Organização e Arquitetura de Computadores II (CEA 509) Armazenamento e o Sistema de E/S

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Organização e Arquitetura de Computadores II (CEA 509) Armazenamento e o Sistema de E/S"

Transcrição

1 Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Computação e Sistemas - DECSI Organização e Arquitetura de Computadores II (CEA 509) Armazenamento e o Sistema de E/S Vicente Amorim

2 Sumário * Introdução. * Conceitos Básicos. * Organização dos meios de armazenamento. * Interconexão entre Processador, Memória e Dispositivos de E/S. * Medidas de Desempenho de E/S.

3 Introdução

4 Introdução * Sistemas de armazenamento: - Normalmente possuem grande dependência pelo lado do usuário. - Interrupção/erro na execução de programas não causam tanto estrago quanto a perda de dados armazenados em memória não-volátil. - Ênfase dos sistemas de armazenamento é então dependência/ custo, enquanto processadores olham para variáveis desempenho/custo.

5 Introdução * Sistemas de armazenamento:

6 Introdução * Sistemas de armazenamento: - Deve-se ainda considerar capacidade de expansão. - Conceito de desempenho em sistemas de armazenamento é normalmente um pouco mais complexo: Em alguns dispositivos, latência é o que mais importa. Em outros, vazão é o mais importante. Outras variáveis importantes: Características do dispositivo, tipo de conexão, hierarquia de memória, sistema operacional, etc.

7 Introdução * Sistemas de E/S em geral: - Podem ser classificados segundo três características principais: Comportamento: somente leitura, somente escrita ou armazenamento (leitura e escrita). Tipo de usuário: humano ou outra máquina podem ser clientes de um sistema de armazenamento. Taxa de transferência: Velocidade máxima de transmissão dos dados entre os dispositivos e/ou entre a memória principal e o processador.

8 Introdução * Sistemas de E/S em geral:

9 Introdução * Sistemas de E/S em geral: - Largura de banda pode ser utilizada como métrica de eficiência Qual a quantidade de dados que se consegue mover em um sistema dentro de um determinado período de tempo? Sistema de streaming de dados, transf. de grande quantidade de dados, etc Quantas operações de E/S se consegue executar por uma unidade de tempo? Operações bancárias, transf. de pequenos blocos de dados não relacionados, etc

10 Introdução * Sistemas de E/S em geral: - Largura de banda pode ser utilizada como métrica de eficiência Em determinados casos, as duas métricas podem importar: Deseja-se transferir uma grande quantidade de dados com um curto prazo de resposta. Desktops e embarcados estão mais focados no tempo de resposta. Servidores estão mais relacionados à vazão do sistema e capacidade de expansão dos dispositivos de E/S.

11 Armazenamento em Discos

12 Armazenamento em Discos * Introdução - Discos magnéticos são baseados em pratos rotativos cobertos por uma superfície magnética que utilizam uma cabeça móvel de leitura/escrita. - Não voláteis: Dados continuam armazenados mesmo após interrupção do fornecimento de alimentação. - Os pratos (1-4) giram em velocidades que variam de 5400 a RPM. - Diâmetro varia de 1.0 a 3.5 polegadas.

13 Armazenamento em Discos * Introdução - Superfície do disco é dividida em círculos concêntricos chamados de trilhas. Comumente existem 10,000 a 50,000 trilhas por superfície. - Cada trilha é dividida em setores nos quais a informação está contida. Cada trilha possui entre 100 e 500 setores; Normalmente possui tamanho de 512 bytes.

14 Armazenamento em Discos * Introdução Cabeçote fixo Cabeçote móvel

15 Armazenamento em Discos * Introdução - Anos 90: Introdução do conceito ZBR (zone bit recording): Anteriormente, número de bits era constante em qualquer setor do disco; ZBR permite aumentar o número de bits nas trilhas mais externas, consequentemente, aumenta também a capacidade do disco. - Cilindro: Cabeças de leitura (superior/inferior) movimentam-se em conjunto.

16 Armazenamento em Discos * Introdução - Cilindro: (cont.) Cabeças de leitura/escrita ficam sobre a mesma trilha em ambas as superfícies. Cilindro: Todas as trilhas que estão sob as cabeças de leitura/ escrita em um dado ponto das superfícies.

17 Armazenamento em Discos * Introdução

18 Armazenamento em Discos * Operação básica - Acesso aos dados - SO deve instruir o disco a: Posicionar a cabeça e leitura/escrita na trilha devida (seek): seek time: Tempo para posicionamento da cabeça de leitura/ escrita. Tempo médio gira em torno de 3ms a 13ms. Atualmente seek time gira em torno de 25% a 35% do anunciado. Vantagem pela localidade : Acessos sucessivos a um mesmo arquivo / escalonamento de acessos em conjunto.

19 Armazenamento em Discos * Operação básica - Acesso aos dados - SO deve instruir o disco a: (cont.) Aguardar pelo setor correto: Setor com os dados desejados deve estar sob a cabeça de leitura/escrita; rotational latency (latência rotacional): Tempo gasto para que o setor correto esteja sob a cabeça de leitura/escrita; Considerando um disco de 5400RPM:

20 Armazenamento em Discos * Operação básica - Acesso aos dados - SO deve instruir o disco a: (cont.) Transferir os dados: Bloco de bits desejado é transferido pelo controlador para a memória principal. Tempo de transferência é dado em função do tamanho do setor, velocidade de rotação e densidade de gravação de um trilha. Em 2008 tempo de transferência perto de 125MB/s. Atualmente, supera-se os 375MB/s.

21 Armazenamento em Discos * Operação básica - Controlador Cada disco possui um controlador : Interface entre o SO e os dados armazenados no disco (hardware). Possui conhecimento para manipular e buscar os dados requisitados. Último componente a impor overhead na transferência dos dados uma vez que possui uma memória cache interna.

22 Armazenamento em Discos * Operação básica - Características Densidade dos discos cresceu continuamente por mais de 50 anos.

23 Armazenamento em Discos * Operação básica - Características Em 2008, os discos de um determinado fabricante - quando comprados em larga escala - custavam entre $0.20 e $2.00 cada gigabyte. Principal forma de otimização do uso dos discos está na idea da manutenção de informações correlatas em blocos próximos do disco - reduzir tempo de seek. Interfaces ATA (Advanced Technology Attachment) e SCSI (Small Computer Systems Interface) possuem um microprocessador interno para otimizações.

24 Armazenamento em Discos * Operação básica - Características Interfaces mais inteligentes tentam armazenar os dados mais de forma contínua que randômica. Consequentemente, blocos sequenciais podem estar em diferentes trilhas.

25 Armazenamento em Memória flash

26 Armazenamento em Memória Flash * Introdução - Até agora, a memória flash é a tecnologia que mais perto chegou de competir com os discos. - Memória não-volátil com latência 100 a 1000 vezes menor que um disco rígido. - Proporcionalmente menor que um disco, mais energeticamente eficiente e mais resistente a impactos. - Atualmente sua popularidade vem aumentando e seu uso na área de embarcados é muito grande.

27 Armazenamento em Memória Flash * Introdução

28 Armazenamento em Memória Flash * Introdução - Custo por gigabyte normalmente é maior quando comparado aos discos rígidos. - O primeiro tipo de memória flash era conhecido como NOR flash (devido a similaridade da célula de armazenamento com uma porta NOR). - Atualmente utiliza-se o padrão NAND que provê uma densidade de armazenamento muito maior: NAND só pode ser lida/escrita em blocos uma vez que ligações internas para acesso aleatório foram removidas.

29 Armazenamento em Memória Flash * Introdução

30 Armazenamento em Memória Flash * Introdução - Problema: Diferentemente de outras memórias, a NAND possui um limite muito menor para escritas em cada bloco. - Solução corrente (wear leveling): Incluso um controlador em hardware para garantir um espalhamento ótimo dos dados nos blocos (re-mapeando os dados para os menos utilizados). - Com tal solução dispositivos dificilmente ultrapassam o limite de escrita dos blocos da memória. - Entretanto, utilização de controladores pode limitar o desempenho da memória.

31 Armazenamento em Memória Flash * Introdução - Limite no número de escritas é uma das razão para memória flash não ser utilizada em servidores. - Desde 2008 já é possível se encontrar no mercado versões de notebooks/laptops com armazenamento via memória flash. - Atualmente existem versões de hardware híbrido que combinam determinadas quantidades de memória flash com um armazenamento massivo via disco rígido. - A longo prazo, a memória flash tende a ter seu custo reduzido.

32 Conexão entre processador, memória, e dispositivos de E/S

33 Conexão entre processador, memória e dispositivos de E/S * Introdução - É sabido que um sistema computacional é formado por um conjunto de componentes: CPU, memória, dispositivos de E/S, - Para que programas possam ser executados a CPU deve poder conversar com cada um desses componentes (direta ou indiretamente). - Durante muito tempo, o canal de comunicação da CPU com os outros componentes era feito através de um barramento (bus).

34 Conexão entre processador, memória e dispositivos de E/S * Barramentos - Link implementado por um conjunto de fios utilizado para conectar vários subsistemas. - Vantagens: Por ser um canal de comunicação único, novos dispositivos podem ser adicionados/retirados facilmente; Baixo-custo uma vez que o mesmo conjunto de fios pode ser utilizado de maneiras diferentes;

35 Conexão entre processador, memória e dispositivos de E/S * Barramentos - Desvantagem: Cria um gargalo de comunicação ao limitar a vazão através de um único ponto. Todo o tráfego de E/S acaba passando pelo mesmo componente. - Se dividem em duas categorias: Processador/memória: Curtos, de altíssima velocidade interconectando o processador à memória. E/S: São mais longos e podem interconectar dispositivos de diversas naturezas. Não se comunicam diretamente com a mem.

36 Conexão entre processador, memória e dispositivos de E/S * Barramentos - Características: A dificuldade no projeto dos barramentos é dada basicamente devido ao seu tamanho e o número de dispositivos suportados. Dificuldade no controle em hardware de fios paralelos com dados em alta velocidade: clock skew: Sinal de clock chega aos diversos componentes em tempos diferentes; reflection: Sinal é refletido de volta no barramento quando chega em seu final (para sanar normalmente utiliza-se terminadores).

37 Conexão entre processador, memória e dispositivos de E/S * Interconexões de E/S - Conceitos básicos: Uma transação típica de E/S é composta de duas partes: envio do endereço e envio/recebimento do dado. Output: Uma leitura retira os dados da memória para o processador ou dispositivo de E/S. Input: Uma escrita escreve na memória os dados vindos do processador ou dispositivo de E/S. As interconexões de E/S servem como uma maneira de se expandir a capacidade da máquina agregando novo hardware.

38 Conexão entre processador, memória e dispositivos de E/S * Interconexões de E/S - Conceitos básicos: Para fazer com que as operações de E/S ficassem mais fáceis de gerenciar, padrões foram criados pela indústria. Padrões servem como especificação para fabricação do hardware, de modo que o mesmo genérico. Alguns dos mais populares padrões: Firewire, USB, PCI Express (PCIe), Serial ATA (SATA) e Serial Attached SCSI (SAS).

39 Conexão entre processador, memória e dispositivos de E/S * Interconexões de E/S

40 Conexão entre processador, memória e dispositivos de E/S * Interconexões de E/S - Barramentos síncronos: Protocolo de comunicação é sempre sincronização de acordo com o clock. Barramento pode ser rápido, uma vez que envolve pouca lógica e responde sempre a um protocolo pré-determinado. Desvantagens: Todos os dispositivos conectados ao barramento devem funcionar na mesma frequência; e Devido ao clock skew barramentos síncronos não podem ser longos.

41 Conexão entre processador, memória e dispositivos de E/S * Interconexões de E/S - Barramentos assíncronos: Não possuem dependência ou sincronização com o ciclo de clock. Podem acomodar uma quantidade maior de dispositivos sem sofrer com clock skew. Envio e recebimento dos dados entre transmissor e receptor é feito através de um protocolo handshaking. Handshaking protocol utiliza um conjunto de fios à parte.

42 Conexão entre processador, memória e dispositivos de E/S * Interconexões de E/S - Processadores x86

43 Conexão entre processador, memória e dispositivos de E/S * Interconexões de E/S - Processadores x86

44 Interface de E/S com processador/memória/so

45 Interface de E/S com processador/memória/so * Introdução - Um barramento ou um protocolo definem como os dados devem ser comunicados. - Principais questionamentos: Qual é o papel do sistema operacional? Como os dados são transferidos de/para a memória? Como uma requisição de usuário é transformada em comandos a serem comunicados ao dispositivo?

46 Interface de E/S com processador/memória/so * Introdução - Qual é o papel do sistema operacional? Fazer a interface entre o hardware e o programa que requisita operações de E/S. Principais motivações: Múltiplos programas que utilizam a CPU compartilham o sistema de E/S; Uso de interrupções faz com que as mesmas sejam tratadas pelo SO em modo supervisor; e Complexidade do gerenciamento do subsistema de E/S faz com que SO precise intervir em sua administração.

47 Interface de E/S com processador/memória/so * Introdução - Qual é o papel do sistema operacional? Motivações levam a tarefas específicas do SO: SO garante que um programa de usuário acesse somente a partes específicas de um dispositivo de E/S (permissões). Abstração de rotinas de baixo-nível para operações padrões em nível de usuário. Gerenciamento e manipulação de interrupções geradas por dispositivos de E/S. Acesso justo a recursos compartilhados e escalonamento dos mesmos de modo a aumentar a vazão do sistema.

48 Interface de E/S com processador/memória/so * Introdução - Qual é o papel do sistema operacional? Como prevenir que usuários se comuniquem diretamente com dispositivos de E/S? SO precisa fornecer diferentes tipos de comunicação: Envio de instruções a serem processadas nos dispositivos: read, write, seek, config, etc. Recebimento de informações do dispositivo após finalizar E/S. Movimentação de dados entre dispositivo de E/S e memória (ex.: bloco de dados do disco sendo movimentados para memória RAM).

49 Interface de E/S com processador/memória/so * Comandos para os dispositivos de E/S - Conceitos básicos Para se comunicar com um dispositivo de E/S o SO precisa ser capaz de endereçá-lo. Dois possíveis métodos de endereçamento: E/S mapeada em memória (memory mapped I/O): Porções da memória são reservadas para a troca de dados com dispositivos. Toda escrita/leitura para os endereços dentro dessa região são interpretados como comandos para o dispositivo. Programas de usuário não podem fazer E/S via mapeamento de memória pois não possuem acesso direto às regiões endereçáveis.

50 Interface de E/S com processador/memória/so * Comandos para os dispositivos de E/S - Conceitos básicos Dois possíveis métodos de endereçamento: (cont.) E/S mapeada em memória (memory mapped I/O): Processador escreve o endereço e dados diretamente na memória; Memória ignora tais dados pois não fará uso dos mesmos; Controlador do dispositivo enxerga os dados e os transmite ao dispositivo em forma de comandos. Na ocorrência de um evento, o endereço está codificado como o tipo e id do dispositivo.

51 Interface de E/S com processador/memória/so * Comandos para os dispositivos de E/S - Conceitos básicos Dois possíveis métodos de endereçamento: (cont.) Instruções especiais de E/S: Processador pode ter que perguntar sobre estado atual do dispositivo de E/S. Ex.: Impressora deve estar pronta antes de se enviar comando de impressão, seek das cabeças de leitura do disco, etc. Cada uma das instruções requer um comando diferente de E/S.

52 Interface de E/S com processador/memória/so * Comunicação com o Processador - Operações de E/S são normalmente executadas em duas diferentes vias. - Como dispositivos de E/S conseguem se comunicar com o processador? Pooling Processo de verificação periódica dos bits de status para ver se é o momento da próxima operação de E/S. Dispositivo de E/S coloca a informação em um registrador de status e processador recupera tal dado.

53 Interface de E/S com processador/memória/so * Comunicação com o Processador - Como dispositivos de E/S conseguem se comunicar com o processador? Pooling (cont.) Conceito pode ser utilizado de diferentes maneiras. Aplicativos embarcados de tempo-real fazem o pooling diretamente nos dispositivos de E/S. Frequência da operação e tempo gasto na E/S são predeterminados, facilitando operações dessa natureza. Desvantagem: Muito overhead uma vez que processador verifica muitas vezes se existe alguma operação de E/S.

54 Interface de E/S com processador/memória/so * Comunicação com o Processador - Como dispositivos de E/S conseguem se comunicar com o processador? E/S dirigida por interrupções (Interrupt-driven I/O): Interrupções são geradas para se notificar o processador da ocorrência de algum evento. Indicam que um determinado dispositivo precisa de atenção no tratamento dos dados. Próprio dispositivo gera a interrupção de acordo com um protocolo pré-estabelecido. Além de interrupções de E/S existem as de notificação interna.

55 Interface de E/S com processador/memória/so * Comunicação com o Processador - Como dispositivos de E/S conseguem se comunicar com o processador? E/S dirigida por interrupções (Interrupt-driven I/O): (cont.) Diferenças interrupções vs. excessões: Interrupções são assíncronas com respeito à execução de instruções. Interrupções não interrompem a execução de uma instrução, uma vez que a existência de interrupções só é verificada entre uma instrução e outra pela unidade de controle; Interrupções além de notificar um evento carregam com si informações sobre o dispositivo que a gerou. Além disso, interrupções podem ter diversos níveis diferentes de urgência.

56 Interface de E/S com processador/memória/so * Comunicação com o Processador - Como dispositivos de E/S conseguem se comunicar com o processador? E/S dirigida por interrupções (Interrupt-driven I/O): (cont.) Comunicação para o processador deve conter a identidade do dispositivo lançador da interrupção. Quando um processador reconhece uma interrupção: Dispositivo pode enviar um vetor de endereços ou um campo de status que será colocado dentro do registrador de causa da interrupção. SO entra em cena interpretando os dados acima. Logo, não existe necessidade do processador vigiar (poll) o dispositivo.

57 Interface de E/S com processador/memória/so * Comunicação com o Processador - Níveis de Prioridade das Interrupções Maioria dos mecanismos de interrupção possuem esquemas de níveis de prioridade para suportar a urgência de cada dispositivo. Prioridades indicam a ordem de preferência na qual o processador deve considerar cada interrupção. Tendência: Quanto mais rápido o dispositivo de E/S, mais alta será sua prioridade no sistema. MIPS provê as primitivas para que o SO possa implementar uma política de prioridades válida.

58 Interface de E/S com processador/memória/so * Comunicação com o Processador - Níveis de Prioridade das Interrupções Registradores de status e causa:

59 Interface de E/S com processador/memória/so * Comunicação com o Processador - Níveis de Prioridade das Interrupções Registrador de status determina que alguém pode (ou não) interromper o processador (interrupt enable bit). Existe um bit na máscara de interrupções para cada entrada no campo de interrupções pendentes do registrador de causa. Para habilitar uma determinada interrupção deve haver o valor 1 na posição correspondente da máscara de bits. Quando ocorre uma interrupção, a razão da mesma pode ser encontrada no campo exception code do registrador de causa.

60 Interface de E/S com processador/memória/so * Comunicação com o Processador - Passos no tratamento de uma interrupção: 1. AND lógico é feito entre os campos interrupt mask e pending interrupts para se verificar qual é a interrupção; 2. Seleção da interrupção de mais alta prioridade. Convenção diz que a que está mais à esquerda é a de maior prioridade; 3. Salvamento do campo interrupt mask do registrador de status; 4. Alteração do campo interrupt mask para desabilitar todas as interrupções de prioridade menor ou igual à que está sendo tratada;

61 Interface de E/S com processador/memória/so * Comunicação com o Processador - Passos no tratamento de uma interrupção: (cont.) 5. Salvamento do estado do processador para tratamento da interrupção; 6. De forma a permitir interrupções de maior prioridade, marcase como 1 o interrupt enable bit do registrador de causa; 7. Chamada à rotina apropriada para tratamento da interrupção; 8. Antes de restaurar o estado, marcar como 0 o interrupt enable bit do registrador de causa. Isto permite a restauração do estado anterior do campo interrupt mask.

62 Interface de E/S com processador/memória/so * Comunicação com o Processador - Transferência de Dados entre o Dispositivo e a Memória Polling e interrupção funciona bem para comunicação com dispositivos com baixa vazão. Velocidade ainda não é importante pois o foco é reduzir o custo na implementação dos controladores. E/S dirigido por interrupções: pequenas quantidades de informação são transferidas por vez de/para o dispositivo. E/S dirigido por interrupções requer a ação do SO somente quando uma nova interrupção é gerada.

63 Interface de E/S com processador/memória/so * Comunicação com o Processador - Transferência de Dados entre o Dispositivo e a Memória E/S via interrupções é um método funciona bem para pequenas quantidades de dados. Overhead pode se intolerável para alguns dispositivos (discos rígidos, por exemplo). Dispositivos mais rápidos requerem a transferência de blocos maiores de dados (centenas a milhares de bytes por vez). Como transferir grandes quantidades de dados diretamente para a memória sem interferência do processador?

64 Interface de E/S com processador/memória/so * Comunicação com o Processador - Transferência de Dados entre o Dispositivo e a Memória Acesso direto a memória (direct memory access DMA): Mecanismo de interrupção continua sendo utilizado pelo dispositivo mas somente para notificar a finalização de transferência dos dados. Controladores DMA são implementados para transferir os dados entre o dispositivo e uma memória independente do proc. Controlador de DMA vira o master da comunicação e gerencia as leituras/escritas entre ele e a memória.

65 Interface de E/S com processador/memória/so * Comunicação com o Processador - Transferência de Dados entre o Dispositivo e a Memória Acesso direto a memória (direct memory access DMA): Três passos: Processador configura o controlador DMA com o dispositivo, a operação a ser executada, o endereço de memória fonte/destino e a quantidade de bytes a ser transferida. Controlador inicia a operação. Quando os dados estão disponíveis a transferência é iniciada. Se a transferência é muito grande, o próximo endereço de memória é pego automaticamente. Quando a transferência é finalizada uma interrupção é gerada pelo controlador para avisar o processador.

66 Interface de E/S com processador/memória/so * Comunicação com o Processador - Desenvolvendo um sistema de E/S Quando desenvolvendo um sistema de E/S duas variáveis devem ser consideradas: latência e largura de banda. Cálculo da latência de um sistema não totalmente carregado é relativamente simples: é suficiente acompanhar o caminho do dados. Cálculo da latência média é mais complexo: pode envolver simulações ou teoria das filas.

67 Interface de E/S com processador/memória/so * Comunicação com o Processador - Desenvolvendo um sistema de E/S Atingir os requisitos de largura de banda é outro desafio. Designers podem ter que balancear todo o sistema para conseguir prover a largura de banda requerida. Solução para tais problemas pode passar pelos seguintes passos: Encontrar o link mais fraco de todo sistema de E/S (memória, processador, etc); Configurar o link mais fraco para suportar a largura de banda requerida; e

68 Interface de E/S com processador/memória/so * Comunicação com o Processador - Desenvolvendo um sistema de E/S Solução para tais problemas pode passar pelos seguintes passos: (cont.) Determinar os requisitos para o restante do sistema e configurá-los para suportar a largura de banda requerida.

Arquitetura e Organização de Computadores I

Arquitetura e Organização de Computadores I Arquitetura e Organização de Computadores I Interrupções e Estrutura de Interconexão Prof. Material adaptado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Interrupções

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Entrada/Saída: Comunicação Processador, Memória e E/S

Infraestrutura de Hardware. Entrada/Saída: Comunicação Processador, Memória e E/S Infraestrutura de Hardware Entrada/Saída: Comunicação Processador, Memória e E/S Perguntas que Devem ser Respondidas ao Final do Curso Como um programa escrito em uma linguagem de alto nível é entendido

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 SISTEMA DE INTERCONEXÃO (BARRAMENTOS) Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura de von Newmann Componentes estruturais: Memória Principal Unidade de Processamento Central

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Entrada/Saída: Armazenamento

Infraestrutura de Hardware. Entrada/Saída: Armazenamento Infraestrutura de Hardware Entrada/Saída: Armazenamento Perguntas que Devem ser Respondidas ao Final do Curso Como um programa escrito em uma linguagem de alto nível é entendido e executado pelo HW? Qual

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Entrada e saída Alexandre Amory Edson Moreno Nas Aulas Anteriores Foco na Arquitetura e Organização internas da Cleo Modelo Von Neuman Circuito combinacional Circuito

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Entrada/Saída Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Problemas Entrada/Saída Grande

Leia mais

Entrada e Saída. Interface entre periféricos, processador e memória. Fonte: Minho - Portugal 1

Entrada e Saída. Interface entre periféricos, processador e memória. Fonte: Minho - Portugal 1 Entrada e Saída Interface entre periféricos, processador e memória Fonte: Minho - Portugal 1 Ligação Processador/Memória - Periférico Processador Memória Controlo Dados Controlador Fonte: Minho - Portugal

Leia mais

Arquitetura de Computadores I

Arquitetura de Computadores I Arquitetura de Computadores I Cap. 08 Armazenamento Secundário e Sistemas de E/S Prof. M.Sc. Bruno R. Silva Plano de aula Introdução Armazenamento em disco e confiabilidade Redes Barramentos e outras conexões

Leia mais

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br)

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Sistemas Operacionais Entrada / Saída Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Tópicos Princípios do hardware de E/S Princípios do software de E/S Camadas do software

Leia mais

Estruturas do Sistema de Computação

Estruturas do Sistema de Computação Estruturas do Sistema de Computação Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Estruturas do Sistema de

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Entrada e Saída Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Dispositivos Externos; E/S Programada; E/S Dirigida por Interrupção; Acesso Direto à Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos

Leia mais

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos Conteúdo Capítulo 7 Entrada/Saída Dispositivos externos Módulos E/S Técnicas de E/S E/S Programada E/S Conduzida por interrupções Processamento de interrupções Controlador Intel 82C59A Acesso Directo à

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA 8 CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA A porta paralela, também conhecida por printer port ou Centronics e a porta serial (RS-232) são interfaces bastante comuns que, apesar de estarem praticamente

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 5 Estrutura de Sistemas de Computação Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Organização de Computadores. (Aula 5) Entrada/Saída

Organização de Computadores. (Aula 5) Entrada/Saída Organização de Computadores (Aula 5) Entrada/Saída Entrada e Saída (Input/Output I/O) Computador: Processador, Memória (principal e secundária) Equipamentos (dispositivos, elementos, unidades,...) de Entrada/Saída

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O conceito de concorrência é o princípio básico para o projeto e a implementação dos sistemas operacionais multiprogramáveis. O sistemas multiprogramáveis

Leia mais

Gerenciador de Entrada/Saída

Gerenciador de Entrada/Saída Universidade Federal do ABC BC 1518 - Sistemas Operacionais (SO) Gerenciador de Entrada/Saída (aula 11) Prof. Marcelo Zanchetta do Nascimento Roteiro Princípios básicos de hardware de E/S; Operações dos

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 04 - Concorrência. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 04 - Concorrência. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 04 - Concorrência Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC, 2007. Mono x Multiprogramação

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

Gerência de Entrada/Saída

Gerência de Entrada/Saída Gerência de Entrada/Saída Prof Clodoaldo Ap Moraes Lima 1 Princípios básicos de hardware Periférico é um dispositivo conectado a um computador de forma a possibilitar sua interação com o mundo externo

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Hardware de Computadores

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Hardware de Computadores Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Hardware de Computadores 1 O disco rígido, é um sistema de armazenamento de alta

Leia mais

5 Entrada e Saída de Dados:

5 Entrada e Saída de Dados: 5 Entrada e Saída de Dados: 5.1 - Arquitetura de Entrada e Saída: O sistema de entrada e saída de dados é o responsável pela ligação do sistema computacional com o mundo externo. Através de dispositivos

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Aula 16: Entrada e Saída: Estudo de Caso Diego Passos Última Aula Software de Entrada e Saída. Subsistema de E/S. Conjunto de camadas de abstração para realização de

Leia mais

Entrada e Saída (Input/Output I/O) Organização de Computadores (Aula 5) Entrada/Saída. Diferentes Tipos de Dispositivos (1)

Entrada e Saída (Input/Output I/O) Organização de Computadores (Aula 5) Entrada/Saída. Diferentes Tipos de Dispositivos (1) Organização de Computadores (Aula 5) Entrada/Saída Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/2 Entrada e Saída (Input/Output I/O) Computador: Processador, Memória (principal

Leia mais

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 1 2 Revisão de Hardware 2.1 Hardware O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 2.1.1 Processador O Processador

Leia mais

SW DE E/S INDEPENDENTE DE DISPOSITIVO

SW DE E/S INDEPENDENTE DE DISPOSITIVO SOFTWARE AO NÍVEL DO USUÁRIO SOFTWARE INDEPENDENTE DE DISPOSITIVOS ACIONADORES DE DISPOSITIVOS (DRIVERS) TRATAMENTO DE INTERRUPÇÕES HARDWARE FUNÇÕES: INTERFACE UNIFORME PARA OS DRIVERS USO DE BUFFERS INFORMAÇÃO

Leia mais

Sistemas Operativos. Sumário. Estruturas de sistemas de computação. ! Operação de um sistema de computação. ! Estruturas de E/S

Sistemas Operativos. Sumário. Estruturas de sistemas de computação. ! Operação de um sistema de computação. ! Estruturas de E/S Estruturas de sistemas de computação Sumário! Operação de um sistema de computação! Estruturas de E/S! Estruturas de armazenamento! Hierarquia de armazenamento 2 1 Arquitectura de um sistema de computação

Leia mais

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Fundamentos de Arquitetura de Computadores Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Hardware de um Sistema Computacional Hardware: são os componentes

Leia mais

Arquitetura de Computadores Pentium 4 e PCIe

Arquitetura de Computadores Pentium 4 e PCIe Pentium 4 Arquitetura de Computadores Pentium 4 e PCIe O Pentium 4 é um descendente direto da CPU 8088 usada no IBM PC original. O primeiro Pentium 4 foi lançado em novembro de 2000 com uma CPU de 42 milhõcs

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática 04 Organização de Computadores nov/2011 Componentes básicos de um computador Memória Processador Periféricos Barramento Processador (ou microprocessador) responsável pelo tratamento

Leia mais

FORMATAÇÃO DE DISCO SETORES

FORMATAÇÃO DE DISCO SETORES FORMATAÇÃO DE DISCO O DISCO RÍGIDO CONSISTE DE UM ARRANJO DE PRATOS DE ALUMÍNIO, LIGA METÁLICA OU VIDRO, CADA QUAL COBERTO POR UMA FINA CAMADA DE ÓXIDO DE METAL MAGNETIZADO APÓS A FABRICAÇÃO, NÃO HÁ DADO

Leia mais

Setores Trilhas. Espaço entre setores Espaço entre trilhas

Setores Trilhas. Espaço entre setores Espaço entre trilhas Memória Externa Disco Magnético O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou plástico, coberto com um material que poder magnetizado. Os dados são gravados e posteriormente lidos do

Leia mais

Capítulo 5 Gerência de Dispositivos

Capítulo 5 Gerência de Dispositivos DCA-108 Sistemas Operacionais Luiz Affonso Guedes www.dca.ufrn.br/~affonso affonso@dca.ufrn.br Capítulo 5 Gerência de Dispositivos Luiz Affonso Guedes 1 Luiz Affonso Guedes 2 Conteúdo Caracterização dos

Leia mais

ENTRADA E SAÍDA (I/O)

ENTRADA E SAÍDA (I/O) MICROPROCESSADORES II (EMA864315) ENTRADA E SAÍDA (I/O) 1 O SEMESTRE / 2015 Alexandro Baldassin MATERIAL DIDÁTICO Patterson & Hennessy (4a edição) Capítulo 6 (Tópicos I/O) 6.1 Introduction 6.5 Connecting

Leia mais

Interface entre Processadores e Periféricos

Interface entre Processadores e Periféricos Interface entre Processadores e Periféricos Ch8-1 Sistemas de I/O Características de projeto de Sistemas de I/O expansibilidade, robustez frente a falhas Desempenho depende: da característica do dispositivo,

Leia mais

Unidade Central de Processamento (CPU) Processador. Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01

Unidade Central de Processamento (CPU) Processador. Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01 Unidade Central de Processamento (CPU) Processador Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01 Componentes de um Computador (1) Computador Eletrônico Digital É um sistema composto por: Memória Principal

Leia mais

Sistemas de Arquivos. Arquivos Diretórios Implementação do sistema de arquivos Gerenciamento de espaço em disco

Sistemas de Arquivos. Arquivos Diretórios Implementação do sistema de arquivos Gerenciamento de espaço em disco Sistemas de Arquivos Arquivos Diretórios Implementação do sistema de arquivos Gerenciamento de espaço em disco Armazenamento da Informação a Longo Prazo 1. Deve ser possível armazenar uma quantidade muito

Leia mais

Organização e Arquitectura do Computador

Organização e Arquitectura do Computador Arquitectura de Computadores II Engenharia Informática (11545) Tecnologias e Sistemas de Informação (6621) Organização e Arquitectura do Computador Fonte: Arquitectura de Computadores, José Delgado, IST,

Leia mais

Componentes básicos de um sistema computacional. Cap. 1 (Stallings)

Componentes básicos de um sistema computacional. Cap. 1 (Stallings) Componentes básicos de um sistema computacional Cap. 1 (Stallings) 1 Sistema de Operação Explora recursos de hardware de um ou mais processadores Provê um conjunto de serviços aos utilizadores Gerencia

Leia mais

ENTRADA E SAÍDA DE DADOS

ENTRADA E SAÍDA DE DADOS ENTRADA E SAÍDA DE DADOS Os dispositivos de um computador compartilham uma única via de comunicação BARRAMENTO. BARRAMENTO Elétrica/Mecânica + Protocolo. GERENCIAMENTO DE E/S O controle da troca de dados

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções Arquitetura de Computadores Tipos de Instruções Tipos de instruções Instruções de movimento de dados Operações diádicas Operações monádicas Instruções de comparação e desvio condicional Instruções de chamada

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

Arquitetura de Computadores - Revisão -

Arquitetura de Computadores - Revisão - Arquitetura de Computadores - Revisão - Principais funções de um Sistema Operacional Componentes básicos da Arquitetura Barramentos Registradores da CPU Ciclo de Instruções Interrupções Técnicas de E/S

Leia mais

Entradas/Saídas. 1. Princípios de hardware/software de E/S 2. Camadas de software de E/S 3. Relógios (Temporizadores) 4. Gestão de consumo de potência

Entradas/Saídas. 1. Princípios de hardware/software de E/S 2. Camadas de software de E/S 3. Relógios (Temporizadores) 4. Gestão de consumo de potência Entradas/Saídas 1. Princípios de hardware/software de E/S 2. Camadas de software de E/S 3. Relógios (Temporizadores) 4. Gestão de consumo de potência Organização de um Sistema Operativo System Call Handler

Leia mais

Arquitectura de Computadores

Arquitectura de Computadores Unidade de Entrada/Saída (I/O) Nuno Cavaco Gomes Horta Universidade Técnica de Lisboa / Instituto Superior Técnico Sumário Introdução Unidade de Processamento Unidade de Controlo Conjunto de Instruções

Leia mais

Mecanismo de Interrupção

Mecanismo de Interrupção Mecanismo de Interrupção Paralelismo de Operação Num sistema multiprogramado a CPU está sempre apta a compartilhar o seu tempo entre os vários programas e os diferentes dispositivos periféricos que necessitam

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Entrada e Saída Drivers e s Norton Trevisan Roman Marcelo Morandini Jó Ueyama Apostila baseada nos trabalhos de Kalinka Castelo Branco, Antônio Carlos Sementille, Luciana A. F. Martimiano

Leia mais

Universidade Federal do Piauí Centro de Tecnologia Curso de Engenharia Elétrica. Prof. Marcos Zurita zurita@ufpi.edu.br www.ufpi.

Universidade Federal do Piauí Centro de Tecnologia Curso de Engenharia Elétrica. Prof. Marcos Zurita zurita@ufpi.edu.br www.ufpi. Universidade Federal do Piauí Centro de Tecnologia Curso de Engenharia Elétrica Arquiteturas de Computadores Prof. Marcos Zurita zurita@ufpi.edu.br www.ufpi.br/zurita Teresina - 2012 1. Arquiteturas de

Leia mais

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital Histórico IEEE 1394 1986 - primeiras idéias concretas trazidas pela Apple Computers que adotou a denominação FireWire. 1987 - primeira especificação do padrão. 1995 adoção pelo IEEE do padrão IEEE 394.

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Módulo 4 - ENTRADAS E SAIDAS Uma das principais funções dos sistemas operacionais é controlar os dispositivos de entrada e saída (E/S ou I/O). O Sistema Operacional deve ser capaz de enviar comandos

Leia mais

Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída

Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída Arquitetura de Entrada e Saída Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída Barramento Meio de transmissão de dados entre a CPU, a memória principal e os dispositivos de entrada e saída.

Leia mais

Aula 04 B. Interfaces. Prof. Ricardo Palma

Aula 04 B. Interfaces. Prof. Ricardo Palma Aula 04 B Interfaces Prof. Ricardo Palma Interface SCSI SCSI é a sigla de Small Computer System Interface. A tecnologia SCSI (pronuncia-se "scuzzy") permite que você conecte uma larga gama de periféricos,

Leia mais

Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos

Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos Arquitetura de Computadores e Software Básico Aula 5 Flávia Maristela (flaviamsn@ifba.edu.br) Arquitetura de Von Neumann e as máquinas modernas Onde

Leia mais

Sistemas Operacionais Cap 2 Estruturas de Sistemas Computacionais

Sistemas Operacionais Cap 2 Estruturas de Sistemas Computacionais Estruturas de Sistemas Computacionais Por que estudar a arquitetura de sistemas computacionais? Talvez porque o comportamento de um sistema operacional está ligado aos mecanismos de E/S de um computador.

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Dispositivos de Entrada e Saída Aula 9 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira ENTRADA e SAÍDA (E/S) (I/O - Input/Output) n Inserção dos dados (programa)

Leia mais

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Introdução É preciso conhecer a estrutura de um sistema de computação antes que possamos explorar os detalhes de sua operação.

Leia mais

E/S PROGRAMADA E/S PROGRAMADA E/S USANDO INTERRUPÇÃO

E/S PROGRAMADA E/S PROGRAMADA E/S USANDO INTERRUPÇÃO E/S PROGRAMADA QUANDO A CPU FAZ TODO O TRABALHO RELACIONADO A UMA OPERAÇÃO DE E/S, NO CASO DO PROCESSO QUERER IMPRIMIR (NA IMPRESSORA) ABCDEFGH : ESTES CARACTERES SÃO COLOCADOS EM UMA ÁREA DE MEMÓRIA DO

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 07: Memória Secundária MEMÓRIA SECUNDÁRIA Discos magnéticos: Organização do disco magnético em faces, trilhas e setores; Tipos de discos magnéticos Discos óticos: CD/DVD/BluRay

Leia mais

Barramento Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h

Barramento Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h Barramento Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 60h Sumário Barramento de Computador o Largura de Barramento o Relógio do Barramento o Arbitragem de barramento Operações de barramento O

Leia mais

Universal Serial Bus USB

Universal Serial Bus USB Universal Serial Bus USB Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Microprocessadores II Copyright (c) Walter

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES DISPOSITIVOS DE ENTRADA E SAÍDA. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES DISPOSITIVOS DE ENTRADA E SAÍDA. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES DISPOSITIVOS DE ENTRADA E SAÍDA Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Compreender o que é um dispositivo Compreender o mecanismo de acionamento de um dispositivo

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos Ao final desta apostila,

Leia mais

Estrutura de um Computador

Estrutura de um Computador SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Estrutura de um Computador Aula 7 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira MODELO DE VON NEUMANN PRINCÍPIOS A arquitetura de um computador consiste de

Leia mais

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias:

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias: Aula 11 Arquitetura de Computadores - 20/10/2008 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber MEMÓRIA Memória é um termo genérico usado para designar as partes do computador

Leia mais

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software. Prof. MSc.

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software. Prof. MSc. Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software Prof. MSc. Hugo Souza Continuando nossas aulas relativas ao Módulo 1, veremos a seguir

Leia mais

Entrada e Saída (Input/Output)

Entrada e Saída (Input/Output) Capítulo 5 Entrada e Saída (Input/Output) 1. Princípios de Hardware de E/S 2. Princípios de Software de E/S 3. Camadas de software de E/S 4. Discos 5. Relógios 6. Terminais Orientados a caracteres 7. Interfaces

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição. retrospectiva. 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição. retrospectiva. 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição retrospectiva slide 1 Organização e arquitetura Arquitetura são os atributos visíveis ao programador. Conjunto de instruções, número

Leia mais

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais:

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais: Entrada e Saída Além do processador e da memória, um terceiro elemento fundamental de um sistema de computação é o conjunto de módulos de E/S. Cada módulo se conecta com o barramento do sistema ou com

Leia mais

HD (Hard Disk) DISCO RÍGIDO

HD (Hard Disk) DISCO RÍGIDO HD (Hard Disk) DISCO RÍGIDO HISTÓRIA O primeiro disco rígido (o IBM 350) foi construído em 1956, e era formado por um conjunto de nada menos que 50 discos de 24 polegadas de diâmetro, com uma capacidade

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual Infraestrutura de Hardware Memória Virtual Perguntas que Devem ser Respondidas ao Final do Curso Como um programa escrito em uma linguagem de alto nível é entendido e executado pelo HW? Qual é a interface

Leia mais

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware Professor: Renato B. dos Santos 1 O computador é composto, basicamente, por duas partes:» Hardware» Parte física do computador» Elementos concretos» Ex.: memória, teclado,

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Arquitetura de Computadores 1

Arquitetura de Computadores. Arquitetura de Computadores 1 Computadores Computadores 1 Introdução Componentes: Processador; UC; Registradores; ALU s, FPU s, etc. Memória (Sistema de armazenamento de informações; Dispositivo de entrada e saída. Computadores 2 Introdução

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

INFORMÁTICA - BICT (noturno)

INFORMÁTICA - BICT (noturno) INFORMÁTICA - BICT (noturno) Organização de Computadores Professor: Dr. Rogério Vargas 2014/2 http://rogerio.in Introdução O que é mesmo um Computador? O computador é uma máquina eletrônica que permite

Leia mais

Organização e arquitetura de computadores Protocolos de barramento

Organização e arquitetura de computadores Protocolos de barramento Organização e arquitetura de computadores Protocolos de barramento Alunos: José Malan, Gustavo Marques, Johnathan Alves, Leonardo Cavalcante. Universal serial bus (USB) O USB é um padrão da indústria que

Leia mais

Sistemas Operacionais. Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br

Sistemas Operacionais. Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br Sistemas Operacionais Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br Ementa Apresentação do curso Cap1 - Visão Geral Cap2 - Conceitos de Hardware e Software Cap3 - Concorrência Cap4 - Estrutura do Sistema Operacional

Leia mais

Introdução à Informática ARQUITETURA DE COMPUTADORES

Introdução à Informática ARQUITETURA DE COMPUTADORES Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Engenharia Ambiental Prof.: Maico Petry Introdução à Informática ARQUITETURA DE COMPUTADORES DISCIPLINA: Informática Aplicada O Que éinformação? Dados

Leia mais

Interface entre Processadores e Periféricos

Interface entre Processadores e Periféricos Interface entre Processadores e Periféricos Ch8-1 Sistemas de Características de projeto de Sistemas de expansibilidade, robustez frente a falhas Desempenho depende: da característica do dispositivo, da

Leia mais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Computação e Sistemas - DECSI Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Vicente Amorim vicente.amorim.ufop@gmail.com Sumário

Leia mais

discos impressora CPU memória AULA 04 - Estruturas de Sistemas Computacionais Operação dos sistemas de computação Controlador de disco

discos impressora CPU memória AULA 04 - Estruturas de Sistemas Computacionais Operação dos sistemas de computação Controlador de disco AULA 04 - Estruturas Sistemas Computacionais Nosso objetivo é apenas revisar conceitos relacionados a estrutura geral um sistema computacional para pois explicarmos os talhes operação do sistema e como

Leia mais

Memórias. Circuitos Lógicos. DCC-IM/UFRJ Prof. Gabriel P. Silva

Memórias. Circuitos Lógicos. DCC-IM/UFRJ Prof. Gabriel P. Silva Memórias Circuitos Lógicos DCC-IM/UFRJ Prof. Gabriel P. Silva Memórias As memórias são componentes utilizados para armazenar dados e instruções em um sistema computacional. As memórias podem apresentar

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

Dispositivos de Armazenamento. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes

Dispositivos de Armazenamento. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Dispositivos de Armazenamento Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Conteúdo 1. Discos 2. Fitas magnéticas 3. CD-ROM Capítulo: 2 (APOSTILA). Dispositivos de Armazenamento Armazenamento permanente Custo menor

Leia mais

Arquitetura de Computadores Armazenamento Secundário

Arquitetura de Computadores Armazenamento Secundário Memória Secundária Arquitetura de Computadores Armazenamento Secundário Memória de grande capacidade (dezenas de Gigabytes). Armazenamento massivo. Implementada em meio magnético (hard disk, fitas magnéticas)

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Hardware. Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Hardware. Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/25 Roteiro Estrutura de um sistema operacional Interrupções Proteção do núcleo Níveis de privilégio Chamadas de sistema 2/25 Mono-processadores atuais seguem um

Leia mais

Organização e Arquitetura de computadores

Organização e Arquitetura de computadores Organização e Arquitetura de computadores Interface do processador com o mundo externo, dispositivos de E/S e barramentos Prof. Dr. Luciano José Senger Introdução O ambiente externo ao processador ébastante

Leia mais

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Texto Técnico 005/2013 TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Parte 05 0 Vamos finalizar o tema Trabalho com Grandes Montagens apresentando os melhores recursos e configurações de hardware para otimizar a abertura

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Sistemas Operacionais Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Hardware HARDWARE Sistema Computacional = conjunto de circuitos eletrônicos interligados formado por processador, memória, registradores,

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio Memórias Memória: é o componente de um sistema de computação cuja função é armazenar informações que são, foram ou serão manipuladas pelo sistema. Em outras

Leia mais

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II Armazenamento Secundário SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II 1 Armazenamento secundário Primeiro tipo de armazenamento secundário: papel! Cartões perfurados HDs, CD-ROM, floppy disks, memórias

Leia mais

Multiprocessamento. Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador)

Multiprocessamento. Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador) Multiprocessamento Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador) Conjunto de processadores, cada qual com sua memória local Processadores se comunicam por troca de mensagens, via rede de

Leia mais