Uso Intensivo da Ferramenta A3 na Manufatura e Logística

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uso Intensivo da Ferramenta A3 na Manufatura e Logística"

Transcrição

1 VIII Congresso de Sistemas Lean Em busca da excelência do fluxo de valor Uso Intensivo da Ferramenta A3 na Manufatura e Logística Yendison da Silva Oliveira Docol Metais Sanitários 29 e 30 de junho Florianópolis - Mercure Convention Hotel

2

3

4

5

6

7 VIII Congresso de Sistemas Lean Em busca da excelência do fluxo de valor 29 e 30 de junho Florianópolis - Mercure Convention Hotel

8 Jornada Lean DOCOL Treinamento grupo inicial 21 pessoas 2004 Conclusão célula piloto Redesenho montagens e kanban 2005 Redesenho montagens, Kanban e Lean Office RH 2006 Fundição Lean Office Suprimentos 2007 Metodologia Gemba Kaizen; VSD (Value Stream Design) 2010 Fluxo total de Atendimento 2011 até 2015

9 Jornada Lean DOCOL Projeto flow, GMD, Six Sigma, Sistema de Gestão, Análise e Solução de Problemas Monitorame nto OEE Manutenção Autônoma 2015 Redesenho de processos administrativos 2016 Programa de formação de champions , 2014

10 Ferramentas Lean TRF ANÁLISE DE PROBLEMAS TPM GRUPOS DE MELHORIA FERRAMENTAS LEAN KANBAN KAIZEN MFV GV

11 Processo de elaboração do A3 Diagnóstico da área Análise dos indicadores Levantamento de oportunidades Definição dos Projetos Definição dos responsáveis Estruturação do A3 Validação das etapas do A3 Execução do plano de ação Acompanhamento dos gestores Apresentação do projeto

12 Grupos de melhoria Docol Equipes focadas e multi setoriais; Liderança dos projetos por todos os cargos; Treinamento da ferramenta para o operacional; Ferramenta de fácil utilização em excel; Validação dos projetos (Nemawashi); Ferramentas de monitoramento dos planos; Acompanhamento dos resultados mensuráveis.

13 Exemplo 1 29 e 30 de junho Florianópolis - Mercure Convention Hotel

14 Não ultrapassar o valor orçado/mês na conta de embalagens. 29 e 30 de junho Florianópolis - Mercure Convention Hotel Exemplo 1 1.Requisitos do Projeto 2. SITUAÇÃO ATUAL Reduzir em 15% as despesas com embalagens no CD * A conta de embalagem está com 11% acima do orçado até o mês de Agosto de *em média R$15,19/pedido embalado no CD. *em média R$ 0,127/item embalado no CD. 3. SITUAÇÃO ALVO Reduzir o custo de embalagem por pedido preparado no CD, alcançando no máximo R$ 12,92/pedido. Reduzir o cuto médio por item embalado no CD para R$0,11/item.

15 Exemplo 1 1 Fazer uma revisão nos itens que vêm da fábrica em caixa máster para verificar se é necessário que venham em caixas. Jacson 05/10/ /03/2018 OK A caixa modelo P foi eliminada do estoque, com a previsão de ganho anual de R$ 7.500,00 Treinar os operadores do CD, sobre a importância de 2 maximizar o uso das caixas, visando a economia, mas não Danilo 10/10/ /12/2017 x OK # esquecendo da integridade dos produtos. O QUE QUEM DATA INICIAL DATA FINAL OK? 3 Treinar os operadores na reutilização de caixas para fábrica Jacson 10/10/ /11/2017 x OK e implantar um sistema de auditoria nos pedidos Desenvolver e implantar um sistema de auditoria nos pedidos 4 para verificar se o consumo das caixas estão de acordo com o Luciano 15/10/ /03/2018 x OK 4 para tamanho verificar dos pedidos. se o consumo das caixas estão de acordo com o Luciano 15/10/ /03/2018 x Foram criados dois novos modelos de caixas com Desenvolver novos modelos de embalgens com menores 5tamanho Lucas 05/11/ /01/2018 X OK menores dimensões, previsão de ganho anual de R$ custos dos pedidos. R$ ,00 Trocada a madeira do pallet, de pinus > eucalipto, pallet com menor custo que atenda a necessidade 6 Desenvolver novos modelos de embalgens Graziela com menores 18/10/ /03/2018 x OK redução de 32 % no valor, previsão de ganho anual 5 da Docol Lucas de 05/11/2017 R$ /01/2018 X # O QUE QUEM DATA INICIAL DATA FINAL OK? 7 Criar uma meta de acompanhamento do consumo de embalagem que seja relativo a uma variável Jacson 05/10/ /01/2018 x OK 8 Reduzir o valor de compra das caixas modelo F, G, B, I e J Lucas 09/10/ /12/2017 x OK 9 Detalhar os itens que são requisitados na conta de embalagem e criar ação de redução para os itens que mais impactam. Jacson 09/10/ /11/2017 x ok 10 Criar um indicador de consumo de caixa por operador no CD Danilo 01/11/ /01/2018 x CANCELADO 11 Reduzir o valor de compra do papel Kraft Graziela 21/11/ /03/2018 x OK 12 Reduzir o valor de compra do filme stretch Graziela 21/11/ /01/2018 x OK Desenvolver uma embalagem mais econômica para pedidos 13 de funcinários custos Desenvolver pallet com menor custo que atenda a necessidade da Docol Criar uma meta de acompanhamento do consumo de embalagem que seja relativo a uma variável Desenvoler uma embalagem mais econômica para pedidos de e -commerce Desenvoler uma embalagem mais econômica para pedidos de exportação (Cliente Jaquar) Desenvoler uma embalagem mais econômica para pedidos de e -commerce CANCEL? SITUAÇÃO Danilo 20/11/ /12/2017 x OK Danilo 01/10/ /03/2018 x OK Danilo 30/01/ /04/2018 x OK OBS valor/item embalado - R$ considerando requisições feitas pelo CD e R$ consideranto requisições no geral (alinhado com a situação alvo do projeto, em reduzir 15%) Graziela 18/10/ /03/2018 x Redução média de 8,2% no valor. Previsão de ganho anual R$ Itens que serão trabalhados para redução do custo de compra: Caixas máster modelos F, G, H, pallets, papel kraft, filme plástico Jacson 05/10/ /01/2018 x Redução de 16% no valor, previsão de ganho anual de R$ Pedidos de funcionários estão sendo embalados em sacolas plásticas, com previsão de ganho anual de R$ 3.000,00 Embalagem já foi testada, está em fase de adequação às solicitações do cliente. (especificações) Danilo 30/01/ /04/2018 x

16 Exemplo 1 5. INDICADORES R$ ,00 ORÇADO/REALIZADO R$ 0,080 R$ ITEM EMBALADO/VALOR REQUISITADO CD R$ ,00 R$ ,40 R$ 0,070 R$ 0,069 R$ ,00 R$ ,21 R$ ,31 R$ ,93 R$ ,26 R$ ,09 R$ ,14 R$ ,14 R$ 0,060 R$ 0,063 R$ 0,060 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,96 R$ ,31 R$ ,98 R$ ,54 R$ 0,050 R$ 0,053 R$ 0,053 R$ 0,053 R$ 0,053 R$ 0,053 R$ 0,053 R$ 0,045 R$ 0,045 R$ 0,042 ORÇADO R$ 0,040 VALOR/ITEM EMBALADO R$ ,00 REALIZADO META R$ 0,030 R$ ,00 R$ ,00 R$ 0,020 R$ ,00 R$ 0,010 R$ 0,00 DEZ JAN FEV MAR ABR MAI R$ 0,000 AGO SET OUT NOV DEZ JAN

17 Exemplo 2 29 e 30 de junho Florianópolis - Mercure Convention Hotel

18 Exemplo 2 1.Requisitos do Projeto Reduzir em 45% o indice de não qualidade (conforme acumulado de 01/17 a 04/17 do setor Usinagem Transfer)

19 Exemplo 2 2. SITUAÇÃO ATUAL Indice acumulado com 38% acima da meta atual. 3. SITUAÇÃO ALVO Baixar indice de não qualidade, tendo como nova meta 1,4%, reduzindo 10% da meta atual que é de 1,54%.

20 Melhor 29 e 30 de junho Florianópolis - Mercure Convention Hotel Exemplo 2 5. INDICADORES 3,00% 2,50% 2,00% 1,50% 1,00% 0,50% 0,00% Indice de Não Qualidade CC ,54% 1,40% Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Real Nova Meta Meta

21 Acompanhamento Gerenciamento Visual de Ideias Área: PROJETOS LOGÍSTICA A3/GMD/6 SIGMA/PROJETO Responsável Data Registro Data Prazo Status Verificação da Conclusão

22 Grupos de melhoria Docol 29 e 30 de junho Florianópolis - Mercure Convention Hotel

23 A3 Elaborados na Docol

24 Resultado Indicadores Docol (fábrica III) A melhora deste indicador entre 2013 e 2018 equivale a R$ 3 milhões/ano O incremento da produtividade no período equivale à 120 operadores

25 Pesquisa ANAMACO Empresa 1 Docol Empresa 3 Empresa 4

26 Yendison da Silva Oliveira MUITO OBRIGADO! Gerente de Logística da Docol Metais Sanitários

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE CURSOS ABERTOS 1º SEMESTRE

PROGRAMAÇÃO DE CURSOS ABERTOS 1º SEMESTRE ÇÃO DE CURSOS ABERTOS 1º SEMESTRE - 2014 Título Carga horária Jan Fev Mar Abr Mai Jun ISO 9001:2008 Interpretação de requisitos 1 dia 08 horas Dia 21 Formação Green Belt Lean Six Sigma 8 dias 80 horas

Leia mais

DELEGACIA REGIONAL TRIBUTÁRIA DE

DELEGACIA REGIONAL TRIBUTÁRIA DE Fatores válidos para recolhimento em 01/08/2016 JANEIRO 3,3714 3,2396 3,0166 2,8566 2,6932 2,5122 2,3076 2,1551 1,9790 1,8411 1,7203 1,5947 FEVEREIRO 3,3614 3,2158 3,0021 2,8464 2,6807 2,4939 2,2968 2,1429

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-46/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-46/12 JANEIRO 2,7899 2,6581 2,4351 2,2751 2,1117 1,9307 1,7261 1,5736 1,3975 1,2596 1,1388 1,0132 FEVEREIRO 2,7799 2,6343 2,4206 2,2649 2,0992 1,9124 1,7153 1,5614 1,3860 1,2496 1,1288 1,0032 MARÇO 2,7699 2,6010

Leia mais

GDOC INTERESSADO CPF/CNPJ PLACA

GDOC INTERESSADO CPF/CNPJ PLACA Fatores válidos para recolhimento em 01/02/2017 JANEIRO 3,4634 3,3316 3,1086 2,9486 2,7852 2,6042 2,3996 2,2471 2,0710 1,9331 1,8123 1,6867 FEVEREIRO 3,4534 3,3078 3,0941 2,9384 2,7727 2,5859 2,3888 2,2349

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

Transformação Lean Através de Kaizens

Transformação Lean Através de Kaizens VIII Congresso de Sistemas Lean Em busca da excelência do fluxo de valor Transformação Lean Através de Kaizens A Revitalização do Sistema Marcopolo de Produção Solidária SIMPS 29 e 30 de junho Florianópolis

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

Indicadores P&D ( Agosto )

Indicadores P&D ( Agosto ) PESQUISA E DESENVOLVIMENTO Indicadores P&D 2016 ( Agosto ) Variação do Custo dos produtos base dez 2015 (%) PESQUISA E DESENVOLVIMENTO Variação do custo ao decorrer do ano 35 30 25 20 15 10 5 0-5 -10-15

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

ALBUM DE FORMAÇÃO 2011

ALBUM DE FORMAÇÃO 2011 AGENDA FORMAÇÃO INTER 2011 ALBUM DE FORMAÇÃO 2011 AGENDA FORMAÇÃO INTER 2011 ALBUM DE FORMAÇÃO 2011 ÁREAS DE FORMAÇÃO 1 2 DESENVOLVIMENTO PESSOAL & COMPORTAMENTAL GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS 3 FINANÇAS,

Leia mais

Série 34 E 35 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-14

Série 34 E 35 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-14 31-jan-14 a - Juros 6.691.919,50 a - Juros 1.672.979,81 b - Amortização 3.757.333,97 b - Amortização 939.333,65 a - Saldo atual dos CRI Seniors (984.936.461,48) b - Saldo atual dos CRI Junior (246.234.105,79)

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

RECALL SMITHS LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE

RECALL SMITHS LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE DOCUMENTO 2 LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE 100.105.025 644425 10 10 fev/05 fev/10 9660 10/10/2005 13/10/2005

Leia mais

Seis Sigma Otimização dos custos. ALBERTO PEZEIRO Sócio-Fundador e CEO pezeiro@setadg.com.br 11 98110-0026

Seis Sigma Otimização dos custos. ALBERTO PEZEIRO Sócio-Fundador e CEO pezeiro@setadg.com.br 11 98110-0026 Seis Sigma Otimização dos custos ALBERTO PEZEIRO Sócio-Fundador e CEO pezeiro@setadg.com.br 11 98110-0026 1 Foco nos Processos torna a prestação dos serviços mais eficiente e isso reflete para o consumidor

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROJETO MASPP NA REGIÃO DA GRANDE VITÓRIA

IMPLANTAÇÃO DO PROJETO MASPP NA REGIÃO DA GRANDE VITÓRIA IMPLANTAÇÃO DO PROJETO MASPP NA REGIÃO DA GRANDE VITÓRIA FRANCINE DOELINGER Coordenadora da Implantação do Projeto MASP-P Coordenadora do Comitê de Perdas da RGV Perdas de Água Problema Empresarial Problema

Leia mais

LOGÍSTICA LEAN APLICADA EM DISTRIBUIÇÃO DE COMBUSTÍVEIS

LOGÍSTICA LEAN APLICADA EM DISTRIBUIÇÃO DE COMBUSTÍVEIS LOGÍSTICA LEAN APLICADA EM DISTRIBUIÇÃO DE COMBUSTÍVEIS APRESENTAÇÃO DA TOTAL COMBUSTÍVEIS LOGÍSTICA LEAN APLICADA EM DISTRIBUIÇÃO DE COMBUSTÍVEIS RESULTADOS DO PROJETO COMO ESTAMOS HOJE APRENDIZADO E

Leia mais

Transformação Lean através de Kaizens A Revitalização do Sistema Marcopolo de Produção Solidária - SIMPS. Alex Etevaldo da Silva

Transformação Lean através de Kaizens A Revitalização do Sistema Marcopolo de Produção Solidária - SIMPS. Alex Etevaldo da Silva Transformação Lean através de Kaizens A Revitalização do Sistema Marcopolo de Produção Solidária - SIMPS Alex Etevaldo da Silva Alex Etevaldo da Silva Engenheiro Mecânico, MBA em Gestão de Negócios e Finanças

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE CONCEITOS DE MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL PARA EQUIPAMENTOS DE PERFURAÇÃO DE ESTACA RAIZ E SOLO GRAMPEADO.

IMPLANTAÇÃO DE CONCEITOS DE MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL PARA EQUIPAMENTOS DE PERFURAÇÃO DE ESTACA RAIZ E SOLO GRAMPEADO. IMPLANTAÇÃO DE CONCEITOS DE MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL PARA EQUIPAMENTOS DE PERFURAÇÃO DE ESTACA RAIZ E SOLO GRAMPEADO Estudo de caso Máxima eficiência dos processos. Maximizar ciclo de vida útil dos equipamentos.

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA CONTRATO 07/2013 EXERCÍCIO 2013 jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 Número da Nota Fiscal emitida - - - - - - 92 99 110 121/133-157 - - Depósitos realizados

Leia mais

Sem fronteiras para o conhecimento. Programa Formação Especialista Lean Manufacturing

Sem fronteiras para o conhecimento. Programa Formação Especialista Lean Manufacturing 1 Sem fronteiras para o conhecimento Programa Formação Especialista Lean Manufacturing Seja um Especialista Lean O Lean Manufacturing é uma filosofia de gestão que busca reduzir desperdícios enquanto aumenta

Leia mais

Institutos SENAI de Tecnologia e Inovação

Institutos SENAI de Tecnologia e Inovação Institutos SENAI de Tecnologia e Inovação INSTITUTOS SENAI DE TECNOLOGIA E DE INOVAÇÃO EM SANTA CATARINA Laser Sistemas de Manufatura Eletroeletrônica Logística Ambiental Alimentos e Bebidas Têxtil, vestuário

Leia mais

PRODUÇÃO: o nível de produção do mês passado, em relação ao mesmo mês do ano anterior, ficou:

PRODUÇÃO: o nível de produção do mês passado, em relação ao mesmo mês do ano anterior, ficou: PRODUÇÃO: o nível de produção do mês passado, em relação ao mesmo mês do ano anterior, ficou: 78% Abaixo 49,0% 49,2% 35,1% 30,3% 31,3% 27,7% 26,5% 25,8% 27,0% 25,4% 22,9% 24,2% 24,3% 20,5% 19,7% 22,4%

Leia mais

FACHESF. Acompanhamento do Desempenho dos Investimentos da Fachesf. outubro/2017

FACHESF. Acompanhamento do Desempenho dos Investimentos da Fachesf. outubro/2017 FACHESF Acompanhamento do Desempenho dos Investimentos da Fachesf EVOLUÇÃO DOS INVESTIMENTOS CONSOLIDADOS 5,93% em R$ milhões 6.195 6.562 5.807 5.125 5.382 5.553 4.323 4.651 2010 2011 2012 2013 2014 2015

Leia mais

FACHESF. Acompanhamento do Desempenho dos Investimentos da Fachesf. dezembro/2017

FACHESF. Acompanhamento do Desempenho dos Investimentos da Fachesf. dezembro/2017 FACHESF Acompanhamento do Desempenho dos Investimentos da Fachesf EVOLUÇÃO DOS INVESTIMENTOS CONSOLIDADOS 6,29% em R$ milhões 6.195 6.585 5.807 5.125 5.382 5.553 4.323 4.651 2010 2011 2012 2013 2014 2015

Leia mais

Desenvolvimento de Compósito de Plástico com Madeira para Reutilização das MPEs do APL de Móveis de Arapongas

Desenvolvimento de Compósito de Plástico com Madeira para Reutilização das MPEs do APL de Móveis de Arapongas Chamada Pública MCT/ FINEP/ SEBRAE Ação Transversal Cooperação ICTs MPEs 04/20057 Desenvolvimento de Compósito de Plástico com Madeira para Reutilização das MPEs do APL de Móveis de Arapongas Objetivo:

Leia mais

COMO DESENVOLVER O FLUXO NA PRODUÇÃO E A LOGÍSTICA INTERNA COM FOCO NA EFICIÊNCIA

COMO DESENVOLVER O FLUXO NA PRODUÇÃO E A LOGÍSTICA INTERNA COM FOCO NA EFICIÊNCIA COMO DESENVOLVER O FLUXO NA PRODUÇÃO E A LOGÍSTICA INTERNA COM FOCO NA EFICIÊNCIA Objetivos Sensibiliza para a importância da melhoria contínua, introduzindo aos participantes os principais conceitos Kaizen

Leia mais

Otimizando a Gestão de Estoques

Otimizando a Gestão de Estoques Otimizando a Gestão de Estoques Curso de Gestão de Estoques Descontrole de estoques é um problema crônico da grande maioria das empresas de Bens de Consumo. Enquanto alguns produtos faltam, outros sobram.

Leia mais

Vênus Em Aquário 25 Dez 1939. Vênus Em Peixes 18 Jan 1940. Vênus Em Áries 12 Fev 1940. Vênus Em Touro 8 Mar 1940. Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940

Vênus Em Aquário 25 Dez 1939. Vênus Em Peixes 18 Jan 1940. Vênus Em Áries 12 Fev 1940. Vênus Em Touro 8 Mar 1940. Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940 Vênus Em Aquário 25 Dez 1939 Vênus Em Peixes 18 Jan 1940 Vênus Em Áries 12 Fev 1940 Vênus Em Touro 8 Mar 1940 Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940 Vênus Em Câncer 6 Maio 1940 Vênus Em Gêmeos 5 Jul 1940 Vênus Em

Leia mais

PNDM Programa Nacional de Desenvolvimento de Mercado

PNDM Programa Nacional de Desenvolvimento de Mercado PNDM Programa Nacional de Desenvolvimento de Mercado Como Potencializar seus Resultados com Gestão de Vendas, Gestão de Contratos e Inteligência de Mercado Fazer gestão em toda cadeia de Mercado Gestão

Leia mais

! " # $ % &! ' & (') * +, ) # - *. ' / 0 # #! 1 + * 2 ' -

!  # $ % &! ' & (') * +, ) # - *. ' / 0 # #! 1 + * 2 ' - ! " # $ % &! ' & (') *, ) # - *. ' / 0 # #! 1 * 2 ' -!- -. - *... ' - 3 4' 56# 7 * 8 9 7 3 $2 *'& 5 4 " # 3 * $, 56#&, 3 4' : # &,1 5 * 4 " *' & * 8' 9 Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ANÁLISE SWOT S - STRENGTHS - FORÇAS - INTERNO W - WEAKNESSES - FRAQUEZAS - INTERNO O - OPPORTUNITIES - OPORTUNIDADES - EXTERNO T - THREATS - AMEAÇAS - EXTERNO PORQUE FAZER SWOT?

Leia mais

FACHESF. Acompanhamento do Desempenho dos Investimentos da Fachesf. abril/2018

FACHESF. Acompanhamento do Desempenho dos Investimentos da Fachesf. abril/2018 FACHESF Acompanhamento do Desempenho dos Investimentos da Fachesf EVOLUÇÃO DOS INVESTIMENTOS CONSOLIDADOS 2,75% em R$ milhões 6.585 6.766 5.807 5.125 5.382 5.553 6.195 4.651 2011 2012 2013 2014 2015 2016

Leia mais

ÍNDICE DE VELOCIDADE DE VENDAS IVV DF IMÓVEIS NOVOS

ÍNDICE DE VELOCIDADE DE VENDAS IVV DF IMÓVEIS NOVOS ÍNDICE DE VELOCIDADE DE VENDAS IVV DF IMÓVEIS NOVOS Junho de 2017 Realização: Apoio: INTRODUÇÃO O Indicador de Velocidade de Vendas (IVV) do mercado imobiliário do Distrito Federal é produzido mensalmente

Leia mais

Plano de Formação Promovida - 2009

Plano de Formação Promovida - 2009 * da e de RH à Não se aplica 39 19-01-2009 16-02-2009 2ª, 4ª e 6ª 09:30/12:30 Jan-09 à * Não se aplica 39 19-01-2009 16-02-2009 2ª, 4ª e 6ª 19:00/22:00 à Não se aplica 39 26-01-2009 20-02-2009 2ª, 4ª e

Leia mais

FACHESF. Acompanhamento do Desempenho dos Investimentos da Fachesf. novembro/2018

FACHESF. Acompanhamento do Desempenho dos Investimentos da Fachesf. novembro/2018 FACHESF Acompanhamento do Desempenho dos Investimentos da Fachesf EVOLUÇÃO DOS INVESTIMENTOS CONSOLIDADOS 7,84% em R$ milhões 6.585 7.101 4.651 5.807 5.125 5.382 5.553 6.195 2011 2012 2013 2014 2015 2016

Leia mais

MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO DE PESSOAS PROJETO IDENTIDADE FUNCIONAL 01/04/14 1

MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO DE PESSOAS PROJETO IDENTIDADE FUNCIONAL 01/04/14 1 MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO DE PESSOAS PROJETO IDENTIDADE FUNCIONAL 01/04/14 1 OBJETIVO Aprimoramento contínuo da qualidade do cadastro: captura de informações biométricas dos servidores, validação de suas

Leia mais

Ferramentas de Gestão

Ferramentas de Gestão Ferramentas de Gestão Cenário Encontrado Sistemas Criados com objetivo de solucionar problemas isolados Adaptados conforme a necessidade da informação Foco na operacionalização Muitos controles paralelos

Leia mais

TOYOTA. Projeto MSBR. 04 Março 2009 Dept. Projetos

TOYOTA. Projeto MSBR. 04 Março 2009 Dept. Projetos Projeto MSBR 04 Março 2009 Dept. Projetos VISÃO TOYOTA OFERECER AOS CLIENTES A MELHOR EXPERIÊNCIA DE COMPRA E PROPRIEDADE DE UM VEÍCULO, COMO DIFERENCIAL DE MERCADO, TORNANDO-SE A NO.1 EM SATISFAÇÃO DO

Leia mais

FACHESF. Acompanhamento do Desempenho dos Investimentos da Fachesf. fevereiro/2019

FACHESF. Acompanhamento do Desempenho dos Investimentos da Fachesf. fevereiro/2019 FACHESF Acompanhamento do Desempenho dos Investimentos da Fachesf CONSOLIDADOS 1,82% em R$ milhões 7.168 7.299 5.807 5.125 5.382 5.553 6.195 6.585 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 fev/19 Plano CD_Consolidado

Leia mais

Fevereiro 2018 RPDTI 02 ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Fevereiro 2018 RPDTI 02 ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO RPDTI 02 ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fevereiro 2018 Relatório de Acompanhamento de Ações do PDTI e apresentação dos indicadores de gestão de projetos e processos estratégicos. 1.

Leia mais

Agosto de 2016 ÍNDICE DE VELOCIDADE DE VENDAS IVV DF IMÓVEIS NOVOS. Realização: Apoio: Referência: Agosto/16

Agosto de 2016 ÍNDICE DE VELOCIDADE DE VENDAS IVV DF IMÓVEIS NOVOS. Realização: Apoio: Referência: Agosto/16 ÍNDICE DE VELOCIDADE DE VENDAS IVV DF IMÓVEIS NOVOS Agosto de 2016 Realização: Apoio: INTRODUÇÃO O Indicador de Velocidade de Vendas (IVV) do mercado imobiliário do Distrito Federal é produzido mensalmente

Leia mais

Relatório Anual do Serviço de Informação ao Cidadão Banpará

Relatório Anual do Serviço de Informação ao Cidadão Banpará Relatório Anual do Serviço de Informação ao Cidadão Banpará Exercício 6 BELÉM/PA Página APRESENTAÇÃO Este Relatório foi elaborado pela Autoridade de Gerenciamento do BANCO DO ESTADO DO PARÁ S.A., responsável

Leia mais

CRF-RJ Conselho Regional de Farmácia do Estado do Rio de Janeiro Serviço de Registro (SR) RELATÓRIO JUNHO 2013 ÍNDICE

CRF-RJ Conselho Regional de Farmácia do Estado do Rio de Janeiro Serviço de Registro (SR) RELATÓRIO JUNHO 2013 ÍNDICE RELATÓRIO JUNHO ÍNDICE PROTOCOLO...2 PETIÇÕES PROTOCOLIZADAS NA SEDE E SECCIONAIS...2 1) SEDE...2 2) SECCIONAIS...2 a 4 TOTAL DE PETIÇÕES PROTOCOLIZADAS NO CRF-RJ...4 ATENDIMENTO PRESENCIAL E TELEFÔNICO

Leia mais

Central de Gerenciamento Interno de Leitos e Agenda Cirúrgica

Central de Gerenciamento Interno de Leitos e Agenda Cirúrgica Central de Gerenciamento Interno de Leitos e Agenda Cirúrgica rgica GILAC Dra. Elizabeth de Faria Diretoria Executiva São Paulo, 17 de Setembro de 2010. INTRODUÇÃO Inaugurado maio de 2008 Organização Social

Leia mais

MELHORIA DO TEMPO MÉDIO DE PERMANÊNCIA E GIRO DE LEITO APÓS IMPLANTAÇÃO DA VISITA MULTIDISCIPLINAR

MELHORIA DO TEMPO MÉDIO DE PERMANÊNCIA E GIRO DE LEITO APÓS IMPLANTAÇÃO DA VISITA MULTIDISCIPLINAR MELHORIA DO TEMPO MÉDIO DE PERMANÊNCIA E GIRO DE LEITO APÓS IMPLANTAÇÃO DA VISITA MULTIDISCIPLINAR Área(s) / Setor(es) Gerência Assistencial Núcleo Interno de Regulação (NIR) Modalidade: PDCA Fase 01 Planejar

Leia mais

Aplicações da Produção Enxuta na Construção Civil o modelo de gestão da produção proposto pela Lean Construction

Aplicações da Produção Enxuta na Construção Civil o modelo de gestão da produção proposto pela Lean Construction VIII Congresso de Sistemas Lean Em busca da excelência do fluxo de valor Aplicações da Produção Enxuta na Construção Civil o modelo de gestão da produção proposto pela Lean Construction 29 e 30 de junho

Leia mais

Transformação Lean Através de Kaizens

Transformação Lean Através de Kaizens Transformação Lean Através de Kaizens A Revitalização do Sistema Marcopolo de Produção Solidária - SIMPS - Alex Etevaldo da Silva 13/09/2017 Alex Etevaldo da Silva Engenheiro Mecânico, MBA em Gestão de

Leia mais

MGS Análise de processos

MGS Análise de processos Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília MGS Análise de processos PONTO DE CONTROLE DEZ/2015 Contextualização Visão geral dos processos da empresa Negócios Prestar serviços técnicos, administrativos

Leia mais

APÊNDICE II. 1.4 ÁREA E SUB-ÁREA DO CONHECIMENTO - CNPq (vide site

APÊNDICE II. 1.4 ÁREA E SUB-ÁREA DO CONHECIMENTO - CNPq (vide site APÊNDICE II PROJETO DE PESQUISA CICLO 2018 - MEDICINA Código: (Para uso da coordenação de iniciação científica) 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 TÍTULO: 1.2 ANO LETIVO: 1.3 SEMESTRE: 1.4 ÁREA E SUB-ÁREA DO CONHECIMENTO

Leia mais

IX Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental da Regional São Paulo

IX Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental da Regional São Paulo (ISO Em Processo de Implantação) IX Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental da Regional São Paulo Vantagens de um sistema de gestão da qualidade nos serviços de saneamento básico Manoel Carlos

Leia mais

P17 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 360º - ERP SAP. Mônica Ferraz Moreira Especialista em RH Celulose Nipo Brasileira / CENIBRA

P17 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 360º - ERP SAP. Mônica Ferraz Moreira Especialista em RH Celulose Nipo Brasileira / CENIBRA P17 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 360º - ERP SAP Mônica Ferraz Moreira Especialista em RH Celulose Nipo Brasileira / CENIBRA PROGRAMA APRESENTAÇÃO EMPRESA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Política e Diretrizes de

Leia mais

Paciente Certo no Lugar Certo Gestão de Fluxo no Hospital. Mara Lílian Soares Nasrala

Paciente Certo no Lugar Certo Gestão de Fluxo no Hospital. Mara Lílian Soares Nasrala Paciente Certo no Lugar Certo Gestão de Fluxo no Hospital Mara Lílian Soares Nasrala HOSPITAL SANTA ROSA Indicadores - 2016 Leitos Instalados 180 Leitos UTI 61 Cirurgias 11.722 PA 75.034 Fundado em 1997-19

Leia mais

EVOLUÇÃO SALARIAL. Categoria: Sindipetro RJ. Petroleiros do Rio de Janeiro. Deflatores: IPCA-IBGE INPC-IBGE. julho de 2012

EVOLUÇÃO SALARIAL. Categoria: Sindipetro RJ. Petroleiros do Rio de Janeiro. Deflatores: IPCA-IBGE INPC-IBGE. julho de 2012 EVOLUÇÃO SALARIAL Categoria: Petroleiros do Rio de Janeiro Deflatores: IPCA-IBGE INPC-IBGE julho de 2012 Este trabalho contém o estudo sobre o comportamento dos salários desde 01-setembro-2011 até 31-agosto-2012

Leia mais

Resultados da Pesquisa de Nível de Emprego do Estado de São Paulo Indicadores regionais e setoriais

Resultados da Pesquisa de Nível de Emprego do Estado de São Paulo Indicadores regionais e setoriais Resultados da Pesquisa de Nível de Emprego do Estado de São Paulo Indicadores regionais e setoriais Destaques do Emprego Consolidado Ano Variação mensal Variação Variação interanual (Abr-17/Mar-17) acumulada

Leia mais

Workshop Estratégico CTBE: RenovaBio Modelagem Econômica

Workshop Estratégico CTBE: RenovaBio Modelagem Econômica Workshop Estratégico CTBE: RenovaBio Modelagem Econômica Campinas 29/09/2017 SETEMBRO 2017 Tratamento da informação Tratamento da informação 339 Unidades em Operação Cana-de-açúcar Setembro 2017 Mapa da

Leia mais

Através de um produto de fácil instalação, reduzir os custos com a lavagem de automóveis e evitar o desperdício de água.

Através de um produto de fácil instalação, reduzir os custos com a lavagem de automóveis e evitar o desperdício de água. Diego Guerreiro Felipe Lentulo Andrade Silva Geraldo B. de Oliveira Filho Mauricio Luizatto Rodrigues Orientador: José Luis Alves de Lima Através de um produto de fácil instalação, reduzir os custos com

Leia mais

Estratégia para acompanhamento de gestantes nas Unidades Básicas de Saúde

Estratégia para acompanhamento de gestantes nas Unidades Básicas de Saúde PDCA Estratégia para acompanhamento de gestantes nas Unidades Básicas de Serviços de Atenção Básica Selma Eloy, Dion Carvalho e Abel Meneses PDCA Fase 01 Planejar Identificação do Problema: Registro abaixo

Leia mais

Nome do Condomínio. Demonstrativo Financeiro

Nome do Condomínio. Demonstrativo Financeiro Mês: Janeiro 1.5 - Mês: Fevereiro 1.5 - Mês: Março 1.5 - Mês: Abril 1.5 - Mês: Maio 1.5 - Mês: Junho 1.5 - Mês: Julho 1.5 - Mês: Agosto 1.5 - Mês: Setembro 1.5 - Mês: Outubro 1.5 - Mês: Novembro 1.5 -

Leia mais

Setembro 2017 RPDTI 09 ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Setembro 2017 RPDTI 09 ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO RPDTI 09 ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Setembro 2017 Relatório de Acompanhamento de Ações do PDTI (RPDTI 09/2017) e apresentação dos indicadores de gestão de projetos e processos

Leia mais

Junho Retificado RPDTI 06 ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Junho Retificado RPDTI 06 ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO RPDTI 06 ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Junho 2017 - Retificado Relatório de Acompanhamento de Ações do PDTI (RPDTI 06/2017) e apresentação dos indicadores de gestão de projetos e

Leia mais

Submódulo 6.1. Planejamento e programação da operação elétrica: visão geral

Submódulo 6.1. Planejamento e programação da operação elétrica: visão geral Submódulo 6.1 Planejamento e programação da operação elétrica: visão geral Rev. Nº. 0.0 0.1 0.2 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Adequação

Leia mais

Gestão do Comportamento e o S.I.G. Cultura de Excelência. Eng. Carlos Massera 2009

Gestão do Comportamento e o S.I.G. Cultura de Excelência. Eng. Carlos Massera 2009 Gestão do Comportamento e o S.I.G. Cultura de Excelência Eng. Carlos Massera 2009 Nós somos o que fazemos repetidamente. A excelência não é um ato, é um hábito. Aristóteles ALGUNS CLIENTES GESTÃO DE RISCOS

Leia mais

Junho Retificado RPDTI 06 ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Junho Retificado RPDTI 06 ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO RPDTI 06 ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Junho 2017 - Retificado Relatório de Acompanhamento de Ações do PDTI (RPDTI 06/2017) e apresentação dos indicadores de gestão de projetos e

Leia mais

Resultados Práticos da Câmara Temática de Gestão de Perdas de Água ABES/SC

Resultados Práticos da Câmara Temática de Gestão de Perdas de Água ABES/SC VI ENCONTRO ESTADUAL DE COOPERAÇÃO TÉCNICA FUNASA/ASSEMAE-SC Resultados Práticos da Câmara Temática de Gestão de Perdas de Água ABES/SC Hugo Rodolfo Binder Eng. Sanitarista SAMAE Rio Negrinho Ricardo Rehnolt

Leia mais

EMPREGO E SALÁRIO DE SERVIÇOS DE SALVADOR (BA) - AGOSTO

EMPREGO E SALÁRIO DE SERVIÇOS DE SALVADOR (BA) - AGOSTO EMPREGO E SALÁRIO DE SERVIÇOS DE SALVADOR (BA) - AGOSTO 2010 - Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico AD HOC Revisão Técnica: José Varela Donato SUMÁRIO 1. RESULTADOS SINTÉTICOS

Leia mais

TPM - Guia de implantação A metodologia para o sucesso do TPM

TPM - Guia de implantação A metodologia para o sucesso do TPM Haroldo Ribeiro Haroldo Ribeiro TPM - Guia de implantação A metodologia para o sucesso do TPM Após escrever vários livros sobre o TPM, o Consultor Haroldo Ribeiro, vivenciando a implantação do TPM em todas

Leia mais

Abril 2017 RPDTI 04 ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Abril 2017 RPDTI 04 ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO RPDTI 04 ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Abril 2017 Relatório de Acompanhamento de Ações do PDTI (RPDTI 04/2017) e apresentação dos indicadores de gestão de projetos e processos estratégicos.

Leia mais

Resultados da pesquisa

Resultados da pesquisa Novembro, 2018 Resultados da pesquisa Domicílios entrevistados: 1776 Período de coleta: 01/11/18 a 21/11/18 Obs.: Todos os dados desta apresentação são ajustados por sazonalidade e tem como fonte a FGV

Leia mais

EMPREGO DE ATIVIDADES DE TURISMO DO ESTADO DO CEARÁ (CE) - MAIO Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico

EMPREGO DE ATIVIDADES DE TURISMO DO ESTADO DO CEARÁ (CE) - MAIO Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico EMPREGO DE ATIVIDADES DE TURISMO DO ESTADO DO CEARÁ (CE) - MAIO 2018 - Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico SUMÁRIO 1. RESULTADOS SINTÉTICOS DA PESQUISA...3 Ilustração 1 - Indicadores

Leia mais

Formação Interempresas 2017

Formação Interempresas 2017 Formação Interempresas 2017 1 1 Calendário das acções 1º Semestre Lisboa 1 Lean Management 1d Ferramentas Básicas da Qualidade 2 1d 21 5S & Gestão Visual 3 1d 22 Gestão de Equipas 4 1d 5 6 TPM Total Productive

Leia mais

Outubro 2018 RPDTI 10 ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Outubro 2018 RPDTI 10 ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO RPDTI 10 ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Outubro 2018 Relatório de Acompanhamento de Ações do PDTI e apresentação dos indicadores de gestão de projetos e processos estratégicos. 1.

Leia mais

Wconsulting Garantia de excelência nos projetos desenvolvidos!

Wconsulting Garantia de excelência nos projetos desenvolvidos! A utilização do método de análise e solução de problemas O MASP é uma excelente ferramenta utilizada para análise e solução de problemas. Permite identificar de forma assertiva as causas de um determinado

Leia mais

EOSPL1 Sistema de Produção Lean

EOSPL1 Sistema de Produção Lean EOSPL1 Sistema de Produção Lean Cap 1.1 Flexibilidade do Sistema Produ

Leia mais

KAIZEN. Por que implantar a metodologia 5s?

KAIZEN. Por que implantar a metodologia 5s? 5 S Por que implantar a metodologia 5s? Para isso! 5S Ferramenta de melhoria contínua. Muito comum você perguntar para as pessoas e o 5s? Resposta: Já implementamos o 5s. Ferramenta com ciclos intermináveis

Leia mais

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Safra 2015/2016 Mensal Acumulado Cana Campo (1) Cana Esteira (2) R$/Kg ATR R$/Kg ATR R$/Ton. R$/Ton. Abr/15 0,4909

Leia mais

Sem fronteiras para o conhecimento. Treinamento de Black Belts em Lean Seis Sigma

Sem fronteiras para o conhecimento. Treinamento de Black Belts em Lean Seis Sigma 1 Sem fronteiras para o conhecimento Treinamento de Black Belts em Lean Seis Sigma Lean Seis Sigma Definição Estratégia de negócios que busca resultados pela redução drástica da variabilidade dos processos.

Leia mais

ANEXO 2 ELABORAÇÃO DO PROJETO

ANEXO 2 ELABORAÇÃO DO PROJETO ANEXO 2 ELABORAÇÃO DO PROJETO 2. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO 2.1 Título do Projeto 2.2 Período de Execução 2.2.1 Início 2.2.2 Término LEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DOS TRABALHADORES

Leia mais

Gerenciamento de recursos materiais

Gerenciamento de recursos materiais Gerenciamento de recursos materiais Referências bibliográficas Kurcgant P. Gerenciamento em enfermagem. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2005. Kurcgant P. Administração em enfermagem. São Paulo: EPU;

Leia mais

PME 3463 Introdução à Qualidade - T4. Produção Enxuta Grupo - 04

PME 3463 Introdução à Qualidade - T4. Produção Enxuta Grupo - 04 Introdução à Qualidade - T4 Produção Enxuta Grupo - 04 Roteiro da Apresentação 1. Definição 2. Fundamentos 3. Mapeamento da Cadeia de Valor 4. Heijunka 5. KanBan 6. Poka-Yoke 7. Evento Kaizen 8. Gestão

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Planejamento Agregado: Maximizar os resultados das operações e minimizar os riscos de tomadas

Leia mais

São Paulo, Dezembro de Vicente Zuffo

São Paulo, Dezembro de Vicente Zuffo São Paulo, Dezembro de 2006 Vicente Zuffo Agenda O que é a Perdigão Ponto de Partida (criação da área de SCM) Fases da Transformação Filme ATP 7 dimensões da Transformação Lições Aprendidas Minha experiência

Leia mais

Histórico. + de profissionais capacitados desde o lançamento Lançamento do Instituto. Crescimento de cursos in company

Histórico. + de profissionais capacitados desde o lançamento Lançamento do Instituto. Crescimento de cursos in company Histórico Lançamento do Instituto 2013 A cada quatro dias, um curso realizado Crescimento de cursos in company + de 6.000 profissionais capacitados desde o lançamento 2014 2015 2016 Capacitação no Japão

Leia mais

PROJETO START EXPORT/PAIIPME. Florianópolis, 28/11/2008

PROJETO START EXPORT/PAIIPME. Florianópolis, 28/11/2008 PROJETO START EXPORT/PAIIPME Florianópolis, 28/11/2008 Estrutura da Apresentação ü Histórico ü Fundamentos ü Público-alvo ü Descrição do produto ü Etapas de desenvolvimento na empresa ü Principais benefícios

Leia mais

Agosto 2018 RPDTI 08 ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Agosto 2018 RPDTI 08 ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO RPDTI 08 ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Agosto 2018 Relatório de Acompanhamento de Ações do PDTI e apresentação dos indicadores de gestão de projetos e processos estratégicos. R$ 35.400,00

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO SANTA CATARINA

MERCADO DE TRABALHO SANTA CATARINA Energia 4% Celulose & Papel 3% MERCADO DE TRABALHO SANTA CATARINA Composição dos Empregos Industriais em 2014 (Indústria Extrativa + Indústria da Transformação + Construção Civil + Serviços Industriais)

Leia mais

9. Em Foco IBRE: A Desaceleração do Crescimento Chinês

9. Em Foco IBRE: A Desaceleração do Crescimento Chinês 9. Em Foco IBRE: A Desaceleração do Crescimento Chinês Como é bem sabido, entre 1978, quando foram iniciadas as reformas de Deng Xiaoping, e 12, o PIB chinês cresceu a uma taxa média de 1% ao ano (a.a.).

Leia mais

Roteiro. Definição de conceitos Ferramentas presentes Aplicação do método Seis Sigma, uma comparação Produção enxuta

Roteiro. Definição de conceitos Ferramentas presentes Aplicação do método Seis Sigma, uma comparação Produção enxuta PRODUÇÃO ENXUTA PME3463 - Engenharia da Qualidade Grupo T2G4 Andre Ferreira Jesus Emanuel (11-979677200 / jechy39@gmail.com) Lucas Ruffenach Vinicius Madarazzo Roteiro Definição de conceitos Ferramentas

Leia mais

Novembro 2017 RPDTI 11 ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Novembro 2017 RPDTI 11 ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO RPDTI 11 ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Novembro 2017 Relatório de Acompanhamento de Ações do PDTI (RPDTI 11/2017) e apresentação dos indicadores de gestão de projetos e processos

Leia mais

ÍNDICE DE VELOCIDADE DE VENDAS IVV DF. Abril de 2018

ÍNDICE DE VELOCIDADE DE VENDAS IVV DF. Abril de 2018 ÍNDICE DE VELOCIDADE DE VENDAS IVV DF IMÓVEIS NOVOS Abril de 2018 Realização: Pesquisa: Apoio: INTRODUÇÃO O Indicador de Velocidade de Vendas (IVV) do mercado imobiliário do Distrito Federal é produzido

Leia mais

4. Emissão do Relatório Metas por Cobertura e Positivação

4. Emissão do Relatório Metas por Cobertura e Positivação 4. Emissão do Relatório Metas por Cobertura e Positivação Objetivo: O relatório de metas por cobertura e positivação é destinado ao gerenciamento de informações para que a Fábrica possa acompanhar o processo

Leia mais

OPERAÇÕES DE FRETE/2011

OPERAÇÕES DE FRETE/2011 JAN (lta) 213.840 213.840 48.693,90 213.840 213.840 48.693,90 FEV 48.300 48.300 4.859,10 91.839 91.839 8.767,52 722.756 722.756 45.937,39 MAR 862.895 862.895 59.564,01 142.600 142.600 12.482,77 290.232

Leia mais

CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro

CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro PEIC Síntese dos Resultados Síntese dos Resultados Total de Endividados Dívidas ou Contas em Atrasos Não Terão Condições de Pagar fev/10 61,8% 25,6% 8,6% jan/11 59,4%

Leia mais

INDICADOR 2A - PLANEJAMENTO E GESTÃO INDICADOR 2A 2 - PLANO DE APLICAÇÃO PLURIANUAL

INDICADOR 2A - PLANEJAMENTO E GESTÃO INDICADOR 2A 2 - PLANO DE APLICAÇÃO PLURIANUAL INDICADOR 2A PLANEJAMENTO E GESTÃO INDICADOR 2A 2 PLANO DE APLICAÇÃO PLURIANUAL Relatório anual de acompanhamento das ações executadas com recursos da Cobrança Federal PLANO DE APLICAÇÃO PLURIANUAL 2013

Leia mais

LEAN JOURNEY. Movimento Lean Journey na Cadeia Produtiva. Turma

LEAN JOURNEY. Movimento Lean Journey na Cadeia Produtiva. Turma LEAN JOURNEY Turma 02 2016 Movimento Lean Journey na Cadeia Produtiva Venha participar da formação da próxima geração de empresas da Cadeia de Fornecedores de Serviços e Materiais no setor da Construção

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Outubro/2018 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Ago18/Jul18 (%) dessaz. Ago18/Ago17 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

Conhecimento Tecnológico. Base para crescimento da produtividade

Conhecimento Tecnológico. Base para crescimento da produtividade Base para crescimento da produtividade Contexto LIDERANÇA MÉTODO CONHECIMENTO O que fazer? Onde atuar? Conhecimentos e Habilidades Conhecer e Habilitar Transmitir conhecimento e prática Facilitar a aprendizagem

Leia mais

Governança Postal Saúde. Dezembro/2016

Governança Postal Saúde. Dezembro/2016 Governança Postal Saúde Dezembro/2016 O que é Governança corporativa é o sistema pelo qual as empresas e demais organizações são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo os relacionamentos entre

Leia mais