RELATÓRIO DE EXPERIÊNCIAS DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA EM PERSPECTIVA COMPARADA: OS CASOS DE RIO DE JANEIRO, SALVADOR, CURITIBA E CIDADE DO PANAMÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE EXPERIÊNCIAS DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA EM PERSPECTIVA COMPARADA: OS CASOS DE RIO DE JANEIRO, SALVADOR, CURITIBA E CIDADE DO PANAMÁ"

Transcrição

1 2014 RELATÓRIO DE EXPERIÊNCIAS DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA EM PERSPECTIVA COMPARADA: OS CASOS DE RIO DE JANEIRO, SALVADOR, CURITIBA E CIDADE DO PANAMÁ Segurança Humana Viva Rio 10/09/2014

2 RELATÓRIO DE EXPERIÊNCIAS DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA EM PERSPECTIVA COMPARADA: OS CASOS DE RIO DE JANEIRO, SALVADOR, CURITIBA E CIDADE DO PANAMÁ Diretor Executivo Rubem Cesar Fernandes Coordenador da Área de Segurança Humana Cel. PM Ubiratan Ângelo Subcoordenador da Área de Segurança Humana Capitão PM Ref. Sandro Costa Coordenador de Conteúdo e Pesquisa Fabiano Monteiro Equipe Técnica Fernanda Mattos Laís Martins Jonas Araujo Roberta Correa 2

3 SUMÁRIO RELATÓRIO DE EXPERIÊNCIAS DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA EM PERSPECTIVA COMPARADA: OS CASOS DE RIO DE JANEIRO, SALVADOR, CURITIBA E CIDADE DO PANAMÁ I) APRESENTAÇÃO...4 II) O MODELO DAS UPPS E AS EXPERIÊNCIAS DE CURITIBA, SALVADOR E CIDADE DO PANAMÁ: O DISCURSO DA AUSÊNCIA DO ESTADO E SEUS REVEZES...7 III) QUATRO EXPERIÊNCIAS EM PERSPECTIVA COMPARADA...11 a. Instalação de bases de policiamento comunitário...11 b. Estratégias de policiamento comunitário e formação policial...28 c. Projetos de desenvolvimento social (perfis) participação...33 d. Projetos de atenção à juventude e prevenção da violência...42 d.1 Da relação dos participantes com os instrutores...44 d.2 Da relação dos participantes com a polícia...44 d.3 Da evasão...45 d.4 Da burocracia estatal...45 d.5 Da seleção...45 d.6 Da dificuldade de encontrar profissionais com os perfis de trabalhador social ou animador cultural...46 d.7 Da dificuldade de trabalhar com jovens violentos...46 d.8 Da dificuldade de implementação de uma filosofia de coaching...46 d.9 Da relação com a família...48 d.10 Da relação com Deus...49 d.11 Das limitações do projeto e do sicariato...50 IV) CONCLUSÕES...52 V) BIBLIOGRAFIA...54 VI) ANEXO (FOTOGRÁFICO)

4 I) APRESENTAÇÃO O presente relatório visa a delinear aspectos comparativos de iniciativas de enfrentamento da violência em quatro cidades da América Latina (três no Brasil e uma no Panamá). O traço que une estes quatro objetos está na adoção comum de um método específico de enfrentamento da violência, baseado na ocupação permanente, por parte da polícia, de territórios ditos (ou tidos) marcados por níveis preocupantes de criminalidade violenta. Operando há mais de vinte anos no combate da violência urbana e em defesa da sedimentação da cultura de paz em regiões violentas do Rio de Janeiro, a ONG Viva Rio, em parceria e com financiamento do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), foi encarregada de realizar uma sistematização de suas ações práticas, incluindo suas atividades no campo da segurança pública em cooperação com a Polícia Militar do Rio de Janeiro. Enquanto pesquisadores da área de Segurança Humana do Viva Rio e coordenadores deste projeto de sistematização, travamos contato com esta temática e com essas experiências movidos por tais propósitos. Mais do que um objeto de pesquisa (no sentido mais ortodoxo que este termo possa adquirir), essa empreitada postou-se defronte a nós como alvo de uma futura intervenção. Este relatório é fruto de parte dessa sistematização, centrado, especificamente, nas ações erigidas no campo do que veio a ser chamado processo de pacificação, conduzido pela Secretaria de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro desde o ano de O primeiro passo do chamado processo de pacificação 1 foi dado entre os meses de novembro e dezembro de 2008, quando a Polícia Militar ocupou a favela Santa Marta (Zona Sul do Rio), em uma operação de repressão ao tráfico de drogas. 1 Segundo a Diretriz Geral de Polícia de Proximidade publicada no Bol. PM 139 de 04 de agosto de 2014, o conceito de polícia pacificadora consubstancia-se em uma estratégia de atuação policial ampla, que contempla as fases de intervenção tática, estabilização, implantação de Unidade de Polícia de Proximidade (UPP), monitoramento, avaliação e integração progressiva ao policiamento ordinário, realizados pela ação simultânea ou não de outros policiamentos especializados e de proximidade que variam conforme a fase e as demandas do território, permitindo a articulação entre ações policiais especiais e ações de aproximação, a fim de criar ambiência favorável para o desenvolvimento da cidadania (p. 55). 4

5 Se, por um lado, as operações policiais em favelas nas últimas décadas se caracterizaram por um caráter repressivo e intermitente (ações pontuais de repressão ao tráfico), a operação do Santa Marta, por seu turno, se caracterizava pela promessa de uma ocupação da comunidade pela Polícia Militar, sem prazo de término. Um mês após a entrada dos policiais na comunidade foi inaugurada a primeira Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), com direito à presença do Governador (Sérgio Cabral) e do Prefeito (Eduardo Paes), que ratificaram o interesse do poder público em replicar a experiência em outras favelas do Rio de Janeiro. Com o tempo, as UPPs foram se multiplicando, cobrindo praticamente todas as favelas da Zona Sul e um número significativo das comunidades do Centro (Providência e adjacências do bairro de Santa Teresa) e do Maciço da Tijuca. Mesmo com a sua ampliação e com o reconhecimento de sua relevância pelo poder público, o processo de pacificação permaneceu carente de uma sistematização metodológica que pudesse esclarecer questões ainda hoje presentes. O que definiria a ocupação de um dado território? Qual o peso dos indicadores de criminalidade violenta neste processo? O que definiria o efetivo policial a ser empregado em uma dada comunidade? Qual o perfil dos policiais empregados neste processo? Mesmo sem essa sistematização operacional, o discurso oficial (do Estado) nos induz a perceber algumas etapas gerais do chamado processo de pacificação : (1) ocupação do território com o empenho de força capaz de inibir a reação dos traficantes armados; (2) instalação da unidade de polícia pacificadora e tentativa de aproximação da comunidade; e (3) viabilização das rotinas de atendimento das necessidades básicas da população residente (normalização dos serviços de assistência, água, coleta de lixo, energia elétrica etc.) e o desenvolvimento social. Conforme apontam pesquisadores do tema (RODRIGUES et. al., 2012), esta divisão em etapas está sujeita a diversas adaptações feitas caso a caso. Em síntese, estes trabalhos nos informam que é difícil montar um esquema que dê conta das rotinas das 38 unidades existentes hoje. Existem comandantes que valorizam mais as reuniões comunitárias, outros menos; existem UPPs onde há um espaço reservado na unidade para a realização de mediação de conflitos, outras não; existem UPPs onde há projetos de integração entre policiais e jovens, em outras a sensação obtida é que este recurso é visto como algo quase impensável. Por fim, basta 5

6 talvez dizer que existem UPPs com sedes devidamente estruturadas, com recursos bem sofisticados (internet, câmeras de monitoramento etc.), havendo, contudo, unidades que funcionam em containers e que chegam a passar a sensação de improviso. Em resumo, não seria exagero dizer que há UPPs e UPPs. Em maior ou menor grau, estas questões permaneceram em aberto até o atual momento. Fato que, curiosamente, não impediu que o modelo fosse replicado, com maiores ou menores adaptações, em outras regiões do país e mesmo no exterior. 6

7 II) O MODELO DAS UPPS 2 E AS EXPERIÊNCIAS DE CURITIBA, SALVADOR E CIDADE DO PANAMÁ: O DISCURSO DA AUSÊNCIA DO ESTADO E SEUS REVEZES O discurso adotado pelo Estado, pela mídia e absorvido por parte da opinião pública é de que as UPPs (mesmo sem se poder qualificá-las, exatamente, como um projeto, uma política pública ou mesmo um programa de governo) funcionam como uma resposta do Estado a uma negligência histórica cometida com a população moradora de favelas do Rio de Janeiro. Um dos tantos resultados nefastos de tal omissão seria o alto nível de violência presente nestes territórios, inseridos no circuito do comércio de drogas. Assim, esquematicamente, este discurso da ausência do Estado se operacionalizaria pela seguinte lógica: 1. O Estado não foi capaz de promover o desenvolvimento social em diversas regiões da cidade; 2. Essas regiões teriam se tornado extremamente violentas, sendo a entrada no mundo do crime um recurso possível, sobretudo para os jovens lá residentes; 3. A violência teria afastado e/ou dificultado os serviços públicos básicos e os investimentos da iniciativa privada; Ergo... 2 Faz-se mister frisar que o termo policiamento de proximidade refere-se a um conceito usado pela Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro totalmente antenado aos princípios do policiamento comunitário, mas que evita tal nomenclatura por conta de uma possível carga pejorativa que o mesmo pudesse trazer, tendo em vista que no estado o termo comunidade tem sido usado como um eufemismo para favela (slum). A perspectiva é superar a ideia de um policiamento diferenciado para uma população diferenciada (perigosa, seria o termo que nos vem à mente a partir da leitura de autores como Foucault, Howard Becker e L. Waqcuant), buscando ratificar as premissas democráticas e includentes da segurança pública como ela é preconizada no plano formal. Conforme passagem ipisis literis: Assim, a polícia de proximidade, inspirada pelos mesmos princípios da polícia comunitária, vai atuar sobre o fenômeno criminal, aproximando-se do cidadão, esteja ele onde estiver, trazendo consigo uma proposta sociológica inclusiva poderosamente transformadora, à medida que não reproduz através de sua denominação a ideia de uma polícia especial para uma determinada comunidade, o que reforçaria a lógica de segregação que justamente é a que se deseja evitar (...) (POLÍCIA MILITAR DO RIO DE JANEIRO, 2014, p.55). Voltaremos ao tema à frente. 7

8 4. Para reativar esses serviços e tais investimentos seria necessário combater fortemente os traficantes armados presentes nas favelas, principal fonte geradora da violência; Recorrendo à contribuição do clássico do pensamento social brasileiro Coronelismo, Enxada e Voto, de Victor Nunes Leal (1976), temos a crítica a uma matriz analítica semelhante à descrita anteriormente. Em seu trabalho, Leal argumenta que um paradigma na compreensão do fenômeno do coronelismo, desenvolvido nas zonas rurais brasileiras, pautava-se pela ideia de que o poder dos coronéis derivaria, principalmente, das fragilidades do Estado em capilarizar suas ações nas regiões não centrais do Brasil. Onde não havia o braço do Estado para propiciar o desenvolvimento da população e de suas condições mínimas de existência (incluindo questões como segurança alimentar e proteção), existiria a figura do coronel, sempre pronto a se beneficiar egoisticamente das fragilidades da população local. O que Leal procura demonstrar é que o poder econômico de muitos proprietários de terras do nordeste brasileiro já se encontrava abalado por conta de crises produtivas e do êxodo rural, fazendo com que os coronéis procurassem manter seu poder através de contatos com o campo da política partidária e da máquina administrativa, migrando, destarte, para dentro do Estado, representando-o, incorporando-o, por intermédio de uma rede de relações de prestígio e dependência já construída. Essa breve passagem de um clássico do pensamento social brasileiro que deve parecer um tanto deslocada para o leitor serve de inspiração para revermos o convite (um tanto sedutor, é verdade) de pensarmos estruturas de poder erigidas na ausência do Estado. Melhor do que pensarmos sistemas de dominação e poder, instituídos na ausência ou presença do Estado, talvez seja percebermos como operadores e instituições do poder público terminam por se relacionar com forças locais que podem situar-se ambiguamente no campo do legal ou do ilegal. Já entrando no campo dos estudos sobre segurança pública no contexto urbano, temos a contribuição da socióloga Vera Telles (2010), no artigo As dobras do legal e do ilegal, em que a mesma procura demonstrar, a partir da descrição de cenários da cidade de São Paulo, como operações do cotidiano consideradas formais (comércio e produção de produtos), informais (comércio informal) e ilegais (tráfico de drogas, por ex.) entrelaçam-se numa complexa teia de 8

9 definições de espaços e de poderes, em que se fazem presentes forças como o poder repressivo do Estado, a ação de trabalhadores mal remunerados que oscilam entre o mundo formal, o informal, o ilícito e o crime propriamente dito. Usando a contribuição de Michel Foucault, a autora procura fugir da dicotomia legal-ilegal para buscar compreender o dinamismo urbano, no contexto da circulação de riquezas, serviços e segurança pública, como um fenômeno marcado por atuações ambíguas e de organização êmica do que é ou não é permitido nas práticas cotidianas. Nas palavras da autora: Não se trata de universos paralelos, muito menos de oposição entre o formal e o informal, legal e ilegal. Na verdade, é nas suas dobras que se circunscrevem jogos de poder, relações de força e campos de disputa. São campos de força que se deslocam, se redefinem e se refazem conforme a vigência de formas variadas de controle e também, ou sobretudo, os critérios, procedimentos e incriminação dessas práticas e atividades, oscilando entre a tolerância, a transgressão consentida e a repressão conforme contextos, micro-conjunturas políticas e relações de poder que se configuram em cada qual (TELLES, 2010, p. 102). Neste sentido, o presente relatório procurará se distanciar do discurso que apela para a dicotomia presença/ausência do Estado, para tentar perspectivar os processos de instalação de bases fixas de policiamento nas quatro cidades focadas a partir de um mosaico de atores que passa não só pela polícia (e pelo policiamento de proximidade) e por operadores do Estado (ou investidores) que chegam no território após a redução dos índices de violência, mas também por personagens que já se encontravam lá e já produziam ações voltadas para a garantia de direitos individuais e sociais (Conselho Tutelar, Centro de Referência de Assistência Social, postos de saúde, ONGs, lideranças religiosas, escolas etc.). Assim, os aspectos dos processos de instalação das unidades de policiamento comunitário (daqui em diante em tópicos) que serão tratados em perspectiva comparativa nos quatro casos serão: 9

10 (a) Instalação de bases de policiamento comunitário; (b) Estratégias de policiamento comunitário e formação policial; (c) Projetos de desenvolvimento social (perfis) e participação; (d) Projetos de atenção à juventude e prevenção da violência. 10

11 III) QUATRO EXPERIÊNCIAS EM PERSPECTIVA COMPARADA a.a Instalação das Bases de Policiamento Comunitário Rio de Janeiro Conforme já fora dito na Introdução deste relatório, no levantamento realizado, não ficaram claros os fatores de escolha, pelo Estado, dos territórios a serem pacificados. Como pontos em comum na instalação das UPPs temos a escolha de territórios marcados pela presença de traficantes armados, marcados pela ocorrência de enfrentamento armado entre estes e a(s) polícia(s) (predominantemente a Polícia Militar, mas também com ocorrências envolvendo a Polícia Civil) e também entre facções rivais 3. A verdade, contudo, é que tais fatores dizem muito pouco em termos de critério. Há um universo vasto de comunidades não pacificadas que apresentam características muito similares às pacificadas, sendo possível citar, de forma mais evidente, a situação das favelas da Baixada Fluminense, onde até o momento, há apenas uma unidade instalada (37ª UPP Mangueirinha, no município de Duque de Caxias) e duas unidades de menor porte, chamadas Cias. Destacadas (Cia. Destacada da Favela da Chatuba - Mesquita e Cia. Destacada da Favela do Cabuçu - Nova Iguaçu). Se não há clareza, no que diz respeito ao papel dos indicadores de criminalidade violenta nos processos de instalação das UPPs, não podemos nos furtar de observar o histórico de tentativas de desenvolvimento de policiamento comunitário na região metropolitana do Rio de Janeiro, inclusive como resposta à ação de traficantes em áreas conflagradas. 3 Tomemos a definição já sedimentada pela mídia de três grandes facções criminosas no Rio de Janeiro: Comando Vermelho (derivação histórica da Falange Vermelha dos anos 1970/80), Terceiro Comando Puro (consolidação da dissidência Terceiro Comando, proveniente do Comando Vermelho) e Amigos dos Amigos (ADA). Para mais detalhes, ver Misse (2011). 11

12 Destarte, a abordagem do caso do Rio de Janeiro talvez possa ser incrementada se empreendermos uma análise diacrônica da segurança pública no estado e não nos atermos, apenas, em elementos de caráter sincrônico. Em entrevistas realizadas com coronéis reformados da Polícia Militar do Rio de Janeiro, observamos alguns aspectos históricos importantes para a compreensão da formatação das UPPs tal como ela se deu. Uma das narrativas remetia aos anos 1980/90, em particular às passagens do Cel. Carlos Magno Nazareth Cerqueira pelo Comando Geral da PMERJ. Nazareth Cerqueira tem sido reconhecido por pesquisadores do campo da segurança pública fluminense como um personagem marcante na busca por uma aproximação entre a polícia militar e setores da sociedade, como a academia e os movimentos sociais, tendo sido suas ações marcadas por uma espécie de vanguardismo no que diz respeito à superação do perfil intramuros de nossa polícia (CARUSO et al., 2007). Nas entrevistas, o interesse pelo policiamento comunitário e a preocupação com uma atuação preventiva (em detrimento de uma performance eminentemente reativa por parte da polícia) aparecem como elementos inovadores e que teriam, em certo sentido, propiciado sobretudo pela influência exercida sobre alguns oficiais que, ao longo do tempo, foram galgando postos de comando na corporação a ocorrência de experiências que poderiam se apresentar como uma espécie de ancestrais das UPPs. Uma dessas experiências seria o Grupamento de Aplicação Prática Escolar (GAPE). Surgido entre os anos de 1991/94, consistia em uma espécie de estágio prático de policiais recémformados ou em formação em comunidades violentas marcadas pela presença do tráfico. Seu objetivo era promover uma aproximação entre as práticas policiais e a realidade das favelas do Rio de Janeiro, no sentido de produzir um conhecimento acerca das regras de sociabilidade, histórias de vida, trajetórias e condições de existência, ou seja, fatores que permitissem a compreensão do fenômeno da criminalidade local e suas condicionantes sociais e, por extensão, a sua superação ou diminuição. Este estágio apresentava-se como a segunda etapa de um processo iniciado no Batalhão Escola de Polícia Comunitária (BEPC), situado na Ilha do Governador, e tinha como meta funcionar como um Batalhão convencional (voltado para o policiamento ostensivo) e, ao mesmo tempo, 12

13 operar como um centro de difusão da filosofia do policiamento comunitário para policiais recém-formados (LOPES RIBEIRO; MONTADON, 2014). Outra experiência importante neste processo se deu com os Grupamentos de Policiamento de Áreas Especiais (GPAE), surgidos em meados do ano Sobre o GPAE, temos a partir de entrevista realizada com o diretor Executivo da ONG Viva Rio, o antropólogo Rubem Cesar Fernandes, uma versão interessante acerca da influência de experiências externas sobre os programas de policiamento comunitário fluminense. Segundo este, em uma visita técnica-profissional a Boston (EUA), alguns oficiais da polícia militar do Rio de Janeiro teriam travado contato com o programa ceasefire (cessar fogo), empreendido, sobretudo, junto a jovens afiliados ou assediados por gangues. Tal experiência teria ratificado a importância de uma filosofia preventiva no que diz respeito à segurança pública, havendo um conhecimento, por parte dos policiais, do cotidiano e da vida desses jovens em flerte com o crime, sendo a polícia a responsável pela interface de programas de inclusão social juvenil. O GPAE floresce como experiência tendo, teoricamente (frise-se), o suporte do que veio a ser chamado de Centro de Referência de Áreas Especiais (CERAES). Esse seria um órgão ligado à Secretaria de Estado de Segurança Pública, que contaria com a participação de lideranças comunitárias de diversas favelas da região metropolitana, e, paralelamente, a outros órgãos similares ligados à defesa de grupos tidos como vulneráveis (Disque Racismo, Disque Defesa Homossexual, Conselho Estadual dos Direitos da Mulher etc.), perspectivando-se a formação de uma rede de atenção a cidadãos cujos direitos individuais se encontrassem mais tangivelmente ameaçados (MONTEIRO, 2003). Este grupamento teria como metas imediatas, segundo um de nossos policiais entrevistados, a presença permanente da PMERJ em favelas do Rio e Grande Rio; a desmobilização de traficantes armados; a produção de uma cultura de intolerância ao ingresso de menores em atividades criminosas; e a produção de uma cultura de intolerância em relação à corrupção de policiais pelo tráfico de drogas. Em linhas gerais, nossos entrevistados perceberam o GPAE como uma experiência bem sucedida em sua fase inicial, em particular as ocupações do Morro do Cavalão (Niterói) e do Morro do Cantagalo (Ipanema). 13

14 Contudo este êxito não se sustentaria com a ampliação do projeto, sendo o esvaziamento do efetivo a principal razão apontada por nossos entrevistados. A queda do número de policiais envolvidos nesta modalidade de policiamento seria a expressão da falta de organicidade do projeto que deveria contar com incremento da geração de novos quadros, viabilizados pelo deslocamento de efetivo ou pela realização de concursos para a formação de novos policiais que teria vindo a constituir-se mais como uma iniciativa de alas mais progressistas da Polícia Militar do que como uma política de governo (ou de Estado) propriamente dita. Tal fato também se expressa na estrutura administrativa dos GPAEs. Somente em 2006, seis anos depois do início das atividades, é instituído o Comando de Policiamento de Áreas Especiais (CPAE). [Tal recurso de coordenação] pretendia unificar e organizar a atuação do GPAE, facilitando a comunicação entre eles e a ação em conjunto nas comunidades atendidas (LOPES RIBEIRO; MONTADON, op. cit., p. 250). A demora na unificação de procedimentos e orientações teria provocado uma gestão demasiadamente autônoma, dificultando que as rotinas que se tornaram exitosas nas primeiras experiências do projeto viessem a ser replicadas em outras regiões. Assim, poderíamos dizer que as UPPs, e não foi identificável em nossa sondagem com que grau de intencionalidade, perfazem um caminho bastante similar ao do GPAE, procurando corrigir algumas das supostas falhas do passado. Se nos fogem as condicionantes para a instalação das bases de policiamento comunitário, poderíamos trilhar um caminho menos árduo em determinar quais as etapas de instalação comuns às 38 unidades existentes até o momento. Ao longo da elaboração deste relatório, as diretrizes do Policiamento de Proximidade foram, é bem verdade, sistematizadas de forma mais consistente, de acordo com o documento Bol. da PM. 139, de 04 de agosto de 2014, que determina que as estruturas básicas das UPPs no Rio de Janeiro constituir-se-iam a partir da determinação dos seguintes elementos: IV Área de Policiamento de Proximidade É o espaço físico que representa a área territorial da cidade, sujeito a responsabilidade da Unidade Policial de Proximidade; V - Setor de patrulhamento (St Ptr) 14

15 Trecho ou extensão da área, compatível com a capacidade e eficácia de policiamento de uma patrulha motorizada. É uma divisão da área. Dentro do St Ptr podem ser executadas todas as formas de policiamento, orientadas pela Polícia de Proximidade, de maneira integrada e comandada; VI - Subsetor de patrulhamento (Sbst Ptr) É um trecho do setor de patrulhamento compatível com a capacidade e eficácia de policiamento de uma patrulha a pé, montada ou em bicicleta; VII - Roteiro de patrulhamento Constitui em trajeto previamente traçado dentro de um setor de patrulhamento de proximidade, em que constam os pontos a serem percorridos a pé ou motorizado; VIII - Pontos vulneráveis São pontos determinados da área de policiamento que, por sua vulnerabilidade, necessitem de segurança ou reforço do policiamento de proximidade; IX - Sede Administrativa Constitui-se de uma estrutura física que atenda ao efetivo da Unidade Policial de Proximidade, com os serviços essenciais a administração e o desdobramento do policiamento na área de policiamento de proximidade; X - Base de Proximidade A Base de Proximidade constitui-se em uma estrutura física de pequeno porte que tem como objetivo servir de base operacional para uma Unidade Policial Militar, com o escopo de atender a comunidade local, facilitando o policiamento de proximidade e ao mesmo tempo sendo uma referência em pontos de grande visibilidade; XI - Base Avançada de Proximidade A Base Avançada de Proximidade constituir-se-á numa base operacional da Unidade de Polícia Militar, situando-se em determinados pontos na comunidade,considerados espaços estratégicos ou de difícil acesso, realizando o controle da área, possibilitando rápida mobilização do efetivo de serviço; XII - Grupo de Policiamento de Proximidade (GPP) É a denominação que recebe os policiais militares que desempenham as atividades de polícia ostensiva e atuam na área da Unidade Policial Militar, realizando ações proativas e estratégicas de polícia de proximidade; XIII - Grupo Tático de Policiamento de Proximidade (GTPP) É a denominação que recebe o efetivo de uma patrulha, com treinamento operacional especializado e munida de equipamento especial, empregada em ações de Polícia Ostensiva específicas que demandam ação rápida e repressão qualificada. Exemplos de sua atuação: controle de tumultos e ações para restauração da ordem pública de maior magnitude. Por suas características de natureza e emprego possuem base territorial 15

16 ampla, atuando em toda área da Unidade Policial de Proximidade, respondendo diretamente ao Comandante desta; XIV - Policiamento de Ações Especiais É o policiamento realizado pelas Unidades Operacionais Especiais, durante a Intervenção Tática, ou quando se fizer necessário, dadas circunstância que imponham isso. XV - Método SARA ou IARA Modelo de solução de problemas que pode ser utilizado para lidar com o problema do crime e da desordem. É de simples compreensão para policiais e líderes comunitários, não contradizendo outros métodos similares (PMERJ, 2014, p ). Realização de forte campanha governamental que fortalece a ideia da UPP como um programa de governo dotado de perenidade; Alimentação e reposição de efetivo, através de sucessivos concursos públicos para a Polícia Militar, realizados, em sequencia, desde o ano de Salvador BA As Bases comunitárias de segurança (BCS), incorporadas à estratégia de segurança do estado da Bahia no ano de 2011, integram um conjunto de projetos e ações do Programa de Estado Pacto pela Vida (PPV), instituído pela Lei /11, e constituem-se numa estrutura celular dedicada ao policiamento comunitário, tendo por objetivo promover a segurança e a convivência pacífica em localidades identificadas como críticas. Segundo os documentos oficiais do Governo do Estado da Bahia e dos Boletins Oficiais, foi possível observar que as localidades escolhidas para a instalação das bases foram espaços marcados por índices elevados de criminalidade violenta (Crimes Violentos Letais Intencionais), atrelados principalmente ao tráfico de drogas. O modelo adotado no Estado da Bahia remete a experiências diversas, como o programa Pacto pela Vida (de Recife-PE), o sistema de policiamento comunitário Koban 4, no qual os oficiais receberam treinamento no estado de São Paulo, e as UPPs do Rio de Janeiro. 4 A diferenciação dos conceitos de policiamento comunitário e suas variações pelo mundo (Reino Unido, Austrália, Japão, EUA e países da América Latina) é reconhecidamente vasta, sendo difícil chegar-se a um conceito universal para além das idiossincrasias locais. O Koban aparece na fala de nossos entrevistados como o modelo japonês (pautado na ideia de assistência não emergencial e de laços de 16

17 A respeito da implantação das bases, temos o BGO (Boletim Geral Ostensivo), de 27 de setembro de 2012: Os locais estabelecidos pela área sistêmica da Segurança pública do Estado da Bahia, e informados pelo comandante Geral da PMBA e pelo Comandante de Operações Policiais Militares - COPPM para a criação e efetivação das BCS serão previamente estudados quanto aos índices de ocorrências criminais e aos dados estatísticos sociais relativos à população. As BCS serão estrategicamente fixadas, de forma que estejam em perfeitas condições físicas e em localização favorável à sua atuação dentro da respectiva área de abrangência tendo a sua área de responsabilidade, preferencialmente, delimitada num espaço de até 04 (quatro) Km 2, divididos em 04 (quatro) setores (POLÍCIA MILITAR DA BAHIA, 2012, p. 7599). Ainda sobre os critérios de escolha das áreas, temos: Através de órgãos de inteligência, será feito o levantamento de dados estatísticos sociais, índices criminais e atuação delituosa, a fim de subsidiar o processo de intervenção. A intervenção promoverá a ação direta de desarticulação e repressão qualificada da criminalidade existente no local. Esta fase será realizada pelas Unidades Operacionais Especializadas, em conjunto com a Unidade Operacional da área, sob a coordenação do respectivo Comando Policiamento Regional (Idem). E segue: A ocupação dar-se-á pela incursão e permanência das forças reativas da PMBA, a fim de impedir que criminosos retornem para o local ocupado. Esta fase terá a duração de três meses, momento em que a BCS estará com suas atividades consolidadas; A instalação propriamente dita dar-se-á através da implementação da BCS, em que, efetivamente, o policiamento comunitário será desenvolvido, de acordo com as rotinas e formas pautadas no manual do Curso Nacional de Gestor e operador do Policiamento comunitário Sistema koban, do Ministério da Justiça MJ/Secretaria Nacional de Segurança pública - SENASP (Ibdem, p. 7600). Neste sentido, observamos a intenção do poder público de criar uma normatização para a implementação do programa de policiamento comunitário, havendo uma perspectiva em confiança entre polícia e sociedade) adaptado para a cidade de São Paulo (regiões desta), onde os policiais baianos integrantes das primeiras bases receberam treinamento. Sobre policiamento comunitário e seus conceitos fundamentais, ver Skolnick; Bailey (2002). 17

18 relação à área de cobertura do policiamento, ao tempo de permanência, ao escalonamento das regiões segundo índices de criminalidade (hot spots) etc. Contudo, o resgate da história deste processo, feito a partir da memória de alguns dos oficiais envolvidos nos primeiros momentos da empreitada, alerta para algumas dificuldades logísticas e de planejamento que terminariam por pesar no estabelecimento das BCSs. A não estruturação das diretrizes lógicas do projeto, a falta de incentivo para o engajamento de oficiais e praças no policiamento comunitário (no Rio de Janeiro, por exemplo, há o pagamento de gratificações para os policiais das UPPs, realizado pelo governo municipal), a falta de estruturação física das unidades e a ausência de interlocução com os moradores que receberiam a nova modalidade de policiamento seriam algumas das dificuldades apontadas pelos entrevistados. Relata-nos um oficial: quando foi inaugurada esta base (...) a gente não tinha nenhum órgão, nenhum departamento, nenhuma coordenadoria [ao qual] eu estivesse [subordinado] para tratar do policiamento comunitário. Assim, podemos observar que algumas das dificuldades apresentadas no processo de instalação das UPPs no Rio de Janeiro se reproduzem na experiência da Bahia, sobretudo no que diz respeito à definição dos marcadores lógicos que orientariam a alocação das bases, sua inserção no organograma da segurança pública e o estabelecimento das metas a serem atingidas (com quais tipos e níveis de criminalidade podemos trabalhar até realizar alguma alteração no projeto? Que tipo de reação pode ser esperada por parte dos moradores e como lidar com ela, quando a mesma não é positiva?). Há de se ressaltar, é verdade, que os processos de desenvolvimento de experiências de policiamento comunitário em grandes cidades como Rio e Salvador encontram-se subordinados a uma complexa organização do espaço urbano brasileiro tal como ela se deu historicamente: não planejada e sujeita a acomodações de grandes contrastes sociais. Neste sentido, a variação da realidade de comunidade para comunidade termina por se traduzir numa variação de unidade para unidade. Nesta sondagem, identificamos uma forte concordância entre os pesquisados (fossem policiais, fossem pesquisadores, fossem gestores) de que as favelas (ou comunidades) são muito diferentes entre si. Isso, sem dúvida, se apresenta como um desafio para o poder público, quando se trata de compactar uma pluralidade de ações, experiências e contextos em um só projeto. Em maior ou menor grau, 18

19 este foi um ponto destacável nas quatro experiências pesquisadas. Tomemos, agora, os casos de Curitiba e da Cidade do Panamá. Curitiba PR O programa de policiamento comunitário do estado do Paraná desenvolveu-se, recentemente, no âmbito do Programa Paraná Seguro, concebido como uma série de ações e intervenções que, integradas e articuladas, teriam o poder de contribuir para a redução da violência e da criminalidade no estado do Paraná. Em termos de ação operacional da Polícia Militar, o ponto central deste programa seria a instalação de UPS (Unidades Paraná Seguro), distribuídas, territorialmente, a partir de critérios como índice de criminalidade violenta, medidos a partir do indicador CVLI, tal como na Bahia; índice de desenvolvimento humano (IDH); capilaridade de ações sociais no território (e sua possível obliteração pela violência); e estruturação/organização urbanística. Conclui-se que os fatores norteadores para o desenvolvimento da experiência neste estado são muito semelhantes aos observados no Rio de Janeiro e na Bahia. Todavia, existiriam diferenças sensíveis, no que tange ao nível de enfrentamento entre polícia e criminosos, nesse estado, principalmente em relação à permeabilidade das forças do estado no território, quando comparadas ao caso do Rio de Janeiro, em particular. Sobre a ação policial no território, um dos oficiais paranaenses entrevistados nos esclarece: A primeira foi a UPS do Uberaba. Que na realidade não é Uberaba toda. Nós temos Uberaba, que é um bairro gigante, e a UPS está num ponto aqui. Entre a Vila Icaraí, Reno e Vila União, que são três vilas dentro do Uberaba. Não é um bairro todo, é uma área delimitada. Mas, pela falta de efetivo, o que é natural em todas as polícias do Brasil, o efetivo da UPC não atende só aquela região. Atende o seu entorno também. E isso é característico da maioria das UPS em Curitiba. Atende a área circunscricional da UPS e o seu entorno. (Entrevistador) Já tinha presença policial lá antes da UPS? Em todas as áreas onde foram montadas UPS, a polícia do Paraná entrava sem problemas. Claro que havia confrontos armados, havia problemas com o tráfico, mas nunca houve na história do Paraná nenhuma área onde a Polícia Militar não entrasse. Isso nós não temos. 19

20 Outro oficial, comandante de uma das unidades alocadas numa das regiões consideradas como mais violentas de Curitiba, complementa: É como a gente tava falando, aqui a gente não tem essa questão como vocês (do Rio). ( ) O tráfico que a gente tem aqui não é esse tráfico armado como vocês têm lá, então não é uma coisa visível, então depois que a gente vai descer, lógico, os policiais que trabalham aqui muito tempo, eles conhecem quem são [os possíveis traficantes], então o que acontece? Eles são abordados e nunca são pegos com nada, então aí é uma grande dificuldade nossa (...). Ao contrário de hordas de traficantes fortemente armados (cenário do Rio) orientados por uma lógica de domínio territorial para a venda de drogas, o comércio de entorpecentes no Paraná parece mais inclinado a um tipo de venda atomizada, com o transporte de pequenas quantidades de psicoativos e transações dissimuladas, que podem ocorrer em bares, restaurantes, discotecas, a qualquer hora do dia e da noite. Assim, nosso entrevistado também destaca o papel dos serviços de inteligência da polícia que fazendo, por exemplo, o mapeamento dos pontos de venda de droga, prepara a entrada de uma força tática capaz de inibir a reação violenta de criminosos. A partir daí é instalada a unidade e adotada uma rotina típica daquilo que é (ou seria) o trabalho de policiamento comunitário. Afirma ele, sobre os primeiros passos da instalação das UPS: (...) Então do mesmo jeito é no Paraná. A gente sabe que a polícia tem que ser descentralizada. E onde, o que os americanos chamam de hot spot, nós temos que saber. Três lugares em Curitiba têm pontos quentes. Então vamos tratar esses pontos quentes. 'E qual o primeiro passo?' Vamos descentralizar. Fazer a polícia ficar mais perto das pessoas. 'Precisa pacificar?' Não. 'Tem traficante lá?' Tem. 'Tem gente pedida pelo sistema judicial?' Tem. Então a primeira coisa: congelamento de área; planejamento de inteligência; identificação de quem deve ser preso; cumprimento dos mandados de busca e de prisão; limpa! Aí entram os policiais para fazer visita comunitária, fazer relações com a comunidade e manter o policiamento. (Entrevistador) Eu vi, pelo menos na primeira vez daqui, que a entrada da polícia, melhor dizendo, a entrada para firmar esse novo período [de] UPSs teve semelhança com a nossa entrada lá [no Rio], porque aqui também houve um emprego maciço de força. As equipes táticas aqui entraram também! Achei muito parecido. 20

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Notas sobre experiências de Pacificação em favelas do Rio de Janeiro - Brasil.

Notas sobre experiências de Pacificação em favelas do Rio de Janeiro - Brasil. Conferencia Internacional Violencia en Barrios en America Latina Notas sobre experiências de Pacificação em favelas do Rio de Janeiro - Brasil. Lia de Mattos Rocha Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos

Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos Autores: Glauciria Mota Brasil; Emanuel Bruno Lopes; Ana Karine Pessoa Cavalcante Miranda Paes de Carvalho

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

A Polícia Comunitária no Brasil

A Polícia Comunitária no Brasil BuscaLegis.ccj.ufsc.br A Polícia Comunitária no Brasil José Ricardo Chagas* Admite-se a polícia comunitária como filosofia, vez que é uma nova forma de conceber e pensar a ação da polícia, mas também,

Leia mais

O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro

O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro Aluno: Gabriel Ferreira de Carvalho gabriel_fc.90@hotmail.com Orientador: Dr. Augusto César Pinheiro da Silva augustoc@puc-rio.br

Leia mais

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo Princípios e diretrizes de Segurança Pública Eixo 1 1. Fortalecimento do pacto federativo; 2. Municipalização da Segurança Pública; 3. Estabelecer

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

Gangues, Criminalidade Violenta e Contexto Urbano: Um Estudo de Caso

Gangues, Criminalidade Violenta e Contexto Urbano: Um Estudo de Caso Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública (CRISP) Conferencia Internacional Violencia en Barrios en America Latina Sus Determinantes y Politicas

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

PROGRAMA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS

PROGRAMA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS Programa Mediação Conflitos PROGRAMA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS MARCO LÓGICO 2015 Programa Mediação Conflitos A- Intificação do Problema (Árvore problemas): ÁRVORE DE PROBLEMAS CONSEQUÊNCIAS PROBLEMA Homicídios

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas CRAS como unidade de gestão local do SUAS 14º Encontro Nacional do Congemas

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP.

10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP. POP: Prêmio Nacional de Relações Públicas Categoria: Relações Públicas e Responsabilidade Social Profissional: Aislan Ribeiro Greca Empresa: Petrobras 10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP. 2008

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua. Título da experiência: Políticas públicas de apoio à população de rua Uma experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Torre de Babel. Luis Flavio Sapori. Nota sobre a I Conseg

Torre de Babel. Luis Flavio Sapori. Nota sobre a I Conseg Nota sobre a I Conseg Luís Flávio Sapori é doutor em Sociologia pelo Instituto Universitário de Pesquisa do Rio de Janeiro, professor e coordenador do curso de Ciências Sociais da Universidade Católica

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Dimensão formativa do programa voltada à educação para a cidadania

Leia mais

Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública

Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública Ministério da Justiça Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA Diagnóstico da Formação em Segurança Pública (2001-2003) 2003) Cenário

Leia mais

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF ANEXO 01 CURSO: Tecnólogo em e Social UFF SELEÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES DISCIPLINAS / FUNÇÕES - PROGRAMAS / ATIVIDADES - PERFIS DOS CANDIDATOS - NÚMEROS DE VAGAS DISCIPLINA/FUNÇÃO PROGRAMA/ATIVIDADES

Leia mais

Condomínios mais Seguros

Condomínios mais Seguros Condomínios mais Seguros Palestra ministrada pelo Capitão Yasui Comandante da 2ª Companhia do 49º Batalhão de Polícia Militar. 13/04/2011 Formulado por um grupo de trabalho composto por policiais civis

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Políticas Publicas de Ressocialização

Políticas Publicas de Ressocialização Primeiro Encontro Mato Grossense de Conselhos da Comunidade Políticas Publicas de Ressocialização ão Rosangela Peixoto Santa Rita 26 de junho de 2008. O Brasil já tem mais de 423 mil presos em seus cárceres;

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA.

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. JULIA SIQUEIRA DA ROCHA jsiqueiradarocha@gmail.com IONE RIBEIRO VALLE Ione.valle@ufsc.br ELEMENTOS

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Presidência da República Secretaria de Imprensa. Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Em resposta aos desafios

Leia mais

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso Como se Tornar um Município Amigo do Idoso Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso 2 3 GERALDO ALCKMIN Governador do Estado de São Paulo ROGERIO HAMAM Secretário de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa

Os fundos de confiança como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa César Jaramillo Avila - aurbana@quito.gov.ec Coordenador do Programa Municipal de Agricultura Urbana da

Leia mais

I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS

I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS CARTA DE CURITIBA Os participantes do I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS, realizado em Curitiba PR, de

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Como Bogotá conseguiu melhorar sua segurança

Como Bogotá conseguiu melhorar sua segurança Como Bogotá conseguiu melhorar sua segurança Publicado em: http://www.comunidadesegura.org Hugo Acero* 16/11/2006 Quando se analisa o tema da segurança cidadã no âmbito da América Latina, comprova-se que

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ACADEMIA DE POLÍCIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CARGO ANALISTA DA POLÍCIA CIVIL - ADMINISTRAÇÃO PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA

CONCURSO PÚBLICO ACADEMIA DE POLÍCIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CARGO ANALISTA DA POLÍCIA CIVIL - ADMINISTRAÇÃO PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA CONCURSO PÚBLICO ACADEMIA DE POLÍCIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CARGO ANALISTA DA POLÍCIA CIVIL - ADMINISTRAÇÃO PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA INSTRUÇÃO: Leia com atenção o Texto 1 para responder às questões

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

entrevista semi-estruturada; estruturada;

entrevista semi-estruturada; estruturada; MONITORAMENTO & AVALIAÇÃO DA APS: CONCEPÇÃO DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DA SESA Equipe dos Núcleos da Normalização e Desenvolvimento de Recursos Humanos/SESA/ES Brasília Agosto/2008 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO:

Leia mais

O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições

O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições Autora: Vânia Maria Nunes dos Santos Outros autores: Marcos Tsutomu Tamai, Erotides Lacerda Choueri

Leia mais

Rede de Defesa e Segurança

Rede de Defesa e Segurança Rede de Defesa e Segurança 1 PROGRAMA ALIANÇA PELA VIDA Objetivo: Estruturar ações integradas de prevenção, acolhimento e tratamento dos usuários e dependentes de álcool e outras drogas e seus familiares,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

- Patrulhas Maria da Penha e Rede Municipal de Pontos Seguros (RMPS)

- Patrulhas Maria da Penha e Rede Municipal de Pontos Seguros (RMPS) Algumas das ações já estão em andamento e serão reforçadas. A meta é que todas sejam implementadas ao longo de 2015 e 2016, algumas já a partir de março próximo. Abaixo, uma rápida explicação delas: -

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

Apresentação. Soluções para resolv. Legislação penal. Conclusão

Apresentação. Soluções para resolv. Legislação penal. Conclusão SUMÁRIO Apresentação Introdução Soluções para resolv esolver er a violência e a criminalidade Popularidade de possíveis soluções Políticas sociais x políticas de segurança Redução da maioridade penal Legislação

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE CONVÊNIO PUC - NIMA/ PETROBRAS / PMR PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de Valores Ético-Ambientais para o exercício da

Leia mais

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão:

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão: proteção do meio ambiente, e convênio firmado para viabilização do pagamento de bolsa a acadêmica Letícia Croce dos Santos. As atividades executadas no projeto de extensão compreendem dentre outras iniciativas:

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Serviços técnicos do Serviço Social na área da família e infância nos processos do Fórum de União da Vitória O Serviço

Leia mais

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo:

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo: Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade Entrevista cedida à FGR em Revista por Gustavo de Faria Dias Corrêa, Secretário de Estado de Esportes e da Juventude de Minas Gerais. FGR: A Secretaria

Leia mais

Relatório de Atividades

Relatório de Atividades PROJETO BOLA NA REDE Relatório de Atividades "O Mestre na arte da vida faz pouca distinção entre o seu trabalho e o seu lazer, entre a sua mente e o seu corpo, entre a sua educação e a sua recreação, entre

Leia mais

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família?

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família? AGENDA DA FAMÍLIA Marcelo Garcia é assistente social. Exerceu a Gestão Social Nacional, Estadual e Municipal. Atualmente é professor em cursos livres, de extensão e especialização, além de diretor executivo

Leia mais

Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência

Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência (Artigo publicado no livro Violência & Juventude, editora Hucitec, 2010) Este texto pretende apresentar

Leia mais

Violência homicida. Diferenças regionais

Violência homicida. Diferenças regionais 1 de 6 31/01/2014 23:35 Aumentar a fonte Diminuir a fonte VIOLÊNCIA CORPO NO CHÃO Morto em outubro de 2012, em Itaquera, Zona Leste paulistana: mais uma entre as mais de 40 mil pessoas assassinadas no

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 O Presidente do Instituto Pauline Reichstul-IPR, torna público que receberá inscrições para o processo seletivo de pessoal para atuação no projeto Ações Integradas

Leia mais

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador Coordenador: SEGURANÇA Visão: Que Santa Maria tenha os melhores indicadores de Segurança Pública, entre os municípios do Rio Grande do Sul com mais de 100 mil habitantes, garantindo a prevenção e o controle

Leia mais

Senhoras e Senhores:

Senhoras e Senhores: Senhoras e Senhores: Uso a palavra em nome de todas as entidades governamentais e nãogovernamentais parceiras do Programa Justiça para o Século 21. E não é sem razão. Esse é, para todos nós, um momento

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, CARRANO, GT:

JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, CARRANO, GT: JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, Priscila da Cunha UFF CARRANO, Paulo Cesar Rodrigues UFF GT: Movimentos Sociais e Educação

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

A experiência do Escritório de Direitos Humanos Advocacia Universitária (EDH)

A experiência do Escritório de Direitos Humanos Advocacia Universitária (EDH) A experiência do Escritório de Direitos Humanos Advocacia Universitária (EDH) Joana Zylbersztajn 1 Introdução O Centro de Direitos Humanos surgiu em 1998, por iniciativa de professores e estudantes da

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de valores ético-ambientais para o exercício da cidadania

EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de valores ético-ambientais para o exercício da cidadania EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de valores ético-ambientais para o exercício da cidadania 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...3 2 OBJETIVOS DO PROJETO:...5 3 METAS PARA A SUSTENTABILIDADE...6 4 JUSTIFICATIVAS...6 4.1-

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

Plan International e IIDAC com recursos do Fundo União Europeia

Plan International e IIDAC com recursos do Fundo União Europeia INSTITUTO INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO DA CIDADANIA TERMO DE REFERÊNCIA No. 012/2015 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. PROJETO Pontes para o Futuro 2. RECURSOS

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013.

LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013. LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013. Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento ao Idoso do Município de São Gonçalo do Rio Abaixo, Cria o Conselho Municipal do Idoso e dá outras providências.

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

UPP - A EXPERIÊNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UPP - A EXPERIÊNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA ESTADO DO RIO DE JANEIRO UPP - A EXPERIÊNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA ESTADO DO RIO DE JANEIRO Breve Histórico... Rio de Janeiro Década de 70 - Facções criminosas Final de 70 e início de 80

Leia mais

ANÁLISE DA IMPLEMENTAÇÃO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL UTILIZADOS EM PLANOS DIRETORES DE LIMPEZA URBANA EM TRÊS CIDADES DA BAHIA

ANÁLISE DA IMPLEMENTAÇÃO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL UTILIZADOS EM PLANOS DIRETORES DE LIMPEZA URBANA EM TRÊS CIDADES DA BAHIA ANÁLISE DA IMPLEMENTAÇÃO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL UTILIZADOS EM PLANOS DIRETORES DE LIMPEZA URBANA EM TRÊS CIDADES DA BAHIA Waleska Garcia Mendes Luiz Roberto Santos Moraes INTRODUÇÃO A Partir

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

P11 Proposta da equipe. Abril/2013

P11 Proposta da equipe. Abril/2013 P11 Proposta da equipe Abril/2013 Matriz SWOT AMBIENTES Interno FORÇAS Comprometimento da Diretoria com as questões ambientais; Capacidade da ANTAQ em interagir com os demais setores; Possibilidade da

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE O USO DO CRACK E A VIOLÊNCIA URBANA EM SANTA MARIA

A RELAÇÃO ENTRE O USO DO CRACK E A VIOLÊNCIA URBANA EM SANTA MARIA A RELAÇÃO ENTRE O USO DO CRACK E A VIOLÊNCIA URBANA RESUMO EM SANTA MARIA Raisa Crestani Calegaro 1 Carolina Elisa Suptitz 2 O uso do crack tem aumentado cada vez mais no Brasil, principalmente em grandes

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

3. 1 Executar e monitorar as metas e etapas previstas no Plano de Trabalho assim com sua execução operacional, administrativa e financeira.

3. 1 Executar e monitorar as metas e etapas previstas no Plano de Trabalho assim com sua execução operacional, administrativa e financeira. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 02/2012 TIPO: MELHOR QUALIFICAÇÃO TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos,

Leia mais

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS Nota Técnica Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01 Curitiba, PR. Junho de 2014 Coordenação da Gestão do SUAS Conceitos da Vigilância Socioassistencial Finalidade: Considerando a importância da

Leia mais

Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs?

Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs? QUATRO BARRAS 09/07/2007 Horário: das 13h às 17h30 Local: Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs? Grupo 01:

Leia mais

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS 1. Assegurar com políticas públicas e programas de financiamento o direito dos jovens índios, afrodescendentes, camponeses

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E POLITICAS PÚBLICAS: UMA APROXIMAÇÃO DO CRPRS COM O MEIO ACADÊMICO

Leia mais

Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos

Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos www.tecnologiadeprojetos.com.br Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos Eduardo F. Barbosa Dácio G. Moura Material didático utilizado na disciplina Desenvolvimento de

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

APRESENTAÇÃO. 1. Identificação do Órgão/Unidade Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro Escola Judiciária Eleitoral.

APRESENTAÇÃO. 1. Identificação do Órgão/Unidade Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro Escola Judiciária Eleitoral. APRESENTAÇÃO 1. Identificação do Órgão/Unidade Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. 2. E-mail para contato eje@tre-rj.gov.br. 3. Nome do Projeto. 4. Tema escolhido Gestão Sócio Ambiental. 5.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais