Relatório e Contas. Exercício de 2002

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório e Contas. Exercício de 2002"

Transcrição

1 BANCO SANTANDER CENTRAL HISPANO, S.A. Sede social: Paseo de Pareda nº 9 a 12, Santander, Espanha Capital Social: ,5 euros Registada no Registro Mercantil de Santander Cantabria CIF A Relatório e Contas Exercício de 2002 (ao abrigo do Reg. CMVM nº 13/2002)

2 Relatório Anual 2002 Compromisso com a transparência

3 Índice Informações Relevantes 3 Carta do Presidente 4 Carta do Administrador Delegado 8 O Grupo Santander Central Hispano O Nosso Grupo 28 Os Nossos Clientes 31 Os Nossos Empregados Relatório sobre o Governo Corporativo Relatório sobre o Conselho de Administração e suas Comissões 50 Assembleias Gerais de Accionistas 62 A Acção 67 Administração Geral 67 Página web do Grupo Responsabilidade Social Corporativa Universidades 73 Outras Actuações de Carácter Social 74 Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável 75 Fundações 76 Indicadores de Responsabilidade Social Relatório Financeiro Relatório Financeiro do Grupo Consolidado 98 Relatório por Áreas de Negócio Gestão Financeira e Gestão de Risco Gestão Financeira 130 Gestão de Risco Informações Jurídicas Relatório de Auditoria 152 Contas Anuais Consolidadas 211 Relatório de Gestão 216 Balanço e Demonstração de Resultados de Banco Santander Central Hispano, S.A. Apêndices A Função de Cumprimento 224 Prevenção de Branqueamento de Capitais 226 Cronologia 228 Séries Históricas 230 Mapas Financeiros das principais Entidades do Grupo 235 Informações Gerais Santander Central Hispano Relatório Anual 2002

4 Como prova da nossa confiança na capacidade de geração de resultados do Grupo Santander, vamos propor à Assembleia Geral manter o dividendo de 0,2885 euros por acção, como em 2001, o que representa um rendimento por dividendo para o accionista, face à variação de fecho do exercício, de 4,4%. A nossa especialização na área da banca comercial e a nossa diversificação geográfica caracterizam-nos como um grupo multilocal. Um grupo que combina um modelo de negócio comum com uma gestão local. O Grupo Santander não necessita de novas compras e investimentos para garantir o seu desenvolvimento. As possibilidades de criação de valor, através da gestão eficaz do crescimento orgânico dos seus negócios actuais, são consideráveis e muito superiores às dos nossos principais concorrentes internacionais. 2

5 Informações relevantes Lucro líquido atribuído 2.258, , ,2 milhões de euros Dividendo por acção 0,2735 0,2885 0,2885 euros Recursos próprios * (Rácio BIS) milhões de euros Variação Margem de exploração (milhões euros) 5.565, ,5-6,37% Lucro líquido atribuído (milhões euros) 2.247, ,3-9,62% Eficiência (rácio %) 52,28 53,98-1,70 p. Lucro por acção (euros) 0,4753 0, ,74% Dividendo por acção (euros) 0,2885 0,2885 Rendimento médio por dividendo (%) 3,64 2,81 0,83 p. Rácio BIS (%) 12,64 12,04* 0,60 p. (*) Descontado o efeito da amortização de acções preferenciais materializada em Nota: Mais informações sobre os principais indicadores de 2002 na página 79 deste relatório anual. Santander Central Hispano Relatório Anual 2002

6 Carta do Presidente 4 Caros accionistas: O Grupo Santander atingiu no exercício um lucro líquido atribuído de 2.247,2 milhões de euros, com uma quebra de 9,6% face ao ano anterior, tendo mantido o seu dividendo em 0,2885 euros por acção, o que representa um rendimento por dividendo para o accionista, face à variação do fecho do exercício, de 4,4%. Estes resultados foram alcançados num ano difícil para o sector bancário, no qual a banca internacional, em média, viu consideravelmente reduzidos os seus lucros e a sua cotação na bolsa de valores. A criação de valor a longo prazo para os nossos accionistas, que superaram o milhão no ano de 2002, é a prioridade estratégica mais importante para o Grupo Santander. A rentabilidade acumulada da nossa acção nos últimos 10 anos foi de 360% e o dividendo por acção aumentou a uma média anual cumulativa de 10,3% durante igual período. Fechámos o ano com uma capitalização de ,4 milhões de euros, a 2ª entidade da zona euro e a 16ª do mundo. Modelo de negócio e estratégia de gestão A nossa especialização na banca comercial e a nossa diversificação geográfica caracterizam-nos como um grupo multilocal. Um grupo que combina um modelo de negócio comum com uma gestão local, que nos permite conhecer em profundidade os mercados em que estamos presentes. Apesar da dimensão do Grupo, os nossos riscos não são globais mas sim locais. Por esta razão e devido à nossa experiência nestes mercados, os riscos estão mais diversificados e são mais fáceis de controlar.

7 A nossa condição multilocal vê-se reforçada por uma gestão orientada tanto para a eficiência, através da geração de receitas, como para o controlo de custos, e para a solidez do balanço, através da estrita gestão do risco e da melhoria da base de capital. O resultado é a boa evolução da actividade bancária de carácter mais recorrente, na qual assentamos a nossa evolução futura. Assim, da margem de exploração, 86% é proveniente da banca comercial. Completada com os negócios de Tesouraria, Banca Privada Internacional, Banca «Wholesale» e de Gestão de Activos. Nestas áreas a nossa gestão é integral e global, o que nos permite satisfazer as necessidades complementares dos nossos clientes em todos os países em que estamos presentes. Com base nestes princípios, a actuação do Grupo neste exercício concentrou-se no desenvolvimento das bases de uma estratégia assente no negócio da Península Ibérica e da América Latina, complementada com a aliança com o Royal Bank of Scotland e com a nossa actividade de Banca de Consumo na Europa. No plano estratégico, de destacar o acordo celebrado com o Bank of America para desenvolvimento do negócio bancário no México. A integração comercial do Banco Santander Mexicano e da Banca Serfin, a fusão do Banco Santander Chile e do Banco Santiago, a integração do AKB no CC-Bank e a colocação no mercado de 11,64% do capital do Banesto são outras das operações realizadas durante o ano que se revestem de particular importância. Em matéria de fundos próprios, o Grupo conseguiu neutralizar o impacto das desvalorizações das moedas latino-americanas mediante uma forte geração de resultados recorrentes e da venda de participações industriais (Dragados e Vallehermoso) assim como de 3% do Royal Bank of Scotland. Em complemento realizámos provisões e saneamentos equivalentes a milhões de euros, melhorando os rácios de capital, repetindo o dividendo do ano anterior e sem recorrer aos nossos accionistas. Consequentemente, iniciámos o exercício de 2003 com uma sólida base de capital, situando-nos entre as entidades melhor capitalizadas da zona euro. Banca Comercial Durante o exercício concentrámos a nossa actuação nos países com maior potencial de rentabilidade e de crescimento: Espanha, Portugal, Brasil, México e Chile. Trata-se de um mercado conjunto muito amplo, com uma população de 330 milhões de habitantes e no qual contamos com 30 milhões de clientes. 5 Nestes países o Santander tem uma clara vantagem competitiva graças às elevadas quotas de mercado, superiores a 10% nos mercados em que actua, à sua ampla experiência na gestão da banca comercial e dos riscos de crédito e à oferta de serviços complementares aos nossos clientes na Banca de Investimentos e Banca Corporativa Global. Durante o ano reforçámos as nossas capacidades nestes países, melhorando a eficiência e os índices de morosidade e com um impacto muito favorável em todos os demais rácios de gestão. Este amplíssimo mercado, verdadeiro núcleo de actual, constitui uma excelente plataforma para o crescimento futuro dos nossos resultados. O Grupo Santander não necessita de novas compras ou investimentos para garantir o seu desenvolvimento. As possibilidades de criação de valor, através da eficaz gestão do crescimento orgânico dos seus negócios actuais, são consideráveis e muito superiores às dos nossos principais concorrentes internacionais. Noutros países em que estamos presentes mas que não reúnem as condições necessárias para desenvolver um modelo de banca comercial universal, ajustámos a nossa presença a um modelo de banca mais selectiva. Santander Central Hispano Relatório Anual 2002

8 Carta do Presidente Brasil No Brasil, a incerteza associada ao processo eleitoral exigiu uma elevada capacidade de reacção. O que para nós foi sempre claro é que o Brasil é e continuará a ser uma prioridade estratégica para o nosso Grupo. A solidez e o dinamismo do sistema bancário brasileiro constituem uma garantia de estabilidade para o país. Trata-se de um sistema bancário moderno, com entidades solventes e bem capitalizadas. O Grupo Santander está a cumprir pontualmente todos os objectivos estabelecidos no momento de aquisição do Banespa, como demonstram os excelentes resultados alcançados no presente ano. Royal Bank of Scotland e Bank of America A aliança estratégica com o Royal Bank of Scotland ocupa um papel importante em todas as nossas actuações. O apoio financeiro recíproco e a troca de ideias e de experiências constituem uma valiosa contribuição conjunta da qual esperamos também muito no futuro. 6 Pouco antes de concluir o ano celebrámos um importante acordo de colaboração com o Bank of America dirigido ao mercado mexicano. Através deste acordo o Bank of America adquire 24,9% do Santander Serfin com o que se potenciará de uma forma significativa a capacidade de actuação conjunta e de oferta de serviços nos mercados mexicano e norte-americano. Trata-se de uma magnífica operação tanto para o Bank of America como para o Grupo Santander que reactiva assim uma antiga relação iniciada há já 37 anos com a criação do Bankinter. Este acordo valoriza e potencia de forma importante o nosso investimento na América Latina. A aliança já histórica com o Royal Bank of Scotland (5º banco do mundo por capitalização) e as possibilidades futuras que se nos abrem com o acordo com o Bank of America (3º por capitalização) são relações complementares que nos conferem uma posição privilegiada no sistema financeiro europeu e mundial. Valores corporativos Qualquer actuação estratégica deve ter como referência sólidos valores corporativos. No Santander, ao longo dos seus cento e quarenta e cinco anos de história, estes valores foram a ética profissional, a agressividade comercial e a atenção ao cliente, a prudência nos riscos, a flexibilidade de adaptação às alterações do mercado e uma marcada capacidade de antecipação que acompanha a nossa ambição de conseguir resultados. São precisamente estes os valores em que assenta o orgulho de pertencer ao Santander, tão característico das nossas equipas. O Conselho de Administração está empenhado em preservar e reforçar estes valores, que permitiram que o nosso Grupo se situasse na posição de liderança que hoje ocupa. Bom Governo Neste exercício realizámos também avanços significativos em dois aspectos que considero fundamentais, como são o bom governo e a Responsabilidade Social Corporativa. Em relação ao Governo Corporativo, na Assembleia Geral de Accionistas do passado dia 24 de Junho apresentei o novo Regulamento do Conselho de Administração, que incorpora as práticas mais avançadas nesta matéria com a finalidade de aprofundar os direitos dos accionistas, evitar conflitos de interesses e aumentar a transparência. Em coerência com estas actuações, o Conselho proporá na próxima Assembleia Geral de Accionistas, entre outros acordos, a supressão total das medidas estatutárias de blindagem.

9 Por outro lado, o próprio Conselho de Administração, a Comissão Executiva, as Comissões do Conselho e o Conselho consultivo Internacional estão a desempenhar o seu papel com uma participação cada vez mais eficaz dos seus membros. Estas medidas integram-se num trabalho de melhoria, que considero permanente, da Administração Corporativa da nossa Entidade. Em 2002 integraram-se no Conselho os senhores Juan Abelló, Guillermo de la Dehesa e Abel Matutes. É fundamental que num Conselho exista um equilíbrio adequado entre Administradores externos, de reconhecido prestígio e sucesso profissional, e Administradores executivos, envolvidos no dia a dia do negócio. O nosso Conselho reflecte este enquadramento, um Conselho unitário, com Administradores empenhados e com uma visão clara do que este Grupo é e quer ser. Responsabilidade Social Corporativa Em linha com o objectivo de criar valor a longo prazo com todos os colectivos com que se relaciona (accionistas, empregados, clientes e sociedade), o Santander Central Hispano definiu e anunciou o seu modelo de Responsabilidade Social Corporativa, que considero virá a constituir uma referência mundial neste âmbito. O Programa Universidades e o Portal Universia representam a materialização do nosso compromisso para com a cultura e a educação e fazem do Santander a entidade financeira com a maior presença no âmbito académico latino-americano. São já 249 os convénios específicos que mantemos com outras tantas universidades dentro do Programa de Universidades. O Portal Universia, por seu lado, agrupa já 635 universidades espanholas, portuguesas e latino-americanas que reúnem um colectivo de 7 milhões de estudantes. No nosso caso, nos últimos quatro anos destinámos 151 milhões de euros a actividades de carácter social e cultural em Espanha, Portugal e América Latina. Em 2002 o investimento em acção social atingiu os 2,7% do lucro líquido atribuído, um grande investimento que cria um valor de reconhecimento social e de prestígio para o nosso Grupo e que se submete às mesmas exigências de transparência que as nossas restantes actividades. Em resumo, creio que 2002 pôs à prova a nossa gestão. E os resultados demonstram que sabemos gerir as dificuldades. A nossa organização é hoje mais eficaz que há um ano e conta com uma sólida estrutura de balanço. Estamos, portanto, em melhor posição para aproveitar as oportunidades futuras com base na elevada qualidade das nossas equipas humanas, no conhecimento do negócio e dos seus riscos e nas vantagens competitivas que temos nos mercados onde actuamos. 7 Quero transmitir o meu agradecimento pessoal às pessoas que trabalham no Santander, pois o seu profissionalismo é a melhor garantia para continuar a crescer. Procurar a motivação e o compromisso de todos eles é um desafio e uma exigência permanente para mim e para o Conselho de Administração. Ao longo do próximo exercício devemos avançar igualmente na melhoria da qualidade do serviço que prestamos a cada um dos nossos clientes, corrigindo rápida e eficazmente as deficiências que detectemos. A nossa gestão continuará apontada à obtenção do máximo rendimento de todos os grandes activos com que contamos e que nos fazem ser um Grupo único com um enorme potencial de crescimento. Estou convencido que o preço actual da nossa acção não reflecte o valor do nosso Grupo. A recuperação dos mercados trará sem dúvida uma significativa revalorização da acção Santander. Com esta convicção, agradeço uma vez mais a vossa confiança. Emilio Botín Presidente Santander Central Hispano Relatório Anual 2002

10 Carta do Administrador Delegado 8 Caros accionistas, Fechámos o exercício com um lucro líquido atribuível aos nossos accionistas de milhões de euros, o que representa uma redução de 9,6% relativamente ao ano anterior. E ainda que insatisfeitos, estes resultados comparam-se muito favoravelmente com os dos nossos concorrentes nacionais e estrangeiros. E o que é mais importante, incrementámos os nossos negócios mais recorrentes (Banca Comercial Europa e América) e fortalecemos a nossa solidez financeira. Em Espanha, Portugal, México, Brasil e Chile temos posições de liderança na banca comercial, negócio que gerimos de forma descentralizada, o que nos permite adaptar-nos às características de cada mercado. Este modelo de negócio multilocal, conjuntamente com a nossa capacidade e experiência de gestão nos ambientes voláteis e os contínuos avanços em matéria de redução de custos, permitiram alcançar uma margem de exploração de milhões de euros, o que representa um crescimento (excluindo a Argentina) de 1,5%.

11 Solidez financeira Estes resultados foram obtidos depois de importantes esforços para sanear e fortalecer o nosso balanço. Destinaram-se milhões de euros a saneamentos ordinários e extraordinários, a dotações para moras e a amortização regular e acelerada de goodwill, incluindo o do Brasil e da Colômbia e o da AOL e da BtoB Factory. Assim, o goodwill do Grupo (sem Argentina) situa-se nos milhões de euros, dos quais milhões correspondem à América, após ter-se reduzido o do Banespa para milhões, menos de metade do seu montante inicial. Hoje, 75% do goodwill do Grupo está ligado a negócios ou países em que o nosso retorno do investimento inicial (ROI) é superior ao custo do capital. Ao longo do exercício de 2002 também melhorámos consideravelmente os nossos rácios de capital. O Tier I situa-se em 8% e o rácio BIS em 12,6%, os níveis em que sempre dissemos que queríamos estar. As operações realizadas venda de participações industriais, de 3% do Royal Bank of Scotland e OPV do Banesto mais que compensaram as consequências da desvalorização das moedas latino-americanas sobre as nossas reservas (cerca de milhões de euros). As operações anunciadas para 2003, a qualidade do nosso risco de crédito e a geração recorrente de capital do nosso negócio permitir-nos-ão continuar a melhorar estes rácios. A solidez do balanço do Grupo também se vê avalizada pela excelente qualidade dos nossos riscos, que é outro dos princípios fundamentais da nossa gestão. Ter riscos locais, previsíveis e geridos com grande prudência reflectiu-se nos dados de morosidade (1,89%, 1,68% sem Argentina) e cobertura (140%, 152% sem Argentina), que se situam em níveis muito favoráveis apesar da conjuntura. Finalmente, o Grupo conta com mais-valias latentes da sua carteira de participações equivalentes a cerca de milhões de euros no fecho do exercício de Um valor que reforça um balanço sólido, que constitui a base de um maior crescimento e criação de valor para os accionistas. Produtividade e tecnologia 9 Para assegurar o nosso crescimento a médio prazo num ambiente tão competitivo, é imprescindível ser líder na produtividade, gerar mais lucro por unidade de custo. Para o efeito, mantemos um rigoroso controlo de custos, que nos permitiu reduzir o rácio de eficiência em 2,5 pontos, para os 51,8% - sem Argentina -. Em matéria de eficiência, de destacar unidades de negócio como o Chile, que está nos 41,6%, e a Banca Comercial Santander Central Hispano, que está nos 50,0%. Com o apoio da melhor tecnologia, conseguimos sustentar estas melhorias de produtividade e eficiência. Por isso é chave a entrada em funcionamento do Projecto Partenón, que permitirá mudar toda a base tecnológica do nosso negócio em Espanha utilizando o modelo Banesto, sem dúvida o mais avançado da banca espanhola. Nesta área, também avançámos na implementação da plataforma Altair na América, que se concluirá em 2003 com a entrada do Brasil. Os nossos negócios Graças a esta base de grande capacidade de geração de negócio recorrente, elevada solidez financeira e liderança tecnológica, no ano de 2002 todos os nossos negócios melhoraram sensivelmente em termos de rentabilidade e eficiência, tendo em simultâneo mantido controlados os riscos. O nosso núcleo de negócio, a Banca Comercial na Europa e na América, evoluiu especialmente bem. Santander Central Hispano Relatório Anual 2002

12 Carta do Administrador Delegado A banca comercial na Europa, que é responsável por 49% dos resultados do Grupo e contribui para os mesmos com estabilidade e recorrência, atingiu milhões de euros de lucro, 12,5% superior a De destacar os resultados da rede Santander Central Hispano, com um lucro de 786 milhões de euros, que implica um crescimento de 6,3% e reflecte a forte actividade no lançamento de novas iniciativas, produtos e campanhas comerciais. Também o Banesto, com o seu avançado modelo de negócio centrado no cliente e apoiado numa elevada capacidade tecnológica, e os nossos bancos em Portugal, com a sua estratégia multimarca e a sua ênfase na eficiência comercial, conseguiram melhorar as suas quotas de mercado e os seus rácios de eficiência. Finalmente, o nosso negócio de Financiamento ao Consumo assegurou a sua posição na Alemanha com a integração do AKB no CC-Bank. A banca comercial na América Latina também melhorou sensivelmente os seus resultados, apesar da volatilidade de alguns mercados importantes. O nosso lucro no conjunto da região aumentou 14,3% a taxas de câmbio constantes, para os milhões de euros, graças à boa evolução do negócio nos nossos mercados chave: Brasil, México e Chile. 10 No Brasil superámos os objectivos estabelecidos no momento da aquisição do Banespa, atingindo um lucro de 802 milhões de euros, 20,5% superior ao de Também melhorámos o perfil de riscos e a eficiência do Banco e aumentámos a sua ampla base de clientes, com o que o Banespa se consolida como o banco privado dominante na região mais dinâmica do país. O resultado do Grupo no México cresceu 16,4% para os 681 milhões de euros, apoiado na agressividade comercial e na contínua melhoria das quotas de mercado, que crescem um ponto percentual por ano e poderiam atingir 20% dentro de três anos. A integração dos nossos bancos mexicanos no Santander Serfin, iniciada em Setembro, situa-nos como o terceiro banco do sistema e reflectir-se-á em melhorias de eficiência. O recente acordo com o Bank of America contribuirá, sem dúvida, para impulsionar ainda mais o nosso negócio no México. No Chile, o Banco Santander Chile é o primeiro do país desde a fusão com o Banco Santiago no passado mês de Agosto. Os lucros do banco, que atingem os 229 milhões de euros, são penalizados por terem absorvido praticamente a totalidade das despesas extraordinárias de fusão. Não obstante, a estabilidade e maturidade da economia chilena, a posição privilegiada do nosso banco e a qualidade da gestão são garantias para o crescimento do nosso negócio no Chile. Na Venezuela atingiram-se lucros de 166 milhões de euros, o que demonstra a elevada capacidade do Grupo para gerir os negócios em ambientes de alta volatilidade. Antes de terminar com a América Latina, gostaria de fazer uma breve referência à Argentina, onde as variáveis macro-económicas tiveram uma melhoria e onde foram dados passos no sentido da normalização do sector financeiro, embora ainda haja um grande caminho a percorrer. O Banco Río está a levar a cabo um programa de restruturação que lhe permitirá estabilizar os seus parâmetros económicos e financeiros. Em 2002, a contribuição da Argentina para os resultados foi nula, ao estar todo o investimento de capital provisionado. Negócios Globais A sólida base dos nossos negócios da banca comercial na Europa e na América Latina oferece muitas possibilidades de desenvolvimento dos nossos negócios globais: Banca «Wholesale», Gestão de Activos e Banca Privada. Os resultados destas áreas foram mais afectados pela elevada volatilidade dos mercados financeiros em Na Gestão de Activos, uma área estratégica para nós, o Grupo gere um volume de milhões de euros em fundos de investimento e de pensões, dos quais 75% na Europa. As nossas quotas de mercado continuam a melhorar em todos os mercados em que actuamos e de forma destacada em Espanha, onde já alcançámos 28% em fundos de investimento após aumentar a quota quase em 2 pontos durante o ano de Em Banca Privada mantemos a liderança no mercado espanhol através do nosso banco especializado, o Banif. A nossa quota neste negócio supera já os 30%. A Banca Privada Internacional serve fundamentalmente os clientes latino-americanos e continuou a avançar em termos do seu objectivo a médio prazo de se converter no interveniente mais relevante deste mercado.

13 A Banca «wholesale» concentrou os seus esforços em pôr ao serviço dos nossos clientes as enormes capacidades em produtos e serviços que nos proporciona o nosso modelo de negócio multilocal, com presença dominante nos nossos cinco mercados chave. Os nossos clientes Em todos os nossos negócios a nossa obsessão é prestar o melhor serviço aos clientes, pois sabemos que a nossa relação com eles é a maior fonte de vantagem competitiva. Temos 35 milhões de clientes e operamos em mercados que somam 500 milhões de habitantes, o que proporciona um grande potencial de aumento da nossa base actual de clientes. Não obstante, queremos servir cada um dos nossos clientes de forma única, individual. Por isso trabalhamos para lhes dar valor na sua relação connosco. Avançamos para o objectivo de sermos o melhor e maior fornecedor de serviços financeiros para os nossos clientes. Para o efeito, acelerámos em todas as áreas de negócio as iniciativas destinadas a melhorar a qualidade do serviço prestado. As nossas equipas Estes objectivos e os resultados obtidos até agora são apenas possíveis devido ao trabalho dos profissionais que constituem o Grupo, e às capacidades de gestão da equipa directiva. O nosso capital humano é a garantia de crescimento futuro. Por isso pusemos em marcha novos projectos que assegurem o desenvolvimento, a criatividade e a ambição dos nossos profissionais. A contribuição de cada pessoa e de cada equipa determinará a sua compensação e desenvolvimento profissional. Neste ano, um ano difícil para o Grupo e portanto também para a equipa directiva, os resultados obrigaram-nos a reduzir em 20% a massa de retribuições variáveis dos nossos executivos. Uma decisão dura mas coerente com a redução do lucro líquido. A nossa ambição 11 Nos últimos quinze anos combinámos acertadamente a nossa capacidade de crescer em termos orgânicos com numerosas aquisições que nos converteram num Grupo multilocal. O sucesso desta estratégia traduziu-se num crescimento anual acumulado de 19% do lucro líquido atribuído e de 13% do dividendo por acção. Estamos orgulhosos do conseguido, mas também profundamente insatisfeitos. Estamos convencidos de que estes resultados nos situam agora numa posição privilegiada para avançar com determinação para o nosso objectivo. Um objectivo ambicioso: ser o Grupo financeiro melhor e mais rentável, a entidade financeira de referência nos nossos mercados naturais. Estamos conscientes da oportunidade que temos. Sabemos onde queremos chegar e sabemos como fazê-lo. Com esta esperança e com esta clareza de objectivos, damos início ao exercício de Alfredo Sáenz Segundo Vice-Presidente e Administrador Delegado Santander Central Hispano Relatório Anual 2002

14 A transparência começa

15 O Grupo Santander Central Hispano O Nosso Grupo 14 Banca Comercial Santander Central Hispano 17 Banesto 19 Portugal 20 Financiamento ao Consumo na Europa 21 América Latina 22 Gestão de Activos e Seguros 25 Banca Privada 26 Banca «Wholesale» Global 27 Os Nossos Clientes 28 Os Nossos Empregados 31 na clareza e qualidade. Santander Central Hispano Relatório Anual 2002

16 O Nosso Grupo Somos o primeiro banco espanhol e o segundo da zona euro por capitalização, com uma clara vocação de banco comercial. OGrupo Santander Central Hispano é a primeira entidade financeira de Espanha e a segunda da Zona Euro, com uma capitalização, a 31 de Dezembro de 2002, de milhões de euros. Conta com um quadro de pessoal de empregados, dos quais 65% se encontram fora de Espanha. Temos uma estratégia muito clara: ser uma entidade de referência a nível internacional, especializada em banca comercial e com uma forte presença na Europa e na América Latina. Combinamos a diversificação geográfica com um profundo conhecimento dos mercados em que trabalhamos e que gerimos localmente. Contamos com elevadas quotas de mercado que nos permitem retirar o máximo potencial do nosso modelo de negócio. Este envolvimento nos mercados em que estamos presentes faz com que sejamos um grupo multilocal. A actividade de banca comercial gera 86% da margem de exploração do Grupo e é onde reside a nossa principal vantagem competitiva. Esta actividade é complementada com negócios globais: gestão de activos, banca privada, banca corporativa, banca de investimento e tesouraria. 14 Concentramos a nossa actividade nos países com um maior potencial de negócio: Espanha, Portugal, Brasil, México e Chile. Na Europa ocupamos posições de liderança na Banca de Consumo em Espanha, Portugal, Alemanha e Itália e temos uma sólida aliança estratégica com o Royal Bank of Scotland, o que nos coloca numa posição privilegiada dentro do sistema financeiro europeu. Noutros países latino-americanos temos uma presença mais selectiva, tanto em termos geográficos com menor número de dependências como por negócios corporativo e institucional, banca privada ou gestão de activos-. Também na América Latina, em 2002 assinámos uma aliança estratégica com o Bank of America, que nos coloca na melhor posição para aproveitar todo o potencial de negócio da população mexicana dos EUA e das mais de empresas norte-americanas situadas no México. Somos um Grupo com uma inquestionável vocação de crescimento, ainda que não creiamos que para a materializar seja necessário realizar aquisições nem fusões. Confiamos plenamente na nossa capacidade de explorar as vantagens competitivas do nosso modelo de negócio e de criar valor maximizando a rentabilidade da nossa actual estrutura de negócio. Definimo-nos como um grupo multilocal, fruto da integração de bancos locais, com clientes locais geridos localmente

17 Para o sucesso desta estratégia foi necessário contar com princípios de gestão claramente definidos a partir de duas premissas: a eficiência e a solidez. A melhoria da eficiência apoia-se na geração de receitas e no controlo dos custos. Para conseguir o primeiro, redefinimos a estratégia das áreas de negócio com o objectivo de aumentar a actividade e ganhar quota de mercado através do lançamento de novos produtos e mediante programas de fidelização dos nossos clientes. Não queremos apenas ser o banco que tem os melhores produtos, queremos também ser o que oferece o melhor serviço. Esta é a garantia para manter vinculados os nossos clientes em momentos de crescente concorrência em todos os mercados em que trabalhamos. Para o conseguir, contamos com a melhor tecnologia da banca espanhola. Esta estratégia permitiu-nos ganhar quota em depósitos e fundos de investimento em Espanha e 70 pontos básicos nos países da América Latina, onde o Grupo está a levar a cabo uma estratégia de expansão. Se na geração de receitas fizemos um esforço especial durante o ano de 2002, no controlo de custos apostámos em manter a filosofia de austeridade que vínhamos aplicando há já vários anos. Os principais elementos em que se apoia esta política de controlo de custos são a racionalização de quadros de pessoal e de dependências, o aproveitamento das possibilidades que oferece a tecnologia e a simplificação de procedimentos, o que permitiu uma redução dos gastos em 12,8%. 15 O conjunto destas acções permite-nos manter-nos entre os grupos financeiros mais eficientes. Somos a terceira entidade mais eficiente entre os maiores grupos financeiros da zona euro, com uma taxa de 51,8%, 2,5 pontos percentuais abaixo do rácio do ano passado, sem considerar a Argentina. A solidez do nosso balanço sustenta-se numa gestão prudente do risco e na qualidade da nossa base de capital. A situação do Grupo em matéria de risco é privilegiada, especialmente entre as entidades com dimensão internacional. O nosso risco é mais previsível e de uma maior qualidade que o dos nossos concorrentes internacionais por duas razões. Os resultados em 2002 mostram uma boa evolução das actividades de carácter mais recorrente. Em primeiro lugar, porque a nossa política de gestão do risco tem sido tradicionalmente muito prudente. É para nós muito claro que o crescimento não pode fazerse à custa de uma deterioração da qualidade do crédito. Por isso, durante os últimos três anos temos sido capazes de combinar o desenvolvimento da nossa actividade com a manutenção da taxa de morosidade em cerca de 2%, apesar da deterioração na conjuntura económica internacional. Santander Central Hispano Relatório Anual 2002

18 O Nosso Grupo Em segundo lugar, porque a nossa estrutura é muito diferente da estrutura de outros grupos multinacionais, o que nos permite beneficiar das suas vantagens, mas evitar os seus inconvenientes. Somos o resultado da integração de bancos locais, com bases de clientes de carácter local. Somos um grupo multilocal, o que torna a nossa exposição a riscos globais mínima. O resultado é que, apesar de durante 2002 se terem produzido algumas das maiores quebras da história, a nossa taxa de morosidade mantém-se em 1,89%, com uma taxa de cobertura de 140%. Grande parte dos nossos bons resultados no controlo do risco explicam-se pela diversificação que fizemos seguindo duas estratégias complementares: expansão para novos mercados e para novos negócios. A consequência desta estratégia é aumentar a estabilidade e recorrência dos nossos resultados. Relativamente à nossa base de capital, terminámos o ano com rácios superiores aos nossos objectivos, após realizar uma série de operações que permitiram compensar o efeito da desvalorização das moedas latino-americanas. 16 Após estas medidas, o rácio BIS atingido no fecho do exercício é de 12,64% o que, em conjunto com a nossa capacidade de geração de capital através dos resultados e com a prudente política de saneamentos, formam uma sólida estrutura de balanço. O nosso modelo de negócio assume, por último, a transparência com todas as suas consequências. Devêmo-la aos nossos accionistas, clientes, empregados e sociedade. É algo que, a longo prazo, cria valor a partir da confiança e do reforço dos vínculos das empresas com os grupos com os quais se relaciona. Os resultados da aplicação das políticas descritas durante 2002 combinam uma boa evolução das actividades de carácter mais recorrente com um pior comportamento das relacionadas mais directamente com os mercados de divisas e de valores. O efeito conjunto foi uma diminuição da margem de exploração de 6,4%, mas que sem a Argentina aumenta em 1,5%. Considerando a parte mais recorrente da nossa actividade, ou seja, excluindo dividendos e resultados de operações financeiras, o aumento da margem de exploração sem Argentina atinge 14,3%. Os saneamentos realizados implicaram que a diminuição do lucro líquido atribuído (9,6%) seja algo superior à registada pela margem de exploração. Em qualquer caso, o valor alcançado, milhões de euros, é o mais elevado no nosso país. Trata-se, em resumo, de resultados que demonstraram a capacidade do Grupo em gerir situações difíceis. Em 2002 atingimos um lucro líquido atribuído de milhões de euros

19 Banca Comercial Santander Central Hispano ABanca Comercial Santander Central Hispano mantém relações com oito milhões e meio de clientes em Espanha através de uma rede de dependências. Gere um total de milhões de euros em recursos de clientes. Durante 2002 impulsionámos a geração de receitas e a aquisição de quota de mercado A rede Santander Central Hispano trabalha com um modelo de negócio único através de duas estratégias complementares: o foco no cliente e o desenvolvimento de produtos inovadores. O cliente está colocado no centro da nossa estratégia com um objectivo triplo: captação, fidelização e vinculação. A melhor forma de captar novos clientes é tratar bem os que já temos. Para o conseguir, todas as áreas de negócio da Banca Comercial Santander Central Hispano compartem uma ideia comum: um serviço de qualidade orientado para o cliente. Para optimizar o serviço que prestamos aos nossos clientes contamos com o Modelo Da Vinci, com as mais modernas ferramentas de segmentação e de constituição de carteiras, que incrementa a nossa capacidade comercial e a qualidade do serviço. O sucesso da implementação destas ferramentas permite desenvolver um plano de crescimento das receitas baseado numa eficaz gestão comercial que se estende às três áreas do Banco: particulares, elevado rendimento e empresas e instituições. A Banca de Particulares destina-se a um amplo universo social, apoiando-se numa potente rede de dependências e agentes e nos melhores produtos e serviços, na venda cruzada e na permanente qualidade de serviço das suas equipas humanas e dos seus sistemas de gestão. 17 A Área de Altos Rendimentos pretende ser a referência deste tipo de clientes, pelo que conta com uma consultoria individualizada e com propostas de valor específicas para este segmento, renovadas constantemente. Por seu lado, a Área de Empresas e Instituições vincula o cliente mediante um serviço profissional muito qualificado, oferecido através de uma ampla rede especializada de dependências. Em conjunto com o serviço ao cliente, o segundo elemento chave da nossa gestão comercial é a inovação, mediante a concepção e lançamento de produtos capazes de compatibilizar as necessidades dos clientes com as exigências de rentabilidade do Banco. Nesta alínea, temos que destacar os inovadores produtos que oferecemos este ano e que tiveram um grande acolhimento por parte dos nossos clientes: Depósito Supersatisfação, Fundo Supersatisfação e Depósito Super Rendimento. Em conjunto, estes produtos permitiram captar mais de milhões de euros durante o exercício. Todas as áreas de negócio da Banca Comercial Santander Central Hispano partilham de uma ideia em comum: um serviço de qualidade orientado para o cliente Santander Central Hispano Relatório Anual 2002

20 Banca Comercial Santander Central Hispano O esforço realizado permitiu-nos aumentar a nossa quota de mercado em produtos chave como depósitos a prazo ou fundos de investimento. Pelo lado do Cré dito, conseguimos um forte crescimento no segmento de empréstimos hipotecários a particulares (14,2%) na contratação de linhas de financiamento de capital circulante a empresas. O lucro líquido atribuído aumentou em 2002 em 6% A forte actividade comercial desenvolvida pela Banca Comercial Santander Central Hispano, aliada à defesa das margens, à cobrança de comissões e à poupança de custos, permitiram que em 2002 a margem de exploração tenha aumentado em 7,8% e que o lucro líquido atribuído o tenha feito em 6,3%. Os nossos objectivos em 2003 são quatro: defender a margem financeira, crescer em comissões, aumentar a quota de mercado e melhorar o serviço. Para os atingir contamos com o modelo Da Vinci, com as capacidades da nossa equipa e com a presença da nossa rede. 18

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Terminámos o ano como o décimo primeiro Banco em capitalização do mundo, e o nosso objetivo é consolidarmo-nos entre os dez primeiros

Terminámos o ano como o décimo primeiro Banco em capitalização do mundo, e o nosso objetivo é consolidarmo-nos entre os dez primeiros Terminámos o ano como o décimo primeiro Banco em capitalização do mundo, e o nosso objetivo é consolidarmo-nos entre os dez primeiros Em 2003, as acções subiram 44%, situando-se os dividendos em 0,3029

Leia mais

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros COMUNICADO Resultados Consolidados

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS

RESULTADOS CONSOLIDADOS 2012 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 8 de Fevereiro de 2013 A presente informação anual não foi sujeita a auditoria. Processo de Recapitalização A 31 de Dezembro de 2012 foi anunciada a aprovação por parte

Leia mais

2002 - Serviços para empresas

2002 - Serviços para empresas 2002 - Serviços para empresas Grupo Telefónica Data. Resultados Consolidados 1 (dados em milhões de euros) Janeiro - Dezembro 2002 2001 % Var. Receita por operações 1.731,4 1.849,7 (6,4) Trabalho para

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

Relatório e Contas. Exercício de 2004

Relatório e Contas. Exercício de 2004 BANCO SANTANDER CENTRAL HISPANO, S.A. Sede social: Paseo de Pereda nº 9 a 12, Santander, Espanha Capital Social: 3.127.148.289,5 euros Registada no Registro Mercantil de Santander Cantabria CIF A39000013

Leia mais

SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO

SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO Maia, 11 de março de 2015 Reforço de posições de liderança em Portugal, internacionalização e compromisso com famílias em 2014 SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO 1. PRINCIPAIS DESTAQUES DE 2014:

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

Relatório de Responsabilidade Social Corporativa 2002

Relatório de Responsabilidade Social Corporativa 2002 Relatório de Responsabilidade Social Corporativa 2002 O Santander e a Sociedade Guia de leitura Resposta a seis perguntas Mensagem do Presidente Perfil do Grupo Santander Um compromisso múltiplo Santander

Leia mais

Relatório dos Accionistas Segundo Trimestre

Relatório dos Accionistas Segundo Trimestre Relatório dos Accionistas Segundo Trimestre Índice 1 2 3 4 5 6 6 7 7 9 12 13 As acções do Santander Cotização Rácios bolsistas Evolução dos accionistas e do capital Accionistas e acções Distribuição do

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

Linhas Gerais de Orientação Estratégica 2016-2018 Programa de Ação e Orçamento para 2016

Linhas Gerais de Orientação Estratégica 2016-2018 Programa de Ação e Orçamento para 2016 Linhas Gerais de Orientação Estratégica 2016-2018 Programa de Ação e Orçamento para 2016 dezembro de 2015 2015-11-25 Pág. 1 I. Introdução II. Plano Estratégico - Linhas Gerais de Orientação Estratégica

Leia mais

Portal Trade- O apoio às suas Exportações

Portal Trade- O apoio às suas Exportações International Desk -Direcção de Negócio Internacional- Portal Trade- O apoio às suas Exportações Casa de Espanha 6 de Março de 2014 Santander, um grupo financeiro líder Best Bank in the World 2012 2008

Leia mais

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007 26 de Outubro de 2010 Actividade do Bank Millennium (Polónia) no 3º Trimestre de 2010 O Banco Comercial Português, S.A. informa que o Bank Millennium S.A. com sede em Varsóvia, Polónia, entidade na qual

Leia mais

Facto Relevante DISCURSO DE D.EMILIO BOTIN NA ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DO GRUPO SANTANDER. Santander, 21 de Junho de 2003

Facto Relevante DISCURSO DE D.EMILIO BOTIN NA ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DO GRUPO SANTANDER. Santander, 21 de Junho de 2003 BANCO SANTANDER CENTRAL HISPANO, S.A. Sede social: Paseo de Pareda nº 9 a 12, Santander, Espanha Capital Social: 2.384.201.471,5 euros Registada no Registo Comercial de Santander Cantábria CIF A39000013

Leia mais

É disponibilizada uma cópia electrónica deste aviso no sítio Web: www.jpmorganassetmanagement.com

É disponibilizada uma cópia electrónica deste aviso no sítio Web: www.jpmorganassetmanagement.com JPMorgan Funds Société d Investissement à Capital Variable (a "Sociedade") Registered Office: 6 route de Trèves, L-2633 Senningerberg, Grand Duchy of Luxembourg R.C.S. Luxembourg B 49 663 Telephone: +352

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

Telefonia fixa. Negócio de Telefonia Fixa Resultados Consolidados (em milhões de euros)

Telefonia fixa. Negócio de Telefonia Fixa Resultados Consolidados (em milhões de euros) Telefonia fixa Negócio de Telefonia Fixa Resultados Consolidados (em milhões de euros) Telefónica da Espanha Telefónica latino-america 2001 2000 % Var. 2001 2000 % Var. Receitas operacionais 10.220,4 10.182,9

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada.

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada. Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 2015 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 7 de Agosto de 2015 Informação não auditada. RESULTADOS CONSOLIDADOS: Janeiro

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA 1/22 INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE DA ACTIVIDADE DA EMPRESA... 4 ESTRUTURA DE CUSTOS... 7 VALOR ACRESCENTADO BRUTO... 7 ANÁLISE DOS FLUXOS DE TESOURARIA... 9 ANÁLISE DOS

Leia mais

Europac obtém um Ebitda de 49,73 milhões

Europac obtém um Ebitda de 49,73 milhões Europac obtém um Ebitda de 49,73 milhões Neste trimestre obtém 17,94 milhões, cerca de 25% superior ao segundo trimestre deste ano Só o Ebitda de 2007, o melhor ano desde que a companhia é cotada em Bolsa,

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo. Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo. Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO III Objectivo Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE ASPECTOS A NÃO ESQUECER o todo não é igual à soma das

Leia mais

ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA DE ACIONISTAS DA TELEFÓNICA, S.A. - ANO 2009 -

ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA DE ACIONISTAS DA TELEFÓNICA, S.A. - ANO 2009 - ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA DE ACIONISTAS DA TELEFÓNICA, S.A. - ANO 2009 - PROPOSTAS DE DELIBERAÇÕES QUE O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO SUBMETE À DECISÃO DA ASSEMBLÉIA GERAL DE ACIONISTAS 22 / 23 de junho

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6A, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL 38 PME Líder SOLUÇÕES FINANCEIRAS BES Helen King/CORBIS APOIO FINANCEIRO ÀS EMPRESAS O BES disponibiliza uma vasta oferta de produtos financeiros e serviços, posicionando-se como o verdadeiro parceiro

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015 Guia dos Emitentes Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria Data: 17/12/2015 Agenda Objectivos do Guia dos Emitentes Admissão de Valores Mobiliários nos Mercados Regulamentados Alternativas

Leia mais

MESTRADO EM ASSESSORIA FINANCEIRA

MESTRADO EM ASSESSORIA FINANCEIRA MESTRADO EM ASSESSORIA FINANCEIRA FORMEDIA Instituto Europeu de Empresários e Gestores FORMEDIA e INSTITUTO EUROPEO DE POSGRADO FORMEDIA - Instituto Europeu de Empresários e Gestores A FORMEDIA Instituto

Leia mais

Através da sua rede de Balcões do Banco Espírito Santo, S.A.. Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Através da sua rede de Balcões do Banco Espírito Santo, S.A.. Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Mod. Versão 91-60 Informação actualizada a: 19/04/2011 Designação Comercial: Operação de Capitalização T- 1ª Série (ICAE- Não Normalizado) Período de Comercialização: de17/12/2008 a 17/12/20 Empresa de

Leia mais

Sonae Sierra registou Resultado Líquido de 1,3 milhões no primeiro semestre

Sonae Sierra registou Resultado Líquido de 1,3 milhões no primeiro semestre Maia, 31 de Julho de 2008 Desempenho afectado por desvalorização dos activos ditada pelo mercado Sonae Sierra registou Resultado Líquido de 1,3 milhões no primeiro semestre Rendas cresceram 4,5% numa base

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2008

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2008 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 28 2 Resultados 28 Os resultados reportados reflectem a integração do Grupo Tecnidata a 1 de Outubro de 28, em seguimento da assinatura do contrato de aquisição

Leia mais

Primeira alteração à Lei n.º 9/2005, de 20 de Junho, Lei do Fundo Petrolífero

Primeira alteração à Lei n.º 9/2005, de 20 de Junho, Lei do Fundo Petrolífero IV GOVERNO CONSTITUCIONAL Proposta de Lei n. De... de... Primeira alteração à Lei n.º 9/2005, de 20 de Junho, Lei do Fundo Petrolífero O Fundo Petrolífero foi estabelecido em 2005 com o objectivo de contribuir

Leia mais

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada;

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada; Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 3/2006 Considerando que todas as instituições de crédito e sociedades financeiras, bem como os grupos financeiros, devem possuir um sistema de controlo interno adaptado

Leia mais

Bê-á-Bá da poupança. Depósitos a prazo. Fundos de Tesouraria em euros

Bê-á-Bá da poupança. Depósitos a prazo. Fundos de Tesouraria em euros Bê-á-Bá da poupança Há um vasto leque de escolhas para quem quer poupar, mas a análise da PROTESTE INVESTE mostra-lhe que nem todas são boas opções. No Dia Mundial da Poupança, saiba quais as alternativas.

Leia mais

PROJECTO DE FUSÃO. Marinha Grande, 24 de Abril de 2007

PROJECTO DE FUSÃO. Marinha Grande, 24 de Abril de 2007 Este documento, apresentado como Modelo de Projecto de Fusão, resulta de um caso (processo de fusão) real. Na conjuntura actual, em que as entidades empresariais cada vez mais encaram processos de reorganização

Leia mais

Telefonia celular Grupo Telefônica Móviles Resultados Consolidados (milhões de euros)

Telefonia celular Grupo Telefônica Móviles Resultados Consolidados (milhões de euros) Telefonia celular Grupo Telefônica Móviles Resultados Consolidados (milhões de euros) Dezembro Dezembro 2001 2000 % Var. Receitas operacionais 8.411,1 7.401,2 13,6 Trabalhos para imobilizado (1) 128,6

Leia mais

Assim é a Telefónica. Distribuição do EBITDA por países em 2001

Assim é a Telefónica. Distribuição do EBITDA por países em 2001 Assim é a Telefónica A aquisição da Lycos, aliada ao fato de a nova empresa Terra Lycos operar em 43 países, permitiu, por um lado, uma maior penetração nos Estados Unidos e no Canadá. Por outro lado,

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2008 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, tendo atingido um valor

Leia mais

PRÉMIOS MORNINGSTAR DIÁRIO ECONÓMICO 2012 OBJETIVO

PRÉMIOS MORNINGSTAR DIÁRIO ECONÓMICO 2012 OBJETIVO PRÉMIOS MORNINGSTAR DIÁRIO ECONÓMICO 2012 OBJETIVO O objectivo dos Prémios Morningstar consiste em seleccionar os fundos e gestoras que mais valor proporcionaram aos participantes neste tipo de fundos,

Leia mais

Open Course: Techniques of Financial Engineering

Open Course: Techniques of Financial Engineering Open Course: Techniques of Financial Engineering Objectivos a atingir Delimitar os domínios da Gestão financeira a curto prazo da Gestão financeira a médio m e a longo prazo; Realçar ar a importância da

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Apresentação Resultados 2005

Apresentação Resultados 2005 Apresentação Resultados 2005 Lisboa 15 de Março de 2006 Agenda Overview 2005 40 Anos de Reditus Áreas de Actividade Principais Clientes Corporate Governance Reditus no Mercado Bolsista Indicadores Quantitativos

Leia mais

Criamos. valor à sua empresa

Criamos. valor à sua empresa Criamos valor à sua empresa ORGANIZAÇÃO Somos o que fazemos repetidamente. Então, a excelência não é um acto isolado, mas sim um hábito. Aristóteles Compromisso A FISCOSEGUR é uma organização que presta

Leia mais

1. THE GROUP TODAY INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA

1. THE GROUP TODAY INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA 1 INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA 3. PRIORIDADES ESTRATÉGICAS 3.1 Concretizar o Potencial da Biedronka 3.2 Assegurar o Crescimento de Longo Prazo 1. THE GROUP TODAY 4. EXPLORAR TODO O POTENCIAL

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

3. RELATÓRIO DE GESTÃO ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA

3. RELATÓRIO DE GESTÃO ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA 3. RELATÓRIO DE GESTÃO ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA página 3.1. Indicadores Gerais 40 3.1.1. Volume de Negócios 40 3.1.2. Valor Acrescentado Bruto 40 3.2. Capitais Próprios 41 3.3. Indicadores de Rendibilidade

Leia mais

Banco Popular, Espanha

Banco Popular, Espanha Banco Popular, Espanha Tecnologia avançada de automação do posto de caixa para melhorar a eficiência e beneficiar a saúde e segurança dos funcionários O recirculador de notas Vertera contribuiu para impulsionar

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235

Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235 Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235 Contabilidade das sociedades e fundos de capital de risco A alteração do Decreto-Lei n.º 319/2002, de 28 de Dezembro, pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

Acumulando Riqueza BEM VINDO Á GOLDBEX

Acumulando Riqueza BEM VINDO Á GOLDBEX Acumulando riqueza BEM VINDO Á GOLDBEX Goldbex proporciona uma excelente OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO NO SECTOR DO OURO PARA INVESTIMENTO a qualquer pessoa que deseje obter grandes volumes de rendimentos através

Leia mais

As nossas acções Sonaecom

As nossas acções Sonaecom 3.0 As nossas acções Em 2009, as acções da Sonaecom registaram o segundo melhor desempenho do PSI-20, valorizando cerca de 92,2 %, o que constitui uma prova clara da nossa resiliência e um voto de confiança

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

Lucros do Grupo Santander Portugal crescem 27% em 2000

Lucros do Grupo Santander Portugal crescem 27% em 2000 BANCO TOTTA & AÇORES, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Áurea, 88 1100-060 LISBOA Capital Social: 105.000.000.000$00 Matriculado na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa sob o nº 1/881011 Contribuinte

Leia mais

Organização do Mercado de Capitais Português

Organização do Mercado de Capitais Português Instituto Superior de Economia e Gestão Organização do Mercado de Capitais Português Docente: Discentes : Prof. Dra. Raquel Gaspar Inês Santos João Encarnação Raquel Dias Ricardo Andrade Temas a abordar

Leia mais

O Millenniumbcp e O Novo Mundo em que estamos

O Millenniumbcp e O Novo Mundo em que estamos O Millenniumbcp e O Novo Mundo em que estamos 1985- Desde a fundação 2005 2010 1985-1995 Crescimento orgânico para alcançar posição relevante 1995-2000 Consolidação para atingir dimensão crítica 2000-2004

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

CONTRATO DE GESTÃO DE CARTEIRA (S)

CONTRATO DE GESTÃO DE CARTEIRA (S) CONTRATO DE GESTÃO DE CARTEIRA (S) ENTRE ALTAVISA GESTÃO DE PATRIMÓNIOS, S.A., pessoa colectiva n.º 507 309 189, com sede em Matosinhos, na Rua Roberto Ivens, n.º 1280, 1.º andar sala 6 4450 251 Matosinhos,

Leia mais

Mestrado EM bolsa e mercados financeiros

Mestrado EM bolsa e mercados financeiros Mestrado EM bolsa e mercados financeiros FORMEDIA Instituto Europeu de Empresários e Gestores FORMEDIA e INSTITUTO EUROPEO DE POSGRADO FORMEDIA - Instituto Europeu de Empresários e Gestores A FORMEDIA

Leia mais

180 Telefónica, S.A. Relatório Anual de Responsabilidade Corporativa 2004. Fornecedores

180 Telefónica, S.A. Relatório Anual de Responsabilidade Corporativa 2004. Fornecedores 180 Telefónica, S.A. Relatório Anual de Responsabilidade Corporativa 2004 09 Fornecedores Relatório Anual de Responsabilidade Corporativa 2004 Telefónica, S.A. 181 09/01 Grande número de fornecedores 09/02

Leia mais

DISCLAIMER. Aviso Legal

DISCLAIMER. Aviso Legal ANÁLISE FINANCEIRA DISCLAIMER Aviso Legal Esta apresentação inclui afirmações que não se referem a factos passados e que se referem ao futuro e que envolvem riscos e incertezas que podem levar a que os

Leia mais

Portal Trade- O apoio às suas Exportações

Portal Trade- O apoio às suas Exportações International Desk -Direcção de Negócio Internacional- Portal Trade- O apoio às suas Exportações Internacionalização para os países da América Latina aspetos jurídicos e apoios ao investimento 27 de Março

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Jerónimo Martins SGPS, S.A. Resultados do Ano de 2013

Jerónimo Martins SGPS, S.A. Resultados do Ano de 2013 Jerónimo Martins SGPS, S.A. Resultados do Ano de 2013 Todas as áreas de negócio do Grupo registaram crescimentos de vendas acima do mercado, respondendo positivamente aos desafios colocados pelo ambiente

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais

/ Warrants: uma definição /

/ Warrants: uma definição / Warrants www.warrants.commerzbank.com Warrants: uma definição Os warrants são valores mobiliários associados a activos como acções, índices ou taxas de câmbio que amplificam os movimentos DE preço dos

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Capital Próprio CAPITAL PRÓPRIO Conceitos Gerais Aplicação de resultados Valor nominal, contabilístico e de mercado Demonstração das Alterações do C.P. Aumentos de

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA December 2011 Espírito Santo Investment Bank Somos: A unidade de Banca de Investimento do Grupo Banco Espírito Santo O Banco de Investimento de

Leia mais

1. OBJECTO DO RELATÓRIO

1. OBJECTO DO RELATÓRIO Este documento em Português é fornecido apenas para efeitos informativos. No caso de qualquer discrepância entre esta versão e a versão original em Espanhol, esta última prevalecerá. RELATÓRIO JUSTIFICATIVO

Leia mais

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 UNIÓN EUROPEA 1 de junio de 2011 3. SUMÁRIO EXECUTIVO A avaliação do Plano de

Leia mais

RESULTADOS ANUAIS 2011

RESULTADOS ANUAIS 2011 RESULTADOS ANUAIS 2011 15 de Fevereiro de 2011 VAA - Vista Alegre Atlantis, SGPS, SA sociedade aberta com sede no Lugar da Vista Alegre em Ílhavo, com o número de contribuinte 500 978 654, matriculada

Leia mais

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA 1 A regulação e a supervisão prudencial são um dos pilares essenciais para a criação de um clima

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria. Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva. Ano Lectivo 2007/2008

FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria. Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva. Ano Lectivo 2007/2008 Mestrado em Ciências Actuarias FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva Ano Lectivo 2007/2008 1 3. A FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1.

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto e Âmbito de Aplicação 1. O presente regulamento define as normas relativas à obtenção de rendimentos e realização de gastos, as regras

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática O que são CFDs? Um CFD (Contract for difference) é um instrumento financeiro negociado fora de mercados regulamentados que proporciona, aos investidores, uma forma mais eficiente de negociação em acções.

Leia mais

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU Programas de MESTRADO Online MBA Master in Business Administration Mestrado em Direcção de Empresas Mestrado em Direcção de Marketing e Vendas Mestrado em Direcção Financeira Mestrado em Comércio Internacional

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais