De Jovem. para Jovem. Educação Entre Pares

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "De Jovem. para Jovem. Educação Entre Pares"

Transcrição

1 De Jovem para Jovem Educação Entre Pares

2 RG Redação Maria Adrião Realização UNICEF Anna Penido, Silvio Kaloustian, Ana Maria Silva, Denise Bueno Revista Viração Paulo Lima, Vivian Ragazzi, Camila Caringe Centro Social Nossa Senhora do Bom Parto Ana Teresa de Castro Bonilha, Sandra R. Francisco, Ana Maria Peres Silva Jovens CEDOC Ademir Franco Paré Junior Camila dos Santos Frigatto Camila Regina dos Santos Eliene Santana Correia Felipe Fortunato Rodrigues da Silva Helber Pereira dos Santos Juliana Camila Santos Celestino Karina Ferreira da Cruz Micaela Carolina Cyrino Natiele Souza Santos Rafael Neves Biazão Renata Marley Silva Neri Rodrigo Gomes Soares Revisão Técnica Viviane Castelo Branco Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro Revisão de Texto Andréa Vidal Diagramação Vitor Massao Flávio Yamamoto William Haruo Fotos Arquivo Revista Viração e ONG Bom Parto Ilustrações Marcio Baraldi e Lentini Foto da Capa Fernanda Forato Apresentação Não existem pessoas sem conhecimento. Elas não chegam vazias. Chegam cheias de coisas. Na maioria dos casos, trazem juntas consigo opiniões sobre o mundo, sobre a vida. Paulo Freire Você já parou para pensar na importância de uma boa conversa? É através dela que a gente coloca nossas ideias, opiniões e tira dúvidas sobre aquilo que a gente não conhece. Este fascículo fala sobre isso... Ele foi elaborado pensando em você! Ele trata especialmente da educação de jovem para jovem, de uma metodologia, ou seja, um jeito de trabalhar que vem sendo utilizado em todo o mundo nas ações realizadas entre os adolescentes e jovens para pautar os direitos sexuais e reprodutivos. Tal metodologia é conhecida como educação entre pares, porque valoriza a troca entre pessoas com experiências semelhantes. Essa metodologia nada mais é que o jovem falar com outro jovem do seu jeito, passando as informações e os conhecimentos de que ele dispõe. A primeira parte deste fascículo explica o que é a educação entre pares e qual a sua importância, e qual deve ser a postura de um educador de pares. No final, são dadas dicas de como fazer isso, além de exemplos práticos de jovens que realizam atividades desse tipo em vários lugares do Brasil. Mas você não acha que tiramos todos os assuntos que estão aqui da cartola ou somente da nossa cabeça, não é? Na verdade, este fascículo foi produzido com base na experiência acumulada por organizações não-governamentais que trabalham com adolescentes e jovens, em pesquisas na internet, em materiais produzidos pelo governo e na troca de ideias com quem realiza a educação entre pares. A proposta é que você reflita sobre essa proposta, conheça algumas experiências e possa criar outras, levando em consideração o seu jeito de ser, as características da sua comunidade e o seu objetivo com esse trabalho! Então mãos à obra!

3 educação entre pares um convite A habilidade da comunicação faz parte da nossa vida desde o nosso nascimento e nos acompanha até o final dela. Quando chorávamos pedindo comida, quando apontávamos para determinado objeto para pedi-lo, já utilizávamos formas de comunicação, que foram sendo aprimoradas com o tempo. Uma das ferramentas mais ricas desse processo é a possibilidade de conversarmos, de dialogarmos sobre determinados assuntos, pois dessa forma podemos trocar informações, expor nosso ponto de vista, conhecer coisas novas e passar a outras pessoas informações que talvez elas não saibam. Mas, afinal, o que é uma conversa? Se procurarmos essa palavra no dicionário, encontraremos a seguinte definição: Comunicar-se ou trocar ideias ou informações, em geral pela fala. Os adolescentes e jovens conversam bastante sobre os mais variados assuntos e das mais diversas formas: pessoalmente, por telefone, por carta, pela internet etc. Eles também conversam nos mais diversos espaços: nas rodas de amigos, nas escolas, nas famílias, nas igrejas, nas festas... No entanto, ainda é tímida a sua participação em ações mais formais, em que se pensam e debatem assuntos que exigem um conhecimento prévio, como as realizadas nas escolas e nas unidades de saúde, geralmente conduzidas por especialistas, como professores e médicos. Diversas iniciativas na contramão dessa realidade vêm acontecendo Brasil afora, onde novos espaços surgem para que adolescentes e jovens falem do seu jeito de assuntos de seu interesse. Por isso, convidamos você que deseja ser um agente de transformação a chamar seus colegas da comunidade para pensar e debater assuntos variados, que pouco a pouco promoverão mudanças em suas próprias vidas e nas de outras pessoas! Afinal, as transformações só ocorrem de fato quando TODOS participam desse processo. E jamais se esqueça de que você tem o DIREITO de PARTICIPAR! O que é Educação entre pares afinal? Não é novidade para ninguém que há muito tempo adolescentes e jovens de todo o país vêm realizando ações sobre sexualidade e prevenção das DST/Aids com outros adolescentes e jovens, nas escolas, nos serviços de saúde, nas comunidades e em outros espaços. Afinal de contas, sabemos que essa moçada vivencia experiências muito semelhantes como a descoberta da sexualidade, por exemplo, o que facilita bastante a troca e o estabelecimento de um diálogo mais aberto e sem constrangimentos. A educação entre pares ou educação de pares, como o próprio nome já diz, é a troca de saberes entre semelhantes, ou seja, entre pessoas ou grupos que têm o mesmo perfil e compartilham as mesmas vivências, o que facilita muito o intercâmbio de conhecimentos e práticas. No nosso caso, chamamos de educação entre pares esse importante processo no qual adolescentes e jovens atuam como facilitadores e multiplicadores de ações junto a outros adolescentes e jovens. Isso não significa, porém, que eles precisem criar guetos ou grupos fechados, conversando apenas entre si. É preciso estar aberto à contribuição dos adultos. A maneira como os adolescentes e jovens debatem temas com outras pessoas da mesma idade varia bastante. O que essas atividades de educação entre pares têm em comum é que elas são conduzidas por eles próprios. Pode ser através da realização de gincanas, de oficinas, de atividades artísticas como o teatro... A educação entre pares também acontece em espaços informais, como festas, clubes e churrascos. Basta eleger um tema e facilitar o processo de discussão, trazendo informações, promovendo a troca de opiniões e a reflexão sobre o assunto em questão.

4 Importância da educação entre pares A educação entre pares vem sendo bastante utilizada e apresentando resultados positivos, pois, além de garantir a participação do jovem na condução de todo o trabalho, promove o desenvolvimento de seus conhecimentos, atitudes e habilidades. Ao assumir essa responsabilidade, eles vão colocando cada vez mais o seu jeito de ser e passam a utilizar ferramentas próprias da sua vivência, como a dança, a música, o teatro e a produção de fanzines, sempre respeitando e valorizando a cultura local. Esses instrumentos, além de facilitarem sua comunicação com os participantes, tornam as atividades que eles estão realizando ainda mais interessantes. A educação entre pares é uma metodologia interessante porque: todo mundo cresce e aprende com a experiência, desenvolve habilidades de liderança e melhora sua capacidade de se comunicar e de tomar decisões; os jovens conversam entre si no dia a dia, e isso gera uma afinidade maior entre quem conduz a atividade e quem participa dela; sua flexibilidade permite que ela aconteça em qualquer lugar e com os recursos disponíveis; a ação pode ser combinada com outras atividades educativas. A educação entre pares também é importante para a discussão dos direitos sexuais e reprodutivos, porque: muitos adultos ainda não se sentem à vontade para conversar sobre esse tema com os adolescentes e jovens, e vice-versa; ela possibilita a reflexão e o debate sobre esses direitos entre os jovens, com sua própria linguagem e forma de se expressar no mundo; facilita a conversa aberta sobre sexualidade e reprodução; permite que os adolescentes e jovens compartilhem suas experiências e valores; os adolescentes e jovens podem pensar coletivamente em formas de lutar pela garantia da livre expressão da sexualidade e do planejamento de sua vida reprodutiva. Pra entender melhor Metodologia é um caminho a percorrer e a maneira de percorrê-lo para atingir um objetivo, e não uma regra fixa a ser seguida, pois ao longo do processo os planos podem mudar.

5 postura do educador de pares Na educação entre pares, o processo é todo educativo. Por isso, quanto mais participativo, maior a troca entre todos e maiores as possibilidades de mudanças. Assim, é superimportante considerar o conhecimento que os outros trazem durante o debate; afinal, ninguém sabe tudo, mas sempre tem alguma coisa importante a dizer! Nesse sentido, o papel do educador de pares não é ensinar o outro jovem porque sabe mais que o restante do grupo, mas facilitar a construção de novos conhecimentos através da reflexão, do debate e do questionamento sobre determinado assunto. Quer um exemplo? Em vez de simplesmente ensinar a forma correta de usar a camisinha para prevenir as DSTs (doenças sexualmente transmissíveis), pergunte aos adolescentes e jovens se eles sabem usá-la, se já viram uma, o que acham disso, onde podem conseguir camisinhas etc. Dessa forma, você faz o grupo pensar um pouco mais, se dar conta do que já sabe e levantar possibilidades sobre o que ainda não conhece. Depois, arremata tudo isso com as informações que você já tem sobre o uso correto da camisinha. Por isso, o educador de pares necessita de algumas habilidades que podem ser melhoradas com o tempo. O importante é levar estas dicas em consideração para que o trabalho seja legal: saber trabalhar em grupo; ser curioso; ser capaz de construir uma relação de confiança com o grupo, fazendo com que todos se sintam à vontade para se colocar; saber ouvir, mas também se fazer ouvir e entender pelo grupo; saber que você não é melhor do que os outros, segurar a onda, considerar o que os jovens do grupo têm a falar sobre o assunto em debate e valorizar as contribuições oferecidas; ter consciência de que ninguém pode saber de tudo, de que todos têm limites. Por isso, talvez não consigamos responder a determinada pergunta, cuja resposta vamos nos comprometer a pesquisar e trazer para o grupo depois; você também pode incentivar o próprio grupo a buscar as respostas; saber conviver com as diferenças: não somos iguais uns aos outros. Lidar com a diversidade, além de fundamental, pode ser muito enriquecedor; ter criatividade e entusiasmo para despertar o interesse e mobilizar a discussão no grupo; e, principalmente, estar verdadeiramente comprometido com o desenvolvimento de todos os participantes. A essa altura, você deve estar se perguntando: afinal de contas, qual o meu papel nessa história? Olha aí: Planeje a atividade, considerando seu objetivo, público-alvo, data, horário, local, materiais necessários e metodologia a ser utilizada; Conduza o encontro com base no planejamento realizado, mas sem deixar de considerar possíveis imprevistos e fazer ajustes sempre que necessário; Estabeleça regras básicas para a convivência no grupo (o horário de início e de término da atividade, o que se espera de cada um, quem faz o quê etc.) e combinar o comportamento (escutar quando o outro estiver falando; desligar o celular; ser pontual etc.);

6 com a mão na massa Assim como para viajar não podemos simplesmente pegar a mochila e cair no mundo, para que um processo de educação entre pares dê certo não basta termos boas ideias e partirmos para a ação. No caso da viagem, precisamos planejar o roteiro com antecedência, definir se vamos sozinhos ou acompanhados, comprar as passagens, arrumar a mochila prevendo o tipo de roupas, sapatos e acessórios de que vamos precisar. Para cada tipo de viagem, temos pontos importantes a observar. E cada um tem seu próprio jeito de se organizar. Responsabilize-se pela organização do local, dos materiais, do lanche e do cuidado com os horários, jamais se esquecendo dos objetivos pensados para a ação; Garanta que todo mundo participe, respeitando aqueles que têm mais dificuldade e aproveitando as opiniões que forem surgindo; Ajude a administrar os conflitos que surgirem, construindo a solução com o próprio grupo; Quando ninguém souber responder a uma questão, comprometa-se a pesquisar e a trazer a resposta para todos, ou a definir com o grupo quem vai fazer isso; Faça um resumo dos itens discutidos, das reflexões e das ideias centrais construídas pelo grupo; Avalie a atividade com o grupo todo, considerando as possíveis críticas, sugestões e elogios; Registre o trabalho desenvolvido, compartilhando-o com o grupo e outros interessados. Num processo de educação entre pares, as coisas também precisam ser planejadas e organizadas com carinho, levando-se em conta os objetivos que se quer alcançar. E, mesmo com todo o planejamento, algumas viagens nos reservam surpresas desagradáveis. Quando isso acontece, precisamos mudar os planos e buscar alternativas para solucionar os problemas que apareceram. Por isso é tão importante você se manter atento, ser flexível e utilizar sua criatividade! Como já mencionamos, existem várias maneiras de promover a educação entre pares. Imagine, por exemplo, que os jovens da sua comunidade têm pouco conhecimento sobre os principais métodos contraceptivos e que você quer informá-los sobre esse assunto, discutindo-o com eles. Você pode simplesmente apresentar esses métodos ao grupo, explicando como usá-los, onde adquiri-los etc. Ou pode utilizar recursos do teatro, sugerindo que os participantes dramatizem cenas de um casal negociando o melhor método contraceptivo para evitar uma gravidez não planejada. O caminho que você vai seguir vai depender do seu objetivo. Quanto mais o grupo tiver chance de participar, de refletir sobre seus sentimentos, valores e preconceitos, maiores vão ser as chances de mudanças no seu comportamento. Claro que, para começar a atuar como educador de pares, você não precisa saber fazer tudo isso, mas pode e deve ir aprendendo com os outros e com sua própria experiência. Lembre-se de que, quanto melhor for sua condução, melhor será o resultado do processo! 10 11

7 Segue uma sugestão de como planejar, realizar e avaliar uma atividade educativa entre pares: PLANEJANDO - O ANTES 1. Identifique a principal demanda ou necessidade que precisa ser trabalhada junto ao grupo com o qual você vai atuar. Essa demanda pode ser percebida por você, pelos próprios participantes do grupo ou por outras pessoas que conheçam seus problemas; o ideal é que o próprio grupo possa expressar suas necessidades; 2. Conheça os jovens com quem você irá trabalhar. Se possível, procure se informar sobre quantos eles são, quais a idade e o sexo deles, os aspectos socioculturais (onde moram, com quem, o que gostam de fazer, como gostam de se divertir etc.), pois isso facilitará seu planejamento; 3. Planeje a forma mais adequada (palestra, oficina, dança, música, confecção de cartazes etc.) para falar do assunto que será abordado com o público que se pretende atingir; 4. Planeje a atividade definindo seu objetivo, ou seja, o que você deseja atingir, qual a metodologia a ser usada, além de coisas mais operacionais, como a data, o horário, o local e os materiais necessários; 5. O trabalho fica mais fácil e produtivo quando você compartilha a realização da atividade com outra pessoa; nesse caso, é importante definir o papel de cada um e dividir as tarefas; 6. Vá previamente ao local onde será realizada a atividade para organizá-lo e se familiarizar com ele, além de conversar com o responsável pelo espaço, se houver; 7. Programe bem o tempo para a realização da atividade; 8. Organize com antecedência os materiais que serão utilizados na atividade, como papéis, canetas coloridas, textos, cartazes, a caixa de perguntas e a folha de avaliação; 9. Leia livros e revistas, pesquise sites e converse com especialistas sobre o tema. Lembre-se de que você é o facilitador do debate, por isso deve estar bem informado; 10. Verifique as prioridades de sua atividade, definindo o que não poderá deixar de abordar; 11. Estabeleça parcerias com ONGs, escolas, unidades de saúde, associações comunitárias e até mesmo empresas que possam apoiar sua iniciativa. REALIZANDO O DURANTE Para esta parte não existe um passo a passo definido, já que ele depende muito da metodologia que você vai utilizar. Por exemplo, para apresentar um esquete de teatro na quadra da escola, você não precisa necessariamente seguir um esquema mais rígido. O que vale mesmo é a sua postura, aqueles toques que já demos sobre como se colocar no grupo. AVALIANDO O DEPOIS Avaliar a atividade realizada é bastante importante, pois as informações dadas pelo grupo servirão de base para que você veja se o trabalho está dando certo e faça as mudanças necessárias, considerando os acertos e os desacertos da proposta. A avaliação também é uma importante forma de medir se os objetivos foram alcançados satisfatoriamente. Ela serve tanto para quem realiza o processo, quanto para quem participa dele. Portanto, você pode optar por diferentes formas de avaliação, tanto em grupo, quanto individuais. Veja a seguir alguns exemplos bem simples: Peça que, sozinhos ou em pequenos grupos, os participantes escrevam o que foi bom, o que aprenderam, o que faltou ou foi ruim na atividade; Desenhe carinhas no flip chart ou no quadro. Em seguida, peça que as pessoas indiquem a carinha que representa seu sentimento sobre a oficina; Peça a cada pessoa que diga em uma única palavra o que a oficina significou para ela. Quando colocamos a mão na massa, a coisa muda de figura. No começo você pode até sentir um friozinho na barriga, mas, à medida que for vendo os resultados, vai se sentindo mais seguro. Nem sempre as coisas correm bem, mas é importante não desistir, avaliando, re-planejando e seguindo em frente

8 Que tal darmos um exemplo prático da mão na massa? O caso é o seguinte: foi identificado na comunidade Feijão Dourado que os jovens possuem poucas informações sobre as formas de transmissão e prevenção das DST/Aids, assim como sobre a forma correta de usar a camisinha. Esses jovens têm poucas opções de lazer, mas gostam bastante de teatro. A maioria mora com os pais, tem em média de 15 a 18 anos de idade e estuda na maior escola pública do bairro. 1. Qual a demanda/o problema? Falta de informações sobre DST/Aids e uso da camisinha. 2. De quem é a demanda? Dos alunos? Dos professores? 3. Vai ser obrigatório? Vai quem quer? Como mobilizar os alunos para participar? 4. Qual a atividade mais adequada, considerando que os jovens têm de 15 a 18 anos, estudam numa grande escola pública e gostam de teatro? Pode ser a realização de uma oficina com muitas dramatizações. 5. Qual o principal objetivo? Informar os adolescentes e jovens da comunidade Feijão Dourado sobre como se pega e não se pega DST/Aids, com foco no uso correto do preservativo. 6. Qual a metodologia? Exibição de vídeo educativo que fala sobre a prevenção das DST/Aids, seguida de debate e dramatização de cena em que o casal negocia o uso da camisinha. 7. Quais os materiais necessários? TV, DVD, vídeo educativo, papel e canetas para registro das discussões nos subgrupos, flip chart e canetas piloto para apresentações no grupo grande, camisinhas. 8. Data: 30/08 9. Horário: 9h 13h 10. Local: Escola Líder 11. Com quais parceiros posso contar? Escola Líder, em especial o professor de geografia, Márcio; Jane, responsável pelo atendimento a adolescentes na Unidade Básica de Saúde do bairro. Processos de educação entre pares podem acontecer em quaisquer espaços que possibilitem a realização das atividades. Você pode utilizar o espaço da associação comunitária, alguma escola do bairro, o posto de saúde ou o salão da igreja. É superlegal fazer parcerias com pessoas e projetos que já desenvolvem atividades na sua comunidade, como famílias, organizações não-governamentais (ONGs), associações de moradores, grupos de organização juvenil, entidades sindicais, associações profissionais, cooperativas que envolvem adolescentes e jovens. O importante é que pessoas de diferentes setores direta ou indiretamente ligados à questão da juventude possam contribuir. Tipo conversar com o grupo de jovens da escola que já realiza atividades com outros jovens e pensar em como vocês podem se ajudar, conversar com um professor ou com a enfermeira do posto. Afinal, a união faz a força! Portal do Voluntário Se liga! Ta na mão! Adolescentes promotores de saúde: uma metodologia para capacitação, Biblioteca Virtual em Saúde para Adolescentes

9 as várias formas de fazer O trabalho de educação entre pares compreende uma infinidade de metodologias que vêm sendo utilizadas para abordar temas diversos, especialmente na área do direito, da saúde sexual e da saúde reprodutiva. Veja a seguir algumas atividades que, por sinal, são bastante utilizadas por jovens de todo o país, algumas acompanhadas de exemplos reais. Oferecemos também uma lista de opções 1 que você pode utilizar para abordar qualquer assunto do Fascículo Sexo e muito mais ou qualquer outro assunto do seu interesse. Lógico que você pode conhecer outras opções e também inventar novas maneiras de falar do que você quiser! Bom proveito! a) Ações espontâneas com seus pares Você pode aproveitar uma conversa informal para falar de um tema importante, levantar alguns questionamentos, informar ou discutir atitudes com uma pessoa ou um pequeno grupo. Essa é uma atividade simples e espontânea, que não precisa ser planejada. Lembre-se de que você também pode ser um educador de pares entre seus próprios amigos, quando vocês estiverem batendo papo em casa, na praia, na festa ou em qualquer outro lugar. Não tenha medo de ser chato. Lembre-se de que muitos adolescentes e jovens não se sentem à vontade para discutir temas relacionados à sexualidade com os adultos e acabam se informando com a turma. Se você puder ajudá-los, não perca essa chance. b) Debates a partir de expressão artística Embora essa atividade possa ser uma ação espontânea, que acontece no seu dia a dia, ela também pode ser realizada de maneira mais planejada, utilizandose de pequenas estratégias para tornar o debate mais rico. Após terem assistido a um filme ou a uma peça de teatro, ouvido uma música ou lido uma poesia, incentive seus companheiros a refletirem sobre ideias ou personagens polêmicas, dividindo o grupo entre defesa e acusação. Ou faça rodar a palavra alternadamente com o tema: Eu não gostei porque... ; Eu concordo porque... ; Eu gostei porque... ; Eu discordo porque.... Ou use a criatividade para pensar: Se eu fosse o autor ou a autora, eu teria feito isso diferente.... O importante é, ao final, fazer um resumo das ideias principais que a obra trouxe para a 1.Os itens a a h foram adaptados do Guia de Adolescentes e Jovens para a Educação entre Pares. Ministério da Saúde e Ministério da Educação. Brasília [no prelo]. discussão. A utilização de filmes, vídeos, música e poesia sempre motiva as discussões nesse tipo de atividade, pois a arte tem um grande poder de emocionar as pessoas. Para que o grupo possa aproveitar melhor o conteúdo utilizado nessas produções artísticas, você pode elaborar um roteiro para ajudar nas discussões. Esse roteiro poderá conter algumas perguntas orientadoras: Qual a ideia central apresentada? Que outras ideias relevantes foram abordadas? Quais as questões polêmicas com que o material trabalha? Quais as comparações possíveis entre a realidade e o que foi apresentado na obra? Com o que eles concordam? Do que eles discordam? Em que mudariam o texto ou o roteiro do filme ou da peça? Mudariam algo na vida das personagens? Mudariam o final da história? Como? Esses poderiam ser alguns dos itens do roteiro a ser elaborado e trabalhado em grupo. c) Encontros Sempre que possível, convide pessoas diferentes para falar, como profissionais de saúde, professores, conselheiros de saúde ou de direitos e assistentes. Os encontros sugeridos por você ou por outra pessoa podem ter como objetivo esclarecer algum assunto ou cobrar uma ação. Que tal convidar a enfermeira da unidade de saúde da sua comunidade para explicar como é feito o atendimento de adolescentes no posto? Ou um professor para discutir as situações de preconceito e discriminação que as mães e os pais adolescentes vêm enfrentando na escola? É importante deixar bem claro para o convidado o que deve ser abordado, quanto tempo ele terá para falar, quem é o público e se ele vai poder usar algum recurso audiovisual. É interessante que a apresentação seja breve (no máximo 20 minutos) para não cansar o público e para deixar bastante tempo para o debate. Também podem ser organizados encontros com as famílias, que sempre devem ser vistas como aliadas do trabalho. É difícil, para alguns adultos, romper com antigas crenças e valores e compreender seus filhos. Muitos adolescentes e 16 17

10 jovens também têm dificuldade de dialogar com seus familiares. Nesse sentido, a família deve ser conquistada com cuidado e compreensão. Seria interessante contar com algum familiar (mãe, pai, tio, avô ou avó) que queira fazer parte da equipe de trabalho e seja um elo entre as outras famílias e o grupo de educação entre pares. Você pode organizar uma oficina entre as famílias e os adolescentes para discutir a importância do diálogo sobre sexualidade entre pais/responsáveis e filhos. É interessante promover diferentes espaços de discussão sobre esses temas, variar a forma como eles são abordados. Todas essas possibilidades se complementam. Debates, conversas, filmes, discussão de artigos de jornais e de revistas, levantamento de informações locais, acontecimentos específicos de seu bairro ou de sua cidade que estejam relacionados à questão são algumas das possibilidades. Ao fim de um encontro, já deve ser combinado o que se deseja debater no encontro seguinte. Se liga! Quando se deseja abordar questões ligadas aos direitos sexuais e reprodutivos, é muito importante fazer parcerias, principalmente com os postos de saúde, as equipes de saúde da família, as escolas, a Assistência Social e os Conselhos Tutelares. Na sua região, quem você considera parceiros importantes? Você sabe onde se podem obter camisinhas gratuitamente? Onde conseguir a pílula do dia seguinte? Onde são atendidas as vítimas de violência sexual? É importante ajudar a articular pessoas e serviços e contribuir para a troca de informações. d) Grupos de estudo e discussão - Trabalho de aprofundamento dos temas Após a realização de uma atividade educativa, pode ser que alguns de vocês se interessem em continuar a conversa sobre o tema tratado. Nesse caso, é interessante propor a formação de um grupo de estudo e discussão. Nesses grupos, as pessoas se encontram com determinada frequência com o objetivo de conhecer melhor algum assunto. O Grupo Vhiver, ONG de Belo Horizonte/Minas Gerais que dá apoio e assistência às pessoas que vivem com o HIV, realiza, através dos seus jovens educadores, encontros quinzenais com um grupo de adolescentes chamado Adolescer. A ideia surgiu de um jovem que desejava reunir a galera para conversar abertamente e aprofundar a reflexão sobre alguns temas de interesse dos adolescentes e jovens. A proposta desses jovens é conversar sobre sexualidade, cidadania, direitos humanos, HIV/Aids através do estudo de textos, de literatura, música, poesia e vídeos. e) Eventos Trata-se de algo que acontece sem uma frequência fixa, normalmente recebendo mais visibilidade e envolvendo um número maior de pessoas. É um momento de sair da rotina. Pode ser um festival de arte e cultura, uma projeção de filme com debate, um show de música ou dança, uma apresentação de teatro, uma grande manifestação pública, elaboradas pelo próprio grupo de adolescentes e jovens, por convidados de outros bairros ou escolas ou até mesmo por artistas profissionais comprometidos com o tema. É um momento especial, pois reúne muita gente em torno de uma atividade em que geralmente circula muita alegria e emoção. Olha um exemplo: o Grupo Juventude Força e Ação do Icaraí, em parceria com a ONG ECOS Comunicação em Sexualidade de São Paulo, realiza atividades educativas de prevenção das DST/Aids na sua comunidade. Num dia 1o de 18 19

11 dezembro, em que se comemora o Dia Mundial de Luta Contra a Aids, eles promoveram o I Festival Torcendo pela Saúde, lá na Vila Brasilândia. Essa iniciativa partiu dos próprios jovens, que, mobilizados pela falta de opções de lazer em sua comunidade e pela falta de informações sobre DST/Aids, resolveram fazer um festival de futebol, no qual meninos e meninas jogaram e participaram de oficinas sobre sexo seguro, apresentações de dança e hiphop. Eles fizeram parceria com a escola do bairro, onde foi realizado o festival, com os profissionais que trabalham no posto de saúde e com os comerciantes locais, que ofereceram lanches para todos os participantes do evento. O festival envolveu os alunos da escola e outros jovens da comunidade, familiares, professores e profissionais da saúde. Essa é uma boa estratégia para mobilizar muita gente, pois alia atividades educativas, esportivas e culturais. Parece ser uma receita infalível quando se deseja dar o recado de forma criativa! f) Gincana solidária e cultural É uma atividade pedagógica que alia a competição à cooperação entre indivíduos e grupos. Nesse caso, recomendamos que seja uma gincana solidária e temática, que não se dê ênfase à disputa, mas ao entusiasmo de cumprir tarefas e aprender com elas. O caráter das tarefas deve ser sempre pedagógico e solidário, e deve-se tomar o cuidado de estabelecer uma comissão julgadora comprometida com o tema e atenta aos objetivos propostos. A gincana pode focar, por exemplo, o tema de prevenção às DST/Aids. No caso, o objetivo dessa atividade é, ao mesmo tempo, informar e formar uma cultura de solidariedade. Uma comissão de adolescentes e professores deve elaborar as tarefas e seus respectivos critérios de julgamento; indicar uma entidade a ser beneficiada com a ação solidária da gincana; formar uma comissão julgadora com representantes dos adolescentes e jovens, dos familiares, profissionais de saúde, educadores, entre outros integrantes da escola e da comunidade. Por fim, é preciso escolher um prêmio de interesse coletivo. g) Intervenção na Comunidade É uma ação de maior alcance e impacto que pode ter diferentes objetivos: uma pesquisa sobre a situação do seu bairro, a sensibilização da comunidade, um diálogo mais sistemático com a escola e outras instituições, uma feira de saúde etc. Para que o trabalho a ser desenvolvido seja consistente, é importante que ele seja planejado detalhadamente e avaliado após sua realização. Você já parou para pensar na comunidade onde mora? Isso mesmo: como ela surgiu, quantas famílias moram nela, se existe coleta de lixo, se tem saneamento básico, quantas escolas existem e como está seu funcionamento, se a unidade de saúde dispõe de métodos contraceptivos para adolescentes etc. Essa é uma forma bacana de ter uma foto do seu bairro, ou seja, de conhecer mais a situação real em que as pessoas vivem, considerando o que tem de bom e o que precisa ser melhorado na comunidade. Como existem muitos pontos a serem pesquisados, você pode escolher apenas um, por exemplo, saber como funciona a distribuição de camisinhas para os adolescentes e jovens na unidade de saúde. Junte a turma do bairro e marque um encontro para definir como e por onde começar essa fotografia! Sensibilizar sua comunidade para um tema que você considera importante que todos conheçam e pensem um pouco também é superlegal! Você pode convidar a galera para elaborar uns cartazes com desenhos e frases e colar nas casas do comércio local (supermercados, padarias etc.), na escola e nos espaços de circulação do pessoal. Depois proponha um debate com todos! Outra ideia legal para sensibilizar a comunidade é fazer um espetáculo de dança ou de teatro sobre o tema escolhido. De preferência, divulgue-o antes e realize-o num local de fácil acesso para todos. Caso deseje, promova um debate depois do espetáculo. Bater na porta da escola ou da unidade de saúde para conversar com os profissionais sobre alguma situação que te incomoda, ou mesmo para esclarecer dúvidas e se informar, pode ser um estímulo para que as demais 20 21

12 pessoas da sua comunidade façam o mesmo! Também é uma maneira de se aproximar dessas importantes instituições, que muito têm a contribuir para a garantia dos direitos sexuais e direitos reprodutivos. Realizar uma feira de saúde também é uma importante e estratégica intervenção que você pode fazer na sua comunidade. O primeiro passo é planejar muito bem essa atividade, pois ela exige um esforço maior. Fazer parceria com as unidades de saúde, com as ONGs que estão atuando no seu bairro, com os comerciantes e outras instituições pode ser a segunda coisa a fazer. Realizar uma feira de saúde nada mais é do que levar até a comunidade informações e serviços de saúde através de oficinas educativas de informação e debate, apresentações artísticas, palestras realizadas pelos próprios profissionais de saúde e pelos jovens. Esse é um importante espaço para promover saúde no seu bairro! h) Elaboração e divulgação de material informativo Criar materiais informativos para sua escola pode ser outra atividade interessante. Produzir cartazes, panfletos, campanhas, faixas informativas, jornais, boletins, mensagens para serem veiculadas nas rádios comunitárias são várias as possibilidades. Quanto maior o número de pessoas envolvidas, melhor para todos. Já existem vários materiais produzidos por coordenações estaduais e municipais de DST/Aids, pelos Ministérios e Secretarias da Saúde e da Educação, pelas prefeituras municipais, pelos serviços de saúde próximos às escolas, pelas ONGs, entre outras instituições. Esses materiais também podem ser utilizados para apoiar suas atividades. O Fascículo de Educomunicação (Eu Comunico Tu Comunicas Nós Educomunicamos) trata especialmente desse assunto! Sempre que se deseja criar algum material, é importante ter em mente: Qual o comportamento que se quer incentivar? O que os jovens precisam saber para ter esse comportamento? No que precisam acreditar? Por exemplo, para usar camisinha, os jovens precisam saber que ela protege e como usá-la; que devem usá-la em todas as relações sexuais; e onde consegui-las gratuitamente. Além disso, precisam acreditar que podem dizer NÃO, que homens e mulheres têm direitos iguais, que todos estamos em risco se não nos protegermos. Essa reflexão, que deve ser feita com o público a quem o material se destina, pode ajudar na elaboração desse material. i) Oficina É uma atividade que vai exigir um pouco mais de empenho, por ser o espaço onde as informações e principalmente os debates ocorrem com maior profundidade. Veja a seguir algumas dicas básicas que orientarão seu trabalho na realização de uma oficina. 1. Preparando o espaço: Prepare a sala/o local onde será realizada a atividade de maneira que os participantes percebam que algo novo acontecerá ali. Tente criar um ambiente acolhedor. Não se esqueça de organizar as cadeiras em círculo para que todos possam se enxergar; 2. Apresentação: Inicie o processo dando boas-vindas a todos e dizendo quem é você. Deixe os participantes se apresentarem e, se houver tempo, falarem um pouco sobre suas expectativas. Apresente a proposta da oficina, informe sua duração e descreva brevemente suas etapas

13 3. Acordo de convivência: Crie com o grupo um acordo ou um contrato sobre horários, atendimento telefônico, conversas paralelas, sigilo e outras questões que você julgar importante para que os participantes se sintam seguros para expor o que pensam e, acima de tudo, se sintam respeitados. 4. Explicando a atividade: Descreva os objetivos específicos de cada atividade, dando instruções claras e informando o tempo disponível para sua realização. Assegure que todas as pessoas compreendam as instruções. Pergunte se têm dúvidas ou se gostariam de fazer alguma pergunta. Mostre que a participação de todos é desejável e importante, e que todas as opiniões deverão ser respeitadas. 5. Organizando o formato da atividade/discussão: Escolha o formato que se dará ao debate, definindo se os participantes trabalharão em duplas ou em subgrupos. Depois, siga um desses métodos: a) numere as pessoas de acordo com o número de grupos necessários para que depois os números iguais se juntem; b) defina os grupos previamente e afixe a relação na parede; c) prepare folhas de papel com o mesmo número de símbolos que o número de grupos necessários. Em seguida, peça a cada pessoa que escolha um símbolo e se junte com as pessoas que tiverem o mesmo símbolo; d) permita que os grupos se formem naturalmente. As discussões coletivas podem ser realizadas em pequenos grupos ou em grupos maiores. É importante que o grupo escolha uma pessoa para resumir e anotar as ideias gerais e outra para apresentá-las. Procure incentivar um rodízio para que todos tenham a oportunidade de exercitar tanto a comunicação oral quanto a escrita. 6. Conduzindo a atividade: Durante a atividade, dê orientação e ajuda conforme necessário ou solicitado pelo grupo. Se possível, acompanhe o debate feito pelos pequenos grupos, procurando interferir o mínimo possível, mas já colhendo informações para o debate posterior. 7. Apresentação dos grupos: Dê um tempo para que cada subgrupo apresente suas discussões e conclusões para o grande grupo. Em seguida, abra o debate. 8. Atividade de encerramento: É importante garantir que todas as pessoas expressem o que sentiram, façam suas últimas reflexões etc. Procure finalizar a atividade de maneira criativa. Nesse momento, também é possível entregar certificados e agradecer aos participantes e colaboradores da atividade. A participação das pessoas na oficina é a chave mestra para que ela dê certo; por isso, proponha atividades que envolvam as pessoas e lhes permitam falar, discutir e refletir. Para facilitar a vida, segue uma lista dos recursos que você pode utilizar durante a oficina, além de algumas vantagens e desvantagens de trabalhar com cada um deles Discussões em grupo O que é: Discutir o assunto abordado no grande grupo. Vantagem: Todos têm oportunidade de obter informações e de expressar suas opiniões. Essas discussões devem ser rápidas e fáceis. Elas são úteis no início de uma oficina para fazer com que todos se envolvam. Desvantagem: Podem ser desconfortáveis para pessoas tímidas, por forçá-las a dizer algo. Ao iniciar uma discussão, sempre dê às pessoas a opção de não responder. 2. Tempestade de ideias O que é: O facilitador pede às pessoas que falem o que lhes vem à cabeça sobre determinado assunto. Vantagem: Encoraja uma participação ativa e criativa. Pode ser divertida e energizante. O facilitador deve lembrar ao grupo que qualquer ideia é apropriada, que discordar das ideias dos outros é possível, que construir sobre elas é ótimo, mas que criticá-las não é aceitável. Desvantagem: A participação das pessoas tímidas ou que não conhecem bem o grupo pode ser difícil. Essa não é uma atividade apropriada para assuntos mais delicados, que envolvem sentimentos e valores, demandando um ritmo mais lento. 2. Extraído e adaptado do site em 09/07/

14 3. Pequenos grupos O que é: Dividir os participantes em grupos menores para realizar a atividade proposta pelo facilitador, como elaborar um cartaz com recortes de revista sobre o preconceito em relação às pessoas que vivem com o HIV. Vantagem: São mais confortáveis para pessoas que não se conhecem. Grupos pequenos dão a oportunidade de trocar ideias mais livremente e conhecer melhor as outras pessoas. A tarefa de discussão deve ser explicada de forma clara e cuidadosa para manter a discussão no foco. Desvantagem: Se o tópico não for claro ou relevante para os participantes, a discussão pode resultar em uma conversa inútil. A apresentação das discussões dos trabalhos para o grupo geral pode ser chata e repetitiva. Estruture uma pergunta que resuma o essencial de uma discussão e proponha uma forma de apresentação criativa. 5. Debates O que é: Quando os participantes expõem seus pontos de vista sobre o assunto abordado na oficina. Vantagem: Uma das melhores maneiras de as pessoas aprenderem. O facilitador deve começar com perguntas de como e por quê. Seu papel é resumir os pontos principais periodicamente, dar foco à discussão se ela estiver se perdendo, encorajar a participação do maior número de pessoas possível e finalizar as discussões quando for hora de iniciar uma nova atividade. Desvantagem: Um dos riscos é o de demorar demais caso não se consiga manter o foco. Além disso, pode ser dominado por apenas algumas pessoas. 4. Perguntas e respostas O que é: O facilitador lança para o grupo perguntas sobre determinado assunto, e o grupo tem de responder a elas. Vantagem: Use perguntas fechadas (respostas SIM ou NÃO) para obter informações. Use perguntas abertas (COMO e POR QUÊ) para promover discussões e desenvolver ideias. Desvantagem: Pode ser intimidante se os participantes acharem que são obrigados a responder. Sempre dê a eles a opção de não responder. 6. Dramatização O que é: Quando o facilitador solicita a pequenos grupos que elaborem uma cena, como se fosse uma peça de teatro, relativa a uma situação proposta. As personagens, as falas e a situação devem ser criadas pelos participantes. Por exemplo, o tema da oficina é o respeito à escolha sexual das pessoas. O facilitador pede ao grupo que elabore uma cena que reflita como os 26 27

15 homossexuais são percebidos pela sociedade. Criar os nomes e a idade das personagens, dizer onde moram, se estudam ou não etc. ajuda a compor a cena. Falaremos mais disso daqui a pouco! Vantagem: Forma concreta de se imaginar numa determinada situação e de praticar novas habilidades. Pode ser divertido. A maneira mais eficiente de entender e aprender novas habilidades. Desvantagem: Algumas pessoas ficam nervosas e intimidadas ou são resistentes em participar de dramatizações. A não ser que o facilitador tenha muita experiência, é importante evitar que os jovens interpretem situações vividas por eles, uma vez que o debate pode trazer críticas à sua postura, gerando constrangimento. 7. Apresentações e pequenas palestras O que é: Quando o facilitador ou outra pessoa faz uma apresentação ou palestra sobre determinado assunto para o grupo de participantes. Vantagem: Devem ser curtas e simples, com vários exemplos associados ao dia a dia das pessoas. É uma forma de transmitir informações essenciais, mas deve ter uma duração estritamente limitada (no máximo 15 minutos). Ao final, uma atividade diferente deve ser introduzida para encorajar os participantes a discutirem as informações recebidas. Desvantagem: Maneira passiva de aprender. A não ser que seja feita de forma interativa, com a participação intensa da plateia, ou seja, seguida de uma discussão, não exige necessariamente a reflexão dos participantes. 8. Painéis O que é: Quando o facilitador convida um profissional ou especialista para falar do assunto tratado na oficina. Vantagem: Devem ser apresentações breves (cerca de 10 minutos) envolvendo especialistas nos temas propostos e permitir discussões e debates após as colocações. Boa maneira de aprofundar o assunto. Desvantagem: Podem não ter foco ou interesse. Frequentemente é difícil manter os palestrantes dentro do assunto e do tempo determinado. Se eles não forem bons comunicadores, os participantes poderão não conseguir entendê-los ou perder o interesse pelo painel. 9. Vídeos O que é: Recurso audiovisual que conta uma história fictícia ou baseada em fatos reais. Vantagem: Ferramentas úteis para aumentar a conscientização sobre temas diversos. Boa atividade para quem aprende visualmente. O vídeo certo pode apresentar os vários aspectos de um assunto e conectar o conteúdo à prática. Desvantagem: Pode ser difícil achar um vídeo que seja relevante para o seu grupo e para o assunto que você estiver discutindo. Assim como nas palestras, é importante incentivar o debate. 10. Confecção de cartaz O que é: O facilitador pede ao grupo que elabore um cartaz utilizando recortes de jornais, de revistas e outras fontes sobre determinado tema. Vantagem: Estimula a criação e a pesquisa sobre o tema de forma lúdica. Desvantagem: Corre-se o risco de o grupo simplesmente recortar figuras avulsas e de o trabalho perder o caráter educativo de pesquisa e debate sobre a relação da figura com o tema

16 Vai aí um exemplo de uma oficina sobre as relações de gênero. Oficina Ser Homem e Ser Mulher[3] Objetivos: Discutir as diferenças entre homens e mulheres; Por que essas diferenças se transformam em desigualdades; E que o conceito de gênero é uma construção social. Tempo necessário: 1 hora Material: Tiras de papel; canetas; fita crepe O que fazer: Distribua duas tiras de papel, uma caneta e dois pedaços de fita crepe para cada participante. Peça-lhes que, individualmente, escrevam as características masculinas e femininas e as diferentes mensagens passadas para os meninos e as meninas. Lembre-os de que cada tira deve conter uma característica. Dê-lhes alguns exemplos, como menino não chora ou menina não se senta de perna aberta. Sugira também que eles pensem nos brinquedos e nas brincadeiras atribuídos a meninos e meninas. Quando todos tiverem terminado de escrever suas tiras, peça a duas pessoas (de preferência um homem e uma mulher) que vão até a frente do grupo para servir de modelos. Solicite que levem consigo suas tiras e a fita crepe. Na falta de um dos sexos, solicite que uma das pessoas represente o sexo oposto. Peça à mulher que está na frente que cole no homem as tiras sobre as características masculinas. Essa colagem deve ser feita na região do corpo dele que ela achar mais adequada (por exemplo, força pode ser colada no bíceps). Quando tiver terminado, peça ao homem que faça o mesmo com as características que escreveu sobre a mulher. Depois, peça a cada pessoa que vá até a frente do grupo e faça o mesmo com suas tiras. Lembre-as de que as tiras devem ser coladas na parte do corpo que mais representa aquela característica/mensagem/brinquedo ou brincadeira. Quando todos tiverem terminado, peça que examinem como ficaram os modelos e digam que conclusões se pode tirar do exercício. Pontos para discussão O que é ser homem? O que é ser mulher? Quais as diferenças entre ser homem e ser mulher? Quais dessas diferenças são biológicas? Quais são construídas socialmente? Quais as situações em que essas diferenças se tornam desigualdades? Como a escola poderia contribuir para modificar essa situação? Fechamento Esclareça que, quando falamos em sexo, nos referimos às características físicas e biológicas de cada um, às diferenças entre um corpo de homem e de mulher, de menino e de menina. Mas, quando falamos em gênero, nos referimos às diferenças entre os homens e as mulheres que foram construídas ao longo da história da humanidade por meio de costumes, ideias, atitudes, crenças e regras criadas pela sociedade. Chame a atenção também para os estereótipos que existem em relação a homens e mulheres, como garotas são mais fracas, mais dependentes, mais sensíveis, menos agressivas e garotos são mais fortes, mais independentes, mais práticos, mais agressivos. Explore as atividades consideradas masculinas e as consideradas femininas, questionando o porquê dessa divisão de tarefas. Estimule discussões sobre os papéis do homem e da mulher na sociedade. A finalidade é a interação entre os valores próprios de cada sexo para a criação de uma sociedade mais justa, igualitária e fraterna. Promova uma discussão sobre a responsabilidade de homens e mulheres em certas situações, tais como: responsabilidade de ambos na contracepção e na prevenção de DST/Aids etc. Lembre-se de que o grande desafio desse trabalho é sensibilizar os jovens para ultrapassar as limitações impostas a cada gênero, fazendo com que um seja capaz de ajudar o outro a se libertar das amarras culturais, de modo que todos possam viver com mais igualdade e solidariedade

17 j)teatro Vamos à prática! Vamos contar a história de um grupo de jovens da Zona Leste de São Paulo que fazem parte do Projeto Tecer o Futuro. Eles são conhecidos como CEDOC, e uma das principais atividades que realizam é a apresentação do espetáculo de teatro de bonecos Fala Sério! Eles apresentam peças sobre o HIV/Aids nas escolas, nas unidades de saúde e nas comunidades da sua região. Tudo surgiu em 2003, quando esse grupo de jovens percebeu que os adolescentes que viviam com o vírus HIV sofriam muito preconceito e discriminação nas escolas e que existiam poucas iniciativas que tratassem desse assunto. Eles resolveram, então, elaborar o texto, construir os bonecos, aprender a manipulá-los e fazer parcerias a fim de garantir espaços para suas apresentações. O espetáculo fala da história de uma jovem (Carol) que conta ao melhor amigo (Guto) que vive com o vírus do HIV. Carol e Guto conversam sobre as formas de transmissão do vírus, o tratamento, a prevenção, o preconceito e a inclusão. Durante a apresentação, os bonecos convidam dois casais para colocar um preservativo feminino e um preservativo masculino, ensinando à plateia a forma correta de armazenar e de utilizar esses preservativos. No final, Carol pergunta a Guto se deve ou não contar ao seu ficante que vive com o vírus do HIV. Após a apresentação, o grupo debate com a plateia o direito que o adolescente soropositivo tem de querer contar ou não às pessoas sobre a sua situação, as formas de transmissão e de prevenção do HIV, o uso da camisinha, a importância da solidariedade e de quanto é ruim sofrer preconceitos. O Fala Sério! já foi assistido por mais de adolescentes e jovens em diversos espaços, como congressos, mostras, centros educacionais comunitários, encontros estudantis, empresas, universidades, corporações policiais e seminários em diversas cidades, como Ferraz de Vasconcelos, Guarulhos, Recife, Brasília, Sorocaba, entre outras. Fazer parcerias sempre é muito bom! esses jovens contaram com o apoio de profissionais. Uma dica legal é você pedir a ajuda dessas pessoas para confeccionar os bonecos, que podem ser feitos de papelão, de pano ou de sucata, para elaborar o texto ou para articular as apresentações para que elas aconteçam. O trabalho com o teatro é bastante flexível: você pode encenar uma peça, trabalhar com jogos teatrais para aquecer o grupo antes de alguma atividade, integrar os participantes e até mesmo embasar toda a atividade educativa. Os jogos teatrais fazem com que o aprendizado aconteça de forma mais dinâmica. Pra entender melhor O que é arte educação? Como o próprio nome já diz, é a possibilidade que temos de educar com a arte! Através dela: estimulamos a criatividade; incentivamos outras formas de expressão de sentimentos e pontos de vista para além da fala; desenvolvemos a percepção, a imaginação, a observação, o raciocínio e as expressões do corpo; valorizamos o que existe em cada cultura, como a capoeira, o maracatu, o samba de roda etc.; utilizamos recursos lúdicos, como a música, a dança e o teatro para abordar um assunto; promovemos o prazer e a descontração; desenvolvemos a capacidade do trabalho em grupo; emocionamos as pessoas

18 Aqui apresentamos alguns exemplos de jogos teatrais bem simples que você pode utilizar nos trabalhos em grupo: Música e ritmo (para aquecer o grupo): Os participantes dançam pelo espaço de olhos fechados, conforme a música. Depois dançam com cada uma das partes do corpo separadamente: primeiro os braços, depois a cabeça, em seguida as pernas... Roda rápida (apresentação das pessoas): Os participantes estão em roda. Cada um fala seu nome, repetindo-o até três vezes para as pessoas o fixarem bem. Depois que todos tiverem se apresentado, uma pessoa começa falando o nome do outro participante e vai para o lugar dele. Peça que todos façam o mesmo até que não falte ninguém se apresentar. A brincadeira fica mais engraçada quando o facilitador pede que as pessoas façam isso mais rápido. Espelho (trabalha a integração do grupo): Em duplas, o facilitador explica que uma pessoa ficará no comando enquanto a outra tentará realizar os mesmos gestos que ela como se estivesse na frente do espelho. Depois as pessoas trocam de lugar. Se quiser, faça o mesmo exercício formando outras duplas. Outra forma simples de trabalhar com o teatro é construir esquetes (pequenas peças ou cenas dramáticas com duração de aproxidamente 10 minutos) baseados num tema à sua escolha. Aí vai um exemplo: inspirados num cartãopostal sobre a diversidade sexual elaborado pela Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (SMS-Rio), o grupo de teatro do Adolescentro Paulo Freire, unidade da SMS-Rio, elaborou um esquete de teatro sobre homofobia a partir de fofocas na escola, situação frequente entre os jovens. De forma delicada e bem-humorada, o esquete aborda o tema da homossexualidade e reforça o direito que todos têm de viver plenamente sua orientação sexual. O esquete é resultado da criação coletiva dos adolescentes a partir de estímulos e da orientação do professor de teatro que dirige o grupo. A peça vem sendo apresentada com grande sucesso a adolescentes, jovens e profissionais de saúde, propiciando uma oportunidade de reflexão sobre um tema importante e polêmico sobre o qual a maioria das pessoas tem dificuldade de conversar. k) Artes plásticas O pessoal do MIAL Movimento de Intercâmbio de Adolescentes de Lavras/ Minas Gerais, em parceria com a UFAL Universidade Federal de Lavras, teve uma ideia bem legal para estimular as pessoas a saberem mais sobre um assunto que dá muito o que falar. Esse pessoal criou uma tenda que mostra como a sexualidade foi construída ao longo do tempo, utilizando gravuras, pinturas, cartazes e recortes de jornais de várias épocas. Esses materiais permitiram que o público conhecesse a história da sexualidade de forma lúdica e interativa. Na entrada da tenda, havia uma vulva feita de cetim, em formato de cortina, através da qual as pessoas entravam na barraca. Essa é uma forma divertida e irreverente de trabalhar um tema polêmico, que possibilita uma série de reflexões. l) Dança, música e percussão Não é novidade para ninguém que todas as pessoas, independentemente da faixa etária, se identificam em maior ou menor grau com a nossa dança, a nossa música e a nossa percussão; afinal, a nossa diversidade empolga. Temos o hip-hop fortemente presente em São Paulo e já se alastrando por todas as capitais do país. Temos o funk carioca, o frevo em Recife, o bumba-meu-boi no Maranhão, o boi do mamão em Santa Catarina, o carimbó no Pará, e assim vai. Por que, então, não utilizar tudo isso como um poderoso instrumento educativo? Essa é a proposta. Você pode utilizar esses e outros recursos da sua região como caminhos para abordar um assunto específico. Como as possibilidades de trabalho com a nossa cultura são muitas, resolvemos dar alguns exemplos de experiências realizadas por jovens nos quatro cantos do país. No Rio de Janeiro, existe um projeto coordenado pela ABIA Agência Brasileira Interdisciplinar de Aids chamado Companhia da Saúde, que fala de arte e alegria. O grupo é formado por jovens da Baixada Fluminense e da periferia do Rio de Janeiro, que utilizam roupas coloridas, pernas de pau, percussão e dança para falar da importância dos cuidados que devemos ter com a nossa saúde. Os integrantes fazem de tudo para que a plateia participe do espetáculo, além de repassar informações sobre as formas de infecção pelo HIV e de estimular a solidariedade e o respeito às pessoas que vivem com o vírus. Esse grupo também discute a questão do racismo, abordando os estereótipos associados à população negra

19 No interior de São Paulo, na cidade de Sumaré, a ONG Reprolatina desenvolveu um projeto com adolescentes e jovens sobre prevenção das DST/Aids. Esses jovens foram capacitados como agentes voluntários da saúde nas temáticas sobre saúde sexual e saúde reprodutiva. Desse trabalho surgiu a ideia da gravação de um CD de hip-hop com o nome Só com educação é que se pode mudar. No CD há letras que informam sobre o HIV/Aids, fazendo a gente pensar sobre o assunto através da música. Eles se apresentaram nas comunidades dos bairros, nas escolas e unidades de saúde. Vai aí a letra de uma das músicas compostas pelos próprios jovens. Diga Não para o HIV Somos adolescentes e jovens prevenindo o HIV/Aids Aprendendo a cuidar da nossa saúde cada vez mais Faça parte dessa ideia, busque informações Sexo seguro é sexo com saúde, use sempre camisinha m) Poesia Pra quem acha que não existe espaço para a poesia neste mundo, apresentamos a experiência do CRIA, uma ONG de Salvador que trabalha com adolescentes utilizando a arte-educação, principalmente o teatro, o clown (palhaço) e a poesia. Grupos de adolescentes encontram-se para discutir poesia, ler e estudar poetas principalmente os poetas baianos e escrevem suas próprias poesias. O resultado desse trabalho é a montagem de um recital poético que é apresentado nas comunidades onde esses adolescentes moram. Após a apresentação do recital, o público é convidado a recitar poesias, criando um espaço de convivência e de troca sobre as questões da comunidade. Além dessa atividade, esses adolescentes realizam outras ações educativas, como oficinas, palestras e grupos de teatro. Diga não para o HIV e pra DST Sem camisinha não faço nada com você Tente entender, não vai se arrepender Com camisinha é bom pra mim e pra você Vamos usar camisinha pra não pegar DST Usando camisinha a gente vai se proteger Com DST a gente também pega HIV Também tem a gravidez, pare pra pensar Se ela rolar nossa vida vai mudar de vez Sexo seguro de forma consciente Use camisinha, seja inteligente Preste atenção na nossa condição Pra ter saúde prevenção é a solução Vai vendo a cada ano que se passa cresce o número de pessoas Infectadas com o vírus HIV, dos anos 90 pra cá, esse número vem Crescendo principalmente entre as mulheres e os jovens O Brasil possui o maior Programa de prevenção de DST/HIV/Aids Mas ainda não possui a cura Buscar a informação e se prevenir ainda é o melhor remédio Seja vivo, viva a vida de forma saudável. Esse é o salve

20 anotações Este material foi testado com adolescentes das comunidades de Heliópolis e Cantinho do Céu em São Paulo. Valeu Galera! Heliópolis Rafael Reis de Almeida Daniel Nunes Pereira Rafael Soares de Oliveira Leonardo Belo da Silva Eduardo Portela Brenda Passos Santos Daniel da Silva dos Santos Mayara Cintia L. Vieira Wellington Wesley Luiz Alessandra dos Anjos Fabiola Batista Cantinho do Céu Vanessa Da Conceição Liliane dos Santos Mendes Ellen Cristina Nascimento Nogueira Luciane Morais Francileide Oliveira Jéssica Aparecida Almeida Costa Lucas Gomes Daniella de Sousa Cardoso Andréia Sabino Estevão Henrique Barbosa Jéssica de Sousa Marques Maxwell Rodrigues Mendes Johnny Nogueira de Souza Ana Carolina Rodrigues de Almeida Felipe Tavares Pessoa John Leno da Silva Vieria Andreza dos Santos Silva Kayone Caroline da Silva Bruna Alves Campos Crione de Sousa Ribeiro Fernando Antônio Raiane Myrele C. dos Santos Aleni Rodrigues Débora de S. P. dos Santos Gessiára de Sousa Augusto E. de C. R. da Silva Henrique S. Vitorio 38 39

21 Iniciativa Parcerias

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Caro professor, Este link do site foi elaborado especialmente para você, com o objetivo de lhe dar dicas importantes para o seu

Leia mais

SUGESTÕES DE ATIVIDADES AOS EDUCADORES

SUGESTÕES DE ATIVIDADES AOS EDUCADORES SUGESTÕES DE ATIVIDADES AOS EDUCADORES RESPONDENDO À GARRAFA OBJETIVOS: - Perceber a diversidade de posturas frente ao tema sexualidade humana. - Verificar que a história de vida (religião, educação, valores,

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS >>> Rodas de Conversa A SEE, em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (unicef) e com a colaboração de ONGs,

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

A Ética e o Idoso: Comemorando o Dia Internacional da Terceira Idade.

A Ética e o Idoso: Comemorando o Dia Internacional da Terceira Idade. Ministério da Educação Início do Conteúdo A Ética e o Idoso: Comemorando o Dia Internacional da Terceira Idade. Autor e Co-autor(es) Autor Fátima Rezende Naves Dias UBERLANDIA - MG ESC DE EDUCACAO BASICA

Leia mais

GUIA DE SUGESTÕES DE ATIVIDADES SEMANA SAÚDE NA ESCOLA TEMA: PARTICIPAÇÃO JUVENIL/INFANTIL

GUIA DE SUGESTÕES DE ATIVIDADES SEMANA SAÚDE NA ESCOLA TEMA: PARTICIPAÇÃO JUVENIL/INFANTIL MINISTÉRIO DA SAÚDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GUIA DE SUGESTÕES DE ATIVIDADES SEMANA SAÚDE NA ESCOLA TEMA: PARTICIPAÇÃO JUVENIL/INFANTIL Brasília - DF 2013 GUIA DE SUGESTÕES DE ATIVIDADES SEMANA SAÚDE NA

Leia mais

OFICINA: SEXUALIDADE

OFICINA: SEXUALIDADE OFICINA: SEXUALIDADE Daniele Costa Tatiane Fontoura Garcez APRESENTAÇÃO A oficina tem como tema a Sexualidade, será realizado no Instituto Estadual de Educação Bernardino Ângelo, no dia 25/08/2014, segunda-feira,

Leia mais

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração Material pelo Ético Sistema de Ensino Elaborado para Educação Infantil Publicado em 2011 Projetos temáticos EDUCAÇÃO INFANTIL Data: / / Nível: Escola: Nome: Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Leia mais

6 Dinâmicas de Grupo para o Dia das Mães

6 Dinâmicas de Grupo para o Dia das Mães Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicasdiadasmaes 6 Dinâmicas de Grupo para o Dia das Mães Apresentamos uma seleção com 6 dinâmicas de grupo para o Dia das Mães, são atividades que podem

Leia mais

Como é a criança de 4 a 6 anos

Como é a criança de 4 a 6 anos de 4 a 6 anos Como é a criança Brinque: lendo histórias, cantando e desenhando. A criança se comunica usando frases completas para dizer o que deseja e sente, dar opiniões, escolher o que quer. A criança

Leia mais

Projetos Pedagógicos. Agosto 2012

Projetos Pedagógicos. Agosto 2012 Projetos Pedagógicos Agosto 2012 AMIZADE Amigo a gente cuida, faz carinho, brinca, sorri e até chora junto, e percebemos o quanto precisamos um do outro. A amizade é muito valiosa para nós que construímos

Leia mais

ENSINANDO A APRENDER!

ENSINANDO A APRENDER! ENSINANDO A APRENDER! A hora do estudo da criança em casa pode ser produtiva, eficaz e até prazerosa se você colocar em prática uma série de dicas valiosas dos especialistas. Confira! Estudar é fundamental.

Leia mais

Relatório de atividades Socioambientais

Relatório de atividades Socioambientais Relatório de atividades Socioambientais Ação 1: Apresentação da programação da Feira do Empreendedor 2014 às instituições da comunidade do entorno do SESI. Realização: Amazônia Socioambiental Equipe Técnica

Leia mais

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO Este documento é resultado do chamado do Ministério da Educação à sociedade para um trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

DEVOLUTIVA ESTE JOVEM 2010 - INTERNET

DEVOLUTIVA ESTE JOVEM 2010 - INTERNET DEVOLUTIVA ESTE JOVEM 2010 - INTERNET INTRODUÇÃO Olá pessoal! Antes de começar a análise dos dados queria agradecer a participação de todos que responderam a pesquisa desse ano do projeto Este Jovem Brasileiro.

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

Guia de Discussão Série Eu e meu dinheiro Episódio: O pão da avó

Guia de Discussão Série Eu e meu dinheiro Episódio: O pão da avó Guia de Discussão Série Eu e meu dinheiro Episódio: O pão da avó Sumário Sobre a série... 3 Material de apoio... 3 Roteiro para uso dos vídeos em grupos... 4 Orientações para o facilitador... 4 Conduzindo

Leia mais

Dicas para você trabalhar o livro Mamãe, como eu nasci? com seus alunos.

Dicas para você trabalhar o livro Mamãe, como eu nasci? com seus alunos. Dicas para você trabalhar o livro Mamãe, como eu nasci? com seus alunos. Caro professor, Este link do site foi elaborado especialmente para você, com o objetivo de lhe dar dicas importantes para o seu

Leia mais

PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA

PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA PROPOSTA DE AÇÃO Sensibilizar os professores sobre a importância de incentivar seus alunos a participarem do Concurso

Leia mais

coleção Conversas #2 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #2 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. coleção Conversas #2 Positivo, o que e u faç o Deu Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo de facilitar

Leia mais

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, fevereiro de 2010 FUNK CONSCIENTIZA VAI 1 - música Proponente Nome RG: CPF: Endereço Fone: E-mail: DADOS

Leia mais

ROTEIRO PARA REFLEXÃO DO VÍDEO ERA UMA VEZ OUTRA MARIA

ROTEIRO PARA REFLEXÃO DO VÍDEO ERA UMA VEZ OUTRA MARIA SOCIALIZAÇÃO DE MULHERES E HOMENS Quais foram as diferenças entre a criação da Maria e a do seu irmão? Vocês acham que os meninos e as meninas da sua comunidade são criados de formas diferentes? Como?

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Lia Alarcon Lima Programa de Pós-Graduação em Teatro UDESC Mestranda Teatro Or. Profª Dra. Márcia Pompeo Nogueira Resumo: A pesquisa aqui

Leia mais

Orientações de Como Estudar Segmento II

Orientações de Como Estudar Segmento II Orientações de Como Estudar Segmento II Aprender é uma tarefa árdua que exige esforço e método e por isso organizamos algumas dicas para ajudá-lo(la) a aprender Como Estudar! Você verá que as orientações

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

MINHA VIDA DE JOÃO E MARIA: USANDO A METODOLOGIA DA ONG PROMUNDO PARA PROMOVER AULAS REFLEXIVAS

MINHA VIDA DE JOÃO E MARIA: USANDO A METODOLOGIA DA ONG PROMUNDO PARA PROMOVER AULAS REFLEXIVAS MINHA VIDA DE JOÃO E MARIA: USANDO A METODOLOGIA DA ONG PROMUNDO PARA PROMOVER AULAS REFLEXIVAS Resumo VAINE, Thais Eastwood Vaine 1 - UTFPR / SME-Curitiba Grupo de Trabalho - Educação e Saúde Agência

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Avaliação do clima na escola

Avaliação do clima na escola Avaliação do clima na escola INSTRUÇÕES INICIAIS PARA O GESTOR: Avise que a pesquisa para avaliar o clima da escola é anônima. Não será preciso colocar nome, apenas identificar a qual segmento da comunidade

Leia mais

NÚCLEO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL NTE VARGINHA PROJETO IDENTIDADE

NÚCLEO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL NTE VARGINHA PROJETO IDENTIDADE Projeto Identidade Quem sou eu??? NÚCLEO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL NTE VARGINHA PROJETO IDENTIDADE ELABORAÇÃO: Míria Azevedo de Lima Bartelega --------------------------------Agosto / 2010 I A Questão

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 II A Jogos As crianças da Turma dos Amigos, desde os primeiros dias de aula, têm incluídos em sua rotina as brincadeiras com jogos de encaixe. Vários jogos estão disponíveis

Leia mais

Roteiro de Mobilização 8ª série ETI Atividades de Leitura Livre

Roteiro de Mobilização 8ª série ETI Atividades de Leitura Livre Volta de Apresentação Caro professor, Como mobilizar jovens para dar continuidade à leitura no Game SuperAção? Bem-vindo ao SuperAção Jovem, um programa que traz uma pedagogia inovadora e eficaz para trabalhar

Leia mais

Um introdução. Guia do Workshop INSPIRAÇÃO IDEAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO. O Processo de Design. O Curso para o Design Centrado no Ser Humano

Um introdução. Guia do Workshop INSPIRAÇÃO IDEAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO. O Processo de Design. O Curso para o Design Centrado no Ser Humano Guia do Workshop INSPIRAÇÃO IDEAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO O Processo de Design Vamos começar! Nós sabemos por experiência que o único jeito de aprender o design centrado no ser humano é aplicando-o. Por isso,

Leia mais

Escola em que trabalha e na qual será desenvolvido o Plano de Ação: Escola Estadual Santos Dumont E. F.

Escola em que trabalha e na qual será desenvolvido o Plano de Ação: Escola Estadual Santos Dumont E. F. CURSO GÊNERO E DIVERSIDADE NA ESCOLA PROJETO GDE APLICADO NA ESCOLA SANTOS DUMONT- PARANACITY- PR NÚCLEO PARANAVAI PROFESSORA: MARIA HILDA LIMA / DISCIPLINA: MATEMÁTICA Diagnóstico da Realidade: * Sabemos

Leia mais

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver A série Sagrado é composta por programas que, através de um recorte históricocultural, destacam diferentes pontos de vista das tradições religiosas. Dez representantes religiosos respondem aos questionamentos

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

Dicas para estudar: Tome nota!

Dicas para estudar: Tome nota! CARTILHA SOBRE COMO ESTUDAR, PARA DIVULGAÇÃO INSTITUCIONAL Núcleo de Atendimento Psicopedagógico (NAPP) Título da Cartilha: Dicas para estudar: Tome nota! Proposta: Por meio de um diálogo entre um aluno

Leia mais

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas.

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas. ESCOLA MUNICIPAL BUENA VISTA Goiânia, 19 de junho de 2013. - Turma: Mestre de Obras e Operador de computador - 62 alunos 33 responderam ao questionário Orientador-formador: Marilurdes Santos de Oliveira

Leia mais

Pesquisas e seminários Como fazer?

Pesquisas e seminários Como fazer? +++ + COLÉGIO DOS SANTOS ANJOS Avenida Iraí, 1330 - Planalto Paulista - Telefax: 5055.0744 04082-003 - São Paulo - e-mail: colsantosanjos@colegiosantosanjos.g12.br Site: www.colegiosantosanjos.g12.br Q

Leia mais

manual liga elo7 2.0 ORIENTAÇÕES E RECOMENDAÇÕES PARA PLANEJAMENTO DE EVENTOS

manual liga elo7 2.0 ORIENTAÇÕES E RECOMENDAÇÕES PARA PLANEJAMENTO DE EVENTOS ORIENTAÇÕES E RECOMENDAÇÕES PARA PLANEJAMENTO DE EVENTOS Olá Elosetter, Então você está com vontade de organizar um evento? O Elo7 incentiva as ações que fortaleçam e integram a comunidade artesanal e

Leia mais

Atividades Extraclasse

Atividades Extraclasse Atividades Extraclasse No Marista Conceição, o estudante aprende e desenvolve habilidades dentro e fora da sala de aula, por meio de atividades esportivas, artísticas, culturais, científicas e de solidariedade.

Leia mais

FILANTROPIA ESTADUAL / 2011 SEJA UM DEMOLAY TRANSFORMADOR

FILANTROPIA ESTADUAL / 2011 SEJA UM DEMOLAY TRANSFORMADOR FILANTROPIA ESTADUAL / 2011 SEJA UM DEMOLAY TRANSFORMADOR ORDEM DeMOLAY Este Manual foi desenvolvido pela Secretaria Estadual de Filantropia do GCEMG Brasil, para apoiar os Capítulos jurisdicionados ao

Leia mais

consulta participativa de opinião

consulta participativa de opinião consulta participativa de opinião Interesses e perspectivas dos jovens da Brasilândia, Cachoeirinha e Freguesia do Ó CONSULTA PARTICIPATIVA DE OPINIÃO: INTERESSES E PERSPECTIVAS DOS JOVENS DA BRASILÂNDIA,

Leia mais

Rio e Sagrado: um lugar de todos nós!

Rio e Sagrado: um lugar de todos nós! Colégio Sagrado Coração de Maria - Rio Rua Tonelero, 56 Copacabana RJ site:www.redesagradorj.com.br / e-mail:cscm@redesagradorj.com.br Rio e Sagrado: um lugar de todos nós!.turma: 1º Período A Professora

Leia mais

dicas para usar o celular nas aulas

dicas para usar o celular nas aulas E-book 11 dicas para usar o celular nas aulas Sugestões de atividades com os aplicativos mais básicos e simples de um aparelho Por Talita Moretto É permitido compartilhar e adaptar este material, desde

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Acesso Público a Informação de Saúde

Acesso Público a Informação de Saúde Acesso Público a Informação de Saúde O que as bibliotecas podem fazer para disseminar informação de saúde Como as bibliotecas podem ajudar As bibliotecas podem ajudar às pessoas a obter informações importantes

Leia mais

CALENDÁRIO 2014 MATERIAIS COMPLEMENTARES DIA 1 DE AGOSTO DIA DO ESTUDANTE

CALENDÁRIO 2014 MATERIAIS COMPLEMENTARES DIA 1 DE AGOSTO DIA DO ESTUDANTE DIA 1 DE AGOSTO DIA DO ESTUDANTE ATIVIDADE 1: GINCANA ESTUDANTIL 1. RESUMO DA AÇÃO 1.1 Proposta Organizar uma gincana para que os estudantes de diferentes salas possam participar e competir, com provas

Leia mais

Projeto Jovens em Ação

Projeto Jovens em Ação Projeto Jovens em Ação Roteiro para realização de workshops Workshops 2º ano (turmas de 8ª série) - Desenvolvimento Econômico - Entendendo as Diversidades de Pensamento - Meio Ambiente - História do Bem

Leia mais

TROCANDO IDEIAS SOBRE A OBRA

TROCANDO IDEIAS SOBRE A OBRA Ideias sobre a obra 2 TROCANDO IDEIAS SOBRE A OBRA (ALUNOS SENTADOS EM CÍRCULO) ABORDAGEM GERAL Cite outros títulos que o livro Memórias de um dicionário poderia ter. A turma vai eleger o mais interessante.

Leia mais

SENTIR 3. TEMPO 15-20 minutos TIPO DE TEMPO contínuo

SENTIR 3. TEMPO 15-20 minutos TIPO DE TEMPO contínuo COMO USAR O MATERIAL NAS PÁGINAS A SEGUIR, VOCÊ ENCONTRA UM PASSO A PASSO DE CADA ETAPA DO DESIGN FOR CHANGE, PARA FACILITAR SEU TRABALHO COM AS CRIANÇAS. VOCÊ VERÁ QUE OS 4 VERBOS (SENTIR, IMAGINAR, FAZER

Leia mais

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18).

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18). SUGESTÕES PARA O APROVEITAMENTO DO JORNAL ESCOLAR EM SALA DE AULA 1ª a 5ª série A cultura escrita diz respeito às ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Esse processo

Leia mais

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior C omo este é o mês das crianças, decidi propor para aqueles que estão em busca de autoconhecimento, alguns exercícios que ajudam a entrar

Leia mais

A Rede Pública Municipal de Ensino de Maceió atende cerca de 55 mil alunos, de acordo com o censo escolar de 2014. Dessa clientela, cerca de 40%

A Rede Pública Municipal de Ensino de Maceió atende cerca de 55 mil alunos, de acordo com o censo escolar de 2014. Dessa clientela, cerca de 40% OFICINA MAIS COMUNICAÇÃO ENSINA TÉCNICAS DE TEXTO, FOTO E AUDIOVISUAL EM MACEIÓ Adriana Thiara de Oliveira SILVA 1 Delane Barros dos SANTOS 2 Maria Janaina de Farias SOARES 3 Resumo Euforia, barulho, trabalho

Leia mais

Orientações para Professores. Prezado professor,

Orientações para Professores. Prezado professor, Orientações para Professores Prezado professor, No ano em que a Oficina do texto comemora 10 anos, todos os olhares se voltam para um país em especial: a África do Sul sede da Copa do Mundo de Futebol.

Leia mais

Palavras-chave: LEITURA E ESCRITA, CIDADANIA, PROTAGONISMO SOCIAL. OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA

Palavras-chave: LEITURA E ESCRITA, CIDADANIA, PROTAGONISMO SOCIAL. OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA ELAINE CRISTINA TOMAZ SILVA (FUNDAÇÃO PALAVRA MÁGICA). Resumo A Oficina Palavra Mágica de Leitura e Escrita, desenvolvida pela Fundação Palavra Mágica, é um

Leia mais

Ensino religioso História Geografia

Ensino religioso História Geografia TEMA As diferenças podem incomodar AUTOR Loridane Gondim de Souza e-mail: loridanesouza@zipmail.com.br SÉRIE II etapa do 1º ciclo, 2ª série EIXOS Ensino religioso História Geografia Alteridade História

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 3 Planejando a Ação Voluntária

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 3 Planejando a Ação Voluntária Organizando Voluntariado na Escola Aula 3 Planejando a Ação Voluntária Objetivos 1 Entender a importância de fazer um planejamento. 2 Aprender como planejar o projeto de voluntariado. 3 Conhecer ferramentas

Leia mais

Projeto Timóteo. Como Implantar um Programa de. Ação Social na Sua Igreja. Apostila do Orientador

Projeto Timóteo. Como Implantar um Programa de. Ação Social na Sua Igreja. Apostila do Orientador Como Implantar um Programa de Ação Social na Sua Igreja www.projeto-timoteo.org Projeto Timóteo Apostila do Orientador 1 Como Implantar um Programa de Ação Social na Sua Igreja www.projeto-timoteo.org

Leia mais

OS ESPAÇOS Estes espaços devem ser:

OS ESPAÇOS Estes espaços devem ser: MEIOS DE DIVULGAÇÃO Crianças, adolescentes e jovens têm vários meios em que podem divulgar suas ações, por exemplo: confeccionar um jornal ou boletim, ou enviar suas matérias semanalmente para os órgãos

Leia mais

Conceito de Dinâmicas de Grupo

Conceito de Dinâmicas de Grupo Conceito de Dinâmicas de Grupo As dinâmicas são instrumentos, ferramentas que estão dentro de um processo de formação e organização, que possibilitam a criação e recriação do conhecimento. Para que serve:

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

2. Laboratório: uso do avental, organização e relatório 3. Tarefas. 1. Avaliação da Semana de Geociências e Meio Ambiente 2.

2. Laboratório: uso do avental, organização e relatório 3. Tarefas. 1. Avaliação da Semana de Geociências e Meio Ambiente 2. PIC VERSÃO PARA O PROFESSOR Produção Integrada ao Conteúdo 6. o ano Ensino Fundamental Componentes da PIC 2. o bimestre Arte Ciências A nota da PIC é a média entre a nota de tarefa (avaliação do conjunto

Leia mais

Minissarau do 1 ano. Saídas pedagógicas

Minissarau do 1 ano. Saídas pedagógicas Agosto/2015 Minissarau do 1 ano Ao final do semestre fizemos uma singela apresentação onde os alunos do 1 ano do Ensino Fundamental puderam experimentar a sensação de estar diante do público e de compreenderem

Leia mais

Reunião com pais. Tema: Tarefa de casa. 1. Objetivos da reunião. 2. Desenvolvimento

Reunião com pais. Tema: Tarefa de casa. 1. Objetivos da reunião. 2. Desenvolvimento Reunião com pais Tema: Tarefa de casa 1. Objetivos da reunião 1.1. 1.2. 1.3. 1.4. Aprofundar reflexões sobre a função da tarefa de casa; Compartilhar facilidades e dificuldades encontradas na realização

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Histórias do Senhor Urso. 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S) O Desfile a fantasia. 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) O episódio O desfile a

Leia mais

Inspirados pelo Autismo

Inspirados pelo Autismo INSPIRADOS PELO AUTISMO Inspirados pelo Autismo Folheto Informativo Recrutando Voluntários no Programa Son-Rise As seguintes informações foram retiradas de um resumo do manual do Start-Up, o curso de introdução

Leia mais

Regras de Convivência Documentos Básicos (Última Revisão em agosto de 2009)

Regras de Convivência Documentos Básicos (Última Revisão em agosto de 2009) Regras de Convivência Documentos Básicos (Última Revisão em agosto de 2009) Rua Capistrano de Abreu, 29 Botafogo 2538-3231 Rua Conde de Irajá, 224 Botafogo 2538-3231 Rua Marques, 19 Humaitá 2538-3232 www.sapereira.com.br

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

Sugestão de Planejamento da Semana Pedagógica

Sugestão de Planejamento da Semana Pedagógica GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIRETORIA REGIONAL DE ENSINO DE ARAGUAINA SETOR REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO E ENSINO INTEGRAL Sugestão de Planejamento da Semana

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Letrinhas Mágicas 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S): Descendo as Corredeiras 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECíFICO(S) O episódio Descendo as Corredeiras

Leia mais

Oficina - 8 Ética: formação social e pessoal

Oficina - 8 Ética: formação social e pessoal Oficina - 8 Ética: formação social e pessoal Observação: explorar os temas transversais. 1- Objetivos Compreender o voluntariado como forma de exercício da cidadania Responsabilizar-se pela solução dos

Leia mais

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga?

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga? Abdias Aires 2º Ano EM Arthur Marques 2º Ano EM Luiz Gabriel 3º Ano EM Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

Palavras chaves: espaço público, cidadania, educação, arte.

Palavras chaves: espaço público, cidadania, educação, arte. 1 ESPORTE, ARTE E EDUCAÇÃO INTERVENÇÕES EM UM ESPAÇO PÚBLICO Profª Ketlin Elisa Thomé Wenceslau Fiocco Resumo: Todos os anos o Colégio Arautos organiza um projeto interdisciplinar que tem como proposta

Leia mais

SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO: PRÁTICAS INTEGRATIVAS SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO: PRÁTICAS INTEGRATIVAS SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO: PRÁTICAS INTEGRATIVAS SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Renata de Barros Oliveira (UFPE/CAV) José Phillipe Joanou Santos (UFPE/CAV) Janaina Patrícia Dos Santos (Escola Estadual

Leia mais

Participa Curitiba! Oficina sobre participação cidadã. Andressa Mendes Fernanda Castelhano Rafaela Scheiffer. Material para aplicação.

Participa Curitiba! Oficina sobre participação cidadã. Andressa Mendes Fernanda Castelhano Rafaela Scheiffer. Material para aplicação. Participa Curitiba! Oficina sobre participação cidadã Realização: Material para aplicação Andressa Mendes Fernanda Castelhano Rafaela Scheiffer Essa Oficina sobre educação política e participação cidadã

Leia mais

SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DE ACOMPANHAMENTO DE ACADÊMICOS DO PROJETO COMUNITÁRIO DA PUCPR

SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DE ACOMPANHAMENTO DE ACADÊMICOS DO PROJETO COMUNITÁRIO DA PUCPR PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PUCPR PRÓ-REITORIA COMUNITÁRIA DIRETORIA DE PASTORAL E IDENTIDADE INSTITUCIONAL NÚCLEO DE PROJETOS COMUNITÁRIOS SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

INTERVENÇÃO JOGO SEXUALIDADE PLANO DA INTERVENÇÃO

INTERVENÇÃO JOGO SEXUALIDADE PLANO DA INTERVENÇÃO INTERVENÇÃO JOGO SEXUALIDADE Suelen Mattoso PLANO DA INTERVENÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO Como educadores, muito temos a trabalhar para que nossos jovens aprendam a se proteger da infecção pelo HIV e outras doenças

Leia mais

Transmissão do HIV/aids e sífilis de mães para seus bebês

Transmissão do HIV/aids e sífilis de mães para seus bebês 09 dezembro de 2010 Transmissão do HIV/aids e sífilis de mães para seus bebês Mais da metade das novas infecções pelo HIV/aids que ocorrem no Brasil atinge adolescentes e jovens com idade entre 15 e 24

Leia mais

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 3 Divulgação de fotos e vídeos

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 3 Divulgação de fotos e vídeos Produzindo e divulgando fotos e vídeos Aula 3 Divulgação de fotos e vídeos Objetivos 1 Entender o que são as redes sociais. 2 Definir Marketing Viral. 3 Entender como divulgar fotos e vídeos nas redes

Leia mais

Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento

Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento Isabel Cristina Alves da Silva Frade(1) Introdução Como realizar um planejamento de trabalho de alfabetização e letramento com crianças de

Leia mais

Um Menino Igual a Todo Mundo

Um Menino Igual a Todo Mundo elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Um Menino Igual a Todo Mundo escrito por & ilustrado por Sandra Saruê Marcelo Boffa Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios

Leia mais

Comece o quanto antes! Logo que receber seu kit Mary Kay, experimente todos os produtos, pratique em você mesma. Inclua tudo na sua rotina diária.

Comece o quanto antes! Logo que receber seu kit Mary Kay, experimente todos os produtos, pratique em você mesma. Inclua tudo na sua rotina diária. POR ONDE COMEÇAR??? 1. Comece o quanto antes! Logo que receber seu kit Mary Kay, experimente todos os produtos, pratique em você mesma. Inclua tudo na sua rotina diária. Vai ganhar confiança, aprender

Leia mais

MINHA HISTÓRIA, MINHA VIDA

MINHA HISTÓRIA, MINHA VIDA ESCOLA ESTADUAL ALMIRANTE TOYODA-2014 PROJETO IDENTIDADE MINHA HISTÓRIA, MINHA VIDA TURMA: 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL (AZALÉIA E ACÁCIA) PROFESSORAS: GENISMEYRE E LUCILEILA Projeto Identidade Público

Leia mais

Introdução Conselhos para educadores

Introdução Conselhos para educadores Introdução Conselhos para educadores INTRODUÇÃO A utilização da Internet constitui um desafio para a educação dos nossos filhos e dos nossos alunos. Acontece muito frequentemente que os deixamos a navegar

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

Aulas de Protagonismo Juvenil. Ensino Fundamental -6º ao 9º ano.

Aulas de Protagonismo Juvenil. Ensino Fundamental -6º ao 9º ano. Aulas de Protagonismo Juvenil. Ensino Fundamental -6º ao 9º ano. Disciplina: Protagonismo Juvenil 1º bimestre 2013 Material estruturado para as aulas de Protagonismo Juvenil Nesta gestação de sonhos e

Leia mais

projeto Resgatando o Prazer de brincar

projeto Resgatando o Prazer de brincar projeto Resgatando o Prazer de brincar São Paulo 1 Diana Gomes Signorelli Karine de Oliveira Costa MARIANA CERQUEIRA RODRIGUEZ Pedro Michelli Arantes Colégio Equipe Este projeto faz parte do Programa Aprendiz

Leia mais

Dr. Jairo Bouer Audiolivros: garotos e garotas

Dr. Jairo Bouer Audiolivros: garotos e garotas Dr. Jairo Bouer Audiolivros: garotos e garotas 1 Quem é o Dr. Jairo Bouer Jairo Bouer é médico formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, com residência em psiquiatria no Instituto

Leia mais

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês 3 Truques Para Obter Fluência no Inglês by: Fabiana Lara Atenção! O ministério da saúde adverte: Os hábitos aqui expostos correm o sério risco de te colocar a frente de todos seus colegas, atingindo a

Leia mais

Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes

Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes Financiamento e apoio técnico Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) e o Conselho Nacional dos Direitos

Leia mais