SimpleAdmin Interface Gráfica para administração em bancos de dados Firebird. Professor Paulo Roberto Rodrigues de Souza

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SimpleAdmin Interface Gráfica para administração em bancos de dados Firebird. Professor Paulo Roberto Rodrigues de Souza"

Transcrição

1 Centro Universitário do Sul de Minas UNIS MG Unidade de Gestão da Educação Presencial GEDUP Bacharelado em Ciência da Computação SimpleAdmin Interface Gráfica para administração em bancos de dados Firebird Professor Paulo Roberto Rodrigues de Souza Joselara dos Santos Verginio Rodrigo Souza Rios Sebastião Tadeu de Rezende Silva Varginha, 2006

2 Centro Universitário do Sul de Minas UNIS MG Unidade de Gestão da Educação Presencial GEDUP Bacharelado em Ciência da Computação SimpleAdmin Interface Gráfica para administração em bancos de dados Firebird Professor Paulo Roberto Rodrigues de Souza Joselara dos Santos Verginio Rodrigo Souza Rios Sebastião Tadeu de Rezende Silva Projeto de Conclusão de Curso apresentado ao programa do curso de Bacharelado em Ciência da Computação do Centro Universitário do Sul de Minas, como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Ciência da Computação. Varginha,

3 Folha de Aprovação Joselara dos Santos Verginio Rodrigo Souza Rios Sebastião Tadeu de Rezende Silva SimpleAdmin Interface Gráfica para administração em bancos de dados Firebird Monografia apresentada ao curso de Ciência da Computação do Centro Universitário do Sul de Minas UNIS/MG, como pré-requisito para obtenção do grau de bacharel pela Banca Examinadora composta pelos membros: Juliano Coelho Miranda, Lázaro Eduardo, Paulo Roberto Rodrigues de Souza. ( ) Aprovado ( ) Reprovado Data / / Profº. Ms. Paulo Roberto Rodrigues de Souza. Profº. Esp. Juliano Coelho Miranda. Profº. Esp. Lázaro Eduardo. 3

4 Dedicamos este trabalho primeiramente a Deus, nossos familiares, amigos e a comunidade docente do Unis MG, na qual nos provém conhecimentos e fundamentos necessários em nosso dia a dia. 4

5 Agradecimentos Agradecemos a Deus por nos privilegiar quanto ao dom do aprendizado, e oportunidade de estar cursando uma Faculdade. Também elevamos nossa estima em relação aos funcionários do Unis em geral, especialmente ao professor Paulo Roberto Rodrigues de Souza, na qual ministra a matéria fundamental para o desenvolvimento do projeto. 5

6 Sumário AGRADECIMENTOS...5 SUMÁRIO...6 LISTA DE FIGURAS...8 RESUMO...9 ABSTRACT INTRODUÇÃO OBJETIVOS PROBLEMATIZAÇÃO JUSTIFICATIVA ESTRUTURA DO TRABALHO REFERENCIAL TEÓRICO A LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO DELPHI Considerações Iniciais Histórico do Delphi A linguagem de Programação Delphi O Delphi e seu IDE Modelo Lógico Relacional Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Relacional (SGDBR) A Linguagem de Programação SQL Firebird Acesso Nativo Componentes de Acesso IBX Componente IBDatabase Componente IBTransaction Componente IBQuery Componente IBUpdateSQL Componentes de acesso e manipulação Data Access Interface Homem Máquina e Ergonomia Computacional

7 Critérios Ergonômicos Considerações Finais DESENVOLVIMENTO IMPLEMENTAÇÃO DO FORMULÁRIO PRINCIPAL IMPLEMENTAÇÃO DO FORMULÁRIO REGISTRAR BANCOS VISUALIZAÇÃO DOS DETALHES DO BANCO Visualização dos Stored Procedures Visualização dos Geradores (Generator) Visualização dos Domínios (Domains) Visualização das Tabelas Visualização SQL Execução Backup / Restauração Alteração de Valores dos Geradores Visualização e Execução de 3 Consultas SQL simultaneamente CONCLUSÃO DIFICULDADES ENCONTRADAS TRABALHOS FUTUROS CONSIDERAÇÕES PESSOAIS REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ANEXOS

8 Lista de Figuras FIGURA 2.1 INTERFACE DE DESENVOLVIMENTO DO DELPHI 7 (IDE)...14 FIGURA 2.2 PALHETA DE COMPONENTES IBX (INTERBASE)...30 FIGURA 2.3 PALHETA DE COMPONENTES IBX COMPONENTE IBDATABASE...31 FIGURA 2.4 PALHETA DE COMPONENTES IBX COMPONENTE IBTRANSACTION...32 FIGURA 2.5 PALHETA DE COMPONENTES IBX COMPONENTE IBQUERY...33 FIGURA 2.6 PALHETA DE COMPONENTES IBX COMPONENTE IBUPDATESQL...34 FIGURA 2.6 PALHETA DE COMPONENTES IBX IBRESTORESERVICE E IBBACKUPSERVICE.34 FIGURA 2.6 PALHETA DE COMPONENTES DATA ACCESS...35 FIGURA 2.6 PALHETA DE COMPONENTES DATA ACCESS COMPONENTE DATAACCES...36 FIGURA 2.6 PALHETA DE COMPONENTES DATA ACCESS COMPONENTE CLIENTDATASET...37 FIGURA 2.6 PALHETA DE COMPONENTES DATA ACCESS COMPONENTE DATASETPROVIDER 38 FIGURA 3.1 INTERFACE DO FORMULÁRIO PRINCIPAL...41 FIGURA 3.2 INTERFACE DO FORMULÁRIO PARA REGISTRAR OS BANCOS...42 FIGURA 3.3 INTERFACE DE VISUALIZAÇÃO DOS DETALHES DO BANCO...44 FIGURA 3.4 VISUALIZAÇÃO DOS STOREDPROCEDURES...46 FIGURA 3.5 VISUALIZAÇÃO DOS GERADORES (GENERATOR)...47 FIGURA 3.6 VISUALIZAÇÃO DOS DOMÍNIOS (DOMAINS)...48 FIGURA 3.7 VISUALIZAÇÃO DAS TABELAS...49 FIGURA 3.8 VISUALIZAÇÃO SQL...50 FIGURA 3.9 VISUALIZAÇÃO SEGURANÇA BACKUP/RESTORE...50 FIGURA 3.10 VISUALIZAÇÃO MANUTENÇÃO INDICES GERADORES...53 FIGURA 3.11 VISUALIZAÇÃO DOS RESULTADOS DAS CONSULTAS SQL

9 Resumo Esta monografia descreve o desenvolvimento de uma ferramenta capaz de fornecer recursos para administração e manutenção em bancos de dados Firebird, pois existe a necessidade de uma ferramenta interativa e descomplicada, livre de qualquer licença para usuários inexperientes e futuros Dba s (Database Administrator). A ferramenta possui recursos didáticos que auxiliam no aprendizado da linguagem de Programação para banco de dados SQL. Esse projeto tem como funções principais a criação de uma interface gráfica para o banco Firebird. Dentre os recursos disponíveis podemos destacar: a) Acesso fácil aos bancos cadastrados. b) Listagem das Tabelas do banco de dados com opção de filtrar as tabelas da lista. c) Exibição detalhada da tabela selecionada como campos, índices e metadados. d) Exibição de outras particularidades do banco como Generators, Domais e Stored Procedures. e) Executa até três selects e vários comandos (update/delete) ao mesmo tempo. f) Permite efetuar o backup do banco e restaurar o mesmo. Com uma gama bastante interessante de recursos, tal aplicação possibilitará interação total ao banco de dados através de uma interface gráfica. Palavras-chave: Banco de dados, interface, programação, Firebird, SQL. 9

10 Abstract This monograph describes the development of a tool capable to supply to resources administration and maintenance in data bases Firebird, therefore the necessity of an interactive tool exists and easy free of any license for inexperienced and future users Dba s (Database Administrator). The tool possesss didactic resources that assist in the learning of the programming language for data base SQL. This project has as main functions the creation of a graphical interface for the Firebird bank. Amongst the available resources we can detach: a) Easy access to the registered in cadastre banks. b) Listing of Tables of the data base with option to filter tables of the list. c) Detailed exhibition of the selected table as fields, indices and metadata. d) Exhibition of other particularitities of the bank as Generators, Domais and Stored Procedures. e) It executes up to three selects and some commands (update/delete) at the same time. f) It allows to effect backup of the bank and to restore the same. With a sufficiently interesting gamma of resources, such application will make possible total interaction to the data base through a graphical interface. Keywords: Database Bank, interface, programming, Firebird, SQL. 10

11 1. Introdução Em meados de 1985, um grupo de engenheiros da DEC (Digital Equipament Corporation) deu inicio ao projeto chamado Groton, um banco de dados relacional, pois nessa época a idéia era construir um SGDBR (Sistema Gerenciador de Banco de Dados Relacional), contudo esse projeto ao longo dos anos veio sofrendo profundas alterações até finalmente em 1986, receber o nome de Interbase, iniciando na versão 2.0, e em julho de 2000 recebeu o nome de Firebird; uma versão OpenSource do Interbase 6.0 quando a sua criadora Borland disponibilizou os fontes do projeto. O impulso inicial para a história do software livre foi dado em 1969, quando Ken Thompson, criou um sistema operacional multi-tarefa totalmente isento de custos. A sigla OSS (Open Source Software) é a que designa esse tipo de software, cuja estrutura do software pode ser modificada por qualquer usuário com conhecimentos tangíveis em informática. O uso de uma ferramenta livre para administração em bancos de dados Firebird, contribui maciçamente com o crescimento da legião de usuários que procuram alternativas viáveis, tanto para o uso próprio quanto comercial, visto que cada vez mais o Firebird vem conquistando mercados antes explorados somente pelos gigantes comerciais Objetivos Geral Projetar e desenvolver uma ferramenta capaz de administrar bancos de dados Firebird, provendo de uma maneira clara e intuitiva a administração e o controle do banco, facilitando o uso tanto para fins didáticos como para aplicações profissionais, sem restrições de uso. Específicos Fazer um estudo detalhado dos recursos necessários como: IHM (Interface Homem Máquina) e ergonomia computacional, linguagem de programação, estrutura de manipulação e acesso à Banco de Dados, linguagem de pesquisa declarativa para banco de dados relacional (SQL) e Firebird. Implementar os recursos básicos para a administração do banco. 11

12 Implementar rotinas e métodos de segurança do banco utilizando componentes de manipulação de dados em memória. Gerenciamento de backup e restauração do banco Problematização Existe alguma ferramenta livre de licenças para essa finalidade, em proporções regionais? O usuário conseguirá obter retorno positivo através da utilização do software? Hipóteses Com o desenvolvimento do SimpleAdmin, o software poderá se tornar uma vitrine para atrair investimentos de empresas ligadas ao setor de Desenvolvimento Computacional, gerando renda, empregabilidade e contribuindo com o crescimento local aquecendo o mercado interno de software. Delimitação do Problema O desenvolvimento do projeto se limitará basicamente nos controles administrativos do banco de dados Justificativa Utilizando o SimpleAdmin, o usuário poderá estar ampliando seus conhecimentos sobre os assuntos na qual ele abrange, sendo Banco de Dados, Linguagem SQL e particularidades do Firebird. Portanto sendo uma ferramenta tanto didática quanto profissional Estrutura do Trabalho O respectivo trabalho está dividido em 4 capítulos, sendo estes: Capítulo 1: introdução e definição do escopo do projeto; Capítulo 2: referencial teórico; Capítulo 3: desenvolvimento; Capítulo 4: conclusão. 12

13 2. Referencial Teórico 2.1. A linguagem de Programação Delphi Considerações Iniciais Este estudo visa apresentar informações úteis quanto ao desenvolvimento utilizando a linguagem de programação Delphi Histórico do Delphi Segundo o WIKIPÉDIA, quando lançado em 1995 para a plataforma Windows 16 bits, Delphi foi o primeiro a ser descrito como ambiente Rapid Application Development (RAD - em português, Desenvolvimento Rápido de Aplicações). A sua segunda versão, lançada um ano depois com o Delphi 2 já produzia aplicativos para a plataforma Windows 32 bits, sendo que uma versão em C++, o C++ Builder surgiu alguns anos depois. Em 2001 uma versão para plataforma Linux, conhecida como Kylix foi disponibilizada. As principais diferenças entre o Delphi/Kylix e outras ferramentas de desenvolvimento são: a Linguagem Delphi, as paletas VCL e CLX, forte ênfase na conectividade com diversos bancos de dados e um grande número de componentes produzidos por terceiros, muitos deles disponíveis na internet e grande parte deles com o código fonte disponível A linguagem de Programação Delphi O Ambiente de desenvolvimento Delphi, baseia-se em uma extensão orientada à objetos da linguagem de programação Pascal, conhecida como Object Pascal. Recentemente a Borland declarou sua intenção de referir à linguagem como a linguagem Delphi. As linguagens de programação mais modernas fornecem suporte para programação orientada à objetos (POO). As linguagens POO baseiam-se em três conceitos fundamentais: o encapsulamento (em geral implementado com as classes), a herança e o polimorfismo ou ligação tardia (late binding). 13

14 A Sintaxe da linguagem Pascal é bastante prolixa e mais legível do que, por exemplo, a linguagem C.(CANTÚ, 2003). Sua extensão orientada à objetos segue a mesma estratégia, apresentando o mesmo poder da geração mais recente de linguagens POO O Delphi e seu IDE De acordo com as definições de Cantú em seu livro Dominando o Delphi 7: a bíblia, em uma ferramenta de programação como o Delphi, o papel do IDE (ambiente integrado de desenvolvimento), é muitas vezes, ainda mais importante do que a linguagem de programação. O Delphi fornece recursos visuais e não visuais através de sua IDE, ao trabalhar com desenvolvimento visual, o tempo gasto é dividido em duas partes diferentes do aplicativo: nos Projetistas e no Editor de Códigos. Os projetistas permitem que você trabalhe com componentes à nível visual (quando incluímos um botão em um formulário), e nível não visual (quando criamos uma estrutura de acesso à bancos de dados através de dataset s e data modules). O editor de códigos é o local onde escrevemos o código. O modo mais óbvio de escrever códigos em um ambiente visual, é responder aos eventos, iniciando com aqueles ligados à operações executadas pelos usuários do programa. Cantu, salienta que à medida que os programadores conhecem melhor o Dephi, eles passam a escrever principalmente códigos de manipulação de eventos e, em seguida passam a escrever suas próprias classes e componentes. Componentes Object TreeView Organiza os componentes utilizados no projeto em árvore. Object Inspector Propriedades dos Componentes Editor de Código Formulário Padrão FIGURA 2.1 INTERFACE DE DESENVOLVIMENTO DO DELPHI 7 (IDE) 14

15 Modelo Lógico Relacional De acordo com Codd (Codd, 1985) criador da abordagem relacional, usamos o modelo lógico de dados relacional para realizarmos o projeto lógico do BD, considerando que as informações contidas em uma base de dados, podem ser consideradas como relações matemáticas e que estão representadas de maneira uniforme através do uso de tabelas bidimensionais. Este princípio coloca os dados dirigidos para estruturas mais simples de armazenamento, que são as tabelas. O modelo relacional apresenta conceitos para representação dos dados do BD e apresenta conceitos de operações que podem ser realizadas sobre os dados. Esses conceitos são baseados em um formalismo matemático (álgebra relacional). No modelo relacional os dados do BD são representados como relações (tabelas). Cada relação possui um nome e um esquema, que é um conjunto de atributos usados para descrever a relação. Cada atributo possui um nome. Uma tupla (linha da tabela) é um conjunto de valores relacionados, um valor para cada atributo (coluna da tabela) do esquema da relação. Uma tupla é uma instância da relação. Cada atributo possui um domínio, que é o conjunto de valores válidos para aquele atributo Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Relacional (SGDBR) Segundo definição de Codd, criador do modelo Lógico Relacional, um banco de dados relacional é um conceito abstrato que define maneiras de armazenar, manipular e recuperar dados estruturados unicamente em formas de tabelas, constituindo assim um Banco de Dados. O termo também é aplicado aos próprios dados, quando organizados dessa forma ou um programa de computador que implementa abstração. Codd publicou em 1985 um artigo que define as 12 regras para que um Sistema Gerenciador de Banco de Dados fosse considerado relacional. A arquitetura de um banco de dados relacional pode ser descrita de maneira informal ou formal. Na descrição informal estamos preocupados com aspectos práticos da utilização e usamos os termos tabela, linha e coluna. Na descrição formal estamos preocupados com a semântica formal do modelo e usamos termos como relação(tabela), tupla(linha) e atributo(coluna). 15

16 Regras de Definição de um SGDBR considerado relacional. Segue abaixo as 12 regras definidas por Codd, para que um SGDB fosse 1ª Regra Regra Fundamental: Um SGDB relacional deve gerenciar seus dados usando apenas suas capacidades relacionais. 2ª Regra Regra da Informação: Toda informação deve ser representada de uma única forma, como os dados em uma tabela. 3ª Regra Regra da Garantia de acesso: Todo dado pode ser acessado logicamente usando o nome da tabela, o valor da chave primária da linha e o nome da coluna. 4ª Regra Tratamento Sistemático de Valores Nulos: Os valores nulos existem, de forma a representar dados não existentes de forma sistemática e independente do tipo de dados. 5ª Regra Catálogo Dinâmico on-line baseado no modelo relacional: A descrição do banco de dados é representada no nível lógico como dados ordinários(isso é, em tabelas), permitindo que usuários autorizados apliquem as mesmas forma de manipular dados aplicada aos dados comuns ao consultá-las. 6ª Regra Da sub-linguagem compreensiva: Um sistema relacional pode suportar várias linguagens e formas de uso, porém deve possuir ao menos uma linguagem com sintaxe bem definida e expressa por cadeia de caracteres e com habilidade de apoiar a definição de dados, a definição de visões, a manipulação de dados, as restrições de integração, a autorização e a fronteira de transações. 16

17 7ª Regra Da atualização de visões: Toda visão que for teoricamente atualizável será também atualizável pelo sistema. 8ª Regra Inserção, atualização e eliminação de alto nível: A capacidade de manipular a relação base ou relações derivadas como um operador único não se aplica apenas a recuperação de dados, mas também a inserção, alteração e eliminação de dados. 9ª Regra Independência dos dados físicos: Programas de aplicação ou atividades de terminal permanecem logicamente inalteradas quaisquer que sejam as modificações na representação de armazenagem ou métodos de acesso internos. Independência lógica de dados :Programas de aplicação ou atividades de terminal permanecem logicamente inalteradas quaisquer que sejam as mudanças de informação que permitam teoricamente a não alteração das tabelas base. 10ª Regra Independência de integridade: As relações de integridade específicas de um banco de dados relacional específica devem ser definidas em uma sub-linguagem de dados e armazenadas no catálogo (e não em programas). 11ª Regra Independência de distribuição: A linguagem de manipulação de dados deve possibilitar que as aplicações permaneçam inalteradas estejam os dados centralizados ou distribuídos fisicamente. 12ª Regra Da não-subversão: Se o sistema relacional possui uma linguagem de baixo nível (um registro por vez), não deve ser possível subverter ou ignorar as regras de integridade e restrições definidas no alto nível (muitos registros por vez). 17

18 Registros ou Tuplas De acordo com Codd, cada linha formada por uma lista ordenada de colunas representa um registro, ou tupla. Os registros não precisam conter informações em todas as colunas, podendo assumir valores nulos quando assim se fizer necessário. Resumidamente, um registro é uma instância de uma tabela, ou entidade Chaves As tabelas relacionam-se umas as outras através de chaves. Uma chave é um conjunto de um ou mais atributos que determinam a unicidade de cada registro. Por exemplo, se um banco de dados tem como chaves Código do Produto e ID Sistema, sempre que acontecer uma inserção de dados, o sistema de gerenciamento de banco de dados irá fazer uma consulta para identificar se o registro já não se encontraria gravado na tabela. Neste caso, um novo registro não será criado, resultando esta operação apenas da alteração do registro existente. A unicidade dos registros, determinada por sua chave, também é fundamental para a criação dos índices. Temos dois tipos de chaves: Chave primária: (PK - Primary Key) é a chave que identifica cada registro dando-lhe unicidade. A chave primária nunca se repetirá. Chave Estrangeira: (FK - Foreign Key) é a chave formada através de um relacionamento com a chave primária de outra tabela. Define um relacionamento entre as tabelas e podem ocorrer repetidas vezes. Caso a chave primária seja composta na origem, a chave estrangeira também o será Stored Procedure Segundo o Wikikpédia, um procedimento armazenado ou Stored Procedure é uma coleção de comandos em SQL para gerenciamento de Banco de dados. Encapsula tarefas repetitivas, aceita parâmetros de entrada e retorna um valor de status (para indicar aceitação 18

19 ou falha na execução). O procedimento armazenado pode reduzir o tráfego na rede, melhorar a performance, criar mecanismos de segurança, etc Domains Utilizamos domais ou domínios para definirmos parâmetros de restrições à um dado atributo de uma tabela, validação de informação, etc. É definida pelo usuário, e consideramos um domínio como sendo um tipo de dado inexistente no banco de dados Generator É usado para simular o campo auto-incremento dos campos numéricos das tabelas evitando chaves duplicadas. Seu valor inicial é 0 (zero), mas é atualizado toda vez em que ocorre uma chamada da função para incrementar ou decrementar MetaDados ou Meta Informação Segundo o MTD-BR (Padrão Brasileiro de Metadados para Teses e Dissertações), Metadados são dados capazes de descrever outros dados, ou seja, dizer do que se tratam, dar um significado real e plausível a um arquivo de dados, são a representação de um objeto digital. Basicamente, poderíamos caracterizar metadados como a estrutura do banco de dados A Linguagem de Programação SQL SQL é uma linguagem padronizada para a definição e manipulação de bancos de dados relacionais. Tipicamente, um SGBD oferece um interpretador SQL que permite isolar a aplicação dos detalhes de armazenamento dos dados. Se o projetista da aplicação tiver o cuidado de usar apenas as construções padronizadas de SQL, ele poderá desenvolver a aplicação sem se preocupar com o produto SGBD que estará sendo utilizado depois. (RICARTE, 2002). SQL pode ser utilizado diretamente pelo usuário, quando o SGBD oferece um interpretador SQL interativo, ou através de comandos embutidos em uma aplicação desenvolvida em uma linguagem de programação. No caso do SimpleAdmin foi utilizado a linguagem de programação Delphi, e a interação da aplicação Delphi com o banco se dará por 19

20 meio dos componentes de acesso nativos da palheta IBX. SQL pode ser utilizado diretamente pelo usuário, quando o SGBD oferece um interpretador SQL interativo, ou através de comandos embutidos em uma aplicação desenvolvida em uma linguagem de programação. No desenvolvimento do SimpleAdmin a interação com o banco de dados é feita utilizando componentes nativos da linguagem Delphi. A SQL pode ser definida em 3 componentes integrantes da linguagem que são: Uma linguagem de definição dos dados (DDL), usados para definir e revisar a estrutura de um determinado banco relacional; Uma linguagem de controle de dados (DCL), para especificar mecanismos de segurança e integridade referencial dos dados; Uma linguagem de manipulação dos dados (DML), usados para ler e escrever dados Comandos para definição de Relações (DDL) Uma das necessidades de uma aplicação que irá armazenar seus dados em um sistema de banco de dados relacional é criar uma identidade para o conjunto de tabelas de sua aplicação.(ricarte, 2002). Esse mecanismo não é padronizado em SQL, podendo variar de fornecedor a fornecedor de banco de dados. Comando CREATE TABLE: Cria uma nova tabela com seus campos e define as restrições de campo. Ex.: CREATE TABLE ABREFECHACAIXA( CODIGO INTEGER NOT NULL, DATAABERTURA DATE, DATAFECHA DATE, CONSTRAINT PRIMARY KEY (CODIGO)). Com a execução desse comando será criada uma tabela com o nome de ABREFECHACAIXA e com seus respectivos campos. Comando ALTER TABLE: Altera as definições de campos e restrições. Ex.: ALTER TABLE ABREFECHACAIXA (ADD SITUACAO VARCHAR(30)). Com essa instrução será inserido mais um campo na tabela, denominado situação do tipo varchar com limite de 30 caracteres. 20

21 Comando CREATE INDEX: Cria um novo índice em uma tabela já existente. Ex.: CREATE DESC INDEX CODIGO ON DATAABERTURA(ABREFECHACAIXA), especificamos através desse código que o campo DATAABERTURA pertencente a tabela ABREFECHACAIXA, será um índice identificador. Comando DROP: Exclui uma tabela existente de um banco de dados ou um índice existente de uma tabela, e podemos excluir quais forem as funções existentes no banco, tais como, StoredProcedures, Triggers, Domains, Databases, etc. Ex.: DROP TABLE ABREFECHACAIXA, com esse comando excluímos a tabela ABREFECHACAIXA do banco Comandos para controle de dados e mecanismos de segurança (DCL) Comando GRANT: É o comando responsável por determinar quais usuários ou grupo de usuários podem ou não fazer nas tabelas do banco, de acordo com o tipo de permissão dada aos usuários. Ex.: GRANT ALL ON TAB_FORNECEDORES TO RODRIGO, definimos o nível de acesso ao usuário Rodrigo, na qual terá acesso completo na tabela fornecedores. Comando REVOKE: É responsável pelo processo inverso ao GRANT, isto é, revogar os direitos dos usuários. Ex.: REVOKE SELECT,INSERT,UPDATE,DELETE ON TAB_FORNECEDORES TO PUBLIC, portanto houve uma redefinição em relação à quais usuários poderão acessar a tabela fornecedores Comandos para manipulação dos Dados (DML) De acordo com definições de Roberto em sua apostila Banco de Dados II 2006, a operação select é utilizada para selecionar um subconjunto de tuplas de uma relação, sendo que estas tuplas devem satisfazer uma condição de seleção. A forma geral de uma operação select é: σ <condição de seleção> ( <nome da relação> ). 21

22 Comando SELECT: permite a seleção de registros e atributos em uma ou mais tabelas. A forma básica para o uso do comando select é: SELECT <lista de atributos> FROM <lista de tabelas> WHERE <condições>; Comando INSERT: permite inserir registros em um banco de dados, enviando a requisição ao SGDBR. A forma básica para o uso do comando insert é: INSERT INTO <tabela> [<campos>] [VALUES <valores>] Comando UPDATE: permite atualizar alterações ocorridas nos dados existentes nas tabelas do banco. A forma básica para a utilização do comando update é: UPDATE <tabela> SET <campo> = <expressão> [WHERE <condição>]; Comando DELETE: permite a exclusão de informações contidas nas tabelas do banco. A forma básica de utilização do comando delete é: DELETE FROM <tabela> [WHERE <condição>]; Devemos notar que a linguagem SQL consegue implementar estas soluções, somente pelo fato de estar baseada em Banco de Dados, que garantem por si mesmo a integridade das relações existentes entre as tabelas e seus índices Firebird O Firebird é um poderoso banco de dados relacional que é compatível com SQL- ANSI-92, e foi desenvolvido para ser um banco de dados independente de plataformas e de sistemas operacionais. Este banco de dados, dispensa maiores estruturas dentro da empresa, ( DBA / Preparação ), onde basta instalar o software e usá-lo, sem a interferência freqüente de profissionais, especializados na manutenção do banco de dados de produção. Acompanhando, isso tudo ele ainda dispensa o uso de super-servidores, usando pouco espaço em disco para sua instalação e utilizando pouca memória em situações normais de uso. Por isso a plataforma necessária para a sua instalação e utilização pode ser reduzida 22

23 diminuindo consideravelmente os custos do projeto. Outra grande vantagem do Firebird é que ele é múlti-plataforma, ou seja funciona em vários Sistemas Operacionais, Os comandos da série DML (Data Manipulation Language Manipulação de Dados Declarados), destinados a consultas, inserções, exclusões e alterações em um ou mais registros de uma ou mais tabelas podem ser feitas de maneira simultânea. Como exemplo de comandos da classe DML temos os comandos Select, Insert, UpDate, Delete, Commit e Rollback Transações no Firebird Transações são isolamentos no Banco de Dados, desta forma, protegemos os dados envolvidos na transação de algum erro ocorrido no processamento dessa transação. Isto é, sempre que iniciou uma transação, é garantido que os dados envolvidos na mesma, serão, ou gravados e ou cancelados, isto serve para todos os dados envolvidos na transação. Todas as funções do firebird como consultas, inserções, alterações, exclusões, enfim, qualquer acesso ao banco de dados, o firebird inicia uma nova transação para cada uma delas, garantindo assim a concorrência dos dados e a consistência da base de dados. Sob a abordagem de Cantu, o controle de transação do Firebird, consiste em identificar e discernir cada conexão ativa, que faz requisições ao banco, tornando-o um banco de dados bastante atrativo e robusto Snapshot Fornece a visão atual dos dados do Banco de Dados. Este é o isolamento padrão do Firebird. Isto é, outras transações, incluem, alteram, excluem dados, mas, esta transação, não os enxergará, até que seja iniciada outra transação, e aí teremos acesso a o que realmente existe no Banco de Dados. Este isolamento, é mais usado para geração de Relatórios e Processamentos Read Commited Permite que a transação enxergue todos os dados que foram commitados por outras transações. Isto é, outras transações estão incluindo dados, e a transação que estiver com está configuração, terá acesso a todos os dados atualizados. É o nível de transação mais 23

24 utilizado, pois, é usado para sistemas Multi-Usuários, Multi-Empresas e Sistemas para Internet Comandos e Funções utilizados no Firebird A seguir serão listados os principais comandos e funções SQL do Firebird, essas podendo ser introduzidas no SimpleAdmin dependendo da situação do banco cadastrado e com o nível de privilégios definidos no banco. ALTER DATABASE: Adiciona arquivos secundários ao Banco de Dados. Isso significa que poderemos ter um banco de Dados com vários arquivos dentro do mesmo GDB. Para a alteração da Base de Dados, o usuário SYSDBA, precisa ter acesso exclusivo ao Banco de Dados Firebird. Este comando, auxilia na repartição do Banco, deixando em algumas vezes o acesso aos Dados mais rápido. ALTER DOMAIN : Altera a definição de um domínio que já tenha sido criado. Pode-se alterar qualquer elemento de domínio, exceto os domínios de NOT NULL e a troca do tipo de Dado. Para redefinir o tipo de domínio e ou alterar o NOT NULL, deve apagar o domínio e criá-lo novamente. ALTER EXCEPTION: Altera a mensagem associada a uma exceção; caso ocorra alguma. ALTER INDEX: Torna um índice ativo e ou inativo. Este comando está relacionado diretamente na performance do índice no Banco de Dados. Em certos momentos, o índice no Firebird pode ficar desbalanceado, desta forma, este comando recria o índice do Firebird. ALTER TABLE: Altera a estrutura de uma tabela e ou a integridade da mesma. 24

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados Banco de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

Introdução ao SQL. O que é SQL?

Introdução ao SQL. O que é SQL? Introdução ao SQL 1 O que é SQL? Inicialmente chamada de Sequel, SQL (Structured Query Language), é a linguagem padrão utilizada para comunicar-se com um banco de dados relacional. A versão original foi

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II BANCO DE DADOS II AULA 1 Linguagem SQL Linguagem de definição de dados (DDL) DISCIPLINA: Banco de Dados

Leia mais

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Universidade Federal da Paraíba UFPB Centro de Energias Alternativas e Renováveis - CEAR Departamento de Eng. Elétrica DEE BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Isaac Maia Pessoa Introdução O que é um BD? Operações

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Modelagem e Projeto de Banco de Dados Especialização em Tecnologia da Informação - Ênfases Março- 2009 1 Modelo Físico Introdução

Leia mais

2008.1. A linguagem SQL

2008.1. A linguagem SQL SQL 2008.1 A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua primeira versão

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Antonio

Banco de Dados. Prof. Antonio Banco de Dados Prof. Antonio SQL - Structured Query Language O que é SQL? A linguagem SQL (Structure query Language - Linguagem de Consulta Estruturada) é a linguagem padrão ANSI (American National Standards

Leia mais

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015 SQL - Banco de Dados 1 Disciplina: Banco de Dados Professor: José Antônio 2 Tópicos de discussão Criando um banco de dados Incluindo, atualizando e excluindo linhas nas tabelas Pesquisa básica em tabelas

Leia mais

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase.

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase. Prof. Omero, pág. 63 O que é o InterBase? O InterBase é um SGBDR - Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cliente/Servidor Relacional 1 que está baseado no padrão SQL ANSI-9, de alta performance, independente

Leia mais

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados I SQL DDL Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Introdução Modelo relacional encontra-se padronizado pela indústria de informática. Ele é chamado de padrão SQL (Structured Query Language)

Leia mais

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS info 3º ano Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br Na última aula estudamos Unidade 4 - Projeto Lógico Normalização; Dicionário de Dados. Arquitetura

Leia mais

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Banco de Dados I Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Plano de Aula SQL Definição Histórico SQL e sublinguagens Definição de dados (DDL) CREATE Restrições básicas em SQL ALTER DROP 08:20 Definição de

Leia mais

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM SQL CRIAÇÃO DE BANCO DE DADOS E OTIMIZAÇÃO DE CONSULTAS

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM SQL CRIAÇÃO DE BANCO DE DADOS E OTIMIZAÇÃO DE CONSULTAS Esclarecimento Licenciamento de Uso Este documento é propriedade intelectual 2012 da NRSYSTEM COMÉRCIO E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA LTDA-ME, consiste de uma compilação de diversos materiais entre livros,

Leia mais

O que são Bancos de Dados?

O que são Bancos de Dados? SQL Básico Liojes de Oliveira Carneiro professor.liojes@gmail.com www.professor-liojes.blogspot.com O que são Bancos de Dados? É o software que armazena, organiza, controla, trata e distribui os dados

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais

BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br INTRODUÇÃO AO SQL Ferramentas brmodelo Ferramenta Case PostgreSQL versão 8 ou superior SGBD Em 1986 o American

Leia mais

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 INTRODUÇÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 Leonardo Pereira leonardo@estudandoti.com.br Facebook: leongamerti http://www.estudandoti.com.br Informações que precisam ser manipuladas com mais segurança

Leia mais

Integridade dos Dados

Integridade dos Dados 1 Integridade dos Dados Integridade dos Dados Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br A integridade dos dados é feita através de restrições, que são condições obrigatórias impostas pelo modelo. Restrições

Leia mais

Auditoria de sistemas Deixe que seu banco de dados faça o trabalho por você

Auditoria de sistemas Deixe que seu banco de dados faça o trabalho por você Auditoria de sistemas Deixe que seu banco de dados faça o trabalho por você por Cristóferson Guimarães Magalhães Bueno e Odilon Corrêa da Silva 1 O objetivo deste artigo é demonstrar como criar um sistema

Leia mais

UNISA Universidade de Santo Amaro. http://www.unisa.br. Material de Estudo. Módulo I: Básico Banco de dados SQL Server. http://www.unisa-sis.

UNISA Universidade de Santo Amaro. http://www.unisa.br. Material de Estudo. Módulo I: Básico Banco de dados SQL Server. http://www.unisa-sis. UNISA Universidade de Santo Amaro http://www.unisa.br Material de Estudo Módulo I: Básico Banco de dados SQL Server http://www.unisa-sis.info Junho/2010 Objetivo do Workshop Compartilhar e apresentar

Leia mais

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado Introdução à Engenharia da Computação Banco de Dados Professor Machado 1 Sistemas isolados Produção Vendas Compras Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Desvantagens:

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Everson Santos Araujo everson@por.com.br Conceitos Dado - Um fato que pode ser armazenado Banco de dados (BD) - Coleção de dados interrelacionados Sistema Gerenciador de Banco

Leia mais

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL Criar uma base de dados (criar um banco de dados) No mysql: create database locadora; No postgresql: createdb locadora Criar

Leia mais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais 1 LINGUAGEM SQL SQL Server 2008 Comandos iniciais SQL - STRUCTURED QUERY LANGUAGE Quando os Bancos de Dados Relacionais estavam sendo desenvolvidos, foram criadas linguagens destinadas à sua manipulação.

Leia mais

LINGUAGEM SQL. DML - Linguagem de Manipulação de Dados

LINGUAGEM SQL. DML - Linguagem de Manipulação de Dados LINGUAGEM SQL Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL, é uma linguagem de pesquisa declarativa para banco de dados relacional (base de dados relacional). Muitas das características

Leia mais

BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS. Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre

BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS. Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre ROTEIRO PARA O 3º TRIMESTRE 1. O MySQL DDL SQL 1. Como funciona o MySQL 2. Como criar um banco de dados no MySQL 3. Como criar tabelas: comandos

Leia mais

Modelo de Dados Relacional Restrições de um Banco de Dados Relacional

Modelo de Dados Relacional Restrições de um Banco de Dados Relacional Modelo de Dados Relacional e as Restrições de um Banco de Dados Relacional Modelo de Dados Relacional Conceitos do Modelo Relacional Representa o banco de dados como uma coleção de relações. Comparação

Leia mais

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita:

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita: SQL Tópicos Especiais Modelagem de Dados Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício Introdução à Banco de Dados Nathalia Sautchuk Patrício Histórico Início da computação: dados guardados em arquivos de texto Problemas nesse modelo: redundância não-controlada de dados aplicações devem

Leia mais

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL BANCO DE DADOS 2 SQL (CREATE TABLE, CONSTRAINTS, DELETE, UPDATE e INSERT) Prof. Edson Thizon SQL SQL ( structured query language ) é uma linguagem comercial de definição e manipulação de banco de dados

Leia mais

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br 1. Abordagem geral Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br Em primeiro plano, deve-se escolher com qual banco de dados iremos trabalhar. Cada banco possui suas vantagens,

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada (SQL)

Linguagem de Consulta Estruturada (SQL) Linguagem de Consulta Estruturada (SQL) Conceitos sobre a versão ANSI da SQL, a sublinguagem de definição de dados (DDL) e a sublinguagem de manipulação de dados (DML) Prof. Flavio Augusto C. Correia 1

Leia mais

Banco de Dados II. Introdução Revisão - normalização -modelagem - sql básico

Banco de Dados II. Introdução Revisão - normalização -modelagem - sql básico Banco de Dados II Introdução Revisão - normalização -modelagem - sql básico Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com http://www.bolinhabolinha.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com

Leia mais

SQL Structured Query Language. SQL Linguagem de Definição de Dados. SQL Structured Query Language. SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language. SQL Linguagem de Definição de Dados. SQL Structured Query Language. SQL Structured Query Language Pós-graduação em Ciência da Computação CCM-202 Sistemas de Banco de Dados SQL Linguagem de Definição de Dados Profa. Maria Camila Nardini Barioni camila.barioni@ufabc.edu.br Bloco B - sala 937 2 quadrimestre

Leia mais

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2 Introdução a SQL 2 Leitura Obrigatória ELMASRI,

Leia mais

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas SQL Autor: Renata Viegas A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua

Leia mais

BANCO DE DADOS II Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

BANCO DE DADOS II Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 11-1. INTRODUÇÃO TRIGGERS (GATILHOS OU AUTOMATISMOS) Desenvolver uma aplicação para gerenciar os dados significa criar uma aplicação que faça o controle sobre todo ambiente desde a interface, passando

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix Ingress SQL

Leia mais

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável.

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. SQL (Structured Query Language) SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. Além de permitir a realização de consultas, SQL possibilita: definição

Leia mais

Conteúdo O que é?... 4 Histórico... 4 Onde Baixar?... 4 Diferença entre Firebird e o Interbase... 4 Como instalar?... 4 Instalando o Ibexpert...

Conteúdo O que é?... 4 Histórico... 4 Onde Baixar?... 4 Diferença entre Firebird e o Interbase... 4 Como instalar?... 4 Instalando o Ibexpert... Apostila FIREBIRD 1 Firebird Equipe: BARBARA CAROLINE SOUZA DE OLIVEIRA Nº 04 GUILHERME ROBERTO PINTO DE SOUZA Nº 16 JOSÉ ROSA MARTINS NETO Nº 22 RAFAEL ALVES DE SOUSA Nº 36 WELLINGTON COSTA SANTOS OLIVEIRA

Leia mais

SQL. Histórico BANCO DE DADOS. Conceito. Padrões de SQL (1) Componentes do SQL (1) Padrões de SQL (2) (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS)

SQL. Histórico BANCO DE DADOS. Conceito. Padrões de SQL (1) Componentes do SQL (1) Padrões de SQL (2) (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS) BANCO DE DADOS SQL (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS) Prof. Edson Thizon Histórico Entre 1974 e 1979, o San José Research Laboratory da IBM desenvolveu um SGDB relacional que ficou conhecido como Sistema

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados 1. Conceitos Básicos No contexto de sistemas de banco de dados as palavras dado e informação possuem o mesmo significado, representando uma

Leia mais

Gerenciamento de um Sistema de

Gerenciamento de um Sistema de SBD Gerenciamento de um Sistema de Banco de Dados Prof. Michel Nobre Muza ua michel.muza@ifsc.edu.br Prof. Marcos Antonio Viana Nascimento Por que é importante: Motivação Participar na organização e no

Leia mais

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com SQL Prof. Márcio Bueno {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com Material dos professores Ana Carolina Salgado, Fernando Foncesa e Valéria Times (CIn/UFPE) SQL SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta

Leia mais

PROCEDIMENTOS ARMAZENADOS (Stored Procedures)

PROCEDIMENTOS ARMAZENADOS (Stored Procedures) PROCEDIMENTOS ARMAZENADOS (Stored Procedures) 1. Introdução Stored Procedure é um conjunto de comandos, ao qual é atribuído um nome. Este conjunto fica armazenado no Banco de Dados e pode ser chamado a

Leia mais

SQL (Structured Query Language)

SQL (Structured Query Language) (Structured Query Language) I DDL (Definição de Esquemas Relacionais)... 2 I.2 Domínios... 2 I.3 Criação de Tabelas... 2 I.4 Triggers... 4 II DML Linguagem para manipulação de dados... 5 II.2 Comando SELECT...

Leia mais

SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela

SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela Certamente você já ouviu falar muito sobre triggers. Mas o quê são triggers? Quando e como utilizá-las?

Leia mais

Descrição Tinyint[(M)] Inteiro pequeno. Varia de 128 até +127

Descrição Tinyint[(M)] Inteiro pequeno. Varia de 128 até +127 Disciplina: Tópicos Especiais em TI PHP Este material foi produzido com base nos livros e documentos citados abaixo, que possuem direitos autorais sobre o conteúdo. Favor adquiri-los para dar continuidade

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML INTRODUÇÃO A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation

Leia mais

Histórico de revisões

Histórico de revisões Apostila 3 Histórico de revisões Data Versão Descrição Autor 30/09/2011 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr CONTEÚDO Exclusão de registros Consultas por Dados de Resumo Group by / Having Funções

Leia mais

Banco de Dados. StructuredQuery Language- SQL. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.

Banco de Dados. StructuredQuery Language- SQL. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo. Banco de Dados StructuredQuery Language- SQL Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 A Origem Em 1970, Ted Codd (pesquisador da IBM) publicou o primeiro

Leia mais

Disciplina: Unidade V: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade V: Prof.: E-mail: Período: Encontro 17 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade V: Introdução à Linguagem SQL Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM 13. Introdução à Linguagem SQL Introdução

Leia mais

Programação SQL. Introdução

Programação SQL. Introdução Introdução Principais estruturas duma Base de Dados: Uma BD relacional é constituída por diversas estruturas (ou objectos ) de informação. Podemos destacar: Database: designa a própria BD; Table/Tabela:

Leia mais

Unidade III - BD Relacional

Unidade III - BD Relacional Structured Query Language (SQL) Conceitos Iniciais Álgebra Relacional - muito formal Cálculo Relacional de Tupla SEQUEL (Structured English QUEry Language) IBM - Sistema R SQL-86 SQL-92 SQL-3 102 Structured

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ARTEFATO 02 AT02 Diversos I 1 Indice ESQUEMAS NO BANCO DE DADOS... 3 CRIANDO SCHEMA... 3 CRIANDO TABELA EM DETERMINADO ESQUEMA... 4 NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CRIAÇÃO E MODIFICAÇÃO

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza PHP e Banco de Dados progweb2@thiagomiranda.net Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net PHP e Banco de Dados É praticamente impossível

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 6.1 ARQUIVOS E REGISTROS De um modo geral os dados estão organizados em arquivos. Define-se arquivo como um conjunto de informações referentes aos elementos

Leia mais

BANCO DE DADOS WEB AULA 4. linguagem SQL: subconjuntos DCL, DDL e DML. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

BANCO DE DADOS WEB AULA 4. linguagem SQL: subconjuntos DCL, DDL e DML. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com BANCO DE DADOS WEB AULA 4 linguagem SQL: subconjuntos DCL, DDL e DML professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com O que é SQL? Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL,

Leia mais

SQL - Criação de Tabelas

SQL - Criação de Tabelas SQL - Criação de Tabelas André Restivo Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto February 24, 2012 André Restivo (FEUP) SQL - Criação de Tabelas February 24, 2012 1 / 25 Sumário 1 Introdução 2 Tabelas

Leia mais

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Adriano Pereira Maranhão 1 REVISÃO BANCO DE DADOS I O que é banco de dados? Ou seja afinal o que é um SGBD? REVISÃO BD I REVISÃO DE BD I Um Sistema de Gerenciamento de

Leia mais

Conhecendo o Firebird

Conhecendo o Firebird Conhecendo o Firebird Se você procura um banco de dados fácil de utilizar, compacto, com recursos de um SGDB bom, grátis e principalmente confiável, precisa conhecer o Firebird. O Firebird é um banco de

Leia mais

BANCO DE DADOS: SQL. Edson Anibal de Macedo Reis Batista. 27 de janeiro de 2010

BANCO DE DADOS: SQL. Edson Anibal de Macedo Reis Batista. 27 de janeiro de 2010 BANCO DE DADOS: SQL UERN - Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Departamento de Ciências da Computação. 27 de janeiro de 2010 índice 1 Introdução 2 3 Introdução SQL - Structured Query Language

Leia mais

Básico da Linguagem SQL. Definição de Esquemas em SQL. SQL(Structured Query Language)

Básico da Linguagem SQL. Definição de Esquemas em SQL. SQL(Structured Query Language) Básico da Linguagem SQL Definição de Esquemas em SQL SQL(Structured Query Language) Desenvolvida como a linguagem de consulta do protótipo de SGBD Sistema R (IBM, 1976). Adotada como linguagem padrão de

Leia mais

Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de

Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de BD Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de informação para nosso êxito no curso. A intenção de elaborar

Leia mais

Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005

Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005 Nome Número: Série Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005 Proposta do projeto: Competências: Compreender a orientação a objetos e arquitetura cliente-servidor, aplicando-as

Leia mais

Linguagem SQL Sub-linguagem DDL

Linguagem SQL Sub-linguagem DDL Linguagem SQL Sub-linguagem DDL A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation Language para suas

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados INTRODUÇÃO Diferente de Bando de Dados 1 INTRODUÇÃO DADOS São fatos conhecidos que podem ser registrados e que possuem significado. Ex: venda de gasolina gera alguns dados: data da compra, preço, qtd.

Leia mais

BANCO DE DADOS II Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

BANCO DE DADOS II Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 10 - PROCEDIMENTOS ARMAZENADOS - STORED PROCEDURES 1. INTRODUÇÃO Em muitas situações será necessário armazenar procedimentos escritos com a finalidade de se utilizar recursos como loop, estruturas

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

ROTEIRO. A Linguagem SQL (I parte) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva. As partes da linguagem SQL. A Linguagem de Definição de Dados (SQL-DDL)

ROTEIRO. A Linguagem SQL (I parte) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva. As partes da linguagem SQL. A Linguagem de Definição de Dados (SQL-DDL) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva SQL (MySql) ROTEIRO I PARTE - INTRODUÇÃO AO SQL COMANDOS E SUAS PARTES DA LINGUAGEM SQL II PARTE ADMINSTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS UTILIZANDO MYSQL PRINCIPAIS INSTRUÇÕES

Leia mais

Front-End Uso da Linguagem Turbo Delphi para Acesso ao Banco de Dados Mysql

Front-End Uso da Linguagem Turbo Delphi para Acesso ao Banco de Dados Mysql Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT Sistemas de Informação Laboratório de Programação Visual Prof. Clóvis Júnior Front-End Uso da Linguagem Turbo Delphi para Acesso ao Banco de Dados Mysql Estrutura

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD 2 1 Características dos SGBDs Natureza auto-contida de um sistema de banco de dados: metadados armazenados num catálogo ou dicionário de

Leia mais

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID Este material pertence a Carlos A. Majer, Professor da Unidade Curricular: Aplicações Corporativas da Universidade Cidade de São Paulo UNICID Licença de Uso Este trabalho está licenciado sob uma Licença

Leia mais

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello Banco de Dados Maurício Edgar Stivanello Agenda Conceitos Básicos SGBD Projeto de Banco de Dados SQL Ferramentas Exemplo Dado e Informação Dado Fato do mundo real que está registrado e possui um significado

Leia mais

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies Cap. 1 Module Introduction Objectivos O propósito e a origem da arquitectura de base de dados a três níveis. O conteúdo dos níveis externo,

Leia mais

Linguagem SQL. Comandos Básicos

Linguagem SQL. Comandos Básicos Linguagem SQL Comandos Básicos Caetano Traina Júnior Grupo de Bases de Dados e Imagens Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Universidade de São Paulo - São Carlos caetano@icmc.sc.usp.br Comando

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

PostgreSQL. www.postgresql.org. André Luiz Fortunato da Silva Analista de Sistemas CIRP / USP alf@cirp.usp.br

PostgreSQL. www.postgresql.org. André Luiz Fortunato da Silva Analista de Sistemas CIRP / USP alf@cirp.usp.br PostgreSQL www.postgresql.org André Luiz Fortunato da Silva Analista de Sistemas CIRP / USP alf@cirp.usp.br Características Licença BSD (aberto, permite uso comercial) Multi-plataforma (Unix, GNU/Linux,

Leia mais

SQL. Hélder Antero Amaral Nunes

SQL. Hélder Antero Amaral Nunes SQL Hélder Antero Amaral Nunes 2 Introdução Desenvolvida pelo departamento de pesquisa da IBM na década de 1970 (System R); Linguagem padrão de BD Relacionais; Apresenta várias padrões evolutivos: SQL86,

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Banco de dados 1. Linguagem SQL DDL e DML. Professor: Victor Hugo L. Lopes

Banco de dados 1. Linguagem SQL DDL e DML. Professor: Victor Hugo L. Lopes Banco de dados 1 Linguagem SQL DDL e DML Professor: Victor Hugo L. Lopes Agenda: Introdução à linguagem de dados; DDL; DML; CRUD; Introdução à linguagem SQL. 2 Por que precisamos da linguagem SQL? A algebra

Leia mais

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo Comandos DDL Estudo de Caso Controle Acadêmico Simplificado Uma escola contém vários cursos, onde cada aluno possui uma matricula num determinado curso. Estes cursos, por sua vez, possuem módulos, aos

Leia mais

Introdução a Sistemas de Bancos de Dados

Introdução a Sistemas de Bancos de Dados Introdução a Sistemas de Bancos de Dados Prof. UFES - Universidade Federal do Espírito Santo rapchan@inf.ufes.br http://www.inf.ufes.br/~rapchan Roteiro da Apresentação Introdução Características de um

Leia mais

Principais Comandos SQL Usados no MySql

Principais Comandos SQL Usados no MySql Principais Comandos SQL Usados no MySql O que é um SGBD? Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (como no Brasil) ou Sistema Gestor de Base de Dados (SGBD) é o conjunto de programas de computador (softwares)

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO FERRAMENTA DE MIGRAÇÃO DAS TABELAS E DADOS ENTRE SISTEMAS DE BANCO DE DADOS: INTERBASE TIAGO AZEVEDO BORGES

Leia mais

8. Outros tipos de Transação (Modo de Transação de Autoconfirmação e Modo Implícito)

8. Outros tipos de Transação (Modo de Transação de Autoconfirmação e Modo Implícito) 8. Outros tipos de Transação (Modo de Transação de Autoconfirmação e Modo Implícito) Nos itens anteriores vimos transações do tipo explícitas, ou seja, aquelas que iniciam com BEGIN TRANSACTION. As outras

Leia mais

Modelo Cliente/Servidor Por HIARLY ALVES

Modelo Cliente/Servidor Por HIARLY ALVES UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor. Modelo Cliente/Servidor Por HIARLY ALVES Fortaleza - CE CONCEITOS Cliente x Servidor. Cliente É um programa (software) executado

Leia mais

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 4 O Componente Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Ano: 03/2011

Leia mais

A & F Consultoria em Sistemas e Treinamentos 2014 af.tecnoserv@gmail.com. A linguagem SQL. Autor: Hélio de Almeida Fonte: Wikipédia

A & F Consultoria em Sistemas e Treinamentos 2014 af.tecnoserv@gmail.com. A linguagem SQL. Autor: Hélio de Almeida Fonte: Wikipédia A linguagem SQL Autor: Hélio de Almeida Fonte: Wikipédia 1 Structure Query Language O SQL foi desenvolvido originalmente no início dos anos 70 nos laboratórios da IBM em San Jose, dentro do projeto System

Leia mais

Banco de Dados. Módulo 7 - Modelo Relacional. Definição do Esquema Relacional em SQL. modulo07.prz 1 10/09/01

Banco de Dados. Módulo 7 - Modelo Relacional. Definição do Esquema Relacional em SQL. modulo07.prz 1 10/09/01 Banco de Dados Módulo 7 - Modelo Relacional Definição do Esquema Relacional em SQL modulo07.prz 1 10/09/01 Introdução SQL linguagem padrão para SGBDs relacionais derivada do SEQUEL (Structured English

Leia mais

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados -

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados - Banco de Dados Aula 02 Modelagem de Dados Roteiro Definição Evolução Projeto de BD Abstração Esquema e Instância Definição É uma representação, normalmente gráfica, de estruturas de dados reais. Auxilia

Leia mais