INSTRUMENTAÇÃO - VÁLVULAS INSTRUMENTAÇÃO - VÁLVULAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTRUMENTAÇÃO - VÁLVULAS INSTRUMENTAÇÃO - VÁLVULAS"

Transcrição

1 TIC B Sp E G Sc Spv TIPOS DE VÁLVULAS Os tipos de válvulas classificam-se em função dos respectivos tipos de corpos, e portanto, quando estivermos falando de tipos de válvulas deve-se subentender tipos de corpos. Uma válvula de controle consiste basicamente de dois conjuntos principais: Corpo Atuador 1

2 FUNCIONAMENTO DA VÁLVULA Sinal de saída do regulador (3 psi) Sinal de saída do regulador (15 psi) Motor ou Atuador Mola Haste Castelo Diafragma Escape Indicador Obturador Corpo Sede Válvula Aberta Válvula Fechada POSIÇÃO DE FALHA DA VÁLVULA ABERTA (AFA) FECHADA (FFA) ATUADOR DIRETO INVERSO INVERSO DIRETO OBTURADOR (tipo de montagem) POR CIMA POR BAIXO POR CIMA POR BAIXO POSIÇÃO DE SEGURANÇA POR FALHA ESQUEMA 2

3 ATUADOR Constitui-se no elemento responsável em proporcionar a necessária força motriz ao funcionamento da válvula de controle. Sendo parte integrante do sistema de controle, deve proporcionar à válvula meios de operacionalidade estáveis e suaves, contra a ação variável das forças dinâmicas e estáticas originadas na válvula através da ação do fluído de processo. Instrumentação Dependendo basicamente do meio de produção da força motriz, o atuador utilizado emaplicações de controle modulado, classifica-se em cinco tipos principais: Pneumático à mola e diafragma; Pneumático a pistão; Elétrico; Elétrico-hidráulico e Hidráulico. CABEÇOTE MEMBRANA PRATO MOLA CORPO VANTAGENS Baixo custo Simplicidade Posição de segurança por falha é inerente Necessidade de baixa pressão de ar de suprimento Ajustabilidade Facilidade de manutenção Capacidade de operação sem a necessidade do uso de posicionador Resposta rápida Seguro em aplicações eletricamente perigosas ATUADOR TIPO PNEUMÁTICO MOLA E DIAFRAGMA DESVANTAGENS Torques limitados Limitação quanto à temperatura Inflexibilidade para alterações das condições de serviço 3

4 VANTAGENS Compacticidade Aptidão para aplicações remotas DESVANTAGENS Alto custo Falta de posição de segurança por falha Habilidade limitada para sistemas de controle modulado Resposta lenta Falta de ajustabilidade ATUADOR TIPO ELÉTRICO VANTAGENS Capacidade de torque elevado Compacticidade Menor peso Adaptabilidade às altas temperaturas do meio ambiente Adaptabilidade às variações dos requisitos de torque da válvula Resposta rápida Seguro em aplicações eletricamente perigosas DESVANTAGENS Posição de segurança por falha, requer acessórios opcionais Necessidade do uso do posicionador para aplicações em controle modulado Maior custo que o atuador tipo mola e diafragma Necessidade de alta pressão de ar de suprimento ATUADOR TIPO PNEUMÁTICO PISTÃO 4

5 VÁLVULA DE DESLOCAMENTO LINEAR Define-se por válvula de deslocamento linear, a válvula na qual a peça móvel vedante descreve, um movimento retilíneo, acionada por uma haste deslizante. Para cada tipo de processo ou fluído sempre temos pelo menos um tipo de válvula que satisfaça os requisitos técnicos de processo, independente da consideração econômica. Cada um desses tipos de válvulas possuem as suas vantagens, desvantagens e limitações que dependem do tipo de processo. VÁLVULA DE DESLOCAMENTO ROTATIVO Os tipos de válvulas classificam-se em função dos respectivos tipos de corpos, e portanto, quando estivermos falando de tipos de válvulas subentenderemos tipos de corpos. Uma válvula de controle consiste basicamente de dois conjuntos principais: Corpo Atuador 5

6 Classe de Vazamento CLASSE I CLASSE II CLASSE III CLASSE IV CLASSE V CLASSE VI Definição da Classe Qualquer válvula pertencente as classes II, III ou IV, porém mediante acerto entre fabricante e usuário não há necessidade de teste Tipos de Válvulas Válvulas listadas nas classes II, III e IV Vazamento de até 0,5 % da capacidade máxima de Válvulas Globo Sede Dupla, Válvulas Globo Gaiola vazão balanceadas. Superfície de assentamento metal metal Vazamento de até 0,1 % da capacidade máxima de Válvulas listadas como pertencentes a classe II, porém vazão possuindo uma maior força de assentamento Vazamento de até 0,01 % da capacidade máxima Válvulas Globo Sede Simples com assentamento metal de vazão metal. Válvulas de Obturador Rotativo Excêntrico Vazamento de até 5 x 10-4 cm 3 por minuto de água, Válvulas instaladas na classe IV, porém utilizadas com por polegada de diâmetro de orifício, por psi de atuadores superdimensionado para aumentar a força de pressão diferencial ou 5 x m 3 por segundo de assentamento. água, por mm de diâmetro do orifício por bar de pressão diferencial Diâmetro Vazamento Máximo Permissível Nominal do orifício de cm 3 / min Bolhas / min passagem em 1 O, ½ 0, , ½ 0, , , , ,75 45 Válvulas Globo com assentamento composto ( soft seat ). Válvulas borboletas revestidas com sedes de elastômeros ou com anéis de vedação. Válvulas esferas com anéis de TFE. Válvulas diafragmas. Válvulas de obturador rotativo excêntrico com assentamento composto a) 1) Globo Convencional; 2) Globo Tres ˆ vias; 3) Globo Gaiola; Dedeslocamento linear 4) Globo Angular; 5) Diafragma; 6) Bi partido; 7) Guilhotina. 1) Borboleta; 2) Esfera; b) Dedeslocamento rotativo 3) Obturador Excêntrico; 4) Segmento de Esfera. 6

7 VÁLVULAS GLOBO Válvula de deslocamento linear, corpo de duas vias, com formato globular, de passagem reta, internos de sede simples ou de sede dupla. É a que tem maior uso na indústria e o termo globo é oriundo de sua forma, aproximadamente esférica. Sua conexão com a linha pode ser através de flanges rosca ou solda. Ela será de sede simples ou dupla, de acordo com o número de orifícios que possua para a passagem do fluído. VÁLVULAS GLOBO SEDE SIMPLES Uma válvula globo sede simples reversível o obturador é guiado na base, no topo e/ou em sua saia e sua montagem faz com que a válvula fecha ao descer a haste. A fig., mostra os mesmos componentes montados de tal forma que a válvula abra ao descer a haste. Este tipo de corpo é fabricado em tamanhos de 1/2 até 12 e em valores de pressão ASA de 600 PSI. Valores de pressão de 900 a PSI são fabricados em tamanhos menores. 7

8 VÁLVULAS GLOBO SEDE DUPLA Se as 2 sedes forem do mesmo diâmetro, as pressões que atuam no obturador serão equilibradas na posição fechada e teoricamente pouca força será requerida para abrir e fechar a válvula. Na realidade, os orifícios são construídos com 1/16 a 1/8 um maior que o outro, no diâmetro. Esta construção é chamada semi-balanceada e é usada para possibilitar que o obturador menor passe através do orifício maior na montagem. É fabricada normalmente em diâmetros de 3/4 a 14. Como desvantagem, apresentam um vazamento, quando totalmente fechadas de no máximo 0,5 % da sua máxima capacidade de vazão, conforme norma ANSI B a válvula tipo standard, possui um índice de vazamento Classe II. VÁLVULAS GLOBO TIPO GAIOLA Válvula de concepção antiga onde possui seus internos substancialmente diferente da globo convencional. Seu sucesso está fundamentado nos seguintes aspectos: -facilidade de remoção das partes internas, pela ausência de roscas o que facilita bastante a operação na própria instalação; --capacidade vazão da ordem de 20 a 30% maior que a globo convencional; -menor peso das partes internas, resultando assim um menor vibração horizontal consequentemente menor ruído de origem mecânica do que as válvulas globo duplamente guiadas; -não possuindo flange inferior a válvula é algo mais leve que as globo convencionais. 8

9 VÁLVULAS GLOBO TIPO GAIOLA SEDE SIMPLES Por não possuir flange inferior, seu corpo não pode ser reversível, e assim a montagem dos seus internos é do tipo entra por cima. A drenagem do fluído quando necessária, pode ser realizada através da parte inferior do corpo, por meio de um tampão rosqueado. Neste tipo de válvula o fluído entra por baixo do anel da sede, passando pelo orifício e pelas janelas da gaiola, onde a força do fluído tende a abrir a válvula, não é balanceada e por isso apresenta o mesmo inconveniente de precisar de uma grande força de atuação. VÁLVULAS GLOBO TIPO GAIOLA ANGULAR SEDE SIMPLES Este tipo de válvula apresenta uma configuração especial, para determinadas aplicações nas quais haja necessidade de uma auto-drenagem do fluído, ou em aplicações com fluídos lamacentos ( slurries ), já que possibilita uma passagem menos obstruída que os outros tipos de válvula globo convencional ou gaiola. Recentemente tem-se recomendado a utilização deste tipo de válvula em aplicações erosivas, já que neste tipo de válvula o choque das partículas sólidas sobre as partes internas é muito diminuído, e em aplicações sob efeito de flashing (vaporização do líquido na válvula). 9

10 VÁLVULAS TIPO DIAFRAGMA Este tipo de válvula, cuja configuração é totalmente diferente das outras válvulas de controle, é utilizada no controle de fluídos corrosivos, líquidos altamente viscosos e líquidos com sólidos em suspensão. A válvula de controle tipo diafragma consiste de um corpo em cuja parte central apresenta um encosto sobre o qual um diafragma móvel, preso entre o corpo e o castelo, se desloca para provocar o fechamento. Possui como vantagem um baixo custo, total estanqueidade quando fechada, já que o assento é composto, e facilidade de manutenção. Como desvantagem não apresenta uma boa característica de vazão para controle, além de uma alta e não uniforme força de atuação que faz com que praticamente este tipo de válvula seja limitado em diâmetros de até 6 para efeito de aplicação em controle modelado. Outra desvantagem é que devido ao material do seu obturador (diafragma de neoprene ou Teflon ), a sua utilização é limitada pela temperatura do fluído em função do material do diafragma. VÁLVULAS TIPO BI-PARTIDA Trata-se de uma válvula desenvolvida para aplicações altamente corrosivas, principalmente em plantas de processos químicos, aplicações nas quais torna-se necessária uma freqüente inspeção ou substituição dos internos da válvula. Devido a ser uma válvula utilizada em fluídos altamente corrosivos, o material do corpo é bastante especial e portanto caro, padronizando-se a utilização de flanges tipo encaixe, soldados ao corpo. Estes flanges, podem ser em aço carbono comum mesmo que o corpo seja de material superior. Uma desvantagem deste tipo de válvula é a não possibilidade de uma fixação na linha por meio de solda (pois neste caso as metades do corpo não poderiam ser separadas para a remoção do anel da sede). 10

11 VÁLVULAS TIPO GUILHOTINA Trate-se de uma válvula originalmente projetada para a indústria de papel e celulose, porém, hoje em dia a sua aplicação tem atingindo algumas outras aplicações em indústrias químicas, petroquímicas, açúcareiras, abastecimentos de água, etc. Contudo, a sua principal aplicação continua sendo em controle biestável com fluídos pastosos, tais como massa de papel. Fabricada em diâmetros de 2 até 24 com conexões sem flanges para ser instalada entre par de flanges da tubulação. VÁLVULAS TIPO BORBOLETA Válvula de deslocamento rotativo, corpo de duas vias de passagem reta, com internos de sede simples e elemento vedante constituídos por um disco ou lâmina de formato circular acionados por eixo de rotação axial. São muito usadas em tamanhos maiores que 3 e são fabricadas em tamanhos tão pequenos quanto 1. A válvula borboleta consiste de um corpo cilíndrico com um disco solidário a um eixo instalado perpendicularmente ao eixo do cilindro. O corpo cilíndrico pode ser flangeado em ambas as extremidades, ou fabricado na forma de um anel sólido. 11

12 VÁLVULAS TIPO ESFERA Devido ao seu sistema de assentamento, proporciona uma vedação estanque, constituindo-se numa das poucas válvulas de controle que além de possuir ótimas condições de desempenho de sua principal função, (isto é, prover uma adequada ação de controle modulado) permite, ainda uma total estanqueidade quando totalmente fechada. O corpo da válvula e do tipo bipartido (para possibilitar a montagem dos internos), sendo que a esfera gira em torno de dois anéis de Teflon (construção padrão) alojados no corpo e que fazem a função de sede. Possibilita a passagem do fluído em qualquer direção sem problemas dinâmicos, e possui um curso total de 90º. VÁLVULAS TIPO EXCENTRICO ROTATIVO Possui corpo, com extremidade sem flanges, classe 600 lbs, sendo fabricada em diâmetros de 1 até 12. O curso do obturador é de 50º em movimento excêntrico da parte esférica do obturador. possibilitando uma redução do torque de atuação permitindo uma operação mais estável com o fluído entrando na válvula em qualquer sentido. Apresenta, quando totalmente fechada, um índice de vazamento de 0,01% da sua máxima capacidade de fluxo, sendo uma válvula de nível de vazamento Classe IV conforme a ANSI B

13 Globo sede Simples a) Fabricadas geralmente como padrões em tamanhos de 1 e menores b) Geralmente usada onde se deseja uma vedação mais estanque c) Em tamanhos de 1 1/2 e maiores, deveremos considerar o desbalanceamento de forças no obturador em relação ao atuador normalmente fornecido. Globo sede dupla: a) Tamanho de 1 a 16 b) Não deve ser especificado se um vazamento mínimo de 1% da capacidade máxima não for tolerável c) Para serviços severos deve-se escolher guias na base e no topo d) Guia na saia é menos custoso para serviços tudo ou nada Borboletas: a) Usada geralmente para pequenas quedas de pressão b) Econômica em grandes tamanhos c) Adequada para operar misturas sólidos-líquidos Diafragma ou Saunders: a) Adequada para substância corrosivas e pastosas b) Inadequada para altas pressões c) Produz fechamento estanque d) Usada geralmente em controle tudo ou nada Válvula de três vias: a) Usar sede simples para serviços de mistura b) Usar sede dupla para serviços de divisão ou proporção 13

14 CASTELO Geralmente uma parte separada do corpo da válvula que pode ser removida para dar acesso as partes internas das válvulas, é definido como sendo "um conjunto que inclue, a parte através da qual uma haste do obturador de válvula movese, e um meio para produzir selagem contra vazamento através da haste". Ele proporciona também um meio para montagem CASTELO NORMAL É o castelo padrão utilizado para as aplicações comuns nas quais a temperatura está entre 18ºC à 232ºC. Esta limitação é devido ao material da gaxeta, já que sua localização está bem próxima do flange superior do corpo e portanto bem próxima ao fluido. CASTELO ALETADO É utilizado quando a temperatura do fluido controlado é superior a 200ºC. Deve ser suficiente para reduzir a temperatura ao valor indicado ou no máximo 250ºC de resfriamento. Caso a válvula opere com vapores condensáveis oaletamentonão reduziráa temperatura abaixo do ponto de saturação do líquido, pois uma vez atingida esta temperatura haverá condensação de vapor e o líquido fluirá para a tubulação, sendo substituída por uma outra porção de vapor com temperatura mais elevada. CASTELO ALONGADO São utilizados para impedir o congelamento das gaxetas em aplicações de baixas temperaturas. Devem ser utilizadas para temperatura inferiores a 5ºC e devem ser suficientemente longos para que a temperatura das gaxetas sejam mantidas a 25ºC ou acima. 14

15 Material da Serviço Pressões Lubrificação Tipo de Castelo Gaxeta Norm. Longo Extralongo Teflon Amianto com Teflon Amianto grafitado com fios de Inconel Limitado àqueles fluidos não atacam o teflon e aço inox tipo 3/6 (material da mola da gaxeta). Todo excepto Alcalis quentes e Ácido hidrofluorídric o quente. Vapor ou Petróleo Líquidos e Gases secos psi Vapor psi Líquidos e Gases secos 6500 psi Vapor 250 psi Qualquer fluido 6500 psi Não -18 à 232ºC opcional, porém recomendada -18 à 232ºC Sim -18 à 232ºC -45 à 430ºC -45 à 430ºC -45 à 540ºC -268 à 430ºC -268 à 430ºC -45 à 540ºC CONEXÕES As válvulas são presas à tubulação por meio do tipo de conexões localizadas nas extremidades do corpo das válvulas. Tais tipos podem ser: Rosqueadas; Flangeadas; Sem flanges; Soldadas. 15

16 CONEXÕES As conexões das extremidades do corpo, tipo rosqueadas são limitadas à utilização, em apenas válvulas de pequeno porte (no máximo até 2 de diâmetro) e para serviços auxiliares não corrosivos em pressões de até 600 PSI. O tipo de conexão rosqueada mais comumente utilizada é o normalizado pela ANSI B.2.1 também denominada de rosca N.P.T. O tipo de conexão mais amplamente utilizado é sem dúvida alguma a flangeada, que pode ser executada conforme as normas ANSI, DIN ou ISO, embora prevaleça, aqui no Brasil, uma predominância quase que total dos flanges conforme norma ANSI. Em função dos limites combinados de pressão e temperatura, doravante aqui denominados por apenas classe, as conexões flangeadas das extremidades da válvula podem ser classe 150, 300, 600, 900, 1500 e 2500 lbs. Entende-se por classe a pressão nominal admissível de trabalho (em PSI), sem choques a uma determinada temperatura. A distância do face a face entre os flanges das válvulas com conexões flangeadas até classe 600 lbs inclusive é normalizada pela ISA RP 4.1., exceção feita às válvulas tipo Diafragma e Angular. Na tabela são dadas as medidas dessa distância do face a face conforme Norma ISA RP 4.1. Diâmetro da Válvula (poleg.) 1/2 3/ / / Classes 125 lbs (Ferro) 150 lbs (Aço) Distância do Face a Face (mm) Classes 250 lbs (Ferro) 300 lbs (Aço) Classe 600 lbs (Aço)

17 VARIÁVEL DO PROCESSO A SER CONTROLADA GUIA PRÁTICO PARA A SELEÇÃO DA CARACTERÍSTICA DE VAZÃO CONDIÇÕES DO PROCESSO Queda de pressão constante CARACTERÍSTICA DE VAZÃO A SER UTILIZADA Linear Diminuindo a queda de pressão com o aumento de vazão: se a queda de pressão à vazão máxima for maior que 20% da queda de pressão à vazão mínima Linear Nível Líquido Diminuindo a queda de pressão com o aumento de vazão: se a queda de pressão à vazão máxima for menor que 20% da queda de pressão à vazão mínima Aumentando a queda de pressão com o aumento de vazão: se a queda de pressão à vazão máxima for maior que 200% da queda de pressão à vazão mínima Igual Porcentagem/ Parabólica Modificada Linear Aumentando a queda de pressão com o aumento de vazão: se a queda de pressão à vazão máxima for menor que 200% da queda de pressão à vazão mínima Abertura Rápida VARIÁVEL DO PROCESSO A SER CONTROLADA Pressão GUIA PRÁTICO PARA A SELEÇÃO DA CARACTERÍSTICA DE VAZÃO CONDIÇÕES DO PROCESSO Líquido Gases. Sistemas rápidos: volume pequeno, trecho de menos de 3 metros de tubulação à jusante da válvula de controle Gases. Sistemas lentos: volume grande ( o processo possue um receptor, sistema de distribuição ou linha de transmissão excedendo à 30 metros de tubulação à jusante). Diminuindo a queda de pressão com o aumento de vazão: se a queda de pressão à vazão máxima for maior que 20% da queda de pressão à vazão mínima CARACTERÍSTICA DE VAZÃO A SER UTILIZADA Igual Porcentagem/ Parabólica Modificada Igual Porcentagem/ Parabólica Modificada Linear Gases. Sistemas lentos: volume grande Diminuindo a queda de pressão com o aumento de vazão: se a queda de pressão à vazão máxima for menor que 20% da queda de pressão à vazão mínima Igual Porcentagem/ Parabólica Modificada 17

18 VARIÁVEL DO PROCESSO A SER CONTROLADA CONDIÇÕES DO PROCESSO Sinal do elemento primário de medição proporcional ao fluxo. Grandes variações de fluxo a) Elemento primário instalado em série com a válvula de controle b) Elemento primário instalado no contorno da válvula de controle CARACTERÍSTICA DE VAZÃO A SER UTILIZADA Linear Linear Vazão Pequenas variações ao fluxo, porém grandes variações da queda de pressão com o aumento da vazão. a) Elemento primário instalado em série com a válvula de controle b) Elemento primário instalado no contorno da válvula de controle Sinal do elemento primário de medição proporcional ao quadrado do fluxo. Grandes variações de fluxo a) Elemento primário instalado em série com a válvula de controle b) Elemento primário instalado no contorno da válvula de controle Pequenas variações de fluxo, porém grandes variações de queda de pressão com o aumento da vazão a) Elemento primário instalado em série com a válvula de controle b) Elemento primário instalado no contorno da válvula de controle Igual Porcentagem/ Parabólica Modificada Igual Porcentagem/ Parabólica Modificada Linear Igual Porcentagem/ Parabólica Modificada Igual Porcentagem/ Parabólica Modificada Igual Porcentagem/ Parabólica Modificada O posicionador é um dispositivo que transmite a pressão de carga ao atuador, permitindo posicionar a haste da válvula no valor exato determinado pelo sinal de controle. Ele compara o sinal que recebe do controlador com a posição da haste da válvula através do seu braço de realimentação. Se a haste não está corretamente posicionada, então ele manda para o atuador mais ar (ou retira mais ar) até que acuse a correta posição da haste. 18

19 Posicionador Relé Alimentação 20 psi Bocal Fole Sinal do Regulador 3 a 15 psi Alavanca de realimentação mecânica (ao mesmo tempo, palheta) 19

20 input signal stem feedback 4-20 ma HART pressure feedback µ based P W B I/P output pressure relay Chaves indicadoras de posição São utilizadas para indicação remota da posição da haste da válvula. Essa indicação fornecida pela chave indicadora é do tipo duas posições, ou seja, possibilita a indicação, por exemplo, da válvula fechada e válvula aberta. São montadas diretamente na torre do atuador (caso seja atuador do tipo deslocamento linear) ou no adaptador (caso seja atuador tipo rotativo). 20

21 Conversores eletropneumáticos. Estes dispositivos convertem o sinal elétrico da saída de um controlador eletrônico, em sinal pneumático compatível com o atuador pneumático da válvula de controle. Esses transdutores tanto podem ser corrente para pressão (I/ P), ou voltagem para pressão (E/P). O sinal de entrada de corrente é aplicado a um eletroímã. O campo magnético criado e a corrente produzem uma força que desloca a palheta, alterando a posição relativa entre a palheta e o bocal, aumentando ou diminuindo o sinal de pressão para a válvula de controle. 21

VÁLVULA GLOBO DE CONTROLE SÉRIE 10

VÁLVULA GLOBO DE CONTROLE SÉRIE 10 VÁLVULA GLOBO DE CONTROLE SÉRIE 10 EXCELÊNCIA EM CONTROLE DE FLUXO 1 Válvula Globo de Controle Série 10 Características gerais As válvulas globo de controle de sede simples da série 10, produzidas pela

Leia mais

Válvulas de Controle 25/11/20122

Válvulas de Controle 25/11/20122 25/11/2012 1 2012 25/11/20122 2 Tipos de Válvulas Os tipos de válvulas classificam-se em função dos respectivos tipos de corpos, e portanto, quando estivermos falando de tipos de válvulas deve-se subentender

Leia mais

VÁLVULAS E POSICIONADORES

VÁLVULAS E POSICIONADORES VÁLVULAS E POSICIONADORES -0- SUMÁRIO 1 - ELEMENTOS FINAIS DE CONTROLE 3 1.1 - DEFINIÇÃO 3 2 - VÁLVULAS DE CONTROLE 3 2.1 - PARTES PRINCIPAIS DE UMA VÁLVULA DE CONTROLE 4 2.2 - ATUADOR 4 2.3 - CORPO 1

Leia mais

A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso.

A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso. A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso. A próxima turma do curso VÁLVULAS INDUSTRIAIS está programada para o período de 16 a 19 de setembro de 2013, no Rio de

Leia mais

Válvula de controle. José Carlos Costa Pinto

Válvula de controle. José Carlos Costa Pinto Válvula de controle José Carlos Costa Pinto Importância da Valvula de Controle Parte do d sistema de instrumentação Parte do d sistema de tubula ulação Afeta dinâmicamente o ganho da malha de controle

Leia mais

Válvulas Automáticas de Controle e Fluxo

Válvulas Automáticas de Controle e Fluxo Válvulas Automáticas de Controle e Fluxo As válvulas automáticas são utilizadas em processos de automação ou acionamento remoto para controle de fluxo de líquidos e gases, e também nos processos de dosagem

Leia mais

VÁLVULAS SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004

VÁLVULAS SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004 VÁLVULAS ÍNDICE Válvulas de agulha Série 2700... 02 Válvulas Manifold Série 2700... 08 Manifold 2 Vias... 10 Manifold 3 Vias... 13 Suporte para Manifold de 3 Vias... 16 Válvulas miniatura Série 1800...

Leia mais

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind.

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind. CONTEÚDO: Capítulo 4 Válvulas Industriais Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: 1 VÁLVULAS DEFINIÇÃO: DISPOSITIVOS DESTINADOS A ESTABELECER, CONTROLAR E INTERROMPER O FLUXO

Leia mais

CATÁLOGO 800035-A Observações sobre as fichas técnicas

CATÁLOGO 800035-A Observações sobre as fichas técnicas CATÁLOGO 800035-A sobre as fichas técnicas Os dados constantes nas fichas técnicas a seguir podem sofrer alterações sem prévio aviso. Alguns modelos possuem pequenas alterações em seus projetos construtivos,

Leia mais

Válvulas de Guilhotina - Série M. Válvulas para líquidos pastosos, massas, água industrial e semelhantes.

Válvulas de Guilhotina - Série M. Válvulas para líquidos pastosos, massas, água industrial e semelhantes. Série M Série P Válvulas de Guilhotina - Série M Válvulas para líquidos pastosos, massas, água industrial e semelhantes. Manual Pneumática Dados de Operação BITOLA 50 2 65 21/2 80 3 100 4 125 5 150 6 200

Leia mais

VÁLVULAS. Válvulas de Regulagem São destinadas especificamente para controlar o fluxo, podendo por isso trabalhar em qualquer posição de fechamento.

VÁLVULAS. Válvulas de Regulagem São destinadas especificamente para controlar o fluxo, podendo por isso trabalhar em qualquer posição de fechamento. VÁLVULAS São dispositivos destinados a estabelecer, controlar e interromper o fluxo em uma tubulação. São acessórios muito importantes nos sistemas de condução, e por isso devem merecer o maior cuidado

Leia mais

Elementos Finais de Controle

Elementos Finais de Controle Elementos Finais de Controle Fonte: Simone Massulini Acosta Variam a quantidade de energia ou material (agente de controle), em resposta ao sinal enviado pelo controlador, a fim de manter a variável controlada

Leia mais

Válvula Globo. Apresentação. Construção. Vantagens. Aplicações. + Adequada para aplicações em regimes severos de operação

Válvula Globo. Apresentação. Construção. Vantagens. Aplicações. + Adequada para aplicações em regimes severos de operação 517 Válvula Globo 2/2 Vias - Acionamento Manual Apresentação Válvula Globo metálica flangeada (tipo aerodinâmica), acionada manualmente por volante. Ideal para o controle ou bloqueio de fluidos como: vapor,

Leia mais

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Considerações Iniciais "PNEUMÁTICA

Leia mais

VÁLVULAS MANIFOLD MANIFOLD 3 VIAS MANIFOLD 5 VIAS

VÁLVULAS MANIFOLD MANIFOLD 3 VIAS MANIFOLD 5 VIAS MANIFOLD As válvulas Manifold, produzidas pela Detroit, foram desenvolvidas e dimensionadas para tornar uma tubulação de instrumentos de diferencial de pressão mais simples, mais segura e mais confiável.

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES Válvula de agulha Conexão roscada segundo. Asme b1 20.1 (NPT) Din 2.999 & Bs 21 Iso 228/1 & Iso 7/1 6000 Psi Padrão Fire-Safe.

ESPECIFICAÇÕES Válvula de agulha Conexão roscada segundo. Asme b1 20.1 (NPT) Din 2.999 & Bs 21 Iso 228/1 & Iso 7/1 6000 Psi Padrão Fire-Safe. 01/66 FIG.Nº.:AG-01 Bitola 1/8 á 1. Válvula de agulha Conexão roscada segundo. Asme b1 20.1 (NPT) Din 2.999 & Bs 21 Iso 228/1 & Iso 7/1 6000 Psi Padrão Fire-Safe. Nº NOMES DAS PARTES CONSTRUÇÃO 01 TRAVA

Leia mais

Controle de Fluxo Através de Válvulas Manuais e Automáticas

Controle de Fluxo Através de Válvulas Manuais e Automáticas Controle de Fluxo Através de Válvulas Manuais e Automáticas Por: Artur Cardozo Mathias O controle do fluxo nos processos industriais normalmente é feito através de válvulas que podem ser tanto de acionamento

Leia mais

VALVES & CONTROLS ISSUED JANUARY, 2013

VALVES & CONTROLS ISSUED JANUARY, 2013 VALVES & CONTROLS ISSUED JANUARY, 2013 Válvulas Globo Série 85 Tamanhos: 1/2" a 8". Classes: 150 a 600. Conexões: Flangeadas para solda ou roscadas até 2" NPT. Acionamento: Pneumático (diafragma ou pistão),

Leia mais

Válvula Globo com Fole de Vedação Norma DIN

Válvula Globo com Fole de Vedação Norma DIN Válvula Globo com Fole de Vedação Norma DIN Aplicação Para bloquear e controlar manualmente vapor saturado, ar, gases, óleo térmico, amônia, água quente, vácuo e líquidos neutros. Características Fole

Leia mais

27 Sistemas de vedação II

27 Sistemas de vedação II A U A UL LA Sistemas de vedação II Ao examinar uma válvula de retenção, um mecânico de manutenção percebeu que ela apresentava vazamento. Qual a causa desse vazamento? Ao verificar um selo mecânico de

Leia mais

420 - Série 400. Flangeadas: ISO 7005-2 (PN10 &16) Ranhuradas: ANSI C606 Rosqueadas: NPT Rosqueadas: Rp ISO 7/1 (BSP.P) Padrão das Conexões

420 - Série 400. Flangeadas: ISO 7005-2 (PN10 &16) Ranhuradas: ANSI C606 Rosqueadas: NPT Rosqueadas: Rp ISO 7/1 (BSP.P) Padrão das Conexões Bermad Brasil Válvulas e Soluções Hidráulicas Matriz: Rua Jesuíno Arruda, n 797 - Conj. 22 Itaim Bibi - São Paulo - SP - Brasil CEP: 04532-082 Fone: +55 11 3074.1199 Fax: +55 11 3074.1190 Website: www.bermad.com.br

Leia mais

Operador de Processo Ênfase em Petróleo e Gás. Módulo I. Aula 01

Operador de Processo Ênfase em Petróleo e Gás. Módulo I. Aula 01 Operador de Processo Ênfase em Petróleo e Gás Módulo I Aula 01 VÁLVULAS As válvulas aplicadas em grandes escalas nas indústrias são dispositivos usados para estabelecer, controlar e interromper a passagem

Leia mais

INSTRUMENTACÃO E CONTROLE DE PROCESSOS ELEMENTOS FINAIS DE CONTROLE

INSTRUMENTACÃO E CONTROLE DE PROCESSOS ELEMENTOS FINAIS DE CONTROLE INSTRUMENTACÃO E CONTROLE DE PROCESSOS ELEMENTOS FINAIS DE CONTROLE Introdução Elemento final de controle ê o mecanismo que altera o valor da variável manipulada, em resposta a um sinal de salda do controlador

Leia mais

Bomba Multiestágio de Média Pressão MBN

Bomba Multiestágio de Média Pressão MBN Bomba Multiestágio de Média Pressão MBN Principais Aplicações Com um design modular, as bombas MBN são bombas horizontais segmentadas e bipartidas radialmente. São recomendadas para o bombeamento de líquidos

Leia mais

ECA303 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL I

ECA303 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL I NOTAS VÁLVULAS E POSICIONADORES 1.1. INTRODUÇÃO Existem alguns processos industriais que dependem da correta distribuição e controle de fluídos (líquidos, gases e vapores) e para isso em sua malha de controle

Leia mais

das válvulas de vazão de líquidos e gases

das válvulas de vazão de líquidos e gases Válvulas de Vazão de Líquidos e Gases Wagner Britto Vaz de Oliveira 00/16144 Pedro Kouri Paim 00/16063 9 de Junho de 2005 1 Introdução No contexto de automação industrial, válvulas de comando são elementos

Leia mais

V Á L V U L A S. MANIFOLD Série 2700 LAMINADO

V Á L V U L A S. MANIFOLD Série 2700 LAMINADO V Á L V U L A S MANIFOLD Série 2700 LAMINADO Índice Informações gerais... 02 Manifold de 2 vias... 04 Manifold de 3 vias... 09 Manifold de 5 vias... 12 Suporte... 15 1 As modernas válvulas Manifold Série

Leia mais

E-mail: vendas@unicompbrasil.com.br Site: www.unicompbrasil.com.br

E-mail: vendas@unicompbrasil.com.br Site: www.unicompbrasil.com.br UNICOMP COM. DE EQUIPAMENTOS PNEUMÁTICOS LTDA. Rua Leopoldo de Passos Lima, 238 Jardim Santa Fé. CEP.: 05271-000 São Paulo SP. Telefones: (11) 3911-4665 / 4682 E-mail: vendas@unicompbrasil.com.br Site:

Leia mais

Válvulas reguladoras de pressão auto-operadas

Válvulas reguladoras de pressão auto-operadas Válvulas reguladoras de pressão autooperadas SR DIN PN 6 ANSI 300 DN 5 a 00 mm /2" a 4" SR 5R, R, 5E, E Aplicação As válvulas autooperadas reguladoras e redutoras de pressão SR 5R e SR R servem para controlar

Leia mais

POSICIONADOR INTELIGENTE PARA VÁLVULAS 4 a 20 ma + Comunicação Digital HART. smar

POSICIONADOR INTELIGENTE PARA VÁLVULAS 4 a 20 ma + Comunicação Digital HART. smar POSICIONADOR INTELIGENTE PARA VÁLVULAS a ma + Comunicação Digital HART DESCRIÇÃO O posicionador microprocessado FY proporciona o posicionamento rápido e seguro dos atuadores tipo diafragma ou cilindro.

Leia mais

V Á L V U L A S SÉRIE 2700

V Á L V U L A S SÉRIE 2700 V Á L V U L A S SÉRIE 2700 Válvulas de agulha compactas de alta confiabilidade e versatilidade para controle de processos e uso geral na indústria. As modernas válvulas de agulha Série 2700 da Detroit

Leia mais

VD-FLUX. Hipress Componentes Hidráulicos - Ligue (31) 2103-6955 - vendas@hipress.com.br

VD-FLUX. Hipress Componentes Hidráulicos - Ligue (31) 2103-6955 - vendas@hipress.com.br VD-FLUX Válvula Distribuidora de Fluxo Universal tipo Pistão * Patente PI 9702874-6 02/06/1997 A Válvula Distribuidora de Fluxo Universal Tipo Pistão VD- Flux da Detroit foi projetada e desenvolvida para

Leia mais

Série 240 Válvula de Controlo Pneumático Tipo 3241-1 DWA, -7 DWA, -9 DWA Válvula de Globo Tipo 3241 DWA

Série 240 Válvula de Controlo Pneumático Tipo 3241-1 DWA, -7 DWA, -9 DWA Válvula de Globo Tipo 3241 DWA Série 240 Válvula de Controlo Pneumático Tipo 3241-1 DWA, -7 DWA, -9 DWA Válvula de Globo Tipo 3241 DWA Versão ANSI Aplicação Válvula de controlo para instalações PSA (Adsorção por Variação de Pressão)

Leia mais

GLH. válvula de controle globo

GLH. válvula de controle globo válvula de controle globo GLH introdução A válvula de controle tipo globo Série GL H foi projetada para aplicações em processos industriais que trabalham com altas pressões. A série GL H foi desenvolvida

Leia mais

BOMBA DE ENGRENAGENS EXTERNAS FBE

BOMBA DE ENGRENAGENS EXTERNAS FBE MANUAL TÉCNICO Série: FBE Aplicação Desenvolvida para trabalhar com fluidos viscosos, em inúmeras aplicações, tais como indústrias químicas, petroquímicas, papel, polpa, siderúrgica, mineração, alimentícia,

Leia mais

vendas1@juntasamf.com.br

vendas1@juntasamf.com.br À Sr( a) Ref.: Apresentação para Cadastro de Fornecedor Prezados Senhores, Vimos através desta, apresentar a Juntas AMF Ind. e Com. de Peças Ltda., uma empresa que já se tornou referencia no mercado de

Leia mais

Válvulas pneumáticas série 8000

Válvulas pneumáticas série 8000 Válvulas pneumáticas série 8000 10-30.3-1 Válvulas acionadas pneumaticamente com molas de fechamento potentes para operação confiável Projeto compacto com solenóide integrado, exaustor rápido e chaves

Leia mais

FIPAI Fundação para o Incremento da Pesquisa e do Aperfeiçoamento Industrial Tomada de Preço nº. 003/2013 Processo Finep nº 01.09.0563.

FIPAI Fundação para o Incremento da Pesquisa e do Aperfeiçoamento Industrial Tomada de Preço nº. 003/2013 Processo Finep nº 01.09.0563. ESPECIFICAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS LOTE 01 Especificar Sistema de Geração de Ar Comprimido, incluindo compressor, secador por adsorção e filtros coalescentes Diagrama Pneumático. Confirmar detalhes com equipe

Leia mais

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação MANUAL TÉCNICO Série: FBME Aplicação Desenvolvida para trabalhar com líquidos limpos ou turvos, em inúmeras aplicações, tais como indústrias químicas, petroquímicas, papel, polpa, siderúrgica, mineração,

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais

SPIRA-TROL ½" a 4" Válvulas de Controle LEA, LFA e LLA, 2 vias, ANSI

SPIRA-TROL ½ a 4 Válvulas de Controle LEA, LFA e LLA, 2 vias, ANSI Página 1 de 10 R Rev. 00 SPIR-TROL ½" a 4" Válvulas de Controle L, LF e LL, 2 vias, NSI Descrição SPIR-TROL é uma linha de válvulas de 2 vias com retentor de sede, projetada conforme as normas SM / NSI.

Leia mais

Automação Hidráulica

Automação Hidráulica Automação Hidráulica Definição de Sistema hidráulico Conjunto de elementos físicos associados que, utilizando um fluido como meio de transferência de energia, permite a transmissão e o controle de força

Leia mais

Válvulas atuadas de controle e on/off KLINGER. Connect With Quality. Richard Klinger Ind. e Com. Ltda

Válvulas atuadas de controle e on/off KLINGER. Connect With Quality. Richard Klinger Ind. e Com. Ltda Connect With Quality Válvulas atuadas de controle e on/off KLINGER Richard Klinger Ind. e Com. Ltda Av. Duque de Caxias, 2001 Jardim Sta. Lúcia CEP 13223-025 Várzea Paulista São Paulo Fone: (11) 4596.9514

Leia mais

KEYSTONE. Válvulas de Borboleta de elevade performance Winn HiSeal Instruções de funcionamento, instalação e manutenção. www.pentair.

KEYSTONE. Válvulas de Borboleta de elevade performance Winn HiSeal Instruções de funcionamento, instalação e manutenção. www.pentair. KEYSTONE As válvulas de borboleta HiSeal, de elevada perfomance e de dupla excentricidade, estão totalmente de acordo com as classes ANSI 0 e ANSI 300. Índice 1 Armazenagem / Selecção / Protecção 1 2 Instalação

Leia mais

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO Normas Aplicáveis MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO - NBR 15.979 Sistemas para Distribuição de Água e Esgoto sob pressão Tubos de polietileno PE 80 e PE 100 Procedimentos de Reparo - NBR 14.461 Sistemas

Leia mais

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS VENTILADORES AXIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA DE VENTILADORES AXIAL Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: EAFN 500 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação G = Gabinete

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Buchas Guias Mancais de Deslizamento e Rolamento Buchas Redução de Atrito Anel metálico entre eixos e rodas Eixo desliza dentro da bucha, deve-se utilizar lubrificação.

Leia mais

40 anos VÁLVULA BORBOLETA TRI-EXCÊNTRICA PARA SANEAMENTO PADRÃO AWWA SEDE METAL X METAL O PRODUTO CERTO PARA A SUA APLICAÇÃO

40 anos VÁLVULA BORBOLETA TRI-EXCÊNTRICA PARA SANEAMENTO PADRÃO AWWA SEDE METAL X METAL O PRODUTO CERTO PARA A SUA APLICAÇÃO 40 anos VÁLVULA BORBOLETA TRI-EXCÊNTRICA PARA SANEAMENTO PADRÃO AWWA SEDE METAL X METAL BENEFÍCIOS: Elimine as perdas de produção originadas por vazamentos em válvulas borboleta convencionais. Maximize

Leia mais

Certificado de Registro e Classificação Cadastral - CRCC

Certificado de Registro e Classificação Cadastral - CRCC Não substitui comprovação da qualificação técnico - profissional. CERTIFICAMOS que a empresa acima identificada encontra-se regularmente inscrita no Cadastro de es de Materiais e/ou Serviços da PETROBRAS

Leia mais

Explicação dos Tipos de Válvula Solenóide

Explicação dos Tipos de Válvula Solenóide Explicação dos Tipos Válvula Solenói Todas as válvulas da Danfoss possuem agora uma signação que talha sua estrutura e operação.vários números e letras finem se a válvula é operada diretamente ou servocontrolada,

Leia mais

AUC1. Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos. Parte III 14/02/2015 1

AUC1. Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos. Parte III 14/02/2015 1 AUC1 Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos Parte III 14/02/2015 1 Atuadores 14/02/2015 2 Atuador Pneumático Os atuadores pneumáticos, assim como os atuadores hidráulicos, são componentes que

Leia mais

Controlador Automático para Escoamentos de Gases

Controlador Automático para Escoamentos de Gases Controlador Automático para Escoamentos de Gases Aluno: Diego Russo Juliano Orientador: Sergio Leal Braga Introdução Medidores e controladores de vazão são peças fundamentais nos principais setores industriais,

Leia mais

Fundamentos de Automação. Hidráulica 01/06/2015. Hidráulica. Hidráulica. Hidráulica. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Hidráulica 01/06/2015. Hidráulica. Hidráulica. Hidráulica. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação CURSO

Leia mais

Elementos de Vedação. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Elementos de Vedação. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Elementos de Vedação Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. ELEMENTOS DE VEDAÇÃO Conceito Vedação é o processo usado para impedir a passagem, de maneira estática ou dinâmica, de líquidos, gases e sólidos particulados

Leia mais

Fuso de esferas de precisão/eixo estriado

Fuso de esferas de precisão/eixo estriado 58-2BR s BNS-A, BNS, NS-A e NS Vedação Anel externo Placa para calços Vedação Castanha do eixo estriado Eixo Vedação Colar Placa para calços Vedação Bujão terminal Esfera Anel externo Castanha do fuso

Leia mais

Válvula de diafragma, metálica

Válvula de diafragma, metálica Válvula de diafragma, metálica Construção A válvula de diafragma de 2/2 vias manual GEMÜ na versão metálica, possui um volante não ascendente e de série, um indicador ótico de posição incorporado. Características

Leia mais

www.dumaxcomercial.com (53) 3228-9891 3028-9892

www.dumaxcomercial.com (53) 3228-9891 3028-9892 www.dumaxcomercial.com (53) 3228-9891 3028-9892 Index - Anéis O rings - Gaxetas - Raspadores - Reparos - Retentores - Placas - Rolamentos para Bombas - Rotativos - Bombas - Peças Especiais - Dumax Comercial

Leia mais

1 - TUBULAÇÃO DE IMPULSO...2 1.1 - INSTALAÇÃO...2 1.2 - CONSTITUIÇÃO DA TUBULAÇÃO DE IMPULSO...3 2 - SISTEMAS DE SELAGEM...4 3 PURGA...

1 - TUBULAÇÃO DE IMPULSO...2 1.1 - INSTALAÇÃO...2 1.2 - CONSTITUIÇÃO DA TUBULAÇÃO DE IMPULSO...3 2 - SISTEMAS DE SELAGEM...4 3 PURGA... SISTEMAS DE SELAGEM SUMÁRIO 1 - TUBULAÇÃO DE IMPULSO...2 1.1 - INSTALAÇÃO...2 1.2 - CONSTITUIÇÃO DA TUBULAÇÃO DE IMPULSO...3 2 - SISTEMAS DE SELAGEM...4 2.1 -SÊLO LÍQUIDO...4 2.2 -SÊLO DE AR...5 2.3 -SÊLO

Leia mais

Tubos são condutos fechados, destinados ao transporte de fluidos.

Tubos são condutos fechados, destinados ao transporte de fluidos. Tubulações Tubos são condutos fechados, destinados ao transporte de fluidos. Tubulação é conjunto de tubos e seus diversos acessórios(curvas, tês, reduções, flanges, luvas, junta de expansão, válvulas,

Leia mais

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET CONJUNTOS DE FACAS WINDJET CONJUNTO DE FACAS WINDJET SOPRADORES CONJUNTOS DE FACAS WINDJET SUMÁRIO Página Visão geral dos pacotes de facas de ar Windjet 4 Soprador Regenerativo 4 Facas de ar Windjet 4

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano 19 Sistema de Refrigeração - Tópicos Introdução Meios refrigerantes Tipos de Sistemas de Refrigeração Sistema de refrigeração a ar Sistema de refrigeração a água Anticongelantes

Leia mais

FABA. A nova geração - com tecnologia 100% estanque. Tecnologia para o futuro.

FABA. A nova geração - com tecnologia 100% estanque. Tecnologia para o futuro. Extra estanque devido ao efeito de corte +++ Extra estanque devido a geometria cônica da sede +++ Extra estanque devido ao significativo aumento da pressão de assentamento e maior vida útil em serviço:

Leia mais

Megabloc Manual Técnico

Megabloc Manual Técnico Bomba Padronizada Monobloco Manual Técnico Ficha técnica Manual Técnico Todos os direitos reservados. Os conteúdos não podem ser divulgados, reproduzidos, editados nem transmitidos a terceiros sem autorização

Leia mais

Válvulas: Podem ser: -CONTROLADORAS DE DIREÇÃO. -CONTROLADORAS DE FLUXO. -CONTROLADORAS DE PRESSÃO. - DE BLOQUEIO.

Válvulas: Podem ser: -CONTROLADORAS DE DIREÇÃO. -CONTROLADORAS DE FLUXO. -CONTROLADORAS DE PRESSÃO. - DE BLOQUEIO. Válvulas: São os elementos utilizados para comando dos atuadores, exercendo função preponderante dentro dos circuitos fluídicos e são classificadas conforme suas funções. Podem ser: -CONTROLADORAS DE DIREÇÃO.

Leia mais

www.imbil.com.br 1 1

www.imbil.com.br 1 1 www.imbil.com.br 1 1 INTRODUÇÃO Neste catálogo estão descritos todos os modelos de bombas da linha BP de nossa fabricação. Nele constam informações técnicas de construção, e curvas características de cada

Leia mais

Sensores e atuadores (continuação)

Sensores e atuadores (continuação) AULA 05: Sensores e atuadores (continuação) OBJETIVO: Apresentar os sensores e atuadores mais utilizados nos projetos de automação.. A pirâmide de automação Nível 5: Gerenciamento corporativo Nível 3:

Leia mais

Medição de vazão. Aplicações. Características especiais. Descrição

Medição de vazão. Aplicações. Características especiais. Descrição Medição de vazão Bocal de vazão para instalação interna na tubulação, modelo FLC-FN-PIP Bocal de vazão para montagem entre flanges, modelo FLC-FN-FLN WIKA folha de dados FL 10.03 Aplicações Geração de

Leia mais

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor 1. Junta de expansão de fole com purga de vapor d água Em juntas de expansão com purga da camisa interna, para

Leia mais

INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES ADICIONAIS NOTAS

INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES ADICIONAIS NOTAS 1 INTRODUÇÃO Neste catálogo estão descritos todos os modelos de bombas das linhas E e EP de nossa fabricação assim como seus acessórios e opcionais. Dele constam informações técnicas, desde a construção,

Leia mais

Posicionador digital PD

Posicionador digital PD Posicionador digital PD PFLEX - Protocolo Hart Descrição O posicionador PD - PFLEX, através da comunicação digital, utiliza o protocolo HART e recebe um sinal de entrada e controla a pressão de alimentação

Leia mais

Série Plástica PAZ. A nova Série Plástica PAZ distingue-se em:

Série Plástica PAZ. A nova Série Plástica PAZ distingue-se em: Série Plástica PAZ De acordo com a filosofia de desenvolvimento dos produtos da Ooval, a série PAZ é produzida com materiais de alta qualidade adequados A nova Série Plástica PAZ distingue-se em: Capacidade

Leia mais

A Empresa. Unidade de Válvula em Jacarei - SP

A Empresa. Unidade de Válvula em Jacarei - SP A Empresa Unidade de Válvula em Jacarei - SP H á mais de um século, a marca Consolidated é reconhecida pela indústria como sinônimo de solução em Válvulas de Segurança e/ou Alívio. O elevado know-how e

Leia mais

VÁLVULAS BORBOLETA COM SEDE RESILIENTE MANUAL DE SEGURANÇA

VÁLVULAS BORBOLETA COM SEDE RESILIENTE MANUAL DE SEGURANÇA VÁLVULAS BORBOLETA COM SEDE RESILIENTE MANUAL DE SEGURANÇA The High Performance Company ÍNDICE 1.0 Introdução...1 1.1 Termos e abreviações... 1 1.2 Acrônimos... 1 1.3 Suporte ao produto... 2 1.4 Literatura

Leia mais

Válvula Globo De Passagem Reta (Tipo Y) DN 8 (1/4 ) a 80 (3 )

Válvula Globo De Passagem Reta (Tipo Y) DN 8 (1/4 ) a 80 (3 ) Válvula Globo De Passagem Reta (Tipo Y) DN 8 (/ ) a 8 ( ) A Válvula Globo Oblíqua metálica SED (também chamada de "passagem reta" ou tipo Y ), consiste de um corpo metálico de / vias tipo globo inclinado

Leia mais

Selo diafragma com conexão flangeada Com diafragma faceado ao processo Modelo 990.27

Selo diafragma com conexão flangeada Com diafragma faceado ao processo Modelo 990.27 Selo diafragma Selo diafragma com conexão flangeada Com diafragma faceado ao processo Modelo 990.27 WIKA Folha técnica DS 99.27 Outras aprovações veja página 3 Aplicações Indústria de processos químicos

Leia mais

ANALISADORES DE GASES

ANALISADORES DE GASES BGM BOMBA DE SUCÇÃO SÉRIE COMPACTA ANALISADORES DE GASES Descrição: Gera uma depressão no processo, succionando a amostra e criando a vazão exata para atender o tempo necessário de condicionamento do gás

Leia mais

VENTILADOR INDUSTRIAL

VENTILADOR INDUSTRIAL VENTILADOR INDUSTRIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA VENTILADORES INDUSTRIAIS Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: E L D I 560 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação

Leia mais

Manual de Instalação, Operação e Manutenção Válvulas Gaveta, Globo e Retenção Informações Gerais Precauções e Recomendações Manuseio e Armazenamento

Manual de Instalação, Operação e Manutenção Válvulas Gaveta, Globo e Retenção Informações Gerais Precauções e Recomendações Manuseio e Armazenamento Informações Gerais Para garantir a qualidade e a vida útil de uma válvula é necessário verificar a instalação, aplicação, bem como o seu material de acordo com o fluido que será utilizado e uma manutenção

Leia mais

Pasve Válvula Retrátil Rotativa

Pasve Válvula Retrátil Rotativa Folha de Dados Pasve Ph Pasve Válvula Retrátil Rotativa PATENTEADA, única válvula desenhada para limpeza e calibração de sensores de PH sem removê-los do processo ou desligamento de bombas. Para uso de

Leia mais

Gas-Lift - Vantagens

Gas-Lift - Vantagens Gas-Lift - Vantagens Método relativamente simples para operar O equipamento necessário é relativamente barato e é flexível Podem ser produzidos baixos ou altos volumes É efetivo sob condições adversas

Leia mais

LOCALIZAÇÃO A MICROMAZZA ESTÁ LOCALIZADA NO SUL DO PAÍS, NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. AS MARGENS DA RODOVIA RST 470 NA CIDADE DE VILA FLORES.

LOCALIZAÇÃO A MICROMAZZA ESTÁ LOCALIZADA NO SUL DO PAÍS, NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. AS MARGENS DA RODOVIA RST 470 NA CIDADE DE VILA FLORES. LOCALIZAÇÃO A MICROMAZZA ESTÁ LOCALIZADA NO SUL DO PAÍS, NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. AS MARGENS DA RODOVIA RST 470 NA CIDADE DE VILA FLORES. MERCADOS A Micromazza está capacitada para atender aos seguintes

Leia mais

Desenho de Placas para Husky Manifold Systems

Desenho de Placas para Husky Manifold Systems Desenho de Placas para Husky Manifold Systems Como utilizar este Guia Este guia foi criado para auxiliar o fabricante de molde a integrar a Câmara Quente Husky Manifold System com as placas e ao molde.

Leia mais

AULA 2 CONTEÚDO: Capítulo 3. Capítulo 5. Capítulo 6. Volume I do Livro Texto. Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão

AULA 2 CONTEÚDO: Capítulo 3. Capítulo 5. Capítulo 6. Volume I do Livro Texto. Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão AULA 2 Volume I do Livro Texto CONTEÚDO: Capítulo 3 Capítulo 5 Capítulo 6 Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão 1 MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS PRINCIPAIS MEIOS LIGAÇÕES ROSQUEADAS

Leia mais

Válvulas Criogênicas. Guia de Produtos - 2011. www.qualitecinstrumentos.com.br

Válvulas Criogênicas. Guia de Produtos - 2011. www.qualitecinstrumentos.com.br Válvulas Criogênicas Guia de Produtos - 2011 Linha de Produtos Válvulas de Segurança Industriais Fluído: Gases, vapores, fluidos e refrigerantes Diâmetro: 1/4 até 2 Temperatura: -50 C (-58 F)... +225 C

Leia mais

XXI FENASAN. Saint-Gobain Canalização no Combate às Perdas. Guilherme Luiz Drehmer. 10 de Agosto de 2010

XXI FENASAN. Saint-Gobain Canalização no Combate às Perdas. Guilherme Luiz Drehmer. 10 de Agosto de 2010 XXI FENASAN Saint-Gobain Canalização no Combate às Perdas Guilherme Luiz Drehmer 10 de Agosto de 2010 Perdas não físicas Perdas físicas Produtos Saint-Gobain para a eliminação das perdas físicas Válvula

Leia mais

Worldval Válvulas e Acessórios Industriais Ltda.

Worldval Válvulas e Acessórios Industriais Ltda. Informações gerais: Worldval Válvulas e Acessórios Industriais Ltda. Fábrica: Fone/Fax: Site : E-mail : Data da Fundação: Rua: Amélio Koga, / - Vila Invernada São Paulo - SP. (0) - worldval@worldval.com.br

Leia mais

M40Fi3 ISO. Válvula Esfera Passagem Reduzida DN 1 a 6 ANSI 150 e 300

M40Fi3 ISO. Válvula Esfera Passagem Reduzida DN 1 a 6 ANSI 150 e 300 Página 1 a 6 TI-D221-02 M40Fi ISO Válvula Esfera Passagem Reduzida DN 1 a 6 ANSI 150 e 300 Descrição A válvula M40Fi ISO é uma válvula esfera de passagem reduzida, com construção monobloco, e tem montagem

Leia mais

Instituto Federal de São Paulo Departamento de Mecânica. Roteiro de Laboratório: Pneumática

Instituto Federal de São Paulo Departamento de Mecânica. Roteiro de Laboratório: Pneumática Instituto Federal de São Paulo Departamento de Mecânica Roteiro de Laboratório: Pneumática Prof. Engº Felipe Amélio de Lucena Catanduva, 25 de julho de 2012. Sumário 1 Objetivo... 3 2 Estrutura para elaboração

Leia mais

VÁLVULAS INDUSTRIAIS

VÁLVULAS INDUSTRIAIS VÁLVULAS DE BRONZE VÁLVULAS INDUSTRIAIS Haste Não Ascendente Fig. 601/602 Haste Não Ascendente Fig. 600 Haste Ascendente Fig. 603 Tampa roscada externamente ao corpo até 3 na medida de 4 Corpo, tampa e

Leia mais

dmtech Booster Amplificador de Volume Descrição Características

dmtech Booster Amplificador de Volume Descrição Características Booster Amplificador de Volume Descrição O Booster - Amplificador de volume - tem como função reproduzir sinais pneumáticos com aumento da capacidade de vazão. É utilizado quando a tubulação entre o instrumento

Leia mais

Válvula de Governo e Alarme 2.1/2 e 3

Válvula de Governo e Alarme 2.1/2 e 3 DESCRIÇÃO: A Válvula de Alarme Modelo E atua como um dispositivo de alarme de fluxo de água em sistemas espargidores de tubo úmido. O projeto permite instalação sob condições de fornecimento de pressão

Leia mais

INTER. Engenharia e Equipamentos

INTER. Engenharia e Equipamentos Bomba Engrenagem Selo Mecânico Série 4000 General Purpose Pumps Vazão até 18.600 LPH, Pressões até 34 bar(g). Temperaturas até 260 Celsius. Viscosidades de até 100.000 cps Rotações de até 1.750 rpm. Construida

Leia mais

Trabalha nos diversos setores da indústria no Brasil, dentre os quais se destaca:

Trabalha nos diversos setores da indústria no Brasil, dentre os quais se destaca: HSO Hidráulica e Pneumática Ltda, e uma empresa constituída de engenheiros, técnicos e projetistas especializados nos setores de hidráulica e pneumática. Atuam fortemente na engenharia e desenvolvimento,

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO VÁLVULAS E FILTROS INDUSTRIAIS PRODUTOS COM QUALIDADE E SEGURANÇA

CATÁLOGO TÉCNICO VÁLVULAS E FILTROS INDUSTRIAIS PRODUTOS COM QUALIDADE E SEGURANÇA CATÁLOGO TÉCNICO S E FILTROS INDUSTRIAIS PRODUTOS COM QUALIDADE E SEGURANÇA ÍNDICE S FIG. PÁG. Gaveta HA FoFo FLG ANSI - 125# - V.B. 10 1 Gaveta HA FoFo FLG ANSI - 125# - V.I. 11 2 Gaveta HA WCB FLG ASME

Leia mais

Válvulas Industriais

Válvulas Industriais Válvulas de Bronze Válvulas Industriais Haste Não Ascendente Fig. 601/602 Tampa roscada externamente ao corpo na medida de 4 Corpo, tampa e cunha: Bronze (Fig. 601) Haste: Bronze (Fig. 602) Haste Não Ascendente

Leia mais

Lubrificação III. Após a visita de um vendedor de lubrificante. Outros dispositivos de lubrificação

Lubrificação III. Após a visita de um vendedor de lubrificante. Outros dispositivos de lubrificação A U A UL LA Lubrificação III Introdução Após a visita de um vendedor de lubrificante ao setor de manutenção de uma indústria, o pessoal da empresa constatou que ainda não conhecia todos os dispositivos

Leia mais

Séries SG e FTV. Guias de Sucção e Válvulas Flo-Trex. 30 Julho, 2013

Séries SG e FTV. Guias de Sucção e Válvulas Flo-Trex. 30 Julho, 2013 Séries SG e FTV Guias de Sucção e Válvulas Flo-Trex ARQUIVO Nº: DATA: SUBSTITUI: DATA: 35.11PT 30 Julho, 2013 35.11PT 26 maio, 2011 Séries SG e FTV Guias de Sucção Projetadas para montagem direta no flange

Leia mais

Manual PORTA PLACAS. Rev 00-12/07/2012 pág - 1 de 21

Manual PORTA PLACAS. Rev 00-12/07/2012 pág - 1 de 21 Rev 00-12/07/2012 pág - 1 de 21 Manual PORTA PLACAS Rev 00-12/07/2012 pág - 2 de 21 Índice CERTIFICADO ISO 9001:2008 DESENHO DE OPERAÇÃO MANUAL DE OPERAÇÃO DESENHO DE CONJUNTO TABELAS DIMENSIONAIS Histórico

Leia mais

Curso Básico de Instrumentação

Curso Básico de Instrumentação Curso Básico de Instrumentação Ementa O treinamento aborda os fundamentos de controle de processos visando preparar profissionais com formação técnica para atuar em projetos de instrumentação no setor

Leia mais