PROGRAMA DE ENSINO NA HIDROTERAPIA PARA LESADOS MEDULARES PARAPLEGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE ENSINO NA HIDROTERAPIA PARA LESADOS MEDULARES PARAPLEGIA"

Transcrição

1 PROGRAMA DE ENSINO NA HIDROTERAPIA PARA LESADOS MEDULARES PARAPLEGIA Vera Lúcia Israel (PUCPR/Fisioterapia, UFSCar/PPG-EES/SP) *Maria Benedita Lima Pardo (UFSCar/SP) RESUMO O objetivo desta pesquisa foi avaliar um Programa de Ensino para desenvolver habilidades motoras aquáticas em lesados medulares paraplégicos (deficiência física não sensorial), através da Hidroterapia. A Educação Especial em sua interface com a Fisioterapia, quanto à atenção ao portador de deficiência física não sensorial, tem desenvolvido novas estratégias de intervenção, que permitem um planejamento integrado entre as áreas através da programação do processo de ensino-aprendizagem. O método utilizado consistiu na aplicação de um Programa de Ensino em Hidroterapia para avaliar objetivos comportamentais, cujos critérios de avaliação foram definidos como níveis de aprendizagem, classificados de 1 a 5, prevendo desde ajuda total até execução do comportamento motor aquático com independência. O programa treinou 26 comportamentos motores aquáticos dentro das 05 fases de tratamento hidroterapêutico (Israel,1995), a saber: ambientação comportamentos motores aquáticos A1 a A8; domínio do meio líquido comportamentos D1 a D8; exercícios terapêuticos especializados comportamentos E1 a E4; condicionamento orgânico global comportamentos Cd1 a Cd6. Os principais resultados obtidos foram: os participantes obtiveram nível médio de aprendizagem acima de 80,0% (grau 4) em 20 dos 26 comportamentos motores aquáticos avaliados. Palavras Chaves: Hidroterapia, Educação Especial, Fisioterapia, Lesão Medular, Paraplegia INTRODUÇÃO A presente pesquisa teve por objetivo avaliar um Programa de Ensino para desenvolver as habilidades motoras aquáticas para os lesados medulares paraplégicos, através da Hidroterapia em piscina aquecida, buscando sua independência e adaptação dentro do meio líquido.

2 Na Educação Especial, o lesado medular precisa ser mais conhecido quanto as suas características e necessidades, a fim de que se desenvolvam procedimentos que venham auxiliá-lo no desenvolvimento de movimentos e ações, que melhorem sua inclusão social. Para oportunizar uma maior independência com segurança para os lesados medulares na busca de seu espaço profissional e social, é que a reabilitação pode ajudar. No uso das técnicas terapêuticas para a recuperação do lesado medular paraplégico, destaca-se a Fisioterapia. O movimento humano é resultado de complexas relações entre diferentes sistemas que formam e fazem funcionar o aparelho locomotor da pessoa. Este movimento pode estar dentro de padrões de normalidade ou alterado por algum tipo de problema ou lesão. Quando ocorre alteração no controle neurológico do sistema músculo-esquelético, o movimento costuma ser afetado em sua capacidade voluntária de contração muscular, amplitude articular e coordenação motora. Devido à plasticidade do sistema nervoso central, existe a possibilidade da recuperação da alteração neurológica, a qual dependerá diretamente do local, grau e extensão da lesão nervosa. É necessária uma atuação terapêutica rápida e precisa para auxiliar na reabilitação possível da motricidade voluntária da pessoa (Israel, 2000). Neste estudo, será tratada a lesão neurológica que ocorre na medula espinhal, tendo como conseqüência a paraplegia. A recuperação do movimento na lesão medular é complexa e também depende do princípio da gravidade da lesão, isto é, quanto mais alta e ampla a lesão, maiores serão as seqüelas motoras da pessoa. A Hidroterapia vem para contribuir com a recuperação do lesado medular. Os exercícios aquáticos em piscina para o lesado medular desenvolvem a funcionalidade global desta pessoa, por exemplo, quando este cliente não está mais preso a uma cadeira de rodas, mas pode livremente se locomover no meio líquido. De fato, a água usada como meio de terapia auxilia na recuperação e também na manutenção da qualidade da saúde da pessoa. Lowman e Roen (1952) já

3 descreviam que é importante iniciar cedo os exercícios na água com os lesados medulares para se estimular uma reação psíquica positiva por parte da pessoa com deficiência física. Para todas as pessoas, a Hidroterapia tem trazido vantagens importantes quanto à recuperação de movimentos e outros efeitos positivos. Para o lesado medular, a Hidroterapia parece ter fundamental importância quando associada a exercícios específicos planejados adequadamente para cada quadro de lesão medular e a atividades funcionais que visam suprir assim as necessidades de cada pessoa. A programação de ensino mesmo não sendo usual no meio da Fisioterapia, pode favorecer o planejamento prévio da intervenção na Hidroterapia, obedecendo a critérios pré-determinados, pode trazer benefícios na recuperação do lesado medular. Assim, justifica-se o uso da programação de ensino na área da Hidroterapia. O adequado planejamento do programa de tratamento tem reduzido os custos com a recuperação do cliente, bem como favorecido o aprendizado mais rápido de novos movimentos e o uso mais funcional de potenciais e habilidades motoras residuais (Israel, 2000). MÉTODO 1. Participantes: três pessoas do sexo masculino, da raça branca, portadoras de deficiência física não sensorial, como seqüela de lesão medular. Sào pacientes paraplégicos (P1,P2,P3) e ss critérios para escolha foram: estar em condições clínicas estáveis e aptos a freqüentar sessões de Hidroterapia em piscina aquecida (33 a 34º C), de acordo com encaminhamento e diagnóstico médicos. Quadro 01. Caracterização dos Participantes. Participantes/ Característica P1 P2 P3 s Idade (anos) Estado civil Casado Solteiro Casado

4 Trabalho Publicitári Comerciant Artesão atual o e Experiência anterior com não sim Sim água 2. Local : a coleta de dados deste estudo foi realizada em uma escola de natação, na cidade de Curitiba/Paraná, entre janeiro e fevereiro de A piscina adaptada com rampa, degraus, platô e barras de aproximadamente 6x4m de tamanho e 1,20m de profundidade, sendo mantida aquecida à temperatura de 33/34º C. A piscina foi utilizada para a avaliação aquática inicial e final e para a aplicação do Programa de Ensino nas suas 15 sessões de intervenção. 3. Delineamento da Pesquisa: avaliação inicial de solo e aquática; 15 sessões de intervenção para aplicação do Programa de Ensino proposto, visando desenvolver 26 comportamentos motores previamente previstos ; avaliação final de solo e aquática. 4. Materiais e Equipamentos: como instrumentos de avaliação forma usados o roteiro para avaliação inicial e final no solo: o roteiro para observação dos comportamentos motores nas sessões de Hidroterapia; filmadora VHS-C, marca JVC, para filmagens das sessões, incluindo duas filmagens subaquáticas parciais; câmera fotográfica, marca Nikon, para ilustração dos comportamentos no trabalho; fitas de vídeo e filmes de fotografias. 5. Procedimento para a Coleta de Dados e Delineamento da Pesquisa: avaliações Inicial e Final no Solo; avaliações Inicial e Final Aquática ; 15 Sessões de Intervenção, sendo 4 vezes por semana de trinta minutos de duração. 6. Procedimentos para Análise dos Dados: análise dos dados obtidos nas avaliações e na análise dos vídeos de todas as sessões de intervenção e das avaliações aquáticas iniciais e finais. Elaborando-se quadros, gráficos e fazendo uma breve análise estatística (testes não paramétricos) dos dados mais relevantes.dos 2 grupos considerando: TA=5 fosse 100% do comportamento alcançado; FSA=4 fosse 75%; CAP=3 fosse 50%; CAT=2 fosse 25%; e NF=1 fosse 0% do comportamento motor. RESULTADOS

5 Somente os principais resultados serão descritos a seguir considerando os 03 participantes paraplégicos lesados medulares que passaram pelo Programa de Ensino. Os dados das avaliações iniciais e finais aquáticas estão em gráficos de evolução da aprendizagem nos graus 1 a 5 (maior independência) de acordo com as fases do Programa de Ensino. Quadro 02. Resultados Numéricos e Médias das Avaliações Aquáticas Inicial e Final por Fase de Tratamento do Participante Paraplégico 1 (P1). P1 COMPORTAMENTOS A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 A8 D1 D2 D3 D4 D5 D6 D7 D8 E1 E2 E3 E4 Cd1 Cd2 Cd3 Cd4 Cd5 6 AVALIAÇÕES Difere MÉDIAS Fas Avi Avf nça es A D E Cd Avi 2,4 2,4 2,3 2,7 Avf 4,6 3,8 2,8 4,8 Legenda: Avi = avaliação inicial - Avf = avaliação final Para os participantes P2 e P3 observou-se os seguintes dados: Quadro 03. Resultados Numéricos e Médias das Avaliações Aquáticas Inicial e Final por Fase de Tratamento do Participante Paraplégico 2 (P2). P2 COMPORTAMENTOS A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 A8 D1 D2 D3 D4 D5 D6 D7 D8 E1 E2 E3 E4 Cd1 Cd2 Cd3 Cd4 Cd5 6

6 Avi AVALIAÇÕES Diferen MÉDIAS Fase Avf ça s A D E Cd Avi 3,6 2,4 1,0 3,0 Avf 4,6 5,0 3,0 5,0 Legenda: Avi = avaliação inicial - Avf = avaliação final Quadro 04. Resultados Numéricos e Médias das Avaliações Aquáticas Inicial e Final por Fase de Tratamento do Participante Paraplégico 3 (P3). P3 COMPORTAMENTOS A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 A8 D1 D2 D3 D4 D5 D6 D7 D8 E1 E2 E3 E4 Cd1 Cd2 Cd3 Cd4 Cd5 6 Avi AVALIAÇÕES Difere MÉDIAS Fas Avf nça es A D E Cd Avi 2,8 2,9 1,3 2,7 Avf 4,5 4,9 2,0 4,3 Legenda: Avi = avaliação inicial - Avf = avaliação final

7 Os testes não paramétricos foram descritos em quadros específicos mostrando diferenças entre os grupos, porém com aprendizagens importantes. Porém devido a restrição deste trabalho não serão aqui apresentados. Nesta evolução dos participantes lesados medulares, mencionou-se a melhora da condição muscular porque a ativação do corpo é global dentro da Hidroterapia, que é um recurso que pode precocemente ser usado na recuperação de condições neurológicas (Davis e Harrison, 1988). Estes mesmos autores lembram que o desempenho de muitos componentes de movimentos de atividades funcionais são freqüentemente mais fáceis na água quando assistidos pela flutuação, sendo que o fisioterapeuta pode aproveitar-se disso para educar ou desenvolver tais movimentos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Davis, B. C. e Harrison, R. A. Hydrotherapy in practice. London: Churchill Livinsgtone, Israel,V.L. Description of a hydrotherapeutic procedure for patients with medullar lesions: stage I. Proceedings of the 12th International Congress of the World Confederation for Physical Therapy. Washington,D.C./U.S.A., Jun 25-30, p.19, Israel, V.L Hidroterapia: um programa de ensino para desenvolver habilidades motoras aquáticas do lesado medular em piscina térmica. Tese de Doutorado, PPG-EES/UFSCar/SP, Lowman, C.L. e Roen, S.G. Therapeutic uses of pools and tanks.

8 Philadelphia/U.S.A.: Saunders, 1952.

Gestão do Paciente com Deficiência Uma visão Prática da Terapia Ocupacional e da Fisioterapia

Gestão do Paciente com Deficiência Uma visão Prática da Terapia Ocupacional e da Fisioterapia Gestão do Paciente com Deficiência Uma visão Prática da Terapia Ocupacional e da Fisioterapia Percentual de pessoas com deficiência no Brasil..segundo Censo 2000: 14,5% Deficientes 85,5% Não Deficientes

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia

Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia Critérios de Admissão em Longo Internamento O Centro Psicogeriátrico Nossa Senhora de Fátima (CPNSF), oferece serviços especializados

Leia mais

Material Ortopédico. O Centro. Especialidades. Formação. Consultas. Fisioterapia. Fisioterapia Pediátrica. Apresentação

Material Ortopédico. O Centro. Especialidades. Formação. Consultas. Fisioterapia. Fisioterapia Pediátrica. Apresentação O Centro Especialidades Formação Material Ortopédico Consultas Fisioterapia Apresentação A Equipa O Espaço Fisioterapia Pediátrica Osteopatia Terapia da Fala Terapia Ocupacional Objectivos Acordo Instema

Leia mais

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Reabilitação da Paralisia Cerebral no CEREPAL Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Histórico Fundada no dia 02 de março de 1964 por um grupo de pais que os filhos possuíam lesão cerebral. É uma entidade

Leia mais

ATLETISMO PARA TETRAPLÉGICO POR LESÃO MEDULAR: ESTUDO DE UM CASO. RESUMO

ATLETISMO PARA TETRAPLÉGICO POR LESÃO MEDULAR: ESTUDO DE UM CASO. RESUMO 1 ATLETISMO PARA TETRAPLÉGICO POR LESÃO MEDULAR: ESTUDO DE UM CASO. Lincoln dos Santos Andrade 1 Lucas Camilo Richter Barbosa da Silva 1 Gisele Cristina Galli 1 Rosangela Marques Busto 2 Abdallah Achour

Leia mais

PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA, PARADIGMA DA FUNCIONALIDADE E PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO NO CURSO DE FISIOTERAPIA

PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA, PARADIGMA DA FUNCIONALIDADE E PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO NO CURSO DE FISIOTERAPIA PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA, PARADIGMA DA FUNCIONALIDADE E PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO NO CURSO DE FISIOTERAPIA Eliani de Souza Arruda PUCPR. Paulo R. Alcântara - PUCPR. Vera Lúcia Israel - PUCPR. Resumo

Leia mais

A Importância da psicomotricidade no desenvolvimento infantil

A Importância da psicomotricidade no desenvolvimento infantil A Importância da psicomotricidade no desenvolvimento infantil Aline Daniela Gomes da Silva Vieira Discente de Psicologia Universidade Sagrado Coração Bauru-SP. e-mail: ninedvieira@hotmail.com Raquel Regina

Leia mais

ATUAÇÃO DA HIDROTERAPIA EM PATOLOGIAS TRATADAS NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE NOVAFAPI

ATUAÇÃO DA HIDROTERAPIA EM PATOLOGIAS TRATADAS NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE NOVAFAPI ATUAÇÃO DA HIDROTERAPIA EM PATOLOGIAS TRATADAS NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE NOVAFAPI INTRODUÇÃO Luana Gabrielle de França Ferreira NOVAFAPI Luciana Gomes Cariri NOVAFAPI Maria José Magalhães

Leia mais

Centro de Atendimento, Acompanhamento e Animação para pessoas com Deficiência Plano de Atividades 2015

Centro de Atendimento, Acompanhamento e Animação para pessoas com Deficiência Plano de Atividades 2015 ATENDIMENT Realizar o atendimento às pessoas com Centro de Atendimento, Acompanhamento e Animação para pessoas com Deficiência Plano de Ativ 2015 CALENDARIZA- ÇÃ Informar, apoiar e orientar as pessoas

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 3 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 7 Cronograma de Aulas Pág. 10 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA EM REABILITAÇÃO

Leia mais

Avaliar, sistematizar e decidir as condutas mais adequadas, baseadas em evidências científicas;

Avaliar, sistematizar e decidir as condutas mais adequadas, baseadas em evidências científicas; CURSO: FISIOTERAPIA Missão O curso de Fisioterapia da Universidade Estácio de Sá, através de uma estrutura embasada em princípios contemporâneos, tem por missão a formação de um fisioterapeuta generalista,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO 2006 N.º Despacho PROJETO DE LEI N.º 903/2006 RECONHECE A PESSOA COM AUTISMO COMO PORTADORA DE DEFICIÊNCIA, PARA FINS DA FRUIÇÃO DOS DIREITOS ASSEGURADOS PELA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO.

Leia mais

AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA AQUÁTICA. Aquatic Physical Therapy Assessment

AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA AQUÁTICA. Aquatic Physical Therapy Assessment Avaliação fisioterapêutica aquática AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA AQUÁTICA Aquatic Physical Therapy Assessment Andreane Daniele Barbosa 1 Carla Regina de Camargo 2 Eliani de Souza Arruda 3 Vera Lúcia Israel

Leia mais

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO LEI N o 5.641, DE 23 DE JUNHO DE 2014. RECONHECE A PESSOA COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA COMO PORTADORA DE DEFICIÊNCIA PARA OS FINS DE FRUIÇÃO DOS DIREITOS ASSEGURADOS PELA LEI ORGÂNICA E PELAS DEMAIS

Leia mais

O POVO DO MUNICÍPIO DE MARICÁ, por seus representantes na Câmara Municipal, aprovou e o Prefeito Municipal, em seu nome, sanciona a seguinte Lei:

O POVO DO MUNICÍPIO DE MARICÁ, por seus representantes na Câmara Municipal, aprovou e o Prefeito Municipal, em seu nome, sanciona a seguinte Lei: LEI Nº 2599 DE 10 DE JUNHO DE 2015. DISPÕE SOBRE OS CRITÉRIOS PARA A CONTRATAÇÃO DE PESSOAL, POR PRAZO DETERMINADO, PARA ATENDER A NECESSIDADE TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL INTERESSE PÚBLICO, PARA O QUADRO

Leia mais

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal II JORNADA REGIONAL SOBRE DROGAS ABEAD/MPPE Recife, 9&10 Setembro Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria

Leia mais

Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down.

Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down. Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down. Conceituando a Síndrome de Down (SD) Pedromônico; Perissinoto; Ramalho

Leia mais

Definições. Classificação. Atendimento educacional especializado - Educação Especial. Escolas especializadas Escolas da rede regular de ensino

Definições. Classificação. Atendimento educacional especializado - Educação Especial. Escolas especializadas Escolas da rede regular de ensino Conteúdos abordados Prof. Ivan Lima Schonmann CREF 082406-G/SP Deficiência intelectual e motora Definição Classificação Características Estratégias de trabalho Deficiência Intelectual (DI) IBGE 2010 Censo

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

PROJETO INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO

PROJETO INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO PROJETO INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO Belo Horizonte, março de 2013. PROJETO INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO 1. Introdução No âmbito da Educação Superior, entendemos como princípio básico que é preciso propiciar

Leia mais

PROCESSO DE PRESCRIÇÃO E CONFECÇÃO DE ÓRTESES PARA PACIENTES NEUROLÓGICOS EM UM SERVIÇO DE TERAPIA OCUPACIONAL

PROCESSO DE PRESCRIÇÃO E CONFECÇÃO DE ÓRTESES PARA PACIENTES NEUROLÓGICOS EM UM SERVIÇO DE TERAPIA OCUPACIONAL PROCESSO DE PRESCRIÇÃO E CONFECÇÃO DE ÓRTESES PARA PACIENTES NEUROLÓGICOS EM UM SERVIÇO DE TERAPIA OCUPACIONAL Lígia Maria Presumido Braccialli. (bracci@marilia.unesp.br) Aila Narene Dahwache Criado Rocha.

Leia mais

DEFICIÊNCIA FÍSICA. Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC

DEFICIÊNCIA FÍSICA. Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC DEFICIÊNCIA FÍSICA Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC Comprometimento do aparelho locomotor que compreende o sistema osteoarticular, o sistema muscular e o sistema nervoso. As doenças

Leia mais

RECURSOS PEDAGÓGICOS CONFECCIONADOS POR ESTAGIÁRIOS DE PEDAGOGIA EM PROJETO DE EXTENSÃO

RECURSOS PEDAGÓGICOS CONFECCIONADOS POR ESTAGIÁRIOS DE PEDAGOGIA EM PROJETO DE EXTENSÃO RECURSOS PEDAGÓGICOS CONFECCIONADOS POR ESTAGIÁRIOS DE PEDAGOGIA EM PROJETO DE EXTENSÃO EDUCATIONAL RESOURCES MADE-UP IN PEDAGOGY OF TRAINEES IN EXTENSION PROJECT Ariélen Camaçari Thomaz- Graduanda em

Leia mais

Instituto Educacional Santa Catarina. Faculdade Jangada. Atenas Cursos

Instituto Educacional Santa Catarina. Faculdade Jangada. Atenas Cursos Instituto Educacional Santa Catarina Faculdade Jangada Atenas Cursos Curso de Capacitação em AEE Aluna: Ivete D. Poleto De Cezare Vanini, 01 de Maio de 2015. 1 - Tema: Deficiência Intelectual 2 - Problema:

Leia mais

Equoterapia Como Instrumento Pedagógico 1

Equoterapia Como Instrumento Pedagógico 1 Equoterapia Como Instrumento Pedagógico 1 Jackson Antônio Barbosa, Engenheiro Agrícola, DEG/UFLA, Orientador, jackson_barbosa@hotmail.com; Regilane Vilas Boas; Fisioterapeuta, Coordenadora Centro de Equoterapia/UFLA,

Leia mais

MESTRADO E DOUTORADO EM FISIOTERAPIA

MESTRADO E DOUTORADO EM FISIOTERAPIA MESTRADO E DOUTORADO EM FISIOTERAPIA A UNASUR UNIVERSIDAD AUTÓNOMA DEL SUR em parceria com a Master Assessoria Educacional criou o Curso de Mestrado em Fisioterapia, o qual procura enfatizar a Intervenção

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014 Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social Entidade: Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil Endereço: Rua Antônio Miguel Pereira

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA EM REABILITAÇÃO AQUÁTICA

Leia mais

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ALFABETIZAÇÃO NO TEMPO CERTO NAs REDES MUNICIPAIS DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

Apresentação do projecto alusivo ao Mês da Perda Auditiva Audiologia Psicologia Clinica Terapia da Fala

Apresentação do projecto alusivo ao Mês da Perda Auditiva Audiologia Psicologia Clinica Terapia da Fala A Perda Auditiva como um Problema de Saúde Pública em Angola Apresentação do projecto alusivo ao Mês da Perda Auditiva Audiologia Psicologia Clinica Terapia da Fala Sumário I. Introdução II. Objectivos

Leia mais

Desenvolvimento de Cadeira para Atividades Pedagógicas e de Reabilitação para Crianças com Deficiências Múltiplas

Desenvolvimento de Cadeira para Atividades Pedagógicas e de Reabilitação para Crianças com Deficiências Múltiplas Desenvolvimento de Cadeira para Atividades Pedagógicas e de Reabilitação para Crianças com Deficiências Múltiplas Mauro Erlei Schneider Martin, UniRitter mauromartin@uniritter.edu.br Gustavo Portella dos

Leia mais

RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015 Reconhece e disciplina a Especialidade Profissional de Fisioterapia Cardiovascular. O Plenário do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO),

Leia mais

INSTALAÇÕES 2 PLANOS DE ÁGUA 4 BALNEÁRIOS. 2 DE CRIANÇAS 2 DE ADULTOS Cacifos individuais. Piscina de 25/22m. Profundidade de 1.5m.

INSTALAÇÕES 2 PLANOS DE ÁGUA 4 BALNEÁRIOS. 2 DE CRIANÇAS 2 DE ADULTOS Cacifos individuais. Piscina de 25/22m. Profundidade de 1.5m. PROGRAMA INSTALAÇÕES 2 PLANOS DE ÁGUA Piscina de 25/22m. Profundidade de 1.5m. Piscina de 16/12m. Profundidade de 1m. 1 Pista com Plataforma (prof. 0.60m). Níveis avançados de aprendizagem. Adaptação

Leia mais

EDITAL Nº. 07/09 - DG TESTE SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR COLABORADOR I

EDITAL Nº. 07/09 - DG TESTE SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR COLABORADOR I EDITAL Nº. 07/09 - DG TESTE SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR COLABORADOR I O Diretor Geral das Faculdades Integradas do Brasil torna público que estão abertas as inscrições para o teste seletivo

Leia mais

CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado)

CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) Missão Sua missão é tornar-se referência na formação de profissionais para atuar nos diferentes segmentos humanos e sociais, considerando a atividade física e promoção

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura. Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura. Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO Centro de Apoio Psicopedagógico gico do Funchal Intervenção precoce Medida de apoio integrado, centrado na

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO Curso: Bacharelado em Administração de Empresas São Paulo 2014 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Política de Nivelamento... 3 4. Diretrizes do Nivelamento...

Leia mais

Sistemas de Informação na Saúde

Sistemas de Informação na Saúde Os Sistemas de Informação na Vanguarda da Reabilitação João Pimenta Centro de Medicina de Reabilitação do Sul Centro de Medicina de Reabilitação do Sul - Caracterização Capacidade Instalada Gabinetes de

Leia mais

Responde às singularidades

Responde às singularidades A ESCOLA INCLUSIVA Garante a aprendizagem de TODOS. Responde às singularidades (característica única ou especial, particularidade). Respeita as modalidades de aprendizagem (compreender a forma pessoal

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO. Componente Curricular: Hidroterapia

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO. Componente Curricular: Hidroterapia CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Hidroterapia Código: Fisio 217 Pré-requisito: ------- Período Letivo: 2013.1 Professor:

Leia mais

AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO

AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO Francelina Elena Oliveira Vasconcelos (france.vasconcelos@gmail.com) Rosilda Teixeira de Freitas (rosildafreitas@farrapo.com.br) Resumo Neste trabalho

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

PROPOSTA DE OFICINAS DE LEITURA E ESCRITA COMO APOIO PARA CRIANÇAS COM ATRASO DE LINGUAGEM ESCRITA

PROPOSTA DE OFICINAS DE LEITURA E ESCRITA COMO APOIO PARA CRIANÇAS COM ATRASO DE LINGUAGEM ESCRITA PROPOSTA DE OFICINAS DE LEITURA E ESCRITA COMO APOIO PARA CRIANÇAS COM ATRASO DE LINGUAGEM ESCRITA Ana Paula ZABOROSKI anapaulazaboroski@yahoo.com.br Ana Cândida SCHIER aninhaschier@yahoo.com.br Jáima

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE FISIOTERAPIA, BACHARELADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

HOSPITAL PELÓPIDAS SILVEIRA PROGRAMA DE ESTÁGIOS E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL. RODÍZIO EM NEUROINTENSIVISMO PARA RESIDENTES (160h)

HOSPITAL PELÓPIDAS SILVEIRA PROGRAMA DE ESTÁGIOS E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL. RODÍZIO EM NEUROINTENSIVISMO PARA RESIDENTES (160h) HOSPITAL PELÓPIDAS SILVEIRA PROGRAMA DE ESTÁGIOS E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PRECEPTOR RESPONSÁVEL Dra. Maria Goreth Pereira: goreth_pereira@hotmail.com PRECEPTORES ENVOLVIDOS Edna Lucia Freitas Daiana

Leia mais

XIII Congresso Estadual das APAEs IV Fórum de Autodefensores 28 a 30 de março de 2010 Parque Vila Germânica, Setor 2 Blumenau (SC), BRASIL

XIII Congresso Estadual das APAEs IV Fórum de Autodefensores 28 a 30 de março de 2010 Parque Vila Germânica, Setor 2 Blumenau (SC), BRASIL XIII Congresso Estadual das APAEs IV Fórum de Autodefensores 28 a 30 de março de 2010 Parque Vila Germânica, Setor 2 Blumenau (SC), BRASIL IMPLANTAÇÃO DA TERAPIA DE INTEGRAÇÃO SENSORIAL NA APAE DE BLUMENAU

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE LIDERANÇAS ESCOLARES

PROCESSO SELETIVO DE LIDERANÇAS ESCOLARES PROCESSO SELETIVO DE LIDERANÇAS ESCOLARES CREDENCIAMENTO DE DIRETORES NO TOCANTINS Profª. Denise Lima de Oliveira BREVE HISTÓRICO Em 2001 - o primeiro processo seletivo de diretores escolares abre inscrições

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012 FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Apontamentos iniciais sobre os Tipos de Movimentos

Apontamentos iniciais sobre os Tipos de Movimentos Apontamentos iniciais sobre os Tipos de Movimentos RICARDO MARTINS PORTO LUSSAC ricardolussac@yahoo.com.br (Brasil) Mestrando do Programa de Mestrado em Ciência da Motricidade Humana - Universidade Castelo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO INFANTIL EM DIFERENTES CONTEXTOS SOCIAIS

DESENVOLVIMENTO INFANTIL EM DIFERENTES CONTEXTOS SOCIAIS DESENVOLVIMENTO INFANTIL EM DIFERENTES CONTEXTOS SOCIAIS Coordenadoras: Karla da Costa Seabra (Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Educação) Susana Engelhard Nogueira (Instituto Federal

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PLANO DE ATIVIDADES 2 ÍNDICE CARATERIZAÇÃO DO CENTRO DE REURSOS PARA A INCLUSÃO.. 3 FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE RECUSOS PARA A INCLUSÃO 3 CARATERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL - COFFITO Nº 402 DE 03.08.2011 D.O.U: 24.11.2011

RESOLUÇÃO DO CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL - COFFITO Nº 402 DE 03.08.2011 D.O.U: 24.11.2011 RESOLUÇÃO DO CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL - COFFITO Nº 402 DE 03.08.2011 D.O.U: 24.11.2011 Disciplina a Especialidade Profissional de Fisioterapia em Terapia Intensiva e dá outras

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO 1) História da Terapia Ocupacional (30 hs) EMENTA: Marcos históricos que antecederam o surgimento formal da profissão de

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior)

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) Dispõe sobre o diagnóstico e o tratamento da dislexia na educação básica. DESPACHO: ÀS COMISSÕES DE: SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA;

Leia mais

PARECER COREN-SP 056/2013 CT PRCI n 100.471 Tickets nº 286.256

PARECER COREN-SP 056/2013 CT PRCI n 100.471 Tickets nº 286.256 PARECER COREN-SP 056/2013 CT PRCI n 100.471 Tickets nº 286.256 Ementa: Utilização do método SOAP (Subjetivo, Objetivo, Avaliação e Plano) no Processo de Enfermagem. 1. Do fato Enfermeira que atua em Estratégia

Leia mais

A Influência da instrução verbal e da demonstração no processo da aprendizagem da habilidade parada de mãos da ginástica artística.

A Influência da instrução verbal e da demonstração no processo da aprendizagem da habilidade parada de mãos da ginástica artística. A Influência da instrução verbal e da demonstração no processo da aprendizagem da habilidade parada de mãos da ginástica artística. Moreira, R. S. T. ¹ ² Silva, J.A. ¹. INTRODUÇÃO A aprendizagem motora

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS

SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS DESCRIÇÃO: Modalidade: Centro Dia para pessoa Idosa Serviço voltado para o atendimento, regime parcial, de pessoas idosas de 60 anos ou mais, de

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar Communication for All - In Search of the Social and Pertaining to School Inclusion Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS Carolina

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR Autoras: Natália Aparecida DAL ZOT, Rafaela Alice HORN, Neusa MARTINI Identificação autores: Acadêmica do Curso de Matemática-Licenciatura

Leia mais

Abordagens Fisioterapêuticas na Ortopedia Pediátrica

Abordagens Fisioterapêuticas na Ortopedia Pediátrica Abordagens Fisioterapêuticas na Ortopedia Pediátrica Profa. Ms. Dalva M. A. Marchese, fisioterapeuta, mestre em Distúrbios de Desenvolvimento, docente da Faculdade de Fisioterapia da UNISA. Para o Curso:

Leia mais

Elaboração do programa das disciplinas

Elaboração do programa das disciplinas Elaboração do programa das disciplinas Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Questões fundamentais O que pretendo alcançar? Uma disciplina

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS TELÊMACO BORBA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA Telêmaco Borba,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2007 (Do Sr. José Eduardo Cardozo)

PROJETO DE LEI Nº DE 2007 (Do Sr. José Eduardo Cardozo) PROJETO DE LEI Nº DE 2007 (Do Sr. José Eduardo Cardozo) Institui a Semana Nacional de Educação, Conscientização e Orientação sobre a Fissura Lábio- Palatina, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

Regulamento de TCC do curso de Fisioterapia

Regulamento de TCC do curso de Fisioterapia Regulamento de TCC do curso de Fisioterapia A atividade de trabalho de conclusão de curso é desenvolvida em área escolhida pelo aluno, sob a orientação professor (es) orientador(es). O aluno descreverá

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

Introdução. Importante: O Programa não inclui atendimento de urgência/emergência. Nestes casos deverão ser procurados os serviços específicos.

Introdução. Importante: O Programa não inclui atendimento de urgência/emergência. Nestes casos deverão ser procurados os serviços específicos. Introdução A Assistência Domiciliar surge para responder à demanda de individualização da assistência, realizando cuidados na privacidade do domicílio do paciente, possibilitando ao mesmo e à família participarem

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº11/12 DE 10/07/2012 FAZ SABER A TODOS OS HABITANTES DESTE MUNICÍPIO QUE A CÂMARA MUNICIPAL APROVOU, E ELE SANCIONA A PRESENTE LEI:

LEI COMPLEMENTAR Nº11/12 DE 10/07/2012 FAZ SABER A TODOS OS HABITANTES DESTE MUNICÍPIO QUE A CÂMARA MUNICIPAL APROVOU, E ELE SANCIONA A PRESENTE LEI: LEI COMPLEMENTAR Nº11/12 DE 10/07/2012 CRIA CARGOS DE PROVIMENTO TEMPORÁRIO/EMPREGO PÚBLICO PARA EXECUÇÃO DE PROGRAMAS ESPECIAIS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Vilibaldo Erich Schmid, Prefeito do Município

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas.

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas. TÍTULO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTRATÉGIA PARA O CONHECIMENTO E A INCLUSÃO SOCIAL AUTORES: Chateaubriand, A. D.; Andrade, E. B. de; Mello, P. P. de; Roque, W. V.; Costa, R. C. da; Guimarães, E. L. e-mail:

Leia mais

Atividades e terapia assistida por. Aula para curso de psicobiologia PUC SP

Atividades e terapia assistida por. Aula para curso de psicobiologia PUC SP Atividades e terapia assistida por animais Aula para curso de psicobiologia PUC SP Atividade Assistida por Animais (AAA) Sem programa oficial, sem objetivo definido, sem avaliação. Voluntários. Visitas

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA JUNTO A UM PROGRAMA DE ESTIMULAÇÃO PRECOCE: O PAPEL DOS PROFESSORES E DA FAMÍLIA Ana Paula Marques Leal Barbosa 1 Adriana Garcia Gonçalves 2 1 Aluno do Curso de Pedagogia; Campus

Leia mais

Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO. Visão Geral. Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010

Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO. Visão Geral. Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010 Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Visão Geral 1 Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010 NR 17 17.1 OBJETIVO CONDIÇÕES DE TRABALHO / PARÂMETROS BÁSICOS: Segurança: proteção / prevenção Conforto: saúde

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

AFOGAMENTOS EM CRIANÇAS E JOVENS ATÉ AOS 18 ANOS, EM PORTUGAL

AFOGAMENTOS EM CRIANÇAS E JOVENS ATÉ AOS 18 ANOS, EM PORTUGAL APSI Afogamentos de Crianças Principais Resultados 2002/2010 www.apsi.org.pt 1/6 AFOGAMENTOS EM CRIANÇAS E JOVENS ATÉ AOS 18 ANOS, EM PORTUGAL 2002 2010 RESUMO E PRINCIPAIS CONCLUSÕES I Introdução O afogamento

Leia mais

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA MATIAS, Rayane CLASSE, Jéssica P. D. CAVALCANTI, Flavia R. R. SILVA, Angela C. D. RESUMO O presente trabalho se

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Níveis de atenção à saúde e serviços de saúde

Níveis de atenção à saúde e serviços de saúde Níveis de atenção à saúde e serviços de saúde Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não a mera ausência de doenças (OMS, 1949) Antes de falar sobre os níveis de atenção à saúde

Leia mais

Pessoas com Deficiência nos Censos Demográficos Brasileiros

Pessoas com Deficiência nos Censos Demográficos Brasileiros Pessoas com Deficiência nos Censos Demográficos Brasileiros Alicia Bercovich IBGE VI Fórum Senado Debate Brasil Convenção da ONU sobre os direitos das pessoas com deficiência Painel 2: Quem são, onde estão,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MÉRTOLA Escola E,B 2,3 ES\Escola S. Sebastião de Mértola Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 3ºano

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MÉRTOLA Escola E,B 2,3 ES\Escola S. Sebastião de Mértola Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 3ºano AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MÉRTOLA Escola E,B 2,3 ES\Escola S. Sebastião de Mértola Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 3ºano Disciplina de Psicopatologia Geral Ano letivo 2013\14 Docente:

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO PROPOSTA DE UM PROGRAMA DE ERGONOMIA

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO Secretaria de Educação Especial/ MEC Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva Objetivo Orientar os sistemas

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento normatiza as atividades do Estágio Supervisionado em Publicidade e Propaganda

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS PRESSÕES RESPIRATÓRIAS MÁXIMAS EM CADEIRANTES PRÉ E PÓS BASQUETE ADAPTADO EM CADEIRA DE RODAS

AVALIAÇÃO DAS PRESSÕES RESPIRATÓRIAS MÁXIMAS EM CADEIRANTES PRÉ E PÓS BASQUETE ADAPTADO EM CADEIRA DE RODAS AVALIAÇÃO DAS PRESSÕES RESPIRATÓRIAS MÁXIMAS EM CADEIRANTES PRÉ E PÓS BASQUETE ADAPTADO EM CADEIRA DE RODAS MICHELLI, KÁTIA.¹ TAGLIETTI, MARCELO ² ROMERO, CRISTINA.³ Faculdade Assis Gurgacz-FAG, Cascavel-PR,

Leia mais