SQL (Structured Query Language)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SQL (Structured Query Language)"

Transcrição

1 (Structured Query Language) I DDL (Definição de Esquemas Relacionais)... 2 I.2 Domínios... 2 I.3 Criação de Tabelas... 2 I.4 Triggers... 4 II DML Linguagem para manipulação de dados... 5 II.2 Comando SELECT... 5 II.3 Comando UPDATE... 9 II.4 Comando DELETE... 9 II.5 Comando INSERT...10

2 (Structured Query Language) Norma ANSI criada em 1986 (revista em 1989 e 1992). A linguagem tem duas vertentes: DDL (Data Definition Language) e DML (data Manipulation Language). Na vertente DDL o possui um conjunto de comandos para criação e alteração de tabelas, chaves estrangeiras, regras de integridade referencial e views. Através dos comandos DML é possível efectuar interrogações a uma base de dados, bem como alterar, anular ou inserir registos em tabelas. I DDL (Definição de Esquemas Relacionais) I.2 Domínios Em é possível especificar o domínio (tipo de dados) de um atributo (Integer, Smallint, Decimal, Char, VarChar, Date, Time, Etc.). Através da cláusula DOMAIN é possível definir um domínio genérico ao qual podem ser atribuídos vários atributos. O seguinte comando define o domínio morada: CREATE DOMAIN dm_morada VARCHAR(100) I.3 Criação de Tabelas O comando para criar tabelas é CREATE TABLE, cuja sintaxe é a seguinte: CREATE TABLE nome databela ( definição das colunas, restrições de integridade) Na definição das colunas é necessário indicar o domínio e a obrigatoriedade (NULL), podendo-se opcional definir um valor por omissão (DEFAULT). Caso não seja referido se o atributo é ou não aobrigatório, assume-se que não é. Nas restrições de integridade pode-se definir a chave primária (PRIMARY KEY), cahves candadatas (UNIQUE), restrições sobre valores de colunas (CHECK), Chaves estrangeiras (FOREIGN KEY) e as restrições de integridade associadas (REFERENCES ON UPDATE, REFERENCES ON DELETE). Através da cláusula CONSTRAINT é Pedro Ramos DCTI/ISCTE 2

3 possível, mas não obrigatório, atribuir nomes às restrições (esses nomes apenas são uteis em termos de clareza de leitura, nomeadamente nas mensagens de erro retornadas pelo motor de base de dados). Os seguintes comandos criam quatro tabelas que exemplifica as várias cláusulas referidas. CREATE TABLE Factura ( num_factura INTEGER NOT NULL, data DATE NOT NULL, valor DECIMAL(10,2) NOT NULL, cod_cliente INTEGER NOT NULL, CONSTRAINT prim_key PRIMARY KEY (num_factura), CONSTRAINT for_key_cliente FOREIGN KEY (cod_cliente) REFERENCES Cliente (cod_cliente) ON UPDATE CASCADE ON DELETE RESTRICT) CREATE TABLE Cliente ( cod_cliente INTEGER NOT NULL, bi INTEGER NOT NULL, nome VARCHAR(100), morada dm_morada, CONSTRAINT prim_key PRIMARY KEY (cod_cliente), CONSTRAINT cand_key UNIQUE (bi)) CREATE TABLE Item ( num_factura INTEGER NOT NULL, num_item INTEGER NOT NULL, quantidade INTEGER NOT NULL, valor DECIMAL (4,2) NOT NULL, cod_produto INTEGER NOT NULL, CONSTRAINT prim_key PRIMARY KEY (num_factura, num_item), CONSTRAINT for_key_factura FOREIGN KEY (num_factura) REFERENCES Factura (num_factura) ON UPDATE CASCADE ON DELETE CASCADE, CONSTRAINT for_key_produto FOREIGN KEY (cod_produto) REFERENCES Produto (cod_produto) ON UPDATE CASCADE ON DELETE RESTRICT, CHECK (quantidade > 0)) CREATE TABLE Produto ( cod_produto INTEGER NOT NULL, tipo CHAR(2) DEFAULT MP NOT NULL, designação VARCHAR(100), CONSTRAINT prim_key PRIMARY KEY (cod_produto), CHECK (tipo IN ( MP, PA ))) Notas: (i) (ii) (iii) Para além das opções CASCADE e RESTRICT (chaves estrangeiras) existe a opção SET NULL; A cláusula CONSTRAINT (no Sybase Anywhere) não se aplica à cláusula CHECK; As cláusulas PRIMARY KEY (sem CONSTRAINT) e CHECK (qualdo este se aplica apenas a uma coluna e não a uma expressão que envolva mais que uma coluna) podem ser colocadas na mesma linha da definição da coluna. Pedro Ramos DCTI/ISCTE 3

4 Para apagar uma tabela utiliza-se o comando DROP TABLE DROP TABLE CLIENTE Para alterar uma tabela (por exemplo, acrescentar uma coluna ou apagar uma coluna), utiliza-se o comando ALTER TABLE ALTER TABLE cliente ADD COLUMN telefone VARCHAR (10) DROP COLUMN bi Nota: É conveniente ter um ficheiro com a definição completa da base de dados. Esse ficheiro pode ser executado sempre que seja necessário reconstruir a base de dados. O uso sistemático dos comandos ALTER e DROP TABLE pode dificultar a reconstrução da base de dados. I.4 Triggers Os triggers são procedimentos armazenados junto da base de dados que são associados a eventos que ocorrem nas tabelas. Através dos triggers o motor de base de dados reage automaticamente quando esses eventos (alterações dos dados nas tabelas) ocorrem, a forma como reagem é definida pelo procedimento associado ao trigger. Note-se que um trigger apenas pode estar associado a um evento de uma tabela. Os eventos aos quais podem se associar os triggers são Insert, Update, Delete e Update Of, sendo que para um deles é necessário discriminar se o evento ocorre antes ou depois da operação terminar. Os eventos Insert, Update e Delete ocorrem ao nível do registo completo, enquanto que o evento Update Of ocorre ao nível de um campo da tabela (é necessário indicar qual o atributo no momento da definição do trigger). Os triggers podem ainda ser row-level ou statement-level. Os triggers row-level ocorrem após cada linha da tabela ser alterada (anulada ou inserida). Os triggers statement-level ocorrem após uma operação sobre a tabela ser concluída (por exemplo, após um conjunto de registos ser inserido). O procedimento associado ao trigger obedece a uma sintaxe pré definida que não é abordada nestas folhas. A título de exemplo, considere-se o seguinte trigger (row-level) que é activado sempre que se insere uma matéria prima na tabela de produtos (insere um registo na tabela de matérias primas): create trigger "dba".materiaprima after insert on "DBA".Produto referencing new as new_produto for each row when(new_produto.tipo='mp') begin insert into MateriaPrima(cod_produto) values(new_produto.cod_produto) end Pedro Ramos DCTI/ISCTE 4

5 II DML Linguagem para manipulação de dados A linguagem DML implementa um subconjunto das operações da Álgebra Relacional, (nomeadamente o Produto Cartesiano, a União, a Selecção e a Projecção) e é composta por quatro comandos: SELECT, UPDATE, DELETE e INSERT, sendo o comando SELECT (permite a selecção de registos) o mais complexo e mais importante. II.2 Comando SELECT Um comando típico para selecção de linhas obedece à seguinte estrutura ( em que a cláusula SELECT corresponde à projecção, a cláusula FROM ao produto cartesiano e a cláusula WHERE à selecção): SELECT campos a seleccionar FROM tabelas onde constam os campos indicados em Select WHERE expressão lógica que indica quais as linhas que pretendemos seleccionar ORDER BY campo pelo qual a listagem virá ordenada; Por exemplo, para listar o nome e morada de uma tabela de clientes, o comando será: SELECT Nome, Morada FROM Cliente. Caso queiramos apenas os clientes cujo código postal seja 1300 (e queira que a lista venha ordenada por nome): SELECT Nome, Morada FROM Cliente WHERE Cod_Postal = 1300 ORDER BY Nome. É importante notar que qualquer comando SELECT devolve uma tabela (um conjunto de colunas e linhas). Sempre que ao longo deste texto referir-mos a palavra tabela, ela deve ser interpretada no sentido mais lato: uma tabela original (definida no esquema relacional) ou um comando SELECT. Cláusula SELECT Qualquer expressão sintacticamente válida pode ser argumento da cláusula SELECT. Por exemplo, os dois seguintes comandos são válidos: (i) SELECT Produto, Quantidade * Preço FROM Item (devolve duas colunas em que a segunda corresponde ao produto das colunas quantidade e preço); (ii) SELECT teste FROM Item (se a tabela item tiver 20 itens, o comando devolve 20 vezes a palavra teste). Pedro Ramos DCTI/ISCTE 5

6 Podem ser atribuídos aliases (sinónimos) às colunas. Por exemplo o comando anterior poderia ser escrito da seguinte forma (permite dar um nome Total - à segunda coluna devolvida): SELECT Produto, Quantidade * Preço AS Total FROM Item Caso pretendamos visualizar todos os campos de uma tabela, como alternativa a enumera-los todos, pode-se usar a constante *: SELECT * FROM Item. Caso pretendamos eliminar duplicados na listagem obtida, utiliza-se a cláusula DISTINCT (elimina linhas duplicadas) SELECT DISTINCT CodPostal FROM Aluno (devolve os códigos postais existentes). Caso se pretenda listar dois atributos com o mesmo nome (correspondentes a duas tabelas referidas na cláusula FROM) é necessário preceder o nome do campo pelo nome da tabela de onde ele é originário. Cláusula FROM Na cláusula FROM indicam-se os nomes das tabelas envolvidas na interrogação, separadas por vírgulas. Quando existe mais que uma tabela o executa automaticamente um produto cartesiano entre as tabelas. Por exemplo, o seguinte comando executa um produto cartesiano entre as tabelas Cliente e Cod_Postal, devolvendo todos os campos (das duas tabelas): SELECT * FROM Cliente, Cod_Postal. Caso queiramos obter um JOIN (ver secção II.1) é necessário explicitar a forma como o pretendemos obter, por exemplo: SELECT * FROM Cliente INNER JOIN Cod_Postal SELECT * FROM Cliente LEFT OUTER JOIN Cod_Postal SELECT * FROM Cliente, Cod_Postal WHERE Cliente.CodPostal = CodPostal.CodPostal (equivalente a um INNER JOIN) Á semelhança dos sinónimos dos atributos, é possível atribuir aliases às tabelas (os sinónimos nas tabelas são relevantes nas subquerys, analisadas mais adiante): Select * From Cliente AS Cliente_Empresa Cláusula WHERE Na cláusula WHERE pode constar qualquer expressão lógica. A expressão é avaliada linha a linha, isto é, para cada linha o avalia o valor da expressão, caso seja verdadeira devolve a linha. Os seguintes comandos são exemplos sintacticamente correctos: SELECT * FROM Cliente Where CodPostal > 1000 AND CodPostal < 2000 SELECT * FROM Cliente Where (CodPostal > 1000 AND CodPostal < 2000) OR CodPostal = 3000 Pedro Ramos DCTI/ISCTE 6

7 Select * FROM CodPostal WHERE 1 = 1 (devolve todos os registos) Os principais operadores utilizados na cláusula WHERE são: =, <, >, >=, <=, <>, AND, OR, NOT, IN, LIKE, BETWEEN e ISNULL. O operador IN é verdadeiro quando um elemento faz parte de um conjunto. O operador permite a utilização de wildcards. O operador ISNULL permite lidar com valores NULL. Alguns exemplos: SELECT * FROM CLIENTE WHERE CodPostal BETWEEN 1000,2000 SELECT * FROM CLIENTE WHERE Nome LIKE João% (todos os clientes começados por João SELECT * FROM Cliente WHERE Nacionalidade IN ( Portugal, Brasil ) (todos os clientes portugueses ou brasileiros) SELECT * FROM Cliente WHERE Nacionalidade NOT IN ( Portugal, Brasil ) (todos os clientes excepto os portugueses e brasileiros) SELECT * FROM Cliente WHERE Nacionalidade IS NOT NULL (todos os clientes com nacionalidade conhecida) Funções de Agregação e Cláusulas GROUP BY e HAVING Recorrendo apenas às cláusulas anteriores não é possível, por exemplo, efectuar certas operações estatísticas (somatórios, médias, etc.). Tal acontece porque as operações de agregação (que envolvem vários registos) não poderem ser calculadas linha a linha. Por exemplo, o comando para listar os códigos postais associados a mais do que dois clientes não pode ser efectuado tal como de seguida se apresenta: SELECT CodPostal FROM Cliente WHERE COUNT(CodPostal) > 2 O comando é incorrecto porque a cláusula WHERE é testada linha a linha e, numa linha não é possível obter o total de códigos postais. As cláusulas GROUP BY e HAVING permitem manipular valores agregados. A cláusula GROUP BY permite a definição de grupos. A cláusula HAVING é equivalente à cláusula WHERE só que o seu argumento são expressões lógicas relativas aos agrupamentos criados pela cláusula GROUP BY. O exemplo anterior encontra-se bem formulado com o seguinte comando: SELECT CodPostal FROM Cliente GROUP BY CodPostal HAVING COUNT(CodPostal) > 2 A cláusula GROUP BY agrupa os clientes por código postal e a cláusula HAVING selecciona os grupos cujo número de elementos é superior a dois. O seguinte Pedro Ramos DCTI/ISCTE 7

8 comando lista, para cada código postal, o número de clientes que a ele estão associados: SELECT CodPostal, COUNT(CodPostal) FROM Cliente GROUP BY CodPostal Sempre que existe uma função de agregação na cláusula SELECT, todos os restantes atributos da cláusula têm que estar incluídos na cláusula GROUP BY. O comando que de seguida se apresenta retorna o maior bilhete de identidade existente: SELECT MAX(Bi) FROM Cliente Caso pretendêssemos visualizar o nome desse cliente, não poderíamos simplesmente acrescentar o atributo nome à cláusula SELECT. Pela regra anteriormente referida, teríamos que considerar a cláusula GROUP BY: SELECT MAX(Bi), NOME FROM Cliente GROUP BY Nome. No entanto, o resultado do comando seria a listagem de todos os nomes com a indicação do BI associado a cada nome. Mais adiante apresenta-se a resolução desta interrogação. Para além das funções COUNT e MAX, existem outras, tais como SUM, AVG e MIN. Apenas a função COUNT não necessita de argumento: o primeiro comando retorna o total de registos de clientes enquanto o segundo devolve o total de clientes com o código postal conhecido. (i) (ii) SELECT COUNT(*) FROM Cliente SELECT COUNT(CodPostal) FROM Cliente Note-se que o segundo comando é equivalente ao seguinte: SELECT COUNT(*) FROM Cliente WHERE CodPostal IS NOT NULL SubQuerys Uma subquery é um comando SELECT dentro de um comando SELECT. Muitas interrogações apenas podem ser resolvidas através de subquerys. Um comando SELECT normalmente liga-se a outro através da cláusula WHERE. Os operadores IN e EXISTS são normalmente utilizadas nas subquerys. O operador IN devolve verdade quando um elemento pertence a um conjunto, e o operador EXISTS devolve verdade caso a subquery retorne pelo menos uma linha. Os dois comandos abaixo apresentados (equivalentes) devolvem os nomes que estão associados a pelo menos duas pessoas (dois BI s) (sem a cláusula DISTINCT o comando retornaria os nomes duplicados; os sinónimos das tabelas são necessários para evitar ambiguidades na condição WHERE da subquery): SELECT DISTINCT(Nome) FROM Cliente as Cliente1 WHERE NOME IN (SELECT NOME FROM Cliente as Cliente2 WHERE Cliente1.bi <> Cliente2.bi) Pedro Ramos DCTI/ISCTE 8

9 SELECT DISTINCT(Nome) FROM Cliente as Cliente1 WHERE EXISTS (SELECT * FROM Cliente as Cliente2 WHERE Cliente1.bi <> Cliente2.bi AND Cliente1.Nome = Cliente2.Nome) Os operadores ALL (todos) e ANY (pelo menos um) também são frequentes nas subquerys. O comando para retornar o maior bilhete de identidade (e nome associado) existente é: SELECT Nome, BI FROM Cliente WHERE BI >= ALL (SELECT BI FROM Cliente). Caso pretendêssemos um bilhete de identidade que não fosse o menor, o comando seria: SELECT Nome, BI FROM Cliente WHERE BI > ANY (SELECT BI FROM Cliente). As subquerys também podem ser colocadas na cláusula SELECT. O seguinte exemplo devolve, para cada cliente, o total de facturas associadas: SELECT Nome, (SELECT COUNT(*) FROM Factura WHERE Factura.BI = Cliente.BI) FROM Cliente Uniões A união de comandos SELECT é efectuada através do operador UNION. O seguinte comando devolve os nomes dos clientes e fornecedores: SELECT Nome FROM Cliente UNION SELECT Nome FROM Fornecedor. II.3 Comando UPDATE Um comando UPDATE para alteração de linhas obedece à seguinte estrutura: UPDATE tabela a alterar SET coluna a alterar = expressão WHERE expressão lógica que indica quais as linhas que pretendemos alterar O seguinte comando transforma os códigos postais 1200 em 1500: UPDATE Cliente SET CodPostal = 1500 WHERE CodPostal = 1200 II.4 Comando DELETE Um comando DELETE para anulação de linhas obedece à seguinte estrutura: DELETE FROM tabela a anular WHERE expressão lógica que indica quais as linhas que pretendemos alterar O seguinte comando apaga os códigos postais 1200 DELETE FROM Cliente WHERE CodPostal = 1200 Pedro Ramos DCTI/ISCTE 9

10 II.5 Comando INSERT Através do comando INSERT podem-se inserir uma linha ou várias linhas em simultâneo. Para inserir uma linha um comando INSERT obedece à seguinte estrutura: INSERT INTO tabela a inserir (colunas onde vão ser inseridos os valores) VALUES (valores a inserir) Para inserir um conjunto de linhas, um comando INSERT obedece à seguinte estrutura: INSERT INTO tabela a inserir (colunas onde vão ser inseridos os valores) SELECT valores a inserir FROM Exemplos INSERT INTO Produto (cod_produto, tipo) VALUES (123456, MP ) INSERT INTO Produto (cod_produto, tipo) SELECT cod_materia, MP FROM Materia_Prima Pedro Ramos DCTI/ISCTE 10

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada (SQL)

Linguagem de Consulta Estruturada (SQL) Linguagem de Consulta Estruturada (SQL) Conceitos sobre a versão ANSI da SQL, a sublinguagem de definição de dados (DDL) e a sublinguagem de manipulação de dados (DML) Prof. Flavio Augusto C. Correia 1

Leia mais

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita:

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita: SQL Tópicos Especiais Modelagem de Dados Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

Leia mais

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável.

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. SQL (Structured Query Language) SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. Além de permitir a realização de consultas, SQL possibilita: definição

Leia mais

FEAP - Faculdade de Estudos Avançados do Pará PROFª LENA VEIGA PROJETOS DE BANCO DE DADOS UNIDADE V- SQL

FEAP - Faculdade de Estudos Avançados do Pará PROFª LENA VEIGA PROJETOS DE BANCO DE DADOS UNIDADE V- SQL Quando os Bancos de Dados Relacionais estavam sendo desenvolvidos, foram criadas linguagens destinadas à sua manipulação. O Departamento de Pesquisas da IBM desenvolveu a SQL como forma de interface para

Leia mais

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL Criar uma base de dados (criar um banco de dados) No mysql: create database locadora; No postgresql: createdb locadora Criar

Leia mais

Básico da Linguagem SQL. Definição de Esquemas em SQL. SQL(Structured Query Language)

Básico da Linguagem SQL. Definição de Esquemas em SQL. SQL(Structured Query Language) Básico da Linguagem SQL Definição de Esquemas em SQL SQL(Structured Query Language) Desenvolvida como a linguagem de consulta do protótipo de SGBD Sistema R (IBM, 1976). Adotada como linguagem padrão de

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício Introdução à Banco de Dados Nathalia Sautchuk Patrício Histórico Início da computação: dados guardados em arquivos de texto Problemas nesse modelo: redundância não-controlada de dados aplicações devem

Leia mais

Linguagem SQL. Comandos Básicos

Linguagem SQL. Comandos Básicos Linguagem SQL Comandos Básicos Caetano Traina Júnior Grupo de Bases de Dados e Imagens Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Universidade de São Paulo - São Carlos caetano@icmc.sc.usp.br Comando

Leia mais

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL Banco de Dados Exercícios SQL 1 TRF (ESAF 2006) 32. Analise as seguintes afirmações relacionadas a Bancos de Dados e à linguagem SQL: I. A cláusula GROUP BY do comando SELECT é utilizada para dividir colunas

Leia mais

Programação SQL. INTRODUÇÃO II parte

Programação SQL. INTRODUÇÃO II parte Programação SQL INTRODUÇÃO II parte Programação SQL SELECT; INSERT; UPDATE; DELETE. Este conjunto de comandos faz parte da sublinguagem denominada por DML Data Manipulation Language (Linguagem de manipulação

Leia mais

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas:

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas: Álgebra Relacional Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída operação (REL 1 ) REL 2 operação (REL 1,REL 2 ) REL 3 Operações básicas: seleção projeção

Leia mais

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Manipulação de Dados Banco de Dados SQL DML SELECT... FROM... WHERE... lista atributos de uma ou mais tabelas de acordo com alguma condição INSERT INTO... insere dados em uma tabela DELETE

Leia mais

SQL BÁSICO. Introdução. Prof. Suelane Garcia. Linguagem SQL (Structured Query Language)

SQL BÁSICO. Introdução. Prof. Suelane Garcia. Linguagem SQL (Structured Query Language) SQL BÁSICO Prof. Suelane Garcia Introdução 2 Linguagem SQL (Structured Query Language) Linguagem de Consulta Estruturada padrão para acesso a Banco de Dados. Usada em inúmeros Sistemas de Gerenciamento

Leia mais

Tarefa Orientada 19 Triggers

Tarefa Orientada 19 Triggers Tarefa Orientada 19 Triggers Objectivos: Criar triggers AFTER Criar triggers INSTEAD OF Exemplos de utilização Os triggers são um tipo especial de procedimento que são invocados, ou activados, de forma

Leia mais

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com SQL Prof. Márcio Bueno {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com Material dos professores Ana Carolina Salgado, Fernando Foncesa e Valéria Times (CIn/UFPE) SQL SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

SQL - Criação de Tabelas

SQL - Criação de Tabelas SQL - Criação de Tabelas André Restivo Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto February 24, 2012 André Restivo (FEUP) SQL - Criação de Tabelas February 24, 2012 1 / 25 Sumário 1 Introdução 2 Tabelas

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados Banco de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 A Linguagem SQL As raízes da linguagem SQL remontam a 1974, altura em que a IBM desenvolvia

Leia mais

EXEMPLOS DE COMANDOS NO SQL SERVER

EXEMPLOS DE COMANDOS NO SQL SERVER EXEMPLOS DE COMANDOS NO SQL SERVER Gerenciando Tabelas: DDL - DATA DEFINITION LANGUAG Criando uma tabela: CREATE TABLE CLIENTES ID VARCHAR4 NOT NULL, NOME VARCHAR30 NOT NULL, PAGAMENTO DECIMAL4,2 NOT NULL;

Leia mais

2008.1. A linguagem SQL

2008.1. A linguagem SQL SQL 2008.1 A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua primeira versão

Leia mais

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015 SQL - Banco de Dados 1 Disciplina: Banco de Dados Professor: José Antônio 2 Tópicos de discussão Criando um banco de dados Incluindo, atualizando e excluindo linhas nas tabelas Pesquisa básica em tabelas

Leia mais

SQL (Structured Querie Language) Escola Secundária de Emídio Navarro 2001/2002 Estruturas, Tratamento e Organização de Dados

SQL (Structured Querie Language) Escola Secundária de Emídio Navarro 2001/2002 Estruturas, Tratamento e Organização de Dados SQL (Structured Querie Language) SQL é mais que uma linguagem de interrogação estruturada. Inclui características para a definição da estrutura de dados, para alterar os dados de uma base de dados, e para

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

Programação SQL. Introdução

Programação SQL. Introdução Introdução Principais estruturas duma Base de Dados: Uma BD relacional é constituída por diversas estruturas (ou objectos ) de informação. Podemos destacar: Database: designa a própria BD; Table/Tabela:

Leia mais

EXERCÍCIOS PRÁTICOS. Banco de Dados

EXERCÍCIOS PRÁTICOS. Banco de Dados EXERCÍCIOS PRÁTICOS Banco de Dados Introdução ao uso do SQL Structured Query Language, considerando tanto DDL Data Definition Language quanto DML Data Manipulation Language. Banco de Dados selecionado:

Leia mais

Structured Query Language (SQL)

Structured Query Language (SQL) SQL Histórico Structured Query Language (SQL) Foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation Language) para suas primeiras tentativas

Leia mais

António Rocha Nuno Melo e Castro

António Rocha Nuno Melo e Castro António Rocha Nuno Melo e Castro SQL- Strutured Query Language é a linguagem mais usada nas bases dados relacionais. Originalmente desenvolvida pela IBM Actualmente é um standard, o mais recente é o SQL:2003

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD 2 1 Características dos SGBDs Natureza auto-contida de um sistema de banco de dados: metadados armazenados num catálogo ou dicionário de

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Aula Prática

Structured Query Language (SQL) Aula Prática Structured Query Language (SQL) Aula Prática Linguagens de SGBD Durante o desenvolvimento do sistema R, pesquisadores da IBM desenvolveram a linguagem SEQUEL, primeira linguagem de acesso para Sistemas

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida UFCD 787 Administração de base de dados Elsa Marisa S. Almeida 1 Objectivos Replicação de base de dados Gestão de transacções Cópias de segurança Importação e exportação de dados Elsa Marisa S. Almeida

Leia mais

Linguagem de Consulta - SQL

Linguagem de Consulta - SQL SQL Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada; Originou-se da linguagem SEQUEL (1974); Revisada e chamada de SQL em 1976/77; Em 1986, padronizada pelo ANSI/ISO - chamada SQL-86; Em 1987

Leia mais

Structured Query Language (SQL) SQL é uma linguagem normalizada (ANSI) para consultas e actualizações de bases de dados relacionais.

Structured Query Language (SQL) SQL é uma linguagem normalizada (ANSI) para consultas e actualizações de bases de dados relacionais. Structured Query Language (SQL) SQL é uma linguagem normalizada (ANSI) para consultas e actualizações de bases de dados relacionais. A instrução SELECT As consultas a uma base de dados relacional fazem-se

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Antonio

Banco de Dados. Prof. Antonio Banco de Dados Prof. Antonio SQL - Structured Query Language O que é SQL? A linguagem SQL (Structure query Language - Linguagem de Consulta Estruturada) é a linguagem padrão ANSI (American National Standards

Leia mais

SQL (Linguagem de Consulta Estruturada)

SQL (Linguagem de Consulta Estruturada) SQL (Linguagem de Consulta Estruturada) M.Sc. Cristiano Mariotti mscmariotti@globo.com Introdução à SQL 1 Visão Geral Introdução Comandos de Definição de Dados Comandos de Manipulação de Dados Introdução

Leia mais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais 1 LINGUAGEM SQL SQL Server 2008 Comandos iniciais SQL - STRUCTURED QUERY LANGUAGE Quando os Bancos de Dados Relacionais estavam sendo desenvolvidos, foram criadas linguagens destinadas à sua manipulação.

Leia mais

Bases de Dados 2012/2013 Restrições de Integridade em SQL. Helena Galhardas 2012 IST. Bibliografia

Bases de Dados 2012/2013 Restrições de Integridade em SQL. Helena Galhardas 2012 IST. Bibliografia Bases de Dados 2012/2013 Restrições de Integridade em SQL Helena Galhardas Bibliografia Raghu Ramakrishnan, Database Management Systems, Cap. 3 e 5 1 1 Sumário Restrições de Integridade (RIs) em SQL Chave

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix Ingress SQL

Leia mais

SQL TGD/JMB 1. Projecto de Bases de Dados. Linguagem SQL

SQL TGD/JMB 1. Projecto de Bases de Dados. Linguagem SQL SQL TGD/JMB 1 Projecto de Bases de Dados Linguagem SQL SQL TGD/JMB 2 O que é o SQL? SQL ("ess-que-el") significa Structured Query Language. É uma linguagem standard (universal) para comunicação com sistemas

Leia mais

Princípio dos anos 70 IBM desenvolve a linguagem Sequel para o System R. Standards ISO e ANSI SQL-86, SQL-89, SQL-92, SQL:1999, SQL:2003

Princípio dos anos 70 IBM desenvolve a linguagem Sequel para o System R. Standards ISO e ANSI SQL-86, SQL-89, SQL-92, SQL:1999, SQL:2003 Bases de Dados Introdução à linguagem SQL História Princípio dos anos 70 IBM desenvolve a linguagem Sequel para o System R Renomeada para SQL (Structured Query Language) Standards ISO e ANSI SQL-86, SQL-89,

Leia mais

SQL. Banco de Dados I. Componentes de SQL

SQL. Banco de Dados I. Componentes de SQL Banco de Dados I Adrovane Marques Kade 1 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia adrovane.kade@bento.ifrs.edu.br 2011/1 ( Structured Query Language

Leia mais

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo Comandos DDL Estudo de Caso Controle Acadêmico Simplificado Uma escola contém vários cursos, onde cada aluno possui uma matricula num determinado curso. Estes cursos, por sua vez, possuem módulos, aos

Leia mais

SQL92 DDL( RIS, ACTUALIZAÇÕES E VISTAS) DML (QUERIES, SUBQUERIES,JUNÇÕES, E OPERAÇÕES SOBRE CONJUNTOS)

SQL92 DDL( RIS, ACTUALIZAÇÕES E VISTAS) DML (QUERIES, SUBQUERIES,JUNÇÕES, E OPERAÇÕES SOBRE CONJUNTOS) SQL92 DDL( RIS, ACTUALIZAÇÕES E VISTAS) DML (QUERIES, SUBQUERIES,JUNÇÕES, E OPERAÇÕES SOBRE CONJUNTOS) SQL SQL, é uma linguagem de programação que foi desenvolvida para questionar bases de dados relacionais

Leia mais

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado Introdução à Engenharia da Computação Banco de Dados Professor Machado 1 Sistemas isolados Produção Vendas Compras Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Desvantagens:

Leia mais

Unidade III - BD Relacional

Unidade III - BD Relacional Structured Query Language (SQL) Conceitos Iniciais Álgebra Relacional - muito formal Cálculo Relacional de Tupla SEQUEL (Structured English QUEry Language) IBM - Sistema R SQL-86 SQL-92 SQL-3 102 Structured

Leia mais

Linguagem SQL Sub-linguagem DDL

Linguagem SQL Sub-linguagem DDL Linguagem SQL Sub-linguagem DDL A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation Language para suas

Leia mais

Definida pelo American National Standard Institute (ANSI) em 1986

Definida pelo American National Standard Institute (ANSI) em 1986 2.3. Linguagens Relacionais SQL Structured Query Language Linguagem para o modelo relacional: Definida pelo American National Standard Institute (ANSI) em 1986 Adoptada em 1987 como um standard internacional

Leia mais

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas SQL Autor: Renata Viegas A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua

Leia mais

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Banco de Dados I Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Plano de Aula SQL Definição Histórico SQL e sublinguagens Definição de dados (DDL) CREATE Restrições básicas em SQL ALTER DROP 08:20 Definição de

Leia mais

Ex.: INSERT INTO tmpautor (CDAUTOR, NMAUTOR) VALUES (1, Renato Araújo )

Ex.: INSERT INTO tmpautor (CDAUTOR, NMAUTOR) VALUES (1, Renato Araújo ) PRONATEC - Programador de Sistemas Banco de Dados 1) Incluindo linhas nas tabelas a. Para incluir linhas em tabelas utilize o comando INSERT INTO INSERT INTO tabela [ ( coluna [, coluna,...] ) ] VALUES

Leia mais

Tarefa Orientada 15 Manipulação de dados

Tarefa Orientada 15 Manipulação de dados Tarefa Orientada 15 Manipulação de dados Objectivos: Criação de tabelas teste Comando INSERT INTO Inserção de dados Comando INSERT Actualização de dados Comando UPDATE Eliminação de dados Comando DELETE

Leia mais

SQL. Hélder Antero Amaral Nunes

SQL. Hélder Antero Amaral Nunes SQL Hélder Antero Amaral Nunes 2 Introdução Desenvolvida pelo departamento de pesquisa da IBM na década de 1970 (System R); Linguagem padrão de BD Relacionais; Apresenta várias padrões evolutivos: SQL86,

Leia mais

Programação SQL. Manipulação de Dados. DML Data Manipulation Language

Programação SQL. Manipulação de Dados. DML Data Manipulation Language Programação SQL Manipulação de Dados DML Data Manipulation Language Manipulação de Dados (DML) Os comandos INSERT, UPDATE, DELETE, são normalmente classificados como pertencendo a uma sublinguagem da linguagem

Leia mais

Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08

Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08 Exercícios Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08 1. A linguagem SQL apresenta uma série de comandos que permitem a definição dos dados, chamada de DDL (Data Definition Language). Assinale a alternativa

Leia mais

Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cláudio Luís V. Oliveira Janeiro de 2010 Definição "Um sistema cujo objetivo principal é gerenciar o acesso, a correta manutenção e a integridade dos

Leia mais

BANCO DE DADOS Parte 4

BANCO DE DADOS Parte 4 BANCO DE DADOS Parte 4 A Linguagem SQL Introdução Desenvolvida pelo depto de pesquisa da IBM na década de 1970 (System R) Linguagem padrão de BD Relacionais; Apresenta várias padrões evolutivos: SQL86,

Leia mais

PROGRAMA. Aquisição dos conceitos teóricos mais importantes sobre bases de dados contextualizados à luz de exemplos da sua aplicação no mundo real.

PROGRAMA. Aquisição dos conceitos teóricos mais importantes sobre bases de dados contextualizados à luz de exemplos da sua aplicação no mundo real. PROGRAMA ANO LECTIVO: 2005/2006 CURSO: LICENCIATURA BI-ETÁPICA EM INFORMÁTICA ANO: 2.º DISCIPLINA: BASE DE DADOS DOCENTE RESPONSÁVEL PELA REGÊNCIA: Licenciado Lino Oliveira Objectivos Gerais: Aquisição

Leia mais

S Q L 31/03/2010. SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada

S Q L 31/03/2010. SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Robson Fidalgo SQL SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada Apesar do QUERY no nome, não é apenas de consulta,

Leia mais

Operação de União JOIN

Operação de União JOIN Operação de União JOIN Professor Victor Sotero SGD 1 JOIN O join é uma operação de multi-tabelas Select: o nome da coluna deve ser precedido pelo nome da tabela, se mais de uma coluna na tabela especificada

Leia mais

S Q L 15/01/2013. Enfoques de SQL. Enfoques de SQL SQL. Usos de SQL. SQL - Origem/Histórico. Gerenciamento de Dados e Informação

S Q L 15/01/2013. Enfoques de SQL. Enfoques de SQL SQL. Usos de SQL. SQL - Origem/Histórico. Gerenciamento de Dados e Informação Enfoques de SQL Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Valeria Times Bernadette Loscio Linguagem interativa de consulta (ad-hoc): usuários podem definir consultas independente

Leia mais

Sumário 1 0.1 Introdução 1 0.2 Breve História da Linguagem SQL l 0.3 Características da Linguagem SQL 3 0.4 A Composição deste Livro 3

Sumário 1 0.1 Introdução 1 0.2 Breve História da Linguagem SQL l 0.3 Características da Linguagem SQL 3 0.4 A Composição deste Livro 3 ÍNDICE o -INTRODUÇÃO Sumário 1 0.1 Introdução 1 0.2 Breve História da Linguagem SQL l 0.3 Características da Linguagem SQL 3 0.4 A Composição deste Livro 3 0.5 Sistemas Utilizados 6 0.5.1 Access 2003 (Microsoft)

Leia mais

Tarefa Orientada 13 Agrupamento e sumário de dados

Tarefa Orientada 13 Agrupamento e sumário de dados Tarefa Orientada 13 Agrupamento e sumário de dados Objectivos: Funções de agregação Agrupamento e sumário de dados Funções de agregação Nesta tarefa orientada iremos formular consultas que sumariam os

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 INTRODUÇÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 Leonardo Pereira leonardo@estudandoti.com.br Facebook: leongamerti http://www.estudandoti.com.br Informações que precisam ser manipuladas com mais segurança

Leia mais

A Linguagem SQL. Introdução a Banco de Dados DCC 011

A Linguagem SQL. Introdução a Banco de Dados DCC 011 A Linguagem SQL Introdução Originalmente proposta para o System R desenvolvido nos laboratórios da IBM na década de 70 SEQUEL (Structured English QUEry Language) Objeto de um esforço de padronização coordenado

Leia mais

O comando CREATE TABLE cria a tabela solicitada e obedece à seguinte forma:

O comando CREATE TABLE cria a tabela solicitada e obedece à seguinte forma: 1 CREATE TABLE O comando CREATE TABLE cria a tabela solicitada e obedece à seguinte forma: CREATE TABLE (), (

Leia mais

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS info 3º ano Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br Na última aula estudamos Unidade 4 - Projeto Lógico Normalização; Dicionário de Dados. Arquitetura

Leia mais

Engenharia de Computação / Engenharia de Produção. Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira

Engenharia de Computação / Engenharia de Produção. Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Unidade 3 SQL Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Material base: Banco de Dados, 2009.2, prof. Otacílio José Pereira Contexto na Disciplina

Leia mais

Banco de dados 1. Linguagem SQL DDL e DML. Professor: Victor Hugo L. Lopes

Banco de dados 1. Linguagem SQL DDL e DML. Professor: Victor Hugo L. Lopes Banco de dados 1 Linguagem SQL DDL e DML Professor: Victor Hugo L. Lopes Agenda: Introdução à linguagem de dados; DDL; DML; CRUD; Introdução à linguagem SQL. 2 Por que precisamos da linguagem SQL? A algebra

Leia mais

Banco de Dados I. Linguagem de Consulta (parte II) Recuperando Dados de Várias Tabelas (JOINS)

Banco de Dados I. Linguagem de Consulta (parte II) Recuperando Dados de Várias Tabelas (JOINS) Banco de Dados I Linguagem de Consulta (parte II) Recuperando Dados de Várias Tabelas (JOINS) Exemplo - pedido Diagrama Entidade-Relacionamento N Pedido N possui N Produto N faz tira 1 Cliente 1 Vendedor

Leia mais

Tarefa Orientada 14 Subconsultas

Tarefa Orientada 14 Subconsultas Tarefa Orientada 14 Subconsultas Objectivos: Subconsultas não correlacionadas Operadores ALL, SOME e ANY Subconsultas correlacionadas Operador EXISTS Subconsultas incluídas na cláusula FROM de uma consulta

Leia mais

Reforçando conceitos de SQL Estudo de Caso: Agenciamento de Corridas de Táxis

Reforçando conceitos de SQL Estudo de Caso: Agenciamento de Corridas de Táxis Reforçando conceitos de SQL Estudo de Caso: Agenciamento de s de Táxis 1 Algumas Entidades existentes Estudo de Caso Cliente Agendada Fila Logradouro Zona Motorista Efetivada Táxi 2 Consulta Básica SQL

Leia mais

Tarefa Orientada 16 Vistas

Tarefa Orientada 16 Vistas Tarefa Orientada 16 Vistas Objectivos: Vistas só de leitura Vistas de manipulação de dados Uma vista consiste numa instrução de SELECT que é armazenada como um objecto na base de dados. Deste modo, um

Leia mais

Bases de Dados. Parte V: A Linguagem SQL

Bases de Dados. Parte V: A Linguagem SQL Bases de Dados Parte V A Linguagem SQL 1 SQL Structured Query Language O SQL é uma poderosa linguagem declarativa que permite definir, questionar e manipular bases de dados. Para além das funcionalidades

Leia mais

DML - SELECT Agrupando Dados

DML - SELECT Agrupando Dados DML - SELECT Agrupando Dados 1. Apresentação Já conhecemos os comandos básicos de manipulação de dados: insert; delete; update e select. O comando de consulta select utilizado até aqui era aplicado sobre

Leia mais

Linguagem SQL (Parte II)

Linguagem SQL (Parte II) Universidade Federal de Sergipe Departamento de Sistemas de Informação Itatech Group Jr Softwares Itabaiana Site: www.itatechjr.com.br E-mail: contato@itatechjr.com.br Linguagem SQL (Parte II Introdução

Leia mais

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS Compreender e utilizar a linguagem SQL, na construção e manutenção de uma base de dados.

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS Compreender e utilizar a linguagem SQL, na construção e manutenção de uma base de dados. PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.ºH CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO MULTIMÉDIA ANO LECTIVO 2013/2014 6. LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO IV Pré-requisitos: - Planificar e estruturar bases

Leia mais

Prova de Fundamentos de Bancos de Dados 2 a Prova

Prova de Fundamentos de Bancos de Dados 2 a Prova Prova de Fundamentos de Bancos de Dados 2 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Maio de 2006 Prova com consulta duas horas de duração 1 Base de dados para as questões (Esta é a mesma base de dados que foi usada

Leia mais

Banco de Dados. Módulo 7 - Modelo Relacional. Definição do Esquema Relacional em SQL. modulo07.prz 1 10/09/01

Banco de Dados. Módulo 7 - Modelo Relacional. Definição do Esquema Relacional em SQL. modulo07.prz 1 10/09/01 Banco de Dados Módulo 7 - Modelo Relacional Definição do Esquema Relacional em SQL modulo07.prz 1 10/09/01 Introdução SQL linguagem padrão para SGBDs relacionais derivada do SEQUEL (Structured English

Leia mais

SQL S Q L. Introdução. Enfoques de SQL. SQL - Origem/Histórico. Usos de SQL. SQL - Vantagens. Banco de Dados. Fernando Fonseca Ana Carolina

SQL S Q L. Introdução. Enfoques de SQL. SQL - Origem/Histórico. Usos de SQL. SQL - Vantagens. Banco de Dados. Fernando Fonseca Ana Carolina Introdução Banco de Dados SQL Fernando Fonseca Ana Carolina SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada Apesar do QUERY no nome, não é apenas de consulta, permitindo definição (DDL)

Leia mais

SQL: Definição de tabelas, Modificações à Base de Dados

SQL: Definição de tabelas, Modificações à Base de Dados SQL: Definição de tabelas, Modificações à Base de Dados Fernando Lobo Base de Dados, Universidade do Algarve 1 / 24 Definição do esquema da base de dados O esquema da BD é composto pelas definições de

Leia mais

Aplicações - SQL. Banco de Dados: Teoria e Prática. André Santanchè e Luiz Celso Gomes Jr Instituto de Computação UNICAMP Agosto de 2013

Aplicações - SQL. Banco de Dados: Teoria e Prática. André Santanchè e Luiz Celso Gomes Jr Instituto de Computação UNICAMP Agosto de 2013 Aplicações - SQL Banco de Dados: Teoria e Prática André Santanchè e Luiz Celso Gomes Jr Instituto de Computação UNICAMP Agosto de 2013 Picture by Steve Kelley 2008 SQL SQL Structured Query Language Originalmente:

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO.

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Curso Oracle 10g Prof. MSc. Luciano Blomberg lblomberg@uol.com.br 2011/1

Leia mais

PROGRAMA. Objectivos Gerais :

PROGRAMA. Objectivos Gerais : PROGRAMA ANO LECTIVO : 2005/2006 CURSO : ENGENHARIA MULTIMÉDIA ANO: 2.º DISCIPLINA : SISTEMA DE GESTÃO DE BASE DE DADOS DOCENTE RESPONSÁVEL PELA REGÊNCIA : Licenciado Lino Oliveira Objectivos Gerais :

Leia mais

CREATE TABLE AUTOR ( cod_autor int not null primary key, nome_autor varchar (60) )

CREATE TABLE AUTOR ( cod_autor int not null primary key, nome_autor varchar (60) ) TADS Exercício Laboratório I Analise o modelo de banco de dados abaixo: MUSICA FAIXA Codigo_Musica: INTEGER Nome_Musica: VARCHAR(60) Duracao: NUMERIC(6,2) Codigo_Musica: INTEGER (FK) Codigo_CD: INTEGER

Leia mais

SQL. Profa. Msc. Fernanda Lígia Rodrigues Lopes. Disciplina: Fundamentos de Banco de Dados

SQL. Profa. Msc. Fernanda Lígia Rodrigues Lopes. Disciplina: Fundamentos de Banco de Dados SQL Profa. Msc. Fernanda Lígia Rodrigues Lopes Disciplina: Fundamentos de Banco de Dados Roteiro O que é SQL? Breve Histórico da SQL Usos da SQL Comandos SQL DDL Comandos SQL DML Comandos para consultas

Leia mais

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados I SQL DDL Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Introdução Modelo relacional encontra-se padronizado pela indústria de informática. Ele é chamado de padrão SQL (Structured Query Language)

Leia mais

BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br Os comandos SQL podem ser agrupados em 3 classes: DDL Data Definition Language Comandos para a Definição

Leia mais

Prova de Fundamentos de Bancos de Dados 2 a Prova

Prova de Fundamentos de Bancos de Dados 2 a Prova Prova de Fundamentos de Bancos de Dados 2 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Novembro de 2007 Prova com consulta duas horas de duração 1 Base de dados para as questões (Esta é a mesma base de dados que foi

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Structured Query Language (SQL) Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Ambiente Simplificado de um SGBD 2 Características dos SGBDs Natureza auto-contida de um sistema de banco

Leia mais

Banco de Dados SQL. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai

Banco de Dados SQL. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai Banco de Dados SQL João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai Introdução SQL - Structured Query Language Linguagem declarativa não-procedimental Desenvolvida e implementada pelo laboratório de pesquisa

Leia mais

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello Banco de Dados Maurício Edgar Stivanello Agenda Conceitos Básicos SGBD Projeto de Banco de Dados SQL Ferramentas Exemplo Dado e Informação Dado Fato do mundo real que está registrado e possui um significado

Leia mais

Bases de Dados 2005/2006. Aula 5

Bases de Dados 2005/2006. Aula 5 Bases de Dados 2005/2006 Aula 5 Sumário -1. (T.P.C.) Indique diferenças entre uma tabela e uma relação. 0. A base de dados Projecto 1. SQL Join (variantes) a. Cross Join b. Equi-Join c. Natural Join d.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ARTEFATO 02 AT02 Diversos I 1 Indice ESQUEMAS NO BANCO DE DADOS... 3 CRIANDO SCHEMA... 3 CRIANDO TABELA EM DETERMINADO ESQUEMA... 4 NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CRIAÇÃO E MODIFICAÇÃO

Leia mais

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL BANCO DE DADOS 2 SQL (CREATE TABLE, CONSTRAINTS, DELETE, UPDATE e INSERT) Prof. Edson Thizon SQL SQL ( structured query language ) é uma linguagem comercial de definição e manipulação de banco de dados

Leia mais

1. Assinale as afirmações que são verdadeiras e as que são falsas, corrigindo-as:

1. Assinale as afirmações que são verdadeiras e as que são falsas, corrigindo-as: Curso Profissional Técnico de Informática de Gestão 10ºB Prof. Pedro Lopes S i s t e m a s d e I n f o r m a ç ã o M ó d u l o : L i n g u a g e m S Q L T e s t e s u m a t i v o d u r a ç ã o 8 0 m i

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML INTRODUÇÃO A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation

Leia mais

Gerenciamento de um Sistema de

Gerenciamento de um Sistema de SBD Gerenciamento de um Sistema de Banco de Dados Prof. Michel Nobre Muza ua michel.muza@ifsc.edu.br Prof. Marcos Antonio Viana Nascimento Por que é importante: Motivação Participar na organização e no

Leia mais