relatório anual Grupo ISA 2006 visão - missão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "relatório anual Grupo ISA 2006 visão - missão"

Transcrição

1

2 índice

3 relatório anual Grupo ISA 2006 visão - missão

4 relatório anual Grupo ISA 2006 visão* O Grupo ISA, no ano de 2006, será reconhecido como o Grupo Empresarial Latino Americano mais eficiente na apresentação integrada de serviços de Administração, Operação e Transporte em Mercados de Energia Elétrica e de serviços de Telecomunicações. missão Nossa missão como Grupo Empresarial é a de prestar serviços integrados de Administração, Operação e Transporte nos Mercados de Energia Elétrica e de serviços de Telecomunicações e de crescer com rentabilidade para gerar valor aos nossos acionistas. Atuamos com responsabilidade social e ética, fundamentados no desenvolvimento integral do nosso pessoal, e somos comprometidos com o futuro sustentável e bem estar da sociedade. Nosso êxito é o resultado do compromisso com a excelência e o esforço permanente para construir sólidas relações de negócios com nossos clientes e provedores. * Em sua visão, o grupo ISA projetou para 2006 ser reconhecido como o Grupo Empresarial Latino-americano mais eficiente na prestação integrada de serviços de Administração, Operação e Transporte nos Mercados de Energia Elétrica e nos serviços de telecomunicações. A empresa dirigiu todas as suas ações com esse propósito; e segundo a avaliação de sua gestão e os resultados da mesma nos últimos anos, alcançou os seguintes sucessos: Processo crescente de internacionalização, materializado em investimentos no Peru, Bolívia, Equador e Brasil. Consolidação do Grupo Empresarial, o qual atualmente conta com 10 empresas e um veículo de investimento. Níveis crescentes de eficiência nas atividades de transporte de energia, operação e administração dos mercados, e serviços de telecomunicações. Níveis sustentados de estabilidade financeira, satisfação dos clientes, produtividade nos processos e aprendizagem e desenvolvimento do talento humano. Os itens anteriores permitem declarar, com toda certeza, que o grupo ISA alcançou a visão definida para Este fato obrigou a Empresa a trabalhar, desde o inicio de 2006, na concepção de uma nova visão que assinalou os rumos a seguir, em matéria de mercados, tipo de negócios e ingressos para a década seguinte. A nova visão que o grupo ISA conceberá deve servir de guia na orientação dos recursos e na tomada de decisões da Companhia e deve gerar grandes desafios para motivar, de maneira constante, aos homens e mulheres que trabalham no Grupo Empresarial.

5 junta diretiva - Administração relatório anual Grupo ISA 2006 junta diretiva principais suplentes MINISTRO VICE-MINISTRO DE MINAS E ENERGÍA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGÍA MINISTERIO DE MINAS E ENERGÍA Hernán Martínez Torres Manuel Fernando Maiguashca Olano Luis Ernesto Mejía Castro VICE MINISTRA GERAL ADVOGADA ACESSORA DE DESPACHO DO MINISTRO MINISTERIO DA FAZENDA E CRÉDITO PÚBLICO MINISTERIO DA FAZENDA E CRÉDITO PÚBLICO Gloria Inés Cortés Arango Nhora Abuchar Chamie Isaac Yanovich Farbaiarz DIRETOR GERAL DE CRÉDITO PÚBLICO E DO TESOURO NACIONAL MINISTERIO DA FAZENDA E CRÉDITO PÚBLICO Julio Andrés Torres García Hernán Martínez Torres Luis Fernando Alarcón Mantilla Jorge Hernán Cárdenas Santamaría GERENTE DE GERAÇAO DE ENERGÍA GERENTE DA DISTRIBUIÇÃO DE ENERGÍA EMPRESAS PÚBLICAS DE MEDELLÍN ESP DAS EMPRESAS PÚBLICAS DE MEDELLÍN - ESP Jesús Aristizábal Guevara Gabriel Jaime Betancur Mesa Luisa Fernanda Lafaurie Rivera Luis Fernando Uribe Restrepo Orlando Cabrales Martínez Andrés Mejía Cardona

6 relatório anual Grupo ISA 2006 Administração GERENTE GERAL Luis Fernando Alarcón Mantilla Javier G. Gutiérrez Pemberthy GERENTE DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE ENERGÍA Julián Cadavid Velásquez Ana Mercedes Villegas Mejía GERENCIA DA REGIÃO AMÉRICA DO SUL Fernando Rojas Pinto GERENTE DE ESTRATEGIA CORPORATIVA César Augusto Ramírez Rojas GERENTE DE FINANÇAS CORPORATIVAS Judith Cure Cure (encargada) Alba Luz Hoyos Naranjo AUDITOR CORPORATIVO Jhon Bayron Pérez Díez Adriana María Cano Franco (encargada) Sergio Alberto Gómez Franco GERENTE DE CONSTRUÇÃO E MATERIAIS Guillermo Márquez Moreno Jorge Iván López Betancourt (encargado) Jorge Rodríguez Ortiz GERENTE ADMINISTRATIVA Carlota María Nicholls Estrada SECRETARIO GERAL Juan David Bastidas Saldarriaga DIRETORA DE PROTEÇÃO CORPORATIVA Carmen Elisa Restrepo Vélez

7 88 Reconhecimento ao doutor Xavier G. Gutiérrez Perberthy relatório anual Grupo ISA 2006

8 relatório anual Grupo ISA 2006 Reconhecimento ao doutor xavier g. gutiérrez pemberthy Com sua notável fortaleza espiritual e entusiasmo sem igual, e sempre expressando princípios de honestidade e transparência em cada uma de suas práticas, o Doutor Xavier G. Gutiérrez Pemberthy nos acompanhou como Gerente Geral da Companhia desde 6 de novembro de 1992 até 19 de janeiro de Durante a sua permanência, dispôs seu esforço inesgotável para dirigir o grupo ISA e seus colaboradores em direção ao sucesso da Visão do Grupo Empresarial, e induziu toda a Organização a pensar e atuar de maneira global para materializar o objetivo de um mercado integrado de eletricidade, no qual o Grupo ganhou uma posição reconhecida Sua grande qualidade humana e o legado de uma meta grande e ambiciosa são prova da garantia de que permaneça sempre em nossa lembrança

9 relatório anual Grupo ISA 2006 Guate Norte Guate Este Panaluya 15 Septiembre El Cajón Suyapa Ticuantepe Pavana Cañas COLÔMBIA Parrita Río Claro Veladero ISA, uma parceira da EPR (12,5%) Projeto SIEPAC em construção Cartagena Urabá Santa Marta Chinú San Carlos Ancón Sur Sabanalarga Cerromatoso Ocaña Cuestecitas Cuatricentenario Los Palos Paipa San Mateo Corozo Caño Limón Rede de transmissão de alta voltagem La Virginia Chivor San Marcos Yumbo La Mesa San Bernardino Betania Ipiales Tulcán Jamondino Zarumilla Machala Zorritos Talara Piura Oeste Chiclayo Oeste Guadalupe Trujillo Norte Chimbote I Vizcarra Paramonga Nueva Carhuamayo Huacho Zapalla I San Juan Aucayacu Independencia Tocache Aguaytía Tingo María Huánuco Paragsha II Huancavelica Ica Pucallpa La Oroya Huayucachi Abancay Marcona Mantaro Dolores Socabaya Cachimayo Quencoro Combapata Tintaya Callalli Juliaca Totorani Azángaro Santuario Toquepala Santivañez Carrasco Urubo Sucre Punutuma Ilha Solteira Jupiá Vermelha Ribeirão Preto Neves 1 Mesquita Pto. Primavera Asis Araraquara Bauru Mogi Mirim Legendas Linhas de Transmissão de 500kV do Grupo ISA Linhas de Transmissão de 500kV do Grupo ISA em construção Linhas de Transmissão de kV do Grupo ISA em construção Outras linhas de transmissão Subestações operacionais Interconexões internacionais do Grupo ISA

10 12 relatório anual Grupo ISA 2006 cifras relevantes Entradas EBITDA Lucro líquido Milhões de $ Milhões de $ Milhões de $ * cifras relevantes * Redução devido ao plano de aposentadoria de funcionários da CTEEP e maiores gastos financeiros por endividamento para a aquisição desta Companhia.

11 relatório anual Grupo ISA Composição entradas por países Composição de custos e gastos por países 7,9% 0,9% 4,9% 0,7% 42,4% 62,8% 48,7% 31,6% Brasil Colômbia Peru Bolivia Brasil Colômbia Peru Bolivia Gráfica 2 Gráfica 3

12 carta da administração 14 relatório anual Grupo ISA INÍCIO carta da administração

13 INÍCIO

14 carta da administração 16 relatório anual Grupo ISA 2006 carta da administração É uma honra apresentar os resultados da gestão empresarial durante o período de 2006 e as perspectivas para Principais vitórias: No dia 28 de abril de 2006 foi constituído um veiculo de investimento ISA Capital do Brasil Ltda., com sede na cidade de São Paulo. Esta empresa foi criada para a aquisição da Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista CTEEP, e em 19 de setembro foi transformada em sociedade anônima de capital aberto, na qual o grupo ISA tem uma participação de 99,99%. Ingressa no mercado do Brasil com a aquisição de 50,1% das ações ordinárias da CTEEP, em São Paulo, equivalente a 21% do capital total da companhia. Compra 60% da propriedade acionária do Consórcio TransMantaro S.A. no Peru, que interconecta as regiões centro-norte e centro-sul desse país. A ISA torna-se adjudicatária no leilão 005/2006-ANEEL do Lote D, correspondente à Línea Neves 1-Mesquita a 500 kv, de 172 km, localizada no Estado de Minas Gerais, no Brasil. Tal concessão é de 30 anos e incluí 18 meses de construção. Para sua operação, foi constituída a sociedade de Interligação Elétrica de Minas Gerais S.A., cujos 99,99% pertencem ao Grupo ISA. Foi firmado um acordo base com o Ministério de Energia e Minas do Peru para a execução de ampliações do sistema de transmissão de baixa concessão da Rede de Energia do Peru REP. Foi acordada a execução dos primeiros projetos: Chilca-San Juan e Zapallal-Paramonga-Chimbote, com um investimento total de US$70 milhões. Foi constituída a filial INTERNEXA S.A. no Peru para conectar Lima com as cidades da costa norte do dito país e com a fronteira sul do Equador, mediante uma rede de fibra ótica de km de longitude. INTERNEXA realiza a interconexão via fibra ótica com a Venezuela; aumenta a capacidade de interconexão com o Equador e implementa reforços à rede nacional de fibra ótica na Colômbia. A XM, Companhia de Especialistas nos Mercados leva ao ponto as administrações necessárias para colocar em andamento o novo esquema de cargo pela confiabilidade no mercado elétrico colombiano. É colocado em operação o projeto UPME 01 de 2003: Primavera - Bacatá a 500 kv, em 31 de dezembro de 2006, com um investimento de US$102 milhões, concluindo desta maneira a primeira das duas fases do corredor elétrico, de aproximadamente km, que unirá o centro do país com a Costa Atlântica. É aprovado um intercâmbio acionário entre ISA e ECOPETROL em reunião extraordinária da Assembléia Geral de Acionistas, realizada em 24 de novembro de Esta operação permitiu à ISA elevar a sua participação na TRANSELCA a 99,996% e à petroleira de adquirir uma participação acionária na ISA de 5,781%.

15 relatório anual Grupo ISA Autoriza-se para 2006 a distribuição de utilidades e reservas por $ milhões, o que permitiu pagar um dividendo de $120 por ação às ações ordinárias em circulação. A ação da ISA fecha com um preço de $5.910, alcançando uma valorização de 4,6%, o que a posiciona em nono lugar no Índice da Bolsa de Valores IBA, reportado pela Superintendência Financeira da Colômbia. Os serviços são prestados de maneira satisfatória, como demonstram os índices de disponibilidade alcançados (99,931%), que superam os mínimos regulatório. Ao finalizar o ano, todos os circuitos se encontravam em serviço e todas as torres afetadas por atentados tinham sido reparadas. É conseguido 85% no grau de satisfação dos clientes quanto à qualidade geral dos serviços, o que posiciona a Empresa num desempenho superior. Desenvolvimento de ações sociais em 195 municípios: 67,4% dos 289 nos quais o grupo ISA tem presença. A menção no prêmio da Associação Nacional de Empresas de Serviços Públicos Domiciliares e Atividades Complementares e Inerentes ANDESCO à Responsabilidade Social Empresarial -RSE-, na categoria de Melhor Aplicação do Código de Bom Governo e Ética. Por último, queremos manifestar nosso agradecimento a todos os que participaram da consecução destes êxitos: Aos acionistas e investidores por confiarem em nossa capacidade empresarial; aos países os quais o Grupo tem presença, em nos permitir contribuir com a busca do bem estar em suas sociedades, e a estas pelo seu acolhimento e hospitalidade; aos clientes das empresas do Grupo por assinalarmos, de maneira permanente, rotas de melhoramento; aos provedores por seu compromisso com a satisfação de nossos clientes; e às Forças Armadas da Colômbia por sua dedicação, sacrifício e apoio nos processos de recuperação da infraestrutura elétrica. Um especial agradecimento aos colaboradores de todas as empresas do Grupo por seu trabalho dedicado ao êxito dos resultados. Muito obrigado. Orlando Cabrales Martínez Presidente da Junta Diretiva Luis Fernando Alarcón Mantilla Gerente Geral

16 relatório anual Grupo ISA certidão dos demonstrativos financeiros e outros demonstrativos relevantes Medellín, 23 de fevereiro de 2007 Aos senhores acionistas da Interconexão Elétrica S.A. E.S.P. Com relação ao informe anual do Grupo ISA 2006, os subscritos, o Representante Legal e o Contador Geral da Interconexão Elétrica S.A. E.S.P., certificam: 1. Que, de acordo com o Artigo 37 da Lei 222 de 1995, antes de serem colocados à sua disposição e de terceiros os estados financeiros consolidados, em 31 de dezembro de 2006 e 2005, têm verificado previamente as afirmações neles contidas, e que os mesmos são tomados fielmente de acordo com os livros, 2. Que no cumprimento do Artigo 46 da Lei 964 de 2005, os estados financeiros e outros demonstrativos relevantes para o público, relacionados com os exercícios terminados em 31 de dezembro de 2006 e 2005, não contêm vícios, impressões ou erros que impeçam de conhecer a verdadeira situação patrimonial ou as operações do Grupo. Luis Fernando Alarcón Mantilla Gerente Geral Jairo A. Alzate Pino Contador T.P T

17 20 relatório anual Grupo ISA informe da junta diretiva informe da junta diretiva

18

19 informe da junta diretiva 22 relatório anual Grupo ISA 2006 informe da junta diretiva Cumprindo com o consagrado nos Estatutos Sociais e no Código de Bom Governo, e como Presidente da Junta Diretiva de Interconexão Elétrica S. A. E.S.P. ISA, apresento-lhes a seguinte informação, referente ao período: de abril de 2006 a março de 2007: 1.1. COMPOSIÇÃO E CONFORMAÇÃO DA JUNTA DIRETIVA DA ISA Em 27 de março de 2006, a Assembléia Geral de Acionistas designou cargos e pessoas com conhecimento e experiência nos campos: administrativo, financeiro, societário e de mercado, entre outros, para formar a Junta Diretiva da Organização. As pessoas que foram eleitas são reconhecidas por sua transparência no aspecto moral e em assuntos relacionados aos serviços públicos e ao setor elétrico. Membros principais: Primeira posição -Ministro de Minas e Energia-, doutor Hernán Martínez Torres, cargo desempenhado até julho de 2006 pelo doutor Luis Ernesto Mejía Castro. Segundo posição -Vice-ministra Geral do Ministério da Fazenda e Crédito Público-, doutora Glória Inés Cortés Arango. Terceira posição, doutor Isaac Yanovich Farbaiarz. Quarta posição, doutor Jesus Aristizábal Guevara. Quinta posição, doutor Luis Fernando Alarcón Mantilla. Sexta posição, doutora Luisa Fernanda Lafaurie Rivera. Sétima posição, doutor Orlando Cabrales Martínez.

20 relatório anual Grupo ISA Membros suplentes: na mesma ordem: Doutor Manuel Fernando Maiguashca Olano -Vice-ministro de Minas e Energia-. Doutora Nhora Abuchar Chamie desempenhando o cargo de advogada Assessora de Despacho do Ministro da Fazenda e Crédito Público. Doutor Hernán Martínez Torres. Doutor Gabriel Jaime Betancourt Mesa. Doutor Jorge Hernán Cárdenas Santamaría. Doutor Luis Fernando Uribe Restrepo. Doutor Andrés Felipe Mejía Cardona. Em julho de 2006, o doutor Hernán Martínez Torres renunciou à substituição da terceira posição, quando foi nomeado Ministro de Minas e Energia. Em sua substituição, a Assembléia, em reunião extraordinária em 24 de novembro de 2006, elegeu o doutor Julio Andrés Torres García, na sua qualidade de Diretor Geral de Crédito Público e do Tesouro Nacional. Em 20 de dezembro de 2006, o doutor Luis Fernando Alarcón Mantilla, uma vez nomeado Gerente Geral da ISA, apresentou sua demissão como membro principal da quinta posição da Junta Diretiva. Salvo a condição de acionistas dos doutores Orlando Cabrales Martínez, Luisa Fernanda Lafaurie Rivera e Jorge Hernán Cárdenas Santamaría, não existem vínculos trabalhistas entre os integrantes da Junta e a Empresa, nem vínculos comerciais entre esta e seus parentes dentro do primeiro grau de consangüinidade ou afinidade. Os seguintes membros desempenham cargos públicos dentro da Administração Central, e, portanto tem relação com o País, acionista majoritário da Interconexão Elétrica S. A. E.S.P. ISA : Doutor Hernán Martínez Torres -Ministro de Minas e Energia- Doutor Manuel Fernando Maiguashca Olano -Vice-ministro de Minas e Energia- Doutora Gloria Inés Cortés Arango -Vice-ministra Geral do Ministério da Fazenda e Crédito Público- Doutora Nhora Abuchar Chamie -Advogada Assessora do Despacho do Ministro da Fazenda e Crédito Público- Doutor Julio Andrés Torres García -Diretor Geral de Crédito Público e do Tesouro Nacional-

21 informe da junta diretiva 24 relatório anual Grupo ISA 2006 Ostentaram a qualidade de membros independentes, conforme disposto pela Lei 964 de 2005, os doutores Jesús Aristizábal Guevara, Gabriel Jaime Betancourt Mesa, Luisa Fernanda Lafaurie Rivera e Luis Fernando Uribe Restrepo OPERATIVIDADE DAS REUNIÔES Programação. Na sessão 630 de 25 de novembro de 2005, a Junta Diretiva aprovou a programação de reuniões para o período de janeiro a dezembro de 2006; e na sessão 635 de 28 de abril de 2006 aprovou o plano de melhoramento e os correspondentes temas e periodicidade de apresentação. Dentro do período assinalado, a Junta se reuniu em 15 ocasiões, 12 das quais foram ordinárias e 3 extraordinárias. Nove delas foram realizadas em Bogotá, 5 em Medellín e 1 em Cartagena. Treze reuniões foram realizadas na modalidade presencial e 2 na modalidade não presencial. A média de duração de cada uma das reuniões foi de 5 horas. O acordado pela Junta Diretiva durante a discussão e análise de temas de caráter aprobatório foi sempre cumprido em primeiro lugar; para continuar logo com os temas estratégicos e o ato seguido com os do seguimento Citaçõe. Ao terminar cada sessão, o Secretário da Junta recordou a data e o lugar da reunião seguinte; e mais adiante, com não menos de 5 dias de antecipação à celebração da mesma, e mediante comunicação escrita, informou a todos os membros: os principais e os suplentes Disponibilidade da informação. Durante esse período, o Secretário da Junta, com não menos de 3 dias de antecipação para cada reunião, colocou à disposição de todos os membros a documentação relacionada com os temas a serem tratados na respectiva sessão, utilizando o Web site criado com uma senha pessoal para as consultas de todos os membros. Assim mesmo, ao início de cada reunião entregou-se a todos os membros um disco compacto editado com as informações da dita sessão. Por outro lado, e utilizando o mesmo meio, as informações solicitadas lhes foram enviadas Quorum. No início de cada reunião e no momento da aprovação dos temas submetidos à consideração da Junta Diretiva, o Secretário verificou o cumprimento do quorum estabelecido nos Estatutos Sociais. Ainda que nas reuniões da Junta os membros principais e suplentes estão presentes e citados, no momento de votar é contado somente o voto do principal para computar as maiorias dispostas Ordem do dia. Verificado o quorum, o Secretário da Junta Diretiva submeteu à aprovação a ordem do dia respectivo, no qual havia sido previamente levada ao conhecimento de cada um dos membros Presença. De abril de 2006 a março de 2007 as reuniões da Junta contaram, no mínimo, com a participação do número de membros necessários para formar o quorum deliberado.

22 relatório anual Grupo ISA A presença dos membros principais às 15 reuniões foi a seguinte: Doutor Luis Ernesto Mejía Castro -Ministro de Minas e Energia-, período de abril a julho de 2006: 4 reuniões. Doutor Hernán Martínez Torres -Ministro atual-, período de agosto de 2006 a março de 2007: 10 reuniões. Doutora Gloria Inés Cortés Arango -Vice-ministra Geral do Ministério da Fazenda e Crédito Público-: 15 reuniões. Doutor Isaac Yanovich Farbaiarz: 13 reuniões. Doutor Luis Fernando Alarcón Mantilla: 11 reuniões, devido a sua renuncia à Junta Diretiva em dezembro de Doutor Jesús Aristizábal Guevara: 14 reuniões. Doutora Luisa Fernanda Lafaurie Rivera: 14 reuniões. Doutor Orlando Cabrales Martínez: 14 reuniões. A presença dos membros suplentes foi a seguinte: Doutor Manuel Fernando Maiguashca Olano, Vice-ministro de Minas e Energia: 12 reuniões (em duas delas, participou como Ministro encarregado do Ministério de Minas e Energia). Doutora Nhora Abuchar Chamie, Advogada Assessora do Despacho do Ministro da Fazenda e Crédito Público: 15 reuniões. Doutor Hernán Martínez Torres (a posição pessoal): 4 reuniões, período de abril a julho de Para sua substituição, em 24 de novembro de 2006, foi designado o Diretor Geral de Crédito Público e do Tesouro Nacional de MINHACIENDA, doutor Julio Andrés Torres García, que assistiu a 3 reuniões. Doutor Luis Fernando Uribe Restrepo: 14 reuniões. Doutor Jorge Hernán Cárdenas Santamaría: 12 reuniões. Doutor Gabriel Jaime Betancourt Mesa: 14 reuniões. Doutor Andrés Felipe Mejía Cardona: 14 reuniões Temas pendentes. Em cada reunião, o Gerente Geral informou sobre o seguimento dos temas pendentes e o cumprimento das recomendações efetuadas. A Junta, ao revisar o quadro dos pendentes, indicou ao Secretário quando um tema deve ser retirado do quadro citado Aprovação das atas. As atas, que foram elaboradas pelo Secretário da Junta Diretiva, foram submetidas à aprovação e levam as assinaturas do Presidente e o Secretário. Tais atas conservam-se no livro devidamente numerado pela Câmara de Comércio de Medellín para Antioquia em ordem consecutiva, e se mantêm guardadas no Arquivo Central da Empresa PRESIDENTE DA JUNTA DIRETIVA A Junta plena, na sessão 635 de 28 de abril de 2006, elegeu o doutor Luis Fernando Alarcón Mantilla como seu Presidente; e em 20 de dezembro de 2006, na sessão 646, e perante a renúncia do doutor Alarcón para assumir a Gerencia Geral da ISA, nomeou em sua substituição o doutor Orlando Cabrales Martínez PREPARAÇÃO DE TEMAS A SEREM TRATADOS NA JUNTA Para o cumprimento do recomendado no Plano de Melhoramento, a Junta centralizou seu trabalho para melhorar o planejamento e a preparação das reuniões e intensificar o tempo dedicado a temas estratégicos. Os temas foram estudados e analisados por cada um dos membros, discutidos com objetividade e critério de negócio, na Junta plena e decididos em consenso COMITES DA JUNTA DIRETIVA Segundo o estabelecido pela Junta Diretiva da Organização, na ISA o Comitê de Auditoria Corporativo, o Comitê da Junta e o Comitê de Novos Negócios funcionam de maneira institucional.

23 informe da junta diretiva 26 relatório anual Grupo ISA Comitê de Auditoria Corporativo. Reuniu-se em 6 ocasiões durante o período de abril de 2006 a março de 2007, e é integrado pelos doutores: Luis Fernando Uribe Restrepo, Nhora Abuchar Chamie, Jesús Aristizábal Guevara e Jorge Hernán Cárdenas Santamaría. Entre outras funções, este Comitê aprova a política de controle do Grupo Empresarial e vela pelo seu cumprimento; informa à Junta Diretiva ou à Assembléia Geral de Acionistas sobre as situações de risco e controle que mereçam; apresenta à Assembléia Geral dos Acionistas os resultados do processo de avaliação das ofertas para o cargo de Revisor Fiscal; vela o cumprimento do Código de Bom Governo da ISA; e dirige com capacidade os assuntos relacionados ao cumprimento efetivo do mesmo, em razão das reclamações que os acionistas formulem à Junta Diretiva, investimentos, entre outros, segundo o disposto pelos Estatutos Sociais e pelo mesmo Código Comitê da Junta. Reuniu-se em 7 ocasiões durante o período de abril de 2006 a março de 2007, e é integrado pelos doutores Gloria Inés Cortés Arango Vice-ministra Geral do Ministério da Fazenda e Crédito Público-, Manuel Maiguashca Olano Vice-ministro das Minas e Energia-, Orlando Cabrales Martínez e Isaac Yanovich Farbaiarz. Este Comitê exerce funções de acompanhamento e seguimento da Administração em temas relacionados com o cumprimento do Código de Bom Governo, os estados financeiros, o direcionamento estratégico e o talento humano. Assim mesmo, leva a cabo a avaliação da Gerência Geral e exerce outras funções ou atividades que lhe conceda a Junta Diretiva, como a de avaliar o funcionamento da própria Junta Comitê de Novos Negócios. Reuniu-se em 11 ocasiões durante o período, e é integrado pelos doutores Luisa Fernanda Lafaurie Rivera, Orlando Cabrales Martínez, Andrés Felipe Mejía Cardona, Gabriel Jaime Betancourt Mesa, Gloria Inés Cortés Arango Viceministra Geral do Ministério da Fazenda e Crédito Público e Manuel Maiguashca Olano Viceministro das Minas e Energia-. Sua função é a de analisar as iniciativas de investimento consideradas na estratégia de crescimento da ISA e monitorar os negócios em execução. Não fazem parte deste Comitê os membros da Junta que, por suas funções ou trabalhem, ou em razão da qual a empresa ou entidade onde trabalhem ou prestem seus serviços, possa ter conflitos de interesses, levando em consideração o negócio que analisam ou monitoram REMUNERAÇÃO Por participarem das reuniões da Junta e dos Comitês, os membros receberam a remuneração fixada pela Assembléia Geral dos Acionistas, que equivale a 3 salários mínimos legais mensais vigentes por reunião CONFLITOS DE INTERESSES Quando os membros da Junta considerarem que possa existir um conflito de interesses em um tema específico debatido, eles o manifestarão aos demais membros e se absterão de participar na discussão e decisão, retirando-se momentaneamente do recinto onde a Junta se reuniu enquanto o tema foi decidido RELACIONAMENTO DA JUNTA COM AS EMPRESAS DO GRUPO ISA Para se realizar um trabalho melhor como administradores da matriz do Grupo ISA, na Junta Diretiva participam membros que pertencem às juntas diretivas das empresas vinculadas: Doutores Luisa Fernanda Lafaurie Rivera e Isaac Yanovich Farbaiarz (Conselho de Administração da Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista CTEEP ), Jorge Hernán Cárdenas Santamaría (Diretório da Rede de Energia do Peru - REP-), Andrés Felipe Mejía Cardona (juntas diretivas da FLYCOM COMUNICACIONES e da XM) e Orlando Cabrales Martínez (Diretório ISA da Bolívia e Junta Diretiva da TRANSELCA).

24 relatório anual Grupo ISA AUTO-AVALIAÇÃO DA JUNTA DIRETIVA Os membros da Junta Diretiva realizaram uma auto-avaliação do tipo qualitativa, mediante um questionário elaborado para tal efeito. A informação foi coletada entre 26 de janeiro e 16 de fevereiro de 2007, e o tamanho da mostra foi de quatorze (14) pessoas, o que equivale a cem por cento (100%) dos membros principais e suplentes que compõem a Junta. Os temas foram avaliados com a escala de excelente e muito bom e seus resultados foram os seguintes: Desempenho individual dos membros da Junta: 95% Desempenho grupal: 85% Pertinência e profundidade no tratamento dos temas: 88% Desempenho e participação na administração: 84% O desempenho individual e grupal da Junta Diretiva obteve qualificações superiores em relação ao período anterior. Além da auto-avaliação, a Junta é qualificada de acordo com os resultados dos indicadores do Quadro de Gestão Integral Corporativo e os de Nível Máximo, os quais foram aprovados pela Junta Diretiva nas sessões 632 de 27 de janeiro e 634 de 27 de março de O cumprimento agregado foi de 83%, o que equivale a um cumprimento de 29 indicadores dos 35 definidos em ambos os níveis: dos 9 indicadores definidos a nível corporativo cumpriram-se 6 e dos 26 indicadores definidos de nível máximo cumpriram-se 23. Para otimizar o desempenho da Junta Diretiva propôs-se trabalhar conjuntamente com a administração para melhorar os aspectos de agilidade e eficiência das reuniões e enfatizar o trabalho da Junta em temas estratégicos AVALIAÇÃO DO GERENTE GERAL O Gerente Geral é avaliado de acordo com os resultados do Quadro de Gestão Integral Corporativo e segundo os indicadores dos Níveis Máximo e Primeiro, o que significa um nível a mais do que a Junta Diretiva. Durante o período, o resultado agregado foi de 79%, cumprindo 48 indicadores dos 61 definidos; e dos 26 indicadores do primeiro nível se cumpriram 19. A avaliação qualitativa da gestão durante 2006, efetuada ao doutor Javier G. Gutiérrez Pemberthy na qualidade de Gerente Geral, permitiu visualizar sua dedicação, profissionalismo e liderança, o que contribuiu ao desenvolvimento e evolução da ISA e das empresas que formam o Grupo Empresarial. Ao doutor Luis Fernando Alarcón Mantilla prevemos muitos êxitos neste novo desafio que assume, e com o qual, seguramente, seguirá contribuindo ao crescimento da Empresa e ao bem-estar do país. Para finalizar, quero expressar-lhes, senhores acionistas, que todos os membros da Junta Diretiva contribuíram com seus conhecimentos, experiência, dedicação, e com sua atitude crítica e positiva ao crescimento e sustentação da Interconexão Elétrica S.A. E.S.P. Ver o Informe Especial, em Notas aos Demonstrativos Financeiros da ISA, na página 104. Orlando Cabrales Martínez Presidente da Junta Diretiva Medellín, março de 2007

25 informe da junta diretiva 28 relatório anual Grupo ISA INFORME SOBRE O CUMPRIMENTO E DESENVOLVIENTO DO CÓDIGO DE BOM GOVERNO Em cumprimento do consagrado nos Estatutos Sociais e no Código de Bom Governo, como Presidente da Junta Diretiva da ISA, e em nome do Gerente Geral, apresento o seguinte informe: 2.1. A REFORMA DO CÓDIGO DE BOM GOVERNO Na reunião 635 de 28 de abril de 2006, a Junta Diretiva aprovou a nova organização e o esquema de responsabilidades da Auditoria Corporativa, o que originou uma reforma ao Código da Posição IV -da Conduta da Administração, Capítulo II - que trata sobre o Controle na Empresa. Tal reforma foi conhecida mediante a comunicação escrita, publicada em 20 de maio de 2006 num periódico de ampla circulação A ASSEMBLÉIA GERAL DOS ACIONISTAS Em dois periódicos de ampla circulação nacional, o grupo ISA publicou as convocatórias da Assembléia Geral Ordinária de 27 de março de 2006 e a Assembléia Extraordinária de 24 de novembro de 2006, com 19 e 6 dias hábeis da antecipação, respectivamente. Também, em 21 de março e em 22 de novembro, através de um periódico de ampla circulação, a Empresa recordou aos acionistas a data estabelecida para as respectivas assembléias e publicou a informação relacionada com os poderes, para ser representada nas mesmas. Simultaneamente, e utilizando a página Web da Empresa como meio de difusão, o grupo ISA divulgou os avisos de convocatórias, na ordem do dia de cada uma das assembléias e as proposições que se submeteriam em consideração. Também, publicou a lista e o currículo dos postulados, que o País, em sua qualidade de acionista majoritário, apresentou à Assembléia para formar a Junta Diretiva. As duas assembléias contaram com o quorum exigido por Lei, e em cada uma delas foram tratados os temas aprovados pela ordem do dia. Ambas foram transmitidas por videoconferência, via Internet em tempo real. Para informação dos acionistas, na página Web da Empresa foram públicos os extratos das atas 94 e 95, correspondentes à Assembléia Geral de Acionistas, em reunião ordinária de 27 de março e à Assembléia Geral de Acionistas em reunião extraordinária de 24 de novembro, respectivamente. As atas foram assinadas pelo Presidente e o Secretário de cada uma das assembléias, e pela comissão respectiva, e nelas se determinarão os temas apresentados, as aprovações e autorizações outorgadas pela assembléia e as observações formuladas pelos senhores acionistas. Tais atas foram registradas na respectiva Câmara de Comércio, e cópias das mesmas foram enviadas à Superintendência Financeira da Colômbia e na Superintendência dos Serviços Públicos Domiciliários. A Ata 94, por sua vez, protocolizou-se por Escritura Pública para formalizar a reforma estatutária aprovada A ADMINISTRAÇÃO Na Assembléia Ordinária de 27 de março foi eleita a Junta Diretiva para o período de abril de 2006 a março de Todos os membros eleitos manifestaram por escrito sua aceitação, fato que também foi registrado na Câmara de Comércio da sede da Sociedade. Na Assembléia Extraordinária de 24 de novembro, e diante da renúncia do doutor Hernán Martínez Torres, foi eleito para esta substituição o Diretor Geral do Crédito Público e do Tesouro Nacional, doutor Julio Andrés Torres García. Em dezembro de 2006 foi eleito como Presidente da Junta Diretiva o doutor Orlando Cabrales Martínez, devido à renúncia do doutor Luis Fernando Alarcón Mantilla como membro principal da Junta da ISA.

Sistemas de infraestrutura linear que impulsionam o desenvolvimento no continente

Sistemas de infraestrutura linear que impulsionam o desenvolvimento no continente Sistemas de infraestrutura linear que impulsionam o desenvolvimento no continente Negócios da ISA Diretamente e através das suas filiais e subsidiárias a ISA avança em importantes projetos de sistemas

Leia mais

ISA, UMA MULTILATINA com 33 empresas, em 4 setores e em oito países

ISA, UMA MULTILATINA com 33 empresas, em 4 setores e em oito países de Rodovias, UMA MULTILATINA com 33 empresas, em 4 setores e em oito países A, diretamente e por meio de suas 33 filiais e subsidiárias, realiza projetos de infraestrutura importantes que impulsionam o

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

BANCO LATINO-AMERICANO DE COMÉRCIO EXTERIOR S. A. PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E DETERMINAÇÃO DE INDEPENDÊNCIA DOS DIRETORES

BANCO LATINO-AMERICANO DE COMÉRCIO EXTERIOR S. A. PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E DETERMINAÇÃO DE INDEPENDÊNCIA DOS DIRETORES BANCO LATINO-AMERICANO DE COMÉRCIO EXTERIOR S. A. PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E DETERMINAÇÃO DE INDEPENDÊNCIA DOS DIRETORES ATUALIZADO: 13 de março de 2012 A Governança Corporativa refere-se às

Leia mais

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2. ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.008 Aos 17 dias do mês de setembro do ano de dois mil e oito,

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA

Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA DA BM&FBOVESPA 1. Objeto O presente Regimento Interno ( Regimento ) tem o escopo de disciplinar o funcionamento do Diretoria da

Leia mais

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. Acordo de Acionistas Diretrizes da CPFL de Energia Governança S.A. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. 1 Sumário I Introdução 3 II Estrutura Corporativa

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: Denominação Artigo 1º - Corrêa Ribeiro S/A Comércio e Indústria é uma sociedade

Leia mais

EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A.

EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 25-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 01-08-2002,

Leia mais

APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA

APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA ARTIGO 1.º COMPOSIÇÃO DO CONSELHO E COMISSÕES 1. O Conselho de

Leia mais

ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971

ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971 ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971 ATA SUMÁRIA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO DE 2014 DATA, HORA E LOCAL: Em 7 de fevereiro de

Leia mais

Tipo firma, duração, sede e objeto social

Tipo firma, duração, sede e objeto social CONTRATO DE SOCIEDADE DA LUZ SAÚDE, S.A. Capítulo I Tipo firma, duração, sede e objeto social Artigo 1.º Tipo, Firma e Duração 1. A Sociedade é organizada sob a forma de sociedade anónima e adota a firma

Leia mais

TELEFÓNICA, S.A. Assembléia Geral Ordinária de Acionistas

TELEFÓNICA, S.A. Assembléia Geral Ordinária de Acionistas TELEFÓNICA, S.A. Assembléia Geral Ordinária de Acionistas Devido à decisão adotada pelo Conselho de Administração da TELEFÓNICA, S.A., convoca-se os acionistas para Assembléia Geral Ordinária, a ser celebrada

Leia mais

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO Disciplina: Direito Empresarial II JUR 1022 Turma: C02 Prof.: Luiz Fernando Capítulo VI SOCIEDADES ANÔNIMAS 1. Evolução Legal: a) Decreto n. 575/49;

Leia mais

Estatutos da Caixa Geral de Depósitos

Estatutos da Caixa Geral de Depósitos Estatutos da Caixa Geral de Depósitos Conforme aprovado em Assembleia Geral de 22 de julho de 2011 e posterior alteração pela Deliberação Unânime por Escrito de 27 de junho de 2012. CAPÍTULO I Natureza,

Leia mais

(c) promover, realizar ou orientar a captação, em fontes internas e externas, de recursos a serem aplicados pela Companhia ou pela sua controlada;

(c) promover, realizar ou orientar a captação, em fontes internas e externas, de recursos a serem aplicados pela Companhia ou pela sua controlada; RELATORIO DA ADMINISTRAÇÃO SENHORES ACIONISTAS, Atendendo às disposições legais e estatutárias, a Administração da TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. sociedade anônima de capital aberto, submete à apreciação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA PROPÓSITO E AUTORIDADE QUEPASA CORPORATION REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA O comitê de auditoria da mesa diretiva do Quepasa Corporation (a Companhia ) se apresenta diante das responsabilidades

Leia mais

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo.

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo. MERCADO DE CAPITAIS 01/12/2015 CVM ALTERA INSTRUÇÃO QUE DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO, A ADMINISTRAÇÃO, O FUNCIONAMENTO, A OFERTA PÚBLICA DE DISTRIBUIÇÃO E A DIVULGAÇÃO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA DE ACIONISTAS DA TELEFÓNICA, S.A. - ANO 2009 -

ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA DE ACIONISTAS DA TELEFÓNICA, S.A. - ANO 2009 - ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA DE ACIONISTAS DA TELEFÓNICA, S.A. - ANO 2009 - PROPOSTAS DE DELIBERAÇÕES QUE O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO SUBMETE À DECISÃO DA ASSEMBLÉIA GERAL DE ACIONISTAS 22 / 23 de junho

Leia mais

Estatutos da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E. P. E.

Estatutos da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E. P. E. Estatutos da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E. P. E. DIPLOMA / ATO : Decreto-Lei n.º 229/2012 NÚMERO : 208 SÉRIE I EMISSOR: Ministério dos Negócios Estrangeiros SUMÁRIO: Aprova

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA REGIMENTO INTERNO DA FEPISA Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DE ILHA SOLTEIRA - FEPISA, além das disposições constantes de seu Estatuto, fica sujeita às determinações deste Regimento

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

ESTATUTOS SOCIEDADE COMERCIAL OREY ANTUNES, S.A. (Sociedade Aberta) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO. Artigo 1º

ESTATUTOS SOCIEDADE COMERCIAL OREY ANTUNES, S.A. (Sociedade Aberta) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO. Artigo 1º ESTATUTOS DA SOCIEDADE COMERCIAL OREY ANTUNES, S.A. (Sociedade Aberta) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO Artigo 1º A sociedade adota a denominação de Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A..

Leia mais

ESTATUTO DO IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE

ESTATUTO DO IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE ESTATUTO DO IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Artigo 1º. O IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE, denominado IDBRASIL, é uma associação de direito privado,

Leia mais

Geral. A cada acção corresponde um voto.

Geral. A cada acção corresponde um voto. ACTA NÚMERO 38 Aos vinte e oito de Maio de dois mil e oito, pelas dez horas, na sua sede social, à Rua General Norton de Matos, 68, R/C., no Porto, reuniu a Assembleia Geral Anual da COFINA, S.G.P.S, S.A.,

Leia mais

Nível de seguimento das recomendações de bom governo

Nível de seguimento das recomendações de bom governo Nível de seguimento das recomendações de bom governo 54 Telefónica, S.A. Relatório Anual de Governo Corporativo 2003 Nível de seguimento das recomendações de bom governo 07.01 TELEFONICA, S.A. A seguir

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E FINS Art. 1 A União Garcense de Aeromodelismo (UGA) é uma pessoa jurídica de direito privado, entidade

Leia mais

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa Sumário 1. Definição.... Objetivo... 3. Da Contextualização da PREVIMINAS... 3.1. Arcabouço Legal e Regulatório... 3.. A Identidade da PREVIMINAS... A Filosofia Empresarial

Leia mais

Contato analítico adicional: Marcelo Schwarz, CFA, São Paulo, 55 (11) 3039?7782, marcelo.schwarz@standardandpoors.com

Contato analítico adicional: Marcelo Schwarz, CFA, São Paulo, 55 (11) 3039?7782, marcelo.schwarz@standardandpoors.com Data de Publicação: 26 de junho de 2014 Comunicado à Imprensa Standard & Poor's reafirma ratings 'BB+' na escala global e 'braa' na Escala Nacional Brasil atribuídos à Ampla Energia e Serviços; Rating

Leia mais

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração CEMIG TRADING S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 29-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 12-08-2002, sob o nº 3130001701-0, e pelas Assembléias

Leia mais

Governança Corporativa. Interesses alinhados

Governança Corporativa. Interesses alinhados Governança Corporativa Interesses alinhados O COMPROMISSO COM A TRANSPARÊNCIA E A AMPLA DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES AOS INVESTIDORES INTEGRAM AS BOAS PRÁTICAS DA ITAUTEC, QUE DESDE 2001 NEGOCIA APENAS AÇÕES

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

Seminário "Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais"

Seminário Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais Seminário "Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais" Marco Geovanne Tobias da Silva 17 de maio de 2005 O que é Governança Corporativa? Conjunto de normas de conduta a serem adotadas por

Leia mais

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 MANUAL DA ADMINISTRAÇÃO PARA A ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA VULCABRAS AZALEIA S. A. DE 31 DE JANEIRO DE 2011. O

Leia mais

Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual

Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Edina Biava Abrasca; Marco Antonio Muzilli IBRACON;

Leia mais

A gestão das empresas estatais: contribuições para agências governamentais. Augusto José Mendes Riccio Gerente de Práticas de Gestão Petrobras

A gestão das empresas estatais: contribuições para agências governamentais. Augusto José Mendes Riccio Gerente de Práticas de Gestão Petrobras A gestão das empresas estatais: contribuições para agências governamentais Augusto José Mendes Riccio Gerente de Práticas de Gestão Petrobras Visão e Missão da Petrobras Visão 2020 Ser uma das cinco maiores

Leia mais

faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N 663 DE 02 DE JULHO DE 1996. Cria o Programa Estadual de Desestatização, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA, faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono

Leia mais

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL I - DENOMINAÇÃO E OBJETIVO Artigo 1 - O IC Clube de Investimento é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a

Leia mais

ISA, UMA MULTILATINA. com 33 empresas e 4 negócios, presente em oito países. Valores Corporativos. Visão. Iniciação ISA

ISA, UMA MULTILATINA. com 33 empresas e 4 negócios, presente em oito países. Valores Corporativos. Visão. Iniciação ISA , UMA MULTILATINA com 33 empresas e 4 negócios, presente em oito países A, de maneira direta e por meio de suas 33 filiais e subsidiárias, desenvolve projetos importantes de infraestrutura que impulsionam

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SEM FINS LUCRATIVOS INOVA-RIA. Artigo 1º Denominação, Natureza e Duração

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SEM FINS LUCRATIVOS INOVA-RIA. Artigo 1º Denominação, Natureza e Duração ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SEM FINS LUCRATIVOS INOVA-RIA Artigo 1º Denominação, Natureza e Duração A Associação adota a denominação INOVA-RIA: Associação de Empresas para uma Rede de Inovação em Aveiro e

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

PACTO SOCIAL (Março 2009)

PACTO SOCIAL (Março 2009) NORMA-AÇORES, SOCIEDADE DE ESTUDOS E APOIO AO DESENVOLVIMENTO REGIONAL, S. A. E S T A T U T O S CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E OBJECTO Artigo 1.º (Firma) 1. Nos termos da lei e dos presentes estatutos,

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA CONVOCAÇÃO

ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA CONVOCAÇÃO COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS-CEMIG COMPANHIA ABERTA CNPJ 17.155.730/0001-64 - NIRE 31300040127 ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA CONVOCAÇÃO Ficam os senhores acionistas convocados para se reunirem

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO COMITÉ DE AGENTES DO MERCADO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO COMITÉ DE AGENTES DO MERCADO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO COMITÉ DE AGENTES DO MERCADO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO E OBJETO. Artigo 1. Denominação e Regime jurídico. O Comité de Agentes do Mercado constitui-se como um órgão

Leia mais

VIVO PARTICIPAÇÕES S.A. Companhia Aberta CNPJ MF 02.558.074/0001 73 NIRE 35.3.001.587 92 TELECOMUNICAÇÕES DE SÃO PAULO S.A. TELESP FATO RELEVANTE

VIVO PARTICIPAÇÕES S.A. Companhia Aberta CNPJ MF 02.558.074/0001 73 NIRE 35.3.001.587 92 TELECOMUNICAÇÕES DE SÃO PAULO S.A. TELESP FATO RELEVANTE FATO RELEVANTE As administrações da Vivo Participações S.A. ( Vivo Part. ) e da Telecomunicações de São Paulo S.A. Telesp ("Telesp") (conjuntamente referidas como Companhias ), na forma e para os fins

Leia mais

VIVO PARTICIPAÇÕES S.A. Companhia Aberta CNPJ MF 02.558.074/0001 73 NIRE 35.3.001.587 92 TELECOMUNICAÇÕES DE SÃO PAULO S.A. TELESP FATO RELEVANTE

VIVO PARTICIPAÇÕES S.A. Companhia Aberta CNPJ MF 02.558.074/0001 73 NIRE 35.3.001.587 92 TELECOMUNICAÇÕES DE SÃO PAULO S.A. TELESP FATO RELEVANTE FATO RELEVANTE As administrações da Vivo Participações S.A. ( Vivo Part. ) e da Telecomunicações de São Paulo S.A. Telesp ("Telesp") (conjuntamente referidas como Companhias ), vêm a público, na forma

Leia mais

Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014.

Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014. Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014. Relatório da Administração Senhores Acionistas, Em cumprimento as disposições legais e estatutárias, submetemos

Leia mais

1. Os termos e expressões relacionados abaixo, quando utilizados nesta Política, terão o seguinte significado:

1. Os termos e expressões relacionados abaixo, quando utilizados nesta Política, terão o seguinte significado: POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS 1. Os termos e expressões relacionados abaixo, quando utilizados nesta Política, terão o seguinte significado: 1.1. Companhia : Braskem S.A. 1.2. Controladora

Leia mais

VI RELATÓRIO DO DIRETOR do CEED À IV REUNIÃO DO CONSELHO DIRETIVO

VI RELATÓRIO DO DIRETOR do CEED À IV REUNIÃO DO CONSELHO DIRETIVO VI RELATÓRIO DO DIRETOR do CEED À IV REUNIÃO DO CONSELHO DIRETIVO Montevidéu, Uruguai, 11 de dezembro de 2014 1. Este Relatório do Diretor é a atualização do que o Centro de Estudos Estratégicos de Defesa

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos Artigo 1º - O Comitê de Pessoas ( Comitê ) de Lojas Renner S.A. ( Companhia ), órgão estatutário, de caráter consultivo

Leia mais

"DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta "DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO Este Regimento Interno dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

CONSELHO LATINO-AMERICANO DE ESCOLAS DE ADMINISTRAÇÃO CLADEA ESTATUTOS

CONSELHO LATINO-AMERICANO DE ESCOLAS DE ADMINISTRAÇÃO CLADEA ESTATUTOS CONSELHO LATINO-AMERICANO DE ESCOLAS DE ADMINISTRAÇÃO CLADEA ESTATUTOS Esta edição foi aprovada na Assembleia de Decanos da CLADEA em sua sessão do dia 7 de novembro de 2009 em Guayaquil (EQUADOR), durante

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA! Os custos! As vantagens! Os obstáculos! Os procedimentos Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

CIRCULAR N 2.971. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.280, de 9/3/2005. Art. 1º Regulamentar os seguintes normativos:

CIRCULAR N 2.971. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.280, de 9/3/2005. Art. 1º Regulamentar os seguintes normativos: CIRCULAR N 2.971 Documento normativo revogado pela Circular nº 3.280, de 9/3/2005. Regulamenta as Resoluções nº 2.644, de 1999, nº 2.694 e nº 2.695, ambas de 2000, e divulga o Regulamento sobre Contas

Leia mais

CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S/A CALENDÁRIO DE EVENTOS CORPORATIVOS - 2010

CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S/A CALENDÁRIO DE EVENTOS CORPORATIVOS - 2010 CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S/A CALENDÁRIO DE EVENTOS CORPORATIVOS - 2010 0BInformações sobre a Companhia Denominação Social: Endereço da Sede: Endereço na Internet Diretor de Finanças, Participações e

Leia mais

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P Legenda: Texto em negrito: cláusulas que devem necessariamente constar do estatuto, por força da Lei nº 9.790/99 Texto em

Leia mais

TELEFÓNICA, S.A. Assembléia Geral Ordinária de Acionistas

TELEFÓNICA, S.A. Assembléia Geral Ordinária de Acionistas TELEFÓNICA, S.A. Assembléia Geral Ordinária de Acionistas Em virtude do acordo adotado pelo Conselho de Administração da TELEFÓNICA, S.A., convoca-se os acionistas para a Assembléia Geral Ordinária de

Leia mais

UNICASA INDÚSTRIA DE MÓVEIS S.A.

UNICASA INDÚSTRIA DE MÓVEIS S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELEVANTE DA COMPANHIA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E MANUTENÇÃO DE SIGILO POR POTENCIAIS OU EFETIVOS DETENTORES DE INFORMAÇÃO RELEVANTE, NOS TERMOS DA INSTRUÇÃO CVM Nº

Leia mais

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage.

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage. Preâmbulo Para a elaboração da Política de Sustentabilidade do Sicredi, foi utilizado o conceito de Sustentabilidade proposto pela abordagem triple bottom line (TBL), expressão que reúne simultaneamente

Leia mais

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Carlos Alberto Mattar Superintendente - SRD 13 de março de 2014 Rio de Janeiro - RJ Sumário I. Balanço 2013 II. Pautas para GTDC - 2014 III. Principais audiências

Leia mais

PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA AGCO CORPORATION. 4 de dezembro de 2014

PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA AGCO CORPORATION. 4 de dezembro de 2014 PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA AGCO CORPORATION 4 de dezembro de 2014 I. Finalidade Estes Princípios de Governança Corporativa, adotados pelo Conselho Diretor da Empresa, juntamente com os estatutos

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 4.0 - Março/2015)

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 4.0 - Março/2015) Política de Exercício de Direito de Voto (Versão 4.0 - Março/2015) 1. Objeto e Aplicação 1.1. Esta Política de Exercício de Direito de Voto ( Política de Voto ), em conformidade com as disposições do Código

Leia mais

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução PÁGINA 1 DE 7 DO PÁGINA 1 DE 7 DO CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87 Comitê de Auditoria Estatutário Regimento Interno Capítulo I Introdução Artigo 1º. O Comitê de Auditoria Estatutário ( Comitê ou CAE ) da

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COPASA MG

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COPASA MG Companhia de Saneamento de Minas Gerais REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COPASA MG Adequado conforme Estatuto Social aprovado pela AGE de 28/03/2011 2 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COPASA

Leia mais

EXISTE UM NOVO JEITO DE DELIGENCIAR. suas finanças. Ascent. Consultores

EXISTE UM NOVO JEITO DE DELIGENCIAR. suas finanças. Ascent. Consultores EXISTE UM NOVO JEITO DE DELIGENCIAR suas finanças Ascent MISSÃO Prestar serviços profissionais diferenciados que sejam uma ferramenta útil para a tomada de decisões e agreguem valor ao cliente, baseada

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 REGULAMENTO DO COMITÊ DE AUDITORIA Este regulamento ( Regulamento ), elaborado com base nas melhores práticas internacionais,

Leia mais

BANCO LATINO-AMERICANO DE COMÉRCIO EXTERIOR S.A. ESTATUTOS DO COMITÊ DE NOMEAÇÃO E REMUNERAÇÃO

BANCO LATINO-AMERICANO DE COMÉRCIO EXTERIOR S.A. ESTATUTOS DO COMITÊ DE NOMEAÇÃO E REMUNERAÇÃO BANCO LATINO-AMERICANO DE COMÉRCIO EXTERIOR S.A. ESTATUTOS DO COMITÊ DE NOMEAÇÃO E REMUNERAÇÃO I. Objetivos O Comitê de Nomeação e Remuneração (o Comitê ) do Banco Latino-Americano de Comércio Exterior

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

Anúncio de Início da Distribuição Pública de Cotas da Primeira Emissão do

Anúncio de Início da Distribuição Pública de Cotas da Primeira Emissão do Anúncio de Início da Distribuição Pública de Cotas da Primeira Emissão do COGITU FUNDO DE INVESTIMENTO EM PARTICIPAÇÕES CNPJ/MF n.º 18.653.262/0001-10 Código ISIN das Cotas: BRCGTUCTF009 ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS Calendário de Eventos Corporativos - 2012

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS Calendário de Eventos Corporativos - 2012 COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS Calendário de s Corporativos - 2012 Informações sobre a Companhia Denominação Social: Endereço da Sede: Endereço na Internet Diretor de Finanças e Relações com Investidores

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1. (Natureza) O Conselho Nacional para a Economia Social, adiante também identificado como CNES,

Leia mais

Senhores Acionistas, Os principais serviços da TNL Contax são:

Senhores Acionistas, Os principais serviços da TNL Contax são: Senhores Acionistas, A Administração da Contax Participações S.A. ( Contax Participações ) submete, em conjunto com as demonstrações financeiras e o parecer dos auditores independentes, o Relatório da

Leia mais

CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social

CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social ESTATUTOS DA PARPÚBLICA PARTICIPAÇÕES PÚBLICAS (SGPS), S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social Artigo 1.º (Denominação) A sociedade adota a denominação PARPÚBLICA Participações Públicas

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Prezado Cooperado, Em 2012 a economia brasileira apresentou forte desaceleração, tendo uma das mais baixas taxas de crescimento da América Latina, inferior até as pessimistas

Leia mais

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO JUVENIL INSCRITA NO RNAJ ONG SEM FINS LUCRATIVOS COM ESTATUTO DE UTILIDADE PÚBLICA

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO JUVENIL INSCRITA NO RNAJ ONG SEM FINS LUCRATIVOS COM ESTATUTO DE UTILIDADE PÚBLICA ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO JUVENIL INSCRITA NO RNAJ ONG SEM FINS LUCRATIVOS COM ESTATUTO DE UTILIDADE PÚBLICA CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Natureza e Sede ESTATUTOS - 2015 1 A Associação Movimento

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

EDP ENERGIAS DO BRASIL S.A. ESTATUTO SOCIAL

EDP ENERGIAS DO BRASIL S.A. ESTATUTO SOCIAL EDP ENERGIAS DO BRASIL S.A. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Denominação, Sede, Prazo e Objeto Artigo 1º EDP ENERGIAS DO BRASIL S.A. é uma sociedade por ações regida pelo presente Estatuto Social e pelas disposições

Leia mais

PROJETO DE LEI. Autoriza a criação da empresa pública Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada S.A. - CEITEC.

PROJETO DE LEI. Autoriza a criação da empresa pública Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada S.A. - CEITEC. PROJETO DE LEI Autoriza a criação da empresa pública Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada S.A. - CEITEC. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Fica a União autorizada a criar empresa

Leia mais

ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO DO Fundo de Investimento Imobiliário Votorantim Securities CNPJ/MF: 10.347.505/0001-80

ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO DO Fundo de Investimento Imobiliário Votorantim Securities CNPJ/MF: 10.347.505/0001-80 ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO DO Fundo de Investimento Imobiliário Votorantim Securities CNPJ/MF: 10.347.505/0001-80 VOTORANTIM ASSET MANAGEMENT DTVM LTDA. ( Administrador ), comunica o início da distribuição

Leia mais

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 Desempenho Em ambiente de queda da atividade na indústria automobilística, a Iochpe-Maxion apresentou um crescimento de 8,4% nas vendas no terceiro

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ ORIGEM e COMPOSIÇÃO O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) foi idealizado a partir da união de esforços e comunhão de objetivos das seguintes entidades: -ABRASCA: Presidente - ANTONIO DUARTE CARVALHO

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV Estatuto ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, OS FINS E A SEDE DA ASSOCIAÇÃO. Art. 1º - A associação é denominada Sociedade Brasileira de Fisiologia

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AEXAL-EEL/USP

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AEXAL-EEL/USP ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AEXAL-EEL/USP CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidades Artigo 1º - A Associação dos Ex-Alunos da

Leia mais

MANUAL DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA.

MANUAL DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA. MANUAL DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA. 1 Objetivos e Princípios Este Manual tem por objeto o estabelecimento de padrões de conduta e transparência

Leia mais

MODELO DE RELATÓRIO DE GOVERNO SOCIETÁRIO Ano ####

MODELO DE RELATÓRIO DE GOVERNO SOCIETÁRIO Ano #### Anexo I MODELO DE RELATÓRIO DE GOVERNO SOCIETÁRIO Ano #### Identificação da sociedade Advertências: - Salvo indicação em contrário ou quando do contexto resulte diferentemente, as informações solicitadas

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SALTO VELOSO IPRESVEL RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO 2014.

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SALTO VELOSO IPRESVEL RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO 2014. INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SALTO VELOSO IPRESVEL RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO 2014 Salto Veloso, SC O IPRESVEL O Instituto de Previdência Social dos Servidores

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA FORNO DE MINAS ALIMENTOS S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA FORNO DE MINAS ALIMENTOS S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA FORNO DE MINAS ALIMENTOS S.A. 1 PROPÓSITO A presente Política de Negociação de Valores Mobiliários tem como propósito estabelecer regras para

Leia mais

FEDERACIÓN INTERAMERICANA DE EMPRESAS DE SEGUROS

FEDERACIÓN INTERAMERICANA DE EMPRESAS DE SEGUROS ALTERAÇÃO DOS ESTATUTOS DA FIDES PREÂMBULO A FEDERAÇÃO INTERAMERICANA DE EMPRESAS DE SEGUROS, FIDES, É UMA ORGANIZAÇÃO SEM FINS LUCRATIVOS QUE AGREGA ATUALMENTE AS ASSOCIAÇÕES DE SEGUROS PRIVADOS DAS AMÉRICAS

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS Calendário de Eventos Corporativos - 2010

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS Calendário de Eventos Corporativos - 2010 COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS Calendário de s Corporativos - 2010 Informações sobre a Companhia Denominação Social: Endereço da Sede: Endereço na Internet Diretor de Finanças, Relações com Investidores

Leia mais

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa Análise XP Fundamentos Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa A Empresa A Senior Solution está presente, há mais de 17 anos, no segmento de Tecnologia da Informação no mercado brasileiro, sendo uma

Leia mais