Nascimento, membro do Grupo Arco-Íris, coordenador geral da 13ª Parada do Orgulho LGBT do Rio de Janeiro e superintendente de Direitos Individuais, Coletivos e Difusos da Secretaria

Leia mais

Carnaval curitibano: o lugar do popular na metrópole

Carnaval curitibano: o lugar do popular na metrópole Carnaval curitibano: o lugar do popular na metrópole Comunicação oral Caroline Glodes Blum Graduanda em Ciências Sociais Universidade Federal do Paraná Orientação: Profª Drª Selma Baptista Festa e Manifestações

Leia mais

Marcelo Reges Pereira CURRICULUM VITAE

Marcelo Reges Pereira CURRICULUM VITAE Marcelo Reges Pereira CURRICULUM VITAE 1. DADOS PESSOAIS Sexo: masculino Estado civil: solteiro Nascimento: 14.01.1978 Anápolis, Goiás Nacionalidade: brasileira Endereço particular: SCLRN 715, Bloco A,

Leia mais

Job 150904 Setembro / 2015

Job 150904 Setembro / 2015 Job 50904 Setembro / Metodologia TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA: Município de São Paulo. UNIVERSO: Moradores de 6 anos ou mais de

Leia mais

JOVEM HOMOSSEXUAL substituir por JOVENS GAYS, LÉSBICAS, BISSEXUAIS E TRANSGÊNEROS (GLBT) ou por JUVENTUDE E DIVERSIDADE SEXUAL

JOVEM HOMOSSEXUAL substituir por JOVENS GAYS, LÉSBICAS, BISSEXUAIS E TRANSGÊNEROS (GLBT) ou por JUVENTUDE E DIVERSIDADE SEXUAL JOVEM HOMOSSEXUAL substituir por JOVENS GAYS, LÉSBICAS, BISSEXUAIS E TRANSGÊNEROS (GLBT) ou por JUVENTUDE E DIVERSIDADE SEXUAL OBJETIVOS E METAS 1. Prover apoio psicológico, médico e social ao jovem em

Leia mais

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos EDUCAÇÃO CONTRA O TRABALHO INFANTOJUVENIL: CONSIDERAÇÕES SOBRE MÉTODO E VULNERABILIDADES Felipe Pitaro * Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos de partida. O primeiro diz

Leia mais

PROJETO DE LEI 01-00147/2013 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB) e Laércio Benko (PHS)

PROJETO DE LEI 01-00147/2013 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB) e Laércio Benko (PHS) PROJETO DE LEI 01-00147/2013 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB) e Laércio Benko (PHS) Estabelece diretrizes para a Política Municipal de Promoção da Cidadania LGBT e Enfrentamento da Homofobia, e dá

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PERNAMBUCO

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PERNAMBUCO PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PERNAMBUCO OBJETIVO GERAL DO PLANO ESTADUAL Enfrentar a epidemia do HIV/aids e das DST entre gays, outros HSH

Leia mais

Diversidade Sexual: uma visão arejada e crítica da. Lula Ramires Serra Negra, SP Junho de 2010

Diversidade Sexual: uma visão arejada e crítica da. Lula Ramires Serra Negra, SP Junho de 2010 Diversidade Sexual: uma visão arejada e crítica da homofobia nas escolas Lula Ramires Serra Negra, SP Junho de 2010 Lula Ramires Formado em Filosofia pela USP Mestre em Educação pela F.E. USP Tradutor

Leia mais

A Psicologia na garantia da Diversidade Sexual

A Psicologia na garantia da Diversidade Sexual A Psicologia na garantia da Diversidade Sexual Audiência Pública: CSSF da Câmara dos Deputados, 06/11/2012 Apresentação Toni Reis Especialista em Sexualidade Humana Mestre em Filosofia, na área de ética

Leia mais

Secretaria Nacional de Justiça promove a prevenção ao Tráfico de Pessoas em parceria com ONGs

Secretaria Nacional de Justiça promove a prevenção ao Tráfico de Pessoas em parceria com ONGs Secretaria Nacional de Justiça promove a prevenção ao Tráfico de Pessoas em parceria com ONGs Nos últimos anos conhecemos histórias de vida de algumas mulheres acompanhadas na nossa entidade, que estiveram

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS PARA A DIVERSIDADE SEXUAL: perspectivas e efetivação em tempos de inclusão

POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS PARA A DIVERSIDADE SEXUAL: perspectivas e efetivação em tempos de inclusão POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS PARA A DIVERSIDADE SEXUAL: perspectivas e efetivação em tempos de inclusão Alexandre Martins Joca 1 Resumo: Nas últimas décadas o movimento homossexual brasileiro tem reivindicado

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL MAHATMA GANDHI ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO EQUIPE MULTIDISCIPLINAR

COLÉGIO ESTADUAL MAHATMA GANDHI ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO EQUIPE MULTIDISCIPLINAR COLÉGIO ESTADUAL MAHATMA GANDHI ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO EQUIPE MULTIDISCIPLINAR Projeto: Gênero e Diversidade Sexual: o que a escola tem a ver com isso? Guarapuava PR Junho/2013 Apresentação Nos últimos

Leia mais

AS INTERFACES ENTRE A PSICOLOGIA E A DIVERSIDADE SEXUAL: UM DESAFIO ATUAL 1

AS INTERFACES ENTRE A PSICOLOGIA E A DIVERSIDADE SEXUAL: UM DESAFIO ATUAL 1 AS INTERFACES ENTRE A PSICOLOGIA E A DIVERSIDADE SEXUAL: UM DESAFIO ATUAL 1 CHRISTO, Aline Estivalet de 2 ; MOTTA, Roberta Fin 3 1 Trabalho de Pesquisa referente ao Projeto de Trabalho Final de Graduação

Leia mais

PROJETO DE LEI CM Nº 279/2013.

PROJETO DE LEI CM Nº 279/2013. PROJETO DE LEI CM Nº 279/2013. EMENTA: Dar-se-a nova redação a Ementa, aos artigos 1º, 2º, 3º, ao inciso II, IV, VI, VII, IX, X, XI, XIV do artigo 5º, letra C e Parágrafo único do artigo 6º, letra B do

Leia mais

Objetivo 2 Ampliar e qualificar o acesso integral e universal à prevenção das DST/HIV/aids para Gays, outros HSH e Travestis.

Objetivo 2 Ampliar e qualificar o acesso integral e universal à prevenção das DST/HIV/aids para Gays, outros HSH e Travestis. Histórico 1º semestre de 2008 Elaboração do Plano Nacional de Enfrentamento da Epidemia de Aids e das DST entre gays, hsh e travestis Agos/08 Oficina Macro Sudeste para apresentação do Plano Nacional Set/08

Leia mais

marcadores sociais Várias formas de diferença e desigualdade convivem 13 SOCIOLOGIA ESPECIAL

marcadores sociais Várias formas de diferença e desigualdade convivem 13 SOCIOLOGIA ESPECIAL marcadores sociais Várias formas de diferença e desigualdade convivem na sociedade contemporânea. Ao longo de suas trajetórias de vida, os indivíduos se identificam e se diferenciam dos outros das mais

Leia mais

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1 29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS Jaqueline Gomes de Jesus* 1 Uma história única cria estereótipos, e o problema com os estereótipos não é que eles sejam mentirosos,

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

IV Reunião Equatorial de Antropologia e XIII Reunião de Antropólogos do Norte e Nordeste 04 a 07 de agosto de 2013, Fortaleza-CE

IV Reunião Equatorial de Antropologia e XIII Reunião de Antropólogos do Norte e Nordeste 04 a 07 de agosto de 2013, Fortaleza-CE IV Reunião Equatorial de Antropologia e XIII Reunião de Antropólogos do Norte e Nordeste 04 a 07 de agosto de 2013, Fortaleza-CE Grupo de Trabalho (11) Culturais Corporais, Sexualidades e Reconhecimentos:

Leia mais

Introdução - breves notas sobre o movimento LGBT em Goiás

Introdução - breves notas sobre o movimento LGBT em Goiás ÉRAMOS 9 GAYS, 20 POLICIAIS E A IMPRENSA LOCAL : NARRATIVAS (DE) MILITANTES SOBRE AS PARADAS DO ORGULHO LGBT EM GOIÁS Camilo Braz 1 Luiz Mello 2 Resumo: Neste trabalho, interpretamos algumas narrativas

Leia mais

A gente aprende, Agente ensina

A gente aprende, Agente ensina DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL GERÊNCIA DE EDUCAÇÃO E CIDADANIA DEPARTAMENTO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO RELATÓRIO 01/JANEIRO A 10 DE ABRIL/2013 100 DIAS GOVERNO PROGRAMAS PERMANENTES DE EDUCAÇÃO

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

METRÔ DE SÃO PAULO Gerência de Planejamento e Integração de Transportes Metropolitanos GPI / DM

METRÔ DE SÃO PAULO Gerência de Planejamento e Integração de Transportes Metropolitanos GPI / DM METRÔ DE SÃO PAULO Gerência de Planejamento e Integração de Transportes Metropolitanos GPI / DM Sistemas Estruturais de Transporte Alta e Média Capacidade Alberto Epifani Gerente de Planejamento e Integração

Leia mais

Carta Política. Campanha Cidades Seguras para as Mulheres

Carta Política. Campanha Cidades Seguras para as Mulheres Carta Política Campanha Cidades Seguras para as Mulheres Brasil - 2014 Nós, mulheres de diversas localidades e comunidades de Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e São Paulo, que há muito

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL PINHEIRINHO 02/04/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no

Leia mais

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras nº 342 outubro 2014 Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras Odebrecht 70 anos: projetos que contribuem para melhorar as opções de mobilidade urbana das comunidades Odebrecht Infraestrutura Brasil

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E MINORIAS ( NEGRO, MULHERES E LGBT S) EM TERESINA- PI : PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO LOCAL E DADOS COMPROBATÓRIOS.

POLÍTICAS PÚBLICAS E MINORIAS ( NEGRO, MULHERES E LGBT S) EM TERESINA- PI : PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO LOCAL E DADOS COMPROBATÓRIOS. POLÍTICAS PÚBLICAS E MINORIAS ( NEGRO, MULHERES E LGBT S) EM TERESINA- PI : PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO LOCAL E DADOS COMPROBATÓRIOS. Jahyra Kelly de Oliveira Sousa 1 ; Monique Menezes 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

Glossário do Programa Pró-equidade

Glossário do Programa Pró-equidade Glossário do Programa Pró-equidade Assédio Moral no Trabalho É a vivência de situações humilhantes e constrangedoras no ambiente de trabalho, caracterizadas por serem repetitivas e prolongadas ao longo

Leia mais

A Homofobia em conflito com a liberdade de expressão e religiosa

A Homofobia em conflito com a liberdade de expressão e religiosa A Homofobia em conflito com a liberdade de expressão e religiosa Brunna KLITZKE CARDOSO DOS SANTOS 1 Cláudio JOSÉ PALMA SANCHEZ 2 RESUMO: Este trabalho visou essencialmente, exemplificar a homofobia em

Leia mais

Mobilidade Urbana Urbana

Mobilidade Urbana Urbana Mobilidade Urbana Urbana A Home Agent realizou uma pesquisa durante os meses de outubro e novembro, com moradores da Grande São Paulo sobre suas percepções e opiniões em relação à mobilidade na cidade

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DA CIDADE DE SÃO PAULO. Observatório de Tendências São Paulo Turismo

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DA CIDADE DE SÃO PAULO. Observatório de Tendências São Paulo Turismo OBSERVATÓRIO DO TURISMO DA CIDADE DE SÃO PAULO Observatório de Tendências São Paulo Turismo Evento LGBT 2011 LGBT 2011 Cada vez mais, São Paulo vem se posicionando como um dos mais importantes centros

Leia mais

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Publicado em 28/06/2015, às 15h26 Atualizado em 28/06/2015, às 15h58 Sérgio Costa Floro* Especial para o NE10 #LoveWins tomou conta do discurso

Leia mais

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA Carlos Silva 1 Objetivo: Favorecer o desenvolvimento de ações pedagógicas em saúde a partir da inserção das questões de saúde no Projeto Político

Leia mais

Tema: Você não precisa ser LGBT para lutar contra a LGBTfobia Palestrante: Carlos Tufvesson

Tema: Você não precisa ser LGBT para lutar contra a LGBTfobia Palestrante: Carlos Tufvesson Tema: Você não precisa ser LGBT para lutar contra a LGBTfobia Palestrante: Carlos Tufvesson Legislação Constituição Federal Art. 5 Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se

Leia mais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais AS TRANSFORMAÇÕES ESPACIAIS NA ZONA OESTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA PARA COPA DO MUNDO EM 2014 E AS OLIMPÍADAS DE 2016 Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino

Leia mais

HOMOFOBIA RELIGIOSA: DESAFIOS PARA UMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

HOMOFOBIA RELIGIOSA: DESAFIOS PARA UMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA HOMOFOBIA RELIGIOSA: DESAFIOS PARA UMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Viviane Kate Pereira Ramos (Universidade Federal de Campina Grande) viviankate@gmail.com Dayanne Azevedo da Silva (Universidade Federal de Campina

Leia mais

TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado.

TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. Job 44/4 Setembro/04 Metodologia TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA: Município de São Paulo. UNIVERSO: Moradores de 6 anos ou mais de

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA FACULDADE DE PSICOLOGIA/UFAM Nº 03/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO POR CURTO PRAZO

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA FACULDADE DE PSICOLOGIA/UFAM Nº 03/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO POR CURTO PRAZO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE PSICOLOGIA Núcleo de Formação Continuada de Conselheiros dos Direitos e Conselheiros Tutelares do Estado do Amazonas Escola de Conselhos do Amazonas CHAMADA

Leia mais

MOBILIZAÇÃO COMUNITÁRIA, RESILIÊNCIA E CRIANÇAS: NARRATIVAS EM ASSENTAMENTOS URBANOS NA PERIFERIA DE NATAL - RN

MOBILIZAÇÃO COMUNITÁRIA, RESILIÊNCIA E CRIANÇAS: NARRATIVAS EM ASSENTAMENTOS URBANOS NA PERIFERIA DE NATAL - RN CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X MOBILIZAÇÃO COMUNITÁRIA, RESILIÊNCIA E CRIANÇAS: NARRATIVAS

Leia mais

Pós-graduação em Gestão das Minorias

Pós-graduação em Gestão das Minorias 1 Ascensão Acadêmica Pós-Graduação alavanca sucesso na carreira profissional Pesquisa coordenada pelo Centro de Políticas Sociais da Fundação Getúlio Vargas (FGV), em 2010, indica que as pessoas que não

Leia mais

JOVENS TRABALHADORES: EXPERIÊNCIA DO TRABALHO E CONDIÇÃO JUVENIL 1

JOVENS TRABALHADORES: EXPERIÊNCIA DO TRABALHO E CONDIÇÃO JUVENIL 1 JOVENS TRABALHADORES: EXPERIÊNCIA DO TRABALHO E CONDIÇÃO JUVENIL 1 Carolina Morais Simões de Melo Graduanda em Serviço Social UFJF Paula de Oliveira Purgato Graduanda em Serviço Social UFJF 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

REDE NACIONAL DE OPERADORES DE SEGURANÇA LGBT S. I Advento: Manifesto e Objetivos

REDE NACIONAL DE OPERADORES DE SEGURANÇA LGBT S. I Advento: Manifesto e Objetivos REDE NACIONAL DE OPERADORES DE SEGURANÇA LGBT S. Proposta por Mário de Carvalho Leony Delegado de Polícia Civil do Estado de Sergipe Membro do GT LGBT - SENASP I Advento: Manifesto e Objetivos A Rede Nacional

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

Palavras-chave: Implantação da Lei 10.639/03, Racismo, Educação.

Palavras-chave: Implantação da Lei 10.639/03, Racismo, Educação. A PRESENÇA DO NEGRO NA ESCOLA ESTRATÉGIAS DE LUTA CONTRA O RACISMO ATRAVÉS DA APLICAÇÃO DA LEI 10.639/03 NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CRATO-CE Dayze Carla Vidal da Silva (Universidade Regional do Cariri)

Leia mais

Jornal do Nuances de Porto Alegre (RS): reflexão sobre os temas e as posições políticas difundidas por um veículo da imprensa homossexual brasileira

Jornal do Nuances de Porto Alegre (RS): reflexão sobre os temas e as posições políticas difundidas por um veículo da imprensa homossexual brasileira Fazendo Florianópolis, Gênero de 8 25 - Corpo, a 28 de Violência agosto de e 2008 Poder Jornal do Nuances de Porto Alegre (RS): reflexão sobre os temas e as posições políticas difundidas por um veículo

Leia mais

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo?

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo? Gostaríamos de iniciar a resposta a este questionário com uma nota prévia relativamente às questões que nos foram colocadas: as questões da discriminação e do racismo constituem, desde o surgimento desta

Leia mais

Lancamento da Campanha Livres e Iguais no Brasil Sao Paulo, 28 de abril de 2014. Ilustríssimo Sr. Presidente.senhoras e senhores todos.

Lancamento da Campanha Livres e Iguais no Brasil Sao Paulo, 28 de abril de 2014. Ilustríssimo Sr. Presidente.senhoras e senhores todos. Palavras de Humberto Henderson, Representante Regional Adjunto para América do Sul do Escritório do Alto Comissariado das Nacoes Unidas para os Direitos Humanos, Lancamento da Campanha Livres e Iguais

Leia mais

60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos PROGRAMAÇÃO

60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos PROGRAMAÇÃO VIII Semana do Assistente Social 60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos 12 a 15 de maio de 2008 Escola de Serviço Social da PUC Minas Apoio: Núcleo de Direitos Humanos - Pró-Reitoria de Extensão

Leia mais

ABUSO ON LINE E PORNOGRAFIA INFANTIL PELA INTERNET

ABUSO ON LINE E PORNOGRAFIA INFANTIL PELA INTERNET ABUSO ON LINE E PORNOGRAFIA INFANTIL PELA INTERNET A internet está cada vez mais presente na vida de crianças e adolescentes Atualmente, milhões de usuários estão conectados à internet em todo o mundo,

Leia mais

Plano de Atividades 2012

Plano de Atividades 2012 Plano de Atividades 2012 A Direção da rede ex aequo propõe o seguinte plano de atividades para o ano de 2012, tendo em conta oito áreas de intervenção consideradas prioritárias. 1. Área de Apoio 2. Área

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

TRAFICO DE PESSOAS Subsídios para proposição de ações e políticas de segurança pública

TRAFICO DE PESSOAS Subsídios para proposição de ações e políticas de segurança pública TRAFICO DE PESSOAS Subsídios para proposição de ações e políticas de segurança pública Documento enviado ao Conselho de Segurança do Estado do Pará (Consep) Belém, outubro de 2013. Redação: Jaqueline Almeida

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES Util. Públ. Municipal:.686/1998 Util. Públ. Estadual: 14.37/010 PABX: (55) 13 3383 166 RELATÓRIO DE ATIVIDADES Exercício 014 1 Util. Públ. Municipal:.686/1998 Util. Públ. Estadual: 14.37/010 PABX: (55)

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 134 138 RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ PORTO, Adriana Vianna Costa 1

Leia mais

ESTATUTO DA DIVERSIDADE SEXUAL ANTEPROJETO

ESTATUTO DA DIVERSIDADE SEXUAL ANTEPROJETO ESTATUTO DA DIVERSIDADE SEXUAL ANTEPROJETO Institui o Estatuto da Diversidade Sexual e altera altera o art. 7º da Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro (Decreto-Lei 4.656/1942); os arts. 10,

Leia mais

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Maio, 2014 1 Índice 1. Introdução 3 2. Cenário do acesso

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N.º 115, DE 2015 (Do Sr. Alfredo Kaefer)

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N.º 115, DE 2015 (Do Sr. Alfredo Kaefer) *C0054094A* C0054094A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N.º 115, DE 2015 (Do Sr. Alfredo Kaefer) Susta a aplicação da Resolução nº 12, de 16 de Janeiro de 2015, da Secretaria de Direitos

Leia mais

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO ID:862 PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA AMPLIANDO AS AÇÕES DE PREVENÇÃO EM DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS JUNTO À POPULAÇÃO ESCOLAR: UM ESPAÇO PARA FORMAÇÃO PROFISSIONAL E PROMOÇÃO DA SAÚDE Carvalho Goretti

Leia mais

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007.

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. Aprova a Política Nacional de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos - PNPDDH, define prazo para a elaboração do Plano Nacional de Proteção aos Defensores

Leia mais

Método cem por cento garantido. Práticas de sexo seguro nas relações homoeróticas entre mulheres de segmentos médios em Porto Alegre

Método cem por cento garantido. Práticas de sexo seguro nas relações homoeróticas entre mulheres de segmentos médios em Porto Alegre Método cem por cento garantido. Práticas de sexo seguro nas relações homoeróticas entre mulheres de segmentos médios em Porto Alegre Por Nádia Elisa Meinerz Resumo: Esse artigo aborda as práticas de sexo

Leia mais

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS Programação Primeiro Dia: I Seção Discutindo Papéis 1-8h30 às 12h30 Abertura e Boas-vindas Dinâmica de Apresentação Acordos de Convivência Trabalho

Leia mais

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes 1. Introdução Fenômeno dos mais graves de nosso tempo, a exploração sexual-comercial de crianças e adolescentes não deve ser

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

MESTRADO EDITAL PPGAS 5/2014 I. PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA SOCIAL

MESTRADO EDITAL PPGAS 5/2014 I. PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA SOCIAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA SOCIAL PROCESSO SELETIVO 2014 INGRESSO 1º SEMESTRE 2015 MESTRADO EDITAL PPGAS 5/2014

Leia mais

MULTIPLICIDADE DE ESPAÇOS ORGANIZATIVOS E SEGMENTAÇÂO DAS IDENTIDADES: o movimento LGBT no contexto mato-grossense ABSTRACT

MULTIPLICIDADE DE ESPAÇOS ORGANIZATIVOS E SEGMENTAÇÂO DAS IDENTIDADES: o movimento LGBT no contexto mato-grossense ABSTRACT MULTIPLICIDADE DE ESPAÇOS ORGANIZATIVOS E SEGMENTAÇÂO DAS IDENTIDADES: o movimento LGBT no contexto mato-grossense Suzi Mayara da Costa Freire 1 Imar Domingos Queiróz 2 RESUMO O artigo analisa a trajetória

Leia mais

A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE

A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE Aluna: Sandra Regina de Souza Marcelino Orientador: Luís Corrêa Lima Introdução Este relatório tem por finalidade

Leia mais

Agenda dos Adolescentes Brasileiros 1

Agenda dos Adolescentes Brasileiros 1 DECLARAÇÃO NACIONAL DO PARLAMENTO JUVENIL DO MERCOSUL Brasília, Brasil 14-16 setembro de 2010 Grupos 1 e 2 Tema: Inclusão Educativa Agenda dos Adolescentes Brasileiros 1 Exclusão de estudantes com deficiência

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT RELATO DE EXPERIÊNCIA Introdução Marcos Serafim Duarte

Leia mais

DECRETO Nº 54.311, DE 7 DE MAIO DE 2009

DECRETO Nº 54.311, DE 7 DE MAIO DE 2009 Página 1 de 5 DECRETO Nº 54.311, DE 7 DE MAIO DE 2009 Institui a Política Estadual para o Controle do Fumo, regulamenta a Lei nº 13.541, de 7 de maio de 2009, que proíbe o consumo de produtos fumígenos,

Leia mais

Artistas de Rua. LEvantamento e Pesquisa de PErfil

Artistas de Rua. LEvantamento e Pesquisa de PErfil Artistas de Rua LEvantamento e Pesquisa de PErfil apresentação da pesquisa A São Paulo Turismo, por meio do Instituto de Pesquisa, Estudos e Capacitação em Turismo IPETURIS, realizou o estudo Levantamento

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa

Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa Fernanda Borges Monteiro, Vânia Barcellos Gouvêa Campos arqnandy@gmail.com; vania@ime.eb.br Instituto Militar de Engenharia

Leia mais

Realização, Apoio e Colaboração: Sociedade Santos Mártires JARDIM ÂNGELA

Realização, Apoio e Colaboração: Sociedade Santos Mártires JARDIM ÂNGELA TÍTULO: UNIDADE COMUNITÁRIA DE ÁLCOOL E DROGAS JARDIM ÂNGELA NOVEMBRO 2002 AUTORES: Sérgio Luís Ferreira - Psicólogo Ronaldo Laranjeira INSTITUIÇÃO:Escola Paulista de Medicina UNIFESP Área Temática: Saúde

Leia mais

Curso de Direito Atividades de aprofundamento acadêmico nº 04 2S2015

Curso de Direito Atividades de aprofundamento acadêmico nº 04 2S2015 Curso de Direito Atividades de aprofundamento acadêmico nº 04 2S2015 Professor responsável: Ricardo Lorenzi Pupin Aluno: Semestre/turma: Disciplina: Geral Tema da atividade: Arrastões nas praias do Rio

Leia mais

AÇÕES EM PROL DA VIDA - PRÁTICAS EDUCATIVAS NA PREVENÇÃO DA AIDS NO VALE DO JEQUITINHONHA Eyleen Nabyla Alvarenga 1 Roberta Barroso 2

AÇÕES EM PROL DA VIDA - PRÁTICAS EDUCATIVAS NA PREVENÇÃO DA AIDS NO VALE DO JEQUITINHONHA Eyleen Nabyla Alvarenga 1 Roberta Barroso 2 AÇÕES EM PROL DA VIDA - PRÁTICAS EDUCATIVAS NA PREVENÇÃO DA AIDS NO VALE DO JEQUITINHONHA Eyleen Nabyla Alvarenga 1 Roberta Barroso 2 INTRODUÇÃO Atualmente, as atividades educativas têm se articulado nas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 406, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 406, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 406, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 Disciplina a Especialidade Profissional Terapia Ocupacional nos Contextos Sociais e dá outras providências. O Plenário do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia

Leia mais

AÇÕES DESENVOLVIDAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO NA ÁREA DE GÊNERO E DIVERSIDADE SEXUAL/2011

AÇÕES DESENVOLVIDAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO NA ÁREA DE GÊNERO E DIVERSIDADE SEXUAL/2011 AÇÕES DESENVOLVIDAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO NA ÁREA DE GÊNERO E DIVERSIDADE SEXUAL/2011 Seminário Plano Nacional de Educação Mobilização por uma Educação sem Homofobia Novembro - 2011 Diretrizes: Plano

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Departamento de Políticas Temáticas dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

Cidade dos outros Espaços e tribos LGBT em Belo Horizonte 1. Vinícius da Silva LUIZ 2. Maria Tereza Novo DIAS 3. Bruno Souza LEAL 4

Cidade dos outros Espaços e tribos LGBT em Belo Horizonte 1. Vinícius da Silva LUIZ 2. Maria Tereza Novo DIAS 3. Bruno Souza LEAL 4 Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XIV Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste Rio de Janeiro 7 a 9 de maio de 2009 Cidade dos outros Espaços e tribos

Leia mais

Nota Oficial sobre o Projeto Escola Sem Homofobia

Nota Oficial sobre o Projeto Escola Sem Homofobia Nota Oficial sobre o Projeto Escola Sem Homofobia Diante de fatos e notícias sobre o Kit de Materiais Educativos do Projeto Escola Sem Homofobia, vimos a público informar de que se trata o material. O

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

GT 32: Sexualidade e Gênero: sociabilidade, erotismo e política. Parcerias e Tensões do Movimento LGBT em Goiás: algumas notas sócioantropológicas

GT 32: Sexualidade e Gênero: sociabilidade, erotismo e política. Parcerias e Tensões do Movimento LGBT em Goiás: algumas notas sócioantropológicas 35º Encontro Anual da Anpocs GT 32: Sexualidade e Gênero: sociabilidade, erotismo e política Coordenadores: Regina Facchini (Unicamp) e Sérgio Carrara (UERJ). Parcerias e Tensões do Movimento LGBT em Goiás:

Leia mais

A Psicologia na garantia da Diversidade Sexual 1

A Psicologia na garantia da Diversidade Sexual 1 1 A Psicologia na garantia da Diversidade Sexual 1 Por Toni Reis 2 Nesta discussão, é importante partir do pressuposto de que a diversidade sexual deve ser considerada como um direito humano. No âmbito

Leia mais

DECRETO Nº 55.839, DE 18 DE MAIO DE 2010.

DECRETO Nº 55.839, DE 18 DE MAIO DE 2010. Volume 120 Número 93 São Paulo, quarta-feira, 19 de maio de 2010 DECRETO Nº 55.839, DE 18 DE MAIO DE 2010. Institui o Plano Estadual de Enfrentamento à Homofobia e Promoção da Cidadania LGBT e dá providências

Leia mais

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado?

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Pesquisa Instituto Avon / Data Popular Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Com quem falamos? Jovens brasileiros Mulheres Homens Pesquisa online Autopreenchimento Amostra nacional de 16 a 24

Leia mais

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado?

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Pesquisa Instituto Avon / Data Popular Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Com quem falamos? Jovens brasileiros Mulheres Homens Pesquisa online Autopreenchimento Amostra nacional de 16 a 24

Leia mais

Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência

Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência (Artigo publicado no livro Violência & Juventude, editora Hucitec, 2010) Este texto pretende apresentar

Leia mais

O ENSINO DE MÚSICA EM PROJETOS DE AÇÃO SOCIAL: CATÁLOGO BIBLIOGRÁFICO COMENTADO COMO PARTE DE UMA PESQUISA DE MESTRADO

O ENSINO DE MÚSICA EM PROJETOS DE AÇÃO SOCIAL: CATÁLOGO BIBLIOGRÁFICO COMENTADO COMO PARTE DE UMA PESQUISA DE MESTRADO O ENSINO DE MÚSICA EM PROJETOS DE AÇÃO SOCIAL: CATÁLOGO BIBLIOGRÁFICO COMENTADO COMO PARTE DE UMA PESQUISA DE MESTRADO Autor: Emerson Carpegianne de Souza Martins (Universidade Federal do Rio Grande do

Leia mais