Sistemas de Informação Geográfica Dicionário Ilustrado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas de Informação Geográfica Dicionário Ilustrado"

Transcrição

1 "Sistemas de Informação Geográfica Dicionário Ilustrado", Professores Doutores Amandio Luiz de Almeida Teixeira e Antonio Christofoletti (Editora Hucitec, 1997). Adaptado pelo Prof. Ardemírio de Barros Silva CÓPIA POR CONTATO (CONTACT PRINT) Cópia fotográfica feita por contato direto do diapositivo com o material foto-sensitivo. CÓPIA TEMPORÁRIA (SOFT COPY) Diz-se da imagem temporariamente apresentada no vídeo do computador. COPIAR (COPY) Processo de reproduzir dados ou arquivos sem alterar os originais. COPROCESSADOR (COPROCESSOR) Microprocessador projetado para suplementar a capacidade do processador principal de um computador, sobretudo em aritmética de ponto flutuante e em funções trigonométricas. COR (COLOR) Propriedade de um objeto que depende do comprimento de onda que ele reflete ou emite. CORDA (CHORD) Segmento de linha reta que une dois nós consecutivos de um arco ou de uma curva. CORES ADITIVAS PRIMÁRIAS (ADDITIVE PRIMARY COLORS) Refere-se às cores básicas: vermelho, verde e azul. CORREÇÃO (CORRECTNESS) Ver ACCURACY. CORREÇÃO GEOMÉTRICA (GEOMETRIC CORRECTION) Processo de transformação de uma imagem ou de um mapa,

2 visando a ajustá-los a um sistema de projeção pré-estabelecido. CORREDOR (CORRIDOR) Em redes geográficas, refere-se a um ou mais arcos conectados que mantêm uma característica comum para um determinado fluxo na rede. CORREIO ELTRÔNICO (ELECTRONIC MAIL - ) Rede utilizada para transmitir mensagens em texto, memorandos e relatórios. Os usuários podem mandar mensagens para usuários individuais, para um grupo previamente definido ou para todos os usuários do sistema. O sistema de correio eletrônico pode ser implementado em uma rede não-hierarquizada, uma rede de clientes/servidores, um mainframe ou em um serviço de discagem, como a CompuServe, a GEnie ou o MCI Mail. CORRELAÇÃO ESPACIAL (SPATIAL CORRELATION) Medida de grau em que a localização relativa determina a força da relação entre diferentes elementos espaciais. CORRENTE DE DADOS (DATA STREAM) Corrente de dados transmitidos serialmente, um bit por vez. CORROMPER (CORRUPT) Introduzir acidentalmente erros ou falhas em arquivos, programas, dados ou meios de armazenamento. CORRUPÇÃO DE DADOS (DATA CORRUPTION) Violação acidental ou deliberada da integridade dos dados. CORTAR (CUT) Função que permite apagar ou deslocar os elementos selecionados em um mapa ou imagem. Ver também CROP. COSTURA (STITCHING) Processo de emendar duas imagens ou partes dessas imagens, formando uma nova imagem.

3 COTERMINOUS Ver ADJACENCY. COVARIÂNCIA (COVARIANCE) Medida de variação conjunta dos elementos de uma amostra, análoga à variância, na qual os dados que devem ser analisados são ajustados para levar em conta as relações lineares esperadas com outras variáveis. CPL Ver CHARACTERS PER LINE. CPS Ver CHARACTERS PER SECOND. CPU Ver CENTRAL PROCESSING UNIT. CRC Ver CYCLICAL REDUNDANCY CHECK. CRIAÇÃO DE BANCO DE DADOS (DATABASE CREATION) Processo de estruturar e armazenar dados num banco de dados. CRITÉRIO (CRITERIA) Conjunto de condições que o usuário estabelece para obter a informação de que necessita. CROMA (CHROMA) Atributo de uma cor que combina tom e saturação. CRT Ver CATHODE RAY TUBE. CUA Ver COMMON USER ACCESS. CURINGA (WILDCARD) Caracter chave (*,?, #, etc.) usado em substituição a outros caracteres, no nome de arquivos, comandos etc.

4 CURSOR (PUCK) Espécie de mouse utilizado em mesa digitalizadora. Normalmente tem uma janela com uma cruz feita por fios finos, usada para obter as coordenadas de um ponto na mesa digitalizadora, e um conjunto de teclas (de 4 a 16) para introduzir dados associados a essas coordenadas. CURSOR Símbolo visível guiado geralmente por teclado, joystic ou mouse, usualmente em forma de cruz, traço ou retângulo cintilante, que indica a posição atual num monitor de vídeo. CURVA (TURN) Direção de um caminho a ser escolhido quando da interseção de arcos numa rede baseando-se nos seus atributos. CURVA DE BÉZIER (BÉZIER CURVE) Uma curva calculada para conectar diferentes pontos a uma linha regular. As curvas de Bézier podem descrever um grande número de formas usando apenas alguns pontos; amplamente usadas em programas de CAD. CURVA DE NÍVEL (CONTOUR) Linha imaginária sobre o terreno, unindo todos os pontos de igual altitude com relação a uma superfície tomada como referência (habitualmente o nível médio dos mares). CURVA DE NÍVEL INTERMEDIÁRIA (INTERMEDIATE CONTOUR LINE) Termo que designa quaisquer das curvas de nível situadas entre duas curvas de nível mestras. Ver INDEX CONTOUR LINE. CURVA DE NÍVEL MESTRA (INDEX CONTOUR LINE) Curva de nível cujo valor é um múltiplo inteiro da equidistância vertical e que tem esse valor anotado sobre si mesma. É usada como referência no mapa. As curvas de nível mestras são normalmente espaçadas de 5 curvas de nível, sendo desenhadas com traços mais acentuados do que os das curvas normais. CURVAS DENTADAS (JAGGIES) Jargão empregado para definir linhas curvas que, quando

5 representadas na tela, tem o aspecto de degraus ou de dentes, como um serrote. Ver ALIASING e ANTI-ALIASING. CYMK Ver CYAN/YELLOW/MAGENTA/BLACK. D Letra que, em geral, designa a segunda unidade de disco rígido. DADOS (DATA) Números, caracteres e símbolos que identificam, qualificam e quantificam fatos ou ocorrências e que, ao serem processados, resultam em informação. DADOS AGREGADOS (AGGREGATED DATA) Observações agrupadas por meio de um critério definido. Dados geográficos são freqüentemente agrupados em unidades espaciais tais como, setores censitários, zonas de tráfego, etc. DADOS ALFANUMÉRICOS (ALPHANUMERIC DATA) Dados formados por caracteres numéricos e alfabéticos. Em geral descrevem caraterísticas (ou atributos) dos elementos representados nos mapas. DADOS AMBIENTAIS (ENVIRONMENTAL DATA) Geralmente os dados ambientais estão relacionados com os fatores físicos da funcionalidade terrestre, temas tais como, geologia, vegetação, hidrologia,solos, etc. Em sentido amplo, também inclui as variações de lugar para lugar da sociedade e comunidades nas quais vivemos, as organizações nas quais trabalhamos e até as idéias e convenções que configuram as nossas vidas. Outra característica é a sua representação em escalas pequenas, de baixa resolução e que historicamente tem sido predominantemente representadas na forma raster. DADOS ANALÓGICOS (ANALOG DATA) Dados representados de forma contínua, gráfica ou pictorial, em contraposição aos dados digitais, que são representados de forma discreta. Representam a mensuração ou representação de uma entidade que pode variar continuamente no espaço ou

6 tempo. DADOS ASSOCIADOS (ASSOCIATED DATA) Informação alfanumérica associada a um objeto específico, referenciado espacialmente. DADOS BRUTOS (RAW DATA) Dados que não foram processados, ou seja, que se encontram na forma original na qual foram capturados. DADOS CARTOGRÁFICOS (CARTOGRAPHIC DATA) Todos os dados representados em um mapa por meio do emprego de primitivas gráficas (pontos, linhas, polígonos símbolos e texto) utilizadas para o desenho da informação representada. DADOS CATEGÓRICOS (CATEGORICAL DATA) Os conjuntos de dados nos quais a natureza de muitas das variáveis são qualitativas (categorias), isto é, contadas em número de categorias em vez de valores quantitativos (valores contínuos). Exemplos de variáveis de categorias incluem o uso da terra, a geologia e a vegetação. DADOS COLATERAIS (COLATERAL DATA) Informações que auxiliam na interpretação de dados de sensoriamento remoto. DADOS COMPLEMENTARES (ANCILLARY DATA) Dados adicionais referentes a um ou vários atributos de uma entidade geográfica. DADOS CONTÍNUOS (CONTINUOUS DATA) Ver CONTINUOUS DATABASE. DADOS DE ENTRADA (INPUT DATA) Dados transferidos ou a serem transferidos de um meio de armazenamento externo para o armazenamento interno do computador.

7 DADOS DE INFRAESTRUTURA (FACILITIES DATA) Ver FACILITIES. DADOS DESAGREGADOS (DISAGGREGATED DATA) Dados referentes a entidades, de forma individual em seu nível máximo de detalhe. DADOS DESCRITIVOS (DESCRIPTIVE DATA) Dados tabulares ou textuais que descrevem os atributos das entidades. DADOS DISCRETOS (DISCRETE DATA) Dados normalmente apresentados sob a forma de pontos, polígonos ou píxels também referenciados como dados inteiros. Contrasta com dados contínuos. DADOS ESPACIAIS (SPATIAL DATA) Dados relacionados à localização, à forma e ao relacionamento entre elementos geográficos, armazenados mediante coordenadas e topologia. DADOS GEOGRÁFICOS (GEOGRAPHIC DATA) Conjunto de dados relacionados de forma individual ou coletiva a localizações geográficas. DADOS LIMPOS (CLEAN DATA) Conjunto de dados que não apresentam erros. No caso de dados gráficos, caracteriza a ausência de erros topológicos e de posicionamento, dentre outros. DADOS LONGITUDINAIS (LONGITUDINAL DATA) Em Sistemas de Informação Geográfica é uma maneira de referir-se aos dados quando, fixado o lugar varia-se o tempo. À situação oposta dá-se o nome de CROSS-SECTIONAL DATA.

8 DADOS MULTI-TEMPORAIS (MULTITEMPORAL DATA) Dados de dois ou mais períodos de tempo sobre as entidades geográficas de uma mesma área de estudo. DADOS NÃO GRÁFICOS (NON-GRAPHIC DATA) Dados descritivos das entidades gráficas, que podem ser armazenados e representados em forma tabular. DADOS PLANIMÉTRICOS (PLANIMETRIC DATA) Dados referentes à posição de um elemento geográfico em uma superfície plana de referência, desconsiderando-se a sua posição altimétrica. DADOS REDUNDANTES (REDUNDANT DATA) Dados que aparecem repetidos num banco de dados, geralmente por falha de projeto. DADOS TABULARES (TABULAR DATA) Ver ALPHANUMERIC DATA. DADOS TEMPORAIS (TEMPORAL DATA) Dados em que o fator tempo é preponderante para análise de sua dinâmica. DAEMON Um programa de segundo plano que é executado sem solicitação do usuário, coletando informações ou executando tarefas de administração do sistema operacional. DASD Ver DIRECT ACCESS STORAGE DEVICE. DAT Ver DIGITAL AUDIO TAPE. DATA DE EXPIRAÇÃO (EXPIRATION DATE) Data a partir da qual os dados contidos em um arquivo podem ser liberados, perdendo a sua proteção. Data a partir da qual uma senha (password) deixa de permitir o acesso a um sistema.

9 DATUM Marco determinado por meios geodésicos, de alta precisão, que serve como ponto de referência para todos os levantamentos que venham a ser executados sobre uma determinada área do globo terrestre. DBA Ver DATABASE ADMINISTRATOR. dbase (dbase) Um sistema de gerenciamento de banco de dados com padrão industrial desenvolvido pela Ashton-Tate Corporation. Foi o primeiro sistema de banco de dados abrangente, desenvolvido para computadores compatíveis com IBM. A linguagem de programação dbase e seus formatos de arquivo tornaram-se padrões industriais amplamente aceitos. É uma linguagem interpretativa, semelhante à linguagem Pascal e apresenta comandos para uso interativo. Entretanto, não é um banco de dados relacional, como a maioria dos sistemas de gerenciamento de bancos de dados mais novos. DBMS Ver DATABASE MANAGEMENT SYSTEM. DCE Ver DATA COMMUNICATIONS EQUIPMENT. DDE Ver DYNAMIC DATA EXCHANGE. DDL Ver DATA DEFINITION LANGUAGE. DDP Ver DISTRIBUTED DATA PROCESSING. DEBLOCAGEM (UNBLOCKING) Ato de separar os registros que compõem um bloco. DEBLOCAGEM (DEBLOCKING) Procedimento para dividir um bloco de dados em seus registros componentes para que sejam processados separadamente.

10 DECIMAL CODIFICADO EM BINÁRIO (BINARY-CODED DECIMAL - BCD) Um sistema simples para conversão de números decimais para a forma binária em que cada dígito decimal é convertido em binário e armazenado como caractere. DECLIVIDADE (SLOPE) Medida da inclinação da superfície com respeito à horizontal, expressa como proporção, percentagem, número ou fração, ou como tangente ao ângulo da inclinação. Ver GRADIENT. DECLIVIDADE (GRADIENT) Medida da inclinação de um terreno. É expressa, geralmente, como relação, fração, porcentagem ou tangente do ângulo de inclinação. DECODIFICADOR (DESCRAMBLER) Dispositsivo que decodifica um sinal/mensagem cifrado por determinado processo de embaralhamento. DECODIFICADOR (DECODER) Disposistivo que traduz o significado de um conjunto de sinais. DECOMPILAÇÃO (DECOMPILATION) Conversão de um programa compilado em código objeto para uma linguagem-fonte. DEFINIÇÃO FUNCIONAL (FUNCTIONAL DEFINITION) Argumentos administrativos e técnicos que definem as funções a serem atendidas pelo hardware, pelo software e pelos técnicos dentro da organização de um determinado sistema. DEFORMAÇÃO AFIM (AFFINE DEFORMATION) Deformação em que a escala ao longo de um eixo de referência difere da escala ao longo do outro eixo.

11 DEFORMAÇÃO ANGULAR (ANGULAR DEFORMATION) Diferença entre o ângulo formado por duas linhas no plano de projeção e o ângulo formado pelas linhas correspondentes no elipsóide de referência. DEFORMAÇÃO DA PROJEÇÃO (PROJECTION DEFORMATION) Qualquer distorção angular, areal ou linear apresentada por uma determinada projeção. DEFORMAÇÃO LINEAR (LINEAR DEFORMATION) Diferença entre o comprimento de um arco no plano de projeção e o respectivo comprimento no elipsóide de referência. DEFRAGMENTAÇÃO (DEFRAGMENTATION) Programa aplicativo que tem a finalidade de reorganizar arquivos dentro do disco rígido, em virtude de sua fragmentação, ou seja, sua divisão e gravação em partes não contíguas. DEGRADAÇÃO (DEGRADATION) Termo que caracteriza uma diminuição no desempenho de um computador ou na qualidade dos dados de uma base de dados. DELIMITADOR (DELIMITER) Qualquer caractere especial que separe itens individuais de um arquivo ou conjunto de dados. Por exemplo, em um arquivo delimitado por vírgulas, uma vírgula é colocada entre cada valor de dados. DEM Ver DIGITAL ELEVATION MODEL. DEMODULAÇÃO (DEMODULATION) Em comunicações, o processo de recuperar os dados de um sinal modulado de portadora. O inverso de modulação. DEMONSTRAÇÃO (DEMO) Uma amostra de um programa ou outro trabalho; uma espécie de Help com demostrações práticas e interativas, passo a passo,

12 às vezes com o uso de animação. DENSIFICAÇÃO (DENSIFICATION) Processo de adicionar pontos a uma rede de controle, visando a aumentar a precisão do mapeamento. Processo de adicionar vértices a um arco sem alterar a sua forma. Os vértices são colocados a distâncias pré-definidas. DEPÊNDENCIA DE DISPOSITIVO (DEVICE DEPENDENCE) A necesidade da presença de um componente de hardware específico para que um programa funcione. Normalmente, é muito difícil mover ou portar programas dependentes de dispositivos para outro computador, em função dessa dependência. DEPENDÊNCIA DE HARDWARE (HARDWARE DEPENDENCE) A necessidade da presença de determinado componente de hardware para que um programa funcione. Normalmente, é difícil mover ou portar para outro computador o software dependente de hardware. DEPOSITAR (DUMP) Transferir o conteúdo de uma área de memória para algum dispositivo de saída. Copiar informações de um lugar para outro sem formatação. DEPURADOR (DEBUGGER) Ferramenta que ajuda a identificar e remover erros em programas. DEPURAR (DEBUG) Localizar e eliminar erros (bugs) de programação ou no equipamento. Comando para montar códigos de programas, consertar arquivos de programas existentes, examinar memória e outras funções básicas. DEQUE Fila de extremidade dupla (na qual novos dados podem ser adicionados em qualquer das extremidades). DES Ver DATA ENCRYPTION STANDARD.

13 DESAGRUPAR (UNGROUP) Cancelar uma seleção de entidades previamente agrupadas, desfazendo esses grupos. DESCARREGAR (DOWNLOAD) Transferir arquivos de um computador central para uma estação periférica, por um canal de comunicações. Ver UPLOAD. DESCENDENTE (DESCENDANT) Na programação baseada em objetos, uma classe que é uma versão mais especializada de uma classe de nível mais alto. DESCOMPRESSÃO (DECOMPRESSION) Processo pelo qual são descomprimidos os dados contidos em um arquivo compactado, voltando o arquivo ao seu tamanho original. DESCRITOR (DESCRIPTOR) Termo elementar, palavra ou simples frase usados para identificar um sujeito, um conceito, uma idéia ou uma entidade. DESCRITOR DE ARQUIVO (FILE DESCRIPTOR) Informação que descreve um arquivo, detalhando-o quanto a nome, tamanho, estrutura dos registros que o compõem, data de gravação, data do último acesso e data de expiração. Normalmente o descritor está armazenado como primeiro registro do arquivo. DESEMPENHO (THROUGHPUT) Termo usado sobretudo em comunicação de dados, para caracterizar o rendimento efetivo de um sistema ou de um computador. DESEMPENHO (PERFORMANCE) Grau com o qual um instrumento ou sistema cumpre suas especificações.

14 DESENHO DE TOPONÍMIA (LETTERING) Processo de posicionamento e desenho de textos num mapa. DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE NÍVEIS (INTEGRATED LAYER DEVELOPMENT) Processo manual de combinar diversos mapas em um outro mapa. O mapa resultante é digitalizado e depois separado em diferentes níveis de informação, já em ambiente de SIG. Esse método é empregado para se evitar tanto a redundância quanto a ocorrência de slivers na base de dados. DESLOCAMENTO (DISPLACEMENT) Deslocamento da posição de um elemento num mapa ou numa fotografia aérea; neste último caso, o deslocamento ocorre devido ao relevo, à escala, ou à inclinação da aeronave. DESLOCAMENTO DE IMAGEM (IMAGE DISPLACEMENT) Qualquer alteração da geometria de uma fotografia ou imagem, reduzindo a qualidade da representação dos elementos nela contidos. DESLOCAMENTO DE UMA FEIÇÃO (FEATURE DISPLACEMENT) Ver DISPLACEMENT. DESLOCAR (SCROLL) Mover verticalmente a imagem no vídeo, linha por linha. DESSELECIONAR (DESELECT) Desfazer uma seleção feita (objeto, texto, etc.). DESTAQUE (HIGHLIGHTING) Um método de marcação de informações ou comandos na tela, em vídeo reverso ou em uma cor contrastante, para indicar que eles serão afetados pela operação seguinte. DESTINO (DESTINATION) Em análise de redes geográficas, refere-se ao nó para o qual

15 converge um determinado fluxo ou deslocamento na rede. Numa rede de computadores, é qualquer ponto ou localização para onde os dados são transmitidos; por exemplo, uma estação ou um terminal. DESTRUIR (CLOBBE) Nome dado ao ato de sobrescrever acidentalmente um arquivo. DESVIO MÉDIO (MEAN DEVIATION) É a média aritmética dos desvios absolutos com relação a um valor fixo, em geral a média aritmética dos dados. DESVIO PADRÃO (STANDARD DEVIATION) Diferença entre uma medição efetuada num universo e a média das medições desse universo. DETECÇÃO DE BORDA (EDGE DETECTION) A técnica usada na conversão de uma imagem raster gerada por scanner em vetores. O programa localiza limites de contraste na imagem e os converte em linhas que os representam. DETECÇÃO E CORREÇÃO DE ERROS (ERROR DETECTION AND CORRECTION) Um mecanismo usado durante a transferência de arquivos para determinar se ocorreram erros de transmissão e se possível corrigi-los. Alguns programas ou protocolos de transmissão solicitam uma retransmissão do bloco de dados afetado se for detectado um erro desse tipo DHRYSTONE Um programa padrão de benchmark, de uso geral, que serve para quantificar e comparar o desempenho do sistema em operações com strings e com ponto flutuante. DIAGRAMA DE BARRAS (BAR CHART) Forma de representação gráfica onde duas variáveis são representadas em x e y por meio de barras de diferentes dimensões, proporcionais às grandezas representadas. DIAGRAMA DE BLOCO (BLOCK DIAGRAM) Representação gráfico-perspectiva de dados tridimensionais,

16 usada freqüentemente no caso da representação de modelos digitais do terreno. Diagrama que recorre a figuras geométricas para representar as principais funções (e seus relacionamentos) dos diversos componentes de um sistema, de um computador ou de um dispositivo. DIÁLOGOS COMUNS (COMMON DIALOGS) Conjunto de caixas de diálogos mantidos pelo Windows para executar tarefas simples, de maneira consistente entre aplicativos, tais como: abrir e fechar arquivo, selecionar cores, imprimir, etc. DIAPOSITIVO (DIAPOSITIVE) Fotografia positiva, copiada em material transparente, geralmente filme. DIBIT Conjunto de dois bits DICIONÁRIO DE DADOS (DATA DICTIONARY) Conjunto de informações sobre dados como, por exemplo, significado, relacionamento com outros dados, origem, utilização e formato. Auxilia os administradores de bancos de dados, os analistas de sistemas e os programadores, no planejamento, no controle, na avaliação e na utilização dos dados. Catálogo de informação sobre elementos de um mapa e seus atributos. Pode conter, por exemplo, nome dos arquivos, fonte, precisão, data de aquisição, data da última atualização, etc. DICIONÁRIO DE PONTOS (POINT DICTIONARY) Arquivo que contém as coordenadas dos pontos digitalizados de um mapa. DICOTOMIA (DICHOTOMY) Método de classificação em que as divisões e as subdivisões resultantes têm apenas duas partes ou estados; por exemplo, nulo e não nulo.

17 DIFUSÃO (BROADCAST) Envio de uma mesma mensagem a todas as estações de uma rede ou a todas as estações pertencentes a uma mesma classe na rede. DIGITAL Termo que deriva de dígito, caracterizando a representação numérica discreta de um dado ou de uma grandeza física. DIGITALIZAÇÃO AUTOMÁTICA (AUTOMATIC DIGITIZING) Forma de digitalização em que a necessidade de intervenção do operador é reduzida ao mínimo, normalmente utilizando scanner. O mesmo que AUTOMATED CONVERSION. DIGITALIZAÇÃO AUTOMATIZADA (AUTOMATED DIGITIZING) Ver AUTOMATED CONVERSION. DIGITALIZAÇÃO CEGA (BLIND DIGITIZING) Processo de digitalização no qual o operador não dispõe da possibilidade de visualizar de forma imediata aquilo que está digitalizando. DIGITALIZAÇÃO EM MODO CONTÍNUO (CONTINUOUS MODE DIGITIZING) Digitalização de uma série de pontos ao longo de uma linha, sobre a qual o operador faz o cursor atuar continuamente, de forma que cada ponto é registrado num intervalo pré-definido, com relação a tempo ou distância. DIGITALIZAÇÃO MANUAL (MANUAL DIGITIZING) Processo de digitalização de um mapa com o uso de mesa digitalizadora ou, em alguns casos, o mouse ou teclado. DIGITALIZAÇÃO PONTO POR PONTO (POINT MODE DIGITIZING) Modo de digitalização, por mesa digitalizadora, onde o cursor registra ponto por ponto a informação. Ver CONTINUOUS MODE DIGITIZING. DIGITALIZAÇÃO SOBRE A TELA (HEADS-UP DIGITIZING)

18 Processo de vetorização de uma imagem raster, traçando-se diretamente sobre o monitor os elementos de interesse que nele são apresentados. DIGITALIZADOR (DIGITIZER) Dispositivo que converte dados do formato analógico (contínuo) para o formato digital (discreto). Por exemplo, a mesa digitalizadora. DIGITALIZADOR DE VÍDEO (FRAME GRABBER) Um dispositivo inteligente que converte uma imagem de vídeo ou quadro para o formato digital, que pode ser exibido no computador. A maioria dos digitalizadores de vídeo pode ser conectada a qualquer equipamento de vídeo que produza sinal RGB ou NTSC. DIGITALIZAR (DIGITIZE (1)) Converter dados do formato analógico (contínuo) para o formato digital (discreto). DIGITAR (DIGITIZE) Ato de introduzir dados em computador mediante uso de teclado. DÍGITO (DIGIT) Um sinal ou símbolo usado para representar uma quantidade específica de informação. Qualquer caracter num sistema de numeração. DIGITO BINÁRIO (BINARY DIGIT - BIT) Menor unidade de informação em um computador, cujo valor pode ser 0 ou 1, associado à ausência ou presença de eletricidade. DIME Ver DUAL INDEPENDENT MAP ENCODING. DIMENSÃO FRACTAL (FRACTAL DIMENSION) Valor que indica como as medidas de uma entidade mudam, à medida que ela vai sendo generalizada. Resume o grau de

19 complexidade do fenômeno estudado e sua capacidade de preenchimento do espaço que ocupa. A dimensão fractal é o valor absoluto do expoente de escalonamento relacionando o número de seus elementos e as suas grandezas. DIMENSÕES DAS CORES (DIMENSIONS OF COLOR) São três os atributos de dimensão de uma cor: SATURAÇÃO, BRILHO e CROMA. DIMINUIÇÃO DE TAMANHO (DOWNSIZING) Diz-se do processo de substituição, nas empresas, de grandes computadores (mainframes) por unidades menores (micros). DIP DUAL IN-LINE PACKAGE - Ver DIP SWITCH. DIREÇÃO (DIRECTION) Posição de um ponto em relação a outro. A direção é, em geral, indicada em termos de desvio angular com relação a uma outra direção tomada como referência. DIREÇÃO GEOGRÁFICA (GEOGRAPHIC DIRECTION) Ver AZIMUTH. DIREITOS DE ACESSO (ACCESS RIGHTS) Parâmetros que estabelecem os privilégios de um usuário na interação com os arquivos de dados em uma rede de computadores. Os privilégios mais comuns são os de leitura, escrita, atualização e execução. DIRETÓRIO (DIRECTORY) Lista de arquivos presentes num dispositivo de armazenamento, normalmente subdividida em partes, na forma de árvore. Cada uma dessas partes é chamada genericamente de subdiretório. DISCO (DISK) Meio de armazenamento de dados, compreendendo uma ou várias superfícies planas em forma de disco. Em microcomputadores existem atualmente três tipos de discos:

20 disco fixo ou winchester, disco flexível ou floppy disk e disco óptico ou compact disk. DISCO DE INICIALIZAÇÃO (BOOTABLE DISK) Qualquer disco capaz de carregar e inicializar o sistema operacional, embora na maioria das vezes o termo seja usado com relação a discos flexíveis. DISCO DE SISTEMA (SYSTEM DISK) Disco que contém todos os arquivos necessários para inicializar um computador. DISCO FLEXÍVEL (FLOPPY DISK) Disco magnético removível, fino e flexível, para armazenamento de dados e de programas em computadores, frequentemente referenciado pelo termo disquete. Há disquetes de vários tamanhos e capacidades. 5¼ - 360Kb 3½ - 720Kb 5¼ - 720Kb 3½ - 1.2Mb 5¼ - 1.2Mb 3½ - 1.4Mb 3½ - 2.0Mb DISCO ÓPTICO (OPTICAL DISK) Meio de armazenamento de dados constituído de um disco cujo revestimento pode ser gravado e lido por processo óptico. DISCO ÓPTICO DE MEMÓRIA SÓ DE LEITURA (COMPACT DISK - READ ONLY MEMORY - CD-ROM) Meio óptico de armazenamento de dados digitais, no qual a informação só pode ser lida, não se admitindo regravação. DISCO ÓPTICO GRAVÁVEL UMA VEZ E LEGÍVEL MUITAS VEZES (COMPACT DISK - WRITE ONCE / READ MANY - CD-WORM) Meio óptico de armazenamento de dados digitais, no qual a informação pode ser gravada uma única vez e depois disso lida indefinidamente. DISCO ÓPTICO REGRAVÁVEL (REWRITABLE OPTICAL DISK) É um tipo de disco óptico que, diferentemente do CD-ROM e do

21 WORM, pode ser usado como disco rígido, uma vez que o usuário pode gravar nele informações quantas vezes quiser. DISCO ÓTICO COM ARQUITETURA ESTENDIDA DE ROM (COMPACT DISK - ROM EXTENDED ARCHITECTURE - CD- ROM/XA) Uma extensão do formato CD-ROM, desenvolvida pela Microsoft, Phillips e Sony, que permite o armazenamento de informações audiovisuais em um disco a laser de modo que possam ser vistas e ouvidas ao mesmo tempo. DISCO RÍGIDO (HARD DISK) Dispositivo de armazenamento magnético de dados e programas, normalmente não removível, composto pelo acionador, pelo disco (ou pilha de discos) e pela controladora do dispositivo. DISCO RÍGIDO EXTERNO (EXTERNAL HARD DISK) Um disco rígido que fica em uma estrutura própria, com cabos e fonte de alimentação. DISCO VIRTUAL (VIRTUAL DISK) Parte da memória RAM que é configurada para se comportar como um disco rígido. DISCO WINCHESTER (WINCHESTER DISK) Unidade de disco rígido, de pequenas dimensões e de alta capacidade e que geralmente é instalada dentro do próprio computador. Ver HARD DISK. DISPOSITIVO (DEVICE) Módulo de hardware, mecânico, elétrico ou eletrônico, projetado para uma função específica, tal como entrada, armazenamento ou saída de dados. DISPOSITIVO DE ARMAZENAMENTO (STORAGE DEVICE) Parte de um sistema de computação utilizada para armazenar dados e programas.

22 DISPOSITIVO DE ARMAZENAMENTO DE ACESSO DIRETO (DIRECT ACCESS STORAGE DEVICE - DASD) Um dispositivo de armazenamento, como disco rígido, cujos dados podem ser acessados diretamente, sem que seja necessário ler todos os dados anteriores (a exemplo do que acontece em um dispositivo seqüencial, como uma unidade de fita). DISPOSITIVO DE ARMAZENAMENTO DE MASSA (MASS STORAGE DEVICE) Dispositivo periférico capaz de armazenar grandes volumes de dados. Discos rígidos e discos ópticos são exemplos desse tipo de dispositivo. DISPOSITIVO DE CAPTURA DIGITAL (DIGITAL CAPTURE DEVICE) Dispositivo que transforma um documento do formato analógico para o formato digital, pela leitura óptica da variação de cores ou de tons de cinza do documento e sua conversão para a forma raster. Por exemplo, o scanner. DISPOSITIVO DE ENTRADA (INPUT DEVICE) Qualquer dispositivo apropriado à transferência de dados para um computador. DISPOSITIVO LÓGICO (LOGICAL DEVICE) Identificação pela qual um determinado programa pode reconhecer diversos dispositivos físicos diferentes. É usada de forma a permitir a substituição de dispositivos físicos de entrada e saída sem alterar os programas que fazem uso desses dispositivos. DISPUTA (CONTENTION) Ver BID DISPUTA (BID) Disputa entre estações para conseguirem o controle de um canal de comunicação. DISQUETE (DISKETTE) Ver FLOPPY DISK

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISUTEC DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO PROF.: RAFAEL PINHEIRO DE SOUSA ALUNO: Exercício 1. Assinale a opção que não corresponde a uma atividade realizada em uma Unidade

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador

Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador 1 Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Curso: Sistemas de Informação Introdução 2 O Computador é uma ferramenta que

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS Executar as principais técnicas utilizadas em processamento de imagens, como contraste, leitura de pixels, transformação IHS, operações aritméticas

Leia mais

ILHA I GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO CMS DISCIPLINA: Introdução à Computação MÓDULO II Memórias e Processamento

ILHA I GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO CMS DISCIPLINA: Introdução à Computação MÓDULO II Memórias e Processamento MÓDULO II Memórias e Processamento Esse módulo irá relatar sobre as memórias seus tipos e a ligação com os tipos variados de processamento. Leia atentamente todo o conteúdo e participe dos fóruns de discursão,

Leia mais

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Iniciando o Windows XP...2 Desligar o computador...3 Área de trabalho...3

Leia mais

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Memória

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Memória Infra-Estrutura de Hardware Conceitos Básicos Memória Prof. Edilberto Silva www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Sumário Bits de Memória Ordem de Bytes Conceitos Básicos Memória Secundária Códigos de Correção

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE HARDWARE. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE HARDWARE. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CONCEITOS BÁSICOS DE HARDWARE Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA COMPUTADOR QUANTO AO TIPO COMPUTADOR SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO o Analógico o Digital o Híbrido o Hardware (parte física)

Leia mais

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com Informática Componentes de um SC Hardware X Software Memória do Computador Hardware X Software Toda interação dos usuários de computadores modernos é realizada

Leia mais

MANUTENÇÃO DE MICRO. Mário Gomes de Oliveira

MANUTENÇÃO DE MICRO. Mário Gomes de Oliveira MANUTENÇÃO DE MICRO Mário Gomes de Oliveira 1 IRQ Pedido de atenção e de serviço feito à CPU, para notificar a CPU sobre a necessidade de tempo de processamento. 2 IRQ (Interrupt Request line ou Linha

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Conceitos básicos de informática O que é informática? Informática pode ser considerada como significando informação automática, ou seja, a utilização de métodos

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O que é a Informática? A palavra Informática tem origem na junção das palavras: INFORMAÇÃO + AUTOMÁTICA = INFORMÁTICA...e significa, portanto, o tratamento da informação

Leia mais

15/08/2013 DIREITO DA. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA

15/08/2013 DIREITO DA. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA DIREITO DA INFORMÁTICA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA 1 CONCEITOS BÁSICOS Informática infor + mática. É o tratamento da informação de forma automática Dado

Leia mais

TRBOnet Standard. Manual de Operação

TRBOnet Standard. Manual de Operação TRBOnet Standard Manual de Operação Versão 1.8 NEOCOM Ltd ÍNDICE 1. TELA DE RÁDIO 3 1.1 COMANDOS AVANÇADOS 4 1.2 BARRA DE FERRAMENTAS 5 2. TELA DE LOCALIZAÇÃO GPS 6 2.1 MAPLIB 6 2.2 GOOGLE EARTH 7 2.3

Leia mais

RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN DE LIMA, TAMIRES RODRIGUES FERREIRA

RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN DE LIMA, TAMIRES RODRIGUES FERREIRA Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática FRANCIS RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN

Leia mais

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br)

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Sistemas Operacionais Entrada / Saída Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Tópicos Princípios do hardware de E/S Princípios do software de E/S Camadas do software

Leia mais

Computação I. Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br

Computação I. Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br Computação I Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br MÓDULO I- Introdução à Informática Hardware Hardware? HARDWARE é a parte física do computador. É o conjunto de componentes mecânicos, elétricos

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Componentes Sistema Informação Hardware - Computadores - Periféricos Software - Sistemas Operacionais - Aplicativos - Suítes Peopleware - Analistas - Programadores - Digitadores

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE e VALIDAÇÃO DE PRODUTO CARTOGRÁFICO

CONTROLE DE QUALIDADE e VALIDAÇÃO DE PRODUTO CARTOGRÁFICO CONTROLE DE QUALIDADE e VALIDAÇÃO DE PRODUTO CARTOGRÁFICO Editar dados em vários formatos e armazenar estas informações em diferentes sistemas é provavelmente uma das atividades mais comuns para os profissionais

Leia mais

Iniciação à Informática

Iniciação à Informática Meu computador e Windows Explorer Justificativa Toda informação ou dado trabalhado no computador, quando armazenado em uma unidade de disco, transforma-se em um arquivo. Saber manipular os arquivos através

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES DISPOSITIVOS DE ENTRADA E SAÍDA. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES DISPOSITIVOS DE ENTRADA E SAÍDA. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES DISPOSITIVOS DE ENTRADA E SAÍDA Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Compreender o que é um dispositivo Compreender o mecanismo de acionamento de um dispositivo

Leia mais

Digitalização. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424

Digitalização. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424 Digitalização Este capítulo inclui: Digitalização básica na página 4-2 Instalando o driver de digitalização na página 4-4 Ajustando as opções de digitalização na página 4-5 Recuperando imagens na página

Leia mais

Se ouço esqueço, se vejo recordo, se faço aprendo

Se ouço esqueço, se vejo recordo, se faço aprendo Se ouço o esqueço, se vejo recordo, se faço o aprendo Meios de Armazenamento Secundário Principais Dispositivos de Entrada Principais Dispositivos de Saída Outros Dispositivos de Entrada/Saída Meios de

Leia mais

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG 2012 Introdução Os modelo digitais de superficie (Digital Surface Model - DSM) são fundamentais

Leia mais

Introdução a Ciência da Computação Conceitos Básicos de Sistema PROFESSORA CINTIA CAETANO

Introdução a Ciência da Computação Conceitos Básicos de Sistema PROFESSORA CINTIA CAETANO Introdução a Ciência da Computação Conceitos Básicos de Sistema PROFESSORA CINTIA CAETANO Introdução A informática é uma área que atualmente vem evoluindo muito rapidamente. A cada dia se torna mais importante

Leia mais

Informática. Informática. Valdir

Informática. Informática. Valdir Informática Informática Valdir Questão 21 A opção de alterar as configurações e aparência do Windows, inclusive a cor da área de trabalho e das janelas, instalação e configuração de hardware, software

Leia mais

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Entrada e Saída Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Dispositivos Externos; E/S Programada; E/S Dirigida por Interrupção; Acesso Direto à Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 25

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 25 Informática Prof. Macêdo Firmino Introdução a Informática Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 25 O Que é um Computador? É uma máquina composta de um conjunto de partes eletrônicas e

Leia mais

RICS. Remote Integrated Control System Release 2.76. Apresentação do Produto

RICS. Remote Integrated Control System Release 2.76. Apresentação do Produto RICS Remote Integrated Control System Release 2.76 Apresentação do Produto Índice Informações Principais Instalação do RICS Configuração do RICS Introdução Capítulo I Requisitos dos Instrumentos Requisitos

Leia mais

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA Manual do Usuário Título SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

INFORMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO I

INFORMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO I CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ INFORMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO I Unidade II O usuário se comunica com o núcleo do computador (composto por CPU e memória principal) através de dispositivos de entrada

Leia mais

Sistemas Operacionais. Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br. Gerência de Arquivos

Sistemas Operacionais. Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br. Gerência de Arquivos Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Gerência de Arquivos Gerência de Arquivos Um sistema operacional tem por finalidade permitir que o usuários do computador executem aplicações,

Leia mais

Lista de Exercícios Introdução à Informática

Lista de Exercícios Introdução à Informática Lista de Exercícios Introdução à Informática Histórico e Evolução da Computação 1. Cite alguns problemas que o uso de válvulas provocava nos computadores de 1ª geração. 2. O que diferencia os computadores

Leia mais

DOS SISTEMA OPERACIONAL DO COMPUTADOR

DOS SISTEMA OPERACIONAL DO COMPUTADOR EXERCÍCIOS PROPOSTOS 1. Qual o principal instrumento de trabalho dos profissionais da área de informática? a) Computador. b) End User. c) Analistas de Sistemas. d) Impressora Laser. e) Mouse. 2. Qual o

Leia mais

Software. Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS

Software. Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS Software Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS ESQUEMA DE UM SISTEMA DE COMPUTADOR Unidades de Entrada - Teclado - Scanner - Caneta Ótica - Leitora

Leia mais

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ 1 1. Introdução Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ O ImageJ é um software livre (freeware) que pode ser obtido gratuitamente no site http://rsb.info.nih.gov/ij/. Esse software é

Leia mais

Componentes de um computador típico

Componentes de um computador típico Componentes de um computador típico Assim como em um videocassete, no qual é necessário ter o aparelho de vídeo e uma fita contendo o filme que será reproduzido, o computador possui a parte física, chamada

Leia mais

SIG - Sistemas de Informação Geográfica

SIG - Sistemas de Informação Geográfica SIG - Sistemas de Informação Geográfica Gestão da Informação Para gestão das informações relativas ao desenvolvimento e implantação dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período Sistemas de Informação Sistemas Operacionais 4º Período SISTEMA DE ARQUIVOS SUMÁRIO 7. SISTEMA DE ARQUIVOS: 7.1 Introdução; 7.2 s; 7.3 Diretórios; 7.4 Gerência de Espaço Livre em Disco; 7.5 Gerência de

Leia mais

AULA TEÓRICA 2 Tema 2. Conceitos básicos de informática, computadores e tecnologias de informação. Sistemas de numeração (continuação)

AULA TEÓRICA 2 Tema 2. Conceitos básicos de informática, computadores e tecnologias de informação. Sistemas de numeração (continuação) AULA TEÓRICA 2 Tema 2. Conceitos básicos de informática, computadores e tecnologias de informação. Sistemas de numeração (continuação) Digitalização. Arquitectura básica do hardware. Input, processamento,

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o funcionamento do computador Apresentar a função da memória e dos dispositivos

Leia mais

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO)

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) Há vários tipos de sistemas de gravações digitais. Os mais baratos consistem de uma placa para captura de vídeo, que

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - DIPLAN COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS -

Leia mais

Prof. Esp. Lucas Cruz

Prof. Esp. Lucas Cruz Prof. Esp. Lucas Cruz O hardware é qualquer tipo de equipamento eletrônico utilizado para processar dados e informações e tem como função principal receber dados de entrada, processar dados de um usuário

Leia mais

1 Como seu Cérebro Funciona?

1 Como seu Cérebro Funciona? 1 Como seu Cérebro Funciona? UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) O cérebro humano é capaz de processar as informações recebidas pelos cinco sentidos, analisá-las com base em uma vida inteira de experiências,

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

Prof. Célio Conrado 1

Prof. Célio Conrado 1 O usuário se comunica com o núcleo do computador (composto por CPU e memória principal) através de dispositivos de entrada e saída (dispositivos de E/S). Todo objeto que faz parte do sistema e tem por

Leia mais

Princípios de funcionamento dos computadores

Princípios de funcionamento dos computadores Princípios de funcionamento dos computadores Objetivos da aula: - Entender o princípio de funcionamento dos computadores - Entender o conceito de programa e sua dinâmica de execução Tópicos da aula: -

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Sistema de Computação

Conceitos Básicos sobre Sistema de Computação Conceitos Básicos sobre Sistema de Computação INFORMÁTICA -É Ciência que estuda o tratamento automático da informação. COMPUTADOR Equipamento Eletrônico capaz de ordenar, calcular, testar, pesquisar e

Leia mais

Informática. Aulas: 01 e 02/12. Prof. Márcio Hollweg. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Informática. Aulas: 01 e 02/12. Prof. Márcio Hollweg. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Informática Aulas: 01 e 02/12 Prof. Márcio Hollweg UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

O WINDOWS 98 é um sistema operacional gráfico, multitarefa, produzido pela Microsoft.

O WINDOWS 98 é um sistema operacional gráfico, multitarefa, produzido pela Microsoft. WINDOWS O WINDOWS 98 é um sistema operacional gráfico, multitarefa, produzido pela Microsoft. Área de Trabalho Ligada a máquina e concluída a etapa de inicialização, aparecerá uma tela, cujo plano de fundo

Leia mais

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo.

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo. O que é o Gimp? O GIMP é um editor de imagens e fotografias. Seus usos incluem criar gráficos e logotipos, redimensionar fotos, alterar cores, combinar imagens utilizando o paradigma de camadas, remover

Leia mais

INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES

INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES 2010/2011 1 Equipamentos informáticos Hardware e Software Hardware refere-se aos dispositivos físicos (electrónicos, mecânicos e electromecânicos) que constituem

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

MANUAL BÁSICO DE UTILIZAÇÃO DO SARA - PC SCANNER COM VOZ

MANUAL BÁSICO DE UTILIZAÇÃO DO SARA - PC SCANNER COM VOZ MANUAL BÁSICO DE UTILIZAÇÃO DO SARA - PC SCANNER COM VOZ VERSÃO 9.0.1.5 SARA - PC Scanner com Voz Freedom Scientific 1 Sumário SARA PC Scanner com Voz... 3 Botões do Scanner... 3 Software do Scanner:...

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 2 Windows Vista Professora: Cintia Caetano AMBIENTE WINDOWS O Microsoft Windows é um sistema operacional que possui aparência e apresentação aperfeiçoadas para que o trabalho

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT Power Point Básico Santa Maria, julho de 2006 O Power Point é um aplicativo do Microsoft Office direcionado à criação de apresentações.

Leia mais

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias:

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias: Aula 11 Arquitetura de Computadores - 20/10/2008 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber MEMÓRIA Memória é um termo genérico usado para designar as partes do computador

Leia mais

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores Attack 1.35 Software de controle e Monitoração de amplificadores 1 Índice 1 Hardware necessário:... 3 1.1 Requisitos do computador:... 3 1.2 Cabos e conectores:... 3 1.3 Adaptadores RS-232 USB:... 4 1.4

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos - II Prof. Galvez Implementação de Arquivos Arquivos são implementados através da criação, para cada arquivo no sistema, de uma estrutura de dados

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL.

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. Um gráfico no Excel é uma representação gráfica dos números de sua planilha - números transformados em imagens. O Excel examina um grupo de células que tenham sido selecionadas.

Leia mais

Teoria : Estruturas de Dados. Estrutura Vetorial. Quais tipos de dados são representados por estruturas vetoriais? Mapa temático:

Teoria : Estruturas de Dados. Estrutura Vetorial. Quais tipos de dados são representados por estruturas vetoriais? Mapa temático: Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de ciências Humanas e da Educação FAED Mestrado em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Socio- Ambiental - MPPT Disciplina: Geoprocessamento

Leia mais

Interconexão redes locais (LANs)

Interconexão redes locais (LANs) Interconexão redes locais (LANs) Descrever o método de funcionamento dos dispositivos bridge e switch, desenvolver os conceitos básicos de LANs intermediárias, do uso do protocolo STP e VLANs. Com o método

Leia mais

3. Arquitetura Básica do Computador

3. Arquitetura Básica do Computador 3. Arquitetura Básica do Computador 3.1. Modelo de Von Neumann Dar-me-eis um grão de trigo pela primeira casa do tabuleiro; dois pela segunda, quatro pela terceira, oito pela quarta, e assim dobrando sucessivamente,

Leia mais

Introdução aos Computadores

Introdução aos Computadores Os Computadores revolucionaram as formas de processamento de Informação pela sua capacidade de tratar grandes quantidades de dados em curto espaço de tempo. Nos anos 60-80 os computadores eram máquinas

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída Dispositivos de Entrada e Saída Prof. Márcio Bueno {cgtarde,cgnoite}@marciobueno.com Fonte: Material do Prof. Robson Pequeno de Sousa e do Prof. Robson Lins Dispositivos de Entrada Teclado, Mouse, Trackball,

Leia mais

PROVA DE NOÇÕES DE MICROINFORMÁTICA

PROVA DE NOÇÕES DE MICROINFORMÁTICA 18 PROVA DE NOÇÕES DE MICROINFORMÁTICA AS QUESTÕES DE 41 A 60 CONSIDERAM O ESQUEMA PADRÃO DE CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA OPERACIONAL MICROSOFT WINDOWS ME E DAS FERRAMENTAS MICROSOFT WINDOWS EXPLORER, MICRO-

Leia mais

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora OpenGL Uma Abordagem Prática e Objetiva Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour Novatec Editora Capítulo 1 Introdução A Computação Gráfica é uma área da Ciência da Computação que se dedica ao estudo e ao desenvolvimento

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS DE ARQUIVOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 11 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional SISTEMAS DE ARQUIVOS - INTRODUÇÃO O armazenamento e a recuperação de informações é

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Aula 01 Introdução Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011.1 1 Processamento de dados 2 Organização de Computadores 3 Sistemas de Numeração Processamento de dados Processamento

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

TRBOnet MDC Console. Manual de Operação

TRBOnet MDC Console. Manual de Operação TRBOnet MDC Console Manual de Operação Versão 1.8 ÍNDICE NEOCOM Ltd 1. VISÃO GERAL DA CONSOLE...3 2. TELA DE RÁDIO...4 2.1 COMANDOS AVANÇADOS...5 2.2 BARRA DE FERRAMENTAS...5 3. TELA DE LOCALIZAÇÃO GPS...6

Leia mais

Plano de Aula - Windows 8 - cód.5235 24 Horas/Aula

Plano de Aula - Windows 8 - cód.5235 24 Horas/Aula Plano de Aula - Windows 8 - cód.5235 24 Horas/Aula Aula 1 Capítulo 1 - Introdução ao Windows 8 Aula 2 1 - Introdução ao Windows 8 1.1. Novidades da Versão...21 1.2. Tela de Bloqueio...21 1.2.1. Personalizar

Leia mais

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea (Criptofonia) OTAR (Over The Air Rekeying), para emprego na rede

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores Entrada e Saída. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007

Introdução à Organização de Computadores Entrada e Saída. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Introdução à Organização de Computadores Entrada e Saída Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Tópicos Processadores Memória Principal Memória Secundária

Leia mais

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br Hardware e Software Professor: Felipe Schneider Costa felipe.costa@ifsc.edu.br Agenda Hardware Definição Tipos Arquitetura Exercícios Software Definição Tipos Distribuição Exercícios 2 Componentesde um

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores Autor: José Augusto Manzano Capítulo 1 Abordagem Contextual 1.1. Definições Básicas Raciocínio lógico depende de vários fatores para

Leia mais

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0 Ajuda ao Usuário A S S I S T E N T E P I M A C O + 2.2.0 Ajuda ao usuário Índice 1. BÁSICO 1 1. INICIANDO O APLICATIVO 2 2. O AMBIENTE DE

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

Status. Barra de Título. Barra de Menu. Barra de. Ferramentas Padrão. Caixa de nomes. Barra de. Ferramentas de Formatação. Indicadores de Coluna

Status. Barra de Título. Barra de Menu. Barra de. Ferramentas Padrão. Caixa de nomes. Barra de. Ferramentas de Formatação. Indicadores de Coluna O que é uma planilha eletrônica? É um aplicativo que oferece recursos para manipular dados organizados em tabelas. A partir deles pode-se gerar gráficos facilitando a análise e interpretação dos dados

Leia mais

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada.

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada. Editor de Ladder para VS7 Versão Teste O editor de ladder é um software de programação que permite que o VS7 e o µsmart sejam programados em linguagem de contatos. Esse editor está contido na pasta Público

Leia mais

Informática Computador Visão Geral. Prof. Marcos André Pisching, M.Sc.

Informática Computador Visão Geral. Prof. Marcos André Pisching, M.Sc. Informática Computador Visão Geral Prof. Marcos André Pisching, M.Sc. Objetivos Identificar os componentes básicos de um sistema de computador: entrada, processamento, saída e armazenamento. Relacionar

Leia mais

SIMULADO Windows 7 Parte V

SIMULADO Windows 7 Parte V SIMULADO Windows 7 Parte V 1. O espaço reservado para a Lixeira do Windows pode ser aumentado ou diminuído clicando: a) Duplamente no ícone lixeira e selecionando Editar propriedades b) Duplamente no ícone

Leia mais

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE ÍNDICE ÍNDICE... 1 CAPÍTULO 01 PREPARAÇÃO DO AMBIENTE... 2 1.1 IMPORTAÇÃO DO DICIONÁRIO DE DADOS... 2 CAPÍTULO 02 CADASTRO E CONFIGURAÇÃO DE RELATÓRIOS... 4 2.1 CADASTRO DE RELATÓRIOS... 4 2.2 SELEÇÃO

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informação Hardware: Dispositivos de Entrada, Processamento e Saída

Fundamentos de Sistemas de Informação Hardware: Dispositivos de Entrada, Processamento e Saída Fundamentos de Sistemas de Informação Hardware: Dispositivos de Entrada, Processamento e Saída Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Introdução O uso apropriado da tecnologia pode garantir

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I)

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

sobre Hardware Conceitos básicos b Hardware = é o equipamento.

sobre Hardware Conceitos básicos b Hardware = é o equipamento. Conceitos básicos b sobre Hardware O primeiro componente de um sistema de computação é o HARDWARE(Ferragem), que corresponde à parte material, aos componentes físicos do sistema; é o computador propriamente

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DVR-USB ST-104

MANUAL DE INSTALAÇÃO DVR-USB ST-104 MANUAL DE INSTALAÇÃO DVR-USB ST-104 Obrigado por escolher o DVR USB ST-104 DIMY S. Por favor, certifique-se que a operação do produto esta de acordo com este manual para garantir a estabilidade do sistema

Leia mais

Manual Software CMS. Introdução:

Manual Software CMS. Introdução: Introdução: O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa eletrônico

Leia mais

Seu manual do usuário HP COMPAQ EVO D310 DESKTOP http://pt.yourpdfguides.com/dref/870005

Seu manual do usuário HP COMPAQ EVO D310 DESKTOP http://pt.yourpdfguides.com/dref/870005 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para HP COMPAQ EVO D310 DESKTOP. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no

Leia mais

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões.

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões. CAMERA IP SERIE AV O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa

Leia mais

1 - Crie um novo documento no ArcMap. Com o programa aberto, selecione o Dataframe Layers

1 - Crie um novo documento no ArcMap. Com o programa aberto, selecione o Dataframe Layers Conversão de Raster para Polígono usando o ArcMap Nos posts anteriores, conhecemos uma situação onde uma empresa solicita, além do produto esperado, imagens no canal alfa para geração de polígonos envolventes

Leia mais