CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL UNIVERSIDADE AUTÓNOMA DE LISBOA 1º ANO CURSOS DIURNO E PÓS-LABORAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL UNIVERSIDADE AUTÓNOMA DE LISBOA 1º ANO CURSOS DIURNO E PÓS-LABORAL 2002-2003"

Transcrição

1 1 CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL UNIVERSIDADE AUTÓNOMA DE LISBOA 1º ANO CURSOS DIURNO E PÓS-LABORAL J.J. Gomes Canotilho Jónatas E. M. Machado A - O ADVENTO DO CONSTITUCIONALISMO LIBERAL I. O constitucionalismo como superação de concepções medievais e absolutistas do poder político Cristandade Papado e Império Autoridade, hierarquia, estratificação social Relações económicas feudais 1.2. Reforma (magisterial e radical) Emergência da consciência individual Desafio aos valores da autoridade, da hierarquia e da tradição Democratização e nacionalização da religião Igual dignidade de todos os indivíduos (quackers; levellers; diggers) Afirmação gradual da soberania popular relativamente ao direito divino 1.3. Guerras religiosas Guerras germânicas, Paz de Augsburgo, Perseguição aos huguenotes franceses A derrota da invencível armada (1588) Guerra dos 30 anos ( ) A revolução puritana inglesa, Cromwell e o Novo Exército Modelo (1646-9) 1.4. A Paz de Vestefália (1648) Desenvolvimento do direito público Advento do Estado Moderno Territorialização da soberania

2 Tolerância e paridade religiosa Afirmação da legitimidade democrática e do direito de resistência contra tiranos (João Calvino; Teodoro de Beza) Surgimento do moderno direito internacional (Grócio, Pufendorf) Negação das prerrogativas jurídico-públicas do papado Fim das pretensões imperiais dos Habsburgo Afirmação da igualdade soberana dos Estados II. Constitucionalismo e luta pela limitação do poder político 2.1. Argumentos de reforço do poder do Monarca O conceito de soberania absoluta (Bodin: Seis livros da República, 1576, Hobbes, Leviathan, Monarquia de direito divino (Bossuet, Filmer) A ideia de Razão de Estado (Maquiavel, Richelieu, Calvino, Hegel) O Estado Patrimonial (Patrimonialstaat) A concepção personalista do Estado (L'État c'est moi) 2.2. A tradição de limitação do poder político A ideia greco-romana de constituição mista (Platão e Aristóteles) Do mito da antiga constituição (the ancient constitution) às leis fundamentais do reino Das lex regia aos pactos medievais Do conciliarismo ao pensamento monarcómaco A ideia inglesa de constituição equilibrada (the balanced constitution) Direito natural, contrato social e soberania popular (Estoicismo e Cristianismo; Locke e Rousseau) Os direitos do homem e do cidadão Separação de poderes (Locke e Montesquieu) III. As primeiras experiências constitucionais 3.1. A herança Inglesa A Magna Carta e os primórdios do parlamentarismo A tradição jurisprudencial do Common Law Do longo parlamento à gloriosa revolução de Documentos da história constitucional

3 Petition of Right (1628) Agreements of the People (1647-9) Instrument of Government (1653) Habeas Corpus Act (1679) Bill of Rights (1689) Toleration Act (1689) Principais realizações constitucionais a) Noção histórica de constituição b) Primazia do Parlamento c) Democracia governante d) Garantia jurisdicional dos direitos dos ingleses e) Coexistência da sociedade liberal com instituições pré-modenas (Monarquia, Câmara dos Lords; Igreja Anglicana como Igreja oficial) 3.2. A herança americana A experiência colonial (Covenants e Royal Charters) Declaração de Independência de A Constituição americana de As primeiras dez emendas: o Bill of Rights de Principais realizações constitucionais a) Constituição escrita como lei superior b) Forma republicana de governo c) Primazia dos direitos fundamentais d) Separação das Igrejas do Estado e) Separação de poderes f) Federalismo g) Presidencialismo h) Judicial Review 3.3. A herança Francesa Luta contra o absolutismo e emergência do terceiro Estado Revolução: dos Estados Gerais à Assembleia Nacional A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão de O conceito material da Constituição (art. 16º da DDHC) Principais realizações constitucionais a) Teorização do poder constituinte b) Primazia dos direitos fundamentais c) Legalidade da Administração d) Laicidade do Estado

4 4 IV - Principais momentos de conflito 4.1. Concepção aristotélico-tomista v. individualismo (protestante; racionalista) 4.2. Soberania monárquica de direito divino v. soberania popular 4.3. Feudalismo v. Absolutismo 4.3. Mercantilismo v. economia de mercado (Adam Smith) Bibliografia: J.J. Gomes Canotilho, Direito Constitucional e Teoria da Constituição Coimbra, 5ª ed., Coimbra, 2002, (apontamentos de desenvolvimento) A - O ADVENTO DO CONSTITUCIONALISMO LIBERAL I. O constitucionalismo como superação de concepções medievais e absolutistas do poder político. O constitucionalismo moderno desenvolveu-se como superação do modelo político e institucional da Cristandade medieval, assente nos valores de autoridade, hierarquia e estratificação social. A sociedade estava estruturada, do ponto de vista económico, por relações pessoais de vassalagem no contexto de uma economia agrária e feudal, dependendo o estatuto de cada indivíduo da classe, ou estamento, a que pertencesse: nobreza (e alto clero) ou povo (e baixo clero). Este modelo de organização política começa a ruir com a revolução científica de Copérnico, Galileu e Kepler, sendo o golpe decisivo desferido pela Reforma Protestante. Esta traz para o centro do debate teológico-político a consciência individual e acaba por conduzir à afirmação das diferentes nacionalidades, contra a hegemonia do Papa e do Imperador. A Reforma traz consigo as guerras religiosas, com particular relevo para a guerra dos 30 anos ( ), as quais vão culminar na Paz de Vestefália (1648). É a este momento que a generalidade dos cultores do direito público associam o advento da garantia jurídica dos primeiros direitos fundamentais, a consolidação da figura jurídico-política do Estado Moderno, e, com ela, o surgimento do direito internacional público tal como o conhecemos (Grócio, Pufendorf).

5 5 II. Constitucionalismo e luta pela limitação do poder político O constitucionalismo moderno tem como elemento caracterizador a luta pela limitação do poder político. Todavia, a mesma teve que ser travada com persistência teorética e político-institucional. Isto, porque as ideias que apontavam para a centralização e o reforço do poder político tinham uma longa tradição. Além disso, a experiência das guerras civis religiosas constituia, para muitos, um forte argumento no sentido do fortalecimento da autoridade do Monarca Argumentos de reforço do poder do Monarca O reforço do poder do Monarca foi conseguido, nos secs. XVI a XVIII, com base em argumentos desenvolvidos a partir das ideias de soberania absoluta, direito divino, razão de Estado, Estado patrimonial e identificação O conceito de soberania absoluta foi desenvolvido por Jean Bodin, nos seus Seis livros da República, 1576, e por Thomas Hobbes, na sua obra Leviathan, Ambos sofriam daquilo que George Haverkate designa por síndrome da guerra civil, na medida em, tendo vivido no meio de guerras civis religiosas, um e outro surgem em boa medida como defensores do reforço da autoridade do Estado. Todavia, para Bodin, o reforço da autoridade do Monarca passava pela consideração das forças sociais intermédias, essencial para o reforço do seu poder. Para Thomas Hobbes, o poder político era legitimado através do contrato social e já não do direito divino. A sua força, quer se trate de um monarca ou de um parlamento, residia no facto de que o mesmo é o único depositário dos direitos que os indivíduos para ele transferem através do contrato social. Note-se, todavia, que para Thomas Hobbes, o reforço do poder político não passava necessariamente pelo Monarca, na medida em que, em seu entender, os direitos individuais poderiam ser transferidos para uma assembleia. Estes desenvolvimentos não impediram a persistência de teorias da soberania assentes na concepção de Monarquia de direito divino, cuja origem se encontra nas tradições imperiais e monárquicas romas, gregas e hebraicas. De acordo com esta concepção, o titulo de legitimação dos Monarcas tinha uma natureza sobrenatural. Alguns deles utilizavam esta premissa para exercerem o seu poder de forma absoluta e incondicionada. O raciocínio era simples: se Deus não consulta ninguem quando toma decisões, os Monarcas, representantes de Deus na terra, também não têm que o fazer. Uma outra linha de reforço do

6 6 poder absoluto dos monarcas encontra-se na ideia de Razão de Estado, de que ainda hije se encontram ressonâncias. Quer se tenha em vista a conquista e a manutenção do poder (Maquiavel), a protecção dos interesses superiores da segurança e da independência do Estado (Richelieu) a promoção de uma concepção divina do poder político (Calvino), ou mesmo, como se sustentou mais recentemente, a noção de que o Estado é uma manifestação objectiva do Espírito absoluto (Hegel), a verdade é que a ideia de razão de Estado pode facilmente conduzir à ideia de que os fins justificam os meios. Mas a fundamentação do poder absoluto dos monarcas recorreu a outro apoio jurídico-doutrinal. A ideia romana de propriedade alodial, ou incondicionada, foi utilizada para sustentar qualificação do soberano como supremo proprietário do reino, incluíndo os seus súbditos, concepção que a doutrina reconduz à ideia de Estado patrimonial (Patrimonialstaat). A mesma tinha ainda como pedra de toque uma concepção personalista do Estado (L'État c'est moi), que tendia a identificar a pessoa, os interesses, a propriedade e a religião do Monarca com a pessoa, os interesses, a propriedade e a religião do Estado A tradição de limitação do poder político Paralelamente aos argumentos que apontavam para o reforço do poder do monarca, desenvolve-se uma tradição no sentido da sua limitação. São várias as linhas de pensamento em que a mesma se apoia. Desde logo, deve destacar-se o relevo da ideia greco-romana de constituição mista, nas suas versões de Platão e Aristóteles. Na Idade Média assiste-se em alguns quadrantes (v.g. Inglaterra e França), ao recurso à ideia, pouco menos que mítica, da antiga constituição (the ancient constitution), como o objectivo de impõr limitações à actuiação dos monarcas. Igualmente importante é o apelo às chamadas leis fundamentais do reino, em matérias como a sucessão dinástica (masculina, católica, protestante, etc.), a disposição do território do reino, a convocação das Cortes Gerais, etc. Uma outra noção, que vai marcar as discussões em torno da legitimação do monarca é a doutrina lex regia, procedente do direito público romano. No seu sentido original, a mesma pretendia limitar o poder do Imperador, sublinhando o carácter popular da sua legitimidade, através da ideia que que o seu poder resultava de uma concessão (concessio) do poder tribunício da plebe, provisória e revogável. Os partidários do absolutismo imperial, quando não recorrem a argumentos de direito divino, sublinham o carácter

7 7 definitivo e irrevogável dessa transferência do poder (translatio). Uma construção semelhante vai ser usada na Idade Média relativamente aos pactos medievais. Mas a ideia de limitação do poder do monarca deve muito aos argumentos desenvolvidos pelo conciliarismo, que no âmbito da Igreja Católica defendia o poder do Concílio, enquanto assembleia representativa dos Bispos, relativamente ao Papa, bem como ao pensamento monarcómaco, que, com base em premissas protestantes desenvolvidas por João Calvino e Teodoro de Béza, reclamava para o povo, que não apenas para o Papa, o direito de depôr Monarcas que hajam abusado do seu poder. Mais proximamente, encontramos na experiência inglesa de constituição equilibrada (balanced constitution), e nas concepções racionalistas de direito natural, consentimento individual, contrato social e soberania popular, os fundamentos directos para a consagração dos direitos do homem e do cidadão, da separação de poderes (Locke e Montesquieu) e da democracia representativa. Estas ideias atacam directamente as premissas em que repousava o absolutismo monárquico. A propria ideia de absolutismo é rebatida com o princípio da separação de poderes baseado na ideia de que o poder corrompe e o poder absoluto corrompe absolutamente (Lord Acton). De acordo com este entendimento, em vez de se concentrar nas mãos de um só deve distribuir-se por vários poderes que se controlam reciprocamente (checks and balances). Por sua vez, o direito divino dos monarcas dá lugar ao consentimento individual, ao contrato social e à soberania popular. A ideia de razão de Estado, é gradualmente substituida pelas exigências de legalidade, racionalidade, proporcionalidade e previsibilidade da actuação estadual, decorrentes dos princípios da igualdade, da proibição do arbítrio e da protecção da confiança dos cidadãos. As concepções de Estado patrimonial, juntamente com a estrutura socio-ewconómica estamental e feudal, são superados pela defesa da propriedade e da iniciativa económica privada (v.g. Jean Baptiste Say; Adam Smith) e pelo princípio no taxation without representation. A concepção personalista do Estado é superada pela teoria do órgão, com base na qual se insiste na distinção entre a pessoa jurídica do órgão e a pessoa física do seu titular. III. As primeiras experiências constitucionais 3.1. A herança Inglesa

8 8 O constitucionalismo moderno deve muito ao desenvolvimento político e institucional da Inglaterra. A Magna Carta (1215), apesar da sua natureza pactícia e da sua inserção pré-moderna, lançou as bases da protecçãoe dos direitos fundamentais que hoje conhecemos e do desenvolvimento do parlamentarismo. A tradição jurisprudencial do Common Law encontra-se intimamente ligada à limitação do poder legislativo do Monarca, à garantia da independência das instituições jurisdicionais e â protecção dos direitos fundamentais. O percurso que, no sec. XVII, vai desde a insurreição Puritana e da República de Cromwell até à consolidação da primazia do Parlamento através da gloriosa revolução de 1688 constitui um marco no constitucionalismo moderno, extremamente rico em ideias que iriam marcar as revoluções liberais na América do norte, na França e um pouco por todo o lado. Desde logo, é aqui, no regicício do Carlos I Stuart, que, pela primeira vez, os representantes do povo reclamam para si o direito, teorizado pelos monarcómacos, de resistir contra um Monarca que abusa dos seus poderes soberanos. É nesse contexto que surgem as defesas mais radicais da democracia constitucional republicana (levellers, diggers, Overton, Cromwell), apoiadas em documentos da maior importância para a história constitucional, como sejam a Petition of Right (1628), os Agreements of the People (1647-9) e o Instrument of Government (1653), estes últimos geralmente referenciados como os primeiros textos constitucionais da modernidade. Merecem igualmente destaque, numa fase posterior, o Habeas Corpus Act (1679), o Bill of Rights (1689) e o Toleration Act (1689). As principais realizações que marcam o legado britânico para o constitucionalismo moderno prendem-se com a noção histórica de constituição, idependentemente de qualquer constituição escrita, e com a defesa da primazia do Parlamento. Do ponto de vista da teoria política merece um destaque especial John Locke, com a sua defesa de um governo limitado baseado na autonomia individual e no contrato social. Refira-se que a garantia jurisdicional dos direitos dos ingleses e a democracia governante, que actualmente caracterizam as instituições políticas inglesas, se desenvolvem à margem de qualquer controlo de constitucionalidade dos actos legislativos. Uma outra nota característica do sistema político britânico, até aos nossos dias, consiste na coexistência da sociedade liberal moderna com instituições tipicamente pré-modernas, como sejam a Monarquia, a Câmara dos Lords e a Igreja Anglicana como Igreja oficial A herança americana

9 9 Do maior relevo, no constitucionalismo moderno, é a experiência norte-americana. A ideia de constituição escrita deve ser procurada na experiência colonial, em que a mundividência calvinista e puritana dos pactos fundadores solenes (Covenants) coexistia com as exigências administrativas de dotação das colónias de um estatuto régio através de Royal Charters. Refira-se que muitas das ideias que haviam sido difundidas na Inglaterra do sec. XVII, acabam por florescer em solo norte-americano, na Nova Inglaterra, na Pennsylvania, em Rhode Island e na Virginia, quer por influência dos puritanos que haviam fugido às perseguições religiosas, quer por força de uma aristocracia culta, influenciada pelo protestantismo mais racionalista. Pense-se na defesa da liberdade religiosa empreendida por Roger Williams, na defesa da liberdade de expressão, feita por John Milton, e na defesa de um governo limitado pelos direitos naturais, desenvolvida por John Locke. Essas e outras ideias vão culminar na Declaração de Independência, , redigida por Thomas Jefferson. Aí se condensam princípios como a soberania popular, o direito de resistência e e o direito de autodeterminação, os quais são reconduzidos às premissas da precedência e prevalência dos direitos naturais e do consentimento individual. Nessa mesma base vai reponsar a Constituição americana de 1787 e as suas primeiras dez emendas, que integram o Bill of Rights, de A partir daqui, as principais realizações constitucionais norteamericanas consistem na existência de uma constituição escrita, no seu reconhecimento como como lei superior, na forma republicana de governo, na primazia dos direitos fundamentais, na separação das Igrejas do Estado, na separação de poderes, no federalismo e no presidencialismo. Um destaque especial vai ainda para a instituição da Judicial Review,com o caso Marbury v. Madison, de Aí, o 4º Chief Justice do Supremo Tribunal norte-americano, qualificou a Constituição como lei superior, susceptível de ser chamada a decidir o desfecho de um caso concreto e a justificar a invalidação de uma lei do Congresso A herança Francesa O desenvolvimento político-institucional francês caracteriza-se pelo colapso da monarquia absoluta e do sistema feudal e estamental em que a mesma se apoiava. Os acontecimentos que levam à revolução francesa prendem-se principalmente com a situação intolerável a que o terceiro estado tinha chegado. O clero e a nobreza não aceitavam pagar

10 10 impostos, ao passo que o terceiro estado era tributado até ao limite das suas forças. O panfleto O que é o Terceiro Estado?, escrito no princípio de 1789 por Emmanuel de Siyes, capta com particular acutilância a situação de extrema penúria de uma classe em cujo labor se apoiavam as outras, mas que se via privada de toda e qualquer medida de poder político. É esta situação que vai explicar que, depois da convocação dos Estados Gerais por Luis XVI, o terceiro estado entre em rotura com o sistema e se auto-proclame como Assembleia Nacional, dando corpo à revolução francesa. O forte enraizamento dos poderes estabelecidos e o modo inflexível como os mesmos defendiam os seus direitos adquiridos, sem aos vícios sistémicos e estruturais que lhes serviam de base, explicam em grande medida a violência e a amargura que caracterizaram este movimento social. Refira-se que neste contexto vão ser acolhidas muitas das ideias que desde o sec. XVII vinham sendo avançadas na Inglaterra e na America do norte, devendo referir-se ainda os contributos de homens como Montesquieu e Jean-Jacques Rousseau, Mirabeau, Condorcet, Sieyes, etc. Indissociavelmente ligada à Revolução francesa surge a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão de 1789, na qual encontramos a pena de Thomas Jefferson, então embaixador americano em Paris, juntamente com a influência de Lafayette, oficial francês que combatera os Inglesas na guerra da Independência dos Estados Unidos, ao lado de George Washington. O legado francês para o constitucionalismo liberal inclui ainda o conceito material de constituição (art. 16º da DDHC), assente na defesa dos direitos fundamentais e do princípio da separação de poderes, a teorização do poder constituinte, a primazia dos direitos fundamentais, a prevalência de lei e a legalidade da Administração, a liberdade religiosa e a laicidade do Estado. 30 de Outubro de 2000 B - O PODER CONSTITUINTE I - Primeiros suportes teóricos do poder constituinte 1.1. A tradição puritana dos concertos (covenants) solenes ( Agreements of the People ; Mayflower Compact ; Fundamental Orders of Connecticut 1.2. As teorias do contrato social 1.3. A sua influência no constitucionalismo norte-americano

11 11 II. A teorização de Emanuel de Siéyes 2.1. A nação (3º Estado) como titular do poder constituinte 2.2. Poder constituinte e poderes constituídos 2.3. Poder constituinte originário (criação) e derivado (revisão) 2.4. Características do poder constituinte originário Inicial Autónomo Omnipotente 2.5. O poder constituinte derivado como poder constituído III. As divergências quanto à titularidade 3.1. Soberania monárquica 3.2. Soberania nacional 3.3. Soberania popular 3.4. O conceito idealista germânico de soberania Estado (Staat) Povo (Volk) IV. Principais procedimentos constituintes 4.1. Procedimento constituinte representativo (assembleia constituinte soberana) 4.2. Procedimento constituinte directo Referendo (consulta democrática baseada na soberania popular) Plebiscito (corrupção de uma consulta democrática) 4.3. Procedimento constituinte monárquico (outorga pelo monarca) 4.4. Misto representativo e referendário (assembleia constituinte não soberana) 4.5. Misto representativo e monárquico (constituições pactuadas) V - Problemática actual do poder constituinte 5.1. Juridicidade do poder constituinte 5.2. Legitimidade do poder constituinte 5.3. Limites ao poder constituinte Limites formais e materiais A noção de pré-constituição (Vorverfassung)

12 O conceito de supraconstitucionalidade auto-generativa VI. O poder constituinte no constitucionalismo português 4.1. O confronto entre a soberania monárquica e a soberania democrática 4.2. Monarquia constitucional e luta pelos valores liberais 4.3. Do constitucionalismo liberal (1822) e republicano (1911) à Constituição de A anatomia do anti-liberalismo Absolutismo miguelista Constitucionalismo da restauração (Carta Constitucional de 1826) O Estado novo (Constituição de 1933) Marxismo-leninismo (Constituição de 1976) 4.5. Procedimentos constituintes adoptados Procedimento constituinte representativo: Constituições de 1822, 1911 e Procedimento constituinte directo, por plebiscito: Constituição de Procedimento constituinte monárquico: Carta Constitucional de 1826 (D. Pedro IV) Procedimento constituinte misto: Constiuição de 1832 (Cortes Gerais; D. Maria II). Bibliografia: J. J. Gomes Canotilho, Direito Constitucional e Teoria da Constituição, 5ª ed., Coimbra, 2002, (apontamentos de desenvolvimento) B - O PODER CONSTITUINTE O constitucionalismo moderno assenta, em boa medida, no surgimento de constituições escritas. Mas as mesmas têm subjacentes determinadas concepções a titularidade do poder constituinte, entendido este, em termos muito genéricos, poder de criar uma constituição. Desde logo, impõe-se responder a questões como: Quem é o titular do poder constituinte? Porquê? Como é que esse poder se exerce? Qual o seu sentido? Quais os seus limites? As linhas que se seguem dar-se-à conta dos fundamentos substantivos e teoréticos do poder constituinte.

13 13 I - Primeiros suportes teóricos do poder constituinte As primeiras experiências de tipo constituinte, na Inglaterra do sec. XVII, e na America do norte, nos secs. XVII e XVIII, têm o seu principal escoramento na tradição puritana dos concertos solenes (Covenants), de base calvinista. Para o Reformador Protestante João Calvino, as ordens divinamente estabelecidas, a família, a Igreja e o Estado eram vistas, acima de tudo, como pactos solenes. Esta ideia é visível quer nos documentos históricos ingleses já referidos, os Agreements of the People o Instrument of Government, de Oliver Cromwell, quer nos textos do Mayflower Compact ou nas Fundamental Orders of Connecticut, da experiência colonial americana. No entanto, deve a teorização dos pactos com um pendor mais racionalizado e universalista é dada através da ideia de contrato social, devendo destacar-se a teorização de John Locke. Os indivíduos são concebidos numa situação originária de estado de natureza, detentores de direitos naturais como a vida, a liberdade e a propriedade (embora esta seja concebida como resultante do trabalho humano). No entanto, nesse estado de natureza a defesa e execução dos direitos naturais é precária e dependente das relações de força existentes. Daí que os indivíduos, em condições de igualdade, celebrem entre si um contrato social, criador de poderes públicos de natureza legislativa, executiva e federativa. Dessa forma passa-se do estado de natureza para o estado civil. No estado civil, os indivíduos conservam os seus direitos naturais, transferindo para o governo civil apenas o direito executivo dos direitos naturais. No pensamento de John Locke, a garantia dos direitos naturais é considerada o sentido, o objectivo e o limite da actuação do Estado. Este é visto como tendo a sua origem no poder supremo (supreme power), entendido como o consentimento dos cidadãos livres e iguais. II. A teorização de Emanuel de Siéyes Um relevo particular assume a teorização empreendida por Emmanuel de Sieyes. Refira-se, todavia, que os seus propósitos tinham mais que ver com uma teoria aplicada à luta política do que com preocupações de teoria política pura. Para ele, a Nação identifica-se com o terceiro estado, a classe tradicionalmente oprimida e espoliada,

14 14 reduzida a nada pelas classes dominantes, o clero e a nobreza. Em seu entender, uma reforma política profunda só será possível ser as outras classes forem reduzidas a nada e o terceiro estado passar a ser tudo, devendo passar a ser visto como o único e legítimo titular do poder constituinte. Sieyes distingue entre o poder constituinte, enquanto poder de criar uma constituição, e poderes constituídos, de natureza legislativa, executiva e judicial, criados pela constituição. Entre aquele e estes encontra-se o poder de revisão constitucional, que é simultaneamente constituído e constituinte, na medida em que actua sobre a ordem constitucional, dentro de certos limites impostos por ela. Trata-se aqui de poder constituinte derivado, por oposição ao poder constituinte originário, que é o poder de criar ex novo uma constituição. Para Sieyes, o poder constiuinte originário é inicial, autónomo, omnipotente. Inicial, porque antes dele só existem poderes de facto. Nem a potestas eminens do Monarca, nem os iura quesitae, do clero e da nobreza, apoiados numa legitimação histórica ou no direito divino, podem sobrepor-se à legitimidade democrática do terceiro estado. Autónomo, porque só a ele pertence decidir quando e como é que se fará uma Constituição. Omnipotente, porque só a ele pertence decidir quais os valores, os princípios e as regras que devem ser consagrados na Constituição, não existindo qualquer limitação externa. III. As divergências quanto à titularidade do poder constituinte Tradicionalmente entendia-se que a Nação era constituída pelo Monarca, pelo Clero e pela Nobreza. Mas o poder soberano era atribuído exclusivamente ao Monarca. No advento do constitucionalismo moderno alguns monarcas, confrontados com as exigências liberais e revolucionárias de limitação dos seus poderes, vão procurar sustenter o poder constituinte nas suas tradicionais prerrogativas de soberania.os mesmos invocam para si o poder de outorgar ex mera gratia, cartas constitucionais, entendidas como cartas reais, surgindo as constituições assim criadas, não como o produto por excelêncioa da soberania popular, mas como expressão de um poder de auto-limitação do Monarca. Este entendimento está bem presente na luta que se trava, nos secs. XVIII e XIX pela titularidade do poder constituinte, sob a designação de doutrina da soberania monárquica. Relativamente a este tese, a doutrina da soberania nacional, avançada por Sieyes, representa uma rotura fundamental. O mesmo se pode dizer da tese sustentada por Jean-Jacques Rousseau, da soberania popular, que vê

15 15 na soma de todos os cidadãos, portadores de uma parcela da soberania indivisível, inalienável e insusceptível de representação, o titular do poder soberano no seio da comunidade política. Uma ideia de soberania popular próxima das concepções referidas encontra-se no constitucionalismo norte-americano, colocando o poder constituinte na titularidade dos representantes, devidamente legitimidados, do povo (We the people of the United States... do ordain and establish this Constitution...). Refira-se que no contexto germânico a problemática do poder constituinte surge frequentemente inserida nas concepções idealistas de Estado (Staat) e Povo (Volk), podendo estas expressões assumir um sentido bastante diferente das suas congéneres da tradição liberal anglo-saxónica e francesa. IV. Principais procedimentos constituintes As diferentes concepções do poder constituinte conduzem a procedimentos constituintes também distintos. Assim, por exemplo, uma teoria monárquica do poder constituinte, ou soberania monárquica, conduz naturalmente a um procedimento constituinte monárquico. Uma concepção de soberania nacional, como a de Sieyes, encontra-se associada a um procedimento constituinte representativo, traduzido na eleição de uma assembleia constituinte soberana, dotada do poder de elaborar e aprovar uma Constituição. Uma concepção de soberania popular próxima da de Rousseau liga-se ao procedimento constituintes directo, encontrando-se directamente relacionada com a figura do referendo constitucional. Refira-se que neste contexto a doutrina distingue, em termos maniqueístas, entre referendo, entendido como uma consulta democrática genuinamente baseada na soberania popular, e plebiscito, visto como uma corrupção de uma consulta democrática. Importa ainda referir, no âmbito desta problemática, que são pensáveis ainda modelos mistos. Assim, por exemplo, pode adoptarse um procedimento constituinte misto representativo e referendário, assente na eleição de uma assembleia constituinte não soberana, com o poder de elaborar a constituição, mas ficando a aprovação desta reservada para uma consulta popular. Do mesmo modo tem acontecido nalguns casos o recurso a um procedimento constituinte misto representativo e monárquico, dando origem às chamadas constituições pactuadas, quando se pretende resolver o problema imediato da organização do poder político sem decidir de forma definitiva a questão fundamental de saber quem é o titular último do poder constituinte. A

16 16 prática constituinte norte-americana apresenta ainda um modelo misto representativo, a nível federal e federado, com uma assembleia constituinte não soberana a ser complementada por assembleias soberanas, a nível dos Estados federados. V - Problemática actual do poder constituinte 5.1. Juridicidade do poder constituinte Um dos problemas que se tem discutido na doutrina do direito constitucional, prende-se com a juridicidade do poder contituinte. Actualmente entende-se que mesmo o exercício do poder constituinte por altura de uma rotura revolucionária pode revestir uma natureza jurídica, ou jurisgénica, na medida em que a mesma se reclame de uma ideia de direito e normatividade susceptível de ser aceite como legítima Legitimidade do poder constituinte A questão anterior remete para a problemática da legitimidade do poder constituinte. Esta diz respeito à dignidade de reconhecimento como justa da ordem jurídico-política criada pelo poder constituinte. A mesma prende-se quer com a legitimidade dos valores, princípios e regras jurídicas que fundamentam essa ordem, quer com a legitimidade e legitimação das instituições políticas constituídas que a corporizam, dos seus titulares e dos seus procedimentos de funcionamento. Em nosso entender, a plausibilidade de uma qualquer doutrina sobre a legitimidade do poder constituinte e de uma Constituição deverá apontar para um equilíbrio entre três dimensões essenciais, sendo uma de natureza procedimental, outra de natureza sociológica, e outra de natureza substantiva. Em primeiro lugar, requer-se do poder constituinte, sob pena de ilegitimidade, que o seu exercício se subordine a metaprincípios procedimentais de igualdade, de liberdade, de justiça e transparência, em momentos como a eleição de uma assembleia constituinte, a elaboração do seu regimento e condução dos seus trabalhos, designadamente na discussão e votação. Está-se aqui perante uma ideia de legitimação através do procedimento (Niklas Luhmann). Em segundo lugar, a legitimidade diz também respeito à capacidade de vigência ou efectividade de uma ordem constitucional, tendo em conta os valores, os interesses, as concepções e as experiências de uma determinada comunidade. Fala-se, a este

17 17 propósito, de legitimidade em sentido fáctico-sociológico. Em terceiro lugar, a doutrina enfatiza a importância decisiva do conteúdo material da Constituição, do ponto de vista da conformidade das suas disposições com princípios fundamentais de justiça racionalmente acessíveis a todos os cidadãos, na sua qualidade de indivíduos livres e iguais (John Rawls, Jürgen Habermas, T.S Scanlon, Jr.). Neste contexto, trata-se da legitimidade em sentido teorético-político e jurídico-normativo Limites ao poder constituinte originário Como vimos anteriormente, Emmanuel Sieyes entendia o poder constituinte como inicial, autónomo e omnipotente. No entanto, mesmo este entendimento deve ser qualificado, na medida em que Sieyes reconhecia a existência de princípios universais de direito natural. Actualmente, a doutrina chama a atenção para a existência de limites formais e materiais, vinculativos mesmo do poder constituinte originário. Do ponto de vista formal, a doutrina recorre à noção de préconstituição (Vorverfassung) para designar, para além das instituições pré-constitucionais responsáveis pela governação, as normas substantivas e procedimentais que vão disciplinar juridicamente os procedimentos de eleição de uma assembleia constituinte, as regras de procedimento que regem a discussão e votação das normas constitucionais e que definem o momento da entrada em vigor destas últimas, e, eventualmente, as normas que regulam o exercício de um referendo de aprovação ou confirmação de uma Constituição. Tendo em vista principalmente os limites materiais de revisão, a doutrina recorre ainda ao conceito de supraconstitucionalidade auto-generativa, para designar todo um conjunto de concepções, valores ou condicionantes de natureza política, cultural, económica, jurídico-internacional, antropológica, sociológica que limitam o espaço de manobra do poder constituinte. VI. O poder constituinte no constitucionalismo português 6.1. As principais concepções em confronto O constitucionalismo português do sec. XIX caracteriza-se por uma acesa luta entre diferentes concepções, em questões como a titularidade da soberania e do poder constituinte, a fundamentação do poder político e do direito, os direitos individuais, etc. Não sendo possível dar conta,

18 18 aqui e agora, de todas as nuances em presença, pode afirmar-se, em termos simplificados, que em confronto estavam as posições fundamentais graficamente representadas através do seguinte esquema: Absolutismo Republicanismo Monarquia Constitucional Monarquia Constituição Monarquia Constituição Monarquia Constituição Na primeira célula temos representada a doutrina pré-moderna tradicional daqueles que defendiam a soberania monárquica incondicionada, com base em argumentos de legitimidade dinástica e de direito divino. Depois da revolução liberal, esta posição vai ser defendida por D. Miguel e os seus acólitos, entre 1828 e 1834, embora com a resistência armada por parte dos liberais. Na segunda célula representa-se a doutrina, triunfante na revolução de 1820 e na Constituição de 1822, que sustentava o princípio da soberania popular, como fonte do poder constituinte, e a primazia da Constituição sobre o Monarca. A fonte de legitimação deste último era a vontade do povo, sendo a monarquia um poder constituído, ao lado dos demais, subordinado à Constituição. Na terceira célula refere-se o entendimento, subjacente à Carta Constitucional de 1826, ou Constituição outorgada, nos termos do qual a soberania reside em última instância no Monarca, com base numa legitimação teológico-confessional, sendo o poder constituinte uma forma de auto-limitação graciosa e magnânima daquele, expressão da sua profunda e real sabedoria. A segunda e a terceira células colocam lado a lado, no plano superior, a monarquia e a constituição, e, no plano inferior, a constituição e a monarquia. Em conjunto, elas podem representar o impasse que se

19 19 deu em 1838, com a aprovação de uma Constituição pactuada, aprovada pela intervenção conjunta de um assembleia representativa e da Rainha D. Maria II, sem que se decidisse, nesse momento, a questão da titularidade última do poder soberano. Na quarta célula exprime-se o entendimento que viria a triunfar na Revolução de 5 de Outubro de 1910, e na Constituição de Afirmase o princípio da soberania popular, baseado num princípio de igual dignidade e liberdade. Este princípio, que conduziu à liberdade religiosa e à separação das confissões religiosas do Estado, tinha subjacente uma radical inimizade a privilégios, sendo o Governo da res publica concebido como uma função dos cidadãos, pelos cidadãos e para os cidadãos. A intensidade do confronto político-constitucional é bem visível na sucessão de das vigências da Constituição de 1822 e da Carta Constitucional de 1826, tendo a última vigência deste texto constitucional perdurado até 5 de Outubro de 1910, data da implantação da República. Como resulta do esquema apresentado, o constitucionalismo português caracteriza-se, em boa medida, por uma tensão dialética entre duas linhas fundamentais de desenvolvimento jurídico-político distintas, separadas por um continnum de nuances e posições intermédias. A primeira, arranca da revolução liberal e da Constituição de 1822 que se lhe seguiu, passa pela Constituição republicana de 1911 e culmina na Constituição de Estes instrumentos constitucionais exprimem o desenvolvimento dos valores e princípios característicos do constitucionalismo moderno, que, segundo Peter Häberle, integram o chamado tipo do Estado Constitucional. Os mesmos afirmam uma teoria democrático-representativa do poder constituinte, colocando a soberania popular no fundamento último do poder político e do direito. Refira-se, apesar de tudo, que a Constituição de 1822 não conseguiu afirmar plenamente os valores liberais, mantendo-se a censura eclesiástica sobre as publicações. Será a afirmação e confirmação da liberdade de consciência e de religião e do princípio da separação das confissões religiosas do Estado, respectivamente pela Constituição de 1911 e pela Constituição de 1976 que permitirá a consolidação do constitucionalismo liberal moderno em Portugal. A segunda linha, onde se manifesta a anatomia do antiliberalismo, observa-se no absolutismo miguelista, no constitucionalismo da restauração (Carta Constitucional de 1826), no

20 20 Estado novo (Constituição de 1933). Trata-se aqui de uma orientação que dá primazia aos valores pré-modernos da autoridade, da hierarquia e da tradição, em detrimento da autonomia racional e moral-prática dos indivíduos e da sobernaia popular. Quando se admite a necessidade ou utilidade de uma Constituição, o que não era certamente o caso do avsolutismo miguelista, defende-se uma concepção autoritária, antiliberal e anti-democrática do poder constituinte. Foi o que sucedeu com o procedimento constituinte monárquico que conduziu à Carta Constitucional de 1826, compreendida como auto-limitação graciosa e benevolente do monarca. Também a concepção autoritária e plebiscitária de poder constituinte, que esteve na base da Constituição de 1933, assentava em premissas fortemente críticas da democracia parlamentar e dos direitos fundamentais, na acepção do constitucionalismo liberal moderno. Como já se disse, no sec. XIX estas linhas de pensamento conhecem um impasse na Constituição pactuada de 1838, em que se adopta um procedimento constituinte misto, democrático e monárquico Procedimentos constituintes adoptados Sintetizando as considerações anteriores, podemos elencar os vários procedimentos constituintes que estiveram na base dos diversos textos constitucionais portugueses. Em primeiro lugar, resultaram de um procedimento constituinte representativo as Constituições de 1822, de 1911 e Como resultado de um procedimento constituinte monárquico temos a Carta Constitucional de 1826 (D. Pedro IV). Por sua vez, foi um procedimento constituinte misto que conduziu à elaboração e aprovação da Constiuição de 1838, em que intervieram conjuntamente as Cortes Gerais e a rainha D. Maria II. A Constituição de 1933 resultou de um procedimento constituinte directo, embora deva sublinhar-se que se estava aqui perante concepções anti-liberais e anti-parlamentares que escolheram a forma de plebiscito, enquanto referendo substancial e formalmente irregular, para aprovação da Constituição. Um outro ponto que deve ser considerado prende-se com a presença, na sequência da Revolução de Abril de 1974, de uma forte componente ideológica marxista na versão inicial da Constituição de 1976, manifestando-se também por essa via o pensamento anti-liberal, tendo essa componente sido gradualmente desactivada através das sucessivas revisões constitucionais.

História dos Direitos Humanos

História dos Direitos Humanos História dos Direitos Humanos Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Os direitos humanos são o resultado de uma longa história, foram debatidos ao longo dos séculos por filósofos e juristas. O início

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo Parlamento Inglês -Rainha Elizabeth I (1558-1603) maior exemplo de poder absoluto na Inglaterra daquele tempo; - Maquiavélica; - Enquanto

Leia mais

Guerra Civil (1642-1648)

Guerra Civil (1642-1648) Prof. Thiago Revolução Inglesa Governo Despótico de Carlos I (1625-1648) Petição de Direitos (1628) Exigência do Parlamento Cobrança do ship money em cidades do interior desobediência ao Parlamento Guerra

Leia mais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Revolução Científica do século XVII Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Contexto Crise do Antigo Regime Questionamento dos privilégios do Clero

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça Intervenção do Ministro da Justiça Sessão comemorativa do 30º Aniversário da adesão de Portugal à Convenção Europeia dos Direitos do Homem Supremo Tribunal de Justiça 10 de Novembro de 2008 Celebrar o

Leia mais

Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime

Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime A formação do Absolutismo Inglês Medieval Territórios divididos em condados (shires) e administrados por sheriffs (agentes reais) submetidos ao poder

Leia mais

DIREITO E TEORIA CONSTITUCIONAL (Docente: Joaquim Pedro Cardoso da Costa) PROGRAMA

DIREITO E TEORIA CONSTITUCIONAL (Docente: Joaquim Pedro Cardoso da Costa) PROGRAMA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA - Lisboa INSTITUTO DE ESTUDOS POLÍTICOS Licenciatura em Ciência Política e Relações Internacionais 2º Ano 2º Semestre 2010-2011 DIREITO E TEORIA CONSTITUCIONAL (Docente:

Leia mais

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Índice Clique sobre tema desejado: A origem dos Estados Nacionais Contexto Histórico: crise feudal (séc. XIV-XVI) Idade Média Idade Moderna transição Sociedade

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa 1 A Revolução Francesa representou uma ruptura da ordem política (o Antigo Regime) e sua proposta social desencadeou a) a concentração do poder nas mãos

Leia mais

FÁBIO KONDER COMPARATO

FÁBIO KONDER COMPARATO FÁBIO KONDER COMPARATO Ética Direito, moral e religião no mundo moderno COMPANHIA DAS LETRAS Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CJP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Comparato,

Leia mais

As relações Igrejas-Estado em Portugal antes e depois do 25 de Abril de 1974

As relações Igrejas-Estado em Portugal antes e depois do 25 de Abril de 1974 David VALENTE, Lusotopie 1999, pp. 271-275 As relações Igrejas-Estado em Portugal antes e depois do 25 de Abril de 1974 OEstado Novo teve de recriar o sistema de relações Igrejas-Estado com base na legislação

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

www.ualdireitopl.home.sapo.pt

www.ualdireitopl.home.sapo.pt UNIVERSIDADE AUTÓNOMA DE LISBOA 1º ANO JURÍDICO CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL Regente: Prof. Doutor J.J. Gomes Canotilho Docente aulas teóricas: Prof. Doutor Jonatas Machado Docente aulas práticas:

Leia mais

ASPECTOS DO DIREITO CONSTITUCIONAL SUA EVOLUÇÃO ATRAVÉS DO TEMPO

ASPECTOS DO DIREITO CONSTITUCIONAL SUA EVOLUÇÃO ATRAVÉS DO TEMPO ASPECTOS DO DIREITO CONSTITUCIONAL SUA EVOLUÇÃO ATRAVÉS DO TEMPO Woille Aguiar Barbosa 1 1. RESUMO Neste trabalho, é apresentado um panorama das diversas concepções do constitucionalismo, através de um

Leia mais

Ensino do Direito e Estado de Direito em Angola Conferência proferida na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Lisboa, 28 de Novembro de 2008

Ensino do Direito e Estado de Direito em Angola Conferência proferida na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Lisboa, 28 de Novembro de 2008 Ensino do Direito e Estado de Direito em Angola Conferência proferida na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Lisboa, 28 de Novembro de 2008 I A resposta à pergunta «O que é o Direito?» continua

Leia mais

PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE

PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE: R-1283/99 (A6) DATA: Assunto: Código dos Impostos

Leia mais

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa cidade. Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma Bruno Oliveira O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma comunidade politicamente articulada um país

Leia mais

Capítulo 2 Método 81 A variável independente e a sua aplicação 81 O método institucional: o primado da instituição Estado sobre a ordem

Capítulo 2 Método 81 A variável independente e a sua aplicação 81 O método institucional: o primado da instituição Estado sobre a ordem índice Agradecimentos 15 Prefácio 17 Introdução 23 Capítulo 1 Que forma de Estado previne melhor os golpes militares? 27 Golpes de Igreja, golpes de Estado, golpes militares 27 Que é a forma do Estado

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS Prof. Gabriel Dezen Junior (autor das obras CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS e TEORIA CONSTITUCIONAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS, publicadas pela Editora Leya

Leia mais

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS ÍNDICE Código Disciplina Página DIR 02-07411 Direito Constitucional I 2 DIR 02-07417 Direito Constitucional II 3 DIR 02-00609 Direito Constitucional III 4 DIR 02-00759 Direito

Leia mais

A ideia de constituição

A ideia de constituição A ideia de constituição A Revolução Federal Filosofia politica e debate constitucional na fundação dos E.U.A Viriato Soromenho-Marques II Capítulo; pág.41 Apresentação de Rojer Rafael Tomás Soares Nº 36267

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Ciências Jurídicas CCJ Departamento de Direito DIR PLANO DE ENSINO

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Ciências Jurídicas CCJ Departamento de Direito DIR PLANO DE ENSINO 1 Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Ciências Jurídicas CCJ Departamento de Direito DIR PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Nome Curso HISTÓRIA DO DIREITO DIREITO Código DIR

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO I

DIREITO ADMINISTRATIVO I UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE DIREITO DIREITO ADMINISTRATIVO I 2.º Ano Turma B PROGRAMA DA DISCIPLINA Ano lectivo de 2011/2012 LISBOA 2011 Regente: Prof. Doutor Fausto de Quadros ELEMENTOS DE ESTUDO

Leia mais

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993 CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993 DECLARAÇÃO DE VIENA E PROGRAMA DE ACÇÃO Nota do Secretariado Em anexo encontra-se o texto da Declaração de Viena e do Programa

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO

INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO QUESTÃO PARA DISCUSSÃO: EXPLIQUE A DEFINIÇÃO DE CONSTITUCIONALISMO POR CANOTILHO, como uma Técnica específica de limitação

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática

O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática Neusa Chaves Batista 1 1. Introdução O modelo de gestão para a escola pública requerido na atualidade encontra-se expresso no ordenamento

Leia mais

A Revolução Francesa (1789-1799)

A Revolução Francesa (1789-1799) A Revolução Francesa (1789-1799) Origens da Revolução Francesa Crise Econômica A agricultura, ainda submetida ao feudalismo, entrava em colapso. As velhas técnicas de produção e a servidão no campo criavam

Leia mais

TEORIA GERAL DO DIREITO CHINÊS

TEORIA GERAL DO DIREITO CHINÊS UNIVERSIDADE DE MACAU FACULDADE DE DIREITO CURSO DE LICENCIATURA EM DIREITO EM LÍNGUA PORTUGUESA PROGRAMA DA DISCIPLINA ANO LECTIVO DE 2010/2011 TEORIA GERAL DO DIREITO CHINÊS 5º ANO DA LICENCIATURA EM

Leia mais

Acordo de Promoção e Protecção Recíprocas de Investimentos entre a República Portuguesa e a República de Angola. Diploma Legal

Acordo de Promoção e Protecção Recíprocas de Investimentos entre a República Portuguesa e a República de Angola. Diploma Legal Acordo de Promoção e Protecção Recíprocas de Investimentos entre a República Portuguesa e a República de Angola Diploma Legal O texto que se segue é um documento não oficial, preparado pelo ICEP Portugal,

Leia mais

Palavras-chave: direitos e garantias fundamentais; origem e evolução; conceito e características; distinção; classificação, eficácia.

Palavras-chave: direitos e garantias fundamentais; origem e evolução; conceito e características; distinção; classificação, eficácia. 1 DOS DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS SHIRLEY ALONSO RODRIGUES SILVERIO LOPES 1 DOMITILA DUARTE ALVES 2 RESUMO O presente trabalho tem por objetivo analisar os valores fundamentais do homem que se originam

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL ESTÁCIO-CERS DIREITO CONSTITUCIONAL Professora Ana Paula Teixeira Delgado Tema: Poder Constituinte Poder Constituinte Definição: Poder de elaborar (originário)ou de atualizar uma

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2014 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA Ano: 2º Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Roteiro: Locke: contexto histórico, metodologia, natureza humana e estado de natureza

Roteiro: Locke: contexto histórico, metodologia, natureza humana e estado de natureza Gustavo Noronha Silva José Nailton Silveira de Pinho Juliana Gusmão Veloso Kátia Geralda Pascoal Fonseca Walison Vasconcelos Pascoal Roteiro: Locke: contexto histórico, metodologia, natureza humana e estado

Leia mais

REVOLUÇÃO AMERICANA (1776-1781) - LISTA DE EXERCÍCIOS

REVOLUÇÃO AMERICANA (1776-1781) - LISTA DE EXERCÍCIOS 1. (Upe 2014) A passagem do século XVIII para o XIX foi marcada por um desequilíbrio nas relações entre a Europa e o Novo Mundo. As lutas políticas na América estavam ligadas à resistência contra a colonização

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

A Revolução Inglesa. Autor: Jose Jobson de Andrade Arruda. Editora: Brasiliense.

A Revolução Inglesa. Autor: Jose Jobson de Andrade Arruda. Editora: Brasiliense. Objetivos: - ANALISAR as relações entre a Monarquia inglesa e o Parlamento durante a Dinastia Stuart. - IDENTIICAR as principais etapas do processo revolucionário inglês. - INERIR o amplo alcance das lutas

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

A Organização da Aula

A Organização da Aula Curso: Ciências Sociais Prof. Ms: Edson Fasano Sociedade Capitalista: Revoluções Inglesas. A Organização da Aula 1º Bloco: A Inglaterra do século XVI; 2º Bloco: - A Revolução Puritana e Gloriosa; 3º Bloco:

Leia mais

PROVA DO MESTRADO FILOSOFIA, TEORIA E HISTÓRIA DO DIREITO. Metáfora das cores: Negro (clero), Vermelho (militar, napoleônico), Azul (nobreza).

PROVA DO MESTRADO FILOSOFIA, TEORIA E HISTÓRIA DO DIREITO. Metáfora das cores: Negro (clero), Vermelho (militar, napoleônico), Azul (nobreza). PROVA DO MESTRADO FILOSOFIA, TEORIA E HISTÓRIA DO DIREITO QUESTÃO 1: Sob a perspectiva de Julien Sorel, de que maneira se relacionam os sistemas jurídicos que Stendhal, metaforicamente, associou aos negros,

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa A UGT saúda o debate em curso na Comissão dos Assuntos Europeus sobre o Futuro da Europa e, particularmente, sobre o futuro do Tratado Constitucional. O

Leia mais

O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA

O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA SÃO PAULO RIO DE JANEIRO BRASÍLIA CURITIBA PORTO ALEGRE RECIFE BELO HORIZONTE LONDRES LISBOA XANGAI BEIJING MIAMI BUENOS AIRES O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA DURVAL

Leia mais

SABER DIREITO FORMULÁRIO

SABER DIREITO FORMULÁRIO Programa Saber Direito TV Justiça Outubro de 2010 Curso: Poder Constituinte Professor: André Alencar SABER DIREITO FORMULÁRIO TÍTULO DO CURSO PODER CONSTITUINTE PROFESSOR ANDRÉ ALENCAR TÍTULO Máximo de

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 14/91 de 11 de Maio

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 14/91 de 11 de Maio ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 14/91 de 11 de Maio A criação das condições materiais e técnicas para a edificação em Angola de um Estado democrático de direito é um dos objectivos a atingir, na actual fase

Leia mais

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador.

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador. 1. (CESPE/SEJUS-ES/2009) A CF adota o presidencialismo como forma de Estado, já que reconhece a junção das funções de chefe de Estado e chefe de governo na figura do presidente da República. 2. (CESPE/MMA/2009)

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa O GOVERNO Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa «O Governo é o órgão de condução da política geral do país e o órgão superior da Administração Pública.» 1 Pela própria ideia que se retira

Leia mais

http://www.portugal-tchat.com/forum/histoire-portugal/3975-constituicao-de-1822-a.html CONSTITUIÇÃO DE 1822

http://www.portugal-tchat.com/forum/histoire-portugal/3975-constituicao-de-1822-a.html CONSTITUIÇÃO DE 1822 http://www.portugal-tchat.com/forum/histoire-portugal/3975-constituicao-de-1822-a.html CONSTITUIÇÃO DE 1822 1. ENQUADRAMENTO HISTÓRICO-POLÍTICO: Portugal vivia, por volta de 1820 um regime opressor causado

Leia mais

Palestra realizada no auditório da Secretaria de Economia e Planejamento do Governo do Estado de São Paulo no dia 05/06/2009.

Palestra realizada no auditório da Secretaria de Economia e Planejamento do Governo do Estado de São Paulo no dia 05/06/2009. Palestra realizada no auditório da Secretaria de Economia e Planejamento do Governo do Estado de São Paulo no dia 05/06/2009. Palestrante: Profa. Dra. Gisele Mascarelli Salgado. GISELLE MASCARELLI SALGADO:

Leia mais

Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime

Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime Prof: Otto BARRETO Os ingleses foram os primeiros a aprender a dominar o Leviatã, e a fazer dele seu servo em

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos do Homem

Declaração Universal dos Direitos do Homem Declaração Universal dos Direitos do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana

O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana Hannah Arendt na obra A condição Humana trata especificamente da questão do público e do privado. 1) Designa três condições/atividades humanas fundamentais:

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

CONSTITUIÇÃO E DEMOCRACIA

CONSTITUIÇÃO E DEMOCRACIA CONSTITUIÇÃO E DEMOCRACIA Por André Cordelli Alves Formado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Mestre em Direito Civil pela PUC/SP e Doutorando em Direito Civil pela

Leia mais

Assunto: Consumo. Publicidade. Distribuição de desdobráveis sobre o Provedor de Justiça.

Assunto: Consumo. Publicidade. Distribuição de desdobráveis sobre o Provedor de Justiça. Assunto: Consumo. Publicidade. Distribuição de desdobráveis sobre o Provedor de Justiça. O PROBLEMA Foi solicitada por Sua Excelência o Provedor de Justiça a realização de estudo sobre a potencial aplicação

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE 1.Analise as afirmativas abaixo referentes ao Iluminismo: 01 - Muitas das idéias propostas pelos filósofos iluministas são, hoje, elementos essenciais da identidade da

Leia mais

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005, Bissau/2006 e Lisboa/2007) Artigo 1º (Denominação) A Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL 1. NOÇÕES GERAIS 1.1. Constituição e antecedentes A fim de se limitar o poder, e de se garantir direitos aos indivíduos, separou-se, hierarquicamente, as normas constitucionais das

Leia mais

Estado de Direito! Uma das fórmulas mais felizes da filosofia política e da filosofia do direito ocidentais (Zolo)!

Estado de Direito! Uma das fórmulas mais felizes da filosofia política e da filosofia do direito ocidentais (Zolo)! Estado de Direito! Uma das fórmulas mais felizes da filosofia política e da filosofia do direito ocidentais (Zolo)! Duas tradições jurídicas distintas! Estado de direito teve origem na cultura liberal

Leia mais

Separação entre Estado e Igreja (20 de Abril de 1911) Cota CMPV/0015 Diários do Governo

Separação entre Estado e Igreja (20 de Abril de 1911) Cota CMPV/0015 Diários do Governo Separação entre Estado e Igreja (20 de Abril de 1911) Cota CMPV/0015 Diários do Governo NEWSLETTER: Dando continuidade à nossa nova rubrica on-line: Páginas de História com Estórias, passamos a apresentar

Leia mais

O LIBERALISMO POLÍTICO DE JOHN LOCKE 1

O LIBERALISMO POLÍTICO DE JOHN LOCKE 1 O LIBERALISMO POLÍTICO DE JOHN LOCKE 1 Francy José Ferreira Vilela 2 Introdução John Locke foi um importante filósofo britânico, nascido no século XVII, que trouxe grandes contribuições para o pensamento

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Competência da Justiça Militar Paulo Tadeu Rodrigues Rosa* A Justiça Militar é um dos órgãos do Poder Judiciário, com previsão constitucional e Lei de Organização Judiciária que

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

A liberdade religiosa. dos direitos individuais aos direitos sociais

A liberdade religiosa. dos direitos individuais aos direitos sociais D E P O I M E N T O S A liberdade religiosa dos direitos individuais aos direitos sociais Com a viragem do século, e sobretudo com o desenvolvimento das investigações das ciências sociais sobre o fenómeno

Leia mais

FIEB (Fundação Instituto de Educação de Barueri) - Escola Maria Theodora. Profa. Agnes Sociologia 2º. Médio

FIEB (Fundação Instituto de Educação de Barueri) - Escola Maria Theodora. Profa. Agnes Sociologia 2º. Médio 1 FIEB (Fundação Instituto de Educação de Barueri) - Escola Maria Theodora Profa. Agnes Sociologia 2º. Médio # Estado Nacional e poder político * Importância do poder: questões relativas ao Estado, povo,

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Habilidades: Compreender o processo de independência Norte Americana dentro do contexto das ideias iluministas. Yankee Doodle 1 Causas Altos impostos cobrados

Leia mais

Direitos Fundamentais i

Direitos Fundamentais i Direitos Fundamentais i Os direitos do homem são direitos válidos para todos os povos e em todos os tempos. Esses direitos advêm da própria natureza humana, daí seu caráter inviolável, intemporal e universal

Leia mais

Exercícios de Iluminismo e Independência dos EUA

Exercícios de Iluminismo e Independência dos EUA Exercícios de Iluminismo e Independência dos EUA 1. (Enem) É verdade que nas democracias o povo parece fazer o que quer, mas a liberdade política não consiste nisso. Deve-se ter sempre presente em mente

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR DIREITOS FUNDAMENTAIS BRUNO PRISINZANO PEREIRA CREADO: Advogado trabalhista e Membro do Conselho Nacional de Pesquisa e Pós- Graduação em Direito. Mestre em direitos sociais e trabalhistas. Graduado em

Leia mais

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL.

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 309 CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. Artigo 9.º (Tarefas fundamentais do Estado) São tarefas fundamentais do Estado:. a) Garantir a independência

Leia mais

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Solene Comemorativa da Implantação da República 05.10.2010 A Revolução Republicana de 1910 Ao assinalarmos cem anos sobre a Revolução Republicana

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

5.1 Planificação a médio prazo. 1. A Revolução Americana, uma revolução fundadora. 28 aulas

5.1 Planificação a médio prazo. 1. A Revolução Americana, uma revolução fundadora. 28 aulas 5.1 Planificação a médio prazo 28 aulas Conteúdos programáticos Segundo o Programa Oficial (março de 2001) TH11 Parte 2 (pp.) Saberes/Aprendizagens 1. A Revolução Americana, uma revolução fundadora 1.1.

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL Educador: Luciola Santos C. Curricular: História Data: / /2013 Estudante: 7 Ano Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL 7º Ano Cap 1e 2 Feudalismo e Francos Cap 6 Mudanças no feudalismo Cap 7 Fortalecimento

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

V - ESTADO. O ASPECTO HISTÓRICO É aquele que vê o Estado como um fato social em constante evolução.

V - ESTADO. O ASPECTO HISTÓRICO É aquele que vê o Estado como um fato social em constante evolução. V - ESTADO 1 ORIGEM E FORMAÇÃO DO ESTADO Origem da Palavra: A denominação de Estado tem sua origem do latim status = estar firme, significando situação permanente de convivência e ligada à sociedade política.

Leia mais

FIM DO ABSOLUTISMO INGLÊS SÉCULO XVII

FIM DO ABSOLUTISMO INGLÊS SÉCULO XVII FIM DO ABSOLUTISMO INGLÊS SÉCULO XVII ANTECEDENTES: No início dos anos 1600, a Inglaterra apresentava-se como um país em desenvolvimento e expansão. Nos reinados do século anterior, de Henrique VIII e

Leia mais

Constituição da República Portuguesa Associações

Constituição da República Portuguesa Associações Constituição da República Portuguesa Associações Artigo 46.º Liberdade de associação 1. Os cidadãos têm o direito de, livremente e sem dependência de qualquer autorização, constituir associações, desde

Leia mais

DIREITO COMPARADO Exame de Época de Finalistas 16 de setembro de 2015

DIREITO COMPARADO Exame de Época de Finalistas 16 de setembro de 2015 DIREITO COMPARADO Exame de Época de Finalistas 16 de setembro de 2015 Grupo I À luz do que estudámos sobre a importância da jurisprudência como fonte de direito nas famílias jurídicas Romano-Germânica

Leia mais

BREVES EXPOSIÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS

BREVES EXPOSIÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS BREVES EXPOSIÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS Kelen Campos Benito 1 Bruno Souza Garcia 2 Resumo: O presente trabalho tem por finalidade discutir os Direitos Humanos que são os Direitos Fundamentais do homem.

Leia mais

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 Cidadania Europeia Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 O que é a cidadania? Vínculo jurídico entre o indivíduo e o respectivo Estado, traduz-se num conjunto de direitos e deveres O relacionamento

Leia mais

OS CONTRATUALISTAS E A QUESTÃO DO ESTADO

OS CONTRATUALISTAS E A QUESTÃO DO ESTADO OS CONTRATUALISTAS E A QUESTÃO DO ESTADO Thomas Hobbes (1588-1679) As teorias acerca dos fundamentos do Estado moderno começam a receber formulações mais completas a partir do século XVII com o pensador

Leia mais

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161º da Constituição, para valer como lei geral da República, o seguinte:

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161º da Constituição, para valer como lei geral da República, o seguinte: Lei Nº 26/2000 de 23 de Agosto Aprova a organização e ordenamento do ensino superior A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161º da Constituição, para valer como lei geral

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA ROMÉNIA SOBRE PROMOÇÃO E PROTECÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS

ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA ROMÉNIA SOBRE PROMOÇÃO E PROTECÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS Decreto n.º 23/94 de 26 de Julho Aprova o Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Roménia sobre Promoção e Protecção Recíproca de Investimentos Nos termos da alínea c) do n.º 1 do

Leia mais

2. O diploma legal hierarquicamente superior da ordem jurídica dos Estados Democráticos de Direito da atualidade denomina-se: Escolher uma resposta.

2. O diploma legal hierarquicamente superior da ordem jurídica dos Estados Democráticos de Direito da atualidade denomina-se: Escolher uma resposta. Direitos Humanos de 1 a 4 Aula Tema 1 1. Os direitos humanos fundamentais e o poder político coexistem sob a égide do sistema de três Poderes harmônicos e independentes entre si, formulado por Montesquieu.

Leia mais

Estatutos da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005 e Bissau/2006) Artigo 1º (Denominação) A, doravante designada por CPLP, é o foro multilateral privilegiado para o aprofundamento

Leia mais

A CRISE DO SISTEMA FEUDAL

A CRISE DO SISTEMA FEUDAL A CRISE DO SISTEMA FEUDAL O DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA FEUDAL NA EUROPA OCIDENTAL O apogeu do feudalismo ocorre entre os séculos IX e XIII; 4. CAUSAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO FEUDALISMO Fim das invasões

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO 12ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2014/2015

PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO 12ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2014/2015 Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO 12ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2014/2015 (Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho, alterado pelo Decreto-Lei nº 91/2013,

Leia mais

REVOLUÇÃO INGLESA: PURITANA E GLORIOSA

REVOLUÇÃO INGLESA: PURITANA E GLORIOSA NOME: ANO: 8º TURMA: ENS. FUND. II DATA: / /2014 PROF.: Ariany Galvão ATIVIDADE COMPLEMENTAR História (2º BIMESTRE) REVOLUÇÃO INGLESA: PURITANA E GLORIOSA UMA INTRODUÇÃO A Revolução Inglesa do século XVII

Leia mais