Localização e Identificação de Infra-estruturas e Objetos Enterrados através da Tecnologia RFID

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Localização e Identificação de Infra-estruturas e Objetos Enterrados através da Tecnologia RFID"

Transcrição

1 Localização e Identificação de Infra-estruturas e Objetos Enterrados através da Tecnologia RFID C. P. Colvero, V. R. D. Carneiro, B. F. Cunha Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial INMETRO / DIMCI / DITEL Av. Nossa Senhora das Graças, 50, Xerém, RJ, Brazil, CEP Resumo Neste trabalho apresentamos os resultados experimentais de medições em campo efetuadas em um sistema de comunicações de dados wireless com tecnologia de Radio Frequency Identification (RFID), com o objetivo de localizar e identificar dutos, cabos ou quaisquer objetos ou infra-estruturas enterradas sem a necessidade de obras destrutivas ou invasivas. Este estudo também apresenta os resultados experimentais da propagação das ondas eletromagnéticas de comunicação digital em UHF do referido sistema no solo. Os ensaios foram realizados no Campus do Inmetro em Xerém, Duque de Caxias - RJ. Palavras-chaves RFID, comunicação de dados, propagação de ondas eletromagnéticas, sistema de identificação. I. INTRODUÇÃO Recentemente os procedimentos de identificação eletrônica automática se tornaram muito populares na maioria das indústrias de serviços, logística de compras e vendas, controle de estoque, distribuição de produtos, companhias manufatureiras e sistemas de fluxo de material. Os procedimentos de identificação eletrônica automática foram desenvolvidos para fornecer informações rápidas e precisas sobre histórico de objetos, pessoas, animais, bens, produtos em trânsito, entre outros. Em muitos casos, já faz algum tempo que as etiquetas de código de barras, que iniciaram uma revolução nos sistemas de identificação, são bastante inadequadas. Os códigos de barras são dispositivos de baixo custo, mas possuem também uma baixa capacidade de armazenamento por não disponibilizam memória local integrada. A solução ótima do ponto de vista técnico na atualidade seria o armazenamento de dados em um chip de silício, onde o dispositivo eletrônico de armazenamento de dados mais comum em uso hoje em dia é o cartão inteligente baseado em um grupo de contatos como os cartões de banco. No entanto, o contato mecânico usado no cartão inteligente muitas vezes é pouco prático. Uma transferência de dados entre o dispositivo transportador de dados e seu leitor sem a necessidade de contato físico ou visada direta é muito mais flexível e interessante. C. P. Colvero, V. R. D. Carneiro, B. F. Cunha, TEL: , FAX: Este trabalho foi apoiado pela Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (PROMETRO/CNPq), que são vinculadas ao Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). No caso ideal desta tecnologia, a energia requerida para operar o dispositivo transportador de dados também deve ser enviada pelo leitor/gravador, utilizando alguma tecnologia sem a necessidade de contato físico. Com estes dispositivos utilizados para identificação e transferência de energia e dados, desenvolveu-se o sistema wireless de identificação chamado Radio Frequency Identification (RFID). Os sistemas de identificação por radiofreqüência RFID são baseados em uma nova tecnologia de armazenamento e coleta de dados sem que haja a necessidade de contato físico ou linha de visada direta entre o leitor e/ou gravador de dados e o dispositivo ou etiqueta que armazena os mesmos, que muitas vezes pode ser totalmente passivo, alimentado apenas pelo campo eletromagnético emitido pelo leitor/gravador, ou ativo, utilizando energia própria para alimentar integralmente o dispositivo ou parte de suas funções [1-5]. Em paralelo ao desenvolvimento da tecnologia RFID, encontramos muitas ocorrências de desordem pública e acidentes contra integridade humana, ocasionados por limitações de identificação e localização que resultam em má utilização do solo como concessão pública pelas companhias que exploram redes subterrâneas para prestação de serviços e fornecimento de produtos. Como por exemplo, citamos serviços de saneamento, telecomunicações, distribuição de água, gás, energia elétrica, entre outros. Desenvolvemos este trabalho em uma aplicação da tecnologia RFID como solução ao referido problema de identificação e localização de infra-estruturas ou objetos subterrâneos passíveis de manutenção, modificação, expansão, renovação ou qualquer outra necessidade de serem localizados e identificados com rapidez, segurança e precisão. II. MOTIVAÇÃO AO ESTUDO De acordo com crescimento acelerado das redes subterrâneas de transporte e abastecimento de serviços ou produtos, tanto em ambientes densamente povoados como em zonas rurais e industriais, têm-se observado atualmente uma grande deficiência na localização e identificação destas redes após a conclusão das obras de instalação ou manutenção. Este problema é facilmente verificado diante do grande número de acidentes e interrupções de abastecimento de serviços e produtos, muitos destes essenciais, oriundos de danos provocados não intencionalmente em redes de terceiros por escavações destinadas a instalações ou manutenções na rede de outra determinada companhia. 1

2 Ao mesmo tempo, o subsolo brasileiro apresenta-se como uma via de concessão pública com controle e fiscalização inexistentes por parte dos órgãos públicos e empresas que exploram comercialmente essa via. Como conseqüência desta impossibilidade de controle e fiscalização eficiente, encontramos transtornos à sociedade, como inúmeros acidentes com danos à vida, à saúde e bens de terceiros e do estado, obstrução no tráfego, poluição sonora, visual e ambiental e interrupção de fornecimento de serviços e produtos fornecidos através das redes subterrâneas existentes, sendo muitos destes serviços e produtos considerados essenciais pela atual legislação em vigor. No modelo atual, as companhias utilizam de mapas para a realização das obras de escavações para manutenção de uma rede subterrânea, estes mapas são chamados, tecnicamente, de as built (do inglês, conforme construído ). O as built deveria ser um mapeamento da rede exatamente como ela foi construída, mas, na prática, não tem se revelado eficiente a este ponto. Devido a alterações de projeto, não inclusões de determinadas partes da rede construída no mapeamento e grande inércia das companhias nas alterações das referências utilizadas, os mapas das redes subterrâneas não garantem o conhecimento destas redes sob uma determinada via pública. Assim, uma companhia, ao realizar uma obra de escavação numa rede subterrânea, não tem condições de garantir um serviço seguro, principalmente em relação às outras companhias, pois não tem conhecimento preciso das redes que poderá encontrar no subsolo em suas escavações. Por outro lado, os órgãos reguladores do governo são constantemente questionados pelas companhias em situações passíveis de multa por acidentes e obstruções em vias públicas com alegações que sua tubulação foi danificada por terceiros. Por sua vez, o poder público não possui mecanismos de fiscalização eficientes para ter ciência das redes subterrâneas existentes no local do acidente e, conseqüentemente, não tendo meios de cobrar este mesmo conhecimento por parte da companhia envolvida no determinado acidente. Através de um meio de identificação e localização precisa, os órgãos reguladores podem possuir ferramentas que permitirão cobrar maior responsabilidade das companhias que realizam escavações, evitando transtornos à população e permitindo fiscalização e controle para evitar acidentes e punir os responsáveis pelos mesmos. Recentemente a identificação e a localização eletrônica, estas imediatas e com grande confiabilidade, se tornaram muito populares nas indústrias de serviços, logística de compras e vendas, controle de estoque, distribuição de produtos, companhias manufatureiras e sistemas de fluxo de material, fazendo com que o custo destes dispositivos caísse vertiginosamente. Diversos produtos têm surgido no mercado para atender a estas demandas do mercado, sempre aliando resultados satisfatórios com baixo custo de implementação e utilização. Dentre estas tecnologias disponíveis, como por exemplo, georadares, markers ativos e encapsulados, entre outros produtos, destaca-se a tela de segurança e sinalização instrumentada com tecnologia RFID. Esta tela, semelhante às utilizadas pelas grandes companhias de distribuição subterrânea de produtos e serviços para a identificação visual da existência de uma rede subterrânea no local, possui o diferencial de poder ser localizada e identificada sem que haja a necessidade de contato físico ou linha de visada direta, desta forma, evitando uma intervenção através de obra destrutiva ou invasiva. Este dispositivo é enterrado próximo à superfície do solo e logo acima da tubulação que se deseja proteger através da identificação rápida e segura dos dados da rede subterrânea. Na Fig. 1 podemos observar a aplicação desta em ambientes urbanos e na Fig. 2 a mesma aplicação em ambientes rurais ou industriais. Fig. 1. Instalação da tela instrumentada com sistema de identificação com tecnologia RFID em ambientes urbanos Fig. 2. Instalação da tela instrumentada com sistema de identificação com tecnologia RFID em ambientes rurais ou industriais III. SISTEMA RFID Os sistemas de identificação RFID (Radio Frequency Identification) representam uma tecnologia de 2

3 armazenamento, leitura, gravação e manipulação de dados remotos através de comunicação de dados por radiofreqüência e utilizando de dispositivos conhecidos como transponders, tags, etiquetas inteligentes, etiquetas de instrumentação, tarjas magnéticas ou markers, que são etiquetas eletrônicas, passivas, semi-passivas ou ativas do ponto de vista da fonte de alimentação. Estes dispositivos são compostos basicamente por duas partes, um circuito integrado para modulação e demodulação do sinal de radiofreqüência, armazenamento e processamento de informações, além de uma antena para recepção e transmissão do sinal citado. Os sistemas de identificação por radiofreqüência (RFID) também utilizam de equipamentos coletores e gravadores de dados, que são responsáveis pela leitura e gravação de dados no transponder, alimentação dos transponders, que não precisa necessariamente ser uma fonte de energia conectada ao mesmo, como no caso dos transponders passivos, que são excitados pelo sinal do leitor/gravador, bem como a integração dos mesmos com um sistema de banco de dados através dos sinais de radiofreqüência [1-5]. Nestes sistemas de identificação RFID, cada transponder, que funciona essencialmente como um mini-transceptor, envia uma seqüência de pulsos em radiofreqüência representando um número identificador único, usualmente entre 10 e 16 dígitos em base hexadecimal de numeração. A memória desses transponders costuma variar de poucos bits a 128 bits e normalmente é utilizada como chaves (keys) em sistemas de identificação e banco de dados [1-5]. Na Fig. 3, que ilustra o princípio de operação básico da tecnologia RFID, observa-se uma unidade leitora e/ou gravadora, que pode ser móvel ou fixa, responsável pela leitura e/ou gravação dos dados nos transponders, através da emissão de campos magnéticos ou eletromagnéticos com a unidade leitora e/ou gravadora como fonte de energia direcional ou isotrópica e em freqüências específicas através de sua antena para excitar e transmitir dados para estes transponders, para que os mesmos possam enviar seus dados guardados na memória para a unidade leitora e/ou gravadora ou receberem novas informações da mesma. O meio de transmissão exemplificado aqui é o ar livre, na aplicação referente a este trabalho o meio de propagação é o solo [3]. Na Fig. 4, um diagrama de transmissão de energia demonstra o sentido de propagação dos campos eletromagnéticos responsáveis pela excitação do dito transponder e pela transmissão dos dados da memória dos dispositivos que se deseja gravar ou ler, com a antena da unidade leitora e/ou gravadora como fonte de energia para o transponder [3]. Fig. 4. Principio do sistema de identificação RFID IV. AMBIENTE DE TESTES Para a realização das medições de comunicação de dados utilizando o solo como meio de propagação através dos sistemas RFID, foi utilizado o campus do Inmetro em Xerém, Duque de Caxias RJ, onde o solo apresenta características muito homogenias em toda a sua extensão e grande compactação, que mantém a umidade do solo estável por períodos maiores de tempo. Um exame granolumétrico detalhado de diferentes amostras deste solo utilizado nos experimentos demonstrou que se trata de um terreno com classe franco argilo arenoso, conforme pode-se observar nos exemplos demonstrados na tabela I. TABELA I. EXEMPLO DOS RESULTADOS DO EXAME GRANOLUMÉTRICO Amostra Umidade % Areia grossa % Areia fina % Silte % Argila % 1,0 m 17,9 30,8 23,0 13,6 32,7 1,5 m 18,3 33,2 22,9 14,9 29,0 2,0 m 17,3 31,3 21,3 15,9 31,4 A resistividade aparente do solo também foi adquirida através de uma técnica conhecida, que consiste na medição da resistência do solo entre dois eletrodos ao redor de diversos pontos em cada uma das escavações utilizadas nas medições, e a seguir é efetuado o pós-processamento destes valores. Estes dados de resistência do solo foram utilizados em (1) para a determinação da resistividade do solo em função da distância de cada amostra. Este solo franco argilo arenoso, para as condições dos dias da medição, apresentou uma resistividade aparente média em torno de 125 Ohms.m. RA = 2. π. d. R (1) Fig. 3. Dispositivos básicos do sistema de identificação RFID Onde RA é a resistividade aparente, em Ohm.m, d é a distância entre os eletrodos enterrados no solo em metros e R é a resistência direta medida em Ohms [6-12]. Nestas medições foram utilizados: Um equipamento leitor e gravador de dados padrão RFID UHF modelo IF5 Fixed 3

4 Reader com até 1 Watt de potência regulável de saída, nas faixas de freqüência no padrão ETSI de 865 MHz a 868 MHz e no padrão FCC de 903 MHz a 928 MHz, protocolo ANCI INCITS 256:2001, duas antenas planares de polarização circular com abertura de 65º e 7,5 dbi de ganho, modelo S9028PC12NF, uma antena omnidirecional com 5 dbi de ganho, diversos transponders passivos Smart Labels Gen 1 e Gen 2 UHF Intermec, um analisador de espectro elétrico modelo MS 8901A Anritsu e um sistema de suporte subterrâneo para os transponders, graduado em graus, com vedação superior do buraco escavado através de uma chapa de metal sólida e mecanismo de posicionamento do transponder em Fenolite isolante, construído especificamente para estes experimentos, conforme Fig. 5. V. PROCEDIMENTO DOS TESTES Os experimentos foram montados para medição da intensidade do sinal do equipamento leitor e/ou gravador de dados operando com propagação subterrânea apenas, e da resposta dos transponders em leitura e gravação, também com propagação em meio subterrâneo, mas com variação angular dos transponders. Assim, desta forma, no primeiro caso podemos medir o desvanecimento do sinal com a propagação do campo eletromagnético no solo, e no segundo caso, podemos avaliar a dinâmica do sistema como um todo, em condições de operação normais na aplicação proposta, que é identificação e localização de objetos ou dutos subterrâneos sem a necessidade de obra invasiva ou destrutiva, levando em consideração, que no momento da instalação do transponder para o objeto ou duto, o mesmo não ficou obrigatoriamente paralelo com a superfície do solo, formando um ângulo simulado pela variação do dispositivo graduado de suporte do transponder. Na Fig. 7 podemos observar algumas das escavações no campo de testes. Fig. 5. Aparato de variação angular do transponder subterrâneo No solo do campo de testes, que era o próprio meio de transmissão, foram feitas vinte escavações verticais com 10 cm de diâmetro e 50 cm de profundidade, distanciadas entre si de 20 cm, mais duas escavações também verticais com 35 cm de diâmetro e 50 cm de profundidade conforme a Fig. 6 (vista superior) abaixo. A faixa de freqüências utilizada pelo coletor de dados e, consequentemente, pelos transponders foi dentro do padrão FCC, de 903 MHz a 928 MHz. Fig. 7. Escavações de 10 cm de diâmetro no campo de testes Fig. 6. Posicionamento das escavações do local de testes Para a medição da dinâmica do sistema RFID a antena planar foi conectada ao equipamento leitor e/ou gravador de dados e posicionada nas escavações de 35 cm de diâmetro. O transponder foi instalado no dispositivo graduado de suporte e este colocado em cada uma das escavações de 10 cm de diâmetro. Foram armazenados os dados de variação angular do dispositivo de suporte de -180º (anti-horário) até 180º (horário), cobrindo desta forma qualquer posição de instalação do transponder para o objeto ou duto enterrado a ser identificado. 4

5 Para a medição do desvanecimento do campo pela propagação no solo, a mesma antena planar conectada ao equipamento leitor e/ou gravador de dados foi posicionada nas escavações de 35 cm de diâmetro, e a antena omnidirecional foi conectada ao equipamento analisador de espectro e posicionada nas escavações de 10 cm de diâmetro. Dessa forma, conseguimos medições de intensidade do sinal recebido nos transponders a diferentes distâncias no solo, conforme demonstrado na Fig. 8. Fig. 8. Posicionamento das antenas nas escavações VI. RESULTADOS Os experimentos realizados nos forneceram dois resultados relevantes para a caracterização destes sistemas de localização e identificação de objetos ou dutos enterrados, sendo o primeiro a dinâmica do sistema de acordo com a sua instalação no solo e o segundo o desvanecimento do campo propagado pela propagação dos campos no solo. Como já foi discutido anteriormente, no primeiro experimento foi avaliada a viabilidade de funcionamento dos sistemas como um todo, considerando que os mesmo são instalados sob a superfície do solo e desta forma, no aterro da escavação podem variar sua posição inicial. Conforme a Fig. 9, podemos observar que neste modelo de transponder mais comum hoje em dia, a antena é considerada omnidirecional quanto a sua irradiação, possuindo regiões de quase-nulo em suas extremidades apenas. variação considerável do ângulo na instalação do mesmo não representa um problema crítico para a localização e nem para a identificação do objeto ou duto enterrado, sendo que para o leitor na configuração de potência original e antenas planares com abertura de 65º, foi possível a perfeita leitura e escrita, em qualquer ângulo de inclinação do transponder em relação à antena, em uma lâmina de terra compactada de até 78 cm. É evidente que algumas considerações devem ser tomadas em relação a estes resultados obtidos, como por exemplo, a configuração do leitor, que pode ser operado em diferentes potências dentro dos limites da FCC de irradiação para estas freqüências, os transponders não necessitam ficar afixados diretamente no objeto, podendo estar mais próximos da superfície do solo, além de antenas direcionais, que podem ser utilizadas para casos extremos de atenuação muito elevada do solo, podendo facilmente aumentar a dinâmica do sistema em mais de 30 db. Nas medições de atenuação e desvanecimento pela propagação dos campos eletromagnéticos pelo solo, levando em consideração que o solo é da classe franco argilo arenoso, segundo exame granolumétrico de diversas amostras, e que a resistividade do solo em média era de 125 Ohms.m, traçamos um perfil de atenuação média para estas freqüências UHF em torno de 900 MHz, onde na Fig. 10 ela é demonstrada para a freqüência de 928 MHz, já processada de diversas medições em diferentes distâncias e dias, sendo utilizados os mesmos equipamentos em configurações semelhantes de operação, neste caso, variando a potência de saída de +20 dbm até +30 dbm e utilizando no leitor uma antena planar com 65º de abertura e 7,5 dbi de ganho para esta freqüência. Transponder Irradiação da Antena Semi- Nulo Fig. 9. Irradiação do campo pela antena do transponder Semi- Nulo Com relação à orientação angular do transponder em função da superfície do solo, podemos concluir que uma Fig. 10. Atenuações médias normalizadas para diferentes distâncias e potências através da propagação dos campos eletromagnéticos no solo Nota-se nesta figura, que a atenuação do campo eletromagnético devido a penetração do mesmo no solo está demonstrada em apenas um sentido de propagação, sendo que no caso de leitura e/ou escrita no transponder, devemos considerar o dobro desta atenuação, pois o sinal de resposta do dispositivo é reenviado pelo mesmo meio de propagação e sofre a mesma atenuação novamente. 5

6 VII. CONCLUSÕES Neste trabalho experimental, foi avaliado o desempenho e a viabilidade de um novo sistema de comunicações de dados wireless com tecnologia de Radio Frequency Identification (RFID), aplicado em localização e identificação de dutos, cabos ou quaisquer objetos ou infra-estruturas enterradas sem a necessidade de obras destrutivas ou invasivas. Este sistema utiliza a propagação destes campos eletromagnéticos para a comunicação entre os dispositivos através do solo. Os experimentos foram realizados no Campus de Xerém do Inmetro, em Duque de Caxias - RJ. O experimento foi separado em duas etapas, sendo a primeira visando definir a dinâmica do sistema em diferentes condições de instalação, onde no aterro do transponder, o mesmo poderá sofrer um deslocamento angular em relação ao nível da superfície do solo. Neste caso, notou-se que a variação angular do transponder em relação a antena do leitor não gera grandes problemas, pois estes transponders em geral utilizam antenas do tipo omnidirecional, e desta forma possuem um diagrama de irradiação próximo de 360º. Foi conseguido, utilizando o leitor em configuração normal e uma antena planar de 65º de abertura e 7,5 dbi de ganho, uma distância média de leitura de 78 cm, o suficiente para identificação precisa e segura do objeto enterrado até esta profundidade. Diferentes configurações de antenas podem aumentar em mais de 30 db esta dinâmica do sistema. Na segunda etapa do experimento foi avaliada a atenuação do campo eletromagnético quando propagado pelo solo, levando-se em consideração a classe do solo, que no caso era do tipo franco argilo arenoso com resistividade aparente média de 125 Ohms.m. É evidente que estes resultados obtidos referem-se a apenas um sentido de propagação do campo eletromagnético no solo, sendo necessário dobrar este valor quando consideramos o funcionamento do dispositivo RFID, pois o sinal enviado pelo transponder propaga no mesmo meio até a antena do leitor/gravador de dados. REFERÊNCIAS [1] G. Amal, How Radio Frequency Identification and I got personal, IEEE Spectrum, vol. 44, pp , March [2] Finkenzeller, Klaus, RFID Handbook, Fundamentals and Applications in Contactless Smart Cards and Identification, John Wiley & Sons, second edition, [3] Adair, Nick, Radio Frequency Identification (RFID) Power Budgets for Packaging Applications, PGK-491, pp. 2-11, November [4] [5] Balanis. A. Constantine, Antennas Theory, John Wiley & Sons Inc, ISBN: , [6] Balanis. A. Constantine, Advanced Engineering Electromagnetics, John Wiley & Sons Inc, ISBN: , [7] Curtin, J., Kauffman, J. R., and Riggins, F. J. Making the Most: Out of RFID Technology A Research Agenda for the Study of the Adoption, usage and impact of RFID. March 2005 and Sept [8] Clarke, Robb. "Packaging RFID For The Real World." Michigan State University School of Packaging. East Lansing, MI, Sept [9] Glidden, Rob, et al. Design of Ultra-Low-Cost UHF RFID Tags for Supply Chain Applications. IEEE Communications Magazine. Aug [10] Sweeney, Patrick J., RFID for Dummies, Wiley Publishing, Inc, ISBN: X, pp , March [11] Yifeng Han, Hao Min, System Modeling and Simulation of RFID, Auto-ID Labs at Fudan University,Shanghai, P. R. China, , pp. 3-12, [12] Mun Leng Ng, Kin Seong Leong, Peter H. Cole, Analysis of Constraints in Small UHF RFID Tag Design, Auto-ID Laboratory, Department of Electrical & Electronic Engineering, The University of Adelaide, pp. 4-8,

LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE TUBULAÇÕES E OBJETOS ENTERRADOS SEM A NECESSIDADE DE OBRA INVASIVA OU DESTRUTIVA

LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE TUBULAÇÕES E OBJETOS ENTERRADOS SEM A NECESSIDADE DE OBRA INVASIVA OU DESTRUTIVA LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE TUBULAÇÕES E OBJETOS ENTERRADOS SEM A NECESSIDADE DE OBRA INVASIVA OU DESTRUTIVA Claiton P. Colvero, Bráulio F. Cunha, Vinícius R. D. Carneiro Sinopse Atualmente as companhias

Leia mais

RFID Você vai usar! Jean Pierre Borges de Sousa jeansousa@inf.ufg.br

RFID Você vai usar! Jean Pierre Borges de Sousa jeansousa@inf.ufg.br RFID Você vai usar! Jean Pierre Borges de Sousa jeansousa@inf.ufg.br Graduado em Sistemas de Informação FASAM Mestrado em andamento em Ciência da Computação INF/UFG PRIMEIROS PASSOS Surgiu na Segunda Guerra

Leia mais

A Tecnologia RFID Aplicada à Logística Instituto de Desenvolvimento Logístico

A Tecnologia RFID Aplicada à Logística Instituto de Desenvolvimento Logístico A Tecnologia RFID Aplicada à Logística Instituto de Desenvolvimento Logístico Avenida Prudente de Morais, 290 4º andar Cidade Jardim (31) 2531 0166 contato@idel.com.br www.idel.com.br 1 Palestrante Mac

Leia mais

ESTUDO DA TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO POR RÁDIO FREQUÊNCIA

ESTUDO DA TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO POR RÁDIO FREQUÊNCIA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ESTUDO DA TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO POR RÁDIO FREQUÊNCIA Camila de Brito Miranda 1 ; Rafaela do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Medição de alcance de transponders RFID na Empresa Fockink Panambi

Leia mais

O USO DA TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO DE VEÍCULOS POR RADIOFREQUÊNCIA RFID NO PLANEJAMENTO DE TRANSPORTES

O USO DA TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO DE VEÍCULOS POR RADIOFREQUÊNCIA RFID NO PLANEJAMENTO DE TRANSPORTES O USO DA TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO DE VEÍCULOS POR RADIOFREQUÊNCIA RFID NO PLANEJAMENTO DE TRANSPORTES Rone Evaldo Barbosa Pastor Willy Gonzales-Taco O USO DA TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO DE VEÍCULOS

Leia mais

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência O princípio de transmissão de dados de telemetria por rádio freqüência proporciona praticidade, agilidade,

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 065, de 18 de maio de 2000.

Leia mais

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS INTRODUÇÃO: Entende-se por Mobilidade a possibilidade de poder se comunicar em qualquer momento e de qualquer lugar. Ela é possível graças às redes wireless, que podem

Leia mais

Acadêmico: Maicon Machado Orientador: José Carlos Toniazzo

Acadêmico: Maicon Machado Orientador: José Carlos Toniazzo Acadêmico: Maicon Machado Orientador: José Carlos Toniazzo Tema; Delimitação do Problema; Hipóteses ou questões de pesquisa; Objetivos; Justificativa; Revisão Bibliográfica; Cronograma; Referências. Desenvolver

Leia mais

LOCALIZADORES AVANÇADOS DE CABOS E CONDUTAS SUBTERRADAS SISTEMA ULTRA

LOCALIZADORES AVANÇADOS DE CABOS E CONDUTAS SUBTERRADAS SISTEMA ULTRA LOCALIZADORES AVANÇADOS DE CABOS E CONDUTAS SUBTERRADAS SISTEMA ULTRA A complexidade de serviços subterrados, tais como cabos elétricas, condutas de água, cabos de telecomunicações, etc. aumenta cada vez

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Comunicação sem fio - antenas

Comunicação sem fio - antenas Comunicação sem fio - antenas Antena é um condutor elétrico ou um sistema de condutores Necessário para a transmissão e a recepção de sinais através do ar Na transmissão Antena converte energia elétrica

Leia mais

SpinCom Telecom & Informática

SpinCom Telecom & Informática Rastreador GPS/GSM modelo Com as fortes demandas por segurança e gestão de frota, a SpinCom, acaba de lançar o rastreador GPS/GSM modelo. O rastreador é indicado para aplicações de rastreamento de automóveis,

Leia mais

TE155-Redes de Acesso sem Fios Antenas. Antenas

TE155-Redes de Acesso sem Fios Antenas. Antenas Antenas Antenas Ewaldo LuIz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@ufpr.br Antenas Ondas Eletromagnéticas Linha e Antena Cálculos em db / dbi Antenas para

Leia mais

Antena Escrito por André

Antena Escrito por André Antena Escrito por André Antenas A antena é um dispositivo passivo que emite ou recebe energia eletromagnéticas irradiada. Em comunicações radioelétricas é um dispositivo fundamental. Alcance de uma Antena

Leia mais

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE RFID

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE RFID BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE RFID Aldo Ventura da Silva * RESUMO O presente trabalho teve como objetivo mostrar o funcionamento do sistema de RFID, visando seu histórico, e principais atributos, assim servindo

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO

TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO Davi Schmutzler Valim Faculdade de Engenharia Elétrica CEATEC davi_valim@puccampinas.edu.br Resumo: O trabalho trata de fazer

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

CH & TCR. Tecnologias de Identificação

CH & TCR. Tecnologias de Identificação Tecnologias de Identificação Código de barras O sistema de identificação conhecido por código de barras teve origem nos EUA, em 1973, com o código UPC (universal product code) e, em 1977, esse sistema

Leia mais

SUBESTAÇÕES. SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga

SUBESTAÇÕES. SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga SUBESTAÇÕES SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga SCMS / STRAY CURRENT MONITORING SYSTEM (SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CORRENTE DE FUGA) Definição de corrente de fuga O funcionamento dos sistemas

Leia mais

Telefonia Celular. Renato Machado

Telefonia Celular. Renato Machado Renato Machado UFSM - Universidade Federal de Santa Maria DELC - Departamento de Eletrônica e Computação renatomachado@ieee.org renatomachado@ufsm.br 23 de Setembro de 2011 Sumário 1 2 3 Fórmula de Friis

Leia mais

Análise do sistema RFID para monitoração de equipamentos de laboratórios

Análise do sistema RFID para monitoração de equipamentos de laboratórios Análise do sistema RFID para monitoração de equipamentos de laboratórios Jéssica Mota Vieira [1], Ewerton da Silva Farias [2], Patric Lacouth da Silva [3], Adaildo G. D Assunção Jr. [4] [1] kahmota@gmail.com.

Leia mais

EAGLE Smart Wireless Solution. Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples. Brand of ACOEM

EAGLE Smart Wireless Solution. Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples. Brand of ACOEM EAGLE Smart Wireless Solution Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples Brand of ACOEM Com o EAGLE, a ONEPROD oferece a solução de monitoramento contínuo de manutenção condicional mais fácil

Leia mais

O uso do CP em sinalização de ferrovias

O uso do CP em sinalização de ferrovias O uso do CP em sinalização de ferrovias Introdução Um Sistema de Sinalização e Controle ferroviário é responsável por garantir a segurança das operações de movimentação dos trens, permitindo a operação

Leia mais

Identificação por Dispositivos de Radiofrequência - RFID -

Identificação por Dispositivos de Radiofrequência - RFID - Identificação por Dispositivos de Radiofrequência - RFID - Os dispositivos de identificação por meio de rádio frequência têm atingido já desde alguns anos um estado de difusão aplicacional e comercial

Leia mais

TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema?

TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema? TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema? Este tutorial apresenta conceitos básicos sobre antenas empregadas na transmissão de TV Digital que começam em 2 de dezembro de 2007 em

Leia mais

Comunicações a longas distâncias

Comunicações a longas distâncias Comunicações a longas distâncias Ondas sonoras Ondas electromagnéticas - para se propagarem exigem a presença de um meio material; - propagam-se em sólidos, líquidos e gases embora com diferente velocidade;

Leia mais

Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4

Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4 Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4 ÍNDICE Índice 1 Introdução 2 Equipamentos Utilizados 3 Modelo de Propagação do Sinal 5 Zona de Fresnel 6 Link

Leia mais

RFID: APLICABILIDADE, CONFIABILIDADE, SEGURANÇA, PADRÕES E CASES DE SUCESSO

RFID: APLICABILIDADE, CONFIABILIDADE, SEGURANÇA, PADRÕES E CASES DE SUCESSO WORKSHOP TECNOLOGIA CARDS 2009 RFID: APLICABILIDADE, CONFIABILIDADE, SEGURANÇA, PADRÕES E CASES DE SUCESSO São Paulo, 27.4.2009 Karina Prado Diretora Comercial GD Burti S.A. DEFINIÇÃO Radio-Frequency Identification

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

3. Caracterização do problema

3. Caracterização do problema 3. Caracterização do problema Os autores Grove Bhatt 2006 se preocuparam em recomendar seis passos para implementação do RFID que podem ser extrapolados quando associado à tecnologia GPS,ou seja: Determinar

Leia mais

Básico do RFID. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM

Básico do RFID. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM Básico do RFID Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM 2 Organização da apresentação 1. História; 2. Funcionamento do sistema RFID; 3. Aplicações. Organização da apresentação 1. História; 2. Funcionamento

Leia mais

DETEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS ENTERRADAS INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA POR INFRAVERMELHOS

DETEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS ENTERRADAS INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA POR INFRAVERMELHOS Geodetect, Lda. DETEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS ENTERRADAS INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA POR INFRAVERMELHOS Travessa do Governo Civil, Nº4 2ºDrt. Sala 5 3810-118 Aveiro PORTUGAL (+351) 967 085 701 (+351) 963 829 703

Leia mais

A ESCOLHA CERTA EM COMUNICAÇÕES WIRELESS

A ESCOLHA CERTA EM COMUNICAÇÕES WIRELESS A ESCOLHA CERTA EM COMUNICAÇÕES WIRELESS Descrição As necessidades de telemedição (ou telemetria) e telecomando têm sido cada vez mais utilizadas nas mais variadas aplicações, principalmente onde o volume

Leia mais

SOLUÇÃO MensorNet Datasheet Concentrador MLCON-RF3

SOLUÇÃO MensorNet Datasheet Concentrador MLCON-RF3 SOLUÇÃO MensorNet Datasheet Concentrador MLCON-RF3 Por favor, leia totalmente estas instruções antes de ligar o equipamento. Manual de Operação Descrição do Sistema O equipamento MLCON-RF3 é parte integrante

Leia mais

Portal RFID Identificação Wireless de Ativos, Estoques e Materiais. www.idutto.com.br

Portal RFID Identificação Wireless de Ativos, Estoques e Materiais. www.idutto.com.br Portal RFID Identificação Wireless de Ativos, Estoques e Materiais www.idutto.com.br RFID Logística & Inventário WIS - Warehouse Information System RECEBIMENTO EXPEDIÇÃO ARMAZENAMENTO INVENTÁRIO COLETA

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Redes Sem Fio Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Rádio Transmissor (Tx) Linha de Transmissão (LT) Antena Transmissora Meio de

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004)

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004) Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9 PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9.1 INTRODUÇÃO O aumento da temperatura nos condutores de uma instalação elétrica, devido a circulação de corrente (efeito Joule), projetada para o funcionamento normal,

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas......8 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

Velocidade, Performance e Estabilidade do cabo de rede com a Flexibilidade do Wireless!

Velocidade, Performance e Estabilidade do cabo de rede com a Flexibilidade do Wireless! Velocidade, Performance e Estabilidade do cabo de rede com a Flexibilidade do Wireless! AirWIRE é um dispositivo versátil para interconexão de equipamentos através de uma rede wireless de alta velocidade

Leia mais

A Física por trás da Tecnologia RFID. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM

A Física por trás da Tecnologia RFID. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM A Física por trás da Tecnologia RFID Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM 2 Espectro electromagnético 3 Espectro de frequência para o sistema RFID Tamanho da antena Existe uma razão de proporção

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel/n.º 0208, de 05 de julho de 2011.

Portaria Inmetro/Dimel/n.º 0208, de 05 de julho de 2011. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL- INMETRO Portaria Inmetro/Dimel/n.º 0208, de 05

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Coletores de Rádio Frequência PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Coletores de Rádio Frequência PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Coletores de Rádio Frequência PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA Introdução Com um mercado cada vez mais competitivo a automação dos processos é primordial; Uma central de

Leia mais

LOCALIZADOR DE CABOS E CONDUTAS ENTERRADAS SÉRIE EZICAT

LOCALIZADOR DE CABOS E CONDUTAS ENTERRADAS SÉRIE EZICAT LOCALIZADOR DE CABOS E CONDUTAS ENTERRADAS SÉRIE EZICAT Porquê usar um DETETOR de cabos? Evita danificar materiais; Previne acidentes que podem ser mortais; Evita perdas de tempo antes de se realizar uma

Leia mais

ANEXO VI. Especificação da Tecnologia SINIAV. Requisitos de Segurança Física de Equipamentos da Geração Zero (G0)

ANEXO VI. Especificação da Tecnologia SINIAV. Requisitos de Segurança Física de Equipamentos da Geração Zero (G0) ANEXO VI Especificação da Tecnologia SINIAV Requisitos de Segurança Física de Equipamentos da Geração Zero (G0) Índice 1 Escopo... 1 2 Referências a Normas... 1 3 Abreviações... 1 4 Requisitos de Segurança

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS UMA EXPERIÊNCIA PRÁTICA Luciano Pereira da Silva Francisco

Leia mais

É Engenheira de Telecomunicações pelo Centro Universitário de Belo Horizonte (Uni-BH, 2007).

É Engenheira de Telecomunicações pelo Centro Universitário de Belo Horizonte (Uni-BH, 2007). Antena Yagi-Uda: Desenvolvimento de Antena para Telefonia Celular O conteúdo deste tutorial foi obtido do artigo de autoria da Renata Pereira Oliveira para a etapa de classificação do III Concurso Teleco

Leia mais

FUNCIONAMENTO, VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIVERSAS TECNOLOGIAS

FUNCIONAMENTO, VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIVERSAS TECNOLOGIAS FUNCIONAMENTO, VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIVERSAS TECNOLOGIAS FUNCIONAMENTO DOS RFID s O Um sistema de RFID é composto, basicamente, por uma antena, que funciona como receptor, faz a leitura do sinal

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal de comunicação Objetivo Principal Prover uma solução de baixo custo para Identificação, localização, bloqueio e recuperação de veículos roubados ou procurados, através de micro circuitos embarcados de

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0048, de 09 de março de 2012.

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0048, de 09 de março de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria Inmetro/Dimel n.º 0048, de 09 de março de

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES CONSULTA PÚBLICA Nº 54, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Atribuir a faixa de radiofrequências de 4.910 MHz a 4.940 MHz também ao Serviço Móvel, manter a atribuição da faixa

Leia mais

Soluções de antenas RFID industriais sem fio

Soluções de antenas RFID industriais sem fio Soluções de antenas RFID industriais sem fio A Laird cria e fabrica produtos personalizados com nível máximo de desempenho para aplicativos sem fio e outros aplicativos de eletrônica avançada. Sobre a

Leia mais

RESOLUÇAO 212, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2006, DO CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN Dispõe sobre a implantação do Sistema de Identificação Automática

RESOLUÇAO 212, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2006, DO CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN Dispõe sobre a implantação do Sistema de Identificação Automática RESOLUÇAO 212, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2006, DO CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN Dispõe sobre a implantação do Sistema de Identificação Automática de Veículos SINIAV em todo o território nacional. O

Leia mais

2.2 MÉTODO DA ELETRORRESISTIVIDADE. 2.2.1 Histórico

2.2 MÉTODO DA ELETRORRESISTIVIDADE. 2.2.1 Histórico 2.2 MÉTODO DA ELETRORRESISTIVIDADE 2.2. Histórico A eletrorresistividade é um método geoelétrico baseado na determinação da resistividade elétrica dos materiais, tendo sido utilizado nos mais variados

Leia mais

Introdução à tecnologia RFID

Introdução à tecnologia RFID Sumário Como surgiu a tecnologia RFID... 2 Como funciona?... 2 Quais os benefícios e onde utilizar o sistema de RFID... 4 Utilização proposta... 4 Etapas para leitura de dados via RFID... 5 Diagrama de

Leia mais

Sistemas de Identificação por Radiofrequência (RFID) Ativos Integrados com Comunicações Via Satélite

Sistemas de Identificação por Radiofrequência (RFID) Ativos Integrados com Comunicações Via Satélite 140 Sistemas de Identificação por Radiofrequência (RFID) Ativos Integrados com Comunicações Via Satélite Claiton P. Colvero 1, Ricardo M. Zago 1, Aluizio d Affonsêca Netto 2, Rodolfo Saboia 3 1 UFSM Universidade

Leia mais

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital 6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital Neste capítulo, os modelos desenvolvidos serão utilizados para a avaliação da cobertura de sistemas de TV digital na cidade de São Paulo. Partindo dos limiares

Leia mais

Catarina C. Cruz Jorge R. Costa Carlos A. Fernandes. 2005, it - instituto de telecomunicações. Todos os direitos reservados.

Catarina C. Cruz Jorge R. Costa Carlos A. Fernandes. 2005, it - instituto de telecomunicações. Todos os direitos reservados. Catarina C. Cruz Jorge R. Costa Carlos A. Fernandes 2005, it - instituto de telecomunicações. Todos os direitos reservados. 1. Motivação e Objectivo 2. Configuração da Antena 3. Medidas experimentais 4.

Leia mais

SOBRE A TECNOLOGIA RFID

SOBRE A TECNOLOGIA RFID SOBRE A TECNOLOGIA RFID (*) - RFID Identificação por Rádio Freqüência Usa antenas que lêem e gravam informações em chips para monitoramento de ativos pessoas ou objetos fixos ou móveis. A tecnologia RFID

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Roteiro de Estudos Redes PAN IV O Portal Teleco apresenta periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam uma sugestão de tutoriais publicados para

Leia mais

2 Avaliação de desempenho de uma rede de telecomunicações

2 Avaliação de desempenho de uma rede de telecomunicações 2 Avaliação de desempenho de uma rede de telecomunicações Ao longo do presente capítulo são introduzidos os principais elementos qualitativos e quantitativos capazes de permitir a avaliação do desempenho

Leia mais

Conceitos Básicos de Telefonia Celular

Conceitos Básicos de Telefonia Celular O curso foi elaborado especialmente para atender o profissional que atua no mercado varejista de aparelhos celulares e quer atender seus clientes com rapidez e qualidade. O treinamento é direcionado ao

Leia mais

Manual de Instruções do Leitor Prox 9004

Manual de Instruções do Leitor Prox 9004 Manual de Instruções do Leitor Prox 9004 2 Sumário 1. Apresentação... 5 2. Especificação Técnica... 5 3. Itens que Acompanham... 5 4. Configuração do Sistema... 6 5. Esquema de Ligação... 7 4. Fixação

Leia mais

Rádio Freqüência e Biometria no Controle do Material Bélico

Rádio Freqüência e Biometria no Controle do Material Bélico Rádio Freqüência e Biometria no Controle do Material Bélico Wilson Carlos Lopes Silva Cap Esp Arm Instituto Tecnológico de Aeronáutica ITA Praça Mal Eduardo Gomes, 50 Vila das Acácias São José dos Campos

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO DECRETA:

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO DECRETA: 2001 N Despacho PROJETO DE LEI N 503/2001 DISPÕE SOBRE A INSTALAÇÃO DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE (ERBs) E DE EQUIPAMENTOS DE TELEFONIA SEM FIO NO MUNICÍPIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Autor: Vereador GUARANÁ A

Leia mais

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Divisão de Subtransmissão / Departamento de Automação e Telecomunicação Especificação Técnica ETD 00.042 Rádio Comunicação Móvel VHF Dados e Voz Versão:

Leia mais

Rede de Distribuição de Gás Natural. Campanha Externa de Prevenção de Acidentes com a População - CEPAP

Rede de Distribuição de Gás Natural. Campanha Externa de Prevenção de Acidentes com a População - CEPAP Rede de Distribuição de Gás Natural Campanha Externa de Prevenção de Acidentes com a População - CEPAP Em caso de vazamento, o que fazer: 1 Isolar a área de ocorrência do vazamento ou combustão e se afastar

Leia mais

Luiz Bertini. Antenas Parabólicas

Luiz Bertini. Antenas Parabólicas Antenas Parabólicas Possuem uma alta diretividade o que nos leva a perceber que possui um alto ganho. Uma antena receptora de satélites de 3 metros de diâmetro, por exemplo, tem um ganho de 33dB, ou seja,

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

Resolução 245 do DENATRAN

Resolução 245 do DENATRAN Resolução 245 do Cenário Atual sobre rastreamento e monitoramento de veículos Julho 2009 Referências LEI COMPLEMENTAR Nº 121, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2006 Cria o Sistema Nacional de Prevenção, Fiscalização

Leia mais

Aplicação de RFID na Logística e Manufatura

Aplicação de RFID na Logística e Manufatura Aplicação de RFID na Logística e Manufatura 1º Congresso de Supply Chain do IBPSC MMC AUTOMOTORES DO BRASIL LTDA SERGIO GEBARA RAMOS Gerente de Planejamento 1 Localização 08 Fábricas / 20 Royalties / 136

Leia mais

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Instrutor Gilberto Carlos Fidélis Eng. Mecânico com Especialização em Metrologia pelo NIST - Estados Unidos e NAMAS/UKAS

Leia mais

WL4i Smart. WL4i Smart. Manual do Usuário. Manual do Usuário. 4-Port Enterprise UHF RFID Reader

WL4i Smart. WL4i Smart. Manual do Usuário. Manual do Usuário. 4-Port Enterprise UHF RFID Reader WL4i Smart Capítulo 1 - Introdução ao rádio WaveLabs WL4i O rádio WaveLabs WL4i é um leitor RFID UHF Gen 2 fixo de 4 canais com conectividade cabeada (Ethernet) ou sem fio (WiFi) com o sistema empresarial.

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin. Medida do comprimento de onda das ondas de rádio

Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin. Medida do comprimento de onda das ondas de rádio Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin Medida do comprimento de onda das ondas de rádio Aluna: Laura Rigolo Orientador: Prof. Dr. Pedro C. de Holanda Coordenador Prof. Dr.

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 DETERMINAÇÃO DA CORRENTE DE CURTO - CIRCUITO FASE TERRA NO MEIO INDUSTRIAL Felipe Miquelino¹; Edilberto Teixeira² 1 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG 2 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG fmiquelinof@gmail.com;

Leia mais

Soluções em Localização e Identificação Eletrônica

Soluções em Localização e Identificação Eletrônica Soluções em Localização e Identificação Eletrônica Como conhecer a localização de materiais de alto valor agregado? TAG - Wireline Frequência: UHF ( EU/US/JP ) Protocolo: EPC C1G2 - Passive Tag tamanho:

Leia mais

Projeto de controle e Automação de Antena

Projeto de controle e Automação de Antena Projeto de controle e Automação de Antena Wallyson Ferreira Resumo expandido de Iniciação Tecnológica PUC-Campinas RA: 13015375 Lattes: K4894092P0 wallysonbueno@gmail.com Omar C. Branquinho Sistemas de

Leia mais

O USO DE PLATAFORMAS OPEN SOURCE PARA O ENSINO DA TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO POR RÁDIO FREQUÊNCIA (RFID)

O USO DE PLATAFORMAS OPEN SOURCE PARA O ENSINO DA TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO POR RÁDIO FREQUÊNCIA (RFID) O USO DE PLATAFORMAS OPEN SOURCE PARA O ENSINO DA TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO POR RÁDIO FREQUÊNCIA (RFID) Katielle Dantas Oliveira 1 katielledantas@gmail.com Maurício Barros de Almeida Neto 1 mauricio.ifce.br@gmail.com

Leia mais

Apresentação. Delimitação da Ação:

Apresentação. Delimitação da Ação: Apresentação Órgão: Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins TRE-TO E-mail para contato: fmourafe@tre-to.jus.br Nome do Trabalho: Gestão de Ativos de TI com a tecnologia Radio Frequency Identification

Leia mais

Este guia descreve como instalar a Antena Omnidirecional 10dbi da GTS Network (modelo: 78.0211A).

Este guia descreve como instalar a Antena Omnidirecional 10dbi da GTS Network (modelo: 78.0211A). Este guia descreve como instalar a Antena Omnidirecional 10dbi da GTS Network (modelo: 78.0211A). Apresenta como realizar a instalação, posicionamento correto e utilização com os principais equipamentos

Leia mais

Radiocrafts Embedded Wireless Solutions

Radiocrafts Embedded Wireless Solutions Radiocrafts Embedded Wireless Solutions Módulos sem fio para Smart Metering Por Peder Martin Evjen, M.Sc.E.E., Managing Director, Radiocrafts AS A tendência em AMR e Smart Metering é utilizar tecnologia

Leia mais

www.philips.com/welcome

www.philips.com/welcome Register your product and get support at www.philips.com/welcome SDV1225T/55 PT Manual do Usuário Sumário 1 Importante 4 Segurança 4 Aviso para os EUA 4 Aviso para o Canadá 4 Reciclagem 4 Português 2

Leia mais

Introdução ao sistema RFID

Introdução ao sistema RFID Introdução ao sistema RFID Profa. Renata Rampim de Freitas Dias Professora associada ao Centro de Excelência em RFID RFID _ Filme O que é RFID? RFID é um termo genérico denotando: A identifição de um objeto

Leia mais

Capítulo 12 Identificação automática e captura de dados

Capítulo 12 Identificação automática e captura de dados Capítulo 12 Identificação automática e captura de dados Seções: 1. Visão geral dos métodos de identificação automática 2. Tecnologia de códigos de barra 3. Identificação por radiofrequência 4. Outras tecnologias

Leia mais

DIVISÃO DE MANUTENCAO DEPARTAMENTO DE MANUTENCAO DE SISTEMAS DIGITAIS. Especificações Técnicas. Rádios Banda Larga 5.8GHz e Antenas ETD- 00.

DIVISÃO DE MANUTENCAO DEPARTAMENTO DE MANUTENCAO DE SISTEMAS DIGITAIS. Especificações Técnicas. Rádios Banda Larga 5.8GHz e Antenas ETD- 00. COMPANHIA ESTADUAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA DIVISÃO DE MANUTENCAO DEPARTAMENTO DE MANUTENCAO DE SISTEMAS DIGITAIS Especificações Técnicas Rádios Banda Larga 5.8GHz e Antenas ETD- 00.058 Cod.

Leia mais

Realizando o ensaio de ultra-som

Realizando o ensaio de ultra-som Realizando o ensaio de ultra-som A UU L AL A Na aula anterior, você ficou sabendo que o ultra-som é uma onda mecânica que se propaga de uma fonte emissora até uma fonte receptora, através de um meio físico.

Leia mais

ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA

ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA Caio Matheus Pereira Braga, Diego de Brito Piau, Heitor Ferreira Camargos Silva, Rafael Resende Moraes Dias, Yago Gomes Dos Santos Universidade

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas...9 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 Moto é um rastreador exclusivo para Motos desenvolvido com os mais rígidos

Leia mais

Estudo de Impacto Regulatório do Controle Metrológico em moto taxímetros.

Estudo de Impacto Regulatório do Controle Metrológico em moto taxímetros. Estudo de Impacto Regulatório do Controle Metrológico em moto taxímetros. Francisco Siqueira Tecnologista (Inmetro) Índice - Definição de competências; - Constituição Federal - Código Brasileiro de Trânsito

Leia mais

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS Descrição de componentes 2 1 INTRODUÇÃO O sistema de treinamento em microondas DH-0406A foi desenvolvido para permitir explorar experimentalmente alguns conceitos

Leia mais