GERADOR DE ARTEFATOS PARA APLICAÇÕES WEB - ALPHAWEB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GERADOR DE ARTEFATOS PARA APLICAÇÕES WEB - ALPHAWEB"

Transcrição

1 UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Tecnologia em Sistemas para Internet Juliane Rosário Murillo da Silva Casa Grande GERADOR DE ARTEFATOS PARA APLICAÇÕES WEB - ALPHAWEB LINS SP 2010

2 JULIANE ROSÁRIO MURILLO DA SILVA CASA GRANDE GERADOR DE ARTEFATOS PARA APLICAÇÕES WEB Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Banca Examinadora do Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, curso de Tecnologia em Sistemas para Internet, sob a orientação do Prof. M.Sc Anderson Pazin. LINS SP 2010

3 R713g Rosário, Juliane; Grande, Murillo da Silva Casa. Gerador de Artefatos para Aplicações Web - AlphaWEB / Juliane Rosário ; Murillo da Silva Casa Grande. Lins, p. il. 31cm. Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium UNISALESIANO, Lins-SP, para graduação em Tecnologia em Sistemas para Internet, Orientador: Anderson Pazin 1. AlphaWEB. 2. Gerador de Artefatos. 3. Aplicações. 4. Software. I. Título. CDU 004

4 JULIANE ROSÁRIO MURILLO DA SILVA CASA GRANDE GERADOR DE ARTEFATOS PARA APLICAÇÕES WEB Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, para obtenção do título de Tecnólogo em Sistemas para Internet. Aprovada em: 29 / 06 / 2010 Banca Examinadora: Prof Orientador: Prof. M. Sc. Anderson Pazin Titulação: Mestre em Ciência da Computação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Assinatura: 1º Prof(a): Prof. M.Sc. Luiz Eduardo Cortes Bergamo Titulação: Mestre em Ciência da Computação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Assinatura: 2º Prof(a): Prof. M.Sc. André Ricardo Ponce do Santos Titulação: Mestre em Administração pela Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP). Assinatura:

5 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho primeiramente à minha família, em especial aos meus pais e minha irmã, pelo incentivo, apoio e esforços para me ajudar sempre. Ao meu namorado Paulo, pelo apoio, paciência e compreensão durante a realização deste trabalho. As minhas grandes amigas Mariana e Débora pela ajuda constante, incentivo, carinho e amizade. Dedico ao meu grande amigo e companheiro de grupo Murillo por conseguirmos realizar este trabalho. Juliane Dedico este trabalho á minha família, ao meu pai Sebastião, minha mãe Inês e minha irmã Carolláine, que sempre me incentivaram e apoiaram. Aos amigos sempre prestativos em diversos momentos de colaboração. Dedico a minha companheira de grupo Juliane, grande amiga. Murillo

6 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus pela fé e sabedoria. A toda minha família, especialmente aos meus pais Valdecir e Rosangela e minha irmã Viviane, pelo carinho, amor, incentivo, dedicação e principalmente pelo grande esforço e me ajudar em mais esta etapa de minha vida. Ao meu namorado e grande amigo Paulo, pela sua ajuda, incentivo, compreensão, paciência e principalmente pelo seu grande apoio e incentivo em todos os momentos na minha vida e durante a realização deste trabalho. A minha amiga Mariana, pela sua grande amizade e apoio, por me incentivar constantemente no dia-dia, obrigada pela sua grande ajuda sempre que preciso e por estar ao meu lado nos momentos em que precisei. A minha amiga de turma Débora, pelo grande incentivo a sempre buscar resultados positivos, pelo seu grande carinho e amizade, e por sempre estar ao meu lado constantemente no dia-dia, muito obrigada. Ao orientador e professor Anderson Pazin, por sempre nos ajudar da melhor forma possível e nos conduzir a conseguir os melhores resultados e objetivos durante todo o curso, pelo seu apoio e incentivo a sempre fazermos o nosso melhor com dedicação para a realização deste trabalho. Ao companheiro e amigo de monografia Murillo pela amizade, ajuda, apoio, incentivo, prestatividade e confiança durante todas as dificuldades do dia a dia que tivemos para realizar este trabalho. A todos os amigos e colegas de Faculdade que nos ajudaram de alguma forma durante este trabalho e a todos que estiveram presentes e me ajudaram a alcançar mais essa conquista. A todos minha gratidão e muito obrigada! Juliane

7 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus. A toda minha família, meus pais, pelo incentivo, colaboração e principalmente pela presença positiva em minha vida. Aos amigos que fiz no decorrer desta etapa da minha vida e que durante o desenvolvimento do trabalho se mostraram prestativos, e sempre entre uma risada e outra colaboraram com o que fosse necessário, especialmente Bruno, Débora, Maria Eliza, Leandro e Pedro. Ao orientador e professor Anderson Pazin, por sempre nos conduzir e incentivar a buscar as melhores maneiras alcançar os objetivos no projeto. Por ser paciente e nos transmitir tranquilidade e confiança. A Juliane, pela amizade, prestatividade e imenso incentivo no decorrer deste trabalho. Pela confiança depositada em mim e na capacidade de nossa dupla. A todos, muito obrigado! Murillo

8 RESUMO Este trabalho refere-se a um gerador de artefatos para aplicações, que é um software que produz automaticamente sub produtos de software para aplicações a partir de suas especificações, oferecendo aos desenvolvedores benefícios em termos de produtividade, pois reduz o tempo de desenvolvimento da aplicação. A utilização de geradores de artefatos ajuda as organizações a desenvolverem múltiplos produtos de uma família de software com mais facilidades do que pelo modo de implementação tradicional. Além de códigos, os geradores podem produzir a documentação do usuário e do software, diagramas, casos de testes e figuras. Nota-se que eles têm como principal objetivo acelerar e automatizar o processo de desenvolvimento de software através do reuso de códigos pré-escritos, conhecidos como templates, que definem parte de processos rotineiros de um determinado domínio, reduzindo assim o tempo no desenvolvimento e os custos para sua disponibilização e utilização. Este trabalho apresenta um Gerador de Artefatos para Aplicações (AlphaWEB) que utiliza a plataforma Web e que não precisa ser instalado na máquina do usuário. Foi desenvolvido para criar artefatos de softwares a partir das tabelas existentes no banco de dados do desenvolvedor, gerando automaticamente as classes javabeans com as regras de negócio da aplicação, javadao com as conexões com o banco de dados, os Servlets que são os controladores da aplicação, scripts SQL do banco de dados e interfaces HTML/JSP para a interação do usuário com o sistema. Esses artefatos são criados em arquivos distintos do sistema operacional e são gerados de acordo com as especificações fornecidas ao gerador. Esse gerador de artefatos tem como objetivo diminuir as atividades repetitivas de copiar, colar e alterar. Palavras-chave: AlphaWEB. Gerador de Artefatos. Aplicações. Software.

9 ABSTRACT This work refers to a generator for artifacts about to applications, that that is a software that automatically produces sub of software products for applications from your specifications, giving developers the benefits in terms of productivity, because reduces the development time of the application. The use of generators of artifacts helps organizations develop several products from a family of software with more ease than the traditional mode of implementation. Beyond of code, the generators can produce user documentation and of the software, diagrams, tests cases and figures. It is noted that they have as main objective to accelerate and automate the process of software development through the reuse of pre-written code, known as templates, which define part of routine processes of a given domain, thus reducing development time and costs for its availability and use. This paper presents a Artifacts Generator for Applications (AlphaWEB) that uses the Web interface and which need not be installed on the user's machine, was developed to create software artifacts from existing tables in the database developer, automatically generating the JavaBeans classes with the rules of application business, javadao with connections to the database, the Servlets that are the controllers of the application, SQL Scripts Database interfaces and HTML / JSP to the user's interaction with the system. These artifacts are created in distinct files of the operating system and are generated according to the specifications provided to generator. This generator artifacts aims to reduce the repetitive activities of copy, paste and change. Keywords: AlphaWEB. Generator of Artifacts. Applications. Software.

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Diagramas definidos pela UML Figura 2. Diagrama de Classes...18 Figura 3. Diagrama de Objetos Figura 4. Diagrama de Pacotes...19 Figura 5. Diagrama de Estrutura Composta...20 Figura 6. Diagrama de Caso de Uso...21 Figura 7. Diagrama de Componentes...21 Figura 8. Diagrama de Implantação Figura 9. Diagrama de Sequência...23 Figura 10. Diagrama de Transição de Estado...23 Figura 11. Diagrama de Atividades Figura 12. Diagrama de Colaboração ou Comunicação...25 Figura 13. Diagrama de Temporização Figura 14. Diagrama de Interatividade Figura 15. Arquitetura de uma aplicação web utilizando Servlet Figura 16. Ciclo de vida do Servlet...30 Figura 17. Estrutura do padrão DAO...35 Figura 18. Modelo Tradicional de requisição Web versus o modelo AJAX Figura 19. Interface de Definição de uma Aplicação GawCRe...51 Figura 20. Cadastro de Guias de Convênios de Pacientes GawCRe...51 Figura 21. Interface de Controle de Estoque de Produtos - GAS Figura 22. Funcionamento de um Domínio do Sistema - DRACO-PUC...53 Figura 23. Interface de Geração de Arquivo de Configuração - Captor Figura 24. Interface de Armazenamento do Modelo da Aplicação - Captor...54 Figura 25. Diagrama de Classes e Objetos...57 Figura 26. Diagrama de Use Case Gerar Artefatos...59 Figura 27. Diagrama de Classes a ser implementado...60 Figura 28. Diagrama de Classes para a Oficina Eletrônica Figura 29. Diagrama de Sequência Gerar Artefato Figura 30. Utilização de templates durante a geração dos artefatos...67 Figura 31. Conjunto de scripts de criação de tabelas utilizando SQL....68

11 Figura 32. Template definido para scripts de criação das tabelas SQL Figura 33. Template para construção de scripts de tabelas SQL...69 Figura 34. Funcionamento do gerador e os artefatos por ele gerados...70 Figura 35. Tela Inicial do Gerador...71 Figura 36. Tela de Gerar Artefatos...72 Figura 37. Artefato de scripts SQL da Tabela Comissão...73 Figura 38. Artefato Bean da Tabela Comissão...73 Figura 39. Artefato HTML da Tabela Comissão Figura 40. Conjunto de scripts de criação das classes Beans Figura 41. Template definido para criação das classes Beans Figura 42. Template para construção das Beans...88 Figura 43. Template para construção das páginas HTML...89 Figura 44. Conjunto de scripts de criação das páginas HTML Figura 45. Template definido para criação das páginas HTML LISTA DE QUADROS Quadro 1. Regras de trabalho com JavaBeans...33 Quadro 2. Lista de Use Case Quadro 3. Caso de Uso Gerar Artefatos Quadro 4. Estrutura da Tabela Conserto de Aparelho Quadro 5. Estrutura da Tabela Execução de Conserto...63 Quadro 6. Estrutura da Tabela Cliente...63 Quadro 7. Estrutura da Tabela Aparelho...63 Quadro 8. Estrutura da Tabela Tipo de Aparelho...64 Quadro 9. Estrutura da Tabela Técnico...64 Quadro 10. Regras de Validação da Tabela de Técnico...64 Quadro 11. Estrutura da Tabela Comissão Quadro 12. Regras de Validação da Tabela Comissão...65 Quadro 13. Termos utilizados no trabalho...83

12 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS AJAX: Asynchrous JavaScript and XML API: Interface de Programação de Aplicativos ANSI: Instituto Nacional Americano de Padronização ASP: Active Server Pages CSS: Cascading Style Sheets CAPTOR: Configurable Application Generator DAO: Data Access Object DBMS: Database Management System DCL: Linguagem de Controle de Dados DDL: Linguagem de Definição de Dados DML: Linguagem de Manipulação de Dados DOM: Document Object Model DQL: Linguagem de Consulta de Dados DTL: Linguagem de Transação de Dados EE: Enterprise Edition GB: Giga Bytes GAwCRe: Gerador de Aplicações Web para Clínicas de Reabilitação HTML: Linguagem de Marcação de Hipertexto HTTP: Protocolo de Transferência de Hipertexto ISO: Organização Internacional para Padronização JEE: Java Enterprise Edition JME: Java Micro Edition JSE: Java Standard Edition JDBC: Java DataBase Connectivity JS: Java Script JSP: Java Server Pages LMA: Linguagem de Modelagem da Aplicação MB: Mega Bytes OMG: Object Management Group OO: Orientada a Objetos PDA: Assistente Pessoal Digital

13 PHP: Personal Home Page RAC: Real Application Clusters SE: Standard Edition SGBD: Sistema Gerenciador de Banco de Dados SGBDR: Sistema Gerenciador de Banco de Dados Relacional SiGCli: Sistemas de Gestão de Clínicas SO: Sistema Operacional SQL: Linguagem de Consulta Estrutural UML: Unified Modeling Language URL: Localizador Padrão de Recursos WML: Wireless Markup Language XE: Express Edition XHTML: extensible Hypertext Markup Language XML: extensible Markup Language

14 SUMÁRIO INTRODUÇÃO FUNDAMENTOS CONCEITUAIS UML UNIFIED MODELING LANGUAGE PLATAFORMAS TECNOLÓGICAS A LINGUAGEM JAVA SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS AJAX GERADORES DE ARTEFATOS DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE DEFINIÇÃO DE GERADORES DE ARTEFATOS DEFINIÇÃO DE TEMPLATES LEVANTAMENTO DE REQUISITOS ANÁLISE DE MERCADO DOCUMENTOS DE REQUISITOS ANÁLISE ORIENTADA A OBJETOS DIAGRAMA DE CLASSES COMPLETO JUSTIFICATIVA PARA IMPLEMENTAÇÃO LISTA DE CASOS DE USO DIAGRAMA DE CASOS DE USO DIAGRAMA DE CLASSES A SER IMPLEMENTADO PROJETO DE BANCO DE DADOS...61

15 5.1 DESCRIÇÃO DO SISTEMA DE OFICINA ELETRÔNICA TABELAS PROJETO ORIENTADO A OBJETOS DIAGRAMA DE SEQUÊNCIA IMPLEMENTAÇÃO DO GERADOR DE ARTEFATOS LAYOUT DE TELAS TELA INICIAL DO SISTEMA TELA DE GERAR ARTEFATOS ARTEFATOS GERADOS...72 CONCLUSÃO...75 REFERÊNCIAS...77 GLOSSÁRIO...80 APÊNDICES...84

16 14 INTRODUÇÃO O desenvolvimento de softwares é um processo complexo e de difícil realização, devido às mudanças de tecnologia e às alterações nos requisitos que surgem no decorrer do processo de desenvolvimento (PAZIN, 2004). Para facilitar esse processo, algumas técnicas podem ser utilizadas. O reuso de software, visa diminuir a possibilidade de inserção de erros e com isso o produto final pode ser gerado com maior qualidade (JUNIOR, 2006). A técnica de reuso pode ser automatizada por softwares específicos chamados de geradores ou wizards (PAZIN, 2004). Geradores de Aplicações são ferramentas que têm a capacidade de automatizar e acelerar o processo de desenvolvimento de softwares, por meio de reuso de código pré-escrito, chamados de templates. Os geradores permitem ao desenvolvedor inserir especificações do programa em alto nível e a ferramenta gera um produto de software (PAZIN, 2004). Com a utilização de geradores de aplicação, o desenvolvedor deve inserir apenas as informações sobre o que deve ser feito, e a ferramenta deve decidir como essas informações são transformadas em código fonte (CLEAVELAND, 2001). Os geradores de aplicação trazem benefícios em termos de produtividade para o software, pelo fato de gerarem classes de alto nível com base em suas especificações. Um dos problemas dos geradores de aplicação é o elevado custo em seu desenvolvimento, utilização e manutenção (JUNIOR, 2006). O objetivo deste trabalho é desenvolver um gerador de artefatos para aplicações web. Artefatos são produtos de uma ou mais atividades dentro do contexto de desenvolvimento de um software ou sistema. Esse gerador deve criar as classes Java Beans da aplicação, as classes Java DAO para a manipulação dos dados armazenados em um banco de dados, os controladores da aplicação (Servlets), os scripts SQL de criação e manipulação do banco de dados e as interfaces HTML e JSP para a aplicação. Esses artefatos são gerados a partir das tabelas existentes em um banco de dados. O objetivo principal do gerador é diminuir as tarefas repetitivas de copiar, colar e alterar.

17 15 O processo de codificação que os geradores utilizam durante a engenharia de aplicação pode ser mais rápido e menos suscetível a erros humanos do que o processo tradicional de codificação, ou seja, os geradores podem produzir códigos de forma sistemática e mais segura em relação aos métodos tradicionais de programação (CZARNECKI E EISENERCKER, 2000). O desenvolvimento e a utilização deste gerador de aplicação pode ser justificada pela diminuição de tarefas repetitivas e pelos benefícios oferecidos como a alta qualidade do produto gerado, pois esses produtos gerados são alterados de acordo com as informações que são fornecidas ao gerador, e que assim facilita o desenvolvimento de uma nova versão do software.

18 16 1 FUNDAMENTOS CONCEITUAIS 1.1 UML Unified Modeling Language A Unified Modeling Language (UML) é uma linguagem de modelagem gráfica e visual, designada para especificar, construir e documentar um sistema, permitindo a visualização de softwares e aplicações em diagramas padronizados (FOWLER, 2005). Ela nasceu da unificação das linguagens de modelagem orientadas a objetos existentes desde o final dos anos oitenta e início dos anos noventa. Em 1997, a UML foi aprovada como padrão pela OMG, tendo desde então grande aceitação e utilização pela comunidade de desenvolvedores de sistemas. Desde seu surgimento foram sendo criadas atualizações para tornar a linguagem mais clara e útil (PENDER, 2004). A UML é uma linguagem visual para modelar sistemas orientados a objetos. Isso quer dizer que a UML é uma linguagem que define elementos gráficos (visuais) que podem ser utilizadas na modelagem de sistemas. Esses elementos permitem representar os conceitos do paradigma da orientação a objetos. Através dos elementos gráficos definidos nesta linguagem pode-se construir diagramas que representam diversas perspectivas de um sistema (BEZERRA, 2007, p. 15). A linguagem de modelagem é uma notação utilizada para expressar e indicar quais os passos a serem seguidos para o desenvolvimento de um projeto. A especificação da UML consiste de duas partes (BEZERRA, 2007): a) semântica: especifica a sintaxe abstrata e a semântica dos conceitos de modelagem estática e dinâmica de objetos; b) notação: especifica a notação gráfica para a representação visual da semântica. A UML suporta o desenvolvimento iterativo e incremental, que é um processo de desenvolvimento de sistemas em pequenos passos. Uma iteração é um laço de desenvolvimento que resulta na liberação de um subconjunto de produtos que evolui até o produto final percorrendo as seguintes atividades: análise de requisitos, análise, projeto, implementação e teste (PENDER, 2004).

19 17 A UML é projetada especificamente para representar sistemas orientados a objetos (OO). As técnicas de desenvolvimento orientadas a objetos descrevem o software como um conjunto de blocos cooperativos de informações e comportamentos (PENDER, 2004, p. 5). A UML permite ao desenvolvedor especificar, documentar e estruturar os diagramas para uma maior visualização lógica do desenvolvimento completo de um sistema de informação. (FOWLER, 2005). A UML foi projetada para atender a algumas especificações, para que possa verdadeiramente ser um padrão que resolva as necessidades práticas da comunidade de desenvolvimento de software. A UML auxilia os desenvolvedores para (PENDER, 2004): a) oferecer aos desenvolvedores uma linguagem de modelagem pronta para usar, expressiva e visual, para o desenvolvimento e a troca de modelos significativos; b) fornecer mecanismos de extensibilidade e especialização para estender os principais conceitos; c) admitir especificações independentes das linguagens de programação e dos processos de desenvolvimento específicos; d) oferecer uma base formal para entender a linguagem de modelagem; e) encorajar o crescimento do mercado de ferramentas de objetos; f) admitir conceitos de desenvolvimento de nível mais alto, como componentes, colaborações, frameworks e padrões. Fonte: Bezerra, 2007 p. 18 Figura 1. Diagramas definidos pela UML.

20 18 A Figura 1 ilustra o modelo oficial da UML que se compõe de 13 tipos de diagramas: classes, objetos, componentes, instalação, pacotes, estrutura, caso de uso, transição de estado, atividade, sequência, interatividade, colaboração ou comunicação e tempo (BEZERRA, 2007). a) Diagrama de Classes: descreve os tipos de objetos presentes no sistema e os tipos de relacionamentos existentes entre eles, é uma representação da estrutura e relações entre as classes, que servem de modelo para os objetos e seus comportamentos. Esse diagrama pode ser observado na Figura 2. Fonte: Fowler, 2005 p. 53 Figura 2. Diagrama de Classes. b) Diagrama de Objetos: é uma varição do diagrama de classes utilizando praticamente a mesma notação, e é tão importante quanto ele. Normalmente permite desvendar as regras que precisam fazer parte das definições dos recursos e seus relacionamentos. Tem

21 19 como objetivo admitir a investigação de requisitos e modelar os casos de testes para validar o diagrama de classes. Exibe os objetos instanciados em um sistema e a configuração de instâncias. A Figura 3 apresenta esse diagrama. Fonte: Fowler, 2005 p. 95 Figura 3. Diagrama de Objetos. c) Diagrama de Pacotes: mostra os pacotes e exibe suas respectivas dependências. Um pacote é a representação de um grupo de classes ou outros elementos que se relacionam com outros pacotes através de uma relação de dependência. A Figura 4 representa um diagrama de pacotes. Fonte: Fowler, 2005 p. 98 Figura 4. Diagrama de Pacotes.

22 20 d) Diagrama de Estrutura Composta: é utilizado para descrever relacionamentos entre os elementos do sistema e a colaboração interna das classes, interfaces e componentes para e especificação de uma funcionalidade. Os recursos estáticos influenciam classes e associações, objetos, ligações e colaborações, oferecendo ao framework no qual os elementos dinâmicos do modelo são executados. Esse diagrama funciona de modo semelhante a uma planta para a construção de um equipamento, mostra as partes e como elas podem ser montadas, mas não pode mostrar como o produto final se comportará. A Figura 5 apresenta um exemplo desse diagrama. Fonte: Fowler, 2005 p. 133 Figura 5. Diagrama de Estrutura Composta. e) Diagrama de Caso de Uso: modela as expectativas dos usuários para utilização do sistema, descrevendo a funcionalidade proposta para um novo sistema que será projetado. É normalmente utilizado como parte da abordagem de caso de uso, que inclui uma descrição textual dos casos de uso individuais e a extração de cenários. Pode ser escrito de maneiras diferentes, mas a mais comum é representar a visão de fora do sistema. Diagramas de caso de uso identificam os recursos específicos do sistema, comportamento compartilhado entre

23 21 os recursos e oferece modo simples e fácil de entendimento para os clientes visualizarem os requisitos. A Figura 6 apresenta um exemplo de diagrama de caso de uso. Fonte: Fowler, 2005 p. 107 Figura 6. Diagrama de Caso de Uso. f) Diagrama de Componentes: modela a visão da implementação representando partes do software no ambiente de implementação, ilustra como deverá ficar a organização das classes através de componentes de trabalho. Sua finalidade é definir os modelos físicos do software e seus relacionamentos entre si, os componentes podem representar qualquer coisa desde uma classe até aplicações, subsistemas e sistemas. Esse diagrama pode ser utilizado para representação do relacionamento entre classes que especificam os requisitos para os componentes. A Figura 7 apresenta esse diagrama. Fonte: Fowler, 2005 p. 135 Figura 7. Diagrama de Componentes.

24 22 g) Diagrama de Implantação: descreve os componentes de uma arquitetura de execução, ou seja, a configuração do hardware e do software, exibindo o layout físico do sistema revelando quais partes do hardware e do software são executados. É consistido em nós representando um tipo de recurso de processamento e associações que define o tipo de relacionamento que dá suporte à comunicação entre os nós. A Figura 8 é um exemplo de diagrama de implantação. Fonte: Fowler, 2005 p. 103 Figura 8. Diagrama de Implantação. h) Diagrama de Sequência: utilizado para representar informações de forma simples e lógica de sequências de processos em um sistema, tendo como foco a identificação da interação e comportamento entre os grupos de objetos ao longo do tempo. Seu maior beneficio é a ajuda na identificação de mensagens trocadas entre os objetos que fazem perguntas e os que respondem. Normalmente isso ocorre em cenários para caso de uso, capturando os comportamentos de um único cenário e exibindo os objetos e as mensagens passadas entre eles no caso de uso. São modelados em nível de objeto e não no nível de classe, admitindo que vários objetos de uma mesma classe

25 23 possam trabalhar juntos. A Figura 9 representa um diagrama de sequência. Fonte: Fowler, 2005 p. 69 Figura 9. Diagrama de Sequência. i) Diagrama de Transição de Estado: são técnicas para conhecer o comportamento do sistema, é uma representação do estado ou situação em que o objeto pode se encontrar no decorrer da execução de processos de um sistema, passando assim o objeto de um estado inicial para o estado final através de uma transição. Inclui notações que explicam o comportamento do objeto enquanto ele muda de um estado para outro e enquanto está em um estado específico. É designado para mostrar o comportamento do ciclo de vida de um único objeto. Esse diagrama pode ser observado na Figura 10. Fonte: Fowler, 2005 p. 111 Figura 10. Diagrama de Transição de Estado.

26 24 j) Diagrama de Atividades: é uma técnica que descreve a lógica de procedimento, representa processo de negócio e fluxo de trabalho conduzido por processamento, desempenha papel semelhante aos fluxogramas, e suportam comportamento paralelo. São importantes somente para a modelagem de aspectos dinâmicos de um sistema e para construção de sistemas executáveis por meio de engenharia reversa. Diz o que acontece, mas não diz quem faz o que, este diagrama não comunica qual classe é responsável por cada ação. A Figura 11 é um exemplo de diagrama de atividades. Fonte: Fowler, 2005 p. 119 Figura 11. Diagrama de Atividades. k) Diagrama de Colaboração ou Comunicação: exibe interação entre conjuntos de objetos e seus relacionamentos, incluindo mensagens trocadas entre eles. Dá ênfase à ordenação estrutural em que as mensagens são trocadas entre os objetos de um sistema. Oferecem visão de alto nível da progressão lógica através das interações. Esse diagrama é utilizado para dar ênfase no contexto do sistema, é

27 25 desenhado como um diagrama de objetos, onde os objetos são exibidos juntamente com seus relacionamentos. A Figura 12 exibe esse diagrama. Fonte: Fowler, 2005 p. 130 Figura 12. Diagrama de Colaboração ou Comunicação. l) Diagrama de Temporização: apresenta comportamento dos objetos durante seu ciclo de vida e sua interação em uma escala de tempo, focando as condições que mudam no decorrer desse período. É uma outra forma de diagrama de interação, no qual o foco está nas restrições de temporização para um ou vários objetos. Oferece visão da mudança de estado do objeto enfatizando a importância do tempo e da temporização. Seu layout é uma grade com eixos de tempo e estado, utiliza duas formas de representação, uma linha de tempo de estado (timeline) e uma linha de tempo de valor geral. Esse diagrama é representado pela Figura 13. Fonte: Fowler, 2005 p. 141 Figura 13. Diagrama de Temporização.

28 26 m) Diagrama de Interatividade: é uma mistura e variações de diagramas de atividades e sequência, faz utilização do layout do diagrama de atividades para modelar o fluxo da lógica em diversos eventos. Faz modelagem de uma série de comportamentos discretos (atividades) utilizando blocos de ocorrência de interação e realiza interação individual que se expressa nos diagramas de sequência. Esse diagrama é representado na Figura 14. Fonte: Fowler, 2005 p. 140 Figura 14. Diagrama de Interatividade. Um software ou aplicação que utiliza a UML como linguagem de suporte à modelagem envolve a criação de diversos documentos, podendo ser textos ou gráficos. Esses documentos são denominados artefatos de software que compõem as visões do sistema. Os artefatos gráficos produzidos durante o desenvolvimento de uma aplicação de software orientado a objetos são definidos pela utilização dos diagramas da UML (BEZERRA, 2007).

29 Plataformas Tecnológicas A Linguagem Java Java é uma linguagem de programação, desenvolvida pela empresa Sun Microsystems voltada para a programação Orientada a Objetos (OO). É portável para diferentes plataformas e diferente das outras linguagens de programação. A linguagem Java é compilada para um bytecode que é executado e compilado por uma máquina virtual (JAVA, 2009). A Sun lança a primeira plataforma universal de software, desenhada a partir das tecnologias utilizadas na Internet e intranets corporativas. A tecnologia Java possibilita aos desenvolvedores escrever aplicativos uma vez, para rodar em qualquer computador (SUN, 2009). Java foi criada com base nos elementos das linguagens C e C++ com finalidade de adicionar conteúdo dinâmico a páginas da Web, como interatividade e animações, atendendo as necessidades crescentes dos usuários e desenvolvedores (DEITEL e DEITEL, 2005). Java é utilizada em todos os principais setores corporativos de médio e grande porte no mundo inteiro e está presente em uma ampla gama de dispositivos programáveis como computadores, celulares, PDA, e redes (DEITEL e DEITEL, 2005). A linguagem teve sua idéia principal amadurecida pelas mudanças ocorridas no mundo da tecnologia, e foi implementada com o intuito de abranger essas mudanças. A linguagem Java foi projetada com os seguintes objetivos: orientação a objetos, portabilidade, recursos de rede e segurança, e oferece diversas vantagens em relação ao uso de outras tecnologias de servidor como: flexibilidade, e benefícios como escalabilidade de distribuir o processamento de aplicações desenvolvidas em diversos servidores (GONÇALVES, 2007). Segundo o site da Sun Microsystems, em 1998, foi introduzida uma nova tecnologia que permite maior velocidade, flexibilidade e um conjunto completo de classes base, nas seguintes plataformas (SUN, 2009): a) JSE (Java Standard Edition): é um ambiente básico destinado ao desenvolvimento e execução das aplicações para desktops e estações de trabalho;

RESUMO. Palavras-chave: AlphaWEB. Gerador de Artefatos. Aplicações. Software. ABSTRACT

RESUMO. Palavras-chave: AlphaWEB. Gerador de Artefatos. Aplicações. Software. ABSTRACT GERADOR DE ARTEFATOS PARA APLICAÇÕES WEB GENERATOR ARTIFACTS FOR WEB APPLICATIONS Juliane Rosário juh_rosario@yahoo.com.br Murillo da Silva Casa Grande murilloscg@yahoo.com.br Prof. M. Sc. Anderson Pazin

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CONCURSO PÚBLICO PARA ANALISTA DE SUPORTE 08 DE NOVEMBRO DE 2009... (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Tecnologia Java Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Origem da Tecnologia Java Projeto inicial: Oak (liderado por James Gosling) Lançada em 1995 (Java) Tecnologia

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma

Leia mais

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca Desenvolvimento de Aplicações Web Lista de Exercícios Métodos HTTP 1. No tocante ao protocolo de transferência de hipertexto (HTTP), esse protocolo da categoria "solicitação e resposta" possui três métodos

Leia mais

Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério.

Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério. EDSON GONÇALVES Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério. AGRADECIMENTOS Primeiramente gostaria de agradecer

Leia mais

Desenvolvimento WEB II. Professora: Kelly de Paula Cunha

Desenvolvimento WEB II. Professora: Kelly de Paula Cunha Desenvolvimento WEB II Professora: Kelly de Paula Cunha O Java EE (Java Enterprise Edition): série de especificações detalhadas, dando uma receita de como deve ser implementado um software que utiliza

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização do Desenvolvimento Tecnológico na UERJ

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD. Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins

GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD. Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento do trabalho Conclusão Extensões

Leia mais

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

Programação para Internet II

Programação para Internet II Programação para Internet II Aulas 01 e 02 Prof. Fernando Freitas Costa http://blog.fimes.edu.br/fernando nando@fimes.edu.br Conteúdo Programático Instalação e configuração básica do Eclipse Indigo e do

Leia mais

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCE-557 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

Use a Cabeça! FREEMAN, Eric e Elisabeth. HTML com CSS e XHTML BASHMAN, Brian / SIERRA Kathy / BATES, Bert. Servlets & JSP

Use a Cabeça! FREEMAN, Eric e Elisabeth. HTML com CSS e XHTML BASHMAN, Brian / SIERRA Kathy / BATES, Bert. Servlets & JSP Use a Cabeça! FREEMAN, Eric e Elisabeth. HTML com CSS e XHTML BASHMAN, Brian / SIERRA Kathy / BATES, Bert. Servlets & JSP Software cliente: browser e outros Protocolo HTTP Infraestrutura de transporte

Leia mais

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos Programação Orientada a Objetos Universidade Católica de Pernambuco Ciência da Computação Prof. Márcio Bueno poonoite@marciobueno.com Fonte: Material da Profª Karina Oliveira Introdução ao Paradigma OO

Leia mais

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira ENTERPRISE JAVABEANS 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Apostila Servlets e JSP www.argonavis.com.br/cursos/java/j550/index.html INTRODUÇÃO Introdução Enterprise JavaBeans é um padrão de modelo de componentes

Leia mais

Uso de servlets nas aplicações web desenvolvidas para a plataforma java 1

Uso de servlets nas aplicações web desenvolvidas para a plataforma java 1 Uso de servlets nas aplicações web desenvolvidas para a plataforma java 1 Resumo Em uma interação feita em uma aplicação Web existem tarefas que devem ser executadas no servidor, tais como processamento

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Programação para a Internet. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala

Programação para a Internet. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala Programação para a Internet Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala A plataforma WEB Baseada em HTTP (RFC 2068) Protocolo simples de transferência de arquivos Sem estado

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 3 - MODELAGEM DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS COM UML 1. INTRODUÇÃO A partir de 1980, diversos métodos de desenvolvimento de sistemas surgiram para apoiar o paradigma orientado a objetos com uma

Leia mais

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código Igor Steinmacher 1, Éderson Fernando Amorim 1, Flávio Luiz Schiavoni 1, Elisa Hatsue Moriya Huzita 1 1 Departamento de Informática

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE DADOS CLIMÁTICOS NA WEB NO AUXILIO À AGRICULTURA RESUMO SYSTEM CONTROL OF CLIMATIC DATA IN THE WEB TO ASSIST THE AGRICULTURE

SISTEMA DE CONTROLE DE DADOS CLIMÁTICOS NA WEB NO AUXILIO À AGRICULTURA RESUMO SYSTEM CONTROL OF CLIMATIC DATA IN THE WEB TO ASSIST THE AGRICULTURE SISTEMA DE CONTROLE DE DADOS CLIMÁTICOS NA WEB NO AUXILIO À AGRICULTURA CAROLINE VISOTO 1 EDUARDO RUBIN 2 THIAGO X. V. OLIVEIRA 3 WILINGTHON PAVAN 4 JOSÉ MAURÍCIO CUNHA FERNANDES 5 CRISTIANO ROBERTO CERVI

Leia mais

Programação Web Aula 12 - Java Web Software

Programação Web Aula 12 - Java Web Software Programação Web Aula 12 - Java Web Software Bruno Müller Junior Departamento de Informática UFPR 25 de Maio de 2015 1 Java 2 Java Web Software 3 Servlets Modelo de Trabalho Funcionamento API Java Código

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2010

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2010 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2010 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

Introdução a Servlets

Introdução a Servlets Linguagem de Programação para Web Introdução a Servlets Prof. Mauro Lopes 1-31 21 Objetivos Iniciaremos aqui o estudo sobre o desenvolvimento de sistemas web usando o Java. Apresentaremos nesta aula os

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

(UFF) JDBC (I) TEPIS II

(UFF) JDBC (I) TEPIS II Aula 20: JDBC (I) Diego Passos Universidade Federal Fluminense Técnicas de Projeto e Implementação de Sistemas II Diego Passos (UFF) JDBC (I) TEPIS II 1 / 33 JDBC: Introdução Especificação que provê acesso

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software Anna Carla Mohr Verner Helder Eugenio dos Santos Puia Florianópolis,

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES Hugo Henrique Rodrigues Correa¹, Jaime Willian Dias 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil hugohrcorrea@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Algumas propriedades dos objetos:

Algumas propriedades dos objetos: Orientação a Objetos Vivemos num mundo de objetos. Esses objetos existem na natureza, nas entidades feitas pelo homem, nos negócios e nos produtos que usamos. Eles podem ser categorizados, descritos, organizados,

Leia mais

PRD Tecnologia de Gestão Ltda. Julho/2008

PRD Tecnologia de Gestão Ltda. Julho/2008 O Processo de Desenvolvimento Telescope Julho/2008 Página 1 Sumário Introdução...3 O desenvolvimento de software tradicional...3 O problema da produtividade...3 O problema da portabilidade...6 O problema

Leia mais

PadrãoIX. Módulo II JAVA. Marcio de Carvalho Victorino. Servlets A,L,F,M

PadrãoIX. Módulo II JAVA. Marcio de Carvalho Victorino. Servlets A,L,F,M JAVA Marcio de Carvalho Victorino 1 Servlets 2 1 Plataforma WEB Baseada em HTTP (RFC 2068): Protocolo simples de transferência de arquivos Sem estado (não mantém sessão aberta) Funcionamento (simplificado):

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

EMENTA DO CURSO. Tópicos:

EMENTA DO CURSO. Tópicos: EMENTA DO CURSO O Curso Preparatório para a Certificação Oracle Certified Professional, Java SE 6 Programmer (Java Básico) será dividido em 2 módulos e deverá ter os seguintes objetivos e conter os seguintes

Leia mais

Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1

Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1 Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1 Conteúdo Arquitetura de Aplicações Distribuídas na Web Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2013.2/tcc-00.226

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I CONCEITOS BÁSICOS 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS PAULO ALBERTO BUGMANN ORIENTADOR: ALEXANDER ROBERTO VALDAMERI Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

WebApps em Java com uso de Frameworks

WebApps em Java com uso de Frameworks WebApps em Java com uso de Frameworks Fred Lopes Índice O que são frameworks? Arquitetura em camadas Arquitetura de sistemas WEB (WebApps) Listagem resumida de frameworks Java Hibernate O que são frameworks?

Leia mais

Programação para Internet II

Programação para Internet II Programação para Internet II Aulas 01 e 02 Prof. Fernando Freitas Costa http://professor.fimes.edu.br/fernando nando@fimes.edu.br Prof. Fernando 1 Ementa Instalação e configuração básica do NetBeans e

Leia mais

Sistemas para internet e software livre

Sistemas para internet e software livre Sistemas para internet e software livre Metodologia de modelagem de aplicações WEB Image: FreeDigitalPhotos.net Domínio: Elementos de aplicação WEB Páginas Web Scripts Formulários Applets e ActiveX Motivação

Leia mais

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Ana Paula Carrion 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1, Jaime Willian Dias 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil anapaulacarrion@hotmail.com,

Leia mais

Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA

Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA Otavio Pereira Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA Orientador: Ricardo Pereira e Silva Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Informática e Estatística - INE Florianópolis

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS Emanuel M. Godoy 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil godoymanel@gmail.com,

Leia mais

Classes de Entidades Persistentes JDB

Classes de Entidades Persistentes JDB Classes de Entidades Persistentes JDB Brasil, Natal-RN, 07 de setembro de 2011 Welbson Siqueira Costa www.jdbframework.com Nota de Retificação: em 11/12/2011 a Listagem 3 desse tutorial sofreu uma pequena

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

Ferramenta CORIDORA Web Mapping para Mapeamento de Esquemas em Bancos de Dados Heterogêneos

Ferramenta CORIDORA Web Mapping para Mapeamento de Esquemas em Bancos de Dados Heterogêneos Ferramenta CORIDORA Web Mapping para Mapeamento de Esquemas em Bancos de Dados Heterogêneos Fernando Busanello Meneghetti 1, Fabiano Gama Paes 1, Gustavo Zanini Kantorski 1 Curso de Sistemas de Informação

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) Sumário. Java 2 Enterprise Edition. J2EE (Java 2 Enterprise Edition)

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) Sumário. Java 2 Enterprise Edition. J2EE (Java 2 Enterprise Edition) Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) J2EE () Sumário Introdução J2EE () APIs J2EE Web Container: Servlets e JSP Padrão XML 2 J2EE é Uma especificação para servidores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Informatização de farmácias publicas utilizando software livre.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Informatização de farmácias publicas utilizando software livre. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Informatização de farmácias publicas utilizando software livre. MURILO NUNES ELIAS FLORIANÓPOLIS SC 2007/2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML. Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli

ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML. Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli Objetivo; Roteiro da Apresentação Visão Geral sobre Internet,

Leia mais

SCC-0263. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCC-0263. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCC-0263 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

UML Unified Modeling Language

UML Unified Modeling Language UML Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada A linguagem UML UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada É uma linguagem para especificação, É uma linguagem para

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

Conceitos Web. Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011. UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação

Conceitos Web. Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011. UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Conceitos Web Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011 Tecnologias Web jgw@unijui.edu.br Conceitos Básicos Sistema

Leia mais

Arquitetura de uma Webapp

Arquitetura de uma Webapp Arquitetura de uma Webapp Arquitetura J2EE Containers e componentes MVC: introdução Frederico Costa Guedes Pereira 2006 fredguedespereira@gmail.com Plataforma J2EE World Wide Web e a Economia da Informação

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) ARQUITETURA DE SISTEMAS Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Definição Documento de arquitetura Modelos de representação da arquitetura Estilos arquiteturais Arquitetura de sistemas web Arquitetura

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Banco de Dados de Músicas Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Definição Aplicação Web que oferece ao usuário um serviço de busca de músicas e informações relacionadas, como compositor, interprete,

Leia mais

UML Modelagem da Arquitetuta

UML Modelagem da Arquitetuta CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação UML Modelagem da Arquitetuta Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Análise e Projeto de Sistemas Faculdade de Computação

Leia mais

Engenharia de Software Aplicações de Internet

Engenharia de Software Aplicações de Internet Engenharia de Software Aplicações de Internet Eduardo Santos eduardo.edusantos@gmail.com eduardo.santos@planejamento.gov.br www.softwarepublico.gov.br Histórico Por que existe a Internet? Por que existe

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais

MC302A Modelagem de Sistemas com UML. Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br

MC302A Modelagem de Sistemas com UML. Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br MC302A Modelagem de Sistemas com UML Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br Modelamento de Sistemas e Orientação a Objetos O paradigma de Orientação a Objetos oferece um conjunto de características

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Antonio

Banco de Dados. Prof. Antonio Banco de Dados Prof. Antonio SQL - Structured Query Language O que é SQL? A linguagem SQL (Structure query Language - Linguagem de Consulta Estruturada) é a linguagem padrão ANSI (American National Standards

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Curso de Gestão em SI Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Banco de Dados (BD) BD fazem parte do nosso dia-a-dia!

Leia mais

Prova Específica Cargo Desenvolvimento

Prova Específica Cargo Desenvolvimento UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ Centro de Educação Aberta e a Distância CEAD/UFPI Rua Olavo Bilac 1148 - Centro CEP 64.280-001 Teresina PI Brasil Fones (86) 3215-4101/ 3221-6227 ; Internet: www.uapi.edu.br

Leia mais

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44)

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) 28) A orientação a objetos é uma forma abstrata de pensar um problema utilizando-se conceitos do mundo real e não, apenas, conceitos computacionais. Nessa perspectiva, a adoção

Leia mais

Aula 03 - Projeto Java Web

Aula 03 - Projeto Java Web Aula 03 - Projeto Java Web Para criação de um projeto java web, vá em File/New. Escolha o projeto: Em seguida, na caixa Categorias selecione Java Web. Feito isso, na caixa à direita selecione Aplicação

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina CTC Centro Tecnológico INE Departamento de Informática e Estatística INE5631 Projetos I Prof. Renato Cislaghi Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP

Leia mais

Prof. Marcelo Heitor Teixeira marceloheitor.com. Java API JDBC

Prof. Marcelo Heitor Teixeira marceloheitor.com. Java API JDBC Prof. Marcelo Heitor Teixeira marceloheitor.com Java API JDBC # Java vs bancos de dados relacionais # JDBC Java Database Connectivity # Arquitetura JDBC # Drivers JDBC # Pool de Conexões JDBC Java Database

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com. IntroduçãoàTecnologiaWeb FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais