MINHA VIDA DE JOÃO E MARIA: USANDO A METODOLOGIA DA ONG PROMUNDO PARA PROMOVER AULAS REFLEXIVAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINHA VIDA DE JOÃO E MARIA: USANDO A METODOLOGIA DA ONG PROMUNDO PARA PROMOVER AULAS REFLEXIVAS"

Transcrição

1 MINHA VIDA DE JOÃO E MARIA: USANDO A METODOLOGIA DA ONG PROMUNDO PARA PROMOVER AULAS REFLEXIVAS Resumo VAINE, Thais Eastwood Vaine 1 - UTFPR / SME-Curitiba Grupo de Trabalho - Educação e Saúde Agência Financiadora: não contou com financiamento A discussão sobre as questões de gênero é fundamental para promover um ensino voltado à diversidade e embasar as discussões que permeiam a educação sexual. Nesse sentido, esse trabalho tem como objetivo promover um espaço de reflexão sobre a complexidade do ser humano na construção da sua identidade de gênero e as questões envolvidas nessa esfera de discussão, como o preconceito, a discriminação e a violência. Para promover discussões a respeito dessas questões, foi elaborada uma sequência de aulas com três turmas do 9º ano de uma escola municipal de Curitiba, dentro da disciplina de Ciências, planejadas com base em manuais didáticos da ONG Instituto Promundo, que visa promover a igualdade entre os gêneros e realizar ações que previnam a violência contra a mulher, crianças e jovens. Foram realizadas seis aulas no total, as quais envolviam a utilização de vídeos, registro escrito das reflexões, manifestação aberta de opiniões, debates, trabalhos escritos, busca de imagens e confecção de vídeos. Através desse trabalho percebemos uma grande dificuldade de os alunos, principalmente os meninos, em se exporem e levantarem questionamentos sobre a temática. Também verificamos que os estudantes têm a necessidade de dialogar, falar livremente e expor suas opiniões sobre as questões de gênero no ambiente escolar, pois na família nem sempre há abertura e espaço para esse assunto. Também constatamos que no entorno dos estudantes esse tema é carregado de moralismo, dificultando o diálogo e fazendo com esse assunto permaneça sem esclarecimento para eles. Esse tipo de atividade traz possibilidades reais de ressignificação e resgate do valor da escola para os adolescentes, mostrando que o processo ensino-aprendizagem pode ser algo interessante e aplicável ao seu cotidiano. Palavras-chave: Gênero. Normas de Gênero. Sexualidade. 1 Aluna regular do Programa de Pós-Graduação em Formação Científica, Educacional e Tecnológica - mestrado profissional - Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Professora da rede municipal de ensino / Secretaria Municipal de Educação de Curitiba.

2 27322 Introdução Discutir as questões de gênero dentro da escola deveria ser atividade obrigatória em todas as disciplinas, principalmente nas séries em que as diferenças fisiológicas entre meninos e meninas começam a se acentuar. Envolver os jovens nas reflexões sobre as desigualdades de gênero, convidá-los a refletir sobre como as mulheres geralmente são colocadas em posição de desvantagem, sobre os tipos de comportamentos que a sociedade de um modo geral espera tanto de homens quanto de mulheres é fundamental dentro da educação para a diversidade. A educação para a diversidade é um fator essencial para discutir a inclusão, promover a igualdade de oportunidades e enfrentar todo o tipo de preconceito, discriminação e violência. Muitos jovens observam no seu cotidiano diversas situações que envolvem o preconceito e a discriminação, nas mais diversas esferas sociais, mas poucos são convidados a refletir a respeito. Dentro da própria casa podem observar situações de violência relacionada ao preconceito, mas poucas vezes são convidados a refletir ou falar sobre o assunto. Questões relacionadas ao gênero, identidade de gênero, sexualidade e orientação sexual precisam ser articuladas com o conteúdo de sala de aula, num ambiente que propicie uma discussão saudável e enriquecedora. O problema é que ultimamente vemos que em grande parte das escolas a educação sexual resume-se a noções de anatomia e fisiologia comparada, e ignora-se toda a complexidade que envolve a construção de uma identidade como homem ou como mulher. (SECAD/MEC, 2007). Diante desse cenário considera-se a experiência escolar como fundamental para que esses conceitos se articulem e noções de corpo, gênero e sexualidade, entre outros temas, sejam socialmente construídas, através de diálogos e reflexões. A escola é um local de questionamento das relações de poder e de análise dos processos sociais de produção de diferenças e de sua tradução em desigualdades, opressão e sofrimento e como tal tem o dever de promover a cultura de reconhecimento da pluralidade das identidades e dos comportamentos relativos às diferenças (SECAD/MEC, 2007). Sabendo da importância de abrir espaço na sala de aula para promover discussões a respeito dessas questões, foi elaborada uma sequência de aulas com três turmas do 9º ano de uma escola municipal de Curitiba, dentro da disciplina de Ciências. Possibilitando a

3 27323 preparação dos estudantes para a compreensão das questões de gênero, normas de gênero e construção da identidade sexual, esse conjunto de aulas permitiu que os jovens compreendessem que a educação sexual não abrange somente a saúde sexual e reprodutiva, mas diversas outras questões que exigem uma reflexão. Essas aulas foram elaboradas com base em manuais didáticos do Instituto Promundo (2006, 2007, 2008a, 2008b): Trabalhando com Mulheres Jovens: Empoderamento, Cidadania e Saúde (2008a) e Envolvendo rapazes e Homens na Transformação das Relações de Gênero: Manual de Atividades Educativas (2008b). O Instituto Promundo é uma ONG brasileira, fundada em 1997, que tem como missão promover a igualdade entre os gêneros e realizar ações que previnam a violência contra a mulher, crianças e jovens. A intenção é desenvolver dentro das aulas de Ciências momentos que propiciem que a educação sexual seja construída de maneira reflexiva e através de problematizações, mostrando toda a complexidade que rodeia o ser humano. Assim, procuramos atender às orientações propostas pela Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade do Ministério da Educação (SECAD/MEC), que sugere o desenvolvimento de algumas etapas antes de se falar sobre a educação sexual em si, como a proposição de discussões a respeito de questões relativas a gênero, orientação sexual e sexualidade no terreno da ética e dos direitos humanos, evitando discursos que simplesmente relacionam tais questões a doenças ou ameaças a uma suposta normalidade. Desta forma, o presente trabalho tem como objetivo promover um espaço de reflexão sobre a complexidade do ser humano na construção da sua identidade de gênero e as questões envolvidas nessa esfera de discussão, como o preconceito, a discriminação e a violência. Metodologia Para tentar satisfazer o objetivo desse trabalho, numa perspectiva de prevenção à discriminação, e também com o intuito de promover uma aproximação com os alunos, desenvolvendo um ambiente favorável ao diálogo e que estimule o pensamento crítico e a tomada de decisões conscientes, foram realizadas 6 aulas, as quais foram ministradas em 3 turmas do 9º ano, totalizando 87 alunos entre 13 e 19 anos, de uma escola municipal de Curitiba dentro da disciplina de Ciências.

4 27324 Essa disciplina possui três aulas semanais de 50 minutos cada, sendo que uma aula por semana foi destinada a esse trabalho mais especificamente, enquanto que as outras duas aulas semanais seguiram com o desenvolvimento do currículo programático referente ao 9º ano. Essa divisão não teve como objetivo a segmentação em etapas estanques do trabalho com a temática, mas sim garantir intervalos que possibilitassem o amadurecimento de ideias que surgiam a partir das discussões em sala, de modo a ser um trabalho construído com a turma e não um projeto pontual, dando tempo para a reflexão, e também para não afetar o desenvolvimento do conteúdo curricular tradicional sugerido pelas Diretrizes Curriculares para a Educação Municipal de Curitiba (2006). Conforme foi citado no item Introdução, a maior parte dessas aulas foi elaborada com base em manuais didáticos do Instituto Promundo: Trabalhando com Mulheres Jovens: Empoderamento, Cidadania e Saúde (2008a) e Envolvendo rapazes e Homens na Transformação das Relações de Gênero: Manual de Atividades Educativas (2008b). A seguir, será apresentado o modo como foram desenvolvidas as aulas desse projeto: 1ª aula: Reflexão sobre os tipos de comportamentos esperados de homens e mulheres Para problematizar essa aula foram passados dois vídeos: Era uma vez outra Maria e a primeira parte do Minha vida de João, ambos disponíveis no site do Instituto Promundo (http://www.promundo.org.br/en/for-youngers/). Os dois vídeos são desenhos animados sem falas. O primeiro conta a história de uma garota que começa a questionar o sim e o não do mundo ao seu redor e como eles influenciam seu modo de pensar e agir. E o segundo apresenta a história de João, um garoto que como tantos outros vive numa sociedade machista, que se pauta em padrões rígidos de gênero. Após assistirem aos vídeos, houve uma explicação a respeito do conceito de gênero para que melhor entendessem as questões que viriam a seguir. Em seguida houve uma breve discussão sobre os aspectos que mais chamaram a atenção nos dois filmes, momento em que os estudantes puderam esclarecer algumas dúvidas a respeito do que assistiram. Então foi solicitado que respondessem numa folha separada as seguintes perguntas e depois a entregasse à professora: para você, o que o lápis representava nos filmes? as suas percepções sobre os papéis de homens e mulheres são afetadas pelo que sua família e seus amigos pensam? Por que?

5 27325 a mídia exerce alguma influência sobre as normas de gênero? De que forma? Como ela retrata as mulheres? E os homens? como você pode desafiar as diferentes expectativas de comportamento? 2ª aula: Aja como homem / Aja como mulher Num primeiro momento os alunos receberam a folha que entregaram na última aula e foi realizada uma discussão sobre o conjunto das respostas. Em nenhum momento houve identificação durante a discussão, a professora apenas relatou o que encontrou como resposta para as perguntas e incentivou a manifestação dos estudantes a respeito. Em seguida foram distribuídas algumas folhas que continham questões convidando os estudantes a refletir sobre as normas de gênero. Os alunos deveriam listar comportamentos esperados por uma pessoa que escuta Aja como homem (no caso dos garotos) ou Aja como mulher (no caso das garotas). E depois o comportamento para os dois sexos transformados, ou seja, que agem conforme os próprios princípios e não de acordo com o que é imposto pela sociedade. Também deveriam refletir a respeito de como essas expectativas podem forçar comportamentos nocivos/prejudiciais à saúde. 3ª aula: Analisando as nossas atitudes Antes do início dessa aula foram recolhidas as folhas da aula anterior para análise e posterior discussão. Nessa aula foram preparados três cartazes com os dizeres Concordo totalmente, Discordo totalmente e concordo/discordo parcialmente, sendo que cada um foi colado numa parede da sala (laterais e fundo). Inicialmente foi explicado aos estudantes que essa atividade foi elaborada para lhes dar uma compreensão geral das suas próprias atitudes e valores, bem como das dos outros colegas, em relação às questões de gênero. Também é importante para desafiar suas ideias atuais sobre essas questões e ajudá-los a esclarecer algumas inquietações. Também foi lembrado que todos têm direito a ter sua opinião e a opinião de todos deve ser respeitada. Então foram selecionadas diversas frases polêmicas anteriormente, porém como houve muita discussão, somente duas frases foram debatidas em sala: É mais fácil ser homem do

6 27326 que ser mulher e Mulheres que usam roupas sensuais tem uma parcela de culpa se são assediadas ou estupradas. O procedimento ocorreu da seguinte maneira: a professora lia a frase em voz alta e pedia aos estudantes que se dirigissem à parede que tivesse o cartaz que expressasse o que eles pensam sobre a frase dita. Depois de eles terem se dirigido ao ponto escolhido, era pedido que um ou dois participantes explicassem a razão de terem escolhido aquele cartaz, que dissessem porque se sentem assim em relação à frase lida. Depois de alguns participantes terem falado sobre as suas atitudes em relação à frase, perguntava-se se alguém queria mudar de ideia e dirigir-se para outro cartaz. Então, reunia-se a turma novamente no centro da sala e o processo era repetido com a outra frase. 4ª aula: O que eu sinto sobre as diferenças de gênero Nessa aula, primeiramente ocorreu a continuação das discussões da aula anterior e a retomada das respostas da folha entregue na aula Aja como homem / Aja como mulher. Depois das discussões os estudantes foram solicitados a escreverem uma frase ou um pequeno texto ou uma poesia que retratasse o que eles entenderam e a sua opinião sobre as questões de gênero e desigualdade. Também foram solicitados a tirarem uma foto ou fazerem um desenho que ilustre essas questões. 5ª aula: Trabalho de reflexão sobre o gênero Diante das discussões geradas a partir das aulas anteriores, os estudantes foram convidados a registrar de forma escrita uma reflexão sobre o gênero orientada pelas seguintes perguntas: Para os garotos: o Qual é a parte mais difícil de ser um garoto em seu país? o O que você gostaria de dizer às mulheres para ajuda-las a compreender melhor os homens? o O que você acha difícil de entender nas mulheres? o Como os homens podem apoiar e estimular a autonomia das mulheres?

7 27327 o Quem toma as decisões normalmente em sua casa? Qual é a sensação de ver essa pessoa tomar todas as decisões? o O que você nunca gostaria de ouvir sobre os homens? o Que direitos são mais difíceis de conseguir para os homens em seu país? o Como é crescer como um garoto em seu país? O que você gosta em ser um garoto? O que não gosta? Para as garotas: o Qual é a parte mais difícil de ser uma garota em seu país? o O que você gostaria de dizer aos homens para ajuda-los a compreender melhor as mulheres? o O que você acha difícil de entender nos homens? o Como os homens podem apoiar e estimular a autonomia das mulheres? o Quem toma as decisões normalmente em sua casa? Qual é a sensação de ver essa pessoa tomar todas as decisões? o O que você nunca gostaria de ouvir sobre as mulheres? o Que direitos são mais difíceis de conseguir para as mulheres em seu país? o Como é crescer como uma garota em seu país? O que você gosta em ser uma garota? O que não gosta? 6ª aula: Valores e virtudes Para finalizar esse grupo de discussões, foi realizada uma aula expositiva/dialogada sobre o tema Valores e Virtudes e como a sua adoção na vida pode contribuir para uma adolescência saudável. Foram mostrados vídeos a respeito e os alunos foram solicitados a produzir um vídeo sobre o tema, o qual seria incluído no projeto Protagonismo Juvenil da Prefeitura Municipal de Curitiba.

8 27328 Resultados e discussões Pode-se perceber diante das reflexões dos estudantes que muitos se dizem num primeiro momento livres da influência das normas de gênero, e em outras discussões reconhecem como são forçados a se encaixar num molde imposto pela sociedade. Também é possível perceber que recriminam veemente o preconceito exercido pelas outras pessoas, mas em outros momentos eles próprios manifestam opiniões preconceituosas (como aconteceu na 3ª aula). Sobre os questionamentos realizados na primeira aula, a maioria dos estudantes reconheceu o lápis como a pressão da sociedade para nos encaixar nas normas de gênero. Quando questionados se o seu comportamento era influenciado pela família e pelos amigos, ficaram um tanto divididos. Um pouco mais da metade dos estudantes considera que não é influenciada, com respostas do tipo ninguém manda na minha vida. A outra metade reconheceu uma certa influência, principalmente dos amigos. Sobre a influência da mídia, quase a totalidade reconheceu que ela acontece, retratando as mulheres como um objeto sexual e os homens como profissionais de sucesso, os chefes. Em relação à forma como podem desafiar as expectativas, a maioria respondeu agir diferentemente do que esperam de nós. Porém, não detalharam a resposta. A segunda aula, Aja como homem / Aja como mulher, forneceu respostas bastante homogêneas. Quando questionados sobre o comportamento esperado de um garoto que escuta a frase aja como homem, a maioria dos estudantes listou atitudes como: ser durão, agir com violência, impor respeito, não chorar, ter várias parceiras e xingar. Já em relação às mulheres, foram listados: ser passiva, cuidar da casa, não usar roupa curta, ser frágil e delicada, limpar a casa, dar prazer ao homem, não ficar com vários homens, ter um namorado, ser sensível e demonstrar sentimentos. Sobre os comportamentos nocivos, foram listados para os homens o uso da violência e ter várias parceiras e para as mulheres a passividade. Em relação ao que acontece com quem não se encaixa no modelo, houve unanimidade sobre os homens: serão taxados de homossexuais. E para as mulheres a maioria respondeu que seriam vistas como mulheres fáceis ou homossexuais. A terceira aula, em que ocorria uma reflexão sobre uma frase, houve bastante polêmica. Na primeira frase é mais fácil ser homem do que ser mulher, as turmas ficaram

9 27329 bastante divididas ao manifestarem suas opiniões. Uma pequena parcela resolveu opinar concordo/discordo parcialmente. Os problemas levantados pelas garotas em relação à dificuldade eram os rótulos de prostituta, a falta de liberdade em casa quando comparadas aos irmãos e ter de trabalhar em casa. Poucos garotos defenderam a dificuldade de ser homem, alegando problemas em poder manifestar suas emoções e sentimentos sem receber o rótulo de homossexual. A segunda frase mulheres que usam roupas sensuais tem uma parcela de culpa se são assediadas ou estupradas, provocou muitas controvérsias. Nas três turmas a maioria dos estudantes concordou totalmente com a frase. Uma parcela um pouco menor concordou/discordou parcialmente e a minoria discordou totalmente. Uma discussão mais detalhada sobre esse posicionamento será realizada no item Considerações Finais. O trabalho solicitado na quarta aula trouxe aspectos bastante interessantes sobre o entendimento dos estudantes a respeito das questões de gênero. Alguns se confundiram e misturaram a desigualdade social na discussão. A maioria das garotas critica a falta de liberdade que possuem e o rótulo de prostitutas que recebem quando resolvem desafiar os moldes. Já os garotos, alguns falaram sobre o preconceito que as mulheres sofrem e outros falaram sobre o preconceito que eles próprios sofrem, quando não podem manifestar seus sentimentos ou são rotulados como todos não prestam. Nesse sentido, o trabalho solicitado na quinta aula foi mais enriquecedor. Com perguntas bem direcionadas, as posições acima colocadas foram mantidas e mais detalhadas. Os garotos realmente não gostam de serem taxados de todos iguais. A atividade proposta durante a sexta aula trouxe ótimos resultados, considerando a dificuldade em manipular softwares de edição de vídeo. Vários vídeos abordaram a importância do respeito, da solidariedade e da honestidade. Considerações finais Através dos dados obtidos nos trabalhos, percebe-se que os jovens participantes tem sede de liberdade. Demonstram extremo descontentamento diante de desigualdades de tratamento. No entanto, são contraditórios, pois ao mesmo tempo em que manifestam a necessidade de liberdade de pensamento e identidade, julgam de forma fechada o comportamento de terceiros. Isso pode ser constatado quando foram convidados a opinar a respeito da frase mulheres que usam roupas sensuais tem uma parcela de culpa se são

10 27330 assediadas ou estupradas. Nesse caso, o grande espanto surgiu não só porque a maioria dos estudantes concordava totalmente ou em parte com a frase, mas porque entre eles havia uma grande quantidade de garotas, as mesmas que exigiam igualdade de tratamento e não gostavam do rótulo de prostitutas. Apesar das dificuldades enfrentadas na realização desse trabalho, por ser a primeira experiência da professora envolvida, bem como dos alunos, com as atividades propostas pelo Instituto Promundo, consideramos os resultados alcançados satisfatórios. O tema escolhido é de fundamental importância para esse sucesso, pois é de grande interesse do público envolvido. Porém, ao mesmo tempo é carregado de moralismo e tabus, que tornam complexos os diálogos entre os atores envolvidos. Foi percebida uma grande dificuldade dos alunos, principalmente os meninos, se exporem e levantarem questionamentos sobre a temática. Dessa forma, verificou-se que os educandos têm a necessidade de dialogar, falar livremente e expor suas opiniões sobre as questões de gênero no ambiente escolar, pois, como foi possível perceber na fala de muitos, na família nem sempre há abertura e espaço para esse assunto. Também foi constatado que no entorno dos estudantes esse tema é carregado de moralismo, dificultando o diálogo e fazendo com que o tema permaneça sem esclarecimento para eles. Nesse projeto o tema Questões de Gêneros foi trabalhado enquanto um fenômeno complexo, influenciado por diversas variáveis, com aspectos culturais, interpessoais, psicológicos e biológicos. Tendo em vista a magnitude da temática na constituição da identidade dos jovens, é de suma importância a convocação de professores de outras áreas do saber, que não apenas de Ciências, a tomarem o tema como assunto de suas aulas, de forma a democratizar o acesso à informação confiável e a possibilitar a ampliação de espaços de discussão e reflexão. Percebe-se que há possibilidades reais de ressignificação e resgate do valor da escola para os adolescentes, mostrando que o processo ensino-aprendizagem pode ser algo interessante e que os alunos podem ser sujeitos nesse processo. Através de aulas diferenciadas, baseadas nos guias didáticos do Instituto Promundo (2006, 2007, 2008a, 2008b), os alunos conseguem se apropriar do conteúdo relacionado à temática trabalhada de maneira crítica e reflexiva, se mostrando preocupados e capazes de melhorar a sua realidade e a de seus colegas, assim como demonstraram o desenvolvimento de uma percepção do impacto de suas atitudes e seus julgamentos no outro e a importância em refletir sobre suas próprias atitudes.

11 27331 REFERÊNCIAS CADERNOS SECAD/MEC. Gênero e Diversidade Sexual na Escola: reconhecer diferenças e superar preconceito. Brasília, Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/escola_protege/caderno5.pdf.>. Acesso em: 10 mai DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO MUNICIPAL DE CURITIBA. Ensino Fundamental. Vol. 3. Curitiba, Disponível em: <http://www.cidadedoconhecimento.org.br/cidadedoconhecimento/downloads/arquivos/3010/ download3010.pdf.>. Acesso em: 23 jun INSTITUTO PROMUNDO. Guia De Discussão: Minha Vida de João. Rio de Janeiro, Disponível em: <http://www.promundo.org.br/wp-content/uploads/2010/03/h-guia- Joao-PORT.pdf.>. Acesso em: 10 mai INSTITUTO PROMUNDO. Guia De Discussão: Era uma vez uma Família. Rio de Janeiro, Disponível em: <http://www.promundo.org.br/wpcontent/uploads/2010/03/dvd_fam%c3%adlia_guia_port.pdf.>. Acesso em: 10 mai INSTITUTO PROMUNDO. Guia De Discussão: Trabalhando com Mulheres Jovens: Empoderamento, Cidadania e Saúde. Rio de Janeiro, 2008a. Disponível em: <http://www.promundo.org.br/wp-content/uploads/2010/03/trabalhando-com-mulheresjovens.pdf.>. Acesso em: 10 mai INSTITUTO PROMUNDO. Envolvendo Rapazes e Homens na Transformação das Relações de Género: Manual de Actividades Educativas. Rio de Janeiro, 2008b. Disponível em: <http://www.promundo.org.br/en/wp-content/uploads/2010/07/manual- Atividades-Educativas.pdf.>. Acesso em: 10 mai

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA Carlos Silva 1 Objetivo: Favorecer o desenvolvimento de ações pedagógicas em saúde a partir da inserção das questões de saúde no Projeto Político

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

Menino brinca de boneca? Livro e guia do professor Autor: Marcos Ribeiro

Menino brinca de boneca? Livro e guia do professor Autor: Marcos Ribeiro Menino brinca de boneca? Livro e guia do professor Autor: Marcos Ribeiro Trabalha a questão do masculino feminino de forma muito didática. Trata, basicamente, dos estereótipos sexuais e preconceitos existentes

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE ( X ) CURTA DURAÇÃO ( ) LONGA DURAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE ( X ) CURTA DURAÇÃO ( ) LONGA DURAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE ( X ) CURTA DURAÇÃO ( ) LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Escola em que trabalha e na qual será desenvolvido o Plano de Ação: Escola Estadual Santos Dumont E. F.

Escola em que trabalha e na qual será desenvolvido o Plano de Ação: Escola Estadual Santos Dumont E. F. CURSO GÊNERO E DIVERSIDADE NA ESCOLA PROJETO GDE APLICADO NA ESCOLA SANTOS DUMONT- PARANACITY- PR NÚCLEO PARANAVAI PROFESSORA: MARIA HILDA LIMA / DISCIPLINA: MATEMÁTICA Diagnóstico da Realidade: * Sabemos

Leia mais

PREFEITURA DE ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO ROQUE - SP DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO PARA A PAZ

PREFEITURA DE ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO ROQUE - SP DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO PARA A PAZ PREFEITURA DE ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO ROQUE - SP DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO PARA A PAZ TEMA PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES Educação para a Paz Aplicadores:

Leia mais

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Caro professor, Este link do site foi elaborado especialmente para você, com o objetivo de lhe dar dicas importantes para o seu

Leia mais

PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú

PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú Fernando Deodato Crispim Junior 1 ; Matheus dos Santos Modesti 2 ; Nadia Rocha Veriguine 3 RESUMO O trabalho aborda a temática da

Leia mais

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT RELATO DE EXPERIÊNCIA Introdução Marcos Serafim Duarte

Leia mais

OFICINA: SEXUALIDADE

OFICINA: SEXUALIDADE OFICINA: SEXUALIDADE Daniele Costa Tatiane Fontoura Garcez APRESENTAÇÃO A oficina tem como tema a Sexualidade, será realizado no Instituto Estadual de Educação Bernardino Ângelo, no dia 25/08/2014, segunda-feira,

Leia mais

SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO: PRÁTICAS INTEGRATIVAS SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO: PRÁTICAS INTEGRATIVAS SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO: PRÁTICAS INTEGRATIVAS SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Renata de Barros Oliveira (UFPE/CAV) José Phillipe Joanou Santos (UFPE/CAV) Janaina Patrícia Dos Santos (Escola Estadual

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE ARTIGO DE OPINIÃO : UM OLHAR INCLUSIVO E UM SER MAIS CIDADÃO

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE ARTIGO DE OPINIÃO : UM OLHAR INCLUSIVO E UM SER MAIS CIDADÃO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SEQUÊNCIA

Leia mais

jovens, capacitação de educadoras/es Convivendo com a Diversidade Sexual na Escola, projetos Na Ferveção, Diversidade Sexual na Escola, etc.

jovens, capacitação de educadoras/es Convivendo com a Diversidade Sexual na Escola, projetos Na Ferveção, Diversidade Sexual na Escola, etc. ECOS Comunicação em Sexualidade - ONG que contribui para a promoção e transformação de valores e comportamentos relacionados aos direitos sexuais e direitos reprodutivos, em uma perspectiva de erradicação

Leia mais

Educação para o trânsito

Educação para o trânsito Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino Fundamental Publicado em 2011 Projetos temáticos 5 o ANO Data: / / Nível: Escola: Nome: Educação para o trânsito JUSTIFICATIVA O estudo do tema: Educação

Leia mais

ATIVIDADE INVESTIGATIVA COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

ATIVIDADE INVESTIGATIVA COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS ATIVIDADE INVESTIGATIVA COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Kátya Danielle de Freitas¹ Mayron Henrique de Morais¹ Taize Cristina Fonseca¹ Catarina Teixeira² ¹ Alunos do curso

Leia mais

DISCURSOS SOBRE ALFABETIZAÇÃO DENTRO DO CONTEXTO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA

DISCURSOS SOBRE ALFABETIZAÇÃO DENTRO DO CONTEXTO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA 1 DISCURSOS SOBRE ALFABETIZAÇÃO DENTRO DO CONTEXTO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA Lilian Simone Leal Machado URZEDO 1, Rosely Ribeiro LIMA 2 (UFG/CAJ) lilianmachadoinove@hotmail.com

Leia mais

AUTONOMIA DOS ALUNOS AO DESENVOLVER UM TRABALHO SOBRE SEXUALIDADE

AUTONOMIA DOS ALUNOS AO DESENVOLVER UM TRABALHO SOBRE SEXUALIDADE AUTONOMIA DOS ALUNOS AO DESENVOLVER UM TRABALHO SOBRE SEXUALIDADE Thaiane Pimenta (Centro Pedagógico Bolsista Prograd-UFMG) Elaine França (Centro Pedagógico da UFMG) INTRODUÇÃO A escola desempenha um papel

Leia mais

VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador

VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE Guayaquil Ecuador 2013 PerguntAção no Programa de Voluntariado Promon: conectando o conhecimento para criar, construir e transformar Autora: Marisa Villi (Assessora

Leia mais

EDUCAÇÃO SEXUAL Vejam o quanto isso é legal

EDUCAÇÃO SEXUAL Vejam o quanto isso é legal EDUCAÇÃO SEXUAL Vejam o quanto isso é legal Sidney Gilberto Gonçalves CREF 011017-G/PR Profº Especialista em Educação Física Escolar Email: sidneygon@pop.com.br Contatos: (41) 9630-5650 e (41) 3042-1559

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Resumo 1 Discente do Curso de Serviço Social da Faculdade Novos Horizontes MG 2 Discente do Curso de Serviço

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE ADOLESCENTES DO PROJOVEM ADOLESCENTE DE OLINDA PE

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE ADOLESCENTES DO PROJOVEM ADOLESCENTE DE OLINDA PE PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE ADOLESCENTES DO PROJOVEM ADOLESCENTE DE OLINDA PE Correia, K.V. (1) ; Silva, R.C.R. (1) ; Nascimento, V.R. (1) ; Nascimento, S.M. (1) ; Torres, M.C.G. (1) ; Silva, R.N. (1) keniaandaluz@gmail.com

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio. Atividade: Reflexão sobre Amadurecimento e Relacionamento Interpessoal

Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio. Atividade: Reflexão sobre Amadurecimento e Relacionamento Interpessoal Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio Atividade: Reflexão sobre Amadurecimento e Relacionamento Interpessoal Público: Oitavos anos Data: 25/5/2012 181 Dentro deste tema, foi escolhida para

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO AUTOR(ES): THAIS

Leia mais

Projeto Quem sou eu? Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas

Projeto Quem sou eu? Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas Projeto Quem sou eu? Image URI: http://mrg.bz/q6vqo3 Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas Justificativa: Tendo em vista a

Leia mais

Camila Marchesan Cargnelutti, UFSM RESUMO: INTRODUÇÃO

Camila Marchesan Cargnelutti, UFSM RESUMO: INTRODUÇÃO MÍDIA E EDUCAÇÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIA DAS OFICINAS DE JORNAL E RÁDIO ESCOLAR NO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO NA ESCOLA IRMÃO JOSÉ OTÃO, EM SANTA MARIA (RS) Camila Marchesan Cargnelutti, UFSM RESUMO: Este trabalho

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

SEMANA DA SAÚDE INTRODUÇÃO

SEMANA DA SAÚDE INTRODUÇÃO SEMANA DA SAÚDE Sandra Rosabel Pereira 1 ; Maria Angelica de Moraes Assumpção Pimenta 2 ; Maria Goreti Aléssio Crispim 3 ; Nelza de Moura 4 ; Neusa Denise Marques de Oliveira 5 ; Eliana Maria Fabiano de

Leia mais

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO PROREXT/PROJETO DE EXTENSÃO 2008/1 - TERRITÓRIO AFROSUL DESENVOLVENDO O DIÁLOGO ACADEMIA / ONG AFROSUL ATRAVÉS DE TRABALHO COM JOVENS DE COMUNIDADE POPULAR RESUMO Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ²

Leia mais

X Encontro Gaúcho de Educação Matemática

X Encontro Gaúcho de Educação Matemática INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NO ENSINO REGULAR: INVESTIGAÇÃO DAS PROPOSTAS DIDÁTICO-METODOLÓGICAS DESENVOLVIDAS POR PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO ENSINO MÉDIO DA EENAV GT 07 Educação Matemática, avaliação

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Encontro 2 Coordenadores Pedagógicos CEFOR 05 de Junho 2013 Pauta Acolhimento Leitura deleite Apresentação / entrevista

Leia mais

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, fevereiro de 2010 FUNK CONSCIENTIZA VAI 1 - música Proponente Nome RG: CPF: Endereço Fone: E-mail: DADOS

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

LABORATÓRIO DE ENSINO DE CIÊNCIAS DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

LABORATÓRIO DE ENSINO DE CIÊNCIAS DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA LABORATÓRIO DE ENSINO DE CIÊNCIAS DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA (UnB): IDEALIZAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E ATIVIDADES REALIZADAS. Mariana de SenziZancul (Docente do Núcleo de Educação

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO

ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO Cristina Maria da Silva Lima cris86lima@yahoo.com.br Diana Gonçalves dos Santos dianasantos07@gmail.com (IEMCI/UFPA) Este estudo apresenta um relato

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2.1 A Avaliação de risco e possibilidades de mudança de comportamento A vulnerabilidade ao HIV depende do estilo de vida, género e das condições socioeconómicas. Isso

Leia mais

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1 29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS Jaqueline Gomes de Jesus* 1 Uma história única cria estereótipos, e o problema com os estereótipos não é que eles sejam mentirosos,

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Curso: PEDAGOGIA Período Letivo: 2011/1

Curso: PEDAGOGIA Período Letivo: 2011/1 Universidade Anhanguera - Uniderp Centro de Educação a Distância ROTEIRO DE ATIVIDADES MATRIZ DISCIPLINAR Data da aula: 24/03/2010 Curso: PEDAGOGIA Período Letivo: 2011/1 Semestre: 1º Disciplina: Professor

Leia mais

Comunicação em Saúde: Experiências da Rádio Web Saúde com jovens latino-americanos Comunicação em Saúde

Comunicação em Saúde: Experiências da Rádio Web Saúde com jovens latino-americanos Comunicação em Saúde Comunicação em Saúde: Experiências da Rádio Web Saúde com jovens latino-americanos Comunicação em Saúde Ana Valéria Machado Mendonça¹ Grasiela de Sousa Pereira² Dyego Ramos Henrique Raelma Paz Silva Maria

Leia mais

PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES

PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES MARTYRES, Thais Raffaela dos Faculdade de Ensino Superior Dom Bosco Acadêmica do Curso de Farmácia Membro do Grupo de Bolsista

Leia mais

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância Instituto Mundo Melhor 2013 por um MUNDO MELHOR A Educação para a Paz como caminho da infância PROJETO O PROGRAMA INFÂNCIA MUNDO MELHOR O Projeto Infância Mundo Melhor investe na capacitação e na formação

Leia mais

Formação ética em Fonoaudiologia: vamos além da ética profissional? Ética de relacionamentos e responsabilidade social

Formação ética em Fonoaudiologia: vamos além da ética profissional? Ética de relacionamentos e responsabilidade social Formação ética em Fonoaudiologia: vamos além da ética profissional? Ética de relacionamentos e responsabilidade social Auores: ALESSANDRA SALLES MACHADO, MARCELA ALMEIDA, Introdução: A disciplina de Ética

Leia mais

Meio Ambiente PROJETOS CULTURAIS. 4 0 a O - fu dame tal. Cuidar da vida também é coisa de criança. Justificativa

Meio Ambiente PROJETOS CULTURAIS. 4 0 a O - fu dame tal. Cuidar da vida também é coisa de criança. Justificativa Meio Ambiente 4 0 a O - fu dame tal Cuidar da vida também é coisa de criança Justificativa PROJETOS CULTURAIS Na idade escolar, as crianças estão conhecendo o mundo (Freire, 1992), sentindo, observando,

Leia mais

ANEXO I. PROJETO De Extensão de Curta Duração

ANEXO I. PROJETO De Extensão de Curta Duração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO De Extensão de Curta Duração 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Sexualidade, corporeidade e direitos humanos na adolescência.

Leia mais

PROJETO ESCOLA PARA PAIS

PROJETO ESCOLA PARA PAIS PROJETO ESCOLA PARA PAIS Escola Estadual Professor Bento da Silva Cesar São Carlos São Paulo Telma Pileggi Vinha Maria Suzana De Stefano Menin coordenadora da pesquisa Relator da escola: Elizabeth Silva

Leia mais

1º,2º, 3º CICLOS E SECUNDÁRIO

1º,2º, 3º CICLOS E SECUNDÁRIO LINHAS ORIENTADORAS PARA OS PROJETOS DE EDUCAÇÃO SEXUAL 1º,2º, 3º CICLOS E SECUNDÁRIO 2011/2015 Página 1 ÍNDICE Página Introdução... 3 Enquadramento legal.. 4 Temas propostos. 5 Competências/Objetivos...

Leia mais

AGRESSÃO VIRTUAL: A necessidade de superação de uma violência presente na escola

AGRESSÃO VIRTUAL: A necessidade de superação de uma violência presente na escola Mesa redonda: Bullying e Cyberbullying Atualidades no Brasil AGRESSÃO VIRTUAL: A necessidade de superação de uma violência presente na escola Profa. Mnda. Thais C. Leite Bozza GEPEM/Unicamp-Unesp Sexting

Leia mais

A Ética e o Idoso: Comemorando o Dia Internacional da Terceira Idade.

A Ética e o Idoso: Comemorando o Dia Internacional da Terceira Idade. Ministério da Educação Início do Conteúdo A Ética e o Idoso: Comemorando o Dia Internacional da Terceira Idade. Autor e Co-autor(es) Autor Fátima Rezende Naves Dias UBERLANDIA - MG ESC DE EDUCACAO BASICA

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF Resumo A presente pesquisa se debruça sobre as relações étnico-raciais no interior de uma escola

Leia mais

Projeto Escola e família: construindo novos caminhos

Projeto Escola e família: construindo novos caminhos Prefeitura Municipal de Foz do Iguaçu ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO Projeto Escola e família: construindo novos caminhos ELIZÂNGELA. S. VIEIRA COORDENADORA DE PROJETOS EDUCACIONAIS

Leia mais

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Lia Alarcon Lima Programa de Pós-Graduação em Teatro UDESC Mestranda Teatro Or. Profª Dra. Márcia Pompeo Nogueira Resumo: A pesquisa aqui

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR Exposição de Motivos A garantia da saúde sexual e reprodutiva na sociedade contemporânea é condição necessária

Leia mais

:: NOVA ESCOLA ON-LINE ::

:: NOVA ESCOLA ON-LINE :: Page 1 of 7 Planos de aula Educação Infantil Conhecimento de Mundo Natureza e Sociedade Seres Vivos Plano de trabalho O ovo vira pinto Introdução Muito freqüentemente, o trabalho com as ciências naturais,

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA FARIAS, Maria Lígia Malta ¹ SOUSA, Valéria Nicolau de ² TANNUSS, Rebecka Wanderley ³ Núcleo De Cidadania e Direitos Humanos/ PROEXT RESUMO O Projeto de Extensão

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

Alteridade (O Eu/ Eu sou eu com os outros / Eu e outros somos nós).

Alteridade (O Eu/ Eu sou eu com os outros / Eu e outros somos nós). 1. TEMA: Somos crianças e temos deveres 2. CICLO: 1ª Etapa 1º Ciclo 1ª série 3. ALUNA: Daiani Fernandes de Oliveira 4. E-MAIL: daiapink@hotmail.com 5. EIXOS: Ensino religioso: Alteridade (O Eu/ Eu sou

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS SÃO GABRIEL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS SÃO GABRIEL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS SÃO GABRIEL PROJETO Gênero e Saúde na Adolescência: Preparando para Vida E. E. E. M. Dr. JOSÉ SAMPAIO MARQUES LUZ Coordenadores Marcia Spies e Ronaldo Erichsen Colaboradora

Leia mais

Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio. Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet

Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio. Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet Público: Sétimos anos Data: 25/5/2012 Proposta: Sensibilizar e esclarecer os alunos

Leia mais

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Maio, 2014 1 Índice 1. Introdução 3 2. Cenário do acesso

Leia mais

A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS

A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS Adelaide Alves Dias * * Psicóloga. Mestre em Psicologia Social e Doutora em Educação. Professora do Centro de Educação e pesquisadora

Leia mais

PROJETO: APRENDENDO SOBRE ATITUDES E VALORES COM CHAPEUZINHOS COLORIDOS

PROJETO: APRENDENDO SOBRE ATITUDES E VALORES COM CHAPEUZINHOS COLORIDOS PROJETO: APRENDENDO SOBRE ATITUDES E VALORES COM CHAPEUZINHOS COLORIDOS Duração: Uma aula por mês durante o ano letivo. Público-Alvo: Alunos do 4º Ano (Ensino Fundamental I). Justificativa: Os PCN s afirmam

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

E.E. PROF. JOSÉ AUGUSTO LOPES BORGES SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO ARAÇATUBA

E.E. PROF. JOSÉ AUGUSTO LOPES BORGES SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO ARAÇATUBA E.E. PROF. JOSÉ AUGUSTO LOPES BORGES SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO ARAÇATUBA PROJETO NÃO CAIA NA REDE PROJETO NÃO CAIA NA REDE Responsáveis: Rosana Jussiani Diretora Gláucia

Leia mais

Projetos 2013. Turmas: Maternal e Mini Maternal PROJETO AMIZADE. Justificativa

Projetos 2013. Turmas: Maternal e Mini Maternal PROJETO AMIZADE. Justificativa Projetos 2013 Turmas: Maternal e Mini Maternal Justificativa PROJETO AMIZADE Devido aos constantes conflitos e preconceitos que se encontram e que presencia-se no dia a dia das crianças no seu meio social,

Leia mais

A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE

A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE Aluna: Sandra Regina de Souza Marcelino Orientador: Luís Corrêa Lima Introdução Este relatório tem por finalidade

Leia mais

Oficinas Temáticas: A Potência da Psicologia em um Projeto Educacional de uma ONG

Oficinas Temáticas: A Potência da Psicologia em um Projeto Educacional de uma ONG Oficinas Temáticas: A Potência da Psicologia em um Projeto Educacional de uma ONG Thiago Colmenero Cunha (bolsista PIBEX) colmenerocunha@gmail.com Instituto de Psicologia 10 período Lara Soutto Mayor Vieira

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO

SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO Danielle de Sousa Macena- UFCG danyellehta-@hotmail.com Januzzi Gonçalves Bezerra UFCG januzzigoncalves@gmail.com Janaina Gonçalves Bezerra - UFCG jgoncalves003@gmail.com Resumo

Leia mais

Letras - Língua Portuguesa

Letras - Língua Portuguesa UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Letras - Língua Portuguesa 1. Perfil do Egresso: Em consonância

Leia mais

Qualidade ambiental. Atividade de Aprendizagem 18. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente

Qualidade ambiental. Atividade de Aprendizagem 18. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Qualidade ambiental Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Tema Uso dos recursos naturais / ocupação do espaço e suas consequências / desequilíbrio ambiental e desenvolvimento sustentável Conteúdos Lixo /

Leia mais

Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, Figueira da Foz

Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, Figueira da Foz PLANO ANUAL DE TRABALHO 05/06 8ºAno Código 070 Educação para a Cidadania Ano Letivo: 05 / 06 Plano Anual Competências a desenvolver Conteúdos Temas/Domínios Objetivos Atividades / Materiais 3 Períodos

Leia mais

Princípios de Empoderamento das Mulheres

Princípios de Empoderamento das Mulheres Princípios de Empoderamento das Mulheres Igualdade Significa Negócios Princípios de Empoderamento das Mulheres 1. Estabelecer liderança corporativa sensível à igualdade de Gênero, no mais alto nível. 2.

Leia mais

CECIP. Centro de Criação de Imagem Popular

CECIP. Centro de Criação de Imagem Popular Centro de Criação de Imagem Popular Largo de São Francisco de Paula, 34 / 4º andar 20.051-070 Rio de Janeiro RJ Tel./ Fax.: (55 21) 2509.3812 cecip@cecip.org.br www.cecip.org.br 1º Encontro sobre Mediação

Leia mais

Francisca Roseane F.R. de Sousa Escola M. Arnaldo de Barros Moreira

Francisca Roseane F.R. de Sousa Escola M. Arnaldo de Barros Moreira Francisca Roseane F.R. de Sousa Escola M. Arnaldo de Barros Moreira DIVERSIDADE RELIGIOSA Produtos em mídia digital explorados no estudo Câmeras fotográficas Computadores Vídeos Slides Notebook Editor

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador Workshop da FAEL aborda direitos humanos e papel do educador No 15 workshop da Faculdade Educacional da Lapa - FAEL, os acadêmicos do curso de pedagogia tiveram a oportunidade de aprender e praticar os

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua Marechal Floriano Peixoto, 61 Cep:84430-000 Fone/Fax:(42)34361327 e-mail: iuvalcidesmunhoz@seed.pr.gov.br Imbituva - Paraná Projeto de Leitura

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural Teleaula 2 Diversidade de Gênero Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza tutorialetras@grupouninter.com.br Letras Contextualização Por que

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO E OS TEMAS GERADORES

18º Congresso de Iniciação Científica EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO E OS TEMAS GERADORES 18º Congresso de Iniciação Científica EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO E OS TEMAS GERADORES Autor(es) TALINE MELEGA TOME Orientador(es) IDA CARNEIRO MARTINS 1. Introdução Segundo Cury (1997) o Ensino Médio

Leia mais

Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA

Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA 1 Especial Formação de Professor Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro apresenta os princípios da Declaração Universal dos Direitos da Criança.

Leia mais

O esporte tem o poder de mudar o mundo. Tem o poder de inspirar, tem o poder

O esporte tem o poder de mudar o mundo. Tem o poder de inspirar, tem o poder O esporte tem o poder de mudar o mundo. Tem o poder de inspirar, tem o poder de unir as pessoas de um jeito que poucas coisas conseguem. (Nelson Mandela) O esporte tem grande potencial para contribuir

Leia mais