- Aëåta. em vista da alteração dos. tributos, face a contrato. ADCT. Não incidência do

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "- Aëåta. em vista da alteração dos. tributos, face a contrato. ADCT. Não incidência do"

Transcrição

1 A - Aëåta :0 ESTADC r«r~? *~? -?"?» 1 z: xc A ESTADO DO FUO GRANOE 00 SUL PROCURADORIA GERAL 00 ESTAD0 PARECER N FINSOCIAL PIS Improcedêncía do pedido de suplementação de pagamento em vista da alteração dos tributos, face a contrato de prestação de serviços à Administração Pública Inconstitucionalidade das majorações de alíquotas do FINSOCIAL além daquela estabelecida no artigo 56 do ADCT Não incidência do FINSOCIAL relativo às empresas unicamente prestadoras de serviços em período posterior à vigência da constituição Federal Precedentes do STF Inconstitucionalidade das alterações do PIS trazidas pelos Decretos-Leis 2445 e 2449, de 1988 Precedentes do STF Inércia do requerente, codos mo sujeito passivo pleitear em tributos, eventuais diferenças pagas ao sujeito ativo ' Trata-se de pedido administrativo formulado pela sociedade CONSTRUTORA SULTEPA SA, dirigida ` 1? T {

2 aaaii ao DAER, visando a complementação de valores que entende devidos por aquela autarquia, decorrentes de majoração de tributos a que se subordinam as prestações de serviços de terraplenagem, drenagem, pavimentação asfáltica e contratos PJ/TP/037/88: sinalização, previstas nos PJ/TP/015/89: PJ/'1'P/007/87; PJ/TP/004/84; PJ/TP/003/85: PJ/TP/014/90: PJ/TP/051/89; e PJ/TP/009/90 Em síntese, o pedido refere?se específicamente à incidência das alterações ocorridas nos elementos constitutivos do tributo denominado FINSOCIAL, instituído pelo Decreto-Lei 1940/82, as quais foram editadas após a maioria das contratações em tela, para majorar o valor devido Igualmente, nos mesmos termos, o pedido direciona?se à complementação dos valores pagos pela majoração do PIS, nos termos dos Decretos-Leis n 2445 e 2449 Para melhor compreensão da questão, passa?se historiar o momento da celebração das contratações, os elementos constitutivos de cada tributo em causa naquela oportunidade, assim como as subseqüentes aldas terações realizadas Prímeiramente, tratar-se-á questões atinentes ao FINSOCIAL, e em um segundo momento aquelas relativas ao PIS É O relatório I? FINSOCIAL A questão trazida pela requerente acerca das alterações ocorridas no tributo denominado FINSOCIAL, de fato, constitui?se em um dos mais ruidosos temas em matéria tributária, senão o maior, após o advento da Constituiçao Federal de 1988 Isto se deveu ao fato de que a referida Carta em vigor entendeu por dispor acerca deste tributo nos atos das disposições constitucionais transitórias, para dar continuidade à cobrança de tal exação pelo período necessário ao implemento de todas as fontes de custeio da Seguridade Social suportadas pelos empregadores, conforme o artigo 56 do Ato das Disposições constitucionais Transitórias E, desta for-2- '? ` /"

3 \ ~ ma, houve dúvidas sobre a existência mesma, no mundo jurídico, das previstas fontes de custeio alinhadas no artigo 195, inciso I, da constituição Federal de 1988, assim como sobre a possibilidade de manutenção do tributo mesmo após tal implementação, eis que então dotado de nova fundamentação jurídica, dentre outros aspectos ` questionados Todavia, para que se tenha real compreensão dos limites dos embates travados, destinados à verificação da constitucionalidade do tributo em tela, é imprescindível se vislumbre a evolução legislativa e jurisprudencial que o cercou, O que suscintamente passa-se a demonstrar I 1-Evoluçao do Finsocíal até a constituição de 1988 Pela habitual clareza dos trabalhos realizados pelo Professor Arnoldo Wald, permíte?se transcrever suas palavras em parecer destínado à análise do FINSOCIAL, exatamente no ponto da evolução do tributo até o advento da constituição Federal em vigor "I? Da evolução do FINSOCIAL até a Constituiçao de Decreto-Lei n 1940, de , instituiu a contribuição social e criou o Fundo de Investimento Social (FINSOCIAL) A contribuição se destinava a custear investimentos de caráter assistencial, em alimentação, habitação popular, saúde, educação e amparo ao pequeno agricultor, incidindo sobre a receita bruta das empresas públicas e privadas, vendedores de mercadorias, das instituições financeiras e das seguradoras (art l' par l ) e sobre o valor do imposto de renda pago pelas empresas que realizam exclusivamente venda de serviço (par 2'), com alíquotas diferenciadas (de 0,5% no primeiro caso e de 5% no segundo) 1 Vr

4 \ Í ãäšgiî Social (FINSOCIAL) foi criado para dar apoio financeiro aos projetos de caráter assistencial já referidos (art 3 ), sendo administrado pelo BNDES (art 5 ) e arrecadadas as contribuições pelo Banco do Brasil SA e pela caixa Econômica Federal e pelos seus agentes (art 2*) 2 0 Fundo de Investímento Posteriormente, houve várias alterações legislativas Assim, o Decreto n 91236, de , determinou que os valores arrecadados pela União Federal referentes ao FINSOCIAL fossem transferidos, conforme o caso, aos Ministérios ou ao BNDES, de acordo com as normas complementares a serem baixadas pelo Ministério da Fazenda e pela Seplan Houve, também, modificações redacionais, em virtude da Lei n 7611, de , e o Decreto-Lei n 2397, de , tratou do FINSOCIAL e das sociedades civis de prestação de serviços profissionais 3 Entre 1982 e 1988, surgiram numerosas 4 discussões e pleitos judiciais em relação à contribuição social do FUND0 DE INVESTIHENT0 SOCIAL (doravante simplesmente denominado FINSOCIAL), seja em relação à sua natureza de tributo, seja quanto à aplicação do principio básico da anterioridade e da anualidade do tributo, seja, finalmente, quanto à sua criação por Decreto-Lei Não obstante as divergências doutrinárias, pacificou-se na jurisprudência o entendimento em relação à validade da contribuição criada por decreto-lei, desde que respeitado o princípio da anualidade, considerando, ainda, os tribunais que se caracterizava como verdadeiro imposto inominado por ter como fato gerador 'situação independente de qualquer atividade estatal especifica' 5-4-

5 \? / A jurisprudência anterior à constituição 13 vigente é relevante porque importou em reconbe cer, na contribuição para o FINSOCIAL, um imposto federal no campo residua1, ou seja, um tributo que não gera créditos em operações subseqùentes, sendo de natureza`cumu1ativa, o que tem repercussões jurídicas relevantes em virtude do disposto na constituição vigente 0 fato gerador do FINSOCIAL na da constituição de 1967 A) vigência 0 Decreto-Lei n 1940/82 instituiu a 14 exação fiscal conhecida como FINSOCIAL, dispondo no seu artigo 1 o seguinte: 'Art 1'? É instituída, na forma prevista neste decreto-lei, contribuição social, destinada a custear investimentos de caráter assistencial em alimentação, habitação popular, saúde, educação e amparo ao pequeno agricultor Par 1 '? A contribuição social de que trata sobre a rede incidirá será e este artigo 0,5% e privadas bruta públicas das empresas ceita de que realizam a venda mercadorias, bem como das instituições financeiras e das sociedades seguradoras Par 2 - Para as empresas públicas e privadas que realizam exclusivamente venda de serviços, a contribuição será de 5% e incidirá sobre o valor do imposto sobre a renda devido, ou como se fosse devido Par 3* - A contribuição não incidirá sobre a venda de mercadorias ou serviços destinados ao exterior, nas condições estabelecidas em portaria do Ministério da Fazenda (WALD, Arnoldo "Inconstitucionalidade da cobrança do FINSO? jul/set cial, Rev De Inf Legisl N' 115, 1992, p 231/254) -5\j Uw

6 \, 1 0 Decreto?Lei 1940/82, documento onde se a instituiu exaçao em causa, sob a denominação de FINSOna verdade dois tributos, tendo em vista os CIAL criou fatos geradores previstos em seus parágrafos 1' e 2', do artigo 1, antes transcritos O que estava em questão, naquele momenverificação era da espécie de tributo ou de tribua to, tos criados pelo Decreto-Lei 1940/82, implicando subordinação ao regime apropriado, ou seja, necessitava-se perquirir se se tratava de imposto, taxa ou contribuição, para O efeito de se averiguar das possíveis incorreções no tratamento jurídico dispensado pela legislação instituidora Ainda com o intuito de historiar a evolução legislativa e jurisprudencial havida, salienta?se que a questão encontrou definitiva solução no julgado relativo ao RE n /DF, publicado na RTJ, vol 116, págs 1138 a 1188, adiante citado: "O Pleno do Supremo Tríbunal Federal (STF), no julgamento do RE n /DF, que se encerrou em , decidiu (vencido apenas O Ministro OSCAR CORRÈA) que os dois tipos genéricos de incidência do FINSOCIAL configuravam dois impostos: a) imposto novo, de competência residual da União, quando calculado sobre a receita bruta das empresas, e b) adicional de imposto de renda, quando calculado sobre o imposto de renda por elas devido, ou como se devido fosse (RTJ vol 116, págs 1138 a l188)" (transcrição do voto do em Ministro SEPÚLVEDA PERTENCE, no RE , cuja ementa foi publicada no DJU, I, de , p 5623/4) Í-6-

7 5 sáeïh Portanto, naquele momento anterior à edição da constituição Federal de 1988, identificavam-se dois tributos, na espécie de impostos, instituídos pelo Decreto?Lei n 1940/82: no parágrafo primeiro, estaria criado um novo tributo, pelo exercício da competência residual da União Federal em instituir novos tributos, tendo como base de cálculo a receita bruta das empresas, com alíquota de 0,5% (zero vírgula cinco por cento), e que tinha como sujeito passivo as empresas públicas e privadas que tivessem por objeto a venda de mercadorias, as instituições financeiras e sociedades seguradoras: 0 segundo parágrafo do mesmo artigo primeiro previa a majoração do imposto de renda, a incidir com a alíquota de 5% (cinco por cento), tendo como base de cálculo o valor apurado como devido a título de Imposto de Renda, e que indicava como sujeito passivo as empresas destinadas unicamente à prestação de serviços Neste quadro, repete?se, era vislumbrada a existência de dois tributos distintos, eis que diversos os elementos constitutivos do fato gerador de cada qual, a par da diversidade dos sujeitos passivos e das alíquotas aplicáveis, como reconhecido no 'leading case' julgado pelo Supremo Tribunal Federal, antes indicado 1 2-Evolução do FINSOCIAL após a constituição de 1988 Assim permaneceu a cobrança da exaçao em causa até o advento da carta Politica de 1988, onde ex pressamente se tratou dos tributos identificados pela denominação de FINSOCIAL, para vincular suas receitas ao custeio da Seguridade Social, nos termos do artigo 56, do Ato das Disposições constitucionais Transitórias, nos seguintes termos: "Art 56 Até que a lei disponha sobre o art 195, I, a arrecadação decorrente de, no mínimo, cinco dos seis décimos percentuais correspondentes à alíquota da contribuição de que trata o Decreto?Lei n 1940, de 25 de maio de 1982, alterada pelo Decreto-Lei n' 2049, de 1* de agosto de 1983, pelo Decreto n 91236, de 8 de maio de 1985, e pela Lei n 7611, de 8 de -7-

8 \ I julho de 1987, passa a integrar a receita da seguridade social, ressalvados, exclusivamente no exercício de 1988, os compromissos assumidos com programas e projetos em andamento" Abriram?se, então, novos horizontes_ em pauta, perquirindo-se acerca do preenchimento das hipóteses prevístas no mencionado artigo 195, inciso I, da mesma constituição Federal, pelo que vale também ora transcrevê?1o: financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta, nos termos da lei, mediante recursos provenientes dos orçamentos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, e das seguintes contribuições sociais: "Art 195 A seguridade social será I - dos empregadores, incidente sobre a folha de salários, o faturamento e o lucro: II, III e parágrafos - onissis" Desta maneira, temos que a cobrança do FINSOCIAL previsto no Decreto-Lei n 1940/82, com as alterações posteriores até a constituição Federal, teria sua vigência estendida até o implemento das três contribuições sociais a serem pagas pelos empregadores, as quais tivessem a base de cálculo identificada na folha de salários, no faturamento e no lucro Ocorre que diversas foram as alterações pretendidas na legislação recepcionada pela carta Politica de 1988 no tocante ao FINSOCIAL, gerando enormes discussões acerca de sua validade Assim é que criaramse as contribuições sociais previstas no art 195, I, da constituição Federal: incluiu-se as empresas prestadoras de serviços no rol dos sujeitos passivos no artigo 1, inciso 1', do FINSOCIAL: alterou-se por diversas vezes a alíquota do tributo, o que se verifica pela simples adiandos leitura de diversos artigos leis '* -8- / (J

9 te transcritos: e pretendeu?se manter a cobrança do FlN? SOCIAL em cumulação com as contribuições sociais previstas no mesmo art 195, I, da Constituíção Federal o lucro, destinada ao custeio da Seguridade social I 21? criação da contribuição social sobre A criação da contribuição social incidente sobre o lucro dos empregadores deu-se por meio dos artigos 1* a 8 da Lei 7689/88 A par da já existente contribuição social incidente sobre a folha de salários, pretendeu-se dar continuidade à cobrança do FINSOCIAL, desta feita sob a modalidade de contribuição social incidente sobre o faturamento das empresas, assim completando as hipóteses previstas no art 195, I, da Constituição Federal, nos termos do artigo 9 da mesma Leí Lei 7689/88 Art 1 a 8 - (Instituiu a contribuição social destinada ao custeio da seguridade social, tendo como base de cálculo o lucro dos empregadores) "Art 9*? Ficam mantidas as contribuições previstas na legislação em vigor, incidentes sobre a folha de salários e a de que trata o Decreto-Lei n 1940, de 25 de maio de 1982, e alterações posteriores, incidentes sobre o faturamento das empresas, com fundamento no artigo 195, I, da Constituição Federal" Sustentou-se então a impossibilidade de manutenção do FINSOCIAL como contribuição social incidente sobre o faturamento, nos termos em que pretendeu o artigo 9, da Lei 7689/88 /,;e~/ -9- \/Í Cqkík ' '

10 Q Em primeiro lugar, o PIS - Plano de Integraçâo Social se constituiria exatamente na contribuição social incidente sobre o faturamento, pelo que -nao haveria lugar para duplicidade de contribuições sociais com a mesma base de cálculo Incidíndo o PIS sobre o faturamento, estariam na verdade completadas todas as hipóteses prevístas de contribuição social pagas pelos empregadores, nos termos do artigo 195, I, da Constituiçao Federal de 1988 Isto porque a Lei 7689/88 haveria instituído a contribuição social sobre o lucro, a par da já existente contribuição previdenciária incidente sobre a folha de salários Logo, esgotadas todas as formas previstas de instituição por lei ordinária das contribuições sociais destinadas ao custeio da seguridade social Ainda, o FINSOCIAL recepcionado pela Constituição Federal, no artigo 56 do ADCT, apenas haveria determinado a manutenção de verdadeiros impostos destinados ao custeio da seguridade social, até que se implementassem as contribuições sociais a serem suportadas pelos empregadores, segundo o mesmo artigo 195, I, da Constituição Federal Impossivel, portanto, à lei ordinária transmutar a natureza jurídica do FINSOCIAL simplesmente por fazer remissão a novo fundamento jurídico - ou seja, o próprio artigo 195, I? enquanto inexistia qualquer alteração nos seus elementos constitutivos Como já antes decidido pelo e STF, o FINSOCIAL se constituía de verdadeiros impostos, motivo pelo qual não se faria possível a alteração da espécie tributária sem a alteração de seus elementos constitutivos Este foi o argumento dominante junto ao e STF, ensejador da declaração de inconstitucionalidade da pretendida manutenção do FINSOCIAL, bem como das alterações de alíquotas subseqüentes I 22 Inclusao das empresas prestadoras de serviço entre os sujeitos passivos do imposto previsto no DL 1940/82, par 1 A manutenção do FINSOCIAL, por força do artigo 56 do ADCT, se deu em relação aos dois impostos originariamente reconhecidos ainda quando da criação do Decreto-Lei 1940/82 de forma cumulada løærrfyr 1 Í, \J ok, L y Ít

11 '\ I Ocorre que a Lei 7689/88 instituiu a contribuição social incidente sobre o lucro das empresas, identificando sua base de cálculo com o imposto do FINSOCIAL a que estavam sujeitas as empresas prestadoras de serviço, pela incidência do art 1=, inciso 2, do Decreto-Lei 1940/B2 Por outro lado, o mesmo diploma legal determinou a manutenção da cobrança do FINSOCIAL, por meio de seu artigo 9= Logicamente, a manutenção do FINSOCIAL tratada no artigo 9, da Lei 7689/88 restringia?se àquele imposto previsto no artigo 1, inciso 1, do Decreto-Lei 1940/82, donde estavam excluídas as empresas prestadoras de serviço Este exatamente é o fundamento da norma contida no artigo 28, da Lei 7738/89 A discrepância de tratamento das empresas empregadoras, com a exclusão das empresas prestadoras de serviço do âmbito da cobrança do FINSOCIAL, pelo artigo 9* da Lei 7689/88, veio a ser contornada pelo artigo 28, da Lei 7738, ao incluir as empresas prestadoras de serviço entre os sujeitos passivos indicados no parágrafo 1, do Decreto-Lei 1940/82, como se vê: Lei 7738/89 "Art 28? Observado o disposto no art 195, par 6=, da Constituiçao, as empresas públicas ou privadas, que realizam exclusivamente venda de serviços, calcularão a contribuição para o Finsocial à alíquota de meio por cento sobre a receita bruta" 0 entendimento da constitucionalidade de tal alteração foi afirmado pelo RE PE, relatado pelo eminente Ministro CARLOS VELLOSO, ementado nos seguintes termos: "I controle de constitucionalidade das leis em recurso extraordinário e o problema do Finsocial exigível das empresas de serviço 1 11-

12 QA, 0 recurso extraordinário é mecanismo de controle incidente da constitucionalidade de normas, cujo âmbito material, portanto, não pode ultrapassar O da questão prejudicial de inconstitucionalidade de solução necessária para assentar premissa da decisão do caso concreto 2 Conseqüente limitação temática do RE, na espécie, à questão da constitucionalidade do art 28 da Lei 7738/89, única, das diversas normas jurídicas atinentes ao Finsocial, referidas no precedente em que fundado o acórdao recorrido, que é prejudicial da solução deste mandado de segurança, mediante o qual a impetrante? empresa dedicada exclusivamente à prestação de serviços-, pretende ser subtraída à sua incidência II Finsocial: contribuição devida pelas empresas dedicadas exclusivamente à prestação de serviço: evolução normativa 3 Sob a Carta de n (Decreto-Lei instituída quando 1969, pa1, contribuição par 2'), a 1940/82, art ra 0 Finsocial devida pelas empresas de prestação de serviço? ao contrário das outras modalidades do tributo afetado à mesma destinação?, não constituía imposto novo, da competência residual da União, mas, sim, adicional do imposto sobre a renda, da sua competência tributária discriminada (STF, RE , , Guerra, RTJ 116/1138) 4 Como imposto sobre renda, que sempre fora, é que dita modalidade de Finsocial que não incidia sobre o faturamento e, portanto, não foi objeto do art 56, ADCT/88 - foi recebida pela Constituiçao e vigeu como tal até que a Lei 7689/88 a substituísse pela contribuição social sobre o lucro, desde então incidente também sobre todas as demais pessoas jurídicas domiciliadas no País 5 0 art 28 da Lei 7738 visou abolir a situação anti isonônica de privilégio, en que a Lei 7689/88 situara ditas empresas de serviço, quando, de um lado, universalizou a incidência da contribuição sobre o lucro, que antes só a elas onerava, mas, de outro, não as incluiu no raio de incidência da contri uição sobre o faturamento, exigível de todas as demais categorias empresariais III Contribuiçao para o Finsocial exigível das empresas prestadoras de serviço, segundo o art 28 da Lei 7738/89: 12 lxbvïx

13 \ I ãasgïgš * hg, constitucionalidade, porque compreensível no art 195, I, CF, mediante interpretação conforme a constituição 6 0 tributo instituído pelo art 28 da Lei 7738/89? como resulta de sua explicita subordinação ao regime da anterioridade mitigada no art 195, par 6', CF, que delas é exclusivo - é modalidade das contribuições para o financiamento da seguridade social, e não imposto novo da competência residual da União 7 (Transcrição parcial da ementa do RE PE, publicado no DJU, I, de , p 16322, gritos nossos) Esta posição é ainda melhor esclarecida nas razões alinhadas no voto do eminente relator daquele acórdao e igualmente relator do RE PE, declarendo a constitucionalidade do art 28, da Lei 7787/89, o qual incluiu as empresas exclusivamente prestadoras de serviços entre os sujeitos passivos da contribuição social incidente sobre o faturamento criada pela Lei 7689/88, como se vê: " 14 Apesar de ainda recente o julgamento do RE (Fínsocial sobre as empresas prestadoras de serviço), convém reavivar a memória dos antecedentes legislativos e jurisprudenciais dos tributos popularizados sob a denominação genérica de Finsocial, sigla do Fundo de Investimento Social, ao qual, de início, afetado o produto da arrecadação deles 16 Houve, portanto concluí, no prece- dente referido -, desde a origem da exação, o DL 1940/82, dois tipos juridicamente distintos e inconfundiveis de tributo, que só a afetação do produto de ambos a um mesmo fundo - o Finsocial aproximava: um objeto do art 1', par 1, incidente sobre a receita bruta das empresas em geral, no qual, por isso, o STF identificou imposto inominado da competência residual 1 3**

14 6, \ 1 - ñgîžggi da União; e o segundo, exigível apenas as empresas dedicadas exclusivamente à prestação de serviços, que o Tribunal qualificou de adicional do imposto de renda, porque calculado sobre o que, a esse título, fosse devido pelo contribuinte (ou como se devido fosse) 17 Do destino dessa segunda modalidade de Finsocial, sob o regime constitucional vigente, ocupou-se a corte, no mencionado RE , quando concluímos, em síntese, que, não tendo sido objeto da regra do art 56 ADCT, o tributo exigido pelas empresas prestadoras de serviço, não obstante recebido pela constituição, com a mesma natureza originária de adicional de imposto sobre a renda, desaparecera com a L 7689/88, até ser convertido, com alteração de sua base de cálculo, por força do art 28 da L 7738/89, em contribuição sobre 0 faturamento" (voto do eminente Ministro Sepúlveda Pertence, no RE PE, grifos nos- sos) Por conseqüência, desde logo, vê se não ter sido devido o tributo denominado FINSOCIAL, nos termos do artigo 1, parágrafo 2*, do Decreto-Lei 1940/82, o qual atingia unicamente as empresas prestadoras de serviço, a partir da vigência da Lei 7689/88 até a criação da Lei 7738/89 Feitos tais esclarecimentos, a questão cinge-se a saber se seria possírequerente trazida pela alterar?se vel elementos do FINSOCIAL previsto no artigo 1=, parágrafo 1*, do Decreto-Lei 1940/82, como a alíquota aplicável, relativamente a todas as empresas, independentemente do objeto a que se destinem Aliás, parece ser este o principal fundamento do pedido da requerente, quando em seu petitório assim se manifesta, a fls 05, do expediente administrativo n , nos seguintes termos: 14?

15 Jgxgi 'IV - 0 PEDID0 Destarte, face as razões fáticas e jurídicas supra discorridas, considerando a incontestável repercussão que as majorações de alíquotas e mudanças implementadas na sistemática de recolhimento do FINSOCIAL e do PIS causaram aos preços contratados, impõem-se, mercê do disposto no Artigo 55, Inciso II, Alínea d, parágrafo 5*, do já mencionado Decreto-Lei n 2300/86, a revisão destes para mais, " I 23 - Diversas alterações da alíquota recepcionado pela constituição Federal do FINSOCIAL A Lei 7689/88, por seu artigo 9, pretendeu manter a cobrança do FINSOCIAL, do parágrafo 1*, do art 1*, do Decreto-Lei 1940/82, como contribuição social sobre o faturamento 0 artigo 28, da Lei 7738, incluiu as empresas prestadoras de serviço no rol dos sujeitos passivos presente no parágrafo 1=, artigo 1, do Decreto-Lei 1940/82 E, em um terceiro momento, a legislação posterior veio a alterar diversas vezes a alíquota do FINSOCIAL, agora incidente sobre a totalidade das empresas De fato, a legislação posterior veio a alterar as alíquotas do FINSOCIAL que haveria sido recepcionado pela mesma Lei 7689/88, em seu artigo 9, alterações estas adiante transcritas: Lei 7 787/89 "Art 7 - A alíquota da contribuição para o FINSOCIAL (Decreto?Lei n 1940, de 25 de maio de 1982, art 1*, par 1*: Lei n 7738, de 9 de março de 1989, art 28) é fixada em 1% (um por cento), até a aprovação dos Planos de custeio e Benefícios Parágrafo único - 0 produto de arrecadação do FINSOCIAL, com o acréscimo de que trata 15- Ä

16 \4/ este artigo, destinar-se-à integralmente à seguridade social, assim definida no Capítulo II do Título VIII da Constítuiçao Federal" Lei 7894/89 " Art 1 Em relação aos fatos geradoa partir de 1' de janeiro de res ocorridos 1990, ficará alterada para 1,20% (um inteiro e vinte centésimos por cento) a alíquota da contribuição para o FINSOCIAL (Decreto-Lei n 1940, de 25 de maio de 1982, artigo 1*, par 1 ; da Lei n 7738, de 9 de março de 1989, artigo 28: e Lei n 7787, de 30 de junho de 1989, artigo 7') Lei 8147/90 "Art l= - (Aumentou a alíquota para 2%, determinando que os recursos oriundos do FINSOCIAL atendam ao custeio das despesas relativas à saúde, previdência e assistência socia1)" ` Ditas majorações de alíquota já foram objeto de apreciação pelo egrégio Supremo Tribunal Federal, declarando aquela máxima Corte a inconstitucionalidade das referidas alterações de alíquota do FINSOCIAL, as quais podem ser melhor compreendidas após os esclarecimentos anteriores Esta posição, sem qualquer alteração até a presente data, está contida no julgamento do RE , assim ementado: "CONTRIBUIÇÃO SOCIAL PARÃMETROS? NonMAS DE REGENCIA - FIMSOCIAL - EALIZAMENTO '1?EM? PORAL A teor do disposto no artigo 195, da Constítuiçao Federal, incumbe à sociedade, como um todo, financiar, de forma direta e indireta, nos termos da lei, a seguridade social, atribuindo se aos empregadores a participação mediante bases de incidência próprias - folha de salários, o faturamento e o lucro Em norma de natureza constitucional transitória, emprestou-se ao FINSOCIAL característica de contri1õ

17 ` \, I gagšîa buiçao, jungíndo se a imperativídade das regras insertas no Decreto?Lei n' 1940/82, com as alterações ocorridas até a promulgação da Carta de 1988, ao espaço de tempo relativo à edição de lei prevista no referido artigo Conflita com as disposições constitucionais - artigos 195 do corpo permanente da carta e 56 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias preceito de lei que, a título de viabilizar o texto constitucional, toma de empréstimo, por simples remissão, a disciplina do FINSOCIAL Incompatibilidade manifesta do artigo 9 da Lei 7689/88 com o Diploma Fundamental, no que díscrepa do contexto constitucional vistos, relatados e discutidos estes autos, acordam os Ministros do supremo Tribunal Federal, em sessão plenária, na conformidade da ata do julgamento e das notas taquigráficas, por unanimidade de votos, em conhecer do recurso, interposto pela letra "b" do permissivo constitucional E, por maioria de votos, lhe negar provimento, declarando a inconstitucionalidade do artigo 9 da Lei 7689, de 15 de dezembro de 1988, do artigo 7=, da Lei 7787, de 30 de junho de 1989, do artigo 1 da Lei 7894, de 24 de novembro de 1989 e do artigo 1= da Lei 8147, de 28 de dezembro de 1990, vencidos os Ministros Relator (Ministro Sepúlveda Pertence), Francisco Rezek, Ilmar Galvão, Octávio Galotti e Néri da Silveira que lhe deram provimento, para declarar a constitucionalidade de tais dispositivos e, conseqüentemente, cassar a segurança (DJU I de , p 5623/4) Não admitiu o egrégio supremo Tribunal Federal a transmutação do imposto denominado FINSOCIAL em contribuição social sobre o faturamento as empresas, por simples remissão de texto de lei, como antes noticiado A espécie tributária de imposto reconhecida ao FINSOCIAL não poderia ser alterada por simples remissão a outro fundamento legal, como pretendido pelo artigo 9, da Lei 7689/88 <ž _ 17 jg L Í/

18 ` A a \ I Isto porque o FINSOCIAL, nos moldes como recepcionado pelo artigo 56 do ADCT, constituiria verdadeiro imposto de vigência limitada no tempo, sem que se pudesse rea1inhá-lo como contribuição social prevista no artigo 195, I, da carta de 1988 ` 0 que mais importa, neste momento, é a verificação da declaração de inconstitucionalidade da cobrança do FINSOCIAL com alíquota diferente daquela recepcionada no ADCT, eis que em vista de tais alterações dirigiu a requerente O pedido de complementação dos valores a lhe serem pagos I3? contrato firmado entre as partes Os contratos firmados entre a requeren- te, SULTEPA CONSTRUTORA SA, e o DEPARTAMENTO AUTONOMO DE ESTRADAS DE RODAGEM D0 RI0 GRANDE DO SUL DAER que tomaram os números identificados no relatório supra parecem haver tomado em consideração o cálculo de tributos cuja complementação é reclamada Todavia, não foram juntadas cópias dos demonstrativos financeiros e dos contratos a que se referem Ainda assim, a análise em tese dos pedidos formulados, como aqui realizada, prescinde da análise de elementos de fato, eis que mesmo hipoteticamente indevidos os pleitos formulados Todas as majorações de alíquotas do FINSOCIAL que fundamentam o pedido de complementação de verbas, como demonstrado, não prevaleceram, dada sua inconstitucionalidade II Plano de Integraçao social PIS Realiza a requerente idêntico pleito complementação de pagamento em vista de majorações 18- de de

19 A > à ' >?e alíquota do PIS - Plano de Integração social, instituído pela Lei complementar 7/70 Desta feita, alinha a requerente as alterações procedidas na legislação pelo Decretos-Leis n 2445 e 2449, ambos de 1988, e com base em nestes pede a complementação de valores devidos a título de PIS se a questão relativa ao FINSOCIAL apresentava grandes dificuldades, especialmente pelo largo tempo de cobrança da exação e das diversas alterações legislativas, o mesmo não se passa quanto ao tributo denominado PIS 0 tributo ora em questão foi recepcionado pela constituição Federal no artigo 239 e seus parágrafos, nos seguintes termos: "Art 239 A arrecadação decorrente das contribuições para o Programa de Integraçao Social, criado pela Lei complementar n 7, de 7 de setembro de 1970, e para o Programa de Formação do Patrimônio do servidor Público, criado pela Lei complementar n 8, de 3 de dezembro de 1970, passa, a partir da promulgação desta constituição, a financiar, nos termos que a lei dispuser, o programa do seguro-desemprego e o abono de que trata o par 3 deste artigo Par 1 Dos recursos mencionados no caput deste artigo, pelo menos quarenta por cento serão destinados a financiar programas de desenvolvimento econômico, através do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e social, com critérios de remuneração que lhes preservem o valor Os patrimônios acumulados do Programa de Integração social e do Programa de Formaçao do Patrímônio do servidor Públíco são preservados, mantendo-se os critérios de saque nas situações previstas nas lei específicas, com exceção da retirada por motivo de casamenpar Ã>/!

20 A, \ œgý süaïn to, ficando vedada a distribuição da arrecadação de que trata o caput deste artigo, para de- pósito nas contas individuais dos participan- tes Par 3 Aos empregados `que percebam de empregadores que contribuem para o Programa de Integração social ou para o Programa de Formação do Patrimônio do Servídor Público, até dois salários mínimos de remuneração mensal, é assegurado o pagamento de um salário mínimo anual, computado neste valor o rendimento das contas individuais, no caso daqueles que já participavam dos referidos programas, até a data da promulgação desta constituição Par 4= 0 financiamento do seguro-desemprego receberá uma contribuição adicional da empresa cujo índice de rotatividade da força de trabalho superar o índice médio de rotatividade do setor, na forma estabelecida por lei Ocorre que os Decretos-Leis antes arrolados procederam alterações relativas a diversos elementos dos tributos instituídos pelas Leis complementares n 7/70 e n 8/73, tais como a alíquota aplicável, o prazo de recolhimento e a base de cálculo Tais alterações? em vista das quais é formulado o pedido de complementação de pagamento - foram declaradas inconstitucionaís, de forma pacífica, pelos e Tribunais pátrios Este pacífico entendimento jurisprudencial se observa por se tratar de matéria sumulada pelo egrégio Tribunal Regional Federal da 5- Regiao e igualmente por se constituir em questão firmemente tratada pelo egrégio supremo Tribunal Federal Demonstram este entendimento da inconstitucionalidade da cobrança do PIS os seguintes julgados antes mencionados: Súmula n' 07 do e Tribunal Regional Federal da 5 Região: 20-

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social 1.4.7.3. Contribuições do art.195 CF Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social (previdência, saúde e assistência social), espécies de contribuições sociais, como

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal )1( oãdróca atneme97404 RgA-ER Diário da Justiça de 06/11/2006 10/10/2006 SEGUNDA TURMA RELATOR : MIN. CEZAR PELUSO AGRAVANTE(S) : AXA SEGUROS BRASIL S/A ADVOGADO(A/S) : FRANCISCO CARLOS ROSAS GIARDINA

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal )2( oãdróca atneme756754 RgA-IA Diário da Justiça de 07/12/2006 14/11/2006 PRIMEIRA TURMA AG.REG.NO AGRAVO DE INSTRUMENTO 457.657-6 RIO DE JANEIRO RELATOR AGRAVANTE(S) AGRAVADO(A/S) : MIN. SEPÚLVEDA PERTENCE

Leia mais

ICMS não é faturamento, portanto, não é base para Cofins

ICMS não é faturamento, portanto, não é base para Cofins Imposto negado ICMS não é faturamento, portanto, não é base para Cofins Pedro Melchior de Melo Barros Com efeito, o presente estudo cinge-se à discussão de aspectos relativos à inclusão dos valores arrecadados

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF)

CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF) CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF) Prof. Alberto Alves www.editoraferreira.com.br O art. 149, caput, da Lei Maior prescreve a possibilidade de a União instituir Contribuições

Leia mais

SOARES & FALCE ADVOGADOS

SOARES & FALCE ADVOGADOS SOARES & FALCE ADVOGADOS ASPECTOS LEGAIS DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS VIA BAZARES E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Michael Soares 03/2014 BAZAR BENEFICENTE E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Quais os

Leia mais

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o art.195, CF, comentando os seus principais parágrafos, para fins de concurso público! Alberto Alves www.editoraferreira.com.br 1º As

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal )2( oãdróca atneme280815 DE-IA 17/05/2005 SEGUNDA TURMA EMB.DECL.NO AGRAVO DE INSTRUMENTO 518.082-9 SANTA CATARINA RELATOR : MIN. CARLOS VELLOSO EMBARGANTE(S) : COMPANHIA MELHORAMENTO DE CAMBORIÚ - MARAMBAIA

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS fls. 122 Processo: 0135890-46.2012.8.06.0001 - Apelação Apelante: Sindicato dos Guardas Municipais da Região Metrolitana de Fortaleza - SINDIGUARDAS Apelado: Município de Fortaleza Vistos etc. DECISÃO

Leia mais

NA IMPORTAÇÃO POR NÃO CONTRIBUINTE DO IMPOSTO ESTADUAL APÓS A EMENDA CONSTITUCIONAL N. 33 DE 11.12.01, CONTINUA NÃO INCIDINDO O ICMS.

NA IMPORTAÇÃO POR NÃO CONTRIBUINTE DO IMPOSTO ESTADUAL APÓS A EMENDA CONSTITUCIONAL N. 33 DE 11.12.01, CONTINUA NÃO INCIDINDO O ICMS. NA IMPORTAÇÃO POR NÃO CONTRIBUINTE DO IMPOSTO ESTADUAL APÓS A EMENDA CONSTITUCIONAL N. 33 DE 11.12.01, CONTINUA NÃO INCIDINDO O ICMS. Elaborado em 07/2008 Gerson Tarosso Advogado. Sócio fundador do escritório

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL Nº 0008220-49.2010.4.03.6100/SP EMENTA

APELAÇÃO CÍVEL Nº 0008220-49.2010.4.03.6100/SP EMENTA APELAÇÃO CÍVEL Nº 0008220-49.2010.4.03.6100/SP. EMENTA AÇÃO ORDINÁRIA. PIS/COFINS. RECOLHIMENTO NA FORMA DAS LEIS Nº 10.637/02 E 10.833/03. EXCEÇÃO ÀS PESSOAS JURÍDICAS REFERIDAS NA LEI Nº 7.102/83. SITUAÇÃO

Leia mais

IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS

IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS (Revista do CIEE/Nacional Agosto/2014) Considerações Iniciais Em nosso ordenamento jurídico a competência tributária é definida pela Constituição. Os entes tributantes (União, Estados,

Leia mais

06/02/2007 SEGUNDA TURMA : PGE-SP - MANOEL FRANCISCO PINHO : ROBERTO DE SIQUEIRA CAMPOS E OUTRO(A/S) R E L A T Ó R I O

06/02/2007 SEGUNDA TURMA : PGE-SP - MANOEL FRANCISCO PINHO : ROBERTO DE SIQUEIRA CAMPOS E OUTRO(A/S) R E L A T Ó R I O 06/02/2007 SEGUNDA TURMA RECURSO EXTRAORDINÁRIO 461.968-7 SÃO PAULO RELATOR RECORRENTE(S) ADVOGADO(A/S) RECORRENTE(S) ADVOGADO(A/S) RECORRIDO(A/S) : MIN. EROS GRAU : ESTADO DE SÃO PAULO : PGE-SP - MANOEL

Leia mais

V O T O. interposição deste recurso, foram observados os pressupostos gerais. de recorribilidade. Os documentos de folhas 43, 213 e 765 evidenciam

V O T O. interposição deste recurso, foram observados os pressupostos gerais. de recorribilidade. Os documentos de folhas 43, 213 e 765 evidenciam V O T O O SENHOR MINISTRO MARCO AURÉLIO (RELATOR) Na interposição deste recurso, foram observados os pressupostos gerais de recorribilidade. Os documentos de folhas 43, 213 e 765 evidenciam a regularidade

Leia mais

MONTEIRO E MONTEIRO ADVOGADOS ASSOCIADOS

MONTEIRO E MONTEIRO ADVOGADOS ASSOCIADOS MONTEIRO E MONTEIRO ADVOGADOS ASSOCIADOS RECUPERAÇÃO TRIBUTÁRIA REUNIÃO CMI - RJ Expositor: Samuel Soares Nossa Estrutura Recuperação Tributária Novos Benefícios Fiscais Aplicáveis ao Segmento da Construção

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 8 17/12/2013 PRIMEIRA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 635.398 SANTA CATARINA RELATORA AGTE.(S) ADV.(A/S) AGDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES) : MIN.

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 9 07/04/2015 PRIMEIRA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 602.295 RIO DE JANEIRO RELATOR AGTE.(S) ADV.(A/S) AGDO.(A/S) : MIN. ROBERTO BARROSO

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 04/10/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 12 20/09/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 688.223 PARANÁ RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) : MIN.

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Diário da Justiça de 04/08/2006 13/06/2006 SEGUNDA TURMA RELATOR : MIN. EROS GRAU AGRAVANTE(S) : MUNICÍPIO DE BELO HORIZONTE ADVOGADO(A/S) : DAYSE MARIA ANDRADE ALENCAR AGRAVADO(A/S) : INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA

Leia mais

PROCESSO Nº 200438007055379 ORIGEM: SEÇÃO JUDICIÁRIA DE MINAS GERAIS REQUERENTE: UNIÃO FEDERAL REQUERIDO:

PROCESSO Nº 200438007055379 ORIGEM: SEÇÃO JUDICIÁRIA DE MINAS GERAIS REQUERENTE: UNIÃO FEDERAL REQUERIDO: PROCESSO Nº 200438007055379 ORIGEM: SEÇÃO JUDICIÁRIA DE MINAS GERAIS REQUERENTE: UNIÃO FEDERAL REQUERIDO: David dos Reis Madeira RELATOR: HERMES SIEDLER DA CONCEIÇÃO JUNIOR RELATÓRIO O presente incidente

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 712.998 - RJ (2004/0180932-3) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN RECORRENTE : MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO PROCURADOR : MARIANA RODRIGUES KELLY E SOUSA E OUTRO(S) RECORRIDO : ADELINO

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica A EXCLUSÃO DO IMPOSTO SOBRE CIRCULAÇÃO DE MERCADORIAS E SERVIÇOS (ICMS) DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS E A AÇÃO DE- CLARATÓRIA DE CONSTITUCIONALIDADE (ADC) Nº 18/2007

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 10/02/2015 PRIMEIRA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 805.859 RIO DE JANEIRO RELATOR AGTE.(S) PROC.(A/S)(ES) AGDO.(A/S) ADV.(A/S)

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO I

DIREITO TRIBUTÁRIO I EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO E CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS Questões de múltipla escolha 01) Sobre as contribuições parafiscais, assinale a alternativa correta: A. As contribuições de intervenção no domínio econômico

Leia mais

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação Fl. 101 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 4 Data 6 de fevereiro de 2014 Origem DRF/BSB/DF (E PROCESSO Nº 10104.720008/2013 12) ASSUNTO: NORMAS GERAIS DE DIREITO TRIBUTÁRIO

Leia mais

O CRÉDITO-PRÊMIO DO IPI E A RESOLUÇÃO n. 71, de 2005, DO SENADO FEDERAL

O CRÉDITO-PRÊMIO DO IPI E A RESOLUÇÃO n. 71, de 2005, DO SENADO FEDERAL O CRÉDITO-PRÊMIO DO IPI E A RESOLUÇÃO n. 71, de 2005, DO SENADO FEDERAL Aldemario Araujo Castro Procurador da Fazenda Nacional Professor da Universidade Católica de Brasília Mestrando em Direito na Universidade

Leia mais

RELATÓRIO. Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL

RELATÓRIO. Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Órgão: TURMA REGIONAL DE UNIFORMIZAÇÃO DE JURISPRUDÊNCIA N. Processo: 0500029-74.2008.4.05.8103 Origem: Primeira Turma Recursal do Estado do Ceará Recorrente: João Ferreira

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO PUBLICAÇÕES JUDICIAIS I - INTERIOR SP E MS SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SAO CARLOS 2ª VARA DE SÃO CARLOS

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO PUBLICAÇÕES JUDICIAIS I - INTERIOR SP E MS SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SAO CARLOS 2ª VARA DE SÃO CARLOS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO PUBLICAÇÕES JUDICIAIS I - INTERIOR SP E MS SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SAO CARLOS 2ª VARA DE SÃO CARLOS Processo nº 0001312-86.2014.403.6115 RCO IND., COM., EXPORT. E

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL Decisão: / 2015 RCB_GAC 20ª Vara Federal Processo nº 54133-84.2015.4.01.3400 Classe: 1100 Ação Ordinária / Tributária Autor : Fauvel e Moraes Sociedade de Advogados Rés : União (Fazenda Nacional) Juiz

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA SOBRE FÉRIAS E LICENÇA-PRÊMIO PAGAS EM PECÚNICA

IMPOSTO DE RENDA SOBRE FÉRIAS E LICENÇA-PRÊMIO PAGAS EM PECÚNICA IMPOSTO DE RENDA SOBRE FÉRIAS E LICENÇA-PRÊMIO PAGAS EM PECÚNICA Panorama geral de como o tema vem sendo abordado DANIELA MARCELLINO DOS SANTOS 1 Ab initio, se faz mister ressaltar que a Constituição Federal,

Leia mais

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 Maio de 2012 NOVIDADE NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA "GUERRA DOS PORTOS" - ICMS NAS IMPORTAÇÕES - RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 13, DE 26 DE ABRIL DE 2012 DECISÕES JUDICIAIS PARTICIPAÇÃO

Leia mais

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 ASPECTOS HISTÓRICOS Em passado remoto, o Estado de São Paulo tentou instituir a cobrança do ICMS na importação de mercadorias e o fez por decreto.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA ADVOGADO : LUIZ ANTÔNIO MUNIZ MACHADO E OUTRO(S) EMENTA DIREITO SINDICAL. CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL. ART. 8º, IV, DA CF/88. COMPETÊNCIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. PUBLICAÇÃO

Leia mais

TREINAMENTOS ABRACAF MÓDULO 1 PIS / COFINS

TREINAMENTOS ABRACAF MÓDULO 1 PIS / COFINS TREINAMENTOS ABRACAF MÓDULO 1 PIS / COFINS Base Constitucional: PIS E COFINS PIS: Art. 149 e 239 da Constituição Federal COFINS: Art. 195 da Constituição Federal 1 COFINS Art. 195. A seguridade social

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 9 19/09/2013 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 759.244 SÃO PAULO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES)

Leia mais

RELATÓRIO. TRF/fls. E:\acordaos\200381000251972_20080211.doc

RELATÓRIO. TRF/fls. E:\acordaos\200381000251972_20080211.doc *AMS 99.905-CE (2003.81.00.025197-2) APTE: INSS-INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ADV/PROC: PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE APDO: LAR ANTÔNIO DE PÁDUA ADV/PROC: LEONARDO AZEVEDO PINHEIRO BORGES

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão DJe 29/03/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 10 13/03/2012 PRIMEIRA TURMA AG.REG. NO AGRAVO DE INSTRUMENTO 749.009 SÃO PAULO RELATOR AGTE.(S) ADV.(A/S) AGDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN.

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da 5ª Região Gabinete do Desembargador Federal Rogério Fialho Moreira

Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da 5ª Região Gabinete do Desembargador Federal Rogério Fialho Moreira APELANTE : FAZENDA NACIONAL APELADO : SESC/CE - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO (ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DO ESTADO DO CEARÁ) E OUTROS ADV/PROC : REBECA VALENÇA AQUINO E OUTROS REMTE : JUÍZO DA 5ª VARA FEDERAL

Leia mais

Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO

Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO GESTÃO TRIBUTÁRIA NOTÍCIAS - 2013 Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO A presidente Dilma Rousseff sancionou o projeto de lei de conversão resultante

Leia mais

SUGESTÃO DE LEITURA COMPLEMENTAR AULA - PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE TRIBUTÁRIA PÓS-GRADUAÇÃO REDE LFG/ANHANGUERA PROF.

SUGESTÃO DE LEITURA COMPLEMENTAR AULA - PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE TRIBUTÁRIA PÓS-GRADUAÇÃO REDE LFG/ANHANGUERA PROF. SUGESTÃO DE LEITURA COMPLEMENTAR AULA - PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE TRIBUTÁRIA PÓS-GRADUAÇÃO REDE LFG/ANHANGUERA PROF. EDUARDO SABBAG SET/2009 - IRRETROATIVIDADE E ANTERIORIDADE NO IR ANÁLISE DA SÚMULA

Leia mais

Prezados clientes; Rua Amâncio Moro, 65 Bairro Alto da Glória Curitiba Paraná CEP 80030-220 Fone: (41) 3233-5121 - www.vilelavianna.adv.

Prezados clientes; Rua Amâncio Moro, 65 Bairro Alto da Glória Curitiba Paraná CEP 80030-220 Fone: (41) 3233-5121 - www.vilelavianna.adv. Prezados clientes; Foi publicada em 25/02/2014 a Instrução Normativa RFB nº 1.453, trazendo alteração importante quanto ao enquadramento do grau de risco para fins de pagamento do SAT Seguro de Acidentes

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 728.029 - DF (2005/0030981-2) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO REPR. POR : MINISTRO LUIZ FUX : ITATIAIA SEGUROS S/A : FRANCISCO CARLOS ROSAS GIARDINA E OUTRO : INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

II - Fontes do Direito Tributário

II - Fontes do Direito Tributário II - Fontes do Direito Tributário 1 Fontes do Direito Tributário 1 Conceito 2 - Classificação 3 - Fontes formais 3.1 - principais 3.2 complementares 4 Doutrina e jurisprudência 2 1 - Conceito As fontes

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul GAB. CONS. MARISA JOAQUINA MONTEIRO SERRANO

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul GAB. CONS. MARISA JOAQUINA MONTEIRO SERRANO RELATÓRIO VOTO : REV-G.MJMS-1196/2015 PROCESSO TC/MS : TC/116662/2012 PROTOCOLO : 2012 ÓRGÃO : INSTITUTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DE ROCHEDO ASSUNTO DO PROCESSO : CONSULTA RELATOR : CONS. JERSON

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 23/10/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 30/08/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 684.169 RIO GRANDE DO SUL RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S)

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Município Beta instituiu por meio de lei complementar, publicada em 28 de dezembro de 2012, Taxa de Iluminação Pública (TIP). A lei complementar previa que os proprietários

Leia mais

Nº 108771/2015 ASJCIV/SAJ/PGR

Nº 108771/2015 ASJCIV/SAJ/PGR Nº 108771/2015 ASJCIV/SAJ/PGR Relatora: Ministra Rosa Weber Impetrante: Airton Galvão Impetrados: Presidente da República e outros MANDADO DE INJUNÇÃO. APOSENTADORIA ESPE- CIAL. SERVIDOR PÚBLICO COM DEFICIÊNCIA.

Leia mais

DECISÃO. Relatório. Tem-se do voto condutor do julgado recorrido:

DECISÃO. Relatório. Tem-se do voto condutor do julgado recorrido: DECISÃO RECURSO EXTRAORDINÁRIO. CONSTITUCIONAL. DESAPROPRIAÇÃO POR INTERESSE SOCIAL PARA FINS DE REFORMA AGRÁRIA. CLASSIFICAÇÃO DA PROPRIEDADE RURAL. INCLUSÃO DE ÁREAS NÃO APROVEITÁVEIS. PRECEDENTE DO

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnica n.º 8, de 2015. Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Subsídios acerca da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 670, de 10 de março de 2015. Núcleo da Receita

Leia mais

PARECER/CONSULTA TC-001/2006 PROCESSO - TC-3050/2005 INTERESSADO - BANESTES SEGUROS S/A ASSUNTO - CONSULTA

PARECER/CONSULTA TC-001/2006 PROCESSO - TC-3050/2005 INTERESSADO - BANESTES SEGUROS S/A ASSUNTO - CONSULTA PROCESSO - TC-3050/2005 INTERESSADO - BANESTES SEGUROS S/A ASSUNTO - CONSULTA DISPENSA DE LICITAÇÃO ARTIGO 24, INCISO VIII, DA LEI Nº 8.666/93 NÃO INCIDÊNCIA EM RELAÇÃO A ÓRGÃO OU ENTIDADE INTEGRANTE DA

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 11/12/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 16 15/11/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 639.856 RIO GRANDE DO SUL RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S)

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Da Sra. Flávia Morais) Altera o art. 20 da Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993 Lei Orgânica da Assistência Social, e o art. 34 da Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003

Leia mais

NOTA TÉCNICA JURÍDICA

NOTA TÉCNICA JURÍDICA 1 NOTA TÉCNICA JURÍDICA Obrigatoriedade de dispensa motivada. Decisão STF RE 589998 Repercussão geral. Aplicação para as sociedades de economia mista e empresas Públicas. Caso do BANCO DO BRASIL e CAIXA

Leia mais

PIS/PASEP na Despesa com Pessoal. De acordo com as discussões realizadas nas últimas reuniões do GTREL, foi elaborada a seguinte síntese:

PIS/PASEP na Despesa com Pessoal. De acordo com as discussões realizadas nas últimas reuniões do GTREL, foi elaborada a seguinte síntese: PIS/PASEP na Despesa com Pessoal O objetivo das discussões deste subgrupo é a definição sobre as contribuições ao PIS/PASEP serem ou não computadas na apuração do montante da despesa com pessoal, para

Leia mais

IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS

IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS Ives Gandra da Silva Martins Marilene Talarico Martins Rodrigues SUMÁRIO: Considerações Iniciais. Imunidades como Limitação ao Poder de Tributar. Imunidade das Instituições - Educacionais

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070510020004/PR RELATORA : Juíza Andréia Castro Dias RECORRENTE : LAURO GOMES GARCIA RECORRIDO : UNIÃO FAZENDA NACIONAL V O T O Dispensado o relatório, nos termos

Leia mais

ADI, ADC, ADO e ADPF. AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE (Med. Liminar) - 1946. Brasília, 27 de maio de 2014-18:23

ADI, ADC, ADO e ADPF. AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE (Med. Liminar) - 1946. Brasília, 27 de maio de 2014-18:23 Brasília, 27 de maio de 2014-18:23 ADI, ADC, ADO e ADPF AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE (Med. Liminar) - 1946 Origem: DISTRITO FEDERAL Entrada no STF: 21/01/1999 Relator: MINISTRO SYDNEY SANCHES Distribuído:

Leia mais

20/03/2014 PLENÁRIO : MIN. MARCO AURÉLIO

20/03/2014 PLENÁRIO : MIN. MARCO AURÉLIO Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 6 20/03/2014 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 784.682 MINAS GERAIS RELATOR : MIN. MARCO AURÉLIO RECTE.(S)

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 14.696 - RJ (2013/0339925-1) RELATORA : MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI RECLAMANTE : BANCO BRADESCO FINANCIAMENTOS S/A ADVOGADO : JOSÉ ANTÔNIO MARTINS E OUTRO(S) RECLAMADO : TERCEIRA TURMA

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 865.121 RIO GRANDE DO SUL RELATOR RECTE.(S) : MIN. LUIZ FUX :MUNICÍPIO DE SOBRADINHO ADV.(A/S) :CLÁUDIO ROBERTO NUNES GOLGO E OUTRO(A/S) RECDO.(A/S) :BANCO ITAULEASING

Leia mais

Relator: NANCI GAMA Recorrente: HOSPITAL E MATERNIDADE DR. CRISTOVÃO DA GAMA S/A

Relator: NANCI GAMA Recorrente: HOSPITAL E MATERNIDADE DR. CRISTOVÃO DA GAMA S/A ACÓRDÃO 303-35.815 Orgão 3º Conselho de Contribuintes - 3a. Câmara Assunto: Normas Gerais de Direito Tributário Período de apuração: 01/09/1989 a 31/12/1991 FINSOCIAL. PEDIDO DE RESTITUIÇÃO/COMPENSAÇÃO.

Leia mais

DECISÕES» ISS. 3. Recurso especial conhecido e provido, para o fim de reconhecer legal a tributação do ISS.

DECISÕES» ISS. 3. Recurso especial conhecido e provido, para o fim de reconhecer legal a tributação do ISS. DECISÕES» ISS INTEIRO TEOR. EMENTA. TRIBUTÁRIO. RECURSO ESPECIAL. ATIVIDADE DE INCORPORAÇÃO DE IMÓVEIS. EXISTÊNCIA DE DOIS CONTRATOS: O DE COMPRA E VENDA E O DE EMPREITADA. CARACTERIZAÇÃO DE FATO GERADOR

Leia mais

04/09/2014 PLENÁRIO : MIN. TEORI ZAVASCKI

04/09/2014 PLENÁRIO : MIN. TEORI ZAVASCKI Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 16 04/09/2014 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 745.901 PARANÁ RELATOR RECTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECDO.(A/S)

Leia mais

TRIBUTO - ISENÇÃO FISCAL - REVOGAÇÃO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA

TRIBUTO - ISENÇÃO FISCAL - REVOGAÇÃO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA TRIBUTO - ISENÇÃO FISCAL - REVOGAÇÃO - A isenção fiscal deve ser revogada tão logo desapareça o interesse público que a motivou. No entanto. se o beneficio foi outorgado como incentivo a determinado projeto

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015

TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015 TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015 Pela importância da matéria, tomamos a liberdade de lhe enviar o presente boletim extraordinário (maio de 2015). 1. INTRODUÇÃO O STJ

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 972.075 - SC (2007/0178356-6) RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI ADVOGADO : DANTE AGUIAR AREND E OUTRO(S) EMENTA PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. RECURSO ESPECIAL. VIOLAÇÃO AO ART.

Leia mais

PEDIDO DE UNIFORMIZAÇÃO N. º 200338007154235

PEDIDO DE UNIFORMIZAÇÃO N. º 200338007154235 PEDIDO DE UNIFORMIZAÇÃO N. º RELATORA : JUÍZA FEDERAL LILIANE RORIZ REQUERENTE: INSTITUTO NACIONAL DE SEGURIDADE SOCIAL - INSS PROC. : PATRICIA DE ALMEIDA SILVA REQUERIDO : GIL JOSÉ FURTADO ADV. : ANDRÉ

Leia mais

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS:

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: PARECER Nº 02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: DIVERSOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS. ASSUNTOS: BASE DE CÁLCULO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS. DA CONSULTA: Trata-se de consulta

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 627.970 - RJ (2004/0015047-6) RELATORA : MINISTRA ELIANA CALMON EMENTA TRIBUTÁRIO - ICMS - IMPORTAÇÃO - DESEMBARAÇO ADUANEIRO - COMPROVANTE DE RECOLHIMENTO, ISENÇÃO OU NÃO-INCIDÊNCIA

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal MANDADO DE SEGURANÇA 32.833 DISTRITO FEDERAL RELATOR IMPTE.(S) ADV.(A/S) IMPDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROBERTO BARROSO :CARLOS RODRIGUES COSTA :LUZIA DO CARMO SOUZA :PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DA

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 110 - Data 22 de abril de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS - IPI A imunidade religiosa

Leia mais

Nº 70027876119 COMARCA DE CACHOEIRINHA MARIA REGINA DE TOLEDO MUNICIPIO DE CACHOEIRINHA

Nº 70027876119 COMARCA DE CACHOEIRINHA MARIA REGINA DE TOLEDO MUNICIPIO DE CACHOEIRINHA CONSTITUCIONAL, TRIBUTÁRIO E PROCESSUAL CIVIL. IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS ISS. NOTÁRIOS E REGISTRADORES. RECOLHIMENTO. FORMA PRIVILEGIADA. ANTECIPAÇÃO DE TUTELA. REQUISITOS. COMPREENSÃO. Presentes os requisitos

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. A CF estabelece percentuais a serem

Leia mais

VI pedido de reexame de admissibilidade de recurso especial.

VI pedido de reexame de admissibilidade de recurso especial. PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, 2013 - COMPLEMENTAR Estabelece normas gerais sobre o processo administrativo fiscal, no âmbito das administrações tributárias da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos

Leia mais

NÃO CUMULATIVIDADE DA CONTRIBUIÇÃO AO PIS/PASEP E DA COFINS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS BETINA TREIGER GRUPENMACHER ADVOGADA.

NÃO CUMULATIVIDADE DA CONTRIBUIÇÃO AO PIS/PASEP E DA COFINS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS BETINA TREIGER GRUPENMACHER ADVOGADA. NÃO CUMULATIVIDADE DA CONTRIBUIÇÃO AO PIS/PASEP E DA COFINS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS BETINA TREIGER GRUPENMACHER ADVOGADA. PROFª UFPR NÃO CUMULATIVIDADE DA CONTRIBUIÇÃO PIS/PASEP E DA COFINS

Leia mais

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico.

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico. &RQWULEXLomRGH,QWHUYHQomRQR'RPtQLR(FRQ{PLFR XPDDQiOLVHGD/HLQž /XFLDQD7ULQGDGH)RJDoD &DUOD'XPRQW2OLYHLUD A Lei 10.168/2000 criou uma contribuição de intervenção no domínio econômico para financiar o Programa

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG.

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. Como amplamente noticiado nestes últimos dias, o Supremo Tribunal Federal, em decisão

Leia mais

PARECER Nº 13.529-PP

PARECER Nº 13.529-PP PARECER Nº 13.529-PP COMPLEMENTAÇÃO DE PENSÃO POR MORTE EM ACIDENTE DE SERVIÇO. ARTIGO 259 DA LC 10.098/94. O servidor titular exclusivamente de cargo em comissão, desde a edição da Emenda Constitucional

Leia mais

b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa

b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa UNIDADE VII 1. IMPOSTOS a) definição legal (tributo não-vinculado) b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa c) pessoalidade, em regra

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 32.453 - MT (2010/0118311-2) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN RECORRENTE : VIVO S/A ADVOGADO : SACHA CALMON NAVARRO COELHO RECORRIDO : ESTADO DE MATO GROSSO PROCURADOR

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 919.527 - SP (2007/0014498-9) RELATOR : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES AGRAVANTE : FAZENDA NACIONAL REPDO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS AGRAVADO : TRANS-TERRALHEIRO

Leia mais

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ Sequência da Palestra Tempo da Palestra: 1 hora 1ª Parte: Expositiva 2ª Parte: Perguntas e comentários FUNDAÇÕES DE APOIO LEI 8.958/94 Definição Artigo 2º INSTITUIÇÃO

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS Ricardo Benevenuti Santolini 1 Resumo: A norma jurídica possui como princípio basilar regulamentar a conduta

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 38 - Data 2 de dezembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: Contribuições Sociais Previdenciárias Ementa: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ RELATOR DO EGRÉGIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO AMAZONAS. PROCESSO N. 220-95.2011.6.04.0000 - Classe 30 AUTOS:

Leia mais

PEC PROPOSTA EMENDA CONSTITUCIONAL

PEC PROPOSTA EMENDA CONSTITUCIONAL PEC PROPOSTA EMENDA CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL (PEC) Altera os arts. 62, 150 e 195 da Constituição Federal e dá outras providências. As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal,

Leia mais

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito:

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito: Unidade II 4 IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS A Constituição Federal proíbe a instituição de impostos sobre certas pessoas ou situações. Baleeiro (1976, p. 87) ensina que imunidades tributárias são: vedações absolutas

Leia mais

EXCLUSÃO DA TAXA DE ADMINSTRAÇÃO DE CARTÃO DA BASE DE CÁLCULO DO PIS/COFINS

EXCLUSÃO DA TAXA DE ADMINSTRAÇÃO DE CARTÃO DA BASE DE CÁLCULO DO PIS/COFINS EXCLUSÃO DA TAXA DE ADMINSTRAÇÃO DE CARTÃO DA BASE DE CÁLCULO DO PIS/COFINS PIS Programa de Integração Social criado pela Lei Complementar n. 7/70 Contribuintes: PJ de direito privado exceções (simples);

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 18/09/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 13 06/09/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 651.703 PARANÁ RELATOR : MIN. LUIZ FUX RECTE.(S)

Leia mais

PARCELAMENTO TRIBUTÁRIO

PARCELAMENTO TRIBUTÁRIO PARCELAMENTO TRIBUTÁRIO Depósitos Judiciais (REsp. 1.251.513/PR) e a conversão do depósito pela Fazenda Pública José Umberto Braccini Bastos umberto.bastos@bvc.com.br CTN ART. 151 o depósito é uma das

Leia mais

Professor Alex Sandro.

Professor Alex Sandro. 1 (OAB 2009-3 CESPE Q. 58) Considere que João e Marcos tenham deliberado pela constituição de sociedade limitada, com atuação no segmento de transporte de cargas e passageiros na América do Sul. Nessa

Leia mais

Fundamentos. 3.1 Nesse sentido, traz os seguintes questionamentos:

Fundamentos. 3.1 Nesse sentido, traz os seguintes questionamentos: Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 11 - Data 29 de agosto de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS Contribuição Previdenciária incidente

Leia mais

RESUMIDAMENTE ESTAS SÃO AS DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE A CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS:

RESUMIDAMENTE ESTAS SÃO AS DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE A CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS: DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE A CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS Não existe posicionamento formal de nosso Supremo Tribunal Federal acerca da quantidade de espécies tributárias vigentes hoje em dia, alguns autores

Leia mais

PARECER nº 08/11 repisa orientação quanto ao recolhimento de contribuição social sobre remuneração de dirigentes e outros contribuintes individuais

PARECER nº 08/11 repisa orientação quanto ao recolhimento de contribuição social sobre remuneração de dirigentes e outros contribuintes individuais urpa0811contme(parecer) Da Assessoria Jurídica Para UNIMED RS FEDERAÇÃO A. C. Dr. Gerson Reis c/c para federadas Assunto: contribuintes individuais e contribuição previdenciária PARECER nº 08/11 repisa

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fl. 12 Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 20 - Data 25 de agosto de 2014 Origem COORDENAÇÃO-GERAL DE ADMINISTRAÇÃO ADUANEIRA (COANA) ASSUNTO: NORMAS DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

A INCONSTITUCIONALIDADE DA INCIDÊNCIA DO IPI NA IMPORTAÇÃO E NA REVENDA DE PRODUTOS IMPORTADOS. Por Carolina Silveira

A INCONSTITUCIONALIDADE DA INCIDÊNCIA DO IPI NA IMPORTAÇÃO E NA REVENDA DE PRODUTOS IMPORTADOS. Por Carolina Silveira A INCONSTITUCIONALIDADE DA INCIDÊNCIA DO IPI NA IMPORTAÇÃO E NA REVENDA DE PRODUTOS IMPORTADOS. Por Carolina Silveira O IPI é tributo de competência da União Federal, conforme se pode observar da análise

Leia mais

Clipping Legis. Publicação de legislação e jurisprudência fiscal. Nº 182 Conteúdo - Atos publicados em Maio de 2015 Divulgação em Junho/2015

Clipping Legis. Publicação de legislação e jurisprudência fiscal. Nº 182 Conteúdo - Atos publicados em Maio de 2015 Divulgação em Junho/2015 www.pwc.com.br Clipping Legis CSLL - Instituições financeiras - Majoração de alíquota - MP nº 675/2015 Receitas financeiras - Alíquota zero de PIS/ COFINS para as variações monetárias e hedge - Alteração

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA. BAURUCAR AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS LTDA. DRJ em São Paulo - SP

MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA. BAURUCAR AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS LTDA. DRJ em São Paulo - SP CC02/C01 Fls. nfls txtfls182 Old MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA Processo nº 10825.000305/2003-22 Recurso nº 135.656 Matéria PIS/Pasep Acórdão nº 201-81.013 Sessão

Leia mais

a) conjunto de atos administrativos tendentes ao reconhecimento de uma situação jurídica pertinente à relação entre o Fisco e o contribuinte

a) conjunto de atos administrativos tendentes ao reconhecimento de uma situação jurídica pertinente à relação entre o Fisco e o contribuinte Unidade VIII I. PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO 1. Acepções e espécies a) conjunto de atos administrativos tendentes ao reconhecimento de uma situação jurídica pertinente à relação entre o Fisco e o

Leia mais