ACEF/1213/03857 Relatório preliminar da CAE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACEF/1213/03857 Relatório preliminar da CAE"

Transcrição

1 ACEF/1213/03857 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Outras Instituições de Ensino Superior / Entidades Instituidoras: A.2. Unidade(s) orgânica(s) (faculdade, escola, instituto, etc.): Faculdade de Ciências Sociais E Humanas (UBI) A.3. Ciclo de estudos: Ciência Política e Relações Internacionais A.4. Grau: Licenciado A.5. Publicação do plano de estudos em Diário da República (nº e data): <sem resposta> A.6. Área científica predominante do ciclo de estudos: Ciência Política e Relações Internacionais A.7.1 Classificação da área principal do ciclo de estudos de acordo com a Portaria nº 256/2005, 16 de Março (CNAEF): 313 A.7.2 Classificação da área secundária do ciclo de estudos de acordo com a Portaria nº 256/2005, 16 de Março (CNAEF), se aplicável: <sem resposta> A.7.3 Classificação de outra área secundária do ciclo de estudos de acordo com a Portaria nº 256/2005, 16 de Março (CNAEF), se aplicável: <sem resposta> A.8. Número de créditos ECTS necessário à obtenção do grau: 180 A.9. Duração do ciclo de estudos (art.º 3 Decreto-Lei 74/2006, de 24 de Março): 3 anos A.10. Número de vagas aprovado no último ano lectivo: 35 Relatório da CAE - Ciclo de Estudos em Funcionamento Pergunta A.11 A Condições de acesso e ingresso, incluindo normas regulamentares Existem, são adequadas e cumprem os requisitos legais A Evidências que fundamentam as classificações de cumprimento assinaladas. A CAE confirmou a informação do ponto A.11 no período da visita, e as condições de acesso e ingresso correspondem às normas legais em vigor. Os candidatos devem realizar exame nacional de Inglês, Geografia, Filosofia ou História. Estão também previstas outras formas de ingresso de acordo com os termos da lei, como titulares de grau de licenciado ou equivalente, mudanças e pág. 1 de 15

2 transferências de curso, incluindo de universidades estrangeiras e de acordo com critérios de validação especificamente definidos. A Designação É adequada A Evidências que fundamentam as classificações de cumprimento assinaladas. Designação adequada, correspondendo às áreas científicas da formação de primeiro ciclo em termos de prevalência de ECTS (Ciência Política e Relações Internacionais). A Estrutura curricular e plano de estudos Satisfaz as condições legais A Evidências que fundamentam as classificações de cumprimento assinaladas. Cumpre requisitos legais. O ciclo de estudos corresponde a 180 ECTS, sendo 24 destes opcionais no ramo de Relações Internacionais (RI) e não havendo unidades curriculares de opção no ramo de Ciência Política (CP). A área da CP tem um peso relativo adequado com uma carga global de 48 ECTS e a das RI de 42 ECTS. O ciclo de estudos é ainda complementado por outras áreas disciplinares, como Filosofia, História, Ciências Jurídicas, Ciências da Comunicação, Economia e Letras, com número de ECTS variável de acordo com o ramo. As unidades curriculares de opção sugeridas para o ramo de RI incluem uma oferta limitada. Deve ser sublinhado o peso da Filosofia (24 ECTS) na formação em CP, e das Letras (18 ECTS) em RI, nos programas curriculares, é demasiado elevado. Há claramente dois défices, que ser colmatados numa revisão da estrutura curricular do curso: 1º) no domínio das metodologias e métodos de investigação em CP & RI; 2º) na área da Política Comparada. A Docente(s) responsável(eis) pela coordenação da implementação do ciclo de estudos Foi indicado e tem o perfil adequado A Evidências que fundamentam as classificações de cumprimento assinaladas. O Diretor do ciclo do ciclo de estudos é professor auxiliar em tempo integral, e tem perfil adequado para o cargo. É auxiliado nas suas tarefas por um Vice-Diretor de Curso, também a tempo integral na instituição. Uma vez que o ciclo de estudos se divide entre duas faculdades e três departamentos, o procedimento de coordenação é rotativo entre as duas Faculdades, incluindo a presença de um elemento de cada Faculdade em cada mandato, nas funções de Diretor ou de Vice-diretor. De notar que desde a submissão do relatório até à visita houve alteração na coordenação do ciclo de estudos. Pergunta A.12 A Existem locais de estágio e/ou formação em serviço. Não A São indicados recursos próprios da instituição para acompanhar os seus estudantes no período de estágio e/ou formação em serviço. Não A Existem mecanismos para assegurar a qualidade dos estágios e períodos de formação em serviço dos estudantes. Não A São indicados orientadores cooperantes do estágio ou formação em serviço, em número e qualificações adequadas (para ciclos de estudos de formação de professores). Não aplicável A Evidências que fundamentem a classificação de cumprimento assinalada. Não são assinalados estágios no ponto A17. Durante a visita a CAE foi informada de que não são disponibilizados estágios nesta área de formação. A Pontos Fortes. Não aplicável. A Recomendações de melhoria. A CAE reuniu com entidades que interagem com a instituição na área de formação do ciclo de pág. 2 de 15

3 estudos cujas parcerias podem potenciar estágios não curriculares, nomeadamente ao nível dos municípios da região e do tecido empresarial. 1. Objectivos gerais do ciclo de estudos 1.1. Os objectivos gerais definidos para o ciclo de estudos foram formulados de forma clara Os objectivos definidos são coerentes com a missão e a estratégia da instituição Os docentes envolvidos no ciclo de estudos, bem como os estudantes, conhecem os objectivos definidos Evidências que fundamentem a classificação de cumprimento assinalada. Na visita a CAE confirmou junto dos responsáveis pelo ciclo de estudos, docentes e estudantes a coerência e clareza dos objetivos definidos, estando o ciclo de estudos consolidado na estrutura e objetivos gerais da instituição Pontos Fortes. Não aplicável Recomendações de melhoria. Em relação ao objectivo de consolidação do ciclo de estudos através do reforço do corpo docente na área das Relações Internacionais, em particular, a CAE recomenda esta como uma medida muito positiva e a ser necessariamente prosseguida. Na mesma linha, mas agora mais para a área da Ciência Política, recomenda-se igualmente o reforço do corpo docente na área da CP, nomeadamente para as áreas de 1º) Política Comparada e 2º) Metodologias, Métodos e Técnicas de Investigação em Ciências Políticas, áreas onde o curso é claramente deficitário. Também neste caso, a CAE recomenda esta como uma medida muito importante e a ser necessariamente prosseguida. 2. Organização interna e mecanismos de garantia da qualidade 2.1. Organização Interna Existe uma estrutura organizacional adequada responsável pelos processos relativos ao ciclo de estudos Existem formas de assegurar a participação activa de docentes e estudantes nos processos de tomada de decisão que afectam o processo de ensino/aprendizagem e a sua qualidade Evidências que fundamentem a classificação de cumprimento assinalada. O ciclo de estudo integra as Faculdades de Artes e Letras - Departamento de Comunicação e Artes, e a de Ciências Sociais e Humanas - Departamento de Sociologia e Departamento de Gestão e Economia. A Comissão de Curso (constituida por quatro docentes, incluindo o diretor do curso e o presidente do departamento) trabalha em colaboração próxima com os órgãos de gestão universitária, a nível pedagógico e científico, e com envolvimento de docentes e estudantes Pontos Fortes. Ampla participação de estudantes e docentes nos processos de decisão Recomendações de melhoria. Devido à complexidade da estrutura organizacional interna envolvendo duas Faculdades e três Departamentos toda a informação relativa a processos e procedimentos de coordenação e pág. 3 de 15

4 administrativos deve ser clara na página web e, em particular, na informação que é fornecida aos estudantes Garantia da Qualidade Foram definidos mecanismos de garantia da qualidade para o ciclo de estudos Foi designado um responsável pelo planeamento e implementação dos mecanismos de garantia da qualidade Existem procedimentos para a recolha de informação, acompanhamento e avaliação periódica do ciclo de estudos Existem formas de avaliação periódica das qualificações e competências dos docentes para o desempenho das suaus funções Os resultados das avaliações do ciclo de estudos são discutidos por todos os interessados e utilizados na definição de acções de melhoria O ciclo de estudos já foi anteriormente avaliado/acreditado. Não Evidências que fundamentem a classificação de cumprimento assinalada. Existe um sistema de qualidade ao nível do ciclo de estudos relativamente ao seu funcionamento, em termos pedagógicos e científicos, cuja monitorização é da responsabilidade da Comissão de Qualidade da UBI. Os relatórios produzidos pela Comissão de Curso, bem como pelos docentes, e a informação disponibilizada pelos delegados de ano, são indicadores relevantes na avaliação de necessidades, envolvendo sempre que necessário a Comissão de Curso bem como a Direção de Curso na resposta a problemas identificados. Os inquéritos dirigidos aos estudantes, numa base eletrónica, não são objeto de atenção da parte destes, o que limita a análise de resultados. O Instituto Coordenador da Investigação é o órgão responsável pelo acompanhamento dos índices de produção científica Pontos Fortes. Interação entre estudantes e docentes Recomendações de melhoria. Incentivo ao preenchimento dos inquéritos por parte dos estudantes como instrumento útil para a avaliação de pontos fortes e fracos relativamente ao funcionamento global do ciclo de estudos. 3. Recursos materiais e parcerias 3.1. Recursos materiais O ciclo de estudos possui as instalações físicas necessárias ao cumprimento sustentado dos objectivos estabelecidos O ciclo de estudos possui os equipamentos didácticos e científicos e os materiais necessários ao cumprimento sustentado dos objectivos estabelecidos Evidências que fundamentem a classificação de cumprimento assinalada. As instalações são adequadas ao funcionamento do ciclo de estudos (a CAE visitou as mesmas no dia 13 de janeiro). O ciclo de estudos parece ter os equipamentos e recursos tecnológicos necessários (videoprojectores, computadores, etc). A biblioteca central oferece um espaço adequado e agradável pág. 4 de 15

5 para estudo. Contudo, deve ser referida a clara e premente necessidade de reforço do acervo bibliográfico nas duas áreas de estudos do curso, ou seja, na Ciência Política e nas Relações Internacionais. Além disso, seria altamente recomendável a redução dos (parcos) recursos bibliográficos pelas bibliotecas dos departamentos e centros de investigação associados ao curso Pontos Fortes. Espaços de ensino e estudo Recomendações de melhoria. A CAE sublinha como essencial o investimento em recursos bibliográficos que cubram especificamente a área do ciclo de estudos, Ciência Política e Relações Internacionais, bem como a autonomização dos mesmos numa secção específica na Biblioteca central. Recomenda-se ainda a redução da dispersão dos recursos bibliográficos por várias bibliotecas associadas a diferentes departamentos e centros de investigação Parcerias O ciclo de estudos estabeleceu e tem consolidada uma rede de parceiros internacionais O ciclo de estudos promove colaborações com outros ciclos de estudo dentro da sua instituição, bem como com outras instituições de ensino superior nacionais Existem procedimentos definidos para promover a cooperação interinstitucional no ciclo de estudos Existe uma prática de relacionamento do ciclo de estudos com o seu meio envolvente, incluindo o tecido empresarial e o sector público Evidências que fundamentem a classificação de cumprimento assinalada. O ciclo de estudos está inserido numa rede de parcerias internacionais, no âmbito de acordos Erasmus que a Universidade da Beira Interior tem vindo a promover, embora seja entendido que na área específica de formação a necessidade de novos protocolos é premente. São mantidas ainda relações próximas com várias universidades nacionais, incluindo Minho, Coimbra e Évora. A mobilidade de docentes e estudantes é reduzida. Relativamente a relações com o exterior são promovidas várias atividades, como conferências, aulas abertas e sessões de recrutamento, envolvendo instituições e empresas da região Pontos Fortes. Seminários, com oradores convidados, são uma atividade regular, e os estudantes são convidados a participar Recomendações de melhoria. A CAE incentiva a coordenação do ciclo de estudos a dar prioridade ao desenvolvimento de parcerias internacionais (ou ao aproveitamento das existentes) em benefício próprio do ciclo de estudos. A lecionação de algumas unidades curriculares em inglês poderia melhorar as oportunidades de colaboração internacional, especialmente no contexto geográfico em que a Universidade se insere. A mobilidade de pessoal docente e estudantes deve ser incentivada. 4. Pessoal docente e não docente 4.1. Pessoal Docente O corpo docente cumpre os requisitos legais. pág. 5 de 15

6 Os membros do corpo docente (em tempo integral ou parcial) têm a competência académica e experiência de ensino adequadas aos objectivos do ciclo de estudos O número e o regime de trabalho dos membros do pessoal docente correspondem às necessidades do ciclo de estudos É definida a carga horária do pessoal docente e a sua afectação a actividades de ensino, investigação e administrativas O corpo docente em tempo integral assegura a grande maioria do serviço docente A maioria dos docentes mantém a sua ligação ao ciclo de estudos por um período superior a três anos Existem procedimentos para avaliação da competência e do desempenho dos docentes do ciclo de estudos É promovida a mobilidade do pessoal docente, quer entre instituições nacionais, quer internacionais Evidências que fundamentem a classificação de cumprimento assinalada. Como condições sine qua non para acreditação, a legislação diz-nos o seguinte: 1º) o corpo docente total é constituído por um mínimo de 60% de docentes em regime de tempo integral; 2º ) o corpo docente total é constituído por um mínimo de 50% de docentes com o grau de doutor; 3º) um mínimo entre 30% e 50% deve ser constituido por doutores especializados na área do curso. O ponto 3º) não é integralmente cumprido, seja para CP seja para RI. A CAE confirmou a existência de um corpo docente com formações de base que não nas áreas do ciclo de estudos, sublinhando no entanto o cariz interdisciplinar do mesmo. Ainda assim são indicados apenas dois docentes com doutoramento nas áreas específicas de RI (7,1% do total de docentes) e dois de CP (idem), o que se revela insuficiente face aos rácios de docentes especializados expectáveis na área do ciclo de estudos, a tempo integral. A mobilidade do pessoal docente é limitada. Existem procedimentos definidos para avaliação do pessoal docente Pontos Fortes. Não aplicável Recomendações de melhoria. A CAE recomenda vivamente que o objetivo de reforço do corpo docente nas áreas das Relações Internacionais e da Ciência Política seja prosseguido necessariamente nos próximos 1-3 anos para se aproximar dos minimos legais exigidos em cada uma das áreas (30% para cada área, desejavelmente) no final do período de aprovação condicional. A CAE sugere ainda um esforço sustentado que facilite e promova a mobilidade de docentes Pessoal Não Docente O pessoal não docente tem a competência profissional e técnica adequada ao apoio à leccionação do ciclo de estudos O número e o regime de trabalho do pessoal não docente correspondem às necessidades do ciclo de estudos O desempenho do pessoal não docente é avaliado periodicamente. pág. 6 de 15

7 O pessoal não docente é aconselhado a frequentar cursos de formação avançada ou de formação contínua Evidências que fundamentem a classificação de cumprimento assinalada. A CAE reuniu com as Secetárias da FCSH e FAL, as Secretárias dos departamentos de Comunicação e Artes e Sociologia, a secretária do Instituto de Filosofia Prática, uma funcionária do Gabinete de Apoio às Pós-Graduações e Eventos da FCSH, outra da Biblioteca e Serviços de Documentação e um técnico de informática. Todos expressaram genericamente satisfação com os recursos disponíveis e oportunidades de desenvolvimento profissional. De sublinhar a dedicação e o compromisso com a instituição, bem como a flexibilidade para apoiar os estudantes nas suas diferentes necessidades. A equipa demonstrou capacidade de articulação e ação conjunta, fundamental face a um ciclo de estudos partilhado entre diferentes Departamentos e Faculdades Pontos Fortes. O pessoal não docente mostrou-se motivado e disponível para desenvolver esforços extra no sentido de apoiar os estudantes e docentes Recomendações de melhoria. Não aplicável. 5. Estudantes e ambientes de ensino/aprendizagem 5.1. Caracterização dos estudantes Existe uma caracterização geral dos estudantes envolvidos no ciclo de estudos, incluindo o seu género, idade, região de proveniência e origem sócio-económica (escolaridade e situação profissional dos pais) Verifica-se uma procura do ciclo de estudos por parte dos potenciais estudantes ao longo dos últimos 3 anos Evidências que fundamentem a classificação de cumprimento assinalada. A CAE confirmou que o Departamento tem informação detalhada sobre a caraterização genérica dos estudantes. A nota média de entrada no ano letivo foi de 13.9/20, sendo que as vagas disponíveis para o regime geral foram preenchidas Pontos Fortes. Não aplicável Recomendações de melhoria. De forma a responder às questões de recrutamento e sustentabilidade do ciclo de estudos, a CAE sugere o reforço continuado do website como recurso importante nas estratégias de marketing Ambiente de Ensino/Aprendizagem São tomadas medidas adequadas para o apoio pedagógico e o aconselhamento sobre o percurso académico dos estudantes São tomadas medidas para promover a integração dos estudantes na comunidade académica Existe aconselhamento dos estudantes sobre a possibilidade de financiamento e de emprego Os resultados de inquéritos de satisfação dos estudantes são usados para melhorar o processo de ensino/aprendizagem. Não pág. 7 de 15

8 A instituição cria condições para promover a mobilidade dos estudantes Evidências que fundamentem a classificação de cumprimento assinalada. A CAE reuniu com 10 estudantes do ciclo de estudos e 3 antigos estudantes. Estes mostraram-se satisfeitos com o ambiente de aprendizagem e corpo docente, salientando a relação de proximidade que mantêm com os docentes. Solicitaram: 1) esforços no sentido de evitar sobreposição de conteúdos entre unidades curriculares; 2) reforço da componente metodológica do ciclo de estudos; 3) oferta mais alargada de unidades curriculares de opção, incluindo nas áreas científicas do ciclo de estudos. A CAE foi informada de que os inquéritos são respondidos por um universo pequeno e não representativo, limitando os seus resultados e alcance. A mobilidade de estudantes tem sido muito limitada Pontos Fortes. O corpo docente mantém-se atento ao aproveitamento dos estudantes desenvolvendo uma relação positiva ensino-aprendizagem Recomendações de melhoria. A CAE sugere: 1) esforços no sentido de se promover uma melhor articulação entre os conteúdos das diferentes unidades curriculares de modo a evitar duplicação excessiva; 2) reforço das componentes metodológica e de política comparada na estrutura curricular; 3) a possibilidade de ambos os ramos oferecerem unidades curriculares obrigatórias para o outro ramo como opcionais, reforçando desse modo a oferta letiva especializada para os estudantes da Licenciatura em CPRI. No que concerne os inquéritos a CAE recomenda uma maior divulgação da importância do preenchimento dos mesmos para avaliação do ciclo de estudos e desenvolvimento de ações de melhoria. Relativamente a mobilidade de estudantes, a CAE entende os constrangimentos económicos associados aos períodos de mobilidade, recomendando no entanto que a mesma seja incentivada, e que os acordos com instituições parceiras sejam alargados com enfoque nas áreas do ciclo de estudos. 6. Processos 6.1. Objectivos de Ensino, Estrutura Curricular e Plano de Estudos Estão definidos os objectivos de aprendizagem (conhecimentos, aptidões e competências) a desenvolver pelos estudantes e foram operacionalizados os objectivos permitindo a medição do grau de cumprimento A estrutura curricular corresponde aos princípios do Processo de Bolonha Existe um sistema de revisão curricular periódica que assegura a actualização científica e de métodos de trabalho O plano de estudos garante a integração dos estudantes na investigação científica Evidências que fundamentem a classificação de cumprimento assinalada. Os objetivos de ensino estão definidos e a estrutura curricular do programa cumpre os critérios de Bolonha. Contudo, a estrutura curricular revela insuficiência em ambos os ramos ao nível do ensino de Metodologia, bem como na sobreposição de alguns conteúdos programáticos. O ramo de Ciência Política beneficiaria do reforço da dimensão da Política Comparada (com uma ou duas unidades curriculares sobre a matéria) e, face à especificidade da Licenciatura em termos do seu enquadramento na região e nos objetivos estratégicos, de unidades curriculares como por exemplo Política Autárquica. Relativamente à integração dos estudantes em atividades científicas, esta faz-se essencialmente através da sua participação em eventos científicos. Era desejável integrar também os alunos nas actividades de pesquisa dos docentes. pág. 8 de 15

9 Pontos Fortes. Não aplicável Recomendações de melhoria. A CAE recomenda que no âmbito das revisões periódicas do plano de estudos previstos institucionalmente, seja dada atenção ao reforço da área central da Ciência Política e das Relações Internacionais na oferta letiva, na abordagem das diversas temáticas tratadas ao longo da formação (por exemplo, reforço da matriz de CPRI na unidade curricular de Introdução à Ciência Política ou de História das Ideias Políticas), bem como nas metodologias (reforço com uma ou duas unidades curriculares). Na mesma linha, e quer para RI, quer para CP, recomenda-se sobretudo o reforço da área da Política Comparada (reforço com uma ou duas unidades curriculares). A CAE recomenda ainda uma revisão periódica e numa lógica de atualização das leituras recomendadas. Finalmente, seria ainda desejável integrar os estudantes nos projectos de pesquisa dos docentes e das unidades de investigação Organização das Unidades Curriculares São definidos os objectivos da aprendizagem (conhecimentos, aptidões e competências) que os estudantes deverão desenvolver em cada unidade curricular Existe coerência entre os conteúdos programáticos e os objectivos de cada unidade curricular Existe coerência entre as metodologias de ensino e os objectivos de cada unidade curricular Existem mecanismos para assegurar a coordenação entre as unidades curriculares e os seus conteúdos Os objectivos de cada unidade curricular são divulgados entre os docentes e os estudantes Evidências que fundamentem a classificação de cumprimento assinalada. No geral, a estrutura curricular corresponde aos objetivos da formação, apesar das lacunas em metodologia e política comparada e política autárquica já referidas, em particular relativas ao desenvolvimento de competências gerais e específicas. As metodologias de ensino e avaliação são adequadas. Os conteúdos programáticos, objetivos e sistemas de avaliação são atempadamente disponibilizados. Contudo, e apesar de mecanismos institucionais para coordenação de conteúdos, foi identificada alguma sobreposição de matérias. Os estudantes notaram 1) a falta de uma componente metodológica mais sólida na sua formação; 2) uma certa sobreposição entre conteúdos de vários unidades curriculares; 3) a importância do acesso a mais unidades curriculares especializadas na área de estudo. Os avaliadores da CAE notaram não só a lacuna na formação metodológica, mas também em matéria de política comparada e política autárquica Pontos Fortes. Não aplicável Recomendações de melhoria. Verifica-se uma necessidade de reforço das metodologias, da política comparada e da política autárquica no ciclo de estudos, que forneça uma base de conhecimentos metodológicos e substantivos que sustente a aprendizagem ao longo da formação. A articulação entre conteúdos oferecidos em diferentes unidades curriculares bem como de métodos de avaliação e a sua planificação temporal podem ajudar a colmatar problemas relativos a excessiva sobreposição, bem como garantir um melhor funcionamento das diferentes unidades curriculares ao longo do ano letivo. É recomendável uma maior integração dos alunos na investigação dos docentes e dos centros. pág. 9 de 15

10 6.3. Metodologias de Ensino/Aprendizagem As metodologias de ensino e as didácticas estão adaptadas aos objectivos de aprendizagem das unidades curriculares A carga média de trabalho necessária aos estudantes corresponde ao estimado em ECTS A avaliação da aprendizagem dos estudantes é feita em função dos objectivos da unidade curricular As metodologias de ensino facilitam a participação dos estudantes em actividades científicas Evidências que fundamentem a classificação de cumprimento assinalada. As metodologias de ensino visam o desenvolvimento de competências de análise teórica e de conceitos, embora a componente prática de estudo tenha sido referida pelos estudantes como insuficiente. Esta abordagem, em linha com os princípios de Bolonha, visa contribuir para o desenvolvimento da relação investigação-ensino, embora a componente investigação no primeiro ciclo de estudos seja menos desenvolvida. Ressalvadas as carências já referidas de reforço da metodologia e da política comparada e da política autárquica Pontos Fortes. Nada a mencionar Recomendações de melhoria. A componente prática de estudo devia ser reforçada. Aliás, a componente de investigação devia ser reforçada no primeiro ciclo de estudos, nomeadamente nas unidades curriculares de metodologia, novas e a criar. As carências já referidas em matéria de metodologia, política comparada e política autárquica, recomendo o reforço de novas unidades curriculares nestas áreas. 7. Resultados 7.1. Resultados Académicos O sucesso académico da população discente é efectivo e facilmente mensurável O sucesso académico é semelhante para as diferentes áreas científicas e respectivas unidades curriculares Os resultados da monitorização do sucesso escolar são utilizados para a definição de acções de melhoria no mesmo Não há evidência de dificuldades de empregabilidade dos graduados Evidências que fundamentem a classificação de cumprimento assinalada. Considerando os números de alunos que entram efetivamente todos os anos (35-50), os valores para o número de diplomados (5, 2009/2010; 21, 2010/2011; 18, 2011/2012) são ainda reduzidos, mesmo considerando a novidade do curso e o facto de alguns alunos serem deslocados e/ou trabalhadores estudantes. Nas reuniões com os alunos e docentes não foi especialmente realçado qualquer sucesso diferencial nas diferentes, apesar de mencionada a resistência (usual) aos métodos quantitativos (o que pode estar relacionado com o facto de eles serem leccionadas de forma não muito adaptada às ciências políticas e/ou por cientistas sociais). pág. 10 de 15

11 Das reuniões com docentes e alunos verificou-se que os resultados da monitorização do sucesso escolar são utilizados para a definição de acções de melhoria no mesmo através de reuniões periódicas, embora o processo possa ser melhorado. Tendo em conta os números de graduados, os valores para a empregabilidade referidos no relatório parecem algo inflacionados Pontos Fortes. Nada a referir Recomendações de melhoria. aumentar as taxas de finalização do curso. melhor a qualidade da informação fornecida em matéria de empregabilidade Resultados da actividade científica, tecnológica e artística Existem Centro(s) de Investigação reconhecido(s), na área científica do ciclo de estudos onde os docentes desenvolvam a sua actividade Existem publicações científicas do corpo docente do ciclo de estudos em revistas internacionais com revisão por pares, nos últimos 3 anos e na área do ciclo de estudos Existem outras publicações científicas relevantes do corpo docente do ciclo de estudos As actividades científicas, tecnológicas e artísticas têm uma valorização e impacto no desenvolvimento económico As actividades científica, tecnológica e artística estão integradas em projectos e/ou parcerias nacionais e internacionais Os resultados da monitorização das actividades científica, tecnológica e artística são usados para a sua melhoria Evidências que fundamentem a classificação de cumprimento assinalada. Há vários centros de pesquisa com classificações de «bom», «muito bom» ou «excelente». Há publicações em número significativo do corpo docente, embora pudesse ser melhorada a performance neste domínio. Há várias parcerias com outras universidades e com agentes sociais, económicos e políticos da região (para realização de projetos, conferências, cursos, etc.) Pontos Fortes. Nada a referir além dos elementos positivos (vários) já referidos Recomendações de melhoria. Aumentar a quantidade e qualidade da produção cientifica já conseguida, nomeadamente através do reforço do corpo docente e de investigação nas áreas nucleares do curso (CP e RI). Reforças as parecerias com com outras universidades e com agentes sociais, económicos e políticos da região (para realização de projetos, conferências, cursos, etc.) Outros Resultados No âmbito do presente ciclo de estudos, existem actividades de desenvolvimento tecnológico e artístico, prestação de serviços à comunidade ou formação avançada. pág. 11 de 15

12 O ciclo de estudos contribui para o desenvolvimento nacional, regional e local, a cultura científica e a acção cultural, desportiva e artística O conteúdo das informações sobre a instituição, o ciclo de estudos e o ensino ministrado são realistas Existe um nível significativo de internacionalização do ciclo de estudos Evidências que fundamentem a classificação de cumprimento assinalada. «Além do impacto da investigação e consultoria/formação prestada pelos docentes deste ciclo de estudos ao tecido económico e social, no âmbito do 1o Ciclo destaca-se o envolvimento dos docentes na colaboração e participação em: - Organizações Não Governamentais (como o centro de Intervenção para o Desenvolvimento Amílcar Cabral); - outras instituições de Ensino Superior; - instituições, tais como: o Laboratório de Políticas Públicas e Planeamento Educacional; o Centro de Estudos Ibéricos; e, o Observatório Político da FCSH da UNL; Associação Portuguesa de Desenvolvimento Regional. - palestras por convite e em Comités Científicos Internacionais.» Pontos Fortes. Nada a adicionar Recomendações de melhoria. None. 8. Observações 8.1. Observações: - A Licenciatura CP-RI da UBI tem uma corpo docente (devidamente qualificado em termos de percentagens de doutorados) e discente altamente motivado e dedicado, sendo ainda devidamente apoiada por um pessoa não docente altamente qualificado e empenhado. As instalações e os recursos são bons. O curso está adequado a Bolonha e, apesar de várias lacunas, é globalmente adequado às áreas de CP e RI. As parecerias com outras universidades e com os agentes sociais, políticos e económicos da região são também outros pontos fortes do curso. De referir ainda, pela positiva, o volume e qualidade significativas da pesquisa e publicações dos docentes, sem embargo das melhorias necessárias que inventariamos a seguir. - em matéria de corpo docente é claramente necessário reforçar o corpo docente doutorado nas áreas nucleares de modo a que seja cumprida a legislação em vigor. - tal reforço do corpo docente, além de dever servir para colmatar lacunas na oferta formativa dos alunos e para aumentar a qualidade e a quantidade da produção cientifica e das publicações nas áreas nucleares do curso, ou seja, nas áreas da Ciência Política e Relações Internacionais. - a estrutura curricular e a oferta formativa é deficitária nas áreas cientificas da metodologia de pesquisa em ciência políticas e RI, em política comparada e em política autárquica. - há falta de optativas cruzadas para os dois ramos no 3º ano. pág. 12 de 15

13 - a componente mais prática e ligada à investigação dever ser reforçada na estrutura curricular do curso, bem como através de maior integração dos estudantes na pesquisa dos centros e dos docentes. - deve haver melhor articulação entre docentes de modo a evitar sobreposições de matérias entre cadeiras. - deve ser reduzida a dispersão nos recursos bibliográficos por várias bibliotecas. - deve ser claramente reforçado o acervo bibliográfico quer em CP, quer em RI. - devem ser incrementadas as parcerias com outras universidades e com os agentes sociais, económicos e políticos da região. - devem ser envidados esforços para aumentar o número de diplomados por ano. - deve ser melhorada a qualidade da informação sobre empregabilidade Observações (PDF, máx. 100kB): <sem resposta> 9. Comentários às propostas de acções de melhoria 9.1. Objectivos gerais do ciclo de estudos: O curso está adequado a Bolonha e, apesar de várias lacunas, é globalmente adequado às áreas de CP e RI Alterações à estrutura curricular: - a estrutura curricular e a oferta formativa é deficitária nas áreas cientificas da metodologia de pesquisa em ciência políticas e RI, em política comparada e em política autárquica. - há falta de optativas cruzadas para os dois ramos no 3º ano. - a componente mais prática e ligada à investigação dever ser reforçada na estrutura curricular do curso Alterações ao plano de estudos: Ditto in Organização interna e mecanismos de garantia da qualidade: - deve haver melhor articulação entre docentes de modo a evitar sobreposições de matérias entre cadeiras. - deve ser reduzida a dispersão nos recursos bibliográficos por várias bibliotecas. - deve ser claramente reforçado o acervo bibliográfico quer em CP, quer em RI Recursos materiais e parcerias: pág. 13 de 15

14 - deve ser reduzida a dispersão nos recursos bibliográficos por várias bibliotecas. - deve ser claramente reforçado o acervo bibliográfico quer em CP, quer em RI. - devem ser incrementadas as parcerias com outras universidades e com os agentes sociais, económicos e políticos da região Pessoal docente e não docente: - A Licenciatura CP-RI da UBI tem uma corpo docente (devidamente qualificado em termos de percentagens de doutorados) e discente altamente motivado e dedicado, sendo ainda devidamente apoiada por um pessoa não docente altamente qualificado e empenhado. - em matéria de corpo docente é claramente necessário reforçar o corpo docente doutorado nas áreas nucleares de modo a que seja cumprida a legislação em vigor. - tal reforço do corpo docente, além de dever servir para colmatar lacunas na oferta formativa dos alunos e para aumentar a qualidade e a quantidade da produção cientifica e das publicações nas áreas nucleares do curso, ou seja, nas áreas da Ciência Política e Relações Internacionais Estudantes e ambientes de ensino/aprendizagem: - O corpo discente da Licenciatura CP-RI da UBI está bastante motivado e empenhado. - a componente mais prática e ligada à investigação dever ser reforçada na estrutura curricular do curso, bem como através de maior integração dos estudantes na pesquisa dos centros e dos docentes Processos: - a componente mais prática e ligada à investigação dever ser reforçada na estrutura curricular do curso, bem como através de maior integração dos estudantes na pesquisa dos centros e dos docentes. - deve haver melhor articulação entre docentes de modo a evitar sobreposições de matérias entre cadeiras Resultados: - devem ser envidados esforços para aumentar o número de diplomados por ano. - deve ser melhorada a qualidade da informação sobre empregabilidade. 10. Conclusões Recomendação final. O ciclo de estudos deve ser acreditado condicionalmente Fundamentação da recomendação: pág. 14 de 15

15 - em matéria de corpo docente é necessário reforçar o corpo docente doutorado nas áreas nucleares (atualmente há cerca de 7% para cada um das áreas, Ciência Política e Relações Internacionais) de modo a que seja cumprida a legislação em vigor (recomendamos que passem a ter um total cerca de 30% de doutoradas para cada uma das duas áreas, ou seja, 60% no total, para cumprirem os desideratos legais), o que deve ser feito em 1 a 3 anos. - tal reforço do corpo docente, além de dever servir para colmatar lacunas na oferta formativa dos alunos (ver ponto seguinte), deve também servir para aumentar a qualidade e a quantidade da produção cientifica e das publicações nas áreas nucleares do curso, ou seja, nas áreas da Ciência Política e Relações Internacionais. - a estrutura curricular e a oferta formativa é deficitária nas áreas cientificas da metodologia de pesquisa em ciência políticas e RI (metodologia, métodos e técnicas de pesquisa, análise de dados), em política comparada e em política autárquica. Novas cadeiras como uma «Introdução à Ciência Política», no 1º ano, ou «História das Ideias Políticas» são também desejáveis. - deve haver mais optativas cruzadas para os dois ramos no 3º ano. - a componente mais prática e ligada à investigação dever ser reforçada na estrutura curricular do curso, nomeadamente nas novas cadeiras de metodologia a criar, mas também por uma maior integração dos estudantes na pesquisa dos centros e dos docentes. - deve haver melhor articulação entre docentes de modo a evitar sobreposições de matérias entre cadeiras. - deve ser reduzida a dispersão nos recursos bibliográficos por várias bibliotecas (dos centros, dos departamentos). - deve ser claramente reforçado o acervo bibliográfico quer em CP, quer em RI, e o mesmo deve ser autonomizado na biblioteca. - devem ser incrementadas as parcerias com outras universidades (para a realização de cursos, conferências, etc.) e com os agentes sociais, económicos e políticos da região (nomeadamente através da formalização de protocolos de estágio). - devem ser envidados esforços para aumentar o número de diplomados por ano. - deve ser melhorada a qualidade da informação sobre empregabilidade. pág. 15 de 15

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Leiria A.1.a. Identificação

Leia mais

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais

ACEF/1415/17827 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1415/17827 Relatório preliminar da CAE ACEF/1415/17827 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Cofac

Leia mais

ACEF/1213/07607 Relatório final da CAE

ACEF/1213/07607 Relatório final da CAE ACEF/1213/07607 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Cooperativa De Ensino Universitário (Ceu) A.1.a.

Leia mais

ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE

ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa

Leia mais

NCE/11/01396 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01396 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01396 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: E.I.A. - Ensino, Investigação

Leia mais

NCE/11/01851 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01851 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01851 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fedrave - Fundação Para O Estudo E

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Abril de 2014 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Setembro de 2013 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

Guião para a autoavaliação. Ciclo de estudos em funcionamento. (Ensino Universitário e Politécnico)

Guião para a autoavaliação. Ciclo de estudos em funcionamento. (Ensino Universitário e Politécnico) Guião para a autoavaliação Ciclo de estudos em funcionamento (Ensino Universitário e Politécnico) Guião ACEF 2014/2015 PT (Revisão aprovada em 26.03.2014) Caracterização do pedido A1. Instituição de ensino

Leia mais

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Porto A.1.a.

Leia mais

CEF/0910/25616 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/25616 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/25616 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Ensinus-Estudos

Leia mais

NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Iade Instituto De Artes Visuais,

Leia mais

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Lisboa

Leia mais

CEF/0910/27461 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27461 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27461 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Ese

Leia mais

NCE/10/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universitas, Crl A.1.a. Descrição

Leia mais

ACEF/1314/07362 Relatório final da CAE

ACEF/1314/07362 Relatório final da CAE ACEF/1314/07362 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Trás-Os-Montes E Alto Douro A.1.a.

Leia mais

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de 31 de Agosto de 2011 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino

Leia mais

PEDIDO ESPECIAL DE RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE CICLO DE ESTUDOS NÃO-ALINHADO (PERA) Guião de apresentação do pedido

PEDIDO ESPECIAL DE RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE CICLO DE ESTUDOS NÃO-ALINHADO (PERA) Guião de apresentação do pedido PEDIDO ESPECIAL DE RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE CICLO DE ESTUDOS NÃO-ALINHADO (PERA) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação do pedido Versão 1.0 março de 2015 0. Âmbito do guião e síntese

Leia mais

NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Instituto Politécnico De Setúbal

Leia mais

ACEF/1314/03667 Relatório final da CAE

ACEF/1314/03667 Relatório final da CAE ACEF/1314/03667 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Outras

Leia mais

ACEF/1314/03672 Relatório final da CAE

ACEF/1314/03672 Relatório final da CAE ACEF/1314/03672 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Outras

Leia mais

ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE

ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fedrave - Fundação Para O Estudo E Desenvolvimento

Leia mais

ACEF/1314/08937 Relatório final da CAE

ACEF/1314/08937 Relatório final da CAE ACEF/1314/08937 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Évora A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Relatório Resumo Junho de 2012 Índice 1. Objectivo... 3 2. Enquadramento... 3 3. Trabalho realizado... 3 4. Dados síntese da Licenciatura

Leia mais

NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Algarve A.1.a.

Leia mais

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL)

Leia mais

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Évora A.1.a. Outra(s)

Leia mais

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas 1 a 7 1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade De Aveiro 1.a. Descrição

Leia mais

NCE/11/01386 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01386 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01386 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Maiêutica Cooperativa De Ensino Superior,

Leia mais

NCE/12/00991 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/00991 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/00991 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Aveiro A.1.a. Outra(s)

Leia mais

ACEF/1415/13537 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1415/13537 Relatório preliminar da CAE ACEF/1415/13537 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Instituto Politécnico De Bragança A.1.a.

Leia mais

NCE/14/01551 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01551 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01551 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Aveiro A.1.a.

Leia mais

NCE/12/00971 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/00971 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/00971 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Outra(s)

Leia mais

ACEF/1314/11212 Relatório final da CAE

ACEF/1314/11212 Relatório final da CAE ACEF/1314/11212 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Porto A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS Versão 1.1 Setembro 2013 1. Critérios (mínimos) de referência quanto à qualificação do corpo docente para a acreditação

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Ensilis - Educação E Formação Sa A.1.a.

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

NCE/10/01386 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01386 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01386 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Castelo Branco

Leia mais

NCE/14/00816 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00816 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00816 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Cofac - Cooperativa De Formação E

Leia mais

NCE/13/00276 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/13/00276 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/13/00276 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Minho A.1.a.

Leia mais

NCE/10/01746 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01746 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01746 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Coimbra

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 Escola de Ciências Universidade do Minho 1. Missão A Escola de Ciências tem como missão gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Exatas e da Natureza e domínios

Leia mais

Programa de Licenciaturas Internacionais CAPES/ Universidade de Lisboa

Programa de Licenciaturas Internacionais CAPES/ Universidade de Lisboa Programa de Licenciaturas Internacionais / (23 Dezembro de 2011) 1. Introdução 2. Objectivos 3. Organização e procedimentos 4. Regime de Titulação do Programa de Licenciaturas Internacionais /UL 5. Regime

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

NCE/13/00751 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/13/00751 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/13/00751 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Instituto Politécnico De Castelo

Leia mais

NCE/14/01231 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01231 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01231 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Instituto Politécnico Do Porto A.1.a.

Leia mais

ACEF/1112/10887 Relatório final da CAE

ACEF/1112/10887 Relatório final da CAE ACEF/1112/10887 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade De Aveiro A.1.a. Identificação da

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

NCE/13/00111 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/13/00111 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/13/00111 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Isla - Santarém, Educação E Cultura,

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS Artigo 1º Natureza O presente regulamento

Leia mais

CEF/0910/27351 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27351 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27351 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Cenil

Leia mais

NCE/14/00711 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00711 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00711 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Cofac - Cooperativa De Formação E

Leia mais

NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Cofac - Cooperativa De Formação E

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES Artigo 1º Âmbito O Regulamento interno dos mestrados em ensino formação inicial de professores aplica-se aos seguintes ciclos de estudo

Leia mais

NCE/10/01836 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01836 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01836 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fedrave - Fundação Para O Estudo E

Leia mais

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING O presente regulamento foi homologado pelo Presidente da ESEV, a 18

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

NCE/10/01771 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01771 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01771 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Tomar

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

Data 17/05/2012 Revisão 00 Código R.EM.DE.10

Data 17/05/2012 Revisão 00 Código R.EM.DE.10 Artigo 1º Objectivo e âmbito O Regulamento do Curso de Pós-Graduação em Coordenação de Unidades de Saúde, adiante designado por curso, integra a organização, estrutura curricular e regras de funcionamento

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

NCE/11/00731 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/00731 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/00731 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Coimbra A.1.a.

Leia mais

NCE/11/01136 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01136 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01136 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: UTL + UCP A.1.a. Identificação

Leia mais

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Pedro Jorge Richheimer Marta de Sequeira Marília Oliveira Inácio Henriques 1 P á g i n a 1. Enquadramento da Candidatura

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 ÍNDICE 1. Introdução 1 2. Finalidades e objectivos educacionais 2 3. Organização interna do CEAH 2 4. Habilitações de acesso

Leia mais

NCE/14/01501 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01501 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01501 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Católica Portuguesa A.1.a.

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM SOCIOLOGIA: EXCLUSÕES E POLÍTICAS SOCIAIS Artigo 1º Objecto O Regulamento do

Leia mais

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS ENCONTRO DA COMISSÃO SECTORIAL PARA A EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO CS/11 ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE APRESENTAÇÃO DO TRABALHO GT2 - Ensino Superior

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Outubro de 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Caraterização do Estudo... 4 3. Resultado Global dos Cursos de Lisboa

Leia mais

Reorganização da oferta formativa da. Escola de Ciências e Tecnologia. da Universidade de Évora. Paulo Quaresma 1. Escola de Ciências e Tecnologia

Reorganização da oferta formativa da. Escola de Ciências e Tecnologia. da Universidade de Évora. Paulo Quaresma 1. Escola de Ciências e Tecnologia Reorganização da oferta formativa da Escola de Ciências e Tecnologia da Universidade de Évora Paulo Quaresma 1 Escola de Ciências e Tecnologia Universidade de Évora pq@uevora.pt Resumo Este artigo descreve

Leia mais

NCE/10/00921 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00921 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00921 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Leiria

Leia mais

REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 1. Introdução O Curso de Especialização em Administração Hospitalar (CEAH) da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) da Universidade

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

Universidade Portucalense. Departamento de Ciências Económicas e Empresariais NORMAS REGULAMENTARES DO 2.º CICLO DE ESTUDOS EM MARKETING

Universidade Portucalense. Departamento de Ciências Económicas e Empresariais NORMAS REGULAMENTARES DO 2.º CICLO DE ESTUDOS EM MARKETING Universidade Portucalense Departamento de Ciências Económicas e Empresariais NORMAS REGULAMENTARES DO 2.º CICLO DE ESTUDOS EM MARKETING APROVADAS NO CONSELHO CIENTÍFICO 9 _2009 DE 23 DE SETEMBRO DE 2009

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos)

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) http://www.dges.mcies.pt/bolonha/ ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) A razão de um novo sistema de créditos académicos Um dos aspectos mais relevantes

Leia mais

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

Auditoria Sistemática

Auditoria Sistemática ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Auditoria Sistemática Resumo do Relatório da Inspecção Geral do MCTES 18.Novembro.2010 Índice INTRODUÇÃO... 3 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DOS PROCEDIMENTOS...

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais