AS INTERFACES ENTRE FILOSOFIA E PEDAGOGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS INTERFACES ENTRE FILOSOFIA E PEDAGOGIA"

Transcrição

1 AS INTERFACES ENTRE FILOSOFIA E PEDAGOGIA CABRAL, Carmen Lúcia de Oliveiral i TEODÓSIO, Hosiene Araújo ii RESUMO No período antigo e medieval não havia uma separação entre filosofia e educação, entretanto na modernidade, a ruptura entre esses campos de saber fez com que o discurso filosófico ocupasse posição secundária na elaboração dos sistemas educacionais. No período contemporâneo o vínculo entre Filosofia, Pedagogia e a Educação tem sido re-estabelecido através da Filosofia da Educação; as separações existentes entre filosofia e pedagogia nos leva fazer um exame teórico-metodológico, caracterizando os aspectos específicos em cada época e em cada sociedade, a partir de orientações teóricas de Dalbosco (2008); Saviani (1990); Reboul (1971), Tomazetti (2001, 2003) entre outros. O propósito desse artigo é estabelecer quais contribuições existem entre os campos da Filosofia e da Pedagogia, levando-se em consideração as tendências teóricas que caracterizam esses dois campos do conhecimento, demonstrando suas implicações para a formação docente. Palavras-chave: Filosofia. Educação. Pedagogia. Formação docente. Filosofia da Educação. ABSTRACT In ancient and medieval period there was a separation philosophy and education, though in modern times, the gulf between these fields of knowledge has made the philosophical discourse occupy a secondary position in the development of education systems. In the contemporany period the bond between Philosophy, Pedagogy and Education has been reestablished through the philosophy of education, the separation between philosophy and pedagogy leads to a theoretical and methodological review, featuring the distinctive features in each and in every society, from theoretical approaches to Dalbosco (2008); Saviani (1990); Reboul (1971); Tomazetti (2001, 2003) among others. The purpose of this paper is to establish what contributions are among the field of Philosophy and Pedagogy, taking into account the theoretical nature of these two fields of knowledge, demonstrating its implications for teacher training. Keywords: Philosophy. Education. Pedagogy Interfaces. Philosophy of Education.

2 Introdução Dentro da relação entre filosofia e pedagogia o campo filosófico constitui-se como o mais antigo tendo sua origem atribuída ao final do século VII e início do século VI a.c nas colônias gregas da Ásia Menor, na cidade de Mileto, sendo o primeiro filósofo Tales de Mileto. A palavra filosofia é de origem grega composta pela junção das palavras Philo, que significa amizade, amor fraterno, respeito e Sophia, que significa sabedoria assim, a filosofia é entendida como sendo a amizade pela sabedoria e o filósofo visto como aquele que tem amor pelo saber. Para Saviani (1990, p. 30) o filósofo é: [...] um especialista do pensamento, [...] ele não só pensa com maior rigor lógico, com maior espírito de sistema, do que os outros homens, mas conhece toda a história do pensamento, isto é, sabe quais as razões do desenvolvimento que o pensamento sofreu até ele e está em condições de retomar os problemas a partir do ponto onde eles se encontram após terem sofrido a mais alta tentativa de solução, etc. Fazer filosofia é então estar em caminho, em busca; a consciência filosófica é uma consciência inquieta, insatisfeita, presa a um ceticismo e não à posse de um saber absoluto. Desde seu surgimento os filósofos os quais, a História reconhece como os grandes intelectuais que conseguiram expressar de forma mais elaborada os problemas das respectivas fases de desenvolvimento da humanidade (SAVIANI, 1990, p. 7), tiveram sua prática desde a antiguidade vinculada a uma tarefa educativa, estabeleceram discussões referentes à produção cultural humana como sendo algo a ser discutido dentro do campo filosófico tendo em vista que a filosofia, enquanto concepção de mundo formula e encaminha a solução dos grandes problemas postos pela época que ela se constitui (SAVIANI, 1990, p.7). Como meio de entender a relação entre a filosofia e pedagogia a partir das reflexões filosóficas da educação interrogamos: Quais interfaces existem entre os campos da filosofia e da pedagogia? A pedagogia sendo considerado um campo de conhecimento específico construirá com a filosofia um vínculo de natureza teórica? Chauí (1997, p. 15) entende que: A filosofia trabalha com enunciados precisos e rigorosos, busca encadeamentos lógicos entre os enunciados, opera com conceitos ou idéias obtidos por procedimentos de demonstração e prova, exige a fundamentação racional do que é enunciado e pensado. Somente assim a reflexão filosófica pode fazer com que nossa experiência cotidiana, nossas crenças e opiniões alcancem uma visão crítica de si mesmas.

3 Através de tais caracterizações busca-se explicitar, discutir e analisar a natureza das interfaces existentes entre os campos da filosofia e da pedagogia e que/ais contribuições existem entre ambos, levando-se em consideração os objetos e finalidades das tendências teóricas que caracterizam esses dois campos de conhecimento, demonstrando suas implicâncias para a formação do educador através de uma abordagem teórico-metodológica. Neste estudo, algumas tradições filosóficas foram privilegiadas em detrimento de outras, por entendermos que alguns aspectos contribuem mais precisamente para caracterizar de modo claro e objetivo à relação entre filosofia que [...] nas sociedades civilizadas, determina os processos educacionais e contribui na formação da imagem do homem e do mundo (DALBOSCO, 2008, p.5) e a pedagogia. No contexto atual percebemos um envolvimento maior com os aspectos práticos da educação do que com uma análise da teoria educacional. Logo, parti-se de questionamentos do tipo como, por que e para quê é necessário haver uma distinção entre filosofia e educação, analisando-se a presença e as contribuições dos grandes filósofos e seus sistemas nas teorias e práticas do educador. Como objetivos norteadores do estudo propõem-se: analisar os elementos centrais da relação entre filosofia e pedagogia presentes nos escritos de filósofos e teóricos da educação, que expressam as conexões entre esses campos de conhecimento; mapear os campos da filosofia e da pedagogia, observando os aportes teóricos entre esses campos do conhecimento; caracterizar a relação entre filosofia e pedagogia nos discursos clássico, moderno e contemporâneo da filosofia e da educação com vistas ao esclarecimento da natureza da interconexão entre esses campos de conhecimento; demonstrar como a relação entre filosofia e pedagogia implica em uma relação necessária diante da finalidade entre ambas enquanto campos de conhecimento; discutir a compreensão de que a filosofia apresenta uma dimensão pedagógica intrínseca, bem como a reciprocidade da afirmação, demonstrada na formação e atuação do educador. A abrangência desta análise configura-se como sendo um estudo bibliográfico de autores dos campos da filosofia e da educação; na aquisição dos dados utilizaram-se diversas bibliografias, documentos e textos escritos encontrados em bibliotecas, acervos públicos, internet e outros meios de informação cabíveis que se fizeram valorosos para a ampliação do conhecimento sobre o tema em questão. A escolha por esta metodologia deu-se devido à natureza da pesquisa, na qual buscamos abstrair uma gama de informações que se relacionam com a constituição da formação do educador e qual/quais suas relações com o conhecimento filosófico.

4 2 Conceitos articuladores entre filosofia, educação e pedagogia Assim como a Filosofia a Pedagogia surgiu na Grécia Antiga sendo a palavra pedagogia deriva de paidós (criança) e agogé (condução), etimologicamente a pedagogia configura-se como sendo a condução da criança ao saber. Devido a essa relação intrínseca desde a Grécia Antiga até os dias atuais há certo descaso com o campo pedagógico limitando a função do pedagogo como aquele responsável pelo cuidar e zelar da criança nos seus primeiros anos de vida, alguém responsável por aprimorar a educação que a criança recebe em casa. Tal definição gerou um grande desafio para o campo pedagógico constitui-se enquanto ciência; as obras O Tratado Sobre a Educação, de Luís Vives do século XVI e Didáctica Magna de Comenius do século XVIII contribuíram para elevar a pedagogia à categoria de ciência. Como lembra Reboul (1971), as ciências humanas estudam o objeto da educação, em particular a criança, quanto à sua natureza, ao seu meio e á sua evolução. A pedagogia estuda os meios da educação. A filosofia reflete sobre os seus fins: porque é que se educa? Qual o critério de uma educação bem sucedida? Ao perceber-se a relação de interdependência entre os campos da filosofia, educação e pedagogia propõe-se uma discussão de cunho filosófico como forma de conhecer e refletir sobre a importância dos filósofos. Saviani (1990, p. 7) entende que a produção intelectual dos filósofos tidos como clássicos é considerada como sendo [...] um patrimônio cultural da humanidade, já que suas formulações embora radicadas numa época determinada extrapolem os limites dessa época, mantendo o seu interesse mesmo para as épocas ulteriores. Suas reflexões favorecem para se compreender o processo educativo e as relações entre a filosofia e a educação bem como a contribuição destas reflexões no processo de formação do ser docente, entende-se para tal, a contribuição da filosofia através da filosofia da educação no campo educacional. De acordo com Tomazetti (2003, p. 19) refletindo sobre o dever-ser da educação, filósofos como Platão, Aristóteles, Erasmo. Montaigne, Locke, Kant, entre outros, tornaram a Filosofia referência primeira da Pedagogia. Seguindo está linha de raciocínio Saviani (2002, p. 29) afirma que a Filosofia seria fundamental para assegurar a promoção da reflexão, não uma reflexão qualquer, mas uma reflexão radical, rigorosa e global sobre os problemas que a nossa sociedade apresenta, nessa perspectiva entende-se que o refletir é uma função pertencente ao campo filosófico. Ao final do século XVIII com a Revolução Francesa a educação passa a englobar, além de uma reflexão sobre a formação geral do homem, uma reflexão sobre a escolarização. Em seguida a escola passa a estar inscrita no espaço político e o espaço privado do preceptor

5 cede lugar ao espaço público da escolarização. A princípio é atribuído aos filósofos o papel de formar (educar) em um sentido mais amplo o que lhe configurava a ser o preceptor de uma criança ou jovem, ou como alguém que se propõe a pensar a educação. Estes entendiam que a escolarização, como forma de educação e de instrução, não merecia uma reflexão específica, pois cabia ao preceptor educar os filhos dos ricos e a escola, que começava a se tornar universal abrigava as crianças pobres. A partir de então a filosofia passa a exigir do educador uma postura, segundo a qual, é necessário pensar e refletir sobre o que se faz para, então, decidir de forma consciente a realização da ação educativa, entendendo-se que, caso esta reflexão não se faça presente acarretará em uma ação educativa questionável quanto à validade de seus fins. Por isso, podemos afirmar em concordância com Paviani (2008, p. 12) que: A filosofia, separada da pedagogia, assume a tarefa de justificar, pressupostos éticos e epistemológicos de processos educacionais. Procura exercer um papel crítico em relação à racionalidade instrumental e ao esclarecimento do pensamento pedagógico em si. Os sujeitos da educação e as teorias pedagógicas, o fazer e o agir educativos realizam-se dentro de uma dimensão filosófica global e não mais específica. Desenvolve-se uma determinação filosófica que sustenta a concepção educacional antes de qualquer reflexão típica de uma filosofia da educação. Temos que um dos papéis principais da filosofia consiste em examinar criticamente as disputas intelectuais de cada época e sugerir maneiras alternativas de ver as coisas, à educação passa a ser estabelecida como uma prática humana, direcionada por uma concepção teórica, a pedagogia se traduz como uma concepção filosófica do papel da educação, em relação à sociedade e ao homem que vive nesta sociedade. Durante esse processo crítico reflexivo faz-se necessário o estudo de problemas educacionais, tomando como base o que alguns teóricos e estudiosos elaboram, para assim, sair do senso comum e poder desenvolver uma consciência reflexiva que estará sempre em busca de respostas para as indagações que surgirem. Partindo-se da indagação sobre quais sujeitos desejamos formar e qual sociedade desejamos construir por meio da prática educativa, entendemos ser necessário enquanto educador promover uma prática reflexiva para que agentes manipuladores não venham a interferir na atuação do educador.

6 Para Benincá (2008, p. 185) [...] a consciência aproxima-se do conceito de concepção de mundo, visto que possui o sentido do mundo. Detentora desse sentido, a consciência pode orientar as ações dos indivíduos. Então, a prática educativa deve ser vista como qualquer outra prática humana, que, entretanto, não pode ser banalizada, Saviani (1990, p.8) afirma que [...] a prática pedagógica é sempre tributária de determinada teoria que, por sua vez pressupõe determinada concepção filosófica ainda que em grande parte dos casos essa relação não esteja explicitada. Outro ponto de vista pode ser percebido em Severino (1990, p.21) [...] a educação é fundamentalmente uma prática social, a filosofia vai ainda contribuir significativamente para sua efetivação mediante uma reflexão voltada para os fins que a norteiam. Nessa perspectiva, compreendem-se as inter-relações entre os campos pedagógicos e filosóficos como algo que possibilita ao educador e educando estabelecer relações entre a sua prática e a teoria que o circunda. 3 Filosofia e Filosofia da Educação É fato que a Filosofia da Educação para diversos autores não é considerada Pedagogia, como fala Reboul (1971) a filosofia da educação não pergunta como curar a dislexia, mas de onde vem a importância que se atribui ao fato de ler; não pretende melhorar as relações entre pais e filhos, mas indagar a natureza da família, o seu valor, os seus limites. Para Paviani (2008, p. 17): Com a perda da evidência das relações entre a filosofia e a educação, a disciplina filosofia da educação adquiriu função própria e paulatinamente tronou-se o elo entre os dois mundos. A redução da filosofia a filosofia da educação fez com que essa disciplina se tornasse um reduto de conteúdos, dentro de uma determinada concepção filosófica. Então, nos compêndio, via de regra, a filosofia da educação é classificada, conforme as tendências, de metafísica, de humanidade, de analítica, de fenomenológica, de hermenêutica, de dialética, de marxista, de crítica e de outras denominações. Na disciplina filosofia da educação (aliás, como ocorre em geral com as filosofias do direito, da cultura, da linguagem, etc.), a educação é vista a partir de uma perspectiva externa. Verifica-se a partir de então a necessidade de haver uma filosofia da educação, da mesma forma que existe uma filosofia do direito, uma filosofia da linguagem, filosofia da arte, filosofia da mente, entre tantas outras filosofias. De acordo com Tomazetti (2003, p. 21) [...] na França, até o final do século XIX e início do século XX, a Filosofia da Educação

7 esteve associada à Pedagogia Geral; o saber filosófico sobre educação era parte integrante dos estudos de Pedagogia. No Brasil os manuais de Pedagogia dos anos de 1950 apresentavam a Filosofia da Educação como pedagogia teórica ou como pedagogia filosófica; o termo pedagogia serviu apenas para dar nome ao Curso, não configurando no currículo de formação do educador uma disciplina de pedagogia geral. Assim, decorrente deste contexto, o abandono do discurso filosófico como fundamentação do saber pedagógico deu abertura para a legitimação das ciências da educação no campo educacional constituindo-se o discurso próprio da Filosofia da Educação. Elisete Medianeira Tomazetti (2001) em seu artigo Filosofia da Educação e formação de professores em algumas universidades brasileiras entre os anos 40 e os anos 60 apresenta inicialmente a construção da disciplina de Filosofia da Educação em nosso país partindo-se de três processos simultâneos, são eles: Estatização do ensino, segundo o qual o Estado é tido como órgão competente por manter a estrutura em torno da educação; a Institucionalização da formação de professores, na qual compete a União criar instituições de ensino superior e secundário, nos Estados e no Distrito Federal e aos Estados caberia a criação e manutenção do ensino primário, do ensino profissional, por fim, fala em uma Cientifização da pedagogia, em que se observa serem as Escolas Normais durante muito tempo as únicas instituições formadoras de professores, baseadas em modelos tradicionais que com o advento das idéias escolanovistas passam a ser revistos. Verifica-se que a formação do educador e o seu papel diante da sociedade deverão está pautada na formação de um educador autônomo e crítico, capaz de enfrentar os problemas colocados pela realidade educacional de seu tempo e produzir respostas teóricas e práticas a esses problemas por meio da pesquisa, o que faz com que o professor seja ele próprio um pesquisador. Tomazetti (2001) afirma que a partir dos anos 30 do século XX torna-se consenso mundial a aceitação de uma cultura filosófica e científica na formação do professor justificada pela necessidade de se promover uma reflexão sobre os fins e valores de uma educação democrática pautada no conhecimento filosófico. Pela filosofia, a pedagogia garante a compreensão de valores que deverão orientá-los no futuro, sendo tarefa da Filosofia da Educação estabelecer as bases de uma reflexão rigorosa sobre os problemas educacionais. Para Saviani (1990, p. 17) é tarefa da filosofia da educação [...] acompanhar reflexiva e criticamente a atividade educacional de modo a explicitar os seus fundamentos, esclarecer a tarefa e a contribuição das diversas disciplinas pedagógicas e avaliar o significado das soluções escolhidas. Promovendo uma análise acerca do estatuto da filosofia da educação Mazzotti (2000, p. 185) fala que toda e qualquer filosofia apresenta-se

8 como uma pedagogia, pois toda filosofia estabelece um percurso para a elucidação de problemas humanos e se põe com o modo adequado e correto de elevar a consciência imediata à consciência mediata 1. Para tal, de acordo principalmente a época e a visão de quem retrata (no caso, o professor de filosofia ou de filosofia da educação) escolhe-se um autor ou uma escola filosófica e procura-se explicar o fenômeno educacional. Em contrapartida a introdução de estudantes no campo da filosofia da educação é vista como uma tarefa incômoda até mesmo para o mais experiente filósofo da educação devido a esses alunos chegarem à graduação com pouca base no que se refere à filosofia como uma disciplina de investigação; para Ericson (2000, p. 205) [...] tais estudantes enquanto inseridos nos programas de formação de professores são especialmente difíceis de se comprometerem, o que se configura como mais um problema a ser trabalhado além da dificuldade com que freqüentemente o professor de filosofia da educação sobretudo nos cursos de licenciatura terá que se deparar. Como meio de superação para tal fato Ericson apresenta estratégias pedagógicas para a introdução dos estudantes em filosofia da educação, tais estratégias podem ser adotadas tanto por professores de filosofia da educação quanto por de outras matérias. A primeira estratégia trata a filosofia da educação como sendo a história da filosofia da educação a qual determina uma área específica da filosofia, indicando o estudo dos principais pensadores no que se referem à educação; os alunos são deixados livres para construírem suas idéias e argumentações relacionadas às suas próprias práticas. A segunda estratégia caracteriza a filosofia da educação como sendo um confronto de ismos : realismo, idealismo, empirismo, racionalismo, pragmatismo, existencialismo e assim por diante, [...] a abordagem a partir de ismos toma o problema da relevância seriamente e tenta estabelecer porque a filosofia da educação, dessa forma, é de grande importância para os práticos (ERICSON, 2000, p. 206); ressalta-se que alguns professores tentam convencer seus alunos a adotarem sua corrente filosófica favorita. A terceira estratégia, apresenta uma abordagem histórica, mas com uma virada crítica, ainda, segundo esse autor (p. 207), há um diálogo crítico baseado nas visões dos filósofos a respeito da educação ao longo da história ; logo, tenta estimular os estudantes a adotarem um espírito crítico. 1 Entende-se por saída da consciência imediata em direção à consciência mediata, a superação do senso comum, construído a partir das experiências cotidianas, para o senso crítico, capaz de refletir e questionar sobre o mundo a sua volta.

9 Como aspecto negativo em tal estratégia há o fato de sua abordagem reside nos alunos impregnados por uma ânsia de instrumentos de prática de sala de aula, ao fazerem uma relação entre os erros e acertos dos filósofos concluírem não haver uma relevância prática ao se estudar autores que nunca parecem realmente estar certos (ERICSON, p. 207). A quarta e última estratégia é apresentada genericamente como sendo uma abordagem não histórica, [...] figuras históricas são mencionadas somente quando suas perspectivas e suas análises são bastante importantes para a questão ou conceito sob discussão (ERICSON, p. 208). Como afirma Reboul (1971) Se cada filósofo considera a educação em função do seu sistema, seria possível mostrar, em contraposição, de que modo essa consideração interfere na gênese do seu sistema (REBOULT, 1971). Relacionando tais estratégias e o papel do filósofo da educação, teremos que uma filosofia da educação depende sempre das metafísicas do seu autor, assim esta será diferente quanto a abordagem: racionalista, empirista, idealista, materialista; conservador ou revolucionário. 4 Considerações finais As teorias pedagógicas da modernidade se constituem a partir de concepções filosóficas. Concordando com Paviani (2008, p. 14) quando este fala que [...] a filosofia moderna apresenta-se como produtora de uma pedagogia antes mesmo de constituir-se numa disciplina pedagógica específica. De Descartes a Kant, nesse recorte histórico, os problemas filosóficos do conhecimento e da subjetividade, das relações ente objeto e sujeito de conhecimento, entre consciência e mundo, entre pessoa e cidadão impregnam todas as teorias pedagógicas. Podemos a partir de então criar nossas primeiras impressões sobre quais contribuições a filosofia possibilita ao campo da pedagogia e por que é necessária uma atitude filosófica. Como afirma Reboul (1971) poder-se-ia afirmar que a educação é talvez a prova decisiva do pensamento filosófico. Ela permite discernir o sentido humano dos debates filosóficos para lá dos seus aspectos técnicos, colocar os conceitos mais abstratos a prova da prática, bem como mostrar que a filosofia não é somente trabalho de especialistas, mas dos homens. Assim, para a atitude do educador ser entendida como filosófica, não basta apenas falar sobre conceitos, no caso, dentro dos campos da filosofia e da pedagogia, mas questionar

10 o sentido e entender como os conceitos entre ambos os campos de conhecimento relacionamse entre si e quais fatos expressam a produção de uma atitude pedagógica com finalidade reflexiva. Entende-se como de suma importância que o educador enquanto filósofo da educação reflita sobre a problemática educacional ao qual ele está inserido e que este busque um significado existencial para sua prática. 5 Referências CHAUÍ, Marilena. Convite à filosofia. São Paulo: Ática, BENINCÁ, Elli. Pedagogia e senso comum. In: DALBOSCO, Edison et al. Filosofia e Pedagogia: aspectos históricos e temáticos. Campinas, SP: Martins Fontes, DALBOSCO, Edison et al. Filosofia e Pedagogia: aspectos históricos e temáticos. Campinas, SP: Martins Fontes, ERICSON, David P. Orientação para a filosofia da educação. In: GHIRALDELLI JR, Paulo (Org.). O que é filosofia da educação? 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A. p: FOLSCHEID, Dominique. Metodologia filosófica. Tradução de Paulo Neves. 3. Ed. São Paulo: Martins Fontes, LUCKESI, Cipriano Carlos. Filosofia, exercício do filosofar e prática educativa. Em aberto, Brasília, ano 9, n.45, p.29-46, jan./mar PAVIANI, Jayme. Filosofia e educação, filosofia da educação: aproximações e distanciamentos. In: DALBOSCO, Edison et al. Filosofia e Pedagogia: aspectos históricos e temáticos. Campinas, SP: Martins Fontes, PICHLER, Nadir Antônio; SOARES, Marcio. Educação, filosofia e antiguidade: algumas questões sobre a Paidéia grega. In: DALBOSCO, Edison et al. Filosofia e Pedagogia: aspectos históricos e temáticos. Campinas, SP: Martins Fontes, SAVIANI, Dermeval Saviani. Contribuições da filosofia para a educação. Em aberto, Brasília, ano 9, n.45, p.3-18, jan./mar SEVERINO, Antônio Joaquim. A contribuição da filosofia para a educação. Em aberto, Brasília, ano 9, n.45, p.19-25, jan./mar REBOUL, Olivier. Quand demain ton fils te demadera. In: La Plhilosophie de l éducation, Paris: PUF, p.5-10, Disponível em Último acesso em 27/12/2009. TOMAZETTI, Elisete Medianeira. Filosofia da Educação: um estudo sobre a história da disciplina no Brasil. Ijuí: Ed. Unijuí, 2003.

11 TOMAZETTI, Elisete M. Filosofia da Educação e formação de professores em algumas universidades brasileiras entre os anos 40 e os anos 60. Revista Perspectiva, Florianópolis, v.19, n.2, p , jul./dez i Graduação em Licenciatura Plena em Filosofia pela Universidade Federal do Piauí (1985) e Licenciatura Plena em Pedagogia pela Universidade Federal do Piauí (1988), mestrado em Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Piauí (1999) e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2003). Atualmente, professora adjunto 3 da Universidade Federal do Piauí (UFPI). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Filosofia da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: pedagogia, epistemologia da pedagogia, formação docente, saberes e prática pedagógica, ensino de filosofia. ii Estudante do curso de Licenciatura Plena em Pedagogia na Universidade Federal do Piauí (UFPI) e Bolsista de Iniciação Científica (CNPq/UFPI) na área de Filosofia da Educação. Atualmente desenvolve pesquisas nas áreas de Filosofia, Filosofia da Educação, Filosofia para Crianças e Kant.

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 2º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 2º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Filosofia da Educação II Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 2º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos filosóficos da prática

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Estudos filosóficos em educação I - JP0003 PROFESSOR: Dr. Lúcio Jorge Hammes I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60 (4 créditos) II EMENTA Aborda os pressupostos

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Filosofia para crianças? Que história é essa?

Filosofia para crianças? Que história é essa? Filosofia para crianças? Que história é essa? P Isabel Cristina Santana Diretora do CBFC ara muitos provoca espanto a minha resposta quando me perguntam: qual é o seu trabalho? e eu respondo trabalho com

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Filosofia da Educação I Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceitos básicos: filosofia,

Leia mais

Palavras-chave: Filosofia da educação. Conhecimento. Subjetividade. Educação.

Palavras-chave: Filosofia da educação. Conhecimento. Subjetividade. Educação. GT 21 Filosofia da Educação CONHECIMENTO, EDUCAÇÃO E SUBJETIVIDADE: REFLEXÕES FILOSÓFICAS SOBRE O PERÍODO CLÁSSICO, MODERNO E PÓS- MODERNO Fernanda Antônia Barbosa da Mota / UFPI RESUMO Partimos do princípio

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa objetiva um conhecimento amplo sobre a temática interdisciplinaridade, idealizando

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

A FILOSOFIA E TECNOLOGIAS: FORMAÇÃO E OPINIÃO PÚBLICA CRÍTICA

A FILOSOFIA E TECNOLOGIAS: FORMAÇÃO E OPINIÃO PÚBLICA CRÍTICA A FILOSOFIA E TECNOLOGIAS: FORMAÇÃO E OPINIÃO PÚBLICA CRÍTICA Elvio de Carvalho Graduado em Filosofia pela UFSM/RS. Membro do projeto Formação Cultural. helviocarvalho@hotmail.com Valmir da Silva Acadêmico

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1

Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1 Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1 Monica Aiub filósofa clínica e-mail: monica_aiub@uol.com.br Vendo o que não se vê, tema do Congresso, suscita, imediatamente, a pergunta: o que se vê e

Leia mais

FILOSOFIA NA PEDAGOGIA E AÇÃO ESCOLAR

FILOSOFIA NA PEDAGOGIA E AÇÃO ESCOLAR FILOSOFIA NA PEDAGOGIA E AÇÃO ESCOLAR Julci Stefano Becker 1 Resumo: A pesquisa em questão traz uma reflexão sobre a importância do papel da filosofia na formação pedagógica e ação escolar dos professores.

Leia mais

Jorge Dantas Amorim É POSSÍVEL CONHECER A VERDADE?

Jorge Dantas Amorim É POSSÍVEL CONHECER A VERDADE? Jorge Dantas Amorim É POSSÍVEL CONHECER A VERDADE? É importante deixar claro que este texto tratará do problema da verdade a partir de uma abordagem filosófica, mais especificamente esta problemática será

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL Pâmella Gomes de Brito pamellagomezz@gmail.com Goiânia, Goiás

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA Marta Marques 1 O livro Leituras sobre John Dewey e a educação, do Prof. Dr. Altair

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

Por uma Ética da Arquitetura e do Urbanismo

Por uma Ética da Arquitetura e do Urbanismo À medida que a mente compreende as coisas como necessárias, ela tem um maior poder sobre os seus afetos, ou seja, deles padece menos. Benedictus de Spinoza in Ética Por uma Ética da Arquitetura e do Urbanismo

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES GUEDES, Shirlei Terezinha Roman 1 SCHELBAUER, Analete Regina 2 A proposta deste texto é compartilhar algumas idéias a título de primeiros

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL Edvard Luiz da Silva Filho, edvardluiz@folha.com.br - FMU, Brasil. RESUMO

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA Á EDUCAÇÃO. Luis Carlos Azevedo 1 RESUMO

CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA Á EDUCAÇÃO. Luis Carlos Azevedo 1 RESUMO CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA Á EDUCAÇÃO Luis Carlos Azevedo 1 RESUMO Este artigo apresenta como objeto de as pesquisas sobre as Contribuições da Psicologia à Educação. O objetivo foi analisar a produção

Leia mais

FILOSOFIA A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE AS PRINCIPAIS DIFICULDADES DE UM CURSO DE FILOSOFIA NA MODALIDADE EAD.

FILOSOFIA A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE AS PRINCIPAIS DIFICULDADES DE UM CURSO DE FILOSOFIA NA MODALIDADE EAD. FILOSOFIA A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE AS PRINCIPAIS DIFICULDADES DE UM CURSO DE FILOSOFIA NA MODALIDADE EAD. Márcia Marques Damasceno Mestrado em Ética e Filosofia Política pela UFC Tutora à Distância

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI.

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. BORTOLI, Bruno de (PIC/UEM) MARQUIOTO, Juliana Dias (PIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (UEM) INTRODUÇÃO

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil.

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. 1 Autora :Rosângela Azevedo- PIBID, UEPB. E-mail: rosangelauepb@gmail.com ²Orientador: Dr. Valmir pereira. UEPB E-mail: provalmir@mail.com Desde

Leia mais

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente BARCELOS-COELHO, Lenir de Jesus 155* BUENO, Ivonete 156** RESUMO: No contexto atual são patentes as dificuldades relacionadas

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA GERAL DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA GERAL DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA GERAL DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA RESUMO EXPANDIDO (2011-2012) A REDESCRIÇÃO DA PEDAGOGIA (A redescrição

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Flávia Sueli Fabiani Marcatto Universidade Estadual Paulista - Unesp - Rio Claro

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

A ÉTICA NO AMBIENTE ESCOLAR: EDUCANDO PARA O DIÁLOGO

A ÉTICA NO AMBIENTE ESCOLAR: EDUCANDO PARA O DIÁLOGO A ÉTICA NO AMBIENTE ESCOLAR: EDUCANDO PARA O DIÁLOGO Edson Carpes Camargo 1 Jorge Alberto Lago Fonseca 2 Resumo: O presente artigo visa abordar a ética no ambiente escolar. Primeiramente faz-se a distinção

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

O ESTÁGIO COMO PRÁTICA EDUCATIVA: ANÁLISE DE EXPERIÊNCIAS NOS ESTÁGIOS EXTRACURRICULARES DOS ACADÊMICOS DA UFPI

O ESTÁGIO COMO PRÁTICA EDUCATIVA: ANÁLISE DE EXPERIÊNCIAS NOS ESTÁGIOS EXTRACURRICULARES DOS ACADÊMICOS DA UFPI O ESTÁGIO COMO PRÁTICA EDUCATIVA: ANÁLISE DE EXPERIÊNCIAS NOS ESTÁGIOS EXTRACURRICULARES DOS ACADÊMICOS DA UFPI Resumo Simone de Jesus Sena da Silva Sousa Universidade Federal do Piauí UFPI Carmen Lúcia

Leia mais

O PAPEL DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA EM ESCOLAS PÚBLICAS

O PAPEL DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA EM ESCOLAS PÚBLICAS O PAPEL DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA EM ESCOLAS PÚBLICAS Wagner José de Aguiar 1 ; Fernando Joaquim Ferreira Maia 2 Núcleo Multidisciplinar

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS Resumo DO ENSINO FUNDAMENTAL MARTINS, Esilda Cruz UEPG maria.esilda@hotmail.com Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora:

Leia mais

ORIGENS E POSSIBILIDADES DO CONHECIMENTO

ORIGENS E POSSIBILIDADES DO CONHECIMENTO ORIGENS E POSSIBILIDADES DO CONHECIMENTO Ao longo da aventura em busca do conhecimento, vamos nos deparar com diferentes correntes de pensamento. Conhece-las é o caminho para podermos conhecer o mundo

Leia mais

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOCENTE: SUBSÍDIOS PARA UMA REFLEXÃO

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOCENTE: SUBSÍDIOS PARA UMA REFLEXÃO TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOCENTE: SUBSÍDIOS PARA UMA REFLEXÃO Monique da Silva de Araujo UNESA monique_msa@yahoo.com.br Daniela Punaro Baratta de Faria UNESA daniela.punaro@gmail.com

Leia mais

Prof. Ms. Gleidson Salheb

Prof. Ms. Gleidson Salheb Prof. Ms. Gleidson Salheb Objetivo Geral Proporcionar conhecimentos teóricos e práticos sobre as situações didáticas, de maneira que os alunos compreendam de forma reflexiva, crítica e socialmente contextualizada

Leia mais

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRÁTICA PEDAGÓGICA O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRÁTICA PEDAGÓGICA Autora: GASPAR, Magna Lúcia Furlanetto gasparzinha@seed.pr.gov.br Orientadora: LEVANDOVSKI, Ana Rita anarita.faficop@yahoo.com.br A

Leia mais

Palavras-chave: Ensino Superior. Formação Docente. Estágio de Docência.

Palavras-chave: Ensino Superior. Formação Docente. Estágio de Docência. ESTÁGIO DE DOCÊNCIA: TEMPO E ESPAÇO DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Costa, Daiene de Cássia Souza Resumo Este artigo apresenta parte de discussão teórica de dissertação de mestrado

Leia mais

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO Msc. Maria Iolanda Fontana - PUCPR / UTP miolandafontana@hotmail.com RESUMO O presente trabalho sintetiza parcialmente o conteúdo da dissertação de

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES Ao longo de muitos séculos, a educação de crianças pequenas foi entendida como atividade de responsabilidade

Leia mais

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO SUMÁRIO Apresentação Prefácio Introdução 1. Da história da pedagogia à história da educação 2. Três revoluções em historiografia 3. As muitas histórias educativas 4. Descontinuidade na pesquisa e conflito

Leia mais

Jailton Alves de Oliveira Semestre 2 ºe 3 Sem.º 1 EMENTA. A origem e evolução do pensamento filosófico. A atualidade de Sócrates, Platão e

Jailton Alves de Oliveira Semestre 2 ºe 3 Sem.º 1 EMENTA. A origem e evolução do pensamento filosófico. A atualidade de Sócrates, Platão e PLANO DE ENSINO CURSO Nutrição. Disciplina Filosofia e Ética- 2011.2 Código Docent e Jailton Alves de Oliveira Semestre 2 ºe 3 Sem.º 1 EMENTA º º º º º º Carga horária A origem e evolução do pensamento

Leia mais

A REFLEXÃO SOBRE A EDUCAÇÃO E OS VALORES NA CONTEMPORANEIDADE

A REFLEXÃO SOBRE A EDUCAÇÃO E OS VALORES NA CONTEMPORANEIDADE A REFLEXÃO SOBRE A EDUCAÇÃO E OS VALORES NA CONTEMPORANEIDADE Profª Drª Sonia Aparecida Ignacio SILVA* Universidade Católica de Santos (UNISANTOS) Resumo O presente trabalho discute os desafios da educação

Leia mais

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar Ulisses F. Araújo * * Professor Doutor da Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. 1 Um dos objetivos

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA REGIÃO SUDESTE, ÁREA 46 DA CAPES, SOBRE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE QUÍMICA. Osmair Benedito da Silva (Departamento de Química, Universidade

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E SUA INTERFACE COM A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E SUA INTERFACE COM A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E SUA INTERFACE COM A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Manoel Santos da Silva (IFAL) manoel.silva@ifal.edu.br RESUMO Este trabalho percorre por alguns questionamentos sobre

Leia mais

PRÁTICA SOCIAL DA CULINÁRIA NA PERSPECTIVA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA

PRÁTICA SOCIAL DA CULINÁRIA NA PERSPECTIVA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA PRÁTICA SOCIAL DA CULINÁRIA NA PERSPECTIVA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Resumo Jean Cauê, Huppes Sistema Huppes de Aprendizagem, Santa Maria/RS Brasil jeancaue@gmail.com.br Mariza de Andrade Brum Sistema

Leia mais

E D U S K Revista monográfica de educación skepsis.org

E D U S K Revista monográfica de educación skepsis.org ESTADO DE ARTE DA DIDÁTICA DA EDUCAÇÃO PRIMARIA HOJE: ATUALIDADES E DESAFIOS Leila Pessôa Da Costa 1 A didática tem o papel de oferecer os fundamentos teóricos e práticos para o desenvolvimento da ação

Leia mais

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS EIXOS TEMÁTICOS 1. Cultura, saberes e práticas escolares e pedagógicas na educação profissional e tecnológica: arquivos escolares, bibliotecas e centros de documentação. Para este eixo temático espera

Leia mais

O Novo perfil do Pedagogo: Desafios e Possibilidades

O Novo perfil do Pedagogo: Desafios e Possibilidades O Novo perfil do Pedagogo: Desafios e Possibilidades Marcos de referência: O período de transição do século XX para o século XXI tem sido marcado por inúmeras e profundas mudanças sociais, econômicas e

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS PRODUÇÃO E RECEPÇÃO DE TEXTOS Lingüística Textual : Recepção e Produção de Textos Visão Sistemática e Particular. Gêneros e Estruturas

Leia mais

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: ANÁLISE DO PLANO DE ESTUDO Melo, Érica Ferreira Melo 1 SILVA, Lourdes Helena 2

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: ANÁLISE DO PLANO DE ESTUDO Melo, Érica Ferreira Melo 1 SILVA, Lourdes Helena 2 O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: ANÁLISE DO PLANO DE ESTUDO Melo, Érica Ferreira Melo 1 SILVA, Lourdes Helena 2 RESUMO Nos CEFFAs o processo de ensino e aprendizagem se

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA CARDOSO NETO, Odorico Ferreira i ; CAMPOS, Cleanil Fátima Araújo Bastos ii ; FREITAS, Cleyson Santana de iii ; CABRAL, Cristiano Apolucena iv ; ADAMS,

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

A REFORMULAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

A REFORMULAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA A REFORMULAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA Marilene Cesário 1 Ângela Pereira Teixeira Victoria Palma 2 José Augusto Victoria Palma 3 RESUMO

Leia mais

Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB

Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB 1 Breve histórico Carlos Charalambe Panagiotidis 1 Em 4 de março de 2002, o Diário Oficial da União

Leia mais

FILOSOFIA. 1. TURNO: Vespertino HABILITAÇÃO: Licenciatura. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

FILOSOFIA. 1. TURNO: Vespertino HABILITAÇÃO: Licenciatura. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos FILOSOFIA 1. TURNO: Vespertino HABILITAÇÃO: Licenciatura GRAU ACADÊMICO: Licenciado em Filosofia PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 8 anos 2. OBJETIVO/PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO O

Leia mais

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL INTRODUÇÃO O conceito de ação social está presente em diversas fontes, porém, no que se refere aos materiais desta disciplina o mesmo será esclarecido com base nas idéias

Leia mais

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM Introdução O artigo 36 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n. 9.394/96) determina que

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Administração Disciplina: Filosofia Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Introdução à Filosofia, o estudo da filosofia;

Leia mais

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Ana Paula Loureiro Cunha, PUCPR Eliani de Souza Arruda, PUCPR Marilda Aparecida Behrens,

Leia mais

Sumário. Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7

Sumário. Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7 5 Sumário Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7 Educação ambiental crítico transformadora no contexto escolar: teoria e prática freireana Juliana Rezende

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE - 2016 ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE - 2016 ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO 1 Conteúdos conceituais ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO CONSTRUÇÃO DO PENSAMENTO PSICOLÓGICO Definição dos conceitos de conhecimento científico e de senso comum; Estudo do processo de obtenção

Leia mais

O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E OS PROCEDIMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA SOCIOLOGIA E A CIDADANIA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO

O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E OS PROCEDIMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA SOCIOLOGIA E A CIDADANIA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E OS PROCEDIMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA SOCIOLOGIA E A CIDADANIA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO Gabriela Paulino do Nascimento 1 RESUMO: Este trabalho se propõe a investigar como

Leia mais

CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 3.355 de 05/12/02 DOU de 06/12/02 Componente Curricular: Filosofia

CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 3.355 de 05/12/02 DOU de 06/12/02 Componente Curricular: Filosofia CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 3.355 de 05/12/02 DOU de 06/12/02 Componente Curricular: Filosofia Código: DIR-112 Pré-requisito: Filosofia Geral Período Letivo: 2013.2 Professor: Ana Paula

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais