DIRETRIZES PARA ATIVIDADE FÍSICA: CRIANÇAS E ADOLESCENTES, ADULTOS E IDOSOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIRETRIZES PARA ATIVIDADE FÍSICA: CRIANÇAS E ADOLESCENTES, ADULTOS E IDOSOS"

Transcrição

1 UNIME UNIÃO METROPOLITANA DE EDUCAÇÃO DIRETRIZES PARA ATIVIDADE FÍSICA: CRIANÇAS E ADOLESCENTES, ADULTOS E IDOSOS Professora Dra Carmem Cristina Beck Professor Dr Francisco José Gondim Pitanga Salvador, setembro de 2014.

2 Diretrizes, recomendações de Atividade Física para crianças e adolescentes (Beck e Pitanga, 2014)

3

4 Crianças e adolescentes Até 1998 as recomendações de AF para crianças e adolescentes foram coerentes com as orientações para adultos. (Janssen, 2007)

5 Recomendações de AF para Crianças e adolescentes Foi somente em 1998 que um conjunto de orientações de atividade física foram desenvolvidas com base em estudos de crianças e jovens. (Beck e Pitanga, 2014) (Janssen, 2007)

6 Crianças e adolescentes A partir de 1998 as recomendações de AF para crianças e adolescentes passam a indicar em torno de 60 min/dia e reduzir o tempo de tela (< 2h/d) (Janssen, 2007)

7 Crianças e adolescentes (Beck e Pitanga, 2014) (Janssen, 2007)

8 Recomendações de AF para Crianças e adolescentes Os 300 minutos/atividade física moderada/vigorosa por semana. As orientações do Canadá são exclusivas porque não definem um tempo absoluto de AF, mas sim, sugerem uma progressão (início com 30 min ou mais por dia até chegar a 90 min ou mais no decurso dos meses); o mínimo de AF recomendado é, pelo menos, 50% que nas outras recomendações. Faixa etária restrita dos 6-14 anos. (Janssen, 2007) (Beck e Pitanga, 2014)

9 AF para Crianças e adolescentes Uma da grandes limitações na elaboração de diretrizes que indiquem o volume de atividade física adequado para a manutenção da saúde em populações jovens é a subestimação da atividade física por meio de medidas auto-relatadas. Estudos com acelerometria estão sendo conduzidos nos EUA e fornecerão informações mais fidedignas sobre a relação entre a atividade física e a saúde em crianças e adolescentes.. (Beck e Pitanga, 2014) (Janssen, 2007)

10 AF para Crianças e Adolescentes Estudos experimentais também são importantes porque determinam a relação causa-efeito. Estudos em todas as faixas etárias para determinar o volume necessário de atividade física para a saúde e o bem estar. Existe uma necessidade de estudos de intervenção que objetivem fazer alterações na atividade física ao longo do dia, e uma análise de como estas mudanças influência dos resultados em saúde. (Beck e Pitanga, 2014) (Janssen, 2007)

11 AF para Crianças e adolescentes Existe também a necessidade de investigações para determinar se o volume, a intensidade e o tipo de atividade física necessária para a saúde e o bem-estar de crianças e adolescentes saudáveis é apropriado para àquelas com doença (por exemplo, fibrose cística, leucemia, HIV+). (Janssen, 2007)

12 DIRETRIZES PARA ATIVIDADES FÍSICA U.S. Department of Health and Human Services Physical Activity Guidelines for Americans. WASHINGTON, 2008.

13 O Physical Activity Guidelines for Americans (2008), consiste das primeiras orientações completas emitidas pelo governo federal americano sobre a atividade física. Este documento destina-se a ser uma fonte primária de informação para os gestores políticos, educadores físicos, profissionais de saúde, e para o público sobre a quantidade, os tipos e a intensidade da atividade física necessária para alcançar muitos benefícios de saúde para os americanos em todo o ciclo de vida. (Beck e Pitanga, 2014)

14 Principais orientações para crianças e adolescentes

15 É importante incentivar os jovens a participar de atividades físicas que sejam adequadas para sua idade, agradáveis, e que oferecem variedade. (GUIA AMERICANO PARA A ATIVIDADE FÍSICA, 2008) (Beck e Pitanga, 2014)

16 Principais orientações para Adultos

17 1. Todos os adultos devem evitar a inatividade física. Qualquer atividade física é melhor do que nenhuma. Adultos que participam qualquer quantidade de atividade física podem ganhar alguns benefícios de saúde. 2. Para benefícios substanciais a saúde os adultos devem fazer, pelo menos, 150 minutos (2 horas e 30 minutos) por semana de atividade física de moderada intensidade, ou, 75 minutos (1 hora e 15 minutos) por semana de atividade física com intensidade vigorosa. (preferencialmente aeróbica) (Beck e Pitanga, 2014)

18 3. Para obtenção de benefícios à saúde mais pronunciados os adultos devem aumentar a sua atividade física aeróbia para 300 minutos (5 horas) por semana de intensidade moderada ou 150 minutos por semana com forte intensidade de atividade física aeróbica ou uma combinação equivalente de moderado e vigorosa. Benefícios adicionais à saúde são adquiridas por atividade física realizadas para além deste montante. (Beck e Pitanga, 2014)

19 4. Adultos também deveriam fazer atividades de musculação que são de moderada ou alta intensidade e envolver todos os principais grupos musculares em 2 ou mais dias por semana. (Beck e Pitanga, 2014)

20 Principais orientações para Idosos (65 anos ou +)

21 As principais orientações para adultos também se aplicam aos adultos mais velhos. (Beck e Pitanga, 2014)

22 Quando adultos mais velhos não podem fazer 150 minutos de atividade aeróbica de intensidade moderada por semana devido a doenças crônicas; - devem ser tão fisicamente ativos como as suas capacidades e condições o permitam. (Beck e Pitanga, 2014)

23 IDOSOS: devem fazer exercícios para manter ou melhorar o equilíbrio, especialmente pelo risco de quedas. (Beck e Pitanga, 2014)

24 IDOSOS: devem determinar seu nível de esforço para a atividade física em proporcional ao seu nível de aptidão física. (Beck e Pitanga, 2014)

25 Idosos em condições crônicas devem compreender... se e como as suas condições afetam a sua capacidade de fazer atividade física regular com segurança. (Beck e Pitanga, 2014)

26 Principais orientações para prática da atividade física com segurança

27 Para fazer atividade física com segurança e reduzir o risco de lesões e outros efeitos adversos, as pessoas devem: (Beck e Pitanga, 2014)

28 1- Entender os riscos e estar confiante de que a atividade física é segura para quase todos. 2- Escolher o tipo de atividade física mais apropriada para o seu atual nível de aptidão física e objetivos de saúde porque algumas atividades são mais seguras do que outras. (Beck e Pitanga, 2014)

29 3- Aumentar a atividade física gradualmente ao longo do tempo, sempre mais atividade é necessário para cumprir as orientações ou metas de saúde. Pessoas inativas deve "começar com baixa intensidade e ir devagar. 4- Proteger-se através da utilização adequada de equipamentos desportivos, em busca de ambientes seguros, seguindo as regras e políticas, e fazer escolhas sensatas sobre quando, onde e como ser ativo. (Beck e Pitanga, 2014)

30 5- Estar sob os cuidados de um profissional de saúde se tiverem condições crônicas ou sintomas. Pessoas com doenças crônicas ou sintomas devem consultar o profissional de saúde sobre os tipos e quantidades de atividade adequada para eles. (Beck e Pitanga, 2014)

31 GRUPO DE TRABALHO ESPORTE E SAÚDE DA UNIÃO EUROPÉIA (Beck e Pitanga, 2014)

32 (WHO, 2002) (Beck e Pitanga, 2014)

33 (Beck e Pitanga, 2014)

34 Em 2010, a Organização Mundial da Saúde (WHO, 2010) elaborou as recomendações globais sobre atividade física para a saúde, com foco: na prevenção primária de doenças e agravos não transmissíveis em nível populacional. (Beck e Pitanga, 2014)

35 (Beck e Pitanga, 2014)

36 Orientações chave - Acumular pelo menos 60 minutos de atividade física diária de intensidade moderada a vigorosa; - Benefícios adicionais à saúde com mais de 60 minutos diários de atividade física; - Fortalecimento muscular três vezes na semana. (Beck e Pitanga, 2014)

37 Orientações chave - Realizar pelo menos 150 minutos de atividade aeróbia moderada ou 75 de atividade vigorosa ao longo da semana, com períodos de pelo menos 10 minutos de duração; - Benefícios adicionais à saúde com 300 minutos de atividade aeróbia moderada ou 150 de atividade vigorosa ao longo da semana (ou combinação); - Fortalecimento muscular dois ou mais dias na semana. (Beck e Pitanga, 2014)

38 Orientações chave -Quando o idoso não pode fazer 150 minutos de atividade aeróbia em intensidade moderada por semana devido às doenças crônicas, deve ser tão fisicamente ativo quanto as suas capacidades e as condições o permitam; (Beck e Pitanga, 2014)

39 Orientações chave - Devem fazer exercícios para manter ou melhorar o equilíbrio; Devem determinar o seu nível de esforço físico proporcional ao seu nível de aptidão. - Idosos com doenças crônicas devem entender se e como as suas condições podem afetar a sua atividade física. (Beck e Pitanga, 2014)

40 (Beck e Pitanga, 2014)

41 Movimente-se Sente-se menos Seja ativo para a vida! (Beck e Pitanga, 2014)

42 IDADE: 0 5 ANOS (Beck e Pitanga, 2014)

43 (Beck e Pitanga, 2014)

44 (Beck e Pitanga, 2014)

45 (Beck e Pitanga, 2014)

46 (Beck e Pitanga, 2014)

47 (Beck e Pitanga, 2014)

48 (Beck e Pitanga, 2014)

49 (Beck e Pitanga, 2014)

50 (Beck e Pitanga, 2014)

51 (Beck e Pitanga, 2014)

52 (Beck e Pitanga, 2014)

53 Mesmo que você ATENDA as recomendações semanais de atividade física, você vai se beneficiar mais ainda diminuindo o seu tempo sentado diário, ou mesmo interrompendo regularmente estes períodos. (Beck e Pitanga, 2014)

54 (Beck e Pitanga, 2014)

55 (Beck e Pitanga, 2014)

56 Revisada: 2008 (Beck e Pitanga, 2014)

57 "Não importa qual seja sua idade, peso, problemas de saúde ou habilidades, você DEVE tentar e fazer algum tipo de atividade física. " (Beck e Pitanga, 2014)

58 (Beck e Pitanga, 2014)

59 Ações de saúde pública sancionadas pelo governo, como iniciativas de promoção da saúde, normalmente apresentam maior impacto em nível populacional. O objetivo deste comentário é instigar o debate sobre a importância e a necessidade de desenvolver diretrizes brasileiras de atividade física como estratégia de promoção da saúde. (Beck e Pitanga, 2014)

60 BRASIL Recentemente, o Governo Federal da Argentina emitiu Diretrizes para Atividade Física. Desenvolver Diretrizes de Atividade Física no Brasil faria do Brasil o segundo e maior país América Latina a desenvolver diretrizes abrangentes federais para direcionar políticas, profissionais de saúde, bem como para o público em geral. (Beck e Pitanga, 2014)

61 BRASIL O desenvolvimento de diretrizes brasileiras encorajaria outros países latino-americanos a fazer o mesmo, visto que a inatividade física é um preocupação global e, portanto, aumentariam os esforços para promover atividade física em toda a América Latina. (Beck e Pitanga, 2014)

62 BRASIL Para atingir seus objetivos, as diretrizes devem ser amplamente promovidas por meio de várias estratégias de comunicação; Em resumo, essas diretrizes devem ser consideradas um componente normal para estratégias nacionais de prevenção de doenças e de promoção da saúde, visando a redução da comportamento sedentário da população. (Beck e Pitanga, 2014)

63 ATIVIDADE FÍSICA E TEMPO SENTADO

64 DEFINIÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA A ATIVIDADE FÍSICA É DEFINIDA COMO QUALQUER MOVIMENTO CORPORAL, PRODUZIDO PELA MUSCULATURA ESQUELÉTICA, QUE RESULTE EM GASTO ENERGÉTICO.

65 DEFINIÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA ENTENDIDA COMO COMPORTAMENTO HUMANO COMPLEXO, COM COMPONENTES E DETERMINANTES DE ORDEM BIOLÓGICA E PSICO-SÓCIO- CULTURAL, PODE SER EXEMPLIFICADA POR ESPORTES, EXERCÍCIOS FÍSICOS, DANÇAS E OUTRAS ATIVIDADES DE LAZER, LOCOMOÇÃO E OCUPAÇÃO PROFISSIONAL.

66 DEFINIÇÃO DE TEMPO SENTADO Atividade sedentária que incorre em gasto energético não maior do que 1,5 equivalentes metabólicos e inclue os comportamentos específicos de sentar-se para ler, estudar, assistir televisão e usar o computador.

67 TEMPO SENTADO

68 O QUE MOSTRAM OS ESTUDOS?? POUCA ATIVIDADE FÍSICA MUITO TEMPO SENTADO

69 ATIVIDADE FÍSICA

70 RELAÇÃO ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE ESTUDO CLÁSSICO: MORRIS et al. (1953) Cobradores x Motoristas dos ônibus de dois andares de Londres Carteiros x Funcionários de escritório do Serviço Postal

71 ATAQUES CARDÍACOS < TOTAL FATAL N' FATAL > 4000 GASTO CALÓRICO EM ATIVIDADES FÍSICAS (KCAL/SEMANA)

72 ATIVIDADE FÍSICA x MORTALIDADE CARDIOVASCULAR (WANNAMETHEE SHAPER & WALKER, 1998) INATIVOS LEVE MODERADA VIGOROSA 0

73 QUANTO É NECESSÁRIO?

74

75 PITANGA FJG et al. Revista da Associação Médica Brasileira. v.56, n.6, p , 2010.

76 PITANGA, FJG.; LESSA, I.; PITANGA, CPS: COSTA, MC. atividade física na prevenção de comorbidades cardiovasculares em mulheres obesas: Quanto é necessário? Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde

77 DE ALMEIDA, L.A.B; PITANGA, F.J.G; FREITAS, M.M; PITANGA, CPS; BECK, C.C; DANTAS, E.H.M. Gasto calórico dos diferentes domínios da atividade física como preditor da ausência de diabetes em adultos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, 2012.

78 PITANGA, FJG.; PITANGA, CPS; BECK, CC.; MOREIRA, MHR.; GABRIEL, RECD.. Atividade física na prevenção do excesso de gordura visceral em mulheres pós-menopáusicas: quanto é necessário? Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia, 2012

79 msctotal ROC area: msaf mtotal ROC area: msaf vtotal ROC area: min/sem min/sem AMBOS OS SEXOS Atividade física total - 0,69 (0,57-0,80 x Atividade física moderada 0,64 (0,53-0,75) Atividade física vigorosa - 0,59 (0,51-0,86) Caminhada - 0,62 (0,48-0,75)

80 CONCLUSÕES PAS PAD PCR ATIVIDADE FÍSICA IH CMCV EM OBESAS

81 CONCLUSÕES ATIVIDADE FÍSICA TEMPO LIVRE PROTEÇÃO DIABETES HIPERTESÃO MODERADA

82 CONCLUSÕES ATIVIDADE FÍSICA 285 min/sem 180 min/sem

83 CONCLUSÕES CAMINHADA ISOLADAMNETE PRINCIPALMENTE EM HOMENS OUTROS TIPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS BENEFÍCIO S À SAÚDE

84 CONCLUSÕES GASTO CALÓRICO ATIVIDADE FÍSICA TOTAL PREVENÇÃO DIABETES 1774 kcal/sem 830 kcal/sem

85 CONCLUSÕES ATIVIDADE FÍSICA PARA PREVENÇÃO DA CORDURA VISCERAL EM MULHERES PÓS-MENOPAÚSICAS CAMINHADA + MODERADA) 2283 kcal/sem 1601 kcal/sem

86 CONCLUSÕES ATIVIDADE FÍSICA CAMINHADA MODERADA 150 min/sem PREVENÇÃO CMCV EM MULHERES OBESAS

87 TEMPO SENTADO

88 TEMPO SENTADO

89 ACELERÔMETRO

90 ACELERÔMETRO

91 ACELERÔMETRO

92 TEMPO SENTADO

93 TEMPO SENTADO

94

95 TEMPO SENTADO Estar sentado mais que 8 horas/dia aumenta o risco de morte por todas as causas independentemente da prática de atividade física.

96 TEMPO SENTADO ASSOCIAÇÃO ENTRE O NÍVEL HABITUAL DE ATIVIDADE E TEMPO SENTADO COM INDICADORES ANTROPOMÉTRICOS DE OBESIDADE DOS PROFESORES DO ENSINO FUNDAMENTAL. Prof. José Uilien de Oliveira Prof. Dr. Francisco José Gondim Pitanga. Prof. Ms Valter Abrantes Pereira da Silva

97 TEMPO SENTADO Estar sentado mais que 4 horas/dia aumenta a probabilidade de sobrepeso e obesidade em mulheres e a probabilidade de obesidade central em homens, independentemente do tempo de caminhada

98 MECANISMOS

99

100 COMPOSIÇÃO DO LDL-C Colesterol 44% Proteínas 24% Fosfolipídos 22% Triglicerídios 10%

101 COMPOSIÇÃO DO VLDL-C Fosfolipídios 17% Colesterol 15% Proteínas 10% Triglicerídios 58%

102

103 COMPOSIÇÃO DO HDL-C Fosfolipídios 30% Colesterol 18% Triglicerídios 3% Proteínas 49%

104

105

106

107 DEGRADAÇÃO DA PARTÍCULA VLDL-C Fosfolipídios 17% Colesterol 15% Proteínas 10% Triglicerídios 58%

108

109

110

111

112 PAUSA NO TEMPO SENTADO

EXERCÍCIO FÍSICO SEGURANÇA E BEM ESTAR

EXERCÍCIO FÍSICO SEGURANÇA E BEM ESTAR EXERCÍCIO FÍSICO SEGURANÇA E BEM ESTAR VINHAIS FEVEREIRO 2006 Berta Nunes SEDENTARISMO UM PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA O Sedentarismo e a obesidade são os principais factores de risco para várias doenças

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

Este capítulo tem como objetivo, tecer algumas considerações. Epidemiologia, Atividade Física e Saúde INTRODUÇÃO

Este capítulo tem como objetivo, tecer algumas considerações. Epidemiologia, Atividade Física e Saúde INTRODUÇÃO 1 Epidemiologia, Atividade Física e Saúde Efi gênia Passarelli Mantovani Especialista em Atividade Física e Qualidade de Vida Unicamp Vera Aparecida Madruga Forti Profa. Dra. do Departamento de Estudos

Leia mais

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas Ministério da Saúde Abril de 2014 VIGITEL 2014 Medir a prevalência de fatores de risco e proteção para doenças não transmissíveis na população brasileira Subsidiar ações de promoção da saúde e prevenção

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE O ESTILO DE VIDA DE JOVENS DE PELOTAS/RS. NATAN FETER ¹; THAIS BURLANI NEVES²; FELIPE FOSSATI REICHERT²

ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE O ESTILO DE VIDA DE JOVENS DE PELOTAS/RS. NATAN FETER ¹; THAIS BURLANI NEVES²; FELIPE FOSSATI REICHERT² ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE O ESTILO DE VIDA DE JOVENS DE PELOTAS/RS. NATAN FETER ¹; THAIS BURLANI NEVES²; FELIPE FOSSATI REICHERT² ¹ GRADUAÇÃO EM LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA/UFPEL nfeter.esef@ufpel.edu.br

Leia mais

Programa de Controle de Peso Corporal

Programa de Controle de Peso Corporal 15 Programa de Controle de Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP principal objetivo de desenvolver este tema com os alunos

Leia mais

APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES HOJE EU APRENDI. AULA: 5.2 Conteúdo: Atividade Física e Saúde

APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES HOJE EU APRENDI. AULA: 5.2 Conteúdo: Atividade Física e Saúde A AULA: 5.2 Conteúdo: Atividade Física e Saúde A AULA: 5.2 Habilidades: Compreender os benefícios dos exercícios físicos na promoção da saúde e qualidade de vida A BENEFÍCIOS DA ATIVIDADE A Benefícios

Leia mais

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente 16 Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente Leidiane Silva Oliveira Chagas Gestora de Recursos Humanos - Anhanguera Educacional

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

14 de novembro. Em 2012, o tema proposto é "Diabetes: Proteja Nosso Futuro" Ações do Ministério da Saúde

14 de novembro. Em 2012, o tema proposto é Diabetes: Proteja Nosso Futuro Ações do Ministério da Saúde 14 de novembro Em 2012, o tema proposto é "Diabetes: Proteja Nosso Futuro" Ações do Ministério da Saúde Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no

Leia mais

I - EXERCISE IS MEDICINETM

I - EXERCISE IS MEDICINETM I EXERCISE IS MEDICINETM Objectivo Generalização da inclusão do aconselhamento para a actividade física no âmbito do plano terapêutico para a prevenção e o tratamento de doenças, e referenciação quando

Leia mais

PLANO DE TRABALHO IDOSO

PLANO DE TRABALHO IDOSO PLANO DE TRABALHO IDOSO Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar o interesse pela

Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar o interesse pela 10 A Atividade Física e o Controle do Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar

Leia mais

Praticando vitalidade. Sedentarismo. corra desse vilão!

Praticando vitalidade. Sedentarismo. corra desse vilão! Praticando vitalidade Sedentarismo corra desse vilão! O que é sedentarismo? Sedentarismo é a diminuição de atividades ou exercícios físicos que uma pessoa pratica durante o dia. É sedentário aquele que

Leia mais

CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE

CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE 01 CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE A obesidade é uma doença crónica que se caracteriza pelo excesso de gordura corporal e que atinge homens, mulheres e crianças de todas as etnias e idades. A sua prevalência

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

Atividade Física e Qualidade de Vida Prof. Nivaldo Higajo

Atividade Física e Qualidade de Vida Prof. Nivaldo Higajo Atividade Física e Qualidade de Vida Prof. Nivaldo Higajo Pesquisador em ciências do Esporte Celafiscs - 1991 Prof. Esp. Reabilitação Cardiovascular UniFMU - 2001 Prof. Esp. Fisiologia do Exercício UniFMU

Leia mais

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva.

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: Entender os benefícios

Leia mais

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória...

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória... Atualmente, verificamos em programas de TV, nas revistas e jornais e em sites diversos na internet, uma grande quantidade de informações para que as pessoas cuidem da sua saúde. Uma das recomendações mais

Leia mais

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade:

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade: PROJETO DE LEI N. 426/2013 ESTADO DO AMAZONAS ESTABELECE diretrizes para a Política Municipal de Educação Alimentar Escolar e Combate à Obesidade, e dá outras providências. Art.1º - O Poder Público Municipal,

Leia mais

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde Saúde e Desporto Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra Relação do Desporto com a Saúde Dum modo geral aceita-se que o desporto dá saúde Contudo, o desporto também comporta malefícios

Leia mais

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 TÍTULO: NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E BARREIRAS PARA A ATIVIDADE

Leia mais

folder_socesp.indd 1 04/09/2012 15:33:13

folder_socesp.indd 1 04/09/2012 15:33:13 Doenças cardiovasculares (DCVs), incluindo doenças cardíacas e derrames, matam prematuramente. De fato, elas causam 17,3 milhões de mortes a cada ano e os números estão aumentando. Até 2030, espera-se

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

24 motivos. academia. para entrar na

24 motivos. academia. para entrar na para entrar na academia Mais um ano se inicia e com ele chegam novas perspectivas e objetivos. Uma das principais promessas feitas é deixar o sedentarismo de lado e entrar na academia! Nesta época é comum

Leia mais

Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro. Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo, Towers Watson

Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro. Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo, Towers Watson Saúde e produtividade: o valor de uma força de trabalho saudável para o sucesso nos negócios Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo,

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

NUTRIÇÃO APLICADA À FARMÁCIA

NUTRIÇÃO APLICADA À FARMÁCIA NUTRIÇÃO APLICADA À FARMÁCIA METABOLISMO BASAL GASTO ENERGÉTICO TOTAL Profª. Alcinira Furtado Farias METABOLISMO BASAL Conjunto de processos por meio dos quais o organismo vivo recolhe e transforma as

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com.

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com. - SECRETARIA DE SAÚDE - SÃO TIAGO MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE FÍSICA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DE 04 A 19 ANOS 1 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

POR QUE SER ATIVO ALBERTO OGATA

POR QUE SER ATIVO ALBERTO OGATA POR QUE SER ATIVO ALBERTO OGATA O nosso corpo é uma máquina fantástica, que não foi feita para ficar parada. Se você estiver realmente decidido a ter uma atitude positiva em relação a sua saúde e ao seu

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

OFICINA DE TRABALHO PACTO FEDERATIVO PELA ALIMENTACAO ADEQUADA E SAUDÁVEL

OFICINA DE TRABALHO PACTO FEDERATIVO PELA ALIMENTACAO ADEQUADA E SAUDÁVEL OFICINA DE TRABALHO PACTO FEDERATIVO PELA ALIMENTACAO ADEQUADA E SAUDÁVEL Brasília, agosto 2015 Elisabetta Recine OPSAN/NUT/FS/UnB Consea Por que estamos aqui?? Mobilizar e sensibilizar rede de profissionais

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013)

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) TEMA 4: SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

JUVENTUDE E DESPORTO: A IMPORTÂNCIA DE UM ESTILO DE VIDA ACTIVO

JUVENTUDE E DESPORTO: A IMPORTÂNCIA DE UM ESTILO DE VIDA ACTIVO JUVENTUDE E DESPORTO: A IMPORTÂNCIA DE UM ESTILO DE VIDA ACTIVO Segundo a Organização Mundial de Saúde, estima-se que nos países desenvolvidos mais de dois milhões de mortes são atribuíveis ao sedentarismo,

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 José Cechin Superintendente Executivo Francine Leite Carina Burri Martins Esse texto compara as morbidades referidas

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Profª Msc. Clarissa Rios Simoni Graduada em Licenciatura Plena em Educação Física UFSC 2004 Especialista em Personal Trainer UFPR

Leia mais

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora Estudo do Controle da HA Hipertensão Arterial e Perfil Farmacológico pacientes cadastrados no PRC Programa Remédio em Casa UBS Jd. Aurora Subprefeitura de Guaianases

Leia mais

Saúdee Trabalho. Raphael Mendonça Guimarães, Ph.D

Saúdee Trabalho. Raphael Mendonça Guimarães, Ph.D Saúdee Trabalho Raphael Mendonça Guimarães, Ph.D TRABALHADORES X POPULAÇÃO GERAL Saúde do Trabalhador Medicina do Trabalho; Saúde Ocupacional; Saúde do Trabalhador. Exposição ambiental X Exposição ocupacional

Leia mais

Diretrizes Consolidadas sobre Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Cuidados em HIV para as Populações-Chave

Diretrizes Consolidadas sobre Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Cuidados em HIV para as Populações-Chave Diretrizes Consolidadas sobre Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Cuidados em HIV para as Populações-Chave Gabriela Calazans FCMSCSP, FMUSP II Seminário Nacional sobre Vacinas e novas Tecnologias de Prevenção

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

Perder Gordura e Preservar o Músculo. Michelle Castro

Perder Gordura e Preservar o Músculo. Michelle Castro Perder Gordura e Preservar o Músculo Michelle Castro 25 de Novembro de 2012 Principais Tópicos 1. Processos catabólicos associados a dietas hipocalóricas. 2. Contextualização/compreensão do porquê da existências

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O QUE É ANDROPAUSA? Problemas hormonais surgidos em função da idade avançada não são exclusivos das mulheres. Embora a menopausa seja um termo conhecido

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL Componente Curriculares Educação Física Professores Ministrantes: Kim Raone e Marcus Marins Série/ Ano letivo: 2º ano/ 2014 Data: 26/03/2014 AULA 5.1 Conteúdo: Doenças

Leia mais

Prof. Reginaldo Teixeira Rosa

Prof. Reginaldo Teixeira Rosa Prof. Reginaldo Teixeira Rosa APRESENTAÇÃO PESSOAL Professor de Educação Física - Licenciatura Plena - FEFISA - 83; Especialização (apostila) Basquetebol e Psicomotricidade - 84; Administração Esportiva

Leia mais

Os programas de promoção da qualidade de vida buscam o desenvolvimento

Os programas de promoção da qualidade de vida buscam o desenvolvimento 9 Estilo de Vida Ativo: A Importância do Estímulo por parte dos Adultos Erika da Silva Maciel Mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos - USP Os programas de promoção da qualidade de vida buscam o desenvolvimento

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 104-GR/UNICENTRO, DE 28 DE MAIO DE 2014. Especifica a estrutura curricular do Curso de Especialização em Atividade Física e Saúde, modalidade de educação a distância, aprovado pela Resolução

Leia mais

AT I. ACADEMIA DA TERCEIRA IDADE Melhor, só se inventarem o elixir da juventude. Uma revolução no conceito de promoção da saúde.

AT I. ACADEMIA DA TERCEIRA IDADE Melhor, só se inventarem o elixir da juventude. Uma revolução no conceito de promoção da saúde. AT I ACADEMIA DA TERCEIRA IDADE Melhor, só se inventarem o elixir da juventude. Uma revolução no conceito de promoção da saúde. Maringá é integrante da Rede de Municípios Potencialmente Saudáveis e não

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas EXPOSIÇÃO 4:

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas EXPOSIÇÃO 4: Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas EXPOSIÇÃO 4: O MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS POR QUE UM MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES:

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - CGIC Teste de Competência em Leitura em Língua Estrangeira INGLÊS Edital 109/2012 (Aplicação: 21/10/2012) LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES:

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam o desejo de participação social direciona as ações para a estruturação de um processo construtivo para melhoria

Leia mais

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL SAÚDE DO IDOSO CURSO ESPECÍFICOS ENFERMAGEM - A Saúde do Idoso aparece como uma das prioridades no Pacto pela Vida, o que significa que, pela primeira vez na história das políticas públicas no Brasil,

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH Brasília, outubro de 2015 População Masculina 99 milhões (48.7%) População alvo: 20 a 59 anos População Total do Brasil 202,7 milhões de

Leia mais

Atividade física: pratique essa ideia.

Atividade física: pratique essa ideia. Atividade física: pratique essa ideia. Quando o assunto é qualidade de vida, não dá para ficar parado. Para a Organização Mundial de Saúde (OMS), a atividade física é o principal fator de promoção do bem-estar

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Revolução industrial Antes da revolução industrial as pessoas eram mais ativas porque viviam constantemente se movimentando no trabalho na escola,

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

Prevalência de fatores de risco cardiovascular em idosos: discutindo evidências e polêmicas

Prevalência de fatores de risco cardiovascular em idosos: discutindo evidências e polêmicas Prevalência de fatores de risco cardiovascular em idosos: discutindo evidências e polêmicas Profa. Dra. Cláudia Soar ANTROPOMETRIA ÍNDICE DE MASSA CORPORAL (IMC) Excesso de peso PERÍMETRO DA CINTURA (PC)

Leia mais

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Linha de Cuidado da Obesidade Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Evolução do excesso de peso e obesidade em adultos 0,8% (1.550.993) da população apresenta obesidade grave 1,14% das

Leia mais

saúde Sedentarismo Os riscos do Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se!

saúde Sedentarismo Os riscos do Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se! saúde Sinal Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Ano I - Nº 4 - Dezembro 2014 Os riscos do Sedentarismo Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se! O sedentarismo é resultado

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Promoção da Saúde e Prevenção de Risco e Doenças no Ambiente de Trabalho. ANS maio/2014

Promoção da Saúde e Prevenção de Risco e Doenças no Ambiente de Trabalho. ANS maio/2014 Promoção da Saúde e Prevenção de Risco e Doenças no Ambiente de Trabalho ANS maio/2014 Perfil da Cemig Maior empresa integrada deutilites do Brasil. Composta por 58 empresas e 15 consórcios. Lucro líquido

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS 1. Introdução As Boas Práticas Nutricionais constituem-se um importante instrumento para a modificação progressiva da composição nutricional

Leia mais

PROGRAMA MUNICIPAL DE PROMOÇÃO DO ENVELHECIMENTO ATIVO E SAUDÁVEL

PROGRAMA MUNICIPAL DE PROMOÇÃO DO ENVELHECIMENTO ATIVO E SAUDÁVEL PROGRAMA MUNICIPAL DE PROMOÇÃO DO ENVELHECIMENTO ATIVO E SAUDÁVEL ENQUADRAMENTO O tema «envelhecimento» tem sido alvo de estudos de pesquisadores e profissionais e vem desencadeando a produção de conhecimentos

Leia mais

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Coração saudável Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Qual a importância da doença cardiovascular? Milhões de Mortes* Mortalidade por doenças cardiovasculares em 1990 e 2020 Países desenvolvidos

Leia mais

Proteger nosso. Futuro

Proteger nosso. Futuro Proteger nosso Futuro A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1943, tendo como objetivo unir a classe médica especializada em cardiologia para o planejamento

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2012-2016

Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Índice de Figuras, Quadros e Tabelas (Janeiro 2012) Plano Nacional de Saúde 2012-2016 ÍNDICE DE FIGURAS, QUADROS E TABELAS 1. Enquadramento do Plano Nacional de Saúde

Leia mais

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças FACTORES DE RISCO Factores de risco de doença cardiovascular são condições cuja presença num dado indivíduo aumentam a possibilidade do seu aparecimento. Os mais importantes são o tabaco, a hipertensão

Leia mais

1CARTÃO DE MELHORIA DA SAÚDE

1CARTÃO DE MELHORIA DA SAÚDE World Health Professions Alliance WHPA 1CARTÃO DE MELHORIA DA SAÚDE GUIA PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE WORLD HEALTH PROFESSIONS ALLIANCE WHPA C/O WORLD MEDICAL ASSOCIATION BP 63 01210 FERNEY VOLTAIRE FRANCE

Leia mais

Carla Cristine Nascimento da Silva * 1 INTRODUÇÃO

Carla Cristine Nascimento da Silva * 1 INTRODUÇÃO 1 A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA ORIENTADA POR UM PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE PÚBLICA ESTADUAIS E MUNICIPAIS DE SÃO LUÍS DO MARANHÃO Carla Cristine Nascimento da Silva * RESUMO

Leia mais

Treinamento Personalizado para Idosos. Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar

Treinamento Personalizado para Idosos. Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar Treinamento Personalizado para Idosos Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar Idosos Indivíduos com idade superior a 60anos Segundo o estatuto do idoso -é assegurando o direito à vida, à saúde, à alimentação,

Leia mais

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan;

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; 1 Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; Janaina Lopes; Eveline Batista Rodrigues; Cristiane

Leia mais

fios e oportunida ATAS DO IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LAZER E SAÚDE

fios e oportunida ATAS DO IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LAZER E SAÚDE OBESIDADE NO 1º CICLO DESENHO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE INTERVENÇÃO NUM ESTUDO TRANSVERSAL Joana Magalhães, Luís Cardoso, Luís Ferreira, Rui Silva, Beatriz Pereira e Graça Carvalho CIEC, Instituto

Leia mais

PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO

PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BE066 FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO PROF. SERGIO GREGORIO DA SILVA, PHD AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE (COLÉGIO

Leia mais

OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS

OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS FERRAMENTA A QUEM É DESTINADA? O QUE É O QUE FAZ OBJETIVOS Guia de finanças para as empresas sociais na África do Sul Guia Jurídico

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015 PROJETO TERCEIRA IDADE ATIVA EDUCADORAS FÍSICAS: LÍDIA POSSO SIMIONATO (responsável) ALANA M. C. KNAKIEWICZ (estagiária)

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO Mari Uyeda* Pedro Henrique Martins de Lima** RESUMO: As mudanças nas práticas alimentares e no padrão de atividades físicas culminaram em

Leia mais

Capítulo IV Programas de treinamento pós-graduado

Capítulo IV Programas de treinamento pós-graduado Capítulo IV Programas de treinamento pós-graduado Introdução Qual será a duração ideal do treinamento de um médico para que se torne um pediatra competente? Dadas as variedades de abordagem dos treinamentos

Leia mais

Estudos realizados nos EUA, em adolescentes com idades compreendidas entre os doze e os dezanove anos,

Estudos realizados nos EUA, em adolescentes com idades compreendidas entre os doze e os dezanove anos, Adolescência e Obesidade (1/5) A obesidade constitui uma patologia de génese multifactorial, sendo os factores genéticos, metabólicos, ambientais e comportamentais determinantes deste desequilíbrio (DGS,

Leia mais

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil Maria Rita Marques de Oliveira 1- MEIO AMBIENTE E PRODUÇÃO DE ALIMENTOS 2- ACESSO AOS ALIMENTOS 3- ALIMENTO SEGURO 4- PREVENÇÃO E CONTROLE

Leia mais

Obesidade Infantil. O que é a obesidade

Obesidade Infantil. O que é a obesidade Obesidade Infantil O que é a obesidade A obesidade é definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma doença em que o excesso de gordura corporal acumulada pode atingir graus capazes de afectar

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO Fabio Garani 17 Regional de Saude 1 ESPERANÇA DE VIDA AO NASCER : 7,4anos

Leia mais

Como prescrever o exercício no tratamento do DM. Acad. Mariana Amorim Abdo

Como prescrever o exercício no tratamento do DM. Acad. Mariana Amorim Abdo Como prescrever o exercício no tratamento do DM Acad. Mariana Amorim Abdo Importância do Exercício Físico no DM Contribui para a melhora do estado glicêmico, diminuindo os fatores de risco relacionados

Leia mais

Programa SESI Lazer Ativo. SAUDE BEM ESTAR QUALIDADE DE VIDA nos dias de hoje...

Programa SESI Lazer Ativo. SAUDE BEM ESTAR QUALIDADE DE VIDA nos dias de hoje... Programa SESI Lazer Ativo SAUDE BEM ESTAR QUALIDADE DE VIDA nos dias de hoje... SAUDE BEM ESTAR QUALIDADE DE VIDA nos dias de hoje... Qualidade de Vida Não é só... Ter uma pressão arterial controlada Não

Leia mais

Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida

Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida 1 O que é o Protocolo em Rampa O protocolo em rampa é um protocolo para testes de esforço que não possui estágios. Nele o incremento da carga se dá de maneira

Leia mais

Questionário: Risco de ter diabetes

Questionário: Risco de ter diabetes Questionário: Risco de ter diabetes ATENÇÃO! Este questionário não deve ser aplicado a gestantes e pessoas menores de 18 anos. Preencha o formulário abaixo. Idade: anos Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino

Leia mais