A FRAGILIZAÇÃO DA REDE TERRITORIALIZADA DE PROTEÇÃO À PESSOA IDOSA E OS DESAFIOS DA INTERSETORIALIDADE: UMA RELAÇÃO TEÓRICO- PRÁTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A FRAGILIZAÇÃO DA REDE TERRITORIALIZADA DE PROTEÇÃO À PESSOA IDOSA E OS DESAFIOS DA INTERSETORIALIDADE: UMA RELAÇÃO TEÓRICO- PRÁTICA"

Transcrição

1 1 A FRAGILIZAÇÃO DA REDE TERRITORIALIZADA DE PROTEÇÃO À PESSOA IDOSA E OS DESAFIOS DA INTERSETORIALIDADE: UMA RELAÇÃO TEÓRICO- PRÁTICA Graziela Milani Leal * Resumo: O presente trabalho pretende refletir acerca da intersetorialidade, em sua relação teóricoprática, estabelecendo uma mediação a partir da experiência de estágio curricular obrigatório em Serviço Social da autora, na qual ela contou com o apoio dos supervisores acadêmicos Giovane Antonio Scherer e Thaísa Teixeira Closs e da supervisora de campo Beatriz Fortes Rey. Assim, por meio de um debate teórico, pretende-se dar visibilidade ao processo de estágio enquanto uma possibilidade de contribuir para a transformação das expressões da questão social que se apresentam na realidade concreta, bem como uma oportunidade de aprendizado no processo de construção profissional. Palavras-chave: Intersetorialidade. Redes. Prática de estágio. 1. INTRODUÇÃO Atualmente, em decorrência da forma como a sociedade organiza seu modo de produção, verifica-se que há intensa precarização do trabalho e que cada vez menos os trabalhadores possuem condições dignas para a realização de suas ações profissionais. Esse contexto interfere nas relações de trabalho, na dinâmica dos serviços e, consequentemente, na garantia de direitos dos usuários. A partir de sucessivas aproximações com esta realidade conjuntural e com a prática cotidiana de estágio curricular obrigatório em Serviço Social 1, a autora, baseada em seu compromisso ético e político com a população usuária, planejou - com o apoio dos profissionais do setor em que realizou o estágio - um projeto de intervenção, a fim de construir uma ação profissional que vise à potencialização do trabalho intersetorial em rede e o desenvolvimento de estratégias para que os direitos dos usuários sejam realmente garantidos. Como fruto desta relação teóricoprática, advém este artigo como forma de sistematizar e dar visibilidade ao processo vivenciado e aos estudos realizados. 2. A INTERSETORIALIDADE EM UMA RELAÇÃO TEÓRICO-PRÁTICA: UMA ESTRATÉGIA DE ENFRENTAMENTO * Prestadora de serviços do Grupo de Estudos e Pesquisas em Acessibilidade e Diversidade, Acadêmica da Faculdade de Serviço Social da PUCRS. 1 Tendo em vista o compromisso ético, não se identificará a instituição onde foi desenvolvido o estágio.

2 2 Em sua atuação, o assistente social deve demonstrar comprometimento com a materialização do Projeto Ético-Político em seu espaço sócio-ocupacional, visando à construção de uma nova ordem societária. Para contribuir com tal construção, é necessário que os profissionais intervenham na realidade, objetivando transformá-la, diminuindo as desigualdades e potencializando as resistências e a garantia dos direitos dos sujeitos. Para isso, é preciso que se identifique o objeto, ou seja, o segmento do real que se pretende transformar a partir da ação profissional. Buscando potencializar o desenvolvimento de um trabalho coletivo, construiuse um projeto de intervenção, o qual tinha como objeto do planejamento a fragilização da rede territorializada - saúde e assistência social - de proteção à população idosa. Segundo Baptista (2000), o objeto é uma parte da realidade que nos é apresentada como um grande desafio cotidiano, uma vez que nos causa estranhamento e nos faz construir questionamentos fundamentais para podermos compreender o quão complexa tal realidade é, sendo preciso realizar sucessivas aproximações com este segmento do real. Esta transformação é extremamente complexa, já que a realidade social não é estática, pelo contrário, sua extrema dinamicidade é fator determinante para que sempre estejamos repensando e reconstruindo nosso objeto de intervenção. Contudo, primeiramente é preciso ter claro qual é o objeto de intervenção do Serviço Social. Para isso, com base em Iamamoto (2011), verifica-se que o objeto de intervenção dessa categoria profissional é a questão social, uma vez que o [...] o Serviço Social tem na questão social a base de sua fundação como especialização do trabalho. Questão social apreendida como o conjunto das expressões das desigualdades da sociedade capitalista madura, que tem uma raiz comum: a produção social é cada vez mais coletiva, o trabalho torna-se mais amplamente social, enquanto a apropriação de seus frutos mantém-se privada, monopolizada por uma parte da sociedade. (IAMAMOTO, 2011, p.27). De tal forma, sendo a questão social o objeto de trabalho do Serviço Social, ela pode ser compreendida como um conjunto de expressões de desigualdades, as quais são resultantes do conflito entre o capital e o trabalho, uma vez que, em uma sociedade capitalista, há excessiva exploração da mão-de-obra visando à obtenção de mais-valia, de modo que parca parcela da população usufrui dos bens socialmente produzidos. Entretanto, a questão social igualmente é entendida como um conjunto de expressões de resistência, ou seja, ela também representa a luta pela superação deste modo de produção que reproduz desigualdade.

3 3 A fragilização da rede, enquanto objeto de intervenção, configura-se como uma das múltiplas expressões da questão social, uma vez que, em uma sociedade capitalista com plena expansão do modelo neoliberal, há intensa precarização do trabalho, onde os sujeitos são cada vez mais explorados pelos detentores dos meios de produção e cada vez menos possuem condições dignas para a realização de suas ações profissionais, onde contam com frágeis estruturas institucionais de gestão, rotinas técnicas e administrativas incipientes e recursos humanos reduzidos e pouco qualificados (RAICHELIS, 2010, p. 760). De tal forma, mostra-se imperativa a necessidade de se desenvolver uma ação profissional na perspectiva da resistência, potencializando o trabalho em rede e o desenvolvimento de estratégias para que os direitos dos usuários sejam realmente garantidos e para que o nosso compromisso com a materialização do Projeto Ético-Político seja efetivado na prática cotidiana. Dentre as principais fragilidades da rede de proteção ao idoso - de Porto Alegre - constatadas no cotidiano de estágio, elegeu-se trabalhar com as políticas públicas de Assistência Social e de Saúde, tendo em vista que se mostram como aquelas de maior participação na vida das pessoas, já que estão presentes no território dos usuários, facilitando o acesso às demais políticas e serviços. Assim, é preciso, para que tais direitos sejam assegurados na prática, que a intersetorialidade seja transversal à ação de todos os profissionais dos serviços que compõem a rede de proteção à pessoa idosa. Deste modo, objetivando a integralidade dos serviços das políticas públicas, bem como a própria garantia do acesso a esses serviços, buscou-se, no projeto de intervenção, desenvolver ações que tinham como o objetivo potencializar a articulação da rede na perspectiva do atendimento integral à população idosa, entendendo que a intersetorialidade possui dimensões que devem ser combinadas, ou seja, a setorial e a intersetorial, apresentando um princípio que rege essa relação, ou seja, a convergência para um conjunto de impulsos para a ação em determinada situação (NASCIMENTO, 2010, p. 113). Hoje, muito se fala acerca da fragilização da rede e da necessidade de se realizar um trabalho intersetorial. Mas, afinal, o que isto significa? Para Faleiros e Faleiros (2001), as redes não são invenções abstratas, mas partem da articulação de atores/organizações forças existentes no território para uma ação conjunta multidimensional com responsabilidade compartilhada (parcerias) e negociada (FALEIROS e FALEIROS, 2001, p. 26). Assim, pode-se afirmar que a construção de

4 4 redes está diretamente vinculada às relações que os sujeitos estabelecem com os seus semelhantes e com o próprio contexto que vivenciam, sempre buscando apreender tais relações sob a perspectiva da totalidade e tendo claro que isso pressupõe um processo extremamente dinâmico, tal como é a própria realidade. Deste modo, destaca-se a suma importância de que haja real articulação entre os trabalhadores das políticas públicas, visto que é imprescindível que os serviços desenvolvam um trabalho intersetorial para haver o atendimento integral da população, indo na contramão da fragmentação e da focalização por área ou por política, considerando o sujeito em sua totalidade. Contudo, percebe-se que, ao se discutir a integralidade da atenção, a intersetorialidade tem se colocado como um de seus grandes desafios. Grande desafio à medida que se observa a configuração fragmentada e desarticulada da política pública brasileira, o que impossibilita o atendimento das necessidades da população em sua integralidade. (SCHUTZ e MIOTO, 2010, p. 60). Buscando desenvolver uma ação profissional que rompa com a fragmentação e setorialização das políticas públicas, é necessário que haja intenso trabalho de articulação em rede, o qual deve ser desenvolvido nos próprios territórios em que vivem os usuários, uma vez que é naquele contexto - extremamente complexo e dinâmico - que eles estabelecem suas relações e suas redes de pertencimento, sendo impossível imaginar uma cidadania concreta que prescinda do componente territorial (SANTOS, 2007, p. 144). Para isso, é preciso que haja a [...] superação da visão de território como mero espaço físico geográfico, possibilitando, assim, a descoberta de novas potencialidades contidas no território, em suas múltiplas dimensões, diversidades, escalas e dinâmica. Trata-se, centralmente, de relações socioterritoriais presentes e atuantes na dinâmica do processo de produção e (re)produção social. (ANDRADE, 2012, p. 18). Trabalhar na perspectiva da territorialidade permite aos profissionais o contato direto com a realidade dos sujeitos, possibilitando que os serviços conheçam como aquela comunidade se organiza, com qual rede secundária ela conta, quais são as potencialidades, as dificuldades, as necessidades da população que reside especificamente naquele território singular. Ademais, trabalhando na direção da territorialidade, há mais possibilidades de os profissionais construírem vínculos entre os usuários e os serviços, de modo a facilitar e a potencializar o acesso dos sujeitos às políticas públicas; ou seja, de estes terem seus direitos garantidos e suas demandas atendidas. Para isso, é extremamente importante ter-se claro que

5 5 O saber de determinada política setorial é importante, mas também expõe a necessidade de troca a fim de possibilitar a construção de novos saberes. Neste caso, a interdisciplinaridade ganha força quando os saberes técnicos conseguem sair da sua pasta de origem e cunhar possibilidades de construção de uma política inclusiva e articulada às reais necessidades da população. (NASCIMENTO, 2010, p. 117). Considerando a questão da territorialidade e demonstrando preocupação em apreender quais são as reais necessidades dos sujeitos, tanto na Política de Assistência Social (PNAS) quanto na Política Nacional de Atenção Básica (PNAB), está preconizado que elas devem ser implementadas a nível territorial, de modo a facilitar o acesso dos usuários aos serviços básicos. A PNAS prevê que isso se efetive por meio do Centro de Referência de Assistência Social CRAS. Outrossim, a PNAB preconiza que os serviços devem estar descentralizados e ocorrendo no local mais próximo da vida das pessoas (BRASIL, 2012, p. 9), sendo que isso se efetiva por meio das Unidades Básicas de Saúde, que devem estar instaladas perto de onde as pessoas moram, trabalham, estudam e vivem desempenham um papel central na garantia à população de acesso a uma atenção à saúde de qualidade (BRASIL, 2012, p. 9). Destarte, a partir de uma ação alicerçada nas dimensões da competência, o principal objetivo do projeto foi desenvolver ações com os profissionais da rede territorializada de saúde e de assistência social do município de Porto Alegre, a fim de potencializar a realização de um trabalho intersetorial. Reitera-se que isso figura como extremamente importante diante do atual contexto de precarização do trabalho, entendendo que o fenômeno da precarização e da precariedade do trabalho implica não apenas a dimensão do local de trabalho e das relações salariais, mas das relações sociais de produção e reprodução da vida social (ALVES, 2007, p. 133). Para efetivar a proposta de intervenção, utilizando a instrumentalidade como um processo de mediação, o projeto teve três principais ações, sendo elas: a construção de um mapeamento, identificando os serviços que compõem a rede de proteção ao idoso do município de Porto Alegre; a realização de um seminário de interlocução com os profissionais que trabalham nos serviços da rede territorializada de proteção ao idoso de Porto Alegre; e a articulação direta com os profissionais de tal rede em situações individuais atendidas pelo Serviço Social.

6 6 2.1 O DESENROLAR DE AÇÕES TRANSFORMADORAS: ALGUMAS PINCELADAS ACERCA DO PRODUTO DA INTERVENÇÃO A primeira ação do projeto foi a realização de um mapeamento da rede de proteção ao idoso de Porto Alegre. A ideia desta construção originou-se como uma forma de instrumentalizar os profissionais dos serviços das políticas públicas para poderem ampliar a realização de um trabalho intersetorial, uma vez que conhecer a rede de cada território figura-se como uma premissa básica para a concretização da articulação entre os serviços. Logo, a importância desta ação também perpassa pela disponibilização de um atendimento baseado na integralidade, visto que potencializa a intervenção de diversas políticas na mesma situação, de modo que os sujeitos são compreendidos e atendidos em sua totalidade; sem haver uma fragmentação ou focalização por área ou por política. Assim, tendo ocorrido durante oito meses, o mapeamento foi realizado pela autora a partir de consultas nos sites da Prefeitura de Porto Alegre, da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), da Fundação de Assistência Social e Cidadania (FASC) e do Conselho Municipal do Idoso. Destaca-se que, durante a realização do mapeamento dos serviços, pôde-se verificar que grande parte dos meios consultados ainda não está de acordo com o que regula a Lei nº , de 18 de novembro de 2011 mais conhecida como Lei de Acesso à Informação que, com base em uma perspectiva mais ampliada, percebe que a informação cumpre papel decisivo na mudança dos destinos da humanidade, uma vez que ela está diretamente ligada ao conhecimento e ao desenvolvimento de cada uma das áreas do saber, já que todo conhecimento começa por algum tipo de informação e se constitui em informação (CINTRA, 2002, p. 10). Pensar que o conhecimento sobre o serviço é um pré-requisito básico para se concretizar o acesso faz com que suscite reflexões acerca da real garantia de direitos dos sujeitos, uma vez que, sem saber da existência das instituições, como os cidadãos irão acessá-las? Aí é que está a importância de os profissionais conhecerem suficientemente a existência e as funções dos serviços e estarem instrumentalizados o bastante para poderem informar os sujeitos, de modo que estes tenham seus direitos garantidos ao menos no que se refere a este primeiro acesso. E justamente visando contribuir para qualificação da instrumentalização dos

7 7 profissionais que realizou-se esta ação, a qual foi extremamente valorizada por eles, como se verifica na fala a seguir: É muito importante isso o que tu fez, é muito bom que os profissionais da Restinga, por exemplo, conheçam os serviços da Leste e Nordeste, facilita nosso trabalho ter esta visualização. Também é legal para sabermos o que falta nas regiões né, porque acabamos por ficar presos só na região em que trabalhamos, mas já deu para ver que a questão das instituições é gritante no município. (LEAL, 2013, FP9 2 ). Destaca-se que a apresentação e disponibilização da sistematização foram realizadas no seminário de interlocução com os profissionais da rede, o qual compõe a segunda ação do projeto. Igualmente, faz-se necessário ressaltar que, por ser um documento extenso, não há viabilidade de apresentar os dados no presente artigo. Acerca da divisão geográfica utilizada no mapeamento, ressalta-se a dificuldade de se estabelecer em qual região os serviços estão situados, visto que ambas as políticas Saúde e Assistência Social - utilizam divisões territoriais distintas no município de Porto Alegre. Isso faz com que, não raras vezes, os sujeitos residentes em uma região da saúde estejam referenciados a um território diferente em relação à assistência social, de modo que os próprios usuários são impactados por estas diferenças. Crê-se que, potencializando o trabalho intersetorial e visando à universalização dos direitos sociais, a fim de tornar o destinatário da ação assistencial alcançável pelas demais políticas públicas (BRASIL, 2005, p. 32), todas as políticas deveriam estar orientadas pela mesma divisão territorial. Em relação à segunda ação, buscou-se oportunizar um debate (por meio de um seminário) entre os profissionais que trabalham na rede territorializada - de saúde e de assistência social - de proteção à pessoa idosa, a fim de tratar sobre a importância da realização de um trabalho intersetorial. Nesta ação, contou-se com o total apoio institucional, tanto no que diz respeito à organização, quanto aos recursos utilizados. No evento, contou-se com um público de 75 pessoas, sendo que foram: 33 profissionais dos serviços da política de Assistência Social; 33 profissionais dos serviços da política de Saúde; 06 profissionais da gestão da FASC (cinco da Proteção Social Especial de Média Complexidade e um da Proteção Social Básica); 01 profissional da gestão da SMS; 02 profissionais da Secretaria Adjunta do Idoso. 2 Fala do profissional 09. Fala registrada em diário de campo durante a realização do seminário de interlocução com a rede.

8 8 O seminário foi dividido em dois momentos: no primeiro, apresentou-se um debate sobre a relevância da intersetorialidade em todas as esferas; já no segundo, os profissionais dividiram-se em grupos, de acordo com as suas regiões, para pensarem potencialidades, dificuldades e estratégias de enfrentamento às situações apresentadas. Assim, a partir da análise dos instrumentos de avaliação (que foram aplicados após o evento) e da vivência do processo de organização e execução da ação, percebe-se que a realização do seminário oportunizou um espaço potencializador do debate sobre a intersetorialidade, ficando evidentes os bons frutos do evento, desde o momento da adesão do público participante até ao processo de avaliação da ação. A última ação do projeto foi realizar ações diretas com os profissionais da rede territorializada para fomentar a realização de um trabalho intersetorial entre os serviços, com o intuito de garantir os direitos dos usuários no que se refere ao primeiro acesso às políticas públicas. Para isso, foram selecionadas situações em que as pessoas idosas não contavam com acompanhamento ou atendimentos pelas redes territorializadas de saúde ou de assistência social. É importante destacar que esta ação foi realizada após o seminário de interlocução com a rede e após a apresentação e o envio do mapeamento aos profissionais, sendo ela um meio de verificar, na realidade concreta, se a intersetorialidade e a integralidade do atendimento realmente vêm se materializando no cotidiano dos serviços territorializados, possibilitando perceber o real impacto do projeto. Após serem encaminhadas aos serviços territorializados da rede, ou seja, CRAS e Unidades de Saúde, o desfecho das situações foi repassado ao Serviço Social, por meio de relatórios construídos pelos profissionais. Fazendo uma análise das cinco situações atendidas, pôde-se verificar que, apesar de a pequena amostra, emerge a predominância do sexo feminino no processo de envelhecimento, de modo que se permite afirmar que as mulheres tendem a viver durante mais tempo do que os homens, fazendo da terceira idade uma idade altamente feminina (GIDDENS, 2004, p. 167). Igualmente verificou-se que, em 60% dos atendimentos, a visita domiciliar foi realizada em conjunto entre os técnicos da assistência social e da saúde. É interessante destacar que, dos dez profissionais envolvidos nas intervenções, 60% são assistentes sociais e, coincidentemente, foram eles os técnicos que realizaram a visita em conjunto. Com isso, pode-se perceber o diferencial da atuação do

9 9 profissional de Serviço Social nos serviços territorializados das políticas públicas, na qual evidencia-se a realização de um atendimento que teve por base o comprometimento com a intersetorialidade e com o atendimento integral aos idosos. Durante o processo de intervenção e de avaliação, percebe-se que se conseguiu atingir a proposta inicial e que a autora pôde experimentar-se enquanto assistente social em formação, o que cooperou de maneira ímpar para a sua construção profissional. Além disso, o principal resultado do projeto de intervenção foi oportunizar para a acadêmica a possibilidade de contribuir, ainda que de forma singela, para o fomento do debate acerca da importância de a intersetorialidade ser transversal e perpassar a ação de todos os profissionais das políticas públicas, de modo a estar consonante com os princípios e valores do Projeto Ético-Político do Serviço Social. 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS Ao longo dos três níveis de estágio curricular, puderam-se realizar sucessivas aproximações com a realidade cotidiana da prática do Serviço Social, oportunizando vivenciar e conhecer como se dá a ação profissional na realidade concreta. Portanto, a avaliação da execução do projeto de intervenção não pode estar descolada da avaliação do processo de construção profissional da autora, uma vez que foi na experiência ímpar da prática que se proporcionou problematizar ainda mais a teoria apreendida em sala de aula e o próprio fazer profissional, por meio da reflexão acerca do processo de trabalho em que o Serviço Social se insere. Desta forma, considerando que é por meio da realidade cotidiana que se pode conseguir vislumbrar possibilidades e limites para a intersetorialidade, pois o processo reflexivo é anterior à prática, mas se articula o tempo todo (NASCIMENTO, 2010, 117), avalia-se que a constante relação teórico-prática que permeou o processo, em sua totalidade, foi atravessada pelo compromisso ético e político de contribuir para o campo de estágio e, mais do que isso, contribuir para a transformação das expressões da questão social identificadas ao longo da vivência da prática e para a potencialização da intersetorialidade nas ações. Ademais, em todo o processo ficaram evidentes o comprometimento com um fazer profissional que esteja alicerçado e guiado por princípios que visam à defesa intransigente dos direitos humanos e a justiça social, entre outros valores que norteiam a ação

10 10 profissional, a qual deve estar comprometida com o protagonismo dos sujeitos e com a construção de processos sociais emancipatórios. REFERÊNCIAS ALVES, Giovanni. Dimensões da Reestruturação Produtiva: ensaios de sociologia do trabalho. Londrina: Práxis, ANDRADE, Iraci de. Território e Assistência Social: uma análise do Serviço Social a partir da produção social do espaço. Tese de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social Doutorado em Serviço Social da Faculdade de Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, BAPTISTA, Myrian Veras. Planejamento Social, intencionalidade e instrumentação. São Paulo, Veras Editora, BRASIL. Lei nº , de 18 de novembro de Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2011/lei/l12527.htm>. Acesso em 16 de agosto de 2013, às 15h36min. BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional da Atenção Básica. Brasília, BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Política Nacional de Assistência Social. Brasília, CINTRA, A. M. M. Para entender as linguagens documentárias. São Paulo: Pólis, FALEIROS, Vicente. de P. e FALEIROS, Eva T. S. Em curto e curto-circuitos: atendimento, defesa e responsabilização do abuso sexual contra crianças e adolescentes. In: Centro de Referência, Estudos e Ações sobre Crianças e Adolescentes. São Paulo: Veras Editora, GIDDENS, A. Sociologia. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, IAMAMOTO, Marilda V. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. São Paulo: Cortez, LEAL, G. M. Diários de campo do segundo semestre do ano de NASCIMENTO, S. do. Reflexões sobre a intersetorialidade entre as políticas públicas. In: Revista Serviço Social Sociedade, n. 101, p São Paulo: Cortez, SANTOS, Milton. O espaço do homem. São Paulo: Edusp, 2007.

11 11 SCHUTZ, Fernanda e MIOTO, Regina C. T. Intersetorialidade e política social: subsídios para o debate. In: Revista Sociedade em debate. Volume 16, nº 1. Pelotas, RAICHELIS, Raquel. Intervenção profissional do assistente social e as condições de trabalho no SUAS. IN: Revista Serviço Social e Sociedade, nº São Paulo: 2010.

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

A Construção de Projetos Sociais para as Juventudes: Alguns Passos para a Elaboração de Propostas Interventivas na Realidade Social

A Construção de Projetos Sociais para as Juventudes: Alguns Passos para a Elaboração de Propostas Interventivas na Realidade Social A Construção de Projetos Sociais para as Juventudes: Alguns Passos para a Elaboração de Propostas Interventivas na Realidade Social Giovane Antonio Scherer 1 O reconhecimento de crianças, adolescentes

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: perspectivas e desafios frente às novas diretrizes curriculares

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: perspectivas e desafios frente às novas diretrizes curriculares 590 O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: perspectivas e desafios frente às novas diretrizes curriculares Raquel Renzo Silva - UNESP Analúcia Bueno dos Reis Giometti - UNESP INTRODUÇÃO A atualidade

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ DUCHEIKO, Angelina do Rocio 1 RODRIGUES, Camila Moreira

Leia mais

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social PALESTRA 03: Investigação em Serviço Social: para quê, a

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Ana Lúcia Maciel Francisco Kern Maria da Graça Türck Regina Martins Rosa Maria Castilhos Fernandes

Ana Lúcia Maciel Francisco Kern Maria da Graça Türck Regina Martins Rosa Maria Castilhos Fernandes 1 A Graturck é uma empresa especializada nas áreas de consultoria, assessoria e cursos em Serviço Social. Contando com uma equipe técnica qualificada, está lançando uma oportunidade para aqueles alunos

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 KAEFER, Carin Otília 2 ; LEAL, Francine Ziegler 3. 1 Resultado de projeto de extensão do Curso de Serviço Social da UNIFRA. 2 Orientadora/

Leia mais

O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA

O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA Antonia Alves Vanzetto RESUMO A Assistência Social reconhecida como Política Pública na Constituição Federal/1988, através dos artigos

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

REVISTA SABER ACADÊMICO N 16 / ISSN 1980-5950 SQUIZATTO, E. P. S. 2013.

REVISTA SABER ACADÊMICO N 16 / ISSN 1980-5950 SQUIZATTO, E. P. S. 2013. 86 Artigo original A PRÁXIS PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL SQUIZATTO, E. P. S. 1 Nome Completo Ediléia Paula dos Santos Squizatto Artigo submetido

Leia mais

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL OBJETIVO DO CURSO Capacitar trabalhadores da assistência social para a utilização dos instrumentos técnico-operativos trabalho

Leia mais

Profa. Rosemara Soares de Souza Caires. Unidade II SERVIÇO SOCIAL

Profa. Rosemara Soares de Souza Caires. Unidade II SERVIÇO SOCIAL Profa. Rosemara Soares de Souza Caires Unidade II SERVIÇO SOCIAL INTERDISCIPLINAR Aproximações entre o Serviço Social e a Interdisciplinaridade A interdisciplinaridade se manifesta na profissão por meio

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas CRAS como unidade de gestão local do SUAS 14º Encontro Nacional do Congemas

Leia mais

http://www.promenino.org.br/default.aspx?tabid=77&conteudoid=737b5d90-0003- 4fd3-b9b6-907614625b10&boletim

http://www.promenino.org.br/default.aspx?tabid=77&conteudoid=737b5d90-0003- 4fd3-b9b6-907614625b10&boletim Disponível em http://www.promenino.org.br/default.aspx?tabid=77&conteudoid=737b5d90-0003- 4fd3-b9b6-907614625b10&boletim Acesso em 20/04/2012 LIDIANE RIOS DE OLIVEIRA 15/04/2012 SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO:

Leia mais

VII JORNADA DE ESTAGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DO MUNICIPIO DE CARAMBEÍ PR.

VII JORNADA DE ESTAGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DO MUNICIPIO DE CARAMBEÍ PR. VII JORNADA DE ESTAGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DO MUNICIPIO DE CARAMBEÍ PR. Resumo: CARNEIRO, Alana Caroline 1. SIVEIRA, Adriane 2. SOUZA,

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

JOZIANE FERREIRA DE CIRILO

JOZIANE FERREIRA DE CIRILO JOZIANE FERREIRA DE CIRILO ÉTICA PROFISSIONAL: desafios e possibilidades para a materialização da práxis do Serviço Social no cotidiano da Previdência Social RESUMO Este artigo tem como finalidade, refletir

Leia mais

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia.

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Autores: Ana Claudia Carlos 1 Raquel Aparecida Celso 1 Autores e Orientadores: Caroline Goerck 2 Fabio Jardel

Leia mais

DIMENSÃO TÉCNICO OPERATIVA DO SERVIÇO SOCIAL

DIMENSÃO TÉCNICO OPERATIVA DO SERVIÇO SOCIAL DIMENSÃO TÉCNICO OPERATIVA DO SERVIÇO SOCIAL PROFESSORA: DENISE CARDOSO O serviço social é uma especialização do trabalho coletivo, inserido na divisão sóciotécnica do trabalho, cujo produto expressa-se

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E POLITICAS PÚBLICAS: UMA APROXIMAÇÃO DO CRPRS COM O MEIO ACADÊMICO

Leia mais

INCLUSÃO PRODUTIVA: um desafio à política de assistência social

INCLUSÃO PRODUTIVA: um desafio à política de assistência social INCLUSÃO PRODUTIVA: um desafio à política de assistência social Thiana Orth 1 Patrícia Lane Araújo Reis 2 Gleny Terezinha Duro Guimarães 3 Resumo: O artigo busca refletir sobre o processo de Inclusão Produtiva

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHLADSSMT01 A INSERÇÃO DOS ALUNOS NOS CAMPOS DE ESTÁGIO ENQUANTO ESPAÇO DE INTERVENÇÃO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL - UFPB /BRASIL Ana Karolynne de Lima Freitas (1), Dalliana Ferreira Brito (1), Flávio

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Sobre o trabalho social O trabalho social nos programas de, exercido pelo (a) assistente

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL: Uma ferramenta de gestão dos serviços sociais

VIGILÂNCIA SOCIAL: Uma ferramenta de gestão dos serviços sociais 1 VIGILÂNCIA SOCIAL: Uma ferramenta de gestão dos serviços sociais Vera Lucia Canhoto GONÇALVES 1 Vanessa Martins RAMOS 2 Helen Cristina Osório XAVIER 3 RESUMO: A Política Nacional de Assistência Social

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (2004) O SUAS materializa o conteúdo da LOAS, cumprindo no tempo histórico dessa Política as exigências

Leia mais

O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO CREAS: impasses e desafios para a garantia dos direitos

O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO CREAS: impasses e desafios para a garantia dos direitos 1 O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO CREAS: impasses e desafios para a garantia dos direitos Patrícia Krieger Grossi * Monique Soares Vieira ** Geovana Prante Gasparotto *** Ana Rita Costa Coutinho ****

Leia mais

BOA SORTE! Não deixe de preencher as informações a seguir. Nome. Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº de Inscrição AATENÇÃO

BOA SORTE! Não deixe de preencher as informações a seguir. Nome. Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº de Inscrição AATENÇÃO FUNDAÇÃO DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA DE PERNAMBUCO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Não deixe de preencher as informações a seguir. Prédio Sala Nome Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº de Inscrição ASSISTENTE

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 SERÁ O TRABALHO COLETIVO POSSÍVEL NO CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA? Dolurdes Voos Faculdade Porto-Alegrense FAPA/ Instituto Porto Alegre - IPA dolurdesvoos@hotmail.com Jane Beatriz Batista

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

Mini-curso: Processo de Trabalho do Assistente Social na área Sociojurídica

Mini-curso: Processo de Trabalho do Assistente Social na área Sociojurídica Mini-curso: Processo de Trabalho do Assistente Social na área Sociojurídica Facilitadoras: Profª Esp. Assistente Social Maria do Amparo Gomes Barro Assistente Social Esp. Ana Margarida Participação especial:

Leia mais

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. Caracteriza os usuários, seus direitos e sua participação na Política Pública de Assistência Social e no Sistema Único de Assistência Social, e revoga a

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social IX Conferência Nacional de Assistência Social Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social Programação da conferência poderá incluir: 1. Momento de Abertura, que contará

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL- CRAS JARDIM PARAÍSO

O SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL- CRAS JARDIM PARAÍSO O SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL- CRAS JARDIM PARAÍSO RUTHES, Pamela C. Endler, (estágio II) BREINACK, Miriam, (supervisora), OLIVEIRA, Maria Iolanda (orientadora), e-mail:

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Curso de Serviço Social Manual do estagiário

Curso de Serviço Social Manual do estagiário Curso de Serviço Social Manual do estagiário I - Apresentação Caro aluno, A disciplina denominada Supervisão Acadêmica em Serviço Social, objetiva contribuir na compreensão das atividades relativas ao

Leia mais

Secretaria de Trabalho, Emprego e Promoção Social Piraí do Sul/PR: Órgão Gestor

Secretaria de Trabalho, Emprego e Promoção Social Piraí do Sul/PR: Órgão Gestor Secretaria de Trabalho, Emprego e Promoção Social Piraí do Sul/PR: Órgão Gestor RODRIGUES, Camila Moreira (estágio II), e-mail:camila.rodrigues91@hotmail.com KUSDRA, Rosiele Guimarães (supervisora), e-mail:

Leia mais

Lidiane Santos de Oliveira 1 Maria Catarina do Carmo 2 RESUMO

Lidiane Santos de Oliveira 1 Maria Catarina do Carmo 2 RESUMO 1 AQUI SE FAZ, AQUI SE PENSA: PROBLEMATIZAÇÕES SOBRE A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL BASEADAS EM UM ESTUDO SOBRE IDOSOS COM DIREITOS VIOLADOS Lidiane Santos de Oliveira 1 Maria Catarina do

Leia mais

Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais

Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais NASCIMENTO, C. C. S. 1 ;SILVEIRA, R. B. B. 2 ; MONTEFUSCO, C. 3 ; Resumo O projeto de ensino ora apresentado

Leia mais

Camila Cavalcante Rolim, Jullymara Laís Rolim de Oliveira.

Camila Cavalcante Rolim, Jullymara Laís Rolim de Oliveira. ASSISTÊNCIALISMO x DIREITOS: A DUALIDADE DA ASSISTÊNCIA SOCIAL NA PERCEPÇÃO DOS USUÁRIOS DO CRAS NO MUNICÍPIO DE IPAUMIRIM- CE Camila Cavalcante Rolim, Jullymara Laís Rolim de Oliveira. Universidade Federal

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 Ementa: Realização de estudo socioeconômico para a concessão de benefícios eventuais e outros benefícios sociais. A presente Orientação Técnica tem por objetivo responder

Leia mais

Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. D E C R E T A:

Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. D E C R E T A: DECRETO N 1.289, DE 28 DE AGOSTO DE 2014. Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE DOURADOS, Estado de Mato Grosso do Sul, no uso das atribuições

Leia mais

O EXERCÍCIO PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NO SUAS: AVANÇOS E DESAFIOS

O EXERCÍCIO PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NO SUAS: AVANÇOS E DESAFIOS O EXERCÍCIO PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NO SUAS: AVANÇOS E DESAFIOS Fabiana Luiza Negri 1 Maria Luiza de Souza Lajus 2 Vanessa Neckel 3 Resumo: O presente artigo é resultado de uma pesquisa desenvolvida

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Alicia Santolini TONON 1 Juliene AGLIO 2

O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Alicia Santolini TONON 1 Juliene AGLIO 2 1 O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Alicia Santolini TONON 1 Juliene AGLIO 2 RESUMO: Este artigo apresenta uma reflexão sobre a violência

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO MUNÍCIPIO DE PALMEIRA-PR

CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO MUNÍCIPIO DE PALMEIRA-PR CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO MUNÍCIPIO DE PALMEIRA-PR RODRIGUES, Tatielle Adams (estagio I); e-mail: adams.tati@gmail.com; RIFFERT, Gracieli Aparecida (supervisora), e-mail:

Leia mais

Proteção Social Básica

Proteção Social Básica Proteção Social Básica Proteção Social Básica A Proteção Social Básica (PSB) atua na prevenção dos riscos por meio do desenvolvimento de potencialidades e do fortalecimento de vínculos familiares e comunitários

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Serviço de Atendimento Integral à Família PAIF

Serviço de Atendimento Integral à Família PAIF Serviço de Atendimento Integral à Família PAIF Departamento de Proteção Social Básica Secretaria Nacional de Assistência Social Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome G O V E R N O F E D

Leia mais

CDJA: UM NOVO CAMPO DE ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO TJDFT Thaís Botelho Corrêa 1

CDJA: UM NOVO CAMPO DE ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO TJDFT Thaís Botelho Corrêa 1 CDJA: UM NOVO CAMPO DE ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO TJDFT Thaís Botelho Corrêa 1 O estágio supervisionado é o momento reservado para o aluno de graduação experimentar e exercitar a prática profissional

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Serviço Social 2011-2 A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO PROGRAMA PROJOVEM URBANO Alunos: VARGAS,

Leia mais

Ananindeua, Rurópolis, Belterra, Santarém, Novo Progresso, Trairão, Itaituba, Alenquer, Portel, Breves, Souré, Salvaterra.

Ananindeua, Rurópolis, Belterra, Santarém, Novo Progresso, Trairão, Itaituba, Alenquer, Portel, Breves, Souré, Salvaterra. I-IDENTIFICAÇÃO 1. INSTITUIÇÃO Universidade Federal do Pará 2. UNIDADE ACADÊMICA/ CAMPI/ NÚCLEO DEPARTAMENTO/ COLEGIADO Instituto de Ciências da Educação / Programa de Pós-Graduação em Educação / Núcleo

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CRAS JARDIM PARAÍSO: EQUIPAMENTO DA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CRAS JARDIM PARAÍSO: EQUIPAMENTO DA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CRAS JARDIM PARAÍSO: EQUIPAMENTO DA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA DIAS, Jessica Eloise Volski 1 PEREIRA, Aline Dayane 2 RUTHES, Pamela Caroliny

Leia mais

O PROCESSO DE SUPERVISÃO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL

O PROCESSO DE SUPERVISÃO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL O PROCESSO DE SUPERVISÃO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL Professora Necilda de Moura Santana Discutir a questão do processo de supervisão na formação profissional do assistente social requer

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS

CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS COMPONENTES HISTÓRICOS DA NORMATIZAÇÃO LEGAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL MARCO LEGAL 1988 - Constituição Federal 1993 - Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) 1998

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis.

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. MENSAGEM Nº. 02/2013 Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. Com nossos cordiais cumprimentos encaminhamos a V. Exa. e digníssimos Pares dessa R. Casa Legislativa, o Projeto

Leia mais

FACULDADE SÃO SALVADOR CURSO DE BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL MANUAL INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL

FACULDADE SÃO SALVADOR CURSO DE BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL MANUAL INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL FACULDADE SÃO SALVADOR CURSO DE BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL MANUAL INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL Salvador 2013 1 DIRETOR GERAL Gilberto Carvalho Martins DIRETOR ACADÊMICO

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social Padrão Normativo da Rede de Proteção Social Básica Programa de Inclusão Produtiva de 3º Fase Auxílio Produção Administração: Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social: Darlene

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

A INTERFACE ENTRE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL: SUBSÍDIOS PARA ALGUMAS REFLEXÔES NA PERSPECTIVA DE SEGURIDADE SOCIAL Karen Ramos Camargo 1

A INTERFACE ENTRE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL: SUBSÍDIOS PARA ALGUMAS REFLEXÔES NA PERSPECTIVA DE SEGURIDADE SOCIAL Karen Ramos Camargo 1 A INTERFACE ENTRE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL: SUBSÍDIOS PARA ALGUMAS REFLEXÔES NA PERSPECTIVA DE SEGURIDADE SOCIAL Karen Ramos Camargo 1 Resumo: O presente artigo faz parte do trabalho de conclusão do

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO ÂMBITO ESCOLAR 1

PROCESSO DE TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO ÂMBITO ESCOLAR 1 PROCESSO DE TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO ÂMBITO ESCOLAR 1 BERNARDON, Andressa 2 ; EHRHARDT, Daiane 3 ; PRETTO, Deise 4. 1 Trabalho de Pesquisa Bibliográfica 2 Professora do curso de Serviço Social

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Data de Criação: 23 de janeiro de 2004. Objetivo: aumentar a intersetorialidade

Leia mais

O CRAS E A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

O CRAS E A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL O CRAS E A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Mario de Souza Martins 1 Silvane Marcela Mazur 2 Resumo: A assistência social se debate entre o assistencialismo e o direito: a Igreja Católica pratica a caridade

Leia mais

O DESAFIO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E INDICADORES DE QUALIDADE

O DESAFIO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E INDICADORES DE QUALIDADE O DESAFIO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E INDICADORES DE QUALIDADE Alessandra Garcia Campos de Aguiar 1 alessandracampeche@gmail.com Melissa Weber de Oliveira

Leia mais

PROTEÇÃO SOCIAL NO BRASIL: IMPACTOS SOBRE A POBREZA, DESIGUALDADE E CRESCIMENTO

PROTEÇÃO SOCIAL NO BRASIL: IMPACTOS SOBRE A POBREZA, DESIGUALDADE E CRESCIMENTO 1 PROTEÇÃO SOCIAL NO BRASIL: IMPACTOS SOBRE A POBREZA, DESIGUALDADE E CRESCIMENTO Aline Pena Testasicca Silva 1 RESUMO As políticas de proteção social no Brasil devem ser analisadas ao longo de uma trajetória

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E SUAS FAMÍLIAS

INTERDISCIPLINARIDADE NO SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E SUAS FAMÍLIAS INTERDISCIPLINARIDADE NO SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E SUAS FAMÍLIAS Amanda Maria Dos Santos SILVA 1 Carla Mancebo ESTEVES 2 Francislaine Flâmia INÁCIO 3 Luciane Cristine

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO -

- REGIMENTO INTERNO - - REGIMENTO INTERNO - Secretaria de Assistência Social Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº 12.634/06, nº 13.239/07, nº 15.181/11, 15.454/12 e nº 15.581/12 I - Secretaria Executiva: - auxiliar e

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Irma Martins Moroni da Silveira FALAR DA CONTEMPORANEIDADE É REFLETIR SOBRE O TEMPO PRESENTE Falar do hoje da Assistência Social; Como

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NA LEGIÃO DA BOA VONTADE - LBV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NA LEGIÃO DA BOA VONTADE - LBV VIII Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NA LEGIÃO DA BOA VONTADE - LBV Apresentador: Jordana Oliveira OLIVEIRA, Jordana 1. KRAVICZ, Gisele Ferreira 2. TRENTINI, Fabiana Vosgerau. 3 RESUMO:

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA SUMÁRIO Capítulo I 3 DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS 3 Capítulo II 3 DA APRESENTAÇÃO 3 Capítulo III 4 DOS OBJETIVOS

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social.

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social. OBJETIVOS: Promover o debate sobre o Serviço Social na Educação; Subsidiar as discussões para o Seminário Nacional de Serviço Social na Educação, a ser realizado em junho de 2012 em Maceió-Alagoas; Contribuir

Leia mais

serviço social na saúde coletiva reflexões e práticas

serviço social na saúde coletiva reflexões e práticas serviço social na saúde coletiva reflexões e práticas Conselho Editorial Bertha K. Becker Candido Mendes Cristovam Buarque Ignacy Sachs Jurandir Freire Costa Ladislau Dowbor Pierre Salama Mônica de Castro

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS Resolução do colegiado de Pedagogia nº 03/2014 Regulamenta Estágio supervisionado do curso de Pedagogia, fixados no Projeto Pedagógico do Curso de Pedagogia, Licenciatura, do Centro de Ensino Superior

Leia mais

USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO. Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com

USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO. Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com 1 USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com Sandra Regina Braz Ayres CEFAPRO/Sinop ayressinop@gmail.com RESUMO A proposição

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social TEMA A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO EM EQUIPE E A ARTICULAÇÃO DA REDE

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social TEMA A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO EM EQUIPE E A ARTICULAÇÃO DA REDE Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social TEMA A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO EM EQUIPE E A ARTICULAÇÃO DA REDE Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos

Leia mais

EIXO II Qualidade da Educação, Gestão Democrática e Avaliação

EIXO II Qualidade da Educação, Gestão Democrática e Avaliação EIXO II Qualidade da Educação, Gestão Democrática e Avaliação NILVA SCHROEDER ARARANGUÁ - JULHO 2009 Conferência Nacional de Educação Construindo o Sistema Nacional Articulado de Educação: O Plano Nacional

Leia mais

A ATUAÇÃO DOS ASSISTENTES SOCIAIS NO ESPAÇO DOS CENTROS DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS

A ATUAÇÃO DOS ASSISTENTES SOCIAIS NO ESPAÇO DOS CENTROS DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS A ATUAÇÃO DOS ASSISTENTES SOCIAIS NO ESPAÇO DOS CENTROS DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS: reflexões sobre a prática profissional à luz do projeto ético-político. Resumo Denise de Jesus Albuquerque

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DIREÇÃO SOCIAL. Rafael TEIXEIRA DO NASCIMENTO. 1 Valderes MARIA ROMERA 2

SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DIREÇÃO SOCIAL. Rafael TEIXEIRA DO NASCIMENTO. 1 Valderes MARIA ROMERA 2 SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DIREÇÃO SOCIAL. Rafael TEIXEIRA DO NASCIMENTO. 1 Valderes MARIA ROMERA 2 RESUMO: O capitalismo financeiro está fortemente projetado na sociedade contemporânea,

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

Desvelando o SUAS por meio dos conceitos de Proteção Social Básica e Especial

Desvelando o SUAS por meio dos conceitos de Proteção Social Básica e Especial Desvelando o SUAS por meio dos conceitos de Proteção Social Básica e Especial MINISTÉRIO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Gestão do SUAS

Leia mais

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social.

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Evolução da Vigilância Socioassistencial no Brasil e no Município de São Paulo Introdução

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 010/2010

RESOLUÇÃO CFP Nº 010/2010 RESOLUÇÃO CFP Nº 010/2010 Institui a regulamentação da Escuta Psicológica de Crianças e Adolescentes envolvidos em situação de violência, na Rede de Proteção O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais