A Engenharia na Interface entre a Ciência e a Prática

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Engenharia na Interface entre a Ciência e a Prática"

Transcrição

1 A Engenharia na Interface entre a Ciência e a Prática Fernando J. on Zuben Departamento de Engenharia de Computação e Automação Industrial DCA/FEEC/Unicamp Tópicos Método científico Limite do conhecimento Tipos de argumento Tipos de teoria científica Não há desprezo mais profundo e mais justificável do que aquele dos homens que fazem para com os homens que explicam. Exposição, crítica e apreciação é trabalho para mentes de segunda categoria. G.H. Hardy Nada é mais prático do que a teoria. L. Boltzmann, físico ( ) (faz todo o sentido) Na prática, a teoria é outra. Autor anônimo (não faz sentido algum) Qualquer um pode zangar-se isso é fácil. Mas zangar-se com a pessoa certa, na medida certa, na hora certa, pelo motivo certo e da maneira certa, não é fácil. Aristóteles Nos anos 30, o matemático austríaco Kurt Gödel demonstrou que qualquer sistema formal que seja consistente e suficientemente forte a ponto de formalizar a aritmética é incompleto no sentido de que sempre haverá uma fórmula por ele derivada que não pode ser provada como sendo verdadeira ou falsa pelo sistema formal. Gödel inclusive mostrou como construir esta fórmula.

2 O que é ciência? Conjunto de conhecimentos adquiridos ou produzidos, historicamente acumulados, dotados de universalidade e objetividade que permitem sua transmissão, e estruturados com métodos e linguagens próprias. Objetivo: produzir conhecimento (buscar a verdade). O que é ciência? Os conhecimentos científicos têm um grau de certeza maior que os outros conhecimentos (empíricos). Um cientista não busca o conhecimento pela sua utilidade. O que é engenharia? Arte de aplicar conhecimentos científicos e empíricos e certas habilitações específicas à criação de estruturas, dispositivos e processos que conduzam ao atendimento das necessidades humanas. Objetivo: dar utilidade ao conhecimento. Método Científico Uma versão básica do método científico pode ser apresentada na forma: observe algum fenômeno do universo; proponha uma descrição tentativa, ou seja, uma hipótese, consistente com o fenômeno observado; use a hipótese para realizar predições; teste estas predições através de experimentos ou novas observações e modifique a hipótese com base nos resultados do teste; repita os passos 3 e 4 até que não haja mais discrepância entre teoria e experimento ou observação. Método Científico (visão comum) Método Científico teoria ausência de discrepâncias observações hipóteses predições modificar hipóteses na presença de discrepâncias Quando a consistência (ausência de discrepância) é obtida, a hipótese (ou conjunto de hipóteses) se torna uma teoria, a qual fornece um conjunto coerente de proposições que explica uma classe de fenômenos do universo. Logo, uma teoria científica não é aceita por causa do prestígio ou poder de convencimento do seu proponente, mas sim através de observações e/ou experimentos que podem ser reproduzidos por qualquer pessoa interessada em validá-la (refutá-la ou aceitá-la). testes

3 Teoria Científica Teoria Científica Codificação ou repositório do conhecimento científico Contribuição de Popper: Toda teoria científica é refutável. Se não for refutável, não é ciência. Popper forneceu um sentido rigoroso para a testabilidade das teorias. Thomas Kuhn: grande crítico de Popper. Segundo ele, na prática, as coisas não funcionam como disse Popper. Deve-se levar em conta a psicologia e a sociologia da ciência (ego e status dos agentes de ciência). A descoberta científica não pode ser fundamentada na lógica. Ciência como empreendimento humano. Teoria Científica Popper (perspectiva lógica) Kuhn (perspectiva histórica) diferente de Popper, Kuhn não acredita que a nova teoria engloba as anteriores o papel conservador do processo crítico a revolução científica é irracional. É coisa de psicologia de massa. Paradigma Termo com o qual Thomas Kuhn designou as realizações científicas (p. ex., a dinâmica de Newton ou a química de Lavoisier) que geram modelos que, por período mais ou menos longo e de modo mais ou menos explícito, orientam o desenvolvimento posterior das pesquisas exclusivamente na busca da solução para os problemas por elas suscitados. Teoria Não-Científica (1) Teoria Científica (2) Teoria Científica Teoria Não-Científica 1. a lua é povoada por homens verdes pequenos que podem ler a mente de todos os terráqueos e irão se esconder toda vez que um terráqueo estiver observando a lua ou a explorando in loco, a procura deles. 2. não há homens verdes pequenos na lua. Sendo assim, a afirmação de que a ciência não pode incorporar nada que não tenha sido provado, a qual representa uma crítica freqüente ao método científico, não se aplica. Trata-se de uma interpretação errônea do método científico. A essência do método científico está no fato de que a ciência não pode incorporar nada que não admita ser refutado algum dia.

4 Teoria Científica Teoria Não-Científica Fatos considerados impossíveis no passado (assumindo a irrefutabilidade das teorias científicas então em vigor) e que hoje representam uma realidade certamente levaram ao abandono de muitas teorias científicas. Mas em virtude da natureza refutável das teorias científicas, esta realidade de hoje em nenhum momento pôde ser considerada uma impossibilidade pela própria ciência. Há uma clara distinção, portanto, entre aquilo que hoje não pode ser refutado (que sustenta as teorias científicas que estão em evidência) e aquilo que nunca pôde nem poderá ser refutado (que nunca poderá sustentar nenhuma teoria científica). A navalha de Occam (Occam s razor) Mesmo na presença de um elenco padronizado e unificado de testes eficazes, muitas hipóteses fundamentadas em assunções contraditórias podem permanecer consistentes frente aos testes realizados, fornecendo as mesmas predições. Sob estas condições, a escolha por uma dentre as teorias resultantes da aplicação do método científico deve recorrer a um critério que as diferencie em algum aspecto significativo. A navalha de Occam (Occam s razor) Uma ferramenta adequada a esta função é a navalha de Occam, a qual representa um princípio proposto pelo frei franciscano William of Occam, no século XI. Occam era um vilarejo no condado inglês de Surrey, onde ele nasceu. Trata-se do princípio (lei, regra) da parcimônia ou simplicidade, que pode ser expresso de variadas formas (todas igualmente simples!): Pluralitas non est ponenda sine neccesitate. ou Frustra fit per plura quod potest fieri per pauciora. ou Entia non sunt multiplicanda praeter necessitatem. que significa Entidades não devem ser multiplicadas desnecessariamente. ersão para cientistas: quando existem 2 ou mais teorias concorrentes e que realizam exatamente as mesmas predições, a mais simples dentre elas deve ser a escolhida, até que evidências adicionais permitam estabelecer uma comparação mais abrangente entre elas. As explicações mais simples para algum fenômeno têm maior probabilidade de estarem corretas do que as explicações mais complicadas. Sendo assim, se você tiver 2 soluções igualmente aceitáveis para um problema, fique com a mais simples. A navalha de Occam (Occam s razor) Repare que a navalha de Occam não garante que a teoria mais simples é a mais correta, ela apenas estabelece prioridades de escolha. Portanto, a navalha de Occam não pode ser tomada como um axioma ou lei, mas apenas como uma regra geral ou heurística. Este princípio não substitui a lógica ou o método científico, já que ele nunca pode ser usado para fundamentar uma conclusão. Quem pode fundamentar uma conclusão são a consistência lógica e a evidência empírica. O Sucesso da Ciência Argumento Darwiniano: Somente as boas teorias científicas sobrevivem. A ciência como um todo, em suas sofisticadas relações inter-teóricas e com a experiência, seus métodos e sua evolução histórica, é um empreendimento bem sucedido. As questões do limite da ciência Existem coisas ainda desconhecidas pela ciência? Existem coisas que não podem ser conhecidas pela ciência? Existem leis ainda desconhecidas pela ciência? Existem leis que não podem ser conhecidas?

5 Dois grandes problemas da epistemologia Origem: o conhecimento é adquirido por quais processos e em que ele se fundamenta? Limite: quais as coisas que podem ser conhecidas e quais as que não podem? Empirismo Racionalismo Experiência Razão É possível manter uma posição empirista acerca de determinado tipo de conhecimento e racionalista acerca de outro? Empirismo: sustenta que o conhecimento se baseia e se adquire através do que se apreende pelos sentidos. Admite-se, além dos sentidos "externos" (visão, audição, tato, olfato e paladar) a participação de um sentido "interno" (introspecção), que nos informa acerca de nossos sentimentos, estados de consciência e memória. Como quase toda doutrina filosófica, o empirismo encontra raízes na Grécia Antiga; ganhou novo ímpeto com a revolução científica do século 17, e seus principais defensores no período moderno foram Locke, Berkeley e Hume. Racionalismo: considera que as fontes do verdadeiro conhecimento encontram-se não na experiência, mas na razão. Como no caso do empirismo, também essa doutrina já era defendida entre os gregos; na era moderna, seus principais expoentes foram Descartes e Leibniz. Platão: a observação do mundo é incapaz de conduzir a idéias puras; Aristóteles: a observação do mundo é capaz de conduzir a idéias puras (experiência, empirismo) Galileo conduziu a humanidade a uma nova forma de interpretar as nossas próprias experiências; fim das conclusões ingênuas. ao contrário do que muitos dizem, Galileo não refuta o pensamento aristotélico, pois este já estava baseado no empirismo, o qual é reforçado. Galileo apresentou a nova teoria da mecânica. O principal na doutrina de Galileo não está na experiência, mas na introdução da matemática na argumentação. Astronomia de Ptolomeu: Terra no centro Astronomia de Copérnico: Terra se move

6 O cartesianismo veio suprir a lacuna que passou a existir entre sabedoria e ciência, perante a constatação de que o universo é ilimitado e que o nível de sabedoria da humanidade era incapaz de conduzir à explicação das novas descobertas científicas do período renascentista. Era necessário adotar um novo paradigma em substituição ao paradigma aristotélico, que prevaleceu por cerca de 2000 anos. Paradigma aristotélico: perspectiva qualitativa, descritiva e classificatória, de intenção contemplativa, e baseada na idéia de que o mundo forma uma totalidade finita, ordenada, em que todas as coisas têm um lugar definido. Paradigma cartesiano: rompimento com a antiga imagem do mundo e com hábitos de pensamentos vigentes, perspectiva quantitativa, matemática e voltada para a aplicação. O mundo passa a ser visto como uma imensa máquina. Mas creio que para [conhecer a verdadeira natureza do mundo visível] não seja preciso que desde o início consideremos todos [os fenômenos], mas que é melhor tratarmos de encontrar as causas dos mais gerais, que propus aqui, a fim de ver se posteriormente dessas mesmas causas podemos também deduzir todos os outros mais particulares que não levamos em conta ao procurar essas causas. Pois se isso ocorrer, constituirá um argumento muito forte para nos assegurar que estamos no caminho verdadeiro. Descartes (Principes) É necessário imitar os viajantes que, achando-se perdidos em alguma floresta, não devem ficar perambulando de um lado para outro, e menos ainda ficar parados num lugar, mas andar sempre o mais reto que puderem, na mesma direção, e não a modificar por razões insignificantes, mesmo que talvez, no início, tenha sido apenas o acaso que lhes tenha determinado a escolha: pois, desse modo, se não vão exatamente onde desejam, ao menos acabarão chegando a algum lugar, onde possivelmente estarão melhor do que no meio de uma floresta. E assim, como as ações da vida freqüentemente não suportam nenhum adiamento, é uma verdade muito certa que, quando não está em nosso poder discernir as opiniões mais verdadeiras, devemos seguir as mais prováveis. E, ainda que não notemos mais probabilidades numas que nas outras, mesmo assim devemos nos determinar por algumas, e considerá-las depois, não mais como duvidosas, no que diz respeito à prática, mas como verdadeiras e certas, porque a razão que a isso nos determinou o é. Descartes (Discurso do Método) Empirismo e Ciência Moderna A ciência moderna ofereceu suporte à posição empirista, atribuindo um papel fundamental à experimentação. A ciência moderna também indicou inconsistências junto a abordagens racionalistas (experimentos de Descartes sobre a inércia) Limite do Conhecimento (sob uma perspectiva empirista) Os limites do conhecimento dependem do alcance dos sentidos, de modo que a razão não está na base do conhecimento, mas sim na elaboração do material coletado. Fenômeno: aquilo que é diretamente perceptível.

7 Limite dos Sentidos 1. Localização espaço-temporal do objeto: não se tem acesso ao passado e ao futuro não se percebe aquilo que está fora do alcance dos sentidos 2. Atributos do objeto: Tamanho Energia Comprimento de onda Tipos de Teorias Científicas Fenomenológica: referem-se a propriedades e relações empiricamente acessíveis entre os fenômenos (termodinâmica, teoria da seleção natural) Construtiva ou Explicativas: envolvem proposições referentes a entidades e processos inacessíveis à observação direta, que são postulados com o objetivo de explicar os fenômenos (mecânica quântica, genética molecular, mecânica estatística) Limite do Conhecimento (sob uma perspectiva fenomenológica) Derivam dos limites sensoriais do tipo 1; Dificuldade com a fundamentação das proposições gerais (nós não inspecionamos todos os lugares do universo em todos os instantes de tempo). (sob uma perspectiva construtiva) derivam dos limites sensoriais do tipo 2 (nós não vemos, apalpamos, etc. certos objetos postulados como existentes, como elétrons, campos magnéticos, etc.) Ciência e limite do conhecimento O realismo científico afirma que a ciência tem como transcender os limites do conhecimento. O anti-realismo científico diz que não. É possível ser realista em relação a uma classe ou classes de objetos e antirealista em relação a outras? Realismo Científico Doutrina segundo a qual as proposições sobre os objetos da classe em disputa possuem um valor de verdade objetivo. São verdadeiras ou falsas em virtude de uma realidade que existe independentemente de nós. Anti-Realismo Científico Doutrina que questiona a possibilidade do conhecimento das entidades e processos inobserváveis postulados pelas teorias científicas. Recebe várias denominações, dependendo de como a tese do realismo científico é negada: instrumentalismo, redutivismo, empirismo construtivo, relativismo, etc. As posições anti-realistas por vezes recebem nomes especiais, de acordo com a classe de objetos em questão. Assim, o anti-realismo com relação às entidades matemáticas é conhecido por construtivismo; com relação aos objetos materiais ordinários por fenomenalismo.

8 Preço do Anti-Realismo Científico A ciência estaria restrita às teorias fenomenológicas e teria apenas um papel descritivo. Conseqüências do Realismo Científico o conhecimento científico pode avançar além dos limites do que é diretamente observável. Usar aparelhos Realizar inferências Dedução Indução Abdução Tipos de argumento Tipos de argumento Sentença: seqüência de símbolos com significado. Interrogativas; Exclamativas; Imperativas; Declarativas. Proposição ou enunciado: aquilo que uma sentença declarativa afirma. Argumento: seqüência de proposições tais que a última (conclusão) é, de alguma forma, justificada pelas anteriores (premissas). D1 D2 Premissas D3 D4 Conclusão Argumentos Dedutivos; Indutivos; Abdutivos Lógica Proposicional Inferência Dedutiva A F F Tabela erdade B F F A B F A conclusão segue logicamente das premissas (está contida nas premissas). Portanto, a conclusão ou juízo geral é lógico. Não acrescenta conhecimento novo; De argumentos logicamente válidos se chega a argumentos logicamente válidos. Silogismo aristotélico.

9 Inferência Indutiva De juízos (enunciados) particulares se chega a um juízo (enunciado) geral. A conclusão não segue logicamente das premissas (não está contida nas premissas). Portanto, a conclusão ou juízo geral não é lógico. Acrescenta conhecimento novo (generalização). A conclusão necessariamente consiste na extensão uniforme da evidência. Inferência Indutiva na prática, todo o nosso comportamento se baseia na indução, pois é através dela que ganhamos capacidade de prever o futuro. muitos acreditam que o papel da indução é levar à descoberta. Outros afirmam que a indução leva a justificar o juízo (a crença). Hume não aceita que a indução seja usada para justificar, porque leva a um raciocínio circular (pela experiência). o Princípio da Unicidade da Natureza (PUN) é um dogma da ciência. Ele sustenta que o futuro vai ser igual ao passado. mas o PUN não é justificável pela experiência, pois ao tentar buscar esta justificativa, recorre-se ao PUN, gerando um raciocínio circular. Inferência Abdutiva postular hipóteses escolher a melhor (por exemplo, de acordo com o poder explicativo) postular uma ligação entre poder explicativo e verdade Inferência Abdutiva De modo simplificado, o esquema geral dos argumentos abdutivos, tais quais aparecem nas discussões contemporâneas, consiste no enunciado de uma evidência (um fato ou conjunto de fatos), de hipóteses alternativas para explicar tal evidência, e de uma apreciação do valor dessas explicações. A conclusão é a de que a melhor explicação provavelmente é verdadeira se, além de comparativamente superior às demais, for boa em algum sentido absoluto. Logo, os argumentos indutivos podem ser entendidos como casos especiais de argumentos abdutivos. Dedução, Indução, Abdução A: Todos os gizes da caixa são brancos. B: Todos os gizes da mesa vieram da caixa. C: Todos os gizes da mesa são brancos. Dedução: (A & B) C Indução: (B & C) A Abdução: (A & C) -> B Indução Dedução : : : Este cisne não ébranco Indução: Dedução: Todo cisne é branco. ~( Todo cisne é branco.) Popper

10 Legitimidade Epistêmica da Inferência Abdutiva Problemas: subjetividade dependência contextual como optar entre alternativas de igual poder explicativo? conflito com os cânones do empirismo (adequação empírica da melhor explicação e não a busca da verdade) Justificando o Realismo Científico a questão da antecipação teórica de uma observação ainda não realizada é um dos pontos mais empregados para justificar a eficácia do realismo científico. Argumento da Coincidência Cósmica se uma teoria prediz corretamente uma grande quantidade e variedade de fenômenos, é improvável que seja falsa acerca do mundo sub-fenomênico de que suas predições empíricas dependem. Se as entidades não-observáveis postuladas pela teoria não existissem, e se o que a teoria diz sobre elas não fosse aproximadamente verdadeiro, somente uma coincidência de proporções cósmicas poderia explicar seu sucesso empírico. Considerações finais Necessidade de um procedimento para se determinar o mérito relativo dos argumentos. O realismo científico é uma tese sobre a extensão do conhecimento, adicional ao empirismo propriamente considerado, e que dele não decorre necessariamente. A certeza não seria então condição necessária para o conhecimento. grau de segurança A adequação empírica pode, em contraste com a verdade, constituir objeto genuíno de comprometimento epistêmico. Método Científico (visão comum) teoria ausência de discrepâncias observações hipóteses predições Referências Bibliográficas Boa parte do presente material está baseado em textos e palestras proferidas por Sílvio S. Chibeni (http://www.unicamp.br/~chibeni/) Moroni, A., Manzolli, J., on Zuben, F.J. Artificial abduction: A cumulative evolutionary process. Semiotica, Special Issue Abduction: Between subjectivity and objectivity, vol. 153, nos. 1-4, pp , modificar hipóteses na presença de discrepâncias testes

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências Prof. Nelson Luiz Reyes Marques O que é ciência afinal? O que é educação em ciências? A melhor maneira

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

Breve Histórico do Raciocínio Lógico

Breve Histórico do Raciocínio Lógico Breve Histórico do Raciocínio Lógico Enquanto muitas culturas tenham usado complicados sistemas de raciocínio, somente na China, Índia e Grécia os métodos de raciocínio tiveram um desenvolvimento sustentável.

Leia mais

Lógica Indutiva. Aula 4. Prof. André Martins

Lógica Indutiva. Aula 4. Prof. André Martins Lógica Indutiva Aula 4 Prof. André Martins É uma bruxa? Lógica Clássica (Dedutiva) Na Lógica Clássica, determinamos a veracidade de proposições a partir de outras proposições que julgamos verdadeiras.

Leia mais

dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão.

dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão. dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão. Senso comum... aranha caranguejeira ou aranha-marrom? Epistemologia Moderna e Contemporânea EPISTEMOLOGIA investiga o conhecimento. limites. possibilidades.

Leia mais

Um Estudo sobre o Conhecimento

Um Estudo sobre o Conhecimento Um Estudo sobre o Conhecimento Gerardo Valdisio Rodrigues Viana Universidade Federal do Ceará - Universidade Estadual do Ceará Eliéser Sales Pereira Faculdade Lourenço Filho Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita;

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita; MÉTODO CIENTÍFICO CONCEITO: palavra de origem grega, significa o conjunto de etapas e processos a serem vencidos ordenadamente na investigação da verdade; IMPORTÃNCIA DO MÉTODO: pode validar ou invalidar

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica Prof. William Costa Rodrigues FAETEC/IST Paracambi 2007 Metodologia Científica: Conceitos e Definições É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para

Leia mais

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 John Locke (1632-1704) Biografia Estudou na Westminster School; Na Universidade de Oxford obteve o diploma de médico; Entre 1675 e 1679 esteve na França onde estudou Descartes (1596-1650); Na Holanda escreveu

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

O Método Científico. Antônio Roque Agosto de 2009

O Método Científico. Antônio Roque Agosto de 2009 O Método Científico Antônio Roque Agosto de 2009 Antes de tudo. Duas definições importantes: Raciocínio dedutivo e Raciocínio indutivo Raciocínio Dedutivo Todos os brasileiros gostam de futebol; Jorge

Leia mais

A MODELAÇÃO DE LEIS E TEORIAS CIENTÍFICAS

A MODELAÇÃO DE LEIS E TEORIAS CIENTÍFICAS A MODELAÇÃO DE LEIS E TEORIAS CIENTÍFICAS O ESPÍRITO HUMANO PROCURA LEIS E TEORIAS CIENTÍFICAS AO MENOS POR DOIS MOTIVOS Porque lhe dão um certo tipo de compreensão do real Porque lhe oferecem esquemas

Leia mais

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES 1/6 A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES Definir o que é pesquisa; mostrar as formas clássicas de classificação das pesquisas; identificar as etapas de um planejamento de pesquisa. INTRODUÇÃO O que é pesquisa?

Leia mais

CONSTRUÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE HIPÓTESES DEDUÇÃO

CONSTRUÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE HIPÓTESES DEDUÇÃO CONSTRUÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE HIPÓTESES Começo este texto fazendo um questionamento: hipótese é uma pergunta ou uma resposta? A chance de qualquer pessoa acertar sem pensar é de 50%. Contudo, quando começamos

Leia mais

Prova Escrita de Filosofia

Prova Escrita de Filosofia Exame Final Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Filosofia 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 714/Época Especial 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

Metodologia. Definição do procedimentos e instrumentos metodológicos para a realização da pesquisa. 18/03/2014

Metodologia. Definição do procedimentos e instrumentos metodológicos para a realização da pesquisa. 18/03/2014 18/03/2014 15:24 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Prof.ª: Kátia Paulino dos Santos E-mail: katiapaulinoap@yahoo.com.br 1 Metodologia Definição do procedimentos e instrumentos

Leia mais

161 FILOSOFIA Prova escrita

161 FILOSOFIA Prova escrita 161 FILOSOFIA Prova escrita PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Duração: 90 min Ano: 2013 1ª fase - Junho 10º/11º anos Grupo I Selecione a alternativa correta: 1. A diferença entre ação e acontecimento

Leia mais

2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano

2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano 2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano Spinoza nos Pensamentos Metafísicos estabelece a distinção entre duração e tempo, isto é, do ente em ente cuja essência envolve

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin Pesquisa Científica e Método Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin A Pesquisa e o Metodo Cientifico Definir modelos de pesquisa Método, entre outras coisas, significa caminho para chegar a um fim ou pelo qual

Leia mais

Jorge Dantas Amorim É POSSÍVEL CONHECER A VERDADE?

Jorge Dantas Amorim É POSSÍVEL CONHECER A VERDADE? Jorge Dantas Amorim É POSSÍVEL CONHECER A VERDADE? É importante deixar claro que este texto tratará do problema da verdade a partir de uma abordagem filosófica, mais especificamente esta problemática será

Leia mais

Tecnologia. < Questões conceituais >

Tecnologia. < Questões conceituais > Tecnologia < Questões conceituais > Pressupostos tradicionais (últimos 5 séc.): "tecnologia é a simples aplicação da ciência"; "a tecnologia é sempre benéfica" ou "a tecnologia é sempre maléfica"; Pelo

Leia mais

Parece claro que há uma, e uma só, conclusão a tirar destas proposições. Esa conclusão é:

Parece claro que há uma, e uma só, conclusão a tirar destas proposições. Esa conclusão é: Argumentos Dedutivos e Indutivos Paulo Andrade Ruas Introdução Em geral, quando se quer explicar que géneros de argumentos existem, começa-se por distinguir os argumentos dedutivos dos não dedutivos. A

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Metodologia e Introdução à Pesquisa Prof. Ricardo Bicalho Redes de Computadores Ciência e Método Científico AULA 3 1 AGENDA PORQUE ESTUDAR METODOLOGIA ENSINO SUPERIOR E PESQUISA ELEMENTOS

Leia mais

DATA: VALOR: 20 PONTOS NOME COMPLETO:

DATA: VALOR: 20 PONTOS NOME COMPLETO: DISCIPLINA: FILOSOFIA PROFESSOR: ENRIQUE MARCATTO DATA: VALOR: 20 PONTOS NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2ªEM TURMA: Nº: I N S T R U Ç Õ E S 1. Esta prova contém 05 questões

Leia mais

Título: Observações introdutórias sobre os paradoxos sorites e o fenômeno da vagueza na linguagem natural

Título: Observações introdutórias sobre os paradoxos sorites e o fenômeno da vagueza na linguagem natural Título: Observações introdutórias sobre os paradoxos sorites e o fenômeno da vagueza na linguagem natural Conceitos-chaves: Paradoxo sorites, Vagueza, Casos-fronteira, Teoria Epistêmica. 1. Introdução

Leia mais

161 FILOSOFIA Prova escrita

161 FILOSOFIA Prova escrita 161 FILOSOFIA Prova escrita PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Duração: 120 min Ano: 2014 1ª fase - Junho 10º/11º anos Grupo I Selecione a alternativa correta: 1. Uma não ação é algo que A. Nos acontece.

Leia mais

Seminário de Introdução a pesquisa

Seminário de Introdução a pesquisa Seminário de Introdução a pesquisa Discussão o Óleo de Lorenzo Avanço da ciência e o método científico Apenas os cientistas podem fazer ciência? No filme vemos os pais de Lorenzo buscando a cura da doença

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA CIENTÍFICA A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA CIENTÍFICA ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO Introdução O que é Pesquisa O que é Ciência Definições Ciência e Tecnologia Categorizações Ciência e eu QUAL O CURSO? Diante das várias possibilidades

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores.

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. 2. Como acontecia a aprendizagem nas escolas no período medieval? Quem era apto

Leia mais

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA?

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? Conhecimento: Conhecimento: nada mais é que a apreensão da realidade, de forma real ou imaginada. Entendendo realidade como aquilo

Leia mais

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça Metodologia Científica Metodologia Científica Conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas de aquisição

Leia mais

EPISTEMOLOGIA E CIÊNCIA EM MARKETING

EPISTEMOLOGIA E CIÊNCIA EM MARKETING EPISTEMOLOGIA E CIÊNCIA EM MARKETING Cassio Sclovsky Grinberg 1. Introdução: Diversas disciplinas enfrentam questões acerca do verdadeiro caráter científico por elas incorporado. Algumas disciplinas vem

Leia mais

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Sumário Introdução 1 Desenvolvimento. 1 1. O Conhecimento.. 2 2. A sensação e percepção... 3 3. Kant e o conhecimento como actividade construtiva

Leia mais

Tópico para o exame de admissão 2016

Tópico para o exame de admissão 2016 . INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO-ISCED/Luanda DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE FILOSOFIA Tópico para o exame de admissão 2016 1. EMERGÊNCIA DE FILOSOFIA As diversas maneiras de definir

Leia mais

Metodologia Científica Aula 1. Prof.ª Ma. Ana Paula Diniz E-mail: anapauladinizb@hotmail.com

Metodologia Científica Aula 1. Prof.ª Ma. Ana Paula Diniz E-mail: anapauladinizb@hotmail.com Metodologia Científica Aula 1 Prof.ª Ma. Ana Paula Diniz E-mail: anapauladinizb@hotmail.com Bibliografia: http://pesquisaemeducacaoufrgs.pbworks. com/w/file/fetch/64878127/willian%20cost a%20rodrigues_metodologia_cientifica

Leia mais

Considerações introdutórias sobre o conceito de metodologia em seu significado acadêmico

Considerações introdutórias sobre o conceito de metodologia em seu significado acadêmico Resumo Considerações introdutórias sobre o conceito de metodologia em seu significado acadêmico Jamil Rodrigues ZAMPAULO 1 Objetiva-se, neste trabalho, oferecer tecer algumas considerações, a nível introdutório,

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Fonte: www.cantocidadao.org.br/.../blog/criancas.jpg

Fonte: www.cantocidadao.org.br/.../blog/criancas.jpg 5. Estágio pré-operatório (2 a 6 anos) Fonte: www.cantocidadao.org.br/.../blog/criancas.jpg Esse período é marcado pela passagem da inteligência sensório-motora para a inteligência representativa. A criança

Leia mais

Guia de livros didáticos PNLD 2012

Guia de livros didáticos PNLD 2012 Guia de livros didáticos PNLD 2012 Veja nas páginas a seguir um excerto do documento publicado pela FNDE contendo uma resenha da coleção Quanta Física recentemente aprovada como uma das obras didáticas

Leia mais

George Kelly (1905-1967) 11 - Kelly. Ponto de Partida. Kelly. O Realismo de Kelly. Universo de Kelly. Estágio Curricular Supervisionado em Física I

George Kelly (1905-1967) 11 - Kelly. Ponto de Partida. Kelly. O Realismo de Kelly. Universo de Kelly. Estágio Curricular Supervisionado em Física I 11 - Kelly George Kelly (1905-1967) Estágio Curricular Supervisionado em Física I www.fisica-interessante.com 1/33 www.fisica-interessante.com 2/33 Kelly Ponto de Partida formou-se em Matemática e Física

Leia mais

A MÁQUINA INTELIGENTE. O longo caminho do pensamento mecanizado Júlio Cesar da Silva - juliocesar@eloquium.com.br

A MÁQUINA INTELIGENTE. O longo caminho do pensamento mecanizado Júlio Cesar da Silva - juliocesar@eloquium.com.br A MÁQUINA INTELIGENTE O longo caminho do pensamento mecanizado Júlio Cesar da Silva - juliocesar@eloquium.com.br APRESENTAÇÃO Júlio Cesar da Silva Mestrando em Administração MBA em Gestão da Tecnologia

Leia mais

CONHECIMENTO 1 CONCEITO

CONHECIMENTO 1 CONCEITO CONHECIMENTO 1 CONCEITO No sentido correto da palavra, conhecer é elucidar a realidade. Etimologicamente a palavra elucidar vem do latim lucere, cujo significado é trazer luz. Assim, conhecer significa

Leia mais

METODOLOGIA CIENTÍFICA

METODOLOGIA CIENTÍFICA EQE040 METODOLOGIA CIENTÍFICA www.liviajatoba.com/eqe040 Professora Livia Jatobá liviajatoba@eq.ufrj.br Aula 04: Desenvolvendo o problema científico. Metodologia e fases da pesquisa. 6 de abril de 2015

Leia mais

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15 Bases Matemáticas Aula 2 Métodos de Demonstração Rodrigo Hausen v. 2013-7-31 1/15 Como o Conhecimento Matemático é Organizado Definições Definição: um enunciado que descreve o significado de um termo.

Leia mais

16. A relatividade especial e a experiência / 63 17. O espaço quadridimensional de Minkowski / 68

16. A relatividade especial e a experiência / 63 17. O espaço quadridimensional de Minkowski / 68 Sumário Prefácio A. Einstein / 9 Primeira parte A teoria da relatividade especial / 11 1. Conteúdo físico dos teoremas geométricos / 13 2. O sistema de coordenadas / 17 3. Espaço e tempo na mecânica clássica

Leia mais

5ª. Apostila de Filosofia FILOSOFIA MODERNA

5ª. Apostila de Filosofia FILOSOFIA MODERNA 1 5ª. Apostila de Filosofia FILOSOFIA MODERNA A História da Filosofia A História da Filosofia não é apenas um relato histórico, mas as transformações do pensamento humano ocidental, ou seja, o percurso

Leia mais

Karl Popper e a natureza da filosofia 1

Karl Popper e a natureza da filosofia 1 Revista Urutágua - revista acadêmica multidisciplinar www.urutagua.uem.br/010/10fernandes.htm Quadrimestral Nº 10 Ago./Set./Out./Nov. Maringá - Paraná - Brasil - ISSN 1519.6178 Departamento de Ciências

Leia mais

CURSO: TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA MODALIDADE EAD

CURSO: TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA MODALIDADE EAD LÓGIC DE PROGRMÇÃO CURSO: TÉCNICO EM INFORMÁTIC N MODLIDDE ED Disciplina: Lógica de Programação Profa. Jaqueline F. Domenciano Meu nome é Jaqueline F. Domenciano. Sou Especialista em Educação à Distância,

Leia mais

METODOLOGIA CIENTÍFICA

METODOLOGIA CIENTÍFICA METODOLOGIA CIENTÍFICA Profª. Luciana Oliveira metodologia.oliveira@gmail.com Surgimento da ciência. Conceito filosófico do conhecimento e interesse pela pesquisa. Colaboradores: Prof. Dr. José Roberto

Leia mais

Perícia Contábil e os Métodos: Experimental e do Raciocínio Contábil

Perícia Contábil e os Métodos: Experimental e do Raciocínio Contábil Perícia Contábil e os Métodos: Experimental e do Raciocínio Contábil Prof. Me. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: Apresenta-se uma concisa análise sobre a necessidade da aplicação de método científico,

Leia mais

O problema do mundo externo*

O problema do mundo externo* O problema do mundo externo* George Pappas Tradução: Jaimir Conte Um mundo externo, como os filósofos têm usado o termo, não é algum planeta distante externo à Terra. O mundo externo tampouco é, estritamente

Leia mais

Metodologia Científica. Metodologia Científica

Metodologia Científica. Metodologia Científica Metodologia Científica Metodologia Científica Seqüência da Apresentação Introdução Tipos de pesquisa Tipos de fontes de dados Pesquisa na área de Informática Projeto de pesquisa Metodologia Formato de

Leia mais

ELEMENTOS DA RESENHA CRÍTICA www.cesnors.ufsm.br/projetos/textos.../resenha%20critica.doc DESCRIÇÃO DOS ELEMENTOS DE UMA RESENHA CRÍTICA

ELEMENTOS DA RESENHA CRÍTICA www.cesnors.ufsm.br/projetos/textos.../resenha%20critica.doc DESCRIÇÃO DOS ELEMENTOS DE UMA RESENHA CRÍTICA 1 ELEMENTOS DA RESENHA CRÍTICA www.cesnors.ufsm.br/projetos/textos.../resenha%20critica.doc DESCRIÇÃO DOS ELEMENTOS DE UMA RESENHA CRÍTICA Nome: Curso: Data: / / Disciplina: 1 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

PROGRAMA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL A preparação de um projeto de tese: indagações preliminares 1. Que conhecimento se tem sobre o estado da questão? 1.1. O que quero saber? Tema Problema geral da

Leia mais

Desenvolvimento Cognitivo

Desenvolvimento Cognitivo Desenvolvimento Cognitivo Psicologia do Desenvolvimento Jean Piaget elaborou uma teoria do desenvolvimento a partir do estudo da inteligência da criança e do adolescente. A sua teoria permitiu que se acabasse

Leia mais

Lógica para Computação Prof. Celso Antônio Alves Kaestner, D.E.E. celsokaestner (at) utfpr (dot) edu (dot) br Introdução Lógica para Computação (IF61B) Três citações extraídas de Logique: Méthodes pour

Leia mais

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA Fernando Pessoa FILOSOFIA FILOSOFIA Se há um assunto eminentemente filosófico é a classificação das ciências. Pertence à filosofia e a nenhuma outra ciência. É só no ponto de vista mais genérico que podemos

Leia mais

NOTA À 2ª EDIÇÃO... VII PREFÁCIO... IX. No Renascimento de uma Nova Era... IX PREÂMBULO... XIII. Organização do livro... xiii. Destinatários...

NOTA À 2ª EDIÇÃO... VII PREFÁCIO... IX. No Renascimento de uma Nova Era... IX PREÂMBULO... XIII. Organização do livro... xiii. Destinatários... NOTA À 2ª EDIÇÃO... VII PREFÁCIO... IX No Renascimento de uma Nova Era... IX Índice PREÂMBULO... XIII Organização do livro... xiii Destinatários... xiv Utilização do livro... xiv Agradecimentos... xiv

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO

TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO Prof. Dr. Eduardo Braga 1 1 Introdução TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO Iniciar a redação colocando alguns antecedentes do assunto/tema/problema escolhido. Expor as justificativas e razões para a escolha do tema

Leia mais

Como elaborar um projeto de pesquisa Ciro Flamarion S. Cardoso

Como elaborar um projeto de pesquisa Ciro Flamarion S. Cardoso Universidade Federal Fluminense - Centro de Estudos Gerais Instituto de Ciências Humanas e Filosofia Área de História Programa de Pós-Graduação em História Como elaborar um projeto de pesquisa Ciro Flamarion

Leia mais

METODOLOGIA DA PESQUISA. Característica: Obrigatória. Créditos: 2 (30 h)

METODOLOGIA DA PESQUISA. Característica: Obrigatória. Créditos: 2 (30 h) METODOLOGIA DA PESQUISA Ementa: Pesquisa qualitativa e quantitativa. As técnicas de observação e o trabalho de campo: componentes do trabalho de campo: componentes do trabalho de campo. O método cientifico.

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

CAPÍTULO 1. A FACULDADE DE PERCEBER, A PERCEPÇÃO E OS OBJETOS DA PERCEPÇÃO

CAPÍTULO 1. A FACULDADE DE PERCEBER, A PERCEPÇÃO E OS OBJETOS DA PERCEPÇÃO CAPÍTULO 1. A FACULDADE DE PERCEBER, A PERCEPÇÃO E OS OBJETOS DA PERCEPÇÃO Muito antigo e pouco alterado no longo transcurso que teve dentro da história da filosofia, o sentido do termo latino facultas

Leia mais

Aos Leitores. Os autores

Aos Leitores. Os autores Aos Leitores Com o presente volume de Razões em Jogo, conclui-se uma proposta de leitura do Programa de Introdução à Filosofia da actual Reforma Educativa. Esta interpretação volta a assumir claramente

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. AULA: 2.1 Conteúdo: Dogmatismo Ceticismo

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. AULA: 2.1 Conteúdo: Dogmatismo Ceticismo : 2.1 Conteúdo: Dogmatismo Ceticismo : 2.1 Habilidade: Problematizar quais as possibilidades do conhecimento verdadeiro. REVISÃO Conhecimento = Relação SUJEITO e OBJETO Fontes do conhecimento Racionalismo

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Filosofia 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 714/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

ESTUDO DE CASO - PLANEJAMENTO E MÉTODOS 1

ESTUDO DE CASO - PLANEJAMENTO E MÉTODOS 1 ESTUDO DE CASO - PLANEJAMENTO E MÉTODOS 1 Alberto Albuquerque Gomes 2 O estudo de caso tem sido escolhido, de forma recorrente, como alternativa para pesquisas sobre o fenômeno educativo. Porém, nem sempre

Leia mais

Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração: Potencial e Desafios

Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração: Potencial e Desafios Disponível em http:// RAC, Curitiba, v. 15, n. 4, pp. 761-765, Jul./Ago. 2011 Documentos e Debates: Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração:

Leia mais

Universidade Federal de Alfenas

Universidade Federal de Alfenas Universidade Federal de Alfenas Projeto e Análise de Algoritmos Aula 02 Um pouco da história da computação humberto@bcc.unifal-mg.edu.br Última aula... Fundamentos de Matemática; Medida do Tempo de Execução

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DA UFBA (PPGD/UFBA) MESTRADO EM DIREITO PRIVADO 2012.02 DATA:

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DA UFBA (PPGD/UFBA) MESTRADO EM DIREITO PRIVADO 2012.02 DATA: 1 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DA UFBA (PPGD/UFBA) MESTRADO EM DIREITO PRIVADO 2012.02 DATA: 08/01/2013 Disciplina: Metodologia da Pesquisa em Direito Professores: Rodolfo Pamplona e Nelson Cerqueira

Leia mais

Lógica Formal e Booleana. Cálculo Proposicional

Lógica Formal e Booleana. Cálculo Proposicional Lógica Formal e Booleana Cálculo Proposicional lara.popov@ifsc.edu.br Charada: uma introdução ao uso de símbolos Um homem estava olhando uma foto, e alguém lhe perguntou: - De quem é esta foto? Ao que

Leia mais

O PARADOXO EINSTEIN-PODOLSKY-ROSEN E A UFOLOGIA Prof. Laércio B. Fonseca Trecho extraído do livro Física Quântica e Ufologia

O PARADOXO EINSTEIN-PODOLSKY-ROSEN E A UFOLOGIA Prof. Laércio B. Fonseca Trecho extraído do livro Física Quântica e Ufologia O PARADOXO EINSTEIN-PODOLSKY-ROSEN E A UFOLOGIA Prof. Laércio B. Fonseca Trecho extraído do livro Física Quântica e Ufologia Todos sabem que o limite de velocidade para sinais e interações no espaço-tempo

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

Inferência da melhor explicação: Peter Lipton e o debate realismo/anti-realismo

Inferência da melhor explicação: Peter Lipton e o debate realismo/anti-realismo Inferência da melhor explicação: Peter Lipton e o debate realismo/anti-realismo Marcos Rodrigues da Silva * Apresentação de Tradução Introdução. Peter Lipton (1954-2007) foi um dos mais atuantes filósofos

Leia mais

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades Como vimos na unidade anterior, é próprio do homem buscar e produzir conhecimento para tentar melhorar sua realidade. Portanto,

Leia mais

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA Marcio Luiz Ribeiro Bacelar Wilson Camilo Chaves A expressão retificação subjetiva está presente tanto nas

Leia mais

Principais correntes e seus representantes

Principais correntes e seus representantes Teoria do Conhecimento A necessidade de procurar explicar o mundo dando-lhe um sentido e descobrindo-lhe as leis ocultas é tão antiga como o próprio Homem, que tem recorrido para isso quer ao auxílio da

Leia mais

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA A prova de filosofia se mostrou abrangente em relação aos conteúdos propostos. Destacamos algumas pequenas observações nas questões envolvendo o livro X da República de

Leia mais

AUTOR DO TRABALHO UNIVERSIDADE CUIABÁ - MT 20XX

AUTOR DO TRABALHO UNIVERSIDADE CUIABÁ - MT 20XX PROJETO DE PESQUISA É uma das etapas componentes do processo de elaboração, execução e apresentação da pesquisa. Todavia, antes de redigir o projeto, alguns passos devem ser dados: - precisam ser realizados

Leia mais

Canguilhem e as ciências da vida

Canguilhem e as ciências da vida Canguilhem e as ciências da vida 679 CANGUILHEM, G. Estudos de História e de Filosofia das Ciências: concernentes aos vivos e à vida Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012 1 Lizandro Lui 1 Instituto

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Representação de Conhecimento. Lógica Proposicional

Representação de Conhecimento. Lógica Proposicional Representação de Conhecimento Lógica Proposicional Representação de conhecimento O que éconhecimento? O que érepresentar? Representação mental de bola Representação mental de solidariedade Símbolo como

Leia mais

Manual para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos

Manual para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos 15 2. METODOLOGIA CIENTÍFICA Metodologia científica é a disciplina que estuda os caminhos do saber, aonde método significa caminho, logia estudo e ciência saber. De forma simplificada, então, a metodologia

Leia mais

Considerações sobre a ética do discurso

Considerações sobre a ética do discurso Considerações sobre a ética do discurso Jaqueline Stefani 1 Palavras-chave: ética, consenso, filosofia, discurso Key words: ethics, consensus, philosophy, discourse Introdução O modelo proposto por Apel

Leia mais

A DEFINIÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA A CHAVE PARA O SUCESSO DO PROJETO DE PESQUISA

A DEFINIÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA A CHAVE PARA O SUCESSO DO PROJETO DE PESQUISA A DEFINIÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA A CHAVE PARA O SUCESSO DO PROJETO DE PESQUISA Introdução * A importância do conhecimento e da pesquisa científica é um ponto de fundamental importância e sem questionamentos.

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii SUMÁRIO Introdução XV 1. Construção do Campo do Trabalho no Pensamento Ocidental como Condição para a Emergência da Psicologia do Trabalho

Leia mais

A Teoria de Campo Gestalt

A Teoria de Campo Gestalt A Teoria de Campo Gestalt MARIA APPARECIDA MAMEDE NEVES A Teoria de Campo Gestalt foi inicialmente desenvolvida de modo formal no início da década de 20, pelo filósofo e psicólogo alemão Max Wertheimer

Leia mais

Os Sete Termos Sinônimos de Deus Satisfazem a Necessidade que o Mundo Tem de um Novo Sistema de Referência

Os Sete Termos Sinônimos de Deus Satisfazem a Necessidade que o Mundo Tem de um Novo Sistema de Referência Os Sete Termos Sinônimos de Deus Satisfazem a Necessidade que o Mundo Tem de um Novo Sistema de Referência Joel Jessen Traduzido para o Português do Brasil por Guita R. Herman a partir da versão inglesa

Leia mais

O projeto de pesquisa e seus componentes

O projeto de pesquisa e seus componentes O projeto de pesquisa e seus componentes Leitura: Pesquisa científica componentes de um projeto de pesquisa Bibliografia: Livros de metodologia científica Sugestões :Vergara; Lakatos e Gil. Além disso,

Leia mais

Pedagogia. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento

Pedagogia. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento Pedagogia Prof. Dr. Roger Quadros A influência das pesquisas na formação do professor Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento Objetivos: Discutir alguns cuidados básicos para a escolha do tema

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA 1 ESPÍRITA E ESPIRITISMO Para designar coisas novas, são necessárias palavras novas. A clareza de uma língua assim exige, a fim de evitar que uma mesma palavra

Leia mais

A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA

A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA Danilo Pereira Munhoz Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho danilomunhoz@gmail.com Fabrícia Lélis Universidade

Leia mais

METODOLOGIA CIENTÍFICA PATRÍCIA ALVAREZ RUIZ

METODOLOGIA CIENTÍFICA PATRÍCIA ALVAREZ RUIZ METODOLOGIA CIENTÍFICA PATRÍCIA ALVAREZ RUIZ Elaboração e Leitura crítica de artigos científicos www.contemporaneo.com.br Artigos científicos Seria correto se todos os artigos publicados fossem cientificamente

Leia mais

Pesquisa e método científicos

Pesquisa e método científicos Pesquisa e método científicos Cláudia Dias e Denise Fernandes Brasília, março 2000. Resumo Apresenta conceitos de ciência, pesquisa e método científicos e traça paralelos entre conhecimento científico

Leia mais