Índice 1 Introdução Hardware e software Etapa de processamento de dados Periféricos Periféricos de entrada...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Índice 1 Introdução...4 1.1 Hardware e software...4 1.2 Etapa de processamento de dados...5 1.3 Periféricos...6 1.3.1 Periféricos de entrada..."

Transcrição

1

2 Índice 1 Introdução Hardware e software Etapa de processamento de dados Periféricos Periféricos de entrada Dispositivos de processamento Periféricos de saída Periféricos de armazenamento (entrada/saída) Os sistemas operacionais Introdução Windows Linux Iniciando o Windows Área de trabalho Ícones Barra de tarefas Botão Iniciar Janelas Desligando o Windows Recursos práticos Ajuda Menu rápido Relógio Indicadores Configurações Tamanho e disposição da barra de tarefas caixas de diálogo Ambiente multitarefa Alterar entre softwares Exibir janelas Localizar Formatar MS-DOS Utilização dos Comandos Comandos Básicos Trabalhando com pastas Criar Pastas Excluir Pastas Renomear Pastas Arquivos Copiar Mover Cortar Colar Apagar Renomear Propriedades Salvar Lixeira Compartilhamento Configurações...42

3 9.1 Painel de Controle Propriedades de Data e Hora Fontes Propriedades de Video Propriedades do Sistema Impressora Ferramentas Desfragmentador de disco Backups Libre Office Writer (Editor de Textos) Calc (Planilhas) Impress (Apresentações)...66

4 1 Introdução O computador Entende-se por computador, toda máquina capaz de desenvolver um processamento automático ou semiautomático de informações iniciais, transformando-as em informações finais úteis. Podemos estender estes conceito aos celulares modernos, palms, notebooks, etc. O computador é uma máquina eletrônica que pode receber informações, processá-las (armazenar, executar, organizar, combinar etc.) e emitir uma resposta em curto espaço de tempo, desde que ele tenha sido programado para executar uma dessas operações. Os computadores estão cada vez mais presentes em nossas vidas, seja por meio dos bancos, nas eleições, telenovelas, noticiário etc. Com o avanço da tecnologia e o barateamento dos equipamentos à base de microeletrônica, a cada dia temos mais informações à nossa disposição, de diversas áreas do conhecimento, como por exemplo: Meteorologia, Política, Ciências, Finanças, Artes, História, Economia, Educação etc. Mesmo que a presença dos computadores esteja se tornando inevitável, muitas pessoas ainda não sabem como utilizá-los e nem como estes funcionam. Figura 1: Computador tipo desktop Figura 2: Smartphones 1.1 Hardware e software Estas duas palavras são originais da língua inglesa, derivadas das palavras Hard, Soft e Ware. O significado de Hard é mecânico, duro ou palpável. Software significa leve intocável. Por isso na área de informática Hardware diz respeito a parte física do computador (aquilo que podemos tocar). É constituído por: processador, memória, dispositivos de entrada e saída (teclado, mouse, monitor etc.). Veja uma breve descrição de alguns destes dispositivos: Processador: Pode ser chamado de microprocessador. É o componente mais importante do computador, pois ele é o responsável pela execução das tarefas. Ao falarmos sobre o processador, podemos compará-lo ao cérebro humano, que tem como função principal controlar o nosso corpo. Também é chamado de UCP (Unidade Central de Processamento) ou CPU (em inglês, Central Processing Unit). Memória: Temos dois tipos de memória: ROM, memória só de leitura e RAM, memória onde são guardadas as informações enquanto o computador está executando uma operação. O tamanho da memória limita o tipo de serviço que o computador pode executar. Um computador é avaliado pelo processador e pela quantidade de memória que possui. A unidade de medida da memória é chamada de bytes. 4

5 Winchester (disco rígido, HD): Discos também são considerados dispositivos de entrada ou saída e são utilizados para armazenar informações. Se o computador for desligado, as informações que foram gravadas no disco estarão disponíveis quando o computador for novamente utilizado, diferente da memória RAM, que perde as informações quando o computador é desligado. Daí vem a importância de sempre gravarmos os trabalhos que estamos fazendo, pois enquanto não utilizarmos o comando gravar (salvar), as informações com as quais estamos lidando ficam armazenadas somente na memória RAM. O disco rígido normalmente é conhecido como unidade c:. Já a palavra Software diz respeito a parte lógica do computador, responsável pelo seu funcionamento. É representado basicamente pelos programas, alguns exemplos comuns são: Sistema Operacional: Também chamado de programas de sistemas ou software básico. É um conjunto de programas responsáveis pelo gerenciamento de informações e componentes do hardware e software. Exemplos de sistemas operacionais: Windows, Linux, Unix, DOS etc.. Aplicativos: Também chamados de programas de aplicações, executam tarefas específicas e funcionam sob o controle de um sistema operacional; cada sistema operacional tem seus aplicativos específicos. Como exemplo de aplicativos temos: editores de texto, editores de desenho, calculadora etc Etapa de processamento de dados Processamento de dados consiste em realizar um processo sobre qualquer informação de entrada (input) com o objetivo de gerar uma saída aceitável ou próxima disso. Em qualquer atividade humana, verifica-se que a resolução dos problemas consiste em uma série de tarefas, das quais as fundamentais são: decidir o que é equalizar as operações. Nas atividades em que se emprega o computador, os homens tomam as decisões e a máquina as executa. O computador é mais que um simples instrumento para resolução dos problemas. Hoje em dia, ele é amplamente utilizado para executar tarefas extensas e complexas que, se fossem feitas manualmente, exigiriam um tempo muito maior. Desse modo, o computador é um dispositivo que aumenta a gama de atividades que podem ser desenvolvidas pelo homem. A todas atividades que, a partir de dados conhecidos através de processamento, conduzem a resultados procurados, com ou sem emprego de qualquer equipamento auxiliar, podemos denominar atividades como processamento de dados. Há quem prefira denominar Processamento automático de dados (PAD), ou Processamento eletrônico de dados (PED) as atividades que utilizam a computação em seu processo. No entanto, foi justamente o advento dos computadores que dinamizou de tal forma o tratamento das informações que, a partir daí, é que se vulgarizou a terminologia Processamento de dados; de modo que a essa denominação, se associa, no presente, a idéia do emprego de computadores. De modo geral, um processamento se realiza de acordo com o esquema abaixo: A entrada (input): Se refere a algum dado de entrada do processamento, são valores onde o processo atuará. Como por exemplo, um arquivo enviado para um compressor de dados. O processamento: É onde os dados de entrada serão processados para gerar um determinado resultado. O computador executa o arquivo. (Outros exemplos: o cálculo salarial, uma complexa expressão matemática, ou até mesmo uma simples movimentação de dados ou comparação entre eles. No caso do processamento computadorizado esta tarefa é realizada por meio de um algoritmo escrito numa linguagem de programação que é compilado e gera o código de um programa responsável pelo processamento. 5

6 A saída (output): É simplesmente o resultado de todo o processamento, em todo processamento temos dados gerados como resultado, essas saídas, podem ser impressas na tela, em papel, armazenadas em um arquivo, ou até mesmo servir como entrada para um outro processo. O computador exibe os resultados obtidos na tela. 1.3 Periféricos Periféricos são aparelhos ou placas que enviam ou recebem informações do computador. Na informática, o termo "periférico" aplica-se a qualquer equipamento acessório que seja ligado à CPU (unidade central de processamento), ou, num sentido mais amplo, ao computador. O primeiro Periférico criado foi por um cientista chamado Philipe Brusk.Os exemplos de periféricos são: impressoras, digitalizadores, leitores e ou gravadores de CDs e DVDs, leitores de cartões e disquetes, mouses, teclados, câmeras de vídeo, entre outros. Cada periférico tem a sua função definida, desempenhada ao enviar tarefas ao computador, de acordo com sua função periférica Periféricos de entrada Abaixo alguns exemplos de periféricos deste tipo: Mouse O mouse é um periférico de entrada que, historicamente, se juntou ao teclado como auxiliar no processo de entrada de dados, especialmente em programas com interface gráfica. O mouse, que significa rato, devido a sua aparência, tem como função movimentar o cursos (apontador) pela tela do computador. Foi criado pela Xerox mas somente se tornou um produto com a aplicação em um dos computadores pessoais da Apple. Como já dito, o mouse funciona como um apontador sobre tela do computador e disponibiliza normalmente quatro tipos de operações: movimento, clique, duplo clique e arrastar e largar (drag and drop). Existem modelos com um, dois, três ou mais botões cuja funcionalidade depende do ambiente de trabalho e do programa que está a ser utilizado. Claramente, o botão esquerdo é o mais utilizado. Hoje alguns mouses modernos apresentam até botões de navegação de páginas, rolagem, e até algumas teclas numéricas. O mouse é normalmente ligado ao computador através de uma porta serial, PS2 ou, mais recentemente, USB (Universal Serial Bus). Também existem conexões sem fio, as mais antigas em infravermelho, as atuais em Bluetooth ou Wireless. Figura 3: Mouse contemporâneo, com as características mais comuns - dois botões e um botão de rolagem. 6

7 Teclado O teclado de computador é um tipo de periférico utilizado pelo usuário para a entrada manual no sistema de dados e comandos. Possui teclas representando letras, números, símbolos e outras funções, baseado no modelo de teclado das antigas máquinas de escrever. Os teclados mais comuns são projetados para a escrita de textos e inserção de comandos de sistema. Juntamente ao mouse, é uma das principais interfaces entre o computador e o utilizador. Os teclados são essencialmente formados por um arranjo de teclas ou botões. Cada botão tem um ou mais caracteres impressos ou gravados face, sendo que cerca de cinquenta por cento dos botões produzem caracteres gráficos. As teclas são ligadas a uma placa dentro do teclado, responsável por identificar a tecla pressionada e por enviar as informações para o PC. O meio de transporte dessas informações entre o teclado e o computador pode ser sem fio (via wireless, bluetooth ou infravermelho) ou a cabo (os conectores mais comuns são PS2 e USB. Comumente, os teclados são formados por teclas paralelas em uma estrutura plana, horizontal, sobre a qual o utilizador posiciona as mãos a fim de pressionar, com os dedos, as teclas necessárias à operação. Entretanto, há diversos desenhos de teclados voltados para fins específicos. Há também teclados ergonômicos, em que o posicionamento das teclas busca maior conforto para quem digita. Figura 4 - Disposição de teclas de um teclado padrão Figura 5 - teclado de padrão atual 7

8 1.3.2 Dispositivos de processamento Enquadram-se neste quesito, os dispositivos responsáveis por processar uma informação dos dispositivos de entrada para serem enviados aos dispositivos de saída ou armazenamento. Enquadram-se aqui, principalmente: Memória RAM: que armazena dados para serem acessados de forma mais veloz que o HD, trabalhando diretamente com o processador, a placa de vídeo que processa as imagens que vão para o monitor, Chipsets que são circuitos de apoio da placa mãe, fazendo a comunicação entre os dispositivos através de barramentos, Processador peça que executa instruções existentes nos programas, etc. Abaixo detalhes de alguns destes periféricos: O processador, também chamado de CPU (central processing unit), é o componente de hardware responsável por processar dados e transformar em informação. Ele também transmite estas informações para a placa mãe, que por sua vez as transmite para onde é necessário (como o monitor, impressora, outros dispositivos). A placa mãe serve de ponte entre o processador e os outros componentes de hardware da máquina. Outras funções do processador são fazer cálculos e tomar decisões lógicas. Algumas características do processador em geral: Frequência de Processador (Velocidade, clock). Medido em hertz, define a capacidade do processador em processar informações ao mesmo tempo. Cores: O core é o núcleo do processador. Existem processadores core e multicore, ou seja, processadores com um núcleo e com vários núcleos na mesma peça. Cache: A memória cache é um tipo de memória auxiliar, que faz diminuir o tempo de transmissão de informações entre o processador Figura 6: Exemplo de processadores e outros componentes Potência: Medida em Watts é a quantia de energia que é consumida por segundo. 1W = 1 J/s (Joule por segundo) A Evolução dos processadores é surpreendente. A primeira marca no mercado foi a INTEL, com o a CPU 4004, lançado em Este CPU era para uma calculadora. Por isto, muitos dizem que os processadores começaram em 1978, com a CPU 8086, também da Intel. Alguns anos mais tarde, já em 2006, é lançado o CORE 2 DUO, um super salto na tecnologia dos processadores. Para comparar: CPU 8086: Numero de transistores Frequência máxima 8 Mhz Tamanho do registro da CPU 16 bits Tamanho da BUS externa 16 bits Core i7 Suporte: Socket LGA 1366 Frequência (MHz): 3,2 GHz Bus processador: 4,8 GTps Gravação: 32 nm Tamanho Cache L1: 6 x 64 KB Tamanho Cache L2: 6 x 256 KB Tamanho Cache L3: 12 MB Arquitetura: Core i7 Westmere 8

9 Nota-se a diferença entre os processadores. O CPU 8086 tem frequência de 8 MHz, enquanto que o i7 tem uma frequência de 3,2 GHz (3200 MHz), lembrando que o i7 tem 8 núcleos, cada um com estas especificações. Processadores bons são indispensáveis para as mais simples aplicações no dia a dia. Tarefas como abrir um arquivo, até rodar os games mais atuais, o processador é quem faz tudo isso acontecer. A Tecnologia dos processadores está evoluindo cada vez mais. Atualmente temos processadores domésticos com 8 núcleos, e cada vez aumenta mais a capacidade de processamento dos novos produtos lançados no mercado. A figura 6 mostra alguns exemplos de processadores. Memória No que se refere ao hardware dos computadores, entendemos como memória os dispositivos que armazenam os dados com os quais o processador trabalha. Há, essencialmente, duas categorias de memórias: ROM (Read-Only Memory), que permite apenas a leitura dos dados e não perde informação na ausência de energia; e RAM (Random-Access Memory), que permite ao processador tanto a leitura quanto a gravação de dados e perde informação quando não há alimentação elétrica. Memória RAM A memória RAM é um componente essencial não apenas nos PCs, mas em qualquer tipo de computador. Por mais que exista espaço de armazenamento disponível, na forma de um HD ou memória flash, é sempre necessária uma certa quantidade de memória RAM e, naturalmente, quanto mais melhor. Graças ao uso da memória swap, é possível rodar a maioria dos sistemas operacionais modernos com quantidades relativamente pequenas de memória. No caso do Linux, é possível inicializar uma instalação enxuta (em modo texto, com pouca coisa além do Kernel e o interpretador de comandos) com apenas 4 MB de memória. O problema é que com pouca memória o sistema fica extremamente lento, como qualquer um que já tentou usar o Windows XP ou uma distribuição Linux recente, com o Gnome ou KDE em um PC com menos de 128 MB de memória pode dizer. :) A sigla "RAM" vem de "Random Access Memory", ou "memória de acesso aleatório", indicando a principal característica da memória RAM, que é o fato de permitir o acesso direto a qualquer um dos endereços disponíveis e de forma bastante rápida. Figura 7 - exemplo de memória RAM. (fonte: custo justo) 9

10 Memória ROM As memórias ROM (Read-Only Memory memória Somente de Leitura) recebem esse nome porque os dados são gravados nelas apenas uma vez. Depois disso, essas informações não podem ser apagadas ou alteradas, apenas lidas pelo computador, exceto por meio de procedimentos especiais. Outra característica das memórias ROM é que elas são do tipo não voláteis, isto é, os dados gravados não são perdidos na ausência de energia elétrica ao dispositivo. Eis os principais tipos de memória ROM: PROM (Programmable Read-Only Memory): esse é um dos primeiros tipos de memória ROM. A gravação de dados neste tipo é realizada por meio de aparelhos que trabalham através de uma reação física com elementos elétricos. Uma vez que isso ocorre, os dados gravados na memória PROM não podem ser apagados ou alterados; EPROM (Erasable Programmable Read-Only Memory): as memórias EPROM têm como principal característica a capacidade de permitir que dados sejam regravados no dispositivo. Isso é feito com o auxílio de um componente que emite luz ultravioleta. Nesse processo, os dados gravados precisam ser apagados por completo. Somente depois disso é que uma nova gravação pode ser feita; EEPROM (Electrically-Erasable Programmable Read-Only Memory): este tipo de memória ROM também permite a regravação de dados, no entanto, ao contrário do que acontece com as memórias EPROM, os processos para apagar e gravar dados são feitos eletricamente, fazendo com que não seja necessário mover o dispositivo de seu lugar para um aparelho especial para que a regravação ocorra; EAROM (Electrically-Alterable Programmable Read-Only Memory): as memórias EAROM podem ser vistas como um tipo de EEPROM. Sua principal característica é o fato de que os dados gravados podem ser alterados aos poucos, razão pela qual esse tipo é geralmente utilizado em aplicações que exigem apenas reescrita parcial de informações; Flash: as memórias Flash também podem ser vistas como um tipo de EEPROM, no entanto, o processo de gravação (e regravação) é muito mais rápido. Além disso, memórias Flash são mais duráveis e podem guardar um volume elevado de dados. É possível saber mais sobre esse tipo de memória no artigo cartões de memória flash Periféricos de saída Os periféricos de saída são aqueles que recebem os dados do computador e os apresenta para o utilizador. Todos os computadores pessoais tem uma tela sendo o sinal que é enviado para a tela controlado pela placa de vídeo. A impressora permite transpor os dados recebidos do computador para papel o resultado do trabalho realizado. Existem outros periféricos de saída como, por exemplo impressoras. Monitores de Video A tela do computador é onde a maior parte da informação é mostrada ao utilizador. A melhor relação tamanho preço neste momento está nas telas de 19" (polegadas) TFT com 57 cm de diagonal. No caso de portáteis é usual telas mais pequenos como seja 15,4". As televisões modernas de plasma ou LCD podem ser usadas como ecrãs de computador mas apresentam resoluções não muito elevadas. É habitual usar-se 2 telas quando se trabalha com muitas aplicações em simultâneo. Existem muitas telas wide onde em vez da relação 4:3 se usa a relação 16:10 ou 16:9 a qual está mais diretamente relacionada com o campo de visão de uma pessoa. A qualidade da tela é muito importante para os olhos do utilizador, e a fidelidade de cores é mais importante em especial para artistas e designers. As telas LCD estão preparados para trabalhar numa resolução nativa. Noutras resoluções a qualidade de imagem fica menor. 10

11 Figura 8 - Monitor de vídeo utilizado atulamente em computadores Impressoras Uma impressora ou dispositivo de impressão é um periférico que, quando conectado a um computador ou a uma rede de computadores, tem a função de dispositivo de saída, imprimindo textos, gráficos ou qualquer outro resultado de uma aplicação. Herdando a tecnologia das máquinas de escrever, as impressoras sofreram drásticas mutações ao longo dos tempos. Assim, encontram-se impressoras optimizadas para desenho vetorial e outras optimizadas para texto. A tecnologia de impressão foi incluída em vários sistemas de comunicação, como o faz. Figura 9 - Exemplo de impressora pessoal moderna 11

12 1.3.4 Periféricos de armazenamento (entrada/saída) Dispositivo de armazenamento é um dispositivo capaz de armazena informações para posterior consulta ou uso. Essa gravação de dados pode ser feita praticamente usando qualquer forma de energia desde força manual humana como na escrita, passando por vibrações acústicas em gravações fonográficas até modulação de energia eletromagnética em fitas magnéticas e discos ópticos. Um dispositivo de armazenamento pode guardar informação, processar informação ou ambos. Um dispositivo que somente guarda informação é chamado mídia de armazenamento. Dispositivos que processam informações (equipamento de armazenamento de dados) podem tanto acessar uma mídia de gravação portátil ou podem ter um componente permanente que armazena e recupera dados. Armazenamento eletrônico de dados é o armazenamento que requer energia elétrica para armazenar e recuperar dados. A maioria dos dispositivos de armazenamento que não requerem visão e um cérebro para ler os dados se enquadram nesta categoria. Dados eletromagnéticos podem ser armazenados em formato analógico ou digital em uma variedade de mídias. Este tipo de dados é considerado eletronicamente codificado, sendo ou não armazenado eletronicamente em um dispositivo semicondutor (chip), uma vez que certamente um dispositivo semicondutor foi utilizado para gravá-la em seu meio. Para que os dados não se percam, precisam ser gravados num dispositivo de armazenamento chamado memória auxiliar; esta, armazena as informações que estão na memória principal (RAM). Existem vários tipos de memória auxiliar como, disquetes, discos rígidos (winchester), discos ópticos (CD-ROM e DVD-ROM), entre outros. Figura 10 - Alguns exemplos de dispositivos de armazenamento 12

13 2 Os sistemas operacionais 2.1 Introdução Os sistemas operacionais (OS, na sigla em inglês e SO, em português) são os softwares básicos de um computador. São eles que regulam as trocas de informação entre os componentes internos do computador, como a placa de vídeo, a memória RAM e o processador, os periféricos (impressoras, câmeras digitais) e os outros programas que rodam sobre o SO, chamados de aplicativos. O SO de um computador pode ser comparado com os alicerces de uma construção: não determinam o uso final do produto, mas condicionam uma série de características, possibilidades e limitações. Entre as características mais marcantes de um sistema operacional está a interface com o usuário. Todo equipamento que possua uma interface gráfica, aceite outros programas e maneje hardware interno ou externo tem um SO, apesar de nem sempre isso ser notado. Aparelhos de TV via satélite digitais, telefones celulares, computadores de mão, servidores de Internet e outros têm seus próprios sistemas operacionais ou equivalentes. Um dos primeiros sistemas operacionais para computadores pessoais, surgido em 1981 (versão 1.0), foi o MS-DOS. Criado pela Microsoft, tornou-se muito popular e levou a empresa a uma posição de destaque comercial. Sem uma interface gráfica, foi a base dos primeiros Windows e manteve-se presente nas versões 95, 98 e Me desse sistema. Até o atual XP apresenta uma simulação desse SO, o "prompt de comando". Os Macintosh foram os primeiros computadores pessoais a ter uma interface gráfica, devido ao SO utilizado. Já em 1984 os Macs traziam mouse, janelas, menus e ícones para acionar os comandos dos softwares. O Unix é outro SO bastante conhecido e utilizado até hoje. O primeiro Unix data de 1969, mas vem sendo desenvolvido por diversos grupos desde então. Financiado originalmente por verbas públicas, o código-fonte do sistema foi liberado e deu origem, entre outros, ao Linux. Esses sistemas possuem versões tanto gráficas como com linha de comando. 2.2 Windows Microsoft Windows é uma popular família de sistemas operacionais criados pela Microsft, empresa fundada por Bill Gates e Paul Allen. Antes da versão NT, era uma interface gráfica para o sistema operacional MS-DOS. Windows é um produto comercial, com preços diferenciados para cada uma de suas versões. É o sistema operacional mais utilizado em computadores pessoais no mundo, embora uma grande quantidade de cópias sejam ilegais. O impacto deste sistema no mundo atual é muito grande devido ao enorme número de cópias instaladas. Conhecimentos mínimos desse sistema, do seu funcionamento, da sua história e do seu contexto são, na visão de muitos, indispensáveis, mesmo para os leigos em informática. A atual versão estável do Windows para desktops é o Windows 8, lançado em 26 de outubro de Para servidores o Windows Server 2008 R2 é a versão mais recente e estável. A palavra windows em português significa janelas. A sua interface gráfica é baseada em um padrão de janelas que exibem informações e recebem respostas dos utilizadores através de dispositivos de entrada. O sistema operacional Microsoft Windows será utilizado no decorrer desta apostila justamente por ser o sistema operacional mais utilizado atualmente. 2.3 Linux O núcleo Linux foi desenvolvido pelo programador finlandês Linus Torvalds, inspirado no sistema Minix. O seu código fonte está disponível sob a licença GPL (versão 2) para que qualquer pessoa o possa utilizar, estudar, modificar e distribuir livremente de acordo com os termos da licença. 13

14 Inicialmente desenvolvido e utilizado por grupos de entusiastas em computadores pessoais, os sistemas operacionais com núcleo Linux passaram a ter a colaboração de grandes empresas como IBM, Sun, Microsystems, Hewlett-Packard (HP) entre outras. Apoiado por pacotes igualmente estáveis e cada vez mais versáteis de softwares livres para escritório o LibreOffice, por exemplo (que inclusive tem versões para Windows) ou de uso geral (projeto GNU) e por programas para micro e pequenas empresas que na maioria dos casos em nada ficam a dever aos seus concorrentes proprietários, e interfaces gráficas cada vez mais amigáveis como o KDE e o GNOME, o núcleo Linux, conhecido por sua estabilidade e robustez, tem gradualmente caído no domínio popular, encontrando-se cada vez mais presente nos computadores de uso pessoal atuais. Há muito entretanto destacase como o núcleo preferido em servidores de grandes porte, encontrando-se quase sempre presente nos mainframes de grandes empresas comerciais. Linus Torvalds começou o desenvolvimento do núcleo como um projeto particular, inspirado pelo seu interesse no Minix, um pequeno sistema Unix desenvolvido por Andrew S. Tanenbaum. Ele limitou-se a criar, nas suas próprias palavras, "um Minix melhor que o Minix" ("a better Minix than Minix"). Inicialmente, Torvalds lançou o Linux sob uma licença de software que proibia qualquer uso comercial. Isso foi mudado de imediato para a GNU General Public License. Essa licença permite a distribuição e mesmo a venda de versões possivelmente modificadas do Linux mas requer que todas as cópias sejam lançadas dentro da mesma licença e acompanhadas do código fonte. Apesar de alguns dos programadores que contribuem para o núcleo permitirem que o seu código seja licenciado com GPL versão 2 ou posterior, grande parte do código (incluído as contribuições de Torvalds) menciona apenas a GPL versão 2. Isto faz com que o núcleo como um todo esteja sob a versão 2 exclusivamente, não sendo de prever sua adoção da nova GPLv3. O Linux possui suporte de leitura e escrita a vários sistemas de arquivos, de diversos sistemas operacionais, além de alguns sistemas nativos. Por isso, quando o Linux é instalado em dual boot com outros sistemas (Windows, por exemplo) ou mesmo funcionando como Live CD, ele poderá ler e escrever nas partições formatadas em FAT e NTFS. Por isto, Live CDs Linux são muito utilizados na manutenção e recuperação de outros sistemas operacionais 3 Iniciando o Windows Ao ligarmos o micro, o Windows será automaticamente carregado, e faz a configuração da máquina, buscando informações sobre os periféricos existentes (já mostramos o que são periféricos no capítulo 1). Essa configuração referida é responsável também pela definição personalizada da tela inicial. Podese configurar um micro para que, ao ser ligado, ele mostre o relógio e a hora atual, mostre a tela com o fundo azul claro e as letras azul escuro; ou com um desenho qualquer no fundo, etc. A essas definições iniciais, chamamos configuração. Cada micro pode ter sua configuração de acordo com a escolha do usuário, mas os itens existentes sobre a tela são comuns. Importante: Observe o desenho e a nomenclatura a seguir. Utilizaremos a interface do Windows XP para este material, mas existem vários outros Sistemas operacionais da microsoft já lançados atualmente sucessores ao Windows XP. 14

15 3.1 Área de trabalho Figura 11: Itens principais de uma área de trabalho Área de trabalho ou Desktop, expressão inglesa oriunda de desktop publisher (editor de textos de mesa). Esta ideia é metaforicamente usada no meio computacional para denominar a Área de Trabalho (na tradução do Windows no Brasil) é como se a tela do monitor de um computador pessoal representasse a área de trabalho de uma tampa de uma mesa de escritório. Em meio computacional, uma área de trabalho consiste de um ambiente gráfico adequado ao usuário, onde ele possa abrir algumas janelas de programas e efetuar operações básicas sobre as janelas abertas e sobre o ambiente em si. Há ambientes gráficos (gerenciadores de janelas), que permitem ao usuário ter mais de uma área de trabalho ao mesmo tempo, a permitir-lhe boa distribuição das janelas dos programas abertos entre as áreas de trabalho para uma melhor organização. A figura acima mostra a área de trabalho padrão Windows XP. 3.2 Ícones Figuras que representam recursos do computador, um ícone pode representar um texto, música, programa, fotos e etc. Você pode adicionar ícones na área de trabalho, assim como pode excluir. Para acionar um ícone deve-se clicar na área de trabalho com o botão direito e escolher novo e atalho. Na tela seguinte deve-se clicar no botão procurar para selecionar o recurso que será representando pelo ícone. Alguns ícones são padrão do Windows: Meu Computador, Meus Documentos, Meus locais de Rede, Internet Explorer. Caso esses ícones não estejam visíveis, os mesmos podem ser adicionados da seguinte forma: Clicar na área de trabalho com o botão direito e selecionar propriedades; clicar na aba área de trabalho e no botão personalizar área de trabalho; na aba Geral selecionar os ícones desejados entre os disponíveis em Ícones da área de trabalho. 15

16 Figura 12: exemplos de ícones 3.3 Barra de tarefas A barra de tarefas mostra quais as janelas estão abertas neste momento, mesmo que algumas estejam minimizadas ou ocultas sob outra janela, permitindo assim, alternar entre estas janelas ou entre programas com rapidez e facilidade. A barra de tarefas é muito útil no dia a dia. Imagine que você esteja trabalhando em um editor de texto e um de seus colegas lhe pede para você imprimir uma determinada planilha que está em seu micro. Você não precisa fechar o editor de textos. Apenas salve o arquivo que está trabalhando, abra a planilha e mande imprimir, enquanto imprime você não precisa esperar que a planilha seja totalmente impressa, deixe a impressora trabalhando e volte para o editor de textos, dando um clique no botão correspondente na Barra de tarefas e volte a trabalhar. A barra de Tarefas, na visão da Microsoft, é uma das maiores ferramentas de produtividade do Windows. Vamos abrir alguns aplicativos e ver como ela se comporta. Figura 13: Barra de tarefas A barra de tarefas no Windows XP é altamente configurável e as suas opções podem ser acessadas através do clique do botão direito do mouse em alguma área vazia da barra de tarefas e escolher a opção propriedades. 3.4 Botão Iniciar O botão Iniciar é o principal elemento da Barra de Tarefas. Ele dá acesso ao Menu Iniciar, de onde se pode acessar outros menus que, por sua vez, acionam programas do Windows. Ao ser acionado, o botão Iniciar mostra um menu vertical com várias opções. Alguns comandos do menu Iniciar têm uma seta para a direita, significando que há opções adicionais disponíveis em um menu secundário. Se você posicionar o ponteiro sobre um item com uma seta, será exibido outro menu. O botão Iniciar é a maneira mais fácil de iniciar um programa que estiver instalado no computador, ou fazer alterações nas configurações do computador, localizar um arquivo, abrir um documento. 16

17 Figura 14: Botão Iniciar. O botão iniciar pode ser configurado. No Windows XP, você pode optar por trabalhar com o novo menu Iniciar ou, se preferir, configurar o menu Iniciar para que tenha a aparência das versões anteriores do Windows (95/98/Me). Clique na barra de tarefas com o botão direito do mouse e selecione propriedades e então clique na guia menu Iniciar. Esta guia tem duas opções: Menu iniciar: Oferece a você acesso mais rápido a e Internet, seus documentos, imagens e música e aos programas usados recentemente, pois estas opções são exibidas ao se clicar no botão Iniciar. Esta configuração é uma novidade do Windows XP Menu Iniciar Clássico: Deixa o menu Iniciar com a aparência das versões antigas do Windows, como o Windows ME, 98 e

18 Todos os programas O menu Todos os Programas, ativa automaticamente outro submenu, no qual aparecem todas as opções de programas. Para entrar neste submenu, arraste o mouse em linha reta para a direção em que o submenu foi aberto. Assim, você poderá selecionar o aplicativo desejado. Para abrir, por exemplo, as conexões de área de trabalho remota, basta posicionar o ponteiro do mouse sobre a opção Acessórios. O submenu Acessórios será aberto. Então aponte para 'conexões de área de trabalho remota' e dê um clique com o botão esquerdo do mouse. O mesmo serviria para executar o editor Paint, por exemplo, que se encontra no mesmo caminho descrito. Figura 15: Localização do acionador 'Todos os programas' 18

19 Figura 16: Abrindo um aplicativo usando o caminho 'Todos os programas' Note que a forma da esquerda apresenta uma pequena seta à sua direita, isso significa que há uma nova forma que se abrirá com novas opções à sua direita. 3.5 Janelas Para exemplificarmos uma janela, utilizaremos a janela de um aplicativo do Windows. O Bloco de Notas. Para abri lo clique no botão Iniciar / Todos os Programas / Acessórios / Bloco de Notas. Figura 17: Exemplo de janela de um programa 19

20 Barra de Título: esta barra mostra o nome do arquivo (Sem Título) e o nome do aplicativo (Bloco de Notas) que está sendo executado na janela. Através desta barra, conseguimos mover a janela quando a mesma não está maximizada. Para isso, clique na barra de título, mantenha o clique e arraste e solte o mouse. Assim, você moverá a janela para a posição desejada. Depois é só soltar o clique. Na Barra de Título encontramos os botões de controle da janela. Estes são: Minimizar: este botão oculta a janela da Área de trabalho e mantém o botão referente á janela na Barra de Tarefas. Para visualizar a janela novamente, clique em seu botão na Barra de tarefas. Maximizar: Este botão aumenta o tamanho da janela até que ela ocupe toda a Área da Trabalho. Para que a janela volte ao tamanho original, o botão na Barra de Título, que era o maximizar, alternou para o botão Restaurar. Clique neste botão e a janela será restaurada ao tamanho original. Fechar: Este botão fecha o aplicativo que está sendo executado e sua janela. Esta mesma opção poderá ser utilizada pelo menu Arquivo/Sair. Se o arquivo que estiver sendo criado ou modificado dentro da janela não foi salvo antes de fechar o aplicativo, o Windows emitirá uma tela de alerta perguntando se queremos ou não salvar o arquivo, ou cancelar a operação de sair do aplicativo. Barra de Menu: A barra horizontal que aparece abaixo da barra de título. Cada palavra que aparece, é o nome de um menu, que por sua vez mostrará vários outros comandos. Pode ser visualizada na figura anterior. Movimentação Para movimentar uma janela basta clicar em sua barra de título, manter o botão do mouse clicado e arrastá-la para o local desejado. Barra de ferramentas A barra de ferramentas se localiza logo abaixo da barra de menu, geralmente contem ícones de atalhos para ações contidas em alguma opção da barra de menu. Figura 18: Barra de ferramentas de um programa Atividades Para praticar um pouco o que já aprendemos, realize as atividades propostas abaixo: 1. Abra a calculadora e anote a sequência de comandos necessários Minimize a calculadora. Abra o bloco de notas. Maximize o bloco de notas. Movimente a calculadora pela área de trabalho. Feche todos os programas abertos. Bordas É o nome dado à linha que contorna a janela. São os limites externos da janela. Através das bordas, é possível aumentar ou diminuir o tamanho da janela de forma personalizada. Sem maximizar e minimizar. 20

21 3.6 Desligando o Windows Clicando se em Iniciar, desligar, teremos uma janela onde é possível escolher entre três opções: Suspender é um meio de manter o PC aparentemente desligado (sem barulho, sem luzes, sem nada), com um baixíssimo consumo de energia, podendo retornar rapidamente ao trabalho. Suspender é colocar o pc em estado de baixa energia (economia de energia, que salva todas as suas janelas, programas, e etc., sendo reiniciado o trabalho rapidamente com segurança. Desligar: Desliga o Windows, fechando todos os programas abertos para que você possa desligar o computador com segurança. Reiniciar: Encerra o Windows e o reinicia. Figura 19: Caixa de diálogo de finalização do Windows XP 3.7 Recursos práticos Ajuda Qualquer duvida em relação ao ambiente Windows pode ser facilmente sanada através do menu de ajuda padrão nos programas para Windows. Para acessar a ajuda, clique sobre o botão INICIAR/AJUDA. Abrirá uma janela de nome Centro de ajuda e suporte, após esta ser carregada, você poderá: Escolher um tópico de ajuda. Exemplo: rede e web, ou desempenho e manutenção. Solicitar assistência: Você pode convidar um amigo para ajudá-lo. Escolher uma tarefa: O Windows lhe dá a opção de realizar alguma das tarefas consideradas importantes para o sistema. Exemplo: atualizar o Windows, desfazer alterações com a restauração do sistema, etc. 21

22 3.7.2 Menu rápido Ao clicar com o botão direito do mouse em algum local faz surgir um pequeno menu com uma série de comandos. O interessante é que este menu assume as opções correspondente ao local onde foi realizado o clique. Figura 20: Exemplo de menu rápido 3.8 Relógio Aparece no canto direito da barra de tarefas. Ao levarmos o cursor sobre as horas é possível visualizar a data atual. 3.9 Indicadores Aparecem na extremidade direita da barra de tarefas e mostram a alguns indicadores de aplicativos de acordo com as tarefas que estiverem sendo executadas no momento. Neste local também podem aparecer o controle de volume, controle de softwares do tipo antivírus, controles de video, indicadores de conexão (internet), entre outros. Pode ser também que só apareça as horas e o volume. Figura 21: Indicadores Use o botão direito do mouse para acessar essa mesma caixa de diálogo. Ao usar clique duplo sobre as horas, será aberta uma caixa de diálogo que permite alterar a data, a hora, o fuso horário e até um ajuste automático para o horário de verão! E ainda tem um botão de ajuda, caso tenha alguma dúvida. 22

23 3.10 Configurações Clique com o botão direito na barra de tarefas e selecione Propriedades. A nova tela surgirá: Figura 22: Propriedades da barra de tarefas Bloquear a barra de tarefas: permite que a barra seja mostrada, mas que não possa ser redimensionada ou movida de local na área de trabalho. Ocultar automaticamente: A barra fica oculta e só aparece levarmos o cursor na base da tela (ou no local em que a borda estava anteriormente). Manter Barra sobre outras janelas: A barra de tarefas sempre aparecerá por cima de qualquer janela que estiver ativa. Agrupar botões semelhantes: Agrupa programas do mesmo tipo que estiverem na barra de tarefas, com o objetivo de não deixar a barra ficar muito poluída com botões. Obs.: Existe uma importante diferença entre os botões OK e Aplicar que aparece na tela de propriedades: OK: executa as alterações marcadas na caixa fechando a janela. Aplicar: executa as alterações mantendo a janela aberta Tamanho e disposição da barra de tarefas Para aumentar o tamanho da barra de tarefas é bastante simples. Primeiro deve se certificar se a barra de tarefas está desbloqueada, depois posicionar o ponteiro do mouse sobre a borda superior da barra. Assim que o cursor se transformar em uma seta de duas pontas (indicando a opção de redimensionamento) clicar e segurar o botão esquerdo, movimentar o mouse, e soltar o botão esquerdo assim que a barra assumir o tamanho de sua preferência. Este procedimento será mostrado na prática. 23

24 3.12 caixas de diálogo Um item interessante e muito útil é a Caixa de dialogo. Ela pode assumir várias formas e opções, dependendo do comando que for escolhido. É como se o computador nos perguntasse algo. Essa caixa servirá sempre como uma confirmação de algum comando utilizado, ou uma complementação para algum comando. Existem várias formas de apresentação dessas caixas de diálogo. Observe a imagem mostrada abaixo, representa uma caixa de diálogo onde é questionado ao usuário se ele deseja salvar alterações em um documento. O usuário então clica em um dos três botões, dependendo de sua necessidade. Figura 23: Exemplo de caixa de diálogo em sistema operacional Windows Em uma caixa de diálogo podem existir uma série de elementos de interação com o usuário. Entre eles pode-se destacar: caixa de listagem de cortina; caixa de verificação; botão de opção; caixa de texto; rótulo; caixa de listagem. 4 Ambiente multitarefa O Windows é considerado um software de fácil acesso, principalmente pelos recursos de multitarefas que a barra de tarefas nos propicia. Quando abrimos um programa dentro do Windows, aparece um botão correspondente. Clicando diretamente na barra, sobre um dos botões mostrados, o software selecionado aparecerá como uma janela ativa. Isso permite trabalhar com um texto, fazer um cálculo na calculadora, desenhar e colocar estes resultados (do cálculo e do desenho) dentro do texto, trabalhando com os vários softwares abertos ao mesmo tempo. 24

25 Figura 24: Área de trabalho de um micro com vários programas abertos simultaneamente. 4.1 Alterar entre softwares Para alternar entre os softwares abertos, basta clicar sobre o nome correspondente na barra de tarefas ou usar a combinação de teclas ALT+TAB onde teremos a seguinte janela: Figura 25: Janela de alternância de softwares Aperte a tecla ALT e a mantenha pressionada. Clique na tecla TAB algumas vezes até que o software desejado seja escolhido. Quando o contorno atingir este software, basta soltar a tecla ALT. 25

26 4.2 Exibir janelas Para que todas as janelas abertas sejam exibidas, clique com o botão direito do mouse sobre uma área livre da barra de tarefas. Irá aparecer o Menu Rápido (lista de comandos) com as seguintes opções: Janela em cascata: Organiza as janelas que não estão minimizadas, em forma de cascata. Neste caso ficará visível apenas uma das janelas, as outras ficarão parcialmente visíveis. Janela lado a lado horizontalmente: Organiza as janelas não minimizadas uma ao lado da outra, na posição horizontal. Neste caso, todas as janelas não minimizadas ficarão visíveis. Janela lado a lado verticalmente: As janelas são organizadas uma ao lado da outra, na posição vertical. Todas as janelas não minimizadas ficarão visíveis. É importante lembrar que, quanto maior o número de janelas abertas, menor será a área de visualização. Mostrar área de trabalho: Esta opção minimiza todas as janelas que estão abertas e maximizadas. Estes comandos só se mostram habilitados se as janelas estiverem visíveis. 4.3 Localizar Utilizamos esta opção para localizar arquivos, pastas ou computadores em rede. Para encontrar um arquivo, selecionamos a opção Arquivos ou pastas e teremos a seguinte janela: Figura 26: Tela de pesquisa básica 26

27 Nela especificamos o nome do arquivo que procuramos e em que pasta ele pode ser localizado. Podemos utilizar as guias Data e Avançado para direcionar melhor a busca, impondo algumas condições, por exemplo, para procurar arquivos de determinada data. Feitas as escolhas, clicamos no botão. Para acessar esta janela basta clicar em iniciar e depois em pesquisar. Atividades 1. Localize no Drive C: todos os arquivos com extensão bmp. 2. Localize no Drive C: todos os arquivos que comecem com a letra R. 3. Localize todos os arquivos que foram criados ou modificados no último mês. 4.4 Formatar Formatar um disco é prepará-lo para que possa ser utilizado. Um disquete ou pendrive, para que possa receber gravação, é dividido em trilhas e setores. A formatação apagará todos os arquivos e pastas do disco e criar trilhas e novos setores. Para formatar um disco utiliza-se um menu rápido. Clique com o botão direito sobre o drive desejado, e clique em formatar. Figura 27: Janela de formatação de disco A janela acima aparecerá, com opções de sistemas de arquivos, rotulação do disco, velocidade de formatação, entre outras. É importante saber bem o que está fazendo, pois depois de formatado um disco, os dados que foram apagados não poderão mais ser recuperados. Pelo menos não facilmente. 5 MS-DOS MS-DOS ( MicroSoft Disk Operating System) é um sistema operacional comprado pela Microsoft da empresa Seattle Computer, para ser usado em computadores da IBM PC. O MS-DOS é o responsável por gerenciar seus discos. Mas ele não faz apenas isso. Ele proporciona um modo de se dizer ao computador qual programa ou comando se deseja executar, onde ele se encontra e o que é necessário fazer com esse comando ou programa. Por exemplo, ele 27

28 pode enviar informações a tela de vídeo, impressora ou porta de comunicações, para que elas sejam enviadas a outro sistema. Sua utilização se baseia, portanto, em linhas de comando, ou seja, a digitação de instruções por parte do usuário. Porém, para que os comandos possam ser digitados, é necessário que o computador esteja apto a receber esses dados. Quando ele está pronto, emite um sinal, chamado Prompt de comando. Além disso, o Prompt ainda mostra a localização, ou seja, onde o usuário está trabalhando naquele instante. Por exemplo: C:\programas> Isso significa que o sistema está trabalhando na unidade C, na pasta programas. Após o sinal > temos uma barra que pisca, chamada cursor. O cursor indica onde os comandos do usuário aparecerão na tela. Nos sistemas mais atuais, como Windows XP, Vista e Windows 7, o MS-DOS em si não existe, apenas um Prompt que possui algumas de suas principais funcionalidades. Isso acontece porque os sistemas operacionais atuais não são tão dependentes do MS-DOS como antigamente. Assim, alguns de seus comandos podem não funcionar, porém os comandos básicos permanecem intactos. Para iniciar o MS-DOS ( no Windows XP, Vista e Windows 7) basta digitar o comando CMD em Iniciar/ executar, ou clicar em iniciar/todos os programas/acessórios/prompt de comando. A figura 28 mostra uma janela de prompt de comando aberta. Figura 28: Exemplo de janela de prompt de comando no windows Utilização dos Comandos Antes de digitar os comandos, o Prompt deve aparecer na tela com o cursor piscando. Quando isso acontecer, o computador está pronto para receber suas ordens. Após terminar de digitar o comando, aperte ENTER. Usaremos como exemplo no prompt a unidade C:\>, porém, qualquer outra letra que indique uma unidade de disco válida pode a substituir. 28

29 5.2 Comandos Básicos DATE - C:\>date Esse comando atualiza a data do sistema. Ao digitar C:\>date, o computador informará a data que ele possui (atual) na linha de baixo. Saltará outra linha e pedirá uma nova data, no formato dd-mm-aa (data, mês e ano). Observe a figura 29: Figura 29: Comando date no prompt. TIME - C:\>time Parecido com o anterior, o comando time atualiza a hora do sistema. Após digitar C:\>time, o computador informará a data que possui (atual) na linha de baixo e, saltando outra linha, pedirá a nova hora, no formato hh:mm:ss (hora, minuto e segundo). Observe a Figura 30: Figura 30: Comando time no prompt. VER - C:\>ver Esse comando apenas exibe a versão do sistema operacional que está sendo utilizado. DIR O comando DIR mostra a lista de arquivos de um diretório. Esse comando pode contar com algumas especificações, como: /p quando há uma grande quantidade de aquivos por diretório, suficiente para não ser exibida de uma vez só na tela, o comando C:\>dir /p lista os arquivos com pausa. /w lista o diretório, organizando-o na posição horizontal. O comando fica assim: C:\>dir /w. /s exibe não só o conteúdo do diretório, mas também o de suas pastas : C:\>dir /s. /? essa função é utilizada para conhecer todos os parâmetros do comando DIR. C:\>dir /?. Além disso, o comando DIR também acrescenta três informações importantes: o número de arquivos contidos no diretório corrente, o espaço ocupado por esses arquivos, e o espaço disponível. 29

30 Veja um exemplo de comando DIR na figura 31 abaixo: Figura 31: Exemplo de utilização do comando dir/w na unidade C. CLS - C:\>cls Este comando apaga os comandos anteriores, limpando a tela e deixando o cursor no canto superior esquerdo. MKDIR ou MD Comando que cria um diretório a partir de uma pasta corrente com o nome especificado. C:\>md programas - cria a pasta programas em C:\; C:\>mkdir programas/arquivos - cria a pasta arquivos dentro de C:\programas. CHDIR ou CD Comando que muda o diretório atual a partir da pasta atual. C:\>cd infowester entra no diretório infowester. C:\>cd infowester/hardware vai para o diretório hardware, que está dentro de infowester. Ao digitar CD.. o programa voltará ao diretório anterior. Por exemplo, ao digitar C:\>infowester\hardware>cd.., sairá de hardware e voltará para infowester. A figura 32 mostra um exemplo de utilização do comando cd. Figura 32: utilização do comando cd no prompt. 30

31 RMDIR ou RD Remove o diretório, o diretório ao qual o comando se refere somente será eliminado se não houver nenhuma pasta em seu interior. C:\>rd infowester\hardware - remove o diretório hardware de infowester. TREE Comando que mostra graficamente a árvore de diretórios a partir do diretório raiz, para que o usuário possa visualizar a organização hierárquica do seu disco. Este comando, assim como o DIR, pode possuir algumas especificações. /f mostra a árvore de diretórios com as pastas contidas dentro deles. Ex: C:\>tree /f /a instrui o comando TREE a usar a tabela ASCII ao invés de caracteres estendidos. Ex: C:\>tree /a CHKDSK Checa as especificações e a integridade do disco rígido mencionado. Em algumas versões do Windows, necessita-se de privilégios de administrador para poder visualizar essas informações. Ex:C:\>chkdsk: - checa o disco rígido C:. MEM Esse comando mostra informações atuais sobre a memória do computador. RENAME ou REN Permite ao usuário renomear arquivos. Para isso, deverá ser informado o diretório(caso o arquivo não se encontre no diretório atual) em que o arquivo se encontra, seguido do nome atual e o novo nome. Além disso, pode-se alterar extensões do arquivo, utilizando o caractere * (asterisco) Ex.:C:\>ren programas.doc arquivos.doc - muda o nome do arquivo de programas.doc para arquivos.doc. Ex.:C:\>ren *.jpg *.gif - esta instrução altera a extensão de todos os arquivos do diretório atual que terminam em.jpg. COPY Cria cópias de um determinado arquivo ou grupos de arquivos de uma pasta para outra. Para copiar apenas um arquivo, deve-se digitar copy, mais o endereço atual do arquivo, mais o endereço de destino. Para copiar um grupo de arquivos, utiliza-se o asterisco (*) para substituir caracteres. Todos os arquivos com a terminação igual a digitada depois do asterisco serão copiados. Ex.: C:\>copy c:\hardware\infowester.doc c:\artigos copia o arquivo infowester.doc de c:\hardware\ para c:\artigos. Ex.:C:\>copy c:\*.doc c:\aulas\software - esse comando copia todos os arquivos que 31

32 terminam em.doc de C:\ para C:\aulas\software. XCOPY Além de copiar arquivos, copia também árvores de diretórios, de acordo com suas especificações. /d copia arquivos que foram modificados a partir da data informada logo após o comando pelo usuário. Se a data não for informada, apenas arquivos modificados a partir da data de alteração do local serão copiados. /p solicita autorização do usuário para copiar cada arquivo individualmente. /s move diretórios não-vazios. Caso estejam vazios, deve-se usar /E/S. /u só copia arquivos que já existam no diretório de destino. /? - mostra todos os parâmetros do comando. MOVE Esse comando possui duas funções. Ele pode renomear diretórios ou mover arquivos de um diretório para o outro. Para renomear diretórios, escrevemos apenas o nome atual e o novo. Para movermos arquivos, é necessário utilizar *.* entre os nomes. Ex.: C:\>move aula informática - renomeia o diretório aula presente em C:\ para informática. Ex.: C:\>move d:\aula *.* informática:\ - faz a movimentação de todos os arquivos presentes em D:\aula para a unidade informática:\, deixando assim o diretório D:\aula vazio. TYPE Exibe o conteúdo de um determinado arquivo especificado pelo usuário, logo após o comando. Ex.: C:\>type informática - exibe o conteúdo do arquivo informática na tela. FORMAT Comando que executa a formatação do disco rígido, ou seja, prepara a unidade para o uso. Se a unidade já for formatada, todos o seu conteúdo será perdido e poderá ser recuperada apenas com programas especiais. Esse comano também possui algumas especificações. /q formata rapidamente o disco. /s formata o disco independente da condição. /? - fornece mais informações, assim como todos os parâmetros. Ex.: C:\>format a: - formata o disco na unidade A:\. UNFORMAT Permite a recuperação de informações de um disco formatado. Alguns parâmetros acompanham esse comando. Entre eles: 32

33 /l recupera as informações de um disco mostrando arquivos e diretórios. /test permite ao usuário listar todas as informações, sem refazer o disco. Ex.:C:\>unformat a: - "desformata" o disco representado pela unidade A:\. DEL Comando que apaga determinados arquivos. Para o arquivo ser deletado, deve-se indicar o local e o arquivo logo após o comando DEL. Para apagar determinados grupos de arquivos, escrevemos o final dos arquivos depois de asterisco (*). Para excluir todos os arquivos, devemos utilizar. *.*. Ex.: C:\>del c:\informática\aula.doc - apaga o arquivo aula.doc presente na pasta informática; Ex.: C:\>del c:\informática\*.doc - apaga todos os arquivos.doc da pasta informática; Ex.: C:\>del c:\informática\*.* - apaga todos os arquivos da pasta informática. UNDELETE Assim como o comando UNFORMAT, este comando permite recuperação de arquivos. Recupera-se um ou mais arquivos, quando possível, utilizando-se o comando da seguinte maneira: Ex.:C:\>undelete c:\informática\aula.doc - recupera o arquivo aula.doc que estava presente na pasta informática. 6 Trabalhando com pastas Damos o nome de pastas a locais dentro do disco que armazenam arquivos e até outras pastas. As pastas dividem os discos como cômodos de uma casa, facilitando a pesquisa e a organização de arquivos. Pastas são comumente chamadas de Diretórios a figura 33 mostra um exemplo de ícone que representa uma pasta no ambiente gráfico de algumas versões do Windows. Uma pasta pode armazenar arquivos, mas arquivos nunca podem armazenar pastas. Pastas podem ser modificadas da seguinte forma: Figura 33: Exemplo de ícone que representa uma pasta ou diretório. 6.1 Criar Pastas Para criar uma pasta, devemos clicar com o botão direito no local de destino. Aparecerá, então, uma barra de opções. Ao posicionar o mouse sobre a opção Novo, aparecerá uma nova barra. Clique na opção pasta,. Ao ser criada, a pasta precisa de um nome. Digite o nome desejado e aperte ENTER. Pronto, uma nova pasta foi criada. A figura 34 mostra como este procedimento é realizado. 33

34 Figura 34: Procedimento de criação de pasta 6.2 Excluir Pastas Quando não precisamos mais de uma pasta, é possível excluí-la. Para isso, devemos selecioná-la com o botão esquerdo, apertar o botão direito e selecionar excluir na barra de opções que aparecerá. Ou podemos selecionar a pasta com o botão esquerdo do mouse e apertar a tecla DEL do teclado. Assim, a pasta excluída irá para a lixeira. Para que a pasta seja excluída diretamente (sem passar pela lixeira) devemos selecioná-la com o botão esquerdo do mouse e apertar SHIFT + DEL. Observe na figura 35 uma demostração de exclusão de pasta. Figura 35: exemplo de exclusão de pasta 34

35 6.3 Renomear Pastas Ao criarmos uma pasta, devemos escolher um nome específico. Porém, quando julgarmos necessário, podemos trocar o nome escolhido anteriormente. Basta selecionar a pasta com o botão esquerdo do mouse, clicar com o direito e selecionar renomear pasta na barra de opções. Ou podemos selecionar a pasta e apertar F2 no teclado. Depois de qualquer um dos métodos executados, é só digitar o nome escolhido e apertar ENTER. Veja este procedimento na figura 36. Figura 36: renomeação de pasta Não é permitido renomear pastas que estão sendo utilizadas. E alguns caracteres não podem fazer parte dos nomes escolhidos para as pastas. É o que acontece no exemplo da figura 37. Figura 37: exemplo de renomeação de pasta com caracteres inválidos. 35

36 7 Arquivos Arquivo é apenas o nome que damos para informações gravadas. Quando fazemos qualquer coisa no computador (digitar, desenhar, etc) o programa nos permite guardar as informações, sendo elas inéditas ou modificadas. Assim, essas informações ficam salvas em um arquivo, para que possamos vê-las ou modificá-las quando quisermos. Existem alguns comandos para que possamos mexer com esses arquivos 7.1 Copiar Arquivos podem ser duplicados, para que possamos passá-los a outras pessoas e também mantê-lo em nosso computador, ou simplesmente por segurança, por exemplo. O usuário pode fazer isso de duas formas: 1- selecionando o arquivo com o botão esquerdo do mouse, depois apertar o botão direito, uma barra aparecerá. Clique na opção copiar, e o arquivo será selecionado. Depois, é só colar no local de origem. O procedimento é mostrado na figura selecionando o arquivo com o botão esquerdo, e apertar as teclas CTRL + c do teclado. É um atalho muito utilizado. Depois, é só colar no local de origem. Figura 38: Exemplo de cópia de arquivo 36

37 7.2 Mover. Mover um arquivo significa levá-lo para um lugar diferente, sem copiá-lo. Ou seja apenas transferir o arquivo de um local para o outro. Para isso, podemos selecionar o arquivo com o botão esquerdo do mouse, e segurando o botão, arrastá-lo até o local desejado. Podemos, também, utilizar a função recortar. 7.3 Cortar Assim como o botão copiar, este procedimento também cria um arquivo idêntico ao original, porém quando se cola o arquivo na pasta de destino, o original do arquivo some. Portanto, ao cortar, estamos apenas movendo o arquivo. Assim como copiar, podemos fazer isso de duas formas. 1 podemos selecionar o arquivo com o botão esquerdo do mouse e, ao apertar o botão direito, uma barra com algumas opções aparecerá. Selecione a opção cortar e depois cole o arquivo no local desejado. 2 a função recortar também possui um atalho no teclado. Ao selecionar o arquivo com o botão esquerdo, deve-se apertar os botões CTRL + x no teclado. Com o arquivo cortado, é só colar no local desejado. 7.4 Colar Quando se copia ou recorta um arquivo, é necessário colar no local de origem. Devemos fazer da seguinte forma: 1 depois de copiar ou recortar o arquivo, clicar com o botão direito na pasta onde se deseja colocar o arquivo. Ao aparecer a barra de opções, clicar na opção colar. 2 depois de copiar ou recortar o arquivo, ir para a pasta de destino e apertar CTRL + v. 7.5 Apagar Quando não se deseja mais guardar alguma informação, é possível excluir um arquivo, das seguintes formas: 1 selecione o arquivo com o botão esquerdo do mouse, clique com o botão direito, e selecione a opção excluir na barra que aparecerá. 2 depois de selecionar o arquivo com o botão esquerdo, aperte a tecla del (delete) no teclado. Todos os arquivos deletados dessa forma irão para a lixeira. Para excluir um arquivo permanentemente (sem mandá-lo para a lixeira) devemos apertar as teclas SHIFT + DEL. Observe na figura 39 um exemplo de exclusão de arquivo. 37

38 Figura 39: exemplo de exclusão de arquivos 7.6 Renomear Quando salvamos um arquivo, o computador pede que um nome seja dado a esse arquivo, para uma melhor identificação e organização. Você pode alterar o nome escolhido a qualquer momento, da seguinte forma: 1 selecione o arquivo com o botão esquerdo. Clique com o botão direito e aparecerá uma barra de opções. Escolha renomear, digite o nome desejado e aperte ENTER. 2 selecione o arquivo com o botão esquerdo, aperte a tecla F2 no teclado, digite o nome desejado e aperte ENTER. 7.7 Propriedades Ao selecionar o arquivo com o botão esquerdo, e depois clicar com o botão direito do mouse, uma barra de opções aparecerá. A última opção são as propriedades. Quando clicamos nesta opção, teremos acesso a varias informações do arquivo, como: Nome, tipo do arquivo, o software utilizado, localização, tamanho, tamanho no disco, data e hora de criação, data e hora de modificação ( se houver), e a data e a hora do último acesso. Tome a figura 40 como exemplo. 38

39 Figura 40: Exemplo de acesso às propriedades de um arquivo. 7.8 Salvar É necessário salvar um arquivo, para que as modificações feitas possam ser visualizadas mais tarde. Se estamos salvando o arquivo pela primeira vez, devemos clicar em Arquivo, no canto superior esquerdo e clicar em Salvar Como ( o atalho no teclado é CTRL + SHIFT + s), A figura 42 mostra a operação de salvar como. Aparecerá uma janela, do qual podemos escolher onde desejamos que o arquivo seja salvo, qual o nome desejado, e qual o formato. Se o arquivo já foi salvo antes, e foi modificado, devemos clicar em Arquivo (no canto superior esquerdo) e depois em Salvar ( o atalho no teclado é CTRL + s), como mostrado na figura 41. Figura 41: Exemplo de arquivo tendo suas alterações salvas. 39

40 Figura 42: Procedimento para salvar como um arquivo 7.9 Lixeira Quando um arquivo se torna desnecessário, podemos apagá-lo. Ao fazermos isso, o arquivo vai para a lixeira (a menos que o arquivo seja apagado de forma direta, como mostrado anteriormente), que nada mais é do que um local para arquivos que não queremos mais (lixo). Eles estarão ali, caso seja preciso resgatá-los. Ao apagar arquivos da lixeira, eles são excluídos definitivamente. Lembrando que arquivos excluídos com o comando SHIFT+DEL não são movidos para a lixeira, são excluídos diretamente. Um arquivo que está na lixeira pode ser restaurado, retornando ao seu local de origem e deixando de existir na lixeira. 40

41 Figura 43: Janela de lixeira padrão. A figura 43 mostra uma janela de uma lixeira padrão. Observe que nela contém as opções de restaurar todos os itens e esvaziar lixeira. Estes procedimentos executam as mesmas ações descritas, porém, se aplicam a todos os arquivos ali contidos. 8 Compartilhamento Definição: O processo de compartilhar arquivos, entre diferentes usuários ou máquinas, é algo comum na grande maioria dos Sistemas Operacionais. Em geral, o próprio sistema operacional já cria uma pasta compartilhada padrão ao inserir um novo usuário. No Windows XP, essa pasta padrão é chamada Documentos Compartilhados e está presente para todos usuários. O funcionamento é bastante simples, todos os arquivos da pasta ficam disponíveis para qualquer usuário que acessar o computador, não se limitando ao usuário atual. Lembrete: Cada usuário do Computador, tem seus próprios documentos, sendo esses acessíveis apenas pelo seu perfil ou por um perfil de Administrador. No Windows XP, os Documentos Compartilhados podem ser acessados pela janela Meu Computador. 41

42 Figura 44: Documentos Compartilhados O recurso de Compartilhamento não se limita aos usuários de um computador. A internet é um exemplo de grande rede de compartilhamento, onde arquivos são armazenados em servidores remotos e podem ser acessados pela nossa máquina. Um site por exemplo, nada mais é do que uma coleção de arquivos disponíveis em algum servidor, que é acessado e interpretado pelo nosso navegador, possibilitando assim nossa navegação pelas páginas da Web. Por não ser limitada aos usuários, podemos em teoria compartilhar nossos arquivos com todo o mundo, usando-se das tecnologias corretas. Podemos também, compartilhar arquivos através de uma rede local. Onde os arquivos se tornam acessíveis não apenas a nossa máquina, mas também as demais máquinas da rede. Isso pode ser útil dentro de casa, para compartilhar arquivos entre os computadores do quarto e do escritório, ou mesmo em empresas, tornando documentos acessíveis a diversas máquinas. Agora que entendemos o conceito de compartilhamento de arquivos. É hora de botar a mão na massa e praticar. Atividade Prática no Windows XP: Objetivo: Disponibilizar uma pasta para diferentes computadores em uma rede. 42

43 1 Passo: Clicamos com o botão direito em uma pasta e acessamos a aba Propriedades. Conforme a figura abaixo: Figura 45: Aba Propriedades 2 Passo: Clique na aba Compartilhamento, marque a opção Compartilhar esta pasta na rede. Caso os arquivos possam ser alterados pelos demais usuários, marque a Permitir que usuarios da rede alterem meus arquivos. 3 Passo: Confira se a pasta foi compartilhada corretamente. Dica: As pastas compartilhadas são marcadas através de uma mão em sua imagem. 43

44 Figura 46: Aba Compartilhamento Diferentes Versões do Windows: Além de serem diferentes em cada Sistema Operacional, as opções de compartilhamento também mudam dependendo da versão do Windows. Por exemplo, a partir do Windows 7 é possível configurar Grupos Domésticos protegidos por senha -para compartilhamento do Arquivos. Com os Grupos Domésticos é possível escolher quais pastas serão compartilhadas, quais usuários podem acessá-las ou mesmo alterá-las, se é possível usar o computador como servidor de mídia, dentre diversas outras opções. Após configurado, a inserção de pastas no Grupo Doméstico pode ser feita no menu de contexto clicando com o botão direito sobre o arquivo. 44

45 Figura 47: Compartilhamento Windows 8 9 Configurações 9.1 Painel de Controle O painel de Controle, como o próprio nome indica, é o principal local de configurações de um computador. O mesmo te fornece opções para personalizar a aparência e o funcionamento do computador, adicionar ou remover programas, configurar contas de rede e de usuários, dentre diversos outros recurso. Para acessá-lo, abra o menu iniciar no canto inferior esquerdo da tela e clique na opção Painel de Controle. Atividade Prática Objetivo: Mudar o modo de exibição do Painel de Controle, para o modo clássico, onde é possível visualizar uma gama maior de opções. 45

46 1 Passo: Abra o Painel de Controle Figura 48: Acessando o Painel de Controle 46

47 2 Passo: Clique em Alterar para o modo de exibição clássico. Figura 49: Alterando o Modo de Exibição 47

48 3 Passo: Compare as diferenças entre os modos de exibição. Figura 50: Painel de Controle Clássico 9.2 Propriedades de Data e Hora As propriedades de Data e Hora nos permitem personalizar o calendário do computador. Estas opções estão disponíveis no Painel de Controle ou com o uso do duplo clique sobre o relógio do Sistema. O painel de Data e Hora é composto por 3 abas, reacionadas a baixo: Data e Hora: Nesta aba é possível configurar a data e horário atuais do sistema. 48 Figura 51: Propriedades de Data e Hora

49 Fuso Horário: Nesta aba é possível escolher seu horário em relação ao horário da cidade de Greenwich. O horário de Brasília é GMT-03:00, que significa que estamos 3 horas atrás do horário de Greenwich. Ao selecionar o horário de Brasília, também temos a opção de ajustar automaticamente o relógio para o horário de verão. Figura 52: Fuso Horário 3 Aba Horário da Internet: Nesta aba é possível sincronizar nosso relógio a um relógio externo provido por algum servidor. Essa opção vem marcada de fábrica e não é necessário alterá-la. Figura 53: Horário da Internet 49

50 9.3 Fontes O repositório de fontes está disponível através do Painel de Controle, nele é possível verificar quais fontes tipográficas estão instaladas no computador, quais fontes são similares a uma fonte especificas e etc. Para instalar um novo pacote de fontes no computador, basta copiá-las para o repositório. Em uma análise simplista, as fontes são divididas em fontes serifadas(serif em inglês) e sem serifa(sans-serif em inglês), onde as fontes serifadas contém certos detalhes arredondados nas extremidades, enquanto as fontes sem serifa são baseadas em traços retos. Atividade Prática Objetivo: Pesquisar fontes semelhantes a Times New Roman. 1 Passo: Entre no Painel de Controle e dê um duplo clique na opção Fontes. Figura 54: Acesso ao repositório de fontes 50

51 2 Passo: Clique na opção Similaridade, como na imagem abaixo: Figura 55: Fontes Instaladas 51

52 3 Passo: Selecione a fonte Times New Roman Figura 56: Listando Fontes 4 Passo: Verifica que as fontes que são Muito Similares, bem similares e não similares. 9.4 Propriedades de Video As propriedades de vídeo nos permitem alterar a aparência e resolução de nosso computador. Através dela podemos mudar o papel de parede, configurar proteção de tela, cores e tamanhos de fonte. Elas podem ser acessadas através da opção Vídeo no painel de controle ou clicando com o botão direito sobre a área de trabalho e escolhendo a opção propriedades. As propriedades de vídeo são divididas em cinco abas, sendo listadas a baixo. 1 - Temas: A aba de Temas nos permite alterar entre diferentes definições propriedades gráficas do sistema. Os temas envolvem a aparência da janela, área de trabalho, fontes e etc. Note nas imagens abaixo, que o formato da janela apresentado na propriedade é o mesmo que está empregado em todo sistema. 52

53 Figura 57: Tema Windows XP Figura 58: Tema Clássico do Windows 53

54 2 - Área de Trabalho: Nesta aba é possível modificar o papel de parede da Área de Trabalho. A modificação será demonstrada na próxima Atividade Prática da apostila. Figura 59: Propriedades de Vídeo 3 Proteção de Tela: Nesta aba é possível escolher uma proteção de tela, ajustar o tempo Na caixa proteção de tela, é possível alterar a animação da proteção, que pode ser visualizada ao clicar no botão visualizar a sua direita. Logo abaixo temos a opção Aguardar: x minutos, onde é possível configurar o tempo para a proteção de tela ativar. Na caixa ao lado, temos a opção Ao continuar. Proteger com senha que ao ser ativada, exige a senha do usuário a cada vez que o computador é retirado da proteção de tela. 54

55 Figura 60: Proteção de Tela 4 - Aparência: Na aba corrente, é possível configurar o estilo das janelas e botões, o esquema de cor e o tamanho da fonte. Na imagem abaixo, podemos notar que ao modificar o estilo de cores, todas as janelas e a barra de tarefas foram modificadas para o estilo escolhido. Figura 61: Esquema de Cor Verde-oliva 55

56 5 - Configurações: Nesta aba é possível configurar os monitores caso exista mais de um plugado ao computador, a resolução dos mesmos e o esquema de cor. Figura 62: Configurações Atividade Prática Objetivo: Trocar o Papel de Parede. 1 Passo: Clique com o botão direito sobre a área de trabalho, escolha a opção propriedades. 2 Passo: Nas propriedades de vídeo, vá para a aba Área de Trabalho. 3 Passo: Escolha um papel de parede de sua preferência. Figura 63: Modificando o Papel de Parede 56

57 4 Passo: Após selecionar o papel de parede de sua preferência, clique em aplicar. Figura 64: Papel de Parede Modificado 5 Passo: Após verificar a mudança do papel de parede, retorne para o papel de parede anterior a mudança. 9.5 Propriedades do Sistema As propriedades do Sistema nos fornecem informações, gerencia de dispositivos, configurações de atualização e restauração do sistema. Esta opção nos dá informações importantes como a versão do Sistema Operacional instalada, o registro do computador e os dispositivos instalados no mesmo. As configurações do sistema são divididas em 7 abas, conforme listado abaixo. 57

58 1 - Geral: Na aba geral são apresentadas informações como a versão do sistema operacional instalada, o registro do mesmo, fabricante, processador e memória do computador. Figura 65: Geral 58

59 2 - Nome do Computador: Esta aba permite visualizar e alterar o nome do computador e do grupo de trabalho. Apesar de parecer algo irrelevante quando pensamos em uma máquina isolada, a configuração do nome do computador é imprescindível em uma rede. Figura 66: Nome do Computador 3 - Hardware: Nas configurações de hardware, podemos gerenciar os componentes físicos do computador. Dentre suas opções, a mais importante é o gerenciador de dispositivos, uma ferramenta que oferece a visualização e manutenção do hardware instalado na máquia. Figura 67: Hardware 59

60 4 - Avançado: As configurações avançadas permitem a modificação de diversas tarefas do sistema operacional, que podem afetar o desempenho, inicialização e recuperação do sistema. É aconselhável que apenas usuários experientes modifiquem estas opções. Figura 68: Avançado 5 - Restauração do Sistema: A restauração do Sistema é um recurso de manutenção do computador, que tem como característica restaurar o sistema para um estado anterior ao atual. Em geral é usado para reverter erros de configuração ou problemas com aplicações. É aconselhado deixar as configurações de restauração no modo padrão. Figura 69: Restauração do Sistema 60

61 6 - Atualizações Automáticas: As atualizações são formas do desenvolvedor do Sistema Operacional concertarem falhas e oferecer novos recursos para o mesmo. Nesta aba é possível configurar a maneira a qual o sistema lida com essas atualizações. Para usuários padrão, não há necessidade de mudar sua configuração, deixando-as em modo Automático. Figura 70: Atualizações Automáticas 7 - Remoto: A assistência remota permite que um usuário externo possa prestar assistência remotamente. Esta opção é provida por uma ferramenta externa compatível com o protocolo MAPI como o falecido Windows Messenger. 61 Figura 71: Remoto

62 Atividade Prática: Objetivo: Verificar os dispositivos de rede do computador. 1 Passo: Entrar no Painel de Controle. 2 Passo: Acessar as configurações do sistema. 3 Passo: Abrir a aba Hardware e acessar o gerenciador de dispositivos. 4 Passo: Duplo clique em Adaptadores de Rede. 9.6 Impressora O Windows também fornece um auxiliar para impressoras, presente no Painel de Controle. Nele é possível instalar novas impressoras e gerenciar as existente, sendo elas locais ou disponíveis pela rede. Hoje grande parte das impressoras utilizam a porta USB, tendo como característica o "plug and play" plugar e usar em tradução livre que permite que a mesma esteja pronta para uso de imediato, caso ela já esteja instalada, ou caso não esteja, o próprio Windows é capaz de instalar os drivers necessários sendo necessária a conexão a internet. Todavia, as Impressoras e Multifuncionais costumam ser acompanhadas por um CD de Instalação, que facilita a instalação do dispositivo. Logo, no caso de impressoras locais, o trabalho do usuário é plugá-la a porta USB e rodar o cd de instalação ou esperar que o próprio Windows instale os drivers necessários. Em casos específicos onde o Windows não consiga instalar os drivers e não possua cd de instalação, é necessário recorrer ao site do fabricante e descarregar os drivers específicos da impressora. 62

63 Figura 72: Informação - Impressoras Plug and Play O uso de impressoras em rede é um pouco mais complicado. Em versões mais novas do Windows, ao adentrar em um Grupo Doméstico podemos escolher quais as pastas serão compartilhadas e se ativaremos o compartilhamento da impressora. Nestas versões, as impressoras se tornam disponíveis automaticamente aos outros usuários do grupo. Já no Windows XP, este processo deve ser feito de manualmente pelos usuários. Instalando uma Impressora Remota no Windows XP. 1 Passo: Abra o Painel de Controle e clique e selecione "Impressoras e Equipamentos de Fax". 63

64 2 Passo: Clique em "Adicionar uma Impressora" na caixa "Tarefas da Impressora". Nota: Perceba que não há impressora instalada no momento. Figura 73: Impressoras e Aparelhos de Fax 64

65 3 Passo: Marque a opção "Uma impressora de rede ou conectada a outro computador" e clique em avançar. Figura 74: Impressora de Rede 65

66 4 Passo: Selecione "Procurar Impressora". Figura 75: Procurar impressora 66

67 5 Passo: Selecione a rede onde a impressora está sendo compartilhada na imagem a "Rede Microsoft Windows" = e o caminho da impressora na imagem "\\SILMA-PC\HP Deskjet F4200 series". Por fim clique em avançar. Figura 76: Impressoras Compartilhadas 67

68 6 Passo: Entre com o nome de usuário e senha da máquina onde a impressora está instalada. Figura 77: Conectar a Máquina Remota 7 Passo: Após a confirmação do nome de usuário e senha, o Windows enviará uma mensagem de confirmação. Aceite-a caso o computador que compartilha a impressora seja confiável. Figura 78: Mensagem de Confirmação 8 Passo: Confira se a impressora foi instalada com sucesso. Nota: Ao contrário do 2 passo, podemos notar que agora temos uma impressora instalada. 68

69 Figura 79: Impressora Instalada 10 Ferramentas 10.1 Desfragmentador de disco O desfragmentador de disco é uma ferramenta de otimização do sistema. Com o uso recorrente do sistema, os arquivos ao serem gravados e apagados do disco tendem a se fragmentar em diferentes áreas, o que causa lentidão durante o uso. Essa fragmentação se deve a forma a qual o Windows trata os arquivos. A principio os arquivos são gravados de forma sequencial no disco, mas ao apagar os arquivos, o sistema preenche os espaços com novos arquivos. Quando os novos arquivos são maiores do que o espaço livre, o sistema os fragmenta e grava em diferentes partes do disco. Após um período de tempo, diversos arquivos são separados em diversas partes do disco, o que aumenta o uso do disco ao ler os arquivos e consequentemente diminui a performance do sistema. Em alguns Sistemas Operacionais, como as versões mais novas do Windows, o processo de desfragmentação do disco é feito automaticamente através de tarefas agendadas. Em outros Sistemas Operacionais, é necessário que o próprio usuário cuide do processo, este é o caso do Windows XP. Atividade Prática Objetivo: Desfragmentar um disco no Windows XP. 69

70 1 Passo: Para acessar o desfragmentador de disco, abra o Menu Inicial, cliquem em todos os programas -> acessórios -> ferramentas do sistema -> desfragmentador de disco. Figura 80: Abrindo o Desfragmentador de disco 70

71 2 Passo: Clique em uma unidade de disco e no botão Analisar. Figura 81: Desfragmentador de Disco 3 Passo: Ao fim da análise, uma janela de resposta do sistema informa se é necessário ou não desfragmentar o disco. Caso seja necessário, clique em desfragmentar. Nota: Como o processo é lento, não é necessário desfragmentar os computadores do laboratório Backups Um backup nada mais é do que uma cópia de segurança de algum arquivo, seja ele pessoal ou do sistema. São usados para recuperação de dados perdidos, seja através de uma "imagem"¹ do sistema, de outro disco ou mesmo de uma unidade de armazenamento externa cd's,dvd's, pendrives e etc. O processo de Backup pode ser feito pelo sistema ou mesmo manualmente. Quando você grava um DVD com dados - fotos da ultima viagem da família, por exemplo - está fazendo um backup manual, guardando os dados em outro local para caso de perdas. As versões mais atuais da grande maioria dos Sistemas Operacionais fornecem opções de backup automáticas, onde após configurados, o sistema faz todo trabalho pesado sozinho. Infelizmente o Windows XP na versão Home não possuí ferramenta de backup padrão, por isso não teremos exemplo prático nesta apostila. Mas caso tenham curiosidade ou necessidade de usar uma ferramenta de backup neste Sistema Operacional, é possível obter informações pelo link abaixo: 71

Comandos básicos do MS-DOS

Comandos básicos do MS-DOS :: Tutoriais Comandos básicos do MS-DOS Introdução DOS (Disk Operating System) é um sistema operacional bastante antigo, lançado na década de 1980. Apesar da "idade", muitas de suas funcionalidades têm

Leia mais

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Iniciando o Windows XP...2 Desligar o computador...3 Área de trabalho...3

Leia mais

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA Microsoft Windows XP William S. Rodrigues APRESENTAÇÃO WINDOWS XP PROFISSIONAL O Windows XP, desenvolvido pela Microsoft, é o Sistema Operacional mais conhecido e utilizado

Leia mais

ÁREA DE TRABALHO. Área de Trabalho ou Desktop Na Área de trabalho encontramos os seguintes itens: Atalhos Barra de tarefas Botão iniciar

ÁREA DE TRABALHO. Área de Trabalho ou Desktop Na Área de trabalho encontramos os seguintes itens: Atalhos Barra de tarefas Botão iniciar WINDOWS XP Wagner de Oliveira ENTRANDO NO SISTEMA Quando um computador em que trabalham vários utilizadores é ligado, é necessário fazer login, mediante a escolha do nome de utilizador e a introdução da

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Projeto solidário para o ensino de Informática Básica

Projeto solidário para o ensino de Informática Básica Projeto solidário para o ensino de Informática Básica Parte 2 Sistema Operacional MS-Windows XP Créditos de desenvolvimento deste material: Revisão: Prof. MSc. Wagner Siqueira Cavalcante Um Sistema Operacional

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 2 Windows Vista Professora: Cintia Caetano AMBIENTE WINDOWS O Microsoft Windows é um sistema operacional que possui aparência e apresentação aperfeiçoadas para que o trabalho

Leia mais

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação Informática Aplicada Revisão para a Avaliação 1) Sobre o sistema operacional Windows 7, marque verdadeira ou falsa para cada afirmação: a) Por meio do recurso Windows Update é possível manter o sistema

Leia mais

Vamos identificar dois deles:

Vamos identificar dois deles: Vamos identificar dois deles: Computador, que máquina é essa? Vamos usá-la? Vamos conhecer mais de perto o computador. É uma máquina capaz de variados tipos de tratamento automático de informações ou processamento

Leia mais

Informática básica Telecentro/Infocentro Acessa-SP

Informática básica Telecentro/Infocentro Acessa-SP Informática básica Telecentro/Infocentro Acessa-SP Aula de hoje: Periférico de entrada/saída, memória, vírus, Windows, barra tarefas. Prof: Lucas Aureo Guidastre Memória A memória RAM é um componente essencial

Leia mais

O computador. Sistema Operacional

O computador. Sistema Operacional O computador O computador é uma máquina desenvolvida para facilitar a vida do ser humano, principalmente nos trabalhos do dia-a-dia. É composto basicamente por duas partes o hardware e o software. Uma

Leia mais

Apostila de Windows XP

Apostila de Windows XP Table of Contents Introdução...1 Area de trabalho...5 Ícones...7 Barra de tarefas...8 O Botão Iniciar...10 Todos os programas...14 Logon e Logoff...16 Desligando o Windows XP...18 Acessórios do Windows...20

Leia mais

Apostila retirada do site Apostilando.com

Apostila retirada do site Apostilando.com Introdução... 2 Area de trabalho... 3 Ícones... 3 Barra de tarefas... 3 O Botão Iniciar... 4 Todos os programas... 5 Logon e Logoff... 6 Desligando o Windows XP... 6 Acessórios do Windows... 7 Janelas...

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Introdução ao Windows 7

Professor: Macêdo Firmino Introdução ao Windows 7 Professor: Macêdo Firmino Introdução ao Windows 7 O hardware não consegue executar qualquer ação sem receber instrução. Essas instruções são chamadas de software ou programas de computador. O software

Leia mais

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves Conceitos Básicos de Informática Antônio Maurício Medeiros Alves Objetivo do Material Esse material tem como objetivo apresentar alguns conceitos básicos de informática, para que os alunos possam se familiarizar

Leia mais

Mini-curso Informática Básica

Mini-curso Informática Básica Mini-curso Informática Básica Módulo II Sistema Operacional (Windows) Grupo PET-Computação (pet@dsc.ufcg.edu.br) DSC/CCT/UFCG Sumário 1. Introdução 2. Inicializando e Fechando o Windows 3. Usando o Mouse

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE MS-WINDOWS. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE MS-WINDOWS. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CONCEITOS BÁSICOS DE MS-WINDOWS Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA SISTEMA OPERACIONAL DA EMPRESA MICROSOFT Interface gráfica WIMP GUI Windows, Icons, Menus, Pointer, Graphical User

Leia mais

O WINDOWS 98 é um sistema operacional gráfico, multitarefa, produzido pela Microsoft.

O WINDOWS 98 é um sistema operacional gráfico, multitarefa, produzido pela Microsoft. WINDOWS O WINDOWS 98 é um sistema operacional gráfico, multitarefa, produzido pela Microsoft. Área de Trabalho Ligada a máquina e concluída a etapa de inicialização, aparecerá uma tela, cujo plano de fundo

Leia mais

8/9/2010 WINDOWS. Breve Histórico. Profa. Leda G. F. Bueno. Seu desenvolvimento iniciou-se em 1981

8/9/2010 WINDOWS. Breve Histórico. Profa. Leda G. F. Bueno. Seu desenvolvimento iniciou-se em 1981 Conceitos Básicos e Gerenciamento de Arquivos WINDOWS EXPLORER Profa. Leda G. F. Bueno WINDOWS Sistema operacional criado pela Microsoft Corporation Característica Principal características o uso de janelas

Leia mais

INTRODUÇÃO. Não é exagero afirmar que é o sistema operacional o programa mais importante do computador, sem ele seu equipamento não funciona.

INTRODUÇÃO. Não é exagero afirmar que é o sistema operacional o programa mais importante do computador, sem ele seu equipamento não funciona. INTRODUÇÃO O Microsoft Windows XP é um sistema operacional de interface gráfica multifunções, isso significa que podemos trabalhar com vários programas de forma simultânea. Por ex: poderíamos escutar um

Leia mais

INTRODUÇÃO AO WINDOWS

INTRODUÇÃO AO WINDOWS INTRODUÇÃO AO WINDOWS Paulo José De Fazzio Júnior 1 Noções de Windows INICIANDO O WINDOWS...3 ÍCONES...4 BARRA DE TAREFAS...5 BOTÃO...5 ÁREA DE NOTIFICAÇÃO...5 BOTÃO INICIAR...6 INICIANDO PROGRAMAS...7

Leia mais

Unidade 2. ROM BIOS (Basic Input/Output System) Sistema Operativo. Interacção entre as diferentes partes num computador: software e hardware

Unidade 2. ROM BIOS (Basic Input/Output System) Sistema Operativo. Interacção entre as diferentes partes num computador: software e hardware Interacção entre as diferentes partes num computador: software e hardware Unidade 2 Utilização do ambiente operativo Windows Aplicações Sistema Operativo ROM BIOS Processador+memória+... Software aplicacional

Leia mais

O computador organiza os programas, documentos, músicas, fotos, imagens em Pastas com nomes, tudo separado.

O computador organiza os programas, documentos, músicas, fotos, imagens em Pastas com nomes, tudo separado. 1 Área de trabalho O Windows XP é um software da Microsoft (programa principal que faz o Computador funcionar), classificado como Sistema Operacional. Abra o Bloco de Notas para digitar e participar da

Leia mais

Conhecendo o Sistema Operacional

Conhecendo o Sistema Operacional Prefeitura de Volta Redonda Secretaria Municipal de Educação NTM Núcleo de Tecnologia Educacional Municipal Projeto de Informática Aplicada à Educação de Volta Redonda - VRlivre Conhecendo o Sistema Operacional

Leia mais

CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP

CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais são programas que como o próprio nome diz tem a função de colocar o computador em operação. O sistema Operacional

Leia mais

Aula 02 Software e Operações Básicas. Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/

Aula 02 Software e Operações Básicas. Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/ Aula 02 Software e Operações Básicas Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/ Revisando Como um computador funciona: Entrada (Dados) Processamento (Análise dos Dados)

Leia mais

Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Chapecó Sistema Operacional

Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Chapecó Sistema Operacional Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Chapecó Sistema Operacional Elaboração: Prof. Éverton Loreto everton@uffs.edu.br 2010 Objetivo Conhecer as características e recursos do Sistema Operacional

Leia mais

SIMULADO Windows 7 Parte V

SIMULADO Windows 7 Parte V SIMULADO Windows 7 Parte V 1. O espaço reservado para a Lixeira do Windows pode ser aumentado ou diminuído clicando: a) Duplamente no ícone lixeira e selecionando Editar propriedades b) Duplamente no ícone

Leia mais

Professor: Roberto Franciscatto. Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais

Professor: Roberto Franciscatto. Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais Professor: Roberto Franciscatto Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos

Leia mais

WINDOWS EXPLORER Pro r f. f. R o R be b rt r o t A n A d n r d a r de d

WINDOWS EXPLORER Pro r f. f. R o R be b rt r o t A n A d n r d a r de d WINDOWS EXPLORER Prof. Roberto Andrade Roteiro desta aula 1. OqueéoWindowsExplorer 2. Acionamento do Windows Explorer 3. Entendendo Unidades, Pastas e Arquivos 4. Ambiente gráfico(janela, Barras e Botões)

Leia mais

Arquitetura Genérica

Arquitetura Genérica Arquitetura Genérica Antes de tudo, vamos revisar o Modelo Simplificado do Funcionamento de um Computador. Modelo Simplificado do Funcionamento de um Computador O funcionamento de um computador pode ser

Leia mais

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais.

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. MICROSOFT WINDOWS O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. Apresentaremos a seguir o Windows 7 (uma das versões do Windows)

Leia mais

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Informática - Básico Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Índice Apresentação...06 Quais são as características do Windows?...07 Instalando o Windows...08 Aspectos Básicos...09 O que há na tela do Windows...10

Leia mais

Ambiente de trabalho. Configurações. Acessórios

Ambiente de trabalho. Configurações. Acessórios Ambiente de trabalho Configurações Acessórios O Sistema Operativo (SO) é o conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e comunique com o exterior. Actualmente, o Windows é

Leia mais

Sumário O Computador... 3 Desligando o computador... 5 Cuidados com o computador... 5 O Windows e as janelas... 6 O que é o Windows?...

Sumário O Computador... 3 Desligando o computador... 5 Cuidados com o computador... 5 O Windows e as janelas... 6 O que é o Windows?... 1 Sumário O Computador... 3 Desligando o computador... 5 Cuidados com o computador... 5 O Windows e as janelas... 6 O que é o Windows?... 6 Usando os programas... 7 Partes da janela:... 7 Fechando as janelas...

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Sistemas Operacionais (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Classificações 3. CPU 4. Memória 5. Utilitários O que se

Leia mais

Informática. Rodrigo Schaeffer

Informática. Rodrigo Schaeffer Informática Rodrigo Schaeffer PREFEITURA DE PORTO ALEGRE- INFORMÁTICA Conceitos básicos de Word 2007; formatar, salvar e visualizar arquivos e documentos; alinhar, configurar página e abrir arquivos; copiar,

Leia mais

APOSTILA LINUX EDUCACIONAL

APOSTILA LINUX EDUCACIONAL MUNICÍPIO DE NOVO HAMBURGO DIRETORIA DE INCLUSÃO DIGITAL DIRETORIA DE GOVERNO ELETRÔNICO APOSTILA LINUX EDUCACIONAL (Conteúdo fornecido pelo Ministério da Educação e pela Pró-Reitoria de Extensão da UNEB)

Leia mais

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br Hardware e Software Professor: Felipe Schneider Costa felipe.costa@ifsc.edu.br Agenda Hardware Definição Tipos Arquitetura Exercícios Software Definição Tipos Distribuição Exercícios 2 Componentesde um

Leia mais

Prof. Arthur Salgado

Prof. Arthur Salgado Prof. Arthur Salgado O que é um sistema operacional? Conjunto de programas de sistemas situados entre os softwares aplicativos e o hardware Estabelece uma interface com o usuário Executa e oferece recursos

Leia mais

Área de Trabalho. Encontramos: Ìcones Botão Iniciar Barra de Tarefas

Área de Trabalho. Encontramos: Ìcones Botão Iniciar Barra de Tarefas Inicialização Tela de Logon Área de Trabalho Encontramos: Ìcones Botão Iniciar Barra de Tarefas Área de Trabalho Atalhos de Teclados Win + D = Mostrar Área de trabalho Win + M = Minimizar Tudo Win + R

Leia mais

13. Dentre os caracteres considerados como curinga, em nome de arquivos, utiliza-se (A) = (B) + (C)? (D) @ (E) ^

13. Dentre os caracteres considerados como curinga, em nome de arquivos, utiliza-se (A) = (B) + (C)? (D) @ (E) ^ 1 PRIMEIRA PARTE: Conceitos de organização de arquivos (pastas/diretórios), utilização do Windows Explorer: copiar, mover arquivos, criar diretórios. Tipos de arquivos. 01. Aplicações de multimídia em

Leia mais

UNIDADE III Sistemas Operacionais WINDOWS

UNIDADE III Sistemas Operacionais WINDOWS UNIDADE III Sistemas Operacionais WINDOWS Objetivo da unidade Objetivo Geral Apontar as noções básicas do Windows Praticar o aprendizado sobre o Sistema Operacional Objetivos Específicos Entender como

Leia mais

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip Se, assim como a maioria, você possui um único PC ou notebook, uma opção para testar as distribuições Linux sem precisar mexer no particionamento do HD e instalar o sistema em dualboot, é simplesmente

Leia mais

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação Informática Aplicada Revisão para a Avaliação 1) É necessário criar várias cópias de documentos importantes em locais diferentes. Esses locais podem ser pastas no HD interno ou HD externo, ou então em

Leia mais

Apostila Básica de Informática Ensino Fundamental Volume 1

Apostila Básica de Informática Ensino Fundamental Volume 1 Apostila Básica de Informática Ensino Fundamental Volume 1 1 1. WINDOWS... 3 1.1 - Como funciona o Windows?... 3 1.2 - Botão Iniciar... 3 1.3 - Comutando entre tarefas abertas... 4 1.4 - O que é uma Janela?...

Leia mais

Curso Introdução à Educação Digital - Carga Horária: 40 horas (30 presenciais + 10 EaD)

Curso Introdução à Educação Digital - Carga Horária: 40 horas (30 presenciais + 10 EaD) ******* O que são computadores? São máquinas que executam tarefas ou cálculos de acordo com um conjunto de instruções (os chamados programas). Possui uma linguagem especifica chamada Linguagem de programação

Leia mais

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft.

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Introdução ao Microsoft Windows 7 O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Visualmente o Windows 7 possui uma interface muito intuitiva, facilitando a experiência individual do

Leia mais

Tarefas principais e comandos básicos

Tarefas principais e comandos básicos Tarefas principais e comandos básicos Sobre o Windows XP. O nome "XP" deriva de experience, experiência em inglês; Foi sucedido pelo Windows Vista 2007; em janeiro de As duas principais edições são Windows

Leia mais

6.5. Renomeando Arquivos ou Pastas

6.5. Renomeando Arquivos ou Pastas 50 II. Para mover um arquivo, pasta, objeto dentro do Windows: 1) Clique com o mouse sobre a pasta, arquivo a serem movidos; 2) Mantenha o botão esquerdo do mouse pressionado; 3) Arraste o objeto para

Leia mais

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada SO Windows Aula 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 APRESENTAÇÃO Todo computador precisa de um sistema operacional. O Windows

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Entendendo o Computador Componentes do Computador COMPONENTES DO COMPUTADOR Tabela ASCII A sigla ASCII deriva de American Standard Code for Information Interchange, ou seja, Código no Padrão Americano

Leia mais

Windows. Introdução. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional

Windows. Introdução. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional Windows Prof. Leandro Tonietto Cursos de Informática Unisinos Março-2008 O que é Sistema operacional? O que é Windows? Interface gráfica: Comunicação entre usuário e computador de forma mais eficiente

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

Digitalização. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424

Digitalização. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424 Digitalização Este capítulo inclui: Digitalização básica na página 4-2 Instalando o driver de digitalização na página 4-4 Ajustando as opções de digitalização na página 4-5 Recuperando imagens na página

Leia mais

Informática para Banca IADES. Hardware e Software

Informática para Banca IADES. Hardware e Software Informática para Banca IADES Conceitos Básicos e Modos de Utilização de Tecnologias, Ferramentas, Aplicativos e Procedimentos Associados ao Uso de Informática no Ambiente de Escritório. 1 Computador É

Leia mais

Professor Jorge Alonso Módulo II Windows 7

Professor Jorge Alonso Módulo II Windows 7 Professor Jorge Alonso Módulo II Windows 7 Email: profjorgealonso@gmail.com / Jorge Alonso Ruas 1 Windows 7 Área de Trabalho / Desktop 2 Barra de Tarefas Botão Iniciar Botões de Inicialização Rápida Área

Leia mais

Prof. Esp. Lucas Cruz

Prof. Esp. Lucas Cruz Prof. Esp. Lucas Cruz O hardware é qualquer tipo de equipamento eletrônico utilizado para processar dados e informações e tem como função principal receber dados de entrada, processar dados de um usuário

Leia mais

Lição 4 - Primeiros passos no Linux Ubuntu 11.04

Lição 4 - Primeiros passos no Linux Ubuntu 11.04 Lição 4 - Primeiros passos no Linux Ubuntu 11.04 Olá Aluno Os objetivos específicos desta lição são: - reconhecer o Ubuntu como mais uma alternativa de sistema operacional; - conhecer os elementos da área

Leia mais

PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA

PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA EE Odilon Leite Ferraz PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA AULA 1 APRESENTAÇÃO E INICIAÇÃO COM WINDOWS VISTA APRESENTAÇÃO E INICIAÇÃO COM WINDOWS VISTA Apresentação dos Estagiários Apresentação do Programa Acessa

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS PROVAS DE INFORMÁTICA BANCO DO BRASIL

QUESTÕES COMENTADAS PROVAS DE INFORMÁTICA BANCO DO BRASIL QUESTÕES COMENTADAS PROVAS DE INFORMÁTICA BANCO DO BRASIL BANCO DO BRASIL (Aplicação: 07/10/2001) CARGO: ESCRITURÁRIO 1 C 2 C ::::... QUESTÃO 33...:::: Outro modo de realizar a mesma operação com sucesso

Leia mais

Comandos básicos do MS-DOS

Comandos básicos do MS-DOS Comandos básicos do MS-DOS O MS-DOS (Microsoft Disk Operation System) foi o primeiro sistema operacional comercializado pela Microsoft. Surgiu em 1981 junto com o primeiro IBM PC. A Microsoft vendia licenas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS ESTADO DO PARANÁ NOVEMBRO / 2007 APRESENTAÇÃO Este material foi solicitado pela Secretaria Municipal da Administração SEMAD, e elaborado com o intuito de capacitar os servidores desta prefeitura, de todos os cargos e lotações,

Leia mais

Pastas São indicadas pelo ícone correspondente a uma pasta suspensa.

Pastas São indicadas pelo ícone correspondente a uma pasta suspensa. Janela do Windows Explorer Logo abaixo dos componentes que já conhecemos (barra de título, barra de menus e barra de ferramentas), existe uma divisão vertical, é a exibição de todas as pastas. Modos de

Leia mais

Operador de Computador (Mulheres Mil) Informática I (12h)

Operador de Computador (Mulheres Mil) Informática I (12h) Operador de Computador (Mulheres Mil) Informática I (12h) Noções de Informática Conceitos: Informática Ciência que estuda o tratamento racional e automático de informação armazenamento, análise, organização

Leia mais

Apostila de introdução à informática. Projeto inclusão digital usando software livre

Apostila de introdução à informática. Projeto inclusão digital usando software livre Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Apostila de introdução à informática Projeto inclusão digital usando software livre Por: David Moreira Abreu Araújo Estudante Bolsista Carlos

Leia mais

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Ambiente Gráfico Configurações Acessórios O Sistema Operativo (SO) é o conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e que comunique com o exterior. Actualmente o Windows é

Leia mais

Iniciação à Informática

Iniciação à Informática Meu computador e Windows Explorer Justificativa Toda informação ou dado trabalhado no computador, quando armazenado em uma unidade de disco, transforma-se em um arquivo. Saber manipular os arquivos através

Leia mais

É o UniNorte facilitando a vida de nossos docentes e discentes.

É o UniNorte facilitando a vida de nossos docentes e discentes. ACESSO REMOTO Através do Acesso Remoto o aluno ou professor poderá utilizar em qualquer computador que tenha acesso a internet todos os programas, recursos de rede e arquivos acadêmicos utilizados nos

Leia mais

LASERJET ENTERPRISE M4555 SÉRIE MFP. Guia de instalação do software

LASERJET ENTERPRISE M4555 SÉRIE MFP. Guia de instalação do software LASERJET ENTERPRISE M4555 SÉRIE MFP Guia de instalação do software HP LaserJet Enterprise M4555 MFP Series Guia de instalação do software Direitos autorais e licença 2011 Copyright Hewlett-Packard Development

Leia mais

Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari amanda@fcav.unesp.br

Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari amanda@fcav.unesp.br Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari amanda@fcav.unesp.br São representações dos números de uma forma consistente. Apresenta uma grande quantidade de números úteis, dando a cada número

Leia mais

Informática Arquitetura de Computadores. Profª. Me. Valéria Espíndola Lessa lessavaleria@gmail.com Valeria-lessa@uergs.edu.br

Informática Arquitetura de Computadores. Profª. Me. Valéria Espíndola Lessa lessavaleria@gmail.com Valeria-lessa@uergs.edu.br Arquitetura de Computadores Profª. Me. Valéria Espíndola Lessa lessavaleria@gmail.com Valeria-lessa@uergs.edu.br 1 Arquitetura do Computador 1 Monitor 2 Placa mãe 3 Processador (CPU) 4 Memória RAM 5 Placas

Leia mais

Oficina de Software Livre.

Oficina de Software Livre. Professor: Igor Patrick Silva Contato: (38)88037610 E-Mail: igorsilva88037610@hotmail.com 1 Índice CAP. 1 O computador e seus componentes 2 CAP. 2 O que é software livre e o que é software proprietário

Leia mais

Noções de Hardware. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com)

Noções de Hardware. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Hardware André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Gerações de hardware Tipos de computadores Partes do Microcomputador Periféricos Armazenamento de

Leia mais

INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA GRUPO DE PESQUISA LEITURA NA TELA

INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA GRUPO DE PESQUISA LEITURA NA TELA INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA GRUPO DE PESQUISA LEITURA NA TELA Núcleo de Educação a Distância UniEvangélica 2 ÍNDICE 1 Introdução à Informática... 3 1. O Computador... 3 Teclado... 3 Mouse... 5 Monitor...

Leia mais

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br SISTEMA OPERACIONAL APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br SISTEMA OPERACIONAL APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) SISTEMA OPERACIONAL APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 ÍNDICE Aula 1 Conhecendo o Linux... 3 Apresentação... 3 Tela de Logon... 4 Área de trabalho... 5 Explorando o Menu

Leia mais

sobre Hardware Conceitos básicos b Hardware = é o equipamento.

sobre Hardware Conceitos básicos b Hardware = é o equipamento. Conceitos básicos b sobre Hardware O primeiro componente de um sistema de computação é o HARDWARE(Ferragem), que corresponde à parte material, aos componentes físicos do sistema; é o computador propriamente

Leia mais

Windows 7. Sistema Operacional

Windows 7. Sistema Operacional Windows 7 Sistema Operacional FCC - 2012 - TRE-SP - Técnico Judiciário O sistema operacional de um computador consiste em um a) conjunto de procedimentos programados, armazenados na CMOS, que é ativado

Leia mais

Aula 2 Introdução ao Software Livre

Aula 2 Introdução ao Software Livre Aula 2 Introdução ao Software Livre Aprender a manipular o Painel de Controle no Linux e mostrar alguns softwares aplicativos. Ligando e desligando o computador através do sistema operacional Não é aconselhável

Leia mais

INE 5223. Sistemas Operacionais. Noções sobre sistemas operacionais, funcionamento, recursos básicos. Windows (cont.)

INE 5223. Sistemas Operacionais. Noções sobre sistemas operacionais, funcionamento, recursos básicos. Windows (cont.) INE 5223 Sistemas Operacionais Noções sobre sistemas operacionais, funcionamento, recursos básicos Windows (cont.) Baseado no material do IFRN e de André Wüst Zibetti WINDOWS 7 Tópicos Windows 7 Área de

Leia mais

Windows 7. 1.1. Barra de Tarefas 1.1.1. Botão Iniciar e Menu Iniciar Lista de Saltos: apresenta lista de arquivos recentemente acessados

Windows 7. 1.1. Barra de Tarefas 1.1.1. Botão Iniciar e Menu Iniciar Lista de Saltos: apresenta lista de arquivos recentemente acessados Windows 7 1. Área de Trabalho ou Desktop 1.1. Barra de Tarefas 1.1.1. Botão Iniciar e Menu Iniciar Lista de Saltos: apresenta lista de arquivos recentemente acessados Noções de Informática Henrique Sodré

Leia mais

Gabarito - Windows 7-12/12/2014 AULA 01

Gabarito - Windows 7-12/12/2014 AULA 01 Gabarito - Windows 7-12/12/2014 AULA 01 1 1- O Windows Explorer é o navegador de arquivos do Windows. (Verdadeiro)2- O Windows é o navegador de arquivos do Windows Explorer. (Falso)3- O Windows Explorer

Leia mais

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL Núcleo IFRS Manual do NVDA Sumário O que são leitores de Tela?... 3 O NVDA - Non Visual Desktop Access... 3 Procedimentos para Download

Leia mais

Painel de Controle Windows XP

Painel de Controle Windows XP Painel de Controle Windows XP Autor: Eduardo Gimenes Martorano Pág - 1 - APOSTILA PAINEL DE CONTROLE Pág - 2 - ÍNDICE INTRODUÇÃO:...4 PAINEL DE CONTROLE...4 TRABALHANDO COM O PAINEL DE CONTROLE:...4 ABRINDO

Leia mais

Computação I. Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br

Computação I. Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br Computação I Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br MÓDULO I- Introdução à Informática Hardware Hardware? HARDWARE é a parte física do computador. É o conjunto de componentes mecânicos, elétricos

Leia mais

Professor. Thiago Miranda Material: www.thiagomiranda.net. Email: mirandathiago@gmail.com

Professor. Thiago Miranda Material: www.thiagomiranda.net. Email: mirandathiago@gmail.com Microsoft Windows 1 Professor Thiago Miranda Material: www.thiagomiranda.net Email: mirandathiago@gmail.com Conceitos básicos de SO O que é um sistema operacional? É um programa ou conjunto de programas

Leia mais

Introdução à Informática Professor: Juliano Dornelles

Introdução à Informática Professor: Juliano Dornelles Pra que serve o computador? O computador é uma extensão dos sentidos humanos. Pode ser utilizado no trabalho, nos estudos e no entretenimento. Com finalidades de interação, comunicação, construção de conteúdo,

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES WINDOWS 8

CADERNO DE QUESTÕES WINDOWS 8 CADERNO DE QUESTÕES WINDOWS 8 1) No sistema operacional Microsoft Windows 8, uma forma rápida de acessar o botão liga/desliga é através do atalho: a) Windows + A. b) ALT + C. c) Windows + I. d) CTRL +

Leia mais

Microsoft Office Excel

Microsoft Office Excel 1 Microsoft Office Excel Introdução ao Excel Um dos programas mais úteis em um escritório é, sem dúvida, o Microsoft Excel. Ele é uma planilha eletrônica que permite tabelar dados, organizar formulários,

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

Brasil. Características da Look 312P. Instalação da Look 312P

Brasil. Características da Look 312P. Instalação da Look 312P Características da Look 312P 1 2 3 Lente Foco manual pelo ajuste da lente. Bolso Você pode colocar o cabo no bolso. Corpo dobrável Ajuste a Look 312P em diferentes posições. Instalação da Look 312P 1.

Leia mais

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com Informática Componentes de um SC Hardware X Software Memória do Computador Hardware X Software Toda interação dos usuários de computadores modernos é realizada

Leia mais

Sistema Gerenciador de Locadora Glossário Versão 1.1

Sistema Gerenciador de Locadora Glossário Versão 1.1 GLOSSÁRIO Sistema Gerenciador de Locadora Glossário Versão 1.1 Responsável: Gustavo Teles GL01 Glossário 01 Página 1 de 7 A Aba - 1. Ficha com objetivo de separar ou agrupar em um mesmo contexto campos

Leia mais

Informática. Aula 03 Sistema Operacional Linux. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos

Informática. Aula 03 Sistema Operacional Linux. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Prof. Diego Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Informática Aula 03 Sistema Operacional Linux Objetivos Entender

Leia mais

Estrutura de um Computador. Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP

Estrutura de um Computador. Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP Estrutura de um Computador Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP Hardware e Software HARDWARE: Objetos Físicos que compões o computador Circuitos Integrados, placas, cabos, memórias, dispositivos

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

SAMUEL SEAP 01-04-2015 INFORMÁTICA. Rua Lúcio José Filho, 27 Parque Anchieta Tel: 3012-8339

SAMUEL SEAP 01-04-2015 INFORMÁTICA. Rua Lúcio José Filho, 27 Parque Anchieta Tel: 3012-8339 SEAP 01-04-2015 SAMUEL INFORMÁTICA Microsoft Windows 7 O Windows 7 é um sistema operacional que trás uma melhor performance não apenas em recursos sistêmicos como também nos atrai pelo seu belo visual

Leia mais

Aspectos Avançados. Conteúdo

Aspectos Avançados. Conteúdo Aspectos Avançados Conteúdo Vendo o que existe em seu computador Ambiente de Rede Lixeira Organizando arquivos e pastas Usando o Windows de maneira eficaz Trabalhando com documentos 34 Vendo o que existe

Leia mais