CLUBE NAVAL DE LUANDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CLUBE NAVAL DE LUANDA"

Transcrição

1 CLUBE NAVAL DE LUANDA REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DEFINIÇÕES GERAIS 1. O presente regulamento, complemento dos Estatutos do Clube Naval de Luanda (CNL), tem por fim coordenar as normas que se deverão seguir na execução de vária matéria expressa nos Estatutos, no que respeita à vida do CNL, bem como consignar os direitos e deveres dos sócios e as atribuições e prerrogativas dos diversos órgãos de carácter administrativo e técnico, que constitui matéria regulamentar. 2. Em caso algum poderá ser admitida a alegação, por parte do sócio, do desconhecimento deste Regulamento e dos Estatutos. CAPÍTULO II DOS DIREITOS E DEVERES DOS SÓCIOS 1. É sócio do CNL, o indivíduo que tenha sido proposto para tal e admitido de acordo com os procedimentos estabelecidos nos Estatutos aprovados e em vigor. 2. São obrigações financeiras do sócio para com o CNL: a) Pagamento da Jóia. b) Pagamento atempado das quotas. c) Pagamento atempado das taxas estabelecidas pela Direcção do CNL e previstas no presente Regulamento. 3. O sócio no pleno uso dos seus direitos associativos, ou Sócio de Pleno Direito, é aquele que preenche os requisitos descritos em 2.a), b) e c) e cumpre os demais deveres estabelecidos no Estatuto do CNL. 4. O Sócio de Pleno Direito pode usufruir dos benefícios e regalias concedidas pelo CNL, através da utilização das suas instalações e serviços. Para tal, o sócio deve cumprir com o disposto neste regulamento interno. 5. O incumprimento das obrigações financeiras implica a aplicação de sanções estabelecidas nos Estatutos do CNL. 6. O atraso no cumprimento das obrigações financeiras estará sujeito a multa e os pagamentos antecipados poderão beneficiar de descontos financeiros. 7. O sócio que sem qualquer informação deixar de comparecer no CNL e deixar as suas obrigações por liquidar, fica sujeito a que os seus bens ali existentes sejam leiloados, atendidos os preceitos da legislação vigente, ou revertam a favor do CNL. Os leilões, no caso das embarcações, serão realizados com a aprovação da Capitania do Porto de Luanda. 8. Os sócios poderão dispor de empregados privados para a manutenção das suas embarcações desde que os mesmos estejam devidamente licenciados pelo CNL. Clube Naval de Luanda Regulamento Interno 1

2 9. Os sócios podem utilizar serviços de terceiros em operações de reparação da sua embarcação nas instalações do CNL, desde que os mesmos estejam devidamente licenciados. 10. É proibido aos sócios permitir que os seus empregados utilizem os equipamentos lúdicos do CNL. 11. Não é permitido aos sócios a utilização do pessoal da marinhagem do CNL em qualquer operação de reparação e manutenção das suas embarcações. 12. Os sócios que se inscrevam nas diversas secções desportivas do CNL terão de submeter-se à respectiva regulamentação e acatar as instruções dos respectivos seccionistas e treinadores. Na inscrição em actividades ligadas ao mar, é obrigatório fazer prova de que sabem nadar. 13. Os sócios proprietários de embarcações de recreio deverão registá-las no CNL, fornecendo para esse efeito as informações exigidas de acordo com as determinações oficiais. Os requisitos para o registo de embarcações no CNL são: a) Apresentação do Título de Registo de Propriedade b) Apresentação da Licença de Navegação actualizada c) Apresentação da Carta que o habilita a tripular a referida embarcação d) Apresentação do Seguro de Responsabilidade Civil da embarcação 14. Os sócios proprietários de embarcações de recreio registadas no CNL têm por dever: a) Cumprir rigorosamente as disposições do regulamento no que diz respeito ao uso da sua embarcação. b) Acatar e cumprir as disposições legais em vigor sobre a matéria ou quaisquer outras disposições oficiais vigentes. c) Acatar e cumprir os preceitos estabelecidos no que respeita ao cumprimento de praxes adoptadas na marinhagem de recreio e do arbítrio da Comodoria. d) Prestar assistência a qualquer embarcação que no mar se encontre em dificuldades, quer seja ou não do registo do CNL, sob pena de instauração de processo disciplinar, que poderá levar à expulsão do CNL caso a ocorrência seja comprovada. e) Manter em bom estado os berços das embarcações. Caso tal não se verifique, a Direcção do CNL poderá decidir a proibição da movimentação da embarcação. f) Solicitar à Direcção do CNL a saída das instalações da embarcação, que somente será autorizada se o pagamento das quotas e taxas estiver em dia. O não cumprimento será objecto de procedimento disciplinar. g) Nenhuma embarcação poderá sair do CNL para o Mar sem que para tal o seu proprietário tenha as quotas e as taxas respectivas em dia. h) Nenhuma embarcação poderá sair do CNL para o Mar sem a palamenta exigida por Lei. i) Todas as saídas de embarcações para o mar deverão ser registadas em livro próprio, que estará disponível em permanência em local a designar pela Direcção, sendo obrigatório o preenchimento completo da informação nele solicitada, designadamente: nome da embarcação, hora de saída, hora prevista de regresso, nome do Comandante, número de tripulantes, percurso previsto e confirmação da existência da palamenta obrigatória a bordo. Clube Naval de Luanda Regulamento Interno 2

3 j) A utilização ocasional de qualquer embarcação registada no CNL, por outrem que não o seu proprietário, carece de autorização escrita deste, entregue previamente na secretaria. 15. A título excepcional será aceite pessoal de segurança privada às embarcações dos sócios. Este pessoal deverá cumprir as regras anteriores com excepção do horário, mas deverá apresentar-se ao responsável pela segurança do CNL e estabelecer formas de colaboração com o mesmo. 16. O sócio, quando acompanhado, é responsável pelo comportamento e eventuais danos que os seus acompanhantes possam vir a provocar em outras embarcações. CAPÍTULO III DOS DIREITOS E DEVERES DOS ATLETAS 1. Atleta é todo o desportista que representa o CNL numa das suas modalidades desportivas. 2. Os atletas são admitidos no CNL pela Direcção e sob proposta da respectiva Secção. 3. Só poderão ser inscritos na respectiva Federação os atletas que forem considerados pela respectiva Secção como aptos a participar em Competições Oficiais. 4. Os atletas do CNL só poderão ser admitidos como tal depois de apresentarem: a) Cópia de documento de identificação válido b) No caso de indivíduos menores, autorização dos pais ou tutores para praticar a respectiva modalidade e onde claramente se responsabilizam por perdas e danos que o atleta venha a causar ao CNL ou a sócios. c) Duas fotografias tipo passe d) Documento médico que assegure que o Atleta tem condições físicas para praticar a modalidade. 5. Os atletas deverão observar as normas de boa conduta desportiva e respeitar todas as orientações e decisões da Direcção do CNL, do respectivo seccionista e dos treinadores. 6. O atleta está isento de qualquer pagamento de quotas e de jóia ao CNL. 7. A Direcção do CNL poderá retirar qualquer equipamento desportivo a um atleta sempre que se verifique: a) Utilização indevida do equipamento por parte do atleta. b) Má conservação do mesmo. c) Fraco índice de participação e de resultados desportivos. d) Conduta anti-desportiva ou comportamento cívico inadequado. 8. Em consequência do acima descrito, a Direcção do CNL poderá aplicar sanções disciplinares aos atletas, que irá desde o aviso verbal até à expulsão. 9. O atleta que representar o CNL no mínimo por duas épocas, em actividades desportivas federadas, poderá solicitar, enquanto atleta, a sua admissão como sócio, sendo dispensado do pagamento da Jóia. Clube Naval de Luanda Regulamento Interno 3

4 CAPITULO IV UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DO CNL A utilização das instalações do CNL pelos sócios é regulamentada conforme se segue. 1. Parque de Estacionamento a) Este parque destina-se ao uso prioritário das viaturas ligeiras dos sócios. A sua utilização será gratuita para os Sócios de pleno direito e sujeita a pagamento de uma taxa de utilização a definir pela Direcção para os restantes utilizadores. A utilização gratuita pelos Sócios é limitada a parqueamentos inferiores a 72 horas findas as quais estão sujeitos ao pagamento de uma taxa a definir pela Direcção. Os sócios que não tenham em dia as suas obrigações financeiras para com o CNL perdem o direito à utilização gratuita do parque de estacionamento. b) Todas as entidades não sócias, devidamente licenciadas e munidas de cartão do CNL estão isentas do pagamento da taxa prevista em a). c) A área destinada ao parque de estacionamento poderá ser parciamente utilizada para outros fins, desde que a Direcção o autorize e que dê origem a receitas complementares para o CNL. d) Por altura da realização de competições desportivas ou eventos especiais organizados pelo CNL, a Direcção poderá pontualmente abrir excepções ao pagamento por não sócios da taxa referida em a). e) A Direcção do CNL poderá reservar todo o parque de estacionamento exclusivamente para os sócios em eventos exclusivamente destinados a sócios e seus convidados. f) É interdito realizar no parque de estacionamento trabalhos de manutenção às viaturas, incluindo lavagens. 2. Placa / Hangares a) Esta área destina-se ao parqueamento, bem como à manobra das embarcações a guardar no CNL. b) Tanto o parqueamento como a manobra das embarcações será realizado pelos marinheiros do CNL, devendo para tal ser solicitado pelo sócio ao Chefe da Placa ou ao Chefe dos Marinheiros. c) É interdito ao sócio: c1. Parqueamento ou manobras com a sua embarcação dentro da placa ou sob os hangares do CNL, sem a prévia autorização do Chefe da Placa ou Chefe dos Marinheiros. c2. Subir, deslocar do lugar, mexer ou outra acção similar em embarcação que não seja sua ou que não esteja autorizado para tal. c3. Circular com viaturas na área da placa ou hangares, sem que esteja autorizado pelo Chefe da Placa e devidamente justificado. c4. Retirar ou entrar com uma embarcação na placa por via terrestre, sem que esteja devidamente autorizado pela Direcção do CNL, através de documento escrito. Clube Naval de Luanda Regulamento Interno 4

5 3. Rampas de Descida e Subida de Embarcações 3.1. No CNL existem 3 rampas a) Rampa 1: localizada em frente à secretaria. b) Rampa 2: localizada junto ao bar da placa e apoiada por um guincho. c) Rampa 3: localizada no extremo Norte do CNL A organização do serviço de rampa é da competência do Chefe da Placa ou do Chefe dos Marinheiros, não sendo permitido aos sócios intervirem nesse domínio. 4. Ponte Cais 4.1. A Ponte Cais 1, localizada a Sul do bar da placa, destina-se para: a) O serviço de subida e descida de passageiros e seus pertences das embarcações nele atracadas. Esta operação deverá ser feita no tempo estritamente necessário e sem demoras excessivas. b) O abastecimento de combustível, enquanto se mantiver nesta Ponte este serviço. c) O abastecimento de água. d) Uma rápida limpeza quando se trate de embarcação de pesca desportiva que desembarcou peixe capturado. e) A lavagem e eventual manutenção das embarcações normalmente fundeadas ou apoitadas A utilização da Ponte Cais 1 durante a semana, por períodos de duração superior a 30 minutos, carece de autorização do Chefe da Placa A Ponte Cais 2, localizada a Norte, será de uso exclusivo dos sócios que tenham esse direito e que para tal paguem as taxas definidas pela Direcção do CNL É expressamente proibido o seguinte: a) Pescar nas pontes cais. b) Carga e descarga de mercadorias de proveniência duvidosa ou de contrabando, bem como de matérias perigosas. c) Abastecimento de combustível nas embarcações sem que obedeça às normas mínimas de segurança. d) Atracação de embarcações que não estejam registadas no CNL ou que não estejam autorizadas pela Direcção. e) Descarga de peixe sobre a madeira do tabuleiro, sendo obrigatório o uso dos carros existentes e disponíveis para o efeito. f) Atracação de embarcações na Ponte Cais 1 por períodos superiores a 30 minutos, aos Sábados, Domingos e Feriados. g) Todas e quaisquer manobras ou outro tipo de utilização que ponha em risco a resistência estrutural da ponte, ou possa provocar a destruição dos seus componentes ou que venha a pôr em risco a segurança das pessoas que sobre ela permaneçam. Prejuízos causados por má utilização nos termos aqui referidos são da inteira responsabilidade do sócio causador ou do proprietário da embarcação. 5. Área de Abastecimento de Combustível 5.1. É composta por dois reservatórios e duas bombas uma para gasolina e outra para gasóleo, tendo por objectivo principal o abastecimento das embarcações de recreio dos sócios do CNL e nele parqueadas. Clube Naval de Luanda Regulamento Interno 5

6 5.2. É autorizado o abastecimento de embarcações estranhas ao CNL em dias a fixar pela Direcção, bem como nos dias de concursos de Pesca organizados pelo CNL, desde que tal não ponha em causa o abastecimento das embarcações dos Sócios de Pleno Direito. O serviço de abastecimento de combustíveis é feito pelo trabalhador para tal autorizado É expressamente proibido o seguinte: a) Fazer lume nas proximidades das bombas, num raio inferior a 5 metros. b) Abastecer viaturas. c) Encher reservatórios ou jerricans que não seja para uso da embarcação de um sócio. d) Fazer emendas ou junções com mangueiras para aumentar a distância ao reservatório ou embarcação a abastecer. e) Toda e qualquer acção que possa violar as normas de segurança estabelecidas ou que possa pôr em perigo a segurança dos sócios e das instalações do CNL, tais como stockagem de combustíveis em reservatórios que não sejam os da embarcação ou impróprios para tal. 6. Contentores 6.1. A utilização de contentores metálicos para fins de arrecadação e armazenamento de materiais e equipamentos dos sócios para o apoio às suas embarcações, é uma medida provisória e autorizada pela Direcção do CNL. Está previsto, no plano de desenvolvimento e ampliação das instalações, a sua integral substituição por construções de alvenaria. Por ocuparem muito espaço, o seu número deverá ser restrito e a sua utilização o mais racional possível Para os contentores metálicos, deverão ser observadas as seguintes normas de utilização: a) Ocupação dos contentores por sócios de pleno direito e detentores de embarcação. b) Número mínimo de ocupantes por contentor: 2 sócios. c) É expressamente proibida a guarda de materiais explosivos, inflamáveis e de outro tipo que possam pôr em perigo a segurança do CNL e que violem as normas de segurança. d) Permissão de vistoria, pela Direcção, sempre que for exigido. e) Não será permitido guardar outros tipos de material nos contentores, que não seja material náutico, equipamento de pesca ou outro tipo de material de apoio à actividade náutica dos sócios e suas embarcações. f) A instalação e utilização de equipamentos eléctricos, tais como aparelhos de ar condicionado, geleiras e arcas frigoríficas, dentro dos contentores, carecerá de autorização da Direcção do CNL e estará sujeita ao aumento da taxa respectiva Os contentores, enquanto localizados dentro da área do CNL e utilizados para os fins acima indicados, serão considerados como sendo propriedade do CNL. Desta forma, a sua utilização e distribuição pelos sócios, ficará a critério da Direcção do CNL. Não é permitida a transferência de utilizadores de contentores por via directa, devendo qualquer alteração ser previamente autorizada pela Direcção A Direcção do CNL poderá proibir o acesso a determinado contentor pelos sócios utentes, se verificar qualquer uma das seguintes situações: a) Utilização indevida. Clube Naval de Luanda Regulamento Interno 6

7 b) Utilização por sócios não autorizados pela Direcção. c) Pagamento de taxa de contentor com mais de 3 meses em atraso. d) Ocorrência de situação não prevista neste regulamento e que a Direcção do CNL entenda como motivo de encerramento A Direcção do CNL, não se responsabiliza por perdas e danos nos respectivos contentores. 7. Bar da Placa 7.1. Este bar é pertença do CNL e tem como objectivo servir aos sócios e convidados. Excepcionalmente e com vista à sua rentabilização poderá ser frequentado por pessoas estranhas ao CNL A gestão do bar é feita por um profissional, com quem a Direcção do CNL estabelece um Contrato de Exploração. A Gerência do bar terá de prestar um serviço de qualidade aceitável pela maioria dos sócios e com preços compatíveis com os praticados por outras instituições do ramo, em Luanda, mantendo sempre o espaço definido como varandinha para uso exclusivo dos Sócios Os sócios poderão reclamar, por escrito, à Direcção do CNL, sempre que entenderem que o serviço do bar não é do seu agrado. No entanto, os sócios e os convidados deverão obedecer às normas de utilização do bar, para que as regras de convivência social possam ser mantidas: a) Respeitar os horários de funcionamento do bar. b) Respeitar as normas do bar, estabelecidas pela Gerência do mesmo. c) Utilizar racionalmente os equipamentos e outros meios materiais do bar, tais como mesas, cadeiras, esplanada, etc. d) Respeitar a interdição à entrada de animais domésticos (cães, gatos, etc.) na área do bar, sendo possível o seu acesso à zona exterior desde que devidamente seguros por trela, sendo os Sócios responsáveis por quaisquer ocorrências que os mesmos possam eventualmente provocar Os sócios poderão solicitar à Direcção do CNL autorização para a organização no recinto do Bar da Placa de eventos de carácter social ou cultural para benefício de todos os sócios A Direcção do CNL reserva-se o direito de encerrar o Bar, um dia por mês, para a realização de eventos desportivos, culturais e sociais para benefício de todos os sócios. 8. Embarcações Externas e Visitas 8.1. Tem sido solicitado com frequência ao CNL o apoio para atracação de embarcações e até o parqueamento de viaturas provenientes do exterior do País, em turismo Considerando que em Luanda não existem condições para apoio a este tipo de turismo e no espírito previsto no artigo 3º alínea f) dos Estatutos, fica estabelecido que o CNL poderá aceitar nas suas instalações embarcações ou viaturas em visita turística ao nosso país, pelo período máximo de quinze dias e sem a aplicação de qualquer taxa Os ocupantes desses meios poderão pernoitar no CNL e utilizar livremente as suas instalações Quando da solicitação para pernoita no CNL deverão as visitas apresentar na secretaria do CNL cópia dos passaportes com apresentação do visto válido de entrada em Angola e cópias dos documentos da embarcação ou viatura devidamente em ordem. Clube Naval de Luanda Regulamento Interno 7

8 8.5. O CNL deverá em tempo útil e de acordo com as normas legais informar as entidades de migração Dever-se-á aproveitar essas visitas para troca de informações e experiências e procurar reciprocidade de tratamento com os seus Clubes e organizações de origem Apela-se aos sócios do Naval para que contribuam o melhor possível para que a estadia dessas visitas seja bem sucedida e que levem para os seus países a melhor impressão do CNL e de Angola. CAPITULO V PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS O CNL, como associação desportiva, recreativa e social, prestará alguns serviços aos sócios, através das estruturas existentes para o efeito. A prestação desses serviços está regulamentada e a sua descrição é registada neste capítulo. 1. Embarcações 1.1. Os serviços prestados às embarcações, serão de três tipos distintos. a) Pôr e tirar da água b) Arrumação e lavagem c) Apoio às manobras de atracação e saída d) Apoio no acesso e regresso ao fundeadouro e) Abastecimento de Combustível Qualquer destes serviços só será prestado ao sócio de pleno direito e que tenha a embarcação com as taxas em dia, ou no máximo, com 3 meses de atraso O serviço de pôr e tirar da água, para as embarcações parqueadas na placa ou hangares, será feito pelos marinheiros do CNL e sempre que o sócio assim o solicitar, dentro do horário estipulado para o efeito As embarcações só se movimentarão na rampa ou na placa, desde que estejam sobre o seu atrelado e que este se encontre em condições de se manobrar com facilidade e em segurança Não será permitido subir e descer embarcações através das rampa 1 ou 2, com mais de que uma pessoa a bordo. O acesso de pessoas às embarcações (entradas e saídas) será feito através das pontes cais Toda a embarcação, após uma saída para o mar, terá direito a uma lavagem com água doce, a ser feita exclusivamente durante a semana, pelos marinheiros, desde que a mesma seja solicitada ao Chefe da Placa ou ao Chefe dos Marinheiros e ficará sujeita a uma lista de espera. A lavagem do motor é da responsabilidade do sócio. As embarcações que não saíram para o mar tem o direito a uma lavagem mensal. A arrumação das embarcações na placa ou nos hangares é feita pelos marinheiros As embarcações fundeadas ou apoitadas: a) Poderão utilizar a rampa 2 para subida e descida para manutenção e limpeza de casco; b) Terão direito a subida e descida gratuita de 6 em 6 meses e permanência na Placa no máximo de 30 dias por ano, devendo a acção ser solicitada por escrito para Clube Naval de Luanda Regulamento Interno 8

9 programação. Para subidas adicionais e permanências superiores será cobrada uma taxa, estabelecida pela Direcção. c) O CNL só prestará o serviço de subida e descida da embarcação e a respectiva manobra na placa, devendo os restantes serviços a executar ser da responsabilidade do sócio, tais como, raspagem e limpeza do casco, serviços de estaleiro etc. d) Os berços respectivos deverão ser retirados do CNL, sob pena de aplicação de taxas de parqueamento de acordo com o espaço ocupado. e) Aos proprietários das embarcações que utilizem berços de propriedade do CNL será sempre cobrada a respectiva taxa de utilização, cujo valor é definido pela Direcção Por razões de restrição de espaço, todo e qualquer pedido de admissão de embarcação no CNL deverá aguardar disponibilidade, respeitando a lista de pedidos anteriores para o mesmo efeito e fica obrigado ao pagamento da taxa de entrada da embarcação que é definida pela Direcção Em caso de venda da embarcação por um sócio, o comprador dessa embarcação, mesmo que também seja sócio, não herda o direito ao lugar ocupado, nem sequer o direito a ter esse barco parqueado no CNL. Deverá solicitar, por escrito, permissão para parquear o barco no recinto, só podendo fazê-lo após a autorização da Direcção e pagamento da respectiva taxa de entrada Em caso de troca de embarcação num prazo não superior a 6 meses, o sócio ficará isento de pagamento da taxa de entrada da nova embarcação, com a seguinte excepção: a) Caso a nova embarcação seja de dimensões superiores à anterior, fica sujeito ao pagamento da taxa resultante da diferença de metros em relação à anterior. O valor a ser pago por cada metro será definido pela Direcção do CNL Caso o sócio pretenda fazer a troca da sua embarcação e o período decorrido entre a saída da actual embarcação e a entrada da nova, seja superior a 6 meses, fica sujeito ao pagamento da taxa de entrada, salvo se o sócio tiver solicitado por escrito a prorrogação deste prazo, explicando as razões para tal e tiver obtido aprovação da Direcção Em relação às poitas: a) As poitas, a serem colocadas após a aprovação da Direcção, serão da responsabilidade do sócio utilizador, sendo a sua colocação obrigatoriamente presenciada e supervisionada pelo CNL. b) O CNL fará uma inspecção anual à poita, preferencialmente entre Maio e Setembro e entregará ao sócio utilizador uma cópia do relatório elaborado pelo mergulhador sobre o estado de conservação da mesma. c) Caso seja necessária uma reparação o sócio deve efectuá-la de imediato. d) Caso a reparação não seja executada no prazo de 30 dias, o CNL mandará executá-la, cobrando os respectivos custos ao sócio, agravados de uma taxa de serviço de 15%. e) Em caso algum o CNL se responsabiliza por danos causados pela má conservação das poitas, correntes ou bóias de amarração, propriedade dos sócios. Em caso de acidente resultante da embarcação se soltar da sua amarração, serão da responsabilidade do sócio os danos resultantes em terceiros. Clube Naval de Luanda Regulamento Interno 9

10 1.12. O critério da distribuição de lugares das embarcações, na placa ou sob os hangares, é da exclusiva competência da Direcção do CNL, que seguirá o critério da lista de espera e da antiguidade, cabendo ao Chefe de Placa a implementação das decisões tomadas. 2. Abastecimento de combustível 2.1. Todo o sócio de pleno direito, proprietário de uma ou mais embarcações parqueadas no CNL, tem direito ao serviço de abastecimento de combustível às suas embarcações O pagamento do combustível será feito no acto do abastecimento Caso o reservatório ou reservatórios da embarcação não ofereçam condições de segurança mínimas, pondo em perigo as embarcações circundantes ou as instalações do CNL, fica desde logo interdito o seu abastecimento A título excepcional e desde que haja relações institucionais com outros Clubes congéneres e entidades ligadas ao Mar poderá a Direcção autorizar o abastecimento a não sócios Quando da visita de embarcações de fora de Luanda e devidamente autorizadas a estacionar no CNL pela Direcção poderá ser autorizado o seu abastecimento É estritamente proibido o fornecimento de combustível para: a) Abastecimento de viaturas e geradores, à excepção dos que sejam propriedade do CNL. b) Abastecimento de embarcações estranhas ao CNL, mesmo sendo propriedade de um sócio do CNL, com excepção do previsto no Capitulo 4, Ponto 5. e nos pontos anteriores. c) Utilização em fins estranhos aos interesses do CNL d) Abastecimento de reservatórios ou depósitos, além dos existentes na embarcação e necessários para a sua navegação. 3. Serviços Administrativos 3.1. Secretaria No CNL existe uma área onde funciona a sua secretaria. No horário de funcionamento da secretaria, todo e qualquer sócio deverá utilizar os seus serviços para: a) Obtenção de informações. b) Entrega e recebimento de correspondência. c) Pagamento de quotas e taxas. d) Utilização do telefone ou outro serviço de comunicações instalado, sujeito ao pagamento das taxas em vigor Solicitações Todo o sócio deverá, através de carta rubricada e entregue na secretaria, solicitar à Direcção do CNL autorização para: a) Admissão de embarcação. b) Retirada de embarcação do CNL. c) Alteração do local de parqueamento da embarcação. d) Execução de trabalhos de manutenção ou reparação das embarcações Clube Naval de Luanda Regulamento Interno 10

11 e) Subida e descida de embarcações fundeadas, para trabalhos em seco. f) Obtenção de vaga em contentor ou cacifo. g) Quaisquer outras actividades que careçam de autorização prévia. 4. Admissão de Sócio 4.1. A admissão de sócios rege-se de acordo com os procedimentos estabelecidos nos Estatutos do CNL em vigor São aceites pessoas colectivas como sócios, com um valor de jóia e quota de valor superior ao sócio individual, mas com direito a três cartões de acesso ao CNL. Em Assembleias Gerais terão contudo direito a um só voto Poderão ser admitidos como Sócios Aspirantes os monitores e treinadores das modalidades desportivas do CNL, que sob proposta da secção sejam reconhecidamente considerados úteis ao CNL nessa qualidade e como tal aprovados pela Direcção, com dispensa de pagamento de jóia. 5. Jóias, Quotas e Taxas Os pagamentos obrigatórios a serem feitos pelos sócios ao CNL são os seguintes: a) Taxa de admissão ou Jóia, que será paga após a aceitação do candidato pela Direcção como sócio do CNL. b) Quotas mensais que deverão ser pagas até ao final de cada mês. Às quotas em atraso será aplicada multa no valor de 50% do valor em dívida. O atraso de 6 meses no pagamento das quotas implica a eliminação com a consequente perda da qualidade de sócio. No entanto a retirada dos seus pertences do CNL só será permitida após a regularização da divida existente. c) Taxa da embarcação, de pagamento mensal a regularizar até o final de cada mês. No acto de pagamento de qualquer taxa em atraso será aplicada multa no valor de 50% do valor em dívida. No caso de atrasos superiores a 6 meses o sócio será eliminado perdendo todos os seus direitos. No entanto a retirada dos seus pertences do CNL só será permitida após regularização da divida. d) Taxa do contentor ou cacifo, de pagamento mensal, devendo ser pagas até final de cada mês. No acto de pagamento de qualquer taxa em atraso será aplicada multa no valor de 50% do valor em dívida. No caso de atrasos superiores a 6 meses o sócio perderá o direito à sua utilização, no entanto a retirada dos seus pertences do CNL só será permitida após regularização da divida. e) Taxas de serviços Entende-se por taxas de serviços, os valores para pagamento de serviços específicos prestados pelo CNL a um sócio ou à sua embarcação ou a terceiros. No acto de pagamento de qualquer taxa de serviços em atraso será aplicada multa no valor de 50% do valor em dívida. A definição dos valores actualizados das taxas acima indicadas, serão da responsabilidade da Direcção do CNL e deverão estar afixadas no Placard do CNL ou na Secretaria. Clube Naval de Luanda Regulamento Interno 11

12 6. Cartões a) O sócio individual terá direito a um cartão de identificação do sócio, onde está escrito o seu nome, o número de sócio e a sua foto. b) A pessoa colectiva admitida como sócio terá direito a três cartões de identificação com o número de sócio, com o nome e foto do seu detentor. c) Sempre que o sócio se deslocar às instalações do CNL deverá levar consigo o seu cartão de identificação e exibi-lo à entrada ou quando for solicitado por alguma autoridade do CNL. d) A pessoa colectiva admitida como sócio poderá pedir a qualquer momento a substituição do titular de qualquer dos seus cartões mediante o pagamento de uma taxa. e) Por se encontrar deteriorado ou por perda qualquer sócio pode solicitar a substituição do cartão, mediante o pagamento de uma taxa. f) Os trabalhadores (marinheiros particulares, seguranças particulares, etc) dos sócios, de igual modo se devem apresentar munidos do seu cartão e apresentá-lo sempre que solicitado por algum responsável do CNL. Por se encontrar deteriorado ou por perda pode ser solicitada a substituição do cartão, mediante o pagamento de uma taxa. g) Os marinheiros particulares dos sócios somente podem manobrar as embarcações dos mesmos, se forem possuidores de carta de marinheiro e devem apresentar cópia da mesma na Secretaria do CNL. 7. Comunicações aos sócios a) O CNL possui linhas telefónicas para facilitar as comunicações com os sócios. b) O CNL procederá à instalação de Internet e estabelecimento de um site, onde constará informação de interesse e sobre a vida do CNL. c) O CNL enviará, a título geral ou particular, informações aos sócios, seja de interesse geral seja de interesse particular de cada sócio. Os sócios que possuam endereços de correio electrónico devem fornecer os mesmos à Secretaria, de forma a beneficiar desta facilidade comunicação. d) O boletim trimestral O Naval constitui mais um meio de comunicação, que deve contar com a colaboração dos sócios para ser mantido activo. 8. Horários a) Com vista a aumentar os níveis de Segurança das instalações e das embarcações e pertences dos sócios, os marinheiros do CNL, marinheiros e trabalhadores dos sócios e o pessoal dos prestadores de serviços, somente poderão permanecer no CNL no período das 7 às 18 horas, tanto aos fins de semana como durante toda a semana. b) O Bar da Placa usará o horário que mais lhe convier, respeitando porém o que sobre o assunto constar no respectivo contrato de exploração. c) A segurança de serviço terá que velar para que as entradas no CNL fora dessas horas seja devidamente controlada e acompanhada, sendo aceite a entrada de sócios e outros visitantes para se deslocar à Secretaria, Sala de Ginástica, Bar, sua embarcação ou contentor. Clube Naval de Luanda Regulamento Interno 12

13 d) O horário de funcionamento da secretaria estará afixado no placard do CNL ou na própria secretaria. 9. Seguros a) O CNL contratará um seguro de responsabilidade civil para se proteger de acidentes de vária ordem que poderão surgir na sua actividade de prestação de serviços aos sócios. b) O CNL poderá intermediar a contratação de Seguro de Responsabilidade Civil para as embarcações dos sócios. 10. Prestadores de Serviços aos Sócios O CNL criará uma área específica onde serão executados os trabalhos de manutenção e grande reparação nas embarcações. Esta área, designada Centro Oficinal, estará localizada no extremo Sul do CNL e será dotada dos meios e equipamentos necessários e adequados aos serviços a prestar. O Centro Oficinal será dotado de acesso directo do exterior, de forma a permitir o acesso directo dos prestadores de serviços e respectivo pessoal, que assim não terão acesso normal às outras áreas do CNL. O Centro Oficinal terá regulamento próprio a aprovar pela Direcção do CNL e do qual será dado conhecimento aos sócios e aos prestadores de serviços. Entretanto e enquanto este projecto não é concretizado, aplicam-se as disposições regulamentares constantes dos pontos seguintes O CNL aceita que os sócios solicitem a prestação de serviços externos para as suas embarcações a serem executados nas instalações do CNL As empresas que são autorizadas pela Direcção a exercer a sua actividade dentro das instalações do CNL são taxadas de acordo com o pessoal ao seu serviço e as áreas ocupadas, tendo que cumprir com as regras aqui indicadas Os prestadores de serviços devem solicitar à Direcção do CNL a emissão de cartões de identificação dos trabalhadores que pretendam exercer a actividade nas instalações do CNL. Caso sejam autorizados os referidos cartões serão emitidos mediante o pagamento de uma taxa Os trabalhadores dos prestadores de serviço deverão cumprir as seguintes regras: a) Apresentarem-se devidamente identificados pelo cartão atribuído pelo CNL. b) Apresentarem-se uniformizados com identificação clara da sua Empresa. c) Cumprir com os horários estabelecidos pelo CNL. d) Acatar a qualquer instrução proveniente de qualquer responsável do CNL. e) Deixar no final de cada dia de trabalho o local onde exerceu a sua actividade perfeitamente limpo. 11. Sala de ginástica a) A utilização da sala de ginástica é sujeita a taxas diferenciadas estabelecidas pela Direcção do CNL, para sócios e não sócios do CNL e como tal é livre a qualquer utilizador nas horas estabelecidas para diversas modalidades que ali poderão ser praticadas. Clube Naval de Luanda Regulamento Interno 13

14 b) Os atletas do CNL devidamente enquadrados pelos seus monitores e seccionistas poderão usar a mesma de forma gratuita, dentro dos horários de utilização a estabelecer. 12. Receitas Com o objectivo de aumentar receitas para fortalecer o equilíbio financeiro do CNL, promovendo a melhoria da manutenção das instalações e equipamentos e a realização de investimentos para o seu desenvolvimento, nomeadamente nas áreas desportivas, foram estabelecidas ao longo do presente regulamento taxas diversas correspondentes aos vários serviços prestados pelo CNL aos sócios. Estas taxas devem sempre seguir o princípio do utilizador/pagador, visando a distribuição justa e equilibrada dos custos. As taxas em vigor estarão sempre afixadas no placard do CNL ou na secretaria. A Direcção poderá ainda obter receitas adicionais por outros meios, desde que sejam legais e não interfiram ou colidam com os direitos dos sócios, onde se inclui, a título de exemplo, a cedência temporária de espaços publicitários e o aluguer de espaços. Em resumo as referidas taxas agora identificadas são as seguintes: a) Taxas de estacionamento de viaturas b Taxas cobradas às embarcações dos sócios c) Taxas de estacionamento dos berços de embarcações fundeadas d) Taxas de utilização de berços de propriedade do CNL e) Taxas de utilização do ginásio para diversas actividades f) Taxas de utilização do CNL por prestadores de serviços internos e externos g) Taxas de utilização cobradas a embarcações estranhas ao CNL h) Taxas de utilização de contentores e cacifos i) Taxas relativas a sobre-estadias na placa de embarcações de sócios j) Sobre taxas e multas por pagamento atrasado de quotas e taxas k) Taxas sobre acções de formação a organizar pelo CNL l) Taxas de utilização do CNL para a realização de eventos que envolvam interesses comerciais. m) Aluguer de áreas para publicidade estática e outros fins n) Aluguer de património vocacionado para o efeito, tal como os designados Bar da Placa e Restaurante Clube Naval de Luanda CAPITULO VI DIRECTOR EXECUTIVO 1. A gestão corrente do CNL estará a cargo de um Director Executivo contratado pela Direcção. 2. O Director Executivo actua como delegado directo da Direcção, em articulação com o Secretário, o Tesoureiro e os responsáveis pelos diferentes pelouros, sendo-lhe atribuídas as seguintes funções: Clube Naval de Luanda Regulamento Interno 14

15 a) Fiscaliza e controla o cumprimento das disposições estatutárias, regulamentares e outras emanadas da Direcção; b) Fiscaliza e controla o cumprimento pelos sócios proprietários de embarcações das disposições legais que disciplinam a navegação de recreio; c) Coordena a actividade de todos os funcionários e apoia os monitores desportivos do CNL, supervisionando os serviços de secretaria, manutenção e operação das instalações sociais e desportivas, obras e reparações em curso, segurança, portaria e acessos, garantindo a implementação e actualização permanente das regras estabelecidas para os diferentes sectores; d) Atende os sócios e não sócios, resolvendo ou veiculando para a Direcção os problemas que se venham a colocar no dia a dia e cuja solução ultrapasse as suas competências; e) Apoia os órgãos sociais do CNL participando na preparação de condições para a realização de reuniões e na ligação entre as diversas áreas funcionais do CNL; f) Coordena, sob a supervisão do Tesoureiro, a actividade financeira do CNL, mediante o acompanhamento e controlo das contas bancárias, verificação de facturas de fornecedores e pagamentos e encerramento diário da folha de caixa; g) Apoia a Direcção do CNL no seu relacionamento com o exterior no que respeita designadamente a Bancos, Fornecedores e Instituições; h) Supervisiona as entradas e as saídas das embarcações nos termos regulamentares; i) Supervisiona o controle da utilização do Posto de Rádio; j) Não permite a saída das embarcações que para tal não estejam habilitadas nos termos deste regulamento, bem como pelo incumprimento das normas legais aplicáveis; k) Supervisiona o controle do acesso às zonas de estacionamento de embarcações; l) Providencia a prestação de socorro, usando os meios de salvamento que entender necessários e de acordo com as circunstâncias; m) Supervisiona a vistoria às embarcações que estejam dentro da competência do CNL Naval; n) Providencia para que as embarcações do CNL se mantenham sempre operativas; o) Propõe à Direcção o que achar conveniente para melhoria da sua acção CAPITULO VII DISPOSIÇÕES FINAIS 1. Casos omissos. a) Todos os casos omissos e não previstos neste regulamento, serão tratados em tempo pela Direcção do CNL, que tomará a decisão que achar mais conveniente. b) Situações que ultrapassem as competências da Direcção serão remetidas para a Assembleia Geral de sócios que analisará e tomará a respectiva decisão. 2. Aprovação pela Assembleia Geral O presente Regulamento Interno do Clube Naval de Luanda foi aprovado em reunião da Assembleia Geral de Sócios que teve lugar aos 14 de Dezembro de Clube Naval de Luanda Regulamento Interno 15

REGULAMENTO DA MARINA

REGULAMENTO DA MARINA REGULAMENTO DA MARINA (Aprovado na Assembleia Geral a 16 de Abril de 1999) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Objectivo e âmbito de aplicação O presente regulamento contém as disposições fundamentais

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CENTROS COORDENADORES DE TRANSPORTES DE CAMINHA E VILA PRAIA DE ÂNCORA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CENTROS COORDENADORES DE TRANSPORTES DE CAMINHA E VILA PRAIA DE ÂNCORA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CENTROS COORDENADORES DE TRANSPORTES DE CAMINHA E VILA PRAIA DE ÂNCORA 1990 1 CAPÍTULO I OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÕES ARTIGO 1º - O presente regulamento destina-se

Leia mais

Regulamento Interno Férias Academia 2014. Art.º 1 - Informações Gerais

Regulamento Interno Férias Academia 2014. Art.º 1 - Informações Gerais Regulamento Interno Férias Academia 2014 Art.º 1 - Informações Gerais 1. As Férias Academia decorrem nas instalações da Academia Sporting, em regime fechado; 2. Os campos de férias têm, normalmente, uma

Leia mais

REGIMENTO INTERNO 9º SEDE NÁUTICA

REGIMENTO INTERNO 9º SEDE NÁUTICA REGIMENTO INTERNO 9º SEDE NÁUTICA HANGARAGEM DE EMBARCAÇÕES 9.1- O Iate Clube da Bahia, dependendo do espaço físico disponível, poderá aceitar para abrigo em seco, nas dependências da Sede Náutica as embarcações

Leia mais

CLUBE NÁUTICO DA ILHA DE LUANDA

CLUBE NÁUTICO DA ILHA DE LUANDA CLUBE NÁUTICO DA ILHA DE LUANDA ADENDA AO CONTRATO REGULAMENTO DA MARINA CLUBE NÁUTICO DA ILHA DE LUANDA CAPITULO I OBJECTO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO Artigo 1º Objecto 1 - A utilização do porto de recreio

Leia mais

ÁREA TÉCNICA. Normas de funcionamento da Área Técnica. 1 de Setembro de 2013

ÁREA TÉCNICA. Normas de funcionamento da Área Técnica. 1 de Setembro de 2013 1 ÁREA TÉCNICA Normas de funcionamento da Área Técnica 1 de Setembro de 2013 1. Horário de funcionamento O horário de funcionamento da área técnica fica compreendido entre as 8H00 e as 20H00, encontrando-se

Leia mais

Regulamento de Utilização do Centro Náutico de Cheoc-Van

Regulamento de Utilização do Centro Náutico de Cheoc-Van Regulamento de Utilização do Centro Náutico de Cheoc-Van 1 o Objecto 1 O acesso, a permanência e a utilização das instalações do Centro Náutico de Cheoc-Van, adiante designado por Centro, afecto ao Instituto

Leia mais

MUNICIPIO DE ALPIARÇA ALPIAGRA 2014 FEIRA AGRÍCOLA E COMERCIAL DE ALPIARÇA NORMAS

MUNICIPIO DE ALPIARÇA ALPIAGRA 2014 FEIRA AGRÍCOLA E COMERCIAL DE ALPIARÇA NORMAS MUNICIPIO DE ALPIARÇA ALPIAGRA 2014 FEIRA AGRÍCOLA E COMERCIAL DE ALPIARÇA NORMAS A Alpiagra Feira Agrícola e Comercial de Alpiarça é uma organização da Câmara Municipal de Alpiarça. Artigo 1º (Condições

Leia mais

REGULAMENTO DE EXPLORAÇÃO DO PORTO DE RECREIO DE VILA REAL DE SANTO ANTONIO I. Artigo 1º. Objecto. Entrada, permanência e saída do Porto de Recreio

REGULAMENTO DE EXPLORAÇÃO DO PORTO DE RECREIO DE VILA REAL DE SANTO ANTONIO I. Artigo 1º. Objecto. Entrada, permanência e saída do Porto de Recreio REGULAMENTO DE EXPLORAÇÃO DO PORTO DE RECREIO DE VILA REAL DE SANTO ANTONIO I Artigo 1º Objecto utilização do Porto de Recreio do Guadiana, de que é Concessionária a Associação Naval do Guadiana, avés

Leia mais

República de Angola Ministério das Finanças Direcção Nacional das Alfândegas

República de Angola Ministério das Finanças Direcção Nacional das Alfândegas República de Angola Ministério das Finanças Direcção Nacional das Alfândegas CIRCULAR À TODAS AS ESTÂNCIAS ADUANEIRAS Nº /DESP/DTA/DNA/07 ASSUNTO: NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO TERMINAL DE VIATURAS DA MULTIPARQUES.

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS Objecto O presente regulamento estabelece as normas gerais e as condições de utilização dos campos de futebol das instalações desportivas Myindoor

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO DE EXPLORAÇÃO DA ESTAÇÃO DA CENTRAL DE CAMIONAGEM DA VILA DE VIEIRA DO MINHO Preâmbulo Com a entrada em funcionamento da Estação da Central de Camionagem de Vieira do Minho torna-se necessária

Leia mais

REGULAMENTO DA INCUBADORA DO TAGUSPARK

REGULAMENTO DA INCUBADORA DO TAGUSPARK REGULAMENTO DA INCUBADORA DO TAGUSPARK Data: Outubro de 2013 PARTE I Aspectos Gerais Artigo 1º (Âmbito) No presente regulamento definem-se os procedimentos de funcionamento da Incubadora do Taguspark,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO BANDA DE MÚSICA DE SANGUINHEDO

REGULAMENTO INTERNO BANDA DE MÚSICA DE SANGUINHEDO REGULAMENTO INTERNO BANDA DE MÚSICA DE SANGUINHEDO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º - Denominação e sede Social 1. A Associação tem a denominação de Banda de Música de Sanguinhedo Associação Recreativa,

Leia mais

Regulamento de Utilização do Campo de Futebol 7 Sintético do Complexo Desportivo da Granja - Resende. Lei Habilitante

Regulamento de Utilização do Campo de Futebol 7 Sintético do Complexo Desportivo da Granja - Resende. Lei Habilitante Regulamento de Utilização do Campo de Futebol 7 Sintético do Complexo Desportivo da Granja - Resende Lei Habilitante A utilização dos equipamentos municipais carece de regulamentação. A Câmara Municipal

Leia mais

REGULAMENTO HUB PORTO

REGULAMENTO HUB PORTO REGULAMENTO HUB PORTO Preâmbulo O Hub Porto é uma comunidade global, constituída por pessoas das mais diversas áreas profissionais, técnicas, culturais e/ou sociais, que procuram responder de forma inovadora

Leia mais

Proposta de Regulamento de Utilização e Funcionamento do Terminal Rodoviário de Arruda dos Vinhos

Proposta de Regulamento de Utilização e Funcionamento do Terminal Rodoviário de Arruda dos Vinhos Proposta de Regulamento de Utilização e Funcionamento do Terminal Rodoviário de Arruda dos Vinhos PREÂMBULO O presente regulamento surge na sequência do Decreto-Lei n.º 170/71, de 27 de Abril, que aprovou

Leia mais

NORMAS TRANSITÓRIAS DE FUNCIONAMENTO DO MERCADO DE GADO DE CHAVES. 1.ª Âmbito e Objecto

NORMAS TRANSITÓRIAS DE FUNCIONAMENTO DO MERCADO DE GADO DE CHAVES. 1.ª Âmbito e Objecto NORMAS TRANSITÓRIAS DE FUNCIONAMENTO DO MERCADO DE GADO DE CHAVES 1.ª Âmbito e Objecto As presentes normas visam disciplinar a actividade do Mercado de Gado de Chaves. 2.ª Da organização do Mercado de

Leia mais

MUNICÍPIO DE ÓBIDOS DESPORTO Gestão de Espaços e Equipamentos Desportivos Municipais

MUNICÍPIO DE ÓBIDOS DESPORTO Gestão de Espaços e Equipamentos Desportivos Municipais MUNICÍPIO DE ÓBIDOS DESPORTO Gestão de Espaços e Equipamentos Desportivos Municipais REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO PISCINAS MUNICIPAIS DE ÓBIDOS Pág. 1 de 8 I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Objecto) As

Leia mais

Regulamento do centro coordenador de Transportes - central de camionagem

Regulamento do centro coordenador de Transportes - central de camionagem Regulamento do centro coordenador de Transportes - central de camionagem ARTIGO 1º. (Objeto e âmbito de aplicação) O presente regulamento destina-se se a assegurar a organização e a exploração regular

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ARTIGO 1º 1. É constituida uma associação portuguesa científica e técnica, por tempo indeterminado e sem fins lucrativos,

Leia mais

REGULAMENTO DO PAVILHÃO DE DESPORTOS 1 I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO PAVILHÃO DE DESPORTOS 1 I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO PAVILHÃO DE DESPORTOS 1 I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - O Pavilhão de Desportos é propriedade da Câmara Municipal de Vila do Conde e tem como finalidade a prestação de serviços à população

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

REGULAMENTO DE TARIFAS DA MARINA DA PRAIA DA VITÓRIA

REGULAMENTO DE TARIFAS DA MARINA DA PRAIA DA VITÓRIA ÍNDICE Artigo 1º - Disposições Gerais...3 Artigo 2.º - Definições...3 Artigo 3.º - Aplicação de Tarifas...4 Artigo 4.º - Formas de pagamento...5 Artigo 5.º - Documentos...5 Artigo 6.º - Tipos de Estacionamento...6

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS. Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS. Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Âmbito da Acção e Fins ARTIGO UM

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS. Capítulo I - Disposições Gerais... 2. Capítulo II... 4. Secção I - Serviços de Saúde... 4

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS. Capítulo I - Disposições Gerais... 2. Capítulo II... 4. Secção I - Serviços de Saúde... 4 REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS Capítulo I - Disposições Gerais... 2 Capítulo II... 4 Secção I - Serviços de Saúde... 4 Secção II - Complementos de Reforma... 5 Capítulo III - Benefícios suportados pelo Fundo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO SETOR NÁUTICO

REGULAMENTO INTERNO DO SETOR NÁUTICO 1 REGULAMENTO INTERNO DO SETOR NÁUTICO Aprovado pelo Ato Deliberativo nº 003/2001 Reunião 20.06.01 Do Objetivo Art. 1º - Estabelecer norma reguladora para utilização das dependências, dos equipamentos,

Leia mais

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto 1. O Presente Regulamento estabelece as condições

Leia mais

REGRAS DE PARTICIPAÇÃO

REGRAS DE PARTICIPAÇÃO REGRAS DE PARTICIPAÇÃO 1. Condições de Participação 1. Realiza-se a 26, 27 e 28 de Junho de 2015 a recriação histórica designada Os Piratas ; 2. Podem participar no certame, artesãos e mercadores individuais,

Leia mais

TASQUINHAS. Critérios de Atribuição ÂMBITO OBJECTIVOS LOCAL E HORÁRIO

TASQUINHAS. Critérios de Atribuição ÂMBITO OBJECTIVOS LOCAL E HORÁRIO TASQUINHAS Critérios de Atribuição ÂMBITO 1. A Câmara Municipal de Moura em colaboração com diversas entidades locais, pretende realizar a XI Feira Empresarial de Moura / IV Fórum das Energias Renováveis

Leia mais

Artigo 2º Cedência de instalações

Artigo 2º Cedência de instalações MANUAL INTERNO UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS Artigo 1º Disposições gerais 1. As Instalações Desportivas da escola EB André Soares têm como finalidade, para além da atividade letiva, a prestação

Leia mais

INSTRUTIVO N.08/99. de 21 de Maio

INSTRUTIVO N.08/99. de 21 de Maio ASSUNTO: POLITICA CAMBIAL Operações de mercadorias INSTRUTIVO N.08/99 de 21 de Maio Com vista a estabelecer os procedimentos operacionais decorrentes das operações de mercadorias, em conformidade com o

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO RANCHO FOLCLÓRICO SAMPAENSE

REGULAMENTO INTERNO RANCHO FOLCLÓRICO SAMPAENSE REGULAMENTO INTERNO RANCHO FOLCLÓRICO SAMPAENSE CAPITULO I ENQUADRAMENTO Artigo 1º. Denominação No âmbito das actividades e ao abrigo dos antigos estatutos sociais da S.R.L.S., foi fundado e organizado

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL a NOTA INTRODUTÓRIA Criado a 19 de Setembro de 2006 e tendo iniciado as suas funções a

Leia mais

Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa

Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objecto) O presente regulamento estabelece a orgânica do Gabinete Erasmus, bem

Leia mais

Parque Tecnológico de Óbidos

Parque Tecnológico de Óbidos Parque Tecnológico de Óbidos Regulamento de obras (Versão preliminar) Fevereiro de 2009 Óbidos Requalifica, E.E.M. Casa do Largo da Porta da Vila, 1.º Tel: +351 262 955 440 obidos.requalifica@mail.telepac.pt

Leia mais

CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO

CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO I Introdução 1.1 O presente Regulamento destina-se a estabelecer as regras de acesso e de funcionamento do INOV.POINT Centro

Leia mais

Regulamento. Regulamento de Utilização do Porto de Recreio da Calheta da. Região Autónoma da Madeira. Capítulo I. Objecto. Artigo 1.º.

Regulamento. Regulamento de Utilização do Porto de Recreio da Calheta da. Região Autónoma da Madeira. Capítulo I. Objecto. Artigo 1.º. Regulamento Regulamento de Utilização do Porto de Recreio da Calheta da Região Autónoma da Madeira Capítulo I Objecto Artigo 1.º Objecto A utilização do Porto de Recreio da Calheta, na Região Autónoma

Leia mais

AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho

AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho Publicado em DR I.ª Série n.º 129 de 9 de Julho AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho ASSUNTO: AQUISIÇÃO OU AUMENTO DE PARTICIPAÇÕES QUALIFICADAS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Havendo a necessidade de se adequar

Leia mais

REGULAMENTO DA NÁUTICA

REGULAMENTO DA NÁUTICA REGULAMENTO DA NÁUTICA Conteúdo: 1 DEPENDÊNCIAS DA NÁUTICA 2 PROCEDIMENTOS PARA USO DAS VAGAS 2.1 Obtenção de Vaga 2.2 Fila de Espera 2.3 Remanejamento de Vagas 2.4 Troca de Embarcação 2.5 Utilização das

Leia mais

Regimento da Colônia de Férias em Garopaba/SC

Regimento da Colônia de Férias em Garopaba/SC Regimento da Colônia de Férias em Garopaba/SC CAPITULO I - DA UTILIZAÇÃO Artigo 1º - A Colônia de Férias da ASSUFRGS, localizada em Garopaba/SC, é de uso exclusivo dos seus filiados, servidores da UFRGS,

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES. Preâmbulo

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES. Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES Preâmbulo O Decreto-Lei n. 295/98, de 22 de Setembro, que transpôs para o direito interno a Directiva

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal

Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal REGULAMENTO INTERNO DE USO DE VEÍCULOS MUNICIPAIS Artigo 1º Objectivo O Regulamento Interno de Uso de Veículos Municipais visa definir o regime de utilização

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO BUS Solidário e Loja Solidária Junta de Freguesia de Encosta do Sol Capítulo I Disposições Gerais Artigo I Enquadramento No âmbito das atribuições que lhe são cometidas

Leia mais

ALIANÇA FRANCESA DO PORTO

ALIANÇA FRANCESA DO PORTO Natureza e objectivos Projecto de REGULAMENTO INTERNO ALIANÇA FRANCESA DO PORTO Introdução Aliança Francesa do Porto sede: Rua Santa Isabel, 88 4050-536 Porto contribuinte nº 507864549 telefone nº 226098616

Leia mais

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA NOR 204

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA NOR 204 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO CÓD. 200 ASSUNTO: ESTABELECE CRITÉRIOS DE PROCEDIMENTOS PARA O CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA NAS DEPENDÊNCIAS DA EMPRESA CÓD: APROVAÇÃO: Resolução nº 0098/94, de 15/12/1994 NORMA

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂMARA MUNICIPAL

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂMARA MUNICIPAL NORMAS DE FUNCIONAMENTO DAS ZONAS DE ESTACIONAMENTO DA COROADA As zonas de estacionamento da Coroada, adiante designadas por parques ou Parques da Coroada, são parte integrante das áreas de estacionamento

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO 1. O presente regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos diferentes cursos das Escolas integradas

Leia mais

BAR TENDA ELECTRÓNICA FESTAS DE SÃO PEDRO 2014

BAR TENDA ELECTRÓNICA FESTAS DE SÃO PEDRO 2014 BAR TENDA ELECTRÓNICA FESTAS DE SÃO PEDRO 2014 REGULAMENTO ARTIGO 1º (Objecto e Âmbito) O presente Regulamento tem por objectivo a definição das condições de concessão e utilização do bar da Tenda Electrónica,

Leia mais

Normas de funcionamento e utilização do Mercado de Sant Ana Centro Cultural 1

Normas de funcionamento e utilização do Mercado de Sant Ana Centro Cultural 1 1 6 Normas de funcionamento e utilização do Mercado de Sant Ana Centro Cultural 1 I Disposições Gerais 1. Objecto O presente regulamento tem por finalidade estabelecer as condições gerais a que ficam sujeitos

Leia mais

O presente documento é vinculativo para a agência, operador e cliente, salvo alguma das presentes condições:

O presente documento é vinculativo para a agência, operador e cliente, salvo alguma das presentes condições: Condições gerais de venda de todos os programas e que constituem, na ausência de documento autónomo, o contrato de viagem, reserva de alojamento e/ou atividade. O presente documento é vinculativo para

Leia mais

MERCADO ABASTECEDOR DA REGIÃO DE LISBOA. Regulamento de Utilização de Espaços para Exposições

MERCADO ABASTECEDOR DA REGIÃO DE LISBOA. Regulamento de Utilização de Espaços para Exposições MERCADO ABASTECEDOR DA REGIÃO DE LISBOA Regulamento de Utilização de Espaços para Exposições Regulamento de Utilização de Espaços para Exposições Artigo 1.º (Objecto e Âmbito) 1. A MARL Mercado Abastecedor

Leia mais

Regulamento Do Arquivo da Junta de Freguesia de Avanca. Junta de Freguesia de Avanca Sector de Arquivo

Regulamento Do Arquivo da Junta de Freguesia de Avanca. Junta de Freguesia de Avanca Sector de Arquivo Regulamento Do Arquivo da Junta de Freguesia de Avanca Junta de Freguesia de Avanca Sector de Arquivo Avanca 2009 Preâmbulo O Arquivo é, sem dúvida, a materialização da memória colectiva. É com base neste

Leia mais

Regulamento de Manutenção e Inspecção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes

Regulamento de Manutenção e Inspecção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Regulamento de Manutenção e Inspecção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Nota Justificativa Considerando que em prol dos princípios da descentralização administrativa e da

Leia mais

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

Regulamento Interno Actividades Tempos Livres ATL AGUARELA

Regulamento Interno Actividades Tempos Livres ATL AGUARELA Regulamento Interno Actividades Tempos Livres ATL AGUARELA Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica Nº 4 e Jardim de Infância Nº 3 de Alverca do Ribatejo INDICE 1. Objecto 2. Local

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PARQUE DE CAMPISMO MUNICIPAL

REGULAMENTO INTERNO DO PARQUE DE CAMPISMO MUNICIPAL REGULAMENTO INTERNO DO PARQUE DE CAMPISMO MUNICIPAL Os parques de campismo são empreendimentos turísticos definidos no Decreto- lei nº 39/2008, de 7 de março alterado pelo Decreto-Lei nº 228/2009, de 14

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/28/2010

DESPACHO ISEP/P/28/2010 DESPACHO DESPACHO ISEP/P/28/2010 REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE VEÍCULOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO Considerando: 1. O disposto no n.º 2 do artigo 11.º do Decreto-Lei n.º 170/2008, de 26

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS Nota justificativa A criação de novas Zonas e loteamentos Industriais tem como principal finalidade

Leia mais

REGULAMENTO HORÁRIO DE TRABALHO (Aprovado na reunião do Executivo Municipal de 10/12/2007)

REGULAMENTO HORÁRIO DE TRABALHO (Aprovado na reunião do Executivo Municipal de 10/12/2007) REGULAMENTO HORÁRIO DE TRABALHO (Aprovado na reunião do Executivo Municipal de 10/12/2007) CAPÍTULO I NORMAS GERAIS Artigo 1.º Legislação Habilitante Lei nº 23/2004, de 22 de Junho; Decreto-Lei nº 100/99.

Leia mais

LEI N.º /2007 Lei reguladora do Direito Fundamental de Associação Sindical

LEI N.º /2007 Lei reguladora do Direito Fundamental de Associação Sindical LEI N.º /2007 Lei reguladora do Direito Fundamental de Associação Sindical A Assembleia Legislativa decreta, nos termos conjugados dos artigos 27.º, 36.º, 40.º, 43.º e 71.º alínea 1, da Lei Básica da Região

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM REGIME PÓS-LABORAL

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM REGIME PÓS-LABORAL UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM REGIME PÓS-LABORAL Preâmbulo A necessidade de expandir a informação superior dos profissionais integrados no mercado trabalho constitui

Leia mais

Normas de participação

Normas de participação Verão com desafios 2015 Normas de participação I. Apresentação e objetivos 1. Entidade promotora e organizadora - Município de Loures 1 a) O programa de Ocupação de Tempos Livres Verão com Desafios é promovido

Leia mais

CEBE. Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO

CEBE. Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO CEBE Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO ÍNDICE Introdução 3 Pag 1 Regime de funcionamento 4 1.1 Horário 5 1.2 Acesso, circulação e saída da CEBE 6 2 Estrutura Pedagógica e Administrativa

Leia mais

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE III. 1 - Definições FASE DE ENTRADA Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção de subvenção as

Leia mais

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO NO HOSPITAL GERAL. Artigo 1º. Objecto

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO NO HOSPITAL GERAL. Artigo 1º. Objecto REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO NO HOSPITAL GERAL Artigo 1º Objecto O presente regulamento tem por objecto definir a natureza, o conteúdo e os termos em que é desenvolvido o trabalho voluntário no Hospital

Leia mais

PROGRAMA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES EDUCATIVAS - 2ºCICLO

PROGRAMA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES EDUCATIVAS - 2ºCICLO REGULAMENTO INTERNO PROGRAMA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES EDUCATIVAS - 2ºCICLO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. FILIPA DE LENCASTRE Artigo 1º Finalidade O presente Regulamento tem por finalidade estabelecer as

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS Preâmbulo Considerando: As competências previstas nos artigos 112º e 241º da Constituição da República Portuguesa; O regime previsto no Decreto-Lei

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 196/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas as entidades exploradoras dos armazéns e das redes e ramais

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Lagoa As bases do enquadramento jurídico do voluntariado, bem como, os princípios que enquadram o trabalho de voluntário constam na Lei n.º 71/98,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2011/2012

REGULAMENTO INTERNO 2011/2012 REGULAMENTO INTERNO 2011/2012 REGULAMENTO INTERNO 2011/2012 Exmo. Sr. ou Sr.ª Encarregado(a) de Educação Agora que o seu educando deu mais um passo no Universo Benfiquista, é com grande satisfação que

Leia mais

Regulamento Interno da Associação dos Bolseiros de Investigação Científica

Regulamento Interno da Associação dos Bolseiros de Investigação Científica Regulamento Interno da Associação dos Bolseiros de Investigação Científica A Associação dos Bolseiros de Investigação Científica (ABIC) rege-se pelos seus estatutos, regulamento eleitoral e por um regulamento

Leia mais

M A R I N A D E A L B U F E I R A A L B U M A R I N A - S O C I E D A D E G E S T O R A D E M A R I N A S S. A REGULAMENTO INTERNO

M A R I N A D E A L B U F E I R A A L B U M A R I N A - S O C I E D A D E G E S T O R A D E M A R I N A S S. A REGULAMENTO INTERNO M A R I N A D E A L B U F E I R A A L B U M A R I N A - S O C I E D A D E G E S T O R A D E M A R I N A S S. A REGULAMENTO INTERNO DO EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE MARITIMO TURÍSTICA NA Índice Capitulo I Disposições

Leia mais

CONDIÇÕES DE VENDA. 1. Prazo de entrega O prazo de entrega é o referido na confirmação da encomenda, salvo acordo em contrário.

CONDIÇÕES DE VENDA. 1. Prazo de entrega O prazo de entrega é o referido na confirmação da encomenda, salvo acordo em contrário. CONDIÇÕES DE VENDA A venda de produtos da Portucel Soporcel Fine Paper S.A. ( vendedor ) é regulada pelas condições abaixo descritas, em conformidade com as práticas em vigor na indústria e comércio de

Leia mais

Sítio de Sons Associação Cultural

Sítio de Sons Associação Cultural Sítio de Sons Associação Cultural Estatutos * CAPÍTULO PRIMEIRO (Da denominação, sede, objecto e afins) Artigo primeiro (Da denominação, natureza jurídica, lei aplicável e duração) UM A Associação adopta

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. Regulamento de Uso de Veículos

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. Regulamento de Uso de Veículos INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Regulamento de Uso de Veículos Aprovado em Plenário de CG de 11 de Abril de 2013 1 INDICE Índice - Regulamento de Uso de Veículos 2 Secção I Disposições Gerais Artigo 1.º Objecto.

Leia mais

DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO

DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO BIBLIOTECA Regulamento À Biblioteca do ISCTE compete facultar, nas melhores condições de utilização, os recursos bibliográficos e informativos necessários

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA 1.º OBJECTIVO Os Cursos de Pós-Graduação e Mestrados Executivos do ISLA Campus Lisboa são programas de estudos que visam

Leia mais

REGULAMENTO FEIRA DO LIVRO PORTO 2015 I ORGANIZAÇÃO

REGULAMENTO FEIRA DO LIVRO PORTO 2015 I ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO FEIRA DO LIVRO PORTO 2015 I ORGANIZAÇÃO Artigo 1.º Âmbito 1. A Feira do Livro do Porto integra um espaço de venda de publicações cuja organização compete à Porto Lazer E.M. e um Festival Literário

Leia mais

Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO

Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO De acordo com as disposições combinadas previstas na alín. u), do nº1, alín. f), do nº2 e na

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CEDÊNCIA DE VIATURAS MUNICIPAIS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO, AGENTES CULTURAIS, SOCIAIS E

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CEDÊNCIA DE VIATURAS MUNICIPAIS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO, AGENTES CULTURAIS, SOCIAIS E REGULAMENTO MUNICIPAL DE CEDÊNCIA DE VIATURAS MUNICIPAIS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO, AGENTES CULTURAIS, SOCIAIS E INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO CONCELHO Aprovado na 3.ª Reunião Ordinária

Leia mais

EMPRESA NACIONAL DA ADMINISTRAÇÃO DE PORTOS S.A.

EMPRESA NACIONAL DA ADMINISTRAÇÃO DE PORTOS S.A. EMPRESA NACIONAL DA ADMINISTRAÇÃO DE PORTOS S.A. REGULAMENTO DE ACESSO, CIRCULAÇÃO E ESTACIONAMENTO NOS PORTOS DE CABO VERDE Preambulo Com a entrada em vigor do Código ISPS nos Portos da Praia, Mindelo

Leia mais

ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO

ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO Preâmbulo Nos termos do Artigo 30.º do Estatuto do Notariado, aprovado pelo Decreto Lei Nº 26/2004, de 4 de Fevereiro, vem a Ordem dos Notários aprovar Regulamento

Leia mais

[Regulamento Geral da Formação Graduada e Pós-Graduada no Instituto Politécnico de Leiria e Regimes Aplicáveis a Estudantes em Situações Especiais]

[Regulamento Geral da Formação Graduada e Pós-Graduada no Instituto Politécnico de Leiria e Regimes Aplicáveis a Estudantes em Situações Especiais] [Regulamento Geral da Formação Graduada e Pós-Graduada no Instituto Politécnico de Leiria e Regimes Aplicáveis a Estudantes em Situações Especiais] CAPÍTULO IV Regimes especiais SECÇÃO I Estatuto de estudantes

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO REGULAMENTO DE USO DE VEÍCULOS

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO REGULAMENTO DE USO DE VEÍCULOS APROVADO 25 de Junho de 2010 O Presidente, ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO (Paulo Parente) REGULAMENTO DE USO DE VEÍCULOS Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto Nos termos do n.º 2 do

Leia mais

ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A.

ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A. ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A. CAPÍTULO I Denominação, duração, sede e objecto Artigo 1.º Denominação e duração 1 - A sociedade adopta a forma de sociedade anónima de capitais

Leia mais

Regulamento de Utilização do Pavilhão Desportivo da Escola Básica 2,3 de Arco de Baúlhe (Apêndice N.º 10 II Série N.º 17 21 de Janeiro de 2003)

Regulamento de Utilização do Pavilhão Desportivo da Escola Básica 2,3 de Arco de Baúlhe (Apêndice N.º 10 II Série N.º 17 21 de Janeiro de 2003) Regulamento de Utilização do Pavilhão Desportivo da Escola Básica 2,3 de Arco de Baúlhe (Apêndice N.º 10 II Série N.º 17 21 de Janeiro de 2003) Preâmbulo O presente normativo inscreve-se na pretensão de

Leia mais

Comércio & Serviços. guia prático

Comércio & Serviços. guia prático Comércio & Serviços guia prático este guia Apresenta os licenciamentos e alvarás necessários ao evento de vida TER UM NEGÓCIO, cuja actividade específica é a área de Comércio e Serviços, que diz respeito

Leia mais

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO TEMPORÁRIAS DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ PARALÍMPICO DE PORTUGAL

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO TEMPORÁRIAS DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ PARALÍMPICO DE PORTUGAL REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO TEMPORÁRIAS DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ PARALÍMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto 1. O presente Regulamento estabelece

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR 1 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar,

Leia mais

Edição 2. Revisão: 02. Código: RIP. Data: 11-06-2012 Nº de Páginas do Manual: 9. Elaborado por: Aprovado em Reunião Direcção BRIGITE SILVA

Edição 2. Revisão: 02. Código: RIP. Data: 11-06-2012 Nº de Páginas do Manual: 9. Elaborado por: Aprovado em Reunião Direcção BRIGITE SILVA Edição 2 Data: 11-06-2012 Nº de Páginas do Manual: 9 Revisão: 02 Elaborado por: Aprovado em Reunião Direcção BRIGITE SILVA Código: RIP Documentos relacionados: RIP Regulamento Interno da PISCINA I DISPOSIÇÕES

Leia mais

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º.

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º. Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º Denominação A Associação adopta a denominação de ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA ADJUDICAÇÃO DO DIREITO DE EXPLORAÇÃO DO. BAR da. Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Alcabideche.

CONCURSO PÚBLICO PARA ADJUDICAÇÃO DO DIREITO DE EXPLORAÇÃO DO. BAR da. Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Alcabideche. CONCURSO PÚBLICO PARA ADJUDICAÇÃO DO DIREITO DE EXPLORAÇÃO DO BAR da Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Alcabideche Anúncio Programa de Concurso Caderno de Encargos A Direcção da Associação

Leia mais

Regulamento do Fórum Municipal da Juventude

Regulamento do Fórum Municipal da Juventude Regulamento do Fórum Municipal da Juventude Capitulo I Âmbito e Estrutura Artigo 1.º Lei habilitante O presente Regulamento do Fórum Municipal da Juventude, adiante também designado apenas por Regulamento,

Leia mais

Sacerdotes do Coração de Jesus Dehonianos. Província Portuguesa. Estatutos da Associação dos Leigos Voluntários Dehonianos

Sacerdotes do Coração de Jesus Dehonianos. Província Portuguesa. Estatutos da Associação dos Leigos Voluntários Dehonianos Sacerdotes do Coração de Jesus Dehonianos Província Portuguesa Estatutos da Associação dos Leigos Voluntários Dehonianos CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1º Denominação A ASSOCIAÇÃO DOS LEIGOS

Leia mais

CLUBE NAVAL SETUBALENSE

CLUBE NAVAL SETUBALENSE CLUBE NAVAL SETUBALENSE Curso de Vela para Adultos na embarcação Raquero. O Raquero é uma embarcação de vela ligeira com 5,02 metros, que reúne todas as qualidades para o ensino da vela em grupo, mas também

Leia mais