1. Natureza de Pequena Empresa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Natureza de Pequena Empresa"

Transcrição

1 1. Natureza de Pequena Empresa Conteúdo 1. Definição de Pequena empresa 2. Categorias de Empresa 3. Micro e Pequenas Empresas 4. A Importância Econômica Relativa das Pequenas Empresas 5. Número de Pequenas Empresas 6. Pequenas Empresas em Setores Importantes 7. Tipos de Negócios 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas 9. Mortalidade das Pequenas Empresas 10. Taxa de Mortalidade das Pequenas Empresas 11. Principais Razões de Mortalidade das Pequenas Empresas 1

2 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas Longendecre, Moore, Petty, Editora Atlas Site para Consulta Serviço Brasileiro de apoio às Micro e Pequenas Empresas- Sebrae 1. Definição Empresa Uma empresa é uma atividade particular, pública, ou de economia mista, que produz e oferece bens e/ou serviços, com o objetivo de atender a alguma necessidade humana. As empresas podem ser individuais ou coletivas, dependendo do número de sócios que as compõem. 2

3 1. Definição Empresa Continuação A empresa deve ser vista como algo que possibilita que o produto possa ser fabricado, chegue até o cliente e ofereça uma remuneração aos envolvidos. Não importa o nome que se dê à empresa (sistema, organização, micro, macro, organismo, sociedade etc.). Ela sempre terá o papel de fornecer os meios para que um produto possa ser produzido, distribuído e que com isso gere um retorno financeiro que torne o empreendimento lucrativo e sustentável. 1. Definição Empresa Continuação Uma empresa não existe sem um produto, entendido este como resultado de um trabalho ou processo. Pode ser serviço, podem ser idéias etc. Um produto é algo que sempre acrescenta valor a quem o utiliza ou consome. 3

4 1. Definição Empresa Continuação O lucro, na visão moderna das empresas é conseqüência do processo produtivo e o retorno esperado pelos investidores. As empresas de titularidade do Poder Público têm a finalidade de obter rentabilidade social. 1. Definição Empresa Continuação Visão Social de uma Empresa As empresas são organizações sociais cuja função é oferecer valor positivo para as pessoas e para o ambiente, e não apenas dar um retorno financeiro a seus proprietários Eticamente as empresas, como qualquer organização ou atividade humana, devem contribuir para o bem social. 4

5 2. Categorias de Empresas As empresas podem ser classificadas quanto à: Objetivos (comerciais, industriais, de prestação de serviços). Tamanho (grande, média, pequena, micro). Organização (Linear ou Militar, Funcional, Estado Maior ou Staff ). Estrutura: (individuais, coletivas, públicas, mistas). Volume de Trabalho Interno (simples, complexas). 2. Categorias de Empresas Continuação Tamanho das Empresas As empresas estão classificadas segundo seu porte: número de empregados e faturamento anual. O Sebrae Serviço Brasileiro de apoio às Micro e Pequenas Empresas e o BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social têm definições diferentes para classificar as micro e pequenas empresas. Sebrae: segue o Estatuto da Micro e Pequena Empresa (Portaria N 5028, de 31/3/2004 que alterou os valores dos limites fixados na Lei nº de 5/10/1999). BNDES: se baseia na receita operacional bruta. 5

6 2. Categorias de Empresas Continuação Microempresa Pequena Empresa Média Empresa Grande Empresa receita bruta anual igual ou inferior a R$ ,00 Até 19 empregados (indústria) ou 9 (comércio) Receita bruta anual superior a R$ ,00 e igual ou inferior a R$ ,00. De 20 até 99 empregados (indústria) ou 10 a 49 (comércio) Receita operacional De 100 até 499 empregados (indústria) ou 50 a 99 (comércio). Mais de 500 empregados (indústria) ou mais de 100 (comércio). Receita operacional bruta anual ou anualizada até R$ mil. Receita operacional bruta anual ou anualizada superior a R$ mil e inferior ou igual a R$ mil. Receita operacional bruta anual ou anualizada superior a R$ mil e inferior ou igual a R$ 60 milhões. Receita operacional bruta anual ou anualizada superior a R$ mil e inferior ou igual a R$ 60 milhões. 3. Micro e Pequenas Empresas Continuação Pequeno Negócio Pequenos Negócios é o nome genérico das micro e pequenas empresas são unidades produtivas ou prestadoras de serviço 6

7 3. Micro e Pequenas Empresas Continuação São empresas de pequeno porte cujo pagamento de impostos é realizado de forma simplificada. No Brasil essas empresas podem optar pelo Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte, conhecido como SIMPLES/Federal, introduzido a partir de em 1997 pela Lei nº 9.317, de Micro e Pequenas Empresas Continuação O SIMPLES permite que as empresas recolham os tributos e contribuições devidos, calculados sobre a receita bruta, mediante a aplicação de alíquota única, em um único documento de arrecadação, chamado DARF- SIMPLES (Documento de Arrecadação do Sistema Integrado do Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte) 7

8 3. Micro e Pequenas Empresas Continuação O sistema de pagamento unificado pode abranger os tributos estaduais e municipais mediante convênio celebrados com a Receita Federal para a qual são delegadas as atribuições de fiscalização e administração dos tributos administrados pelos entes estaduais (ICMS - Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços) ou municipais (ISS - Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza). 4. A Importância Econômica Relativa das Pequenas Empresas As MPME (micros, pequenas e médias empresas) têm um grande importância na economia de um país. Em alguns países, sua participação no PIB (produto interno bruto) atinge cerca de 50%, com fortes tendências de crescimento. 8

9 4. A Importância Econômica Relativa das Pequenas Empresas Continuação Papel das micros e pequenas: 99,2% do número total de empresas formais. 57,2% dos empregos totais 26% da massa salarial (dados de Fonte Sebrae 2005) 5. Número de Pequenas Empresas Número de empresas formais, por setor e porte:

10 5. Número de Pequenas Empresas Continuação Distribuição percentual do número de empresas Pequenas Empresas em Setores Importantes Setores industriais Setores comerciais Setores de prestação de serviços Setores de construção 10

11 6. Pequenas Empresas em Setores Importantes Setores industriais Empresas cujo ramo de atividade consiste em transformar matérias-primas em mercadorias. Abrangem desde o artesanato até a moderna produção de instrumentos eletrônicos. Exemplos: Fábrica de móveis artesanais Fábrica de roupas Fábrica de esquadrias Fábrica de computadores 6. Pequenas Empresas em Setores Importantes Continuação Setores comerciais Empresas cujo ramo de atividade consiste em vender mercadorias diretamente ao consumidor comércio varejista ou comprar do produtor para vender ao varejista comércio atacadista. Exemplos: Restaurante Supermercado Atacado de laticínios Armarinho Loja de ferragem 11

12 6. Pequenas Empresas em Setores Importantes Continuação Setores de prestação de serviços Empresas cujo ramo de atividade consiste na oferta do próprio trabalho ao consumidor. Exemplos: Lavanderia Cinema Hospital Escola Turismo 6. Pequenas Empresas em Setores Importantes Continuação Setores de Construção Empresas cujo ramo de atividade consiste em fornecer serviços de engenharia e operações de máquinas para construção Exemplos: Construtora Serviços de montagem Serviços de demolição Serviços de preparação de solo 12

13 7. Tipos de Negócios Franquia Sistema pelo qual o franqueador cede ao franqueado o direito de uso da marca ou patente, associado ao direito de distribuição de produtos ou serviços e de uso de tecnologia de implantação 7. Tipos de Negócios Continuação Franquia : A Casa do Pão de queijo Fundada em 1967 pelo Engenheiro Mário Carneiro em São Paulo. A idéia foi servir para os paulistas o famoso pão de queijo da Dona Arthêmia, mãe do fundador. Era um produto, típico de Minas, não muito popular em São Paulo. A loja foi um enorme sucesso. Até 1987 o negócio era pequeno e familiar, operado por funcionários. Nessa ocasião seu proprietário resolveu iniciar um projeto de formatação da franquia Casa do Pão de Queijo. Hoje inclui mais de 400 lojas espalhadas por território Nacional. 13

14 7. Tipos de Negócios Continuação Empresa familiar Situação em que um empreendedor abre um negócio envolvendo seus familiares na gestão, criando uma sociedade familiar. Ao longo dos anos, essa sociedade pode gerar questões mais complexas do que a simples administração de uma atividade comercial ou industrial. 7. Tipos de Negócios Continuação Empresa Familiar : Kopenhagem Fundada em 1928 por um casal de imigrantes Anna e David Kopenhagen da Letônia, que trouxeram uma receita de marzipã. A primeira fábrica foi fundada no bairro Itaim Bibi com a missão de produzir e vender presentes finos, e não simples chocolates. Hoje a empresa atua em 40 cidades, com uma rede de mais de 150 lojas, além de ter presença no mercado internacional. 14

15 7. Tipos de Negócios Continuação Escritório em casa (Home Office) Escritório em Casa (Home office) é o trabalho profissional realizado em casa. É uma opção atrativa para o início de micro e pequenas empresas já que representa considerável redução de custos. 7. Tipos de Negócios Continuação Escritório em casa : Mariachis Empresa prestadora de Serviços: webdesign, design para impressão, branding (criação da identidade de uma empresa ou produto), tradução e desenvolvimento de software. O empreendimento surgiu informalmente em 1999; em 2003 foi criada a Holden Comunicação Ltda., tendo Mariachis como marca fantasia. Seus clientes são todos pequenas empresas. A menor tem cinco funcionários e a maior tem 48 (as primeiras exceções são os clientes mais recentes, o Ibmec e a Editora Campus). Estratégia Atual: desenvolver Widgets para atrair visitas aos site. 15

16 7. Tipos de Negócios Continuação Cooperativas Sociedade civil com forma e natureza jurídica próprias, não sujeita a falência, constituída para prestar serviços a seus associados (número mínimo de 20 pessoas físicas) É uma empresa com dupla natureza, que contempla o lado econômico e o social de seus associados. O cooperado é ao mesmo tempo dono e usuário da cooperativa: enquanto dono ele vai administrar a empresa e enquanto usuário ele vai utilizar os serviços 7. Tipos de Negócios Continuação Cooperativa : CODEPSI Cooperativa de Psicólogos, fundada em 1997, no Rio de Janeiro, com o objetivo de tornar a psicologia acessível a um maior número de pessoas. Oferece serviços em Hospitais, Escolas, Creches, Empresas, Instituições e Consultórios. Hoje atua nos municípios do Rio de Janeiro, Niterói, Nova Iguaçu e Macaé. 16

17 7. Tipos de Negócios Continuação Negócios eletrônicos E-business é um negócio eletrônico, uma negociação feita pela Internet mas que não envolve necessariamente uma transação comercial. 7. Tipos de Negócios Continuação Negócios eletrônicos : ebay Origem: Pam Omidyar, colecionadora de balas dispensers Pez, teve a idéia de comercializá-las na Internet. Ela então expôs a idéia a seu marido, Pierre Omidyar, que ficou impressionado com o conceito de leilão on-line como E-business. Em 1995, os Omidyars criaram uma empresa chamada AuctioWeb, que posteriormente foi rebatizada como ebay. 17

18 7. Tipos de Negócios Continuação Associação Iniciativa formal ou informal que reúne um grupo de pessoas ou empresas para representar e defender os interesses dos associados e estimular o desenvolvimento técnico, profissional e social dos associados. É uma sociedade civil sem fins lucrativos, com personalidade jurídica própria. 7. Tipos de Negócios Continuação Associação : Associação Brasileira de Antropologia A ABA, fundada em 1955, tem por objetivo congregar os especialistas nos setores profissionais do ensino e da pesquisa, promover o desenvolvimento da Antropologia, o intercâmbio de idéias, o debate de problemas e a defesa dos interesses comuns. Possui quatro tipos de sócios efetivo, Estudante, Correspondente e honorário. 18

19 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas 1. Fornecem novos empregos 2. Estimulam a competição 3. Introduzem inovações e produzem bens e serviços com eficiência 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Fornecem novos empregos Bondfaro.com.br 19

20 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Introdução Com o surgimento do negócio eletrônico (ou E-Business) algumas ferramentas foram transformadas no business de novas organizações, isto é, surgiram empresas especializadas em apoio à Internet, como é caso do Google.com, do Bondfaro.com.br. Entre os novos segmentos encontra-se um determinado pela criação de uma ferramenta que auxilia na tomada de decisão da compra on-line: a pesquisa de preço. 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Negócio eletrônico E-business é um negócio eletrônico, uma negociação feita pela Internet mas que não envolve necessariamente uma transação comercial. Comércio eletrônico O E-commerce é apenas um aspecto de e- business; significa comércio eletrônico, ou seja, o conjunto de atividades comerciais que acontecem on line; envolvem transações comerciais. 20

21 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Surgimento da idéia: início de 2000 Origem: três profissionais jovens do mercado financeiro tiveram a vontade de criar uma empresa ligada à Internet. Requisito: Eles necessitavam de conhecimento na área tecnologia. Desta forma, mais duas pessoas foram chamadas. 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Criação da Empresa Empresa criada em 2000, localizada inicialmente no Rio de Janeiro A empresa foi criada com o objetivo de oferecer um site para ajudar os consumidores a achar o menor preço na Internet e a maior quantidade de informações de um produto. 21

22 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Sites de Pesquisa de Preços Sites que buscam obter preços diferentes de produtos nas lojas virtuais e apresentá- los da forma mais simples para o consumidor. 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Equipe Inicial 3 sócios idealizadores da empresa Foram necessários 2 sócios adicionais com background tecnológico Atual Estrutura Coorporativa 22

23 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação 1. Escolha do nome do site de pesquisa Bondfaro - nome escolhido pela agência Comunicação Carioca 2. Escolha do logo Idéia Inicial Sugestão de usar um mascote: um cachorrinho Obstáculo inesperado: lançamento do Ig Alternativa Usar o cão da raça Blood-Hound melhor raça farejadora do mundo 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Financiamento Inicial Primeiro aporte de Capital: start-up da empresa Fora apresentadas propostas aos Bancos BBM (Rio) e Fator (SP) Fechou-se o contrato em março de 2000 com o Banco Fator que por já possuir investimento e know-how no mercado virtual, apresentou uma proposta mais vantajosa financeira e operacionalmente. Segundo aporte de Capital: investimento para a empresa crescer. Não se conseguiu mais capital pois coincidiu com o estouro da bolha da Internet, ou seja desaquecimento do mercado O capital inicial foi então forçado a durar até atingir o break even. O break even só foi atingido depois que a empresa enxugou os gastos e demitir funcionários - junho de

24 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Consolidando a Operação A falta de credibilidade junto aos potenciais clientes fez com que a empresa se afiliasse ao Submarino. O submarino pagava uma comissão de 2 a 8 por cento ao Bondfaro, de acordo com a categoria do produto, ao realizar uma venda Iniciou-se pequenas ações de marketing, aumentando o tráfego do Bondfaro e gerando mais receita com custos bem controlados. Esse crédito da receita era reinvestido em ações de marketing Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Em 2001 o Bondfaro assumiu a ferramenta de busca do site Cadê, aumentando mais ainda a receita. A partir de junho de 2002, com a parceria com o Cadê, o número de clientes se multiplicou e a empresa passou a ser lucrativa. Um fator importante foi o fato da estrutura de custos não ter sido onerada e todo lucro ter sido sempre reinvestido na empresa. Em 2002 o Cadê foi adquirido pelo Yahoo, que usava uma tecnologia européia para o Yahoo Shopping. O Yahoo abandonou a plataforma européia em favor da plataforma do Bondfaro, que passou a ser responsável pelo Yahoo Shopping no Brasil, no México e na Argentina. 24

25 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Em outubro de 2004 o Bondfaro adquiriu 100% do capital da Central de Desejos S/A. Juntas, as empresas possuem a maior base de comércio eletrônico do país com informações privilegiadas das intenções de compras dos consumidores on-line A empresa hoje possui um um portfolio de 115 clientes, incluindo as principais companhias do comércio eletrônico nacional 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Infra-Estrutura Tecnológica e Operacional Necessidade de um investimento inicial alto (centenas de milhares de reais) devido a um concorrente já em funcionamento, o Buscapé. O Bondfaro precisava oferecer um serviço melhor. Nos três primeiros anos o Bondfaro contava com apenas uma máquina (firewall, servidor web e banco de dados). Atualmente o Bondfaro possui uma infra-estrutura completa de modo a manter um sistema totalmente redundante. Servidores e as máquinas maiores: Sun Roteadores da Cisco System. Bancos de Dados: Oracle (suporta o volume de dados do Bondfaro). 25

26 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Principais sistemas Sistema de Captura de Informações Desenvolvido pelo Bondfaro, simula a navegação do usuário em uma loja e captura todas informações do produto (descrição, foto e preço) Sistema de Vendas Dedicado à administração de lojistas, onde estes têm acesso à quantidade de cliques recebidos do Bondfaro, quais categorias os cliques foram feitos, produtos mais procurados etc. Sistema de Parceiros Direcionado para portais que têm interesse em ter um canal de compras, oferecendo um shopping pronto 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Área Comercial Três Principais Setores Setor de Varejo Fornece o resultado das buscas. O produto do Bondfaro é vender para o lojista os usuários que fizeram uma busca; o produto comprado pelo lojista é o posicionamento em que seu produto aparecerá na listagem de resultados. Setor de Mídia Encarregado de realizar a venda de toda a mídia convencional, como pop-ups, banners, full bunners e guias sazonais. Estas mídias são veiculadas no site e negociadas por vezes impressas nas telas dos usuários. Setor de Parcerias Consiste na venda de um shopping para um parceiro que queira montar um shopping virtual 26

27 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Marketing Desde 2002 o site oferece links patrocinados: os resultados são bons (10% dos cliques patrocinados são revertidos em novos clientes). Atualmente todo o marketing é feito on-line. Não se usa mídia off-line; as poucas experiências realizadas não deram bons resultados, principalmente em termos de tráfego no site. O Bondfaro investe 80% de sua verba de marketing em links patrocinados e os outros 20% em ações mais elaboradas relacionadas à marca Bondfaro. 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação A Criação do Web Site Até 2005 o site contou com quatro grandes versões Área de Conteúdo e Criação Responsável por toda criação do site Analisa e classifica a categoria dos produtos dos fabricantes Observa as buscas dos usuários, a fim de aprimorar os resultados. Promove ações para incentivar o aumento do número de cliques que geram receita para a empresa Responsável pelo envio de news-letter( s informativos) 27

28 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Principais Métricas da Empresa Em outubro de 2005 o site contabilizou 315 milhões de pesquisas feitas desde sua criação 4 milhões de visitas/mês; 2 milhões de visitantes únicos*/mês; 30 milhões de page views/mês; 7 milhões de buscas/mês; Mais de 5 milhões de leads (cliques) / mês; Mais de 2 milhões de produtos de 300 lojas diferentes; Mais de 1.8 milhões de clientes cadastrados; Mais de 15 milhões de reais em vendas geradas para lojistas / mês. Tíquete médio de R$ 730,00, o dobro da média do varejo on-line. Visitantes únicos: acessam o Bondfaro direto pelo endereço do site e não via links. 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Situação Atual No dia 29 de maio de 2006 o site de comparação de preços BuscaPé fez uma fusão com o Bondfaro no Brasil e na América Latina. O BuscaPé passoua ser proprietário dos dois sites. Apesar de manter os dois sites independentes, o negócio permitiu o compartilhamento da base de dados entre as empresas. 28

29 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Estimulam a competição: Coca Cola X Tubaínas 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Estimulam a competição: Coca Cola X Tubaínas As tubaínas evoluíram de refrigerantes adocicados e coloridos em garrafas de cerveja para sabores próximos aos das marcas famosas, com embalagens plásticas e preços mais baixos. Cobrando em média 45% menos que os grandes, conquistaram uma fatia de 32% do mercado brasileiro, que movimenta R$ 9,5 bilhões anuais. 29

30 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Estimulam a competição: Coca Cola X Tubaínas Coca Cola teve que reagir! Comprou até o Guaraná Jesus 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Introduzem inovações e produzem bens e serviços com eficiência 30

31 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Introduzem inovações e produzem bens e serviços com eficiência O Google, fundado por Larry Page e Sergey Brin, dois doutorandos de Stanford em A história do Google começou em 1995 durante uma visita de Sergey (então mestrando em Michigan) ao departamento de Ciência da Computação em Stanford, onde Larry ficou encarregado de ciceroneá-lo. 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Introduzem inovações e produzem bens e serviços com eficiência Desenvolvimento do Google Ambos compartilhavam da mesma frustração quanto aos mecanismos de busca da época. Estava ficando cada vez mais difícil distinguir conteúdo de qualidade (com credibilidade e autoridade) de páginas amadoras. Eles resolveram criar um mecanismo de busca com o objetivo de organizar o enorme montante de informações disponíveis na web de modo a oferecer a melhor opção de busca na Internet. 31

32 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Introduzem inovações e produzem bens e serviços com eficiência Sergey e Larry, à distância, desenvolveram em um ano o primeiro protótipo do que seria 3 anos mais tarde o Google. A idéia deles foi desenvolver uma nova tecnologia, chamada de PageRank, que classifica os resultados de uma busca levando em conta o ''prestígio'' ou ''autoridade'' de um determinado site 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Introduzem inovações e produzem bens e serviços com eficiência Quando eles apresentaram a idéia do Google ninguém acreditou que esse site de busca, entrando 3 anos atrasados no mercado, teria alguma chance perto de Yahoos, Altavistas, Infoseeks e Inktomi. Hoje em dia, o Google não só se tornou o mecanismo de busca favorito dos internautas. 32

33 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Introduzem inovações e produzem bens e serviços com eficiência O Google provou a investidores que seu modelo alternativo de negócios, baseado em informads (anúncios descritivos contendo somente texto, sem banners), pôde se tornar uma alternativa lucrativa informads 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Introduzem inovações e produzem bens e serviços com eficiência O Significado de Google Google é um trocadilho com a palavra 'googol', inventada em 1938 por Milton Sirotta, sobrinho do matemático americano Edward Kasner. Ao ser perguntado que nome daria para um número 1 seguido de 100 (cem) zeros, Sirotta respondeu: Googol. A associação com a palavra googol de Sirotta pode ser percebida no ícone com vários zeros, que indica mais resultados de uma busca. 33

34 8. Contribuições Especiais das Pequenas Empresas Continuação Introduzem inovações e produzem bens e serviços com eficiência Hoje o Google oferece o caminho considerado mais rápido e fácil de encontrar informações na web Em 2003, seus fundadores entraram para a lista da Forbes das pessoas mais ricas do mundo; a fortuna de cada um deles está avaliada em um bilhão de dólares. Larry Page e Sergey Brin moram na Califórnia e criaram a marca mais popular da era da internet. A palavra Google, que virou até verbo na linguagem coloquial. 9. Mortalidade das Pequenas Empresas É melhor pensar nas pequenas empresas como uma grande coleção de sementes, algumas das quais germinam e se tornam plantas grandes. Outras morrem! 34

35 9. Mortalidade das Pequenas Empresas Continuação 1. Porte Quanto menor o empreendimento, maior o risco de extinção. 71% das empresas extintas possuíam até dois empregados e 10% mais de cinco funcionários. 2. Idade das empresas Quanto mais novo o empreendimento, maiores os riscos de extinção, sobretudo no primeiro ano. 36% das pequenas empresas morrem no primeiro ano de vida; 49% antes do segunda ano de vida. 9. Mortalidade das Pequenas Empresas Continuação 3. Escolaridade Quanto maior a escolaridade dos empreendedores, maiores a chance de sucesso. Em 35% das firmas extintas, os sócios tinham, no máximo, o primeiro grau; em 63% das empresas de sucesso, seus proprietários tinham cursos superior completo. 4. Experiência prévia A experiência prévia no ramo de negócios amplia as chances de sucesso. 60% dos empresários de sucesso tinhas experiência anterior em algum negócio. 35

36 9. Mortalidade das Pequenas Empresas Continuação 5. Disponibilidade de capital na abertura da empresa Amplia as chances de sucesso do empreendimento. 14% dos empresários que tiveram sucesso tinham dinheiro para iniciar sua empresa, contra 6% (menos da metade) no caso de empresas extintas. 6. Marketing e vendas 53% das empresas bem sucedidas consideram marketing e vendas de enorme importância no sucesso, diante de 35% no caso das extintas. 9. Mortalidade das Pequenas Empresas Continuação 7. Boa identificação e avaliação de oportunidade O projeto do negócio poderá ser de grande valia para evitar muitos erros e proporcionar formatação adequada do trabalho. 71% dos empresários que tiveram suas atividades extintas afirmaram ter aberto suas empresas porque haviam identificado uma boa oportunidade. A possibilidade de erro de julgamento ou na formatação posterior não pode ser desprezada. 36

37 10. Taxa de Mortalidade das Pequenas Empresas Taxas de mortalidade (fonte pesquisa sebrae 2004) 49,9% das empresas encerraramcom até 2 anos de existência; 56,4% com até 3 anos; 59,9% com até 4 anos. 11. Principais Razões de Mortalidade das Pequenas Empresas 40,1% 59,9% 37

38 12. ISO ISO - Organização Internacional de Normalização (International Organization for Standardization), foi fundada em 1947, com sede em Genebra, Suiça que cuida da normalização ( ou normatização) em níivel mundial. A ISO cria normas nos mais diferentes segmentos, variando de normas e especificações de produtos, matérias-primas, em todas as áreas ( existem normas, por exemplo, para classificação de hotéis, café, usinas nucleares, etc). Em 1987 a ISO criou as normas da série 9000, que passaram a imperar na Europa, e depois em todo o mundo, como referência de excelência em sistemas de gerenciamento da garantia da qualidade nas empresas. 13. Série ISO 9000 Em 1987 a ISO editou a série 9000 com o objetivo de estabelecer critérios para implantação de Sistemas de Garantia da Qualidade. A primeira versão criou uma estrutura de 3 normas sujeitas à certificação, a ISO 9001, 9002 e 9003, além da ISO 9000 que era uma espécie de guia para seleção da norma mais adequada ao tipo de organização. Em 1990 a ABNT emitiu a primeira versão (tradução) da série no Brasil, chamada de série NBR Em 1994, a série foi revisada, porém sem grandes modificações, mantendo a mesma estrutura, ou seja três normas sujeitas à certificação; em paralelo, a ABNT revisou as normas brasileiras, adotando o nome "série NBR ISO 9000", alinhando-se com o resto do mundo que já adotava nomenclatura similar para suas vers ões nacionais ( exemplo: na Alemanha: DIN ISO 9000). Em Dezembro de 2000 a série foi totalmente revisada; além das alterações em sua estrutura, agora tem-se uma só norma sujeita à certificação, a ISO 9001, a norma trouxe o enfoque de gerenciamento de processos. 38

39 Trabalho Obrigatório Leitura Obrigatória: Ler o texto sobre ISSO 9000, disponível no site do curso ou na fonte 39

Plano de negócio. Conceitos, Importância e estrutura Aula 6

Plano de negócio. Conceitos, Importância e estrutura Aula 6 Plano de negócio Conceitos, Importância e estrutura Aula 6 Estrutura do plano de negócio Capa Sumário 1. Sumário executivo 2. Analise estratégica 3. Descrição da empresa 4. Produtos e serviços 5. Plano

Leia mais

II. Visão Geral do e-business

II. Visão Geral do e-business II. Visão Geral do e-business 1. e-commerce X e-business 2. Vantagens do e-business 3.Problemas na Internet 4. Tipos de e-business 5. Categorias de e-business 6. Ferramentas de Comércio Eletrônico 7. Dimensões

Leia mais

2. As Empresas. Conteúdo

2. As Empresas. Conteúdo 2. As Empresas Conteúdo 1. Empresas 2. Características das Empresas 3. Rápida História das Organizações 4. Categoria de Empresas 5. Empresas Como Sistema Abertos 6. O Alinhamento Organizacional 7. Os Recursos

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

Comércio e Marketing Eletrônico UMC E-Commerce, M-Commerce e Marketing DigitaI - Uni Sant Anna. Elaborado por: Prof. Daniel Chu

Comércio e Marketing Eletrônico UMC E-Commerce, M-Commerce e Marketing DigitaI - Uni Sant Anna. Elaborado por: Prof. Daniel Chu Comércio e Marketing Eletrônico UMC E-Commerce, M-Commerce e Marketing DigitaI - Uni Sant Anna Elaborado por: Prof. Daniel Chu Bibliografia Recomendada para a Aula 2 Torres, Claudio - A Bíblia do Marketing

Leia mais

emarket Digital Sales é uma empresa de varejo online, especializada na análise, implantação, gestão e operação de lojas virtuais.

emarket Digital Sales é uma empresa de varejo online, especializada na análise, implantação, gestão e operação de lojas virtuais. Nós amamos e-commerce! f emarket Digital Sales é uma empresa de varejo online, especializada na análise, implantação, gestão e operação de lojas virtuais. Além do e-commerce full service, na emarket você

Leia mais

Circular de Oferta 5102/ sto Ago

Circular de Oferta 5102/ sto Ago Circular de Oferta Agosto / 2015 Índice Introdução 03 Quem Somos 04 Como funciona o negócio 05 Vantagens de ser constituir uma agência 06 Produtos e serviços 07 Ferramentas de apoio 08 Atividades desempenhadas

Leia mais

O Que Preciso para Vender pela Internet? E-Commerce

O Que Preciso para Vender pela Internet? E-Commerce Os números da INTERNET Números do Facebook Mídia Social Números do Facebook Mídia Social Números do Facebook Mídia Social Somos o 4º país do Mundo em número de usuários. Pr of. Ca rlo s No tar i Estatísticas

Leia mais

Cartão BNDES. Volta Redonda RJ. 06 de abril de 2011

Cartão BNDES. Volta Redonda RJ. 06 de abril de 2011 Cartão BNDES Volta Redonda RJ 06 de abril de 2011 Cartão BNDES Baseado no conceito de cartão de crédito, visa financiar de forma ágil e simplificada os investimentos das MPMEs. Como Funciona? Ambiente

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

*Todos os direitos reservados.

*Todos os direitos reservados. *Todos os direitos reservados. A cada ano, as grandes empresas de tecnologia criam novas ferramentas Para o novo mundo digital. Sempre temos que nos renovar para novas tecnologias, a Karmake está preparada.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA FRALDAS DESCARTAVEIS Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA Fevereiro/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio

Leia mais

Quer Criar um Blog Mas não sabe Como? Essas 5 Dicas vão trazer muitos esclarecimentos.

Quer Criar um Blog Mas não sabe Como? Essas 5 Dicas vão trazer muitos esclarecimentos. Quer Criar um Blog Mas não sabe Como? Essas 5 Dicas vão trazer muitos esclarecimentos. Quero criar um blog mas nem sei por onde começar direito?!? Essa é uma dúvida comum para muitos, não se preocupe,

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Marketing Management CMM. Ligia Caranicola Cano

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Marketing Management CMM. Ligia Caranicola Cano INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Marketing Management CMM Ligia Caranicola Cano Google AdWords, a plataforma de publicidade online do Google São Paulo 2012 Ligia Caranicola Cano Google

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

E-commerce Fundamentos

E-commerce Fundamentos E-commerce Fundamentos Flávio Augusto Martins Wanderley Professor flavio@mwan.com.br 1 / 65 Conteúdo desta aula Conceitos. Evolução do comércio eletrônico. Modalidades. O que vem no futuro. 2 / 65 Conceito

Leia mais

www.artesanatoja.com

www.artesanatoja.com GANHE DINHEIRO COM UMA LOJA VIRTUAL Conheça os principais veículos de vendas online utilizados por artesãos na internet e saiba como é fácil ter uma loja online para ganhar dinheiro já! Sempre que produzimos

Leia mais

E-Commerce, Entenda Como Funciona

E-Commerce, Entenda Como Funciona Se fossemos descrever todas as etapas de um e- commerce certamente teríamos que produzir um texto gigantesco abordando as mais diferentes nuances do fascinante mundo do comércio eletrônico. De qualquer

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

Guia Definitivo de Ferramentas para Micro Empreendedores Individuais

Guia Definitivo de Ferramentas para Micro Empreendedores Individuais Guia Definitivo de Ferramentas para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita Federal. O incentivo

Leia mais

Vendas Coletivas e publicidade nas indústrias criativas. Laura Fragomeni

Vendas Coletivas e publicidade nas indústrias criativas. Laura Fragomeni Vendas Coletivas e publicidade nas indústrias criativas Laura Fragomeni Agenda Crescimento do E-commerce Modelos de negócio Breve histórico das Vendas Coletivas Vendas Coletivas e o Marketplace Novas Tendências

Leia mais

O mundo e a tecnologia O que mudou? WEB 1.0, 2.0 e 3.0 Computer Aided Design (CAD) o desenho assistido por computador(dac) Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP) - 1997 Websites Mobile

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS IR? COFINS?? INSS? PIS SUMÁRIO 1 Introdução 3 2 Planejamento 5 3 Simples Nacional com a inclusão de novas categorias desde 01-2015 8 4 Lucro

Leia mais

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> O que é a nota fiscal eletrônica?... 6 >> O que muda com esse novo modelo de documento fiscal?... 8 >> O DANFE - Documento Acessório

Leia mais

Prezado Futuro Cliente

Prezado Futuro Cliente Prezado Futuro Cliente É com grade satisfação que encaminhamos nossa apresentação institucional e certos de estabelecermos uma parceria de sucesso e duradoura. Ela foi desenvolvida com objetivo de mostrar

Leia mais

COMO ABRIR SUA EMPRESA

COMO ABRIR SUA EMPRESA COMO ABRIR SUA EMPRESA Hoje, ter o próprio negócio é algo muito comum. Flexibilidade, possibilidade de aumentar a renda e instabilidade como funcionário são os principais motivos para se empreender. É

Leia mais

Apresentação. Torne-se um Empreendedor Individual e traga para o seu negócio todos os benefícios da formalização. Guia do Empreendedor Individual

Apresentação. Torne-se um Empreendedor Individual e traga para o seu negócio todos os benefícios da formalização. Guia do Empreendedor Individual Apresentação Muitos brasileiros trabalham informalmente por conta própria, ou seja, não têm nenhum tipo de registro. E por isso ficam sem acesso a diversos benefícios, como a Previdência Social, cursos

Leia mais

PUBLICIDADE ONLINE uma visão geral. João Luiz Serpa Seraine Webdesigner 11/05/2007

PUBLICIDADE ONLINE uma visão geral. João Luiz Serpa Seraine Webdesigner 11/05/2007 PUBLICIDADE ONLINE uma visão geral João Luiz Serpa Seraine Webdesigner 11/05/2007 Nova Economia A nova economia está diretamente ligada à velocidade de informações, comunicação, conhecimento, tecnologia.

Leia mais

Introdução ao Google Adwords. Tiago Flores Dias

Introdução ao Google Adwords. Tiago Flores Dias Introdução ao Google Adwords Tiago Flores Dias Introdução Neste aula seguiremos os seguintes tópicos O que é Publicidade Online Conheça o Perfil dos E-consumidores O que são Objetivos de Marketing O que

Leia mais

A Maior plataforma de relacionamento da América Latina entre consumidores e empresas.

A Maior plataforma de relacionamento da América Latina entre consumidores e empresas. A Maior plataforma de relacionamento da América Latina entre consumidores e empresas. Consumidores Empresas Pesquisar Reclamar Comparar Responder Replicar Resolver O ReclameAQUI é um elo de ligação entre

Leia mais

RELATÓRIO DE VIAGEM INTERNACIONAL

RELATÓRIO DE VIAGEM INTERNACIONAL SERVIÇO DE APOIO AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE MINAS GERAIS RELATÓRIO DE VIAGEM INTERNACIONAL NRF 2013 BIG SHOW NOVA YORK - USA Montes Claros, fevereiro 2013 SERVIÇO DE APOIO AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Leia mais

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA! As mudanças no PIS e no Cofins! Lucro real e presumido! IR e CSLL! Simples Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

Sistemas para internet e software livre

Sistemas para internet e software livre Sistemas para internet e software livre Aula 3 - Modelos de Negócios na Web Image: FreeDigitalPhotos.net Modelo de negócios Definição clássica "É um método de fazer negócios por meio do qual uma empresa

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

FRANQUIA HOME OFFICE

FRANQUIA HOME OFFICE FRANQUIA HOME OFFICE SUMÁRIO QUEM SOMOS PREMIAÇÕES ONDE ESTAMOS NOSSO NEGÓCIO MULTIMARCAS MULTISERVIÇOS PERFIL DO FRANQUEADO VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE TURISMO DESCRITIVO DO INVESTIMENTO PROCESSO DE SELEÇÃO

Leia mais

Comércio Eletrônico em Números

Comércio Eletrônico em Números Comércio Eletrônico em Números Evolução do E-commerce no Brasil 23 milhões é um grande número. 78 milhões 23 milhões Enorme potencial de crescimento no Brasil Mas fica pequeno se comprarmos com o número

Leia mais

a evolução do marketing digital.

a evolução do marketing digital. a evolução do marketing digital. Você está preparado para conhecer o modelo de negócio que irá lhe proporcionar a liberdade financeira? NOSSA empresa A Welike é uma plataforma de comércio eletrônico e

Leia mais

oftware Totvs, Linx e Crivo foram os Destaques do Ano entre as empresas desenvolvedoras de software de grande, médio e pequeno portes, de acordo com

oftware Totvs, Linx e Crivo foram os Destaques do Ano entre as empresas desenvolvedoras de software de grande, médio e pequeno portes, de acordo com 73 oftware Totvs, Linx e Crivo foram os Destaques do Ano entre as empresas desenvolvedoras de software de grande, médio e pequeno portes, de acordo com os dados de balanço analisados pela equipe do Anuário

Leia mais

O sucesso do comércio eletrônico depende tanto da infra-estrutura de negócio, quanto da infra-estrutura de tecnologia (Pickering, 2000).

O sucesso do comércio eletrônico depende tanto da infra-estrutura de negócio, quanto da infra-estrutura de tecnologia (Pickering, 2000). Comércio Eletrônico É a compra e a venda de informações, produtos e serviços por meio de redes de computadores. (Kalakota, 1997) É a realização de toda a cadeia de valor dos processos de negócios em um

Leia mais

O Sumário Executivo. CCE: Estabelecimento de Metas.

O Sumário Executivo. CCE: Estabelecimento de Metas. O Sumário Executivo CCE: Estabelecimento de Metas. www.cordeiroeaureliano.com.br nivea@cordeiroeaureliano.com.br 2011 O Norte Dinâmica Para quem não sabe o caminho.. qualquer direção basta! Sumário Executivo

Leia mais

Apresentação para Representantes. www.puro3d.com.br

Apresentação para Representantes. www.puro3d.com.br Apresentação para Representantes www.puro3d.com.br Puro 3D - Resumo Somos focados em desenvolver Games, Vídeos, Sites, Maquete Virtual, Transmídia, Produtos, Protótipos 3D, Design e Comerciais para Empresas

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas:

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

AdWords. Anuncie no Google e Venda Mais! Expanda sua empresa! Você tem um argumento de vendas e precisa captar mais clientes?

AdWords. Anuncie no Google e Venda Mais! Expanda sua empresa! Você tem um argumento de vendas e precisa captar mais clientes? Anuncie no Google e Venda Mais! Expanda sua empresa! Você tem um argumento de vendas e precisa captar mais clientes? Ligue para nós e conheça a melhor estratégia para atender às necessidades de vendas

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS Maio/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores

Leia mais

ABERTURA DE EMPRESAS

ABERTURA DE EMPRESAS ABERTURA DE EMPRESAS PLANO DE CONTABILIDADE COM FIDELIDADE 2 ANOS ESCRITÓRIO - Abertura de empresa sem custo no plano de fidelidade; ESCRITÓRIO DE COMERCIO - Carência de 03 (três) meses (honorário); ESCRITÓRIO

Leia mais

4. Função Marketing e Vendas

4. Função Marketing e Vendas 4. Função Marketing e Vendas Conteúdo 1. Conceitos de Marketing 2. Principais atividades do Marketing na Empresa 3. Evolução do Marketing 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração

Leia mais

PRÊMIO CARLOS DREHER. Um negócio que não produz nada além de dinheiro é um negócio pobre. (Henry Ford) REGULAMENTO

PRÊMIO CARLOS DREHER. Um negócio que não produz nada além de dinheiro é um negócio pobre. (Henry Ford) REGULAMENTO PRÊMIO CARLOS DREHER Um negócio que não produz nada além de dinheiro é um negócio pobre. (Henry Ford) Carlos Dreher dedicou mais de duas décadas a uma fotografia transformadora, aquela que propicia cidadania

Leia mais

A Feira do Empreendedor 2014em São Paulo faz parte de um circuito de feiras que será realizado em vários estados da federação.

A Feira do Empreendedor 2014em São Paulo faz parte de um circuito de feiras que será realizado em vários estados da federação. 1 A Feira do Empreendedor é um evento de sucesso promovido pelo SEBRAE-SP, com o objetivo de oferecer informação, conhecimento e oportunidade para empresários e futuros empreendedores. A Feira do Empreendedor

Leia mais

Você já comprou roupa pela internet? 1,5% INTERNET VAREJO PELA UMA ANÁLISE SOBRE AS VENDAS DE O VAREJO ON-LINE NO BRASIL

Você já comprou roupa pela internet? 1,5% INTERNET VAREJO PELA UMA ANÁLISE SOBRE AS VENDAS DE O VAREJO ON-LINE NO BRASIL UMA ANÁLISE SOBRE AS VENDAS DE VAREJO PELA INTERNET O VAREJO ON-LINE NO BRASIL Você já comprou roupa pela internet? Estatisticamente, é bastante improvável, pois apesar de as roupas liderarem as compras

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Senac Goiás. Alunos: Erik de Oliveira Douglas Ferreira, Raphael Beghelli, João Victor Alves. Professor : Diogo Ananias

Faculdade de Tecnologia Senac Goiás. Alunos: Erik de Oliveira Douglas Ferreira, Raphael Beghelli, João Victor Alves. Professor : Diogo Ananias Faculdade de Tecnologia Senac Goiás. Alunos: Erik de Oliveira Douglas Ferreira, Raphael Beghelli, João Victor Alves. Professor : Diogo Ananias CONSULTORIA COMÉRCIO ELETRÔNICO CONSULTORIA PARA IMPLANTAÇÃO

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

Publicidade no portal e-bit e email marketing

Publicidade no portal e-bit e email marketing Mães e namorados Publicidade no portal e-bit e email marketing PACOTE DIA DAS MÃES São Paulo, 8 de março de 2012 Publicidade no site e E-mail Marketing Quem somos Buscapé Company Presente em grande parte

Leia mais

2 Business to Consumer

2 Business to Consumer 2 Business to Consumer Business to consumer (B2C) é o segmento dentro do comércio eletrônico que abrange qualquer transação em que uma companhia ou organização vende seus produtos ou serviços para as pessoas

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS OFICINA EMPRESARIAL COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS - ATENDIMENTO COLETIVO - 01 Como tudo começou... Manuais da série Como elaborar Atividade 02 Por que as empresas fecham? Causas das dificuldades e

Leia mais

ALGUNS DADOS DA INTERNET NO BRASIL. (11) 3522-5338 - www.cvsweb.com.br comercial@cvsweb.com.br

ALGUNS DADOS DA INTERNET NO BRASIL. (11) 3522-5338 - www.cvsweb.com.br comercial@cvsweb.com.br ALGUNS DADOS DA INTERNET NO BRASIL 2 + 67.500.000 + 67,5 MILHÕES DE INTERNAUTAS NO BRASIL FONTE: IBOPE/NIELSEN 58.290.000 58,2 MILHOES DE INTERNAUTAS NO BRASIL ACESSAM A INTERNET SEMANALMENTE -87% FONTE:

Leia mais

Muito além da busca. Exemplo de empresa inovadora, Google eleva faturamento ao oferecer soluções simples e baratas para gestão de negócios

Muito além da busca. Exemplo de empresa inovadora, Google eleva faturamento ao oferecer soluções simples e baratas para gestão de negócios shutterstock O buscador Google: 100 milhões de consultas por dia Ro d r i g o Ló s s i o 14 Muito além da busca Exemplo de empresa inovadora, Google eleva faturamento ao oferecer soluções simples e baratas

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

Internet e Negócios O que mudou?

Internet e Negócios O que mudou? Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências de Computação SCC0207 - Computadores e Sociedade I - Turma B - 2010 Profa. Graça Nunes Internet e Negócios

Leia mais

O modelo inovador do CorretorVIP tem como base duas plataformas tecnológicas complementares, explicadas a seguir:

O modelo inovador do CorretorVIP tem como base duas plataformas tecnológicas complementares, explicadas a seguir: Apresentação 2014 Idealizado em 2007 por experientes profissionais dos setores imobiliário e de tecnologia da informação, o CorretorVIP oferece uma grande variedade de serviços gratuitos a você corretor

Leia mais

Como funcionam as micro e pequenas empresas

Como funcionam as micro e pequenas empresas Como funcionam as micro e pequenas empresas Introdução Elas são 99,2% das empresas brasileiras. Empregam cerca de 60% das pessoas economicamente ativas do País, mas respondem por apenas 20% do Produto

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO CATEGORIAS TÉCNICO TECNÓLOGO TEMAS LIVRE INCLUSÃO SOCIAL COOPERATIVISMO 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO 1.1 Nome da Instituição 1.2 Nome do Reitor(a)/Diretor(a)-Geral/Diretor(a) 1.3

Leia mais

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA NOTAS DE AULA 1. TENDÊNCIAS EM SISTEMAS DE MICROCOMPUTADORES Existem várias categorias principais de sistemas de computadores com uma diversidade de características e capacidades. Consequentemente, os

Leia mais

FRANQUIA MODALIDADE LOJA

FRANQUIA MODALIDADE LOJA FRANQUIA MODALIDADE LOJA SUMÁRIO QUEM SOMOS PREMIAÇÕES ONDE ESTAMOS NOSSO NEGÓCIO MULTIMARCAS MULTISERVIÇOS PERFIL DO FRANQUEADO VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE TURISMO DESCRITIVO DO INVESTIMENTO PROCESSO

Leia mais

Projeto Cartão de Fidelidade. 1- Do Projeto:

Projeto Cartão de Fidelidade. 1- Do Projeto: 1- Do Projeto: O projeto visa dar acesso aos associados de associações comunitárias de Rio Pardo de Minas/MG à compra de produtos em uma rede credenciada local através de um cartão de compras que garanta

Leia mais

Como interpretar métricas seus contextos e ferramentas

Como interpretar métricas seus contextos e ferramentas WEBINAR Como interpretar métricas seus contextos e ferramentas Sthefan Berwanger Consultor da Wa Consulting Como interpretar métricas seus contextos e ferramentas O que veremos hoje? Audiência Mídia Financeiro

Leia mais

Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento

Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento Introdução Planejamento Divulgando sua loja Como fechar as vendas Nota Fiscal

Leia mais

#51. estratégias para aumentar a Conversão de Vendas do seu e-commerce

#51. estratégias para aumentar a Conversão de Vendas do seu e-commerce #51 estratégias para aumentar a Conversão de Vendas do seu e-commerce 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 Sua identidade...4 Qual é a sua cara?...8 As cortinas se abrem...13 A raiz da fidelidade...20 Chegou a hora

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

2ª Etapa 2009 a 2011. EI - Empreendedor Individual Profissionalizar para prosperar. Aqui, todos ganham!

2ª Etapa 2009 a 2011. EI - Empreendedor Individual Profissionalizar para prosperar. Aqui, todos ganham! 2ª Etapa 2009 a 2011 EI - Empreendedor Individual Profissionalizar para prosperar. Aqui, todos ganham! Benefícios para o Setor de Agenciamento de Viagens Com a Lei Complementar 128/08 - que alterou o Estatuto

Leia mais

O comércio eletrônico (e-commerce) é um setor em crescimento CONSUMIDORES (EM MILHÕES) 23,4 18,7 R$ 328 R$ 335 R$ 373 R$ 350 R$ 342 R$ 350

O comércio eletrônico (e-commerce) é um setor em crescimento CONSUMIDORES (EM MILHÕES) 23,4 18,7 R$ 328 R$ 335 R$ 373 R$ 350 R$ 342 R$ 350 ARTESANATO BOLETIM COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio eletrônico (e-commerce) é um setor em crescimento Em 2012, o faturamento foi de R$ 22,5 bilhões no Brasil, e de aproximadamente R$ 28 bilhões em 2013.

Leia mais

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos FORMAR SEU PREÇO Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender TODOS OS DIREITOS RESERVADOS Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio. Informações e Contatos Mania de

Leia mais

PN PLANO DE NEGÓCIOS. Gestão e Empreendedorismo

PN PLANO DE NEGÓCIOS. Gestão e Empreendedorismo PN PLANO DE NEGÓCIOS Conceito PLANO DE NEGÓCIO É um documento que contempla a descrição do empreendimento e o modelo de gestão que sustentará a empresa É O CARTÃO DE VISITA DA EMPRESA Plano de Negócio

Leia mais

Campus Cabo Frio. Projeto: Incubadora de Empresas criação de emprego e renda.

Campus Cabo Frio. Projeto: Incubadora de Empresas criação de emprego e renda. Campus Cabo Frio Trabalho de Microeconomia Prof.: Marco Antônio T 316 / ADM Grupo: Luiz Carlos Mattos de Azevedo - 032270070 Arildo Júnior - 032270186 Angélica Maurício - 032270410 Elias Sawan - 032270194

Leia mais

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO COMO ABRIR SEU NEGÓCIO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Reflexão Qual o principal motivo para buscar a formalização de seu negócio? É importante lembrarmos que: Para desenvolver suas

Leia mais

E-COMMERCE E COMÉRCIO FÍSICO 1 *

E-COMMERCE E COMÉRCIO FÍSICO 1 * E-COMMERCE E COMÉRCIO FÍSICO 1 * Antonio Wilson Nogueira Filgueiras UEMG Unidade Carangola Henrique Santos Pinheiro UEMG Unidade Carangola Márcio Ferreira dos Passos UEMG Unidade Carangola Rogério de Oliveira

Leia mais

UMA ANALISE DO IMPACTO DA LEI DO SIMPLES NACIONAL EM MICRO EMPRESAS NO MUNICÍPIO DE LONDRINA

UMA ANALISE DO IMPACTO DA LEI DO SIMPLES NACIONAL EM MICRO EMPRESAS NO MUNICÍPIO DE LONDRINA UMA ANALISE DO IMPACTO DA LEI DO SIMPLES NACIONAL EM MICRO EMPRESAS NO MUNICÍPIO DE LONDRINA Paola Guariso Crepaldi¹, Renato Nogueira Perez Avila² Ernando Amorim Souza³, Francis Henrique Betteto 4 RESUMO

Leia mais

MÍDIA KIT É HORA DE VENCER A CRISE LARGUE NA FRENTE DA CONCORRÊNCIA! O VEÍCULO OFICIAL DA ASSERJ, ESTÁ COM VALORES PROMOCIONAIS PARA QUEM SE ANTECIPAR

MÍDIA KIT É HORA DE VENCER A CRISE LARGUE NA FRENTE DA CONCORRÊNCIA! O VEÍCULO OFICIAL DA ASSERJ, ESTÁ COM VALORES PROMOCIONAIS PARA QUEM SE ANTECIPAR MÍDIA KIT É HORA DE VENCER A CRISE LARGUE NA FRENTE DA CONCORRÊNCIA! O VEÍCULO OFICIAL DA ASSERJ, ESTÁ COM VALORES PROMOCIONAIS PARA QUEM SE ANTECIPAR O VEÍCULO DE COMUNICAÇÃO QUE FALA AO TRADE SUPERMERCADISTA

Leia mais

E-books. Guia completo de como criar uma Página no Facebook. Sebrae

E-books. Guia completo de como criar uma Página no Facebook. Sebrae E-books Sebrae Marketing e Vendas Guia completo de como criar uma Página no Facebook Como começar Criando uma Página Conhecendo a Página Configurações iniciais Estabelecendo conversas Autor Felipe Orsoli

Leia mais

O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL

O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL MARCOS MENDES. MBA em Tecnologia da Informação e da Comunicação na Educação (PUC-RS). Docente das Faculdades IESAP e CEAP. Professor das disciplinas Computação Gráfica,

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO: ESMALTE GURIAS LTDA.

PLANO DE NEGÓCIO: ESMALTE GURIAS LTDA. PLANO DE NEGÓCIO: ESMALTE GURIAS LTDA. *Juliana Pinzon *Renata Reis *Valdirene M. de Souza Fonseca Amilto Muller RESUMO: O presente trabalho apresenta o Plano de Negócios para criação de um produto, assim

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Reforma Tributária Contribuições de um Contador, Objetivando Melhoria de Prestação de Contas

Reforma Tributária Contribuições de um Contador, Objetivando Melhoria de Prestação de Contas Reforma Tributária Contribuições de um Contador, Objetivando Melhoria de Prestação de Contas Autor: Charles B. Holland, Contador, Conselheiro do CRC-SP, Sócio Diretor da Holland Consulting, Coordenador

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Produção de bens e serviços de saúde A origem dos bens e serviços ofertados em qualquer setor da economia (oferta ou recursos) pode ser a produção no próprio país ou a importação.

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

FRANQUIA MODALIDADE ESCRITÓRIO

FRANQUIA MODALIDADE ESCRITÓRIO FRANQUIA MODALIDADE ESCRITÓRIO SUMÁRIO QUEM SOMOS PREMIAÇÕES ONDE ESTAMOS NOSSO NEGÓCIO MULTIMARCAS MULTISERVIÇOS PERFIL DO FRANQUEADO VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE TURISMO DESCRITIVO DO INVESTIMENTO PROCESSO

Leia mais

1) Lançamento. 2) Conteúdo

1) Lançamento. 2) Conteúdo HIGHLIGHTS Apoio: Patrocinador: Realização: Versão Resumida a íntegra do Ranking é um benefício dos associados IBEVAR, entre em contato através do email contato@ibevar.org.br para maiores informações.

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Chile. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Chile. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Chile Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios A Lei nº 20.416 estabelece regras especiais para as Empresas de Menor Tamanho (EMT).

Leia mais

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social Florianópolis - SC 27 de outubro de 2014 A INFORMALIDADE NO BRASIL A INFORMALIDADE Pesquisa ECINF IBGE Pertencem ao setor

Leia mais

BNDES Turismo. BNDES Turismo. Foz do Iguaçu 18 de Junho 2011

BNDES Turismo. BNDES Turismo. Foz do Iguaçu 18 de Junho 2011 BNDES Turismo BNDES Turismo Foz do Iguaçu 18 de Junho 2011 Agenda Informações Institucionais Apoio ao Turismo Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas - Projetos de Investimento; - Aquisição

Leia mais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 Instituto Lojas Renner Instituto Lojas Renner Promover a inserção de mulheres no mercado de trabalho por meio de projetos de geração de renda é o objetivo do Instituto Lojas

Leia mais