VIOLAÇÃO DE DIREITOS E MEDIDAS DE PROTEÇÃO DIRECIONADAS A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIOLAÇÃO DE DIREITOS E MEDIDAS DE PROTEÇÃO DIRECIONADAS A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE"

Transcrição

1 1 VIOLAÇÃO DE DIREITOS E MEDIDAS DE PROTEÇÃO DIRECIONADAS A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE Isabela Belon Scalet Rita de Cássia Diogo Resumo: O presente artigo tratará sobre as novas configurações familiares, a diversidade em sua composição, suas responsabilidades, condições de sobrevivência que ao se dar em situação de pobreza torna-se um caminho aberto para a exclusão de bens e serviços podendo ocorrer a fragilização de vínculos através da vulnerabilidade social e os motivos que podem levar a família a violar os direitos de crianças e adolescente. Discorreremos também a respeito das atribuições do Conselho Tutelar e as aplicações de medidas de proteção, pautados no Estatuto da Criança e do Adolescente como meio de efetivação dos direitos e prevenção do acolhimento institucional em uma integração conjunta com a rede de atendimento com o objetivo do fortalecimento dos vínculos familiares. Palavras Chaves: criança e adolescente, vulnerabilidade social, fortalecimento de vínculos, violação de direitos, medidas de proteção. INTRODUÇÃO Intencionamos ao tratar do assunto da violação de direitos e medidas de proteção a criança e o adolescente, compreender por que ela se dá dentro do âmbito familiar, quais são os motivos que proporcionam a violência, alem de discorrer sobre o fator econômico que influencia e acarreta o aumento dessa problemática através do empobrecimento das famílias podendo levar a fragilização de vínculos e a vulnerabilidade social dos seus integrantes. Visto que em nossos dias a família ganhou novas configurações, ampliada a diversidade em sua composição, mas mantendo as responsabilidades de formação, proteção, relação social e de afeto dos seus indivíduos, percebemos a grande necessidade da política social ser voltada em forma de atenção básica para as famílias em suas novas composições e necessidades, buscando dar condições destas realizarem a proteção dos seus membros, mesmo sem conseguir mudar o quadro de pobreza e exclusão que elas muitas vezes apresentam. Discente do 8 Semestre do Curso de Serviço Social Professora Orientadora

2 2 1. O EMPOBRECIMENTO DAS FAMÍLIAS ATRELADO A VIOLÊNCIA E A ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL. Segundo Fávero (2007), a situação de pobreza é um dos fatores que motivam a questão social e seus reflexos na forma de relações conflituosas que geram a violência que se estendem para dentro da família atingindo os seus membros e os que estão ao seu redor, podendo levar a situações de fragilização de vínculos das relações familiares, muitas dessas situações de pobreza a qual as famílias são submetidas, resultam na retirada ou abandono dos filhos como meio de proteção dessas crianças, entregando-os aos cuidados de outros na certeza de que desta forma estes terão todas as necessidades físicas, psicológicas, econômicas e afetivas supridas numa qualidade de vida melhor do que a sua família de origem possa lhe oferecer. Santos (2006) salienta que é de grande importância ter o entendimento ampliado de que é por meio da pobreza que se dá a ruptura de vínculos sociais, que a pobreza é um forte fator de condução a subalternidade, resulta na condição de um sentimento de humilhação, e também a ausência do indivíduo ter um suporte necessário para a superação das inúmeras perdas pessoais, sociais, familiares no decorrer da sua existência. Essa pobreza está presente em nossa sociedade tendo como resultado a vulnerabilidade social, que não está dissociada ao processo de exclusão e da desigualdade social, conforme podemos verificar na explanação de Santos (2006): Deve-se romper com a interpretação da pobreza no plano individual, de modo que se construa, coletivamente, a percepção de que as condições desumanizadas de vida a que está submetida parcela significativa da população são determinadas por processos excludentes, ou seja, pelas desigualdades sociais presentes na sociedade e, portanto, a forma de enfrentá-las ocorre no plano coletivo (p. 11). Faz-se de extrema importância essa mudança de interpretação da pobreza individual, para que se traga cada vez mais a pauta essa discussão, tendo como resultado ações de forma coletiva em seu enfrentamento, podendo ser uma das alternativas, como meio evidenciar a pobreza é trazer o assunto para o debate por aqueles que mais a vivenciam em seu cotidiano, com conhecimento das conseqüências e seus resultados na sociedade, sendo esta uma possibilidade de início de um rompimento da pobreza no plano individual e sim coletiva. 2. MOTIVOS QUE PROPICIAM A FAMÍLIA À VIOLAÇÃO DE DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES.

3 3 A desigualdade social, que resulta na pobreza, expõe as famílias e de maneira mais evidente os mais fracos, que são os filhos, a condição de vulnerabilidade, exclusão, rompimento de vínculos, falta de cuidados específicos a idade correspondente, colocando-os em risco social, levando-os a condição de vítimas de ações violentas de adultos que compõe a própria família como também podem partir dos que estão ao seu redor. Essas violências podem se dar através da violência física, psicológica e sexual que muitas vezes também são acompanhadas de circunstancias de abandono e negligência procedentes da família ou do Estado que violam os direitos da criança e do adolescentes sem conseguirem cumprir com a obrigação de protetores (FÁVERO, 2007). A criança e o adolescente são reconhecidos pelo Estatuto da Criança e do Adolescente ECA 1 e pela Constituição Federal de 1988, como pessoas com prioridades absolutas no que se referem a proteção de seus direitos fundamentais exigíveis em lei e também como um ser em desenvolvimento, sendo assim ele pode ser envolvido de maneira saudável ou não, pelo ambiente o qual ele está inserido. Esses direitos fundamentais são assegurados por Lei no ECA destinado a criança e o adolescente, são os direitos: a vida, a saúde, a educação, a cultura, ao esporte e ao lazer, a liberdade, ao respeito, a dignidade, a convivência familiar e comunitária, a profissionalização e proteção ao trabalho e para que essa proteção aconteça, sem que haja a violação desses. Quando os pais ou responsáveis pela criança e o adolescente, não correspondem no cumprimento de suas necessidades humanas isso configura-se como negligencia, como podemos ver no documento do Plano Nacional de Promoção Proteção e Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente a Convivência Familiar e Comunitária. (PNCFC) 2 : A negligência assume formas diversas, que podem compreender descasos com a saúde da criança, por exemplo, ao deixar de vaciná-la; com a sua higiene; com a sua educação, descumprindo o dever de encaminhá-la ao ensino obrigatório; com a sua supervisão, deixando-a sozinha e sujeita a riscos; com a sua alimentação; com o vestuário; dentre outras. Pode-se dizer que o abandono, deixando a criança à própria sorte, e por conseguinte, em situação de extrema vulnerabilidade, seria a forma mais grave de negligência(2006, p.36). Entende-se por negligência como a omissão, o descumprimento de uma forma de seus deveres, é a falta de atenção com os próprios atos seja ele intencional ou não, desta maneira ela se revela através de situações de violações, que resultam no desrespeito aos direitos 1 ECA Estatuto da Criança e do Adolescente, lei n 8069/90 que dispõe sobre a proteção integral da criança e do adolescente. 2 PNCFC - Este Plano prioriza a Convivência Familiar e Comunitária, trazendo um novo direcionamento a política de proteção a criança e o adolescentes e ao acolhimento institucional e a adoção das mesmas.

4 4 alcançados, a ausência de reflexão necessária dos responsáveis que estão em dever de cuidar, mas que podem colocar em risco a criança ou o adolescente que padecem através do abandono, falta de cuidado, desleixo que resultam em negligencia e violência doméstica. 3. Medidas de Proteção pautadas no Estatuto da Criança e do Adolescente e na Constituição Federal. Fávero (2007) nos apresenta um questionamento a respeito de pais e mães que desprovidos de bens materiais, educacionais, culturais e não raros permeados pela violência interpessoal, sem proporcionar um ambiente seguro, que oferte amor e proteção, entre outros e com ausência de condições socieconômicas de suprirem as necessidades básicas dos filhos, em um cotidiano de desorganização familiar, acabam por si só a propiciar a violação de direitos da criança, os colocando em situação de vulnerabilidade social ou acabam por desistirem desse filho, questão esta que para um maior entendimento recorremos a Sposati (2007): Em outras palavras, sempre que as precariedades do lugar e da situação vivida afetar pessoas, famílias ou grupos sociais produzindo sofrimento ético político, caberá uma ação da política no sentido de possibilitar que a situação seja enfrentada num campo de responsabilidade publica e coletiva, porque estar protegido significa ter forças próprias ou de terceiros, que impeçam que alguma agressão/precarização venha a ocorrer, deteriorando uma dada condição (p.42). Mas apesar da existência de uma nova legislação de proteção integral, a sociedade ainda não incorporou essa nova mentalidade, violando os direitos, sem garantir a proteção e a dignidade humana da criança e do adolescente, podendo resultar até em sentenças de destituição do poder familiar, decisão está pautada no ECA e no Código Civil, com base no que dispõe a lei em concordância de que as políticas de atendimento, ainda priorizam a institucionalização em vez de um atendimento mais amplo que englobe toda a família, seus problemas e necessidades em prol dessa superação, pautados na garantia de seus direitos. Inclui-se a eles também o direito de cidadania, de maneira específica a criança e ao adolescente, o direito a Convivência Familiar, direitos estes defendidos e assegurados como Política Pública dentro das novas propostas do Plano Nacional de Promoção Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária (PNCFC, 2006), que também objetiva romper com a cultura de institucionalização que ocorre em todos os âmbitos da nossa sociedade, enraizados em nosso país: Este Plano constitui um marco nas políticas publicas no Brasil, ao romper com a cultura da institucionalização de crianças e adolescentes e ao fortalecer o paradigma da proteção integral e da preservação dos vínculos familiares e comunitários preconizados pelo Estatuto da Criança e do Adolescente. A manutenção dos

5 5 vínculos familiares e comunitários fundamentais para a estruturação das crianças e adolescentes como sujeitos e cidadão está diretamente relacionada ao investimento nas políticas públicas de atenção à família (p.13). Apesar do ECA ser um dos mais avançados documentos de garantia e proteção dos direitos da criança e do adolescente, ele ainda nos dias atuais não ganhou amplitude na divulgação e disseminação dos seus conhecimentos em relação a sociedade e dos administradores públicos, fazendo com que seja descumprido, ao invés de ser o foco central de suas ações, efetivando como garantia os direitos da criança e do adolescente. Não podemos negar que houve um grande avanço nas políticas de proteção a criança e ao adolescente após 1988, prosseguindo os seus caminhos no início dos anos 90, através dos debates, congresso e discussões a cerca de novos instrumentos e construção de proteção, abriu-se horizontes de clarezas importantes na sociedade, trazendo outros olhares em relação a criança e o adolescente através do ECA, dando a esses, direitos antes não alcançados, ampliando o seu atendimento dentro das Varas da Infância e Juventude através dos profissionais das áreas de Serviço Social e Psicologia, fazendo com que esses profissionais realizem o seu trabalho diante das ações a serem julgadas nas Varas de Famílias, no atendimento direto a criança e o adolescente vítimas de violência familiar buscando em conjunto com a rede municipal, o melhor para a criança e suas famílias. Dentro do contexto familiar marcado pela violência, não é raro constatar que a mesma vítima que sofre de maus tratos físicos, também receba a consequência da violência psicológica, negligência ou outros tipos de abusos, sendo assim ela passa por mais de um tipo de violência ao mesmo tempo, dentro da sua família, que pela legislação, é a primeira responsável pela sua proteção, mas que por condições adversas de alguns fatores que podem influenciar na propensão de risco como uso do álcool, de substancias ilícitas, situações que envolvem a miséria ou a baixa escolarização dos pais, faz com que essa família não consiga cumprir com a sua tarefa de proteção integral dos seus, violando os direitos dos próprios filhos e em algumas vezes os colocando em situações de risco. Diante deste cenário, que no seio de muitas famílias tornaram-se freqüentes as violações, para que ocorra a proteção dessa criança ou desse adolescente, em situações de riscos ou preventivas são previstas as medidas dos Artigo. 98, 99, 100 e 101 do ECA, que correspondem medidas de proteção a serem aplicadas pelo Conselho Tutelar ou o Judiciário conforme a necessidade da intervenção, como descreve o Artigo. 101: Verificada qualquer das hipóteses previstas no art. 98, a autoridade competente poderá determinar, dentre outras, as seguintes medidas: I - encaminhamento aos pais ou responsáveis, mediante, termo de responsabilidade: II- orientação, apoio e acompanhamento temporários:

6 6 III- matrícula e freqüência obrigatórias em estabelecimento oficial de ensino fundamental; IV- inclusão em programa comunitário ou oficial de auxílio à família, à criança, e ao adolescente. V- requisição de tratamento médico, psicológico ou psiquiátrico, em regime hospitalar ou ambulatorial; VI- inclusão em programa oficial ou comunitário de auxílio, orientação e tratamento a alcoólatras e toxicômanos; VII- acolhimento institucional; VIII- inclusão em programa de acolhimento familiar; IX- colocação em família substituta. Considerando que o ECA dispõe sobre a proteção integral da criança e do adolescente, torna-se imprescindível a clareza de que é estimado pela lei como criança aquele que possui a idade de 12 anos incompletos e adolescente a pessoa entre 12 e 18 anos incompletos que podem de desfrutar de todos os direitos fundamentais próprios à pessoa humana, atribuindolhes as condições necessárias para o seu desenvolvimento humano. O ECA através da sua redação torna-se explícito que seu direcionamento de proteção integral é voltado a toda e qualquer criança e adolescente independente de sua origem, classe social, raça, cor, etnia e outros, como rege o Artigo. 5 do ECA: Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão, aos seus direitos fundamentais. É relevante ter a clareza que todas as medidas de proteção direcionada a criança e ao adolescente e estabelecidas no ECA devem ser aplicadas de maneira individual, personalizada e de acordo com a necessidade específica do usuário conforme o estudo realizado daquela situação ou família em pauta, com a possibilidade de aplicação de medidas isoladas ou de maneira cumulativas. Digiácomo, M.J., Digiácomo, I.A., (2009), trazem em suas palavras explicações de compreensão sobre a aplicação de medidas de proteção que não podem serem utilizadas arbitrariamente por aqueles que as disponibilizam, que respeitando os princípios da dignidade humana, seguem a postura de ouvintes, como forma de consulta da criança e do adolescente que tem a oportunidade de expressar a sua vontade, de receber informações acerca do conhecimento dos seus direitos, quais as intervenções e como ela se apresenta, esse processo ocorre conforme a idade de entendimento do usuário, como observamos no Artigo100, inciso XI do ECA: Obrigatoriedade da informação: a criança e o adolescente, respeitado seu estágio de desenvolvimento e capacidade de compreensão, seus pais ou responsável devem ser informados dos seus direitos, dos motivos que determinaram a intervenção e da forma como esta se processa.

7 7 Uma das condições para que ocorra a aplicação de medida de proteção é que o sujeito que a irá receber esteja classificada como criança ou adolescente, essa intervenção deve ser exclusivamente para a proteção, efetivação ou promoção dos direitos da criança ou do adolescente, é prudente que haja uma avaliação imediata em relação aos acontecimentos ocorrido para que a medida de proteção seja atualizada e coerente aos fatos acontecidos, esclarecendo os pais dos seus encargos e deveres para com os seus filhos de maneira que assumam com as suas responsabilidades familiares, objetivando com clareza a promoção do núcleo familiar e a sua integridade. A partir da efetuação da medida de proteção, seja ela através de encaminhamento, advertência verbal, orientação, esclarecimento das obrigações, intervenção de vaga escolar/creche, transporte, requisição de tratamento médico/psicológico, professor adjunto em sala de aula ou outros, o resultado tem que atingir de forma imediata a solução do problema que aflige aquela criança ou a sua família, sendo assim o atendimento tem que ser individualizado. As medidas de proteção são aplicadas quando ocorre a ameaça ou violação dos direitos da criança e do adolescente em relação a situação de vulnerabilidade social em que ele possa se encontrar perante a omissão ou ação da família, da sociedade ou do Estado. Diante dessas possibilidades, no Artigo101 as seis primeiras medidas de proteção são direcionadas à criança e a sua família de origem para que ocorra uma adequação no cotidiano familiar de maneira que este passe a proporcionar um ambiente seguro, onde não haja ocorrência de violações. O acolhimento institucional é a sétima das medidas de proteção, sendo necessária a sua aplicação se as anteriores não trouxerem os resultados esperados de mudança na condução e resolução das violações existentes no âmbito familiar. É uma medida provisória utilizada em função de dar oportunidades a família através de orientações de profissionais especializados a uma nova maneira de se interagirem com oportunidades de realizarem a proteção dos filhos sem a violação dos seus direitos. Neste sentido Digiácomo M.J., Digiácomo I.A. (2009) nos esclarece que o ECA aprofunda as conquistas de direitos em relação a criança e o adolescentes, trazendo como princípios dessa aquisição não apenas no âmbito do direito material, mas se estende a campo processual, tendo que ser acatadas todas as garantias processuais amparando a criança e o adolescente quando violados ou ameaçados os seus direitos seja por parte dos pais, responsáveis ou do próprio Estado, como sujeito de direitos a criança e o adolescente pode expressar o seu querer através da obrigatoriedade da oitiva para respaldar os interesses, o que antes não existia, a criança/adolescente não eram ouvidos, decidia -se por eles.

8 8 Diante desta nova configuração da infância, deve-se ter sempre a consideração peculiar que a criança e o adolescente são pessoas em desenvolvimento, assegurado por lei os caminhos que lhes proporcionem o pleno desenvolvimento do seu corpo, do seu equilíbrio mental, espiritual e social, num ambiente que lhe proporcione a liberdade e a dignidade. 4. ATUAÇÃO DO CONSELHO TUTELAR NA APLICAÇÃO DE MEDIDAS DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E O ADOLESCENTE EM CONJUNTO COM A REDE DE ATENDIMENTO. Criado com o ECA em 1990, o Conselho Tutelar, tem como função principal zelar pelos direitos da criança e do adolescente e agir imediatamente no atendimento aplicando as medidas cabíveis necessárias quando ocorrer qualquer tipo de ameaça ou violação dos seus direitos, dentre outras atribuições, agindo de maneira rápida, eficaz e desburocrática como nos apresenta o ECA anotado e interpretado por Digiacomo, M.J., Digiacomo, I.A., (2009): Uma das idéias básicas que inspirou a criação do Conselho Tutelar foi a desjudicialização do atendimento à criança e o adolescente, na perspectiva de assegurar maior capilaridade (quis o legislador que o Conselho Tutelar estivesse presente fisicamente em todos os municípios, o que não ocorre com o Poder Judiciário, cujas comarcas, não raro, abrangem diversos municípios), assim com maior agilidade e menos burocracia na aplicação de medidas e encaminhamentos para os programas e serviços públicos correspondentes (o que não torna dispensável o registro e a formalização de certos atos, assim como a oitiva da criança e seus pais ou responsáveis, ex vi do disposto no art. 100, par. Único, inciso XI E XII, do ECA). O membro do Conselho Tutelar não integra o Poder Judiciário nem se confunde com a figura do antigo comissário de menores (p. 258, grifos conforme original). Sendo assim o Conselho Tutelar tem como objetivo principal em sua atuação a aplicação de medidas de proteção da criança e do adolescente através de encaminhamentos aos programas e serviços públicos, instituições e organizações não governamentais entre outros. Ao ser informado de possíveis violações através de denúncias que podem ser anônimas, pessoalmente ou através do Disque 100 3, o Conselho Tutelar deve tomar providências através de encaminhamentos para que não ocorra a transgressão dos direitos, mas se caso isso já tenha acontecido é necessário agir de maneira que os direitos sejam restabelecidos. Embora o Conselho Tutelar não seja um órgão do poder judiciário, ele deve ser autônomo, de maneira a atuar com independência, não se opera isoladamente, trabalha e age em conjunto com a rede de sistema de proteção a criança e o adolescente. É prioridade para o 3 Disque 100 É um serviço de proteção à criança e o adolescente através de um canal de comunicação que colher denuncias de violação de direitos dessa população através da Secretaria dos Direitos Humanos

9 9 êxito do trabalho do Conselho Tutelar ter acesso disponível aos serviços públicos que executem como primazia os encaminhamentos por ele fornecidos e as medidas aplicadas conforme as necessidades de proteção e preservação de direitos para que estes não venham a ser ameaçados ou violados, em correspondência com a Constituição Federal de 1988 e o ECA que trata a criança e o adolescente com prioridade absoluta assegurando-os com proteção total, como nos apresenta o seu artigo 131, O Conselho Tutelar é órgão permanente e autônomo, não jurisdicional, encarregado pela sociedade de zelar pelo cumprimento dos direitos da criança e do adolescente, definido nesta lei. Este órgão atua através das medidas de proteção que podem ser realizadas por meio de requisição de serviços públicos em que envolvem a educação, a saúde, a assistência social e todos os outros serviços que forem necessárias como pedidos de certidão de nascimento ou óbito, sempre que se referir a criança ou o adolescente. Todos os procedimentos administrativos realizados pelo Conselho Tutelar evidenciam a profunda importância da tomada de sigilo em seus atendimentos, encaminhamentos e medidas protetivas, sendo que se violado esse direito pode ocorrer uma infração administrativa em relação ao autor da ação (DIGIÁCOMO, M.J., DIGIÁCOMO, I.A., 2009). Além de zelar para que sejam executados os direitos da criança e do adolescente, através do ECA, o Conselho Tutelar também deve dispensar constante atenção as necessidades de funcionamento adequado dos serviços já existentes direcionados ao atendimento da criança e do adolescente em relação a sua qualidade e a eficácia, como também implantação de novas políticas necessárias e que não existem no município, podendo contribuir através do seu potencial, para significativas mudanças de atendimento à infância e adolescência, no seu âmbito de atuação, ou seja em seu município. Como nos apresenta o Artigo 131 do ECA, anotado e interpretado por Digiácomo, M.J. e Digiácomo, I.A., (2009): Assim sendo, a interpretação do Conselho Tutelar deve ter um caráter resolutivo, de modo que as causas que se enquadram na sua esfera de atribuições sejam por ele próprio solucionadas (sem prejuízo da atuação, em regime de colaboração, de outros órgãos, programas e serviços integrantes da rede de proteção à criança e ao adolescente que todos os municípios têm o dever de implementar), não podendo o órgão servir de mero degrau para que o caso chegue ao Poder Judiciário (p.258, grifos conforme original). O exercício das atribuições legais do Conselho Tutelar são conferidas pelo ECA através dos Artigos 101 e 194, assim o seu executar não depende da autorização de nenhum outro órgão, departamento ou pessoa, por isso o que for determinado pelo Conselheiro Tutelar tem que ter caráter resolutivo em suas ações, fazendo com que se cumpram todas as medidas cabíveis para que se resolva de maneira absoluta a situação de violação de direitos a qual se

10 10 apresenta em relação a qualquer criança ou adolescente. As atribuições do Conselho Tutelar são direcionadas para o atendimento as crianças e adolescentes que se encontram em situações descritas no Artigo 98 do ECA (1990): As medidas de proteção à criança e ao adolescente são aplicáveis sempre que os direitos reconhecidos nesta Lei forem ameaçados ou violados: I. por ação ou omissão da sociedade ou do Estado; II. por falta, omissão ou abuso dos pais ou responsável; III. em razão de sua conduta. Essas medidas protetivas são aplicadas quando estiver em risco à vida, à saúde, à liberdade, à educação entre outros que são considerados como direitos fundamentais, para ser colocada em prática a aplicação destas medidas, estão diretamente ligadas ao acesso à rede prestadora de serviços do município, os encaminhamentos utilizados como ferramentas de proteção, são direcionados a saúde, educação, transporte, entre outros serviços necessários. Para que esses encaminhamentos se realizem com primazia é necessário que o Conselheiro Tutelar tenha conhecimentos específicos da área na aplicação das medidas de proteção a depender do nível de intervenção necessária e adequado às necessidades presentes. As medidas previstas no do Artigo 101 do ECA, são intervenções direcionadas a criança e o adolescente junto à sua família, inseridos em uma avaliação, na busca de conhecimento de maneira que se tenham meios de desvendar o que está ocorrendo dentro daquele grupo familiar, o porquê da situação, o que pode estar gerando circunstância de grave omissão ou abuso dos pais ou responsável, correndo o risco de ser vítima de algum tipo de violência doméstica dos adultos que descrito em lei são os que deveriam protegê-los, porém isto ainda pode ocorrer em nossos dias, por que é de conhecimento da sociedade que através da história da infância a criança desde os primórdios sempre foi vítima da violência, velada e aceita pela sua comunidade, em um acordo comum, onde existe uma autorização social para educar a qualquer custo, mesmo que isso dependa de beliscões, palmadas, puxões de orelha entre outros, para isso nos reportemos a Souza e Campos que muito bem conceituou que a criança e o adolescente são os sujeitos mais fracos e vulneráveis a situações impostas pelos adultos, que com o poder de domínio e autoridade realizam atos de opressão, sem oportunidade de expressão por parte dos vitimizados, revertendo em um ciclo de violência social, conforme citado por Souza e Campos (2012): Assim, se temos uma sociedade violenta, temos uma família violenta, na qual são reproduzidas contra os mais fracos as mesmas agressões sofridas no mundo externo, em um processo de troca, na qual a violência nos lares é influenciada pela violência no mundo externo e vice-versa (p.145, grifos conforme original). Essa violência familiar, muitas vezes se origina dos problemas conjugais que se aprofundam nas situações de conflitos resultando no processo de separação do casal, que com

11 11 reciprocidade absorvem sentimentos de mágoa e vingança, que acabam por atingir de maneira perversa a prole. Conforme as diretrizes e em concordância com PNCFC, que reorienta a prática da convivência familiar e comunitária, o ECA estabelece em seu artigo 92 que as instituições de acolhimento se abasteçam de recursos que agreguem o restabelecimento dos vínculos afetivos e a sua reinserção, através de ações junto à família de origem, para que o afastamento da criança em relação aos seus, seja o mais breve possível, tornando viável o seu retorno em segurança, de modo que sejam afastadas todas as possibilidades de um ambiente residencial de violações e vulnerabilidade em relação a criança. Se após a realização do trabalho junto a família não haver a possibilidade da reinserção da criança, deve-se partir para outras opções, na qual inicia-se o processo de encaminhamento a família substituta (FÁVERO, 2007). O PNCFC tem como prioridade a preservação dos vínculos familiares, através de atuações de prevenção da quebra dos laços, buscando elevar a qualidade das instituições de acolhimento e principalmente dar suporte necessário à família de origem para que a criança possa retornar de maneira diferente, com segurança e superação dos problemas do passado, sem que haja mais o prejuízo físico, moral ou psicológico, aos seus membros de maneira geral, tornando viável o seu retorno em segurança, Conforme o ECA, Artigo 19: Toda criança ou adolescente tem direito a ser criado e educado no seio da sua família e excepcionalmente, em família substituta, assegurada a convivência familiar e comunitária, em ambiente livre da presença de pessoas dependentes de substâncias entorpecentes. Este parágrafo nos remete a um dos direitos fundamentais e prioritário garantido pelo ECA em relação a criança e o adolescente para assegurar a permanência em sua família de origem com resguardo na manutenção do fortalecimento dos seus vínculos, mas se isso não for possível de se estabelecer, então mantêm-se a preservação do seu direito direcionando a convivência familiar e comunitária através da sua inserção em família substituta. Digiácomo, M.J., Digiácomo I.A., (2009) referem que foi através da inauguração do ECA como uma das mais avançadas legislações nessa área, que foram trazidas profundas mudanças nos esclarecimentos junto as famílias na maneira de educar, corrigir e orientar os filhos, dando enfoque a garantia de direitos, essa abertura de novos fazeres trouxe em pauta a necessidade de projetar com maior amplitude um Sistema de Garantia de Direitos da Criança e do Adolescente (SGDCA) 4, sendo assim na área da proteção aos direitos da criança e do 4 Sistema de Garantia do Direitos da Criança e do Adolescente-após a Constituição Federal de 1988 e do ECA 1990, deu-se início a uma diferente maneira de proteção a criança e o adolescente no país, envolvendo a todos em uma responsabilidade conjunta em rede dentro da sua localidade para garantia dos seus direitos.

12 12 adolescente a Constituição Federal de 1988 define em seu artigo 227, assumindo a corresponsabilidade protetiva: É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão (1988). Através da Constituição Federal de 1988, a família adquire força, tornando-se o centro das políticas públicas, recebe atenção especial, sendo a primeira a ter que cumprir com o dever e a responsabilidade de zelar pelos direitos e proteção dos seus, denominada como a base da sociedade, toda a intervenção tem que ser feita dentro deste núcleo e preferencialmente com o seu auxílio, embora ela também, não raro precise de orientação, apoio e cuidados os quais cabem ao Estado fornecer esse respaldo quando necessário, para o seu fortalecimento artigo101 inciso IV do ECA: inclusão em programa comunitário ou oficial de auxílio a família, à criança e ao adolescente. Mais uma vez fica esclarecido que a aplicação de medidas de proteção decorre no sentido da plena efetivação dos direitos que são descritos também na Constituição Federal de Dentre eles está o SGDCA, que realiza uma ação de assistência em conjunto que só consegue colocar em ação a proteção integral através do trabalho em rede que envolve a comunidade local, direcionando cada órgão a sua responsabilidade de serviço em prol de um objetivo comum, desta forma cabe a todos, a família, a sociedade e ao Estado, o dever de cuidar dos direitos da criança e do adolescente, num enfrentamento conjunto a todas as formas de violência. O Artigo 86 do ECA determina que a política de atendimento dos direitos da criança e do adolescente far-se-à através de um conjunto articulado de ações governamentais e não governamentais, da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, neste sentido é necessário que ocorra a articulação dos serviços e dos saberes com programa de atendimento específicos a criança e o adolescente em uma ação conjunta para a formação dessa rede de proteção. Essa rede do SGDCA forma-se a partir de uma organização municipal tripartite do sistema de proteção integral composta pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) 5, em âmbito nacional, estadual e municipal que define essa política no município e cuida pela adequada aplicação de recursos, da Assistência Social, no cumprimento dos programas de proteção e o Conselho Tutelar que tem por objetivo zelar e 5 CMDCA- Lei de 29/11/1990 tem como função a formulação e o controle de políticas públicas, programas e projetos de entidades cadastradas neste conselho para que sejam voltada para a criança e o adolescente em observação de estarem em concordância com o ECA.

13 13 garantir o cumprimento dos direcionamentos dos direitos da criança e do adolescente. Tendo em vista os meios que viabilizem essa garantia através do direito do acesso de serviços a todo cidadão. 5. A IMPORTÂNCIA DA ARTICULAÇÃO E FUNCIONAMENTO DA REDE APÓS A APLICAÇÃO DE MEDIDAS DE PROTEÇÃO. Santos (2006) discorre que para que se tenha uma ação associada, conexa e preparada dos profissionais que atuam no SGDCA é necessário que se realize a integração da rede de atendimento, dentro de um acordo no sentido de criar estratégias estabelecendo o fazer de cada órgão, instituição, profissional em uma integração conjunta de elementos interligados no conhecimento do conjunto, de modo a formar um todo organizado, para que ocorra o fortalecimento de vínculos nas famílias sendo necessário que se tenha como subsídio a ampliação dos recursos que proporcionam segurança social, fornecendo a elas a oportunidade de inserção em espaços públicos como suporte de efetivação de seus direitos e proteção, sendo este o lugar que é direcionado aos debates sobre as questões relacionadas a essa pobreza e exclusão, que também proporcionam a defesa e garantia de conquistas alcançadas na sociedade, podemos confirmar isso com Santos (2006) que nos mostra: Emerge, nesse sentido, a necessidade de coletivizar cada vez mais as ações, criando campos de discussão, para que num processo contínuo as famílias se apropriem de uma das mais importantes formas de inserção, que é a sua inscrição no espaço efetivamente publico, para que as questões relativas à pobreza e à exclusão sejam debatidas e defendidas também por aqueles que a vivenciam cotidianamente (p11). Os espaços públicos existentes ofertam à prática de trabalho destinado a realização de proteção básica, a famílias ou indivíduos, conforme a Norma Operacional Básica (NOB/SUAS) 6 asseguram através de serviços realizados em rede, oportunidades de restabelecimento de elos e o fortalecimento de vínculos necessários a esses indivíduos para realizar de maneira satisfatória o convívio dentro da sociedade. Esses serviços devem ser ofertados diretamente nos Centros de Referência da Assistência Social (CRAS) 7 e o Centro de Referência Especializado da Assistência Social (CREAS) 8. 6 A NOBSUAS-Resolução nº 204 de 04/12/1997, unifica e organiza como devem ser os princípios das ações dos serviços, programas, projetos e benefícios direcionados a Política de Assistência Social em nosso país. 7 CRAS- Espaço público onde se materializam os direitos de cidadãos e de suas famílias dentro do seu território, que é instalado nas áreas de maior vulnerabilidade social. 8 CREAS- Local público onde se realizam serviços especializados focados a família e a indivíduos quando se encontram em situação de ameaça ou violação de direitos.

14 14 Destacam-se nesses trabalhos realizados ações como reuniões sócio-educativas, tendo como foco principal dar liberdade ao usuário de acesso a informações e conhecimentos através de profissionais e assuntos de diferentes contextos que ofertarão a possibilidade a um desenvolvimento em sua vida pessoal e comunitária, dando a oportunidade de realizarem questionamentos em relação a esses novos conhecimentos, trazendo novo fôlego e sentido a sua vida. SANTOS (2006) traz a pauta, que por muito tempo a sociedade deixou de lado as necessidades dessa população, sem ter olhos para elas, tratando-as como inexistentes, por isso à importância das ações sócio-educativas 9 como resgate de uma proposta atuante, como programa social, que aponta para diferentes oportunidades de desenvolvimento e valorização da pessoa como sujeito tendo a garantia dos seus direitos, onde haja a validação da vivência de uma vida digna na sociedade, se reconhecendo enquanto sujeito de direitos e deveres e que busquem coletivamente estratégias para efetivá-los. Neste contexto, salientamos a importância das ações sócio-educativas, que podem atuar como meio de proteção a criança e o adolescente e também respondem a necessidade de todo sujeito ter acesso a novos conhecimentos a fim de adquiri-los para que se possa ter o mínimo de poder de alternativas em sua própria vida e as dos seus. Como discorre Fávero (2007): Qual a sua liberdade de escolha se, na maioria das vezes, desconhece seus direitos, não tem o domínio de saber jurídico e a argumentação necessária para fazer valer esses direitos, bem como nem sempre tem possibilidades de acesso a profissionais que possam defendê-los? (p.167). Assim através dessas ações sócio-educativas o sujeito pode ter a liberdade do conhecimento e da afirmação dos seus direitos de cidadania, por meio da clareza de valores éticos, políticos através da participação, com isso passa a ter a oportunidade da preservação e fortalecimento de vínculos, trazendo resultados atrelados a medidas de proteção a criança, ao adolescente no apoio a família de maneira global, no enfrentamento das vulnerabilidades que podem advir da situação de pobreza, de certa fase da vida, de algum tipo de limitação ou outros. Para reverter esse quadro é necessário que haja o empenho do Estado em investimentos de programas específicos voltados a essas famílias, através de uma política social de qualidade para que ocorram retornos na erradicação dos problemas causados pelos reflexos a questão social, como a miséria e a desigualdade social, em uma justa distribuição de renda em nosso país, que pode ser claramente explicado por Carvalho (1995): 9 ACÕES SOCIO-EDUCATIVAS -destinam se a possibilitar o cidadão reconhecer e desenvolver potencialidades através de informações em relação a sociedade em que vive.

15 15 A priorização da família na agenda da política social envolve uma pauta concreta: programas de geração de emprego e renda: complementação de renda familiar: rede de serviços comunitários de apoio psico-social cultural e atendimento a pequenas demandas de justiça (p.16). De acordo com o exposto, compreendemos que estas são ações necessárias devendo ser realizadas em conjunto com a rede de atendimento, de maneira menos fragmentada ou setorializada para que possam atingir resultados eficazes, tendo como intencionalidade conduzir este grupo de pessoas em situação de vulnerabilidade social para a proteção e promoção familiar. CONSIDERAÇÕES FINAIS Este artigo tem como objetivo contribuir com o debate sobre as novas configurações familiares em decorrência das inúmeras transformações que ocorrem na sociedade e com elas surgem também a necessidade de novas políticas públicas direcionadas a proteção da família para que aja o fortalecimento dos vínculos. No âmbito do serviço social percebemos a importância da atuação do assistente social frente aos desafios de se realizar um trabalho junto a essas famílias, diante das suas relações com o Estado, a sociedade, o mercado e a própria esfera familiar, onde os seus membros são sujeitos de direitos e podendo ocorrer a atuação do profissional de serviço social numa perspectiva de garantia e ampliação de direitos. Diante do que foi apontado percebemos a importância da atuação do Conselho Tutelar, pautado no ECA, através da aplicação de medidas de proteção, como meio de prevenção da preservação dos direitos da criança e do adolescente, frente as orientações, encaminhamentos, aconselhamento familiar, orientação, esclarecimento das obrigações, vaga escolar e outros em prol do não acolhimento institucional. Para reverter esse quadro é necessário que haja o empenho do Estado em investimentos de programas específicos voltados a essas famílias, através de uma política social de qualidade para que ocorram retornos na erradicação dos problemas causados pelos reflexos a questão social, como a miséria e a desigualdade social, em uma justa distribuição de renda em nosso país, compreendemos que estas são ações necessárias devendo ser realizadas em conjunto com a rede de atendimento a estas famílias em situação de vulnerabilidade social para a proteção e promoção familiar, sendo necessário objetivar um projeto de política de âmbito nacional. REFERÊNCIAS:

16 16 BRASIL, Estatuto da Criança e do Adolescente: Lei Federal nº 8069, de 13 de julho de BRASIL, Presidência da República. Constituição Federal. Brasília: BRASIL, Presidência da República, Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome. Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes a Convivência Familiar e Comunitária, Brasil, CARVALHO, Maria do Carmo Brant (Org). A Família Contemporânea em Debate. São Paulo: Educ, DIGIACOMO, Murilo José. DIGIACOMO, Ildemara de Amorim. ECA: Estatuto da Criança e do Adolescente Anotado e Interpretado. 2 ed. São Paulo, FTD, FÁVERO, Eunice Terezinha. Questão Social e Perda do Poder Familiar. São Paulo: Veras, SANTOS, Adriana Aparecida dos. Et AL; Trabalho com famílias vulnerabilizadas. 1ª Ed. Londrina: Grafica Editorial Midia, SOUZA, Ana Paula Hachich; Campos, Ruth Baracat Furquim. A Violencia Psicológica Mascarada nas Disputas de Vara de Infância e Sucessões. In: Bernardi, Dayse Cesar Franco (Org). Infância, Juventude e Família na Justiça. Campinas: Papel Social, FONTE: 0final.pdf acessado dia 09/07/2014 as 16: _concepcao_convivencia_vf.pdf acessado dia 19/09/2014 as 10:13

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

Art. 99. As medidas previstas neste Capítulo poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente, bem como substituídas a qualquer tempo.

Art. 99. As medidas previstas neste Capítulo poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente, bem como substituídas a qualquer tempo. Conforme o Estatuto da Criança e do Adolesecente Art. 98. As medidas de proteção à criança e ao adolescente são aplicáveis sempre que os direitos reconhecidos nesta Lei forem ameaçados ou violados: I -

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO. VIII Processo de Escolha dos Membros dos Conselhos Tutelares de Belo Horizonte/MG

CURSO PREPARATÓRIO. VIII Processo de Escolha dos Membros dos Conselhos Tutelares de Belo Horizonte/MG CURSO PREPARATÓRIO VIII Processo de Escolha dos Membros dos Conselhos 2015 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE ECA Fernanda Flaviana de Souza Martins Assistente Social, Doutora Psicologia pela PUCMinas,

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS Deliberação da IV Conferência Nacional; Garantia de acesso aos direitos socioassistenciais; Modelo democrático e descentralizado

Leia mais

A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES

A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES FERREIRA, M.F.J.A. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo TJSP - BRASIL A perspectiva deste trabalho consiste em

Leia mais

O COTIDIANO DAS VARAS DA INFÂNCIA. Maria Isabel Strong Assistente Social Judiciário

O COTIDIANO DAS VARAS DA INFÂNCIA. Maria Isabel Strong Assistente Social Judiciário PROTEÇÃO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE O COTIDIANO DAS VARAS DA INFÂNCIA E JUVENTUDE Maria Isabel Strong Assistente Social Judiciário Medidas Protetivas Lei 12.010 de 03/08/2009 Lei Nacional de Adoção Altera

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Departamento de Políticas Temáticas dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

Violação dos Direitos da Criança e do Adolescente

Violação dos Direitos da Criança e do Adolescente Vara da Infância e da Juventude do Distrito Federal Violação dos Direitos da Criança e do Adolescente Conceito Onde denunciar Procedimentos Renato Rodovalho Scussel Juiz de Direito Simone Costa Resende

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL SUBSECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SUBDH Diretoria de Interiorização, Promoção e Educação em Direitos

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL SUBSECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SUBDH Diretoria de Interiorização, Promoção e Educação em Direitos SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL SUBSECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SUBDH Diretoria de Interiorização, Promoção e Educação em Direitos Humanos O CONSELHO TUTELAR A FÁBULA-MITO DO CUIDADO (

Leia mais

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO a Área da Assistência Social PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO Assistência Social na PNAS Situada como proteção social não contributiva;

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

Ações Socioeducativas

Ações Socioeducativas AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social Ações Socioeducativas Garantia dos direitos Inclusão social Desenvolvimento do protagonismo Desenvolvimento da autonomia individual

Leia mais

AULA 05 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 05

AULA 05 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 05 AULA 05 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 05 DO DIREITO À EDUCAÇÃO, À CULTURA, AO ESPORTE E AO LAZER

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR Mantendo um abrigo legal O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR Segundo o art. 19, da Lei n. 8069/90, do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA): Toda criança ou adolescente tem direito a ser criado e educado

Leia mais

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa)

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa) Projeto de Decreto Dispõe sobre as atribuições e competência do Programa de Execução de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto, atendendo à Resolução do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente,

Leia mais

Palavras-chave: adolescente, risco pessoal, prática profissional

Palavras-chave: adolescente, risco pessoal, prática profissional PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL E ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL NA CASA SANTA LUIZA DE MARILLAC. SOMER, Diana Galone (estagio I), e-mail: dianassomer@gmail.com BOMFATI, Adriana (supervisor), e-mail:

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social

Secretaria Nacional de Assistência Social POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS Secretaria Nacional de Assistência Social MARCOS NORMATIVOS E REGULATÓRIOS Constituição Federal 1988 LOAS 1993 PNAS 2004

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DO CONSELHO TUTELAR (ARTIGOS. 95 E 136 DO ECA) Ouvir queixas e reclamações sobre situações de crianças (pessoa até doze anos

ATRIBUIÇÕES DO CONSELHO TUTELAR (ARTIGOS. 95 E 136 DO ECA) Ouvir queixas e reclamações sobre situações de crianças (pessoa até doze anos ATRIBUIÇÕES DO CONSELHO TUTELAR (ARTIGOS. 95 E 136 DO ECA) 1ª Atribuição: Atender crianças e adolescentes... Ouvir queixas e reclamações sobre situações de crianças (pessoa até doze anos incompletos) e

Leia mais

VII JORNADA DE ESTAGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DO MUNICIPIO DE CARAMBEÍ PR.

VII JORNADA DE ESTAGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DO MUNICIPIO DE CARAMBEÍ PR. VII JORNADA DE ESTAGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DO MUNICIPIO DE CARAMBEÍ PR. Resumo: CARNEIRO, Alana Caroline 1. SIVEIRA, Adriane 2. SOUZA,

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei: LEI N.º 1135/13, DE 01 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Queimados e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO

Leia mais

Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012

Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012 Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012 JANDIRA FEGHALI (Deputada Federal/Brasil) Temas: Trabalhando com autoridades e parlamentares

Leia mais

CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES

CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES Conselho Tutelar Órgão permanente e autônomo, não jurisdicional, encarregado pela sociedade de zelar pelo cumprimento dos direitos da criança e do adolescente,

Leia mais

As atribuições do Conselho Tutelar

As atribuições do Conselho Tutelar As atribuições do Conselho Tutelar Marcia Ferreira Amendola* O Conselho Tutelar (CT) é um órgão permanente e autônomo, não jurisdicional, encarregado pela sociedade de zelar pelo cumprimento dos direitos

Leia mais

8. SUAS: Desafio histórico de construção da Rede de Proteção Social para famílias em situação de vulnerabilidade, risco pessoal e social.

8. SUAS: Desafio histórico de construção da Rede de Proteção Social para famílias em situação de vulnerabilidade, risco pessoal e social. C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A B R I G A D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O 433 8. SUAS: Desafio histórico de construção da Rede de Proteção Social para famílias

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

A atuação de políticas públicas no contexto familiar de crianças e adolescentes em situação de rua: uma violência compartilhada? 1

A atuação de políticas públicas no contexto familiar de crianças e adolescentes em situação de rua: uma violência compartilhada? 1 A atuação de políticas públicas no contexto familiar de crianças e adolescentes em situação de rua: uma violência compartilhada? 1 Porque a vida, a vida, a vida, a vida só é possível reinventada. (Cecília

Leia mais

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios:

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios: LEI Nº 1720/2012 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS (Sistema Único de Assistência Social). Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná

Leia mais

DIREITOS DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO. doutrina e legislação. Del Rey. Belo Horizonte, 2006

DIREITOS DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO. doutrina e legislação. Del Rey. Belo Horizonte, 2006 CARLOS CABRAL CABRERA Membro do Ministério Público do Estado de São Paulo. Professor de Direito Constitucional da Faculdade de Direito da Universidade Paulista UNIP. ROBERTO MENDES DE FREITAS JUNIOR Membro

Leia mais

Das diretrizes gerais

Das diretrizes gerais PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Anderson Ferreira) Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Estatuto da Família e dispõe

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 Disciplina a Política Municipal de Enfrentamento à Violência Sexual e dá outras providências. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas Gerais, por seus representantes

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS.

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. DESCRIÇÃO GERAL: Serviço realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

A BUSCA PELA BREVE E EXCEPCIONAL PERMANÊNCIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM INSTITUIÇÕES

A BUSCA PELA BREVE E EXCEPCIONAL PERMANÊNCIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM INSTITUIÇÕES A BUSCA PELA BREVE E EXCEPCIONAL PERMANÊNCIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM INSTITUIÇÕES Idenilse Maria Moreira 1 RESUMO O estudo foca o papel da rede de proteção à infância e juventude frente ao direito

Leia mais

como Política Pública de Estado

como Política Pública de Estado como Política Pública de Estado Brasil 27 estados 5.565 municipios 190 milhoes ha 60 milhoes de 0 a 18 anos. Constituicao Federal de 1988 Art. 227. É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS Programação Primeiro Dia: I Seção Discutindo Papéis 1-8h30 às 12h30 Abertura e Boas-vindas Dinâmica de Apresentação Acordos de Convivência Trabalho

Leia mais

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social O PETI e o Trabalho em Rede Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social Articulação da rede de serviços socioassistenciais Proteção

Leia mais

CARTA DE CONSTITUIÇÃO DE ESTRATÉGIAS EM DEFESA DA PROTEÇÃO INTEGRAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

CARTA DE CONSTITUIÇÃO DE ESTRATÉGIAS EM DEFESA DA PROTEÇÃO INTEGRAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CARTA DE CONSTITUIÇÃO DE ESTRATÉGIAS EM DEFESA DA PROTEÇÃO INTEGRAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE O CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, na pessoa de seu Excelentíssimo Senhor Presidente, Ministro

Leia mais

MEDIDAS PROTETIVAS E MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS

MEDIDAS PROTETIVAS E MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS MEDIDAS PROTETIVAS E MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS Ato Infracional: é tudo o que para um adulto seria crime ou contravenção penal. Se praticado por criança, serão aplicadas as medidas protetivas. Se for cometido

Leia mais

UMA VAGA PARA TODOS PROJETO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Rio de Janeiro, março de 2015

UMA VAGA PARA TODOS PROJETO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Rio de Janeiro, março de 2015 UMA VAGA PARA TODOS PROJETO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Rio de Janeiro, março de 2015 RESUMO Este projeto visa a atender crianças e adolescentes em situação de rua, abandonados ou que necessitam ser

Leia mais

PROJETO Construção da sede do Conselho Tutelar de Cachoeira Alta Proponente: Prefeitura Municipal de Cachoeira de Alta Fevereiro 2015

PROJETO Construção da sede do Conselho Tutelar de Cachoeira Alta Proponente: Prefeitura Municipal de Cachoeira de Alta Fevereiro 2015 PROJETO Construção da sede do Conselho Tutelar de Cachoeira Alta Proponente: Prefeitura Municipal de Cachoeira de Alta Fevereiro 2015 Página 1 de 11 SUMÁRIO 1. Resumo do projeto... 3 2. Em que realidade

Leia mais

Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. D E C R E T A:

Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. D E C R E T A: DECRETO N 1.289, DE 28 DE AGOSTO DE 2014. Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE DOURADOS, Estado de Mato Grosso do Sul, no uso das atribuições

Leia mais

NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES

NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES Prezada, NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES Florianópolis, 18 de abril de 2012. Interessados: Secretarias

Leia mais

Projeto de Lei Municipal dispondo sobre programa de guarda subsidiada

Projeto de Lei Municipal dispondo sobre programa de guarda subsidiada Projeto de Lei Municipal dispondo sobre programa de guarda subsidiada LEI Nº..., DE... DE... DE... 1. Dispõe sobre Programa de Guarda Subsidiada para Crianças e Adolescentes em situação de risco social

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA Comitê Intersetorial Direito à Convivência Familiar e Comunitária Porto Alegre, 9 de outubro de 2012 DIRETRIZES Fundamentação Plano Nacional Efetivação

Leia mais

FAMÍLIAS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO

FAMÍLIAS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO 171 FAMÍLIAS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO Denise Jesuína Faria (UNESP Franca) 1 Neide Aparecida de Souza Lehfeld (UNESP Franca) 2 Vanessa de Oliveira

Leia mais

Juntos somos mais fortes!

Juntos somos mais fortes! Juntos somos mais fortes! Zacharias Jabur Prefeito Municipal Solange Camargo Souza de Oliveira Prado Secretária do Bem Estar Social Caroline Bianchi Dias do Carmo Coordenadora da Casa São Rafael Efren

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

ESPECIAL O LUGAR DO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO NO SUAS

ESPECIAL O LUGAR DO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO NO SUAS PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL O LUGAR DO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO NO SUAS Departamento de Proteção Social Especial Secretaria Nacional de Assistência Social Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à

Leia mais

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08 Por Leonardo Rodrigues Rezende 1 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária Os casos encaminhados à modalidade

Leia mais

ENCAMINHAMENTO DOS REDE DE PROTEÇÃO DA IJ

ENCAMINHAMENTO DOS REDE DE PROTEÇÃO DA IJ DIRETRIZES PARA O ENCAMINHAMENTO DOS CASOS DENTRO DA REDE DE PROTEÇÃO DA IJ MOSSORÓ, RN 18 DE SETEMBRO DE 2012 Diretrizes Reunião de caráter técnico, profissional. As críticas, portanto, são para o crescimento.

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

PROJETO DE LEI. Parágrafo único. Para os efeitos desta Lei, considera-se:

PROJETO DE LEI. Parágrafo único. Para os efeitos desta Lei, considera-se: PROJETO DE LEI Altera a Lei n o 8.069, de 13 de julho de 1990, que dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente, para estabelecer o direito da criança e do adolescente de serem educados e cuidados

Leia mais

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE Carta Aberta aos candidatos e candidatas às Prefeituras e Câmaras Municipais: Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos,

Leia mais

Caderno de Prova Serviço Social

Caderno de Prova Serviço Social Caderno de Prova Serviço Social 1- Nas décadas de 60/70 iniciaram-se a ampliação da rede de serviços sociais como também a demanda do trabalho do Assistente Social. Nesse contexto, a intervenção do Serviço

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 1 DE 2010 CMDCA E COMAS SP

RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 1 DE 2010 CMDCA E COMAS SP RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 1 DE 2010 CMDCA E COMAS SP Regulamenta e Normatiza os Programas de Acolhimento Institucional e Familiar no Município de São Paulo visando atingir a adequação destes serviços aos princípios,

Leia mais

Concurso Público para Conselho Tutelar

Concurso Público para Conselho Tutelar Prefeitura Municpal de Teresópolis Conselheiro Tutelar Caderno: 1 Aplicação: Tarde Concurso Público para Conselho Tutelar LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1. A duração da prova é de 4 horas, já incluído

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

PROCESSO DE ESCOLHA DOS NOVOS MEMBROS DO CONSELHO TUTELAR PALMEIRA/SC

PROCESSO DE ESCOLHA DOS NOVOS MEMBROS DO CONSELHO TUTELAR PALMEIRA/SC PROCESSO DE ESCOLHA DOS NOVOS MEMBROS DO CONSELHO TUTELAR PALMEIRA/SC 26/07/2015 Nome do Candidato: CADERNO DE PROVA INSTRUÇÕES GERAIS: Caro (a) Candidato (a): Leia com o máximo de atenção e siga as seguintes

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

TRABALHO INFANTIL. Fabiana Barcellos Gomes

TRABALHO INFANTIL. Fabiana Barcellos Gomes TRABALHO INFANTIL Fabiana Barcellos Gomes Advogada, Pós graduada em Direito e Processo Penal com ênfase em Segurança Pública, Direito do Trabalho e Pós graduanda em Direito de Família e Sucessões O que

Leia mais

Cartilha da CRianca e do adolescente

Cartilha da CRianca e do adolescente Cartilha da CRianca e do adolescente Mais um dia vivido pela familia Brasilino Oi, pessoal, cheguei! Oi, filho, tudo bem? Hum... que cheiro bom! Tô morrendo de fome! Vou lá dentro lavar as mãos, guardar

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2012

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Alfredo Kaefer) Autoriza o Poder Público a realizar a internação compulsória, para tratamento médico especializado, de crianças, adolescentes e adultos apreendidos em

Leia mais

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS Nota Técnica Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01 Curitiba, PR. Junho de 2014 Coordenação da Gestão do SUAS Conceitos da Vigilância Socioassistencial Finalidade: Considerando a importância da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 71 DE 15 DE JUNHO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº 71 DE 15 DE JUNHO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº 71 DE 15 DE JUNHO DE 2011. Dispõe sobre a atuação dos membros do Ministério Público na defesa do direito fundamental à convivência familiar e comunitária de crianças e adolescentes em acolhimento

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS Rua Dias Adorno, 367, 6 andar, Bairro Santo Agostinho, CAPITAL CEP: 30 190 100 Telefax: 31 3330 8394 e-mail: caodh@mp.mg.gov.br

Leia mais

ACOLHIMENTO FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA AO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL.

ACOLHIMENTO FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA AO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. ACOLHIMENTO FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA AO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Sergio Luiz Kreuz Mestre em Direito das Relações Sociais (UFPR), Juiz de Direito da Vara da Infância e da Juventude de Cascavel PR e

Leia mais

1.4 Objeto e Metodologia

1.4 Objeto e Metodologia 1.4 Objeto e Metodologia O objeto a pesquisa cujos dados serão apresentados foi definido juntamente com a SAS- Secretaria de Assistência Social de Presidente Prudente em especial com a equipe do CREAS

Leia mais

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A Assistência Social como política de proteção social configura uma nova situação para o Brasil: garantir proteção a todos, que

Leia mais

do Idoso Portaria 104/2011

do Idoso Portaria 104/2011 DEVER DE NOTIFICAR- do Idoso Portaria 104/2011 Lei 6.259/75l Lei 10.778/03, ECA, Estatuto n Médicos n Enfermeiros n Odontólogos n Biólogos n Biomédicos n Farmacêuticos n Responsáveis por organizações e

Leia mais

PISO DE ALTA COMPLEXIDAD E I CRITÉRIOS DE PACTUAÇÃO

PISO DE ALTA COMPLEXIDAD E I CRITÉRIOS DE PACTUAÇÃO Reordenamento e implantação dos serviços de acolhimento para crianças e adolescentes PISO DE ALTA COMPLEXIDAD E I CRITÉRIOS DE PACTUAÇÃO História dos abrigos no Brasil Cultura de institucionalização: está

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Serviços técnicos do Serviço Social na área da família e infância nos processos do Fórum de União da Vitória O Serviço

Leia mais

Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária

Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária Manaus/AM 29 de Abril de 2014 Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor.

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. MANUAL DO VOLUNTÁRIO Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. Apresentação No decorrer do ano de 2010, muitas mudanças estruturais ocorreram na Casa do Bom Menino. Podemos colher alguns frutos positivos

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Irma Martins Moroni da Silveira FALAR DA CONTEMPORANEIDADE É REFLETIR SOBRE O TEMPO PRESENTE Falar do hoje da Assistência Social; Como

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social Padrão Normativo da Rede de Proteção Social Básica Programa de Inclusão Produtiva de 3º Fase Auxílio Produção Administração: Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social: Darlene

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO FIRMADO PERANTE O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ PELOS CANDIDATOS A PREFEITOS MUNICIPAIS DE BELÉM, NAS ELEIÇÕES 2012.

TERMO DE COMPROMISSO FIRMADO PERANTE O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ PELOS CANDIDATOS A PREFEITOS MUNICIPAIS DE BELÉM, NAS ELEIÇÕES 2012. TERMO DE COMPROMISSO FIRMADO PERANTE O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ PELOS CANDIDATOS A PREFEITOS MUNICIPAIS DE BELÉM, NAS ELEIÇÕES 2012. O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ, daqui por diante

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

RESOLUÇÃO N, DE DE DE 2011

RESOLUÇÃO N, DE DE DE 2011 RESOLUÇÃO N, DE DE DE 2011 Dispõe sobre o Programa Adolescente Aprendiz no âmbito do Ministério Público da União e do Estados O CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, no exercício das atribuições conferidas

Leia mais

VIOLÊNCIA SEXUAL E ABRIGAMENTO

VIOLÊNCIA SEXUAL E ABRIGAMENTO VIOLÊNCIA SEXUAL E ABRIGAMENTO Mônica Barcellos Café Psicóloga na Aldeia Juvenil PUC Goiás Movimento de Meninos e Meninas de Rua de Goiás VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Todo ato ou omissão praticado

Leia mais

SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE RESOLUÇÃO Nº 4, DE 24 DE MAIO DE 2011

SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE RESOLUÇÃO Nº 4, DE 24 DE MAIO DE 2011 SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE RESOLUÇÃO Nº 4, DE 24 DE MAIO DE 2011 Institui parâmetros nacionais para o registro das informações relativas aos serviços ofertados

Leia mais

Serviço que organiza o acolhimento, em residências de famílias acolhedoras cadastradas, de crianças e adolescentes afastados do convívio familiar por

Serviço que organiza o acolhimento, em residências de famílias acolhedoras cadastradas, de crianças e adolescentes afastados do convívio familiar por Serviço que organiza o acolhimento, em residências de famílias acolhedoras cadastradas, de crianças e adolescentes afastados do convívio familiar por meio de medida protetiva (ECA, Art. 101), em função

Leia mais

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Professores: Leonardo Martins Prudente e Adailton Amaral Barbosa Leite Brasília, Agosto de 2013 Política Nacional

Leia mais

VI - reconhecer as especificidades, iniquidades e desigualdades regionais e municipais no planejamento e execução das ações;

VI - reconhecer as especificidades, iniquidades e desigualdades regionais e municipais no planejamento e execução das ações; O Sistema Único de Assistência Social A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos poderes públicos e da sociedade destinada a assegurar os direitos relativos à saúde,

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Projeto de Lei n.º 36/2013-L

Projeto de Lei n.º 36/2013-L Projeto de Lei n.º 36/2013-L AUTORIZA A CRIAÇÃO DE UMA CASA DE PASSAGEM PARA MULHERES NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE BARRA BONITA. Art. 1º Fica o Executivo autorizado a criar no âmbito

Leia mais

Conselho Nacional de Justiça

Conselho Nacional de Justiça PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS N. 0005958-45.2010.2.00.0000 RELATOR REQUERENTE REQUERIDO ASSUNTO : JORGE HÉLIO CHAVES DE OLIVEIRA : MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO : CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA : REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

ANEXO II DIRETRIZES DOS SERVIÇOS DAS LINHAS DE AÇÃO DO EDITAL 001/SEMFAS/FMAS/2015

ANEXO II DIRETRIZES DOS SERVIÇOS DAS LINHAS DE AÇÃO DO EDITAL 001/SEMFAS/FMAS/2015 ANEXO II DIRETRIZES DOS SERVIÇOS DAS LINHAS DE AÇÃO DO EDITAL 001/SEMFAS/FMAS/2015 LINHA DE AÇÃO I: SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DE SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS PARA CRIANÇAS

Leia mais

O sistema de garantias dos direitos da criança e do adolescente

O sistema de garantias dos direitos da criança e do adolescente O sistema de garantias dos direitos da criança e do adolescente SISTEMA DE GARANTIA DE DIREITOS PROMOÇÃO CONTROLE SOCIAL DEFESA A Convenção Internacional sobre o direito da criança e do adolescente Busca

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Brasil livre do trabalho infantil, todos juntos nesse desafio! O Governo Federal e a sociedade brasileira

Leia mais

Lea Lúcia Cecílio Braga Diretora do Departamento de Proteção Social Básica/DPSB Secretaria Nacional de Assistência Social / SNAS Ministério

Lea Lúcia Cecílio Braga Diretora do Departamento de Proteção Social Básica/DPSB Secretaria Nacional de Assistência Social / SNAS Ministério Lea Lúcia Cecílio Braga Diretora do Departamento de Proteção Social Básica/DPSB Secretaria Nacional de Assistência Social / SNAS Ministério Desenvolvimento Social e Combate à Fome/MDS Brasília Dezembro/2014

Leia mais