Regulamento do Núcleo de Formação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento do Núcleo de Formação"

Transcrição

1 Regulamento do Núcleo de Formação 2013

2 1.Nota Introdutória Qualquer processo de formação com qualidade exige medidas e instrumentos de normalização e controlo, que permitam garantir desempenhos de excelência e correções a eventuais desvios aos objetivos estratégicos programados. Para melhorar os níveis de qualidade da formação, impõe-se a adoção de um documento referencial com vista à normalização de procedimentos. Pretende-se que seja um documento em constante construção e atualização, razão pela qual a sua estrutura se baseie em princípios flexíveis, para permitir a sua adaptação a alterações que surjam ao nível da organização e ao funcionamento das ações de formação a realizar no IPP. Sempre que se verificar a necessidade de introduzir alterações ao presente regulamento, estas devem ser obrigatoriamente aprovadas no início de um novo ciclo formativo. 2. Agentes de formação Intervêm no processo de formação do Núcleo de Formação Contínua, o Presidente do IPP, o Conselho de Técnico-Científico, o Diretor da unidade orgânica, o Gestor de formação, o Coordenador Pedagógico e o Coordenador de Formação. 2.1 Presidente do IPP O Presidente do IPP autoriza o Plano de Formação Anual, bem como qualquer ação de formação individual ou em parceria com outras entidades. 2.2 Conselho Técnico-científico Ao Conselho Técnico Científico compete sob solicitação do director da unidade orgânica, a emissão de parecer sobre a proposta do plano anual de formação (PFA). 2.3 Diretor da Unidade Orgânica O director da unidade orgânica emite parecer sobre a realização da acção de formação e desenvolve a logística para a realização do PFA; solicita ao Concelho Técnico Científico, caso assim o entenda, parecer sobre a proposta do PFA; solicita a autorização de realização do PFA ao Presidente do IPP.

3 2.4 Gestor de Formação O gestor de formação é por inerência de cargo, o director da unidade orgânica e, é responsável pela política de formação e pela sua gestão e coordenação geral, assegurando: o planeamento, execução, acompanhamento, controlo e avaliação do plano de actividades; a gestão dos recursos afetos à formação; as relações externas relativas à mesma; a articulação com os responsáveis máximos da entidade e com e com os destinatários da formação. 2.5 Coordenador Pedagógico O Coordenador pedagógico é o presidente do conselho pedagógico da unidade orgânica e membro do Núcleo de Formação Contínua competindo-lhe: Cumprir integralmente o presente normativo; garantir a qualidade pedagógica da formação do Núcleo de Formação Continua; aprovar os conteúdos programáticos propostos pelos formadores para cumprimento do PAF; acompanhar o processo de seleção dos formadores; decidir sobre a suspensão da ação de formação; acompanhar o processo de avaliação da ação de formação, assegurando a articulação com o gestor de formação. 2.6 Coordenador de Formação O coordenador de formação integra o Núcleo de Formação Contínua e compete-lhe: cumprir integralmente o presente normativo; garantir a qualidade da formação do Núcleo de Formação Continua; gerir o processo de inscrição e validação dos formandos; assegurar o normal funcionamento do equipamento de apoio pedagógico, salas de formação e espaços contíguos afeto a cada ação de formação; organizar e garantir a distribuição de pastas de formação com informação pertinente para o formando, em suporte de papel ou electrónico, nomeadamente conteúdos programáticos, bibliografia referencial ou manuais de formação elaborados pelos respetivos formadores; Proceder ao tratamento estatístico dos instrumentos de avaliação das ações de formação referenciadas no presente normativo; elaborar no fim de cada ação de formação, um relatório que identifique os aspetos administrativos, de apoio técnico e outras ocorrências eventualmente verificadas bem como, os respetivos pontos fortes e pontos fracos e a proposta de correção e melhoria.

4 3. Apoio Logístico O apoio logístico e administrativo às ações de formação realizadas é da responsabilidade dos serviços de secretariado do Núcleo de Formação Contínua. 3.1 Atendimento O secretariado é o responsável pelo atendimento a todos os agentes participantes no processo formativo na morada: Quartel do Trem Avenida 14 de janeiro, Elvas Horário de Atendimento: 2ª a 6ª feira das 9H30m às 12H00 e das 13.30H às 17H00 O secretariado poderá ser assim contactado presencialmente, via telefone, fax e e ainda através dos seguintes contactos: Telefone: ; Fax: ; Endereço eletrónico: 4. Serviços de Contabilidade do IPP Aos serviços de contabilidade do IPP compete: preparar a documentação necessária ao cumprimento das obrigações legais e ao controlo das actividades. 5. Plano Anual de Formação O plano anual de formação é estruturado a partir de propostas com os respectivos planos financeiros dos docentes do IPP, das necessidades de formação identificadas pelo Núcleo de Formação Continua, de propostas efectuadas pelos empresários da região, e ainda com base nos diagnósticos realizados em todas as áreas de intervenção profissional das várias entidades. A elaboração do plano anual de formação deve obedecer aos seguintes requisitos: QUALIDADE do projeto formativo na sua globalidade; OPORTUNIDADE dos conteúdos programáticos; RENOVAÇÂO de temáticas formativas.

5 6. Comunicação do Plano Anual de Formação O plano anual de formação é divulgado em suporte de papel e eletrónico. A principal fase de divulgação deve ocorrer no início dos ciclos de formação através dos seguintes canais; Eletronicamente no sítio web do IPP; Por correio eletrónico aos alunos, docentes e não docentes do IPP, a clientes do laboratório e às várias entidades considerando a sua atividade. A segunda fase de distribuição do plano anual de formação decorre de forma permanente durante todo o ano civil a que a formação disser respeito, através: Do sítio da web; Da distribuição de folhetos, cartazes e outros documentos que se considerarem pertinentes e adequados. 7. Formação Dirigida No âmbito da promoção e aperfeiçoamento científico e técnico de profissionais, o IPP pode promover, sempre que solicitado, ações de formação dirigida a empresas, organizações e a público-alvo específicos. Os projetos de formação dirigida devem conter os seguintes elementos: Designação da ação; objetivos; carga horária; data de calendário; público-alvo; número de formandos; programa discriminado pelo número de dias da ação de formação; equipamento informático requerido; material pedagógico requerido; plano financeiro; outra informação que no momento se considere pertinente. 8. Formadores 8.1 Formador Os formadores são responsáveis pela preparação e desenvolvimento pedagógico das ações de formação, assegurando: a preparação do programa e objetivos da formação; elaboração dos conteúdos pedagógicos; aplicação dos métodos e instrumentos de avaliação que considerem pertinentes

6 8.2 Recrutamento Os formadores são recrutados através da bolsa de recrutamento do IPP, pelo coordenador pedagógico e pelo gestor de formação, mediante a avaliação da adequação das competências profissionais e pedagógicas para as áreas de formação 8.3 Direito São direitos dos formadores: Ter acesso aos materiais pedagógicos e equipamento informático por si requisitados; ter acesso à avaliação das ações de formação por si realizadas; ser abonados pelo número efetivo de horas de formação. 8.4 Deveres São deveres dos formadores: Remeter aos secretariados da formação toda a informação necessária à sua realização, nomeadamente, programas, bibliografia referencial, dossiers de apoio entre outros. A entrega da informação referenciada deve ser preferencialmente feita em suporte digital, podendo também ser em suporte papel no início de cada ação de formação; possuir o domínio técnico atualiazado relativo à área de formação em que é especialista, bem como o domínio dos métodos e das técnicas pedagógicas adequadas ao tipo e ao nível de formação que desenvolve; apresentar-se com assiduidade e pontualidade nas ações de formação e garantir o cumprimento dos objetivos e programa de cada ação de formação; respeitar a carga horária de cada ação de formação e zelar pelos meios técnicos e materiais postos à sua disposição; registar o sumário em registo próprio; realizar a avaliação da formação e preencher o questionário de avaliação do formador onde constem os pontos fortes e fracos de cada ação bem como medidas de melhoria a implementar considerando a eventual reedição da ação. 9. Formandos 9.1 Processo de inscrição O processo de inscrição em ações de formação pode ser efectuado eletrónicamente, através do preenchimento do formulário disponível ou através do preenchimento do formulário em suporte papel.

7 9.2 Pagamentos O preço da ação de formação é aquele que estiver fixado no programa, à data da inscrição, sendo isento de IVA ao abrigo dos n os 11 e 15 do artigo 9º do Código do IVA. O pagamento poderá ser realizado: Por transferência bancária (para o NIB indicado pelo NFC); por cheque; em numerário. O pagamento da ação de formação deve ser efectuado obrigatoriamente antes da realização da mesma ou em data a definir para cada acção de formação. 9.3 Processo de seleção Sempre que o número de inscrições ultrapassar o limite máximo previsto por ação, os critérios de seleção dos formandos, são os seguintes; Ordem de inscrição; pré-requisitos; perfil exigido para a acção de formação; outros critérios que venham a ser considerados importantes e decisivos, desde que devidamente divulgados. 9.4 Confirmação da inscrição A confirmação da inscrição será sempre comunicada ao formando, por escrito, até dois dias úteis anteriores à data de início da ação de formação. 9.5 Desistências Qualquer candidato a ações de formação pode desistir da sua inscrição no entanto será devido um pagamento de 50% do valor correspondente ao valor da inscrição da formação em questão. Em caso de duas desistências consecutivas poderá o formando ficar impedido de se inscrever nesse ano civil em outras ações de formações que venham a ser desenvolvidas. 9.6 Alterações O NFC reserva-se o direito de proceder a alterações de formadores ou locais de formação, garantido o cumprimento dos objetivos definidos para a realização da mesma. As alterações serão sempre comunicadas atempadamente por escrito a todos os formandos e formadores.

8 9.7 Adiamentos /Cancelamentos O NFC poderá ter a necessidade de adiar/anular qualquer ação de formação programada, para a qual não exista um número mínimo de formandos, ou por necessidade de gestão interna. Os adiamentos/cancelamentos serão sempre comunicados por escrito antes da data da realização da ação de formação. 9.8 Direitos São direitos dos formandos: Receber cópia da documentação de apoio pedagógico (em suporte papel ou digital); Preencher os questionários de avaliação da ação de formação de forma anónima; Receber o respectivo certificado de formação que confira a sua conclusão com aproveitamento, desde que se observem os seguintes requisitos: o Assiduidade de 80% ou superior; Avaliação positiva a todos os módulos da formação; Regularização do pagamento da ação de formação. 9.9 Deveres São deveres dos formandos: Ser pontual; Assinalar a sua presença através do registo de assiduidade; Utilizar de forma correcta as instalações e os equipamentos disponibilizados para a ação de formação; Ser participativo e contribuir para uma boa dinâmica de grupo Processo de certificação O NFC emite um Modelo de Certificado de Formação Contínua adequado e segundo a legislação em vigor, de acordo com o disposto na Portaria n.º 474/2010, de 8 de Julho Confidencialidade Os dados pessoais recolhidos nas fichas de inscrição, são considerados confidenciais e só serão objeto de divulgação para efeitos de eventual verificação pela DGERT no âmbito do processo de certificação, e mediante autorização prévia.

9 10. Avaliação do processo formativo Cada ação de formação deverá preferencialmente recorrer às formas de avaliação a seguir descritas, sendo no entanto da responsabilidade do formador a decisão relativamente à sua aplicabilidade: Avaliação de diagnóstico Realizada no início da ação de formação (questionários ou testes de diagnóstico), no sentido de aferir se os objetivos da ação de formação correspondem às expectativas e necessidades específicas dos formandos; Avaliação formativa Acontece de forma contínua, permitindo assim ao formador percepcionar-se das competências e conhecimentos adquiridos pelos formandos durante todo o processo formativo Avaliação de formandos Avaliação sumativa (aprendizagem): É da responsabilidade do formador, e tem por base o apoio à decisão no processo de certificação do formando, reflectindo se estes atingiram os objetivos definidos. Este resultado é traduzido por Com aproveitamento ou Sem aproveitamento e registado no respectivo certificado Avaliação da Ação de Formação Por cada ação de formação realizada deve ainda ser elaborado um relatório geral de avaliação, a partir das seguintes evidências: Questionário de avaliação da formação preenchido pelos formandos; Dossier de avaliação da formação, devendo contemplar os seguintes itens: o Nome de cada ação de formação; identificação das áreas temáticas em que se insere a ação; identificação dos formadores; data e local de realização de cada ação; número de horas de cada ação; data e local de realização de cada ação; número de desistências; tratamento estatístico dos dados recolhidos nos questionários preenchidos pelos formandos. O relatório anual de avaliação do núcleo de formação, deve sistematizar toda a informação dos instrumentos de avaliação anteriores e avaliar de forma crítica toda a formação realizada.

10 11. Procedimento relativo às reclamações As reclamações devem ser formalizadas por escrito, no livro de reclamações ou por outro meio considerado adequado, desde que devidamente fundamentadas, e com um prazo máximo de 10 dias úteis, após a ocorrência que deu origem à respectiva reclamação. As mesmas devem ser direccionadas ao gestor de formação de forma a ser feita a respectiva análise e resposta por escrito. O prazo para emissão da respectiva resposta nunca deverá exceder os 10 dias úteis, contados a partir da data da receção da reclamação. 12. Sugestões de melhoria Todos os intervenientes no processo formativo, nomeadamente, formandos, formadores, coordenador e demais agentes intervenientes no processo, poderão sempre que o desejarem e em qualquer momento apresentar sugestões e/ou propostas de melhoria por escrito. 13. Disposições gerais Toda a documentação produzida no âmbito do processo formativo fica arquivada no secretariado do NFC. 14. Omissões As eventuais situações que se encontrem omissos neste regulamento, serão objecto de apreciação e decisão pelo NFC.

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO O presente Regulamento pretende enquadrar as principais regras e linhas de orientação pelas quais se rege a atividade formativa da LEXSEGUR, de forma a garantir

Leia mais

KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação

KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação Regulamento de Funcionamento da Formação KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação Página 2 de 12 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO... 3 2. REQUISITOS DE ACESSO E FORMAS DE INSCRIÇÃO...

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT Conteúdo Artigo 1º... 3 OBJECTIVO... 3 Artigo 2º... 3 CONCEITO DE ENCONTRO DE SABEDORIA... 3 Artigo 3º... 3 ÂMBITO

Leia mais

Regulamento de Funcionamento da Formação

Regulamento de Funcionamento da Formação Regulamento de Funcionamento da Formação Índice 1. Caracterização e Identificação da Entidade... 3 2. Certificação entidade formadora... 3 3. Acreditação Entidade Formadora... 3 4. Certificação ISO 9001...

Leia mais

APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO

APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO 2. REQUISITOS DE ACESSO E FORMAS DE INSCRIÇÃO 3. CRITÉRIOS

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA - Formação Interempresa (formação externa) -

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA - Formação Interempresa (formação externa) - REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA - Formação Interempresa (formação externa) - CAPÍTULO I ENQUADRAMENTO 1. O presente Regulamento é aplicável às Acções de Formação promovidas pela SIPRP

Leia mais

Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes

Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes e Alto Douro Artigo 1º Objeto O presente regulamento define um conjunto de normas e orientações dos Cursos de Língua Estrangeira

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE FORMAÇÃO - INOVIPC

REGULAMENTO DO CENTRO DE FORMAÇÃO - INOVIPC REGULAMENTO DO CENTRO DE FORMAÇÃO - INOVIPC (PROPOSTA) 1. Nota Introdutória Qualquer processo formativo de qualidade exige medidas e instrumentos de normalização e controlo, que garantam desempenhos de

Leia mais

Ficha de Inscrição. Ação. *Nacionalidade País de Origem: NIF* *Morada *Código Postal - *Telefone Telemóvel Fax. E-mail Nível de Escolaridade.

Ficha de Inscrição. Ação. *Nacionalidade País de Origem: NIF* *Morada *Código Postal - *Telefone Telemóvel Fax. E-mail Nível de Escolaridade. Ficha de Inscrição Ação *Nome completo *Sexo Masculino Feminino *Naturalidade Distrito: Concelho: *Nacionalidade País de Origem: NIF* *BI CC N.º *Data Validade BI / CC / / *Data de Nascimento / / *Morada

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação A Ciência Viva tem como missão a difusão da Cultura Científica e Tecnológica apoiando acções dirigidas à promoção da Educação Científica e Tecnológica

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA Março de 2015 4ª Edição Índice 1 O DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO... 3 1.1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA... 3 1.2. ESTRUTURA... 3 2 CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO Introdução O presente Regulamento foi concebido a pensar em si, visando o bom funcionamento da formação. Na LauTraining Formação e Consultoria, vai encontrar um ambiente de trabalho e de formação agradável

Leia mais

Índice geral. Pág. REGULAMENTO DE FORMAÇÃO VERSÃO: 4ª APROVADO EM: 07.03.2014

Índice geral. Pág. REGULAMENTO DE FORMAÇÃO VERSÃO: 4ª APROVADO EM: 07.03.2014 REGULAMENTO DE FORMAÇÃO Índice geral Índice geral.. 02 Índice de anexos 03 1. Nota introdutória.... 04 2. Agentes da formação.... 04 2.1 Do Conselho Directivo Nacional... 04 2.2 Da Comissão Executiva...

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO ÍNDICE 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE 1.1. Missão 1.2. Público-Alvo 1.3. Linhas de actuação estratégica 1.4. Modalidade de Formação 1.5. Formas de Organização

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DA FORMAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJECTO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO DO REGULAMENTO DA FORMAÇÃO... 3 3. POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 4. FORMAS E MÉTODOS DE SELECÇÃO... 4 4.1. Selecção

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO Índice 1. Âmbito de Aplicação 2. Competência Organizativa 3. Política e Estratégia da Entidade 4. Responsabilidades

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DA REGIÃO DE COIMBRA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DA REGIÃO DE COIMBRA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DA REGIÃO DE COIMBRA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 Capítulo I Política e Estratégia Artigo 1.º

Leia mais

Norma ISO 9001:2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos; Manual da Qualidade.

Norma ISO 9001:2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos; Manual da Qualidade. 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo estabelecer as linhas gerais pelas quais se regem os cursos de formação desenvolvidos pelo ISEP FORGLOBE, bem como descrever as atividades e o funcionamento

Leia mais

CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores

CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores Homologado pelo IEFP com o código de curso C1840003 Presencial 90 horas (Conforme Portaria n.º 214/2011, de 30 de maio) DPJ.FOR.FPIF.01

Leia mais

Manual. Coordenador / Diretor de Curso. Ano letivo 2012/2013

Manual. Coordenador / Diretor de Curso. Ano letivo 2012/2013 Manual do Coordenador / Diretor de Curso Ano letivo 2012/2013 Índice Índice... 1 Atribuições do Coordenador/Diretor de Curso... 2 Horários... 4 Alteração de Horários... 5 Arquivo de Documentação... 5 C1

Leia mais

Regulamento de Funcionamento

Regulamento de Funcionamento da Atividade Formativa Âmbito O presente Regulamento é aplicável às iniciativas formativas promovidas pela ADIV, sem desprimor pela aplicação de outras normas aplicáveis à mesma atividade, pelo que formandos

Leia mais

Regulamento de Funcionamento da Formação

Regulamento de Funcionamento da Formação Associação Insular de Geografia Regulamento de Funcionamento da Formação Associação Insular de Geografia Rua São João de Deus nº40, 9300 151 Câmara de Lobos Telef: 291944757 Fax:291944791 www.aigmadeira.com

Leia mais

Regulamento de Formação AIP

Regulamento de Formação AIP Regulamento de Formação AIP Introdução Considerando que: Primeiro: A AIP Associação Industrial Portuguesa - Câmara de Comércio e Indústria é uma organização de utilidade pública sem fins lucrativos que

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA DA APFIPP

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA DA APFIPP FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA DA APFIPP ÍNDICE I. Política e Estratégia Formativa da APFIPP II. Formas e Métodos de Divulgação, Inscrição e Selecção II.1. II.2. Divulgação

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014. Série. Número 27

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014. Série. Número 27 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Portaria n.º 16/2014 Aprova o Regulamento do Programa Jovem

Leia mais

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA Pág.: 1/10 HISTÓRICO DO DOCUMENTO / EMISSÃO Data Ver. Objeto da Revisão Elab. / Verif. (Função / Nome / Assinatura(*)) C. Técnicocientífica/ S. Iglésias Aprovação (Função / Nome / Assinatura(*)) Diretora/

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO Artigo 1º (Âmbito) O presente regulamento aplica se a todos os cursos ministrados no ISEP, podendo existir casos em

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS Documento aprovado por deliberação do Conselho Superior em 16 de julho de 2014 P á g i n a 0 REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORIZAÇÃO PROFISSIONAIS

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA Código Versão Elaboração Data Aprovação APAT.011.14 0 Equipa Pedagógica da APAT Janeiro 2015 Joana Nunes Coelho ÍNDICE 1. ÂMBITO... 3 2. APRESENTAÇÃO DA APAT... 3 2.1 Natureza...

Leia mais

ATIVIDADE FORMATIVA. Regras de funcionamento

ATIVIDADE FORMATIVA. Regras de funcionamento Regras de funcionamento ATIVIDADE FORMATIVA Todos os agentes envolvidos no processo formativo (designadamente formandos, formadores e coordenadores ou responsáveis pedagógicos) encontram-se abrangidos

Leia mais

Regulamento de Formação Inicial, Especializada, Contínua e Pós-Graduada

Regulamento de Formação Inicial, Especializada, Contínua e Pós-Graduada 1. Missão, Política e Estratégia da Entidade Num mundo em permanente mutação onde a investigação científica e o desenvolvimento das ciências ocupa um lugar determinante, a formação contínua ao longo da

Leia mais

Regulamento Interno de Formação

Regulamento Interno de Formação Regulamento Interno de Formação AR01/0 2012-07-24 9 Introdução A FRONTWAVE concretiza actualmente um dos objectivos principais da sua missão (derivada da sua própria génese e espelhada através do seu objecto

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NA FCUL

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NA FCUL REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NA FCUL GAPsi- Gabinete de Apoio Psicopedagógico Artigo 1º Objecto O Programa de Voluntariado na FCUL visa: a) Estimular a formação e educação dos estudantes

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS PREÂMBULO Na sequência da transposição para o ordenamento jurídico nacional da Directiva n.º 2006/43/CE, do Parlamento Europeu e do

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA AS ENTIDADES FORMADORAS ÍNDICE OBJECTIVOS

Leia mais

Acção de Formação Contabilidade de Gestão - Primavera v8

Acção de Formação Contabilidade de Gestão - Primavera v8 Acção de Formação Contabilidade de Gestão - Primavera v8 MoreData, Sistemas de Informação Campo Grande 28, 10º E 1700-093 Lisboa 213520171 info@moredata.pt Índice de Conteúdos Introdução...3 Sobre o Curso...4

Leia mais

Regulamento Geral da Formação

Regulamento Geral da Formação Regulamento Geral da Formação Índice 1.APRESENTAÇÃO... 4 1.1 OBJETIVO... 4 1.2. ÂMBITO... 4 1.3. APRESENTAÇÃO... 4 1.4. PÚBLICO-ALVO... 4 1.5. HORÁRIO ATENDIMENTO... 4 1.6. MODALIDADES DE FORMAÇÃO... 4

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Auditorias a Sistemas de Gestão da Qualidade ISO 9001 : 2008

Auditorias a Sistemas de Gestão da Qualidade ISO 9001 : 2008 Auditorias a Sistemas de Gestão da Qualidade ISO 9001 : 2008 DATAS A definir (assim que seja atingido o número mínimo de inscrições) HORÁRIO Pós-Laboral, à 2ª, 3ª e 5ª, das 19h00 às 23h00 ou Sábado, das

Leia mais

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA 1 Preâmbulo Artigo 1.º - Objeto e âmbito Artigo 2.º Modelo de formação Artigo 3.º - Modelo de formação Artigo 4.º - Posicionamento nos percursos de educação

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 47 Data: 2013/12/04 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento de Formação Contínua. Para os devidos efeitos, informa-se a comunidade

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO-2010

PLANO DE FORMAÇÃO-2010 PLANO DE FORMAÇÃO-2010 - Associação Vicentina- Formação Modular Certificada (Destinatários: Activos com o 9ºano) Inglês- Iniciação e Aperfeiçoamento TIC s (Iniciação e Aperfeiçoamento) Português para Estrangeiros

Leia mais

CURSO DESENVOLVER A RELAÇÃO COM O CLIENTE

CURSO DESENVOLVER A RELAÇÃO COM O CLIENTE CURSO DESENVOLVER A RELAÇÃO COM O CLIENTE ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO 05 02 Moneris

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO 1. FORMAÇÃO INTER-EMPRESAS 2 1.1 Requisitos de acesso e formas de inscrição 2 1.2 Confirmações e cancelamentos dos cursos 4 2. FORMAÇÃO INTRA EMPRESA 5 3. FUNCIONAMENTO

Leia mais

(Decreto-Lei nº 88/2006, de 23/05)

(Decreto-Lei nº 88/2006, de 23/05) Instituto Politécnico de Portalegre ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE ELVAS Normas regulamentares dos Cursos de Especialização Tecnológica (Decreto-Lei nº 88/2006, de 23/05) Elvas Julho de 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

ISPA Instituto Universitário

ISPA Instituto Universitário ISPA Instituto Universitário Marketing na Saúde Uma ferramenta para todos os profissionais de saúde. "Está na altura de dominar melhor o mercado" 18 e 25 de Outubro 2014, ISPA (12 horas intensivas) Destinatários

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA FORMAÇÃO DA NHK, LDA ÍNDICE

REGULAMENTO INTERNO DA FORMAÇÃO DA NHK, LDA ÍNDICE REGULAMENTO INTERNO DA FORMAÇÃO DA NHK, LDA ÍNDICE CAPITULO 01- Requisitos de Acesso e Formas de Inscrição.... 02 CAPITULO 02 - Critérios e Métodos de Seleção dos Formandos e Novos Formadores...03 2.1

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS 1. INTRODUÇÃO Este documento tem por objetivo estabelecer o Sistema de Gestão da Qualidade das Atividades Pedagógicas da ESTBarreiro/IPS

Leia mais

C R E D I T A Ç Ã O D E F O R M A Ç Ã O E D E E X P E R I Ê N C I A P R O F I S S I O N A L

C R E D I T A Ç Ã O D E F O R M A Ç Ã O E D E E X P E R I Ê N C I A P R O F I S S I O N A L ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Regulamento de Creditação de Formação e de Experiência Profissional Preâmbulo O n.º 1 do artigo 45.º-A do Decreto-Lei n.º 115/2013, de 7 de agosto, prevê

Leia mais

Regulamento de Funcionamento da Formação. Disposições Gerais da Prestação de Serviços no âmbito da Formação

Regulamento de Funcionamento da Formação. Disposições Gerais da Prestação de Serviços no âmbito da Formação Regulamento de Funcionamento da Formação Disposições Gerais da Prestação de Serviços no âmbito da Formação Agosto 2013 Índice Pág. Introdução. 3 Objetivo... 3 Inscrição nos cursos de formação 3 Condições

Leia mais

Coordenador Dr. Pedro Pires

Coordenador Dr. Pedro Pires Curso de Especialização de Logística -Supply Chain Coordenador Dr. Pedro Pires Índice Duração Total... 2 Destinatários... 2 Perfil de saída... 2 Pré-Requisitos... 2 Objetivo Geral... 2 Objetivos Específicos...

Leia mais

CURSO MICROSOFT OUTLOOK

CURSO MICROSOFT OUTLOOK CURSO MICROSOFT OUTLOOK ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO 05 02 Moneris Academy Microsoft

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES

REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Objeto e âmbito

Leia mais

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO A disciplina de Seminário/Estágio, do 3º ano da Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de

Leia mais

Regulamento de Funcionamento da Formação

Regulamento de Funcionamento da Formação Regulamento de Funcionamento da Formação REDITUS BUSINESS SOLUTIONS ÍNDICE Cap. I O REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO Pag. 2 1. Objectivos 2. Âmbito de aplicação Cap. II POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE

Leia mais

Licença Especial Ciclomotores. 14 15 anos

Licença Especial Ciclomotores. 14 15 anos Licença Especial Ciclomotores 14 15 anos Licença Especial 50c.c. Destinase a jovens com 14 ou 15 anos já feitos, com aptidão física e mental, com frequência mínima do 7º ano de escolaridade e autorização

Leia mais

Acção de Formação Logística (Vendas) - Primavera v8

Acção de Formação Logística (Vendas) - Primavera v8 Acção de Formação Logística (Vendas) - Primavera v8 MoreData, Sistemas de Informação Campo Grande 28, 10º E 1700-093 Lisboa 213520171 info@moredata.pt Índice de Conteúdos Introdução...3 Sobre o Curso...4

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

Regulamento Interno. Ano de 2015. Rbb Gabinete Técnico de Peritagens, Formação e Consultoria Lda

Regulamento Interno. Ano de 2015. Rbb Gabinete Técnico de Peritagens, Formação e Consultoria Lda Ano de 2015 Rbb Gabinete Técnico de Peritagens, Formação e Consultoria Lda Índice 1º Âmbito de Aplicação... 4 2º Horário de Atendimento... 4 3º Estrutura Organizacional... 4 4º Conceito de Formação...

Leia mais

MINI-MBA de Especialização em Relações Públicas, Protocolo Empresarial e Eventos

MINI-MBA de Especialização em Relações Públicas, Protocolo Empresarial e Eventos MINI-MBA de Especialização em Relações Públicas, Protocolo Empresarial e Eventos Índice Duração Total... 2 Destinatários... 2 Perfil de saída... 2 Pré-Requisitos... 2 Objetivo Geral... 2 Objetivos Específicos...

Leia mais

Regulamento dos Cursos de Treinadores. Patinagem Artística Grau I

Regulamento dos Cursos de Treinadores. Patinagem Artística Grau I Regulamento dos Cursos de Treinadores Patinagem Artística Grau I 1. Organização A responsabilidade dos Cursos de Treinadores é da Federação de Patinagem de Portugal (FPP), através da Direcção Técnica Nacional

Leia mais

CURSO COMO FAZER UM BUSINESS PLAN?

CURSO COMO FAZER UM BUSINESS PLAN? CURSO COMO FAZER UM BUSINESS PLAN? ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO 05 02 Moneris Academy

Leia mais

Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica. Ano Letivo 2013-2014. www.ipiaget.org

Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica. Ano Letivo 2013-2014. www.ipiaget.org Instituto Piaget Campus Académico de Vila Nova de Gaia Escola Superior de Saúde de Vila Nova de Gaia www.ipiaget.org Ano Letivo 201-201 Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica Índice Artigo 1º

Leia mais

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão REGULAMENTO Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.2 (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação Inicial (José João Amoreira)

Leia mais

Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015

Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015 Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015 Índice Introdução 3 Artigo 1.º - Enquadramento 3 Artigo 2.º - Período de funcionamento/instalações 4 Artigo 3.º - Normas de inscrição/funcionamento

Leia mais

MICROSOFT EXCEL AVANÇADO

MICROSOFT EXCEL AVANÇADO CURSO MICROSOFT EXCEL AVANÇADO MACROS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO 05 02 Moneris Academy

Leia mais

Manual de Utilizador Utentes 2015-01.V01 DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Manual de Utilizador Utentes 2015-01.V01 DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE QUALIFICAÇÃO Centro Nacional de Qualificação de Formadores Manual de Utilizador Utentes 2015-01.V01 Índice Índice... 2 1. Introdução... 4 1.1.

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E B E N A V E N T E INTRODUÇÃO Tendo por base os normativos legais

Leia mais

Sistema de Certificação de Competências TIC

Sistema de Certificação de Competências TIC Sistema de Certificação de Competências TIC Portal das Escolas Manual de Utilizador INDICE 1 Introdução... 5 1.1 Sistema de formação e certificação de competências TIC...6 1.1.1 Processo de certificação

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 8 de março de 2013. Série. Número 32

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 8 de março de 2013. Série. Número 32 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 8 de março de 2013 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Portaria n.º 19/2013 Aprova o Programa Juventude Ativa. 2 8 de

Leia mais

Curso Combate a Incêndios

Curso Combate a Incêndios Curso Combate a Incêndios Referencial do Curso Objectivos Objectivos Gerais Dotar os participantes de conhecimentos básicos sobre o combate a incêndios e colocar em prática os conteúdos teóricos abordados.

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO ÍNDICE PREÂMBULO... 3 Procedimentos Técnico-Pedagógicos... 4 1.1. Destinatários e condições de acesso... 4 1.2. Organização dos cursos de formação... 4 1.3. Componentes de

Leia mais

Regulamento Geral de Funcionamento da Formação IT 015-3 1. POLITICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 2. ÂMBITO DAS INTERVENÇÕES FORMATIVAS...

Regulamento Geral de Funcionamento da Formação IT 015-3 1. POLITICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 2. ÂMBITO DAS INTERVENÇÕES FORMATIVAS... ÍNDICE 1. POLITICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 2. ÂMBITO DAS INTERVENÇÕES FORMATIVAS... 3 3. FORMAS E MÉTODOS DE INSCRIÇÃO E SELECÇÃO... 3 4. FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO... 5 5. DEVERES E DIREITOS DOS

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA Preâmbulo O voluntariado é definido como um conjunto de acções e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada no âmbito

Leia mais

REGULAMENTO Formação pós-graduada em modalidade de e-learning

REGULAMENTO Formação pós-graduada em modalidade de e-learning REGULAMENTO Formação pós-graduada em modalidade de e-learning Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 3.1 (José João Amoreira) (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA O Estatuto de Carreira do Pessoal Docente do Ensino Superior Politécnico (ECPDP), na redacção

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA 1.º OBJECTIVO Os Cursos de Pós-Graduação e Mestrados Executivos do ISLA Campus Lisboa são programas de estudos que visam

Leia mais

Nível Secundário e Nível 3 de Formação (S 3 ) Regimento Interno. Curso de Educação e Formação de Adultos E.F.A.

Nível Secundário e Nível 3 de Formação (S 3 ) Regimento Interno. Curso de Educação e Formação de Adultos E.F.A. Regimento Interno Curso de Educação e Formação de Adultos E.F.A. Artigo 1º Assiduidade 1. A assiduidade dos formandos dos cursos E.F.A. obedece ao estipulado no artigo 22.º, da Portaria 230/2008 de 7 de

Leia mais

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito 1. A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer

Leia mais

Natal na desportiva NORMAS DE PARTICIPAÇÃO

Natal na desportiva NORMAS DE PARTICIPAÇÃO Natal na desportiva 2015 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO CML/DRIC/2015 Alvará 694 I. Apresentação e objetivos 1. Entidade Promotora e Organizadora - Município de Loures 1 a) O Programa de Ocupação de Tempos Livres

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Ficha de Inscrição Encontre a resposta às suas dúvidas! Identifique a sessão pretendida: Porto AICEP (Rua António Bessa Leite, 1430-2.º andar)

Leia mais

CURSO RH SELECIONAR COM SUCESSO

CURSO RH SELECIONAR COM SUCESSO CURSO RH SELECIONAR COM SUCESSO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO 05 02 Moneris Academy RH

Leia mais

Normas de participação

Normas de participação Verão com desafios 2015 Normas de participação I. Apresentação e objetivos 1. Entidade promotora e organizadora - Município de Loures 1 a) O programa de Ocupação de Tempos Livres Verão com Desafios é promovido

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt

www.highskills.pt geral@highskills.pt www.highskills.pt geral@highskills.pt Índice Designação do Curso... 2 Duração Total... 2 Destinatários... 2 Perfil de saída... 2 Pré-Requisitos... 2 Objetivo Geral... 2 Objetivos Específicos... 3 Estrutura

Leia mais

CURSO LIDERANÇA E GESTÃO DE EQUIPAS

CURSO LIDERANÇA E GESTÃO DE EQUIPAS CURSO LIDERANÇA E GESTÃO DE EQUIPAS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO 05 02 Moneris Academy

Leia mais

CURSO SECTOR NÃO LUCRATIVO REGIME FISCAL E CONTABILÍSTICO (ESFL)

CURSO SECTOR NÃO LUCRATIVO REGIME FISCAL E CONTABILÍSTICO (ESFL) CURSO SECTOR NÃO LUCRATIVO REGIME FISCAL E CONTABILÍSTICO (ESFL) ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço:

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: EDITAL N.º 42/2010 ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: Faz público, nos termos da alínea v), do n.º 1, do art. 68.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com

Leia mais

Regulamento Interno Férias Academia 2014. Art.º 1 - Informações Gerais

Regulamento Interno Férias Academia 2014. Art.º 1 - Informações Gerais Regulamento Interno Férias Academia 2014 Art.º 1 - Informações Gerais 1. As Férias Academia decorrem nas instalações da Academia Sporting, em regime fechado; 2. Os campos de férias têm, normalmente, uma

Leia mais

Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015)

Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015) Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique, de 1 (mais importante)

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR FÉRIAS DA LIPOR 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar, realiza atividades de promoção e organização

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

Curso Requisitos da ISO 14001 - Introdução à Implementação da Norma

Curso Requisitos da ISO 14001 - Introdução à Implementação da Norma Curso Requisitos da ISO 14001 - Introdução à Implementação da Norma Referencial do Curso Objectivos Objectivos Gerais Dar a conhecer os requisitos da ISO 14001 e metodologias de resposta aos mesmos. Objectivos

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS PREOCUPAÇÕES EM OBRA

GESTÃO DE RESÍDUOS PREOCUPAÇÕES EM OBRA GESTÃO DE RESÍDUOS PREOCUPAÇÕES EM OBRA Os resíduos de construção e demolição, quer devido à sua perigosidade, quer devido às quantidades produzidas, é considerado um fluxo de resíduos prioritário a nível

Leia mais