Rede de proteção a gestantes e bebês

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rede de proteção a gestantes e bebês"

Transcrição

1 Rede de proteção a gestantes e bebês Informações e fotos: Prefeitura de São Paulo/Nova S/B. Redação e edição: Editora Contadino. Diagramação: Multi Propaganda. Desde a criação do programa, em março de 2006, mais de 500 mil bebês nasceram nos hospitais que o integram Mantida pela Prefeitura de São Paulo, a Rede de Proteção à Mãe Paulistana acumula conquistas, entre elas a redução de 30% da mortalidade materna causada por hipertensão, e a queda da mortalidade infantil: de 13,96 mortes para cada mil nascidos vivos, em 2004, para 11,9 em Saiba mais sobre o programa, seus benefícios e como participar nas páginas seguintes. Infraestrutura ,7 3,4 Unidades Básicas de Saúde (UBS) hospitais mil partos mensais milhões de consultas de pré-natal milhões de exames

2 programa Testemunhos Benefícios que podem garantir saúde e vida Ampla oferta de serviços garante atendimento de primeira linha às gestantes da capital paulista Criada em março de 2006, pela Prefeitura de São Paulo, a Rede de Proteção à Mãe Paulistana oferece assistência integral a gestantes de toda a capital. Por meio de um sistema moderno, proporciona serviços de qualidade durante o pré-natal, o parto e o pós-parto inclusive aos bebês, ao longo de seu primeiro ano de vida. A rede, integrada por 435 Unidades Básicas de Saúde (UBS), 36 hospitais e vários ambulatórios especializados, tem como objetivo reduzir a mortalidade e morbidade materna e infantil por meio de ações como: ajuda no planejamento do parto, indicando o local onde será realizado; garantia de no mínimo sete consultas de pré-natal e dos exames necessários; diagnóstico e acompanhamento de gestantes de alto risco; estabelecimento de vínculo entre a gestante, a UBS e a maternidade onde será atendida; e incentivo ao retorno da mãe e da criança para acompanhamento. O sucesso da Rede de Proteção à Mãe Paulistana é evidenciado em números. Só nos três primeiros anos, a taxa de mortalidade de mulheres por hipertensão na gravidez caiu cerca de 30%. Em relação à mortalidade infantil, a redução foi de 13,96 mortes para cada mil nascidos vivos, em 2004, para 11,9 em Além disso, o programa pôs fim a um dos maiores problemas das gestantes: a procura por vaga em uma maternidade pública o que as levava a ser conhecidas como mães peregrinas. Entre as gestantes que utilizam ou já utilizaram o programa, a satisfação com os serviços prestados é predominante. Já mãe de outros dois filhos e portadora de hipertensão arterial, Iara Corrêa, de 37 anos, encontrou na UBS do Mandaqui todo o auxílio necessário para uma boa gravidez e um parto tranquilo. A gestação da minha terceira filha foi considerada de alto risco por causa da minha idade e pressão alta. Graças ao programa Mãe Paulistana tive um atendimento excelente. O que mais me chamou a atenção, além da competência dos médicos, foi o cuidado das enfermeiras com a minha saúde, ressalta. Já a comerciante Maria Helenilda de Souza Santos, surpreendida por uma gravidez não planejada, depois de já ter tido outros dois filhos e estar sem convênio médico, garante que não constatou diferença entre o atendimento público e o particular, que sempre havia usado. Quando procurei a UBS do Jardim Maracá, próxima de onde resido, fui muito bem-acolhida por todos os profissionais que ali trabalhavam. É maravilhoso saber que se preocupam com a gente de uma forma tão especial e que não somos apenas mais uma paciente para o sistema de saúde.

3 proteção Apoio e cuidados são integrais Programa prevê atendimento humanizado e exames para garantir uma gravidez saudável Eficiência Em 2009, o percentual de mulheres que realizou sete ou mais consultas chegou a 73,80% (em 2004 o índice era de 65,40%), sendo que 97,76% fizeram o pré-natal até o fim da gestação. Desde 2006 foram distribuídos 431,9 mil enxovais e 456 mil cartões SPTrans, e realizadas 2,7 milhões de consultas pré-natais, além de mais de 3,4 milhões de exames. O Mãe Paulistana foi criado para cuidar integralmente das mulheres e de seus bebês, oferecendo recursos para garantir a saúde de ambos. A assistência não se limita a aspectos médicos, mas envolve apoio emocional e orientação à família. Assim, o programa substitui a visão burocrática por outra mais humanizada do tratamento. Ele engloba uma série de cuidados e benefícios, entre eles consultas mensais com médico obstetra (no mínimo sete durante o pré-natal) e a realização de todos os exames de laboratório e ultrassons recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pela Sociedade Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. As mulheres também recebem bilhetes para transporte gratuito até o local dos exames e das consultas, e são alertadas sobre o direito de visitarem e se vincularem à maternidade indicada para realizar o parto. São garantidas ainda as consultas com pediatra no primeiro ano de vida do bebê, além de remédios e tratamentos gratuitos, tanto para os pequenos como para as mães. Após com- parecerem a todas as consultas e aos exames, elas recebem um kit enxoval (dois macacões longos, dois culotes (calças), dois bodys, dois macacões curtos, um casquinho com capuz, uma toalha com capuz, um cobertor e pares de meias). Integração Todos os hospitais e Unidades Básicas de Saúde (UBS) do Mãe Paulistana operam integrados e sob a coordenação de uma Central de Regulação Obstétrica e Neonatal, que trabalha 24 horas, todos os dias da semana. O órgão é dotado de computadores que controlam a disponibilidade dos leitos em todos os hospitais da rede e estimam a demanda aproximada de partos, para que nenhuma mulher fique sem atendimento. Também na Central, as mães e os bebês são monitorados, ou seja, a presença nas consultas e nos exames é controlada. Em caso de ausência, as mulheres são contatadas e sensibilizadas sobre a importância do pré-natal e dos demais procedimentos que fazem parte do programa.

4 a s s i s t ê n c i a Orientação Preocupação se estende também aos bebês Após o nascimento, os pequenos continuam sob cuidados, para que tenham um desenvolvimento pleno e sadio O pediatra orientará as novas mamães sobre aleitamento materno, acompanhará a vacinação do bebê e indicará as vitaminas necessárias a ele. Também fornecerá informações sobre como tratar e prevenir doenças e ensinará a incluir alimentos na dieta da criança, o que deve ser feito a partir dos 6 meses de idade. A cada consulta, ele checará ainda se o pequeno possui o peso e a altura indicados para cada fase do desenvolvimento. Todos os bebês que vêm ao mundo assistidos pelo programa Mãe Paulistana passam por exames neonatais, indispensáveis na primeira fase da vida. São realizados o teste do olhinho, para detectar se há alguma doença nos olhos; do ouvidinho, para verificar se ouve bem; e do pezinho, que permite, por meio da coleta de material, a detecção precoce de muitas doenças. Caso seja identificada alguma alteração ou possível problema de saúde, o bebê é avaliado imediatamente por especialistas e passa a receber o tratamento adequado. Se houver necessidade, pode ser submetido ainda a procedimento cirúrgico corretivo. Também para proporcionar o crescimento saudável aos novos paulistaninhos e cientes que, depois de receberem alta da maternidade, as novas mamães possuem dúvidas e medos, o Mãe Paulistana continua a fazer parte da rotina das mulheres. A equipe do programa marca a consulta pós-parto da mãe antes de ela voltar para casa, assim como a primeira consulta do bebê com o pediatra. Se a criança for saudável, a ida ao médico deverá ocorrer com uma semana de vida e, posteriormente, com 1 mês de idade. A partir daí, acontecerá de dois em dois meses até 1 ano de idade. Já no segundo ano de vida, as consultas com o pediatra serão de três em três meses, e, dos 2 aos 5 anos, a cada seis meses. Em caso de urgências, como vômitos, diarreia e febre, a mãe deve procurar a Unidade Básica de Saúde (UBS) ou o hospital mais próximo, sendo sempre orientada a, nessas situações, não esperar até a próxima consulta. Além disso, devem acompanhar o Calendário Nacional de Vacinação, já que, nos primeiros cinco anos de vida, os pequenos são mais sensíveis a doenças graves, prevenidas por meio da vacinação. Tanto as consultas com o pediatra no primeiro ano de vida do bebê quanto os remédios e tratamentos indicados são gratuitos. As mulheres também podem esclarecer suas dúvidas com os profissionais do programa, garantindo, assim, que os pequenos cidadãos de São Paulo cresçam fortes e saudáveis.

5 s e r v i ç o s Infraestrutura disponível em todas as regiões da cidade 7 Número de hospitais por zona Hospitais da Rede de Proteção à Mãe Paulistana Norte MUNICIPAIS Hospital Municipal Cachoeirinha Mario de M. A. da Silva Hospital Municipal Pirituba José Soares Hungria Hospital Municipal Vereador José Storopolli Vila Maria Hospital Municipal Campo Limpo Fernando Mauro Pires da Rocha Hospital Municipal Ermelino Maratazzo Alipio Correa Neto Hospital Municipal Planalto Waldomiro de Paula Itaquera Centro-oeste Hospital Municipal Tide Setúbal São Miguel Hospital Municipal Inácio Proença de Gouveia João XXIII Hospital Municipal Jabaquara Arthur Ribeiro de Saboya Hospital Municipal J. Sarah Mário Degni Hospital Municipal do Servidor Público OSS MUNICIPAIS Hospital Municipal Dr. Moysés Deutsch M Boi Mirim Hospital SMS Cidade Tiradentes ESTADUAIS Hospital SES. Mandaqui Norte Hospital SES. de Taipas Katia de Souza Rodrigues Hospital SES. de Vila Penteado Dr. José Pangela 7 Para participar, basta se inscrever na UBS Hospital SES. Mat. De Interlagos Hospital SES. Regional Hospital SES. de Guaianazes Jesus Teixeira da Costa Hospital SES. de São Mateus Manuel Bifulco Para oferecer atendimento diferenciado às gestantes atendidas pela Rede de Proteção à Mãe Paulistana, a Prefeitura de São Paulo investiu na capacitação de profissionais, na distribuição de medicamentos e no incremento das Unidades Básicas de Saúde (UBS) hoje informatizadas. Para usufruir os benefícios da iniciativa, as futuras mães devem se inscrever na UBS mais próxima de sua casa. É nela também que a gestante poderá conferir o Hospital ou Maternidade na qual dará à luz. É possível até mesmo agendar uma visita antes do nascimento do bebê. Confira ao lado a relação de hospitais que integram a Rede de Proteção à Mãe Paulistana. Norte Centro-oeste Centro-oeste Hospital SES. Ipiranga Hospital SES. Leonor M. de Barros OSS ESTADUAIS Hospital SES. do Grajaú Hospital SES. Pedreira Associação Congregação de Santa Catarina Hospital SES. do Itaim Paulista Hospital SES. Vila Alpina Hospital SES de Sapopemba CONVENIADOS Hospital São Luiz Gonzaga Hospital da Santa Casa de Misericórdia de Santo Amaro Maternidade Amparo Maternal Hospital da Beneficência Portuguesa UNIVERSITÁRIOS Hospital Santa Marcelina Itaquera Hospital São Paulo Unidade I Unifesp Hospital das Clínicas Instituto Central Hospital Universitário USP SP Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo

6 Perspectivas Em compasso de crescimento Novos instrumentos devem estimular o aleitamento e planejamento familiar A médica e coordenadora do programa Mãe Paulistana, Maria Aparecida Orsini, expõe os avanços da iniciativa e sua importância para assegurar a saúde das mães e de seus filhos, e garante: a perspectiva é continuar reduzindo a mortalidade materna e infantil e ampliar ações preventivas, para o alcance das metas de saúde para o milênio. As expectativas em relação ao programa foram atingidas? Quais os principais avanços? Nossas principais expectativas que motivaram a criação do programa foram atingidas: garantir o local para o parto e melhorar a adesão ao pré-natal. Ao iniciarmos o Mãe Paulistana, a falta crônica de vagas e a peregrinação pelas maternidades o que motivou alguns veículos de comunicação a usarem o termo "mãe peregrina" eram causas de angústia para as mulheres e aumentavam o risco na hora do parto. Os bons resultados refletem o sucesso do programa em integrar e articular os recursos federais, estaduais e municipais para criar uma rede de serviços direcionada às mães e às crianças, regulando todos os leitos públicos existentes na cidade (hospitais estaduais, municipais, o federal, incluindo os universitários). Ou seja, essa organização dos recursos permitiu ampliar o acesso, por exemplo, aos serviços de atenção primária e de média e alta complexidades. Os dados recentes mostram que 97,8 % das mães atendidas na rede Sistema Único de Saúde fizeram o pré-natal e foram acompanhadas até o final da gestação, e 73,8% das gestantes realizaram sete ou mais consultas durante esse período. Hoje, a gestante também pode conhecer previamente a maternidade onde fará o parto, e tivemos avanços importantes com a incorporação de ações preventivas na assistência materno-infantil e as triagens neonatais, que incluem diagnóstico e tratamento da retinopatia da prematuridade, triagem auditiva neonatal universal e o teste do pezinho. Nos cinco anos do Mãe Paulistana, quais as melhorias incorporadas a ele? No início do programa, a ausência de informações e de informatização dificultava a gestão da atenção materna e infantil. Ao longo de cinco anos, foi desenvolvido um sistema de ge- renciamento para garantir a capacidade de acompanhamento e a rastreabilidade da assistência prestada: o Business Intelligency-BI Mãe Paulistana. Todas as unidades básicas e os ambulatórios foram informatizados, e, atualmente, o sistema ambulatorial permite o cadastramento e acompanhamento dos atendimentos realizados para as mães e os recém-nascidos. Os dados atualizados permitem a melhoria do planejamento e da aferição de resultados da política pública. Foi criado ainda o prontuário da gestante, que melhora a qualidade da atenção dada a ela e permite aprimorar continuamente a qualidade das informações. São desenvolvidas também ações de gerenciamento de casos (alto risco), gerenciamento de demandas (gestantes referenciadas para cada maternidade e previsões de número de partos/maternidade) e gerenciamento de doenças (sífilis congênita). Esses acompanhamentos são realizados por enfermeiras, por meio de contato telefônico com as gestantes e mães. Qual a importância de monitorar a gestação das paulistanas? As ações de monitoramento, gerenciamento de casos e de- mais iniciativas de aferição são importantes para darmos o apoio às gestantes para a superação de dificuldades e colaborarmos com a segurança da mulher e da criança. Quanto à gestão, ampliam as capacidades para o planejamento, para a execução da assistência e para a aferição de resultados. Há dados sobre o perfil das mulheres atendidas? Diariamente, as orientadoras hospitalares visitam todas as gestantes nas maternidades e entrevistam as mães quando têm alta hospitalar. Com base nesse contato, sabemos que a maior parte das mulheres atendidas tem 23 anos, que 78,7% são solteiras (condição civil) e que, dessas, 76,71% moram com o companheiro. Mais: 69,2% das mães têm mais de oito anos de estudo e 35,4% trabalham. Quais as perspectivas para este ano em relação ao programa? Para 2011, a perspectiva é continuar reduzindo a mortalidade materna e infantil e ampliar ações preventivas, para alcançarmos as metas de saúde para o milênio. Já estamos desenvolvendo os instrumentos para a introdução de novos programas para estímulo ao aleitamento, planejamento familiar e melhorias nas urgências obstétricas.

PROGRAMA MÃES DE MINAS A IMPORTÂNCIA DO ACS NA CAPTAÇÃO PRECOCE DA GESTANTE

PROGRAMA MÃES DE MINAS A IMPORTÂNCIA DO ACS NA CAPTAÇÃO PRECOCE DA GESTANTE PROGRAMA MÃES DE MINAS A IMPORTÂNCIA DO ACS NA CAPTAÇÃO PRECOCE DA GESTANTE Antônio Jorge de Souza Marques MINAS GERAIS Superfície: 586.523 Km2 População (Estimativas IBGE, 2012): 19.855.332 hab. Municípios:

Leia mais

Projeto de Informatização. Como implantar um Sistema de Informação para a Saúde Pública em SP?

Projeto de Informatização. Como implantar um Sistema de Informação para a Saúde Pública em SP? Projeto de Informatização Como implantar um Sistema de Informação para a Saúde Pública em SP? Contato Cláudio Giulliano Alves da Costa, MD, MSc. Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo Assessoria Técnica

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto de elaboração de meios para a integração da assistência à gestação, parto, puerpério e puericultura

Mostra de Projetos 2011. Projeto de elaboração de meios para a integração da assistência à gestação, parto, puerpério e puericultura Mostra de Projetos 2011 Projeto de elaboração de meios para a integração da assistência à gestação, parto, puerpério e puericultura Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação,

Leia mais

Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal

Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal 1 Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal Exames e Ações (pré-natal de risco habitual e alto risco) Ofertar os exames e consultas de pré-natal Fomentar a contratação de serviços laboratoriais de qualidade

Leia mais

PROGRAMA MÃE CORUJA DO IPOJUCA

PROGRAMA MÃE CORUJA DO IPOJUCA PROGRAMA MÃE CORUJA DO IPOJUCA Às gestantes do Ipojuca O Programa Mãe Coruja é uma grande conquista das mulheres de Pernambuco. E no Ipojuca, um avanço da administração municipal em busca de melhor assistir,

Leia mais

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1.

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1. 7º Simpósio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DO RISCO PARA MORTALIDADE PÓS-NEONATAL EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE PIRACICABA, INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES Co-Autor(es)

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Atenção primária às gestantes de baixo risco

Mostra de Projetos 2011. Atenção primária às gestantes de baixo risco Mostra de Projetos 2011 Atenção primária às gestantes de baixo risco Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: (Campo

Leia mais

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A partir dos esforços para melhorar a saúde materno-infantil, tais como: Programa de Humanização do Parto e Nascimento

Leia mais

Sistemas de Informação em Saúde. Informatização da Atenção Básica Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SMS-SP)

Sistemas de Informação em Saúde. Informatização da Atenção Básica Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SMS-SP) Sistemas de Informação em Saúde Informatização da Atenção Básica Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SMS-SP) Contato Cláudio Giulliano Alves da Costa, MD, MSc. Secretaria Municipal de Saúde de

Leia mais

Exercício Profissional da Enfermagem

Exercício Profissional da Enfermagem Drª Janine Schirmer Profª Titular do Departamento Enfermagem na Saúde da Mulher da Escola Paulista de Enfermagem Vice Presidente do Conselho Gestor do Hospital Universitário Coordenadora da Residência

Leia mais

LINHA DO TEMPO 2014 23 ANOS

LINHA DO TEMPO 2014 23 ANOS Hospital Pérola Byington 1991 Fundação do CEJAM UBS Jardim Souza 1998 Recebe Título de Utilidade Pública Municipal e Estadual em São Paulo, Título de Utilidade Pública Federal, Certificado de Entidade

Leia mais

mãe paulistana Mãe Paulistana São Paulo? Você sabia que ser é um direito de todas as gestantes da cidade de

mãe paulistana Mãe Paulistana São Paulo? Você sabia que ser é um direito de todas as gestantes da cidade de mãe paulistana O MELHOR DA SAÚDE PARA VOCÊ E SEU BEBÊ distribuição gratuita Você sabia que ser Mãe Paulistana é um direito de todas as gestantes da cidade de São Paulo? Como fazer parte dessa rede do bem

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL Programa BemVindo - www.bemvindo.org.br A OMS - Organização Mundial da Saúde diz que "Pré-Natal" é conjunto de cuidados médicos, nutricionais, psicológicos e sociais, destinados

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

Prontos-socorros públicos de São Paulo funcionam em condições precárias

Prontos-socorros públicos de São Paulo funcionam em condições precárias Prontos-socorros públicos de São Paulo funcionam em condições precárias Após fiscalização de 71 prontos-socorros (PSs), o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) constatou que a

Leia mais

Secretário Municipal da Saúde Abril de 2008

Secretário Municipal da Saúde Abril de 2008 A SAÚDE PÚBLICA NA CIDADE DE SÃO PAULO 1º Fórum Nossa São Paulo Propostas para uma Cidade Justa e Sustentável Januario Montone Secretário Municipal da Saúde Abril de 2008 Visão Geral de São Paulo Área:

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Antes mesmo de inaugurar seu hospital, em 1971, a Sociedade já se dedicava ao exercício da responsabilidade social, atendendo crianças carentes da comunidade na área de Pediatria

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. vírus ZIKA. Informações ao Público

MINISTÉRIO DA SAÚDE. vírus ZIKA. Informações ao Público MINISTÉRIO DA SAÚDE vírus ZIKA Informações ao Público Brasília DF 2015 PÚBLICO EM GERAL Prevenção/Proteção Cuidados Observe o aparecimento de sinais e sintomas de infecção por vírus zika (manchas vermelhas

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde

Pesquisa Nacional de Saúde Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional de Saúde 21/08/15 Histórico INVESTIGAÇÃO DO TEMA SAÚDE... 1998 2003 2008 2013 PNAD Características da PNS Pesquisa Domiciliar

Leia mais

Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC

Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC Coordenadoria de Planejamento de Saúde Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC Área Técnica da Saúde da Mulher SES/SP Rossana Pulcineli Vieira Francisco - Assessora Técnica

Leia mais

Redução da mortalidade na infância no Brasil. Setembro de 2013

Redução da mortalidade na infância no Brasil. Setembro de 2013 Redução da mortalidade na infância no Brasil Setembro de 2013 Taxa de mortalidade na infância 62 Redução de 77% em 22 anos (em menores de 5 anos) 1990 33 14 2000 *Parâmetro comparado internacionalmente

Leia mais

Coordenadoria de Gestão de Contratos de Serviços de Saúde

Coordenadoria de Gestão de Contratos de Serviços de Saúde Coordenadoria de Gestão de Contratos de Serviços de Saúde 10/09/2014 Unidades e Serviços 40 Hospitais CEADIS 52 AMEs CRI Norte 7 Reabilitação Rede Lucy 3 CEAC 3 SEDI CROSS Total de Unidades/Serviços :

Leia mais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013 Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Mortalidade Minas Gerais Janeiro a Outubro 2013 1 Óbitos fetais 2076 Óbitos

Leia mais

Seminário Estadual. 4.ºRelatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM)

Seminário Estadual. 4.ºRelatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) Seminário Estadual 4.ºRelatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) Escola da Gestante DrªZilda Arns Apucarana João Carlos de Oliveira Prefeito Municipal Escola

Leia mais

Seminário de Doenças Crônicas

Seminário de Doenças Crônicas Seminário de Doenças Crônicas LINHA DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gabinete SMS Diadema Linha de cuidado de HAS e DM Experiência

Leia mais

Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos

Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos Núcleo de Atenção Integral à Saúde da Unimed SJC O Núcleo de Ação Integral à Saúde (NAIS) é o setor responsável pela promoção da saúde e prevenção

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Combatendo a Mortalidade Materna e Infantil: Maximizando a Atuação das Agentes de Saúde do Município de Altônia

Mostra de Projetos 2011. Combatendo a Mortalidade Materna e Infantil: Maximizando a Atuação das Agentes de Saúde do Município de Altônia Mostra de Projetos 2011 Combatendo a Mortalidade Materna e Infantil: Maximizando a Atuação das Agentes de Saúde do Município de Altônia Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação,

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Quadro da desigualdade em São Paulo

Quadro da desigualdade em São Paulo Quadro da desigualdade em São Paulo CULTURA Acervo de livros infanto-juvenis das bibliotecas municipais per capita Número de livros infanto-juvenis disponíveis em acervos de bibliotecas e pontos de leitura

Leia mais

ESTUDO DE CASO MATERNIDADE DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO

ESTUDO DE CASO MATERNIDADE DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO INSTITUTO DE SAÚDE DA COMUNIDADE DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO EM SAÚDE PLANEJAMENTO E GERÊNCIA EM SAÚDE II ESTUDO DE CASO MATERNIDADE DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO Professores: Dra. Luciana Alves

Leia mais

Filosofia de trabalho e missões

Filosofia de trabalho e missões Filosofia de trabalho e missões As atividades de ensino e assistência na UTI Neonatal do Hospital São Paulo, Hospital Universitário da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (HPS-EPM/Unifesp),

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA)

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) I- Introdução O acompanhamento do crescimento e desenvolvimento, do nascimento até os 5 anos de idade, é de fundamental

Leia mais

REDE MÃE PARANAENSE. Palestrante: Márcia Huçulak Secretaria de Estado da Saúde do Paraná

REDE MÃE PARANAENSE. Palestrante: Márcia Huçulak Secretaria de Estado da Saúde do Paraná REDE MÃE PARANAENSE Palestrante: Márcia Huçulak Secretaria de Estado da Saúde do Paraná A Rede Mãe Paranaense o o Em 2011 a SESA iniciou o processo de implantação da Rede Mãe Paranaense com a introdução

Leia mais

Hospital Dr.Arnaldo Pezzutti Cavalcanti

Hospital Dr.Arnaldo Pezzutti Cavalcanti Hospital Dr.Arnaldo Pezzutti Cavalcanti Secretaria de Estado da Saúde Coordenadoria de Serviços de Saúde Projeto UTI Humanizada Implementado em Fevereiro de 2006 Ampliado em Agosto de 2007 Vista Aérea

Leia mais

MALFORMAÇÃO CONGÊNITA

MALFORMAÇÃO CONGÊNITA MALFORMAÇÃO CONGÊNITA MODELO DE ATENÇÃO INTEGRAL NA REDE DE SAÚDE DEBORA GEJER ANTÔNIO CARLOS MADEIRA DE ARRUDA JOSÉ CARLOS MILARÉ OBJETIVO DESCREVER UM MODELO DE ATENÇÃO INTEGRAL NA REDE DE SAÚDE PARA

Leia mais

DIREITOS DA GESTANTE: CONHECER PARA EXIGIR

DIREITOS DA GESTANTE: CONHECER PARA EXIGIR DIREITOS DA GESTANTE: CONHECER PARA EXIGIR Núcleo Interdisciplinar de Estudos de Gênero Universidade Federal de Viçosa Viçosa - MG Produção: Núcleo Interdisciplinar de Estudos de Gênero NIEG Paula Dias

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

Conheça o SUS e seus direitos e deveres, como usuário da saúde

Conheça o SUS e seus direitos e deveres, como usuário da saúde Conheça o SUS e seus direitos e deveres, como usuário da saúde O Escritório de Projetos de Humanização do ICESP desenvolveu esta cartilha para orientar os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) sobre

Leia mais

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos Gestão Foto: dreamstime.com Longo caminho Medida da ANS inicia discussão sobre a oferta de medicamentos ambulatoriais para doentes crônicos pelas operadoras de saúde Por Danylo Martins Acontece no mundo

Leia mais

PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR

PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR PROMOÇÃO DO PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR Ações já realizadas pela ANS desde 2004 Sensibilização do setor, promoção e participação ii em eventos para discussão com especialistas nacionais e internacionais

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

Plano de Qualificação das Linhas de Cuidados da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis nos Estados do Semiárido e Amazônia Legal

Plano de Qualificação das Linhas de Cuidados da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis nos Estados do Semiárido e Amazônia Legal Plano de Qualificação das Linhas de Cuidados da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis nos Estados do Semiárido e Amazônia Legal O que é Transmissão Vertical HIV e Sífilis? A transmissão vertical do

Leia mais

SECRETARIA DA SAUDE. Fonte:http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1

SECRETARIA DA SAUDE. Fonte:http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1 SECRETARIA DA SAUDE Fonte:http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1 1 2 UBS Equipe da Atenção Básica UBS Equipe da Atenção Básica + EACS Equipe de Agentes Comunitários da Saúde UBS Equipe da Atenção

Leia mais

Painel: Lições aprendidas oportunidades e limitações, com experiências de concessão e PPPs. Case: Hospital Municipal Moysés Deutsch M Boi Mirim

Painel: Lições aprendidas oportunidades e limitações, com experiências de concessão e PPPs. Case: Hospital Municipal Moysés Deutsch M Boi Mirim Painel: Lições aprendidas oportunidades e limitações, com experiências de concessão e PPPs Case: Hospital Municipal Moysés Deutsch M Boi Mirim Dr. Claudio Lottenberg Presidente SBIBAE História, Missão

Leia mais

DIREITOS DA GESTANTE: CONHECER PARA EXIGIR

DIREITOS DA GESTANTE: CONHECER PARA EXIGIR DIREITOS DA GESTANTE: CONHECER PARA EXIGIR - A proposta de elaboração desse material informativo instrucional surgiu dos resultados obtidos de um projeto de extensão da Universidade Federal de Viçosa intitulado

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos Agenda de Compromissos Governo Federal e Municípios 1. Erradicar a extrema pobreza e a fome 2. Educação básica de qualidade para todos 3. Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Leia mais

HUMANIZANDO OS INDICADORES DE SÃO PAULO

HUMANIZANDO OS INDICADORES DE SÃO PAULO A Humanização no Serviço Público e seus reflexos na Mortalidade Infantil Dra. Miriam Ribeiro de Faria Silveira Maternidade Escola V. Nova Cachoeirinha HUMANIZANDO OS INDICADORES DE SÃO PAULO A Humanização

Leia mais

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal Grupo temático: Direito à vida, à saúde e a condições

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES)

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ID: 103 A IMPORTÂNCIA DA CONSULTA DE ENFERMAGEM NO PRÉ-NATAL, NA PERSPECTIVA DO ENFERMEIRO Enfa. Aryhadne Michelle Chimicoviacki Machado

Leia mais

POLITICAS LOCAIS DE SAÚDE E A NATALIDADE

POLITICAS LOCAIS DE SAÚDE E A NATALIDADE POLITICAS LOCAIS DE SAÚDE E A NATALIDADE A+FR 2014 Missão O Observatório tem como missão acompanhar, galardoar e divulgar as melhores práticas das autarquias portuguesas em matéria de responsabilidade

Leia mais

saiba como conseguir o seu

saiba como conseguir o seu saiba como conseguir o seu doutor, Como vou fazer para comprar os remédios que preciso tomar? Projeto gráfico e ilustrações: Sivanir Batista - Settor Estúdio Gráfico http://settor.hd1.com.br - settor@mandic.com.br

Leia mais

Nota Técnica Conjunta n 02/2015

Nota Técnica Conjunta n 02/2015 Nota Técnica Conjunta n 02/2015 DVSCA/DAPS/SAS/SESA DVPcD/DACC/SAS/SESA Assunto: Esclarecimentos e orientações sobre a coleta obrigatória do Teste do Pezinho nos Hospitais/Maternidades, Públicos e Privados,

Leia mais

OBJETIVO. Palavras-chave: Saúde pública, perda auditiva e linguagem

OBJETIVO. Palavras-chave: Saúde pública, perda auditiva e linguagem LEVANTAMENTO DOS ASPECTOS RELACIONADOS AO USO E MANUTENÇÃO DO AASI E À TERAPIA FONOAUDIOLÓGICA EM CRIANÇAS E JOVENS COM PERDA AUDITIVA NA CIDADE DE SÃO PAULO. Palavras-chave: Saúde pública, perda auditiva

Leia mais

Observatório de Recursos Humanos em Saúde de São Paulo SES/SP CEALAG FGV 2006/2007.

Observatório de Recursos Humanos em Saúde de São Paulo SES/SP CEALAG FGV 2006/2007. Observatório de Recursos Humanos em Saúde de São Paulo SES/SP CEALAG FGV 2006/2007. RECURSOS HUMANOS EM ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE E PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMILIA NÚCLEO DE ESTUDOS SOBRE AS PROFISSÕES EM ATENÇÃO

Leia mais

Indicadores para avaliação de projetos sociais: os Projetos Comunitários FMCSV. Inês Mindlin Lafer gerente de programas

Indicadores para avaliação de projetos sociais: os Projetos Comunitários FMCSV. Inês Mindlin Lafer gerente de programas Indicadores para avaliação de projetos sociais: os Projetos Comunitários FMCSV Inês Mindlin Lafer gerente de programas 27 de maio de 2010 Agenda Apresentação FMCSV Os projetos Comunitários FMCSV A avaliação

Leia mais

Case de Sucesso. Integrando CIOs, gerando conhecimento. FERRAMENTA DE BPM TORNA CONTROLE DE FLUXO HOSPITALAR MAIS EFICAZ NO HCFMUSP

Case de Sucesso. Integrando CIOs, gerando conhecimento. FERRAMENTA DE BPM TORNA CONTROLE DE FLUXO HOSPITALAR MAIS EFICAZ NO HCFMUSP Case de Sucesso Integrando CIOs, gerando conhecimento. FERRAMENTA DE BPM TORNA CONTROLE DE FLUXO HOSPITALAR MAIS EFICAZ NO HCFMUSP Perfil O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO DA RC

CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO DA RC MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO

Leia mais

Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor. Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento

Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor. Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor Clique para editar local e data Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento Rio de Janeiro, 06 de julho de 2015 A importância

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

Modelo GFACH - Anexo 1 Indicadores mais Utilizados na Gestão Hospitalar no Brasil

Modelo GFACH - Anexo 1 Indicadores mais Utilizados na Gestão Hospitalar no Brasil Gestão do Relacionamento Externo Posicionamento no Sistema de Saúde Coeficiente de Mortalidade Nº de Óbitos / Nº de Indivíduos da Amostra * 1.000 Geral (toda a amostra), por idade (ex: infantil), por sexo

Leia mais

- Destaque para vídeos, palestras, desfile e caminhada. Fonte: O Diário de Teresópolis. Da Redação

- Destaque para vídeos, palestras, desfile e caminhada. Fonte: O Diário de Teresópolis. Da Redação - Destaque para vídeos, palestras, desfile e caminhada Fonte: O Diário de Teresópolis Da Redação Fortalecer o aleitamento materno por meio do apoio às mulheres que amamentam é o objetivo da Semana Mundial

Leia mais

* Portaria SAS/MS nº 356 de 22 de setembro de 2000

* Portaria SAS/MS nº 356 de 22 de setembro de 2000 * Portaria SAS/MS nº 356 de 22 de setembro de 2000 O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 569, de 1º de julho de 2000, que institui o Programa

Leia mais

A ATENÇÃO PROGRAMADA PARA AS CONDIÇÕES CRÔNICAS

A ATENÇÃO PROGRAMADA PARA AS CONDIÇÕES CRÔNICAS ORGANIZAÇÃO DOS MACROPROCESSOS BÁSICOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE TUTORIA UBS LABORATÓRIO A ATENÇÃO PROGRAMADA PARA AS CONDIÇÕES CRÔNICAS Manaus Novembro, 2013 PAUTA DE TRABALHO PAUTA Programação para

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

APSUS. Atenção Primária à Saúde de Qualidade em Todo o Paraná. Março 2012

APSUS. Atenção Primária à Saúde de Qualidade em Todo o Paraná. Março 2012 APSUS Atenção Primária à Saúde de Qualidade em Todo o Paraná Março 2012 Missão Organizar as ações e serviços de Atenção Primária à saúde em todos os municípios do Paraná para a promoção do cuidado da população

Leia mais

ATTI - ASSESSORIA TÉCNICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

ATTI - ASSESSORIA TÉCNICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ATTI - ASSESSORIA TÉCNICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO A Secretaria Municipal da Saúde, visando a modernização da gestão, investiu na implantação de um Sistema Integrado de Gestão da Assistência à Saúde,

Leia mais

População total = 417 983 Censo 2000

População total = 417 983 Censo 2000 AS AÇÕES BEM SUCEDIDAS EM ALEITAMENTO MATERNO E ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR NUTR. JULIANA C. F. DE OLIVEIRA CHEFE DA SEÇÃO DE AÇÕES PREVENTIVAS COORDENADORIA DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE SECRETARIA

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014 Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social Entidade: Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil Endereço: Rua Antônio Miguel Pereira

Leia mais

POLÍTICA ESTADUAL DE ATENÇÃO INTEGRAL ÀS PESSOAS COM DOENÇA FALCIFORME E OUTRAS HEMOGLOBINOPATIAS

POLÍTICA ESTADUAL DE ATENÇÃO INTEGRAL ÀS PESSOAS COM DOENÇA FALCIFORME E OUTRAS HEMOGLOBINOPATIAS POLÍTICA ESTADUAL DE ATENÇÃO INTEGRAL ÀS PESSOAS COM DOENÇA FALCIFORME E OUTRAS HEMOGLOBINOPATIAS Introdução As Hemoglobinopatias compreendem um grupo de distúrbios hereditários que afetam a síntese de

Leia mais

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PARA O ALEITAMENTO MATERNO

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PARA O ALEITAMENTO MATERNO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno

Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno 1 Ter uma política de aleitamento materno escrita, que seja rotineiramente transmitida a toda a equipe de cuidados da saúde. 2 Capacitar toda equipe de

Leia mais

Linhas de Cuidado na Perspectiva de Redes de Atenção à Saúde

Linhas de Cuidado na Perspectiva de Redes de Atenção à Saúde Linhas de Cuidado na Perspectiva de Redes de Atenção à Saúde Linhas de Cuidado na RELEMBRANDO... Perspectiva de RAS A RAS é definida como arranjos organizativos de ações e serviços de saúde, de diferentes

Leia mais

Relatório Mesa 4. REDUZIR A MORTALIDADE INFANTIL Reduzir em dois terços, entre 1990 e 2015, a mortalidade de crianças menores de 5 anos.

Relatório Mesa 4. REDUZIR A MORTALIDADE INFANTIL Reduzir em dois terços, entre 1990 e 2015, a mortalidade de crianças menores de 5 anos. Relatório Mesa 4 OBJETIVO 4 Meta 5 REDUZIR A MORTALIDADE INFANTIL Reduzir em dois terços, entre 1990 e 2015, a mortalidade de crianças menores de 5 anos. I. Introdução Após a apresentação dos participantes

Leia mais

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade.

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil Ruth Rangel * Fernanda Azevedo * Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Resumo A redução das desigualdades sociais tem sido

Leia mais

VISITA TÉCNICA A MATERNIDADE DR. ADALBERTO PEREIRA - ANÁPOLIS

VISITA TÉCNICA A MATERNIDADE DR. ADALBERTO PEREIRA - ANÁPOLIS VISITA TÉCNICA A MATERNIDADE DR. ADALBERTO PEREIRA - ANÁPOLIS A Comissão de Saúde e Promoção Social, de acordo com a competência regimental que lhe confere o Art. 45, inciso V, do Regimento Interno desta

Leia mais

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA OBJETIVO: MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA REDE CEGONHA NOME DO INDICADOR DEFINIÇÃO INTERPRETAÇÃO MÉTODO DE CÁLCULO cadastradas

Leia mais

"Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES

Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade? Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES "Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES AGENDA Programação do Evento - Histórico do Centro Integrado de Atenção a

Leia mais

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Smartcity Business América 2015 Curitiba PR Brazil Maio de 2015 Sociedades Inteligentes e Governaça Airton Coelho, MsC, PMP Secretário de Ciência e

Leia mais

GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES

GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES Agrupamento de Centros de Saúde Lisboa Central Crescer, evoluir e inovar na busca pela excelência na prestação dos cuidados de saúde. GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES O presente guia tem como objetivo facultar

Leia mais