PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROJETO BÁSICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROJETO BÁSICO"

Transcrição

1 PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROJETO BÁSICO Para fins deste Projeto Básico deve-se considerar o glossário constante do item OBJETIVO Este Projeto Básico tem por objetivo definir as condições, requisitos, especificações técnicas e gerenciais necessárias à contratação de uma empresa especializada em execução de serviços de Consultoria Técnica Especializada em ORACLE Business Intelligence BI para o Tribunal Superior Eleitoral - TSE, com base na gestão dos ambientes de software para a implantação de Inteligência de Negócios no escopo Urna Eletrônica. 2. OBJETO Contratação de empresa para prestação dos serviços de Consultoria Técnica Especializada na aplicação dos softwares Oracle Bussiness Intelligence Enterprise Edition Plus, Oracle Data Integrator e Oracle Warehouse Builder para Construção e Implantação de Data Mart de URNA ELETRÔNICA e construção de indicadores, consultas Gerenciais Multidimensionais incluindo a utilização de Dashboards, visando prover o TSE de serviços especializados na área de Business Intelligence. Estes serviços deverão utilizar as versões de software Oracle instaladas no TSE, no período da elaboração do projeto. Atualmente são os seguintes softwares: Oracle Bussiness Intelligence Enterprise Edition Plus v , Oracle Data Integrator 10g v , Oracle Database 10g Enterprise Edition Release 2 e Oracle Warehouse Builder 10g Release 2. 1

2 3. DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS A SEREM EXECUTADOS Construção e Implantação de Data Mart de dados de urna eletrônica e sistemas relacionados e construção de Consultas Gerenciais Multidimensionais. a) Data Mart de dados de urna eletrônica As fontes de dados de URNA ELETRÔNICA compreendem, no contexto deste Projeto Básico, as informações do Sistema Logus Web, dos arquivos de log de urna e dos arquivos de Run-in, dados referentes a inseminação de software da urna (carga, tabelas de correspondência, etc.). O contexto do projeto abrange, de princípio, os seguintes vértices de análises e itens de dados, sendo que outros poderão ser identificados no levantamento: a) Arquivos binários de registro de ocorrências de urna log com as informações, por eleição, sobre tempo de votação, biometria, eventos e defeitos ocorridos, quantidade de vias de BU emitidas, comprimento dos relatórios emitidos, dentre outros; b) Dados de manutenção corretiva e preventiva (carga de baterias e exercitação de componentes) constantes do Sistema de Logística de Urnas e Suprimentos (LOGUS); c) Dados dos sistemas de Candidaturas e Informações Partidárias; d) Dados do eleitorado, seções eleitorais e locais de votação; e) Dados de correspondência entre seção eleitoral e urna eletrônica; f) Dados de justificativa eleitoral; g) Dados extraídos dos resultados apurados na urna eletrônica; h) Dados de fabricação de urna; i) Estoques de suprimentos dos sistemas de almoxarifado; j) Dados dos locais de armazenamento de urnas eletrônicas; k) Condições ambientais dos locais de armazenamento colhidos por sensores específicos (termo-higrômetros) além de pragas e outros aspectos relativos ao armazenamento de urnas eletrônicas; l) Ocorrências de substituição, votação manual e outras do dia da eleição; m) Cruzamento dos dados anteriores com cada modelo de urna; n) Organização e cruzamento dos dados por Região, Mesorregião, Microrregião, Estado, Município, Zona, Local de Votação, Seção Eleitoral, Local de Armazenamento, urna, dentre outros; o) Cruzamento de informações climáticas importadas de bancos de dados externos. Observação 1: O Data Mart deverá armazenar os dados em dimensões e fatos (em modelo dimensional) em grãos de detalhe equivalentes aos dados de origem correspondentes, de modo a preservar o histórico detalhado dos dados no nível de 2

3 eventos de negócio (transação). A partir deste nível de dados dimensionais, deverão ser criados outros níveis de fatos agregados em grãos adequados para atender aos requisitos de análise dos usuários. Observação 2: A apresentação sobre as fontes dos dados (exemplos de tabelas, arquivos, campos, etc), temas, grãos de dados e peridiocidade preliminares de carga dos dados ocorrerá na Visita Técnica conforme disposto no item 12 VISITA TÉCNICA. Estas informações deverão ser detalhadas ao longo do projeto. Observação 3: O escopo do objeto deste Projeto Básico inclui a carga no Data Mart pela contratada dos dados existentes relativos às eleições de 2004, 2006 e 2008 e dos dados provenientes do pleito eleitoral de Observação 4: Alguns indicadores, a exemplo daqueles construídos a partir dos dados coletados no dia da eleição, deverão ser atualizados, no dia do pleito, em intervalos curtos (minutos) em Dashboards da suíte de ferramentas utilizada no TSE que serão construídos pela consultoria contratada. 4. ORGANIZAÇÃO E ATIVIDADES DO PROJETO ORGANIZAÇÃO DO PROJETO O projeto deverá adotar um processo de desenvolvimento iterativo e incremental, e deverá ser organizado em uma etapa inicial de levantamento e planejamento, iterações sucessivas de desenvolvimento do Data Mart e uma etapa final. A figura abaixo ilustra a organização do projeto com uma etapa inicial, uma seqüência de iterações e uma etapa final. Com o objetivo de obter estes benefícios, o projeto deverá ser planejado e executado com no mínimo 3 (três) iterações. 3

4 ... Cada iteração resultará na implementação de um conjunto de temas (assuntos) do Data Mart, e produzirá as entregas para ele definidos. Não é exigido que um tema seja esgotado em uma iteração. Pelo contrário, o propósito é de uma implementação evolutiva, de modo que os temas implementados em uma iteração poderão ser retrabalhados em iterações posteriores de modo a receberem melhorias e evoluções. As etapas são compostas por atividades, as quais se encontram relacionadas abaixo, em ordem de execução. ETAPA INICIAL: 1. Levantamento das necessidades do negócio; 2. Levantamento das fontes de dados 3. Planejamento do projeto. Composição da etapa inicial 4

5 ETAPA DE ITERAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO: 1. Revisão do planejamento; 2. Detalhamento do levantamento e definição dos indicadores; 3. Modelagem de dados; 4. Projeto físico das bases de dados relacional/multidimensional; 5. Dimensionamento do ambiente técnico; 6. Especificação e implementação dos processos de ETL; 7. Criação da base relacional / multidimensional; 8. Construção das consultas aos dados; 9. Otimização das bases de dados; 10. Testes integrados do sistema; 11. Testes de homologação; 12. Implantação. REVISÃO DO PLANEJAMENTO ITERAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DETALHAMENT. DO LEVANT. MODELAGEM DE DADOS PROJ. FÍSICO DAS BASES DE DADOS DIMENS. DO AMBIENTE TÉCNICO ESPEC. E IMPLEMENT. DOS PROCESSOS ETL CRIAÇÃO DA BASE RELAC./MULTIDIM. CONSTRUÇÃO DAS CONSULTAS OTIMIZAÇÃO DAS BASES DE DADOS TESTES INTEGRADOS DO SISTEMA TESTES DE HOMOLOGAÇÃO IMPLANTAÇÃO 5

6 ETAPA FINAL 1. Testes de integração e aceitação final. Os produtos do desenvolvimento das atividades deste Projeto devem ser aprovados por técnicos do TSE para que as atividades sejam consideradas concluídas. Pode haver simultaneidade entre as atividades de uma iteração. Havendo a aprovação da equipe do TSE, uma iteração pode ser iniciada antes da conclusão da iteração anterior. Entretanto, fica vedada a sobreposição de atividades semelhantes entre as iterações. As descrições das atividades das etapas e seus produtos se encontram a seguir. ETAPA INICIAL LEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES DO NEGÓCIO Consiste no levantamento das necessidades que o sistema deverá atender. Nesta etapa identifica-se o público alvo e os requisitos para o Data Mart; identificam-se os temas (assuntos) que irão compor o Data Mart e organiza-se os requisitos de acordo com os temas identificados. Desta forma o levantamento inicial estabelece o escopo detalhado do projeto e as funções macro que o Data Mart deverá atender. A Contratada deverá mediar as reuniões de levantamento com os clientes e a equipe do TSE. Documento de requisitos. LEVANTAMENTO DAS FONTES DE DADOS Consiste no levantamento e análise inicial das fontes de dados, incluindo o levantamento e análise da documentação existente sobre as fontes identificadas, 6

7 tais como modelos de dados e correspondentes metadados, bem como documentação sobre detalhes a respeito de regras de negócio, tabelas, arquivos e demais artefatos. Tal atividade irá promover o entendimento sobre o negócio e seus dados, bem como irá auxiliar no planejamento do projeto e na identificação de riscos correspondentes às fontes de dados. Documento de fontes de dados. PLANEJAMENTO DO PROJETO Consiste na elaboração do plano do projeto. A Contratada deverá elaborar e apresentar ao TSE o planejamento detalhado da execução das atividades do objeto deste Projeto Básico (prazos, recursos, formas de comunicação e de acompanhamento da execução do projeto), o qual deverá ser aprovado pelo TSE. O Plano do Projeto deverá organizar o restante do projeto em no mínimo três iterações, e especificar os temas a serem implementados em cada um. Termo de Abertura do Projeto (TAP). Plano do projeto (Plano Executivo) detalhado (incluindo o cronograma). ITERAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO A cada iteração do projeto serão implementados os temas estabelecidos para a iteração, e deverão ser executadas as seguintes atividades. REVISÃO DO PLANEJAMENTO Esta atividade consiste em uma revisão do planejamento e o estabelecimento do escopo da iteração em termos dos temas que serão abordados, levando-se em conta os temas previstos para a iteração e evoluções dos temas implementados nas iteraçãos anteriores. O escopo da iteração deverá ser definido em conjunto com a equipe de TSE. Plano do projeto revisado. Escopo da iteração (relação dos temas e melhorias). DETALHAMENTO DO LEVANTAMENTO E DEFINIÇÃO DOS INDICADORES 7

8 Esta atividade consiste no detalhamento do levantamento de requisitos e identificação dos indicadores necessários à melhoria do desempenho nas áreas e apoio à tomada de decisão relativa aos temas abordados na iteração. Esta atividade inclui o levantamento das consultas e análises demandadas pelos usuários as quais serão a base para a homologação correspondente a iteração. Tais indicadores deverão ser detalhados em documentação que contenha, no mínimo: dados de entrada, períodos de coleta, fórmulas de cálculo e aplicabilidade. A definição destes indicadores será feita em conjunto com os clientes do escopo definido neste Projeto Básico. Documento de requisitos atualizado nos temas da iteração. Documento técnico dos indicadores. Documento de especificação de consultas. MODELAGEM DE DADOS Consiste na elaboração do modelo dimensional de dados do Data Mart de acordo com o escopo da iteração do projeto. Nesta atividade são identificados as dimensões e fatos relativos aos temas da iteração. Para cada fato são definidos: as dimensões envolvidas, o seu conteúdo, o grão dos dados. O Data Mart deverá armazenar os dados em dimensões e fatos (em modelo dimensional) em grãos de detalhe equivalentes aos dados de origem correspondentes, de modo a preservar o histórico detalhado dos dados no nível de eventos de negócio (transação). A partir deste nível de dados dimensionais, deverão ser criados outros níveis de fatos agregados em grãos adequados para atender aos requisitos de análise dos usuários. O Data Mart de urna eletrônica deverá ser implementado de modo integrado aos outros Data Marts jé existentes, de acordo com as dimensões corporativas já utilizadas pelo TSE. Os modelos deverão ser documentados, na ferramenta padrão utilizada pelo TSE: SYBASE Power Designer versão 15. Os modelos deverão ser aprovados pela equipe do TSE. Modelo dimensional de dados do Data Mart. Mapeamento origem destino. Documento de aprovação do modelo dimensional. 8

9 PROJETO FÍSICO DAS BASES DE DADOS RELACIONAL/ MULTIDIMENSIONAL Consiste na construção do modelo físico relacional e multidimensional. O modelo físico deriva do modelo lógico e de tratamentos de performance e controle; o modelo multidimensional depende das visões e consultas a serem liberadas para os usuários (consultas solicitadas, perfil de usuário, etc). Poderemos detalhar os dados um a um, analisando questões de performance para as consultas, necessidade de tabelas agregadas, etc. Modelos físicos de dados gerados. Documentação sobre as características das bases de dados relacionais/ multidimensionais. DIMENSIONAMENTO DO AMBIENTE TÉCNICO Consiste no levantamento dos volumes envolvidos, tanto no que tange às bases de dados, quanto aos volumes de processamento e quantidade de usuários simultâneos. Documentação da Estimativa de volumes das bases de dados. Documentação da Estimativa de quantidade de usuários. Documentação com Recomendações para aspectos de performance. ESPECIFICAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DOS PROCESSOS DE ETL Consiste na especificação dos processos de extração, transformação e carga (ETL) dos dados. Estes processos deverão considerar a possibilidade da carga ser inicial, incremental ou substitutiva. Inclui a obtenção dos dados que alimentarão o Data Mart a partir da extração dos dados das bases transacionais. As rotinas deverão realizar extrações para a carga inicial dos dados, incrementais e substitutivas, de forma parametrizada, ou seja, deve ser flexível para que seja possível selecionar uma ou mais modalidades de extração. Inclui também a especificação dos processos de carga dos dados nas bases relacionais / multidimensionais (Data Mart) e geração de cubos. Consiste ainda da adequação dos dados obtidos pelas rotinas de extração para o ambiente do Data Mart. As funções de transformação deverão apontar situações de erros e exceções conforme especificação realizada durante o levantamento. 9

10 Processos de ETL implementados e documentados na ferramenta de ETL. Documentação das situações de erros e exceções encontrados. CRIAÇÃO DA BASE RELACIONAL / MULTIDIMENSIONAL Consiste na criação da base de dados relacional e multidimensional. Banco de dados relacional/multidimensional criado. Banco de dados relacional / multidimensional com as informações carregadas. Documentação para manutenção das bases de dados e cubos. CONSTRUÇÃO DAS CONSULTAS AOS DADOS Consiste na implementação das consultas que foram especificadas para a iteração de elaboração. As consultas deverão permitir ao usuário final consultar os dados agregados e atômicos de todo o ambiente Data Mart, incluindo visão integrada de todas as estruturas multidimensionais, conforme o perfil definido para os usuários. Deverão ser disponibilizadas consultas ad hoc aos cubos com drillthrough na base para usuários privilegiados e consultas pré-definidas parametrizadas. Também deverão estar disponíveis consultas em Dashboards com parâmetros previamente determinados. As consultas deverão ter sido definidas na atividade de DETALHAMENTO DO LEVANTAMENTO E DEFINIÇÃO DOS INDICADORES. Deverá ainda, ser possível a realização de consultas a partir de construção livre de cada usuário que se encarregará da definição dos parâmetros e filtros de seu interesse. Consultas implementadas. OTIMIZAÇÃO DAS BASES DE DADOS Consiste na revisão e otimização da base de dados relacional/ multidimensional. Documentação das otimizações das bases de dados. Base de dados relacional/multidimensional otimizada. 10

11 TESTES INTEGRADOS DO SISTEMA Consiste no planejamento e execução de teste do sistema, envolvendo todas as suas etapas. Plano de teste integrado. Documentação dos resultados e performance dos testes. TESTES DE HOMOLOGAÇÃO Consiste no teste realizado pelo usuário final, validando o atendimento aos requisitos e quanto a performance. Plano de teste do usuário. Relatório de teste do usuário. Relatório de homologação do sistema. IMPLANTAÇÃO Consiste na fase de implantação dos temas desenvolvidos para o Data Mart na iteração e avaliação de performance. Serão realizadas as cargas iniciais do sistema, pelo menos uma atualização incremental e uma atualização substitutiva. Serão realizados os testes definitivos do sistema e ajustes que ainda se fizerem necessários, deverão ser realizados. Esta fase inclui também a passagem da aplicação do ambiente de desenvolvimento para o ambiente de produção, a documentação do processo e o treinamento dos técnicos que darão sustentação ao aplicativo. Registro de reuniões. Plano de estabilização. Relatório de avaliação geral da estabilização. Documentação da passagem para produção. Documentação das rotinas de produção. Técnicos de suporte e produção capacitados. Temas do Data Mart especificados para a iteração operando em produção. 11

12 ETAPA FINAL TESTES DE INTEGRAÇÃO E ACEITAÇÃO FINAL Esta atividade consiste na realização de testes de integração com todas as funcionalidades e temas do Data Mart de urna eletrônica, bem como de ajustes e otimizações necessários para o bom funcionamento do Data Mart. Os planos de testes devem ser revisados para os testes finais. Além disto, será feita a avaliação geral do Data Mart pelo usuário para fins de aceitação final. Registro de reuniões. Plano de teste revisado. Relatório dos testes integrados. Relatório de aceitação final. 5. REGIME DE EXECUÇÃO Os serviços deverão ser executados pelo regime de empreitada por preço global. 6. REQUISITOS A SEREM EXIGIDOS Os atestados exigidos são passíveis de diligência, a critério da Comissão de Licitação. 6.1 EXIGIDOS NA HABILITAÇÃO Atestado de Capacidade Técnica, emitido por pessoa jurídica de direito público ou privado que comprove a prestação de serviços de implantação de Solução de Business Intelligence através de implementação de Data Warehouse e/ou Datamart com levantamento e construção de indicadores de melhoria de desempenho do negócio e modelagem Multi-Dimensional, operando sobre o RDBMS Oracle Enterprise Edition, com consultas ad hoc e com o processo de ETL em produção sendo agendado, executado e controlado através do ORACLE Warehouse Builder com os recursos do Oracle Workflow, compatível com o objeto. Certidão de Visita Técnica, expedido pelo TSE conforme no item 12 (Visita Técnica) deste Projeto Básico. 12

13 Nos documentos apresentados pela Contratada, referentes ao item 6.1 deverão constar o número de inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) da empresa que efetivamente prestará os serviços. 6.2 EXIGIDOS NA CONTRATAÇÃO Atestado de que pelo menos um profissional a ser alocado na prestação de serviços possua certificação OCP-DBA ORACLE 10g. Este profissional deverá atuar em todas as fases que o TSE julgar necessário. Atestado de que o gerente técnico responsável pelo projeto a ser alocado na prestação de serviços possua certificação PMP Project Management Professional. Este profissional deverá atuar em todas as fases do projeto. Comprovação de que possui pelo menos 2 técnicos com especialização em Business Intelligence, mediante apresentação de certificação de conclusão em treinamento oficial da Oracle Education Oracle Warehouse Builder Implementation Part 1 e Oracle Warehouse Builder Implementation Part 2 ou equivalente. 7. EXECUÇÃO DAS PRESTAÇÕES DOS SERVIÇOS Os serviços deverão ser realizados nas instalações do TSE, em horário comercial preferencialmente no período vespertino. Os profissionais da Contratada deverão ter disponibilidade para trabalhar em qualquer horário ou dia solicitado pelo TSE, incluindo sábados, domingos e feriados, sem ônus adicional financeiro para este Tribunal. 8. RECEBIMENTO DOS SERVIÇOS Todos os produtos resultantes desta prestação de serviços serão de propriedade do TSE. Os documentos e serviços deverão ser entregues ao Fiscal do Contrato do TSE, por meio de comunicação escrita da Contratada informando a conclusão da etapa. 13

14 O pagamento dos serviços será efetuado após a conclusão das atividades discriminadas neste Projeto Básico e nas condições abaixo. A empresa proponente deverá explicitar na proposta o número de iterações a serem executadas no projeto. No caso das atividades que compõem as iterações de desenvolvimento, os grupos de atividades definidos na tabela a seguir serão remunerados a cada iteração considerando o percentual aqui especificado divido pela quantidade de iterações especificado para o projeto, considerando que deverão ser realizadas pelo menos 3 (três) iterações. FASES DO PROJETO % ( * ) ETAPA INICIAL Levantamento das Necessidades do Negócio 10% Levantamento das Fontes de Dados Planejamento do Projeto 5% ITERAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO (**) Detalhamento do Levantamento e Definição dos Indicadores 12% Modelagem de Dados Projeto Físico das Bases de Dados Relacional/ Multidimensional 12% Dimensionamento do Ambiente Técnico Especificação de Implementação dos Processos de ETL 27% Criação da Base Relacional / Multidimensional Construção das Consultas aos Dados 12% Otimização das Bases de Dados 6% Testes Integrados do Sistema Testes de Homologação do Usuário Final 6% Implantação ETAPA FINAL Testes de Integração e Aceitação Final 10% (*) Percentual do pagamento sobre o valor total do projeto. (**) No caso das atividades das iterações de desenvolvimento, os grupos de atividades definidos nesta tabela serão remunerados a cada iteração considerando o percentual aqui especificado divido pela quantidade de iterações de acordo com o proposto para o Projeto. 9. PRAZOS 14

15 A Contratada deverá iniciar os serviços em até 10 (dez) dias após a publicação do extrato do contrato. A Contratada deverá concluir as atividades da Etapa Inicial no prazo máximo de 40 (quarenta) dias úteis a contar da data de início dos trabalhos, para a aprovação do Fiscal do Contrato do TSE. É importante ressaltar que dentre os produtos que constituem esta fase deverá ser apresentado um Plano do Projeto contendo, além dos serviços a serem executados, os prazos de execução, a indicação dos responsáveis pela execução, plano de comunicação e os produtos resultantes de cada serviço. A Contratada deverá concluir no mínimo 02 (duas) iterações de desenvolvimento do Data Mart no prazo de 11 (onze) meses a contar da data de início dos trabalhos. Os prazos propostos pela Contratada em seu Plano Executivo não deverão exceder o prazo de vigência do contrato. O ateste dos produtos previstos dar-se-á em até 05 (cinco) dias úteis contados a partir da data do recebimento, pelo Fiscal do Contrato do TSE, da comunicação escrita da Contratada, referente à conclusão de cada etapa. 10. EQUIPE TÉCNICA De acordo com os prazos estipulados a seguinte equipe foi estimada para a execução dos serviços: PERFIL QUANTIDADE Gerente do Projeto 1 Consultor em Banco de Dados 1 Consultor de BI VIGÊNCIA O Contrato a ser firmado terá duração de 18 (dezoito) meses a contar da data da publicação do extrato do contrato, podendo ser prorrogado por sucessivos períodos de até 12 (doze) meses, até o limite de 60 (sessenta) meses, mediante aditamentos ao instrumento original, havendo interesse e manifestação expressa das partes, com amparo no disposto no inciso II, do Art. 57, da Lei nº 8.666/93 e modificações posteriores. 15

16 12. VISITA TÉCNICA Para o devido conhecimento e uniformização de entendimento do objeto desta Contratação, as empresas interessadas em participar do certame licitatório deverão agendar pelo telefone (61) visita técnica às dependências do TSE, situado à Praça dos Tribunais Superiores - Bloco C, Ed. Anexo I, sala 407, Seção de Administração de Dados SEAD, CEP: Brasília-DF, onde será realizada uma apresentação das necessidades deste Tribunal. Ao término da visita técnica será emitida certidão em 02(duas) vias assinadas pelas partes interessadas, a qual deverá constar da Documentação de Habilitação, sob a pena de inabilitação da empresa. Nesta visita técnica serão apresentadas as configurações de hardware e software e suas respectivas versões implantadas no TSE e o escopo do projeto, com o objetivo de subsidiar as empresas interessadas na elaboração do Plano Executivo. 13. GLOSSÁRIO Dashboard: é um conjunto de indicadores e suporte analítico para suporte à decisão e fornecem uma representação ilustrada do desempenho dos negócios em toda a organização. Tipicamente, são produzidos para os gestores que precisam de uma visão geral do negócio e consideram primordial dispor de uma visualização intuitiva e oportuna dos dados estratégicos, financeiros e operacionais. Processo de desenvolvimento iterativo e incremental: O desenvolvimento de um produto de software é uma grande tarefa que pode ser alongar por vários meses, possivelmente um ano ou mais. É mais fácil dividir o trabalho em partes menores (iterações) tendo cada uma como resultado um incremento (processo incremental). Assim sendo, o princípio subjacente a este processo é que a equipe envolvida pode refinar e alargar pouco-a-pouco a qualidade, detalhe e âmbito do sistema envolvido. Iteração de desenvolvimento: Iterações são passos em fluxo de trabalho. A cada iteração são realizadas as seguintes tarefas: análise (refinamento de requisitos, refinamento do modelo), projeto (refinamento do projeto), implementação, e transição para produção. A cada iteração resulta um 16

17 incremento do produto, que incorpora temas (assuntos) novos e evoluções nos assuntos implementados em outras iterações. Data Warehouse: é um banco de dados destinado a sistemas de apoio a decisão cujas estruturas permitem a exploração por ferramentas analíticas. Para implantar um Data Warehouse são necessários novos métodos de estruturação de dados, tanto para armazenamento quanto para a recuperação de informações. Cabe ressaltar que as perspectivas e técnicas necessárias para projetar o Data Warehouse são profundamente diferentes dos sistemas transacionais. Os usuários, o conteúdo dos dados, a estrutura dos dados, o hardware e o software, a administração, o gerenciamento dos sistemas, o ritmo diário, as solicitações, as respostas e o volume de informações são diferentes. Data Mart: um conjunto flexível de dados, de preferência baseado nos dados mais atômicos (granulares) o possível para extrair de uma fonte operacional e apresentados em um modelo simétrico (dimensional) que é mais resistente quando está diante de consultas de usuários inesperadas. Os Data Marts podem ser vinculados usando-se técnicas de interligação quando suas dimensões estão em conformidade. Dizemos que esses Data Marts estão conectados ao barramento do Data Warehouse bus. Em sua forma mais simples, um Data Mart representa dados de um único processo de negócio. Cubos: Nome de uma estrutura dimensional em uma plataforma de banco de dados de processamento analítico on-line (OLAP) ou multidimensional. Consultas ad-hoc: são consultas com acesso casual único e tratamento dos dados segundo parâmetros nunca antes utilizado, geralmente executado de forma interativa e heurística, ou seja, o usuário gerar consultas de acordo com suas necessidades de cruzar as informações de uma forma não vista e com métodos o levem a descoberta daquilo que procura. Drill-through: é o termo usado para descrever o ato de explorar itens. Geralmente associado com drill-down e drill-up que são movimentos verticais entre componentes, drill-through é a ação na qual ocorre o movimento horizontal entre dois itens relacionados, por exemplo no caso de dois relatórios, um consolidado e o outro detalhado, ao clicar em um item do relatório consolidado você poderá ver o relatório detalhado nos itens correspondentes ou ainda, ao clicar um item do relatório detalhado você poderá ver o relatório consolidado. Modelagem Dimensional: metodologia que permite modelar logicamente dados para melhorar o desempenho de consultas e prover facilidade de utilização a partir de um conjunto de eventos básicos de medição. No ambiente DBMS relacional, normalmente uma tabela de fatos é construída com um registro para cada medida distinta. Essa tabela de fato é então envolvida por um conjunto de tabelas de dimensão que descrevem precisamente o que é conhecido no contexto de cada registro de medição. Devido à estrutura característica de um modelo dimensional, normalmente 17

18 ele é denominado esquema em estrela. Os modelos dimensionais mostraram ser compreensíveis, previsíveis e ampliáveis. Os modelos dimensionais são a base de muitos aprimoramentos de desempenho DBMS, inclusive agregações e métodos de indexação avançados. Também são a base do desenvolvimento incremental e distribuído do data warehouse através do uso de dimensões em conformidade e a base lógica de todos os sistemas OLAP. ETL: ETL, do inglês Extract Transform Load (Extração, Transformação e Carga), é o processo de extrair dados das fontes necessárias, as quais podem incluir sistemas, aplicações, bancos de dados ou arquivos de vários formatos, transformá-los de alguma forma e inseri-los em outro banco de dados especial, o Data warehouse (DW). A transformação pode ser uma limpeza dos dados, alteração de acordo com regras de negócios, tradução etc. 14. Parecer Técnico CTTI A Comissão Técnica de Tecnologia da Informação - CTTI, criada pela Portaria n.º 359/2006, manifesta-se DE ACORDO quanto ao Projeto Básico apresentado neste documento. Aprovação da CTTI Data Assinatura Coordenador de Infra-estrutura Cristiano Moreira Andrade Coordenador de Soluções Corporativas José Antônio Viademonte Neto Coordenador de Sistemas Eleitorais José de Melo Cruz Coordenador de Logística Rafael Fernandes de Barros Costa Azevedo Assessor de Planejamento e Gestão Elmano Amâncio de Sá Alves 15. Parecer Técnico Secretário de Tecnologia da Informação De acordo com a aprovação da Comissão Técnica de Tecnologia da Informação - CTTI, APROVO o Projeto Básico apresentado neste documento. Aprovação da STI Data Assinatura Secretário de Tecnologia da Informação Giuseppe Dutra Janino 18

Curso Data warehouse e Business Intelligence

Curso Data warehouse e Business Intelligence Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Apresentação Os projetos de Data Warehouse e Business Intelligence são dos mais interessantes e complexos de desenvolver

Leia mais

Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura

Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Apresentação Os projetos de Data Warehouse e Business Intelligence são dos mais interessantes e complexos de desenvolver

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO OEI/TOR/FNDE/CGETI

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE 1. OBJETO 1.1. Contratação de empresa especializada na construção de Data Warehouse/Data Marts, culminando na criação do SIS - Sistema de Informação

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO IV PROJETO BÁSICO: PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS. Sumário

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO IV PROJETO BÁSICO: PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS. Sumário CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO IV PROJETO BÁSICO: PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS Sumário 1. DIRETRIZES PARA O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE APLICATIVOS...172 1.1. INTRODUÇÃO...172

Leia mais

Uma peça estratégica para o seu negócio

Uma peça estratégica para o seu negócio Uma peça estratégica para o seu negócio INFORMAÇÃO GERAL DA EMPRESA CASO DE SUCESSO EM IMPLEMENTAÇÃO BI PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundada em 1997, Habber Tec é uma empresa especializada na oferta de soluções

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.1 Armazenamento... 5 4.2 Modelagem... 6 4.3 Metadado... 6 4.4

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - TR

TERMO DE REFERÊNCIA - TR TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 014/2009 ANEXO II 1. OBJETO 1.1. Prestação de serviços de suporte técnico assistido ao PRODERJ, sob demanda, para o desenvolvimento e implantação de soluções

Leia mais

Data Warehousing Visão Geral do Processo

Data Warehousing Visão Geral do Processo Data Warehousing Visão Geral do Processo Organizações continuamente coletam dados, informações e conhecimento em níveis cada vez maiores,, e os armazenam em sistemas informatizados O número de usuários

Leia mais

2.2 - Prestação de Serviços de Suporte Técnico Assistido

2.2 - Prestação de Serviços de Suporte Técnico Assistido Anexo I TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 010/2011 1 DO OBJETO 1.1 - Contratação de empresa para o fornecimento de licenças de uso de software SAP, BusinessObjects Enterprise - BOE, com manutenção

Leia mais

Business Intelligence

Business Intelligence 1/ 24 Business Intelligence Felipe Ferreira 1 Nossa empresa Jornal O Globo Jornais Populares Parcerias Grupo Folha Grupo Estado 2 1 Fundada em 1925 3100 funcionários 2 Parques Gráficos e SP Globo: 220

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO OEI/TOR/FNDE/CGETI

Leia mais

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Título do Projeto Fortalecimento do Controle de Precursores Químicos

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Título do Projeto Fortalecimento do Controle de Precursores Químicos Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD TERMO DE REFERÊNCIA 1. Título do Projeto Fortalecimento do Controle de Precursores Químicos 2. Número do Projeto UNODC/AD/BRA/98/D33 3. Objetivo Contratação

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

Business Intelligence. BI CEOsoftware Partner YellowFin

Business Intelligence. BI CEOsoftware Partner YellowFin Business Intelligence BI CEOsoftware Partner YellowFin O que é Business Intelligence Business Intelligence (BI) é a utilização de uma série de ferramentas para coletar, analisar e extrair informações,

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto Nº do Termo de Referência no Plano de Aquisições: 2 B 4 Acordo

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

Business Intelligence e ferramentas de suporte

Business Intelligence e ferramentas de suporte O modelo apresentado na figura procura enfatizar dois aspectos: o primeiro é sobre os aplicativos que cobrem os sistemas que são executados baseados no conhecimento do negócio; sendo assim, o SCM faz o

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL Nº 62/2015 O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL - DEPARTAMENTO NACIONAL -

EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL Nº 62/2015 O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL - DEPARTAMENTO NACIONAL - EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL Nº 62/2015 Processo-PRO - 14193/2015 SC 021972 Tipo: Menor Preço Global Abertura: 30/7/2015 Horário: 10h Local: SBN, Quadra 1, Bloco C, Edifício Roberto Simonsen,

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado DW OLAP BI Ilka Kawashita Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Sumário OLAP Data Warehouse (DW/ETL) Modelagem Multidimensional Data Mining BI - Business

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO Nº XXXXXXX

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO Nº XXXXXXX < Nome do órgão/entidade> TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO Nº XXXXXXX Página 1 de 6 1. DO OBJETO (Informar o que essencialmente você pretende adquirir. Ainda não é o detalhamento da configuração). Ex.: Aquisição

Leia mais

Aplicação de Data Warehousing no Cadastro de Ficha Limpa do TSE

Aplicação de Data Warehousing no Cadastro de Ficha Limpa do TSE Aplicação de Data Warehousing no Cadastro de Ficha Limpa do TSE Mateus Ferreira Silva, Luís Gustavo Corrêa Lira, Marcelo Fernandes Antunes, Tatiana Escovedo, Rubens N. Melo mateusferreiras@gmail.com, gustavolira@ymail.com,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TÍTULO: Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD. GECOQ Gerência de Controle e Qualidade 1/9

TERMO DE REFERÊNCIA TÍTULO: Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD. GECOQ Gerência de Controle e Qualidade 1/9 TÍTULO: ASSUNTO: GESTOR: TERMO DE REFERÊNCIA Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD DITEC/GECOQ Gerência de Controle e Qualidade ELABORAÇÃO: PERÍODO: GECOQ Gerência de Controle e

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO DW NA ANVISA

IMPLANTAÇÃO DO DW NA ANVISA IMPLANTAÇÃO DO DW NA ANVISA Bruno Nascimento de Ávila 1 Rodrigo Vitorino Moravia 2 Maria Renata Furtado 3 Viviane Rodrigues Silva 4 RESUMO A tecnologia de Business Intelligenge (BI) ou Inteligência de

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO Analista Desenvolvedor de ETL OEI/TOR/FNDE/CGETI Nº /09

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 016/2008

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 016/2008 CENTRO DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 016/2008 Anexo II 1 DO OBJETO 1.1 - Prestação de serviços de suporte técnico assistido

Leia mais

Minuta de Contrato Administrativo n. ***/2013 CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO:

Minuta de Contrato Administrativo n. ***/2013 CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO: Minuta de Contrato Administrativo n. ***/2013 Compromisso celebrado entre [nome da CONTRATANTE], localizada à [inserir endereço completo], inscrita no [caso Administração indireta inserir número do CNPJ],

Leia mais

Business Intelligence para Computação TítuloForense. Tiago Schettini Batista

Business Intelligence para Computação TítuloForense. Tiago Schettini Batista Business Intelligence para Computação TítuloForense Tiago Schettini Batista Agenda Empresa; Crescimento de Dados; Business Intelligence; Exemplos (CGU, B2T) A empresa Empresa fundada em 2003 especializada

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE Fabio Favaretto Professor adjunto - Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

ANEXO III DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA

ANEXO III DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC 001/2007 1 ANEXO III DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA ESTABELECE, RESPONSABILIDADES DIVERSAS, TIPOS E HORÁRIO DE COBERTURA DE SUPORTE, E DEMAIS RESPONSABILIDADES DA CONTRATADA RELATIVAS

Leia mais

ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO ELETRÔNICO Nº 11/2014 PROCESSO Nº 000604-09.00/14-1 MENOR PREÇO GLOBAL

ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO ELETRÔNICO Nº 11/2014 PROCESSO Nº 000604-09.00/14-1 MENOR PREÇO GLOBAL ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO ELETRÔNICO Nº 11/2014 PROCESSO Nº 000604-09.00/14-1 MENOR PREÇO GLOBAL 1. OBJETO 1.1. Contratação de até 2.880 horas de consultoria em desenvolvimento de aplicações

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO E SUPORTE DO LICENCIAMENTO ATLASSIAN JIRA

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO E SUPORTE DO LICENCIAMENTO ATLASSIAN JIRA TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO E SUPORTE DO LICENCIAMENTO ATLASSIAN JIRA Outubro de 2013 1 1 OBJETO Prestação de Serviço de Manutenção da licença

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

Contrato Comercial. Objetivo: Setup - Plataforma de E-commerce. Cliente... : Aos cuidados de... : Data de Emissão...

Contrato Comercial. Objetivo: Setup - Plataforma de E-commerce. Cliente... : Aos cuidados de... : Data de Emissão... Contrato Comercial Objetivo: Setup - Plataforma de E-commerce Cliente... : Aos cuidados de... : Data de Emissão... : Emitido por: 0 Contrato Comercial Pelo presente instrumento, firma-se o acordo comercial

Leia mais

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3.

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3. Sumário Data Warehouse Modelagem Multidimensional. Data Mining BI - Business Inteligence. 1 2 Introdução Aplicações do negócio: constituem as aplicações que dão suporte ao dia a dia do negócio da empresa,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA FIP - Nº

TERMO DE REFERÊNCIA FIP - Nº 1 TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA FIP - Nº 02/2014 2 Equipe FIP- Programa Minas sem Lixões (MSL) - Termo de Parceria 022/2008 Coordenação Geral Magda Pires de Oliveira e Silva Coordenação Técnica

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto Nº do Termo de Referência no Plano de Aquisições: 2 B 5 Acordo

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO XVII MODELOS DE DECLARAÇÕES E ATESTADOS MODELO 01 DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE ESTRUTURA

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO XVII MODELOS DE DECLARAÇÕES E ATESTADOS MODELO 01 DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE ESTRUTURA CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO XVII MODELOS DE DECLARAÇÕES E ATESTADOS MODELO 01 DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE ESTRUTURA Referência: CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 - BNDES Data: / / Licitante: CNPJ:

Leia mais

Uma aplicação de Data Warehouse para apoiar negócios

Uma aplicação de Data Warehouse para apoiar negócios Uma aplicação de Data Warehouse para apoiar negócios André Vinicius Gouvêa Monteiro Marcos Paulo Oliveira Pinto Rosa Maria E. Moreira da Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ IME - Dept

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Documentação significa as especificações, a documentação do usuário, os manuais e os guias técnicos entregues com o software da CA.

Documentação significa as especificações, a documentação do usuário, os manuais e os guias técnicos entregues com o software da CA. Política e Termos de Suporte da CA 1. Visão Geral O Suporte para softwares da CA consiste em assistência operacional e suporte técnico oferecidos pela CA, a seu critério razoável, durante o prazo estabelecido

Leia mais

Integração Access-Excel para produzir um sistema de apoio a decisão que simula um Data Warehouse e OLAP

Integração Access-Excel para produzir um sistema de apoio a decisão que simula um Data Warehouse e OLAP Integração Access-Excel para produzir um sistema de apoio a decisão que simula um Data Warehouse e OLAP Wílson Luiz Vinci (Faculdades IPEP) wilson@cnptia.embrapa.br Marcelo Gonçalves Narciso (Embrapa Informática

Leia mais

EMPRESA DE PROCESSAMENTO DE DADOS DO ESTADO DO PARÁ DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CATÁLOGO DE SERVIÇOS

EMPRESA DE PROCESSAMENTO DE DADOS DO ESTADO DO PARÁ DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CATÁLOGO DE SERVIÇOS EMPRESA DE PROCESSAMENTO DE DADOS DO ESTADO DO PARÁ DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CATÁLOGO DE SERVIÇOS 1. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Consiste no conjunto de atividades descritas no PPDS Processo

Leia mais

PROPOSTA DE UMA ARQUITETURA PARA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE PARA GESTÃO DA SAÚDE PÚBLICA DE UM MUNICÍPIO DO VALE DO ITAJAÍ

PROPOSTA DE UMA ARQUITETURA PARA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE PARA GESTÃO DA SAÚDE PÚBLICA DE UM MUNICÍPIO DO VALE DO ITAJAÍ PROPOSTA DE UMA ARQUITETURA PARA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE PARA GESTÃO DA SAÚDE PÚBLICA DE UM MUNICÍPIO DO VALE DO ITAJAÍ Renan Felipe dos Santos Prof. Alexander Roberto Valdameri,Orientador ROTEIRO

Leia mais

ANEXO II - Especificações Técnicas

ANEXO II - Especificações Técnicas ANEXO II - Especificações Técnicas Índice 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESCOPO... 24 1.1 OBJETIVO DESTE DOCUMENTO... 24 1.2 CARACTERÍSTICAS DAS SOLUÇÕES SAGER E SAAT... 24 1.3 COMPONENTES DO PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Módulo Imobiliária. Proposta comercial

Módulo Imobiliária. Proposta comercial Módulo Imobiliária Proposta comercial Data: 24/10/2012 Página 1/6 Índice 1 Apresentação... 3 2 O Projeto... 3 3 Desenvolvimento do projeto... 4 4 Âmbito de intervenção do cliente... 4 5 Compromissos da

Leia mais

Chapter 3. Análise de Negócios e Visualização de Dados

Chapter 3. Análise de Negócios e Visualização de Dados Chapter 3 Análise de Negócios e Visualização de Dados Objetivos de Aprendizado Descrever a análise de negócios (BA) e sua importância par as organizações Listar e descrever brevemente os principais métodos

Leia mais

Processo Nº 25545/2014 RESPOSTAS A QUESTIONAMENTOS

Processo Nº 25545/2014 RESPOSTAS A QUESTIONAMENTOS Processo Nº 25545/2014 RESPOSTAS A QUESTIONAMENTOS Brasília/DF, 18 de junho de 2014. Objeto Consultoria para desenvolvimento de metodologias e sistemáticas de inteligência para acompanhamento das famílias

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação BI Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Faculdade de Computação Instituto

Leia mais

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI),

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), BUSINESS INTELLIGENCE (BI) O termo Business Intelligence (BI), popularizado por Howard Dresner do Gartner Group, é utilizado para definir sistemas orientados

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Implantação de solução de armazém de dados, denominada SIJUD Sistema de Informações Estratégicas do Judiciário, seguindo os conceitos estabelecidos para esse tipo

Leia mais

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª REGIÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - SETI Versão 1.0 MANAUS-AM (2010) MDS Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS DE SUPORTE TÉCNICO EM SISTEMA DE COLABORAÇÃO ZIMBRA 1. OBJETO

TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS DE SUPORTE TÉCNICO EM SISTEMA DE COLABORAÇÃO ZIMBRA 1. OBJETO TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS DE SUPORTE TÉCNICO EM SISTEMA DE COLABORAÇÃO ZIMBRA 1. OBJETO 1.1. Prestação de serviços de suporte técnico em sistema de colaboração ZIMBRA. 2. DESCRIÇÃO GERAL DOS SERVIÇOS

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Exercícios OLAP - CESPE Material preparado: Prof. Marcio Vitorino OLAP Material preparado: Prof. Marcio Vitorino Soluções MOLAP promovem maior independência de fornecedores de SGBDs

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP.

DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP. DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP. Eduardo Cristovo de Freitas Aguiar (PIBIC/CNPq), André Luís Andrade

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL - TSE SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - STI ESCRITÓRIO DE PROJETOS EP PROJETO BÁSICO

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL - TSE SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - STI ESCRITÓRIO DE PROJETOS EP PROJETO BÁSICO PROJETO BÁSICO 1. OBJETO Contratação de serviços de atualização da Ferramenta Corporativa de Antivírus atualmente instalada na plataforma da Justiça Eleitoral, com 27.182 licenças para microcomputadores.

Leia mais

Palavras-chave: On-line Analytical Processing, Data Warehouse, Web mining.

Palavras-chave: On-line Analytical Processing, Data Warehouse, Web mining. BUSINESS INTELLIGENCE COM DADOS EXTRAÍDOS DO FACEBOOK UTILIZANDO A SUÍTE PENTAHO Francy H. Silva de Almeida 1 ; Maycon Henrique Trindade 2 ; Everton Castelão Tetila 3 UFGD/FACET Caixa Postal 364, 79.804-970

Leia mais

Esri Maps para Inteligência de Negócios Conceitos e Produtos Esri. Rodrigo Barrionuevo

Esri Maps para Inteligência de Negócios Conceitos e Produtos Esri. Rodrigo Barrionuevo Esri Maps para Inteligência de Negócios Conceitos e Produtos Esri Rodrigo Barrionuevo O que é Business Intelligence? Plataforma apoio a decisão Online Analytic Process OLAP Reporting & Ad Hoc Query Business

Leia mais

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazem uso de acontecimentos e sistemas e apoiam a tomada de decisões. Utilização de várias fontes de informação para se definir estratégias de competividade

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº. 004/2014. Respostas às Dúvidas e Sugestões

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº. 004/2014. Respostas às Dúvidas e Sugestões AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº. 004/2014 Respostas às Dúvidas e Sugestões Referência: Considerações apresentadas pela empresa xxx 1) Questões do Lote 01: 1.1 - Dúvidas 1.1.1 - Haja vista a lista apresentada no Catálogo

Leia mais

Projeto Básico - Prestação de Serviços

Projeto Básico - Prestação de Serviços Diretoria de Tecnologia Gerência de Fornecimento de TI Projeto Básico - Prestação de Serviços 1. Objeto: 1.1 Contratação de empresa para prestação de serviços especializados de escuta de gravações e monitoração

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Versão 2.0 Escritório de Gerenciamento de Projetos - EGP Superintendência da Gestão Técnica da Informação SGI Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos sistemas e demais aplicações informatizadas do TJAC.

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos sistemas e demais aplicações informatizadas do TJAC. Código: MAP-DITEC-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Sistemas Aprovado por: Diretoria de Tecnologia da Informação 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento

Leia mais

Aplicando Técnicas de Business Intelligence sobre dados de desempenho Acadêmico: Um estudo de caso

Aplicando Técnicas de Business Intelligence sobre dados de desempenho Acadêmico: Um estudo de caso Aplicando Técnicas de Business Intelligence sobre dados de desempenho Acadêmico: Um estudo de caso Ana Magela Rodriguez Almeida 1, Sandro da Silva Camargo 1 1 Curso Engenharia de Computação Universidade

Leia mais

Data Warehouses. Alunos: Diego Antônio Cotta Silveira Filipe Augusto Rodrigues Nepomuceno Marcos Bastos Silva Roger Rezende Ribeiro Santos

Data Warehouses. Alunos: Diego Antônio Cotta Silveira Filipe Augusto Rodrigues Nepomuceno Marcos Bastos Silva Roger Rezende Ribeiro Santos Data Warehouses Alunos: Diego Antônio Cotta Silveira Filipe Augusto Rodrigues Nepomuceno Marcos Bastos Silva Roger Rezende Ribeiro Santos Conceitos Básicos Data Warehouse(DW) Banco de Dados voltado para

Leia mais

Unidade: Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional - PRDI Nº: MANUAL DE PROCEDIMENTOS. TÍTULO: Modelar Processos 1/17

Unidade: Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional - PRDI Nº: MANUAL DE PROCEDIMENTOS. TÍTULO: Modelar Processos 1/17 1/17 ESTA FOLHA ÍNDICE INDICA EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA NA EMISSÃO CITADA R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 FL. FL. 01 X 26 02 X 27 03 X 28 04 X 29 05 X 30 06 X

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

1. Descrição dos Serviços de Implantação da SOLUÇÃO

1. Descrição dos Serviços de Implantação da SOLUÇÃO Este documento descreve os serviços que devem ser realizados para a Implantação da Solução de CRM (Customer Relationship Management), doravante chamada SOLUÇÃO, nos ambientes computacionais de testes,

Leia mais

Por meio deste, aditamos o seguinte: ( 01 ) Ficam retiradas do Edital as seguintes exigências:

Por meio deste, aditamos o seguinte: ( 01 ) Ficam retiradas do Edital as seguintes exigências: Aditamento nº 01 Pregão Eletrônico nº 12/08117 Objeto Data 19/12/2012 ADM. CENTRAL - Aquisição de appliance de Data Warehouse e licença de uso de uma solução de ETL, licença de uso de uma solução de BI

Leia mais

Módulo 2. Definindo Soluções OLAP

Módulo 2. Definindo Soluções OLAP Módulo 2. Definindo Soluções OLAP Objetivos Ao finalizar este módulo o participante: Recordará os conceitos básicos de um sistema OLTP com seus exemplos. Compreenderá as características de um Data Warehouse

Leia mais

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo ANEXO VII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 033/2015 Termo de Referência 1. OBJETO Renovação de licenças de Solução Corporativa do Antivírus Avast, com serviço de suporte técnico e atualização de versão, manutenção

Leia mais

Ref: Edital da Concorrência nº. 01/2009. termos do edital, pelas razões a seguir: 1º PEDIDO DE ESCLARECIMENTO:

Ref: Edital da Concorrência nº. 01/2009. termos do edital, pelas razões a seguir: 1º PEDIDO DE ESCLARECIMENTO: Ref: Edital da Concorrência nº. 01/2009 Empresa interessada no certame solicitou PEDIDO DE ESCLLARECI IMENTTO,, aos termos do edital, pelas razões a seguir: 1º PEDIDO DE ESCLARECIMENTO: 1) Com relação

Leia mais

Percio Alexandre de Oliveira Prof. Maurício Capobianco Lopes - Orientador

Percio Alexandre de Oliveira Prof. Maurício Capobianco Lopes - Orientador Percio Alexandre de Oliveira Prof. Maurício Capobianco Lopes - Orientador Índice Introdução Objetivos Data Warehouse Estrutura Interna Características Principais elementos: ETC, Metadados e Modelagem Dimensional

Leia mais

Cláudia Araújo Coordenadora Diego Macêdo Programador Marcelo Rodrigues Suporte

Cláudia Araújo Coordenadora Diego Macêdo Programador Marcelo Rodrigues Suporte BCON Sistema de Controle de Vendas e Estoque Declaração de escopo Versão 1.0 Histórico de Revisão Elaborado por: Filipe de Almeida do Amaral Versão 1.0 Aprovado por: Marcelo Persegona 22/03/2011 Time da

Leia mais

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI)

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI) Uma estrutura conceitural para suporteà decisão que combina arquitetura, bancos de dados (ou data warehouse), ferramentas analíticas e aplicações Principais objetivos: Permitir o acesso interativo aos

Leia mais

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Agenda Introdução Contexto corporativo Agenda Introdução Contexto corporativo Introdução O conceito de Data Warehouse surgiu da necessidade de integrar dados corporativos

Leia mais

A importância da. nas Organizações de Saúde

A importância da. nas Organizações de Saúde A importância da Gestão por Informações nas Organizações de Saúde Jorge Antônio Pinheiro Machado Filho Consultor de Negócios www.bmpro.com.br jorge@bmpro.com.br 1. Situação nas Empresas 2. A Importância

Leia mais

Uma Ferramenta Web para BI focada no Gestor de Informação

Uma Ferramenta Web para BI focada no Gestor de Informação Uma Ferramenta Web para BI focada no Gestor de Informação Mikael de Souza Fernandes 1, Gustavo Zanini Kantorski 12 mikael@cpd.ufsm.br, gustavoz@cpd.ufsm.br 1 Curso de Sistemas de Informação, Universidade

Leia mais

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE Engenharia de Computação Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto OLPT x OLAP Roteiro OLTP Datawarehouse OLAP Operações OLAP Exemplo com Mondrian e Jpivot

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Coordenadoria de Tecnologia da Informação Documentos Formais Processo de Desenvolvimento de Software Sumário 1 Introdução... 03 2 Políticas do Documento de Processo de Desenvolvimento de Software... 04

Leia mais

PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015.

PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015. Atualiza o macroprocesso da fase de Gestão de Contratos de Tecnologia da Informação e Comunicações, instituído no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da

Leia mais

PESQUISA DE PREÇOS 01/2014

PESQUISA DE PREÇOS 01/2014 PESQUISA DE PREÇOS 01/2014 Considerando a necessidade de aquisição de software integrado de gestão, para atender as necessidades desta Prefeitura Municipal de Porto Alegre, solicitamos que as empresas

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Contratação de empresa para prestação de serviços de treinamento em Information Technology Infrastructure Library (ITIL)V3.

TERMO DE REFERÊNCIA. Contratação de empresa para prestação de serviços de treinamento em Information Technology Infrastructure Library (ITIL)V3. TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de empresa para prestação de serviços de treinamento em 1. OBJETO Contratação de empresa para prestação de serviços de treinamento em conceitos da biblioteca ITIL V3 - Infrastructure

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago DATA WAREHOUSE Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago Roteiro Introdução Aplicações Arquitetura Características Desenvolvimento Estudo de Caso Conclusão Introdução O conceito de "data warehousing" data

Leia mais

Analysis Services. Manual Básico

Analysis Services. Manual Básico Analysis Services Manual Básico Construindo um Banco de Dados OLAP... 2 Criando a origem de dados... 3 Definindo as dimensões... 5 Níveis de dimensão e membros... 8 Construindo o cubo... 11 Tabela de fatos...12

Leia mais

Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse

Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse Alcione Benacchio (UFPR) E mail: alcione@inf.ufpr.br Maria Salete Marcon Gomes Vaz (UEPG, UFPR) E mail: salete@uepg.br Resumo: O ambiente de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence.

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence. Tópicos Avançados Business Intelligence Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence Roteiro Introdução Níveis organizacionais na empresa Visão Geral das

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOLUÇÃO INTEGRADA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS PARA O ESTADO DE MINAS GERAIS PREGÃO ELETRÔNICO N 1501122000006/2014

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOLUÇÃO INTEGRADA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS PARA O ESTADO DE MINAS GERAIS PREGÃO ELETRÔNICO N 1501122000006/2014 GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS PERGUNTAS E RESPOSTAS SOLUÇÃO INTEGRADA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS PARA O ESTADO DE MINAS GERAIS PREGÃO ELETRÔNICO N 1501122000006/2014 PERGUNTAS 01 - SMEPN - Modelagem

Leia mais