18. Qualidade de Dados em Data Warehouse - Objetivos e Sucesso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "18. Qualidade de Dados em Data Warehouse - Objetivos e Sucesso"

Transcrição

1 18. Qualidade de Dados em Data Warehouse - Objetivos e Sucesso Uma das características das Ciências Exatas é a precisão das informações obtidas; a segurança dos dados extraídos nos processos usados. Cálculos físicos e matemáticos nos dão retornos numéricos precisos. Usando-se fórmulas físicas e matemáticas, espera-se exatidão nos resultados de problemas. Através de procedimentos químicos, pode-se mensurar o tempo de reação dos componentes e realizar previsões sobre os resultados que poderão ser alcançados. Essa característica tem razão de ser. As ciências, além de terem seus conceitos básicos bem sedimentados, possuem métricas; unidades de medidas que padronizam seu campo de atuação. A métrica é que fornece o sentido de exatidão. Contudo, para se ter o conceito de Ciência Exata, não basta apenas estabelecer uma unidade de medida, é preciso também que se tenha um método de medição, um processo de se mensurar de forma segura. A preocupação com a melhoria dos processos sempre existiu. A busca por produtividade e qualidade, porém, está pressionando os envolvidos na produção a atingirem excelência em seus produtos e serviços. Através de metodologias e técnicas, são implantados programas de qualidade/ produtividade para se atingir o objetivo. Um problema enfrentado pela área de TI, ainda hoje, é o pouco uso de metodologias e técnicas no desenvolvimento. No caso de um Data Warehouse, o qual é muito mais que um sistema, mas um ambiente complexo envolvendo vários componentes o problema de se medir qualidade é bem mais difícil, sobretudo, quando a qualidade dos processos está ligada à qualidade dos resultados obtidos. Um ambiente de Data Warehouse é responsável pela disseminação do conhecimento do negócio, criando assim, inteligência competitiva para a mesma. Com isso, a introdução de medidas de qualidade torna-se imprescindível. A implantação de um processo de qualidade em Data Warehouse deve cobrir todas as fases, desde o levantamento dos requisitos,o mapeamento dos campos oriundos dos legados, o desenvolvimento do ETL (Extraction, Transformation and Load), a criação de um modelo multidimensional corporativo, a disposição das informações através de ferramentas OLAP, até a validação dos dados apresentados. Contudo, sem o emprego de metodologias de qualidade e sem o uso de métricas, não podemos estimar os custos de desenvolvimento, estabelecer previsões de entrega, mensurar o esforço de implementação e não podemos realizar um acompanhamento qualitativo da produção, vital para um Data

2 Warehouse já que é um ambiente em constante evolução. Segundo David Card, um programa de métricas deve estar focado em duas questões: quais dados devem ser coletados e o que fazer com eles. Uma vez equacionadas estas questões, um programa de qualidade e de estabelecimento de métricas, deve seguir alguns passos básicos, como definir o objeto da medição, identificar os atributos a serem medidos, especificar o uso dos resultados, coletar os dados, seguindo os passos anteriores, e verificar e modificar o modelo, baseado na análise e experiência de aplicações com os dados coletados. Entretanto, o uso de uma metodologia para implantação de um programa de qualidade não modifica os modelos existentes, nem tampouco os processos, apenas nos auxiliam na gerência do Data Warehouse, fornecendo informações que darão base para a tomada de decisões para os rumos do projeto. Deve ficar claro que métricas não substituem bons métodos, apenas podem nos ajudar a assegurar bons projetos e processos de desenvolvimento eficientes. Um dos principais objetivos de um Data Warehouse é eliminar problemas relativos ao negócio da corporação como, perda de receita, altos custos de produção, incapacidade de manter seus clientes fiéis, perda de market share, dentre outros. Para realizar esse desejo, um projeto de Data Warehouse deve estabelecer alguns objetivos de curto e longo prazo. Os de curto prazo são relativos a cada iteração do Data Warehouse e beneficiam diretamente os usuários. Os de longo prazo são alcançados durante o tempo de vida do mesmo e a principal questão nesse sentido é alinhar os pontos focais do Data Warehouse às metas estratégicas da empresa. Para tanto, devemos responder as seguintes questões: quais são os principais problemas da empresa relativos ao negócio, os objetivos do Data Warehouse estão endereçados a esses problemas e, por último, como o Data Warehouse pode ajudar a eliminar tais problemas. Um dos objetivos é melhorar a qualidade dos dados, que é um problema sério em todas as grandes corporações, em especial, nos seus sistemas legados. De um lado, o Data Warehouse se propõe a fornecer dados limpos, integrados e consistentes, provenientes de fontes de dados heterogêneas. Por outro lado, temos o cronograma de implantação, que para grandes corporações, tem em média um tempo longo. É quase impossível alcançar ambos os objetivos sem assumir alguns compromissos de implantação. Faz parte desse compromisso um conjunto de procedimentos úteis, dentre os quais estão os exemplos abaixo. Nunca tente limpar todos os dados, apesar de querermos apresentar sempre dados perfeitamente limpos, não é objetivo do Data Warehouse corrigir os dados do legado e sim mostrar suas inconsistências, além do que, na maioria das vezes, o custo dessa

3 limpeza excessiva é muito alta em relação ao seu benefício. Em contra-partida, nunca limpe nenhum dado, uma vez que o processo de transformação no ETL deve garantir a integridade das informações e, para tanto, alguns dados necessitarão de higienização, além disso, o Data Warehouse se propõe a oferecer dados mais limpos que os oferecidos pelos sistemas legados. Determine os benefícios da limpeza dos dados, levantando questões referentes a disponibilização de relatórios ou visões incoerentes, e o motivo pelo qual eles se encontram assim, se por dados sujos ou erros nos processos. Analogamente, determine o custo da limpeza, analisando os prejuízos causados pelos dados sujos, o custo dos algoritmos para limpá-los, a inconsistência gerada entre os dados limpos no Data Warehouse e sujos no legado e o tratamento diferenciado a esses dados pelos diferentes sistemas da empresa, causando assim, incompatibilidade de conceitos. Compare então os custos da limpeza dos dados com relação aos benefícios que eles proporcionarão estando limpos e os prejuízos que trarão se permanecerem sujos. Priorize os dados sujos que são considerados como objetivo de limpeza pelo Data Warehouse e caso a lista de dados a serem limpos fique grande, priorize esta lista. Para cada dado sujo priorizado, avalie as chances de sucesso de sua limpeza, bem como o grau de dificuldade para limpá-lo. A higiene de dados é uma questão corporativa e, portanto, avalie a possibilidade de criar um projeto de limpeza de dados corporativo, estabelecendo regras únicas para a limpeza dos dados onde quer que eles se encontrem em relação aos sistemas legados e unificação dos conceitos relativos a eles. A criação de um repositório central traz benefícios significativos para a empresa, não só em relação à higiene dos dados, mas também na deduplicação das informações espalhadas pelos sistemas. Isso pode fazer com que os vários relacionamentos entre as entidades do modelo corporativo se tornem mais consistentes. A forma como os dados são disponibilizados também pode trazer inconsistências nos relatórios e nas visões do Data Warehouse. Portanto, certifique-se que os dados disponibilizados sejam os mesmos que representam os desejos do usuário. Não obstante, alguns dados podem ser incongruentes, e a regra de formação das métricas disponibilizadas pelo Data Warehouse deve ser validada com a área usuária, evitando assim, inconsistências na disseminação da inteligência do negócio da empresa. Todas as informações que possam possuir dados em disputa, ou seja, dados opositivos, devem ser identificadas e, então, deve ser estabelecido o custo de resolução dessa disputa na formação das métricas que irão para os relatórios e visões. No caso de uma lista de dados opositivos, priorize aqueles que obstruem o andamento do projeto. Uma maneira eficiente de evitar dualidades e desentendimentos

4 nos conceitos/ regras usados na formação das métricas dispostas pelo Data Warehouse é a criação de um metadados. O metadados deve prover informações a respeito das informações contidas no Data Warehouse, bem como as regras de negócio usadas para a composição das medidas e indicadores de performance. Essas informações devem ser compartilhadas pela equipe técnica e pelas áreas usuárias, compondo assim um metadados técnico e um de negócios. O metadados corporativo deve possuir acessibilidade e fácil navegação, ajudando a disseminar conhecimento por toda a corporação. Um ponto que pode afetar o nível de qualidade das informações é a integração das diversas fontes de dados que servem de insumo para o Data Warehouse. Cada uma dessas fontes possui, em seus arquivos ou tabelas, uma chave de identificação unívoca própria, e que deve de alguma forma estar associada às informações do Data Warehouse. Esse sincronismo é importante para garantir a consistência dos dados e deve ser realizado na etapa de ETL. Contudo, o Data Warehouse deve permanecer independente dos sistemas legados e, para tanto, é necessário criar-se chaves de identificação unívoca para o próprio Data Warehouse e essas chaves, chamadas de IDs, devem estar por sua vez associadas às chaves naturais dos sistemas legados, mantendo desta forma, o sincronismo já mencionado. Existem medidas de sucesso que devem ser estabelecidas para acompanhar o projeto de Data Warehouse em seu ciclo de vida. Esses indicadores ajudarão os gerentes de projeto a tomar decisões quanto ao direcionamento das manutenções corretivas e das evolutivas, dado que os mercados estão cada vez mais competitivos e a função do Data Warehouse é acompanhá-lo. Um dos primeiros indicadores a ser implantado é o grau de uso do Data Warehouse, verificando o número de usuários total que o acessam, o número de usuários concorrentes, a quantidade e o tipo das consultas e o montante de relatórios gerados. Essas medidas indicarão o caminho que o Data Warehouse deve seguir no seu ciclo de vida, indo de encontro às necessidades do usuário e estando sempre atualizado, no que refere à inteligência do negócio. O estabelecimento e o acompanhamento dessas métricas fará com que o Data Warehouse seja sempre útil ao usuário, permitindo que ele tome decisões de negócio baseado em dados consistentes, integrados e atuais. Assim, um outro indicador que se deve estabelecer é relativo aos prazos de entrega. Como um ambiente de Data Warehouse está em contínua evolução, retratando sempre um momento do mercado e não os perdendo, mantendo assim sua característica temporal as solicitações de mudança serão constantes e, por conseqüência, suas implementações deverão se dar em prazos factíveis, para que os usuários possam usufruir dessas evoluções em tempo hábil. Essas entregas devem se dar cumprindo os

5 orçamentos planejados, não onerando o projeto todo. A incorporação dessas métricas, seu acompanhamento e, sobretudo, o cumprimento das mesmas, fará com que o Data Warehouse seja um agente de mudanças nas estratégias de negócio da corporação, fazendo com que as oportunidades de mercado sejam aproveitadas nos momentos corretos, tornando as decisões gerenciais mais precisas. Como todo projeto, a implementação de um Data Warehouse possui alguns fatores críticos de sucesso e, dentre eles, os principais estão ligados ao relacionamento com os usuários. Assim, as expectativas dos clientes internos devem ser acompanhadas, através de um eficiente canal de comunicação entre a área de TI e as áreas usuárias. Com isso, os usuários devem ser envolvidos no processo de levantamento de requisitos, na elaboração das regras de negócio e na validação dos dados a serem apresentados pelo Data Warehouse. Entretanto, um dos maiores fatores críticos a ser superado é a escolha de um bom patrocinador. Este patrocinador fará com que a área usuária se torne parte integrante e atuante, dentro do processo do Data Warehousing. Citando outros fatores críticos de sucesso, esses mais intuitivos que os primeiros, existe a necessidade de capacitação da equipe, o estabelecimento de um cronograma factível, a escolha de ferramentas de software alinhadas com o parque de hardware, o controle do andamento do projeto, a unificação dos conceitos de negócio da empresa, o estabelecimento correto das regras de negócio, o treinamento apropriado dos usuários e, principalmente, a divulgação e disseminação da cultura relativa ao ambiente de Data Warehouse, sua potencialidade, seus objetivos e seus benefícios. Independente das metodologias disponíveis e das métricas que se possa implantar, Data Warehouse se trata de dados e, portanto, um programa de qualidade em Data Warehouse deve ser focado nos dados. O primeiro passo para se estabelecer um bom gerenciamento dos dados manipulados pelo Data Warehouse é entender o seu mapeamento com os sistemas legados, tentando desta forma, sanar o caos informacional que se dá nesses diferentes sistemas isoladamente, com estruturas distintas e bases heterogêneas. Esses diferentes sistemas fonte geram redundância de dados e, o que é pior, inconsistência. Uma das metodologias para resolver esse problema é a criação de uma área de staging centralizada, gerenciada e controlada pelos processos de ETL. Contudo, essa área deve estar intimamente relacionada a um modelo lógico de dados consistente e integrado. Esse modelo de dados fará a integração lógica entre as diversas fontes de informação e o processo de ETL garantirá a consistência dessa integração, através de um correto mapeamento para a extração, de um eficiente

6 conjunto de programas de conversão para a transformação dos dados e, por fim, da carga desses dados para o modelo físico. O segundo passo é o uso de ferramentas corretas para a disposição dos dados. Do modelo de dados para a entrega das informações, existe um novo processo de ETL, agregando, sumarizando e transformando-os, de acordo com as visões gerenciais pedidas pelos usuários. Sendo assim, as ferramentas OLAP usadas para a disseminação da inteligência do negócio devem proporcionar um correto entendimento das métricas e variáveis disponíveis. Pior do que não ter informação, é tê-la errada. Para melhorar a qualidade dos dados alguns pontos devem ser observados. Para um dado ser correto, seu valor deve estar inserido dentro de um domínio, discreto ou contínuo e, para tanto, o ETL deve possuir programas para a validação desses domínios. Um dado pode estar correto, porém, não acurado, isto é, pode estar dentro de um domínio esperado mas não ter significado válido. Portanto, pode-se estabelecer programas de análise de amostras para verificação da acuracidade das informações. Os dados devem ainda respeitar as regras de negócio estabelecidas para o Data Warehouse como, por exemplo, a data de desativação de um terminal não pode ser anterior a sua ativação. A verificação e validação desse tipo de informação, também pode estar contemplada no processo de ETL. Por fim, os dados devem ser completos, consistentes e integrados, fazendo com que as informações necessárias para as análises gerenciais estejam disponíveis e que os relacionamentos entre as diversas variáveis relacionadas às métricas estejam corretas. Uma vez que um conjunto de programas estejam prontos para validar os dados entrados no Data Warehouse, uma questão que se levanta é o que fazer com os dados incorretos. Devemos limpá-los ou não? Existem alguns tipos de sujeira que podem ser tratadas e algumas regras de cleasing devem ser estabelecidas. Os valores dummy inseridos em diversos sistemas legados podem ser tratados no ambiente do Data Warehouse. Situações como CPF igual à /99 podem ser convertidos em nulo ou em valores de domínio que identifiquem seu preenchimento incorreto, para que estas incorreções possam ser tratadas nos sistemas fonte. Analogamente, os valores missing prejudicam as análises gerenciais e a mineração dos dados, uma vez que as informações perdidas nos sistemas legados (como sexo, data de nascimento, profissão) são de extrema importância para a definição de modelos preditivos. Assim, deve-se analisar a possibilidade de derivação de dados a partir de outros como, por exemplo, o sexo definido a partir do nome. Dados criptografados também constituem um problema, uma vez que seus códigos sem significado claro podem mascarar informações importantes para o Data Warehouse. Nesse caso, os programas de ETL devem converter seus conteúdos em valores de domínio com significado

7 claro. Assim, todo projeto de Data Warehouse deve estabelecer alguns compromissos de qualidade para que sua implantação se torne um caso de sucesso, não apenas no uso de metodologias que incrementem qualidade no gerenciamento e na entrega dos dados, mas também, na definição e acompanhamento de indicadores de qualidade durante o ciclo de vida do projeto. Cada uma das fases do desenvolvimento deve estar inserida em um contexto de qualidade, como o ETL, no correto mapeamento dos dados e suas respectivas transformações, a criação de um modelo lógico de dados consistente e integrado e a entrega e distribuição das informações gerenciais. Autor: Carlos André Reis Pinheiro Biografia: Carlos André Reis Pinheiro é pós-graduado em Ciência da Computação pelo Instituto de Computação da UFF e autor do livro Aplicações de Banco de Dados em Delphi.

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

Business Intelligence para Computação TítuloForense. Tiago Schettini Batista

Business Intelligence para Computação TítuloForense. Tiago Schettini Batista Business Intelligence para Computação TítuloForense Tiago Schettini Batista Agenda Empresa; Crescimento de Dados; Business Intelligence; Exemplos (CGU, B2T) A empresa Empresa fundada em 2003 especializada

Leia mais

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES Janaína Schwarzrock jana_100ideia@hotmail.com Prof. Leonardo W. Sommariva RESUMO: Este artigo trata da importância da informação na hora da tomada de decisão,

Leia mais

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Agenda Introdução Contexto corporativo Agenda Introdução Contexto corporativo Introdução O conceito de Data Warehouse surgiu da necessidade de integrar dados corporativos

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

Gestão de TI. Aula 10 - Prof. Bruno Moreno 30/06/2011

Gestão de TI. Aula 10 - Prof. Bruno Moreno 30/06/2011 Gestão de TI Aula 10 - Prof. Bruno Moreno 30/06/2011 Aula passada... Gestão do Conhecimento 08:46 2 Aula de Hoje... BI Apresentação do artigo IT doesn t matter Debate 08:48 3 Caso da Toyota Toyota Motor

Leia mais

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI),

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), BUSINESS INTELLIGENCE (BI) O termo Business Intelligence (BI), popularizado por Howard Dresner do Gartner Group, é utilizado para definir sistemas orientados

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

UNG CIC Tópicos Especiais de TI. Aula 13

UNG CIC Tópicos Especiais de TI. Aula 13 Aula 13 1. Data Warehouse Armazém de Dados (Continuação) 1 Erros na implantação de um Data Warehouse Segundo o Data Warehousing Institute existem dez erros mais comuns na implantação de um Data Warehouse

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 3º PERÍODO - 5º MÓDULO AVALIAÇÃO MP1 DATA 05/03/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Implantação de solução de armazém de dados, denominada SIJUD Sistema de Informações Estratégicas do Judiciário, seguindo os conceitos estabelecidos para esse tipo

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Oficina 1 Análise sobre os PDTI s e alinhamento com Governança de TI (GRG e ATHIVA)

Oficina 1 Análise sobre os PDTI s e alinhamento com Governança de TI (GRG e ATHIVA) Projeto 1: Elaboração dos Planos Diretores de TI da Administração Pública de Pernambuco Projeto 2: Elaboração do Plano de Governo em TI Oficina 1 Análise sobre os PDTI s e alinhamento com Governança de

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS CICLO DE VIDA DE PROJETOS (viabilidade até a entrega / iniciação ao encerramento) RELEVÂNCIA SOBRE AS AREAS DE CONHECIMENTO FATORES IMPACTANTES EM PROJETOS

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE Fabio Favaretto Professor adjunto - Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 3º PERÍODO - 6º MÓDULO AVALIAÇÃO A3 DATA 09/07/2009 SISTEMAS EMPRESARIAIS Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA

Leia mais

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Residência em Arquitetura de Software Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Desenvolvimento 2008.2 Faculdade de Computação

Leia mais

Disciplina: Administração de Departamento de TI. Professor: Aldo Rocha. Aula III - 25/08/2011

Disciplina: Administração de Departamento de TI. Professor: Aldo Rocha. Aula III - 25/08/2011 Disciplina: Administração de Departamento de TI Professor: Aldo Rocha Aula III - 25/08/2011 ITIL 1.A Central de Serviços; 1.1 Necessidade da Central de Serviços; 1.2 Dilema do Suporte; 1.3 Evolução do

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Coordenadoria de Tecnologia da Informação. Documentos Formais. Governança de Auditoria Interna de TI com AGIL-GPR

Coordenadoria de Tecnologia da Informação. Documentos Formais. Governança de Auditoria Interna de TI com AGIL-GPR Coordenadoria de Tecnologia da Informação Documentos Formais Governança de Auditoria Interna de TI com AGIL-GPR NOV/2011 1 Sumário 1 Introdução... 03 2 Políticas de Governança de Auditoria Interna de TI...

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO 05.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE PORTFÓLIO CENÁRIO NEGATIVO DOS PORTFÓLIOS NAS ORGANIZAÇÕES GOVERNANÇA

Leia mais

Kimball University: As 10 Regras Essenciais para a Modelagem de Dados Dimensional

Kimball University: As 10 Regras Essenciais para a Modelagem de Dados Dimensional Kimball University: As 10 Regras Essenciais para a Modelagem de Dados Dimensional Margy Ross Presidente Kimball Group Maio de 2009, Intelligent Enterprise.com Tradução livre para a língua portuguesa por

Leia mais

Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação.

Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação. Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação. SoftExpert PLM Suite é uma solução que oferece os requisitos e as habilidades necessárias que as empresas precisam para gerenciar com êxito

Leia mais

Resultados da Pesquisa

Resultados da Pesquisa Resultados da Pesquisa 1. Estratégia de Mensuração 01 As organizações devem ter uma estratégia de mensuração formal e garantir que a mesma esteja alinhada com os objetivos da empresa. Assim, as iniciativas

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Desempenho da Fase Analítica. Fernando de Almeida Berlitz

Desempenho da Fase Analítica. Fernando de Almeida Berlitz Indicadores de Desempenho da Fase Analítica Fernando de Almeida Berlitz Ishikawa Estratégia e Medição PARA QUEM NÃO SABE PARA ONDE VAI, QUALQUER CAMINHO OS SERVE... Processos PROCESSOS Não existe um produto

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Integrando o PSM ao COBIT

Integrando o PSM ao COBIT Integrando o PSM ao COBIT Diana Baklizky, CFPS Qualified PSM Instructor ti MÉTRICAS Ltda www.metricas.com.br 1 Agenda Objetivo Governança de TI COBIT 4.1 Como o PSM pode ajudar Caso Prático Conclusão Referências

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial baseado em Data Warehouse aplicado a uma software house

Sistema de Informação Gerencial baseado em Data Warehouse aplicado a uma software house Universidade Regional de Blumenau Centro de Ciências Exatas e Naturais Curso de Sistemas de Informação (Bacharelado) Sistema de Informação Gerencial baseado em Data Warehouse aplicado a uma software house

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO OEI/TOR/FNDE/CGETI

Leia mais

Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse

Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse Alcione Benacchio (UFPR) E mail: alcione@inf.ufpr.br Maria Salete Marcon Gomes Vaz (UEPG, UFPR) E mail: salete@uepg.br Resumo: O ambiente de

Leia mais

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução Gestão do Conteúdo 1. Introdução Ser capaz de fornecer informações a qualquer momento, lugar ou através de qualquer método e ser capaz de fazê-lo de uma forma econômica e rápida está se tornando uma exigência

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Agência Nacional de Vigilância Sanitária Segurança da Informação (Gerenciamento de Acesso a Sistemas de Informação) Projeto a ser desenvolvido no âmbito da Gerência de Sistemas/GGTIN Brasília, junho de

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Você tem a organização de TI certa para suportar sua estratégia de negócio?

Você tem a organização de TI certa para suportar sua estratégia de negócio? Você tem a organização de TI certa para suportar sua estratégia de negócio? Jean-Claude Ramirez Vice-Presidente Gabriele Zuccarelli Manager A habilidade de uma empresa de alavancar o potencial da tecnologia

Leia mais

Consistência da Base Cadastral e Controle da Qualidade dos Dados de Faturamento

Consistência da Base Cadastral e Controle da Qualidade dos Dados de Faturamento XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Consistência da Base Cadastral e Controle da Qualidade dos Dados de Faturamento Carlos

Leia mais

Governança de TI. Focos: Altas doses de Negociação Educação dos dirigentes das áreas de negócios

Governança de TI. Focos: Altas doses de Negociação Educação dos dirigentes das áreas de negócios Governança de TI Parte 3 Modelo de Governança v2 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR Modelo de Governança de TI Modelo adaptação para qualquer tipo de organização Componentes do modelo construídos/adaptados

Leia mais

Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos)

Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos) Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos) SERPRO - Serviço Federal de Processamento de Dados Ministério da Fazenda Responsável: Adinilson Martins da Silva Técnico

Leia mais

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Laboratório de Tecnologia de Software LTS www.ufpa.br/lts Rede Paraense de Pesquisa em Tecnologias de Informação

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Tema: Apresentador: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Objetivo desta palestra será resolver as seguintes questões: Porque fazer um PDTI? Quais os benefícios

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.1 Armazenamento... 5 4.2 Modelagem... 6 4.3 Metadado... 6 4.4

Leia mais

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Balanced Scorecard. Da estratégia às ações do dia-a-dia

Balanced Scorecard. Da estratégia às ações do dia-a-dia Balanced Scorecard Da estratégia às ações do dia-a-dia Perspectivas Em se tratando de gerenciamento de desempenho, perspectivas são os grandes vetores debaixo dos quais são agrupados objetivos, indicadores

Leia mais

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação BI Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Faculdade de Computação Instituto

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

EVOLUÇÃO DE SOFTWARE

EVOLUÇÃO DE SOFTWARE EVOLUÇÃO DE SOFTWARE Dinâmica da evolução de programas Manutenção de software Processo de evolução Evolução de sistemas legados 1 Mudança de Software 2 Manutenção de software Mudança de software é inevitável

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto Nº do Termo de Referência no Plano de Aquisições: 2 B 4 Acordo

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

Garantia de Processo Leis de Lehman Manutenção de Softwares

Garantia de Processo Leis de Lehman Manutenção de Softwares Garantia de Processo Leis de Lehman Manutenção de Softwares Garantia de Processo Acidentes são eventos raros em sistemas críticos e pode ser impossível simulá-los durante testes de um sistema. Requisitos

Leia mais

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo Roteiro Introdução Sistemas de Informação - SI Executive Information

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

Tecnologia da Informac aõ como aliada. PETRUS, Abril 2014

Tecnologia da Informac aõ como aliada. PETRUS, Abril 2014 Tecnologia da Informac aõ como aliada PETRUS, Abril 2014 Evolução da TI 60 70 80 90 A Era do Processamento de Dados A Era dos Sistemas de Informações A Era da Inovação e Vantagem Competitiva A Era da Integração

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

FERRAMENTAS E INDICADORES DE DESEMPENHO

FERRAMENTAS E INDICADORES DE DESEMPENHO FERRAMENTAS E INDICADORES DE DESEMPENHO Mito ou Verdade? Tudo que é importante tem que ser medido Tudo que é medido deve ser gerenciado Tudo que é gerenciado pode ser melhorado Formas de representação

Leia mais

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados slide 1 1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Como um banco de dados

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO 1 ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO 2 INTRODUÇÃO A cada dia que passa, cresce a pressão pela liberação para uso de novas tecnologias disponibilizadas pela área de TI, sob o argumento

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES.

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 88 BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Andrios Robert Silva Pereira, Renato Zanutto

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Implantação de um Processo de Medições de Software

Implantação de um Processo de Medições de Software Departamento de Informática BFPUG Brazilian Function Point Users Group Implantação de um Processo de Medições de Software Claudia Hazan, MSc., CFPS claudinhah@yahoo.com Agenda Introdução Processo de Medições

Leia mais

AGENDA. O Portal Corporativo. Arquitetura da Informação. Metodologia de Levantamento. Instrumentos Utilizados. Ferramentas

AGENDA. O Portal Corporativo. Arquitetura da Informação. Metodologia de Levantamento. Instrumentos Utilizados. Ferramentas AGENDA O Portal Corporativo Arquitetura da Informação Metodologia de Levantamento Instrumentos Utilizados Ferramentas PORTAL CORPORATIVO Na sociedade da informação é cada vez mais presente a necessidade

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

A importância da. nas Organizações de Saúde

A importância da. nas Organizações de Saúde A importância da Gestão por Informações nas Organizações de Saúde Jorge Antônio Pinheiro Machado Filho Consultor de Negócios www.bmpro.com.br jorge@bmpro.com.br 1. Situação nas Empresas 2. A Importância

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Business Intelligence: Desafios e Melhores Práticas

Business Intelligence: Desafios e Melhores Práticas Sucesu RJ - IV Congresso de Inteligência Competitiva Business Intelligence: Desafios e Melhores Práticas Eugenio Pedrosa Petrobras Roteiro Arquitetura de BI Evolução da BI nas Empresas Corporate Performance

Leia mais

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos Plano de Testes Versão DeltaInfo Soluções para web Soluções para o mundo DeltaInfo 2 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autores

Leia mais

Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Castor

Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Castor Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Castor Slides elaborados por: Fernando Fonseca & Ana Carolina Salgado 1 Introdução Sistema de Informação (SI) Coleção de atividades que regulam o compartilhamento

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

IBM WebSphere DataStage

IBM WebSphere DataStage IBM WebSphere DataStage Os Desafios de Integração de Dados Integrar dados discrepantes entre aplicações e processos de negócio sempre foi uma tarefa difícil, e dado a explosão de dados que acontece na

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais