Visão Geral do Novo Modelo e Mudanças Institucionais

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Visão Geral do Novo Modelo e Mudanças Institucionais"

Transcrição

1 ENCONTRO TÉCNICO SOBRE ENERGIA ELÉTRICA Visão Geral do Novo Modelo e Mudanças Institucionais João Carlos Mello Abril 2005

2 Visão Geral do Novo Modelo

3 O Projeto RE-SEB O contexto da situação regulatória no Setor Elétrico O início da implantação do Modelo A crise de abastecimento 2003 Base Conceitual do Novo Modelo A Revitalização do Modelo 2004/2005 AGO / 2004 Modelo Institucional do Setor Elétrico Regulamentação Decreto Presidencial Lei nº e Lei nº Decreto (ONS) Decreto 5163

4 Encaminhamento das Reformas Medidas Provisórias Assinadas pelo Executivo I. Reformas no Setor II. Criação da EPE Encaminhamento para o Legislativo Aprovado na Câmara e Senado Executivo Lei e MME Durante o ano 2004/2005 Preparação do Decreto ( ) Regulação ANEEL Decretos Complementares Procedimentos CCEE e Convenção de Comercialização

5 Evolução Mundial Reformas no Setor Elétrico 2000 França 2001 Rússia 1999 Reino Unido NETA 1998 Alemanha Austrália Mercado Nacional 1997 Coréia do Sul 1996 Canadá Diretiva Européia NORDPOOL China 1995 Brasil Japão 1993 Austrália 1994 Colômbia 1991 Noruega 1992 Argentina México EUA Energy Policy Act 1990 Reino Unido Primeiro Pool 1987 Nova Zelândia Chile

6 Competitividade O contexto situação da Indústria regulatória no Setor Elétrico Brasileira Todos os principais países da economia mundial implementaram mudanças estruturais no setor elétrico que incluem: 1. Ampliação da competição nas atividades de Geração 2. Maior liberdade para participação do capital privado na expansão 3. Sistema aberto na transmissão 4. Implantação de novas sistemáticas de operação e regulação Novo Modelo Brasileiro Alguns destes países implementaram também: 1. Liberdade de escolha no segmento Consumo com diferentes níveis de participação no atacado e no varejo 2. Transferência de propriedade dos ativos existentes

7 Objetivos Principais do Novo Modelo 1. Segurança de Suprimento Energético 2. Contratação Eficiente para o Mercado Regulado 3. Inserção Social através da Universalização Resultado: O Novo Modelo manteve vários atributos importantes para o grande Consumidor: Liberdade de escolha do fornecedor Foco na segurança e na expansão Capital privado na oferta de energia

8 Ganhos que foram Preservados Redução do custo de geração pela entrada de capital privado Substancial parcela de energia de autogeradores liberando o sistema Ganhos de eficácia sistêmica devido a uma maior liberdade de escolha pelos consumidores Consumidor Livre Viabilidade econômica e regulatória do acesso aberto à transmissão

9 A Evolução do Custo Marginal de Expansão US$ / MWh /90 90/95 94/99 95/ /97 97/02 98/03 99/ / Expansion Study Ciclo de planejamento Redução dos Custos de Construção Ponto Fundamental na Competição

10 Pontos Principais do Novo Modelo Mudanças Institucionais Comercialização de Energia Contratação no ACR Energia Existente Contratação no ACR e ACL Energia Nva Status dos Agentes no Setor Geradores Distribuidores Transmissores Consumidores Livres e Cativos Dispositivos Transitórios

11 Mudanças Institucionais

12 Mudanças Institucionais - Motivação Definição clara das funções e atribuições dos diversos agentes institucionais existentes, estabelecendo com nitidez suas responsabilidades e aperfeiçoando sua governança restauração do papel de Poder Concedente do MME; reforço das funções de regulação, fiscalização e mediação da ANEEL; reformulação da governança do ONS, com ênfase na sua independência; Criação da EPE e do CMSE; Novas Atribuições ao CCEE (ex-mae).

13 O Novo Ambiente Institucional no Setor Configuração Existente Geradores Contratos Bilaterais Curto Prazo Contratos Bilaterais Transmissão Comercializador Distribuidores Consumidor Cativo Consumidor Livre

14 O Novo Ambiente Institucional no Setor CCEE CMSE Geradores Contratos Bilaterais Curto Prazo Contratos Bilaterais Transmissão EPE Distribuidores Comercializador Consumidor Cativo Consumidor Livre

15 O Novo Ambiente Institucional no Setor MME CMSE CCEE Geradores Contratos Bilaterais Curto Prazo Contratos Bilaterais Transmissão EPE Distribuidores Comercializador A C R Consumidor Cativo Consumidor Livre A C L

16 Novo Modelo de Contratação de Energia Dois ambientes de contratação de energia: 1. Ambiente de Contratação Regulada (ACR) Distribuidoras 2. Ambiente de Contratação Livre (ACL) Consumidores Livres e Autoprodutores

17 Contratação em Dois Mercados Ambiente de Contratação Regulada Ambiente de Livre Contratação G 1 G 2 G k G n Compra de Energia em Pool Contratação Regular G j COM CL CL CL CL D 1 D 2 D 3 D 4 D n contratos bilaterais no âmbito do POOL (ACR) compra em regime de livre contratação (ALC)

18 Contratação por Tipo de Energia Contratação por licitação Energia Nova Energia Existente Preço teto (R$/MWh) definido pela EPE e MME Vence o menor preço para cada projeto Gerador vencedor recebe a tarifa ofertada Licitação periódica na CCEE Contrato de 3 a 15 anos Entrega no ano seguinte [A-1] Contrato de 15 a 30 anos Entrega 3 e 5 anos à frente [A-3] e [A-5] Projetos com energia semi-nova serão aceitos - BOTOX

19 Contratação de Energia Pontos Importantes Manutenção das relações contratuais existentes; Maior estabilidade para a oferta futura; ACR atua como estoque regulador para a expansão; As federais/estaduais permanecem praticando mix de preços disponíveis para todos consumidores através de leilão; A otimização da expansão com custos competitivos é preservada e A competição por melhores condições de fornecimento para todos os consumidores é mantida

20 C o n t r a t o s E x i s t e n t e s Transição Dinâmica Geral da Contratação Contratação Geração Nova Contratação para Expansão Contratação na Transição Geração Nova Sobras de Geração Geração Existente C o n t r a t o s E x i s t e n t e s

21 Balanço Oferta x Demanda Demanda Oferta Fonte: Projeções A&C e PSR MW médios.

22 Super Oferta Temporária de Energia Sistema Brasileiro: Balanço de energia assegurada % 19% 16% 14% % MW médios % 7 % 3 % % 3500 de Aumento de Oferta de Redução de Demanda Excedente (+) ou Déficit (-) * Valores referidos ao mercado Fonte: A&C e PSR

23 Comercialização no ACR MegaLeilão de Dezembro Preços Finais no Caminho da Modicidade Redução de preços foi resultados da disputa entre geradores e da formatação tipo Leilão Reverso Referência Interessante para o Mercado Livre Não acabou com as sobras Como primeiro evento do atual Modelo - SUCESSO

24 MegaLeilão do ACR Suprimento Demanda existente existente 2006 MegaLeilão Renovação de Contrato Inicial Jan/04 Jan/05 Jan/06 Jan/07 MEGALICITAÇÃO 2004 Jan/08 Jan/09 Jan/10 Jan/11 Jan/12

25 Leilão de Energia Existente (Resumo) RESUMO - Resultados dos Leilões do POOL (Energia Velha) Data Base: 31 de Março de , , ,37 70 Volume [MW.médio] , QTDE - MW.med PREÇO - R$/MWh Preço [R$/MWh] Produto Negociado 10 0

26 Leilão de Energia Nova 2005 Leilão de Energia Nova para Entrega em 2009 Construídas e em operação a partir de 2000, mas descontratadas - BOTOX Com outorga, em construção e em processo de licenciamento, mas descontratadas - 45 usinas - Cerca de MW Usinas sem concessão, em processo de licenciamento - 17 usinas cerca de MW

27 Previsão de Leilões de Venda em 2005 Leilão de Energia Velha Abril 2005 Leilão de Energia Nova 2009 Inclui energia botox Julho 2005 Leilão de Energia Nova 2010 Inclui energia botox Dezembro 2005

28 Leilões de Energia Nova Desafios Será o Grande Teste do Atual Modelo Pela primeira vez os Investidores serão chamados a apresentar a sua disposição com relação a Oferta de geração no Atual Modelo Capital privado aparecerá? Quem? A partir de 2009 já é necessário contar com a energia nova, inclusive com os projetos que estão parados concorrendo como botox Concorrência das Térmicas disponíveis com as Hidroelétricas em construção Existirá infra-estrutura de gás se as térmicas venderem um volume significativo? Mesmo que as LPs dos projetos novos sejam implementadas não imunizam contra novas compensações ambientais

29 Novas Licitações Energia Nova Lista de Referência - EPE UN UN-1 Licitações pelo Mercado... U3 U2 UN UN-1... Licitações por Usina (indicação CNPE) U1 U3 FA U2 FA U1 Ordem de Mérito Econômico Estruturante Fonte: NT MME

30 Como surge a Demanda para o Leilão do ACR? Lista de Referência - EPE UN ACR UN-1 ACL... Lista de Empreendimentos Hidrelétricos para o Leilão de Energia de Novos Empreendimentos EPE e MME consolidam a expansão 5 anos antes U3 U2 Ordem de Mérito Econômico O Certame é para atender ao ACR porém o volume ofertado será bem maior que ACR + ACL

31 P marg p4 p5 O Leilão de Energia Nova Uma Possível Divisão da Energia por Usina Exemplo Teórico p3 p2 p MW Q pool Venda para o ACR 400 MW Venda para o ACL ajustada com um Comprador MW Auto-produção 250 MW Energia Livre para Futura Contratação 150 MW

32 Geração Nova Hidro # 1 Acesso à Geração Nova Exemplo t 1 Demanda 2010 Térmica Preço Teto # 2 # 3 # 4 # 1 ACR # 3 # 5 # 2 t 4 20 anos # 1 AP Expansão 2000 MW 5 ANOS DE ANTECEDÊNCIA # 5 # 2 Expansão ACL EPE / CNPE EPE / Distribuidoras / CL / APs

33 Conclusões

34 Conclusões - Consumidor Industrial 1. Existem problemas imediatos que devem ser resolvidos a despeito das reformas no Setor Encargos e Tarifas de Transporte Elevadas Realinhamento Tarifário Manutenção do Livre Acesso à Transmissão 2. A Regulamentação do Novo Modelo deverá: Garantir alguma Atratividade na Autoprodução Garantir uma Contratação Eficiente para o Mercado Cativo Garantir a Ampliação do Mercado Livre 3. Existem Oportunidades Imediatas: Sobras de Energia Implantação de Expansões com Energia Existente

35 Tel: andradecanellas.com.br

Eng. JOSIAS MATOS DE ARAÚJO Diretor-Presidente da Eletrobras Eletronorte 11 de novembro de 2013

Eng. JOSIAS MATOS DE ARAÚJO Diretor-Presidente da Eletrobras Eletronorte 11 de novembro de 2013 1 Eng. JOSIAS MATOS DE ARAÚJO Diretor-Presidente da Eletrobras Eletronorte 11 de novembro de 2013 2 Setor Elétrico Brasileiro Números do Setor Elétrico Brasileiro Geração Instalada: 124.386 MW Linhas de

Leia mais

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração Operações do Mercado de Energia Evolução e Perspectiva Seminário FIEPE 11 de abril de 2013 Paulo Born Conselho de Administração Agenda Visão Geral do Mercado de Energia Governança e Ambientes de Comercialização

Leia mais

Ambiente de Contratação Livre e Alternativas de Aquisição de Energia

Ambiente de Contratação Livre e Alternativas de Aquisição de Energia ENCONTRO TÉCNICO SOBRE ENERGIA ELÉTRICA Ambiente de Contratação Livre e Alternativas de Aquisição de Energia João Carlos Mello Abril 2005 O Mercado Livre no Brasil Abertura do Mercado de Energia Mercado

Leia mais

XX Simpósio Jurídico da ABCE. Os 10 anos da Lei /2004, reflexões e perspectivas.

XX Simpósio Jurídico da ABCE. Os 10 anos da Lei /2004, reflexões e perspectivas. XX Simpósio Jurídico da ABCE Os 10 anos da Lei 10.848/2004, reflexões e perspectivas. São Paulo Outubro de 2014 Ricardo Brandão Procurador-Geral da ANEEL Marcos normativos antecedentes à Lei 10.848/2004

Leia mais

O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO. Walfrido Avila - 06/2002

O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO. Walfrido Avila - 06/2002 O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO Walfrido Avila - 06/2002 1 1 - CENÁRIOS DE EVOLUÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO CENÁRIO DE REFERÊNCIA (1) Critérios com base na Resolução

Leia mais

Perspectivas do Setor de Energia Elétrica

Perspectivas do Setor de Energia Elétrica Perspectivas do Setor de Energia Elétrica Palestra Apimec RJ 19/set/2011 Leonardo Lima Gomes Agenda 1. Visão Geral do Setor 2. Mercado de Energia Elétrica 3. Perspectivas Desenvolvimento Mercado 4. Perspectivas

Leia mais

ABINEE TEC 2005 FINANCIAMENTO E PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO. Mario Antonio Cilento. Presidente ABRACE

ABINEE TEC 2005 FINANCIAMENTO E PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO. Mario Antonio Cilento. Presidente ABRACE ABINEE TEC 2005 FINANCIAMENTO E PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO Mario Antonio Cilento Presidente ABRACE ABRACE Quem Somos? ABRACE Empresas Associadas ALUMÍNIO CLORO/SODA CIMENTO SIDERURGIA PETROQUÍMICA

Leia mais

Roteiro. I. Apresentação da ABRAGE. II. O Novo Modelo do Setor Elétrico. III. Leilões de Energia. IV. Expansão da Oferta

Roteiro. I. Apresentação da ABRAGE. II. O Novo Modelo do Setor Elétrico. III. Leilões de Energia. IV. Expansão da Oferta Seminário Cenários da Energia O Desafio para as Concessionárias Frente ao Atual Modelo do Setor Elétrico 01 de junho de 2005 Flávio Antônio Neiva Roteiro I. Apresentação da ABRAGE II. O Novo Modelo do

Leia mais

Encontro Nacional sobre o Futuro das PCHs. Cenário e tarifas do mercado livre e regulado

Encontro Nacional sobre o Futuro das PCHs. Cenário e tarifas do mercado livre e regulado Encontro Nacional sobre o Futuro das PCHs Cenário e tarifas do mercado livre e regulado 22 de agosto de 2013 Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Agenda Comercialização

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS. PALESTRA DE SERGIO MATHIAS ELETRONUCLEAR

CICLO DE PALESTRAS.  PALESTRA DE SERGIO MATHIAS ELETRONUCLEAR CICLO DE PALESTRAS http://www.nuca.ie.ufrj.br/furnas/ PALESTRA DE SERGIO MATHIAS ELETRONUCLEAR A DINÂMICA DOS LEILÕES DE ENERGIA NO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO Leilões de Em 1934, foi

Leia mais

Histórico do Processo de reestruturação da indústria de energia elétrica. Prof. Dr. Thales Sousa

Histórico do Processo de reestruturação da indústria de energia elétrica. Prof. Dr. Thales Sousa Histórico do Processo de reestruturação da indústria de energia elétrica Prof. Dr. Thales Sousa Abril - 2015 Início: regulação local e iniciativa privada (nacional e estrangeira) 1899: chegada da Light

Leia mais

Sistemáticas dos Leilões

Sistemáticas dos Leilões VIII Conferência Anual da RELOP Sistemáticas dos Leilões José Jurhosa Junior Diretor São Tomé 2 de setembro de 2015 Contexto atual Geração Aumento de 44% da capacidade instalada nos últimos 10 anos. Uma

Leia mais

OPORTUNIDADES NO SEB PARA ADMINISTRADORES EM AMBIENTE COMPETITIVO E DE CRISE

OPORTUNIDADES NO SEB PARA ADMINISTRADORES EM AMBIENTE COMPETITIVO E DE CRISE 1 OPORTUNIDADES NO SEB PARA ADMINISTRADORES EM AMBIENTE COMPETITIVO E DE CRISE Prof. Reinaldo Castro Souza, Ph.D. UCS, RS Outubro de 2016 AGENDA Características da Crise O SEB (Setor Elétrico Brasileiro)

Leia mais

O Atual Modelo do Setor Elétrico Brasileiro. Antônio Soares Diniz Superintendente

O Atual Modelo do Setor Elétrico Brasileiro. Antônio Soares Diniz Superintendente O Atual Modelo do Setor Elétrico Brasileiro Antônio Soares Diniz Superintendente Junho/2005 Agenda Base Legal 2003 / 2004 As mudanças implantadas Objetivos do Novo Modelo CCEE Comercialização de Energia

Leia mais

AULA 2 SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO RAFAEL DE OLIVEIRA RIBEIRO 1

AULA 2 SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO RAFAEL DE OLIVEIRA RIBEIRO 1 AULA 2 SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO RAFAEL DE OLIVEIRA RIBEIRO 1 Introdução Por que gerar energia? 2 O mundo é dependente de energia? 3 O mundo é dependente de energia? 4 Tipos de Geração 5 Introdução O

Leia mais

Audiência Pública conjunta. Comissão de Minas e Energia Comissão de Defesa do Consumidor. Projeto de Lei nº 1917 Portabilidade da conta de luz

Audiência Pública conjunta. Comissão de Minas e Energia Comissão de Defesa do Consumidor. Projeto de Lei nº 1917 Portabilidade da conta de luz Audiência Pública conjunta Comissão de Minas e Energia Comissão de Defesa do Consumidor Projeto de Lei nº 1917 Portabilidade da conta de luz 1 Estabelece um cronograma para a portabilidade da conta de

Leia mais

Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais

Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais 6º Painel - Direito da Concorrência e a Regulação Setorial harmonização e discordâncias Visão da Comercialização de Energia

Leia mais

2 Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro

2 Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro 2 Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro Segundo a lei federal no. 10.848, esse novo modelo tem três objetivos principais: garantir a segurança no suprimento da energia elétrica, atingir a modicidade

Leia mais

SISTEMAS DE ENERGIA (SIE)

SISTEMAS DE ENERGIA (SIE) SISTEMAS DE ENERGIA (SIE) Prof.: Bruno Gonçalves Martins bruno.martins@ifsc.edu.br Aula 3 Racionamento de energia RECAPITULANDO... Racionamento de energia; Crise de racionamento de 2001; Bandeira Tarifárias;

Leia mais

Comercialização no Novo Modelo de Energia Elétrica

Comercialização no Novo Modelo de Energia Elétrica Comercialização no Novo Modelo de Energia Elétrica Reestruturação do Setor Elétrico Seminário Internacional : Reestruturação e Regulação do Setor de Energia Elétrica e Gás Natural Antonio Carlos Fraga

Leia mais

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Painel 3 - INTEGRAÇÃO NO MERCOSUL Seminário Internacional de Integração Elétrica da América do Sul 7 de agosto de 2012 Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Sistema Interligado

Leia mais

Peculiaridades do setor elétrico brasileiro

Peculiaridades do setor elétrico brasileiro Peculiaridades do setor elétrico brasileiro Dependência Hidráulica: o setor elétrico é extremamente dependente da disponibilidade de água para geração de energia Longas linhas de transmissão Sistema Interligado

Leia mais

Maio / CCEE Papéis e Responsabilidades

Maio / CCEE Papéis e Responsabilidades Maio / 2005 CCEE Papéis e Responsabilidades Sistema Elétrico Brasileiro (Interligado) Dimensões Continentais Sofisticado Sistema de Supervisão e Controle Integrado Capacidade Instalada (dez/03) Hidráulica:

Leia mais

Energia Sustentável: Mudança de Paradigma

Energia Sustentável: Mudança de Paradigma Energia Sustentável: Mudança de Paradigma Eng. Cecilia Helena Negri de Magalhães CH Consultoria em Engenharia Ltda cecilia.helena@uol.com.br COPPE - 30/04/2014 Energia Sustentável Sustentável tudo aquilo

Leia mais

Gestão da Comercialização na CEMIG. Bernardo Afonso Salomão de Alvarenga Diretor Comercial

Gestão da Comercialização na CEMIG. Bernardo Afonso Salomão de Alvarenga Diretor Comercial Gestão da Comercialização na CEMIG Bernardo Afonso Salomão de Alvarenga Diretor Comercial Situação atual da CEMIG no mercado de energia elétrica Recursos Próprios: Cemig GT Sá Carvalho Rosal Horizontes

Leia mais

2 O setor elétrico brasileiro

2 O setor elétrico brasileiro 2 O setor elétrico brasileiro O setor elétrico divide-se basicamente quatro segmentos: geração, transmissão, distribuição e comercialização. A geração de energia é composta por centrais hidrelétricas ou

Leia mais

O mercado livre de energia elétrica e os aprendizados para o setor de gás

O mercado livre de energia elétrica e os aprendizados para o setor de gás O mercado livre de energia elétrica e os aprendizados para o setor de gás Seminário sobre Gás Natural e Regulação 11/12/2017 Solange David Vice-presidente do Conselho de Administração Agenda Governança

Leia mais

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012 XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro 15 de agosto de 2012 Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

O mercado livre e o ciclo de expansão

O mercado livre e o ciclo de expansão O mercado livre e o ciclo de expansão Paulo Pedrosa Energy Trading Brasil 2008, Sao Paulo, Brazil Empresa Comercializadora E C E de Energia Elétrica Ltda. Ano de 2008 Ano de 2008? 2008 - Fim do ciclo

Leia mais

Papel e Perspectivas da CCEE para o Setor Elétrico Seminário Internacional Bolsa de Energia

Papel e Perspectivas da CCEE para o Setor Elétrico Seminário Internacional Bolsa de Energia Papel e Perspectivas da CCEE para o Setor Elétrico Seminário Internacional Bolsa de Energia ARY PINTO Conselheiro 28/02/2019 Agenda Sistema Elétrico Brasileiro e a CCEE Mercado Livre de Energia Elétrica

Leia mais

O NOVO MARCO REGULATÓRIO DO SETOR ELÉTRICO

O NOVO MARCO REGULATÓRIO DO SETOR ELÉTRICO O NOVO MARCO REGULATÓRIO DO SETOR ELÉTRICO Marcos Juruena Villela Souto AS CARACTERÍSTICAS DO SETOR ELÉTRICO NO BRASIL ATÉ OS ANOS 90 Matriz hidrelétrica Forte presença do Estado no setor, como agente

Leia mais

Os Desafios e Oportunidades dos Leilões de Energia

Os Desafios e Oportunidades dos Leilões de Energia Os Desafios e Oportunidades dos Leilões de Energia Mário Menel Presidente Agosto 2006 Associados Alcoa Alumínio S.A. BHP Billiton Metais S.A. Camargo Corrêa Energia S.A. Belgo Grupo Arcelor Companhia Vale

Leia mais

Tema: Oportunidades no Ambiente de Contratação Regulada - ACR

Tema: Oportunidades no Ambiente de Contratação Regulada - ACR Fórum CanalEnergia: PCH Investimentos, Comercialização e Viabilidade Tema: Oportunidades no Ambiente de Contratação Regulada - ACR Eduardo Henrique Ellery Filho Sócio Rio de Janeiro, 16 de Maio de 2007

Leia mais

Audiência Pública de Fiscalização ENERGIPE. O Papel da ANEEL. 6 de outubro de 2004 Aracaju-SE. Eduardo Ellery Diretor

Audiência Pública de Fiscalização ENERGIPE. O Papel da ANEEL. 6 de outubro de 2004 Aracaju-SE. Eduardo Ellery Diretor Audiência Pública de Fiscalização ENERGIPE O Papel da ANEEL 6 de outubro de 2004 Aracaju-SE Eduardo Ellery Diretor Sumário O Papel da ANEEL I. Competências II. Características III. Relacionamento e participação

Leia mais

MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA 1

MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA 1 MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA 1 2 MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA SUMÁRIO 1. Organização 2. Como está estruturado o mercado de energia elétrica? 3. Quais são as

Leia mais

Reflexos nos contratos de financiamento (existentes e novos) e perspectivas dos investidores

Reflexos nos contratos de financiamento (existentes e novos) e perspectivas dos investidores Reflexos nos contratos de financiamento (existentes e novos) e perspectivas dos investidores Luis Antonio Semeghini de Souza Advogados 23 de setembro de 2004 1 Introdução Novo marco regulatório Modelo

Leia mais

Nota sobre o Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro

Nota sobre o Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro Conselho de Infra-Estrutura Nota sobre o Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro As Medidas Provisórias n os 144 e 145, de 11/12/03, que tratam da reformulação do setor elétrico nacional, são de grande

Leia mais

Os Desafios da Comercialização de Energia nos Mercados Regulado e Livre no Sistema Brasileiro

Os Desafios da Comercialização de Energia nos Mercados Regulado e Livre no Sistema Brasileiro Os Desafios da Comercialização de Energia nos Mercados Regulado e Livre no Sistema Brasileiro Xisto Vieira Filho Diretor de Regulação e Comercialização de Energia da MPX Energia S.A. Presidente da Associação

Leia mais

WORKSHOP MERCADO LIVRE DE ENERGIA. São Paulo, 23 de agosto de 2017.

WORKSHOP MERCADO LIVRE DE ENERGIA. São Paulo, 23 de agosto de 2017. WORKSHOP MERCADO LIVRE DE ENERGIA São Paulo, 23 de agosto de 2017. ABRACEEL 84 empresas associadas de diferentes vocações ABRACEEL Agenda Momento atual do setor e ML Objetivos da reforma Futuro: consulta

Leia mais

Energia, o que esperar em 2.015

Energia, o que esperar em 2.015 Energia, o que esperar em 2.015 ABRAMAT Otávio Carneiro de Rezende Diretor Presidente Usina Hidrelétrica Ourinhos Surgimos para administrar a geração e o consumo do Grupo Votorantim. Hoje atendemos a diversos

Leia mais

A ANEEL e o Marco Regulatório do Brasil. Ivan Camargo Assessor da Diretoria

A ANEEL e o Marco Regulatório do Brasil. Ivan Camargo Assessor da Diretoria A ANEEL e o Marco Regulatório do Brasil Ivan Camargo Assessor da Diretoria Sumário 1. Marco Regulatório Brasileiro. Resultados. 2. Atuação da Agência Nacional de Energia Elétrica. 3. Principais Desafios.

Leia mais

FÓRUM LATINO- AMERICANO DE SMART GRID RICARDO SAVOIA

FÓRUM LATINO- AMERICANO DE SMART GRID RICARDO SAVOIA FÓRUM LATINO- AMERICANO DE SMART GRID RICARDO SAVOIA THYMOS ENERGIA www.thymosenergia.com.br 1 AGENDA EFEITOS DA LEI 12.783/2013 EVOLUÇÃO DOS PREÇOS DE ENERGIA NO BRASIL E IMPACTOS DO 3º. CICLO E REAJUSTES

Leia mais

Bioeletricidade Sucroenergética Situação atual, perspectivas e desafios

Bioeletricidade Sucroenergética Situação atual, perspectivas e desafios Zilmar Souza Federação das Indústrias do Estado de Goiás FIEG Bioeletricidade Sucroenergética Situação atual, perspectivas e desafios 18ª Reunião Goiás - GO 18 de agosto de 2015 BIOELETRICIDADE DA CANA

Leia mais

Fundamentos do Setor Elétrico no Brasil

Fundamentos do Setor Elétrico no Brasil Fundamentos do Setor Elétrico no Brasil Breve Histórico A eletricidade entrou no Brasil no final do século XIX Por volta de 30, a energia elétrica era obtida com pequenas usinas pertencentes a indústrias

Leia mais

Regulação do Setor Elétrico Brasileiro

Regulação do Setor Elétrico Brasileiro Cana e Energia Instituto Nacional de Eficiência Energética Regulação do Setor Elétrico Brasileiro Julho de 2002 - Ribeirão Preto - SP Fabiano da Rosa Carvalho Assessor de Diretor Sumário I II - III o modelo

Leia mais

Desregulamentação: liberdade para o consumidor em ambiente competitivo. Estágio atual do mercado livre no Brasil. São Paulo, 05 de agosto de 2013.

Desregulamentação: liberdade para o consumidor em ambiente competitivo. Estágio atual do mercado livre no Brasil. São Paulo, 05 de agosto de 2013. Desregulamentação: liberdade para o consumidor em ambiente competitivo Estágio atual do mercado livre no Brasil São Paulo, 05 de agosto de 2013. Mercado livre de energia 1.500 Consumidores Livres (620/1.200)

Leia mais

8 de agosto de Ricardo Lima Conselheiro de Administração - CCEE. Estrutura tarifária "ponta/fora da ponta Perspectiva dos atores

8 de agosto de Ricardo Lima Conselheiro de Administração - CCEE. Estrutura tarifária ponta/fora da ponta Perspectiva dos atores Estrutura tarifária "ponta/fora da ponta Perspectiva dos atores Seminário Autoprodução de Energia Elétrica na Ponta Impactos e Perspectivas 8 de agosto de 2012 Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Leia mais

3. O Setor Elétrico Brasileiro (SEB)

3. O Setor Elétrico Brasileiro (SEB) 3. O Setor Elétrico Brasileiro (SEB) Até 1995, o Setor Elétrico Brasileiro era formado por empresas verticalizadas, predominantemente estatais, detentoras das atividades de geração, transmissão e distribuição

Leia mais

UMA EMPRESA FORTE EM ENERGIA. Energy Expo Fórum. Estratégias Vencedoras na Compra de Energia no Mercado Livre

UMA EMPRESA FORTE EM ENERGIA. Energy Expo Fórum. Estratégias Vencedoras na Compra de Energia no Mercado Livre UMA EMPRESA FORTE EM ENERGIA Energy Expo Fórum Estratégias Vencedoras na Compra de Energia no Mercado Livre Uma Empresa Forte em Energia 24 Usinas em Operação e 5 em Construção R$ 1,4 bilhão de investimentos

Leia mais

Dinâmica da Reestruturação do Setor Elétrico O Processo de Comercialização de Energia

Dinâmica da Reestruturação do Setor Elétrico O Processo de Comercialização de Energia Dinâmica da Reestruturação do Setor Elétrico O Processo de Comercialização de Energia III Seminário Internacional do Setor de Energia Elétrica III SISEE Élbia Melo 19/10/2008 Agenda Processo de Reestruturação

Leia mais

Comercializador Varejista

Comercializador Varejista Comercializador Varejista XIX Encontro Nacional dos Conselhos de Consumidores de Energia Elétrica 10/11/201 Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração Agenda Governança do setor elétrico e o papel

Leia mais

2 Conjuntura e Cenário energético brasileiro

2 Conjuntura e Cenário energético brasileiro 2 Conjuntura e Cenário energético brasileiro No ano de 2001, o setor elétrico sofreu uma grave crise de abastecimento que culminou em um plano de racionamento de energia elétrica. Isto proporcionou muitas

Leia mais

II Conferência Setor Elétrico Brasil - Santander. Britaldo Soares

II Conferência Setor Elétrico Brasil - Santander. Britaldo Soares II Conferência Setor Elétrico Brasil - Santander Britaldo Soares São Paulo 23 de fevereiro de 2011 Visão geral do Grupo AES AES no Mundo... 13 distribuidoras: 78TWh 121 geradoras: 43GW Ativos no mundo

Leia mais

TRENSURB- PORTO ALEGRE METROREC- RECIFE

TRENSURB- PORTO ALEGRE METROREC- RECIFE GT ENERGIA ANTP METRÔ-RIO TRENSURB- PORTO ALEGRE SUPERVIA METRÔ - BH METRÔ-SP METROREC- RECIFE CPTM METRÔ-BRASÍLIA CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA DE ENERGIA DE TRAÇÃO Potência Instalada - 1045,4 MVA Consumo

Leia mais

Outorga e Gestão de Empreendimentos de Transmissão

Outorga e Gestão de Empreendimentos de Transmissão Outorga e Gestão de Empreendimentos de Transmissão José Jurhosa Junior Diretor Foz do Iguaçu - PR 19/10/2015 Governança Setorial Políticas Congresso Nacional Presidência da República CNPE MME Regulação

Leia mais

Novas do Mercado de Energia

Novas do Mercado de Energia Novas do Mercado de Energia Paulo Sérgio Javorski Diretor de Mercado de Energia CPFL Comercialização Brasil S.A. São Paulo, 05 de agosto de 2012 CPFL Energia 2009. Todos os direitos reservados. Novas do

Leia mais

Visão Geral do Setor Elétrico Brasileiro e o Desenvolvimento Sustentável da Geração. Manoel Zaroni Torres Março, 2009

Visão Geral do Setor Elétrico Brasileiro e o Desenvolvimento Sustentável da Geração. Manoel Zaroni Torres Março, 2009 Visão Geral do Setor Elétrico Brasileiro e o Desenvolvimento Sustentável da Geração Manoel Zaroni Torres Março, 2009 Agenda 1. O Setor Elétrico Brasileiro 2. Tractebel Energia e o Grupo GDF SUEZ 3. A Sustentabilidade

Leia mais

MERCADO ELÉTRICO. Centralizar a Gestão de Riscos? Professor Adilson de Oliveira Instituto de Economia Universidade Federal do Rio de Janeiro/Brazil

MERCADO ELÉTRICO. Centralizar a Gestão de Riscos? Professor Adilson de Oliveira Instituto de Economia Universidade Federal do Rio de Janeiro/Brazil MERCADO ELÉTRICO Centralizar a Gestão de Riscos? Professor Adilson de Oliveira Instituto de Economia Universidade Federal do Rio de Janeiro/Brazil Roteiro 1. Pano de Fundo 2. Reforma e Crise 3. Novo Mercado

Leia mais

Energia em Foco Estratégias e Dasafios para o Futuro

Energia em Foco Estratégias e Dasafios para o Futuro Energia em Foco Estratégias e Dasafios para o Futuro Cenário e Perspectivas para o Setor Elétrico Brasileiro Romeu Rufino Diretor Geral da ANEEL 28.08.2015 Mantenedores: 1 FGV Energia Ciclo de palestras

Leia mais

Mesa Redonda: Situação do Abastecimento de Energia Elétrica A ABRAGE. Associação Brasileira das Empresas Geradoras de Energia Elétrica

Mesa Redonda: Situação do Abastecimento de Energia Elétrica A ABRAGE. Associação Brasileira das Empresas Geradoras de Energia Elétrica ABINEE TEC 2003 Planejamento e Modelo Energético Mesa Redonda: Situação do Abastecimento de Energia Elétrica Flávio Antônio Neiva - Presidente da ABRAGE 07/10/2003 A ABRAGE Associação Brasileira das Empresas

Leia mais

OS DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO. Brasília 29/07/2016 DELSON JOSÉ AMADOR

OS DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO. Brasília 29/07/2016 DELSON JOSÉ AMADOR OS DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO Brasília 29/07/2016 DELSON JOSÉ AMADOR UM POUCO DE HISTÓRIA * ATÉ A DÉCADA DE 1970 - REMUNERAÇÃO GARANTIDA : COMPUTADA NA TARIFA - EQUALIZAÇÃO TARIFÁRIA : AJUSTE NA REMUNERAÇÃO

Leia mais

Renewable Energy Projects

Renewable Energy Projects Grid Connectivity for Renewable Energy Projects 2nd REFF Latin America 2009 28 de abril de 2009 Roberto Gomes Diretor ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico Sumário Estrutura do Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Histórico do SEB

1 Introdução. 1.1 Histórico do SEB 1 Introdução 1.1 Histórico do SEB A reforma do Setor Elétrico Brasileiro - SEB se iniciou em 1993 com a Lei nº. 8.631, que criou os contratos de suprimento entre geradores e distribuidores, e foi marcado

Leia mais

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ 30 de agosto de

Leia mais

4 Características do Mercado Brasileiro de Energia Elétrica

4 Características do Mercado Brasileiro de Energia Elétrica 4 Características do Mercado Brasileiro de Energia Elétrica Para que a modelagem matemática utilizada neste trabalho seja bem compreendida, nesta seção serão abordadas algumas características importantes

Leia mais

PROPOSTA DE APRIMORAMENTO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO: EVOLUÇÃO DO MODELO REGULATÓRIO DO SETOR ELÉTRICO

PROPOSTA DE APRIMORAMENTO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO: EVOLUÇÃO DO MODELO REGULATÓRIO DO SETOR ELÉTRICO PROPOSTA DE APRIMORAMENTO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO: EVOLUÇÃO DO MODELO REGULATÓRIO DO SETOR ELÉTRICO Isabel Lustosa CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROPOSTA DA CONSULTA PÚBLICA Nº 33/2017: ÍNDICE OS PRIMEIROS

Leia mais

Tiago de Barros Correia Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL. O SERVIÇO DE DISTRIBUIÇÃO DE ELETRICIDADE: Desafios de curto e médio prazo

Tiago de Barros Correia Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL. O SERVIÇO DE DISTRIBUIÇÃO DE ELETRICIDADE: Desafios de curto e médio prazo Tiago de Barros Correia Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL O SERVIÇO DE DISTRIBUIÇÃO DE ELETRICIDADE: Desafios de curto e médio prazo Roteiro Apresentação institucional As competências da ANEEL

Leia mais

ESTRUTURA DO SEP BRASILEIRO. Profa. Patricia Romeiro da Silva Jota

ESTRUTURA DO SEP BRASILEIRO. Profa. Patricia Romeiro da Silva Jota Fonte: Notas de aula dos Profs Carlos Castro e Ruth P.S. Leão ESTRUTURA DO SEP BRASILEIRO 1 Profa. Patricia Romeiro da Silva Jota a) Conselho Nacional de Política Energética CNPE Órgão de assessoramento

Leia mais

Mário Menel Presidente

Mário Menel Presidente Mário Menel Presidente EXPOIBRAM Exposição Internacional de Mineração 29 de setembro de 2011 TÓPICOS A ABIAPE; Cenário Energético Atual; Autoprodução como fator de Competitividade; Autoprodução e Mineração;

Leia mais

A CONTRA-REFORMA DA INDÚSTRIA ELÉTRICA BRASILEIRA E A NOVA PERSPECTIVA DE MERCADO

A CONTRA-REFORMA DA INDÚSTRIA ELÉTRICA BRASILEIRA E A NOVA PERSPECTIVA DE MERCADO Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Economia A CONTRA-REFORMA DA INDÚSTRIA ELÉTRICA BRASILEIRA E A NOVA PERSPECTIVA DE MERCADO 10/11/2006 ELBIA MELO Conselheira da CCEE SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO

Leia mais

Visão Geral do Modelo de Comercialização de Energia no Brasil ABINEE TEC 2007

Visão Geral do Modelo de Comercialização de Energia no Brasil ABINEE TEC 2007 Visão Geral do Modelo de Comercialização de Energia no Brasil ABINEE TEC 2007 Luiz Henrique Alves Pazzini Gerência de Acompanhamento de Mercado - GAM 25 de abril de 2007 Agenda Comercialização de Energia

Leia mais

Tendências Comerciais do Setor Elétrico Brasileiro 18/07/14 CPFL Energia A Energia na Cidade do Futuro

Tendências Comerciais do Setor Elétrico Brasileiro 18/07/14 CPFL Energia A Energia na Cidade do Futuro Tendências Comerciais do Setor Elétrico Brasileiro 18/07/14 CPFL Energia A Energia na Cidade do Futuro Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Agenda Criação e evolução do

Leia mais

REFORMA DO ESTADO NO BRASIL: REGULAÇÃO E CONCORRÊNCIA

REFORMA DO ESTADO NO BRASIL: REGULAÇÃO E CONCORRÊNCIA REFORMA DO ESTADO NO BRASIL: REGULAÇÃO E CONCORRÊNCIA Aluno: Tomás Urani Orientador: Marina Figueira de Mello Introdução O estudo dos custos de aquisição de energia elétrica nos leilões recentemente implantados

Leia mais

Fernando Cézar Maia. Conteúdo. Panorama do Setor de Distribuição de Energia Elétrica. Modelo até 1988/1995 Lei de Concessões

Fernando Cézar Maia. Conteúdo. Panorama do Setor de Distribuição de Energia Elétrica. Modelo até 1988/1995 Lei de Concessões Seminário COPEL Esclarece A Evolução dos modelos institucionais do Setor Elétrico Brasileiro Fernando Cézar Maia DIRETOR TÉCNICO-REGULATÓRIO DA ABRADEE Cascavel PR 21 de outubro de 2004 Conteúdo Panorama

Leia mais

Perspectivas para os Consumidores e Investidores dentro do Mercado Livre

Perspectivas para os Consumidores e Investidores dentro do Mercado Livre Perspectivas para os Consumidores e Investidores dentro do Mercado Livre Walfrido Avila Presidente Diagnóstico do Mercado Livre Estrutura de mercado, comercialização e o aumento da competição na geração:

Leia mais

PALESTRA INAUGURAL DO CURSO DE FORMAÇÃO DE ESPECIALISTAS DA ANEEL/2006. Jerson Kelman Diretor-Geral

PALESTRA INAUGURAL DO CURSO DE FORMAÇÃO DE ESPECIALISTAS DA ANEEL/2006. Jerson Kelman Diretor-Geral PALESTRA INAUGURAL DO CURSO DE FORMAÇÃO DE ESPECIALISTAS DA ANEEL/2006 Jerson Kelman Diretor-Geral Centro ESAF 16 de novembro de 2006 O que o investidor pede em função da percepção de risco Razão para

Leia mais

APERFEIÇOAMENTOS REGULATÓRIOS PARA O MERCADO LIVRE. 13º Encontro Internacional de Energia - FIESP. 6 de agosto de 2012

APERFEIÇOAMENTOS REGULATÓRIOS PARA O MERCADO LIVRE. 13º Encontro Internacional de Energia - FIESP. 6 de agosto de 2012 APERFEIÇOAMENTOS REGULATÓRIOS PARA O MERCADO LIVRE 13º Encontro Internacional de Energia - FIESP 6 de agosto de 2012 Ricardo Lima Conselheiro de Administração - CCEE Funcionamento do Sistema Físico Funcionamento

Leia mais

Setor Elétrico: perspectivas do mercado, legislação, comercialização de energia e estratégia de precificação. Luiz Fernando Leone Vianna

Setor Elétrico: perspectivas do mercado, legislação, comercialização de energia e estratégia de precificação. Luiz Fernando Leone Vianna Setor Elétrico: perspectivas do mercado, legislação, comercialização de energia e estratégia de precificação Luiz Fernando Leone Vianna 04.07.2013 A APINE 60 associados Geradores privados e concessionárias

Leia mais

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ 30 de agosto de

Leia mais

3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica

3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica 24 3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica Algumas características e mecanismos do mercado de energia elétrica brasileiro precisam ser compreendidos para realizar a análise proposta neste estudo. Especialmente,

Leia mais

Regulação e Desenvolvimento

Regulação e Desenvolvimento AMCHAM Regulação e Desenvolvimento Jerson Kelman Diretor-Geral São Paulo 8 de outubro / 2007 SPG MATRIZ DE ENERGIA ELÉTRICA Mundo: 2003 Hidráulica 16,3% Outras Renováveis 1,1% Carvão 39,9% Brasil: 2005

Leia mais

Agenda Positiva do Mercado Livre de Energia 14º Encontro Internacional de Energia - FIESP 5 de agosto de Ricardo Lima Conselho de Administração

Agenda Positiva do Mercado Livre de Energia 14º Encontro Internacional de Energia - FIESP 5 de agosto de Ricardo Lima Conselho de Administração Agenda Positiva do Mercado Livre de Energia 14º Encontro Internacional de Energia - FIESP 5 de agosto de 2013 Ricardo Lima Conselho de Administração Agenda Visão geral de mercado Dados de Comercialização

Leia mais

CAP. 1 MODELOS ESTRUTURAIS E REGULATÓRIOS DOS SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA. Dr. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila

CAP. 1 MODELOS ESTRUTURAIS E REGULATÓRIOS DOS SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA. Dr. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila CAP. 1 MODELOS ESTRUTURAIS E REGULATÓRIOS DOS SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Dr. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila Curitiba-Brasil, 20 de Junio del 2014 Sistemas de Energia Elétrica (SEE) 2 3 SMART GRID- CONCEPTOS

Leia mais

Nº 54 Fevereiro/

Nº 54 Fevereiro/ www.ccee.org.br Nº 54 Fevereiro/212 8 1 8 O Info Mercado é uma publicação mensal que traz os principais resultados das operações contabilizadas no âmbito da CCEE. Esta edição refere-se aos dados da contabilização

Leia mais

Regulação do Setor Elétrico Brasileiro Contexto e Desafios Atuais

Regulação do Setor Elétrico Brasileiro Contexto e Desafios Atuais Regulação do Setor Elétrico Brasileiro Contexto e Desafios Atuais Seminário Internacional Desafios da Regulação do Setor Elétrico Romeu Donizete Rufino Diretor-Geral da ANEEL 12 de fevereiro de 2015 Universidade

Leia mais

TÉRMINO DOS CONTRATOS DE CONCESSÃO DE GERAÇÃO Impacto Econômico das Alternativas

TÉRMINO DOS CONTRATOS DE CONCESSÃO DE GERAÇÃO Impacto Econômico das Alternativas TÉRMINO DOS CONTRATOS DE CONCESSÃO DE GERAÇÃO Impacto Econômico das Alternativas Mario Veiga mario@psr-inc.com Workshop sobre o Término do Prazo Contratual em Concessões no Setor Elétrico CNI, Brasília,

Leia mais

Os Contratos e o Papel do Órgão Regulador

Os Contratos e o Papel do Órgão Regulador Federação das Indústrias do Estado de São Paulo FIESP 5º Encontro de Negócios de Energia Os Contratos e o Papel do Órgão Regulador 10 de agosto de 2004 São Paulo SP José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral

Leia mais

4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA

4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA 4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO A ENERGIA ELÉTRICA NO MUNDO E NO BRASIL AS OPÇÕES DE EXPANSÃO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL Altino

Leia mais

Criando valor na transição do marco regulatório

Criando valor na transição do marco regulatório Criando valor na transição do marco regulatório BASES PARA CRESCIMENTO ASSEGURADAS COM O SUCESSO DA ESTRATÉGIA DE COMERCIALIZAÇÃO DA CAPACIDADE EXISTENTE Diretoria Executiva 2 Termo de Renúncia Algumas

Leia mais

Visão Geral das Operações na CCEE. Junho/2015

Visão Geral das Operações na CCEE. Junho/2015 Visão Geral das Operações na CCEE Junho/2015 1. Visão do Sistema Elétrico 2. Modelo Institucional 3. Comercialização de Energia do SIN 4. Principais Regras de Comercialização 1. Visão do Sistema Elétrico

Leia mais

Administrando Contratos e Formando Preços em um Mercado Competitivo 5º Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico ENASE 2008

Administrando Contratos e Formando Preços em um Mercado Competitivo 5º Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico ENASE 2008 Administrando Contratos e Formando Preços em um Mercado Competitivo 5º Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico ENASE 2008 Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração da

Leia mais

POSiCIONAMENTO DA COGERAÇÃO NO NOVO MARCO REGULATÓRIO

POSiCIONAMENTO DA COGERAÇÃO NO NOVO MARCO REGULATÓRIO POSiCIONAMENTO DA COGERAÇÃO NO NOVO MARCO REGULATÓRIO Professor Adilson de Oliveira ROTEIRO PRINCÍPIOS DO NOVO MODELO CARACTERÍSTICAS BÁSICAS MERCADOS ELÉTRICOS PAPÉIS DESTINADOS AOS AGENTES NOVAS BARREIRAS

Leia mais

ANEXO I: EMENTA DA QUINTA PROVA DE CERTIFICAÇÃO ABRACEEL DE HABILITAÇÃO PARA EXERCÍCIO DE ATIVIDADE DE OPERADOR DO MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA (2016)

ANEXO I: EMENTA DA QUINTA PROVA DE CERTIFICAÇÃO ABRACEEL DE HABILITAÇÃO PARA EXERCÍCIO DE ATIVIDADE DE OPERADOR DO MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA (2016) ANEXO I: EMENTA DA QUINTA PROVA DE CERTIFICAÇÃO ABRACEEL DE HABILITAÇÃO PARA EXERCÍCIO DE ATIVIDADE DE OPERADOR DO MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA (2016) 1) Ambientes de Contratação de Energia (Peso 10) i.

Leia mais

O Mercado Livre: situação atual, aperfeiçoamentos esperados e a proposta de comercialização de excedentes

O Mercado Livre: situação atual, aperfeiçoamentos esperados e a proposta de comercialização de excedentes O Mercado Livre: situação atual, aperfeiçoamentos esperados e a proposta de comercialização de excedentes Fórum Novas Oportunidades para os Consumidores Livres Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do

Leia mais

Previsão do ONS/EPE de 12 meses atrás (ago/14): Previsão do ONS/EPE de agora (ago/15):

Previsão do ONS/EPE de 12 meses atrás (ago/14): Previsão do ONS/EPE de agora (ago/15): Previsão do ONS/EPE de 12 meses atrás (ago/14): Previsão do ONS/EPE de agora (ago/15): Em resumo, há 12 meses o ONS/EPE previam que o consumo do SIN cresceria 3,2% em 2015 e agora a previsão é de queda

Leia mais

Panorama dos leilões do 2º semestre de 2013

Panorama dos leilões do 2º semestre de 2013 Panorama dos leilões do 2º semestre de 2013 Datas, aspectos gerais e sistemáticas 03/06/2013 Gerência de Leilões e Mercado Regulado Agenda Data dos leilões no 2º semestre de 2013 11º Leilão de Energia

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS. PALESTRA DE AMÍLCAR GUERREIRO DIRETOR DA EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA (EPE)

CICLO DE PALESTRAS.   PALESTRA DE AMÍLCAR GUERREIRO DIRETOR DA EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA (EPE) CICLO DE PALESTRAS http://www.nuca.ie.ufrj.br/furnas/ PALESTRA DE AMÍLCAR GUERREIRO DIRETOR DA EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA (EPE) REESTRUTURAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO SUMÁRIO EXECUTIVO O presente

Leia mais

Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF

Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF BRAZIL WINDPOWER O&M 2015 Rio de Janeiro, 02 de setembro de 2015 Dalmir Capetta Agenda Quadro Institucional Sistema de Medição para Faturamento

Leia mais