ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br"

Transcrição

1 - Aula 5 - MEMÓRIA SECUNDÁRIA 1. INTRODUÇÃO Por maior que seja a memória principal, ela sempre será considerada muito pequena, pois é necessário armazenar mais informações do que ela suporta. Outro fator é a memória principal tratar-se de uma memória volátil, sendo todos os dados perdidos quando o computador é desligado. A memória secundária está associada ao tempo de acesso/ciclo de memória, pois em geral são dispositivos eletromecânicos e raramente circuitos puramente eletrônicos - possuem tempo de acesso maior. Discos do tipo CD-ROM: 120 a 300 ms, por exemplo, fitas magnéticas - ordem dos segundos. Esse tipo de memória possui maior capacidade, variando bastante dependendo do tipo de dispositivo utilizado. Exemplos: Discos rígidos, CD-ROM/DVD, fitas magnéticas (a capacidade depende do comprimento da fita e da densidade de gravação). É um tipo de memória não volátil, oferecendo armazenamento com caráter permanente ou, pelo menos, de longo período de armazenamento. 2. HIERARQUIA DE MEMÓRIA A solução tradicional para o armazenamento de uma grande quantidade de dados é baseada na técnica da hierarquia de memória. No topo da pirâmide encontram-se as memórias mais rápidas, porém com pouca capacidade de armazenamento e na base as memórias mais lentas, contudo com uma capacidade de armazenamento considerável. Na medida em que se chega à base da pirâmide, se verificam três parâmetros: - Tempo de acesso; - Capacidade da memória; - Custo. Neste último, fica claro que as memórias do topo da pirâmide são muito mais caras que as demais. 1

2 3. DISCOS MAGNÉTICOS Figura 1 - Pirâmide de memória Um disco magnético é composto por um ou mais pratos de alumínio, cobertos por material magnetizável com diâmetro de 3 a 12 cm. Possui uma cabeça que flutua rente à superfície do prato em um colchão de ar, sustentado por uma bobina de indução. Quando uma corrente positiva ou negativa passa pela cabeça, ela magnetiza a superfície bem abaixo de sua posição, alinhando as partículas magnéticas para a esquerda ou para a direita, dependendo da polaridade da corrente de magnetização. Quando a cabeça passa por uma área magnetizada, uma corrente positiva ou negativa é induzida, tornando possível a leitura dos bits armazenados anteriormente. A seqüência circular de bits escrita enquanto o disco executa uma rotação completa é chamada de trilha. Cada trilha é dividida em setores de tamanho fixo, em geral com 512 bytes, precedidos de um preâmbulo que permite que a cabeça entre em sincronismo antes de uma leitura ou de uma escrita. Entre dois setores existe um pequeno espaço chamado de distância intersetores. Figura 2 - Leitura/Gravação em disco rígido 2

3 Os discos possuem braços móveis que se movimentam na direção do eixo em torno do qual o prato gira. Uma trilha é definida entre dois passos consecutivos do motor. Portanto, as trilhas são um conjunto de círculos concêntricos em torno do eixo de rotação do prato. A largura de uma trilha depende do tamanho da cabeça e da precisão com que o motor de passo pode posicionar a cabeça. Discos com essas características são chamados de Winchester ou Hard Disc (HD). Figura 3 - Discos de um HD cilindro. O conjunto de trilhas determinado por uma posição radial é chamado de A performance de um disco depende de uma série de fatores como: - Seek (procura): Movimento do braço até a posição radial correta. - Rotação do disco: A maioria dos discos roda a 5400 ou 7200 RPM. Computadores de alta performance dispõe de rotação de RPM; - Tempo de transferência: Depende da rotação e da densidade linear. Figura 4 - Disco Rígido 3

4 Nos drives antigos, os fabricantes usavam densidade linear máxima para as trilhas mais internas, diminuindo sucessivamente a densidade linear de bits nas trilhas mais externas. Se um disco tivesse 18 setores por trilha, cada um deles ocuparia 20º de um arco, não importando o cilindro onde ele estivesse posicionado. Atualmente, os cilindros são divididos em zonas, e o número de setores por trilha aumenta em cada zona, da trilha mais interna em direção à mais externa. Essa estratégia dificulta o controle, mas aumenta a capacidade de armazenamento. É importante ressaltar que junto com cada drive vem um controlador de disco um chip. Alguns desses controladores possuem um processador completo. Alguns controladores também tratam o armazenamento temporário de vários setores, uma espécie de cache no disco, onde são mantidos os setores que serão usados no futuro e do mapeamento de setores defeituosos. 4. IDE IDE é uma interface padronizada pela American National Standard Institute (ANSI) em Novembro de 1990, que significa Integrated Drive Electronics, ou Eletrônica de Drive Integrada. Foi chamada, pela ANSI de Advanced Technology Attachment (ATA). Atualmente diversos dispositivos (como CD-ROM, Zip-drive, etc), inclusive discos rígidos, utilizam essa tecnologia, que consiste basicamente em integrar a controladora dentro do próprio dispositivo. Não existe "controladora IDE", a interface IDE é apenas uma porta, uma interface, não havendo nenhum controle envolvido. Todo o controle está no próprio dispositivo. O padrão IDE original (na verdade o BIOS dos micros antigos) possui um limite que não permite o acesso a discos maiores que 504 MB. Essa limitação foi quebrada quando foi inventado o modo LBA (Logical Block Addressing - Endereçamento Lógico de Setores). O padrão IDE suportando o modo LBA passou a ser chamado IDE-2, E-IDE (Enhanced IDE), ATA- 2 ou ATAPI (AT Attachment Packet Interface). Com essa modificação (E-IDE) foi criada o protocolo ATAPI que permitiu que a porta IDE pudesse ser utilizada por outros dispositivos IDE além do disco rígido. Os discos IDE são acessados através de um modo chamado PIO (Processor ou Programmed I/O) ou DMA (Direct Memory Access Acesso Direto a Memória). Junto com o E- IDE foram criados dois novos modos PIO além dos já existentes na época: PIO modo 3 (taxas de transferência de até 11,1 MB/s) e PIO modo 4 (taxas de transferências de até 16,6 MB/s). Esses dois modos PIO são genericamente chamados Fast IDE. Os modos mais recentes são chamados Ultra DMA, que são modos que atingem taxas de transferência mais elevadas. 4

5 Características: Aceita somente dois periféricos por IDE, um deles trabalhando como Master e outro como Slave. Normalmente, um microcomputador possui duas IDE s, o que permite a instalação de até quatro periféricos. As IDE s dos 486 não suportam, em geral, HD s com mais de 528MB. Para estes casos, era necessário um software (DiskMananger) que tornava isto possível. A BIOS de microcomputadores Pentium e de tecnologias similares (AMD K6 ou 586) e posteriores, suportavam, em geral HD s com mais de 528MB, pois possuíam um recurso chamado LBA. As atuais IDE s têm taxa de transferência igual ou superior a 133 MHz. No computadores modernos as IDE s identificam os dispositivo a ela conectados. 5. SERIAL ATA SATA (Serial Advanced Technology Attachment) É o sucessor da tecnologia ATA (acrônimo de Advanced Technology Attachmen também conhecido como IDE ou Integrated Drive Electronics) que foi renomeada para PATA (Parallel ATA) para se diferenciar de SATA. Diferentemente dos discos rígidos IDE, que transmitem os dados através de cabos de quarenta ou oitenta fios paralelos, o que resulta num cabo enorme, os discos rígidos SATA transferem os dados em série. Os cabos Serial ATA são formados por dois pares de fios (um par para transmissão e outro par para recepção) usando transmissão diferencial, e mais três fios terra, totalizando 7 fios, o que permite usar cabos com menor diâmetro que não interferem na ventilação do gabinete. A porta IDE tradicional transfere dados de forma paralela. A vantagem da transmissão paralela é que ela é mais rápida do que a transmissão em série, pois transmite vários bits por vez. Sua grande desvantagem, porém, é em relação ao ruído. Como terão de existir muitos fios (pelo menos um para cada bit a ser transmitido por vez), um fio gera interferência no outro. É por esse motivo que os discos rígidos ATA-66 e superiores precisam de um cabo especial, de 80 vias. No Serial ATA, por outro lado, a transmissão dos dados é feita de modo serial, ou seja, transmitindo um bit por vez. É comum deduzir que a transmissão serial é mais lenta que a transmissão em paralelo. Isto só é verdade se compararmos os dois tipos de transmissão usando a mesma taxa de clock. Neste caso a transmissão paralela será pelo menos oito vezes mais rápida, já que pelo menos oito bits (um byte) serão transmitidos por pulso de clock, enquanto que na transmissão serial apenas um bit será transmitido por pulso de clock. No entanto, se um clock maior for usado na transmissão serial, ela pode ser mais rápida do que a transmissão paralela. Isto é exatamente o que acontece com o Serial ATA. No caso da interface IDE isso não é possível devido a interferência causada entre os condutores caso haja o aumento da interferência eletromagnética. 5

6 6. DISCOS SCSI ( scuzzy ) SCSI (Small Computer System Interface) é uma interface de alta velocidade usadas entre o disco rígido e a placa mãe, permitindo que também outros periféricos de hardware compartilhem o uso (tape drives, CDROM, Impressoras, Scanners, etc ). Isto torna o acesso mais rápido e flexível. Desenvolvida pela Apple Computer e ainda usada pela Macintosh, as interfaces SCSI são paralelas e freqüentemente usadas em servidores, sendo compatível com a maioria dos sistemas operacionais. O SCSI é muito mais que um padrão de interface para discos rígidos, ele define um barramento no qual podem ser pendurados um controlador de discos SCSI e até sete dispositivos. Normalmente existem de 8 à 15 endereços que são configurados por jumpers, microchaves (computadores antigos) ou software de setup (computadores modernos). 7. DISCOS SAS (Serial Attached SCSI) Com a introdução do Serial ATA, o barramento SCSI perdeu grande parte de seus atrativos, já que o SATA oferece uma grande parte das vantagens que antes eram atribuídas ao SCSI e, ao mesmo tempo, oferece um sistema de cabeamento mais simples. O SCSI conviveu com o padrão IDE por mais de duas décadas, o SAS está destinado a concorrer com o SATA, com cada um entrincheirado em seu respectivo nicho: o SATA nos micros domésticos e servidores de baixo custo e o SAS em servidores maiores e estações de trabalho. As versões iniciais do SAS suportavam taxas de transferência de 150 e 300 MB/s. Recentemente foi introduzido o padrão de 600 MB/s e passou a ser desenvolvido o padrão seguinte, de 1.2 GB/s. A evolução é similar à do padrão SATA, porém o SAS tende a ficar sempre um degrau acima. A maior velocidade é necessária, pois o SAS permite o uso de extensores (expanders), dispositivos que permitem ligar diversos discos SAS a uma única porta. Existem dois tipos de extensores SAS, chamados de "Edge Expanders" e "Fanout Expanders". Os Edge Expanders permitem ligar até 128 discos na mesma porta, enquanto os Fanout Expanders permitem conectar até 128 Edge Expanders (cada um com seus 128 discos), chegando a um limite teórico de até discos por porta SAS. O SAS permite o uso de cabos de até 6 metros, contra apenas 1 metro no SATA. A maior distância é necessária ao conectar um grande número de extensores, já que eles são grandes, e os últimos tendem a ficar fisicamente afastados do servidor. 6

7 8. RAID O RAID (Redundant Array of Independent Disks Matriz Redundante De Discos Independentes) é um dos grandes atrativos que até antes, estava disponível apenas para dispositivos e controladoras de tecnologia SCSI. RAID é o nome dado às técnicas de transferência e armazenamento de dados implementados automaticamente por controladoras especiais, isto significa que nem todas controladores são capazes de oferecer RAID. O RAID é absolutamente transparente para o sistema operacional. O RAID é um recurso muito utilizado para melhorar performance ou segurança de dados ou sistemas. Algumas controladoras RAID também possibilitam o hot-swap dos dispositivos, isto é, a troca de um HD com tudo ligado no sistema e sem possibilidade de danos. Cabe ressaltar que RAID s são mais comuns em controladores SCSI, pois suportam uma maior quantidade de discos rígidos Níveis de implementação RAID a) RAID 0 STRIPING O RAID nível 0, também conhecido por striping, consiste em dividir os dados regularmente entre dois ou mais dispositivos de armazenamento. Suponha hipoteticamente que a palavra revista esteja sendo armazenada numa matriz RAID 0 de três discos rígidos. Ao primeiro HD caberá armazenada as letras ria, ao segundo as letras es, e ao terceiro vt. Em tese, o armazenamento ocorrerá simultaneamente nos três HD s, o que pode, potencialmente, triplicar a performance de escrita ou leitura se houver três canais paralelos. Na verdade, a performance dificilmente multiplicará aquela conseguida com discos rígidos individuais. O envio dos dados pode não ser totalmente concorrente, mas é evidente que as controladoras que oferecem o RAID 0 estão otimizadas para realizar as tarefas de forma mais paralela possível entre diversos discos rígidos gerenciados. Tanto a leitura quanto a escrita serão beneficiadas. A maior fraqueza do RAID 0 é a vulnerabilidade da matriz. A chance de um dispositivo falhar é tanto maior quanto maior a quantidade de elementos constituintes. Se um deles falhar não haverá maneira de recuperar dado nenhum. O RAID 0 não é considerado RAID de fato, pois uma das características dessa tecnologia é oferecer proteção e integridade dos dados. 7

8 Figura 5 - RAID 0 b) RAID 1 MIRRORING O nível 1 realmente é uma técnica RAID reconhecida. A técnica de espelhamento duplica completamente os dados entre dois dispositivos de armazenamento. Normalmente as controladoras RAID recomendam que os dois dispositivos páreos estejam em canais de controle deferentes, justamente para permitir o envio de dados simultaneamente aos dois dispositivos e reduzir ao máximo qualquer risco de perda de dados. As controladoras RAID mais refinadas permitem manter duplicatas em mais de um disco secundário e, além disso, permitem o hot-swap, que só faz sentido no espelhamento. O termo redundante deve-se totalmente ao RAID 1 e aos outros níveis reconhecidos, afinal o RAID 0 naturalmente não tem redundância nenhuma. No caso do RAID 1 se uma das unidades falhar, a que resta no sistema é automaticamente empregada. Qualquer tipo de falha retornada por uma das unidades desse tipo de matriz faz a controladora marcá-la como ruim sinalizando a ocorrência ao usuário assim que possível. OBSERVAÇÃO: Algumas aplicações vitais pouco se importam se há um impacto negativo na performance. O que mais importa é o máximo de integridade aos dados e é por isso que o RAID faz sucesso em muitas corporações. Figura 6 - Escrita e leitura 8

9 c) RAID 2 O RAID 2 é similar ao RAID 4, mas armazena informação ECC (Error Correcting Code), que é a informação de controle de erros, no lugar da paridade. Este fato possibilita uma pequena proteção adicional, porém o RAID 2 ficou obsoleto pelas novas tecnologias de disco já possuírem este tipo de correção internamente. O RAID 2 origina uma maior consistência dos dados se houver queda de energia durante a escrita. Baterias de segurança e um encerramento correto podem oferecer os mesmos benefícios. A grande vantagem é o uso de técnicas de ECC, contudo hoje em dia há tecnologias melhores para o mesmo fim. Figura 7 - RAID 2 d) RAID 3 O RAID 3 é uma versão simplificada do RAID nível 2. Nesse arranjo, um único bit de paridade é computado para cada palavra de dados e escrito em um drive de paridade. À primeira vista, pode parecer que um único bit de paridade dá somente detecção de erro, e não correção de erro. Para o caso de erros aleatórios não detectados, essa observação é verdadeira. Todavia, para o caso de uma falha de drive, ela provê correção total de erros de um bit, uma vez que a posição do bit defeituoso é conhecida. Se um drive falhar, o controlador apenas finge que todos os seus bits são "zeros". Se uma palavra apresentar erro de paridade, o bit que vem do drive extinto deve ter sido um "um", portanto, é corrigido. A fim de evitar o atraso em razão da latência rotacional, o RAID 3 exige que todos os eixos das unidades de disco estejam sincronizados. A maioria das unidades de disco mais recentes não possuem a opção de sincronização do eixo, ou se são capazes disto, faltam os conectores necessários, cabos e documentação do fabricante. Tem como vantagens a leitura e escrita rápida e possui controle de erros, contudo é de difícil implementação via software. 9

10 Figura 8 - RAID 3 e) RAID 4 Funciona com dois ou mais discos iguais. Um dos discos guarda a paridade (uma forma de soma de segurança) da informação contida nos discos. Se algum dos discos avariar, a paridade pode ser imediatamente utilizada para reconstituir o seu conteúdo. Os discos restantes, usados para armazenar dados, são configurados para usarem segmentos suficientemente grandes (tamanho medido em blocos) para acomodar um registro inteiro. Isto permite leituras independentes da informação armazenada, fazendo do RAID 4 um array perfeitamente ajustado para ambientes transacionais que requerem muitas leituras pequenas e simultâneas. O RAID 4 assim como outros RAID's, cuja característica é utilizarem paridade, usam um processo de recuperação de dados mais envolvente que arrays espelhados, como RAID 1. Este nível também é útil para criar discos virtuais de grande dimensão, pois consegue somar o espaço total oferecido por todos os discos, exceto o disco de paridade. O desempenho oferecido é razoável nas operações de leitura, pois podem ser utilizados todos os discos em simultâneo. Sempre que os dados são escritos no array, as informações são lidas do disco de paridade e um novo dado sobre paridade deve ser escrito para o respectivo disco antes da próxima requisição de escrita ser realizada. Por causa dessas duas operações de I/O, o disco de paridade é o fator limitante do desempenho total do array. As vantagens são a leitura rápida e a possibilidade do aumento de área de discos físicos, contudo a gravação é lenta. 10

11 f) RAID 5 O RAID 5 é freqüentemente usado e funciona similarmente ao RAID 4, mas supera alguns dos problemas mais comuns sofridos por esse tipo. As informações sobre paridade para os dados do array são distribuídas ao longo de todos os discos do array, ao invés de serem armazenadas num disco dedicado, oferecendo assim mais desempenho que o RAID 4, e, simultaneamente, tolerância a falhas. Para aumentar o desempenho de leitura de um array RAID 5, o tamanho de cada segmento em que os dados são divididos pode ser otimizado para o array que estiver a ser utilizado. O desempenho geral de um array RAID 5 é equivalente ao de um RAID 4, exceto no caso de leituras seqüenciais, que reduzem a eficiência dos algoritmos de leitura por causa da distribuição das informações sobre paridade. A informação sobre paridade é distribuída por todos os discos; perdendo-se um, reduz-se a disponibilidade de ambos os dados e a paridade, até à recuperação do disco que falhou. Isto causa degradação do desempenho de leitura e de escrita. Suas vantagens são a maior rapidez com tratamento de ECC e leitura rápida, porém escrita não tão rápida e impõe um sistema complexo de controle dos HDs. g) RAID 6 Figura 9 - RAID 5 É um padrão relativamente novo, suportado por apenas algumas controladoras. É semelhante ao RAID 5, porém usa o dobro de bits de paridade, garantindo a integridade dos dados caso até 2 dos HDs falhem ao mesmo tempo. Ao usar 8 HDs de 20 GB cada um em RAID 6, teremos 120 GB de dados e 40 GB de paridade. Sua vantagem é a possibilidade de falhar dois HDs ao mesmo tempo sem perdas e suas desvantagens são que precisam de N+2 HDs para implementar por causa dos discos de paridade, possui escrita lenta e implementa um sistema complexo de controle dos HDs. 11

12 h) RAID 0+1 O RAID é uma combinação dos níveis 0 (Striping) e 1 (Mirroring), onde os dados são divididos entre os discos para melhorar o rendimento, mas também utilizam outros discos para duplicar as informações. Assim, é possível utilizar o bom rendimento do nível 0 com a redundância do nível 1. No entanto, é necessário pelo menos 4 discos para montar um RAID desse tipo. Tais características fazem do RAID o mais rápido e seguro, porém o mais caro de ser implantado. No RAID 0+1, se um dos discos vier a falhar, o sistema vira um RAID 0. As Vantagens são a segurança contra perda de dados, pois pode falhar metade dos HDs ao mesmo tempo, porém deixando de ser RAID As desvantagens são o alto custo de expansão de hardware (custo mínimo = 2N HDs) e os drives devem ficar em sincronismo de velocidade para obter a máxima performance. i) RAID Figura 10 - RAID O RAID 1+0, ou 10, exige ao menos 4 discos rígidos. Cada par será espelhado, garantindo redundância, e os pares serão distribuídos, melhorando desempenho. Até metade dos discos pode falhar simultaneamente, sem colocar o conjunto a perder, desde que não falhem os dois discos de um espelho qualquer - razão pela qual usam-se discos de lotes diferentes de cada lado do espelho. É o nível recomendado para bases de dados, por ser o mais seguro e dos mais velozes, assim como qualquer outro uso onde a necessidade de economia não se sobreponha à segurança e desempenho. A vantagem é a segurança contra perda de dados, pois pode falhar um ou dois dos HDs ao mesmo tempo, dependendo de qual avaria. No entanto, impõe custo de expansão de hardware (custo mínimo = 2N HDs) e os drivers devem ficar em sincronismo de velocidade para obter a máxima performance. 12

13 Figura 11 - RAID j) RAID 50 É um arranjo híbrido que usa as técnicas de RAID com paridade em conjunção com a segmentação de dados. Um arranjo RAID-50 é essencialmente um arranjo com as informações segmentadas através de dois ou mais arranjos. Veja o esquema representativo abaixo: Suas vantagens são a alta taxa de transferência e ótimo para uso em servidores. No entanto impõe um alto custo de implementação e expansão de memória. Figura 12 - RAID 50 k) RAID

14 O RAID 100 basicamente é composto do RAID Normalmente ele é implementado utilizando uma combinação e software e hardware, ou seja, implementa-se o RAID 0 via software sobre o RAID 10 via Hardware. Figura 13 - RAID

15 9. CD/DVD ROM s Figura 14 - Esquemas de RAID Os discos ópticos têm uma densidade de gravação muito mais alta que a dos discos magnéticos convencionais. Originalmente foram desenvolvidos para armazenar programas de televisão, mas acabaram sendo usados como dispositivos de armazenamento de dados em computadores. A representação dos números 0 e 1 dão-se por milhões de pequenas depressões e elevações de 0,8 mícrons de diâmetro, sendo que as depressões são identificadas como números zero e as áreas planas como números 1. 15

16 Para criar estes CDs, os fabricantes pegam uma camada fina de plástico policarbonato e usam um laser poderoso para marcar as depressões. Estas marcas formam uma enorme espiral que parte do centro do disco em direção à extremidade. Quando a placa de policarbonato está pronta, uma fina camada de alumínio reflexivo é colocada sobre o disco. Por fim, é aplicada uma camada de acrílico para proteger o alumínio contra riscos. Como deu para perceber, é um processo extremamente complexo e que só é viável quando o objetivo é produzir milhares de cópias do mesmo disco. Justamente por isso, o CD-ROM foi durante muitos anos uma mídia usada apenas para a leitura de arquivos. Reprodução dos CD s: a) Um motor gira a mídia à uma velocidade variável para que, independentemente da área do disco que está sendo lida, as marcas (depressões e áreas planas) passem pelo leitor sempre à mesma velocidade. b) O laser projeta um raio concentrado de luz que é focalizado por uma lente e por uma bobina focalizadora. Este raio atravessa a camada protetora do CD e atinge a camada reflexiva (de alumínio). c) A superfície da camada reflexiva apresenta áreas com elevações e depressões. As elevações são a área plana do disco (números 1). Já as depressões são as marcas que foram feitas durante a gravação do CD (números 0). d) Quando a luz atinge uma depressão, ela é dispersada. Já quando ela acerta uma elevação, é refletida diretamente para o detector, onde passa por um prisma que desvia o raio para um diodo sensível à luz. e) Cada pulso de luz que atinge o diodo sensível à luz gera uma pequena voltagem elétrica. Estas voltagens são comparadas com um circuito de tempo e dão origem a uma corrente de zeros e uns que são compreendidos pelo computador. 16

17 C B A D E Figura 15 - Compact Disk Velocidade de Giro A figura ao lado mostra os pontos A e B de um disco. Se você girar o CD uma vez, os dois pontos levarão o mesmo tempo para voltar à posição de origem. Mas como a curva de espiral em que A se encontra tem um número muito maior de marcas que a curva onde está o ponto B, se o disco for girado a uma velocidade constante, o ponto A passará pelo leitor a uma velocidade muito maior que o ponto B. Portanto, para que todas as marcas do CD passem pelo leitor à mesma velocidade, é preciso que o disco gire mais rápido quando o laser estiver lendo as informações na parte central da mídia e mais lentamente quando estiver lendo os dados gravados na parte externa do disco. Para possibilitar a gravação de CDs em casa, foi preciso que a indústria desenvolver outros tipos de mídia: o CD-R (CD-recordable disc, ou disco gravável) e o CD-RW [CDrewritable discs, ou CD regravável). A diferença do CD-R em relação ao CD convencional é que em vez de três, ele apresenta cinco camadas: 17

18 a primeira é a superfície de proteção, que protege o disco contra riscos; a segunda é a camada de laqueamento, que também tem a função de proteger o CD; a camada reflexiva reflete o raio do laser, só que em vez de alumínio, como nos CDs convencionais, nos CD-Rs ela é composta por uma liga de ouro; na camada de gravação são gravados os dados. Ela pode ser formada por cianino, fitohalocano ou metal azo; por último vem a base plástica, que nada mais é que uma camada de policarbonato com sulcos em foma de espiral que guiam o laser do gravador. Quando o CD-R é novo, toda sua superfície é translücida. Na hora da gravação, o laser de escrita que é muito mais poderoso que o de leitura aquece determinados pontos da camada de gravação, até que eles fiquem opacos e não deixem mais a luz passar. Isto cria um efeito equivalente ao das depressões nos CDs convencionais. Como esta alteração é causada pelo calor do laser, muita gente usa a expressão queimar um CD para se referir á gravação. A composição de um CD-RW é parecida. As camadas de proteção e de laqueamento são idênticas às dos CD s-r. Depois delas vêm as camadas dielétricas, que revestem a camada de gravação de modo a eliminar o calor em excesso durante as mudanças de fase no material cristalino. No meio delas fica a camada de gravação, que é composta por um material cristalino que mistura prata, antimônio e telúrio. Se ela receber raios de urna temperatura alta, ficará opaca e registrará os dados. Caso seja submetida a temperaturas médias, o material mudará de estado e voltará a ficar translúcido. Já se for atingida por raios de temperatura baixa, o laser apenas lerá os dados. Por fim vem a base plástica, que assim como no CD-R, apresenta os sulcos que guiarão o laser durante a gravação. Gravação de CD s: a) O laser de escrita segue o sulco pré-impresso no CD, que o guia pela espiral do disco, partindo da parte interna da mídia em direção à externa. b) Conforme segue a espiral, a cabeça de escrita controla a velocidade do motor que gira o CD de forma que a área do disco sobre a cabeça de escrita se mova sempre à mesma velocidade. c) O software usado para gravar os CDs envia as informações que serão salvas no disco. d) A camada de gravação absorve a energia do laser de gravação, gerando pontos opacos ao longo da espiral do disco. e) Na hora de ler este CD, o drive de CD-R ou de CD-ROM usa um raio laser menos poderoso. Nos pontos da superfície que estão translúcidos, a camada reflexiva manda o raio direto para a cabeça de leitura. Já quando o raio encontra um ponto opaco, ele é 18

19 distorcido e não volta para a cabeça de leitura.a partir daí, o processo é igual ao usado na leitura de um CD convencional. Figura 16 - Método de gravação de CD - 1 Os discos de DVD podem ter um ou dois lados. As mídias com um único lado gravado são compostas por quatro camadas: Uma de policarbonato, que serve de sustentação para as camadas seguintes; uma camada opaca, que é usada para a gravação de dados; urna camada de filme transparente, que também armazena dados; e por fim uma camada de plástico protetor, que protege o disco. Nos discos de DVD com dois lados, as camadas opaca, de filme transparente e de plástico protetor se repetem do outro lado do disco, como mostra a ilustração principal desta página. Veja agora como os drives de DVD lêem as informações gravadas nos discos. Funcionamento: a) Assim como acontece nos CDs-ROM, os dados são representados no disco por áreas elevadas e depressões, que correspondem aos números 1 e 0. A diferença é que os pontos no DVD são muito menores que os usados nos CDs-ROM. O laser que faz a leitura também é mais preciso, para identificar pontos tão pequenos. b) Mudando a quantidade de corrente que parte do canhão de laser, a cabeça de leitura do DVD player força o raio de forma que ele se concentre apenas na camada de filme transparente. Quando o laser atinge uma depressão, ele reflete a luz em todas as direções. Já quando atinge uma área lisa, ele a manda de volta para a cabeça de leitura, 19

20 onde um prisma desvia a luz para um dispositivo que converte a energia em eletricidade. O computador interpreta os pulsos elétricos como códigos e informações. c) Quando o laser termina de ler todas as informações do filme transparente, o canhão muda o foco do laser, para que ele atravesse esta primeira camada e passe a ler os pontos na camada opaca. d) As espirais de dados gravadas nas duas camadas do DVD seguem caminhos opostos. A espiral do filme transparente parte da área externa do disco em direção ao centro e a da camada opaca parte do centro em direção à área externa do disco, mas durante toda a leitura, o DVD gira no mesmo sentido. Nos DVDs com dois lados gravados, é preciso virar o disco para que o outro lado da mídia seja lido, já que os drives de DVD apresentam apenas um leitor ótico. Figura 17 - Método de gravação de CD

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Hardware de Computadores

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Hardware de Computadores Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Hardware de Computadores 1 O disco rígido, é um sistema de armazenamento de alta

Leia mais

Admistração de Redes de Computadores (ARC)

Admistração de Redes de Computadores (ARC) Admistração de Redes de Computadores (ARC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - Campus São José Prof. Glauco Cardozo glauco.cardozo@ifsc.edu.br RAID é a sigla para Redundant

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária

Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária Arquitetura e Organização de Computadores Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2008 Tópicos Processadores Memória Principal Memória

Leia mais

O que é RAID? Tipos de RAID:

O que é RAID? Tipos de RAID: O que é RAID? RAID é a sigla para Redundant Array of Independent Disks. É um conjunto de HD's que funcionam como se fosse um só, isso quer dizer que permite uma tolerância alta contra falhas, pois se um

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária

Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Tópicos Processadores Memória Principal Memória Secundária

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 07: Memória Secundária MEMÓRIA SECUNDÁRIA Discos magnéticos: Organização do disco magnético em faces, trilhas e setores; Tipos de discos magnéticos Discos óticos: CD/DVD/BluRay

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Memória Externa Material adaptado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Tipos de Memória Externa Disco Magnético

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Memória Externa Slide 1 Sumário Disco Magnético RAID Memória Óptica Slide 2 Disco Magnético O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou

Leia mais

AVALIAÇÃO À DISTÂNCIA 1 GABARITO

AVALIAÇÃO À DISTÂNCIA 1 GABARITO Fundação CECIERJ - Vice Presidência de Educação Superior a Distância Curso de Tecnologia em Sistemas de Computação UFF Disciplina INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA... AD1 2 semestre de 2008. Data... AVALIAÇÃO À

Leia mais

O RAID foi proposto em 1988 por David A. Patterson, Garth A. Gibson e Randy H. Katz na publicação "Um

O RAID foi proposto em 1988 por David A. Patterson, Garth A. Gibson e Randy H. Katz na publicação Um AID - Wikipédia, a enciclopédia livre de 10 5/10/2009 16:30 Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Redundant Array of Independent Drives, também denominado Redundant Array of Inexpensive Drives ou mais

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Aula 16: Entrada e Saída: Estudo de Caso Diego Passos Última Aula Software de Entrada e Saída. Subsistema de E/S. Conjunto de camadas de abstração para realização de

Leia mais

Motivação. Sumário. Hierarquia de Memória. Como registramos nossas histórias (num contexto amplo)?

Motivação. Sumário. Hierarquia de Memória. Como registramos nossas histórias (num contexto amplo)? Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Aplicadas e Educação Departamento de Ciências Exatas Motivação ACII: Armazenamento Secundário Prof. Rafael Marrocos Magalhães professor@rafaelmm.com.br

Leia mais

Arquitetura de Computadores Armazenamento Secundário

Arquitetura de Computadores Armazenamento Secundário Memória Secundária Arquitetura de Computadores Armazenamento Secundário Memória de grande capacidade (dezenas de Gigabytes). Armazenamento massivo. Implementada em meio magnético (hard disk, fitas magnéticas)

Leia mais

Aula 04 B. Interfaces. Prof. Ricardo Palma

Aula 04 B. Interfaces. Prof. Ricardo Palma Aula 04 B Interfaces Prof. Ricardo Palma Interface SCSI SCSI é a sigla de Small Computer System Interface. A tecnologia SCSI (pronuncia-se "scuzzy") permite que você conecte uma larga gama de periféricos,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR DISCO MAGNÉTICO O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou de plástico,

Leia mais

Fundamentos de Hardware

Fundamentos de Hardware Fundamentos de Hardware Unidade 8 - Periféricos de armazenamento Curso Técnico em Informática SUMÁRIO PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO... 3 DISCO RÍGIDO (HD)... 3 TECNOLOGIAS DE TRANSFERÊNCIA... 3 IDE/ATA/PATA...

Leia mais

Arquitetura de Computadores Armazenamento Secundário

Arquitetura de Computadores Armazenamento Secundário Memória Secundária Arquitetura de Computadores Armazenamento Secundário Memória de grande capacidade (dezenas de Gigabytes). Armazenamento massivo. Implementada em meio magnético (hard disk, fitas magnéticas)

Leia mais

DISCOS RÍGIDOS. O interior de um disco rígido

DISCOS RÍGIDOS. O interior de um disco rígido Serve para guardarmos os ficheiros de forma aleatória e de grande tamanho São constituídos por discos magnéticos (pratos) de lâminas metálicas extremamente rígidas (daí o nome de disco rígido). Esses discos

Leia mais

Setores Trilhas. Espaço entre setores Espaço entre trilhas

Setores Trilhas. Espaço entre setores Espaço entre trilhas Memória Externa Disco Magnético O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou plástico, coberto com um material que poder magnetizado. Os dados são gravados e posteriormente lidos do

Leia mais

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 03 Segurança off- line. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 03 Segurança off- line. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 03 Segurança off- line Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Cenário off- line (bolha) 2 Roubo de Informação Roubo de Informação - Acesso físico

Leia mais

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Memória

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Memória Infra-Estrutura de Hardware Conceitos Básicos Memória Prof. Edilberto Silva www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Sumário Bits de Memória Ordem de Bytes Conceitos Básicos Memória Secundária Códigos de Correção

Leia mais

HIERARQUIA DE MEMÓRIAS

HIERARQUIA DE MEMÓRIAS MEMÓRIA SECUNDARIA HIERARQUIA DE MEMÓRIAS Memórias Memória Secundaria Memória Terciária Sigla NOME TECNOLOGIA ROM Read Only Memory (memória somente de leitura) Gravada na fábrica uma única vez PROM EPROM

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 6 Memória externa slide 1 Tipos de memória externa Disco magnético: RAID. Removível. Óptica: CD-ROM. CD-Recordable (CD-R).

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

HD (Hard Disk) DISCO RÍGIDO

HD (Hard Disk) DISCO RÍGIDO HD (Hard Disk) DISCO RÍGIDO HISTÓRIA O primeiro disco rígido (o IBM 350) foi construído em 1956, e era formado por um conjunto de nada menos que 50 discos de 24 polegadas de diâmetro, com uma capacidade

Leia mais

Níveis de RAID - RAID 0

Níveis de RAID - RAID 0 RAID RAID é acrônimo para Redundant Array of Inexpensive Disks. Este arranjo é usado como um meio para criar um subsistema de unidade de disco, rápido e confiável, através de discos individuais. RAID é

Leia mais

FUNDAMENTOS DE HARDWARE HD, DISCO RIGIDO OU WINCHESTER. Professor Carlos Muniz

FUNDAMENTOS DE HARDWARE HD, DISCO RIGIDO OU WINCHESTER. Professor Carlos Muniz FUNDAMENTOS DE HARDWARE HD, Disco Rígido ou Winchester O disco rígido - ou HD (HardDisk) - é o dispositivo de armazenamento permanente de dados mais utilizado nos computadores. Nele, são armazenados desde

Leia mais

Notas da Aula 16 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 16 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 16 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Disco Rígido: Visão Geral Há inúmeros dispositivos de E/S em um sistema computacional moderno. Por esta razão, é inviável do ponto de vista de

Leia mais

DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO AULA 11 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade

DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO AULA 11 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO AULA 11 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade O conteúdo deste documento é baseado no livro Princípios Básicos de Arquitetura e Organização de Computadores Linda

Leia mais

5.1 - Armazenamento em Disco

5.1 - Armazenamento em Disco CEFET-RS Curso de Eletrônica 5.1 - Armazenamento em Disco Aspectos Físicos F e Elétricos Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche.br Unidade 05.1.1 Armazenamento

Leia mais

Computador. Principais Características

Computador. Principais Características Computador Principais Características DISCO RÍGIDO HD SISTEMAS DE ARQUIVOS - WINDOWS IBM 305 RAMAC Ano 1956 Primeiro HD Um disco rígido ou HD, é um dispositivo composto por uma ou várias lâminas rígidas

Leia mais

Dispositivos de Armazenamento Magnéticos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Dispositivos de Armazenamento Magnéticos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Dispositivos de Armazenamento Magnéticos Prof. Marciano dos Santos Dionizio Dispositivos de Armazenamento Magnéticos Dispositivo magnético ou na situação a ser estudada, dispositivo de armazenamento magnético,

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas EQUIPAMENTOS ACTIVOS DE REDES José Vitor Nogueira Santos Ficha nº6-0833 21/09 1.Diga o que entende por Redundant

Leia mais

Dispositivos de Armazenamento em massa. José Roberto B. Gimenez

Dispositivos de Armazenamento em massa. José Roberto B. Gimenez Dispositivos de Armazenamento em massa José Roberto B. Gimenez 2 Estrutura da apresentação O meio físico de armazenamento Interfaces de conexão ATA, SCSI, FC RAID array Sistemas de Armazenamento DAS, NAS,

Leia mais

CD-ROM Compact Disc- Read Only Memory.

CD-ROM Compact Disc- Read Only Memory. CD-ROM Compact Disc- Read Only Memory. O CD-ROM é um pequeno disco plástico (policarbonato) com 1,2 mm de espessura, semelhantes aos CD s de música, e da mesma forma que estes, pode armazenar vastas quantidades

Leia mais

Capítulo 5 Gerência de Dispositivos

Capítulo 5 Gerência de Dispositivos DCA-108 Sistemas Operacionais Luiz Affonso Guedes www.dca.ufrn.br/~affonso affonso@dca.ufrn.br Capítulo 5 Gerência de Dispositivos Luiz Affonso Guedes 1 Luiz Affonso Guedes 2 Conteúdo Caracterização dos

Leia mais

Conhecendo o Disco Rígido

Conhecendo o Disco Rígido Conhecendo o Disco Rígido O disco rígido ou HD (Hard Disk), é o dispositivo de armazenamento de dados mais usado nos computadores. Nele, é possível guardar não só seus arquivos como também todos os dados

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Memória Secundária. Prof. Valeria M. Bastos 18/06/2012 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Memória Secundária. Prof. Valeria M. Bastos 18/06/2012 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade IV Gerência de Memória Secundária Prof. Valeria M. Bastos 18/06/2012 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Gerência de Entrada e Saída Gerência

Leia mais

Hardware Hard Disk. Prof. Felipe A. Pires

Hardware Hard Disk. Prof. Felipe A. Pires Hardware Hard Disk Prof. Felipe A. Pires O que é HD? HD ou Hard Disk (Disco rígido) é a parte do computador onde estão armazenados todos os dados ou informações do computador. É caracterizado como memória

Leia mais

Fundamentos da Computação Dispositivos de Armazenamento Entrada e Saída

Fundamentos da Computação Dispositivos de Armazenamento Entrada e Saída Fundamentos da Computação Dispositivos de Armazenamento Entrada e Saída Dispositivos de Memória Secundária; de Massa ou Armazenamento. Prof. Bruno Guilhen www.concursosdeti.com.br Unidades de armazenamento:

Leia mais

RAID RAID RAID. Fig. 5.17, pág. 226 do livro do Tanenbaum

RAID RAID RAID. Fig. 5.17, pág. 226 do livro do Tanenbaum RAID O DESEMPENHO DA CPU TEM DUPLICADO A CADA 18 MESES. NA DÉCADA DE 1970, O TEMPO DE SEEK VARIAVA DE 50 A 100 ms, NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI ESSE TEMPO ATINGE UM POUCO MENOS DE 10 ms => A DIFERENÇA

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Paralelismo a nível de disco A origem do RAID O

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática

Tópicos Especiais em Informática Tópicos Especiais em Informática RAID Prof. Ms.-Eng. Igor Sousa Faculdade Lourenço Filho 1 de outubro de 2014 igorvolt@gmail.com (FLF) Tópicos Especiais em Informática 1 de outubro de 2014 1 / 14 Introdução

Leia mais

Setores, trilhas, cabeças e cilindros.

Setores, trilhas, cabeças e cilindros. Aula 13 Arquitetura de Computadores 03/11/2008 Universidade do Contestado UnC/Mafra Curso Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber DISCO RÍGIDO Disco rígido, disco duro ou HD (Hard Disk) é a parte do

Leia mais

Sistemas de Armazenamento

Sistemas de Armazenamento M. Sc. isacfernando@gmail.com Especialização em Administração de Banco de Dados ESTÁCIO FIR Tipo de Não importa quanta memória seu smartphone tenha, ele nunca terá o bastante para guardar todas as suas

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída E/S E/S E/S E/S E/S

Dispositivos de Entrada e Saída E/S E/S E/S E/S E/S Dispositivos de Entrada e Saída Também chamados de: Periféricos Unidades de Entrada e Saída Destinam-se à captação de informações necessárias ao processamento pelo computador e na disponibilização da informação

Leia mais

Computação I. Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br

Computação I. Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br Computação I Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br MÓDULO I- Introdução à Informática Hardware Hardware? HARDWARE é a parte física do computador. É o conjunto de componentes mecânicos, elétricos

Leia mais

FUNDAMENTOS DE HARDWARE CD-ROM. Professor Carlos Muniz

FUNDAMENTOS DE HARDWARE CD-ROM. Professor Carlos Muniz FUNDAMENTOS DE HARDWARE CD-Rom Até pouco tempo atrás, as opções mais viáveis para escutar música eram os discos de vinil e as fitas cassete. Porém, a Philips, em associação com outras empresas, desenvolveu

Leia mais

AULA 2. Informática Básica. Gustavo Leitão. gustavo.leitao@ifrn.edu.br. Disciplina: Professor: Email:

AULA 2. Informática Básica. Gustavo Leitão. gustavo.leitao@ifrn.edu.br. Disciplina: Professor: Email: AULA 2 Disciplina: Informática Básica Professor: Gustavo Leitão Email: gustavo.leitao@ifrn.edu.br Índice Continuação aula anterior... Memória Barramento Unidades de armazenamento Periféricos Interfaces

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Hardware de Computadores

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Hardware de Computadores Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Hardware de Computadores 1 O disco rígido, é um sistema de armazenamento de alta

Leia mais

ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO

ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO Benefícios do Armazenamento Secundário: Espaço: grande quantidade de espaço disponível; Confiabilidade: altamente confiável; Conveniência: usuários autorizados

Leia mais

INSTITUTO MARTIN LUTHER KING CURSO PROCESSAMENTO DE DADOS DISCIPLINA: HARDWARE

INSTITUTO MARTIN LUTHER KING CURSO PROCESSAMENTO DE DADOS DISCIPLINA: HARDWARE Memória ROM Vamos iniciar com a memória ROM que significa Read Only Memory, ou seja, uma memória somente para leitura. Isso quer dizer que as instruções que esta memória contém só podem ser lidas e executadas,

Leia mais

Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação

Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação Colegiado de Engenharia de Computação Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação Aula 09 (semestre 2011.2) Prof. Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto, M.Sc. rosalvo.oliveira@univasf.edu.br 2 Armazenamento

Leia mais

June 11, 2012. Instituto de Computação - Universidade Estadual de Campinas. Tecnologias de Armazenamento. Murilo Adriano Vasconcelos

June 11, 2012. Instituto de Computação - Universidade Estadual de Campinas. Tecnologias de Armazenamento. Murilo Adriano Vasconcelos Instituto de Computação - Universidade Estadual de Campinas June 11, 2012 1 2 Interface ATA/IDE Interface SATA Interface SCSI Interface SAS 3 4 Solid State Drives - SSD Fusion-io Evolução da tecnologia

Leia mais

RAID. História. Vantagens. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

RAID. História. Vantagens. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. RAID RAID significa "Redundant Array of Inexpensive Drives" (Conjunto Redundante de Discos Econômicos). Com o tempo, numa tentativa de desassociar o conceito de

Leia mais

Hardware Básico. Outros Dispositivos de Armazenamento. Professor: Wanderson Dantas

Hardware Básico. Outros Dispositivos de Armazenamento. Professor: Wanderson Dantas Hardware Básico Outros Dispositivos de Armazenamento Professor: Wanderson Dantas Unidades Ópticas Unidades ópticas usam um feixe de laser para ler e gravar (no caso das unidades e mídias que permitem

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Aula 06. Discos e Drives

Aula 06. Discos e Drives Aula 06 Discos e Drives Disquetes São discos magnéticos usados para armazenar dados dos computadores. Podem armazenar textos, imagens, programas, etc. São vendidos normalmente em caixas com 10 unidades.

Leia mais

HARDWARE Montagem e Manutenção de Computadores Instrutor: Luiz Henrique Goulart 17ª AULA OBJETIVOS: ESTUDO DO HD GEOMETRIA TECNOLOGIAS SISTEMA DE ARQUIVOS JUMPER MASTER/SLAVE APOSTILA PÁGINA: 189 A 204.

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 4.1 HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS Qualquer PC é composto pelos mesmos componentes básicos: Processador, memória, HD, placa-mãe, placa de vídeo e monitor

Leia mais

Introdução à Computação: Armazenamento Secundário. Ricardo de Sousa Bri.o rbri.o@ufpi.edu.br DIE- UFPI

Introdução à Computação: Armazenamento Secundário. Ricardo de Sousa Bri.o rbri.o@ufpi.edu.br DIE- UFPI Introdução à Computação: Armazenamento Secundário Ricardo de Sousa Bri.o rbri.o@ufpi.edu.br DIE- UFPI Objetivos Relacionar os benefícios do armazenamento secundário. Identificar e descrever as mídias de

Leia mais

29/05/2013. Dispositivos de Armazenamento. Armazenamento Magnético. Recuperação de Dados HARDWARE: ARMAZENAMENTO DE DADOS

29/05/2013. Dispositivos de Armazenamento. Armazenamento Magnético. Recuperação de Dados HARDWARE: ARMAZENAMENTO DE DADOS 2 Dispositivos de Armazenamento HARDWARE: ARMAZENAMENTO DE DADOS Armazenam dados quando o computador está desligado Dois processos Escrita de dados Leitura de dados Introdução à Microinformática Prof.

Leia mais

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II Armazenamento Secundário SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II 1 Armazenamento secundário Primeiro tipo de armazenamento secundário: papel! Cartões perfurados HDs, CD-ROM, floppy disks, memórias

Leia mais

Interfaces IDE e SCSI. Disco Rígido

Interfaces IDE e SCSI. Disco Rígido Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Extensão em Arquitetura de Computadores Pessoais Interfaces IDE e SCSI 1 Setores Trilhas Cabeças

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Entrada/Saída: Armazenamento

Infraestrutura de Hardware. Entrada/Saída: Armazenamento Infraestrutura de Hardware Entrada/Saída: Armazenamento Perguntas que Devem ser Respondidas ao Final do Curso Como um programa escrito em uma linguagem de alto nível é entendido e executado pelo HW? Qual

Leia mais

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com Informática Componentes de um SC Hardware X Software Memória do Computador Hardware X Software Toda interação dos usuários de computadores modernos é realizada

Leia mais

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo Prof. Benito Piropo Da-Rin Discos magnéticos: Flexíveis (em desuso) e Rígidos Discos óticos: CD (Compact Disk): CD ROM; CD -/+ R; CD -/+ RW DVD(Digital Versatile Disk): DVD ROM; DVD -/+ R; DVD -/+ RW Discos

Leia mais

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware Professor: Renato B. dos Santos 1 O computador é composto, basicamente, por duas partes:» Hardware» Parte física do computador» Elementos concretos» Ex.: memória, teclado,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais RAID Marcelo Diniz http://marcelovcd.wordpress.com/ O que é RAID? RAID RAID (Redundant Array of Independent Disks ) Matriz Redundante de Discos Independentes Recuperar informação

Leia mais

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves Conceitos Básicos de Informática Antônio Maurício Medeiros Alves Objetivo do Material Esse material tem como objetivo apresentar alguns conceitos básicos de informática, para que os alunos possam se familiarizar

Leia mais

Dispositivos de Armazenamento

Dispositivos de Armazenamento Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Departamento de Eletrônica e Computação - DELC Introdução à Informática Prof. Cesar Tadeu Pozzer Julho de 2006 Dispositivos de Armazenamento A memória do computador

Leia mais

Serial ATA (SATA - Serial Advanced Technology Attachment)

Serial ATA (SATA - Serial Advanced Technology Attachment) Serial ATA (SATA - Serial Advanced Technology Attachment) Introdução Os computadores são constituídos por uma série de tecnologias que atuam em conjunto. Processadores, memórias, chips gráficos, entre

Leia mais

Capítulo 7. Discos. Armazenamento de dados

Capítulo 7. Discos. Armazenamento de dados Capítulo 7 Discos Armazenamento de dados Esta é uma das funções importantes de um computador. Além de acessar e processar dados, o computador precisa também armazená-los. Existem portanto diferentes métodos

Leia mais

RAID. Propõe o aumento da confiabilidade e desempenho do armazenamento em disco. RAID (Redundant Array of Independent Disks )

RAID. Propõe o aumento da confiabilidade e desempenho do armazenamento em disco. RAID (Redundant Array of Independent Disks ) RAID O que é um RAID? RAID RAID (Redundant Array of Independent Disks ) Matriz Redundante de Discos Independentes Propõe o aumento da confiabilidade e desempenho do armazenamento em disco. RAID Surgiu

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 6.9 Memória Cache: A memória cache é uma pequena porção de memória inserida entre o processador e a memória principal, cuja função é acelerar a velocidade de transferência das informações entre a CPU e

Leia mais

Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394)

Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394) Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394) histórico Tudo começou em 1980 quando a IBM estava desenvolvendo seu primeiro micro PC. Já haviam definido que o barramento ISA seria usado para permitir que o IBM

Leia mais

Cristiano Sebolão Nº 26748. Pedro Arcão Nº 22408. João Marques Nº 27228

Cristiano Sebolão Nº 26748. Pedro Arcão Nº 22408. João Marques Nº 27228 Cristiano Sebolão Nº 26748 Pedro Arcão Nº 22408 João Marques Nº 27228 Para que os dados não se percam, precisam de ser gravados num dispositivo de armazenamento como disquetes, disco rígidos, discos ópticos

Leia mais

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II Armazenamento Secundário SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II Discos Qual o principal gargalo? 2 Discos Discos são gargalos Discos são muito mais lentos que as redes ou a CPU Muitos processos são

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA 8 CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA A porta paralela, também conhecida por printer port ou Centronics e a porta serial (RS-232) são interfaces bastante comuns que, apesar de estarem praticamente

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O que é a Informática? A palavra Informática tem origem na junção das palavras: INFORMAÇÃO + AUTOMÁTICA = INFORMÁTICA...e significa, portanto, o tratamento da informação

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

RAID. Redundant Array of Independent Drives. Conjunto Redundante de Discos Independentes

RAID. Redundant Array of Independent Drives. Conjunto Redundante de Discos Independentes RAID Redundant Array of Independent Drives Conjunto Redundante de Discos Independentes Redundância?! Redundância é ter componentes de reserva para substituir o componente principal mantendo disponibilidade

Leia mais

Discos. Introdução. Geometria dos Discos

Discos. Introdução. Geometria dos Discos Discos Introdução Por ser um sistema complexo e destacado, os discos rígidos merecem muita atenção. Não só por isto: por ser o tipo de mídia mais utilizado atualmente, os discos rígidos possuem importância

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 05 Armazenamento e Multimídia Armazenamento Secundário Separado do próprio computador. Software e dados armazenados em base quase permanente. Diferentemente da memória, não

Leia mais

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais:

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais: Entrada e Saída Além do processador e da memória, um terceiro elemento fundamental de um sistema de computação é o conjunto de módulos de E/S. Cada módulo se conecta com o barramento do sistema ou com

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Entrada e Saída Drivers e s Norton Trevisan Roman Marcelo Morandini Jó Ueyama Apostila baseada nos trabalhos de Kalinka Castelo Branco, Antônio Carlos Sementille, Luciana A. F. Martimiano

Leia mais

ESTRUTURA DE UM DISCO RÍGIDO

ESTRUTURA DE UM DISCO RÍGIDO ESTRUTURA DE UM DISCO RÍGIDO O disco rígido é o único componente básico de funcionamento mecânico no PC. Por esse motivo, é também o elemento interno mais suscetível a riscos de problemas relacionados

Leia mais

Introdução. Características e funcionamento dos HDs. Surgimento

Introdução. Características e funcionamento dos HDs. Surgimento Introdução O disco rígido ou HD (Hard Disk), é o dispositivo de armazenamento de dados mais usado nos computadores. Nele, é possível guardar não só seus arquivos como também todos os dados do seu sistema

Leia mais

Tecnologia de armazenamento Intel (Intel RST) RAID 0, 1, 5, 10, Matrix RAID, RAID -Pronto

Tecnologia de armazenamento Intel (Intel RST) RAID 0, 1, 5, 10, Matrix RAID, RAID -Pronto Tecnologia de armazenamento Intel (Intel RST) RAID 0, 1, 5, 10, Matrix RAID, RAID -Pronto RAID 0 (striping) RAID 0 utiliza os recursos de leitura/gravação duas ou mais unidades de disco trabalhando em

Leia mais

Dispositivos de Armazenamento. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes

Dispositivos de Armazenamento. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Dispositivos de Armazenamento Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Conteúdo 1. Discos 2. Fitas magnéticas 3. CD-ROM Capítulo: 2 (APOSTILA). Dispositivos de Armazenamento Armazenamento permanente Custo menor

Leia mais

Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída

Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída Arquitetura de Entrada e Saída Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída Barramento Meio de transmissão de dados entre a CPU, a memória principal e os dispositivos de entrada e saída.

Leia mais

SGBD. Membros: Leandro Cardoso Aguiar. Murillo Parreira. Rafael Gondim Peixoto

SGBD. Membros: Leandro Cardoso Aguiar. Murillo Parreira. Rafael Gondim Peixoto SGBD Membros: Leandro Cardoso Aguiar Murillo Parreira Rafael Gondim Peixoto Tópico Capítulo 11 Armazenamento e consulta de dados Introdução Começa com uma visão geral do meio de armazenamento físico; Mecanismos

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 6.7 Operações com as Memórias: Já sabemos, conforme anteriormente citado, que é possível realizar duas operações em uma memória: Escrita (write) armazenar informações na memória; Leitura (read) recuperar

Leia mais

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa.

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa. CLUSTERS Pode-se pegar uma certa quantidade de servidores e juntá-los para formar um cluster. O serviço então é distribuído entre esses servidores como se eles fossem uma máquina só. Um cluster de servidores

Leia mais

R S Q 0 0 1 0 1 0 1 0 0 1 1 0 Tabela 17 - Tabela verdade NOR

R S Q 0 0 1 0 1 0 1 0 0 1 1 0 Tabela 17 - Tabela verdade NOR 19 Aula 4 Flip-Flop Flip-flops são circuitos que possuem a característica de manter os bits de saída independente de energia, podem ser considerados os princípios das memórias. Um dos circuitos sequenciais

Leia mais

Sigla Nome Tecnologia. vez. Programable Read Only Memory (memória programável somente de leitura)

Sigla Nome Tecnologia. vez. Programable Read Only Memory (memória programável somente de leitura) 1. Introdução As memórias são as responsáveis pelo armazenamento de dados e instruções em forma de sinais digitais em computadores. Para que o processador possa executar suas tarefas, ele busca na memória

Leia mais

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Fundamentos de Arquitetura de Computadores Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Hardware de um Sistema Computacional Hardware: são os componentes

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 6.7 Operações com as Memórias: Já sabemos, conforme anteriormente citado, que é possível realizar duas operações em uma memória: Escrita (write) armazenar informações na memória; Leitura (read) recuperar

Leia mais

Apresentação. Conceitos Iniciais. www.profricardobeck.com.br. contato@profricardobeck.com.br. Apresentação & Introdução.

Apresentação. Conceitos Iniciais. www.profricardobeck.com.br. contato@profricardobeck.com.br. Apresentação & Introdução. Apresentação www.profricardobeck.com.br contato@profricardobeck.com.br Apresentação & Introdução Condicionamento Material Didático Site / E-mail Testes? Edital Conceitos Iniciais 1 Mensurando Dados Sistemas

Leia mais