APLICAÇÃO DE COMPONENTES DO SANGUE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICAÇÃO DE COMPONENTES DO SANGUE"

Transcrição

1 Universidade Federal do Rio de Janeiro HOSPITAL UNIVERSITÁRIO APLICAÇÃO DE COMPONENTES DO SANGUE PRESCRIÇÃO, INSTALAÇÃO, MONITORAMENTO E HEMOVIGILÂNCIA Comitê Transfusional Novembro/2011 DOAR SANGUE DAR VIDA

2 HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CLEMENTINO FRAGA FILHO UFRJ DIRETOR GERAL: José Marcus Raso Eulálio DIRETOR DIVISÃO MÉDICA: Luiz Augusto Feijó DIRETOR DIVISÃO DE ENFERMAGEM: Sandra Regina Paiva de Abreu ELABORAÇÃO: COMITÊ TRANSFUSIONAL Ana Mª Branco de Oliveira Andrade Carmen Martins Nogueira Cátia Regina Dimatteu Paulo Gláuber Gouvea Mirian Oliveira Figueiredo de Mello Monique Morgado Loureiro Nereida Lúcia Palko dos Santos Rafael Santos Sigaud Regina Célia Carvalho Souza Roberto Luis Timotheo dos Reis Rogério Gomes Fleury Vinícius Gomes da Silveira Enfermeiro Professor Enfermeiro Médico Enfermeiro Professor Professor Médico Enfermeiro Enfermeiro Médico Professor APOIO: GERÊNCIA DE RISCO e SERVIÇO DE HEMOTERAPIA Sonia Maria Cezar Góes Tânia Maria Dionísio Daniela Palheiro M de Almeida Enfermeiro Secretária Médico UFRJ_HUCFF_Comitê Transfusional - Novembro/2011 2

3 APLICAÇÃO DE COMPONENTES DO SANGUE PRESCRIÇÃO - INSTALAÇÃO - MONITORAMENTO E HEMOVIGILÂNCIA 1. INTRODUÇÃO A intenção desse documento é padronizar os procedimentos para o ato da transfusão de sangue no Hospital Universitário Clementino Fraga Filho da UFRJ. Trata-se apenas da aplicação de componentes do sangue. 2. PRESCRIÇÃO DE PRODUTOS DO SANGUE COMPONENTES O médico é responsável por prescrever produtos do sangue. A indicação da transfusão e a prescrição devem constar em prontuário eletrônico ou, não sendo disponível, constar de registros manuais em folhas de evolução e prescrição, respectivamente. Deve ser possível identificar o médico que faz a prescrição. É direito do paciente e sua família serem esclarecidos pelo médico sobre a indicação da transfusão, seus benefícios e riscos. A possibilidade da transfusão de sangue deve constar de termo de consentimento assinado pelo paciente ou seu responsável. Pode-se utilizar o Termo de Consentimento para procedimentos, indicados pelo corpo clínico do HUCFF, que já consta do prontuário (ANEXO F). 3. PEDIDO DE TRANSFUSÃO O preenchimento do pedido é responsabilidade do médico que faz a prescrição. Os seguintes dados devem ser informados: UFRJ_HUCFF_Comitê Transfusional - Novembro/2011 3

4 Número do prontuário; Data do nascimento; Nome COMPLETO do paciente; Sexo; Localização; Tipo de componente e número de unidades; Diagnóstico principal; Justificativa da transfusão; Breve histórico com impacto para a transfusão transfusões e /ou gestações anteriores, reações transfusionais anteriores, coagulopatias; Necessidades especiais e.g. Irradiação, leucodepleção, etc; Horário previsto para a transfusão; Instruções especiais ao SH-HUCFF sobre o paciente (horário/reserva par procedimento); Assinatura legível e carimbo do médico responsável. Em caso de necessidade de parecer, contatar o Serviço de Hemoterapia Ramal AMOSTRAS Membros do corpo funcional habilitados a colher a amostra, de acordo com o local onde o paciente estiver localizado: Enfermeiros Técnicos do Serviço de Hemoterapia Técnicos e Auxiliares de Enfermagem Médicos UFRJ_HUCFF_Comitê Transfusional - Novembro/2011 4

5 Todos devem ser treinados para o procedimento e para a correta identificação das amostras e dos formulários 4.1 TIPOS DE AMOSTRA 1 Tubo com EDTA tampa roxa 1 Tubo seco tampa vermelha 4.2 FREQUÊNCIA DE COLETA DA AMOSTRA A amostra tem validade de 72h (3 dias) para provas de compatibilidade. Nova amostra será solicitada em algumas situações: o Pacientes ALOIMUNIZADOS ou com alto risco de ALOIMUNIZAÇÃO; o Troca da volemia; o Duvida quanto à identificação do paciente; o Caso de reação transfusional. 4.3 IDENTIFICAÇÃO DAS AMOSTRAS PARA TESTES PRE- TRANSFUSIONAIS Informações necessárias, nos tubos de coleta das amostras: Número do prontuário Nome COMPLETO do paciente Localização no HUCFF Data Identificação de quem colhe a amostra 4.4 CUIDADOS COM AMOSTRAS E PEDIDOS UFRJ_HUCFF_Comitê Transfusional - Novembro/2011 5

6 As transfusões de sangue devem preferencialmente ocorrer em horários diurnos, quando é mais fácil e seguro acompanhar possíveis reações transfusionais, do que em horário de plantão. Orientar o AOSD a entregar o pedido na seção de transfusão de sangue do Serviço de Hemoterapia, aos cuidados do plantonista do dia. Entregar os pedidos de transfusão íntegros e em boas condições de manuseio. Não devem ser rasurados ou amassados, pois farão parte do prontuário médico do paciente. Nunca devem ser deixados por baixo de portas. Encaminhar as amostras de sangue ao Serviço de Hemoterapia em seguida à coleta, mantidas em temperatura ambiente. Para o transporte de amostras observar normas de biossegurança para material biológico - recipiente exclusivo para esse fim, com paredes rígida, resistente à queda, acomodando os tubos na posição vertical, tampa para cima. 5. RECEBIMENTO NO SERVIÇO DE HEMOTERAPIA Os pedidos são recebidos no Serviço de Hemoterapia 3º andar do HUCFF. Quando necessário contato telefônico com o plantonista usar o Ramal As transfusões serão classificadas para atendimento conforme abaixo: Programada - para determinado dia e horário; UFRJ_HUCFF_Comitê Transfusional - Novembro/2011 6

7 Não urgente - dentro de 24 horas; Urgente - dentro das próximas 3 horas; Extrema urgência quando qualquer atraso representa risco de vida. ATENÇÃO: Comunicar imediatamente ao Serviço de Hemoterapia em caso de: 1. Mudança de localização do paciente; 2. Evolução do paciente com complicação não existente no momento da solicitação, sendo necessário priorizar o evento transfusional. 6. EXPEDIÇÃO DO PRODUTO Em condições normais de atendimento, o tempo necessário para a expedição final do produto será de aproximadamente 2 horas. Pacientes em cirurgia eletiva, que realizaram os testes prétransfusionais antecipadamente e já possuem reserva, terão seus pedidos atendidos em aproximadamente 20 minutos a partir do aviso da necessidade feito pela enfermagem do setor. 6.1 RETIRADA DOS PRODUTOS NO SERVIÇO DE HEMOTERAPIA E TRASNPORTE O Serviço de Hemoterapia avisará o setor ao término dos testes pré-transfusionais. UFRJ_HUCFF_Comitê Transfusional - Novembro/2011 7

8 O enfermeiro responsável pelo setor e /ou seus auxiliares poderão entrar em contato para confirmar a liberação dos produtos após: o 1h quando for entregue pedido com amostra (unidades fechadas); o 2h quando for necessária colher amostra na enfermaria. O Centro Cirúrgico, os CTIs e a hemodiálise deverão enviar pessoal autorizado, devidamente capacitado, para retirar as unidades no Serviço de Hemoterapia. O transporte dos componentes deve ser feito em caixas TÉRMICAS especiais que atendam às temperaturas requeridas. Ao receber as unidades, os profissionais de enfermagem devem verificar as informações sobre a identificação do paciente e das unidades de sangue liberadas para o mesmo. Atenção para evitar o envio equivocado de bolsas para pacientes!!! Atentar para homônimos. Junto com as unidades selecionadas seguirá uma cópia da solicitação, que deverá ser anexada ao prontuário do paciente, devidamente preenchida. O tempo MÁXIMO de trânsito do hemocomponente, até a aplicação, não deve exceder 30 MINUTOS. Se ao chegar ao setor não for mais necessária a transfusão, as unidades devem retornar ao Serviço de Hemoterapia IMEDIATAMENTE VERIFICAÇÃO ANTES DA APLICAÇÃO UFRJ_HUCFF_Comitê Transfusional - Novembro/2011 8

9 Verificar o preenchimento da prescrição no prontuário do paciente; Verificar a necessidade especial do paciente e se o produto enviado corresponde ao solicitado Leucodepleção/Irradiação/Fenotipagem alongada; Verificar registro do TPR e PA pré-transfusional na evolução de enfermagem; Fazer a inspeção visual da unidade procurando por alteração da coloração, formação de grumos ou vazamentos; Fazer a última verificação de identificação entre a bolsa do hemocomponente e os dados do paciente; Higienizar as mãos e fazer uso de equipamentos de proteção individual (EPI); Ter ao seu alcance o equipo próprio para o ato transfusional - com filtro em malha de 170µ e materiais de punção venosa INFUSÃO DO HEMOCOMPONENTE Faça a avaliação e seleção criteriosa do sitio de punção venosa, com atenção a presença de sinais flogísticos e de infiltração. Proceda a punção venosa, respeitando técnica asséptica, conforme o protocolo institucional. Verifique a permeabilidade e condições do acesso se punção preexistente. Mantenha o acesso com salina 0,9% se necessário. UFRJ_HUCFF_Comitê Transfusional - Novembro/2011 9

10 Conectar a bolsa ao equipo próprio para hemocomponente (com filtro 170µ) e após seu preenchimento, conectar ao acesso. Abra o equipo para a transfusão com gotejamento lento, aumentando a velocidade gradativamente até atingir 50 gotas por minuto, aos 10 minutos. Velocidades superiores a descrita poderão ser feitas desde que autorizadas pelo médico assistente. As transfusões de plasma fresco e crioprecipitado terão o gotejamento ajustados à permeabilidade vascular, e condição clínica do paciente de processar o volume infundido. Velocidades habituais das transfusões: o Concentrados de hemácias: 1 a 4 horas podendo ser mais rápida em emergências. o Plasma Fresco Congelado: 30 minutos por bolsa. o Concentrado de Plaquetas (dose: 6u randômicas ou 1 CPU): 30 minutos. UFRJ_HUCFF_Comitê Transfusional - Novembro/

11 ATENÇÃO o Evite adicionar medicamentos à bolsa de hemocomponente, mesmo que em paralelo na mesma via, à exceção da Solução de Cloreto de Sódio a 0,9%. o Em caso de aplicação de mais de uma unidade, aferir FC e PA entre as unidades e, ao término das unidades verificar TPR-PA. o A administração de cada dose de hemocomponente, deve ser através de equipo próprio para o ato transfusional, e de uso único. 7. REAÇÕES TRANSFUSIONAIS Reação transfusional é qualquer intercorrência consequente à transfusão sanguínea, durante ou após sua administração. São classificadas como imediatas, quando ocorrem até 24h do término da transfusão, ou tardias, quando acontecem depois deste período. As condutas gerais para atendimento das reações estão especificadas nos anexos A, B, C e D. 8. VERIFICAÇÕES AO TÉRMINO DA TRANSFUSÃO Verifique os sinais vitais (TPR e PA) Mantenha o acesso venoso pérvio (salinizado) para o caso de serem necessárias medidas de controle diante de eventuais intercorrências. A retirada do acesso venoso estará condicionada ao quadro clínico do paciente. Identificando um evento adverso, preencha e encaminhe a notificação para o Serviço de UFRJ_HUCFF_Comitê Transfusional - Novembro/

12 Hemoterapia/ Gerência de Risco, no caso de evento adverso (Formulário no Anexo E). 9. REGISTROS DE ENFERMAGEM EM PRONTUÁRIO Data e hora do início e término do procedimento; Nº do componente transfundido, classificação identificada no rótulo (ABO_Rh) e volume infundido; Local de punção venosa, com calibre do dispositivo e condições do acesso venoso; Sinais vitais verificados antes, durante e ao término do procedimento; Reações adversas e condutas implementadas. Nome e registro do profissional responsável pelo acompanhamento. O Comitê Transfusional do HUCFF orienta para uma transfusão segura: SIGA A REGRA DOS 5 CERTOS 1. Componente Certo 2. Dose Certa 3. Paciente Certo 4. Via Certa 5. Hora Certa 10. PERGUNTAS MAIS FREQUENTES: UFRJ_HUCFF_Comitê Transfusional - Novembro/

13 10.1) O Concentrado de Hemácias necessita ser aquecido ou pode ser administrado gelado/frio? R. O Concentrado de Hemácias pode ser instalado frio, como sai da geladeira, sua temperatura vai se adaptando durante a infusão. EXCEÇÃO: Quando há troca de volemia, para evitar hipotermia, e na anemia hemolítica auto-imune a frio, para evitar ativação da doença. Nesses casos, utilizar aquecedor próprio para sangue. 10.2) Depois de descongelado/semi-descongelado o plasma pode ser congelado novamente? R. Não. 10.3) Onde guardar o plasma que será administrado de 8/8h? No congelador, na prateleira da geladeira ou ao Serviço de Hemoterapia(SH) só o enviará quando perto do horário de infusão? R. Preferencialmente, o produto deve ser liberado pelo SH conforme necessidade. Se ficar restrito à unidade onde será aplicado, deve ser preservado na temperatura indicada no rótulo do produto, em ambiente higienizado e sinalizado. O descongelamento deve ser iniciado 30 minutos antes do horário previsto para aplicação. 10.4) Como descongelar o plasma e crioprecipitado? Água fria? Morna? R. O plasma deve ser descongelado, a temperatura controlada de 37ºC. Idealmente em descongelador próprio para plasma, a seco. Quando não for possível, poderá ser usado banho maria com temperatura controlada por termômetro. A água deve ser destilada, trocada a cada 24h ou sempre que contaminar durante o UFRJ_HUCFF_Comitê Transfusional - Novembro/

14 manuseio. Os produtos plasma e crio devem ser protegidos por plástico transparente para evitar contaminação. 10.5) As plaquetas e o crio podem ser reunidas numa mesma bolsa para infusão? R. A dose de plaqueta pode estar em um pool bem como a dose de crio, imediatamente antes da transfusão. No entanto, plaquetas e crio não podem ser misturados entre si. 10.6) As plaquetas podem ser administradas num mesmo equipo só trocando a bolsa? E o crio? R. Sim para ambos. Recomenda-se o uso de um equipo por dose. 10.7) O que fazer com as bolsas furadas que percebemos após descongelamento do plasma? R. Informar imediatamente a perda ao Serviço de Hemoterapia para que possa retornar o produto ao estoque e expurgar como perda. Isso é um indicador importante. 10.8) O concentrado de hemácias pode correr em paralelo com SF 0.9% com eletrólitos? E quando estiver correndo antimicrobianos? R. Idealmente, todos os produtos do sangue devem correr isoladamente. Em casos especiais onde haja grande necessidade, podem correr em paralelo com NaCl a 0,9%. Outros eletrólitos devem ser evitados por interferirem com a solução anticoagulante e integridade das células. 10.9) Crio, plasma ou plaqueta podem ser infundidos juntos? Existe alguma prioridade na hora da infusão? UFRJ_HUCFF_Comitê Transfusional - Novembro/

15 R. Idealmente não. Devem ser infundidas separadamente, respeitando, quando possível, a seguinte ordem: inicialmente plaquetas, seguida de plasma e por fim, crio ) Onde descartar bolsas usadas? Lixo comum? Caixa para descarte de perfuro-cortantes? R. As bolsas liberadas para transfusão já foram testadas para marcadores das principais infecções transmissíveis pelo sangue, sendo consideradas de baixo risco. O material perfuro-cortante utilizado na punção deve ser descartado em caixa própria para isto, mas as bolsas podem ir para o lixo hospitalar comum saco branco leitoso ) O que fazer quando o paciente apresenta febre (38 C) refratária a antitérmicos antes da infusão? Pode infundir mesmo assim? R. Idealmente transfundir com o paciente sem elevação da temperatura. Caso a febre não seja controlada, e sendo a transfusão muito necessária, transfundir com o conhecimento e autorização pelo médico assistente que deverá saber que eventos adversos poderão não ser identificados, já que um dos mais comuns é a febre. No caso da transfusão de plaquetas, poderá haver prejuízo no aproveitamento do produto. O paciente deve ser bem monitorado. UFRJ_HUCFF_Comitê Transfusional - Novembro/

16 Caros colegas, Obrigado por sua leitura. Comentários, sugestões e dúvidas podem ser encaminhados aos cuidados do Comitê Transfusional do HUCFF no Comitê Transfusional UFRJ_HUCFF_Comitê Transfusional - Novembro/

17 11. ANEXOS A) Condutas gerais para atendimento de reações transfusionais IMEDIATAS 1. Interromper transfusão; 2. Manter acesso venoso com solução fisiológica 0,9%; 3. Verificar, a beira do leito, se o hemocomponente foi corretamente administrado ao paciente destinado 4. Verificar sinais vitais; 5. Comunicar o ocorrido ao médico do paciente; 6. Notificar a reação ao Serviço de Hemoterapia; 7. Enviar as amostras do receptor, quando indicado, o hemocomponente e seu equipo para o Serviço de Hemoterapia; 8. Quando indicado, enviar amostras de sangue e/ou urina do receptor ao laboratório; 9. Registrar em prontuário. B) Condutas gerais para atendimento de reações transfusionais TARDIAS 1. Notificar ao médico os sinais e sintomas observados; 2. Coletar amostras do receptor para exames, conforme orientação médica; 3. Orientar o paciente sobre a suspeita da reação; 4. Notificar o Serviço de Hemoterapia; 5. Registrar em prontuário. UFRJ_HUCFF_Comitê Transfusional - Novembro/

18 C) REAÇÕES TRANSFUSIONAIS IMEDIATAS Reação Sinais e sintomas Exames Etiologia Conduta Prevenção Hemolítica aguda Febril não - hemolítica Alérgica Inquietação, ansiedade, sensação de morte iminente, dor no tórax, abdome e local da infusão, hipotensão grave, febre, calafrios, hemoglobinúria, hemoglobinemia Calafrios, tremores, aumento da temperatura > 1º C, cefaléia, náusea, vômito Prurido, urticária, eritema, pápulas, tosse, rouquidão Retipagem ABO/ Rh D dos componentes e das amostras pré e pós transfusionais do receptor, PAI das amostras pré e pós transfusionais do receptor, Coombs pré e pós transfusionais, provas de hemólise, inspeçao visual do plasma e urina do paciente. Não se aplica (diagnóstico de exclusão) Não se aplica Incompatibilidade ABO, mais comumente Anticorpos contra leucócitos do doador Anticorpos contra proteínas plasmáticas Medidas intensivas e de suporte,aminas vasoativas, manter diurese de 100 ml/hora Antipiréticos, evitar AAS A maioria das reações é benigna e pode cessar espontanemente Atenção nas etapas relacionadas à transfusão de sangue, infusão lenta nos primeiros 50 ml Produtos deleucocitados Anti - histamínicos pré - transfusionais após primeira reação grave, após a segunda, lavar os hemocomponentes UFRJ_HUCFF_Comitê Transfusional 18 - Novembro/2011

19 Reação Sinais e sintomas Exames Etiologia Conduta Prevenção Insuficiência respiratória, Anafilática Dosagem de IgA Anticorpo anti - IgA - e/ou anticorpos anti IgA Sobrecarga volêmica Contaminação bacteriana sibilos, edema de laringe, náuseas, vômitos, hipotensão, choque Usualmente, os sintomas começam imediatamente após o início da transfusão Disp n éia, ortopnéia, cianose, distensão jugular, taquicardia, hipertensão, edema periférico e tosse seca, estertoração pulmonar Tremores, calafrios, febre, hipotensão, náusea, vômito, choque Diagnóstico clínico, radiografia de tórax, BNP elevado Hemocultura do hemocomponente e do receptor Medidas intensivas de suporte, epinefrina, difenidramina, corticóides Excesso de volume Suporte de O2, diuréticos Componente sanguíneo contaminado Medidas intensivas de suporte, antimicro bianos de amplo espectro Defenidramina 1 hora e corticóides 2 a 6 horas antes da infusão, transfusão autóloga, hemocomponentes lavados, hemocomponentes de doadores deficientes em IgA se for necessário Controle da velocidade e do volume da infusão. Fracionar as bolsas em volumes menores Cuidados nas etapas do ciclo do sangue quanto a redução dos riscos de infecção bacteriana UFRJ_HUCFF_Comitê Transfusional 19 - Novembro/2011

20 Reação Sinais e sintomas Exames Etiologia Conduta Prevenção Hipoxemia, dispnéia, Anticorpos anti - E Suporte respiratório, vitar plasma de insuficiência respiratória, leucocitários no recusar doadores multíparas, não febre, edema pulmonar doador, menos relacionados utilizar plasma de bilateral frequentemente no doadores envolvidos paciente em casos de TRALI. Lesão pulmonar relacionada à transfusão - TRALI Descartar hemólise, pesquisa de anticorpos anti - leucocitários no doador e no paciente, radiografia de tórax, Gasometria arterial Com hipoxemia Hipotensão Hemólise não - imune Queda de pressão, ansiedade, mal estar, sudorese, e na ausência de febre, calafrios ou tremores Oligossintomática, atenção à presenção de hemoglobinúria e hemoglobinemia Diagnóstico clínico Inspeção visual do plasma e urina do paciente Utilização de filtros na beira do leito; pacientes em uso de inibidores da ECA* Destruição de células antes da transfusão, em geral devido à ação dos agentes químicos ou mecânicos Manter o paciente na posição de Trendelenburg, Utilização de filtros de leucócitos de bancada; investigar infundir história SF 0,9% de uso de ini bidores da ECA* Observação do paciente e acompanhamento d a função renal, estimular diurese até a melhora do quadro Revisão dos processos do ciclo do sa n gue ECA Enzima Conversora da Angiotensina UFRJ_HUCFF_Comitê Transfusional 20 - Novembro/2011

21 Reação Sinais e sintomas Exames Etiologia Conduta Prevenção Reposição lenta de Distúrbios metabólicos - Parestesia, tetania, Níveis séricos de arritmias cálcio iônico, H ipocalcemia eletrocardiograma Dor aguda relacionada à transfusão Dor aguda de curta duração em região lombar, torácica e membros superiores não associados a outros sinais e sintomas Diagnóstico de exclusão Infusão rápida ou excessiva de citrato, como o que ocorre na transfusão maciça Etiologia desconhecida cálcio com monitoramento periódico dos níveis séricos Analgésicos Monitorização dos níveis séricos de cálcio iônico em pacientes que recebam transfusão maciça Não há métodos de prevenção Síndrome de hiperhemólise Febre, hemoglobinúria e/ou crise dolorosa Pesquisa e identificação de anticorpo irregular, teste de antiglobulina direto, provas de hemólise Produção de alo ou autoanticorpos antieritrocitários, inclusive do sistema HLA, levando à ligação antígeno - anticorpo e ativação de complemento Corticóides e/ou imunolobulina endovenosa imediatamente após a reação Evitar transfusões e reservá - las para situações em que a anemia implique em risco de morte, sempre utilizar pré - medicação, respeitar os antígenos D, E. C, c e K sempre que possível UFRJ_HUCFF_Comitê Transfusional 21 - Novembro/2011

22 D) REAÇÕES TRANSFUSIONAIS TARDIAS Reação Sinais e sintomas Exames Etiologia Conduta Prevenção Hemolítica tardia Púrpura póstransfusional Doença do enxerto versus hospedeiro GvHD Febre, icterícia, queda da hemoglobina e/ou baixo incremento transfusional Púrpura trombocitopênica, sangramento iniciado 5 a 12 dia após uma transfusão Eritrodermia, rash máculo-papular, anorexia, náusea, vômitos, diarréia, hepatite, febre, pancitopenia Pesquisa e identificação de anticorpo irregular, teste de antiglobulina direto, provas de hemólise Pesquisa de anticorpos antiplaquetários Tipagem de HLA, biópsia de pele Aloanticorpo previamente desenvolvido por transfusão ou gestação e não detectado, hemolisando as hemácias antígeno- positivas transfundidas Anticorpos antiplaquetários do receptor levam à destruição de plaquetas autólogas Linfócitos do doador formam resposta imunológica contra o receptor O tratamento é desnecessário Plasmaférese, imunoglobulina endovenosa, corticóides Imunossupressores, corticóides As próximas transfusões devem ser antígeno negativas para o correspondente anticorpo, sempre que possível, respeitar os antígenos D, E. C, c e K Uso de hemocomponentes antígeno-negativos em pacientes com história de púrpura pós transfusional Irradiação de hemocomponentes para pacientes de risco UFRJ_HUCFF_Comitê Transfusional 22 - Novembro/2011

23 Reação Sinais e sintomas Exames Etiologia Conduta Prevenção Sorológica tardia Sobrecarga de ferro Ausentes Hiperpigmentação cutânea, sinais e sintomas compatíveis com miocardiopatia, cirrose hepática e diabetes mellitus Pesquisa e identificação de anticorpo irregular, teste de antiglobulina direto, provas de hemólise Dosagem de ferritina sérica e de ferro hepático Aloanticorpo previamente desenvolvido por transfusão ou gestação e não detectado, reagindo com as hemácias antígenopositivas transfundidas, sem hemolisá-las Após 10 a 20 unidades de concentrados de hemácias O tratamento é desnecessário Das complicações As próximas transfusões devem ser antígeno negativas para o correspondente anticorpo se este for clinicamente importante, sempre que possível, respeitar os antígenos D, E. C, c e K Quelantes de ferro, flebotomias se possível Fonte: Brasil, UFRJ_HUCFF_Comitê Transfusional 23 - Novembro/2011

24 E) FICHA DE NOTIFICAÇÃO DE EVENTO ADVERSO (GERENCIA DE RISCO) HUCFF/UFRJ GERÊNCIA DE RISCO (Sala 5 A 47 R: 2732/2733) FICHA DE NOTIFICAÇÃO DE EVENTO ADVERSO Descrição do evento (incluir relato de ocorrência, motivos, providências e consequências. Se necessário, use o verso): Data da ocorrência: Nome: CASO Nº NOTIFICAÇÃO: ( ) Sangue ( ) Equipamento/produto ( ) Medicamento ( ) Outro Prontuário: CASO ENVOLVA PACIENTE: Localização: CARACTERÍSTICAS E IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO ENVOLVIDO (equipamento e artigo de uso médico, Kits laboratório,material para desinfecção ou esterilização, sangue/ produtos e medicamentos) Ж Nome do produto: Registro MS: Lote: Validade: Nome: Função: Ramal: IDENTIFICAÇÃO DO NOTIFICANTE Localização: Ж Guarde o produto envolvido, ele será necessário na investigação UFRJ_HUCFF_Comitê Transfusional 24 - Novembro/2011

25 F)TERMO DE CONSENTIMENTO COM INCLUSÃO DA TRANSFUSÃO DE SANGUE UFRJ_HUCFF_Comitê Transfusional - Novembro/

26 11. REFERÊNCIAS 1. POTTER, PA; PERRY. Fundamentos de Enfermagem. Ed. 7º. Elsevier, BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Hemovigilância: manual técnico para investigação das reações transfusionais imediatas e tardias não infecciosas / Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília : Anvisa, p. 3. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria 1.353, DE 13 DE JUNHO DE Aprova o Regulamento Técnico de Procedimentos Hemoterápicos. Brasília (DF): MS, Manual de Práticas Transfusionais Serviço de Hemoterapia HUCFF UFRJ 1999 a POP Transfusão Ambulatorial Serviço de Hemoterapia HUCFF UFRJ Brasil, Guia para uso de hemocomponentes/ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Especializada Brasília p UFRJ_HUCFF_Comitê Transfusional - Novembro/

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HEMOVIGILÂNCIA Responsáveis: Enfª Cledes Moreira Enfª Danielli S. Barbosa Enfª Luciana Paiva VAMOS TRABALHAR HOJE Os cuidados na instalação de sangue e hemocomponentes.

Leia mais

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA Parte I: Múltipla Escolha 01 Quanto à classificação do grupo

Leia mais

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor. Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão. Enfermeira Claudete Carmen Girotto Sartori

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor. Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão. Enfermeira Claudete Carmen Girotto Sartori Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão Enfermeira Claudete Carmen Girotto Sartori Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão. O processo transfusional contempla

Leia mais

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Instalação e administração de concentrado de hemácias, plaquetas ou plasma fresco congelado. FINALIDADE Estabelecer a rotina para instalação e controle da transfusão de hemocomponentes

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. XV Jornada Interiorana de Hematologia e Hemoterapia II Encontro Interiorano de Enfermagem em Hemoterapia e Hemovigilância TESTES PRÉ

Leia mais

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia 1 1 - REQUISIÇÃO DE HEMOCOMPONENTES A enfermagem deve checar se a requisição de transfusão (MA5-036) foi preenchida corretamente, em duas ou mais vias, com os seguintes itens: - Nome completo do paciente

Leia mais

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA Rotina da Agência Transfusional Mara Martins Bióloga HCI / INCA O ato transfusional é um delicado processo na assistência a saúde. No INCA são realizadas cirurgias de grande porte e também grande número

Leia mais

Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1

Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1 Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1 Protocolo Transfusional do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) Módulo: Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo. 1 Edição,

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Atividades avaliadas Nível

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Gerência de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos/GSTCO/GGPBS/Anvisa Christiane da Silva Costa Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian SISTEMA HEMATOLÓGICO ATUAÇÃO DE ENFERMAGEM NO PROCESSO DE DOAÇÃO E TRANSFUSÃO SANGUÍNEA SEMINÁRIO ALUNOS DO 4º SEMESTRE

Leia mais

Como diagnosticar e notificar uma reação transfusional

Como diagnosticar e notificar uma reação transfusional www.anvisa.gov.br Como diagnosticar e notificar uma reação transfusional II Encontro Goiano de Gerenciamento de Risco 1 a 3 de outubro de 2012 Termos e Palavras-chave Hemoterapia Uso Racional do sangue

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA Versão: 06 Código: STROEM 02 Paginação: 1 de 36 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Aprovado e liberado por:

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL INSTALAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA TRANSFUSÃO E REAÇÕES ADVERSAS

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL INSTALAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA TRANSFUSÃO E REAÇÕES ADVERSAS Pagina 1 de 20 1. OBJETIVO Assegurar todo o procedimento de transfusão sanguínea. 2. APLICAÇÃO Receptores (Pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador de Imunohematologia (

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO

BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO Jaciane Vargas de Freitas Silva Enfermeira RT Serviço de Enfermagem do Ambulatório do HBH Fundação Hemominas BOA PRÁTICA TRANSFUSIONAL Aplicação

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÕES PARA A TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÕES PARA A TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES Pagina 1 de 17 1. OBJETIVO Atender com eficácia as solicitações realizadas pelo corpo clínico dos hospitais. 2. APLICAÇÃO Receptores (pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador

Leia mais

XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA

XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA PREMISSAS A transfusão sanguínea é uma terapêutica

Leia mais

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Transfusão de sangue Blood Transfusion - Portuguese UHN Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Quais são os benefícios da transfusão de sangue? A transfusão de sangue pode

Leia mais

SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM HOSPITAL DE CLÍNICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM. O Papel do Enfermeiro em Hemoterapia

SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM HOSPITAL DE CLÍNICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM. O Papel do Enfermeiro em Hemoterapia SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM HOSPITAL DE CLÍNICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM O Papel do Enfermeiro em Hemoterapia CONDUTAS DE ENFERMAGEM NA TRANSFUSÃO DE SANGUE Enf.ª Luciana Paiva Enf.ª Ms.

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 027 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 027 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 027 / 2011 Assunto: Autotransfusão intra-operatória. 1. Do fato Solicitado parecer por enfermeira sobre a atuação dos profissionais de Enfermagem na autotransfusão intra-operatória.

Leia mais

a) do Serviço de Hemoterapia para a Vigilância Sanitária Municipal, até o 10º dia útil subsequente ao mês/período informado;

a) do Serviço de Hemoterapia para a Vigilância Sanitária Municipal, até o 10º dia útil subsequente ao mês/período informado; Republicada no D.O. de 22/8/01 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV, do Regulamento da ANVISA, aprovado pelo Decreto

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/6 SUMÁRIO 1.OBJETIVO: Fazer a reposição de sangue e/ou componentes sanguíneos conforme a necessidade terapêutica dos pacientes. 2.APLICAÇÃO: Aos pacientes internados e ambulatoriais com prescrição

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO PROCESSAMENTO Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Recursos Humanos Nível Sim Não NA 1.1. RH qualificado/capacitado

Leia mais

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Segurança do Sangue Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Escolha dos Doadores Voluntários Baixa prevalência de doenças Doadores de repetição

Leia mais

Punção Venosa Periférica CONCEITO

Punção Venosa Periférica CONCEITO Punção Venosa Periférica CONCEITO É a criação de um acesso venoso periférico a fim de administrar soluções ou drogas diretamente na corrente sanguínea, para se obter uma ação imediata do medicamento. Preparar

Leia mais

VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea

VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea Transfusão de Hemocomponentes Especiais Belo Horizonte Abril 2015 Ricardo Olivo Hemocentro Regional de Uberaba Hemocomponentes Especiais São hemocomponentes

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PREPARO DE TRANSFUSÕES E LIBERAÇÃO DE HEMOCOMPONENTES PARA TRANSFUSÃO

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PREPARO DE TRANSFUSÕES E LIBERAÇÃO DE HEMOCOMPONENTES PARA TRANSFUSÃO Pagina 1 de 30 1. OBJETIVO Assegurar o procedimento de liberação e transfusão sangüínea. 2. APLICAÇÃO Receptores (Pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador de Imunohematologia

Leia mais

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico ANTI HUMANO Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante:

Leia mais

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS Resolução da Diretoria Colegiada RDC no 57, de 16 de dezembro de 2010. Determina o Regulamento Sanitário para Serviços que desenvolvem atividades relacionadas

Leia mais

Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria

Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria Adriana Barretto de Mello hemoba@hemoba.ba.gov.br Todo sangue é fracionado em componentes Vantagens Uma doação pode ajudar vários pacientes Para manter as propriedades

Leia mais

Cuidados e indicações atuais

Cuidados e indicações atuais Hemotransfusão em Pediatria Cuidados e indicações atuais Priscila Cezarino Rodrigues Pediatra Hematologista e Hemoterapeuta Fundação Hemominas Grupo de Hematologia Pediátrica do HC UFMG Belo Horizonte

Leia mais

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão Foto: Marcelo Rosa 8h30 8h40-9h 9h-9h50 9h50-10h 10h-10h20 Entrega do material Abertura Conferência: A doação de sangue na América Latina 10h20-10h50 10h50-11h 11h-12h30 11h-11h20 11h20-11h40 11h40-12h

Leia mais

Projeto coordenado por Denise Costa Dias

Projeto coordenado por Denise Costa Dias A hemoterapia moderna baseia-se no uso seletivos dos componentes do sangue. A utilização correta dos diversos hemocomponentes, associados a um maior controle de qualidade nas diversas etapas desde a coleta

Leia mais

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante: Azida de Sódio 0,1 % Responsável

Leia mais

ÁREA/ESPECIALIDADE: TÉCNICO EM LABORATÓRIO / HEMOTERAPIA

ÁREA/ESPECIALIDADE: TÉCNICO EM LABORATÓRIO / HEMOTERAPIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO ÁREA/ESPECIALIDADE: TÉCNICO EM LABORATÓRIO / HEMOTERAPIA 258

Leia mais

MÓDULO II- Referenciado

MÓDULO II- Referenciado MÓDULO - Referenciado CAPTAÇÃO, RECEPÇÃO/REGSTRO, TRAGEM CLÍNCA E COLETA 1. Captação de Doadores 1.1. Recursos Humanos Nível Sim Não 1.1.1. Pessoal qualificado/capacitado. (RDC 34/, Art. 19) 1.1.2. Supervisão

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora Texto Introdutório TESTES IMUNO-HEMATOLÓGICOS E TRANSFUSÃO EM ANEMIA HEMOLÍTICA AUTO-IMUNE A FRIO Margarida de Oliveira Pinho. Bióloga, Responsável pelo Laboratório de Imunohematologia

Leia mais

Segurança do Paciente e Vigipos

Segurança do Paciente e Vigipos 14º Encontro Nacional da Rede Sentinela Fórum Internacional de Gestão de Risco e Segurança do Paciente 8 a 10 de outubro de 2013 Segurança do Paciente e Vigipos Geni Neumann N. de Lima Camara Unidade de

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE: CUIDADOS EM HEMOTRANSFUSÃO

SEGURANÇA DO PACIENTE: CUIDADOS EM HEMOTRANSFUSÃO SEGURANÇA DO PACIENTE: CUIDADOS EM HEMOTRANSFUSÃO Dda ENF LEOMAR ALBINI Ms ENF MIRELA PEZZINI VERAN Comitê Transfusional/ Hemovigilância HC UFPR Transfusão Ciclo do sangue Candidato à Doação DOADOR AMOSTRAS

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

REAÇÃO ALÉRGICA AO CONTRASTE IODADO

REAÇÃO ALÉRGICA AO CONTRASTE IODADO 1 de 7 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial RN, IA 1 Objetivo: Identificar, qualificar e principalmente evitar qualquer tipo

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº. 01/2010/DIVE/SES

NOTA TÉCNICA Nº. 01/2010/DIVE/SES S ESTADO DE SANTA CATARINA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA NOTA TÉCNICA Nº. 01/2010/DIVE/SES Assunto:

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 29 Página 1 de 5 1. Sinonímia Pesquisa de anticorpos frios. 2. Aplicabilidade Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica As Crioaglutininas são anticorpos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES Elisandro Luis Lima Saldanha Orientadora: Profª Themis Dovera Porto Alegre

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

(nome da Unidade de Saúde), com sede na

(nome da Unidade de Saúde), com sede na TERMO DE COMPROMISSO que entre si celebram o Estado do Rio de Janeiro, por meio da Secretaria de Estado de Saúde, neste ato representada pela Dra. Simone Silva da Silveira, Diretora Geral do Instituto

Leia mais

Temporalidade dos Documentos (Para Aprovação)

Temporalidade dos Documentos (Para Aprovação) Temporalidade dos s (Para Aprovação) Pág. 001 / 028 80 HU (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO) C.Custo: 30600 DIVISÃO DE HEMOCENTRO (HEMO) 1 ORDENAMENTO LEGAL Subfunção: 2 LEGISLAÇÃO Normas e Instruções (78) Leis

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES

ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES Período da Inspeção: / / a / / Tipo de serviço REMETENTE: ( ) HC ( ) HR ( ) NH ( ) UC fixa ( ) UC móvel

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA 1 de 8 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 25/11/2012 1.00 Proposta inicial LCR, DSR,MGO 1 Objetivo Agilizar o processo de transferência seguro do paciente/cliente, para

Leia mais

Resolução Estadual nº 05, de 1988

Resolução Estadual nº 05, de 1988 Resolução Estadual nº 05, de 1988 ASSUNTO: Aprovação da Norma Técnica Especial (NTE) relativa ao Controle de Transfusão de Sangue em Estabelecimentos Hospitalares e Afins. DATA DE ENTRADA EM VIGOR: REVOGAÇÃO:

Leia mais

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL HEMOCENTRO DE BELO HORIZONTE 2015 TRANFUSÃO SANGUÍNEA BREVE RELATO Atualmente a transfusão de sangue é parte importante da assistência à saúde. A terapia transfusional

Leia mais

AGÊNCIA TRANSFUSIONAL - HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MULLER

AGÊNCIA TRANSFUSIONAL - HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MULLER PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO: TRANSFUSÃO EM NEONATOS E CRIANÇAS ATÉ 4 MESES DE IDADE Versão: 05 Código: APTRN/4M 05 paginação: 1 de 12 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração:

Leia mais

Testes pré-transfusionais. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br

Testes pré-transfusionais. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Testes pré-transfusionais Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Imunohematologia Antígenos eritrocitários Importância do estudo dos antígenos Incompatibilidades transfusionais

Leia mais

Aféreses Transfusionais Uso de Plaquetas de Doadores Múltiplos ou de Plaquetas por Aféreses

Aféreses Transfusionais Uso de Plaquetas de Doadores Múltiplos ou de Plaquetas por Aféreses Aféreses Transfusionais Uso de Plaquetas de Doadores Múltiplos ou de Plaquetas por Aféreses Maria Odila Jacob de Assis Moura Centro de Hematologia de São Paulo odila@chsp.org.br Unidades transfundidas

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ MANUAL DO PACIENTE TRANSPLANTE DE RIM CURITIBA 2012 Índice 1. Objetivo... 3 2. O que é a Central Estadual de

Leia mais

Nestes 30 anos, crescemos, amadurecemos e compreendemos nosso papel na sociedade.

Nestes 30 anos, crescemos, amadurecemos e compreendemos nosso papel na sociedade. Nestes 30 anos, crescemos, amadurecemos e compreendemos nosso papel na sociedade. Auditoria em Hemoterapia Experiências vivenciadas BREVE HISTÓRICO TRANSFUSÃO SANGUÍNEA HEMOCOMPONENTES HEMODERIVADOS TRANSFUSÃO

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. POP n.º: I70 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-, VIKIA Biomeriéux. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. 3. Aplicação

Leia mais

ANTI IgG (Soro de Coombs)

ANTI IgG (Soro de Coombs) ANTI IgG (Soro de Coombs) Soro Anti Gamaglobulinas Humanas PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO NAS REAÇÕES TRANSFUSIONAIS

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO NAS REAÇÕES TRANSFUSIONAIS PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO NAS REAÇÕES TRANSFUSIONAIS Versão atual: 05 código do documento: Reatransf-10 Página 1 de 25 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Data da Elaboração: 01/05/03 Assinatura

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2014

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2014 UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2014 Edital n o 044/2014 Especialidade: TÉCNICO EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA 258 INSTRUÇÕES AO

Leia mais

Produção, Armazenamento e Procedimentos de Hemocomponentes

Produção, Armazenamento e Procedimentos de Hemocomponentes Produção, Armazenamento e Procedimentos de Hemocomponentes Keicia Moreira Pinto Instituto Nacional do Câncer Hospital do Câncer I Serviço de Hemoterapia Setor de Fracionamento e Expedição de Hemocomponentes

Leia mais

FMB MANUAL DE TRANSFUSÃ PARA ENFERMAGEM

FMB MANUAL DE TRANSFUSÃ PARA ENFERMAGEM HC FMB MANUAL DE TRANSFUSÃ PARA ENFERMAGEM Patrícia Carvalho Garcia Pedro Bonequini Júnior Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu Botucatu 2015 Agência Transfusional Tel.: (14) 3811-6041

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Rio Grande 2012/1ºsemestre

Rio Grande 2012/1ºsemestre UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE ESCOLA DE ENFERMAGEM CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA II Administração de Soluções Endovenosas Profª Enfª Msc Bárbara Tarouco da Silva Rio Grande

Leia mais

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 015/2011

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 015/2011 ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 015/2011 PROJETO: Curso Técnico em Hemoterapia DOCENTE DE CONCENTRAÇÃO Atribuições: ministrar aulas teóricas Habilitação

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

Instruções para coleta de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Doação Não-Aparentada

Instruções para coleta de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Doação Não-Aparentada Instruções para coleta de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Doação Não-Aparentada Objetivo: Orientar o procedimento para a coleta de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário SCUP. Clientela: Profissionais

Leia mais

Página ORIGEM PULMONAR E EXTRAPULMONAR 01 de 05. Anexo 1. Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro

Página ORIGEM PULMONAR E EXTRAPULMONAR 01 de 05. Anexo 1. Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro 01 de 05 Anexo 1 Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro Figura 2: Exemplo de caixa com tampa de material não poroso, rígido, resistente à descontaminação, identificada

Leia mais

Cadastramento dos doadores de sangue - Decreto-Lei 95721 de 11/2/1988

Cadastramento dos doadores de sangue - Decreto-Lei 95721 de 11/2/1988 Cadastramento dos doadores de sangue - Decreto-Lei 95721 de 11/2/1988 Ementa: Regulamenta a Lei n.º 7.649, de 25 de janeiro de 1988, que estabelece a obrigatoriedade do cadastramento dos doadores de sangue

Leia mais

Cartilha Transfusional

Cartilha Transfusional Cartilha Transfusional I. Introdução: Esta cartilha tem como objetivo sensibilizar os médicos e demais funcionários do H.M.G quanto ao uso racional do sangue. Como todos sabem não há substituto para o

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE 1 de 6 335547222 5 RESULTADO ESPERADO: 335547222 Ajudar a garantir que as equipes cirúrgicas sigam de forma consistente algumas medidas de segurança críticas. Espera-se que dessa forma os riscos mais comuns

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos antígenos eritrocitários, julgue os itens a seguir. 41 No fenótipo McLeod, a presença da proteína Kx leva à produção de glóbulos vermelhos acantocíticos e à anemia hemolítica. 42 Indivíduos

Leia mais

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS 1. A partir de janeiro de 2014 o Brasil adotará a nova classificação de caso de dengue revisada da Organização Mundial de Saúde (detalhamento anexo I):

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS 2ª edição SUMÁRIO Nutrição Enteral: definição 1. Cuidados no preparo da Nutrição Enteral Higiene

Leia mais

TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES: CUIDADOS PRIORITÁRIOS DE ENFERMAGEM EM IDOSOS

TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES: CUIDADOS PRIORITÁRIOS DE ENFERMAGEM EM IDOSOS câncer. 3 Atualmente, fatores como envelhecimento populacional, intenso processo de TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES: CUIDADOS PRIORITÁRIOS DE ENFERMAGEM EM IDOSOS João Evangelista da Costa - UFRN. hevan33@oi.com.br

Leia mais

III Oficina Macrorregional de Hemovigilância: do doador ao receptor. Rio de janeiro, 26e 27 de agosto de 2015

III Oficina Macrorregional de Hemovigilância: do doador ao receptor. Rio de janeiro, 26e 27 de agosto de 2015 III Oficina Macrorregional de Hemovigilância: do doador ao receptor Rio de janeiro, 26e 27 de agosto de 2015 Formulário de notificação de reações graves à doação Tema apresentado por: Auristela Maciel

Leia mais

Manual do Usuário. Cuidados com o prontuário

Manual do Usuário. Cuidados com o prontuário Manual do Usuário Este manual foi feito para orientar os usuários dos serviços de internação domiciliar da HN Home Care Home Care, tanto para a modalidade de plantão de enfermagem de 12h, quanto para o

Leia mais

TABELA DE CÓDIGOS CONCENTRADO DE HEMÁCIAS

TABELA DE CÓDIGOS CONCENTRADO DE HEMÁCIAS UNIDADE HEMACIAS CONCENTRADO DE HEMÁCIAS TRIAGEM CLÍNICA DE DOADOR COLETA DE SANGUE DE DOADOR 40402045 27020010 PROCESSAMENTO ABO/RH(**) Doador ANTICORPOS IRREGULARES(**) Doador TAXA DE BOLSA PLASTICA

Leia mais

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc..

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc.. AULA 13: EAP (EDEMA AGUDO DE PULMÃO) 1- INTRODUÇÃO O edema agudo de pulmão é uma grave situação clinica, de muito sofrimento, com sensação de morte iminente e que exige atendimento médico urgente. 2- CONCEITO

Leia mais

INFORME TÉCNICO FEBRE MACULOSA BRASILEIRA

INFORME TÉCNICO FEBRE MACULOSA BRASILEIRA SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVISÃO DE TRANSMISSÍVEIS E IMUNOPREVINÍVEIS GERENCIA DE DOENÇAS

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Kit de Instrumental para Cirurgia do Túnel do Carpo VOLMED Nome Técnico: KIT CIRÚRGICO Fabricante: VOLMED BRASIL EQUIPAMENTOS LTDA -ME AV. SÃO GABRIEL, 291 JD. PAULISTA CEP: 13574-540

Leia mais

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos)

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos) 01 Um homem de 30 anos de idade, que morou em área rural endêmica de doença de Chagas até os 20 anos de idade, procurou banco de sangue para fazer doação de sangue e foi rejeitado por apresentar sorologia

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5.

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5. SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5.2 DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE BETI BRISSE

Leia mais

I Oficina Macrorregional de Hemovigilância: do doador ao receptor. São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

I Oficina Macrorregional de Hemovigilância: do doador ao receptor. São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 I Oficina Macrorregional de Hemovigilância: do doador ao receptor São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Formulário de notificação de reações graves à doação Tema apresentado por: Auristela Maciel Lins -Membro

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. POP nº 06 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 30/07/2016

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora TESTE DE ANTIGLOBULINA E SUA APLICAÇÃO EM LABORATÓRIOS Margarida de Oliveira Pinho, Bióloga, Responsável pelo Setor de Imunohematologia e Coordenação da equipe técnica do Serviço de Hemoterapia

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

Fluxograma de atendimento a acidente de trabalho

Fluxograma de atendimento a acidente de trabalho Fluxograma de atendimento a acidente de trabalho Assim que ocorrer o acidente Introdução Fluxo AT Com o objetivo de adotar medidas de cuidado e segurança à saúde de médicos, clientes e colaboradores, a

Leia mais

INUMO-HEMATOLOGIA DOADOR E RECEPTOR VITÓRIA 2014

INUMO-HEMATOLOGIA DOADOR E RECEPTOR VITÓRIA 2014 INUMO-HEMATOLOGIA DOADOR E RECEPTOR VITÓRIA 2014 Imuno-Hematologia Conceito: é o estudo relacionado com imunologia de grupos sanguíneos presentes nas hemácias, e imunologia de plaquetas e leucócitos. É

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSO. Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: POP 01. Técnico de. Organizar a Sala de Vacinas. Diariamente UAPS

GERENCIAMENTO DE PROCESSO. Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: POP 01. Técnico de. Organizar a Sala de Vacinas. Diariamente UAPS GERENCIAMENTO DE PROCESSO Pagina:01 Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: O QUE Organizar a Sala de Vacinas RESULTADO DO PROCESSO Melhoria na qualidade de execução de Executar imunização Imunização na Diariamente

Leia mais

CAPACITAÇÃO DOS AGENTES DO SNVS EM TRANSPORTE DEMATERIAL BIOLÓGICO

CAPACITAÇÃO DOS AGENTES DO SNVS EM TRANSPORTE DEMATERIAL BIOLÓGICO CAPACITAÇÃO DOS AGENTES DO SNVS EM TRANSPORTE DEMATERIAL BIOLÓGICO Experiências no transporte de sangue e componentes para fins terapêuticos. Fundação Hemocentro de Brasília Fábio de França Martins Gerência

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DA PLANILHA DOS DADOS DE PRODUÇÃO DOS BANCOS DE TECIDOS OCULARES

MANUAL DE PREENCHIMENTO DA PLANILHA DOS DADOS DE PRODUÇÃO DOS BANCOS DE TECIDOS OCULARES MANUAL DE PREENCHIMENTO DA PLANILHA DOS DADOS DE PRODUÇÃO DOS BANCOS DE TECIDOS OCULARES 1. Considerações iniciais Este manual tem por objetivo instruir os Bancos de Tecidos Oculares BTOC para o preenchimento

Leia mais

Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações

Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações Unidade de Anestesia Versão eletrônica atualizada em Março 2009 Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações Definições OMS Uma resposta

Leia mais

Metas Internacionais de Segurança do paciente

Metas Internacionais de Segurança do paciente Metas Internacionais de Segurança do paciente 2011 Missão Defender a saúde da comunidade e contribuir para o aprimoramento do Sistema Único de Saúde Visão Ser reconhecido nacionalmente pela excelência

Leia mais