FINANCIAMENTO DA EDUCAÇAO NA AMÉRICA LATINA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FINANCIAMENTO DA EDUCAÇAO NA AMÉRICA LATINA"

Transcrição

1 FINANCIAMENTO DA EDUCAÇAO NA AMÉRICA LATINA -

2 FINANCIAMENTO - DA EDUCAÇAO NA AMÉRICA LATINA TRADUÇÃO PAULO MARTINS GARCHET ~PREAL fundação GETULIO VARCAS EOJTORA

3 ISBN Copyright Programa de Promoção da Reforma Educativa na América Latina e Caribe - Preal Direitos desta edição reservados à EDITORA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS Praia de Botafogo, 190-6º andar Rio de Janeiro - Brasil Tel.: (021} Fax: (021} 53Ei Impresso no Brasil I Printed in Brazil É vedada a reprodução total ou parcial desta obra li! edição ORGANIZAÇÃO E REVISÃO TÊCNICA: Helena M. B. Bomeny REVISÃO DE ORIGINAIS: Maria Lucia Leão Velloso de Magalhães EDITO RAÇÃO ELETRÔNICA: Jayr Ferreira Vaz e Simone Ranna REVISÃO: Aleidis de Beltran e Fatima Caroni PRODUÇÃO GRÁFICA: Helio Lourenço Netto CAPA: Tira linhas studio Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca Mario Henrique Simonsen/FGV Financiamento da educação na América Latina I Preal; tradução de Paulo Martins Garchet - Rio de Janeiro: Editora Fundação Getulio Vargas, p. Trabalhos apresentados em seminário internacional promovido pelo Programa de Promoção da Reforma Educativa na América Latina e Caribe, realizado em Bogotá, em julho de Educação - Aspectos económicos. 2. Educação - Financiamento. 2. Educação - Custos. 3. Investimentos na educação. I. Programa de Promoção da Reforma Educativa na América Latina e Caribe. II. Fundação Getulio Vargas ÇDD- 379.l

4 SUMÁRIO Apresentação à edição brasileira 7 Helena M. B. Bomeny Introdução JS Marcela Gajardo e ]effrey PUJyear 1. Como os países financiam suas escolas? 19 Stephen M. BarTo 2. Custo e financiamento da educação nas economias asiáticas de alto desempenho 93 Alain Mingat 3. O financiamento da educação e a reforma educacional: um marco para a sustentabilidade 125 Gustavo Areia, Carola Alvarez e Tanya Scobie 4. Financiamento da educação no Chile 159 Pablo González S. O gasto privado com educação, México, Teresa Bracho e Andrés Zamudio 6. Financiamento da educação no Peru ]aime Saavedra e Roberto Melzi 207

5 APRESENTAÇÃO À EDIÇÃO BRASILEIRA O livro que ora publicamos trata de um tema crucial para os sistemas educacionais em todo o mundo - quanto custa e como pagar a educação básica de qualidade. O que, à primeira vista, pode ser identificado como um problema dos países em desenvolvimento, ou subdesenvolvidos, é de fato um desafio permanente também para as economias prósperas, evidentemente que com resultados menos dramáticos do que aqueles que afetam as nações depauperadas em suas reservas econômicas. Os investimentos em educação são tão altos, e tão significativas as perdas sociais com sua falta, que, em todos os países, a inclusão do Estado em sua preservação acaba se tornando obrigatória. A relação alto custo/lento retorno, característica do investimento em educação, é sempre o desafio imposto aos agentes públicos responsáveis pelas políticas de financiamento. A idéia de que educação não é custo e, sim, investimento, tão enfatizada neste final de milênio pelos economistas, tem sempre que conviver com o constrangimento de ser o investimento mais dispendioso do que a rapidez de seus resultados. O que os países desenvolvidos sabem, e o Brasil, com lentidão imperdoável, começa a sentir, é que o custo social, e mesmo econômico, do desinvestimento em educação é mais elevado do que aquele contabilizado pela lógica imediatista do mercado. O seminário internacional que o Programa de Promoção da Reforma Educativa na América Latina e Caribe (Preal) promoveu em Bogotá, em julho de 1997, reuniu especialistas no tema do financiamento, propiciando uma troca substantiva de informações, sugestões de políticas bem sucedidas, avaliação de insucessos entre os representantes de diversos países que ali estiveram. O Brasil esteve formalmente representado por mim, como coordenadora do Preal no país, e pelo assessor especial do Fundo Nacional de De-

6 8 FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NA AMÊRICA latina senvolvimento da Educação (FNDE), do Ministério da Educação e do Desporto, Waldir Catanzaro. Coube-me apresentar aos empresários e lideranças da sociedade civil colombiana um painel com as principais orientações da reforma educativa tal como vem sendo implementada pelo Ministério da Educação e do Desporto do governo Fernando Henrique Cardoso. Waldir Catanzaro esteve incumbido de expor ao plenário o programa principal do FNDE, que trata de redistribuir equanimemente entre os estados e municípios da Federação os recursos disponíveis na esfera federal com vistas ao atendimento das necessidades escolares e à melhoria dos salários dos professores. O diagnóstico que apresentei considerou os pontos estratégicos e os desafios da reforma educativa brasileira, enfatizando as dimensões mais visíveis de nossa crise educacional - altos índices de repetência, problemas de qualidade na educação detectados pelo fraco desempenho escolar, desvalorização e despreparo do corpo docente para assumir os desafios de uma educação competitiva e atualizada. As sociedades de alta tecnologia expõem de forma impiedosa e irreversível o fosso que se cria entre os que têm acesso aos instrumentos de informação e socialização e aqueles que estão condenados ao desconhecimento e à exclusão de oportunidades educativas. No Brasil, a desvalorização, social e econômica, da carreira docente tem dificultado a implementação de políticas cujo sucesso depende da capacidade de inovação, do talento de interagir com novas metodologias c do entusiasmo do professor bem preparado para sua tarefa de aperfeiçoar a experiência de ensino-aprendizagem. E, de fato, as dificuldades com a carreira docente estão em um estágio ainda muito anterior às novas tecnologias e metodologias que, pouco a pouco e perversamente, vão distinguindo em escala valorativa a educação oferecida no país. Os professores se sentem fracassados em sua missão histórica de ensinar a ler, escrever e, ainda, em lidar pedagogicamente com as operações aritméticas básicas. Salários defasados, desatenção aos programas de formação e atualização docentes, acomodação do próprio grupo, falta de uma rotina de avaliação de desempenho, tudo isso alimenta a crise aguda de qualidade dos profissionais e, como desdobramento inevitável, do ensino oferecido. Agravando este quadro, a convivência com um material didático de péssima qualidade, um precário sistema de avaliação e ainda os efeitos negativos de uma política de centralização de recursos e falta de autonomia das escolas na gerência de suas próprias atividades regulares. Outro sintoma da crise da educação ministrada no Brasil pode ser encontrado na taxa de distorção série/idade no ensino fundamental, pela estimativa do MEC em 1996: 68,7% é o percentual de distorção em nível nacional Ou seja, menos de 40% da população em idade escolar freqüentam as séries em idade apropriada. A região de melhor desempenho - região Sul- está ainda longe de poder celebrar algum feito positivo: 53,6%

7 APRESENTAÇÃO 9 dos alunos estão freqüentando as séries iniciais em idade muifo mais avançada do que o esperado. Para cada um desses pontos do diagnóstico, apresentei as medidas que o Ministério da Educação e do Desporto anunciava ao longo do primeiro governo Fernando Henrique Cardoso, o que mereceria um espaço de avaliação e apreciação mais extenso do que cabe nesta apresentação. Estamos avançando? É possível perceber resultados? Que benefícios seria possível mensurar no decurso das medidas que vêm sendo implementadas? Quais são e onde se localizam as maiores resistências ao programa de reformas? No panorama crítico da educação brasileira, um dos programas que mereceu atenção especial no seminário da Colômbia foi aquele apresentado por Waldir Catanzaro, e que diz respeito ao mecanismo de distribuição de recursos provenientes da tributação dos estados e municípios. Os impostos são recolhidos, centralizados no governo federal e redistribuídos aos próprios estados e municípios. Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Funde!) foi o nome dado ao programa de racionalização de recursos para a melhoria da educação básica, através da garantia de mais investimentos no ensino fundamental e da valorização do magistério. O Fundef é um fundo de natureza contábil, cuja criação possibilita uma mudança na forma de financiamento do ensino fundamental no país, pela introdução de novos critérios de distribuição e utilização dos recursos destinados à educação, de sorte a promover, no âmbito de cada estado e do Distrito Federal, uma redistribuição de recursos de acordo com o número de alunos atendidos em cada rede de ensino. A liberação de recursos para estados e municípios pelo governo federal fica condicionada ao cumprimento, pelas unidades federadas, da decisão legal de aplicar 25% do orçamento em educação e, deste montante, 60% no ensino fundamental. O Ministério da Educação e do Desporto partiu da constatação de que, embora fosse certa a intenção, nem sempre era observada a aplicação correta dos recursos, uma vez que cabia ao Estado suprir a rede mais onerosa do ponto de vista financeiro- a educação fundamental -, enquanto os municípios ficavam apenas com a educação pré-escolar, e nem sempre atendendo toda a demanda. A correção de tal distorção pareceu urgente, e a solução do problema parecia vir da aprovação de emenda à Constituição centralizando recursos em um fundo contábil que, de uma vez, captasse a parcela de 25% dos estados e municípios e a retornasse para ser aplicada em educaçiío, dando poder de gasto a quem efetivamente atendesse alunos de ensino fundamental em sua rede de ensino. A prioridade de tratamento foi o ensino fundamental, alunos e professores. O corpo docente seria beneficiado com um novo

8 10 FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NA AMÉRICA latina plano de carreira e com maiores recursos para recomposição salarial e melhoria de todo o sistema. O Fundef foi implantado em I g de janeiro de 1998, quando se iniciaram as transferências dos recursos correspondentes a cada estado, ao Distrito Federal e a cada município. Para que as transferências dos recursos do Fundef sejam efetuadas, os estados e municípios têm que comprovar o atendimento em rede própria de ensino fundamental e o número de alunos próprios cadastrados no censo escolar do ano anterior. A inovação do programa consiste na garantia de alguns tópicos que devem ser mencionados: recursos proporcionais ao número de alunos matriculados no ensino fundamental; um valor mínimo de R$300,00 por aluno/ano; destinação de 60% dos recursos advindes do Fundo ao pagamento do magistério, e repasse automático dos recursos ao provedor do ensino fundamental. Waldir Catanzaro lembrou as vantagens oferecidas por este sistema de financiamento:... os recursos para o financiamento são creditados em contas específicas de educação fundamental; "' só recebem recursos os responsáveis pela rede educacional, uma vez que esses são repassados em função do número de alunos existentes;.. 60% dos recursos destinam-se a salários de pessoal docente em exercício efetivo;.& o ensino fundamental é priorizado com a nova política; "' estabelecimento de um patamar mínimo por aluno ao ano, válido em todo o país, e que em 1997 foi calculado em R$300,00. O boletim do Fundef de julho de 1998 informou que, do total previsto para distribuição (R$ ,10) já haviam sido liberados cerca de 65%, incluída aí a complementação da União de que trata a Portaria ng 104, de 29 de abril de Desse valor, 67% tiveram como origem o ICMS. Algumas conseqüências importantes já eram anunciadas por ocasião do seminário. As novas medidas estimulariam as prefeituras municipais a proverem o ensino fundamental em seus territórios, não perdendo, assim, os recursos para os estados, o que significa municipalizar o ensino. Os recursos destinados a salários poderão, ao longo de cinco anos, ser utilizados para pagar cursos para professores leigos, a fim de adequar sua formação à exigida na nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Ao longo do tempo, haverá uma especialização dos poderes em termos de ensino, ficando os municípios responsáveis pelos ensinos pré-escolar e fundamental; os estados

9 APRESENTAÇÃO 11 também pelo ensino fundamental e pelo segundo grau, e a União, pelo ensino superior. Finalmente, entre as exigências do Fundef está um novo plano de carreira para o magistério, o que valorizará os docentes, havendo também mais recursos para aumento de salários. As políticas públicas, no entanto, sofrem constrangimento de pressões políticas de grupos de interesse e vêem modificadas regras estabelecidas e anunciadas, com repercussões freqüentemente conflitivas. O jornal O Globo de domingo, dia 2 de agosto de 1998, publicou a manifestação de descontentamento do Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Educação (Consed), órgão que congrega as representações de todos os estados brasileiros, com a decisão do ministro da Educação e do Desporto, Paulo Renato de Souza, pressionado pela área económica) de manter o mesmo nível mínimo básico de investimento aluno/ano com o qual foi inaugurada a nova sistemática de financiamento do ensino fundamental, contrariando o princípio inovador de investimento progressivo, de acordo com o aumento do número de alunos atendidos pelos estados e municípios. A descaracterização de uma política que tinha na ampliação do investimento garantido por dispositivo constitucional sua marca mais inovadora ampliou o leque dos descontentes com os cursos da reforma educacional, pondo à mostra a fragilidade de uma política que pretende priorizar a educação básica em um país que ainda não a incluiu em sua agenda política fundamental. E revela também a dimensão universal do conflito, nem sempre conciliável, entre as normas sociais e o mundo dos interesses. Os problemas diagnosticados no Brasil encontram nos demais países destacáveis pontos de convergência. A qualidade dos especialistas que expuseram suas comunicações no seminário demonstra a universalidade do desafio que temos que enfrentar por uma educação básica de boa qualidade. Este livro apresenta ao leitor brasileiro as contribuições de seleto grupo de pesquisadores que se dedicaram aos problemas cruciais do financiamento da educação. Stephen Barro elabora um comparativo internacional entre sistemas de financiamento da educação, analisando quatro modelos: o norte-americano (Estados Unidos e Canadá), o britânico (tomando como referência a ampla reforma de 1988), o centralizado da Europa continental (que tem a França como arquétipo, mas foi também adorado pela Holanda, Bélgica e alguns países nórdicos) e, finalmente, o modelo federativo da Europa continental (Alemanha, Áustria e, mais recentemente, Espanha). O autor caracteriza os atares e seus papéis, as atribuições das responsabilidades financeiras, as fórmulas de alocação dos fundos, a participação do setor privado - inclusive no ensino vocacional técnico - a cobertura no pré-escolar etc. Alain Mingat, decano de economia da Universidade de Dijon, analisa custos e meios de financiamento da educação nas economias asiáticas de alto desempenho (Japão, China, Formosa, República da Coréia, Tailândia,

10 12 FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NA AMÉRICA latina Indonésia e Malásia), revendo números e políticas, comparando as iniciativas e sua cronologia, nesses países e entre eles e países de outras regiões, a fim de fornecer indicações que ajudem, especialmente os países em desenvolvimento, na formulação de políticas, já que não resta dúvida de que o excepcional progresso dessas economias asiáticas nas últimas décadas não teria sido possível sem um forte investimento em educação. Gustavo Areia, Carola Alvarez e Tanya Scobie tratam do marco de sustentabilidade, analisando os problemas de financiamento da educação básica na América Latina e o custo da educação. Os autores avaliam os principais problemas, revêem as principais recomendações da literatura e salientam a necessidade de accountability. Pablo Gonzáles passa em revista a evolução e os problemas da educação no Chile a partir da descentralização dos anos 80. Teresa Bracho e Andrés Zamudio analisam os custos reais da educação no México, onde a Constituição determina que a educação seja gratuita. Por fim, Jaime Saavedra e Roberto Melzi analisam a estrutura do gasto. público com educação no Peru, traçando sua evolução ao longo das duas últimas décadas. A centralidade das discussões e a seriedade com que os especialistas trataram da agenda proposta para o seminário acenderam o entusiasmo por uma publicação no Brasil. A Editora Fundação Getulio Vargas, por iniciativa e com o apoio do Preal, pôde realizar o projeto editorial que entregamos ao público interessado em compreender e intervir nos processos de melhoria da educação em nosso país. Esta publicação faz parte de um programa de tradução e difusão de textos especializados em educação para o público brasileiro patrocinado pelo Preal, e que conta com o apoio do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e de fundos adicionais do Canadian International Development Research Centre (IDRC), da US Agency for lnternational Development (Usaid), e do GE Fund. A coordenação do Preal no Brasil está sediada no Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC), da Fundação Getulio Vargas, Rio de Janeiro. O Programa tornou-se possível no Brasil graças ao interesse e ao apoio de algumas fundações na discussão de um formato apropriado ao nosso país. No final de julho de 1995 fizemos uma reunião preparatória para avaliação da proposta do programa na Fundação Getulio Vargas, na qual contamos com a participação das Fundações Vitae, Clemente Mariani, Odebrecht, do Instituto Herbert-Lévy da Gazeta Mercantil, da delegada regional do MEC no Rio de Janeiro,. Sorria Moreira, além, naturalmente, da direção geral da Fundação Getulio Vargas e da direção do CPDOC. A Fundação Vitae esteve representada por Helcio Saraiva, diretor executivo dos programas de educação da instituição. As outras reuniões de preparação do Preal contaram também com sua participação estimulante e interessada. Helcio Saraiva tomou conhecimento da intenção do Preal de publicar os resultados do seminário da Colôm-

11 APRESENTAÇÃO 13 bia no Brasil, aprovando e estimulando a imctauva em favor da publicação. O final da edição, todavia, coincidiu com o falecimento daquele que se integrou desde a primeira hora, tornando-se um parceiro das realizações do Programa no Brasil e um amigo de todos nós. A coordenação do Preal no Brasil registra a homenagem de todo o grupo a Helcio Saraiva, oferecendo a edição brasileira deste livro em sua memória. Helena M. B. Bomeny Rio de Janeiro, janeiro de 1999

12 INTRODUÇÃO Este livro reúne os principais documentos apresentados no Seminário Internacional sobre Financiamento da Educação na América Latina, realizado em Santa Fé de Bogotá, nos dias 23 e 24 de julho de Organizado pelo Preal em conjunto com o Ministério da Educação Nacional, o Departamento Nacional de Planejamento da Colômbia e o Instituto de Pesquisa SER, o encontro teve o propósito de promover um debate público sobre modelos de financiamento educacional e examinar as lições de alguns países que experimentaram ou experimentam novas fórmulas nesse campo. No seminário foram apresentadas as principais características dos modelos europeus, norte-americano e britânico de financiamento da educação primária. Examinaram-se ainda os casos das economias asiáticas de alto desempenho, entre as quais Coréia, Formosa e Cingapura. Ao mesmo tempo, foi analisado o que está ocorrendo no campo das reformas dos sistemas de financiamento do ensino primário na América Latina, tendo sido apresentadas algumas estratégias nacionais aplicadas, com maior ou menor êxito, nos países da região, como o compartilhamento de receitas entre os governos federal, estaduais e locais; as transferências redistributivas; as subvenções por aluno; o financiamento compartilhado e a criação de fundos especiais para a expansão e a melhoria da educação básica, entre outras. Os trabalhos incluídos neste livro cobrem o exposto acima. Em primeiro lugar, apresenta-se o texto de Stephen Barro, que oferece um quadro geral, comparativo, de modelos internacionais de financiamento que ajuda a definir políticas, esclarecer problemas c identificar novas alternativas para a diversificação das fontes de financiamento educacional c a melhor administração dos recursos disponíveis. O texto de Alain Mingat apresenta ao leitor as estratégias adotadas pelos países asiáticos de alto rendimento para fazer da educação um instrumento efetivo de desenvolvimen- PREVIOUS PAGE BLANK

13 16 financiamento OA EDUCAÇÃO NA AMÉRICA latina to. Neste trabalho escrito, assim como em sua intervenção oral, destacou a incorporação de importantes recursos privados à educação e a maximização dos resultados de aprendizagem pelo investimento em suprimento de textos e materiais de ensino e na melhoria da capacitação dos professores. O trabalho de Gustavo Areia e seus colaboradores coloca-se em uma perspectiva mais ampla. Fornece elementos para se posicionar o tema do financiamento da educação em um contexto de responsabilidade social e prestação de contas e identifica algumas estratégias destinadas a evitar que seus recursos continuem dependendo de transferências fiscais - sujeitos ao vaivém da economia ou a circunstâncias políticas. Os casos nacionais estão aqui representados pelos trabalhos de Pablo González, Teresa Bracho e Andrés Zamudio, e de Jaime Saavedra com Roberto Melzi. O primeiro aborda a forma pela qual se deu a mudança de gestão e o subsídio à demanda na reforma educacional chilena e aponta como temas relevantes da mesma o aumento sustentado de recursos e a prioridade dada à educação, a geração de modelos de funcionamento para corrigir desigualdades, a política de melhoria das remunerações, o enfoque e os progressos de uma descentralização curricular e pedagógica. O trabalho de Teresa Bracho e Andrés Zamudio se coloca em uma perspectiva diferente. Examina o comportamento do gasto familiar com educação no México, a partir dos dados obtidos na Encuesta nacional de in[{resos y gastos de los hogares (Pesquisa nacional ele rendas e gastos dos domicílios), ressalta sua importância para as famílias mexicanas e destaca o custo privado mais alto da educação secundária em relação à primária como um potencial obstáéulo à universalização da educação básica no país. Por último, o texto de Jaime Saavedra e Roberto Melzi examina a magnitude dos recursos que a sociedade peruana investe em capital humano através da educação formal. Para tanto, analisa o gasto que o Estado e as famílias realizam em educação, nos sistemas público e privado, estuda a evolução do gasto público nas últimas décadas e as disparidades regionais do gasto com educação. No seminário houve ainda outras colocações e intervenções que aduziram à riqueza das conclusões. "làl foi o caso da experiência da Colômbia, que, por ser o país anfitrião, foi sempre usado como contraponto dos trabalhos que se incluem neste livro. As lições que este caso nacional oferece foram expostas por altas autoridades do governo, por autoridades locais e por pesquisadores dedicados a esse tema. Três experiências regionais, as de Antioquia, Risaralda e Distrito Capital, trouxeram contribuições ao debate das estratégias para o financiamento das reformas e para a obtenção de maior eficiência e melhor qualidade. No conjunto, estes textos, assim como o debate suscitado por eles, deixaram em evidência que:

14 INTRODUÇÃO 17 "' há lições valiosas na expenencia acumulada por países que lograram eficiência, qualidade e eqüidade educativas por meio da experimentação e da adaptação de estratégias de financiamento às realidades e às conjunturas económicas que lhes são particulares; "' não há receitas universais para o êxito. O que funciona em um contexto pode não funcionar em outro. Os modelos centralizados, por exemplo, têm valor se for reservada aos governos centrais a função de garantidor da eqüidade, e os descentralizados, se existirem os instrumentos e capacidades para manejar recursos financeiros com transparência e efetividade;... qualquer que seja o modelo ou as estratégias a adotar, é fundamental considerar as variáveis de contexto, envolver todos os a tores em seu projeto e implantação, incorporar as contribuições tecnológicas e dar ênfase à eqüidade;... a sustentabilidade das estratégias de financiamento e administração dos recursos depende fortemente dos vínculos que se estabeleçam entre elas e a avaliação dos resultados e entre esta e a transparência na gestão. Criar mecanismos para garantir essa vinculação é uma condição para o êxito e a sustentabilidade; "' é cada vez mais forte a necessidade de envolver as famílias e organizações sociais na formulação de propostas e na execução das políticas. O fortalecimento da demanda por uma educação de qualidade e a supervisão dos resultados parecem ser dois elementos-chave para se ter o comprometimento de participação dos atares no financiamento da educação;... existe uma preocupação de todos com o volume de recursos que se investe na remuneração dos professores, sem se obter grandes melhorias em suas condições de trabalho. Há um relativo consenso a respeito da necessidade de estabelecer incentivos e de avaliar com base no desempenho;... dado o estágio do avanço em matéria de inovação e opções novas de política no campo do financiamento da educação, urge promover o intercâmbio de experiências e realizar estudos que permitam extrair as melhores lições para lograr, no mais curto prazo, um financiamento amplo, estável e diversificado para a reforma educativa. Marcela Gajardo e Jeffrey Puryear Co-diretores do Preal

15 Capítulo STEPHEN M. BARRO COMO OS PAÍSES FINANCIAM SUAS ESCOLAS? UM COMPARATIVO INTERNACIONAL ENTRE SISTEMAS DE FINANCIAMENTO DOS ENSINOS PRIMÁRIO E SECUNDÁRIO Nos últimos anos houve acentuado aumento de interesse, por parte dos responsáveis pela formulação de políticas educacionais nos Estados Unidos, em comparativos internacionais de ensino. Esse interesse - centrado inicialmente nas comparações dos desempenhos dos alunos e nas conclusões, amplamente divulgadas, de que os resultados dos estudantes norte-americanos são fracos pelos padrões mundiais - se expandiu, passando a englobar vários aspectos dos sistemas, instituições, processos e práticas educacionais. Muitos são os educadores e autoridades responsáveis na área da educação que hoje reconhecem haver muito a ser aprendido com o estudo de como outros países administram suas escolas, e que os métodos estrangeiros podem conter, quando não soluções prontas e acabadas, pelo menos indicações de como atenuar algumas de nossas próprias dificuldades educacionais. Entre os comparativos internacionais que atraíram maior atenção estão os que se referem ao custeio do ensino. Tais comparativos abordam ai- St~phcn M. Barro é economisw c consultor da SMB Economic Research Inc., dos EUA. Este estudo foi preparado para o Centro Financeiro do Consórcio para a Pesquisa de Políticas de Educação (Finance Center of the Consortium for Policy Research in Education ~ CPRE), através de subcontrato com a Universidade de Wisconsin, nos termos do contrato celebrado entre ela c o Escritório de Pesquisa c Melhoria da Educação, do Departamento de Educação dos Estados Unidos (US Departmcnt of Education, Office of Educational Research and Improvement - Oeri). Todas as opiniões aqui expressas são exclusivas do autor e não refletem, necessariamente, as do CPRE, da Universidade de Wisconsin, ou do Oeri. PREVlOUS PAGE BLANK

16 20 financiamento DA EDUCAÇÃO NA AMÉRICA. latina gumas das variáveis de política educacional que estão mais diretamente sujeitas ao controle dos que formulam essas políticas - que incluem o total de recursos que um país destina à educação, a divisão desses recursos por nível e tipo de ensino, sua distribuição geográfica, a alocação de verbas para as escolas e a composição específica dos recursos destinados a cada tipo de escola. Embora tenham--se levantado algumas questões relativas às diferenças qualitativas entre os sistemas nacionais de custeio, os aspectos quantitativos vêm predominando até o momento. Os funcionários e analistas norte-americanos têm desejado saber, por exemplo:..., - se os Estados Unidos destinam à educação uma parcela maior ou menor do produto interno bruto que seus concorrentes internacionais;... quanto os Estados Unidos investem no ensino de cada aluno em comparação com o que aplicam outros países do mundo desenvolvido; _.. qual a relação entre as fontes que os Estados Unidos utilizam no financiamento da educação e as que empregam outros países economicamente desenvolvidos;... se o rateio de nossos fundos entre os diversos níveis e tipos de ensino e entre os vários tipos de recursos nele aplicados difere do de outros países;... se as disparidades internas (em cada país) nos gastos com educação são, em outras nações, similares às nossas. Como a maioria dessas questões não podia ser respondida adequadamente com os dados internacionais brutos disponíveis no passado, devotou-se muita energia, nos últimos anos, à ampliação e à melhoria das estatísticas internacionais sobre gastos com educação. A principal agência internacional que atua no setor, a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico - OCDE (Orga"ization for Economic Cooperation and Development), tem-se dedicado a melhorar as aferições do nível e da composição desses gastos e a desenvolver novas estatísticas comparativas sobre tendências das despesas e disparidades internas. O Centro Nacional de Estatísticas de Educação dos Estados Unidos (US National Center for Education Statistics - NCES) também tem tido importante participação. O NCES e a OCDE vêm colaborando, particularmente nos esforços para atenuar os muitos problemas de comparabilidade internacional que impediram, até o momento, comparações válidas en I~

17 COMO OS PAiSES FINANCIAM SUAS ESCOLAS? 21 tre os gastos dos diferentes países. 1 Em conseqüência, melhorou a qualidade das estatísticas internacionais sobre educação, e já há condições para novos avanços nesse campo. Em comparação, relativamente pouco se fez para estabelecer comparativos qualitativos confiáveis entre os sistemas nacionais de financiamento das escolas, apesar de tais comparações serem tanto potencialmente valiosas em si- mesmas, quanto essenciais para se fazer bom uso das estatísticas comparativas do financiamento da educação. A importância do confronto dos sistemas de financiamento de outros países com o nosso se deve a três razões principais: primeiro, as informações sobre os mecanismos financeiros básicos são essenciais para que se possam interpretar corretamente as correlações internacionais de despesas. Vale lembrar, como exemplo, que muitas confusões acerca das fontes de fundos para a educação nos diferentes países foram causadas por não terem sido levados em consideração os fluxos de fundos públicos de destinação geral para os governos subnacionais responsáveis pelo ensino - um fator cuja importância fica evidente logo que se começa a analisar os sistemas estrangeiros de custeio das escolas. Segundo, as informações sobre a estrutura e os processos de financiamento do ensino são indispensáveis para que sejam entendidas, ou explicadas, as diferenças internacionais nos padrões de despesas com a educação. O fato de as disparidades geográficas nos gastos por aluno serem muito menores na Europa do que nos Estados Unidos, por exemplo, se deve a diferenças específicas nas estruturas e nos mecanismos que os países em questão criaram para financiar suas escola~. Terceiro, saber como funcionam os diferentes sistemas de financiamento é importante para que se compreenda de que maneira podem ser alcançadas as mudanças almejadas nos resultados financeiros e, mais especificamente, de que forma os métodos utilizados por um país podem ser adaptados para aplicação em outro. O presente trabalho trata de comparações qualitativas entre os métodos de financiamento dos ensinos primário e secundário (e de certos aspectos do pré-primário) nos Estados Unidos e em outros países economicamente adiantados. Seu objetivo é comparar os sistemas que os diversos paí- 1 Os esforços da OCDE para melhorar os comparativos internacionais de educação materializaram-se no projeto Indicadores dos Sistemas Educacionais (Indicators o! Education Systems Ines), que publicou uma série de relatórios sob o título Education at a glance. O trabalho incluiu o desenvolvimento de um novo conjunw de instrumentos (1994) para reunir dados estatísticos melhorados sobre o ensino nos países-membros da OCDE. O NCES patrocinou o Estudo Internacional de Comparabilidade dos Gastos, sob a direção do amor do presente capítulo, no qual foram investigadas a natureza, a freqüência e a gravidade dos problemas exisw tentes nas comparações, entre países, dos gastos com educação e. suas possíveis soluções.

18 22 FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NA AMÉRICA latina ses desenvolveram para desempenhar as funções básicas que todo sistema nacional de financiamento escolar precisa realizar, quais sejam:... gerar fundos para as escolas (e, no processo, determinar o valor total a ser gasto);.. distribuir os fundos e demais recursos destinados à educação entre as regiões, localidades e escolas;... alocar tais fundos segundo os diversos níve1s e tipos de programas de ensino e distribuí-los entre as várias categorias de recursos usados nas escolas; e distribuir proporcionalmente os custos do ensino entre as diferentes classes de contribuintes. As comparações cobrem as principais categorias estruturais dos sistemas de financiamento escolar de cada país, as fórmulas e outros mecanismos adorados para determinar a distribuição dos recursos (tanto os financeiros, quanto os reais), as regras e restrições a eles vinculadas, a divisão das responsabilidades pelas inúmeras decisões envolvidas nesses processos e vários dos dispositivos especiais referentes a determinados níveis ou setores da educação. As informações em que essas comparações se baseiam foram extraídas principalmente de uma série de estudos de caso de diferentes países realizados em 1992 e 1993, c que foi posteriormente atualizada através de discussões com autoridades e peritos dos respectivos países. Alguns desses estudos de caso foram desenvolvidos especificamente para o presente trabalho, patrocinado pelo Centro Financeiro do CPRE. Outros foram feitos em função do estudo, já mencionado, de comparabilidade das estatísticas de gastos com educação, apoiado pelo NCES nos termos de um convênio de troca de informações entre ambos os projetos 2 Suas conclusões foram complementadas com informações adicionais extraídas de relatórios nacionais e internacionais e, em alguns casos, de outros estudos comparativos anteriores. 2 Por força do convênio recíproco, os estudos de caso relativos a cada um dos países abordados tinham por objetivo obter dados para ambos os projetas. Assim, quando realizados sob o patrocínio do Centro Financeiro do CPRE, permitiram obter informações tanto sobre os problemas estatísticos quanto sobre os sistemas nacionais de financiamento e, quando conduzidos como parte do estudo de comparabilidade dos gastos, permitiram obter amplas informações descritivas, tanto dos sistemas de financiamento quanto dos aspectos estatísticos.

19 COMO OS PAiSES FINANCIAM SUAS ESCOLAS? 23 Essa combinação de fontes de dados abrangeu os sistemas de financiamento de alguns países mais detalhadamente que os de outros. Os que dispunham de informações razoavelmente amplas para a presente análise foram (além dos Estados Unidos): Canadá, Reino Unido, França, Alemanha, Holanda e Áustria. Também foram obtidos dados substanciais da Suécia, mas mudanças estruturais relevantes no sistema educacional desse país tornaram-nos obsoletos. Informações sobre a Bélgica e a Espanha, mesmo que limitadas, permitiram-nos incluí-las neste estudo. Fazemos ainda referência ocasional a pontos específicos dos sistemas de vários outros países. Na abordagem geral do trabalho não se procurou apresentar comparações detalhadas entre os diversos países, mas enfocar um número relativamente pequeno de modelos nacionais genéricos de sistemas de financiamento da educação, como a seguir se explica. Na tentativa de tornar o presente texto útil tanto para leitores norte-americanos quanto para estrangeiros interessados em financiamento escolar, tentou-se chegar a um equilíbrio entre o ponto de vista especificamente norte-americano e uma perspectiva internacional mais ampla. Atendendo a interesses norte-americanos, estão incluídas numerosas observações sobre diferenças entre o nosso sistema e os de outros países, além de extensa discussão de tópicos - especialmente a disparidade no tocante a gastos- que são (ou têm sido) mais de nosso interesse do que de outros. Para atender a uma perspectiva internacional, trata-se o sistema dos Estados Unidos como apenas um dos vários que estão sendo comparados. Por isso, foram incluídas informações descritivas básicas sobre nosso sistema de financiamento escolar de que os leitores com ele familiarizados não necessitariam, caracterizando-o como um observador externo o vê e ressaltando aspectos que, quando não fazem dele um caso único, o distinguem no contexto internacional. ESTRUTURA DA COMPARAÇÃO ATRIBUTOS DOS SISTEMAS NACIONAIS DE FINANCIAMENTO ESCOLAR O primeiro passo para se comparar os sistemas de financiamento de diferentes países é definir os aspectos que precisam ser correlacionados. Para os propósitos da presente análise foram escolhidos os que afetam significativamente a maneira pela qual cada país executa as funções básicas já identificadas de custeio das escolas: geração, distribuição e alocação de fundos e recursos. Por conveniência desta exposição, os atributos fundamentais dos sistemas estão agrupados sob três títulos principais: aspectos estruturais, mecanismos de alocação e distribuição, e disposições setoriais específicas.

20 24 FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NA AMÉRICA LATINA ASPECTOS ESTRUTURAIS As estruturas dos sistemas nacionais de financiamento dos ensinos primário e secundário podem ser descritas e comparadas em termos de: a) alcance ou extensão, b) atares e papéis e, c) fluxos de fundos e recursos. Os significados dessas categorias são os seguintes: Alcance ou extensão. A gama de atividades educacionais coberta pelo sistema nacional geral de custeio das escolas primárias e secundárias é consideravelmente mais ampla em alguns países do que em outros. Por vezes engloba todo o ensino público primário e secundário, mas exclui a educação provida por instituições privadas e a educação que antecede o nível primário. Outras vezes, estende-se também, no todo ou em parte, ao ensino pré-escolar. Em vários casos de monta deixa de cobrir um componente importante (e caro) da educação secundária: a parte do ensino vocacionaltécnico fornecida pelos empregadores na forma de treinamento de aprendizes. Em vários casos, abrange o ensino ministrado por pelo menos alguns tipos de escolas privadas - vale dizer, nesses casos, que o setor público é responsável pelo financiamento de instituições educacionais tanto privadas quanto públicas, por vezes em termos praticamente iguais. Por motivos óbvios, ao compararmos diferentes sistemas nacionais de financiamento, devemos ser claros a respeito dos níveis e setores específicos que cada sistema atende. Os setores da educação que não recebem fundos através do sistema principal de um país são, necessariamente, financiados através de sistemas independentes. Algumas vezes tais sistemas são total ou majoritariamente privados, como nos casos dos programas de aprendizes financiados pelos empregadores e dos setores de escolas particulares que não contam com apoio público. Neste trabalho identificamos, e algumas vezes descrevemos sucintamente, tais esquemas de financiamento "auxiliares", mas as descrições e comparações mais detalhadas referem-se, em geral, apenas aos sistemas nacionais principais. Atores e papéis. Em quase todos os países, o financiamento da educação envolve transações entre múltiplos atares públicos e, algumas vezes, privados. Os atares do setor público podem incluir agências do governo central (nacional), regional (estadual ou provincial) e local. Nos níveis central e regional podem estar incluídas não só agências cujo propósito principal seja a educação, como ministérios e secretarias de educação, mas também outras cujas missões primárias a ela não se refiram, embora tenham funções educacionais significativas, como ministérios e secretarias de saúde e de agricultura. No nível local, os atares são em geral órgãos do governo local com propósitos gerais, como secretarias municipais de educação. Em alguns poucos casos, porém, são autoridades independentes especializadas, com funções exclusivamente educativas, como os distritos escolares dos Estados Unidos, por exemplo.

Educação Fiscal e Financiamento. 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015

Educação Fiscal e Financiamento. 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015 Educação Fiscal e Financiamento 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015 Vinculação Constitucional de Recursos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Art. 212. A União aplicará,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.424, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1996. Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização

Leia mais

CHAMADO À AÇÃO DE TORONTO

CHAMADO À AÇÃO DE TORONTO Organização Pan-Americana da Saúde Ministério da Saúde CHAMADO À AÇÃO DE TORONTO 2006-2015 Rumo a uma Década de Recursos Humanos em Saúde nas américas Reunião Regional dos Observatórios de Recursos Humanos

Leia mais

Síntese Dinamizando Sistemas Nacionais De Inovação

Síntese Dinamizando Sistemas Nacionais De Inovação Síntese Dinamizando Sistemas Nacionais De Inovação Overview Dynamising National Innovation Systems As Sínteses constituem-se em excertos de publicações da OCDE. Elas são disponíveis livremente na biblioteca

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU O Papel dos Tributos Imobiliários para o Fortalecimento dos Municípios Eduardo de Lima Caldas Instituto Pólis Marco

Leia mais

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação Rede de Avaliação do CAD Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação (para aplicação em fase experimental) As normas em anexo são provisórias e foram aprovadas pelos membros da Rede de Avaliação do CAD,

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Pesquisa inédita faz paralelo entre sistema de educação infantil português e brasileiro

Pesquisa inédita faz paralelo entre sistema de educação infantil português e brasileiro Pesquisa inédita faz paralelo entre sistema de educação infantil português e brasileiro O estudo Educação Infantil em Debate - a Experiência de e a Realidade eira faz um paralelo entre as soluções encontradas

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012 REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre o apoio técnico ou financeiro da União no âmbito do Plano de Ações

Leia mais

Constituição Federal

Constituição Federal Constituição Federal CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL - 1988 COM A INCORPORAÇÃO DA EMENDA 14 Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação

Leia mais

Programa Consórcios em Educação Superior Brasil e Estados Unidos

Programa Consórcios em Educação Superior Brasil e Estados Unidos Programa Consórcios em Educação Superior Brasil e Estados Unidos CAPES/FIPSE Edital Nº 8/2010 CAPES A Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), por meio de sua Diretoria

Leia mais

Relatório Síntese do Programa 2006 a 2010

Relatório Síntese do Programa 2006 a 2010 Relatório Síntese do Programa 2006 a 2010 1 Programa de Intervenção Pedagógica-Alfabetização no Tempo Certo Relatório Síntese I Histórico: Em 2004 foi implantado em Minas Gerais o Ensino Fundamental de

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO

DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO educação para o trabalho Equipe Linha Direta DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO Evento realizado na CNI apresentou as demandas da indústria brasileira aos principais candidatos à Presidência da República Historicamente

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO VICENTE Cidade Monumento da História Pátria Cellula Mater da Nacionalidade

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO VICENTE Cidade Monumento da História Pátria Cellula Mater da Nacionalidade Cria o Sistema Municipal de Ensino e estabelece normas gerais para a sua adequada implantação. Proc. n.º 5193/02 PAULO DE SOUZA, Vice-Prefeito no exercício do cargo de Prefeito do Município de São Vicente,

Leia mais

BRASIL. Indicadores de desempenho de crescimento

BRASIL. Indicadores de desempenho de crescimento BRASIL As disparidades no PIB per capita em relação aos países da OCDE têm vindo a diminuir lentamente, mas permanecem grandes e são principalmente devidas a um desempenho relativamente fraco da produtividade

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 Evolução das transferências constitucionais e do Programa Bolsa Família entre os anos 2005 e 2012: uma análise comparativa MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

PROJETO PILOTO DE GESTÂO COMPARTILHADA

PROJETO PILOTO DE GESTÂO COMPARTILHADA Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento e Desenvolvimento de Projetos Especiais. Coordenação Geral de Planejamento de Educação a Distância. PROGRAMA TV ESCOLA

Leia mais

3. PRINCÍPIOS, FINS E LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL VIGENTE

3. PRINCÍPIOS, FINS E LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL VIGENTE 3. PRINCÍPIOS, FINS E LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL VIGENTE 3.1 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS FUNDAMENTAIS EM VIGÊNCIA A atual Constituição da República Federativa do Brasil foi promulgada em 5 de outubro de 1988. No

Leia mais

Comportamento do leitor e hábitos de leitura: comparativo de resultados em alguns países da América Latina 1

Comportamento do leitor e hábitos de leitura: comparativo de resultados em alguns países da América Latina 1 Comportamento do leitor e hábitos de leitura: comparativo de resultados em alguns países da América Latina 1 Março de 2012 Introdução Para aqueles que no dia-a-dia atuam no mundo do livro, na leitura e/ou

Leia mais

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Eixo I O plano Nacional de Educação e o Sistema Nacional de Educação: organização e regulação. Instituir, em cooperação

Leia mais

Gestão Financeira da Assistência Social Aula # 1 e 2. Fernando Brandão

Gestão Financeira da Assistência Social Aula # 1 e 2. Fernando Brandão Gestão Financeira da Assistência Social Aula # 1 e 2 Fernando Brandão Apresentação do Curso Objetivos da aprendizagem; Introdução ao planejamento público (Aulas # 1 e # 2) História do orçamento público;

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Destaques do Education at a Glance 2014 Diretor de Estatísticas Educacionais Carlos Eduardo Moreno Sampaio

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil)

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil) TERCEIRA REUNIÃO DE MINISTROS E AUTORIDADES DE OEA/Ser.K/XXXVII.3 ALTO NÍVEL RESPONSÁVEIS PELAS POLÍTICAS DE REDMU-III/INF. 4/05 DESCENTRALIZAÇÃO, GOVERNO LOCAL E PARTICIPAÇÃO 28 outubro 2005 DO CIDADÃO

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro, Brasil - 21 de outubro de 2011 1. Convidados pela Organização Mundial da Saúde, nós, Chefes de Governo, Ministros e representantes

Leia mais

Ciências, Tecnologia e Indústria na OCDE: Perspectivas 2006

Ciências, Tecnologia e Indústria na OCDE: Perspectivas 2006 OECD Science, Technology and Industry: Outlook 2006 Summary in Portuguese Ciências, Tecnologia e Indústria na OCDE: Perspectivas 2006 Sumário em Português SUMÁRIO EXECUTIVO Perspectivas mais evidentes

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

Pensions at a Glance: Public Policies across OECD Countries 2005 Edition

Pensions at a Glance: Public Policies across OECD Countries 2005 Edition Pensions at a Glance: Public Policies across OECD Countries 2005 Edition Summary in Portuguese Panorama das Aposentadorias na OCDE: Políticas Públicas nos Países da OCDE Edição 2005 Sumário em Português

Leia mais

Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana

Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana O IDIE - Instituto para o Desenvolvimento e Inovação Educativa, especializado em

Leia mais

Sistemas de Educação e Cuidado na Primeira Infância nos países da OCDE: questões de tradição e governança

Sistemas de Educação e Cuidado na Primeira Infância nos países da OCDE: questões de tradição e governança CUIDADOS NA INFÂNCIA EDUCAÇÃO E CUIDADOS NA PRIMEIRA INFÂNCIA Sistemas de Educação e Cuidado na Primeira Infância nos países da OCDE: questões de tradição e governança John Bennett, M.Ed., PhD b Julho

Leia mais

Transferências voluntárias: um meio para a viabilização das políticas públicas do GDF

Transferências voluntárias: um meio para a viabilização das políticas públicas do GDF Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Governo do Distrito Federal - GDF Subsecretaria de Captação de Recursos SUCAP Transferências voluntárias:

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 OBJETIVOS Consolidar a percepção de que a formação de recursos humanos qualificados é essencial para fortalecer

Leia mais

Óticas para o Desenho, Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas CHAMADA PARA DEBATE

Óticas para o Desenho, Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas CHAMADA PARA DEBATE Presidência da República Secretaria de Assuntos Estratégicos Óticas para o Desenho, Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas CHAMADA PARA DEBATE TEXTOS PARA DISCUSSÃO Óticas para o Desenho, Monitoramento

Leia mais

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6.1 RECURSOS ECONÔMICOS TOTAIS DESTINADOS À EDUCAÇÃO O financiamento da educação no Brasil provém de recursos públicos, de empresas privadas e dos cidadãos. No entanto, é difícil

Leia mais

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (através do

Leia mais

Equidade e Qualidade na Educação. Apoio às escolas e aos alunos desfavorecidos.

Equidade e Qualidade na Educação. Apoio às escolas e aos alunos desfavorecidos. Equity and Quality in Education. Supporting Disadvantaged Students and Schools Summary in Portuguese Leia todo o livro em: 10.1787/9789264130852-en Equidade e Qualidade na Educação. Apoio às escolas e

Leia mais

INSTITUIR UM SNE: agenda obrigatória para o país

INSTITUIR UM SNE: agenda obrigatória para o país Encontro FEE e FORPROF INSTITUIR UM SNE: agenda obrigatória para o país Salvador - BA, 25 de setembro de 2015 LDB Fundef Fundeb equalização A EDUCAÇÃO É UM DIREITO 4-17 Lei Maria da Penha e Lei de Inclusão

Leia mais

ORÇAMENTO E GESTÃO FINANCEIRA

ORÇAMENTO E GESTÃO FINANCEIRA ORÇAMENTO E GESTÃO FINANCEIRA Prof.: Heloisa Ivone da Silva de Carvalho Ms no PPGEF/UFES Especialista em Gestão Pública IFES Especialista em Gestão Educacional UFES Professora Pesquisadora na UFES Pedagoga

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

LEI N. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999

LEI N. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999 LEI N. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências O Presidente da República Faço saber que o Congresso

Leia mais

ESCOLAS PÚBLICAS CORRELACIONADAS AOS PROGRAMAS DO ESTADO E SEUS RESULTADOS.

ESCOLAS PÚBLICAS CORRELACIONADAS AOS PROGRAMAS DO ESTADO E SEUS RESULTADOS. ESCOLAS PÚBLICAS CORRELACIONADAS AOS PROGRAMAS DO ESTADO E SEUS RESULTADOS. COLLING, Janete 1 ; ZIEGLER, Mariani 1 ; KRUM, Myrian 2. Centro Universitário franciscano - UNIFRA E-mails: janetecolling@hotmail.com;

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

Gestão dos recursos financeiros da escola

Gestão dos recursos financeiros da escola Gestão dos recursos financeiros da escola Objetivo da Aula Evidenciar por meio do PDDE algumas exigências para o gerenciamento dos recursos financeiros e alguns procedimentos úteis que garantem a participação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO Monitoramento e Avaliação dos Planos Municipais de Educação Caderno de Orientações (Versão Preliminar) Apresentação Um grande

Leia mais

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 Dispõe sobre a organização do ensino superior, a avaliação de cursos e instituições, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial

Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Programa 0049 DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Objetivo Ampliar e melhorar a oferta de atendimento aos portadores de necessidades educativas especiais. Público Alvo Alunos com necessidades educativas

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade. 1 o Encontro Educação para uma Outra São Paulo. Temática: Valorização das/dos profissionais de educação

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade. 1 o Encontro Educação para uma Outra São Paulo. Temática: Valorização das/dos profissionais de educação 1 Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade 1 o Encontro Educação para uma Outra São Paulo Temática: Valorização das/dos profissionais de educação Maria Malta Campos Introdução Há um paradoxo, já reconhecido

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Regulamento - Núcleo de Apoio Fiscal e Contábil - NAF

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Regulamento - Núcleo de Apoio Fiscal e Contábil - NAF CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Regulamento - Núcleo de Apoio Fiscal e Contábil - NAF Art. 1º. A Faculdade INEDI CESUCA entende que a Educação Superior deve preparar os alunos para o exercício da cidadania

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Regulamento - Núcleo de Apoio Fiscal e Contábil NAF

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Regulamento - Núcleo de Apoio Fiscal e Contábil NAF CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Regulamento - Núcleo de Apoio Fiscal e Contábil NAF Art. 1º. A Faculdade Cenecista de Bento Gonçalves - FACEBG entende que a Educação Superior além de profissionalizar deve

Leia mais

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 10 janeiro 2007 Original: inglês P

Leia mais

UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR

UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR Nas contas do ex-reitor da USP, anteprojeto da reforma não atende ao acordo com os reitores REFORMA UNIVERSITÁRIA Gabriel Manzano Filho O aumento de recursos

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Prezado Cooperado, Em 2012 a economia brasileira apresentou forte desaceleração, tendo uma das mais baixas taxas de crescimento da América Latina, inferior até as pessimistas

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a exclusão social tornou-se assunto de importância mundial nos debates sobre planejamento e direcionamento de políticas públicas (Teague & Wilson, 1995). A persistência

Leia mais

1 de 9 ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

1 de 9 ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META S AO PLN0002 / 2006 - LDO Página: 2355 de 2392 1 de 9 ESPELHO DE S DE AUTOR DA 27 Valorizar a diversidade das expressões culturais nacionais e regionais 1141 Cultura, Educação e Cidadania 5104 Instalação

Leia mais

INDICAÇÃO CME nº : 04/02 - Aprovada em 05/09/02 Plano Municipal de Educação. Relator : Conselheiro José Augusto Dias I - RELATÓRIO

INDICAÇÃO CME nº : 04/02 - Aprovada em 05/09/02 Plano Municipal de Educação. Relator : Conselheiro José Augusto Dias I - RELATÓRIO INDICAÇÃO CME nº : 04/02 - Aprovada em 05/09/02 Plano Municipal de Educação Relator : Conselheiro José Augusto Dias I - RELATÓRIO 1. Por quê o Plano Municipal de Educação? A idéia de planejamento da educação

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas 54ª Reunião Anual da SBPC Goiânia/GO Julho/2002 O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas João Ferreira de Oliveira (UFG) A universalização do acesso à educação superior constitui-se

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Esperidião Amin Helou Filho 1 PROJETO DE LEI Nº 8.035, DE 2010. Ementa: Aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020 e dá outras providências. 2 PROJETO DE LEI

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

MODELO TOR CONSULTOR PESSOA FÍSICA

MODELO TOR CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODELO TOR CONSULTOR PESSOA FÍSICA PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO E DO PLANEJAMENTO DOS ESTADOS BRASILEIROS E DO DISTRITO FEDERAL - PNAGE Subexecutor: Secretaria do Estado do... Componente:

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL 2014-011. Perfil: Consultor em políticas públicas em educação e gestão educacional

TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL 2014-011. Perfil: Consultor em políticas públicas em educação e gestão educacional TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL 2014-011 CÓDIGO Nº 2014-011-01 (10 vagas) Perfil: Consultor em políticas públicas em educação e gestão educacional Objeto: Realizar estudos avaliativos de 20 experiências inovadoras

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESIGUALDADES REGIONAIS: OS IMPACTOS FISCAIS DO FUNDEF

EDUCAÇÃO E DESIGUALDADES REGIONAIS: OS IMPACTOS FISCAIS DO FUNDEF EDUCAÇÃO E DESIGUALDADES REGIONAIS: OS IMPACTOS FISCAIS DO FUNDEF Esta monografia esta concorrendo ao VII Prêmio Tesouro Nacional no Tema (2.4) Tópicos Especiais de Finanças Públicas OUTUBRO 2002 SUMÁRIO

Leia mais

Capítulo 36 da Agenda 21

Capítulo 36 da Agenda 21 Capítulo 36 da Agenda 21 A Agenda 21 é um programa de ações recomendado para todos os países nas suas diversas instâncias e setores para colocarem em prática a partir da data de sua aprovação 14 de junho

Leia mais

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente)

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) COM APOIO DO: Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (UN-HABITAT) e o Programa

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA BR/2001/PI/H/4 EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA Os Ministros da Educação da América Latina e do Caribe, reunidos a pedido da UNESCO, na VII Sessão do Comitê Intergovernamental Regional do Projeto

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ATRIBUIÇÕES E PRAZOS INTERMEDIÁRIOS DA LEI Nº 13.005/2014

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ATRIBUIÇÕES E PRAZOS INTERMEDIÁRIOS DA LEI Nº 13.005/2014 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ATRIBUIÇÕES E PRAZOS INTERMEDIÁRIOS DA LEI Nº 13.005/2014 ANA VALESKA AMARAL GOMES E PAULO SENA Consultores Legislativos da Área XV Educação, Cultura e Desporto SETEMBRO/2014

Leia mais

A tabela com os Principais dados do Brasil no Education at a Glance 2015 apresenta um resumo dos dados para o Brasil e a média OCDE.

A tabela com os Principais dados do Brasil no Education at a Glance 2015 apresenta um resumo dos dados para o Brasil e a média OCDE. Education at a Glance: OECD Indicators é a principal fonte de informações relevantes e precisas sobre o estado da educação ao redor do mundo. Essa publicação oferece dados sobre a estrutura, o financiamento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS 1. INTRODUÇÃO O Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos pretende contratar instituição de pesquisa com a finalidade de produção de análises estatísticas e econômicas

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO 1. A Pesquisa e a pós-graduação A pesquisa sistematizada na PUCPR proporcionou uma sinergia significativa com as atividades de ensino. Um resultado inicial

Leia mais

Caminho para melhorar a educação pública: Ontário, Canadá. 2 e 3 de setembro de 2015 São Paulo (SP), Brasil

Caminho para melhorar a educação pública: Ontário, Canadá. 2 e 3 de setembro de 2015 São Paulo (SP), Brasil Caminho para melhorar a educação pública: Ontário, Canadá 2 e 3 de setembro de 2015 São Paulo (SP), Brasil 2 Melhoramos a cada ano. As pessoas estão ficando mais inteligentes. Começamos a pensar que a

Leia mais

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Objetivo: Apresentar o Modelo da BVS: conceitos, evolução, governabilidade, estágios e indicadores. Conteúdo desta aula

Leia mais

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL 6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL O processo de implantação do Plano de Articulação Institucional (PAI) foi objeto de releitura, a partir da emissão do Ofício 02001.009795/2013-60 GABIN/PRESI/IBAMA,

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

PROCESSO ORÇAMENTÁRIO CONCEITOS E PROCEDIMENTOS

PROCESSO ORÇAMENTÁRIO CONCEITOS E PROCEDIMENTOS PROCESSO ORÇAMENTÁRIO CONCEITOS E PROCEDIMENTOS Novembro/2009 Secretaria de Orçamento Federal Novembro/2009 Instituição Ministério do Planejamento, Secretaria de Orçamento Federal DEPT. PROGR. INFRAESTRUT.

Leia mais

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978 GT HUE s e SEMINÁRIO Realizado no período de 12 a 14 de abril de 2010 PROPOSTA PRELIMINAR DE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS E DE ENSINO E CENTROS HOSPITALARES DE SAÚDE ESCOLA (HUE S) CAPÍTULO I Artigo 1º. Este

Leia mais

Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades.

Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades. Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades. III Seminário DENATRAN de Educação e Segurança no Trânsito Brasília 24/11 Vale a pena ser ensinado tudo o que une e tudo o que liberta.

Leia mais

Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB

Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB Unidade 2 Unidade 2 Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB Nesta Unidade, será apresentada a legislação brasileira de EaD e suas implicações institucionais no sistema da Universidade

Leia mais

SWAP Ceará: Instrumento de Disseminação da Gestão por Resultados

SWAP Ceará: Instrumento de Disseminação da Gestão por Resultados SWAP Ceará: Instrumento de Disseminação da Gestão por Resultados 1 Introdução Ana Cristina Cavalcante Medeiros* Eveline Barbosa Silva Carvalho** A busca de experiências internacionais de sucesso da gestão

Leia mais

Programa Centros Associados da Pós-Graduação Brasil-Argentina (CAPG-BA)

Programa Centros Associados da Pós-Graduação Brasil-Argentina (CAPG-BA) Programa Centros Associados da Pós-Graduação Brasil-Argentina (CAPG-BA) Processo Seletivo 2009-2010 Edital CGCI nº 3/2010 A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Fundação

Leia mais