O BUSINESS INTELLIGENCE SALTA PARA OS DISPOSITIVOS MÓVEIS E ACELERA OS NEGÓCIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O BUSINESS INTELLIGENCE SALTA PARA OS DISPOSITIVOS MÓVEIS E ACELERA OS NEGÓCIOS"

Transcrição

1 LUÍS ANTÔNIO DE FARIA O BUSINESS INTELLIGENCE SALTA PARA OS DISPOSITIVOS MÓVEIS E ACELERA OS NEGÓCIOS BELO HORIZONTE 2012

2 LUÍS ANTÔNIO DE FARIA O BUSINESS INTELLIGENCE SALTA PARA OS DISPOSITIVOS MÓVEIS E ACELERA OS NEGÓCIOS Monografia apresentada à disciplina Projeto de Fim de Curso da Faculdade Infórium de Tecnologia como requisito parcial para obtenção do título Bacharel em Sistemas de Informação. Orientador: Prof. Rodrigo Vitorino Moravia BELO HORIZONTE 2012

3 DEDICATÓRIA Dedico esta monografia aos meus pais por terem acreditado em meus esforços e na minha dedicação aos estudos, à minha irmã Rafaele e à minha avó Maria (Em memória) pelas orações incessantes, à minha namorada Fernanda Sena pelo encorajamento que me deu e por entender que eu precisava me dedicar aos estudos, o que muitas vezes me impossibilitou de estar ao seu lado; aos meus amigos Maria Helena, Almerinda, Denise e Ronaldo que tanto contribuíram para a minha formação. Dedico de forma especial ao meu Tio Jorge Antônio, que tanto me inspira e que sempre esteve presente na minha vida, ao meu amigo Jorge Butter que tantas vezes me cobriu no trabalho para que eu pudesse participar das atividades da faculdade.

4 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus por permitir que os momentos de luta tornem-se aprendizado para a vida. Agradeço também ao meu orientador Rodrigo Vitorino Moravia, que acrescentou o seu conhecimento para enriquecimento deste trabalho, ao coordenador do curso João Paulo Furtado e a todos os meus professores por compreenderem que às vezes eu precisava faltar às aulas devido à natureza do meu trabalho e a todos os meus colegas de classe que tanto me ajudaram e me apoiaram nessa jornada.

5 A mente que se abre a uma nova ideia jamais voltará ao seu tamanho original. Albert Einstein

6 RESUMO Atualmente a busca por um desempenho de destaque por parte das empresas se dá por meio da melhor utilização de recursos que visam à execução de atividades e em paralelo à redução de seus custos. O mercado coorporativo está crescendo muito, assim como a utilização de dispositivos móveis principalmente celulares e tablets,nos quais as empresas estão buscando incorporar os seus sistemas, tais como os de Business Intelligence, visando saciar as suas necessidades por informações que auxiliem seus executivos nas tomadas de decisões. Nesse sentido os dispositivos móveis são uma ferramenta importantíssima, pois criam um conceito de mobilidade dentro das empresas e fornecem acesso às informações em tempo real por parte dos funcionários. Este trabalho apresenta as ferramentas envolvidas no desenvolvimento de um projeto de Business Intelligence e busca proporcionar o entendimento dos conceitos de data warehouse, data marts, metadados, OLAP e ETL, além de abordar a utilização de dispositivos móveis como uma alternativa para a realização da análise de informações com o intuito de obter suporte às decisões. Quando falamos em BI, a grande questão é por onde é como começar e o primeiro passo consiste em identificar as reais necessidades da empresa. Apesar desse processo envolver o uso de ferramentas e soluções de tecnologia da informação, é importante entender que o Business Intelligence é um projeto de negócio e por isso deve estar alinhado à estratégia global da empresa e contar com o envolvimento de profissionais da área de negócio durante todo o processo de implementação da solução. O BI tem quatro grandes componentes: o Data Warehouse com os seus dadosfonte; a análise de negócios, uma coleção de ferramentas para manipular e analisar os dados no DW, incluindo data mining; Business Performance Management (BPM) para monitoria e análise do desempenho; e uma interface de usuário. (TURBAN et al, LEME FILHO (2010, p. XVI) acrescenta que os sistemas de BI possuem as seguintes características:

7 Extrair e integrar dados de múltiplas fontes; Fazer uso de experiência, democratizando o capital intelectual; Analisar informações contextualizadas, num nível de totalização e agrupamento maior; Identificar relações de causa e efeito; Desenhar cenários, criar simulações e estudar tendências. (LEME FILHO, 2010 p. 85) Um dos principais pilares do BI é o Data Warehouse que é um banco de dados estruturados para oferecer suporte à tomada de decisões gerencias, ou seja, uma coleção de dados derivados dos dados operacionais para sistemas de suporte à decisão. O DW não é um fim e sim um meio que as empresas dispõem para analisar as informações históricas e o seu maior problema é a complexibilidade da sua criação. Uma forma de minimizar os riscos de instalação de um DW é começar com o desenvolvimento de Data Marts departamentais e numa fase posterior, integrá-los transformando-os em Data Warehouses. As diferenças entre um Data Mart e um Data Warehouse são apenas em relação ao tamanho e ao escopo da empresa, portando as definições e os requisitos de dados são essencialmente os mesmos. Outro componente importante nos projetos de BI são os metadados que podem ser descritos como dados sobre dados, pois eles são as informações geradas durante a criação dos bancos de dados, são as informações relativas aos relatórios que são criados, às regras de negócio da empresas, às mudanças que são feitas no decorrer do tempo, etc. É através deste mecanismo que os usuários de um DW são informados sobre quais assuntos estão disponíveis, quais a informações contém, origem, regras de transformação, restrições etc. Tanto para o usuário final quanto para um analista de sistemas os metadados são capazes de esclarecer vários pontos relevantes sobre a usabilidade do sistema. Uma das fazes mais importantes do sistema de BI é a ETL, que consiste na extração, transformação e carga dos dados. Mesmo com uma quantidade enorme de produtos que facilitam esse trabalho, o processo de ETL ainda é trabalhoso e precisa ser executado de forma adequada.

8 Para viabilizar a rápida apresentação e manipulação de informações, são utilizadas as ferramentas OLAP, que são solução de ambiente, integração e modelagem de dados. As ferramentas OLAP permitem operações de drill-down, dril-up, drill-across e a modelagem multidimensional dos dados, ou seja, ter uma visão conceitual multidimensional dos mesmos através das tabelas fato e das tabelas dimensão. A tecnologia do BI está se tornando realidade no mundo dos dispositivos móveis. Isso pode ser visto tanto na variedade de dispositivos móveis como nos esforços dos fabricantes de softwares como a Microstrategy e a SAP, para conquistarem o consumidor. Palavras chave: Business Intelligence; Celular; Data Warehouse; Dispositivos Móveis; Mobilidade; Smartphones; Suporte à Decisão; Tablet;

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Componentes do ambiente de BI Figura 2 Estratégia de implementação gradativa de Data Marts Figura 3 O ciclo de tratamento dos dados Figura 4 Aplicativos de BI em dispositivos móveis... 30

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Diferenças entre sistemas transacionais e data warehouses

11 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS BI Business Intelligence ou Inteligência nos negócios. BPM Business Performance Management Gestão de processos de negócios. CRM Customer Relationship Management Gestão de relacionamento com o cliente. DM Data Mart subconjunto de um Data Warehouse, ou seja, são os diversos assuntos que compõe o Data Warehouse de uma empresa. DW Data Warehouse ou simplesmente armazém de dados. ERP Enterprise Resource Planning É um sistema integrado de gestão. ETL Extract, Transform e Load Processo de Extração, Transformação e Carga dos dados de diversas origens para a base do DW. HCM Human Capital Management Gestão do Capital Humano. OLAP - On-line analytical Processing Ferramenta de processamento on-line analítico. OLTP On-line Transaction Processing Ferramenta de processamento analítico em tempo real. SAP Empresa especializada no mercado de softwares aplicativos para o mercado empresarial.

12 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO O problema Objetivo Geral Objetivos Específicos Estrutura do Trabalho REFERENCIAL TEÓRICO Arquitetura e componentes Data Warehouse Data Marts Metadados ETL OLAP Modelagem Multidimensional Tabelas de Fato Tabelas de Dimensão Esquema Estrela Esquema Floco de Neve O BUSINESS INTELLIGENCE SALTA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS E ACELERA NEGÓCIOS MicroStrategy Mobile Suite Caso de Sucesso O GRUPO PÃO DE AÇÚCAR CONCLUSÃO... 38

13 REFERÊNCIAS... 41

14 13 1. INTRODUÇÃO 1.1. O problema No atual cenário de negócios, a diferenciação e a busca por um desempenho de destaque pelas empresas, se dão por meio da melhor utilização de recursos que visam à execução das atividades e em paralelo à redução de seus custos. Através dos elementos da tecnologia de informação, é possível armazenar e acessar informações sobre fornecedores, clientes, tendências de consumo, concorrentes e demais elementos de gestão da própria empresa. A informação não é conhecimento, mas sim a base para a construção deste e no processo decisório, a informação assume capital relevância na medida em que, se adequada, diminui a incerteza provocada pelo ambiente. Pode-se dizer então, que a informação por si só, não é um diferencial competitivo para as organizações, mas sim pela maneira como é utilizada. O mercado de celulares está crescendo cada vez mais e os estudos mostram que hoje em dia mais da metade da população mundial possuem aparelho celular. O mercado coorporativo também está crescendo muito, e diversas empresas estão buscando incorporar aplicações móveis ao seu dia-a-dia para agilizar seus negócios e integrar as aplicações móveis com os seus sistemas. Empresas obviamente visam lucro e os celulares, smartphones e tablets podem ocupar um importante espaço em um mundo onde a palavra mobilidade está cada vez mais conhecida. Dessa forma, aplicações que executam em um celular podem estar literalmente conectadas e online, sincronizando informações diretamente de um servidor

15 14 confiável da empresa. Hoje em dia diversos bancos oferecem serviços aos seus usuários, onde é possível pagar as suas faturas e visualizar o extrato de sua conta corrente diretamente de um celular. Países mais desenvolvidos já permitem que celulares sejam utilizados em mercados para ler os códigos de barra dos produtos e realizar a compra apenas com o celular, como se fosse um cartão de crédito. Esse trabalho foca no Business Intelligence e na sua utilização a partir de dispositivos móveis. O termo conceito de BI não é recente e a sociedade do oriente médio antigo utilizava os seus princípios básicos ao cruzarem informações obtidas junto à natureza em benefício das suas aldeias. Analisar o comportamento das marés, os períodos chuvosos e de seca, a posição dos astros, entre outras coisas, também eram formas de obter informações que eram usadas para tomar decisões importantes que permitissem a melhoria de vida de suas respectivas comunidades. O mundo em que vivemos mudou desde então, porém o conceito de BI não. A necessidade de cruzar informações para a realização de uma gestão eficaz é uma realidade tão presente na nossa sociedade quanto foi no passado, pois a análise do ambiente é o processo de identificação de oportunidades, ameaças, forças e fraquezas que afetam a empresa no comprimento da sua missão. As empresas anseiam cada vez mais por informações que auxiliem seus executivos na tomada de decisões e para tornar isso possível, lançam mão de tecnologias que permitem a administração e manipulação de grandes volumes de dados a fim de extrair o máximo de proveito das informações que são geradas em seus processos de negócio. Tradicionalmente o BI pertenceu ao domínio do pessoal de TI e dos especialistas em pesquisas de mercado, responsáveis pela extração de dados, pela implantação

16 15 de processos e pela divulgação dos resultados aos executivos responsáveis pela tomada de decisão, mas a evolução tecnológica mudou tudo. Se até então a aplicação deste conceito levava a aplicação a poucos empregados selecionados de uma empresa para que fizessem uso em suas aplicações, hoje esse cenário mudou permitindo que as soluções de BI sejam disponibilizadas para um número muito maior de pessoas. O Business Intelligence passou a ser encarado como uma aplicação estratégica integrada, estando disponível através de simples desktops, estações de trabalho, servidores das empresas e dispositivos móveis tais como tablets e smartphones. É possível utilizar dispositivos móveis para se trabalhar com as ferramentas de Business Intelligence? Neste trabalho será retratado o embasamento teórico do Business Intelligence, abordando sua estrutura, modelagem, recursos e a sua utilização através de dispositivos móveis Objetivo Geral Descrever um estudo sobre a estrutura dos ambientes de Business Intelligence e verificar a possibilidade de obtenção de diferencial competitivo oferecido pelos sistemas de suporte à decisão, utilizando os dispositivos móveis como ferramenta de análise de informações, criação de cenários, formatação sintética dos resultados e tomada de decisão Objetivos Específicos Aprender os conceitos de data warehouse e business intelligence Estudar os principais pontos dos sistemas de Business Intelligence

17 16 Abordar os dispositivos móveis como ferramenta para geração de informações estratégicas e/ou de suporte à tomada de decisões 1.4. Estrutura do Trabalho O capítulo 2 tem como objetivo apresentar os conceitos de Business Intelligence, destacando seus principais componentes: Data Warehouse, Data Mart, ETL, Metadados e OLAP (On-line Analytical Processing). No capítulo 3 é apresentada a utilização dos dispositivos móveis como uma nova opção para o BI. Por fim, na seção 4 é apresentado as minhas conclusões sobre o assunto abordado.

18 17 2. REFERENCIAL TEÓRICO O atual nível de competitividade exige que todas as empresas, indistintamente, consigam responder rapidamente e acertadamente às solicitações do mundo dos negócios. Nesse sentido, todas deveriam contar com instrumentos que as ajudassem a identificar tendências do mercado e os hábitos dos consumidores, para fazer previsões e traçar planos de ação no menor tempo possível, porém existem alguns fatores que devem ser levados em consideração antes de se partir para a adoção e implementação de ferramentas de BI. (CURSIO, TIAGO, 2012). A grande questão é por onde e como começar, mas os analistas de mercado têm uma resposta: o tamanho do sapato deve ser o tamanho do pé. Em outros termos, empresas pequenas e com pouca cultura tecnológica podem começar usando algumas ferramentas de análise mais simples. (Business Inteligence, 2012) O primeiro passo consiste em identificar as reais necessidades da empresa, sempre deixando claro que apesar desses projetos envolverem o uso de ferramentas e soluções de tecnologia da informação, é importante entender que Business Intelligence é um projeto de negócio e por isso deve estar alinhado à estratégia global da empresa. Nesse sentido, é primordial o envolvimento de profissionais da área de negócios, que serão os seus principais usuários desde a fase de concepção até a implementação efetiva da solução. Dependendo do projeto poderão ser envolvidos profissionais da alta gerência. Caberá à área de TI verificar a viabilidade de aquisição de ferramentas que se mostrem mais adequados ao projeto e às possibilidades de integração com os sistemas já instalados na empresa.

19 Arquitetura e componentes O BI tem quatro grandes componentes: o Data Warehouse (DW) com seus dados-fonte; a análise de negócios, uma coleção de ferramentas para manipular e analisar os dados no DW, incluindo data mining; Business Performance Management (BPM) para monitoria e análise do desempenho; e uma interface de usuário. (TURBAN et al, LEME FILHO (2010, p. XVI) acrescenta que os sistemas de BI possuem as seguintes características: Extrair e integrar dados de múltiplas fontes; Fazer uso de experiência, democratizando o capital intelectual; Analisar informações contextualizadas, num nível de totalização e agrupamento maior; Identificar relações de causa e efeito; Desenhar cenários, criar simulações e estudar tendências. (LEME FILHO, 2010 p. 85) Com um enfoque voltado para a tecnologia da informação, Barbieri (2001, p. 05) define BI como sendo a representação da habilidade de se estruturar, acessar e explorar informações, normalmente guardadas em Data Warehouse / Data marts, com o objetivo de desenvolver percepções, entendimentos e conhecimentos com os quais podem produzir um melhor processo de tomada de decisão. Na figura 1 (Adaptado de BARBIERI, 2001 p.50) temos uma ilustração que demonstra o funcionamento de um ambiente de BI, demonstrando as possíveis fontes de dados, passando pelo processo de limpeza e armazenamento e finalizando com a visualização das informações em relatórios.

20 19 Figura 1 - Componentes do ambiente de BI. Fonte: Adaptado de (BARBIERI, 2001 p.50). Assim, podemos dizer que para estruturar um sistema de BI é necessário a utilização de suas ferramentas sendo elas: Data Warehouse, Data Mart, Metadados, ETL, Data Mining, Data Stage Area e OLAP, Data Warehouse Um dos principais pilares do BI é o Data Warehouse (DW) que é um banco de dados estruturado para oferecer suporte à tomada de decisões gerenciais. Esse tipo de banco de dados contém uma grande variedade de elementos que ensejam a construção de uma imagem coerente das condições da organização em um determinado período no tempo. Um banco de dados é a coleção de dados operacionais armazenados e utilizados pelo sistema de aplicação de uma empresa específica. Os dados mantidos por uma empresa são chamados de operacionais ou primitivos. (PRIMAK, 2008, p.37). Levando-se em consideração esta definição sobre dados operacionais, podese dizer que um DW é na verdade uma coleção de dados derivados dos dados

21 20 operacionais para sistemas de suporte à decisão. Estes dados são muitas vezes referenciados como dados gerenciais, Informacionais ou analíticos. Um banco de dados operacionais armazena todas as informações necessárias às operações diárias da empresa e é utilizado diariamente de forma que os seus dados possam sofrer mudanças constantes conforme as necessidades da empresa, diferentemente de um DW que armazena dados analíticos destinados às necessidade da gerência no processo de tomada de decisões, o que pode envolver consultas complexas baseadas em grande volume de registros. O DW não é um fim e sim um meio que as empresas dispõem para analisar informações históricas, podendo utilizá-las para a melhoria dos processos atuais e futuros, fornecendo uma infraestrutura de banco de dados que esteja sempre online e que contenha todas as informações dos sistemas operacionais da empresa, incluindo dados históricos, ou seja, será retratada uma situação num determinado ponto do tempo, o que permite uma análise histórica e comparativa dos fatos. Os dados podem ser retirados de múltiplos sistemas de computação utilizados internamente na empresa, ou também podem vir de fontes externas. O maior problema do DW é a sua grande complexidade, pois a sua criação requer pessoas altamente especializadas, uma metodologia consistente, computadores, banco de dados, ferramentas, front-end (Sistemas transacionais para captura de dados), ferramentas para extração e limpeza dos dados, e treinamento dos usuários. É um processo complicado e demorado, que requer altos investimentos e que se não for corretamente planejado e executado, pode trazer prejuízos enormes e se tornar um grande elefante branco dentro da organização.

22 21 Em uma estrutura de DW os dados armazenados devem seguir uma definição clássica, o que irá possibilitar o correto manuseio desta infinidade de dados, como é descrito a seguir (LEME FILHO, 2010 p. 88): Não voláteis Ao contrário dos ambientes transacionais, os dados carregados em DW não devem sofrer alterações. Estruturados por assunto Estes devem ser organizados de acordo com as aplicações da empresa. Geralmente são estruturados de acordo com a estrutura matricial da empresa. Integrados Uma das características mais importantes de um DW é a sua capacidade de integração dos dados, ou seja, garantir a padronização para que diferentes áreas da empresa possam interpretar igualmente a informação. Variáveis com o tempo É através desta característica que o usuário consegue visualizar as informações de forma evolutiva, identificando no negócio sazonalidades e situações que influenciaram os resultados em determinado período. A tabela 1 demonstra as diferenças entre os sistemas transacionais e DW.

23 22 Tabela 1 - Diferenças entre sistemas transacionais e data warehouses. Fonte: (LEME FILHO, 2010 p.98) Data Marts Uma forma de minimizar os riscos de instalação de um DW é começar com o desenvolvimento de Data Marts departamentais e numa fase posterior, integrá-los transformando-os em Data Warehouses. As diferenças entre o Data Mart e o Data Warehouse são apenas com relação ao tamanho e ao escopo da empresa, portando as definições dos problemas e os requisitos dos dados são essencialmente os mesmos para ambos. Enquanto o Data Mart trata das questões departamentais, locais ou de assuntos delimitados, um DW envolves as necessidades de toda a companhia de forma que o suporte á decisão atue em todos os níveis da organização. Devido ao alto custo de implantação de um ambiente de DW e ao tempo necessário para sua total implementação, muitas empresas ingressam num projeto de DW focando em necessidades especiais de pequenos grupos dentro da organização para depois ir crescendo aos poucos.

24 23 DATA WAREHOUSE ASSUNTO 1 ASSUNTO 2 ASSUNTO 3 - DATA MART CLIENTE DATA MART MARKETING DATA MART FINANÇAS DATA MART COMERCIAL T1 T2 T3 T4 Implementação Gradativa Figura 2 - Estratégia de implementação gradativa de Data Marts. Fonte: Adaptado de (BARBIERI, 2001 p. 56) Metadados Segundo (PRIMAK, 2008, p.37), os metadados são como os dados dos dados e constituem peças fundamentais em um DW. Isso porque em DW além do banco de dados, gera-se uma documentação muito maior que nos banco de dados tradicionais. É feito o levantamento dos relatórios a serem gerados, de onde vêm os dados para alimentar o DW, os processos de extração, tratamento e rotinas de carga de dados. Tudo isso acrescido das regras de negócio da empresa, das mudanças ocorridas ao longo do tempo e da frequência de acesso aos dados gera os metadados. É através deste mecanismo que os usuários de um DW são informados sobre quais assuntos estão disponíveis, quais as informações contêm, origens, regras de transformação e restrições.

25 24 Os metadados mantêm a informação sobre o que está onde, num DW. Eles podem surgir de vários locais durante o decorrer do projeto. O prefixo meta tem origem na língua grega e um de seus significados é reflexão crítica sobre. Nesse caso, pode-se definir o metadados como: dados sobre os dados. (LEME FILHO, 2010 p. 122). Tanto para o usuário final, quanto para um analista de sistemas, os metadados são capazes de esclarecer vários pontos relevantes sobre a usabilidade do sistema, rotinas de atualização, processos de geração das informações, dentre outros ETL Mesmo com uma enorme quantidade de produtos que facilitam esse trabalho, o processo de ETL ainda é trabalhoso e precisa ser executado de forma adequada para garantir que os dados contidos no DW estejam padronizados para que haja uma correta disponibilização das informações. O fluxo do processo ETL pode ser explicado da seguinte forma (LEME FILHO, 2010 p188): Extração os dados são coletados de sistemas transacionais e depositados na área de transformação; Transformação Manipula as informações extraídas pela etapa anterior de forma a uniformizar a informação conforme os padrões pré-estabelecidos; Carga os dados transformados são transferidos para a área de produção, onde ficam disponíveis para acesso pelos usuários dos sistemas de suporte à decisão.

26 25 A figura 4 ilustra o ciclo de tratamento dos dados. Figura 3 - O ciclo de tratamento dos dados. Fonte: (LEME FILHO, 2010 p. 189). Apesar de existirem ferramentas de ETL ainda tem-se a necessidade de criar rotinas de carga para atender determinadas situações que poderão ocorrer, porém essas ferramentas têm grande valia, principalmente se os sistemas de OLTP (Transacionais) forem muitos OLAP O OLAP é mais que uma aplicação, é uma solução de ambiente, integração e modelagem de dados. A escolha da ferramenta de OLAP não deve ser uma das primeiras tarefas em um projeto de desenvolvimento de uma aplicação OLAP. O mais interessante é iniciar com a obtenção dos dados, sua modelagem,

27 26 armazenamento e ai sim, fazer a escolha da ferramenta OLAP. (AURORA ANZANELLO, 2012). Os dados armazenados em um DW são otimizados para a recuperação através de processamento analítico e devem ser modelados de forma a apresentar os dados em uma estrutura padronizada que permite alto desempenho de acesso. Os sistemas OLAP auxiliam na sintetização e visualização de informações através de comparações, visões personalizadas, projeções de dados e análise histórica em vários cenários, sendo a sua principal finalidade apoiar os usuários finais a tomar decisões estratégicas, o que certamente se torna um diferencial de mercado onde os concorrentes possuem poucas diferenças quanto ao controle de qualidade, produtos e lucros. Normalmente as ferramentas OLAP apresentam os resultados de consultas, tabulações cruzadas ou crosstabs. Pode-se ainda usar o termo tabela pivô (Pivot Table), pois o usuário pode manipular as linhas e colunas, através de ações como arrastar e soltar. Dessa forma um dado expresso em uma linha pode ser arrastado passando a compor uma coluna, processo este chamado de pivoteamento. Para viabilizar a rápida apresentação de informações através de ferramentas OLAP, são utilizados alguns operadores dimensionais, que serão apresentados em seguida: (BARBIERI, 2001 p.41). Drill-Down e Drill-Up A operação drill down é realizada quando o usuário deseja obter maior detalhamento dos dados apresentados, atuando diretamente nos atributos das tabelas dimensão. A ação inversa é conhecida como drill up, onde se deseja menor nível de detalhamento dos dados.

28 27 Drill-Across A operação drill across realiza uma alteração na tabela de fatos atualmente analisada, conservando o mesmo nível de granularidade e detalhamento da consulta Modelagem Multidimensional A principal característica dos sistemas OLAP é permitir a visão conceitual multidimensional dos dados de uma organização. A ideia da modelagem dimensional é representar os tipos de dados de negócio em uma estrutura do tipo cubo de dados. As células deste cubo contêm valores medidos, tais como unidades vendidas, lucro ou venda líquida e os lados do cubo definem as dimensões dos dados, a exemplo de cliente, produto, fornecedor e tempo. A representação desta modelagem é a imagem do cubo, onde em seu interior têm-se as métricas e as laterais são as dimensões que podem variar com o tempo, tipo de produto e outros. Nos bancos de dados analíticos que manipulam multidimensões, existem dois tipos principais de esquemas que são utilizados: O esquema estrela (star scheme) e o esquema floco de neve (snowflake schema). (Z. KURIKE, RAFAEL, 1999.) Tabelas de Fato A tabela fato armazena instâncias da realidade, representando as medidas do negócio, que podem ser mensuradas de forma quantitativa. Ela armazena grande quantidade de dados, possuindo chave primária composta, formada por chaves estrangeiras, através das quais se ligam as chaves primárias das tabelas dimensão. (FERREIRA, RAFAEL G. COIMBRA) Tabelas de Dimensão

29 28 As tabelas dimensões sempre acompanham uma tabela fato e armazenam as descrições textuais que ajudam na identificação de um registro da respectiva dimensão. Cada tabela dimensão é uma tabela não normalizada que armazena os dados sobre a dimensão e possuem uma chave primária simples que permite a ligação com a tabela fato. Os atributos das tabelas de dimensão funcionam como uma fonte primária de restrição, sendo fundamentais para que o DW seja utilizado e compreendido. As tabelas dimensionais contem atributos sobre as entidades que são relacionadas às medidas, ou seja, sobre os dados que dão alguma informação sobre a medida Esquema Estrela O esquema estrela é um dos tipos de abordagem para desenvolvimento da modelagem dimensional de um DW. Ele é composto por apenas dois tipos de tabela: uma tabela de fatos, geralmente posicionada no centro do esquema, e várias dimensões ligadas a essa tabela central. A baixa quantidade de tabelas e relacionamentos resulta em uma estrutura simples que além de diminuir a sua complexidade, aumenta o seu desempenho. Devido à simplicidade do esquema a construção de consultas torna-se mais fácil além de consumir menos recursos de banco de dados, em contrapartida, devido à integração das informações em poucas tabelas para que o usuário possa realizar consultas analíticas é necessário utilizar ferramentas desenvolvidas especificamente para este tipo de modelo.

30 Esquema Floco de Neve Diferentemente do esquema estrela, em um esquema floco de neve, as hierarquias de atributos são representadas explicitamente, por meio da normalização das tabelas de dimensões. Geralmente, o desempenho no processamento de consultas OLAP em um DW convencional representado pelo esquema floco de neve é inferior por exigir a junção de várias tabelas, tornando o esquema estrela preferível ao esquema floco-de-neve.

31 30 3. O BUSINESS INTELIGENCE SALTA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS E ACELERA NEGÓCIOS Figura 10 Aplicativos de BI em dispositivos móveis Fonte: Site da MicroStrategy (2012) A tecnologia Business Intelligence está presente na criação de cenários através da mineração de dados que constroem informações-chave capazes de fortalecer estratégias, impulsionar negócios e tornar as empresa mais competitivas. Já imaginou se isso tudo estivesse literalmente em nossas mãos, a qualquer hora e lugar? Pois isto já é realidade. O BI se tornou realidade no mundo dos dispositivos móveis como smartphones, tablets e coletores de dados, ao ponto de atingir em cheio o coração de executivos e profissionais que necessitam tomar decisões rápidas e agilizar processos. Com a inteligência de bolso, os profissionais estão revolucionando os processos, agilizando as tomadas de decisão e ampliando as oportunidades de negócios.

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Exercícios OLAP - CESPE Material preparado: Prof. Marcio Vitorino OLAP Material preparado: Prof. Marcio Vitorino Soluções MOLAP promovem maior independência de fornecedores de SGBDs

Leia mais

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.1 Armazenamento... 5 4.2 Modelagem... 6 4.3 Metadado... 6 4.4

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso 5 Estudo de Caso De modo a ilustrar a estruturação e representação de conteúdos educacionais segundo a proposta apresentada nesta tese, neste capítulo apresentamos um estudo de caso que apresenta, para

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado DW OLAP BI Ilka Kawashita Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Sumário OLAP Data Warehouse (DW/ETL) Modelagem Multidimensional Data Mining BI - Business

Leia mais

A importância da. nas Organizações de Saúde

A importância da. nas Organizações de Saúde A importância da Gestão por Informações nas Organizações de Saúde Jorge Antônio Pinheiro Machado Filho Consultor de Negócios www.bmpro.com.br jorge@bmpro.com.br 1. Situação nas Empresas 2. A Importância

Leia mais

Data Warehouses Uma Introdução

Data Warehouses Uma Introdução Data Warehouses Uma Introdução Alex dos Santos Vieira, Renaldy Pereira Sousa, Ronaldo Ribeiro Goldschmidt 1. Motivação e Conceitos Básicos Com o advento da globalização, a competitividade entre as empresas

Leia mais

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos.

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fundada em 1989, a MicroStrategy é fornecedora líder Mundial de plataformas de software empresarial. A missão é fornecer as plataformas mais

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3.

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3. Sumário Data Warehouse Modelagem Multidimensional. Data Mining BI - Business Inteligence. 1 2 Introdução Aplicações do negócio: constituem as aplicações que dão suporte ao dia a dia do negócio da empresa,

Leia mais

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Janeiro de 2011 p2 Usuários comerciais e organizações precisam

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE Engenharia de Computação Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto OLPT x OLAP Roteiro OLTP Datawarehouse OLAP Operações OLAP Exemplo com Mondrian e Jpivot

Leia mais

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI)

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI) Uma estrutura conceitural para suporteà decisão que combina arquitetura, bancos de dados (ou data warehouse), ferramentas analíticas e aplicações Principais objetivos: Permitir o acesso interativo aos

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazem uso de acontecimentos e sistemas e apoiam a tomada de decisões. Utilização de várias fontes de informação para se definir estratégias de competividade

Leia mais

Data Warehouse. Diogo Matos da Silva 1. Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil. Banco de Dados II

Data Warehouse. Diogo Matos da Silva 1. Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil. Banco de Dados II Data Warehouse Diogo Matos da Silva 1 1 Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil Banco de Dados II Diogo Matos (DECOM - UFOP) Banco de Dados II Jun 2013 1 /

Leia mais

Plataformas de BI Qual é a mais adequada para o meu negócio?

Plataformas de BI Qual é a mais adequada para o meu negócio? Plataformas de BI Qual é a mais adequada para o meu negócio? Comparativo prático para escolher a ferramenta perfeita para a sua empresa Faça nosso Quiz e veja as opções que combinam com o seu perfil ÍNDICE

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais

Capítulo 1 - A revolução dos dados, da informação e do conhecimento 1 B12 4

Capítulo 1 - A revolução dos dados, da informação e do conhecimento 1 B12 4 Sumário Capítulo 1 - A revolução dos dados, da informação e do conhecimento 1 B12 4 Capítulo 2 - Reputação corporativa e uma nova ordem empresarial 7 Inovação e virtualidade 9 Coopetição 10 Modelos plurais

Leia mais

Business Intelligence

Business Intelligence e-book Senior Business Intelligence 1 Índice 03 05 08 14 17 20 22 Introdução Agilize a tomada de decisão e saia à frente da concorrência Capítulo 1 O que é Business Intelligence? Capítulo 2 Quatro grandes

Leia mais

Business Intelligence e ferramentas de suporte

Business Intelligence e ferramentas de suporte O modelo apresentado na figura procura enfatizar dois aspectos: o primeiro é sobre os aplicativos que cobrem os sistemas que são executados baseados no conhecimento do negócio; sendo assim, o SCM faz o

Leia mais

Chapter 3. Análise de Negócios e Visualização de Dados

Chapter 3. Análise de Negócios e Visualização de Dados Chapter 3 Análise de Negócios e Visualização de Dados Objetivos de Aprendizado Descrever a análise de negócios (BA) e sua importância par as organizações Listar e descrever brevemente os principais métodos

Leia mais

Data Warehousing Visão Geral do Processo

Data Warehousing Visão Geral do Processo Data Warehousing Visão Geral do Processo Organizações continuamente coletam dados, informações e conhecimento em níveis cada vez maiores,, e os armazenam em sistemas informatizados O número de usuários

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

e-business A IBM definiu e-business como: GLOSSÁRIO

e-business A IBM definiu e-business como: GLOSSÁRIO Através do estudo dos sistemas do tipo ERP, foi possível verificar a natureza integradora, abrangente e operacional desta modalidade de sistema. Contudo, faz-se necessário compreender que estas soluções

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago DATA WAREHOUSE Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago Roteiro Introdução Aplicações Arquitetura Características Desenvolvimento Estudo de Caso Conclusão Introdução O conceito de "data warehousing" data

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação BI Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Faculdade de Computação Instituto

Leia mais

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS Vimos em nossas aulas anteriores: COMPUTADOR Tipos de computadores Hardware Hardware Processadores (CPU) Memória e armazenamento Dispositivos de E/S

Leia mais

Palavras-chave: On-line Analytical Processing, Data Warehouse, Web mining.

Palavras-chave: On-line Analytical Processing, Data Warehouse, Web mining. BUSINESS INTELLIGENCE COM DADOS EXTRAÍDOS DO FACEBOOK UTILIZANDO A SUÍTE PENTAHO Francy H. Silva de Almeida 1 ; Maycon Henrique Trindade 2 ; Everton Castelão Tetila 3 UFGD/FACET Caixa Postal 364, 79.804-970

Leia mais

Business Intelligence para Computação TítuloForense. Tiago Schettini Batista

Business Intelligence para Computação TítuloForense. Tiago Schettini Batista Business Intelligence para Computação TítuloForense Tiago Schettini Batista Agenda Empresa; Crescimento de Dados; Business Intelligence; Exemplos (CGU, B2T) A empresa Empresa fundada em 2003 especializada

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI),

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), BUSINESS INTELLIGENCE (BI) O termo Business Intelligence (BI), popularizado por Howard Dresner do Gartner Group, é utilizado para definir sistemas orientados

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Curso Data warehouse e Business Intelligence

Curso Data warehouse e Business Intelligence Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Apresentação Os projetos de Data Warehouse e Business Intelligence são dos mais interessantes e complexos de desenvolver

Leia mais

Criação e uso da Inteligência e Governança do BI

Criação e uso da Inteligência e Governança do BI Criação e uso da Inteligência e Governança do BI Criação e uso da Inteligência e Governança do BI Governança do BI O processo geral de criação de inteligência começa pela identificação e priorização de

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

Pós-Graduação Business Intelligence

Pós-Graduação Business Intelligence Pós-Graduação Business Intelligence Tendências de Mercado de Business Intelligence Aula 04 Como se organizar para o sucesso em BI Dinâmica Organizacional Complexa Cria o maior ônus para o sucesso de BI

Leia mais

Modelo de dados do Data Warehouse

Modelo de dados do Data Warehouse Modelo de dados do Data Warehouse Ricardo Andreatto O modelo de dados tem um papel fundamental para o desenvolvimento interativo do data warehouse. Quando os esforços de desenvolvimentos são baseados em

Leia mais

Thiago Locatelli de OLIVEIRA, Thaynara de Assis Machado de JESUS; Fernando José BRAZ Bolsistas CNPq; Orientador IFC Campus Araquari

Thiago Locatelli de OLIVEIRA, Thaynara de Assis Machado de JESUS; Fernando José BRAZ Bolsistas CNPq; Orientador IFC Campus Araquari DESENVOLVIMENTO DE AMBIENTE PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO RELACIONADO AOS DADOS PRODUZIDOS PELO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE TRANSITO DA CIDADE DE JOINVILLE/SC PARTE I Thiago Locatelli de OLIVEIRA, Thaynara

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO DW NA ANVISA

IMPLANTAÇÃO DO DW NA ANVISA IMPLANTAÇÃO DO DW NA ANVISA Bruno Nascimento de Ávila 1 Rodrigo Vitorino Moravia 2 Maria Renata Furtado 3 Viviane Rodrigues Silva 4 RESUMO A tecnologia de Business Intelligenge (BI) ou Inteligência de

Leia mais

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Agenda Introdução Contexto corporativo Agenda Introdução Contexto corporativo Introdução O conceito de Data Warehouse surgiu da necessidade de integrar dados corporativos

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence.

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence. Tópicos Avançados Business Intelligence Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence Roteiro Introdução Níveis organizacionais na empresa Visão Geral das

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Inteligência Empresarial. BI Business Intelligence. Business Intelligence 22/2/2011. Prof. Luiz A. Nascimento

Inteligência Empresarial. BI Business Intelligence. Business Intelligence 22/2/2011. Prof. Luiz A. Nascimento Inteligência Empresarial Prof. Luiz A. Nascimento BI Pode-se traduzir informalmente Business Intelligence como o uso de sistemas inteligentes em negócios. É uma forma de agregar a inteligência humana à

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura

Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Apresentação Os projetos de Data Warehouse e Business Intelligence são dos mais interessantes e complexos de desenvolver

Leia mais

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)?

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Divulgação Portal - METROCAMP Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Torne se um Trabalhador de Conhecimento (Kowledge Worker) de Werner Kugelmeier WWW.wkprisma.com.br

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Material de Apoio de Informática - Prof(a) Ana Lucia 53. Uma rede de microcomputadores acessa os recursos da Internet e utiliza o endereço IP 138.159.0.0/16,

Leia mais

EXECUTIVE. A Web 2.0. pode salvar o BI?

EXECUTIVE. A Web 2.0. pode salvar o BI? EXECUTIVE briefing guia executivo para decisões estratégicas A Web 2.0 pode salvar o BI? A usabilidade e a intuitividade das tecnologias Web 2.0 revolucionam o complexo mercado de Business Intelligence.

Leia mais

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO WESLLEYMOURA@GMAIL.COM RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANÁLISE DE SISTEMAS ERP (Enterprise Resource Planning) Em sua essência, ERP é um sistema de gestão empresarial. Imagine que você tenha

Leia mais

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence Juntamente com o desenvolvimento desses aplicativos surgiram os problemas: & Data Warehouse July Any Rizzo Oswaldo Filho Década de 70: alguns produtos de BI Intensa e exaustiva programação Informação em

Leia mais

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding Unindo a estratégia às operações com sucesso Visão Geral O Scorecarding oferece uma abordagem comprovada para comunicar a estratégia de negócios por toda a

Leia mais

O papel dominante da mobilidade no mercado de trabalho

O papel dominante da mobilidade no mercado de trabalho Um perfil personalizado de adoção da tecnologia comissionado pela Cisco Systems Fevereiro de 2012 Dinâmica de ganhos com as iniciativas de mobilidade corporativa Os trabalhadores estão cada vez mais remotos,

Leia mais

Apresentação da Empresa

Apresentação da Empresa Apresentação da Empresa Somos uma empresa especializada em desenvolver e implementar soluções de alto impacto na gestão e competitividade empresarial. Nossa missão é agregar valor aos negócios de nossos

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

Business Intelligence. BI CEOsoftware Partner YellowFin

Business Intelligence. BI CEOsoftware Partner YellowFin Business Intelligence BI CEOsoftware Partner YellowFin O que é Business Intelligence Business Intelligence (BI) é a utilização de uma série de ferramentas para coletar, analisar e extrair informações,

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema ERP; Processos de Desenvolvimento, Seleção, Aquisição, Implantação de ERP; Aderência e divergência

Leia mais

AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA

AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA APOIO ÀS DECISÕES DE E-BUSINESS E SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES Conceito O conceito básico de e-business é simples: negócios

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA PROF.ª MARCIA CRISTINA DOS REIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 14/08/2012 Aula 4 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) PARADA OBRIGATÓRIA!!! LEITURA DO LIVRO DO TURBAN, RAINER JR E POTTER Sistemas SPT p. 212

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Módulo 2. Definindo Soluções OLAP

Módulo 2. Definindo Soluções OLAP Módulo 2. Definindo Soluções OLAP Objetivos Ao finalizar este módulo o participante: Recordará os conceitos básicos de um sistema OLTP com seus exemplos. Compreenderá as características de um Data Warehouse

Leia mais

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS O QUE FAZEMOS Provemos consultoria nas áreas de comunicação online, especializados em sites focados na gestão de conteúdo, sincronização de documentos, planilhas e contatos online, sempre integrados com

Leia mais

Governança de TI. 1. Contexto da TI 2. Desafios da TI / CIOs 3. A evolução do CobiT 4. Estrutura do CobiT 5. Governança de TI utilizando o CobiT

Governança de TI. 1. Contexto da TI 2. Desafios da TI / CIOs 3. A evolução do CobiT 4. Estrutura do CobiT 5. Governança de TI utilizando o CobiT Governança de TI Governança de TI 1. Contexto da TI 2. Desafios da TI / CIOs 3. A evolução do CobiT 4. Estrutura do CobiT 5. Governança de TI utilizando o CobiT TI precisa de Governança? 3 Dia-a-dia da

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP.

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. Luan de Souza Melo (Fundação Araucária), André Luís Andrade Menolli (Orientador), Ricardo G. Coelho

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente.

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. As interações com os clientes vão além de vários produtos, tecnologias

Leia mais

Versão 1 Mkt Salvador 17.10.12

Versão 1 Mkt Salvador 17.10.12 Versão 1 Mkt Salvador 17.10.12 NÓS CUIDAMOS DOS PROCESSOS. VOCÊ CUIDA DOS NEGÓCIOS. NÓS CUIDAMOS DOS PROCESSOS. Mais de 10 anos de atuação. Empresa mais premiada do setor. Consolidada e com experiência

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE Prof. Fabio Purcino

BUSINESS INTELLIGENCE Prof. Fabio Purcino Aula Teste BUSINESS INTELLIGENCE Prof. Fabio Purcino Faça o download desta aula Use um leitor de QR Code Definição Business Intelligence é um conjunto de conceitos e técnicas que buscam extrair conhecimento

Leia mais

Caesb conquista uma série de benefícios com projeto de Integração de Soluções

Caesb conquista uma série de benefícios com projeto de Integração de Soluções Caesb conquista uma série de benefícios com projeto de Integração de Soluções Perfil A Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal - Caesb é uma sociedade de economia mista, regida pela Lei das

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Ciência da Computação Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Taciana Lima Lourenço Silva Schuenemann Estudo de Viabilidade Clínica médica

Leia mais

Data Warehouse: uma classificação de seus Custos e Benefícios

Data Warehouse: uma classificação de seus Custos e Benefícios Data Warehouse: uma classificação de seus Custos e Benefícios Marcos Paulo Kohler Caldas (CEFET-ES/CEFET-PR) marcospaulo@cefetes.br Prof. Dr. Luciano Scandelari (CEFET-PR) luciano@cefetpr.br Prof. Dr.

Leia mais

Trata-se de uma estratégia de negócio, em primeira linha, que posteriormente se consubstancia em soluções tecnológicas.

Trata-se de uma estratégia de negócio, em primeira linha, que posteriormente se consubstancia em soluções tecnológicas. CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT Customer Relationship Management CRM ou Gestão de Relacionamento com o Cliente é uma abordagem que coloca o cliente no centro dos processos do negócio, sendo desenhado

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Aline França a de Abreu, Ph.D

Aline França a de Abreu, Ph.D Aline França a de Abreu, Ph.D igti.eps.ufsc.br 07 / 10/ 04 Núcleo de estudos Criado em 1997 - UFSC/EPS Equipe multidisciplinar, com aproximadamente 20 integrantes OBJETIVO Gerar uma competência e uma base

Leia mais