A Portaria 151/2014, de 30 de Julho, que cria o PROGRAMA INVESTE JOVEM Entrada em vigor: 29 de Setembro de 2014;

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Portaria 151/2014, de 30 de Julho, que cria o PROGRAMA INVESTE JOVEM Entrada em vigor: 29 de Setembro de 2014;"

Transcrição

1 7 de Agosto 2014 Direito do Trabalho Em 24 e 30 de Julho de 2014 foram publicadas quatro Portarias com o objectivo de combater o desemprego, e sobretudo o desemprego jovem, a saber: A Portaria 149-A/2014, de 24 de Julho, que cria a MEDIDA ESTÍMULO EM- PREGO, revogando a Portaria 106/2013, de 14 de Março, que criou a MEDIDA ES- TÍMULO 2013, e a Portaria 204-A/2013, de 18 de Junho, que criou a MEDIDA DE APOIO À CONTRATAÇÃO VIA REEMBOLSO TOTAL OU PARCIAL DA TSU, harmonizando os apoios subjacentes a estes diplomas, numa única MEDIDA Entrada em vigor: 25 de Julho de 2014; A Portaria 149-B/2014, de 24 de Julho, que veio alterar e republicar a Portaria 204-B/2013, de 18 de Junho, já anteriormente alterada pela Portaria 375/2013, de 27 de Dezembro e pela Portaria 20-A/2014, de 30 de Janeiro, referente à MEDIDA ESTÁGIOS EMPREGO Entrada em vigor: 25 de Julho de 2014; A Portaria 150/2014, de 30 de Julho, que cria a MEDIDA EMPREGO JOVEM ACTIVO Entrada em vigor: 29 de Agosto de 2014; A Portaria 151/2014, de 30 de Julho, que cria o PROGRAMA INVESTE JOVEM Entrada em vigor: 29 de Setembro de 2014; Destacamos os pontos essenciais de cada uma destas Portarias, através de um formato de questões (Q) e respectivas respostas (R): i. MEDIDA ESTÍMULO EMPREGO Q1 O que visa? R1 Aumentar a eficácia e eficiência de apoios à contratação no processo de ajustamento do mercado de trabalho. Q2 De que forma? R2 Mediante a concessão de apoio financeiro aos empregadores que celebrem contratos de trabalho com desempregados inscritos no Instituto de Emprego e Formação Profissional, I.P. ( IEFP ). 1/13

2 i. medida estímulo emprego (continuação) Q3 Quem são os seus destinatários? R3 Os desempregados inscritos no IEFP: Há, pelo menos, 60 dias consecutivos, nos casos de desempregados com idade inferior a 30 anos ou com idade mínima de 45 anos, ou ainda outros desempregados que não tenham registos na segurança social como trabalhadores por conta de outrem nem como trabalhadores independentes, nos últimos 12 meses que precedem a data da candidatura; Há, pelo menos, seis meses consecutivos; Que sejam beneficiários de prestação de desemprego ou de rendimento social de inserção; Cujo cônjuge ou pessoa com quem viva em união de facto se encontre igualmente em situação de desemprego, inscrito no IEFP; Que integrem família monoparental; Que sejam vítimas de violência doméstica; Que tenham deficiência e incapacidade; Que sejam ex-reclusos ou que cumpram ou tenham cumprido penas ou medidas judiciais não privativas de liberdade em condições de se inserir na vida activa; Que sejam toxicodependentes em processo de recuperação. São equiparados a desempregados as pessoas inscritas no IEFP como trabalhadores com contrato suspenso com fundamento no não pagamento pontual da retribuição. Q4 Que entidades empregadoras se podem candidatar? R4 Pessoas singulares ou colectivas de natureza jurídica privada, com ou sem fins lucrativos; Empresas que iniciaram um processo especial de revitalização, previsto no Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas ( PER ); Empresas que iniciaram o processo no Sistema de Recuperação de Empresas por Via Extrajudicial ( SIREVE ). Q5 De que depende a atribuição do apoio? R5 Da celebração de contrato de trabalho a tempo completo ou parcial com destinatário da Medida; 2/13

3 i. medida estímulo emprego (continuação) Q5 De que depende a atribuição do apoio? (CONTINUAÇÃO) R5 (continuação) Da criação líquida de emprego, considerando-se que esta se verifica quando o empregador (i) atinja por força do apoio um número total de trabalhadores superior à média mais baixa dos trabalhadores registados nos 6 ou 12 meses anteriores à data da candidatura ou (ii) registe, a partir da contratação um número de trabalhadores igual ou superior ao número de trabalhadores atingido por via do apoio. Esta obrigação deve manter-se, pelo menos, durante todo o período do apoio financeiro. Não são contabilizados para este efeito os trabalhadores que tenham cessado os respectivos contratos de trabalho por motivo de invalidez, morte, reforma por velhice ou despedimento com justa causa (desde que o empregador comprove esse facto). Q6 Quais as obrigações do empregador? R6 O empregador obriga-se a proporcionar formação profissional ajustada às competências do posto de trabalho (i) em contexto de trabalho, durante o período em que vigorar o apoio financeiro, mediante acompanhamento de um tutor por si designado ou (ii) através de entidade formadora certificada, com uma carga horária mínima de 50 horas, preferencialmente durante o horário de trabalho (sob pena de o trabalhador ter direito a uma redução equivalente no respectivo horário de trabalho). Não pode contratar através da celebração de contrato a termo certo e em cada ano civil, mais de 25 trabalhadores ao abrigo desta MEDIDA, não havendo qualquer limitação se a contratação for feita através de contrato sem termo. Q7 Em que consiste a ajuda prestada ao empregador? R7 No apoio financeiro pelo IEFP, cujo montante depende da tipologia do contrato de trabalho e do perfil do trabalhador: No caso de contratos a termo certo, o apoio financeiro corresponde a 80% do IAS 1 multiplicado por metade do número inteiro de meses de duração do contrato, sujeito ao limite máximo de 80% do IAS vezes 6; No caso de contratos a termo certo de desempregados (i) inscritos no IEFP, há pelo menos 12 meses consecutivos, ii) com idade inferior a 30 anos ou igual ou superior a 45 anos, iii) beneficiários de prestações de desemprego, iv) que integrem família monoparental, v) cujo cônjuge ou pessoa com quem vivam em união de facto se encontre igualmente em situação de desemprego, inscrito no IEFP, I. P., vi) vítimas de violência doméstica, vii) com deficiência e incapacidade, viii) ex-reclusos e aqueles que cumpram ou tenham cumprido penas ou medidas judiciais não privativas de liberdade em condições de se inserirem na vida activa, ix) toxicodependentes em processo de recuperação, x) beneficiários de rendimento social de inserção, o apoio financeiro corresponde a 100% do IAS multiplicado por metade do número inteiro de meses de duração do contrato, sujeito ao limite máximo de 80% do IAS vezes 6; 1 O IAS (Indexante de Apoios Sociais) corresponde ao valor de 419,22. 3/13

4 i. medida estímulo emprego (continuação) Q7 Em que consiste a ajuda prestada ao empregador? (CONTINUAÇÃO) R7 No apoio financeiro pelo IEFP, cujo montante depende da tipologia do contrato de trabalho e do perfil do trabalhador: (continuação) No caso de contratos sem termo, o apoio financeiro corresponde a 1,1 IAS vezes 12; No caso de celebração de contrato de trabalho a tempo parcial, o apoio financeiro é reduzido proporcionalmente, com base num período normal de trabalho de 40 horas semanais; É concedida a prorrogação do apoio quando o contrato de trabalho a termo certo, abrangido pela MEDIDA, se converta em contrato de trabalho sem termo, por acordo entre empregador e trabalhador, no valor da percentagem do IAS anteriormente aplicada vezes 6, acompanhada das correspondentes obrigações inerentes à celebração de contratos com duração mínima de 12 meses, no âmbito da MEDIDA, nomeadamente a obrigação de manutenção nível de emprego. O pagamento do apoio é feito em duas prestações de igual valor: a primeira após o início de vigência do contrato de trabalho, no prazo de 30 dias após a recepção do termo de aceitação; a segunda no mês seguinte àquele em que se completa a duração inicialmente fixada no contrato ou, no caso de contratos com duração inicial igual ou superior a 12 meses ou de contratos sem termo, no mês seguinte àquele em que se completa o décimo segundo mês de vigência do contrato. O pagamento da segunda prestação do apoio fica sujeito à entrega, pelo empregador, do relatório de formação ou da cópia do certificado de formação. Q8 Como requerer o apoio? R8 A entidade promotora deve apresentar a sua candidatura no portal electrónico do IEFP cabendo o IEFP decidir no prazo de 30 dias úteis, excepto se ocorrer suspensão para solicitação de elementos adicionais. ii. MEDIDA estágios EMPREGo Q1 O que visa? R1 Integrar os jovens desempregados em entidades com ou seu fins lucrativos, com o objectivo de, através da experiência prática em contexto laboral, melhorar o respectivo perfil de empregabilidade e promover a respectiva inserção profissional. 4/13

5 ii. MEDIDA estágios EMPREGo (continuação) Q2 Quem são os seus destinatários? R2 Os jovens com idades compreendidas entre os 18 e os 30 anos, inclusive, inscritos como desempregados no IEFP e detentores de uma qualificação que se encontre entre o 2.º ciclo do ensino básico e doutoramento, nos termos do Quadro Nacional de Qualificações ( QNQ ), aprovado pela Portaria n.º 782/2009, de 23 de Julho; As pessoas com idade superior a 30 anos, desde que tenham obtido, há menos de três anos, uma qualificação que pode ir desde o 2.º ciclo do ensino básico ao doutoramento (cfr. QNQ), estejam à procura de novo emprego e não tenham desenvolvido actividade profissional nos 12 meses anteriores à data da selecção pelo IEFP; As pessoas com deficiência e incapacidade; As pessoas que integram família monoparental; As pessoas cujos cônjuges ou pessoas com quem vivem em união de facto se encontrem igualmente inscritos como desempregados no IEFP; As vítimas de violência doméstica; Ex-reclusos e aqueles que cumpram ou tenham cumprido penas ou medidas judiciais não privativas de liberdade, em condições de se inserirem na vida activa; Os Toxicodependentes em processo de recuperação; No caso de estágios que se enquadrem em áreas no âmbito da agricultura, os jovens entre os 31 e os 35 anos, inclusive, inscritos como desempregados no IEFP e detentores de uma qualificação entre o 2.º ciclo do ensino básico e o doutoramento (cfr. QNQ), apenas até 31 de Dezembro de São equiparados a desempregados as pessoas inscritas no IEFP como trabalhadores com contrato suspenso com fundamento no não pagamento pontual da retribuição. Q3 Que empregadores 2 podem beneficiar desta MEDIDA? R3 Pessoas singulares ou colectivas de natureza privada, com ou sem fins lucrativos; Empresas que iniciaram um processo especial de revitalização ( PER ), previsto no Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas; Empresas que iniciaram o processo no Sistema de Recuperação de Empresas por Via Extrajudicial ( SIREVE ). 2 Neste âmbito, os empregadores são designados por entidades promotoras. 5/13

6 ii. MEDIDA estágios EMPREGo (continuação) Q4 Qual é a duração do estágio? R4 A duração do estágio no âmbito da MEDIDA foi alterada pela Portaria n.º 149-B/2014, de 24 de Julho. Assim, para as candidaturas apresentadas após a entrada em vigor desta Portaria, por regra, o estágio tem a duração de 9 meses, que pode ser prorrogada até 12 meses em situações devidamente fundamentadas. O estágio que integre um dos seguintes destinatários tem a duração de 12 meses não prorrogáveis: pessoas com deficiência e incapacidade, vítimas de violência doméstica, ex-reclusos, aqueles que cumpram ou tenham cumprido penas ou medidas judiciais não privativas de liberdade, em condições de se inserirem na vida activa e toxicodependentes em processo de recuperação. Os estágios desenvolvidos no âmbito de projectos reconhecidos pelo IEFP, como de interesse estratégico para a economia nacional ou de determinada região, podem ter a duração de 6, 9 ou 12 meses. Q5 O que é que o estagiário recebe? R5 O estagiário tem direito a uma bolsa de estágio mensal, cujo valor varia em função do nível de qualificação de que é detentor, calculada com base no valor do IAS: Qualificação QNQ Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5 Nível 6, 7 ou 8 Valor da bolsa 1 IAS 1,2 vezes IAS 1,3 vezes IAS 1,4 vezes IAS 1,65 vezes IAS O estagiário tem ainda direito a refeição ou subsídio de alimentação e seguro de acidentes de trabalho. O estagiário com deficiência e incapacidade, vítima de violência doméstica, ex-recluso, que cumpra ou tenha cumprido penas ou medidas judiciais não privativas de liberdade ou que seja toxicodependente em processo de recuperação, tem direito a transporte ou subsídio de transporte. O pagamento dos apoios referidos é da responsabilidade da entidade promotora. 6/13

7 ii. MEDIDA estágios EMPREGo (continuação) Q6 Em que consiste a ajuda prestada à entidade promotora? R6 Numa comparticipação financeira pelo IEFP no custo com as bolsas de estágio. A percentagem de comparticipação foi alterada pela Portaria 149-B/2014, de 24 de Julho - alteração aplicável às candidaturas apresentadas após a sua entrada em vigor. A regra geral é a comparticipação pelo IEFP em 65% do valor da bolsa de estágio. A comparticipação pelo IEFP nas bolsas de estágio ascende a 80% quando estejam em causa pessoas colectivas de natureza privada sem fins lucrativos, estágios no âmbito do regime especial de projectos de interesse estratégico e ainda no caso do primeiro estágio, desenvolvido por entidade promotora com 10 ou menos trabalhadores, referente à primeira candidatura à MEDIDA e desde que não tenha já obtido condições favoráveis noutro estágio financiado pelo IEFP. As percentagens de comparticipação referidas são acrescidas de 15 pontos percentuais, no caso de estagiário com deficiência e incapacidade, vítima de violência doméstica, ex-recluso, que cumpra ou tenha cumprido penas ou medidas judiciais não privativas de liberdade ou que seja toxicodependente em processo de recuperação. O IEFP comparticipa alimentação, transporte (quando exista direito ao mesmo) e seguro de acidentes de trabalho. A comparticipação financeira do IEFP é efectuada com base na modalidade de custos unitários, por mês e por estágio. O IEFP não comparticipa as contribuições devidas à Segurança Social. Q7 Quais são outros aspectos relevantes do regime do contrato de estágio? R7 Durante o decurso do estágio, é aplicável ao estagiário o regime da duração e horário de trabalho, dos descansos diário e semanal, dos feriados, das faltas e da segurança, higiene e saúde no trabalho, aplicável à generalidade dos trabalhadores da entidade promotora. Todos os estagiários devem ter um orientador de estágio, designado pela entidade promotora, a quem compete realizar o acompanhamento técnico e pedagógico do estagiário, bem como a avaliação dos resultados obtidos no final do estágio. A relação jurídica decorrente da celebração de um contrato de estágio é equiparada a trabalho por conta de outrem para efeitos de segurança social, estando sujeita também ao disposto no Código do IRS. Q8 Qual é o procedimento aplicável à candidatura? R8 O empregador ou entidade promotora deve apresentar a sua candidatura no portal electrónico do IEFP cabendo o IEFP decidir no prazo de 30 dias úteis, excepto se ocorrer suspensão para solicitação de elementos adicionais. O empregador e o estagiário devem celebrar um contrato de estágio, reduzido a escrito e conforme modelo definido em regulamento específico. 7/13

8 iii. medida emprego jovem activo Q1 O que visa? R1 Promover o desenvolvimento e a integração profissional de jovens em situação de desfavorecimento face ao mercado de trabalho, bem como de jovens mais qualificados, através do desenvolvimento de uma experiência prática em contexto de trabalho. Q2 Quem são os seus destinatários? R2 Os jovens com idades compreendidas entre os 18 e os 29 anos, inscritos como desempregados no IEFP e que: Não possuam a escolaridade obrigatória e que se encontrem em particular situação de desfavorecimento face ao mercado de trabalho, nomeadamente, porque abandonaram precocemente a escola ou não concluíram o 3.º ciclo do ensino básico destinatários perfil (a); Sejam detentores de uma qualificação igual ou superior ao nível 6, nos termos do Quadro Nacional de Qualificações ( QNQ ), aprovado pela Portaria n.º 782/2009, de 23 de Julho destinatários perfil (b). São equiparados a desempregados as pessoas inscritas no IEFP como trabalhadores com contrato suspenso com fundamento no não pagamento pontual da retribuição. Q3 Quais são as entidades promotoras abrangidas? R3 A entidade que pretenda candidatar-se à MEDIDA é designada como entidade promotora. Podem candidatar-se as seguintes entidades promotoras: Pessoas colectivas de natureza pública ou privada, com ou sem fins lucrativos; Empresas que iniciaram um processo especial de revitalização, previsto no Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas ( PER ); Empresas que iniciaram o processo no Sistema de Recuperação de Empresas por Via Extrajudicial ( SIREVE ). Q4 Que parâmetros deve seguir o projecto de actividade a apresentar pela entidade promotora? R4 A descrição das actividades a desenvolver por cada um dos destinatários da Medida; A justificação da relevância da actividade para a integração dos destinatários, que não pode consistir no preenchimento de postos de trabalho; Um plano de inserção para cada um dos perfis de destinatários; Um orientador responsável pelo acompanhamento dos destinatários; Duração máxima de 6 meses; 8/13

9 iii. medida emprego jovem activo (continuação) Q4 Que parâmetros deve seguir o projecto de actividade a apresentar pela entidade promotora? (continuação) R4 (continuação) Abrangência de dois a três destinatários do perfil (a) e um destinatário do perfil (b). No caso de entidade promotora ser pessoa colectiva de natureza privada com fins lucrativos, as actividades a desenvolver pelos destinatários devem inserir-se no âmbito de preocupações sociais ou ambientais que não se integrem na actividade principal dessa entidade. Q5 Como se formaliza a relação entre a entidade promotora e os estagiários? R5 Antes do início da actividade, é celebrado um contrato escrito de integração entre a entidade promotora e o destinatário da MEDIDA. Durante o projecto é aplicável aos estagiários o regime da duração e horário de trabalho, descansos diário e semanal, feriados, faltas, segurança e saúde no trabalho aplicável à generalidade dos trabalhadores da entidade promotora, sem prejuízo das disposições especiais previstas na Portaria 150/2014, de 30 de Julho. O contrato cessa por caducidade finda a duração do projecto de actividade. Q6 Que contrapartida financeira recebe o estagiário? R6 O estagiário tem direito a uma bolsa mensal cujo valor varia em função do nível de qualificação de que é detentor, calculada com base no valor do IAS: Os estagiários do perfil (a) recebem o montante correspondente a 70 % do IAS; Os estagiários do perfil (b) recebem o montante correspondente a 1,3 IAS. O estagiário tem ainda direito a refeição ou subsídio de alimentação e seguro de acidentes pessoais. O pagamento dos apoios referidos é da responsabilidade da entidade promotora. Q7 Em que consiste a ajuda prestada à entidade promotora? R7 A ajuda à entidade promotora assume a forma de uma comparticipação financeira pelo IEFP no custo com as bolsas mensais a 100%, na alimentação e no prémio de seguro de acidentes pessoais. Q8 Qual é o procedimento aplicável? R8 A entidade promotora deve apresentar a sua candidatura no portal electrónico do IEFP cabendo o IEFP decidir no prazo de 30 dias úteis, excepto se ocorrer suspensão para solicitação de elementos adicionais. 9/13

10 IV. PROGRAMA INVESTE JOVEM Q1 O que visa? R1 A criação de novas empresas, através do apoio financeiro e técnico à criação do próprio emprego e micronegócios, com recurso a projectos levados a cabo por jovens desempregados, inscritos no IEFP, com idade inferior a 30 anos. Q2 Quem são os seus destinatários? R2 Os jovens que se encontrem inscritos como desempregados no IEFP, com idade igual ou superior a 18 anos e inferior a 30 anos e que possuam uma ideia de negócio viável e formação adequada para o desenvolvimento do negócio. Q3 Quais são os requisitos que as novas empresas devem respeitar? R3 As novas empresas não podem ter iniciado a actividade à data da entrega do pedido de financiamento. Desde a data da contratualização dos apoios e até à extinção das obrigações associadas à execução do projecto, as novas empresas devem respeitar os requisitos relativos ao seu regular funcionamento e ao cumprimento pontual das suas obrigações. Q4 Quais são os requisitos que o projecto apresentado deve ter? R4 Os projectos de criação de empresas devem respeitar os seguintes requisitos: A descrição das actividades a desenvolver por cada um dos destinatários da Medida; Apresentar um investimento total entre 2,5 e 100 vezes o IAS ( 419,22); Apresentar viabilidade económico-financeira; Não incluir, no investimento a realizar, a compra de capital social de empresa existente; Garantir a manutenção da actividade da empresa e assegurar a criação do posto de trabalho a tempo inteiro dos destinatários promotores, durante um período nunca inferior a três anos; Podem participar no capital social outras pessoas, desde que 51% do capital social seja detido pelos destinatários promotores. Num prazo de 6 meses, a realização do investimento e a criação dos postos de trabalho dos promotores associados ao projecto devem estar concluídas. Durante este período, o projecto de criação de novas empresas não pode envolver a criação de mais de 10 postos de trabalho, incluindo os dos promotores. 10/13

11 IV. PROGRAMA INVESTE JOVEM (continuação) Q5 Quais são as medidas de promoção ou empreendedorismo previstas no âmbito do PROGRAMA? R5 Apoio financeiro ao investimento; Apoio financeiro à criação do próprio emprego dos promotores; Apoio técnico na área do empreendedorismo para reforço de competências e para a estruturação do projecto, bem como à consolidação do mesmo. Note-se que os apoios financeiros não podem, no seu conjunto, ultrapassar o valor do investimento total. Q5 Como se formaliza a relação entre a entidade promotora e os estagiários? R5 Antes do início da actividade, é celebrado um contrato escrito de integração entre a entidade promotora e o destinatário da MEDIDA. Durante o projecto é aplicável aos estagiários o regime da duração e horário de trabalho, descansos diário e semanal, feriados, faltas, segurança e saúde no trabalho aplicável à generalidade dos trabalhadores da entidade promotora, sem prejuízo das disposições especiais previstas na Portaria 150/2014, de 30 de Julho. O contrato cessa por caducidade finda a duração do projecto de actividade. Q6 Em que consiste o apoio financeiro ao investimento concedido? R6 O apoio financeiro é atribuído sob a forma de empréstimo sem juros, até 75% do investimento total elegível (entre 2,5 e 100 vezes o IAS). O empréstimo é amortizável no prazo máximo de 54 meses, nas seguintes condições, determinadas de acordo com o valor do investimento total aprovado: Os estagiários do perfil (a) recebem o montante correspondente a 70 % do IAS; Os estagiários do perfil (b) recebem o montante correspondente a 1,3 IAS. Valor do investimento total aprovado Entre 2,5 e 10 vezes o IAS, inclusive Superior a 10 e inferior ou igual a 50 vezes o IAS Superior a 50 vezes o valor do IAS Período de diferimento (a contar da data da contratualização do apoio) Prazo de reembolso (imediatamente subsequente ao término do período de diferimento) 6 meses 18 meses 12 meses 36 meses 12 meses 48 meses 11/13

12 IV. PROGRAMA INVESTE JOVEM (continuação) O reembolso do apoio concedido é efectuado através de prestações mensais, constantes e sucessivas, salvo amortização antecipada do empréstimo. O destinatário promotor, em momento prévio à contratualização do apoio, pode optar por converter o período de diferimento em período de reembolso. Q7 Em que consiste o apoio financeiro à criação do próprio emprego dos promotores? R7 Consiste num subsídio não reembolsável, até ao montante de 6 vezes o IAS por destinatário promotor que crie o seu posto de trabalho a tempo inteiro, até ao limite de quatro postos de trabalho objecto de apoio. Q8 Como se processa o pagamento do apoio ao investimento? R8 80% do montante total do apoio aprovado a título de adiantamento é pago com a respectiva contratualização; 20% do montante total após a verificação física, documental e contabilística da totalidade das despesas de investimento, é pago no prazo de 30 dias a contar da data da entrega dos elementos necessários para o efeito; O pagamento do apoio financeiro à criação do próprio emprego é efectuado de uma só vez no momento em que é pago o adiantamento do apoio ao investimento. Q9 Quais as despesas que não são consideradas elegíveis? R9 No projecto de criação de empresas, não são consideradas elegíveis as seguintes despesas: Aquisição de imóveis; Construção de edifícios; Cuja relevância para a realização do projecto não seja fundamentada. O apoio financeiro ao investimento só pode financiar o fundo de maneio indexado ao projecto até 50% do investimento elegível, no limite de 5 vezes o IAS. As despesas de investimento são calculadas a preços correntes, deduzindo-se o IVA, sempre que a empresa seja sujeito passivo do mesmo e possa proceder à respectiva dedução. Q10 Podem alguns apoios ser cumulados com o PROGRAMA? R10 Estes apoios não podem ser cumulados com quaisquer outros que revistam a mesma natureza e finalidade. 12/13

13 IV. PROGRAMA INVESTE JOVEM (continuação) Q10 Podem alguns apoios ser cumulados com o PROGRAMA? R10 (continuação) O regime do PROGRAMA apenas é cumulável com: O recurso ao montante global das prestações de desemprego nos termos dos artigos 34.º e 34.º-A do Regime Jurídico de Protecção no Desemprego (Decreto-Lei 220/2006, de 03 de Novembro); Apoios de natureza fiscal. Com excepção dos postos de trabalho preenchidos pelos promotores objecto do apoio à criação do próprio emprego, os demais postos de trabalho podem ser objecto de concessão com recurso aos apoios à contratação em vigor. Q11 Qual é o procedimento aplicável? R11 A entidade promotora deve apresentar a sua candidatura no IEFP, em condições a definir em regulamentação específica. As candidaturas apresentadas terão de ser objecto de decisão no prazo máximo de 60 dias, prazo este que, porém, se suspende sempre que haja lugar à solicitação e entrega de elementos instrutórios adicionais. Embora caiba ao IEFP proceder à instrução e à decisão sobre a candidatura, a análise relativa à viabilidade económico-financeira dos projectos é assegurada por instituições de ensino superior, a definir por via de protocolos de colaboração e regulamentação específica. A concessão dos incentivos financeiros depende da celebração de um contrato entre os destinatários promotores e o IEFP, no prazo de 30 dias após a aprovação. 13/13 Esta Analysis contém informação e opiniões de carácter geral, não substituindo o recurso a aconselhamento jurídico para a resolução de casos concretos. Para mais informações, por favor contacte-nos através do ABREU ADVOGADOS AGOSTO MARÇO Lisboa Porto Funchal LISBOA PORTO MADEIRA Av. das Forças Armadas, º Lisboa, Portugal Tel.: (+351) Fax.: (+351) Rua S. João de Brito, 605 E - 4º Porto Tel.: (+351) Fax.: (+351) Rua Dr. Brito da Câmara, Funchal Tel.: (+351) Fax.: (+351) ANGOLA (EM PARCERIA) BRASIL (EM PARCERIA) (EM PARCERIA) CABO VERDE (EM PARCERIA) CHINA (EM PARCERIA) CHINA (EM PARCERIA) MOÇAMBIQUE (EM PARCERIA) TIMOR-LESTE (EM (JOINT PARCERIA) OFFICE)

Medidas Ativas de Emprego. Leiria 19.09.2014

Medidas Ativas de Emprego. Leiria 19.09.2014 Medidas Ativas de Emprego Leiria 19.09.2014 Formação em TÉCNICAS DE PROCURA DE EMPREGO Formação VIDA ATIVA GARANTIA JOVEM MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO: Apoios à contratação Estágios Emprego Emprego Jovem

Leia mais

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO. 23 de outubro de 2014

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO. 23 de outubro de 2014 MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO 23 de outubro de 2014 APOIOS À CONTRATAÇÃO ESTÍMULO EMPREGO Caracterização Apoio financeiro às entidades empregadoras que celebrem contratos de trabalho com desempregados inscritos

Leia mais

Centro de Emprego da Maia. Estágios Emprego. Reativar. Emprego Jovem Ativo. Estímulo Emprego. Mobilidade Geográfica. Empreendedorismo.

Centro de Emprego da Maia. Estágios Emprego. Reativar. Emprego Jovem Ativo. Estímulo Emprego. Mobilidade Geográfica. Empreendedorismo. Centro de Emprego da Maia Estágios Emprego Reativar Emprego Jovem Ativo Estímulo Emprego Mobilidade Geográfica Empreendedorismo Adolfo Sousa maiago, 14 maio 2015 Taxa de Desemprego em Portugal - INE 0

Leia mais

FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada

FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada Designação Estágios Emprego Considera-se estágio o desenvolvimento de uma experiência prática em contexto de trabalho com o objetivo

Leia mais

Estímulo Emprego. Promotores

Estímulo Emprego. Promotores Estímulo Emprego Apoio financeiro aos empregadores que celebrem contratos de trabalho a termo certo por prazo igual ou superior a 6 meses ou contratos de trabalho sem termo, a tempo completo ou a tempo

Leia mais

NOTA INFORMATIVA: PORTARIAS 84, 85 E 86/2015 DE 20 DE MARÇO PORTARIA N.º 84/2015, DE 20 DE MARÇO

NOTA INFORMATIVA: PORTARIAS 84, 85 E 86/2015 DE 20 DE MARÇO PORTARIA N.º 84/2015, DE 20 DE MARÇO 9 de Abril 2015 Direito do Trabalho PORTARIA N.º 84/2015, DE 20 DE MARÇO Esta Portaria, publicada em 20 de Março passado, vem criar e regulamentar a Medida de Promoção de Igualdade de Género no Mercado

Leia mais

Medidas de Apoio à Contratação. Medida Estágio Emprego

Medidas de Apoio à Contratação. Medida Estágio Emprego COELHO RIBEIRO E ASSOCIADOS SOCIEDADE CIVIL DE ADVOGADOS Medidas de Apoio à Contratação CRA Coelho Ribeiro e Associados, SCARL Ana Henriques Moreira Portugal Agosto 2014 Entre 24 e 30 de Julho do corrente

Leia mais

EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Artigo 1.º Objeto

EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Artigo 1.º Objeto DATA: Quarta-feira, 30 de julho de 2014 NÚMERO: 145 SÉRIE I EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social DIPLOMA: Portaria n.º 151/2014 SUMÁRIO: Cria o Programa Investe Jovem Artigo

Leia mais

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto Diploma: Portaria n.º 204-B/2013, de 18 de junho Sumário: Cria a medida Estágios Emprego Alterações: Portaria n.º 375/2013, de 27 de dezembro, altera o artigo 3.º e as alíneas a), b) e c) do n.º 1 do artigo

Leia mais

07 de Fevereiro 2013 Direito do Trabalho

07 de Fevereiro 2013 Direito do Trabalho 07 de Fevereiro 2013 Direito do Trabalho Estágios Profissionais A matéria relativa aos estágios profissionais encontra-se regulada pelo Decreto-Lei n.º 66/2011, de 1 de Junho («Estágios Profissionais»)

Leia mais

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO E À FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Faro, 3 de julho de 2015

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO E À FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Faro, 3 de julho de 2015 MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO E À FORMAÇÃO PROFISSIONAL Faro, 3 de julho de 2015 AGENDA 1 - Mercado de emprego 2 - Medidas Ativas de Emprego 3 Formação Profissional 1 - MERCADO DE EMPREGO MERCADO DE EMPREGO

Leia mais

Medidas Ativas de Emprego. Fevereiro 2014

Medidas Ativas de Emprego. Fevereiro 2014 Medidas Ativas de Emprego Fevereiro 2014 Medidas ativas de emprego Medidas 1. Estágios Emprego 2. Estímulo 2013 3. Apoio à Contratação Via Reembolso da TSU Estágios Emprego Portaria n.º 204-B/2013, de

Leia mais

Programa Investe Jovem. Apoio à Criação do Próprio Emprego

Programa Investe Jovem. Apoio à Criação do Próprio Emprego Programa Investe Jovem Apoio à Criação do Próprio Emprego Portal dos Incentivos Jan 2015 Índice 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Objeto... 2 1.2 Objetivo... 2 1.3 Destinatários do Apoio... 2 1.4 Requisitos

Leia mais

Medidas Ativas de Emprego: Estágios e Incentivos à Contratação

Medidas Ativas de Emprego: Estágios e Incentivos à Contratação Medidas Ativas de Emprego: Estágios e Incentivos à Contratação FEIRA DO EMPREENDEDOR 22-11-2012 Medidas Ativas de Emprego: Estágios e Apoios à Contratação Programa Estágios Port.92 Medida Estímulo 2012

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho O Governo considera prioritário a continuação da adoção de medidas ativas de emprego que incentivem a contratação

Leia mais

I.Estágios/Passaporte Emprego Portaria n.º 225-A/2012, de 31 de julho.

I.Estágios/Passaporte Emprego Portaria n.º 225-A/2012, de 31 de julho. A Resolução do Conselho de Ministros n.º 51-A/2012, de 14 de junho, veio criar o Plano Estratégico de Iniciativas de Promoção de Empregabilidade Jovem e Apoio às PME s («Impulso Jovem»), que assenta em

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027. Portaria n.º 151/2014

Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027. Portaria n.º 151/2014 Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027 Portaria n.º 151/2014 de 30 de julho O Governo tem vindo a desenvolver uma estratégia nacional de combate ao desemprego jovem assente numa

Leia mais

Incentivos à contratação 2013

Incentivos à contratação 2013 Incentivos à contratação 2013 Conheça os principais apoios à contratação em vigor em 2013 Os incentivos de que as empresas podem usufruir quando contratam novos trabalhadores podem consistir em apoios

Leia mais

Albufeira, 24 de Maio de 2012

Albufeira, 24 de Maio de 2012 Albufeira, 24 de Maio de 2012 Estímulo 2012 A medida ativa de emprego Estímulo 2012, aprovada pela Portaria nº 45/2012, tem por objetivo: Apoiar a contratação de desempregados; Promovendo e aumentando

Leia mais

Medidas Ativas de Emprego. Junho 2014

Medidas Ativas de Emprego. Junho 2014 Medidas Ativas de Emprego Junho 2014 Intervenção do SPE A intervenção prioritária deve ser o ajustamento entre quem procura e quem oferece emprego. Quem procura o SPE quer acima de tudo um emprego. Quando

Leia mais

Faro, 2 de agosto de 2012

Faro, 2 de agosto de 2012 Faro, 2 de agosto de 2012 Estímulo 2012 A medida ativa de emprego Estímulo 2012, aprovada pela Portaria nº 45/2012, tem por objetivo: Apoiar a contratação de desempregados; Promovendo e aumentando a sua

Leia mais

Portaria n.º 149-A/2014, de 24 de Julho

Portaria n.º 149-A/2014, de 24 de Julho Portaria n.º 149-A/2014, de 24 de Julho A presente Portaria procede à criação da Medida Estímulo Emprego, no âmbito da continuação de adopção pelo Governo de medidas activas de emprego, estabelecendo-se

Leia mais

INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO

INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO DOSSIER INFORMATIVO 4 INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO EMPRESAS 2015 ÍNDICE 1 - Medida Estágio Emprego...4 2 - Medida Estímulo Emprego...10 3 - Medida REATIVAR...16 4 - Dispensa de pagamento de contribuições

Leia mais

QUADRO RESUMO INCENTIVOS Á CRIAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHO

QUADRO RESUMO INCENTIVOS Á CRIAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHO Medida Contratação via Reembolso TSU Portaria nº 204-A/2013 de 18 de Junho Estágio Emprego Portaria nº 204-B/2013 de 18 de Junho Jovens idades 18-30 anos Adultos idade = ou > 45 anos Adultos idades 31

Leia mais

MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO APOIOS E INCENTIVOS. Medidas de Emprego. Sabugal, 9 de Abril de 2013 13-04-2013. Contrato Emprego Inserção + (CEI+);

MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO APOIOS E INCENTIVOS. Medidas de Emprego. Sabugal, 9 de Abril de 2013 13-04-2013. Contrato Emprego Inserção + (CEI+); MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO APOIOS E INCENTIVOS Sabugal, 9 de Abril de 2013 Medidas de Emprego Contrato Emprego Inserção (CEI); Contrato Emprego Inserção + (CEI+); CEI Património; Medida Estímulo 2013; Estágios

Leia mais

Volta de Apoio ao Emprego 2014

Volta de Apoio ao Emprego 2014 Volta de Apoio ao Emprego 2014 Apoios ao Empreendedorismo 1. Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) 2. Programa Investe Jovem 3.O Ninho de Empresas de Loulé 2014-10-23

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL 3954-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 141 24 de julho de 2014 MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho O Governo considera prioritário a continuação

Leia mais

TAX & BUSINESS M E D I D A S D E E S T Í M U L O A O E M P R E G O ( A C T U A L I Z A Ç Ã O ) N º 1 7 / 1 5 INTRODUÇÃO

TAX & BUSINESS M E D I D A S D E E S T Í M U L O A O E M P R E G O ( A C T U A L I Z A Ç Ã O ) N º 1 7 / 1 5 INTRODUÇÃO i N º 1 7 / 1 5 M E D I D A S D E E S T Í M U L O A O E M P R E G O ( A C T U A L I Z A Ç Ã O ) INTRODUÇÃO Nos últimos anos e com o intuito de contrariar os efeitos da recessão económica no emprego, o

Leia mais

www.pwc.pt/tax FCT e FGCT Aspetos contabilísticos Carla Massa Aspetos fiscais Rodrigo Rabeca

www.pwc.pt/tax FCT e FGCT Aspetos contabilísticos Carla Massa Aspetos fiscais Rodrigo Rabeca www.pwc.pt/tax Aspetos contabilísticos Carla Massa Aspetos fiscais Rodrigo Rabeca Enquadramento da Lei nº. 70/2013 no âmbito da IAS 19 / NCRF 28 Remunerações no âmbito da IAS 19 / NCRF 28 Benefícios aos

Leia mais

MEDIDAS DE APOIO À CONTRATAÇÃO

MEDIDAS DE APOIO À CONTRATAÇÃO Medida Estímulo 2013 CONTACTOS: Porto Gold Finance, Lda. Tel/Fax: 22 986 24 00 e-mail: comercial@pgf.pt MEDIDAS DE APOIO À CONTRATAÇÃO Se pretende dinamizar o seu negócio não perca esta oportunidade. Sem

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-B/2014 de 24 de Julho

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-B/2014 de 24 de Julho MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 149-B/2014 de 24 de Julho Na Recomendação aos Estados-Membros relativa a um Quadro de Qualidade para os Estágios (Recomendação 2014/C

Leia mais

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009)

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) LEGISLAÇÃO Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) ( DR N.º 21, Série I 30 Janeiro 2009 30 Janeiro 2009 ) Emissor: Ministério do Trabalho

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Quinta-feira, 24 de julho de 2014 Número 141

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Quinta-feira, 24 de julho de 2014 Número 141 I SÉRIE Quinta-feira, 24 de julho de 2014 Número 141 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social Portaria n.º 149-A/2014: Cria a Medida Estímulo Emprego...........................................

Leia mais

( DR N.º 172, Série I 4 Setembro 2009 4 Setembro 2009 )

( DR N.º 172, Série I 4 Setembro 2009 4 Setembro 2009 ) LEGISLAÇÃO Portaria n.º 985/2009, de 4 de Setembro, Aprova a criação do Programa de Apoio ao Empreendimento e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE), a promover e executar pelo Instituto do Emprego e Formação

Leia mais

APOIOS AO EMPREGO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO

APOIOS AO EMPREGO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO APOIOS AO EMPREGO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO APOIOS AO EMPREGO E À CONTRATAÇÃO Portaria n.º130/2009, de 30 de Janeiro PROGRAMA DE ESTÍMULO À OFERTA DE EMPREGO INICIATIVAS LOCAIS DE EMPREGO Portaria

Leia mais

Incentivos à contratação

Incentivos à contratação Incentivos à contratação A empresa poderá beneficiar de incentivos quando pretende contratar novos trabalhadores. Os incentivos de que as empresas podem usufruir quando contratam novos trabalhadores podem

Leia mais

O PROGRAMA QUALIFICAÇÃO EMPREGO (Portaria Nº 126/2009, de 30 de Janeiro)

O PROGRAMA QUALIFICAÇÃO EMPREGO (Portaria Nº 126/2009, de 30 de Janeiro) 17/02/2009 LABORAL FLASH N.º 2/2009 O PROGRAMA QUALIFICAÇÃO EMPREGO (Portaria Nº 126/2009, de 30 de Janeiro) A Portaria nº 126/2009, de 30 de Janeiro cria o Programa Qualificação Emprego (adiante só Programa)

Leia mais

Aspetos legislativos, no domínio sócio-laboral

Aspetos legislativos, no domínio sócio-laboral Aspetos legislativos, no domínio sócio-laboral Lei n.º 53/2011, de 14 de outubro, que procede à segunda alteração ao Código do Trabalho, aprovado em anexo à Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro, estabelecendo

Leia mais

PROGRAMA IMPULSO JOVEM

PROGRAMA IMPULSO JOVEM PROGRAMA IMPULSO JOVEM (O PROGRAMA IMPULSO JOVEM APRESENTA UM CONJUNTO DE MEDIDAS DE INCENTIVO À CRIAÇÃO DE EMPREGO JOVEM, UM DOS PRINCIPAIS DESAFIOS COM QUE PORTUGAL SE CONFRONTA ATUALMENTE.) 1. PASSAPORTE

Leia mais

Medidas Ativas de Emprego

Medidas Ativas de Emprego Medidas Ativas de Emprego Estímulo 2013 e Apoio à Contratação Via Reembolso da Taxa Social Única(RTSU) JULHO 2014 A prioridade é o ajustamento entre quem procura e quem oferece emprego. Quem procura o

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 3962-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 147 31 de julho de 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Portaria n.º 225-A/2012 de 31 de julho As importantes reformas que estão a ser implementadas na economia

Leia mais

Guia de Medidas de Apoio à Contratação

Guia de Medidas de Apoio à Contratação -*89 Guia de Medidas de Apoio à Contratação Incentivos financeiros e parafiscais de apoio à contratação Enquadramento A Frederico Mendes & Associados disponibiliza uma nova versão do seu Guia de Medidas

Leia mais

MEDIDAS E PROGRAMAS DE EMPREGO. SESSÃO ABERTA CLAS De Viseu 20/04/2011

MEDIDAS E PROGRAMAS DE EMPREGO. SESSÃO ABERTA CLAS De Viseu 20/04/2011 MEDIDAS E PROGRAMAS DE EMPREGO SESSÃO ABERTA CLAS De Viseu 20/04/2011 1 CONTRATO EMPREGO INSERÇÃO E CONTRATO EMPREGO INSERÇÃO + 2 Contrato Emprego Inserção OBJECTIVO: Promover a empregabilidade dos desempregados

Leia mais

Guia de Medidas de Apoio à Contratação

Guia de Medidas de Apoio à Contratação Guia de Medidas de Apoio à Contratação Incentivos financeiros e parafiscais de apoio à contratação Conteúdo do Guia Enquadramento Estágios Emprego Apoio à Contratação Via Reembolso da TSU Apoio à Contratação

Leia mais

WORKSHOP :EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO

WORKSHOP :EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO WORKSHOP :EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO Entidade: Centro de Emprego de Loulé Tema: Apoios à Criação do Próprio Emprego e de Empresas 1. O Plano de Negócios 2. Apoios à Criação do Próprio

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

IEFP, I.P. Apoios e Serviços Prestados Programa de Estágios Profissionais PAULA AGOSTINHO (Centro de Emprego de Montemor-o-Novo do IEFP, IP)

IEFP, I.P. Apoios e Serviços Prestados Programa de Estágios Profissionais PAULA AGOSTINHO (Centro de Emprego de Montemor-o-Novo do IEFP, IP) IEFP, I.P. Apoios e Serviços Prestados Programa de Estágios Profissionais PAULA AGOSTINHO (Centro de Emprego de Montemor-o-Novo do IEFP, IP) Montemor, 27 de janeiro de 2012 1. QUEM SOMOS O IEFP - MISSÃO

Leia mais

EMPREGO JOVEM: AS POLÍTICAS. Alexandre Oliveira - IEFP

EMPREGO JOVEM: AS POLÍTICAS. Alexandre Oliveira - IEFP EMPREGO JOVEM: AS POLÍTICAS Alexandre Oliveira - IEFP Objetivos da sessão Identificar intervenções do IEFP no âmbito das políticas ativas de emprego para jovens: Estágios Profissionais; Medida Estímulo

Leia mais

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 14 de outubro de 2015. Série. Número 158

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 14 de outubro de 2015. Série. Número 158 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 14 de outubro de 2015 Série 2.º Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS Portaria n.º 191/2015 Regulamenta o Programa

Leia mais

QUADRO ANEXO. Delimitação da Reserva Ecológica Nacional do concelho de Palmela. Proposta de inclusão

QUADRO ANEXO. Delimitação da Reserva Ecológica Nacional do concelho de Palmela. Proposta de inclusão Diário da República, 1.ª série N.º 41 28 de Fevereiro de 2011 1217 Considerando o disposto no n.º 2 do artigo 41.º do Decreto -Lei n.º 166/2008, de 22 de Agosto, e no exercício das competências delegadas

Leia mais

REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO

REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO INDICE 1. OBJETIVO 2. DESTINATÁRIOS 3. REQUISITOS GERAIS DE ACESSO À TIPOLOGIA MICROINVEST 4. MODELO ESPECÍFICO DE APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO

Leia mais

INICIATIVA EMPREGO 2009

INICIATIVA EMPREGO 2009 INICIATIVA EMPREGO 2009 APOIO AO EMPREGO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Redução de 3% da taxa contributiva, a cargo do empregador, relativaaos trabalhadores com 45 ou mais anos : Micro e pequenas empresas

Leia mais

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Entidade: Centro de Emprego de Loulé Tema: Apoios à de Empresas e Criação do Próprio Emprego IEFP,I.P. 1. O Plano de Negócios 2. Apoios à Criação do Próprio Emprego ou

Leia mais

10 de Setembro 2013 Contencioso de Cobrança

10 de Setembro 2013 Contencioso de Cobrança DAS OPERAÇÕES DE CRÉDITOS, JUROS REMUNERATÓRIOS, CAPITALIZAÇÃO DE JUROS E MORA DO DEVEDOR O Decreto-Lei n.º 58/2013, de 8 de Maio estabelece as novas normas aplicáveis à classificação e contagem dos prazos

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 23 de Fevereiro de 2009. Série. Número 16

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 23 de Fevereiro de 2009. Série. Número 16 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 23 de Fevereiro de 2009 Série Sumário SECRETARIAREGIONAL DOS RECURSOS HUMANOS Portaria n.º 16/2009 Regulamenta o programa de incentivos à contratação,

Leia mais

3 AGOSTO, 2012 Área de Prática de Direito Público & Ambiente

3 AGOSTO, 2012 Área de Prática de Direito Público & Ambiente SÉTIMA ALTERAÇÃO AO CÓDIGO DOS CONTRATOS PÚBLICOS No passado dia 12 de Julho de 2012 foi publicado o Decreto-Lei n.º 149/2012, que altera o Código dos Contratos Públicos ( CCP ), ajustando-o ao disposto

Leia mais

I N C E N T I V O S À C O N T R A T A Ç Ã O Page 1. Incentivos à CONTRATAÇÃO

I N C E N T I V O S À C O N T R A T A Ç Ã O Page 1. Incentivos à CONTRATAÇÃO I N C E N T I V O S À C O N T R A T A Ç Ã O Page 1 Incentivos à CONTRATAÇÃO Abril 2015 I N C E N T I V O S À C O N T R A T A Ç Ã O Pag. 2 ÍNDICE 1. Introdução... 4 1.1. Enquadramento... 4 1.2. Objetivos

Leia mais

PROPOSTA DE CONSULTADORIA MAIS BENEFÍCIOS

PROPOSTA DE CONSULTADORIA MAIS BENEFÍCIOS SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE ALBUFEIRA 2014 PROPOSTA DE CONSULTADORIA MAIS BENEFÍCIOS Uma consultadoria eficaz e rentável vocacionada para fornecer às empresas serviços integrais de formação e recrutamento.

Leia mais

NOVO PROGRAMA DE ESTÍMULO À CRIAÇÃO DE EMPREGO

NOVO PROGRAMA DE ESTÍMULO À CRIAÇÃO DE EMPREGO NOVO PROGRAMA DE ESTÍMULO À CRIAÇÃO DE EMPREGO Introdução O novo programa de apoio à criação de emprego, denominado Medida Estímulo Emprego e aprovado pela Portaria 149-A/2014 de 24.7, surge em substituição

Leia mais

REGULAMENTO DE INCENTIVO À CRIAÇÃO DE EMPREGO Iniciativa Emprego Já

REGULAMENTO DE INCENTIVO À CRIAÇÃO DE EMPREGO Iniciativa Emprego Já REGULAMENTO DE INCENTIVO À CRIAÇÃO DE EMPREGO Iniciativa Emprego Já Nota Justificativa O combate ao flagelo do desemprego é uma das preocupações que deve nortear a gestão municipal, uma vez que é na criação

Leia mais

JORNAL OFICIAL I SÉRIE NÚMERO 60 QUARTA-FEIRA, 21 DE MAIO DE 2014

JORNAL OFICIAL I SÉRIE NÚMERO 60 QUARTA-FEIRA, 21 DE MAIO DE 2014 I SÉRIE NÚMERO 60 QUARTA-FEIRA, 21 DE MAIO DE 2014 ÍNDICE: PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução n.º 89/2014: Cria um prémio destinado à integração de ativos no setor primário, designado por AGRICULTURA +.

Leia mais

Legislação. Resumo: Cria o Programa Empreende Já - Rede de Perceção e Gestão de Negócios e revoga a Portaria n.º 427/2012, de 31 de dezembro..

Legislação. Resumo: Cria o Programa Empreende Já - Rede de Perceção e Gestão de Negócios e revoga a Portaria n.º 427/2012, de 31 de dezembro.. Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Portaria n.º 308/2015, de 25 de setembro Estado: vigente Resumo:

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Diário da República, 1.ª série N.º 20 28 de Janeiro de 2011 595 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Portaria n.º 57/2011 de 28 de Janeiro Nos termos do Decreto -Lei n.º 12/2004, de

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social 2012 3ª Edição Actualização nº 1 CÓDIGO DOS REGIMES CONTRIBUTIVOS DO SISTEMA PREVIDENCIAL DE SEGURANÇA SOCIAL Actualização nº

Leia mais

Atualidade Laboral. As novas Políticas Ativas do Mercado de Trabalho

Atualidade Laboral. As novas Políticas Ativas do Mercado de Trabalho Atualidade Laboral As novas Políticas Ativas do Mercado de Trabalho David Carvalho Martins Advogado da Gómez-Acebo & Pombo As Políticas Ativas do Mercado de Trabalho (PAMT s) visam promover o regresso

Leia mais

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO FISCAL N.º 1/2009 JAN/FEV 2009 INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO Nuno Sampayo Ribeiro No Conselho de Ministros de 13 de Dezembro de 2008 foi aprovado um reforço do investimento público. O qual será

Leia mais

SOLARH. Legislação aplicável: Definição e Objectivos:

SOLARH. Legislação aplicável: Definição e Objectivos: Legislação aplicável: Decreto-Lei n.o 39/2001 revoga o Decreto-Lei nº 7/99, de 8 de Janeiro. SOLARH Definição e Objectivos: O Apoio Financeiro Especial para Obras em Habitação Permanente (SOLARH), visa

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional REGULAMENTO INTERNO Atribuição de Formação Profissional Elaborado em Junho de 2012 Introdução A Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (A.P.P.A.C.D.M.) de Coimbra é uma Instituição

Leia mais

Captação de Grandes Congressos Internacionais. Regulamento

Captação de Grandes Congressos Internacionais. Regulamento Captação de Grandes Congressos Internacionais Regulamento Artigo 1º Objecto 1. O presente regulamento tem por objecto a definição dos termos de concessão de apoio a projectos de captação de grandes Congressos

Leia mais

Regulamento de Apoio Financeiro à Edição de Obras de Novos Autores Portugueses. Despacho Normativo n.º 9-C/2003 de 3 de Fevereiro de 2003

Regulamento de Apoio Financeiro à Edição de Obras de Novos Autores Portugueses. Despacho Normativo n.º 9-C/2003 de 3 de Fevereiro de 2003 Regulamento de Apoio Financeiro à Edição de Obras de Novos Autores Portugueses Despacho Normativo n.º 9-C/2003 de 3 de Fevereiro de 2003 Na prossecução das suas atribuições cabe ao Instituto Português

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 104/2015 de 15 de Julho de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 104/2015 de 15 de Julho de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 104/2015 de 15 de Julho de 2015 Considerando que um dos objetivos do Programa do XI Governo Regional assenta no fomento de medidas de apoio ao

Leia mais

Pessoas abrangidas pelo Seguro Social Voluntário. 1. Quem é abrangido pelo Regime do Seguro Social Voluntário

Pessoas abrangidas pelo Seguro Social Voluntário. 1. Quem é abrangido pelo Regime do Seguro Social Voluntário Pessoas abrangidas pelo Seguro Social Voluntário 1. Quem é abrangido pelo Regime do Seguro Social Voluntário Cidadãos nacionais, e cidadãos estrangeiros ou apátridas residentes em Portugal há mais de um

Leia mais

652 Diário da República, 1.ª série N.º 21 30 de Janeiro de 2009

652 Diário da República, 1.ª série N.º 21 30 de Janeiro de 2009 652 Diário da República, 1.ª série N.º 21 30 de Janeiro de 2009 Profissional, I. P., ou de outras entidades com competências para o efeito. Artigo 18.º Frequência de segundo estágio Os desempregados que

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO. Tendo em conta os princípios constantes do Programa do XVII Governo Constitucional

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO. Tendo em conta os princípios constantes do Programa do XVII Governo Constitucional AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO Tendo em conta os princípios constantes do Programa do XVII Governo Constitucional em matéria de política de saúde, foi definido, pelo Decreto Lei n.º

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. Diário da República, 1.ª série N.º 172 4 de Setembro de 2009 5991. Artigo 16.º. Artigo 20.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. Diário da República, 1.ª série N.º 172 4 de Setembro de 2009 5991. Artigo 16.º. Artigo 20. Diário da República, 1.ª série N.º 172 4 de Setembro de 2009 5991 Artigo 16.º Taxa de exploração 1 A taxa de exploração é devida pelo exercício de quaisquer actividades relativamente às quais não haja

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º- Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica -se à medida INOV-Art -

Leia mais

Programa de Estímulo à Oferta de Emprego

Programa de Estímulo à Oferta de Emprego Programa de Estímulo à Oferta de Emprego Objectivo: Visa garantir um desenvolvimento das economias locais mais coerente e eficaz das medidas de apoio à criação de emprego Modalidades: Apoios à contratação;

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO Tendo em conta os princípios constantes do Programa do XVII Governo Constitucional em matéria de política de saúde, foi definido, pelo Decreto Lei n.º

Leia mais

Portaria 1191/2003, de 10 de Outubro

Portaria 1191/2003, de 10 de Outubro Portaria 1191/2003, de 10 de Outubro Regula a concessão de apoios a projectos que dêm lugar à criação de novas entidades que originam a criação liquida de postos de trabalho Na apresentação do respectivo

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 O Programa Estagiar, nas suas vertentes L, T e U, dirigido a recém-licenciados e mestres, recém-formados

Leia mais

Sessão de esclarecimento ACIB. Barcelos, 28 de março de 2012

Sessão de esclarecimento ACIB. Barcelos, 28 de março de 2012 Sessão de esclarecimento ACIB Barcelos, 28 de março de 2012 O IEFP, I.P. É UM SERVIÇO PÚBLICO DE EMPREGO COM ATENDIMENTO PERSONALIZADO E GRATUITO QUE PODE APRESENTAR SOLUÇÕES PARA A SUA EMPRESA FACULTA

Leia mais

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO SOBRE MEDIDAS DE APOIO

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO SOBRE MEDIDAS DE APOIO SESSÃO DE APRESENTAÇÃO SOBRE MEDIDAS DE APOIO CENTRO DE EMPREGO DE MONTEMOR-O-NOVO 26 de julho de 2012 APRESENTADO POR : PAULA AGOSTINHO MEDIDAS DE APOIO MISSÃO O Instituto do Emprego e Formação Profissional,

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS Portaria n.º 985/2009, de 4 de setembro, alterada pela Portaria n.º

Leia mais

CHEQUE - FORMAÇÃO. Criar valor

CHEQUE - FORMAÇÃO. Criar valor CHEQUE - FORMAÇÃO Criar valor Legislação Enquadradora A medida Cheque-Formação, criada pela Portaria n.º 229/2015, de 3 de agosto, constitui uma modalidade de financiamento direto da formação a atribuir

Leia mais

WORHSHOP A Mulher, a Ciência e o empreendedorismo 22-02-2013

WORHSHOP A Mulher, a Ciência e o empreendedorismo 22-02-2013 WORHSHOP A Mulher, a Ciência e o empreendedorismo 22-02-2013 Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) Serviço de Emprego da Covilhã 1 Programa de Apoio ao Empreendedorismo

Leia mais

Guia de Medidas de Apoio à Contratação

Guia de Medidas de Apoio à Contratação -*89 Guia de Medidas de Apoio à Contratação Incentivos financeiros e parafiscais de apoio à contratação Enquadramento A Frederico Mendes & Associados disponibiliza mais uma versão do seu Guia de Medidas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 137/2015 de 15 de Setembro de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 137/2015 de 15 de Setembro de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 137/2015 de 15 de Setembro de 2015 Considerando que um dos objetivos do Programa do XI Governo Regional assenta na criação de medidas de incentivo

Leia mais

APOIOS AO EMPREGO. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada

APOIOS AO EMPREGO. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada APOIOS AO EMPREGO Açores Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada Índice EMPREGO INTEGRA... 2 PROGRAMA DE INCENTIVO À INSERÇÃO DO ESTAGIAR L E T... 4 ESTAGIAR... 6 PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE RECONVERSÃO

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO O PAECPE concede apoio à criação de empresas e à criação do próprio emprego. Contempla as seguintes medidas: 1) Apoios à Criação de

Leia mais

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte

Leia mais

REGULAMENTO. MEDIDAS - Contrato Emprego-Inserção e Contrato Emprego-Inserção +

REGULAMENTO. MEDIDAS - Contrato Emprego-Inserção e Contrato Emprego-Inserção + REGULAMENTO MEDIDAS - Contrato Emprego-Inserção e Contrato Emprego-Inserção + Portaria n.º 128, de 2009, de 30 de janeiro, com a redação que lhe foi dada pela Portaria n.º 164/2011, de 18 de abril Regulamento

Leia mais

CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO. Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge

CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO. Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge NOVAS MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO Programa ESTAGIAR L, T e U (Resolução do Conselho de Governo nº 100/2015 de 15/07/2015) OBJETO O plano de estágios ESTAGIAR desenvolve-se em três programas: a) O ESTAGIAR

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 56 20 de março de 2015 1641

Diário da República, 1.ª série N.º 56 20 de março de 2015 1641 Diário da República, 1.ª série N.º 56 20 de março de 2015 1641 Artigo 8.º Candidatura 1 A candidatura deve ser apresentada pelo desempregado no portal eletrónico do IEFP www.netemprego.gov.pt, nos períodos

Leia mais

9 de Junho 2014 Contencioso de Cobrança

9 de Junho 2014 Contencioso de Cobrança PROCEDIMENTO EXTRAJUDICIAL PRÉ-EXECUTIVO A Lei n.º 32/2014, de 30 de Maio, aprovou o procedimento extrajudicial pré-executivo (PEPEX), que visa a identificação de bens penhoráveis antes de ser instaurada

Leia mais

SUBSÍDIO DE DESEMPREGO

SUBSÍDIO DE DESEMPREGO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO Recentemente foi publicado o Decreto-Lei n.º 220/2006 de 3 de Novembro, o qual alterou o quadro legal de reparação da eventualidade do desemprego dos trabalhadores por conta de outrem.

Leia mais

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito REGULAMENTO O presente regulamento estabelece os procedimentos associados à medida «Passaporte para o Empreendedorismo», regulamentada pela Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, estabelecida

Leia mais

Linha Específica Sectores Exportadores. Linha Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica Sectores Exportadores. Linha Micro e Pequenas Empresas Junho 2009 2 PME Investe IV Condições Específicas Breve Resumo das Condições CARACTERIZAÇÃO GERAL Linha Específica Sectores Exportadores Linha Micro e Pequenas Empresas Montante Global Até 400 milhões

Leia mais