IESCONSTRU INDO 0 DI SCURSO DE DI VUlGAtAO (SIGNIFICADO E AUTORIA) Na~ia Jose R. Fa~ia Co~acini/PUC-SP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IESCONSTRU INDO 0 DI SCURSO DE DI VUlGAtAO (SIGNIFICADO E AUTORIA) Na~ia Jose R. Fa~ia Co~acini/PUC-SP"

Transcrição

1 IESCONSTRU INDO 0 DI SCURSO DE DI VUlGAtAO (SIGNIFICADO E AUTORIA) Na~ia Jose R. Fa~ia Co~acini/PUC-SP Para discutir a questao do significadoenele a questao da autoria no discurso de vulgarizacao (fr.) ou divulgacao cientifica, gostaria de propor que se tomassem como ponto de partida alguns trechos da apresentacao do numero 53 da revista Langue Francaise todo ele dedicado a VUlgarizacao, isto e, aos textrechos que se seguem sao da autoria de M-Fr. Mortureux e par~ cern reproduzir um estado de verdades tradicionalmente aceitas ".. vi-se Inos varios tipos de vulgariza~ol a re-enuncia~o de dis cursos-origem. elaborados por e para 'especialistas', em discursos segundos destinados ao grande publico. Eles ofereceriam portanto parafrases, em geral condensadas, e estas teriam por fun~o ell.inar (ou contornar) 0 obstaculo que a e xistencia das metajinguase terminologias (cientificas, tecnicas, po Iftieas ), funcionando nos discursos-origem, opoe ao grande publt co, curioso por novidades produzidas pelos pesquisadores. 0 que su-=poe na vulgariza~o uma atividade metalingufstica, particularmente apl icada ao tratamento dessas metal fnguas e terminologias, e, ao mes mo tempo, produtora de efeitos variados". (p. 03) -.11 Para os IingUistas, a existencia e 0 funclonamento dos discur- 50S de wlgariza~ao remetem i ptoblematica da parafrase e da tradu- ~o, pondo ambas em jogo, de modo crucial a metal inguagem (no senti do de atividade metalingufstica)". (p. 0%)1 Por esses trechos percebe-se bem como a LingftIstica per~ tua um racioclnio logocentrista que remonta a Platao (conforme lembra Derrida nas suas multiplas desconstrucoes), que se expressa numa serie de dicotomias imbricadas entre si, dentre as quais: ciencia/vulgarizacao, enunciacao/re-enunciacao, discurso de origem/discurso segundo, especialistas (cientistas)/gra~ de publico, atividade (lingftlstica)/metalingftlstica, que, por sua vez, agiria sobre as metalinguagens e terminologias ditas cientlficas, perpetuado pelo conceito de vul.garizacao como tra

2 du~io e parafrase. A defini~ao de divulga~ao como discurso segundo, deriv~ do, pressupoe evidentemente urn discurso primeiro - origem, fonte daquele, 0 que, de urn lado, traz a ilusao do conceitode ori ginalidade, simplificando, assim, 0 conceito de autoria que re tomaremos mais adiante; de outro, carrega consigo 0 conceito de hierarquia: em nossa cultura, e consensualmente mais importante 0 termo primitivo, aquele que da origem e, portanto, explica 0 segundo, que desse modo se subordina ao primeiro, como 0 filho a mae que 0 gerou. Observe-se que os termos vulgarizacao - divulgacao contendo ambos 0 vocibulo volgo - que sign.! fica (cf~ Aurelio) 0 povo, a plebe; adv. na lingua vulgar~ ~ pular, comum - carregam em si a ideia de desprestigio, secund~ ridade, c6m relacao a cientifico", que traria, por oposicao,a ideia de primaridade, prestigio, proprio da ciencia, que, por sua vez, detem os pre-conceitos de sabedoria, conhecimento.. Continuando a percorrer a piramide construida pelo raciocinio dicotomico, surge atrelada a anterior a categoria de lei tor e, conseqdentemente, embora de forma velada, a de au~r, a qual voltaremos mais adiante. De um lado, temos os especialistas (cientistas) capazes de "compreender" 0 texto original, d~ tentores, junto com 0 autor (afinal pertencem a mesma comunida de), das "metalinguagens e terminologias especificas" (cf. MO~ tureux, texto citado), capacidade essa que os torna diferentes, e lhes da poder; de outro, 0 grande publico, que, embora "curioso por novidades produzidas pelos pesquisadores", e visto c~ mo sendo incapaz de ter acesso direto a informacao cientifica, sem que esta seja veiculada ("traduzida") numa linguagem simplificada, popular. Sabe-se que, alem da linguagem, passa pelo filtro do divulgador (hoje nao raro 0 proprio cientista, 0 S6

3 profissional da ciencia normal ou 0 redator de jornal ou revi~ ta), a.propria informacao - teoria ou pesquisa: so se divulga 0 que se cre a priori compreenslvel e de interesse publico; nos jornais e revistas menos especializadas sac os resultados das pesquisas com repercussao social importante que sac priorizados. Ao cientista - leitor ou autor - e dado 0 privilegio do pe~ samento e do conhecimento; ao grande publico, as trevas da ignorancia; aquele, a aurea libertadora do intelecto, as asas da concreto, as amarras da intuicao, da sensibilidade, da subjet! vidade, do terror e da inseguranca diante do inacesslvel, do desconhecido; aquele, a missao divina de buscar a verdade; a e~ te, a expectativa mistica e passiva dessa verdade. A ambos, a dormindo no esquecimento de que a ciencia nada mais e do que uma poderosa constru~o humana. A esse respeito Nietzche (1911) se "Hi epocas enl que 0 homemracional e 0 homemintuitlvo ficam lado a lado, UlIlCOllIllledo da intui~o. 0 outro escarnecendo da abstra~o:es te ultimo e tao Irraciona I quanto 0 prlmeiro e inartfstico. Ambos&" sejam ter doaifnlo sobre a vida: este sabendo. atraves deculdado pre vio. pruoencia. regularidade. enfrentar as principals necessidades: aquele. como 'heroi euforico'. nao venda aquelas necessldades e tomando somente a vida disfar~ada em aparencia e em beleza como real'~ (op. eit.: 38). Par fim, postular a existencia de diferentes leitores para 0 discurso da ciencia e para 0 discurso da divulgacao sign! fica defender como verdade inquestionavel a inacessibilidade da ciencia, privilegio de uma minoria detentora do conhecimentoe, portanto, do poder. Por detras disso, permanece 0 pre-conceito e a categorizacao homogeneizante que abafa as diferencas e reduz tudo a uma unica verdade e ao rigor da abstracao.

4 Assim, retomando a ideia de que 0 grande publico so teria acesso ao texto derivado e que este funcionaria como -re-enunciacao- parafrastica., coloca-se a questao do significado. Falar de parafrase significa postular a possibilidade de alteracao da forma sem mudanca de significado: 0 texto segundo (vulgarizacao) seria a reformulacao, a traducao do texto original portador de um significado unico. Este permenece, entao, no te!. to resguardado por uma linguagem literal, objetiva. A fonna (si~ nificante) e concedido 0 poder magico de transformar informacoes inacesslveis em compreenslveis para 0 publico em geral. Tal transformacao seria evidentemente -autorizada- pelo texto de origem. Na mesma direcao aponta a concepcao de uma atividade meta lingoistica atribulda a divulgacao, atividade essa que expl! citaria, numa roupagem popular, 0 significado das metalinguagens tecnicas e cientlficas, na pressuposicao, ainda uma vez, de que existiria uma linguagem primeira sobre a qual outras p deriam se expressar. Nao e a toa que, em nenhum momenta, os tr~ chos transcritos no inlcio desta comunicacao, fazem referencia ao sujeito enunciador. t a primazia do texto sobre 0 sujeito, do significante sobre 0 significado - imutavel, inalteravel, u nico. Nessa defesa do texto, enquanto objeto, unidade de sentido que nao abre espaco para as diferentes leituras, como se c~ loca a questao da autoria? Afinal, nao se diz comumente que ler e buscar no texto as ideias do autor, 0 sentido que 0 autor quis lhe dar? Mas quem e 0 autor do texto cientlfico e da divui~~ cao? Comecemos por responder a ultima pergunta: de forma simplista, poder-se-ia dizer que 0 autor do texto cientifico e 0

5 proprio pesquisador, a quem se atribui uma experiencia ou a foe mulacao de uma teoria (paradigma); 0 autor do texto de vulgar! zacao seria, entao, 0 redator do jornal ou revista. De forma ainda mais generica, poder-se-ia dizer que 0 autor equivale a- quele a quem se atribui a responsabilidade da obra ou do texto. Mas 0 que vem a ser obra ou texto do autor? Da mesma forma que Foucault (1969) questiona 0 conceito de obra -equivaleria ela a todos os textos que alguem escreve? mas por que, entao, nao se incluem al os rascunhos, as anotacoes.? - poder-se-ia <pe~ tionar 0 conceito de texto, que se constitui, afinal, de uma i!! finidade de outros textos (e, partanto, de outros sujeitos) -- opinioes, conceitos, pesquisas anteriores, obras lidas, exper! encias alheias. Ao pesquisador poder-se-ia de fate imputar a originalidade da pesquisa? Afinal, se concorda~com Khun, e ao trabalho incessante da ciencia normal que se devem as chama das revolucoes cientlficas, e as mudancas nos e dos paradigmas e nao ao surgimento de genios, que, par inspiracao divina, de~ -cobririam, des-vendariam misterios do universo 0 que dizer entao da divulgacao cientlfica? Seria passivel imputar ao reda tor a respansabilidade pela experiencia cientlfica, ou a ele ca beria apenas a escolha das informacoes (e nao 0 proprio conte~ do) e a "trans-cricao" em linguagem jornallstica, que ele julga acesslvel ao publico a que se destina, do conteudo cientlfi co, sem alteracoes na sua "essencia"? A ultima alternativa e a mais consensual e, ao mesmo tempo, a mais ingenua, pois, dentre outras coisas, pastula a existencia isolada do significante e do significado. E ainda, par que razao os textos jornall~ ticos sobre a ciencia abundariam de transcricoes entre aspas da fala do pesquisador ou de uma "autoridade" no assunto, nao fos se na tentativa ilusoria de dirimir a responsabilidade do reda

6 tor e atribuir a outre.. (ao pesquisador) 0 sentido que enuncia? Babe-se por quantas disputas e responsive 1, na ciencia, 0 conceito de autoria, que, afinal, concede privilegios e poderes aquele que e reconhecido como Autor. Tal constatacao parece vir ao encontro do pensamento de Foucault (1969) que considera que mesmo a teoria do significado que postula a morte do autor, 0 seu apagamento em proveito do texto, perpetua sua figura como ser transcendental la imagem de Deus que, embora invislvel, pee siste eternamente na sua obra de criacao). A atitude de uma cee ta corrente lingtllstica em buscar no texto as marcas da enuncia cao (embora se distinga autor de enunciador) pressupoe a crenca na existencia de um sujeito consciente, fonte do sentido, e na transparencia da linguagem, atraves da qual se perpetuam 0- bra e autor. Be partinms do principio de que 0 Autor e aquele que cria pela primeira vez e de que 0 texto cientlfico permanece como 0 texto primeiro, objetivo, gerador de outros textos a partir de uma atividade metalingtlistica, teremos de aceitar como verdade dada a priori a unicidade do sentido ou a existencia de um lei tor a quem e dada autoridade suficiente, plena e transcendental, que 0 torna capaz de filtrar e fixar 0 sentido do texto primeiro na sua transposicao para uma linguagem simplificada. Mas poderiamos ainda nos iludir quanto a permanencia do texto como objeto imutavel, capaz de transparecer tambem a aparente objetividade da ciencia, sem cairmos nas ciladas do Logocentri!. mo, que, em nome da Razao, anula as diferencas e reduz tudo e todos a uma classificacao dicotomica homogeneizante? Reprimir ou suprimir as diferencas, a heterogeneidade que constitui sujeito e texto, significa em ultima instancia postular a morte do sujeito, a morte da leitura e a permanencia do Logos, da ra

7 o que Derrida propoe, e que serve bem a compreensao do di~ curso que nos interessa de perto neste trabalho, e a ruptura do "0 sistema cia escritura em geral nao e exterior ao sistema da lingua em geral, a nao ser que se admita que a divisao entre 0 exterior do interior, passe no interior do interior ou no exterior do exterior, chegando a imanencia cia lingua a ser essencialmente exposta a inter Venj;aO de for,as aparentemente estranhas a seu sistema". (Oerrida~ 1967b: 18) "Trata-se /./ de por em evidenc ia a soli dar iedade s isternatica e his torica de'conceitos e gestos de pensamento que, frequentemente, se acredita poder separar inocentemente. 0 signo e a divindade tern 0 mesmo local e a mesma data de nascimento. A epoca do signo e essencialmente teologica. Ela nao terminara talvez nunca. Contudo, sua clausura historica esta determinada". (op. cit., p. 16)2 o que Mortureux afirma sobre a vulgarizacao pressupoe,poe tanto, uma teoria do significado segundo a qual 0 sentido est~ ria de forma imanente e transcendental, nos limites do lingdi~ tico, esquecendo-se de que 0 significado se constitui do sign! ficante, e este, daquele, assim como a lingia se constitui da fala e esta, daquela, tal como se da wa alianca da fala e do ser numa palavra unica, no nome proprio (Derrida, 1967: 29). Acreditamos que 0 que diz Derrida (op. cit.) sobrea secu~ daridade da escritura com relacao a fala sintetiza hem 0 que dissemos da vulgarizacao com relacao a ciencia: " deixando de lado a fe ou certeza teologica, a experiencia de se cundaridade nao diz respeito a esse Tedobramento estranho pelo quat o sent ido const itu ido - escr ito - se da como lido, previa ou simu Itaneamente, onde 0 outro se encontra a velar e tornar irredutivelo ir e vir, 0 trabalho entre a escritura e a leitura? 0 sentido nio exls te.- antes.- deeois. 0 que se chama Deus que afeta de secundart dade toda a navegaj;ao humana nao seria essa passagem: a reciprocida de diferida entre a leitura e a escritura? Testemunho absoluto, ter ciario como transparencia do sentido no dialogo em que 0 que se co~

8 me~a a eserever ja e lido, 0 que se eome~ a dlzer ja e resposta. Ao mesmo tempo Crlatura e Pal do logos. Clreularlclade e tradiclonallcla de do logos. Estranho labor de eonversao e de aventura onde a gra~a so e eoneedlcla ao ausente". (op, elt.: 22)' (1) TraduCao minha. (2) Os grifos sac do proprio autor. (3) Traducao e grifos meus. DERRIDA, J. (1967). L'Ecriture et la Difference. Paris. Ed. du Seuil. (1967b). De la Grammatologie. Trad. Bras.: Gramatologia. Edit. USP/Perspectiva, FOUCAULT, M. (1969). "Qu'est-ce qu'un Auteur?". Littoral, n9 9, Paris, Editions Eres, MORTUREUX, M-Fr. (1982). "Introduction". Langue Francaise, 53, Paris, Larousse. NIETZCHE (1911). "Sobre Verdade e Mentira no Sentido Extra-Moral" (1873). Os Pensadores: Nietzche, vol. I: Nova CuI tural.

TEXTO E DISCURSO. Eni Puccinelli Orlandi

TEXTO E DISCURSO. Eni Puccinelli Orlandi TEXTO E DISCURSO Eni Puccinelli Orlandi RESUMO: Texte est un objet linguistique-historique qui établit des rapports avec soi même et l exteriorité. C est à dire: le texte est à la fois un objet empirique,

Leia mais

o meu trabalho e resultante das reflexoes que

o meu trabalho e resultante das reflexoes que A APRENDIZAGEM DE LfNGUA PORTUGUESA NA 5~ S~- RIE DO ENSINO DE PRIMEIRO GRAU: UMA EXPERIBNCIA E PRIN- CfPIOS PARA UMA PROPOSTA DE ENSINO. Esta comunicacao pretende expor as linhas gerais de minha dissertacao

Leia mais

TINHA UM POEMA NA PROVA DE INGLES DO VESTIBULAR DA UNICAMP Josalba Ramalho Vieira(UFSC) Maria Viviane Costa Pinto(UNICAMP)'

TINHA UM POEMA NA PROVA DE INGLES DO VESTIBULAR DA UNICAMP Josalba Ramalho Vieira(UFSC) Maria Viviane Costa Pinto(UNICAMP)' TINHA UM POEMA NA PROVA DE INGLES DO VESTIBULAR DA UNICAMP Josalba Ramalho Vieira(UFSC) Maria Viviane Costa Pinto(UNICAMP)' A prova de ingl@s do vestibular da Unicamp em 1993 apresentou urnpoema de Emily

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Transferência. Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) -------

Transferência. Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) ------- Transferência Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) ------- Erros na tradução da Imago: 1 Página 505: 5a. linha (de baixo para cima: não consenso,

Leia mais

sue ANALISE DE NECESSIDADES DE ALUNOS DE PSICOLOGIA DAS FACULDADES SAO MARCOS

sue ANALISE DE NECESSIDADES DE ALUNOS DE PSICOLOGIA DAS FACULDADES SAO MARCOS sue ANALISE DE NECESSIDADES DE ALUNOS DE PSICOLOGIA DAS FACULDADES SAO MARCOS - SP Esta comunica9ao trata de resultados obtidos a partir de uma analise de necessidades de a1unos de 72 e 82 semestres do

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

Mito, Razão e Jornalismo 1. Érica Medeiros FERREIRA 2 Dimas A. KÜNSCH 3 Faculdade Cásper Líbero, São Paulo, SP

Mito, Razão e Jornalismo 1. Érica Medeiros FERREIRA 2 Dimas A. KÜNSCH 3 Faculdade Cásper Líbero, São Paulo, SP Mito, Razão e Jornalismo 1 Érica Medeiros FERREIRA 2 Dimas A. KÜNSCH 3 Faculdade Cásper Líbero, São Paulo, SP Resumo Este trabalho tem como objetivo relacionar os temas mito, razão e jornalismo. Com uma

Leia mais

Modelo, cópia e simulacro: Uma perspectiva deleuziana ao problema platônico

Modelo, cópia e simulacro: Uma perspectiva deleuziana ao problema platônico Modelo, cópia e simulacro: Uma perspectiva deleuziana ao problema platônico Elemar Kleber Favreto RESUMO Este artigo tem por objetivo esclarecer alguns aspectos mais gerais da crítica que Deleuze faz à

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO AULA 01: CARACTERIZAÇÃO INICIAL DA ANÁLISE DO DISCURSO TÓPICO 01: O QUE É A ANÁLISE DO DISCURSO MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro 1 www.oxisdaquestao.com.br Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro Texto de CARLOS CHAPARRO A complexidade dos confrontos da atualidade, em especial nos cenários políticos, justificaria

Leia mais

um TCC sem cometer PLÁGIO?

um TCC sem cometer PLÁGIO? Aula Reforço com base na NBR 10520 (ABNT) Prof. MSc Ricardo Aureliano Como transcrever textos para um TCC sem cometer PLÁGIO? Não há problema algum de se recortar e colar textos que se encontram na internet

Leia mais

Viagem à Casa 9: Uma Jornada Humana i

Viagem à Casa 9: Uma Jornada Humana i Viagem à Casa 9: Uma Jornada Humana i Clélia Romano copyright 2012 Abu Mashar ii diz sobre a Casa 9: a nona, aquela de viagens e peregrinações, leis e contemplação divina, filosofia e artes, escritos e

Leia mais

Prática Educativa da Língua Portuguesa na Educação Infantil. Autoras Daniela Guimarães Patrícia Corsino

Prática Educativa da Língua Portuguesa na Educação Infantil. Autoras Daniela Guimarães Patrícia Corsino Prática Educativa da Língua Portuguesa na Educação Infantil Autoras Daniela Guimarães Patrícia Corsino 2009 2008 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização

Leia mais

o neologismo alogen~tico consiste do

o neologismo alogen~tico consiste do DlPRUTIMOSINCLESESNA IMPRENSABRASILBlRAB NA PORTUCUESA 1- IntroducAo Entre os estudos ja realizados sobre emprestimos lingiiisticos estrangeiros,.encontramse os trabalhos de lexicologia de BARBOSA(1981).

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

ENSINO DA ESCRITA: O USO DE CONECTORES EM TEXTOS ACADÊMICOS*

ENSINO DA ESCRITA: O USO DE CONECTORES EM TEXTOS ACADÊMICOS* 287 ENSINO DA ESCRITA: O USO DE CONECTORES EM TEXTOS ACADÊMICOS* Sulemi Fabiano 1 Resumo: A questão que norteia a pesquisa é: como um aluno em formação, ao se apropriar de uma teoria, utiliza os conectores

Leia mais

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO Andréa Lima do Vale Caminha A temática do Perdão tem nos atraído nos últimos tempos e para atender a nossa inquietação, fomos investigar esse tema no

Leia mais

OS DESAFIOS DO CONHECIMENTO

OS DESAFIOS DO CONHECIMENTO OS DESAFIOS DO CONHECIMENTO A realidade é que o homem tem um estranho desejo de conhecer e que sua natureza falha... A verdadeira natureza do homem é ampla, consiste em ter capacidades e também em ter

Leia mais

PARTE SEGUNDA - Do mundo espírita ou mundo dos Espíritos CAPÍTULO 4 Da pluralidade das existências 1. Reencarnação. Perguntas 166 a 170

PARTE SEGUNDA - Do mundo espírita ou mundo dos Espíritos CAPÍTULO 4 Da pluralidade das existências 1. Reencarnação. Perguntas 166 a 170 PARTE SEGUNDA - Do mundo espírita ou mundo dos Espíritos CAPÍTULO 4 Da pluralidade das existências 1. Reencarnação. Perguntas 166 a 170 166 Como a alma, que não alcançou a perfeição durante a vida corporal,

Leia mais

O FUTURO DE UMA ILUSÃO

O FUTURO DE UMA ILUSÃO Ano V nº 7/8 (J an./ Dez. 2007) Revista da Faculdade de Educação O FUTURO DE UMA ILUSÃO M aria da Penha Fornanciari Antunes 1 FREUD, Sigmund. O futuro de uma ilusão. O mal-estar na civilização e outros

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA A REUNIÃO GERAL DOS RATOS

SEQUÊNCIA DIDÁTICA A REUNIÃO GERAL DOS RATOS SEQUÊNCIA DIDÁTICA A REUNIÃO GERAL DOS RATOS LÍGUA PORTUGUESA ESCOLA: NOME: DATA: / / TURMA: PROFESSORA: A REUNIÃO GERAL DOS RATOS Uma vez, os ratos, que viviam com medo de um gato, resolveram fazer uma

Leia mais

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007)

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) Disciplina: Seminário de Leituras Orientadas em Linguística Aplicada Professoras: Graciela Hendges e Désirée Motta-Roth

Leia mais

ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA

ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA Rubens Prawucki (Centro Universitário - Católica de SC) 1- Iniciando as reflexões: O objetivo

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

Mestranda em História pela Universidade Federal de Uberlândia

Mestranda em História pela Universidade Federal de Uberlândia Diversidade, ensino de História e as práticas educativas na Educação Básica: uma abordagem histórica. ROSYANE DE OLIVEIRA ABREU A escola pública brasileira enfrenta hoje grandes desafios. A começar pela

Leia mais

"Roda mundo, roda gigante, roda moinho, roda pião, o tempo rodou num instante, nas voltas do meu coração"

Roda mundo, roda gigante, roda moinho, roda pião, o tempo rodou num instante, nas voltas do meu coração "Roda mundo, roda gigante, roda moinho, roda pião, o tempo rodou num instante, nas voltas do meu coração" 2 Meta da aula AULA Apresentar os processos de mudança dos valores, dos padrões sociais e das ciências,

Leia mais

A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu.

A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu. A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu.br RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar algumas sugestões de

Leia mais

Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana

Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana Lucas Piter Alves Costa 1 Por que estudar gêneros? Como estudá-los? Qual a importância que o domínio de seus estudos pode

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1 Larissa Nogueira de Oliveira 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

MANTER A VISÃO ANTE OS OLHOS DOS HOMENS

MANTER A VISÃO ANTE OS OLHOS DOS HOMENS 9 de Janeiro de 2016 Nota-Chave: MANTER A VISÃO ANTE OS OLHOS DOS HOMENS o grupo que Mercúrio apura no Caminho ascendente é o Novo Grupo de Servidores do Mundo... Referido grupo é, falando figuradamente,

Leia mais

Martin Heidegger, La Question de la Technique, in Essais et Conférences, Paris, Éd. Gallimard, 1968. 2

Martin Heidegger, La Question de la Technique, in Essais et Conférences, Paris, Éd. Gallimard, 1968. 2 1 PREFÁCIO O objectivo destas páginas é o de apresentar, de maneira acessível e resumida, as principais técnicas da comunicação e da informação, que constituem, em conjunto, um dos domínios que mais directamente

Leia mais

A Formação do Leitor no Contexto da Instituição Escolar. Palavras chave: leitura-leitor-texto-ensino-aprendizagem. Considerações Iniciais

A Formação do Leitor no Contexto da Instituição Escolar. Palavras chave: leitura-leitor-texto-ensino-aprendizagem. Considerações Iniciais A Formação do Leitor no Contexto da Instituição Escolar Palavras chave: leitura-leitor-texto-ensino-aprendizagem Considerações Iniciais Este artigo trata da formação do leitor-proficiente: aquele que,

Leia mais

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA CITAÇÕES EM DOCUMENTOS

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA CITAÇÕES EM DOCUMENTOS REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA CITAÇÕES EM DOCUMENTOS P r o f. G e s s é M a r q u e s J r. Fac. Ciências Humanas - UNIMEP Março de 2007 De onde vem o seu conhecimento? Ao falarmos sobre a importância do uso

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

Entre a expressão e a intenção: possibilidades de construção narrativa através da transcriação em história oral

Entre a expressão e a intenção: possibilidades de construção narrativa através da transcriação em história oral Entre a expressão e a intenção: possibilidades de construção narrativa através da transcriação em história oral Marcela Boni Evangelista Mestre em História Social Departamento de História - USP Núcleo

Leia mais

Historia das relações de gênero

Historia das relações de gênero STEARNS, P. N. Historia das relações de gênero. Trad. De Mirna Pinsky. Sao Paulo: Contexto, 2007. 250p. Suellen Thomaz de Aquino Martins Santana 1 Historia das relações de gênero aborda as interações entre

Leia mais

Diálogo em sala de aula de Matemática: uma forma de comunicação na cooperação investigativa

Diálogo em sala de aula de Matemática: uma forma de comunicação na cooperação investigativa Diálogo em sala de aula de Matemática: uma forma de comunicação na cooperação investigativa Dialogue in the Mathematics classroom: a way of communication in the investigative cooperation Edmilson Minoru

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DAS CONTRIBUIÇÕES DE MALINOWSKI PARA A PESQUISA DE CAMPO EM CIÊNCIAS SOCIAIS

REFLEXÕES ACERCA DAS CONTRIBUIÇÕES DE MALINOWSKI PARA A PESQUISA DE CAMPO EM CIÊNCIAS SOCIAIS REFLEXÕES ACERCA DAS CONTRIBUIÇÕES DE MALINOWSKI PARA A PESQUISA DE CAMPO EM CIÊNCIAS SOCIAIS Marlon Leal RODRIGUES NEAD/UEMS/UFMS/UNICAMP Antonio Carlos Santana de SOUZA NEC/UEMS Escrever acerca de Malinowski,

Leia mais

A PROFUSÃO DE IMAGENS EM AS MENINAS DE DIEGO VELÁSQUEZ

A PROFUSÃO DE IMAGENS EM AS MENINAS DE DIEGO VELÁSQUEZ A PROFUSÃO DE IMAGENS EM AS MENINAS DE DIEGO VELÁSQUEZ JOÃO MARIA CLAUDINO UFRN O mundo se faz de imagens. Imagens de representação, imagens além da representação, além da referência e além da estética.

Leia mais

Os Sete Termos Sinônimos de Deus Satisfazem a Necessidade que o Mundo Tem de um Novo Sistema de Referência

Os Sete Termos Sinônimos de Deus Satisfazem a Necessidade que o Mundo Tem de um Novo Sistema de Referência Os Sete Termos Sinônimos de Deus Satisfazem a Necessidade que o Mundo Tem de um Novo Sistema de Referência Joel Jessen Traduzido para o Português do Brasil por Guita R. Herman a partir da versão inglesa

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PESQUISA: O CURRÍCULO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA BAIXADA FLUMINENSE (FEBF): QUAL O LUGAR DA DIFERENÇA?

REFLEXÕES SOBRE A PESQUISA: O CURRÍCULO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA BAIXADA FLUMINENSE (FEBF): QUAL O LUGAR DA DIFERENÇA? REFLEXÕES SOBRE A PESQUISA: O CURRÍCULO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA BAIXADA FLUMINENSE (FEBF): QUAL O LUGAR DA DIFERENÇA? Renata Leite de Oliveira. Orientadora: Prof. Dr. Talita Vidal

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

Filosofia da natureza, Teoria social e Ambiente Ideia de criação na natureza, Percepção de crise do capitalismo e a Ideologia de sociedade de risco.

Filosofia da natureza, Teoria social e Ambiente Ideia de criação na natureza, Percepção de crise do capitalismo e a Ideologia de sociedade de risco. VI Encontro Nacional da Anppas 18 a 21 de setembro de 2012 Belém - PA Brasil Filosofia da natureza, Teoria social e Ambiente Ideia de criação na natureza, Percepção de crise do capitalismo e a Ideologia

Leia mais

(RE)SIGNIFICANDO O PROTAGONISMO DA PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM AULAS DE MATEMÁTICA RESUMO

(RE)SIGNIFICANDO O PROTAGONISMO DA PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM AULAS DE MATEMÁTICA RESUMO (RE)SIGNIFICANDO O PROTAGONISMO DA PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM AULAS DE MATEMÁTICA Dione Lucchesi de Carvalho Professora da Universidade Estadual de Campinas SP RESUMO Este artigo foi escrito buscando

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana

ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana 93 ISSN - 1517-7807 9!BLF@FB:VWOOUWoYdZh outubro 2013 Que a saúde se difunda sobre a terra Escatologia e Exercícios Espirituais Pedro Arrupe, homem de Deus 1

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DE LÍNGUAS

INTERPRETAÇÃO DE LÍNGUAS 1 INTERPRETAÇÃO DE LÍNGUAS OBJETIVO. 7 A manifestação do Espírito é concedida a cada um visando a um fim proveitoso. 8 Porque a um é dada, mediante o Espírito, a palavra da sabedoria; e a outro, segundo

Leia mais

Sal da TERRA e luz do MUNDO

Sal da TERRA e luz do MUNDO Sal da TERRA e luz do MUNDO Sal da terra e luz do mundo - jovens - 1 Apresentação pessoal e CMV Centro Missionário Providência Canto: vós sois o sal da terra e luz do mundo... MOTIVAÇÃO: Há pouco tempo

Leia mais

BICCA, Luiz. Racionalidade Moderna e Subjetividade. Edições Loyola, São Paulo, 1997.

BICCA, Luiz. Racionalidade Moderna e Subjetividade. Edições Loyola, São Paulo, 1997. BICCA, Luiz. Racionalidade Moderna e Subjetividade. Edições Loyola, São Paulo, 1997. Capítulo 7 Racionalidade moderna e subjetividade... subjetividade é o indicador ou denominador excelente para a época

Leia mais

A Busca. Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas. Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas. encontrar uma trama em comum?

A Busca. Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas. Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas. encontrar uma trama em comum? A Busca Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas em livros e filmes podemos encontrar uma trama em comum? Alguém, no passado, deixouse

Leia mais

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência.

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência. QUESTÃO 01 Em Platão, as questões metafísicas mais importantes e a possibilidade de serem solucionadas estão vinculadas aos grandes problemas da geração, da corrupção e do ser das coisas. Para Platão,

Leia mais

A CATEGORIA DE PESSOA NO TEXTO JORNALÍSTICO: UMA ANÁLISE DA SUBJETIVIDADE NA LINGUAGEM

A CATEGORIA DE PESSOA NO TEXTO JORNALÍSTICO: UMA ANÁLISE DA SUBJETIVIDADE NA LINGUAGEM 1 A CATEGORIA DE PESSOA NO TEXTO JORNALÍSTICO: UMA ANÁLISE DA SUBJETIVIDADE NA LINGUAGEM Keila de Quadros Schermack Universidade de Passo Fundo/UPF keila.quadros@terra.com.br Mestrado em Letras RESUMO:

Leia mais

Novas Tendências na Educação para o Trabalho. UnB/FE/NEPET Profª Olgamir F. de Carvalho

Novas Tendências na Educação para o Trabalho. UnB/FE/NEPET Profª Olgamir F. de Carvalho Novas Tendências na Educação para o Trabalho UnB/FE/NEPET Profª Olgamir F. de Carvalho - Identifica-se consensualmente a informação, o conhecimento e as tecnologias de informação, como elementos fundamentais

Leia mais

Provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do ensino superior para maiores de 23 anos Português/Língua

Provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do ensino superior para maiores de 23 anos Português/Língua Provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do ensino superior para maiores de 23 anos Português/Língua Grupo I Revisão de um texto com erros de língua e de ortografia

Leia mais

X I C O N G R E S S O B R A S I L E I R O D E S O C I O L O G I A G R U P O D E T R A B A L H O : P E N S A M E N T O S O C I A L N O B R A S I L

X I C O N G R E S S O B R A S I L E I R O D E S O C I O L O G I A G R U P O D E T R A B A L H O : P E N S A M E N T O S O C I A L N O B R A S I L X I C O N G R E S S O B R A S I L E I R O D E S O C I O L O G I A 1 A 5 D E S E T E M B R O D E 2 0 0 3, U N I C A M P, C A M P I N A S, S P G R U P O D E T R A B A L H O : P E N S A M E N T O S O C I

Leia mais

FATORES ESTRATÉGICOS NA CONSTRUÇÃO DE TEXTOS: ANÁLISE DAS REDAÇÕES DO VESTIBULAR DA UNIJUÍ 1. Rosita Da Silva Santos 2.

FATORES ESTRATÉGICOS NA CONSTRUÇÃO DE TEXTOS: ANÁLISE DAS REDAÇÕES DO VESTIBULAR DA UNIJUÍ 1. Rosita Da Silva Santos 2. FATORES ESTRATÉGICOS NA CONSTRUÇÃO DE TEXTOS: ANÁLISE DAS REDAÇÕES DO VESTIBULAR DA UNIJUÍ 1 Rosita Da Silva Santos 2. 1 Projeto de Pesquisa do Curso de Letras, do Grupo de Pesquisa Interdisciplinar de

Leia mais

1.1. O que é a Filosofia? Uma resposta inicial. (Objetivos: Conceptualizar, Argumentar, Problematizar)

1.1. O que é a Filosofia? Uma resposta inicial. (Objetivos: Conceptualizar, Argumentar, Problematizar) INICIAÇÃO À ATIVIDADE FILOSÓFICA 1.1. O que é a Filosofia? Uma resposta inicial (Objetivos: Conceptualizar, Argumentar, Problematizar) As primeiras perguntas de qualquer estudante, ao iniciar o seu estudo

Leia mais

O REGIME DE TRIBUTAÇÃO APLICÁVEL ÀS EMPRESAS GRÁFICAS

O REGIME DE TRIBUTAÇÃO APLICÁVEL ÀS EMPRESAS GRÁFICAS O REGIME DE TRIBUTAÇÃO APLICÁVEL ÀS EMPRESAS GRÁFICAS 1. DO OBJETO DO ESTUDO Trata o presente artigo a respeito dos tributos aos quais as empresas gráficas encontram-se obrigadas a recolher, levando-se

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

ESTRUTURA DO TIID 2010

ESTRUTURA DO TIID 2010 ESTRUTURA DO TIID 2010 7. Anexos c 7. A ficha de entrevista, agora com as respostas, deve ser apresentada como anexo, após as referências bibliográficas. 6. Referências Bibliográficas 6. As referências

Leia mais

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Eveline Mattos Tápias-Oliveira Vera Lúcia Batalha de Siqueira Renda Maria do Carmo Souza de Almeida Maria de

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

Jesus tomou os Pães, deu graças e distribuiu-os aos que estavam sentados, assim como os peixes

Jesus tomou os Pães, deu graças e distribuiu-os aos que estavam sentados, assim como os peixes 17º DOMINGO DO TEMPO COMUM 26 de julho de 2015 Jesus tomou os Pães, deu graças e distribuiu-os aos que estavam sentados, assim como os peixes Leituras: Segundo Livro dos Reis 4, 42-44; Salmo 144 (145),

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

Recensões. Os Fundadores das Grandes Religiões

Recensões. Os Fundadores das Grandes Religiões Recensões Os Fundadores das Grandes Religiões Recensão do Livro Os Fundadores das Grandes Religiões, de Emma Brunner-Traut (Org.) (Petrópolis: Editora Vozes, 1999. 254 p.) Não há dúvida de que o interesse

Leia mais

Marketing etnográfico

Marketing etnográfico MARKETING Marketing etnográfico Aetnografia pode oferecer ao marketing um rico instrumental para o mapeamento do universo simbólico e das práticas de consumo. Sua eficiência será maior se utilizada segundo

Leia mais

A partir das palavras do psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, quais sejam:

A partir das palavras do psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, quais sejam: Neiruaitt Norberto de Sousa A partir das palavras do psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, quais sejam: O inconsciente é a história não escrita do homem a partir de épocas imemoriais, podemos dizer que: O

Leia mais

Considerações sobre As Formas Elementares da Vida Religiosa, de Émile Durkheim: contribuições e polêmicas.

Considerações sobre As Formas Elementares da Vida Religiosa, de Émile Durkheim: contribuições e polêmicas. Considerações sobre As Formas Elementares da Vida Religiosa, de Émile Durkheim: contribuições e polêmicas. Prof. Dr. Edimilson Antonio Bizelli PUC-SP I - Introdução. Este artigo não tem a pretensão de

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE CATAGUASES - FIC /UNIS CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL

FACULDADES INTEGRADAS DE CATAGUASES - FIC /UNIS CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL FACULDADES INTEGRADAS DE CATAGUASES - FIC /UNIS CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: INCLUIR E SER INCLUÍDO PARA TRANSFORMAR A SOCIEDADE

Leia mais

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho Guilherme Argenta Souza Ceres Helena Ziegler Bevilaqua UFSM A obra Chapeuzinho Vermelho é um clássico da literatura universal, apreciada por

Leia mais

A LEITURA E A ESCRITA NO PRIMEIRO E SEGUNDO CICLO DO ENSINO FUNDAMENTAL

A LEITURA E A ESCRITA NO PRIMEIRO E SEGUNDO CICLO DO ENSINO FUNDAMENTAL A LEITURA E A ESCRITA NO PRIMEIRO E SEGUNDO CICLO DO ENSINO FUNDAMENTAL Maria Oneide Lino da Silva¹ (Unidade Escolar Nair Gonçalves) GT 04 Alfabetização, Leitura e Escrita INTRODUÇÃO No inicio dos anos

Leia mais

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ANGELO JOSÉ SANGIOVANNI - Professor da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR)/CAMPUS II FAP) Email: ajsangiovanni@yahoo.com.br Resumo: A partir da análise da tragédia antiga,

Leia mais

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA CARACTERIZAÇÃO DO GÊNERO DA DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA UM ESTUDO COM A REVISTA SUPERINTERESSANTE Alexandre Pereira dos Santos (UFRRJ) alexandre.sp10@hotmail.com Mário Newman de Queiroz (UFRRJ) mcnqsofocles@terra.com.br

Leia mais

ESCREVER E PESQUISAR: UMA EXPERIÊNCIA PARA O EXERCÍCIO DA AUTORIA NA GRADUAÇÃO

ESCREVER E PESQUISAR: UMA EXPERIÊNCIA PARA O EXERCÍCIO DA AUTORIA NA GRADUAÇÃO Resumo ESCREVER E PESQUISAR: UMA EXPERIÊNCIA PARA O EXERCÍCIO DA AUTORIA NA GRADUAÇÃO GRAZZIOTIN, Paula Clarice UNIPLAC paulaclarice@gmail.com ixo temático: Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência

Leia mais

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências Prof. Nelson Luiz Reyes Marques O que é ciência afinal? O que é educação em ciências? A melhor maneira

Leia mais

O texto a seguir é referência para as questões 01 e 02.

O texto a seguir é referência para as questões 01 e 02. Comentário Geral Foi uma boa prova! A UFPR manteve o bom nível das questões e manteve também sua qualidade. Apresentou-se uma prova que foi além do conhecimento básico dos textos aludidos. Exigiu-se boa

Leia mais

O Deus testemunhado por Jesus Cristo o Pai. Objetivos 12/4/2012. Identidade e relevância da cristologia. Cláudio Ribeiro

O Deus testemunhado por Jesus Cristo o Pai. Objetivos 12/4/2012. Identidade e relevância da cristologia. Cláudio Ribeiro O Deus testemunhado por Jesus Cristo o Pai Cláudio Ribeiro Objetivos Avaliar a doutrina de Trindade suas raízes, premissas fundamentais, ênfases e mudanças no contexto global da história da Igreja e as

Leia mais

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa.

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa. REPRESENTAÇÃO MASCULINA NA PUBLICIDADE BRASILEIRA: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ARGUMENTATIVO Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: A publicidade, assim como

Leia mais

Fazer um Jornal Escolar. O que preciso saber?

Fazer um Jornal Escolar. O que preciso saber? Fazer um Jornal Escolar O que preciso saber? 1 Primeira página irresistível DICAS 6 Textos bem escritos 2 3 4 5 Grafismo atrativo Títulos apelativos Temas diversificados Géneros Jornalísticos variados

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO Joelma Aparecida Bressanin 1 Este trabalho é resultado de uma reflexão sobre o funcionamento dos programas de formação continuada de professores que desenvolvemos

Leia mais

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991.

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991. RESENHA AGOSTINHO, Márcio Roberto Mestre em Ciências da Religião MACKENZIE SÃO PAULO/SP BRASIL Coordenador do Curso de Psicologia - FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: casteloagostinho@yahoo.com.br 1. Indentidade

Leia mais

NAVEGAR É MAIS QUE PRECISO: O RIGOR NAS PESQUISAS QUALITATIVAS

NAVEGAR É MAIS QUE PRECISO: O RIGOR NAS PESQUISAS QUALITATIVAS NAVEGAR É MAIS QUE PRECISO: O RIGOR NAS PESQUISAS QUALITATIVAS ALCIDES LEÃO SANTOS JÚNIOR 146 PIMENTEL, Álamo Gonçalves; GALEFFI, Dante; MACÊDO, Roberto Sidnei. UM RIGOR OUTRO: a questão da qualidade na

Leia mais

- A palavra combinada em ora~ao(oes) - sintaxe. latina. Nossos primeiros gramaticos optam por descrever

- A palavra combinada em ora~ao(oes) - sintaxe. latina. Nossos primeiros gramaticos optam por descrever CLAUDI 0 PUC/Sp CAMPOS - A palavra isolada - morfologia - A palavra combinada em ora~ao(oes) - sintaxe. - Considera~oes Nossa gramatica originou-se da gramatica latina. Nossos primeiros gramaticos optam

Leia mais

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia Carlos Gustavo Monteiro Cherri Mestrando em Filosofia pela UFSCar gucherri@yahoo.com.br

Leia mais

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos?

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? BLOCO 8 Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? Texto 23: Práticas de escrita orientações didáticas Fonte: Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - Volume 3 / Conhecimento do

Leia mais

AGOSTINHO, TEMPO E MEMÓRIA

AGOSTINHO, TEMPO E MEMÓRIA AGOSTINHO, TEMPO E MEMÓRIA Fábio de Araújo Aluno do Curso de Filosofia Universidade Mackenzie Introdução No decorrer da história da filosofia, muitos pensadores falaram e escreveram há cerca do tempo,

Leia mais

O Jornalista como divulgador das informações científicas: o caso do Programa Vida & Saúde

O Jornalista como divulgador das informações científicas: o caso do Programa Vida & Saúde O Jornalista como divulgador das informações científicas: o caso do Programa Vida & Saúde Resumo Priscila Mathias Rosa ¹ Paula Regina Puhl² Universidade Feevale, Novo Hamburgo, RS O artigo trata de que

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0373 PROCESSOS DE CONSTRUÇÃO COLABORATIVA DA ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO

Leia mais

DOURANDO A PÍLULA OS DISPOSITIVOS DE MEDICALIZAÇÃO E A ESCOLARIZAÇÃO: ESTARIA O BENEFICIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA PRODUZINDO A NÃO ESCOLARIZAÇÃO?

DOURANDO A PÍLULA OS DISPOSITIVOS DE MEDICALIZAÇÃO E A ESCOLARIZAÇÃO: ESTARIA O BENEFICIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA PRODUZINDO A NÃO ESCOLARIZAÇÃO? DOURANDO A PÍLULA OS DISPOSITIVOS DE MEDICALIZAÇÃO E A ESCOLARIZAÇÃO: ESTARIA O BENEFICIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA PRODUZINDO A NÃO ESCOLARIZAÇÃO? Marco Aurélio Freire Ferraz UFRGS\FACED\PPGEDU Os antigos

Leia mais